Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec"

Transcrição

1 Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes 2a Edição Samuel Henrique Bucke Brito Novatec

2 Copyright 2012, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia autorização, por escrito, do autor e da Editora. Editor: Rubens Prates Revisão gramatical: Marta Almeida de Sá Editoração eletrônica: Carolina Kuwabata Capa: Karine Hermes ISBN: OG Histórico de impressões: Julho/2014 Segunda edição Abril/2013 Primeira reimpressão Setembro/2012 Primeira edição (ISBN: ) Novatec Editora Ltda. Rua Luís Antônio dos Santos São Paulo, SP Brasil Tel.: Site: Twitter: twitter.com/novateceditora Facebook: facebook.com/novatec LinkedIn: linkedin.com/in/novatec

3 lab 01 Configuração básica de roteadores Cisco O cenário base desse laboratório está disponível para download no blog do livro na Internet e também pode ser diretamente acessado por meio do link: Apresentação A presente atividade de laboratório traz os passos de como realizar as configurações básicas iniciais em roteadores Cisco. São apresentados os principais conceitos do sistema operacional IOS (Internetwork Operating System) que vem instalado na maioria dos roteadores e switches da Cisco e também é explicado como realizar as configurações iniciais de acesso local e remoto (senhas e segurança). O cenário para realização dos testes e comandos desse laboratório é o mais simples possível, bastando ter um único roteador (Figura 1.1). Temos uma máquina conectada via cabo serial (console) para testar o acesso terminal (via console) que permite a administração do equipamento de maneira out-of-band, ou seja, sem que recursos da rede sejam utilizados. 32 Figura 1.1 Topologia do Laboratório 01.

4 Lab 01 Configuração básica de roteadores Cisco 33 Também iremos configurar a interface f0/0 do roteador para inseri-lo na rede local /24 para que as máquinas conectadas a essa rede possam fazer o acesso remoto via telnet, uma forma de administração do equipamento chamada in-band, ou seja, utilizaremos os recursos da rede para gerenciar o roteador. O arquivo Lab01.pkt já está devidamente configurado, por isso será necessário o leitor apagar as configurações iniciais para praticar os comandos básicos. Para ter acesso à linha de comando (CLI), basta clicar na imagem do roteador na topologia lógica que um menu será aberto na aba physical (padrão). Clicando na aba CLI, o leitor terá acesso ao console para execução dos comandos. Por meio da linha de comando (CLI) do roteador, o usuário deve digitar os seguintes comandos para resetá-lo (vide roteiro 1.1): Roteiro 1.1 Procedimento de reset do roteador ################################################ Roteador -> Somente Acesso Autorizado!!!!!!!!!! ################################################ Roteador> enable Password: Digite a senha SENHA Roteador# erase startup-config Erasing the nvram filesystem will remove all configuration files! Continue? [confirm] Digite <ENTER> [OK] Erase of nvram: complete %SYS-7-NV_BLOCK_INIT: Initialized the geometry of nvram Roteador# Feito isso, basta desligar fisicamente o roteador no botão e ligá-lo novamente que as configurações padrão de fábrica serão carregadas, conforme mostra a figura 1.2. Para ter acesso ao roteador físico, basta clicar na imagem do roteador na topologia lógica que o mesmo menu do roteiro 1.2 será aberto por padrão na aba physical em que é exibido o equipamento. Figura 1.2 Visão física do equipamento roteador.

5 34 Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Ao ligar o roteador, será aberto um diálogo automático de configuração inicial. O leitor deverá sair desse processo, porque posteriormente faremos as configurações manualmente via linha de comando. Roteiro 1.2 Menu de inicialização do roteador Cisco 1841 (revision 5.0) with K/16384K bytes of memory. Processor board ID FTX0947Z18E M860 processor: part number 0, mask 49 2 FastEthernet/IEEE interface(s) 191K bytes of NVRAM K bytes of ATA CompactFlash (Read/Write) Cisco IOS Software, 1841 Software (C1841-ADVIPSERVICESK9-M), Version 12.4(15)T1, RELEASE SOFTWARE (fc2) Technical Support: Copyright (c) by Cisco Systems, Inc. Compiled Wed 18-Jul-07 04:52 by pt_team --- System Configuration Dialog --- Continue with configuration dialog? [yes/no]: n <Enter> Sistema Cisco/IOS Todo equipamento Cisco vem carregado com um sistema operacional específico para configurações de redes que foi desenvolvido pela própria empresa. No sistema IOS (Internetwork Operating System), as configurações são realizadas de forma padronizada por meio da interface de linha de comando (CLI), qualquer que seja o modelo ou a família de roteadores/switches. Embora a configuração pela CLI seja o método mais recomendado, documentado e preferido por aqueles que atuam com tecnologias Cisco no cotidiano, também é possível configurar a maioria dos equipamentos via interface web, com restrições. Ao trabalhar pela CLI é importante saber que todo comando inserido pelo administrador é imediatamente aplicado no equipamento e fica gravado em um arquivo de configuração corrente denominado running-config, armazenado em memória volátil que, portanto, se perde em caso de boot.

6 Lab 01 Configuração básica de roteadores Cisco 35 O leitor deve ter muito cuidado em relação a esse detalhe porque toda a configuração armazenada na running-config é perdida com a reinicialização do roteador/ switch, por isso é extremamente importante lembrar-se de copiar o conteúdo da running-config para um arquivo externo armazenado na memória não volátil do equipamento. É fortemente recomendado que ao final de qualquer configuração seja utilizado o comando copy running-config startup-config, instrução que faz com que o conteúdo da running-config seja replicado para um arquivo de inicialização denominado startup-config. Dessa forma, sempre que o roteador/switch for reiniciado, as configurações de inicialização da startup-config serão automaticamente aplicadas. O sistema possui dois modos de acesso (usuário e privilegiado) e vários submodos de configuração, conforme pode ser observado na tabela 1.1: Router> Router# Modo no IOS Router(config)# Router(config-line)# Router(config-if)# Router(config-subif)# Router(config-router)# Tabela 1.1 Principais modos de configuração do Cisco/IOS Descrição Modo Usuário: o caractere > no prompt identifica o modo usuário. Por meio desse modo, somente é possível exibir algumas informações básicas do sistema/equipamento (privilégio nível 7). Modo Privilegiado: o caractere # no prompt identifica o modo privilegiado. Por meio desse modo, o administrador possui acesso total ao equipamento (privilégio nível 15), podendo exibir todos os arquivos de configuração e fazer quaisquer alterações. É também por meio desse modo que o usuário pode realizar configurações no equipamento. Submodo de Configuração Global: nesse submodo são realizadas as configurações globais que se aplicam ao equipamento como um todo. Submodo de Configuração de Linha: o submodo de configuração de linha configura os acessos local e remoto ao equipamento switch/roteador. Submodo de Configuração de Interface: nesse submodo são realizadas as configurações das interfaces de rede diretamente conectadas ao roteador. Submodo de Configuração de Subinterface: nesse submodo são realizadas as configurações de subinterfaces lógicas criadas a partir de uma única interface física. Submodo de Configuração de Roteamento: nesse submodo são realizadas as configurações dos protocolos de roteamento dinâmico no roteador.

7 36 Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Obs.: há vários outros modos de configuração que não foram listados nessa tabela. A figura 1.3 traz uma visão mais didática da estrutura em árvore dos modos de execução (usuário e administrador) e principalmente dos submodos de configuração mais básicos que são possíveis de ser acessados pelo administrador. Figura 1.3 Estrutura em árvore dos modos de configuração do Cisco/IOS. Configuração básica de roteadores O roteiro 1.3 traz as configurações iniciais mais básicas que são comumente realizadas em roteadores (e switches) e que o leitor deve seguir no laboratório para testar e observar os resultados, destacando que os números à esquerda são apenas índices para facilitar a referência. Na sequência, a tabela 1.2 traz uma relação desses comandos mais básicos com a descrição da sua ação.

8 Lab 01 Configuração básica de roteadores Cisco 37 Roteiro 1.3 Configurações básicas iniciais 01. Router> enable 02. Router# configure terminal 03. Router(config)# hostname Roteador 04. Roteador(config)# no ip domain lookup 05. Roteador(config)# banner Enter TEXT message. End with 06. ##################################### 07. Roteador -> Somente Acesso Autorizado 08. ##################################### 10. Roteador(config)# enable secret SENHA 11. Roteador(config)# service password-encryption 12. Roteador(config)# line vty Roteador(config-line)# password SENHA 14. Roteador(config-line)# login 15. Roteador(config-line)# exec-timeout Roteador(config-line)# logging synchronous 17. Roteador(config-line)# exit 18. Roteador(config)# line console Roteador(config-line)# password SENHA 20. Roteador(config-line)# exit 21. Roteador(config)# interface f 0/0 22. Roteador(config-if)# ip address Roteador(config-if)# no shut 24. Roteador(config)# end 25. Roteador# copy run start Destination filename [startup-config]? Building configuration... [OK]

9 38 Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Tabela 1.2 Comandos básicos do Cisco/IOS Comandos no IOS Descrição/Ação Router> enable Entra em modo privilegiado Router# configure terminal Modo de configuração global Router(config)# hostname NOME Altera o nome do equipamento Router(config)# no ip domain-lookup Desativa a resolução de nomes Router(config)# banner Mensagem personalizada de login Enter TEXT message. End with ##################################### Roteador -> Somente Acesso Autorizado Router(config)#enable secret SENHA Habilita senha no modo privilegiado Router(config)# service password-encryption Ativa criptografia das senhas Router(config)# line vty 0 4 Modo de configuração de acesso remoto Router(config-line)# password SENHA Habilita senha para acesso remoto Router(config-line)# login Permite tentativa de acesso remoto Router(config-line)# exec-timeout 0 0 Restringe o tempo da sessão remota (0 minuto e 0 segundo = infinito) Router(config-line)# logging synchronous Desativa mensagens administrativas Router(config-line)# exit Volta ao modo anterior de configuração Router(config-line)# line console 0 Modo de configuração de acesso terminal Router(config-line)# password SENHA Habilita senha para acesso terminal Router(config-line)# exit Sai do atual modo de configuração Router(config)# interface f 0/0 Modo de configuração da interface f 0/0 Router(config-if)#ip address IP MASK Atribui endereço à interface f 0/0 Router(config-if)# no shut Ativa a interface f 0/0 Router(config)# end Retorna diretamente ao modo privilegiado Router# copy run start Copia as configurações para outro arquivo ou na memória não volátil. Pressione Destination filename [startup-config]? <ENTER> para confirmar ou insira Building configuration... um nome para o arquivo de backup. O [OK] comando write não pede confirmação Router# show running-config Exibe as configurações correntes Router# show startup-config Exibe as configurações de inicialização Router# show ip interface brief Exibe um resumo das interfaces de rede Router# show ip route Exibe a tabela de rotas

10 Lab 01 Configuração básica de roteadores Cisco 39 Obs.: para testar o acesso remoto ao roteador por meio das máquinas na rede, basta entrar no prompt de comandos da máquina desejada e digitar telnet Para sair, é só digitar exit. Nas linhas de 12 a 14 do roteiro 1.3 foram configuradas as linhas vty para acesso remoto ao roteador que, por padrão, utiliza o protocolo Telnet (porta 23). Acontece que atualmente esse protocolo não é considerado seguro porque trafega as mensagens em claro pela rede, incluindo todos os comandos e senhas digitados pelo usuário, o que quer dizer que seu conteúdo pode ser facilmente interceptado por terceiros. Para mitigar esse risco de segurança é recomendado que o acesso remoto seja realizado por meio do protocolo SSH (porta 22), já que assim a comunicação para o roteador é criptografada e a interceptação do seu conteúdo seria ilegível. O roteiro 1.4 apresenta ao leitor quais seriam as configurações necessárias para habilitar o SSH no acesso remoto (linhas vty), no entanto não tente executar esses comandos no laboratório porque o simulador Packet Tracer não suporta essa configuração! Roteiro 1.4 Configuração do protocolo SSH no acesso remoto 01. Router(config)# username admin privilege 15 secret SENHA 02. Router(config)# ip domain-name labcisco.com.br 03. Router(config)# aaa new model 04. Router(config)# crypto key generate rsa 05. Router(config)# ip ssh version Router(config)# no ip ssh version Router(config)# ip ssh time-out Router(config)# ip ssh authentication retries Router(config)# line vty Router(config-line)# transport input SSH 11. Router(config-line)# login local 12. Router(config-line)# end

11 40 Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Em relação ao roteiro 1.4, na linha 1, criamos um usuário local no roteador com privilégio total (nível 15). A linha 2 informa um nome de domínio que posteriormente será utilizado para gerar a chave criptográfica do SSH. Na linha 3 informamos para o roteador utilizar o novo método de autenticação e na linha 4 é gerada a chave RSA para codificação/decodificação dos dados. Nas linhas de 5 a 8 apenas estamos configurando alguns parâmetros comumente utilizados, como por exemplo habilitar o SSHv2 (e desabilitar o SSHv1), limitar o tempo da sessão e a quantidade de tentativas de conexão. Por fim, entramos no submodo de configuração das linhas vty (acesso remoto via rede) e configuramos o roteador para utilizar o SSH no transporte dos dados e autenticar com base nos usuários localmente adicionados no roteador (o que fizemos na primeira linha). Você pode utilizar o comando show ip ssh para verificar o funcionamento do SSH no roteador e para saber qual versão está utilizando. Pronto!!! O SSHv2 está ativado no seu roteador, lembre-se de configurar o cliente terminal para que o acesso remoto seja feito via SSH na porta 22, não mais via Telnet na porta 23. Anotações

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol);

Leia mais

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Objetivo Configurar um roteador para que use tradução de endereços de rede (NAT) para converter endereços IP internos, normalmente privados, para endereços públicos

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Objetivo Configurar RIP v1 nos roteadores. Converter para RIP v2 nos roteadores. Fundamentos / Preparação Instale uma rede semelhante à ilustrada no diagrama.

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.

Leia mais

Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima. Carregar o arquivo de texto para configurar outro roteador usando o HyperTerminal.

Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima. Carregar o arquivo de texto para configurar outro roteador usando o HyperTerminal. Laboratório / ECO Configurando o Roteador Prof. Isaías Lima Objetivos: Capturar a configuração atual de um roteador para um arquivo de texto ASCII com o HyperTerminal do Windows XP. Editar ou modificar

Leia mais

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing

Leia mais

Comandos Packet Tracer

Comandos Packet Tracer Comandos Packet Tracer Professor Victor Sotero 1 Interface do Usuário Utiliza uma estrutura hierárquica; O IOS que é o sistema próprio da cisco, fornece um serviço de interpretação de comandos, conhecido

Leia mais

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização

Capítulo 2. Laboratório 2.1. Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização Capítulo 2 Laboratório 2.1 Introdução ao Packet Tracer, Roteadores, Switches e Inicialização tel (41) 430457810 ou (41) 4063-7810 - info@dltec.com.br - www.dltec.com.br INDICE 1 Objetivo do Laboratório...

Leia mais

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP

Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Laboratório 1.2.3 Revisão da Configuração Básica do Roteador com RIP Objetivo Cabear e configurar as estações de trabalho e os roteadores Configurar um esquema de endereçamento IP usando redes classe B

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP

GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA INICIANDO O ROTEADOR MODO DE SETUP GUIA LAB I - REDES DE COMPUTADORES / ECO008 PROF. ISAÍAS LIMA Objetivo: Neste laboratório você aprenderá comandos básicos do roteador. Existem diferentes formas de se conectar ao roteador, mas a primeira

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show

Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show Capítulo 2 Laboratório 2.2 Comandos Show ÍNDICE 1 Objetivo do Laboratório... 3 2 Topologia... 3 3 Exercício Proposto... 4 3.1 Verificando o Processo de Inicialização... 4 3.2 Verificando a Configuração

Leia mais

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs.

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar duas VLANs. Nomear as VLANs e atribuir várias portas a elas. Testar a funcionalidade,

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 2 - Introdução aos Roteadores 1 Objetivos do Capítulo Descrever a finalidade e operação básica do IOS; Identificar vários recursos do IOS; Identificar

Leia mais

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não

Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não Este documento é propriedade exclusiva da Cisco Systems, Inc. É concedida permissão para cópia e impressão deste documento para distribuição não comercial e uso exclusivo pelos instrutores no curso CCNA

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº6 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº6 Configuração básica de um router Configuração do protocolo de routing RIP 1 Objectivo

Leia mais

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão

Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Laboratório 11.2.1a Configuração de listas de acesso padrão Objetivo Configurar e aplicar uma ACL padrão, para permitir ou negar tráfego específico. Testar a ACL, para determinar se os resultados desejados

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950

Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950 Laboratório 6.2.8 Procedimento de Recuperação de Senha de um Switch Catalyst da Série 2950 Objetivo Criar e verificar uma configuração básica de switch. Modificar senhas e usar o procedimento de recuperação

Leia mais

Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term

Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term Topologia Objetivos Parte 1: Acessar um switch da Cisco através da porta de console serial Conectar-se a um switch da Cisco usando um

Leia mais

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec

Laboratórios de Tecnologias. Cisco. em Infraestrutura de Redes. 2a Edição. Samuel Henrique Bucke Brito. Novatec Laboratórios de Tecnologias Cisco em Infraestrutura de Redes 2a Edição Samuel Henrique Bucke Brito Novatec Copyright 2012, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 03 Configuração Básica Cisco IOS Prof: Jéferson Mendonça de Limas O que é um Roteador? O roteador é composto de: CPU (Processador) RAM ROM Sistema

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Comandos Básicos Módulo - II v1.3-08/06/2014 Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Procedimento de recuperação de senha para o Cisco 806, 826, 827, 828, 831, 836, 837 e 881 Series Router

Procedimento de recuperação de senha para o Cisco 806, 826, 827, 828, 831, 836, 837 e 881 Series Router Procedimento de recuperação de senha para o Cisco 806, 826, 827, 828, 831, 836, 837 e 881 Series Router Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Produtos Relacionados Convenções

Leia mais

Montagem e Configuração de Redes de Computadores

Montagem e Configuração de Redes de Computadores Montagem e Configuração de Redes de Computadores Roteadores Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a redes de computadores

Leia mais

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos

Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 4 - Aprendendo sobre Outros Dispositivos 1 Objetivos do Capítulo Aprender a ativar e desativar o CDP; Usar o comando show cdp neighbors; Determinar

Leia mais

Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP

Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP Configurando uma rede Frame Relay + EIGRP Para configurarmos uma rede Frame Relay, é importante antes de tudo definir as redes para melhor nos orientarmos. Iremos trabalhar com 3 filiais, sendo: SP, RJ,

Leia mais

Arquivos de configuração alternativos e da restauração

Arquivos de configuração alternativos e da restauração Arquivos de configuração alternativos e da restauração Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Fazer um backup da configuração Usar um Servidor TFTP para Fazer Backup

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco

Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Configurando Interfaces e roteamento entre dois roteadores Cisco Para esse exemplo, usarei o Packet Tracer (download aqui). Esse software foi desenvolvido pela própria Cisco para que os interessados pudessem

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Roteiro para Prática 01 GNS e comandos da Cisco

Roteiro para Prática 01 GNS e comandos da Cisco Ponto de Presença da RNP na Bahia PoP-BA/RNP Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação Curso de Extensão em Administração de Redes Instrutor: Italo Valcy Roteiro para Prática

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIDADE DIBI MUSSI DISCIPLINA/UA REDE DE COMPUTADORES PROFª ANA LÚCIA R. WIGGERS Exercício Prático: Fa 0/0 IP 192.168.1.1/24 Dispositivo

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE CONFIGURAR O SETUP CONFIGURAR O DNS O obje0vo passa por criar um cenário com as seguintes redes: Uma rede para 6 servidores (Rede 0-172.16.0.0/29);

Leia mais

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR Mafra 2009 Exercício 1 Utilizando o bloco de endereços 200.0.0.0/24, proponha uma solução para configurar os IP s da rede abaixo: 1 2 3 4 10.0.0.1/24 10.0.0.2/24

Leia mais

PIX/ASA: Alternativo e restauração os arquivos de configuração da ferramenta de segurança usando o servidor TFTP

PIX/ASA: Alternativo e restauração os arquivos de configuração da ferramenta de segurança usando o servidor TFTP PIX/ASA: Alternativo e restauração os arquivos de configuração da ferramenta de segurança usando o servidor TFTP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Produtos Relacionados

Leia mais

Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011

Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011 Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011 Para usuários de conexão banda larga do tipo PPPoE (autenticação por usuário e senha) Capítulo 1 Conectando-se à Internet Alguns provedores

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações Manual de Instalação de Telecentros Comunitários Ministério das Comunicações As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso

Leia mais

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas 262-294 CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v 3.1 - Laboratório 11.2.2b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. Objetivo Situação Neste

Leia mais

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Sumário 1 Instalando o Linux Comunicações para Telecentros (servidor) 2 1.1 Experimentar o Linux

Leia mais

Laboratório - Definição de Configurações Básicas do Switch

Laboratório - Definição de Configurações Básicas do Switch Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 99 192.168.1.2 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A NIC 192.168.1.10 255.255.255.0 192.168.1.1

Leia mais

Primeiros passos em um roteador Cisco

Primeiros passos em um roteador Cisco Primeiros passos em um roteador Cisco Daniel B. Cid, daniel@ossec.net http://www.ossec.net Desde que comecei a escrever artigos tratando sobre o alguns dispositivos da Cisco, especialmente sobre o PIX

Leia mais

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli)

LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Prof: José Gonçalves - LPRM/DI/UFES (baseado no original de Rostan Piccoli) LABORATÓRIO 1: Montagem da rede física, definição do endereçamento IP com diferentes sistemas operacionais e roteamento estático. Roteiro: 1) Montar a rede física, que deve ser baseadq na lista de material

Leia mais

Ademir C. Gabardo. Novatec

Ademir C. Gabardo. Novatec Ademir C. Gabardo Novatec Novatec Editora Ltda. 2015. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº 4 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº 4 Configuração Básica de um Switch; Configuração de VLANs 1 Objectivo Criar e verificar

Leia mais

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico

Laboratório 5.5.1: Listas de controle de acesso básico Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP R1 R2 R3 Máscara de sub-rede Gateway padrão Fa0/0 192.168.10.1 255.255.255.0 N/A Fa0/1 192.168.11.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0

Leia mais

Laboratório Coleta e análise de dados do NetFlow

Laboratório Coleta e análise de dados do NetFlow Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Gateway padrão R1 G0/0 192.168.1.1/24 N/A S0/0/0 (DCE) 192.168.12.1/30 N/A R2 G0/0 192.168.2.1/24 N/A S0/0/0 192.168.12.2/30

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Comandos Básicos Módulo - I v1.3-08/06/2014 Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de

Leia mais

CISCO PACKET TRACER. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br)

CISCO PACKET TRACER. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) CISCO PACKET TRACER Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) INTRODUÇÃO Packet Tracer v5.3 é um simulador de redes desenvolvido pela Cisco Systems ; Capaz de simular o funcionamento

Leia mais

Cisco ASA Firewall Guia Prático

Cisco ASA Firewall Guia Prático Cisco ASA Firewall Guia Prático 2014 v1.0 Renato Pesca 1 Sumário 2 Topologia... 3 3 Preparação do Appliance... 3 3.1 Configurações de Rede... 7 3.2 Configurações de Rotas... 8 3.3 Root Básico... 9 3.4

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

Laboratório 3.5.1: Configuração de VLAN básica

Laboratório 3.5.1: Configuração de VLAN básica Diagrama de topologia Tabela de endereçamento Dispositivo (Nome do host) Interface Endereço IP Máscara de sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 99 172.17.99.11 255.255.255.0 N/A S2 VLAN 99 172.17.99.12 255.255.255.0

Leia mais

Ricardo Lino Olonca. Novatec

Ricardo Lino Olonca. Novatec Ricardo Lino Olonca Novatec Copyright 2015 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

João Eriberto Mota Filho

João Eriberto Mota Filho João Eriberto Mota Filho Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Adail Henrique Spínola Horst Aécio dos Santos Pires André Luis Boni Déo. Novatec

Adail Henrique Spínola Horst Aécio dos Santos Pires André Luis Boni Déo. Novatec Adail Henrique Spínola Horst Aécio dos Santos Pires André Luis Boni Déo Novatec Copyright 2015 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

Jonathan Stark Brian Jepson

Jonathan Stark Brian Jepson Construindo Aplicativos Android com HTML, CSS e JavaScript Jonathan Stark Brian Jepson Novatec Authorized Portuguese translation of the English edition of titled Building Android Apps with HTML, CSS, and

Leia mais

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso

Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 9: Listas de Controle de Acesso Roteamento e switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE

Laboratório Configuração de um túnel ponto a ponto VPN GRE Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão OESTE G0/1 172.16.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 (DCE) 10.1.1.1 255.255.255.252 N/A Tunnel0 172.16.12.1

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Versão 1.3 Abril de 2009. Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP

Versão 1.3 Abril de 2009. Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP Versão 1.3 Abril de 2009 Suplemento do IPv6: Definir Configurações IP e Filtro IP 2009 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Xerox e o desenho da esfera de conectividade são marcas da Xerox

Leia mais

Ricardo R. Lecheta. Novatec

Ricardo R. Lecheta. Novatec Ricardo R. Lecheta Novatec Copyright 2015 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

Instalação de software e procedimento de atualização para 1600, 2000, 2500, 3000, AS5100 e AS5200

Instalação de software e procedimento de atualização para 1600, 2000, 2500, 3000, AS5100 e AS5200 Instalação de software e procedimento de atualização para 1600, 2000, 2500, 3000, AS5100 e AS5200 Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Backup o roteador ou a configuração

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA SERVIÇOS REALIZADOS NO PLANTÃO

PROCEDIMENTOS PARA SERVIÇOS REALIZADOS NO PLANTÃO PROCEDIMENTOS PARA SERVIÇOS REALIZADOS NO PLANTÃO A primeira coisa a ser verificada é a navegação dos servidores e isso será possível com o Programa PuTTY. Selecione o servidor que está na caixa Load,

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB.

O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB. O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB. 1 1- Para realizar o procedimento de configuração o DP-300U deve ser conectado via cabo

Leia mais

Configurar acesso remoto DVR Série 9xxx/6xxx FullSec via rede local no PC

Configurar acesso remoto DVR Série 9xxx/6xxx FullSec via rede local no PC Configurar acesso remoto DVR Série 9xxx/6xxx FullSec via rede local no PC 1- Conectar o DVR à internet via cabo de rede 2- Conectar o DVR na energia e ligar 3- Ao ligar, se o DVR não possuir HD instalado,

Leia mais

Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa.

Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa. Dynamips, Dynagen e GNS3. Emuladores para dispositivos de rede. Jefferson Rosa. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, 17 Novembro

Leia mais

Como Conectar e configurar Câmeras FullSec em um DVR CVI de 16CH FullSec -ACESSO REMOTO VIA CELULAR

Como Conectar e configurar Câmeras FullSec em um DVR CVI de 16CH FullSec -ACESSO REMOTO VIA CELULAR Como Conectar e configurar Câmeras FullSec em um DVR CVI de 16CH FullSec -ACESSO REMOTO VIA CELULAR 1- Conectar o DVR à internet via cabo de rede 2- Conectar o DVR na energia e ligar 3- Ao ligar, se o

Leia mais

2ª Edição Alexandre Keller

2ª Edição Alexandre Keller Asterisk na prática 2ª Edição Alexandre Keller Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra,

Leia mais

L A B O RATÓRIO DE REDES

L A B O RATÓRIO DE REDES L A B O RATÓRIO DE REDES TRÁFEGO, ENQUADRAMEN TO, DEFAU LT G A TEWA Y E ARP. VALE 2,0 P ONT OS. INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO Nosso laboratório é composto de três hosts Linux, representados pelo símbolo de

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec

Criando Aplicações PHP com. Zend e Dojo. Flávio Gomes da Silva Lisboa. Novatec Criando Aplicações PHP com Zend e Dojo Flávio Gomes da Silva Lisboa Novatec Copyright 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a

Leia mais

Manual de Instalação START PREMIUM V 3.2.14

Manual de Instalação START PREMIUM V 3.2.14 Manual de Instalação START PREMIUM V 3.2.14 1/48 Este documento possui 46 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Novembro de 2013. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas.

Leia mais

Introdução ao Cisco Packet Tracer

Introdução ao Cisco Packet Tracer Introdução ao Cisco Packet Tracer Uma solução interessante que pode ajudar a quem for criar uma rede na prática, seria antes de tudo, criar, configurar e simular o funcionamento de uma rede de computador

Leia mais