DGM Sistemas, Lda. Angola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DGM Sistemas, Lda. Angola"

Transcrição

1 DGM Sistemas, Lda. Angola 2013

2 DURANTE DEZ ANOS A DGM SISTEMAS, LDA ASSUMIU IMPORTANTES COMPROMISSOS COM O NOSSO PAÍS. CONHEÇA ALGUNS DESTES COMPROMISSOS AO LONGO DAS PÁGINAS DESTE LIVRO.

3

4

5 COMPROMISSO COM UM FUTURO MELHOR.

6 A DGM Sistemas Lda. é uma empresa de direito Angolano que comemora 10 anos de actividade no segmento de Consultoria. A nossa empresa surgiu para responder a um conjunto de necessidades emergentes no mercado Angolano, num contexto muito particular de Reconstrução Nacional, pelo que nesta fase estava fortemente orientada para a implementação de sistemas e assistência técnica em todos os domínios informáticos. Com o passar dos anos fomos abraçando projectos de forte cariz social, de elevado interesse estratégico para a Nação e de impacto na identidade dos cidadãos e na sociedade angolana, fornecendo o nosso contributo para a reconstrução nacional de Angola. Durante a nossa trajectória, tivemos a oportunidade de comprovar a nossa competência na modernização da Segurança Social, da Justiça e da Saúde. Passámos, pois, a ser uma empresa que procura participar em acções que contribuam efectivamente para alavancar o desenvolvimento socioeconómico e sustentável de Angola. PREFÁCIO Em consequência do nosso percurso, alargamos a nossa expertise e capitalizamos uma elevada competência noutros domínios, como sejam nas áreas de consultoria em políticas de administração pública, recursos humanos, gestão de processos, logística, implementação de centros de atendimento ao Público, estudos actuariais, gestão documental e arquivo, implementação de centros de documentação, serviços de digitalização, sistemas de identificação civil, registo criminal, contabilidade, administração e finanças. Com actuação a nível nacional, temos como factor distintivo a procura de soluções inovadoras e integradas destinadas a alcançar a máxima eficácia produtiva e a melhor rentabilidade para os nossos clientes. Criamos soluções de valor acrescentado para os negócios das organizações, através de um modelo integrado e interdisciplinar de competências que valoriza cada componente do investimento desde a concepção à concretização. Mantemos o empenho permanente no aumento sistemático da qualidade de produtos e serviços que prestamos aos nossos clientes, obtendo como resultado um rigoroso padrão de qualidade. Para isso, todos os nossos projectos passam por uma auditoria de qualidade realizada por empresas e instituições de notório conhecimento internacional para a validação dos actos originalmente praticados. Contamos actualmente com diversos clientes da Administração Pública de Angola e operamos com diversos parceiros tecnológicos de nível internacional e de reconhecida competência técnica, específicas e aplicadas, de natureza incontroversa, bem como colaboradores em distintas áreas de actuação, com reconhecida e comprovada experiência, conforme atestam os nossos clientes e os resultados dos trabalhos realizados ao longo dos anos. Em suma, sempre comprometidos com a nossa missão de responsabilidade social, contribuímos para uma Angola socialmente melhor e para o aperfeiçoamento contínuo dos serviços públicos. Acumulámos experiências, lançamos novos desafios, evoluímos em equipa e alcançamos em conjunto com os nossos clientes sucessos nos diversos projectos que desenvolvemos.

7

8 AUTORIDADES PRESENTES NAS INAUGURAÇÕES DAS UNIDADES DE ATENDIMENTO À POPULAÇÃO, em nossos projectos.

9

10

11

12 SUMÁRIO

13 CAPITULO I: O NOSSO CAPITAL HUMANO CAPITULO II: LINHA DO TEMPO CAPITULO III: A TRAJECTÓRIA 1. Modernização da Segurança Social - Instituto Nacional de Segurança Social 2. Modernização dos Serviços da Caixa de Protecção Social do Ministério do Interior 3. Modernização dos Serviços do Ministério da Justiça 4. Modernização dos Serviços Hospitalares Regionais CAPITULO VI: DESAFIOS FUTUROS AGRADECIMENTOS

14 CAPITULO I O NOSSO CAPITAL HUMANO O mais valioso entre todos os capitais é aquele investido em seres humanos Herb Kelleher Fundador da Southwest Airlines 14

15 O principal capital da DGM está centrado nos seus recursos humanos, em especial nos quadros angolanos, que maioritariamente estão enquadrados nos projectos que desenvolvemos. Desde a nossa criação que tivemos a visão de investir fortemente nos recursos humanos nacionais, integrando-os num intensivo e longo processo de formação em paralelo com profissionais estrangeiros de elevada competência em diversos domínios técnicos. A capacitação dos profissionais angolanos passa por uma formação teórica e on the Job training nas técnicas e ferramentas utilizadas nos diversos domínios de actuação da DGM. No que concerne aos profissionais estrangeiros, a estratégia de contratação tem vindo a incidir na selecção de quadros altamente qualificados e, fundamentalmente, com grande experiência profissional nas áreas de negócio em que actuamos, na reorganização e informatização de órgãos públicos, como sejam em: Segurança Social; Estatística e Actuariado; Tecnologias e Sistemas de Informação; Gestão de Bases de Dados; Gestão de Empresas; Gestão de Recursos Humanos; Gestão de Projectos; Gestão do Conhecimento; Finanças; 15

16 Número de Funcionários da DGM, Setembro de 2012 TOTAL: 918 Economia; Comunicação; PROJECTOS: 854 Direito; Administração; Sociologia; Entre outras áreas. ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA: 64 Proporção de funcionários nacionais e expatriados da DGM, Setembro de 2012 NACIONAIS: 95% Sempre em conjunto com uma contra-parte nacional, a tendência destes profissionais é, cada vez mais, dos profissionais estrangeiros deixarem de ter relevância, na medida em que formam os quadros nacionais, inseridos na empresa ou afectos às Instituições Públicas a quem prestamos os nossos serviços, para o exercício das suas funções e contribuir para a melhoria da qualificação técnica de alto nível dos quadros técnicos nacionais. A aplicação desta política pela DGM está reflectida na composição dos seus quadros, onde, do total de funcionários que integram a empresa, 95% são nacionais e 5% são expatriados. No conjunto das nossas actividades este não é apenas o principal, mas seguramente o melhor investimento que fazemos. Sempre procuraremos constituir um quadro de funcionários nacionais com elevada competência, motivados e comprometidos com a missão, visão e valores definidos para a empresa e para os projectos em que estão inseridos. EXPATRIADOS: 5% 16

17 17

18 CAPITULO II LINHA DO TEMPO

19 Em 2002, a PAZ trouxe novamente a possibilidade de Angola voltar a sonhar por um país melhor e próspero, colocando-o como um dos países economicamente mais destacados no mundo. Desde então, abriu-se um conjunto de enormes desafios governativos para a estruturação e reorganização do país. Estivemos desde o primeiro momento capacitados para prestar serviços de apoio ao Governo de Angola no âmbito da Reconstrução Nacional, particularmente em áreas extraordinariamente complexas e sensiveis da esfera social, tais como a modernização da Segurança Social, da Justiça e, mais recentemente, da Saúde. 19

20 OS NOSSOS PRINCIPAIS PROJECTOS NESTA DÉCADA

21

22 CAPITULO III A TRAJECTÓRIA O verdadeiro Recurso Humano aparece nos resultados da empresa Jack e Suzy Welch Autores do best-seller internacional Paixão por Vencer 22

23

24

25 COMPROMISSO COM A FAMÍLIA ANGOLANA.

26

27 1. Modernização da Segurança Social Instituto Nacional de Segurança Social CONTEXTO A DGM tem apoiado o Estado de Angola na modernização e qualificação do Instituto Nacional de Segurança Social, desde 2004, ao abrigo dos Planos de Modernização e Desenvolvimento Institucional do INSS (PMDI) e, mais recentemente, do Plano de Qualificação e Sustentabilidade da Segurança Social (PQ3S). O PMDI foi o marco divisor de águas que posicionou o Instituto Nacional de Segurança Social no rumo ambicionado da sua visão ser um modelo de excelência na prestação de serviços à população. As acções implementadas nestes planos elevaram a instituição a níveis de desempenho comparado às melhores instituições internacionais. O Instituto viu o aumento progressivo da cobertura de trabalhadores e, consequentemente, o aumento de mais pessoas protegidas pela Segurança Social, como também registou avanços tecnológicos incomparáveis a muitas instituições públicas, incorporou ferramentas de suporte operacional, melhorou significativamente os seus processos chave, o que traduziu numa maior celeridade de resposta, e principalmente sentiu uma elevada melhoria na percepção da qualidade na prestação de serviços pelos colaboradores e, de modo muito particular, dos seus utentes. 27

28

29 Evolução do Número de Segurados e Pensionistas, 2002 a 2012 (Outubro) Mais do que um plano, procurámos materializar a visão do INSS ao traduzir os anseios, os sentimentos, os sonhos e, porque não dizer, as aspirações de toda uma Instituição que almejava entrar, definitivamente no caminho da modernização. Desta parceria, surge uma história recheada de grandes avanços para o Instituto Nacional de Segurança Social e de satisfação, por parte da DGM em contribuir para o desenvolvimento sócio-económico do nosso país. 29

30

31 Implementação dos sistemas de emissão dos cartões de segurados, contribuintes e pensionistas. 31

32 PRINCIPAIS RESULTADOS NAS ÁREAS ESTRUTURANTES DA SEGURANÇA SOCIAL Segurança Social Desenvolvimento de propostas e estudos para a melhoria do sistema de Segurança Social. A DGM tem desenvolvido estudos e propostas específicas para o aumento da extensão do sistema da Protecção Social Obrigatória em termos de cobertura de trabalhadores e aplicação material, bem como para a melhoria e adequabilidade das prestações existentes. Realização anual de Avaliações Actuariais. A DGM desenvolve anualmente avaliações actuariais, que permitem ao Instituto conhecer a sustentabilidade financeira do Sistema de Segurança Social. Implementação da Folha de Remunerações. A DGM desenvolveu este importante Instrumento informático para o pagamento das contribuições, colocado à disposição para utilização directa das empresas, através do portal do INSS. Implementação da Nova Inscrição. Acção desenvolvida e implementada no âmbito da campanha de combate à Fraude e Evasão Contributiva e Prestacional, que promoveu a inscrição e a actualização das empresas e dos seus trabalhadores junto à Segurança Social. 32

33

34 Implementação dos Cartões de identificação dos Contribuintes, Segurados e Pensionistas. O cartão de identificação desenvolvido pela DGM veio garantir a identidade dos seus utentes. Actualização e digitalização dos processos de concessão das prestações, novos e em arquivo, designadamente das pensões e subsídios. A DGM assegurou que o INSS passasse a armazenar os documentos digitalizados de forma segura e rápida, a aceder de forma célere às imagens digitalizadas. Regularização de prestações e pagamento de retroactivos. O INSS passou a pagar pelo sistema informático, a grande maioria dos retroactivos, assim como a regularização das prestações, ao invés de fazê-lo por caixa. Desenho e Implementação e acompanhamento da medida Prova de Vida. Esta medida nacional consiste na comprovação do Estado de Vida dos pensionistas, a fim de estes manterem o direito à recepção das prestações sociais. Implementámos esta operação em todo o país com a instalação de mais de 80 postos de atendimento espalhados de Cabinda ao Cunene. Disponibilizámos um atendimento especializado para os pensionistas acamados.

35 35

36 36

37

38

39 Bancarização do pagamento das prestações. Implementámos esta medida a nível nacional com o objectivo de controlar mais eficazmente os gastos com a Protecção Social Obrigatória e, simultaneamente, combater a fraude na concessão das prestações. Esta acção consiste no pagamento das prestações sociais através do Banco Poupança e Crédito BPC. Centralização da Concessão de Prestações na Sede do INSS. Acção de controlo e previsão orçamental dos gastos nacionais da Segurança Social, que possibilitou ao Instituto a padronização da forma de concessão das prestações, maior eficácia no processo e mais transparência do sistema. 39

40 Monitorização diária, em tempo real, de indicadores de desempenho da área de operações da Segurança Social. Disponibilizada permanentemente aos diversos decisores do MAPTESS e do Instituto. Suporte e realização de Seminários de Nível Nacional e Internacional. Promovemos a realização de seminários permanentemente dirigidos aos técnicos do INSS sobre as mais diversas temáticas segurança social, contabilidade, auditoria, técnicas de atendimento entre outras de modo a aumentar o seu conhecimento e a melhorar as suas práticas profissionais. 40

41

42 Atendimento A DGM apoiou o INSS na implementação dos seguintes serviços de atendimento aos utentes: Serviço Call Center Linha da Protecção Social Obrigatória. Serviço telefónico de informação ao cidadão sobre a Segurança Social, disponível diariamente. Este serviço está de acordo com as melhores práticas e modelos de funcionamento de centros de referência em todo o mundo. Remodelação das Agências de Atendimento na Sede das Províncias e Implementação do espaço do pensionista e da qualidade no atendimento aos contribuintes e segurados. Com a visão de melhorar a qualidade no atendimento, a DGM remodelou e padronizou os espaços das Agências de Atendimento do INSS instaladas por todo o País. As obras de remodelação obedeceram a uma padronização dos espaços, do mobiliário, da imagem e identidade visual. Todas as agências passaram a ter o mesmo padrão de cores, sinalética, diversas infra-estruturas de comunicação e informática necessárias ao seu funcionamento, como máquinas de digitalização, fotocopiadoras, aparelhos de telefonia via VOIP, material informativo, etc. Também a imagem dos funcionários foi alterada, através da disponibilização de um uniforme para o exercício das suas funções. Neste âmbito procurámos proporcionar o máximo conforto aos utentes, especialmente os que têm mobilidade condicionada. Todos os utentes passaram a contar com rampas de acesso, cadeiras de rodas, sala de espera, climatização, sistema de gestão de filas de espera, TV, bebedouros com água potável e casa de banho. Padronizámos também os processos de trabalho, a forma como os assistentes devem tratar as questões e as informações prestadas em qualquer uma das agências de atendimento. Isto significa afirmar que em todos os postos de atendimento do INSS distribuídos pelo País, os contribuintes, segurados, pensionistas e cidadão em geral terão o mesmo tipo de atendimento e de informação prestada, em instalações com o mesmo padrão. Humanização dos serviços no atendimento aos pensionistas. Demos ainda especial atenção ao atendimento prestado aos pensionistas, orientando os assistentes a adoptar práticas profissionais e a tratar os pensionistas com elevado cuidado e zelo. Estruturação, implementação e gestão de um sistema da qualidade do atendimento. Implementamos em todas as Agências de Prestações de Serviços um sistema de avaliação dos serviços prestados. Disponibilização ao Público em Geral dos Guias Práticos, disponíveis no Portal do INSS. Desenvolvemos para os utentes da segurança social um conjunto de guias práticos que informam e orientam os segurados e pensionistas para requerer as prestações sociais disponíveis. Estes guias práticos estão disponíveis no portal do INSS. 42

43

44 SERVIÇOS MUNICIPAIS DO INSS. Com a visão de fazer chegar a Segurança Social aos cidadãos, a DGM tem vindo a apoiar o Instituto a implementar os Serviços Municipais. Estes serviços de construção de raiz, adoptaram um modelo combinado que integra um Centro de Formação Profissional e Empreendedorismo do INEFOP, uma Agência Bancária do BPC e a Segurança Social. Inaugurados desde 2012, são uma realidade em 9 municípios do país que irão contar com estes serviços - Icolo e Bengo, Ganda, Matala, Tômbwa, Waku Kungo, Cambambe, Andulo, Caála, Cacuso e Negage.

45

46

47 Recursos Humanos SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. Implementamos no INSS um sistema de gestão de recursos humanos, nomeadamente uma base de dados dos funcionários do Instituto, padronizada, sistematizada e organizada, o sistema de folha de salários informatizado e respectivo processamento. DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS DO CLIMA ORGANIZACIONAL. Desenvolvemos estudos de satisfação dos colaboradores do INSS, a fim de avaliar o clima organizacional do Instituto para a aplicação de políticas e medidas de recursos humanos específicas. ESTABELECIMENTO DAS BASES PARA UMA GESTÃO POR COMPETÊNCIA. Implementamos acções para conhecer, desenvolver, integrar e subsidiar a gestão por competências individuais e institucionais, apontando para o desenvolvimento sistemático dos funcionários e a excelência no cumprimento da missão institucional. IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE RECRUTAMENTO E SELECÇÃO. Desenvolvemos um programa de recrutamento e selecção interno e externo, sustentado numa metodologia de selecção por competências adequado ao INSS. TRANFERÊNCIA DO CONHECIMENTO AOS FUNCIONÁRIOS A NÍVEL NACIONAL. Desde que prestamos serviços no INSS, aplicamos um modelo de transferência de conhecimento aos quadros nacionais que assenta na realização de acções e formação tradicionais e formações diárias no local de trabalho. N.º de Técnicos que participaram em acções de formação e n.º Horas de formação, 2005 a 2012 (Outubro) 47

48

49 Administração & Finanças Em termos contabilísticos apoiamos o INSS na: - Realização anual dos fechos contabilísticos. - Estruturação do Plano de Contas. - Implementação do uso efectivo do sistema de contabilidade nas Unidades Provinciais. - Automatização do apuramento de resultados anuais. - Criação e implementação da área Contabilidade Executiva. - Integração do módulo de prestações com o sistema contabilístico. - Implementação de actividades relativas ao património, orçamento e investimento. - Implementação de procedimentos de controlo na área de tesouraria. - Desenvolvimento e implementação de um sistema de alocação de activos. - Estruturação dos relatórios financeiros, patrimonial e de demonstração das variações patrimoniais. Ao longo destes anos, procurámos igualmente impulsionar de forma significativa os Controlos Internos do Instituto, área que tem vindo a apresentar uma evolução constante no ambiente quer interno quer externo, principalmente no compromisso de promover o fortalecimento progressivo das funções administrativas de fiscalização, auditoria e de combate à fraude e evasão contributiva e prestacional. Neste domínio implementámos: - Uma estrutura de auditoria com actuação na sede do INSS e nas Províncias; - Procedimentos e normas para as actividades de auditoria e de fiscalização; - Desenvolvimento das equipas de auditores; - Implementação do Plano de Combate à Fraude e Evasão Contributiva e Prestacional. Em termos administrativos implementámos o sistema de gestão documental e de arquivo, que inclui a instalação e equipamento do armazém para o arquivo físico dos documentos do INSS. 49

50 Tecnologias de Informação & Telecomunicação As Tecnologias de Informação e Telecomunicação são uma componente estruturante em todas as nossas actuações. As soluções que apresentamos aos nossos clientes são integradas entre as áreas de negócio, processos e tecnologias. Deste modo, implementámos: - Todos os sistemas informáticos dirigidos às necessidades do INSS. Desenvolvemos e realizamos a manutenção evolutiva dos softwares específicos para os processos em curso do Instituto. - O portal do INSS. - Data Center Backup. - As melhores práticas de Gestão das TIT s de acordo com os padrões internacionais. - Informatização de todas as Províncias e permanente ligação tecnológica entre estas e a Sede do Instituto. - Infra-estrutura de equipamentos e softwares na Sede e nas Unidades Provinciais do Instituto. - Rede de dados de banda larga, no que se refere ao sistema de comunicações de dados e voz. - Service Desk, serviço que oferece um suporte de 1ª linha a todo o tipo de problemas com os sistemas, equipamentos e telecomunicações do INSS. - Reestruturação do Backbone e implementação do switch core de alta performance. - Modernização dos recursos de comunicação e telefonia. - BPM - Business Process Management, Gereciamento de Processos de Negócios. - GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos. - Projecto performance, que proporcionou a diminuição dos tempos das transacções nas Províncias, mediante a optimização da infra-estrutura e dos sistemas informáticos. - Implementação do sistema vídeo vigilância nas Agências de Atendimento. - Rede de dados - Internet Protocol IP -, com cobertura nacional, assente num serviço de alta qualidade e disponibilidade, cuja estrutura englobou: sistemas de transmissão espalhados por todo o território nacional. 50

51

52

53 COMPROMISSO COM AS GERAÇÕES.

54 2. Modernização dos Serviços da Caixa de Protecção Social do Ministério do Interior CONTEXTO O Ministério do Interior é uma instituição do Executivo que exerce o papel fundamental para manter a ordem e a paz na sociedade angolana, uma vez que congrega Órgãos de defesa e segurança, nomeadamente: - A Polícia Nacional; - Os Serviços de Protecção Civil e Bombeiros; - O Serviço de Migração e Estrangeiros; - Os Serviços Prisionais. Com a implementação do sistema da Protecção Social Obrigatória do MININT, a DGM respondeu com eficácia e eficiência às expectativas legítimas dos Efectivos do Regime Especial de Carreiras. Este sistema veio assegurar a estabilidade moral e psicológica desta importante camada da sociedade angolana e suas famílias, através das prestações sociais que oferece. A Caixa da Protecção Social, Entidade Gestora deste sistema, vai responder a mais de (cem mil) famílias, ultrapassando a marca dos beneficiários, entre segurados e respectivos familiares, protegendo-os nas eventualidades de velhice, doença, morte e encargos familiares. Enlaçamos este desafio desde o seu início, onde já estruturamos a Sede em Luanda e iremos estruturar os serviços provinciais. Em suma, a DGM com a implementação da Caixa de Protecção Social do MININT proporcionou aos Efectivos do Regime Especial de Carreiras do MININT uma instituição capaz de lhes prover uma velhice digna e a protecção nas eventualidades previstas na Lei. 54

55 55

56

57

58

59 PRINCIPAIS RESULTADOS NAS ÁREAS ESTRUTURANTES DO PROJECTO Segurança Social Implementação do Plano de Inscrição dos Funcionários da Caixa. Actualizámos a nível nacional o cadastro de mais de 200 mil funcionários, digitalizamos a documentação de cada segurado, criámos imagens para o acesso rápido ao ficheiro digitalizado e estruturámos a base de dados. EMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS CARTÕES DE IDENTIFICAÇÃO DE SEGURADOS E PENSIONISTAS. No 33º Aniversário do Ministério do Interior, apoiámos na distribuição dos primeiros cartões dos pensionistas da Caixa. ELABORAÇÃO DE AVALIAÇÕES ACTUARIAIS. Desenvolvemos avaliações actuariais, a fim de medir os compromissos actuais e futuros da CPS/MININT de Protecção Social junto aos seus contribuintes, segurados e pensionistas, e assegurar a sustentabilidade ao Sistema do Ministério do Interior. REALIZAÇÃO DO CICLO DE PALESTRAS PRESENTE PROTEGIDO, FUTURO GARANTIDO. Sob este lema foram realizados ciclos de palestras em todo o território nacional, aos efectivos para divulgar os objectivos e benefícios da Caixa, bem como os direitos e obrigações para que todos estejam protegidos pelo Sistema de Protecção Social do MININT. 59

60

61

62 Manual de Procedimentos. Descrevemos os processos e fluxos de informações, como base para a elaboração do Manual de Normas e Procedimentos dos Processos Chave do Sistema de Protecção Social do MININT. Estruturação das Áreas Ambiente Interno. Estruturámos o espaço da Sede da Caixa de Protecção Social deste Ministério, conferindo-lhe uma identidade visual e um ambiente favorável à prestação de bons serviços aos utentes. Implementação dos sistemas de emissão dos cartões de segurados e pensionistas. 62

63

64 Capital Humano Realização de Acções de Formação. Envolvemos a nível nacional todos os técnicos angolanos da Caixa e dos Órgãos do MININT num conjunto de acções de formação, sob os mais diversificados temas de segurança social, atendimento, entre outros, totalizando horas de formação e 720 participantes, de Cabinda ao Cunene. - Formação Legislação Segurança Social e Informática CINFOTEC 1ª e 2ª Turma - Formação on the Job Equipa Técnica - Workshop de Execução de Projecto ENAD - Formação Plano de Inscrição Teoria e Prática - Curso Gestão Financeira Contabilidade e Orçamento - Matemática Financeira Aplicada ao Excel - Qualidade no Atendimento Simulação Casos Práticos - Formação Prática SIGCPS Sistema Integrado de Gestão da Caixa - Matemática Financeira II (2012) - Gestão Recursos Humanos Dinâmica de Grupo - Gestão do Património - Estagio Preparatório para Certificação de Redes - Curso Certificação em Redes CISCO I e II - Formação On the JoB para Integração SIGFE x SIGCPS 64

65

66 Tecnologias de Informação e Telecomunicação Instalação da Nova Infra-Estrutura. Adquirimos todos os equipamentos informáticos necessários ao bom funcionamento da CPS/MININT. Implementação do Data Center. Adquirimos e disponibilizámos um moderno data center, com capacidade de suportar as suas operações a nível nacional.

67

68

69 Implementação da Rede de Telecomunicações. Instalámos a rede de telecomunicações que integrou a Monitorização (MININT) com a Sede da Caixa (Maianga). Desenvolvimento de Aplicação Informática de Gestão Actuarial. Concebemos, desenvolvemos e implementámos o SIGCPS Sistema Integrado de Gestão da Caixa de Protecção Social, com 12 módulos essenciais para o bom desempenho das actividades. Desenvolvimento e implementação de módulos de sistemas do Sistema da Protecção Social do MININT. Desenvolvemos e implementámos os seguintes módulos de acessos; módulo de Cadastros Básicos e Parametrizações; Módulo Previdência; Módulo Folha de Pensões; Módulo Arrecadação; Módulo Orçamento; Módulo Tesouraria; Módulo Património; Módulo Contabilidade; Integrações; Gestão Documental; Impressão de Cartões. 69

70

71 COMPROMISSO COM OS DIREITOS DO CIDADÃO ANGOLANO.

72

73

74 3. Modernização dos Serviços do Ministério da Justiça CONTEXTO Socialmente um indivíduo só é reconhecido quando possui identidade jurídica, pelo que o Registo de Identificação é um instrumento mais elementar dos direitos de Cidadania. No contexto de reconstrução nacional e modernização dos serviços públicos a reformulação da Emissão do Bilhete de Identidade e de Modernização do Registo Criminal são conquistas emblemáticas do Governo de Angola. A DGM orgulhosamente abraçou o desafio de massificar o acesso ao Bilhete de Identidade a todos os Cidadãos de Angola e agilizar a emissão do Certificado de Registo Criminal, tornando-os disponíveis a todos os Cidadãos Angolanos, independentemente da sua localização geográfica em território Nacional. A experiência em curso tem sido um êxito nacional, com mais de 2,5 Milhões de Cidadãos a obter o seu Bilhete de Identidade na hora e em todas as Províncias e mais de 1 Milhão a obter o Certificado de Registo Criminal na nova plataforma. Para atingirmos estes resultados, criámos um ambiente com uma arquitectura complexa, composta por tecnologia de ponta e aplicações de referência na área de identificação a nível mundial. O Cartão do Bilhete de Identidade (cartão de memória óptica, com impressão a laser) é um dos mais seguros em todo o mundo e até hoje não existem provas de ter sido falsificado. A tecnologia de emissão e impressão dos bilhetes de identidade, assenta em ambientes LEIDA (Unisys) e AFIS (NEC) para a recolha e verificação em tempo real das impressões digitais dos 10 dedos. O Novo Sistema de Emissão do Bilhete de Identidade e do Registo Criminal está centralmente instalado num Data Center de última geração, criado para o efeito. Para além da plataforma tecnológica, assegurámos toda a rede logística e de distribuição de equipamentos e recursos humanos, para garantir a instalação e manutenção de todas as Repartições a nível nacional. Formámos milhares de funcionários do MINJUS e digitalizámos mais de 20 milhões de imagens correspondentes a parte do acervo do Bilhete de Identidade e à totalidade do arquivo do Registo Criminal. Em suma, pelos resultados alcançados com o Programa de Reformulação das Actividades da Emissão do Bilhete de Identidade e de Modernização do Registo Criminal, este projecto representa um motivo de orgulho para a Cidadania Angolana. 74

75

76 PRINCIPAIS RESULTADOS NAS ÁREAS ESTRUTURANTES DO PROJECTO Repartições de Atendimento Preparámos e dotámos de condições físicas e tecnológicas, diversos tipos de Repartições. Repartições de Atendimento Fixas Na maior parte das Repartições, a DGM fez obras de melhoria, como sejam, obras civis, pintura, casas de banho, rede estruturada (eléctrica e dados), montagem e instalação de gerador e montagem de todos os equipamentos informáticos que suportam a Emissão do Bilhete de Identidade e do Certificado de Registo Criminal. Edificámos de raiz algumas Repartições, como é o caso do Sambizanga I, Sambizanga II, Rangel e Viana. Dotámos as Repartições de condições de segurança, higiene e ambiente de trabalho adequadas aos profissionais que ali atendem o Cidadão diariamente e para prover o atendimento da qualidade, de que todos os Cidadãos Angolanos são merecedores. 76

77

78 78

79

80

81 Repartições de Atendimento Móveis Camiões Fornecemos camiões especificamente desenhados e construídos para percorrerem todo o país e facilitarem a criação de Repartições temporárias. Os camiões estão distribuídos por todas as Províncias de Angola, permitindo assim o acesso ao Bilhete de Identidade por parte da população que reside fora dos grandes centros populacionais. 81

82 Repartições de Atendimento Móveis Carrinhas Preparámos unidades móveis, na forma de carrinhas especificamente desenhadas e construídas para este propósito. Devido à facilidade com que se movem pelo país, permitem o acesso ao Bilhete de Identidade a grupos de Cidadãos que habitam em zonas de difícil acesso. São também utilizadas para campanhas de massificação do Bilhete de Identidade, actuando em escolas, hospitais e outras instituições públicas.

83

84 84 Repartições de Atendimento Móveis Malas As malas, permitem o acesso ao Bilhete de Identidade a partir dos Consulados Angolanos, espalhados por todo o mundo e a Cidadãos de Angola que, por motivos vários, como sejam situações de saúde, não se possam deslocar às Repartições Fixas. As malas podem ser ainda, utilizadas em campanhas de massificação do Bilhete de Identidade, em escolas, hospitais, prisões e outras instituições públicas.

Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social. Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014

Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social. Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014 Modernização e Qualidade do Instituto Nacional de Segurança Social Jesus Maiato Director Nacional de Segurança Social ENAD, 2 e 3 de Abril de 2014 Estruturas Físicas Imagem TIT Serviços Gestão e Processos

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Parcerias nos Domínios Técnico e Tecnológico Evolução e Resultados

Parcerias nos Domínios Técnico e Tecnológico Evolução e Resultados Evolução e Resultados Dr. Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Workshop: Protecção Social Obrigatória: níveis de solidez e perspectivas de desenvolvimento Hotel Epic Sana, 31. Outubro.2014 Contexto A Segurança

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Balanço das do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Dr. Hugo Brás ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Academia INSS Transferência de Conhecimento Apoio Operacional

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI)

Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI) Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI) Engº. Evaristo Tone ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Contributo de ATI Inovação Tecnológica Novos

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público Depois de inflação de 3 dígitos em 2002 Consolidação Macroeconómica

Leia mais

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Quem somos Origem, posição actual Actividade iniciada em 1952. O prestígio de meio século de presença no mercado, A Qualidade dos produtos que comercializa

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

9:15 Apresentação do Despacho Presidencial 161/14, de 11 de Agosto; - Jesus Maiato MAPTSS.

9:15 Apresentação do Despacho Presidencial 161/14, de 11 de Agosto; - Jesus Maiato MAPTSS. 1 PROGRAMA PROGRAMA HORÁRIO ACTIVIDADES 8:30 Chegada dos Convidados e Participantes. 9:00 Acto de Abertura. 9:15 Apresentação do Despacho Presidencial 161/14, de 11 de Agosto; - Jesus Maiato MAPTSS. 11:30

Leia mais

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo Tecnologias na Contabilidade 1 SUMÁRIO 1. Introdução Impacto das Novas 2. Impacto das Novas Tecnologias na Economia e na Sociedade a) A Empresa na Hora b) A Empresa On-line c) A informação Empresarial

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Expansão da Rede de Serviços do INSS: Municipalização, Agências de Prestação de Serviços e Postos de Atendimento em Serviços Públicos Integrados.

Expansão da Rede de Serviços do INSS: Municipalização, Agências de Prestação de Serviços e Postos de Atendimento em Serviços Públicos Integrados. Expansão da Rede de Serviços do INSS: Municipalização, Agências de Prestação de Serviços e Postos de Atendimento em Serviços Públicos Integrados. Dr. Pedro Filipe Director Geral Adjunto para Segurança

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL POLÍTICAS IMPLEMENTADAS PELO INSS NA GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS E NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO HUGO BRÁS Chefe de Departamento dos Recursos Humanos do INSS

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Podíamos estar muito mais longe do que estamos, revela a Coordenadora Nacional do PAR em

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS

Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS Workshop Protecção Social Obrigatória: Níveis de Solidez e Perspectivas

Leia mais

Valorização e Qualificação dos Recursos Humanos da Segurança Social

Valorização e Qualificação dos Recursos Humanos da Segurança Social Valorização e Qualificação dos Recursos Humanos da Segurança Social Dr. Hugo Brás Chefe do Departamento de Recursos Humanos do Instituto Nacional de Segurança Social Workshop Protecção Social Obrigatória:

Leia mais

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por:

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: Manuel Alfredo Resende de Oliveira (Engenheiro Civil Instituto Superior Técnico) Valério

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção : Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção Mário Jorge Leitão INESC Porto / FEUP Sumário Enquadramento e-governo Local e Regional Cartão do Cidadão e Plataforma de Serviços Comuns da Administração Pública

Leia mais

MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS

MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS (FASE 2) PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE COMUNICAÇÃO PARA WISECHOICE INTERNATIONAL Coordenador Geral do projecto Prof. Rui Santos Cruz 2008/2009 1 1. Os

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão MTTI/CNTI 2015 Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação Centro Nacional das Tecnologias de Informação Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência

Leia mais

GESTÃO PATRIMONIAL. Conheça as Alterações Legislativas da. Adopte Medidas que lhe permitirão controlar e optimizar os Activos 3ª EDIÇÃO CURSO

GESTÃO PATRIMONIAL. Conheça as Alterações Legislativas da. Adopte Medidas que lhe permitirão controlar e optimizar os Activos 3ª EDIÇÃO CURSO 3ª EDIÇÃO CURSO Conheça as Alterações Legislativas da GESTÃO PATRIMONIAL Adopte Medidas que lhe permitirão controlar e optimizar os Activos LUANDA 9 e 10 de JUNHO de 2014 Conheça e analise o regime jurídico

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

O nosso desafio é o seu sucesso!

O nosso desafio é o seu sucesso! O nosso desafio é o seu sucesso! Clien tes de Refe rên cia Distribuição Construção Civil Industria Tecnologias Potenciamos o seu negócio A Empre sa. Somos uma empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS

PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS PLANO DIRECTOR 2002/2004 planodirector_01_03.doc 1 PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS

Leia mais

Gestão Documental e Arquivo do INSS

Gestão Documental e Arquivo do INSS Gestão Documental e Arquivo do INSS Dr. Isaac Chipalanga Chefe do Departamento de Contabilidade e Administração do Instituto Nacional de Segurança Social Workshop Protecção Social Obrigatória: Níveis de

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 Índice 1. A Projectos Globais 2. Motivação e Abordagem Metodológica 3. Modalidades de Prestação de Serviços 4. Áreas de Actuação 5. Objectivos e Resultados a Atingir 6. Prazos

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo Município de Arganil Câmara Municipal Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil Preâmbulo A Lei nº 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, definindo-o

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo 1. Introdução A gestão documental e a protecção especial de documentos e arquivos são da responsabilidade do Governo, enquanto instrumento chave de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA. Apresentação do Cronograma de Actividades; - Catarino César MINFIN. Apresentação do Programa (Software) de Cadastro; - Evaristo Tone INSS.

PROGRAMA. Apresentação do Cronograma de Actividades; - Catarino César MINFIN. Apresentação do Programa (Software) de Cadastro; - Evaristo Tone INSS. 1 PROGRAMA PROGRAMA HORÁRIO ACTIVIDADES 8:30 Chegada dos Convidados e Participantes. 9:00 Acto de Abertura. 9:15 Apresentação do Despacho Presidencial 161/14, de 11 de Agosto; - Jesus Maiato MAPTSS. 11:00

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

SOLUÇÕES DATA CENTER GROUP

SOLUÇÕES DATA CENTER GROUP SOLUÇÕES DATA CENTER SOLUÇÕES EFICIENTES - PROJECTOS COMPETITIVOS Na SENSYS todos os esforços estão concentrados num elevado grau de qualidade e especialização. Aliada a vários parceiros tecnológicos,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Este documento é de circulação restrita à sua audiência A sua transcrição ou reprodução não é permitida sem a prévia autorização escrita da nolimits Consulting TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Rigor e Transparência Rigor e Transparência COSTUMAMOS DIZER NO FGA QUE O UTENTE, AINDA QUE NÃO TENHA RAZÃO, É A RAZÃO DA NOSSA EXISTÊNCIA E DIZEMOS TAMBÉM QUE UM PROCESSO

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 As entidades de supervisão do sistema financeiro internacional procederam ao longo dos últimos anos a profundas adaptações, por via legislativa e organizacional,

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento 2016 UDIPSS SETÚBAL

Plano de Atividades e Orçamento 2016 UDIPSS SETÚBAL Plano de Atividades e Orçamento 2016 ÍNDICE Plano de Atividades e Orçamento 2016 ÍNDICE... 1 1. MENSAGEM DA DIRECÇÃO... 2 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES... 3 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS (atividades/ações)...

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2009

MAPA DE PESSOAL 2009 MAPA DE PESSOAL 2009 Atribuições / Competências/Actividades Administração Competência para coordenar e viabilizar toda a actividade normal e funcional da LIPOR; Executar e velar pelo cumprimento das deliberações

Leia mais