Capítulo. Unidades de fita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo. Unidades de fita"

Transcrição

1 Capítulo 36 Unidades de fita Fitas: prós e contras Até poucos anos atrás, a fita magnética era o principal meio utilizado para fazer backup. O outro meio também utilizado, apesar de menos comum, era o disco removível. Tanto as unidades de fita magnética quanto os drives para discos removíveis eram equipamentos relativamente caros, e a grande maioria dos usuários não os utilizava. Nos PCs típicos, o único meio de armazenamento usado para backup era o disquete de 1.44 MB. No final dos anos 80 era possível fazer o backup de um disco rígido inteiro utilizando uma ou duas dúzias de disquetes. Logo surgiram discos rígidos de elevada capacidade e popularizou-se o uso de imagens, sons e vídeos, resultando em arquivos muito grandes. O disquete deixou de ser um meio prático para fazer backup em larga escala, já no início dos anos 90. Seu uso para backup é muito limitado. Certos tipos de arquivos gerados pelo usuário ainda cabem em disquetes, como por exemplo, planilhas e textos. Gráficos também podem ser armazenados em disquetes, mas quando a resolução é muito alta, os arquivos resultantes são muito grandes e não cabem em disquetes. Hoje existem opções baratas de discos removíveis de alta capacidade, como ZIP Drive, CD-RW e outros. As fitas magnéticas ainda continuam ocupando o seu lugar no mercado. Para PCs mais simples, existem opções de unidades de fita com capacidades de 1 GB ou mais. Para servidores encontramos unidades com capacidade de algumas dezenas, ou até centenas de GB. Nessas elevadíssimas capacidades, os discos removíveis ainda não estão disponíveis.

2 36-2 Hardware Total Figura 36.1 Disco ótico e unidade de DVD-RAM da Pinnacle Micro. Figura 36.2 Unidade de fita Onstream de 30 GB. Um dos discos removíveis de maior capacidade é o Ultra 5.2, produzido pela Pinnacle Micro (www.pinnaclemicro.com), com capacidade de 5,2 GB por disco. Já uma excelente unidade de fita, a Onstream ADR2.60, usa fitas com capacidade de 30 GB. Veja a comparação entre esses dois produtos: Produto Ultra 5.2 ADR2.60 Tipo Disco ótico Fita Capacidade 5.2 GB 30 GB Custo do drive $1.600 $300 Custo da mídia $100 $40 Devido aos baixos preços do drive e da mídia, aliados à maior capacidade de armazenamento, a unidade de fita citada leva vantagem sobre o disco ótico, mesmo se levarmos em conta que a fita tem acesso mais lento que o disco. Observe que as capacidades indicadas na tabela acima são aquelas que chamamos capacidade nativa, ou seja, sem usar compressão de dados. Como os programas de backup realizam compressão de dados, obtendo um índice de compressão em torno de 2:1, a maioria dos fabricantes de unidades de fita indicam a capacidade comprimida, duas vezes maior que a capacidade nativa. A unidade de fita citada acima tem 60 GB de capacidade comprimida, e 30 GB não comprimida. Tanto os discos óticos como as unidades de fita são também vendidas na forma de libraries. Por exemplo, uma tape library é um rack no qual estão reunidos diversas unidades de fita. Como resultado, a capacidade total é bem maior. Esses equipamentos são bastante caros, e usados em servidores e instalações de maior porte.

3 Capítulo 36 Unidades de fita 36-3 De um modo geral, apesar do acesso mais lento, as fitas magnéticas permitem o armazenamento de maiores quantidades de dados a um custo mais baixo. Tanto as mídias quanto os drives apresentam custos bem inferiores, se comparados aos discos óticos. Devido a essas vantagens, as fitas magnéticas ainda continuam ocupando um lugar de destaque nos meios de armazenamento de dados. Tipos e capacidades Existem vários tipos de fitas, e nem todas são compatíveis entre si. Isto deve ser levado em conta quando as fitas devem ser usadas para distribuição de dados para diversos computadores. É precioso ter a certeza de que os computadores que receberão os dados possuem unidades de fita compatíveis com o formato utilizado. Por exemplo, não poderemos enviar dados em uma fita DAT de 4 mm para um computador que possui uma unidade de fita do tipo Travan. Alguns padrões dizem respeito ao formato do cartucho e à largura da fita. Outros padrões dizem respeito à forma como os dados estão gravados na superfície da fita. A transportabilidade dos dados depende do atendimento desses padrões. Quando o objetivo do uso de uma unidade de fita é simplesmente fazer backup, e não transportar dados, a questão da compatibilidade torna-se menos importante. Certos padrões possuem características próprias que os distinguem dos demais. Alguns oferecem taxas de transmissão mais lentas e utilizam unidades de fita mais baratas. São indicados para computadores de porte pequeno e médio. Outros padrões oferecem maiores taxas de transmissão e usam unidades de fita mais caras. São indicados para computadores de maior porte, como é o caso dos servidores. Vejamos a seguir alguns padrões usados por unidades de fita e algumas de suas características. Famílias DC2000 e DC600 São inúmeros os cartuchos de fita magnética nos quais a fita possui a medida de 1/4 de polegada (6,35 mm). Cartuchos descendentes do DC2000 são usados em drives de 3½ e medem aproximadamente 6,1 cm x 8,1 cm (figura 3). Os cartuchos de 5,25" são descendentes do DC600, e medem aproximadamente 10 cm x 15 cm (figura 4).

4 36-4 Hardware Total Figura 36.3 Cartuchos de 3 ½ série DC2000. Freqüentemente esses cartuchos são chamados de QIC (Quarter inch Cartridge). Na verdade, QIC é uma organização encarregada de estabelecer padrões para fitas magnéticas em seus vários aspectos, tais como características mecânicas, interface, método de gravação, compatibilidade, etc. Por exemplo, o padrão QIC-3210-MC diz respeito aos cartuchos de 3½ para a capacidade de 1,8 GB. Figura 36.4 Cartuchos de 5¼. Cartuchos de 3½ levam o sufixo MC (Mini Cartridge), como por exemplo, QIC-80-MC. Os cartuchos de 5,25" levam o sufixo DC (Data Cartridge), como por exemplo, QIC-5010-DC. Os primeiros cartuchos de 3½ são descendentes do DC2000, que utilizava o padrão QIC-40 e tinha capacidade de 40 MB. Muitas vezes os cartuchos são designados pelo padrão QIC que utilizam, outras vezes pelo nome do modelo, dado pelo fabricante. Por exemplo, cartuchos DC2120 armazenam 120 MB e seguem o padrão QIC80-MC. A maioria dos fabricantes de fitas usa para este cartucho a denominação DC2120, mas esta padronização nem sempre ocorre com os modelos de mais altas capacidades, o que pode tornar um pouco difícil a seleção do cartucho correto. Felizmente existem sites de fabricantes de cartuchos nos quais o usuário informa a marca e modelo da unidade de fita, e a partir daí é apresentada uma lista com os modelos de cartuchos compatíveis. Através do site **** *****, este tipo de informação é obtida.

5 Capítulo 36 Unidades de fita 36-5 Outro cuidado que deve ser tomado é que cada padrão QIC pode ser usado por vários tipos de cartuchos, com vários formatos. Por exemplo, o padrão QIC-80 é usado por cartuchos DC2080 (80 MB), DC2120 (120 MB) e DC2120XL (170 MB). Para cada padrão podem ser encontradas diferenças em capacidades, dependendo do comprimento e da largura da fita utilizada. Para muitos padrões podem ser usadas fitas de 8 mm ou de 1/4 de polegada (6,35 mm). Desta forma, diferentes capacidades são obtidas. A tabela que se segue mostra alguns padrões usados por cartuchos de de 3½ com fitas de 1/4". Note que para algumas delas apresentamos ainda o nome do modelo que os fabricantes normalmente utilizam. Infelizmente para a maioria dos modelos, os nomes seguidos pelos fabricantes não são padronizados. Modelo DC2000 DC2080 DC2120 DC2120XL Padrão QIC-40-MC QIC-80-MC QIC-80-MC QIC-80-MC QIC-2100-MC QIC-3010-MC QIC-3020-MC QIC-3040-MC QIC-3080-MC QIC-3095-MC QIC-3210-MC Capacidade 40 MB 80 MB 120 MB 170 MB 2,1 GB 340 MB 680 MB 800 MB 1.6 GB 4 GB 1,8 GB Em geral os cartuchos de 3½ são usados em unidades de fita mais simples, com capacidades mais baixas, de menor desempenho e menor custo. Cartuchos de 5¼" são usados em unidades de fita mais caras, com maiores capacidades e maior desempenho. A tabela que se segue mostra alguns padrões QIC usados por cartuchos de 5¼", bem como as suas capacidades quando são usadas fitas de 1/4". Modelo DC6525 DC9100 DC9135 Padrão QIC-525-DC QIC-1000-DC QIC-1350-DC QIC-2GB-DC QIC-4GB-DC QIC-5010-DC QIC-5210-DC Capacidade 525 MB 1 GB 1,35 GB 2 GB 4 GB 13 GB 25 GB DAT Significa Digital Audio Tape. Este tipo de fita era originalmente utilizado para gravar áudio de alta qualidade, e foi posteriormente utilizada para o armazenamento de dados. Surgiu então o padrão DDS (Digital Data

6 36-6 Hardware Total Storage). Como sempre ocorre em armazenamento em fitas, a capacidade total poderá ser em média duas vezes maior utilizando compressão de dados. Padrão DDS-1 DDS-2 DDS-3 DDS-4 Capacidade 2 GB 4 GB 12 GB 20 GB Figura 36.5 Uma unidade de fita DAT. Fitas DAT possuem 4 mm de largura e utilizam gravação helicoidal (as cabeças formam um formam um pequeno ângulo com a linha da fita). Este método é parecido com o utilizado em fitas para VCR. Como o seu mecanismo é mais complicado que o utilizado por outros tipos de fitas, o custo de uma unidade de fita DAT é relativamente alto para um usuário comum ($500 a $2000). Já as suas fitas são bastante simples e baratas. Leva vantagem portanto quando é necessário utilizar um grande número de fitas, em comparação com outras tecnologias. Figura 36.6 Fita DAT.

7 Capítulo 36 Unidades de fita 36-7 As unidades de fita DAT utilizam em geral uma interface SCSI ou Firewire. Podem ser internas ou externas, assim como ocorre com a maioria dos dispositivos SCSI. Como foram as primeiras fitas a atingir capacidades na faixa de gigabytes, seu uso tornou-se bastante comum em servidores e PCs nos quais é preciso fazer backup de grandes quantidades de dados. Travan Unidades Travan utilizam uma tecnologia de gravação criada pela 3M (atual Imation) diferente daquela empregada pelos cartuchos das séries DC2000 e DC600. Esta tecnologia permite gravações em altas densidades, resultando em elevadas capacidades, mas os drives são mais simples que os empregados por outras tecnologias, o que resulta em menores custos. Ao longo dos anos foram criados vários formatos Travan: Padrão Travan-1 Travan-2 Travan-3 Travan-4 Tavan NS8 Travan NS20 Travan NS36 Capacidade 400 MB 800 MB 1.6 GB 4 GB 4 GB 10 GB 18 GB As primeiras unidades de fita Travan eram conectadas na interface para drives de disquetes. Os atuais modelos, de capacidades mais elevadas, utilizam interfaces SCSI ou IDE. Devido ao seu custo relativamente baixo, unidades Travan são indicadas para PCs de pequeno e médio porte. Graças aos novos formatos com capacidades mais elevadas (NS8, NS20 e NS36), são também adequados aos PCs equipados com discos rígidos de elevadas capacidades, nos quais é preciso realizar backups de grandes quantidades de dados. Até mesmo para servidores têm se tornado bastante adequado, passando a dividir o mercado com as unidades de fita DAT, de mais alto custo, que até então dominavam o mercado para capacidades superiores a 4 GB.

8 36-8 Hardware Total Figura 36.7 Unidade de fita Travan. *** 35% *** Figura 36.8 Cartuchos Travan. 8 mm Este tecnologia é semelhante à utilizada pelas fitas DAT, apesar de que fitas Travan também possuem a largura de 8 mm. Seria mais correto dizer cartucho de 8 mm com gravação helicoidal. As fitas Travan, apesar de também terem 8 mm de largura, utilizam gravação linear, ou seja, os dados são gravados em trilhas paralelas à própria fita. As capacidades são bastante elevadas e a transferência de dados é bastante rápida. Exabyte, Sony e Seagate são os seus principais fabricantes. Muito populares entre as fitas de alta capacidade são os modelos produzidos pela Exabyte, com a sua série Mammoth.

9 Capítulo 36 Unidades de fita 36-9 Figura 36.9 Unidade Mammoth da Exabyte. Unidades de 8 mm podem apresentar diversas capacidades: Padrão 8 mm Mammoth AIT Capacidade 3,5 GB / 5 GB / 7 GB 14 GB / 20 GB / 30 GB 25 GB / 35 GB A tecnologia AIT (Advanced Intelligent Tape) é utilizada pela Sony e Seagate. Possui vários recursos avançados, como uma cobertura especial que garante maior durabilidade, um mecanismo para auto-limpeza, memória Flash ROM embutida no cartucho e melhor desempenho. Figura Drives AIT da Seagate. DLT A tecnologia DLT (Digital Linear Tape) foi desenvolvida pela Digital Equipment Corporation e posteriormente adquirida pela Quantum. Tem dominado o mercado de fitas nas capacidades superiores a 10 GB. Atualmente existem várias famílias de unidades de fita DLT produzidas pela Quantum. A tabela abaixo mostra a capacidade nativa das fitas, isto é, sem compressão: Família DLT 4000 DLT 7000 DLT 8000 Capacidade nativa 20 GB 35 GB 40 GB

10 36-10 SDLT220 Hardware Total 110 GB As fitas DLT apresentam largura de ½ (12,7 mm) e usam o sistema de gravação linear, ao contrário de outras tecnologias para altas capacidades, que usam o sistema de gravação helicoidal. Assim como ocorre com unidades de fita de alta capacidade, os modelos DLT utilizam interfaces SCSI. A figura 11 mostra uma unidade de fita Quantum DLT Em uma seção posterior deste capítulo apresentaremos mais detalhadamente uma unidade de fita DLT. Figura Unidade DLT Onstream Onstream é mais um fabricante de unidades de fita que produz modelos proprietários, porém com excelente relação custo/capacidade. Suas capacidades nativas são de 15 GB, 25 GB e 30 GB, e os drives custam entre $300 e $700, dependendo do modelo. Modelo DI30 DI30 Fast DP30 USB30 SC30, SC30E SC50, SC50E FW30 ADR30 ADR50, ADR50E ADR2.60IDE Interface IDE IDE EPP USB SCSI-2 SCSI-2 Firewire SCSI-2 SCSI-2 IDE Capacidade nativa 15 GB 15 GB 15 GB 15 GB 15 GB 25 GB 15 GB 15 GB 25 GB 30 GB As unidades de fita da Onstream utilizam uma tecnologia chamada ADR (Advanced Digital Recording), desenvolvida pela Philips. O sistema de gravação é linear, em 8 trilhas. Apesar de ser um produto novo, esses drives têm grande chance de fazer sucesso entre os PCs de médio porte nos quais é preciso arquivar grandes quantidades de dados.

11 Capítulo 36 Unidades de fita Figura Unidade de fita Onstream DI30. Desempenho das unidades de fita Além da capacidade, a velocidade de leitura e gravação de uma unidade de fita magnética é um parâmetro importantíssimo. Afinal, quanto maior é a quantidade de dados a serem lidos ou gravados, maior será o tempo envolvido na operação. Para que o tempo não fique excessivamente longo, é preciso que as unidades de fita apresentem taxas de transferência elevadas. Assim como ocorre com os discos rígidos, temos duas taxas de transferência envolvidas: Taxa de transferência da mídia - É a velocidade na qual os dados são transferidos entre a fita e o buffer interno da unidade. Taxa de transferência externa - É a velocidade máxima na qual os dados podem ser transmitidos pela interface usada para a conexão da unidade de fita com o computador. Interfaces SCSI e Ultra IDE são bem velozes, enquanto a interface paralela e a interface para drives de disquetes são as mais lentas. Também são bastante rápidas as interfaces USB 2.0 e Firewire. A taxa de transferência externa é sempre muito maior que a interna. Portanto, é a interna que acaba determinando o desempenho. Os fabricantes costumam indicar o desempenho das suas unidades de fita em MB por segundo, MB por minuto ou MB por hora. Se o tempo é um fator crítico, devemos selecionar uma unidade de fita que apresente maior velocidade de backup. A tabela que se segue mostra alguns exemplos de taxas apresentadas por algumas tecnologias. Note que dentro de uma mesma tecnologia existe muita variação. Diferentes modelos podem apresentar taxas

12 36-12 Hardware Total bastante diferentes. É preciso consultar as especificações do produto antes da aquisição. Tecnologia DC2000/600 DAT DDS2 DAT DDS3 Travan Travan NS Mammoth AIT DLT ADR Taxas típicas (nativas) 50 kb/s a 150 kb/s 300 kb/s a 800 kb/s 1 MB/s a 1.5 MB/s 50 kb/s a 150 kb/s 1 MB/s a 1.5 MB/s 3 MB/s 3 MB/s 1.5 MB/s a 5 MB/s 1 MB/s a 2 MB/s Tome cuidado, pois muitos fabricantes especificam a taxa de transferência usando compressão de dados. Para uma comparação mais precisa temos que levar em conta a taxa de transferência nativa, ou seja, sem compressão. A taxa com compressão será em média duas vezes maior. Verificação de gravação Assim como ocorre em todas as mídias usadas para backup, é altamente recomendável realizar uma verificação nos dados gravados. Esta verificação consiste em ler novamente os dados recém gravados. Todos os programas de backup possuem este recurso. A verificação dá uma segurança maior aos dados. Passamos a ter certeza de que foram gravados corretamente, não tendo sido danificados por imperfeições na mídia. Esta maior segurança tem um preço, que é o tempo gasto na operação. Gravar e verificar é duas vezes mais demorado que simplesmente gravar sem verificar. Para resolver este problema, as tecnologias mais sofisticadas possuem cabeças capazes de gravar e ler ao mesmo tempo. Desta forma, à medida em que os dados são gravados, é feita uma leitura imediata. Podemos desta forma desabilitar no programa de backup a operação de verificação (que consiste em rebobinar a fita e ler novamente os dados gravados). Estaremos assim desabilitando a verificação por software, já que a verificação é feita por hardware de forma automática pela unidade de fita. São as seguintes as tecnologias que utilizam este recurso: DAT Travan NS AIT DLT Mammoth

13 Capítulo 36 Unidades de fita Compressão de dados por hardware A compressão de dados resulta em grande economia de espaço de armazenamento, além de um menor tempo gasto nas operações de backup. Por esta razão os programas de backup em geral podem realizar a compactação dos dados antes de enviá-los à unidade de fita. O processo é muito mais eficiente quando a própria unidade de fita realiza a compactação. O programa de backup envia os dados na sua forma não compactada e a unidade de fita os comprime antes de gravar na mídia. Este tipo de compressão é mais eficiente e resulta em maiores velocidades de gravação e leitura. Imagine por exemplo uma unidade de fita capaz de receber dados à taxa de 1 MB/s. Se a compactação for realizada por software, o processador principal deveria realizar este trabalho de compactação antes de enviar os dados à unidade de fita. Por mais veloz que seja um processador, é muito difícil conseguir comprimir dados de forma tão rápida. Por isso as unidades de fita de alto desempenho devem obrigatoriamente realizar a compressão por hardware. Todas as modernas unidades de fita com altas capacidades suportam compressão de dados por hardware. Este é o caso dos drives com as tecnologias: DAT DLT Mammoth AIT Travan NS Compatibilidade com programas de backup Como vemos, existem muitos padrões de unidades de fita magnética. Como resultado desta diversidade, existem casos de programas de backup que não reconhecem certos tipos de unidades de fita. Quanto mais profissional é um programa, maior é a quantidade de tipos de fita que podem ser utilizados. Um programa de Backup bastante poderoso é o que acompanha do Windows 98 / Windows ME, sendo muito melhor que o que acompanhava o Windows 95 (este só suportava fitas QIC-40, QIC-80 e QIC-3010). Já o backup que acompanha o Windows 98/ME é um software fornecido para a Microsoft pela Seagate, e é um dos melhores do mercado. Suporta unidades de fita magnética dos seguintes tipos: QIC-80, QIC-3010 e QIC-320

14 36-14 Hardware Total QIC-80 Wide, QIC-3010 Wide, QIC-320 Wide Travan 1, 2, 3 e 4 DAT DDS-1 e DDS-2 DC mm DLT Mídias removíveis (ZIP, JAZ, etc.) Quando não temos disponível um programa de backup que suporte uma determinada unidade de fita, temos duas opções: a) Usar o programa de backup que acompanha a unidade de fita - Uma unidade de fita sempre é acompanhada de um software de backup compatível. Quando a unidade de fita é nova, o programa de backup fornecido é de versão recente, compatível com os últimos recursos do sistema operacional. Esta característica é muito importante, pois antes do lançamento do Windows 95, os programas de backup não suportavam nomes longos. Programas de backup antigos, mesmo compatíveis com a unidade de fita, poderão ser usados mas não registrarão corretamente os nomes longos do Windows 9x. Portanto, exceto no caso de unidades de fita antigas, o programa de backup poderá ser usado, sendo perfeitamente compatível com a unidade de fita. b) Adquirir um programa de backup separadamente - Quando o programa de backup que acompanha a unidade de fita não agrada ao usuário, pode ser comprado um outro programa de backup comercial. Podemos usar por exemplo o Backup Exec, da Seagete, ou o Adaptec Backup, que faz parte do pacote EZ-SCSI. OBS: No Windows 98/98SE, o programa Microsoft Backup podia ser instalado através do Painel de Controle, ou então pela instalação personalizada do Windows. Na versão ME, este programa não é instalado desta forma. Ele fica no CD-ROM de instalação do Windows, na pasta /addons. Instalando uma unidade DAT Unidades de fita DAT, assim como a maioria dos modelos de elevadas capacidades, utilizam uma interface SCSI. Portanto antes da sua instalação é preciso que uma placa controladora SCSI esteja corretamente instalada.

15 Capítulo 36 Unidades de fita Usaremos no nosso exemplo uma unidade de fita Conner modelo 4326NP. Trata-se de uma unidade DAT DDS-2, com capacidade nativa de 4 GB (8 GB com compressão). Figura Jumpers para configurar a unidade DAT. Antes de instalar a unidade DAT devemos configurar seus jumpers de acordo com as instruções do seu manual (figura 13). Devem ser configurados os seguintes parâmetros: a) SCSI ID b) Terminador c) Compressão de dados Configurando o SCSI ID Os pinos de 1 a 6 devem ser usados para programar um SCSI ID apropriado. Esta unidade usa o barramento SCSI de 8 bits, portanto os valores de SCSI ID permitidos são de 0 a 7. O valor 7 é reservado para a placa de interface SCSI. Valores 0 e 1 são reservados para discos rígidos que precisam estar ativos na ocasião do boot. Podemos então utilizar valores entre 3 e 6. Configurando o terminador SCSI Existem dois tipos de terminadores SCSI, ativo e passivo. Ambos produzem os mesmos resultados, mas os do tipo ativo são eletricamente melhores. Esta unidade possui terminadores ativos. Para habilitá-los precisamos ligar um jumper entre as posições e outro entre as posições Caso esta unidade seja o único dispositivo ligado à placa controladora, deve ficar com

16 36-16 Hardware Total os terminadores habilitados. Se existirem outros dispositivos SCSI conectados à interface devem ser observadas as regras de terminação SCSI. Configurando a compressão de dados As unidades de fita DAT, assim como a maioria das unidades de alta capacidade, são capazes de realizar compressão de dados por hardware. A princípio devemos deixar este recurso habilitado. Ainda assim, esta unidade permite desabilitar a compressão por hardware, através da instalação de um jumper entre os pinos 9 e 10. Instalando o software de backup Antes de fazer a instalação de hardware da unidade de fita é recomendável instalar o programa de backup do Windows, ou outro programa de backup que suporte fitas DAT. Desta forma a unidade de fita poderá ser detectada corretamente, tendo seus drivers imediatamente instalados. Se este cuidado não for tomado, a unidade ficará sem drivers ativos, e o seu pleno funcionamento só se dará depois que for instalado o programa de backup. Detecção da unidade de fita Conectamos a unidade de fita na controladora SCSI e na fonte de alimentação, e assim que o Windows for iniciado será mostrado o quadro de diálogo: Novo Hardware Detectado Unidade de Fita SCSI Ou então: Novo Hardware Detectado SCSI Tape Backup A mensagem poderá aparecer em português ou inglês, dependendo do idioma do programa de backup. Após a instalação, a unidade constará no Gerenciador de Dispositivos, como vemos na figura 14. Poderá constar no grupo Unidades de Fita (para o caso dos drivers em português) ou em Tape Drive (para o caso dos drivers em inglês).

17 Capítulo 36 Unidades de fita Figura A unidade de fita DAT já consta no Gerenciador de Dispositivos. Terminada a instalação da unidade DAT, já poderemos usá-la nas operações de backup. Programas de backup que suportam este tipo de fita irão reconhecê-la e apresentá-la como opção para armazenamento dos dados salvos no backup. Este é o caso do Microsoft Backup que acompanha o Windows 98 (figura 15). Observe o campo Onde armazenar o backup. Por default este campo é programado com a opção Arquivo, ou seja, os dados serão armazenados em um arquivo em disquete, no disco rígido ou qualquer outro tipo de unidade de disco que seja reconhecida pelo Windows. Podemos então programar este campo como sendo a unidade de fita, que no nosso exemplo é ARCHIVE Pithon (na verdade a ARCHIVE produzia este modelo para a Conner em regime de OEM).

18 36-18 Hardware Total Figura A unidade de fita DAT já é reconhecida pelo programa de backup do Windows. O método de utilização de programas de backup independe da unidade de fita utilizada. Por isso mostraremos mais adiante neste capítulo como usar programas de Backup de uma forma genérica. Uma vez aprendendo usar um programa, os comandos serão válidos para qualquer tipo de unidade de fita suportada. Conexão na interface paralela Algumas unidades de fita de baixo custo podem ser conectadas na porta paralela. É o caso da unidade Onstream DP30, que tem 15 GB de capacidade nativa e liga-se a uma porta paralela EPP ou ECP. Neste caso temos alta capacidade, custo baixo e taxa de transferência de média para alta. Unidades de fita que se conectam à porta paralela apresentam uma grande vantagem, que é a portabilidade. Este tipo de unidade de fita pode ser ligada ao computador para a realização de backup e depois desconectada. Repetindo o processo, podemos realizar backup em vários computadores utilizando uma única unidade de fita. Normalmente os fabricantes que produzem unidades externas que se conectam na porta paralela oferecem também modelos internos que utilizam a interface IDE, SCSI e USB. Como os modelos externos possuem um gabinete e uma fonte de alimentação próprios, seu custo é superior ao dos modelos internos de mesma família.

19 Capítulo 36 Unidades de fita Manuseio de fitas Cartuchos de fita magnética devem ser guardados dentro do seu estojo plástico e armazenados em local isento de poeira e umidade e sem calor excessivo, o que prolongará a sua vida útil. A durabilidade poderá ser de 10 a 30 anos, dependendo do tipo de fita. Existem unidades de fita auto-limpantes, que limpam as cabeças à medida em que são utilizadas. É o caso das unidades AIT. A maioria das unidades entretanto requer limpeza manual. Os fabricantes recomendam a limpeza das cabeças após um certo número de horas de uso contínuo (de 10 a 30, dependendo da unidade). Fitas de limpeza podem ser compradas nos mesmos locais onde são vendidos os cartuchos. Os cartuchos de fita magnética possuem um mecanismo de proteção contra gravação, o que evitará que fitas com dados importantes sejam acidentalmente apagadas. A figura 16 mostra a proteção contra gravação em uma fita DAT. Figura Proteção contra gravação em uma fita DAT. Em caso de dúvida você poderá consultar o manual da unidade de fita para obter informações sobre a proteção contra gravação, procedimentos de limpeza, manuseio e cuidados gerais com as fitas e a unidade. Instalando uma unidade DLT Para que você tenha mais conhecimentos sobre produtos encontrados no mercado, apresentaremos agora a unidade de fita DLT4000, produzida pela Quantum e Digital. Esta unidade foi gentilmente cedida para avaliação pela União Digital, empresa que comercializa essas unidades no Brasil (www.uniao-digital.com.br). Além da DLT4000 (40 GB com compressão) existe também a DLT7000 (70 MB com compressão) e superiores. São

20 36-20 Hardware Total unidades de fita profissionais, muito indicadas para serem usadas em servidores. Seu desempenho também é excepcional. As unidades DLT4000 fazem backup à taxa de 70 MB por minuto e as unidades DLT7000 chegam a cerca de 100 MB por minuto. São muito mais velozes que as unidades DAT. Figura Unidade de fita DLT Cortesia da União Digital A figura 18 mostra um cartucho usado para esta unidade. Esses cartuchos, assim como os cartuchos de limpeza, podem ser encontrados em lojas especializadas em mídias magnéticas para informática. Figura Cartuchos DLT. Instalando a unidade DLT Antes de instalar a unidade devemos programar um SCSI ID adequado (figura 19). Esta unidade externa possui uma chave seletora com dois botões

21 Capítulo 36 Unidades de fita que servem para escolher o SCSI ID, que é mostrado em um visor rotativo. Na figura está sendo mostrado o número ZERO. À medida em que apertamos o botão superior ou o inferior, o número mostrado varia, de acordo com o SCSI ID selecionado. Ainda na parte traseira da unidade encontramos dois conectores SCSI tipo Centronics de 50 vias. Um deles é o SCSI IN (o da esquerda) e o outro é o SCSI OUT (o da direita). O SCSI IN deve ser ligado no conector externo da placa controladora SCSI, ou então em outros dispositivos da cadeia SCSI localizados entre a unidade e a controladora. O SCSI OUT deve ser ligado a um terminador externo, ou então em dispositivos posteriores da cadeia SCSI. *** 35% *** Figura Chave seletora de SCSI ID. Assim como ocorre com outras unidades de fita SCSI, a DLT4000 é detectada pelo Windows, porém não é feita a instalação de drivers. A unidade constará no Gerenciador de Dispositivos com um ponto de exclamação amarelo, indicando que existem problemas. No caso, o problema é apenas provisório, ou seja, a falta de drivers.

22 36-22 Hardware Total Figura A unidade DLT4000 (ou DEC TZ88) ainda não tem os drivers instalados. Os drivers para esta unidade serão instalados após a instalação do programa de backup. Infelizmente o programa de backup que acompanha o Windows 98 não suporta a unidade DLT4000 nem outras mais modernas (o suporte existe apenas para unidades DLT mais antigas). É necessário utilizar um programa e backup mais moderno. Um dos melhores programas de backup disponíveis no mercado é o Backup Exec da Seagate, também comercializado pela União Digital. Existem versões para Windows 9x/ME/XP Home e para Windows NT/2000/XP (Cliente e servidor). No nosso exemplo, usaremos a versão para Windows 9x/ME/XP Home. A figura 21 mostra o início da sua instalação. Figura Instalando o Seagate Backup Exec.

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido Como fazer Backup Previna-se contra acidentes no disco rígido Vocês já imaginaram se, de uma hora para outra, todo o conteúdo do disco rígido desaparecer? Parece pesadelo? Pois isso não é uma coisa tão

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Capítulo 35. Discos removíveis

Capítulo 35. Discos removíveis Capítulo 35 Discos removíveis Já vai longe o tempo em que os disquetes eram o principal meio removível de armazenamento e transporte de dados. No início dos anos 90, um típico disco rígido tinha a capacidade

Leia mais

TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 -

TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 - TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 - Índice Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 2 - ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 ACESSÓRIOS

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. As informações

Leia mais

Leia antes de utilizar. Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados. Guia de Instalação

Leia antes de utilizar. Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados. Guia de Instalação Leia antes de utilizar Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados Guia de Instalação Leia este guia antes de abrir o pacote do CD-ROM Obrigado por adquirir este software. Antes de abrir

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Índice 3 Introdução 4 Requisitos Necessários 5 Visão Geral da Instalação 5 Passo 1: Buscar atualizações 5 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 5 Passo 3: Instalar

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

Como instalar uma impressora?

Como instalar uma impressora? Como instalar uma impressora? Antes de utilizar uma impressora para imprimir seus documentos, arquivos, fotos, etc. é necessário instalá-la e configurá-la no computador. Na instalação o computador se prepara

Leia mais

Seu manual do usuário HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP http://pt.yourpdfguides.com/dref/870005

Seu manual do usuário HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP http://pt.yourpdfguides.com/dref/870005 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Placa Mãe Dispositivos (Onboard) São aqueles encontrados na própria Placa Mãe. Ex: Rede, Som, Vídeo e etc... Prof. Luiz

Leia mais

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 MANUAL DO USUÁRIO Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000 via conexão USB. Através do ITC 4000 Manager, o usuário

Leia mais

Manual do Usuário QL-700

Manual do Usuário QL-700 Manual do Usuário QL-700 Certifique-se de ler e compreender este manual antes de usar a máquina. Recomendamos que você mantenha este manual em local acessível para referência futura. www.brother.com.br

Leia mais

Guia do usuário do Seagate Dashboard

Guia do usuário do Seagate Dashboard Guia do usuário do Seagate Dashboard Guia do usuário do Seagate Dashboard 2013 Seagate Technology LLC. Todos os direitos reservados. Seagate, Seagate Technology, o logotipo Wave e FreeAgent são marcas

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco

Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco O processo de Instalação Limpa irá remover todos os programas e arquivos de dados do seu computador, substituindo eles com uma instalação

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

IRISPen Air 7. Guia Rápido. (Windows & Mac OS X)

IRISPen Air 7. Guia Rápido. (Windows & Mac OS X) IRISPen Air 7 Guia Rápido (Windows & Mac OS X) Este Guia Rápido do Usuário ajuda você a começar a usar o IRISPen Air TM 7. Leia este guia antes de utilizar o scanner e o respectivo software.todas as informações

Leia mais

Instalando a placa de rede

Instalando a placa de rede Instalando a placa de rede A instalação dos drivers e a configuração de uma placa de rede no Windows 98 independe do tipo de cabo utilizado. Este tipo de instalação não é muito diferente da instalação

Leia mais

TCI 7200-U USB-PPI Cable

TCI 7200-U USB-PPI Cable TCI 7200-U USB-PPI Cable Cabo de Programação USB S7-200 Manual de Instalação O cabo de programação TCI 7200-U USB-PPI Cable foi projetada para atender a necessidade de conectar a uma porta USB do computador

Leia mais

Atualização de computadores CCE para Windows 8.1 ATUALIZAÇÃO SIMPLES

Atualização de computadores CCE para Windows 8.1 ATUALIZAÇÃO SIMPLES Atualização de computadores CCE para Windows 8.1 ATUALIZAÇÃO SIMPLES ATUALIZAÇÃO SIMPLES O processo de Atualização Simples mantém configurações do Windows, arquivos pessoais e aplicativos compatíveis com

Leia mais

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000 Manual de Instalação Scanner SC-7000 1 Sistema de comunicação e análise da injeção eletrônica - Scanner SC-7000. O Scanner SC-7000 é um equipamento de fácil utilização para profissionais em injeção eletrônica

Leia mais

TCI 322. Conversor de Interface USB para RS422/RS485. Manual de Instalação

TCI 322. Conversor de Interface USB para RS422/RS485. Manual de Instalação TCI 322 Conversor de Interface USB para RS422/RS485 Manual de Instalação O conversor de interface TCI 322 é um dispositivo versátil que permite a partir de uma porta USB do computador ter-se uma interface

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Leia antes de instalar Mac OS X

Leia antes de instalar Mac OS X Leia antes de instalar Mac OS X Leia este documento antes de instalar o Mac OS X. Ele inclui informações sobre os computadores compatíveis, requisitos do sistema e como instalar o Mac OS X. Para obter

Leia mais

Manual Equipamento ST10 Flasher Rev. 1

Manual Equipamento ST10 Flasher Rev. 1 Maio de 2014 2 Sumário Introdução:... 3 Acessórios utilizados:... 4 Instalação:... 5 Abrindo e Conhecendo o Software:... 10 SET PORT... 11 RELOAD MONITOR... 13 BlankCheck... 14 ERASE FLASH... 14 DUMP...

Leia mais

LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE

LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE LEIA O MANUAL ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO! Considerações importantes, leia antes de usar o produto: A diferença entre a interface Lumikit PRO X4 e Lumikit PRO

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital DEZEMBRO / 2010 NEXTCALL GRAVADOR TELEFÔNICO DIGITAL Obrigado por adquirir o NextCall. Este produto foi desenvolvido com o que há de mais atual em

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 8 - Periféricos de armazenamento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO... 3 DISCO RÍGIDO (HD)... 3 TECNOLOGIAS DE TRANSFERÊNCIA... 3 IDE/ATA/PATA...

Leia mais

481040 - Programador/a de Informática

481040 - Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0801 ADMINISTRAÇÃO DE REDES LOCAIS Sessão 1 SUMÁRIO Conceito de backups; Backups completos; Backups Incrementais; Backups Diferenciais; Dispositivos de Backups

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento

Dispositivos de Armazenamento Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Dispositivos de Armazenamento A memória do computador

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

Atualização de computadores CCE para Windows 8.1 ATUALIZAÇÃO LIMPA

Atualização de computadores CCE para Windows 8.1 ATUALIZAÇÃO LIMPA Atualização de computadores CCE para Windows 8.1 ATUALIZAÇÃO LIMPA INSTALAÇÃO LIMPA O processo de Instalação Limpa irá remover todos os programas e arquivos de dados do seu computador, substituindo-os

Leia mais

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010.

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Manual de Configuração Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-ROM. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE CD-Rom Até pouco tempo atrás, as opções mais viáveis para escutar música eram os discos de vinil e as fitas cassete. Porém, a Philips, em associação com outras empresas, desenvolveu

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

É altamente recomendável testar as conexões usando o programa PING (será visto posteriormente).

É altamente recomendável testar as conexões usando o programa PING (será visto posteriormente). Redes Ponto a Ponto Lista de checagem É fácil configurar uma rede ponto-a-ponto em qualquer versão do Windows. Antes entretanto é preciso tomar algumas providências em relação ao hardware: Todos os computadores

Leia mais

DESEMBALANDO A IPCAM SECURE300R

DESEMBALANDO A IPCAM SECURE300R Símbolo para Coleta Separada nos Países Europeus Este símbolo indica que este produto deve ser coletado separadamente. O que segue se aplica somente a usuários em países da Europa: Este produto está designado

Leia mais

Atualização de computadores para Windows 10 INSTALAÇÃO LIMPA. Windows10. Disponível para os seguintes modelos: CCE AIO A41, A45 e D4030TV.

Atualização de computadores para Windows 10 INSTALAÇÃO LIMPA. Windows10. Disponível para os seguintes modelos: CCE AIO A41, A45 e D4030TV. Atualização de computadores para Windows 10 INSTALAÇÃO LIMPA Windows10 Disponível para os seguintes modelos: CCE AIO A41, A45 e D4030TV. CCE Desktop E365, C23, C43 CM23 e M23. CCE Notebook U25, U25B, HT345TV,

Leia mais

Manual de instruções da unidade da impressora

Manual de instruções da unidade da impressora Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7 DS-RX1 Ver.1.01 Em relação aos direitos autorais Os direitos autorais para o Manual de Instruções da Unidade da Impressora DS-RX1, a Unidade

Leia mais

Microsoft Windows 7: Guia de primeiros passos

Microsoft Windows 7: Guia de primeiros passos Microsoft Windows 7: Guia de primeiros passos Configure o Windows 7 O seu computador Dell é fornecido pré-configurado com o sistema operacional Microsoft Windows 7. Para configurar o Windows pela primeira

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

Manual de backup de dados

Manual de backup de dados Manual de backup Manual de backup de dados Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Objetivo... 2 2. MÍDIAS APROPRIADAS PARA GRAVAÇÃO DE DADOS... 2 2.1 Pen Drive... 2 2.2 HD Externo... 3 3. PROCEDIMENTO... 4 3.1

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Atualização do seu computador com Windows 8 da Philco para o Windows 8.1

Atualização do seu computador com Windows 8 da Philco para o Windows 8.1 Atualização do seu computador com Windows 8 da Philco para o Windows 8.1 O Windows 8.1 foi concebido para ser uma atualização para o sistema operacional Windows 8. O processo de atualização mantém configurações

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Seu manual do usuário HP SURESTORE DLT1 TAPE DRIVE http://pt.yourpdfguides.com/dref/874503

Seu manual do usuário HP SURESTORE DLT1 TAPE DRIVE http://pt.yourpdfguides.com/dref/874503 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP SURESTORE DLT1 TAPE DRIVE. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

Guia de atualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53

Guia de atualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Guia de passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Índice 1. 1. Processo de configuração do Windows 8 2. Requisitos do sistema 3. Preparações 2. 3. usando 4. usando o DVD de 5. usando o DVD de 6. 1.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE HD, DISCO RIGIDO OU WINCHESTER. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE HD, DISCO RIGIDO OU WINCHESTER. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE HD, Disco Rígido ou Winchester O disco rígido - ou HD (HardDisk) - é o dispositivo de armazenamento permanente de dados mais utilizado nos computadores. Nele, são armazenados desde

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Documento Gerado por: Amir Bavar Criado em: 18/10/2006 Última modificação: 27/09/2008 Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação

Leia mais

Capítulo 38 DVD. Informática e cinema

Capítulo 38 DVD. Informática e cinema Capítulo 38 DVD Informática e cinema Enquanto os populares CDs faziam sucesso no armazenamento de dados (CD-ROM) e áudio (CD-Audio), grandes empresas da indústria cinematográfica e de computação juntaram

Leia mais

Perguntas frequentes do Samsung Drive Manager

Perguntas frequentes do Samsung Drive Manager Perguntas frequentes do Samsung Drive Manager Instalação P: Meu Disco Rígido Externo Samsung está conectado, mas nada está acontecendo. R: Verifique a conexão a cabo USB. Se seu Disco Rígido Externo Samsung

Leia mais

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador?

Backup. Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez. Backup é somente uma cópia idêntica de todos os dados do computador? Backup O backup tem dois objetivos principais: Permitir a recuperação de arquivos individuais é a base do típico pedido de recuperação de arquivo: Um usuário apaga acidentalmente um arquivo e pede que

Leia mais

User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0

User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0 User Manual Version 3.6 Manual do Usuário Versão 2.0.0.0 User Manual Manual do Usuário I EasyLock Manual do Usuário Sumário 1. Introdução... 1 2. Requisitos do Sistema... 2 3. Instalação... 3 3.1. Configurar

Leia mais

1/48. Curso GNU/Linux. Aula 3. Dino Raffael Cristofoleti Magri

1/48. Curso GNU/Linux. Aula 3. Dino Raffael Cristofoleti Magri 1/48 Curso GNU/Linux Aula 3 Dino Raffael Cristofoleti Magri Julho/2008 2/48 Veja uma cópia dessa licença em http://creativecommons.org/licenses/by nc sa/2.5/br/ 3/48 Sumário 1 CONFIGURAR TECLADO...6 1.1

Leia mais

Manual do aplicativo Conexão ao telefone

Manual do aplicativo Conexão ao telefone Manual do aplicativo Conexão ao telefone Copyright 2003 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. O logotipo da Palm e HotSync são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo da HotSync e Palm são marcas

Leia mais

Instalando o driver USB para ECF S Bematech. Nome: André L. Schikovski Bematech Software Partners

Instalando o driver USB para ECF S Bematech. Nome: André L. Schikovski Bematech Software Partners para ECF S Bematech Nome: André L. Schikovski Bematech Software Partners Introdução Neste tutorial, você aprenderá em um rápido passo a passo como é feita a instalação do driver USB das impressoras fiscais

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇO DE BACKUP. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇO DE BACKUP. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS O que é o Backup do Windows Server? O recurso Backup do Windows Server no Windows Server 2008 consiste em um snap-in do Console de Gerenciamento Microsoft (MMC) e

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens:

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens: Introdução: Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível montar uma rede sem fio em casa ou no escritório sem usar um roteador de banda larga ou um ponto de acesso (access point),

Leia mais

Impressora HP DeskJet 720C Series. Sete passos simples para configurar a sua impressora

Impressora HP DeskJet 720C Series. Sete passos simples para configurar a sua impressora Impressora HP DeskJet 720C Series Sete passos simples para configurar a sua impressora Parabéns pela aquisição de sua impressora HP DeskJet 720C Series! Aqui está uma lista dos componentes da caixa. Se

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

Verificando os componentes

Verificando os componentes PPC-4542-01PT Agradecemos a aquisição do scanner de imagem em cores fi-65f. Este manual descreve os preparativos necessários para o uso deste produto. Siga os procedimentos aqui descritos. Certifique-se

Leia mais

Tutorial de Instalação do Software das Carteiras Informatizadas Oppitz

Tutorial de Instalação do Software das Carteiras Informatizadas Oppitz P á g i n a 1 Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Organização, Controle e Avaliação Gerência de Recursos Humanos Tecnologia Administrativa Rua Antônio Luz, 111 Centro

Leia mais

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br Capture Pro Software Introdução A-61640_pt-br Introdução ao Kodak Capture Pro Software e Capture Pro Limited Edition Instalando o software: Kodak Capture Pro Software e Network Edition... 1 Instalando

Leia mais

TCI S5-USB. Cabo de Programação STEP5 - USB. Manual de Instalação

TCI S5-USB. Cabo de Programação STEP5 - USB. Manual de Instalação TCI S5-USB Cabo de Programação STEP5 - USB Manual de Instalação O cabo de programação TCI S5-USB foi projetado para atender a necessidade de conectar a uma porta USB do computador a família de PLC s Siemens

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

CRIANDO CERTIFICADOS E LIBERANDO PERMISSÕES PARA APLICAÇÕES JAVA Por: Fergo

CRIANDO CERTIFICADOS E LIBERANDO PERMISSÕES PARA APLICAÇÕES JAVA Por: Fergo 1. Introdução CRIANDO CERTIFICADOS E LIBERANDO PERMISSÕES PARA APLICAÇÕES JAVA Por: Fergo Neste tutorial vou demonstrar como criar os próprios certificados para aplicações J2ME em celulares. Quem já instalou

Leia mais

MANUAL ZEDIT 32 Índice:

MANUAL ZEDIT 32 Índice: MANUAL ZEDIT 32 Índice: Configuração Painel -------------------------------------------------------------------- 02 à 04 Criar Novo modelo Painel -------------------------------------------------------------

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Capítulo 7. Discos. Armazenamento de dados

Capítulo 7. Discos. Armazenamento de dados Capítulo 7 Discos Armazenamento de dados Esta é uma das funções importantes de um computador. Além de acessar e processar dados, o computador precisa também armazená-los. Existem portanto diferentes métodos

Leia mais

NOTA: POR FAVOR, NÃO TENTE INSTALAR O SOFTWARE ANTES DE LER ESTE DOCUMENTO.

NOTA: POR FAVOR, NÃO TENTE INSTALAR O SOFTWARE ANTES DE LER ESTE DOCUMENTO. INSITE BOLETIM DE INSTALAÇÃO Página 2: Instalando o INSITE Página 7: Removendo o INSITE NOTA: POR FAVOR, NÃO TENTE INSTALAR O SOFTWARE ANTES DE LER ESTE DOCUMENTO. A INSTALAÇÃO OU O USO INCORRETOS PODEM

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e

Boot Camp Guia de Instalação e Boot Camp Guia de Instalação e Índice 3 Introdução 4 Requisitos Necessários 5 Visão Geral da Instalação 5 Passo 1: Buscar atualizações 5 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 5 Passo 3: Instalar o Windows

Leia mais

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment)

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Introdução Os computadores são constituídos por uma série de tecnologias que atuam em conjunto. Processadores, memórias, chips gráficos, entre

Leia mais

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 2010 Guia de Instalação Rápida 20047221 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes da instalação Sobre a conta de serviço do

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. As informações

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 COMO COMEÇAR... 3 5 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 4 6 CADASTRO DE VEÍCULO... 6 7 ALINHAMENTO...

Leia mais

Seu manual do usuário YAMAHA UX16 http://pt.yourpdfguides.com/dref/512336

Seu manual do usuário YAMAHA UX16 http://pt.yourpdfguides.com/dref/512336 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

mobile PhoneTools Guia do Usuário

mobile PhoneTools Guia do Usuário mobile PhoneTools Guia do Usuário Conteúdo Requisitos...2 Antes da instalação...3 Instalar mobile PhoneTools...4 Instalação e configuração do telefone celular...5 Registro on-line...7 Desinstalar mobile

Leia mais

Manual de Instalação do DVB-T 220

Manual de Instalação do DVB-T 220 Manual de Instalação do DVB-T 220 Conteúdo V2.0 Capítulo 1: Instalação da Placa de TV do DVB-T 220...2 1.1 Conteúdo da Embalagem...2 1.2 Exigências do Sistema...2 1.3 Instalação do Hardware...2 Capítulor

Leia mais

Manual de Instalação da leitora de SmartCard Teo by Xiring

Manual de Instalação da leitora de SmartCard Teo by Xiring Manual de Instalação da leitora de SmartCard Teo by Xiring Versão especial p/ Banrisul e Infoestrutura 14 / Maio / 2008. Conteúdo: 1. Windows Vista 2. Windows XP, 2000 e 2003-Server 3. Windows 98 4. Windows

Leia mais

Sistema de Validação E-A-Rfit 3M. Guia de instalação Versão 4.1 (Atualização) Líder no Progresso da Conservação Auditiva

Sistema de Validação E-A-Rfit 3M. Guia de instalação Versão 4.1 (Atualização) Líder no Progresso da Conservação Auditiva Sistema de Validação E-A-Rfit 3M Guia de instalação Versão 4.1 (Atualização) Líder no Progresso da Conservação Auditiva Importante! Leia antes Este guia de upgrade destina-se ao uso por parte de usuários

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3)

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Antes de iniciar o processo, você precisará um pen drive USB com uma capacidade de 2 GB ou maior. Em caso de dúvida ou dificuldade

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais