Desmame da Ventilação Mecânica em Adultos: Métodos mais Utilizados na Atualidade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desmame da Ventilação Mecânica em Adultos: Métodos mais Utilizados na Atualidade."

Transcrição

1 Desmame da Ventilação Mecânica em Adultos: Métodos mais Utilizados na Atualidade. Daniele Matos Mascarenhas 1 Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em Fisioterapia Intensiva Faculdade Ávila RESUMO Durante a ventilação mecânica o fisioterapeuta tem importante participação no auxílio na condução da ventilação mecânica, preparando e ajustando o ventilador artificial, auxiliando na intubação, acompanhando a evolução do paciente durante a ventilação mecânica, fazendo a interrupção e desmame do suporte ventilatório e extubação. Existem vários métodos de desmame na atualidade. Esta pesquisa vem com o objetivo de identificar os três métodos mais utilizados no processo de desmame no dia a dia nas unidades de terapia intensiva (UTI) e descrever como deve ser os procedimentos para obtermos sucesso neste processo. Para tal finalidade foram usados artigos obtidos por meio de busca em bancos de dados eletrônicos e revisões bibliográficas. Palavras-chave: UTI; Ventilação Mecânica; Desmame. 1 INTRODUÇÃO Nos tratamentos de insuficiência respiratória grave que não tenham indicação de ventilação não-invasiva (VNI) ou que não obtiveram bons resultados quando tratada com VNI a ventilação mecânica possui um papel indispensável. Apesar de ser muito importante no tratamento desses pacientes, é um tratamento invasivo, que pode gerar complicações a curto ou a longo prazo, essas complicações são: barotrauma, lesão causada pela cânula traqueal no momento da intubação, pneumonia associada à ventilação mecânica, necessidade de sedação e, as vezes, drogas bloqueadoras neuromusculares, maior tempo de internação e permanência no leito, atrofia muscular por desuso, desenvolvimento de polineuropatia do paciente critico, repercussões hemodinâmicas como diminuição de retorno venoso, do debito cardíaco e hipotensão. Então quanto maior o tempo de intubação, maiores os riscos de complicações. Portanto, assim que a causa que levou à intubação apresente melhora, precisamos começar a planejar como deverá ser a estratégia para a descontinuação da ventilação mecânica ou desmame. No final do processo, assim que o estado clínico estiver controlado e o paciente com parâmetros mínimos de suporte ventilatório, chega ao fim à fase de desmame e poderá ser realizada a extubação (retirada da cânula traqueal). Com este trabalho, busca-se analisar os métodos mais utilizados no desmame ventilatório em pacientes adultos, visando a diminuição do tempo de intubação e a possibilidade de menores complicações. Metodologicamente, trata-se de uma revisão bibliográfica, que foi constituída através de artigos científicos buscados nos bancos de dados eletrônicos SCIELO, além de livros, jornais e revistas que abordassem o assunto. 1 Fisioterapeuta pós-graduanda em Terapia Intensiva 2 Orientadora Fisioterapeuta Especialista em Metodologia do Ensino Superior, Mestranda em Bioética e Direto em Saúde.

2 2 2 FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM UTI Jerre, Beraldo e cols (2007) enfatizam a atuação da fisioterapia em vários segmentos do tratamento intensivo, tais como: o atendimento a pacientes críticos que não necessitam de suporte ventilatório; assistência durante a recuperação pós-cirúrgica, com o objetivo de evitar complicações respiratórias motoras e assistência a paciente graves que necessitam de suporte ventilatório. Nesta fase o fisioterapeuta tem importante participação, auxiliando na condução da ventilação mecânica, preparando e ajustando o ventilador artificial, auxiliando na intubação, acompanhando a evolução do paciente durante a ventilação mecânica, fazendo a interrupção e desmame do suporte ventilatório e extubação. Segundo Azeredo (2002), o fisioterapeuta que atua em UTI promove a assistência ao paciente baseado em diretrizes medicas, devendo ser capaz de avalia-lo adequadamente e aplicar o melhor procedimento, pesando os benefícios e os riscos em potenciais, sempre presentes em pacientes críticos. Deve entender a condição clinica do paciente, os objetivos médicos traçados, a competência e as limitações de cada instrumento e procedimento. Deve determinar se o procedimento a ser realizado tem alta probabilidade de alcançar os resultados clínicos esperados ou se um outro procedimento pode ser mais eficiente e benéfico. Quando esta for a situação, o fisioterapeuta deve contatar a equipe medica e negociar um plano de assistência que seja melhor para o paciente. O fisioterapeuta respiratório deve ser capaz de reunir e interpretar os dados fisiológicos pertinentes à avaliação da oxigenação, ventilação mecânica respiratória do paciente, relacionados com o controle de insuficiência respiratória, especialmente a monitorização hemodinâmica (GREGG; MATHEW, 2000). É fundamental que o fisioterapeuta tenha bom conhecimento em fisiologia, ventilação mecânica e técnicas fisioterapeutas apropriadas para prevenção e tratamento de afecções no paciente grave tanto na área respiratória como motora. Pois em uma UTI, todo paciente admitido deve receber visita do fisioterapeuta duas vezes por dia, assim, estará sendo reavaliada a necessidade de intervenção precoce, caso surjam complicações respiratórias e ou motoras. (RONCATI; PORTIOLI, 1998). 3 VENTILAÇÃO MECÂNICA Segundo Carvalho, França e Toufen (2007) a ventilação mecânica se faz através da utilização de aparelhos que, intermitentemente, insuflam as vias respiratórias com volumes de ar. O movimento do gás para dentro dos pulmões ocorre devido à geração de um gradiente de pressão entre as vias aéreas superiores e o alvéolo, podendo ser conseguido por um equipamento que diminua a pressão alveolar (ventilação por pressão negativa) ou que aumente a pressão da via aérea proximal (ventilação por pressão positiva). O ventilador mecânico ou prótese ventilatória é um dispositivo que objetiva substituir a função de ventilação do sistema respiratório, para proporcionar, além de um repouso muscular respiratório, uma adequada ventilação alveolar e oxigenação arterial, de acordo com as necessidades do paciente (SOUZA; FIGUEIREDO; GUEDES E COL., 2007). Azeredo (2000) afirma que o principal objetivo da ventilação é restaurar as duas funções mais importantes do sistema respiratório, ou seja, garantir a ventilação alveolar e possibilitar a troca gasosa que seja adequada as necessidades do organismo. Além disso, deve aliviar a dispneia e facilitar o repouso e o recondicionamento dos músculos respiratórios. Os critérios para aplicação da ventilação mecânica variam de acordo com os objetivos que se quer alcançar. Em situações de urgência, especialmente quando o risco de vida não permite

3 3 boa avaliação da função respiratória, a impressão clinica é o ponto mais importante na sua indicação auxiliado por alguns parâmetros de laboratório (CARVALHO; FRNÇA; TOUFEN, 2007). O suporte ventilatório pode manter a vida, mas não a cura da doença. O objetivo da ventilação mecânica é o suporte do paciente ate que haja melhoria ou a resolução da condição patológica que suscitou a necessidade do suporte ventilatório. Além disso, existem muitas complicações e riscos associados à ventilação mecânica. Consequente a isto o suporte ventilatório deve ser retirado o mais breve possível quando o paciente for capaz de reassumir adequadamente a sua ventilação espontânea (SHELLEDY, 2000). Os pacientes podem necessitar de ventilação mecânica em virtude de apnéia. As causas comuns de apnéia ou de insuficiência ventilatória aguda incluem a overdose de drogas, os traumatismo cranianos, a parada cardíaca, a pneumonia grave, a exacerbação aguda da doença pulmonar obstrutiva crônica, síndrome da angustia respiratória aguda, as doenças neuromusculares e as lesões medulares. A insuficiência ventilatória iminente e os problemas graves de oxigenação também podem requerer suporte ventilatório mecânico (DIAS; SOUZA; 2007). 4 DESMAME VENTILATÓRIO Segundo Gambaroto (2006) desmame é o processo de transição da ventilação mecânica para a ventilação espontânea. Refere-se de um termo semelhante ao desmame materno-infantil, que é gradual e, às vezes, pode ser difícil. O III consenso de Ventilação Mecânica (2007) relata a definição dos termos a seguir: desmame que se refere ao processo de transição da ventilação artificial para a espontânea nos pacientes que permanecem em ventilação mecânica invasiva por tempo superior a 24 horas e sucesso do desmame que é a ventilação espontânea durante pelo menos 48 horas após a interrupção da ventilação artificial. Considera-se fracasso ou falência do desmame, se o retorno à ventilação artificial for necessário neste período. De acordo com Gambaroto (2006) desmame da ventilação mecânica habitualmente dar a entender dois separados, porem, íntimos aspectos do cuidado: descontinuação da ventilação mecânica e remoção da via aérea artificial. Pode ser interpretado como um processo de retirada abrupta ou gradual do suporte ventilatório. Relatos de alguns estudos demostram que em 75% dos pacientes, a ventilação mecânica pode ser retirada rapidamente e o restante dos pacientes precisam de um desmame mais gradual (GAMBAROTO, 2006). Gambaroto (2006) define os três tipos de desmame que são: desmame rápido que implica em uma rápida transição da ventilação mecânica para a ventilação espontânea. Por exemplo, pacientes em pós-operatório de cirurgias eletivas; desmame gradual pacientes com reserva funcional cardiorrespiratória prejudicada, disfunção de múltiplos órgãos, doenças neuromusculares, ventilação mecânica prolongada; e o desmame difícil pacientes que não conseguem se manter em ventilação espontânea ou que não admitem baixos níveis de suporte ventilatório. 5 CRITÉRIOS PARA O DESMAME Autores afirmam que a principal causa do insucesso do desmame está associada ao desequilíbrio entre a demanda e a capacidade ventilatória.

4 4 Vallverdú (2002) ressalta que o desequilíbrio entre a demanda de ventilação e a capacidade ventilatória prolongam o desmame no ventilador, constituindo os motivos mais frequentes no fracasso da interrupção da ventilação mecânica. 5.1 DEMANDA VENTILATÓRIA Gambaroto (2006) define a demanda ventilatória como sendo o trabalhado a ser realizado pelo sistema musculoesquelético respiratório, sendo produzida por quatro fatores principais: que são a produção de CO, fração inefetiva da ventilação (espaço moto), controle do drive respiratório e mecânica do sistema respiratório. A demanda ventilatória pode ser considerada como o resultado da ventilação-minuto pelo trabalho mecânico, ou definido como tarefa ou o trabalho a ser executado pelo sistema musculoesquelético respiratório (ROTHMAM; BARBAS; BUENO, 1998). Segundo Carvalho (2000) a demanda ventilatória é especificada pelo volume minuto (VE) necessário para manter uma apropriada PaCO2. Como VE tem uma relação quadrática como o trabalho respiratório, pequenas variações no VE resultam em alterações exponenciais no trabalho respiratório. A demanda ventilatória é determinada primariamente pela produção de CO2 (V CO2), pela relação entre espaço morto e volume corrente (VD/VT) e pelo drive respiratório. O aumento na V CO2 reproduz um acréscimo do metabolismo, como visto na presença de dor, agitação, febre, calafrios, hiperalimentação, aumento do trabalho dos músculos respiratórios ou outros estados hipermetabolicos como: sepse, queimaduras, trauma e hipertireoidismo (CARVALHO, 2000). Essas sobrecargas no sistema aumentam o trabalho respiratório, dificultando, assim, a retirada da ventilação mecânica. A demanda respiratória aumenta quando o paciente passa da ventilação assistida para a espontânea, levando ao aumento do retorno venoso e do esforço muscular respiratório, que aumenta o fluxo sanguíneo para a região torácica e abdominal, também elevando a pós-carga cardíaca imposta pela pressão pleural negativa (DAMASCENO; LANZA, 2007). 5.2 CAPACIDADE VENTILATORIA Segundo Gambaroto (2006) é a reserva ventilatória imprescindível para satisfazer a demanda. Essa capacidade é limitada pela insuficiência do drive respiratório ou pela incapacidade do sistema musculoesquelético em gerar um trabalho mecânico suficiente para vencer a demanda. Na maioria dos casos, o insucesso do desmame é devido a fatores relacionados a contração ou eficiência da musculatura respiratória, já que o centro respiratório está hiperestimulado (avaliação através da medida de P0,1 que é a pressão de oclusão aos 100 milissegundos do inicio da respiração). A diminuição da capacidade de gerar pressão inspiratória suficiente pode estar relacionada a dois aspectos principais que são: diminuição da força/endurance e diminuição da eficiência/coordenação (GAMBAROTO, 2006). 5.3 DRIVE RESPIRATÓRIO De acordo com Tarantino (2008) o drive respiratório esta incluso a fatores neurológicos, metabólicos e psicogênicos, e sendo assim diversas situações devem ser controladas ou otimizadas para o desmame. Febre, sepse, hipertiroidismo, hipotensão, oferta excessiva de

5 5 aminoácidos, lesões do sistema nervoso central, ansiedade, edema pulmonar e hipoxemia podem estimular excessivamente o centro respiratório. Medidas para redução do espaço morto também devem ser tomadas e, para tanto o tratamento de broncoespasmo, edema pulmonar e redução dos circuitos dos ventiladores pode reduzir a demanda ventilatória. Autores ressaltam também que o aumento do drive respiratório consequente a estímulos neurogênicos, psicogênicos ou metabólicos pode ser causa do aumento da demanda ventilatória, precipitando a falência em pacientes com a reserva respiratória diminuída. Lesões no sistema nervoso central, reflexos pulmonares exarcebados pela existência de edema pulmonar ou ainda patologias da caixa torácica podem mudar o set-point do drive respiratório para CO2, aumentando desnecessariamente a ventilação-minuto (ROTHMAM; BARBAS; BUENO, 1998). Damasceno e Lanza (2007) relatam que na pratica diária, o que se percebe rotineiramente é que o aumento do consumo de oxigênio relacionado ao hipermetabolismo, como na septicemia, é bastante comum. A alteração da complacência e da resistência do sistema respiratório é desencadeada por inúmeras condições patológicas, algumas mais comuns, como a DPOC, a asma e o edema agudo de pulmão, ou situações não tão rotineiras, como fibrose pulmonar e alterações de deformidades da caixa torácica. 6 FASES DO DESMAME OU DESCONTINUAÇÃO DA VENTILAÇÃO MECANICA Conforme Gambaroto (2006), o desmame pode ser dividido em três fases que são : inicio do processo de desmame; evolução do processo de desmame e final do processo de desmame e extubação. 6.1 INICIO DO PROCESSO DE DESMAME Os pré-requisitos para iniciar o desmame são: resolução ou melhoria da causa da IRpA; interrupção ou diminuição de drogas sedativas; interrupção de drogas bloqueadoras neuromusculares; ausência de alterações neurológicas agudas; ausência de sepse ou hipertermia importante e quadro hemodinâmico estável (GAMBAROTO, 2006). FATORES Evento agudo que motivou a VM Troca gasosa Avaliação hemodinâmica Capacidade de iniciar esforço inspiratório Nível de consciência CONDIÇÃO REQUERIDA Revertido ou controlado PaO2 60 mmhg com FiO2 0,40 e PEEP 5 a 8 cmh2o Sinais de boa perfusão tecidual, independência de vasopressores (dose baixas e estáveis são toleráveis), ausência de insuficiência coronariana ou arritmias com repercussão hemodinâmica. Sim Paciente desperta ao estimulo sonoro, sem agitação psicomotora. Eficaz Tosse Equilíbrio ácido-básico ph 7,30 Pré-requisito para iniciar o desmame 6.2 EVOLUÇÃO DO PROCESSO DE DESMAME De acordo com Gambaroto (2006) com a melhora e estabilização do quadro clinico, se o paciente apresentar adequado esforço inspiratório, ritmo, frequência e padrão respiratórios satisfatórios, pode-se pensar em começar o processo de desmame.

6 6 Tarantino (2008) afirma que se o estimulo neural, a força muscular e a capacidade de manter o trabalho muscular ao longo do tempo (endurance) estejam resguardados o desmame do ventilador se dará com sucesso. Contudo, 5 a 30% dos pacientes submetidos a ventilação mecânica não conseguem ser removidos do ventilador com sucesso nas primeiras tentativas. Essa população é composta de pacientes idosos, com pneumopatias ou cardiopatias prévias, graves lesões neurológicas, pacientes submetidos a cirurgias abdominais extensas ou cardiotorácicas ou aqueles desnutridos ou debilitados por enfermidades crônicas. Portanto, nesses casos o desmame será mais difícil e o conhecimento da fisiologia respiratória e a otimização da função neuromuscular serão essenciais. Devem ser preenchidos alguns critérios básicos para que o processo de liberação da ventilação mecânica seja iniciado; assim, a mecânica respiratória deve ser o mais estável possível com broncoespasmo, edema pulmonar, atelectasias e secreções traqueobrônquicas minimizadas. Admite-se que uma troca gasosa normal não é primordial para o sucesso do desmame, contudo parâmetros mínimos são exigidos. Dessa maneira, a saturação arterial de oxigênio deve ser superior a 90% a quantidade de fração inspirada de O 2 menor ou igual a 40% e a PCO 2 deve ser individualizada para cada paciente. Valores normais são desejáveis, entretanto naqueles pacientes com DPOC, nos quais o perfil de retenção crônica de CO 2 é identificado, níveis próximos do seu habitual devem ser mantidos (TARANTINO, 2008). Conforme Tarantino (2008) o suporte nutricional é de fundamental importância, visto que a maioria dos pacientes em ventilação mecânica passam por situações de hipercatabolismo intenso nas quais o consumo calórico leva a redução da massa muscular incluindo a musculatura respiratória (especialmente diafragmática). Contudo, a nutrição em excesso (overfeeding) por sua vez deve ser evitada, pois aumenta a produção CO2. A estabilidade cardiovascular é desejável já que a musculatura diafragmática necessita de uma boa perfusão para seu bom funcionamento. O uso de dobutamina e/ou vasodilatadores deve ser mantido em pacientes com insuficiência cardíaca para obtenção da melhor função ventricular em um período de grande demanda metabólica como o desmame. Da mesma forma pacientes com cardiopatia isquêmica devem receber vasodilatadores; cuidados com balanços hídricos negativos são de fundamental importância e o desmame será gradual com auxilio de pressão positiva. A correção de eletrolíticos se faz essencial à boa função neuromuscular, dando-se especial atenção a cálcio, magnésio, potássio, fosforo e sódio. Níveis de hemoglobina devem ser superiores a 8 g/dl para que a oferta tecidual de oxigênio seja adequada. Do ponto de vista metabólico o paciente tem de encontrar-se estável sem infecção ou com quadro infeccioso controlado. Depois que todos esses itens forem cumpridos passamos a avaliação da função neuromuscular, sendo enfocadas especialmente a demanda ventilatória, a capacidade ventilatória e a eficiência muscular. Segundo Gambaroto (2006) nesse momento, devem-se levar em consideração as condições necessárias para programar a extubação e os índices preditivos do sucesso do desmame. Tais condições devem ser rigorosamente observadas, analisadas e corrigidas quando necessário, sem o qual poderá ocorrer falha do desmame com consequentes complicações para o paciente. 6.3 INDICES PREDITIVOS DO SUCESSO DO DESMAME Os parâmetros fisiológicos podem ser úteis na tomada de decisões sobre a evolução do processo de desmame da ventilação mecânica, pois auxiliam a predizer se o paciente conseguira respirar sem a ajuda do suporte ventilatório (GAMBAROTO, 2006). Conforme Gambaroto (2006) a Pimax mede a força de contração da musculatura inspiratória, mas não a endurance que é a capacidade de mantê-la após longo período.

7 7 A adequada força e coordenação dos músculos inspiratórios resultam na integridade entre o centro respiratório e a atividade neuromuscular. Para medir a Pimax em paciente que utilizam prótese ventilatória e que são poucos colaborativo, deve-se realizar conexão do manovacuometro na via área com uma válvula unidirecional e oclui-la por aproximadamente 20 segundos, permitindo somente a inspiração do paciente, quando será medido a Pimax (< que -30 cm H 2 O) bom índice para desmame (DAMASCENO; LANZA, 2007). O volume/minuto (VM) é o produto do volume-corrente x frequência respiratória, valores de volume-minuto abaixo de 10L/min são recomendados para tentativas do desmame. Considera-se que um VM > L/min, associa-se ao fracasso do desmame, porem valores de 10 L/min podem ser suficientes com 100kg e inadequados para outros com 50kg de peso (DAMASCENO; LANZA, 2007). Conforme Tarantino (2008) a Relação P 0,1/P1max. Que é a pressão de oclusão respiratória aos 100 milissegundos (P 0,1) significa a intensidade do estímulo do centro respiratório. Esta, quando dividida pela pressão inspiratória máxima, indica um índice que conjuga drive e força muscular. Valores superiores a 8% predizem o insucesso do desmame. Tarantino (2008) define CROP. Como sendo o acrônimo que indica os parâmetros utilizados nesse método de avaliação de desmame que leva em consideração Complacência, Rate (frequência respiratória), Oxigenação e Pressão inspiratória máxima. A fórmula utilizada é a seguinte: Cdin X 1/fr X PaO 2 /PAO 2 X Pimax. Valores menores que 13 predizem o insucesso do desmame. De acordo com Gambaroto (2006) CROP é um acordo de dados fisiológicos. Onde a melhor complacência, a maior força inspiratória, a melhor oxigenação e a menor frequência respiratória resultam em maiores chances de o paciente permanecer em respiração espontânea. Índice de respiração rápida e superficial/tobin - Denominado também índice de Tobin, é identificado como preditor que obtém mais sucesso na descontinuação da ventilação. A literatura específica descreve que valores entre 60 e 100rpm/L podem predizer o sucesso. Essa ampla variação é bastante discutida, provavelmente pela aplicação em diferentes tipos de pacientes com patologias especificas (DAMASCENO; LANZA, 2007). 6.4 METODOS UTILIZADOS NO DESMAME Enquanto a causa da fadiga muscular não e determinada, não é iniciada o desmame da ventilação mecânica, e quando iniciar é necessário determinar qual modo pode ser utilizado para minimizar a fadiga. Mesmo assim, o fisioterapeuta deve ter um amplo conhecimento sobre os diferentes modos ventilatórios que podem determinar um benefício ao paciente (SOUZA; DIAS; 2007) TUBO T Gambaroto (2006) relata que o desmame gradual com tubo T trata-se de sessões de respiração espontânea de duração crescente, intercaladas com períodos de ventilação mecânica. Diversas técnicas podem ser utilizadas, tais como permitir que o paciente respire espontaneamente por 5 minutos a cada 30 a 180 minutos, aumentando gradualmente a duração destas tentativas até que seja alcançado um período de respiração espontânea de 30 minutos, momento em que é realizada uma determinação dos gases sanguíneos arteriais. Se a situação clinica do paciente for satisfatória, o período de respiração espontânea pode ser estendido até por duas horas, após esse período se realiza nova determinação dos gases sanguíneos arteriais e avalia-se a

8 8 possibilidade de extubação. Se o paciente for incapaz de manter uma respiração espontânea satisfatória, a ventilação mecânica é restituída. É o mais difundido dos métodos de desmame, devido a sua simplicidade. Inicia-se por período de respiração espontânea de 5 a 10 minutos, que são aumentados progressivamente (ROTHMAM; BARBAS; BUENO, 1998). De acordo com a tolerância do paciente, os períodos de respiração são aumentados não existindo padronização sobre o tempo ideal e a progressão da respiração espontânea, bem como sobre o período necessário para o repouso muscular (MACHADO; ZIN, 2008). O paciente inicia a respiração espontânea sem auxilio de nenhum tipo de pressão positiva, utilizando uma traqueia com uma extremidade conectada a uma fonte enriquecida de O 2 e a outra em um conector com três saídas (em T), que é acoplado à prótese ventilatória (DAMASCENO; LANZA, 2007) SIMV Os principais problemas associados a essa técnica são: o colapso alveolar pela ausência de uma pressão respiratória residual, a sobrecarga de trabalho imposta pelo tubo, à mudança brusca do grau de assistência ventilatória (tudo ou nada), especialmente danosa em pacientes cardiopatas, a falta de controle sobre a FIO 2 e a falta de monitorização adequada, uma vez que o paciente é desconectado dos alarmes do ventilador. Atualmente, recomenda-se colocar o paciente em período de prova em tubo T, pelo menos uma vez por dia, se houver tolerância. (ROTHMAM; BARBAS; BUENO, 1998). A ventilação mandatória intermitente sincronizada (SIMV) admite ciclos controlados, assistidos e espontâneos. Nas frequências programadas, se o paciente não apresentar esforço inspiratório, os ciclos serão controlados e, se o aparelho detectar esforço os ciclos serão assistidos. Nas frequências acima das programadas, o aparelho permite ciclos espontâneos, ou seja, o paciente respira sem ajuda do ventilador. Ciclos espontâneos são iniciados pelo paciente, controlados e finalizados ou pelo paciente ou pelo ventilador, se houver associação de pressão suporte (GAMBAROTO, 2006). Gambaroto (2006) relata que quando a SIMV é usada como método de desmame primeiramente inicia-se a ventilação com frequência respiratória normal como utilizado em ventilação assistido-controlada, encurtando gradativamente com o passar do tempo, até que chegue a duas a quatro respirações por minuto, desde que não haja sinais de intolerância. Se um ou mais sinais de intolerância estiverem presente, a frequência respiratória é aumentada até os níveis anteriores. Quando o paciente estiver apto a tolerar quatro ou menos respirações por minuto durante um dia, é então determinada a extubação. Este método é mais lento e caro quando comparado ao tubo T, pois o paciente está sempre conectado ao respirador e é retirado da ventilação mecânica em períodos geralmente de dias e não de horas. Também dependem da atividade muscular respiratória do paciente, contribuindo consequentemente para a prevenção da atrofia e descoordenação da musculatura respiratória. Contudo pode propiciar a fadiga muscular respiratória, aumentando o tempo de permanência da ventilação mecânica. (POLYCARPO; SOUZA, 2007). Há controvérsias quanto ao fato do desmame ser abreviado ou prolongado pelo SIMV. Possivelmente a resposta não seja técnica, e sim numa adequada avaliação das possibilidades

9 9 do paciente em assumir a sua respiração espontânea e consequentemente agilização no desmame (NOZAWA; SILVA, 1990). De acordo com Machado e Zin (2008), as vantagens da SIMV são: menor assistência do terapeuta devido à presença de alarmes, possibilidades de incorporações da PSV e CPAP, suporte psicológico para o paciente (manutenção do ventilador); As principais desvantagens desse método são: aumento do trabalho respiratório devido à resistência imposta pelo tubo traqueal, circuito e válvulas do ventilador, ausência de acoplamento do esforço respiratório do paciente e o ciclo respiratório do ventilador. O III Consenso de Ventilação Mecânica (VM) enfatiza que se deve evitar esta técnica (SIMV) como método de desmame sem a pressão de suporte (PSV) devido resultar em maior tempo de ventilação PRESSÃO DE SUPORTE (PSV) De acordo com Rothmam, Barbas e Bueno (2002) a pressão de suporte é uma técnica que pode ser usada no desmame do ventilador, apesar de não demonstrar superioridade de técnica em relação ao uso do tubo T. Há varias vantagens incluindo uma transição muito mais gradual da ventilação assistida para espontânea. Muito útil no desmame de cardiopatas que não podem suportar a sobrecarga hemodinâmica associada ao tubo T ou ao IMV. Habitualmente, inicia-se o desmame com uma pressão de suporte máxima (suficiente para gerar um volume corrente de 10 a 12 ml/kg), reduzindo-a gradativamente de acordo com a tolerância do paciente. A técnica oferece suporte assistido por pressão, limitado o fluxo, em que são predeterminados níveis de pressão positiva na fase inspiratória. Mantem-se um platô de pressão inspiratória pelo fornecimento de fluxo inspiratório variando de 1 a 100 cmh 2 O (Costa, 1999). A desaceleração do fluxo dá fim à fase inspiratória quando este alcança um valor igual a 25% do fluxo máximo (usualmente), atingindo no ciclo respiratório corrente (David, 1996). Existem respiradores microprocessados que dão a possibilidade de escolher em que fluxo a inspiração ira terminar proporcionando maior conforto e suporte ao paciente (POLYCARPO; SOUZA, 2007). O desmame em PSV tem como vantagem a manutenção, o conhecimento real da oferta de FIO 2, a monitorização constante do volume corrente espontâneo e a manutenção da PEEP profiláticz\a (SOUZA; SCORALICK, 2007). Conforme Gambaroto (2006) a ciclagem é por fluxo e acontece quando diminui 75% do pico (25% do fluxo máximo) na maioria dos ventiladores e, em alguns, esses valores mudam e em outros pode-se planejar o tempo de ciclagem. Mesmo não havendo consenso, os valores mínimos de PS são ajustados entre 5 e 8 cmh2o para ajudar o paciente a vencer as forças de resistência oferecidas pela cânula traqueal, circuito e válvula de demanda do ventilador. Outras vantagens da PSV são: aumento do sincronismo paciente-ventilador e diminuição da predisposição à fadiga diafragmática. Gambaroto (2006) relata que se inicia o desmame com PS suficiente para garantir adequada mecânica respiratória, frequência e volume corrente, diminuindo-a gradualmente de acordo com a tolerância do paciente, dando sempre máxima atenção a esses três parâmetros e sempre associar a PEEP (no mínimo 5 cm H2O). Várias técnicas têm sido indicadas para o desmame, porém até o momento não existe consenso a respeito da superioridade de uma no resultado final do desmame, embora se

10 10 observe que o emprego da pressão de suporte propicia maior conforto. Para o êxito dessa fase é importante a ação conjunta da equipe multiprofissional, bem como o estimulo à autoestima e atenção continua (NOZAWA; SILVA, 1995). Carvalho (2000) relata que o desmame da ventilação mecânica constitui a situação do dia-adia em que a ventilação com pressão de suporte (VPS) é mais utilizada. O desmame com a VPS possibilita uma maior sincronia paciente-ventilador e um recondicionamento muscular mais gradual. Dois estudos multicêntricos prospectivos e randomizados compararam diferentes métodos de desmame: VPS, tubo T e IMV. No estudo de Brochard e cols. A VPS foi superior em relação ao tubo T e IMV, com maior índice de sucesso de desmame e uma menor duração de desmame. Enquanto Estebán e cols. utilizando metodologia semelhante evidenciaram que o desmame com IMV teve o pior desempenho, enquanto o uso de tubo T com uma ou múltiplas tentativas por dia, foi superior a VPS, abreviando o desmame que foi duas vezes mais rápido. Ambos os estudos demonstraram que o desmame com IMV sem PS foi o pior dos métodos de desmame e que o ritmo ou o tempo de desmame é determinado mais pela maneira como são empregadas do que pela técnica em si. Gambaroto (2006) demonstra que nos estudos de Matic e Majeric-Kogler concluíram que em pacientes com dificuldades de desmame, a PSV com 8 cm H 2 O teve mais sucesso como método de desmame que o tubo T. 6.5 FINAL DO PROCESSO DE DESMAME E EXTUBAÇÃO Quando os índices preditivos do sucesso do desmame estiverem sob controle e o paciente conseguir manter-se estável com PSV = 5 a 8 cm H2O, PEEP = 5 cm H2O, FiO2 < 0,4 ou 40%, SatO2 > 90%, podemos dizer que o paciente está desmamado, ou seja, está com parâmetros mínimos de suporte ventilatório. Neste instante, se as condições necessárias para programar a extubação, forem satisfatórias, pode-se planejar, com segurança, a retirada da cânula traqueal (GAMBAROTO, 2006). Com a estabilização da frequência respiratória e frequência cardíaca dentro dos critérios de normalidades, o paciente será extubado, permanecendo em oxigênio sob máscara, ou retirado do ventilador, se traqueostomizado. Este processo necessita de atenção da equipe de fisioterapia na realização dos períodos de treinamento, além da implementação de técnicas para a manutenção e melhora da ventilação e de cinesioterapia para os segmentos, como a profilaxia de outras complicações oriundas da restrição ao leito e maior conforto e interação para o paciente (SCORALICK; SOUZA, 2007). Segundo Gambaroto (2006) tanto no desmame gradual e quanto no desmame difícil é aconselhável o teste de duas horas com PSV de 5 a 8 com H2O (dependendo do paciente) com acompanhamento e monitorização contínua. Havendo sucesso no teste, pode-se programar a extubação, no entanto, se houver sinais de intolerância, devem-se elevar os parâmetros ventilatórios e, se necessário, sedar o paciente, para proporcionar-lhe conforto. Reavaliar e tratar as causas da intolerância 7 RAZÕES DE FALHA DO DESMAME Conforme Gambaroto (2006) a falha no desmame da ventilação mecânica seria resultado de varias desordens. A razão fundamental para o paciente não tolerar a descontinuação da ventilação mecânica é a incapacidade dos músculos respiratórios competirem com a sobrecarga imposta. A fraqueza dos músculos respiratórios está sempre presente na desnutrição aguda ou crônica e consequentemente prolonga a ventilação mecânica. Má

11 11 adaptação dos músculos é provavelmente a causa de respirações rápidas e superficiais, que significa um bom indicador de falência no desmame. Damasceno e Lanza (2007), ressaltam fatores que possam contribuir negativamente para evolução do desmame: relacionados ao sistema nervoso que são lesão estrutural primaria (hemorragias, isquemias, edema, inflamação e neoplasia) ou secundaria (hipotireoidismo); privação do sono; alcalose metabólica; sedativos e narcóticos; alterações na complacência e a resistência pulmonar (sobrecarga na capacidade respiratória promove desequilíbrio entre a demanda e a capacidade para respirar, levando ao desgaste das funções musculares); inatividade muscular (miopatia, fadiga, drogas, bloqueadores neuromusculares); hiperinsuflação pulmonar (desvantagem da mecânica respiratória, consequente à sobrecarga de trabalho e incapacidade de manter a respiração). Segundo o III Congresso de Ventilação Mecânica (2007), retirar o paciente da ventilação mecânica, pode ser mais difícil que mantê-lo e o processo de retirada do suporte ventilatório ocupa ao redor de 40% do tempo total de ventilação mecânica. Alguns autores descrevem o desmame como a área da penumbra da terapia intensiva e que, mesmo em mãos especializadas pode ser considerada uma mistura de arte e ciência. Na maior parte dos casos, o insucesso dos desmame é devido a problema ligado à própria contração ou eficiência muscular insuficiente para atender a demanda exigida, porem todos esses fatores devem ser considerados quando se deseja diminuir a demanda ventilatória e facilitar o desmame (SHELLDY, 2000). Rothman, Barbas e Bueno (1998) afirmam que o sucesso do desmame ventilatório esta relacionado com a situação de quatro áreas principais do paciente: a carga de trabalho ventilatória versus a capacidade ventilatória, a condição de oxigenação, a função cardiovascular e aos fatores psicológicos. A descontinuação ou retirada precoce da ventilação mecânica passa a ser interessante para prevenir as complicações relacionadas a ela, como toxicidades ao oxigênio, lesão pulmonar induzida pela ventilação mecânica, barotrauma, alterações hemodinâmicas, lesões orotraqueais, sinusites, pneumonias, aumento do custo de internação e da mortalidade (DAMASCENO; LANZA, 2007). O desempenho da musculatura respiratória é o fator primordial para o sucesso do desmame, o insucesso acontece quando os métodos empregados não alcançam as respostas esperadas pelo programa traçado de recondicionamento muscular respiratório (POLYCARPO; SOUZA, 2007). 8 SITUAÇÕES DE REINTUBAÇÃO De acordo com Gambaroto (2006) mesmo satisfeitos todos os critérios clínicos e com os índices preditivos do sucesso do desmame dentro da normalidade, pode haver uma situação inesperada e o paciente acaba não tolerando a retirada da cânula traqueal. Muitas vezes, alguns índices ou condições clinicas são satisfatórios e outros não, e a equipe tem de decidir entre manter o paciente entubado e aumentar os riscos de complicações da ventilação mecânica ou tentar extubá-lo e correr o risco de insucesso na extubação. Gambaroto (2006) afirma que em alguns casos, a equipe opta por uma extubação de risco, ciente da situação. Neste momento, é fundamental o empenho do fisioterapeuta no intuito de suprir as necessidades do paciente, podendo-se utilizar VNI (se não tiver contraindicações), manobras de higiene brônquica, aspiração nasotraqueal de secreção pulmonar, auxilio a tosse,

12 12 posicionamento adequado. Para isso, deve haver monitorização contínua do paciente, disponibilidade de equipamentos, de materiais e de tempo do profissional para acompanhamento desse paciente 24horas por dia. Todo esforço deve ser feito no sentido de se evitar que o paciente seja reintubado. Pacientes reintubados apresentam maior índice de mortalidade quando comparados aos que tiveram sucesso no desmame. 9 METODOLOGIA O presente artigo consiste de uma revisão bibliográfica, tendo como proposta levantar os estudos sobre desmame ventilatório em adultos, assim como os métodos de desmame mais utilizados no dia a dia. Para a realização do mesmo, foram analisados artigos de periódicos, capítulos de livros e sites da internet. O levantamento bibliográfico compreendeu o período de 1998 a Foram utilizadas as palavras-chaves: uti, ventilação mecânica e desmame. 10 RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram utilizadas 20 referências que abordassem o assunto, entre livros, artigos, jornais e revistas. Todas as pesquisas enfatizaram que a ventilação mecânica quando utilizada por um longo período, pode acarretar vários danos à saúde. E que para evitar tais danos, quanto mais cedo for o processo de desmame, mais benefícios o paciente terá. Neste estudo foi relatado que o desequilíbrio entre a demanda e a capacidade ventilatória é a principal causa do insucesso do desmame. Este estudo também mostra que o desmame é dividido em três fases, que são: início do processo de desmame, evolução do processo de desmame e final do processo de desmame e extubação. Onde o início do processo de desmame precisa de alguns pré-requisitos que são: resolução ou melhoria da causa da IRpA; interrupção ou diminuição de drogas sedativas; interrupção de drogas bloqueadoras neuromusculares; ausência de alterações neurológicas agudas; ausência de sepse ou hipertermia importante e quadro hemodinâmico estável. Já na evolução do processo de desmame são verificados os índices preditivos do sucesso do desmame até chegar ao final do processo de desmame, onde ocorre a extubação. Foram comparados os três métodos de desmame mais utilizados na atualidade que são: SIMV, Tubo T e PS. Onde PS foi considerada superior ao Tubo T e SIMV. CONCLUSÃO Dentro de uma unidade de terapia intensiva, o fisioterapeuta tem papel importante junto à equipe multidisciplinar contribuído desde o pós-operatório até o desmame ventilatório. Em virtude das complicações da ventilação mecânica, logo que a causa que levou a intubação for resolvida, deve-se começar a planejar como deverá ser o desmame do suporte ventilatório. Nesta pesquisa verificou-se que atualmente não existem recomendações aplicáveis universalmente sobre um melhor método de desmame ventilatório. Verificou-se também que cada método (SIMV, PS e Tubo T) utilizado para o desmame ventilatório tem suas vantagens assim como suas desvantagens. Nos estudos analisados e comparados podemos considerar que o método de desmame com pressão de suporte foi superior ao tubo T e ao SIMV, pois a pressão de suporte é sempre mais confortável que outras modalidades para os pacientes, porque diminui o trabalho muscular respiratório, podendo seu uso estar associado à redução da hiperinsuflação dinâmica. Na PS o ajuste dos níveis e pressão de suporte baseados na frequências e no padrão respiratório do

13 13 paciente são de fácil manuseio e provavelmente evitam níveis excessivos de sobrecarga de trabalho. Já o SIMV teve o pior resultado, em comparação com os outros métodos utilizados, por ser um método mais lento. Foram relatados alguns índices preditivos do sucesso do desmame (Pi max, volume/minuto, relação P0,1/Pi max, CROP e Tobim) que são essenciais na tomada de decisões sobre a extubação. É muito importante que não se use os índices preditivos isoladamente, pois todos eles são aliados e não fundamentais para o desmame. O presente artigo de revisão bibliográfica teve o proposito de demonstrar os três tipos de desmame mais utilizados na atualidade e assim esclarecer aos profissionais de saúde sobre o assunto abordado para que o profissional possa escolher qual método será mais apropriado para cada paciente. E de fundamental importância que se estimule sempre mais pesquisas sobre o assunto em questão, para que os profissionais possam desenvolver suas praticas baseadas em evidências. REFERÊNCIAS AZEREDO, Carlos. Fisioterapia respiratória moderna. 4ª edição, SP: Manole, AZEREDO, Carlos. Técnicas para o Desmame no Ventilador Mecânico. 1º Edição, SP, Manole, CARVALHO, Carlos. Ventilação mecânica. Vol. II Avançado. Vol. 9, SP, Atheneu, CARVALHO, TOUFEN, FRANÇA. Ventilação Mecanica: princípios, anlise gráfica e modalidades ventilatórias. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 33, 2007, pg III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Vol. 33, Supl. 2, pg 54-70, DAMASCENO, Marta; LANZA, Fernanda; Desmame da Ventilação Mecânica, In: SARMENTO, George; Fisioterapia Respiratória no Paciente Crítico: Rotinas Clínicas, 2º Edição, SP, Manole, DIAS, Alexandre, Treinamento Muscular Respiratório, In SOUZA, Leonardo Cordeiro. Fisioterapia Intensiva, 1º Edição, SP, Atheneu, JERRE, BERALDO, SILVA E COL. Fisioterapia no Paciente sob Ventilação Mecanica III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecanica. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Vol 19 nº 3, julho-setembro, 2007, pg MACHADO, Maria da Gloria; ZIN, Walter, Desmame do Suporte ventilatório, In: MACHADO, Maria da Gloria Rodrigues. Bases da fisioterapia respiratória, 1ª Edição, SP, Guanabara Koogan, MATHEWS, Paul; GREGG, Berthene, Monitorização e Controle do Paciente na UTI, In: KESTER, Lucy, STOLLER, James. Fundamentos da terapia respiratória de Egan, 7ª Edição, SP, Manole, 2000.

14 14 NOZAWA, Emilia; SILVA, Ana Maria, Desmame da ventilação mecânica, In: AULER, Junior; GOMIDE, do Amaral; Assistencia Ventilatoria Mecanica, 1ª Edição, SP, Atheneu, OLIVEIRA, JOSE, DIAS E COL. Padronização do Desmame da Ventilação Mecanica em Unidade de Terapia Intensiva: Resultados após Um Ano. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Vol. 18 nº 2, Abril-Junho, 2006, pg POLYCARPO, Monclar; SOUZA, Leonardo, Desmame da Ventilação Mecanica, In: SOUZA, Leonardo Cordeiro. Fisoterapia Intensiva, 1ª Edição, SP, Atheneu, RONCATTI, Vera; PORTIOLLI, Rotinas e Recursos de fisioterapia Respiratória em UTI, In: KNOBEL, Elias. Condutas no Paciente Grave, 2º Edição, SP, Atheneu, Vol. II. ROTHMAM, Arthur; BARBAS, Carmem; BUENO, Barco; Desmame da ventilação mecânica, In: KNOBEL, Elias, Condutas no paciente grave, 2ª Edição, SP, Atheneu, 2002, Vol. I. SHELLEDY, David; Interrupção do Suporte Ventilatório, In: KESTER, Lucy; STOLLER, James. Fundamentos de Terapia Respiratória de Egan, 7º Edição, SP, Manole, SCOLARICK, Zailda; SOUZA, Leonardo, Treinamento Muscular Respiratório no Desmame Difícil, In: SOUZA, Leonardo Cordeiro. Fisioterapia Intensiva, 1ª Edição, SP, Atheneu, SOUZA, FIGUEIREDO, GUEDES E COLS. Teste de Permeabilidade de Vias Aéreas Pré- Extubação: Comparação entre Três Métodos em Ventilação Espontânea. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Vol. 19 Nº 3, Julho-Setembro, pg , TARANTINO, Affonso Berardinelli. Doenças Pulmonares 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, VALLVERDÚ, Estratégias para a interrupção da Ventilação. 3ª Edição, RJ Revinter, 2002.

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Prof. Rogério Ultra Contato: sobratirj@oi.com.br Curso de fisioterapia Intensiva Módulo de assistência ventilatória

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Prof. Rogério Ultra Contato: sobratirj@oi.com.br Curso de fisioterapia Intensiva Módulo de assistência ventilatória VENTILAÇÃO MECÂNICA Prof. Rogério Ultra Contato: sobratirj@oi.com.br Curso de fisioterapia Intensiva Módulo de assistência ventilatória O ciclo respiratório Didaticamente, o ciclo respiratório, durante

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC Unidade de Terapia Intensiva Adulto Versão eletrônica atualizada em Março 2009 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS: Tabagismo importante Tosse crônica, dispnéia e ou broncoespasmo Gasometria

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

Conceitos Básicos em VM invasiva

Conceitos Básicos em VM invasiva Conceitos Básicos em VM invasiva Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto de Medicina Clínica, UFC Hospital Universitário Walter Cantídio - HUWC UTI respiratória do Hospital de Messejana, Fortaleza, CE Ventilação

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Jose Roberto Fioretto

Jose Roberto Fioretto Jose Roberto Fioretto jrf@fmb.unesp.br Professor Adjunto-Livre Docente Disciplina de Medicina Intensiva Pediátrica Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP 1988 Para começar... Ventilação mecânica é ventilação

Leia mais

Ventilação mecânica. Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008

Ventilação mecânica. Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008 1 - O que é ventilação mecânica? Ventilação mecânica Autor(es) Bruno do Valle Pinheiro 1 Fev-2008 Ventilação mecânica é o suporte oferecido ao paciente por meio de um aparelho, o ventilador, auxiliando-o

Leia mais

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013 Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Professor FCMMG Jornal Brasileiro de Pneumologia Revista Brasileira de Terapia Intensiva Agosto

Leia mais

Protocolo de Ventilação Mecânica

Protocolo de Ventilação Mecânica 1 de 6 RESULTADO ESPERADO: Sistematizar a assistência ventilatória e o processo de desmame objetivando na redução do tempo de ventilação mecânica e as complicações associadas. 1554 PROCESSOS RELACIONADOS:

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I.

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I. ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA EM U.T.I. Segundo o II Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica (não revisado - 2011) I VENTILAÇÃO MECÂNICA - Objetivos da Ventilação Mecânica - Conclusões do II Consenso Brasileiro

Leia mais

GRUPO 24 FISIOTERAPIA

GRUPO 24 FISIOTERAPIA Não deixe de preencher as informações a seguir. SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Guia de conduta: Ventilação Mecânica Não Invasiva

Diretrizes Assistenciais. Guia de conduta: Ventilação Mecânica Não Invasiva Diretrizes Assistenciais Guia de conduta: Ventilação Mecânica Invasiva Versão eletrônica atualizada em jun/2012 Guia de conduta: Ventilação Mecânica Invasiva Definição Ventilação Mecânica Invasiva (VNI)

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal 1 de 5 2070 94 RESULTADO ESPERADO: 2070 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Neonatal Atendimento Cirúrgico Atendimento em Emergência Internação Procedimento Recém-Nascido com desconforto respiratório Como

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação?

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? III Curso Nacional de Ventilação Mecânica SBPT, São Paulo, 2008 Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto, Medicina Intensiva/Pneumologia, Universidade Federal

Leia mais

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte.

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte. SERVOVENTILADOR COLOR MS: 10229820103 OCP: TÜV Rheinland... DESCRITIVO Servoventilador pulmonar microprocessado eletrônico para insuficiência respiratória de paciente adulto a neonatal em UTI. Reúne ventilação

Leia mais

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 PARECER COREN-SP 018 /2013 CT PRCI n 99.921 Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 Ementa: Mensuração e regularização da pressão do cuff (balonete) de cânulas de entubação e traqueostomia por Enfermeiro.

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Revisão e Atualização em Ventilação Mecânica Enfermeira Vanderléia Bertoglio Enfermeiro Adilson Adair Böes Rotina de Revisão e Atualização

Leia mais

PAD Coren/DIPRE nº 622 /2013 PARECER TÉCNICO nº 004/2013

PAD Coren/DIPRE nº 622 /2013 PARECER TÉCNICO nº 004/2013 PAD Coren/DIPRE nº 622 /2013 PARECER TÉCNICO nº 004/2013 Obrigatoriedade de montagem de ventiladores mecânicos exclusivamente por enfermeiros em UTIs, composta por equipe multidisciplinar, inclusive profissional

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

IMPEDÂNCIA PULMONAR : É O SOMATÓRIO DAS FORÇAS OPOSTAS À EXPANSÃO PULMONAR NA FASE INSPIRATÓRIA

IMPEDÂNCIA PULMONAR : É O SOMATÓRIO DAS FORÇAS OPOSTAS À EXPANSÃO PULMONAR NA FASE INSPIRATÓRIA PROPRIEDADES ELÁSTICAS DO PULMÃO Resistência Respiratória: Define-se resistência respiratória como o conjunto de forças opostas ao fluxo aéreo, pode-se conceituar resistência como a relação existente entre

Leia mais

Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica

Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica Indicações e ajustes iniciais da ventilação mecânica Marcelo Alcantara Holanda Prof Terapia Intensiva/Pneumologia Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará UTI respiratória Hospital Carlos Alberto

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA. FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1

PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA. FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1 PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA E NEONATOLOGIA III e IV 2016.1 Currículo Vitae Ticiana Leal Leite Buarque ticianaleal@yahoo.com.br Informações

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FISIOTERAPIA

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FISIOTERAPIA 1- Parturiente, 23 anos, G1P0A0, encontra-se na sala de pré-parto com queixa de algia em baixo ventre e região lombossacra, ao exame apresentou dinâmica uterina presente, dilatação uterina de 5 cm, e feto

Leia mais

Ventilação Mecânica. Brasília-DF.

Ventilação Mecânica. Brasília-DF. Ventilação Mecânica Brasília-DF. Elaboração Amanda Rodrigues Faria Produção Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração Todos os direitos reservados. W Educacional Editora e Cursos Ltda.

Leia mais

1.2 Problema. 1.3 Hipóteses

1.2 Problema. 1.3 Hipóteses 1 INTRODUÇÃO A Ventilação Mecânica (VM) é um método de suporte de vida e tratamento de pacientes com insuficiência respiratória aguda ou crônica agudizada, e tem contribuído muito para aumentar a sobrevida

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA Israel Figueiredo Junior UFF 2009 israel@vm.uff.br OBJETIVOS OXIGENAR VENTILAR MANTER ph PaO2 PaCO2 ph N HISTÓRICO 1800-1 o relato de IOT associada a VM 1887 - O Dwyer

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Oxigenoterapia e sua relação com os atendimentos de fisioterapeutas cardiorrespiratórios Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Considerações Gerais O oxigênio é um velho conhecido

Leia mais

Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica

Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica CAPÍTULO 102 Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica Alexandre Goulart Pustilnik* Introdução O início da ventilação mecânica deve ser orientado para a causa da insuficiência

Leia mais

1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva

1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva 1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva Coordenador: SÉRGIO SALDANHA MENNA BARRETO Relator: NIVALDO FILGUEIRAS Colaboradores: AÍRTON STINGELLIN CRESPO, ANALUCE GÓES, ARTHUR VIANNA,

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

TAKAOKA MONTEREY SMART

TAKAOKA MONTEREY SMART TAKAOKA MONTEREY SMART OPERAÇÃO NO RECÉM-NASCIDO O Monterey Smart é um respirador microprocessado desenvolvido para atender pacientes adultos, infantis e neonatais em terapia intensiva e transporte intra

Leia mais

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO

ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA DO RECÉM-NASCIDO Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ENFERMAGEM A assistência ventilatória é caracterizada pela otimização das

Leia mais

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos Assistência Ventilatória no Domicílio Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Hospital Universitário São José Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia Epidemia de Poliomielite 1953

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

total ou parcialmente a atividade ventilatória do paciente, com o objetivo de restabelecer o equilíbrio entre a oferta e demanda de oxigênio,

total ou parcialmente a atividade ventilatória do paciente, com o objetivo de restabelecer o equilíbrio entre a oferta e demanda de oxigênio, 8 1. INTRODUÇÃO O surgimento dos ventiladores mecânicos foi um marco no tratamento da insuficiência respiratória aguda. Seu uso clínico foi iniciado há cerca de sessenta anos, com os ventiladores a pressão

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 QUESTÃO 26 Quanto à ausculta pulmonar, é INCORRETO afirmar: a) O atrito pleural é ouvido igualmente durante a inspiração e expiração. b) Broncoespasmo, edema de mucosa e secreções

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

TÉCNICAS DE DESMAME UTILIZADAS NA UTI-A DO HOSPITAL GERAL GOVERNADOR JOÃO ALVES FILHO-SE

TÉCNICAS DE DESMAME UTILIZADAS NA UTI-A DO HOSPITAL GERAL GOVERNADOR JOÃO ALVES FILHO-SE 1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL LAVINIA LIDIA RAMOS QUIREZA DE VASCONCELOS TÉCNICAS DE DESMAME UTILIZADAS NA UTI-A DO HOSPITAL GERAL GOVERNADOR JOÃO ALVES FILHO-SE Salvador 2011

Leia mais

3 Ventilador Pulmonar

3 Ventilador Pulmonar 3 Ventilador Pulmonar Neste capítulo são descritos fundamentos teóricos que ajudam a melhor entender o funcionamento dos ventiladores pulmonares (VP), também chamados de ventiladores mecânicos. Discute-se

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S CONCURSO PÚBLICO C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 4 ESPECIALIDADE: FISIOTERAPIA HOSPITALAR COM ÊNFASE EM TERAPIA INTENSIVA PROVA: FISIOLOGIA PULMONAR, FISIOPATOLOGIA PULMONAR E RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS

Leia mais

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Desafios Prática clínica:

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma Respiração + Circulação Basic Life Support Facilitadora Enf a. Ana Carolina Corgozinho E-mail anacorgozinho@uol.com.br Respiração Os seres vivos conseguem resistir a restrições alimentares, pois sobrevivem

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA coren-ro.org.br http://www.coren-ro.org.br/parecer-tecnico-no-0122012-aspiracao-de-pacientes-internados-em-hospitais-de-quem-e-acompetencia_1165.html PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica

III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica Ventilação mecânica: princípios, análise gráfica e modalidades ventilatórias Carlos Roberto Ribeiro de Carvalho, Carlos Toufen Junior, Suelene Aires Franca

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202

SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202 Processo Seletivo Residência Multiprofissional Edital n. 01/2010 SAÚDE DA CRIANÇA FISIOTERAPIA Código: 202 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém

Leia mais

Assistência Ventilatória e Fisioterapêutica na Síndrome da Angústia respiratória do Adulto ( SARA )

Assistência Ventilatória e Fisioterapêutica na Síndrome da Angústia respiratória do Adulto ( SARA ) Revisão Assistência Ventilatória e Fisioterapêutica na Síndrome da Angústia respiratória do Adulto ( SARA ) Assistenc Ventilatory and Physicaltherapy Respiratory Adult Syndrome in Agustia Cristiane Bigão

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO INSPIRÔMETRO DE INCENTIVO COACH

INSTRUÇÕES DE USO INSPIRÔMETRO DE INCENTIVO COACH INSTRUÇÕES DE USO INSPIRÔMETRO DE INCENTIVO COACH Fabricado por: DHD Healthcare Corp. One Madison Street Wampsville, NY 13163 ESTADOS UNIDOS Importado por: INDUMED Ind. e Com. Ltda. Rua Laguna, 742 Santo

Leia mais

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO Page 1 of 6 CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO A cirurgia torácica em pequenos animais não tem sido realizada com rotina na prática

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA APÓS A VENTILAÇÃO MECÂNICA CONVENCIONAL

AVALIAÇÃO DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA APÓS A VENTILAÇÃO MECÂNICA CONVENCIONAL ROBERTO MARCÓ AVALIAÇÃO DA VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA APÓS A VENTILAÇÃO MECÂNICA CONVENCIONAL Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Ciências da Saúde da Faculdade de Ciências Médicas

Leia mais

MODOS DE ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA

MODOS DE ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA Medicina, Ribeir o Preto, SimpÛsio: MEDICINA INTENSIVA - 4 PARTE 34: 133-142, abr./jun. 2001 CapÌtulo VI MODOS DE ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA MODES OF MECHANICAL VENTILATION Adriana Ignácio de Pádua 1 & José

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun

VENTILAÇÃO MECÂNICA. Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun VENTILAÇÃO MECÂNICA Instituto da Criança - FMUSP Marta Mataloun OBJETIVOS PaO2/ SaO2 PaCO2 / ventilação alveolar Trabalho resp e prevenir fadiga musc recrutar alvéolos colapsados/ atelectasiados COMPLICAÇÕES

Leia mais

Monitorando VM na UTI. Monitorar. Pp Ppt Ve Complacencia Complacencia do circuito Resistencia das vias aereas Fluxo inspiratorio

Monitorando VM na UTI. Monitorar. Pp Ppt Ve Complacencia Complacencia do circuito Resistencia das vias aereas Fluxo inspiratorio Monitorando VM na UTI Octavio Messeder FCCP Pneumologista /Intensivista Coordenador UTI Geral do Hospital Portugues SSA-Ba Monitorar ALARMES Autopeep Hemogasometria O2sat Pressão do balonete FR Infecção

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

Organizador. Autores

Organizador. Autores ROSTO Apresentação O Guia de Emergências Clínicas foi estruturado a fim de orientar o profissional que lida a todo instante com situações diversas e que exigem diferentes abordagens na emergência clínica,

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória

Raniê Ralph Pneumo. 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória 02 de Outubro de 2008. Professora Ana Maria Casati. Insuficiência Respiratória Introdução Maior causa de morte nos E.U.A. Mais de 70% das mortes em pacientes com pneumonia são atribuídas à insuficiência

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Administração de oxigênio, a uma pressão maior que a encontrada no ar ambiente, para aliviar e/ou impedir hipóxia tecidual. FINALIDADE Fornecer concentração adicional de oxigênio

Leia mais

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Especialização em Fisioterapia Intensiva Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Fisioterapia Intensiva Neonatal e pediátrica Conteúdo programático Anatomia e fisiologia cardiorrespiratória

Leia mais

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO 68 PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO Josiane Manzo Lamoso 1,2, Flávia Letícia dos Santos 1,2, João Paulo Manfré

Leia mais

Identificação: MF, feminino, 48 anos, psicóloga, natural e procedente SP. Encaminhada para avaliação Distúrbios respiratórios do sono.

Identificação: MF, feminino, 48 anos, psicóloga, natural e procedente SP. Encaminhada para avaliação Distúrbios respiratórios do sono. Caso clinico Identificação: MF, feminino, 48 anos, psicóloga, natural e procedente SP. HPMA: Encaminhada para avaliação Distúrbios respiratórios do sono. Presença de ronco intenso de caráter ressuscitativo,

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ADULTO

C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ADULTO C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL EXAME DE CONHECIMENTO FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ADULTO MANHÃ ESPECIALIDADE: FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO LEGISLAÇÃO

Leia mais

Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica

Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica Relatório do Segundo Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica PROMOÇÃO Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Associação de Medicina Intensiva Brasileira APOIO Sociedade Brasileira de Anestesiologia

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

PROJETO CURSOS 2015 CURSO TEÓRICO- PRÁTICO DE REABILITAÇÃO PULMONAR: DA ATUAÇÃO HOSPITALAR A DOMICILIAR

PROJETO CURSOS 2015 CURSO TEÓRICO- PRÁTICO DE REABILITAÇÃO PULMONAR: DA ATUAÇÃO HOSPITALAR A DOMICILIAR VALOR DA INSCRIÇÃO: R$ 1.400,00 PROJETO CURSOS 2015 EDITAL I: CURSO TEÓRICO- PRÁTICO DE REABILITAÇÃO PULMONAR: DA ATUAÇÃO HOSPITALAR A DOMICILIAR 1. OBJETIVO Promover uma atualização em Reabilitação Pulmonar

Leia mais

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003)

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003) MESA REDONDA IV Cuidados da fonoaudiologia: Diagnóstico e tratamento do paciente disfágico pós-estubação ou traqueostomizado Fga Luciana Passuello do Vale Prodomo Disfagia Qualquer problema no processo

Leia mais