V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS. Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS. Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS"

Transcrição

1 V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS Brasília, 25 de dezembro de 2013 Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 1

2 Projeto /2008 Perfil Nutricional de Alimentos Processados Expostos ao Consumo Gerência-Geral de Alimentos GGALI Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde - CGPAN/MS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde - INCQS. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 2

3 Perfil Nutricional de Alimentos Processados Expostos ao Consumo JUSTIFICATIVA Estudos da OMS sobre obesidade próximos dez anos, a obesidade será a principal causa de morte evitável, superando o número de óbitos causados pelo cigarro, em todo o mundo. A prevenção e controle das Doenças Crônicas Não-Transmissíveis DCNT - e seus fatores de risco são fundamentais para a qualidade de vida e o sistema de saúde no país. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 3

4 Perfil Nutricional de Alimentos Processados Expostos ao Consumo Estratégia Global para Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde fomentar mudanças sócio ambientais, favorecer as escolhas saudáveis no nível individual construção de hábitos para a promoção da saúde e a prevenção das doenças. A responsabilidade compartilhada sociedade, setor produtivo e setor público Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 4

5 Perfil Nutricional de Alimentos Processados Expostos ao Consumo para a população atingir as recomendações de uma dieta mais saudável: aumentar o consumo de frutas e hortaliças, cereais integrais frutas secas; limitar a ingestão energética procedente de gorduras, substituir as gorduras saturadas e trans por gorduras insaturadas; limitar a ingestão de açúcares livres; e limitar a ingestão de sódio de toda a procedência e consumir sal iodado. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 5

6 PERFIL NUTRICIONAL DOS ALIMENTOS PROCESSADOS EXPOSTO AO CONSUMO três eixos principais : DIAGNOSTICO DO PERFIL NUTRICIONAL de alimentos processados expostos ao consumo, a ser desenvolvido no Estado do Rio de Janeiro, sede INCQS eleito como responsável pela aquisição e análise das amostras; CONSTRUÇÃO DE REDE DE LABORATÓRIOS com capacidade analítica para avaliação do perfil nutricional de alimentos processados, tendo o INCQS as atribuições de gestor da rede e laboratório de referência; e PRODUÇÃO DE UM TERMO DE REFERENCIA indicando as principais estratégias governamentais e setoriais a serem adotadas na revisão das práticas de industrialização de alimentos a fim de garantir à população uma dieta mais saudável. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 6

7 OBJETIVO Contribuir com a revisão das práticas de industrialização de alimentos a fim de promover uma alimentação mais saudável. 1. Elaborar um diagnóstico do perfil nutricional dos alimentos processados. 2. Construir uma rede oficial de laboratórios com capacidade analítica para avaliação do perfil nutricional de alimentos processados. 3. Propor estratégias governamentais e setoriais a serem adotadas na revisão das práticas de industrialização de alimentos. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 7

8 METODOLOGIA - alimentos mais consumidos identificados pela Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002/ IBGE; - alimentos que são monitorados pelo Reino Unido e contribuem com a maior participação de sódio na dieta da população local; e - alimentos destinados à população geral, com preferência de consumo entre o público infantil. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 8

9 METODOLOGIA A execução do diagnóstico, incluindo a coleta das amostras e análises, responsabilidade do INCQS: Articulação: VISA municipio do RJ (coleta) INCQS coordenação das analises (gorduras, sódio, ferro e ac. fólico) OBS. Foram considerados produtos iguais aqueles que apresentavam a mesma designação e marca Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 9

10 Alimentos selecionados para avaliação do teor de sódio (40 AMOSTRAS / PRODUTO) CATEGORIAS PRODUTOS SELECIONADOS PARÂMETROS EMBUTIDOS PRODUTOS CÁRNEOS LATICINIOS SALGADINHOS PRONTOS PARA CONSUMO BISCOITOS REFEIÇÕES PRONTAS BEBIDAS SALSICHA LINGÜIÇA DE CARNE APRESUNTADO HAMBURGUER BOV STEAK (NUGGETS) QUEIJO MUSSARELA REQUEIJÃO BATATAS FRITAS SALGADINHO DE MILHO CREAM-CRACKER DE AMIDO DE MLHO RECHEADOS MACARRÃO INSTANTÂNEO PAPINHAS LEGUMES E FRANGO BISNAGAS INSDUST MINI BOLOS CHOCOLATE SUCO E NECTAR DE UVA REFRIGERANTES DE COLA E GUARANÁ ACHOCOLATADOS SÓDIO E GORDURAS SÓDIO E GORDURAS SÓDIO E GORDURAS SÓDIO E GORDURAS SÓDIO GORDURAS E AÇÚCARES SÓDIO GORDURAS E AÇÚCAR AÇÚCAR, SÓDIO E GORDURAS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 10

11 BATATAS FRITAS Nº AMOSTRAS ANALISADAS 51 MARCAS ANALISADAS 14 RESULTADOS INSATISFATÓRIOS 29 (57%) RESULTADOS ACIMA DE 20% dd 8 (16%) TEOR MÍNIMO 40mg / porção (25g) TEOR MÁXIMO 186 mg / porção (25g) Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 11

12 Teor (mg/25g) Título do Teor Slide Sodio em Batatas Fritas e Snacks Limites Máx-Mín (±20%) Valor encontrado Nº de amostras Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 12

13 SALGADINHOS E SNACKS Nº AMOSTRAS ANALISADAS 40 MARCAS ANALISADAS 18 RESULTADOS INSATISFATORIOS 19 RESULTADOS ACIMA DE 20% dd nenhuma TEOR MÍNIMO 96 mg / porção (25g) TEOR MÁXIMO 434 mg / porção (25g) Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 13

14 Teor (mg/25g) Título do Teor Slide sódio em salgadinhos 1400, , ,00 800,00 600,00 400,00 200,00 0, Valor encontrado Limites Máx-Mín (±20%) Nº de amostras Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 14

15 CREAM CRACKER e ÁGUA E SAL Cream Cracker N AMOSTRAS ANALISADAS 20 MARCAS ANALISADAS 17 RESULTADOS INSATISFATORIOS 15 RESULTADOS ACIMA DE 20% dd 6 TEOR MÍNIMO 104 mg / porção (30g) TEOR MÁXIMO 420 mg / porção (30g) água e sal N AMOSTRAS ANALISADAS 20 MARCAS ANALISADAS 16 RESULTADOS INSATISFATORIOS 11 RESULTADOS ACIMA DE 20% dd 2 TEOR MÍNIMO 91 mg / porção (30g) TEOR MÁXIMO 271 mg / porção (30g) Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 15

16 Teor (mg/30g) Título do Teor Slide sódio em Cream Craker Valor encontrado Limites Máx-Mín (±20%) Nº de amostras Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 16

17 Teor (mg/30g) Título do Teor de Slide sódio em biscoitos água e sal 450, , , , , , , ,000 50,000 0, Valor encontrado Limites Máx-Mín (±20%) Nº de amostras Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 17

18 REFRIGERANTES - COLA N AMOSTRAS ANALISADAS 23 MARCAS ANALISADAS 6 RESULTADOS INSATISFATORIOS 11 RESULTADOS ACIMA DE 20% dd 9 TEOR MÍNIMO 29 mg / L (referência) TEOR MÁXIMO 138 mg / L (baixa caloria) Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 18

19 Teor (mg/l) Título do Slide Teor sódio em refrigerantes de Cola 180,00 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0, Valor encontrado Limites Máx-Mín (±20%) Nº de amostras Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 19

20 REFRIGERANTES - GUARANÁ N AMOSTRAS ANALISADAS 27 MARCAS ANALISADAS 10 RESULTADOS INSATISFATORIOS 13 RESULTADOS ACIMA DE 20% dd 12 TEOR MÍNIMO 30 mg / L TEOR MÁXIMO 175mg / L Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 20

21 Teor (mg/l) Título do Slide Teor de sódio em refrigerantes de Guaraná Valor encontrado Limites Máx-Mín (±20%) Nº de amostras Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 21

22 REQUEIJÃO CREMOSO N AMOSTRAS ANALISADAS 40 MARCAS ANALISADAS 21 RESULTADOS INSATISFATORIOS 19 Light = 15 ( insat. 9) referência= 25 (insat. 9 RESULTADOS ACIMA DE 20% dd 7 Light referência TEOR MÍNIMO 4,2 mg / g 2,8 mg / g TEOR MÁXIMO 6,6 mg /g 8,0 mg / g Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 22

23 Teor (mg/g) Título do Slide Teor sódio em requeijão Valor encontrado Limites Máx-Mín (±20%) Nº de amostras Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 23

24 Macarrão instantâneo (massa e tempero) N AMOSTRAS ANALISADAS 40 MARCAS ANALISADAS 11 RESULTADOS INSATISFATORIOS 100% RESULTADOS ACIMA DE 20% dd todas massa tempero TEOR MÍNIMO 3,6 mg/g 75,2 mg/g TEOR MÁXIMO 30 mg/g 562 mg/g 30x80 = 2400mg / porção 2810 mg / porção %VD = 100% 117% Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 24

25 teor de sódio, mg / g Título 600 do Slide N amostras massa tempero total declarado Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 25

26 tero de sódio, mg / g Teor de sódio, mg / g nº de amostras analisadas total declarado Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 26

27 PERFIL NUTRICIONAL DOS ALIMENTOS PROCESSADOS EXPOSTOS AO CONSUMO Constatou: Grande variabilidade dos teores de sodio entre produtos de mesma categoria de alimentos Resultou: TERMO DE COMPROMISSO 004 DE 07/04/2011 EXTRATO DE COMPROMISSO No- 34 e 35 de 13/12/2011 firmado entre si a união, por intermédio do Ministério da Saúde, e a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação - ABIA, a Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias - ABIMA, a Associação Brasileira da Indústria de Trigo - ABITRIGO e a Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria -ABIP. VIGÊNCIA: 13 de dezembro de (cinco) anos, a partir da data da sua assinatura. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 27

28 a partir de Utilizamos a Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) do IBGE ) avaliaçao mais realista do consumo alimentar individual dentro e fora do domicilio; Conhecer a ingestão habitual de alimentos, de valor energetico e de nutrientes - alto consumo de biscoitos recheados, salgadinhos industrializados, pizza e refrigerantes - Têrmos de Compromisso (MS e setor regulado) - Programa nacional de monitoramento - VISAs estaduais, municipais, Lacens e o INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 28

29 Teores de sódio em produtos alimentícios, mg/100g Produto / * Teores pactuados Batata palha (14) (11) (31) (10) Salgadinho snack (18) (7) (14) (6) Batata frita (17) (4) (6) (2) Macarrão instantaneo massa (11) M (11) T (22) M+T (11) M+T (10) M (10) T Dados dos Informes Técnicos 43/2010, 50/2012 e 54/ ANVISA *dados provenientes do INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 29

30 Teores de sódio em produtos alimentícios, mg/100g Produto / * Valor pactuado Biscoito polvilho Biscoito de amido de milho Biscoitos recheados Cream Cracker bisnaguinha industrializa da (14) (20) (17) (17) (21) (14) (16) (5) (3) (6) (3) (2) (5) (9) Pão de forma (17) (10) Água e sal (16) (7) (4) (3) Dados dos Informes Técnicos 43/2010, 50/2012 e 54/ ANVISA * Dados provenientes do INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 30

31 Teores de sódio em produtos alimentícios, mg/100g Produto / * Farinha láctea (4) Pão de queijo (25) Pão de queijo congelado (20) (23) (9) Queijo minas frescal Queijo minas padrão (38) (10) (11) Muçarela (25) (15) Bebidas lacteas (8) (10) Dados dos Informes Técnicos 43/2010, 50/2012 e 54/ ANVISA * Dados provenientes do INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 31

32 Teores de sódio em produtos alimentícios, mg/100g Produto / Valor Pactuado Requeijão cremoso convencional Requeijão cremoso light Queijo parmesão Ralado (25) (15) (8) Ricota fresca (24) (5) Maionese (4) Dados dos Informes Técnicos 43/2010, 50/2012 e 54/ ANVISA Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 32

33 Teores de sódio em produtos alimentícios, mg/100g Produto /20 11 Formulas infantis Mistura para preparo de bolo cremoso Mistura preparo sopa Valor pactuado (12) (15) (6) Dados dos Informes Técnicos 43/2010, 50/2012 e 54/ ANVISA Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 33

34 Teores de sódio em produtos alimentícios, mg/100g Produto / Refrigerante de guaraná convencional Baixa caloria Refrigerantes de cola convencional Baixa caloria 3,0 14,6(19) 5,6 17,4(8) 2,9 13,8 (13) 11,0 13,8 10) 7-17 (6) (4) 3-19 (14) Nectar de frutas 0,54-3,03 (5) Preparado solido p refresco 8-15 (5) Dados dos Informes Técnicos 43/2010, 50/2012 e 54/ ANVISA Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 34

35 teor de sodio em mg/100g Resultados do monitoramento - teor máximo de sodio em alimentos industrializados ano2009 ano 2010 ano 2011 ano 2012 ano batata palha salgadinho batata frita b.plvilho cream cracker agua e sal pao de forma mortadela produto Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 35

36 Resultados do monitoramento - Grande variabilidade dos teores de sodio entre produtos de mesma categoria de alimentos - Produtos lácteos - queijos - aprox.14x Ricota fresca - 10,5x Farinha láctea - 8,5 x - Refrigerantes light - 6,3x - Hamburguer bovino - 8,4 x - Biscoitos Cream cracker - 2,6 polvilho - 3,3x Recheado - 5x - Salgadinho de milho - 3,5 x Batata palha - 14 x Batata frita - 3,6 x Menos de 2x : massa de macarrão instantâneo, misturas bolo e sopa, Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 36

37 Avaliação do teor de sódio em biscoitos recheados Produto A B C D E F G H I J Fonte: Portugal, L. e Jacob, S.D.C., 2013 Meta 2012: 389 mg sodio/100g Meta 2014: 265 mg sodio/100g Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 37

38 teor de sodio, mg/100g Teor de sodio em biscoitos recheados ano 2011 ano 2013 ano de coleta A B C D E F G H I J Fonte: Portugal, L. e Jacob, S.D.C., 2013 Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 38

39 GUIA DAS BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PARA O PÃO FRANCÊS ANVISA /2011 Uma unidade de pão francês (50g) - aproximadamente, 320mg de sódio Apesar de possuir um teor de sal em torno de 2% em base de farinha de trigo, o pão francês é um dos alimentos que contribui para a ingestão de sódio pela população brasileira. Para o pão francês acordou-se que a adição de sal ao produto seja progressivamente reduzida de 2% para 1,8% até o final de 2014, o que representará uma redução de 10% na quantidade de sódio no produto. Meta 2012: 616 mg sódio/100 g Meta 2014: 586 mg sódio/100 g Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 39

40 Sodio em pão francês fonte: Magalhães,KL;Gonçalves,J.M. e Jacob, S.D.C., 2013 Estudo contemplando 8 padarias diferentes do municipio do RJ. Amostragem - 03 unidades pão de 50g / dia mesmo horário/ período de 05 dias total de 125 amostras por padaria (250 amostras) todas analisadas em duplicatas. Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 40

41 Padaria Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 desvio Teor de Na, mg/ 50g A 437,9 410,8 339,6 381,2 365,9 389,8 435,2 449,9 445,3 377,7 371,3 353,7 250,2 250,7 418,6 62,2 B 406,6 448,4 478,0 295,1 290,3 268,9 297,6 286,9 323,4 369,2 361,6 354,7 386,1 379,7 384,5 61,7 C 319,5 319,5 340,9 343,5 325,4 338,0 282,0 281,7 331,5 325,6 23,6 363,2 338,5 293,8 297,8 327,1 D 471,8 476,7 446,6 332,4 325,8 337,8 410,9 401,4 411,3 263,6 267,6 279,8 332,8 337,5 342,1 70,1 Cartilha: 320mg/50g E 259,7 223,8 254,9 F 356,9 354,5 368,2 346,6 321,2 311,8 353,7 342,2 355,3 386,8 375,1 383,6 258,0 249,6 261,4 314,7 330,7 333,5 329,7 287,8 291,6 294,2 283,2 286,8 311,4 332,7 318,3 48,0 39,7 Meta mg/50g G 302,9 299,3 320,5 343,9 343,2 354,0 346,9 335,3 337,2 250,9 259,4 272,9 284,3 306,0 278,4 34,1 Meta mg/50g H 317,5 321,3 342,8 354,4 353,9 333,2 327,5 334,8 336,7 395,6 404,1 372,9 319,2 314,0 310,7 28,9 fonte: Magalhães,KL;Gonçalves,J.M. e Jacob, S.D.C., 2013 Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 41

42 OBRIGADA! Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde 42

ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE

ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE I SEMINÁRIO ESTADUAL DA REDE-SANS DESAFIO E ESTRATÉGIAS PARA A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ADEQUADA E SOLIDÁRIA NO ESTADO DE SÃO PAULO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE São Paulo,

Leia mais

Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos

Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos Elisabete Gonçalves Dutra Gerência Geral de Alimentos ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS PROCESSADOS As informações de declaração obrigatória são: valor energético,

Leia mais

Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Você sabe o que está comendo? Por

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 69/2015 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 69/2015 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 69/2015 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2.011 o Ministério da Saúde (MS) assinou o segundo termo de compromisso com a Associação Brasileira

Leia mais

Informe Técnico n. 72, de 1 de agosto de 2016. Resultados do monitoramento do teor de sódio nos alimentos processados - Terceiro termo de compromisso.

Informe Técnico n. 72, de 1 de agosto de 2016. Resultados do monitoramento do teor de sódio nos alimentos processados - Terceiro termo de compromisso. Informe Técnico n. 72, de 1 de agosto de 2016 Assunto: Resultados do monitoramento do teor de sódio nos alimentos processados - Terceiro termo de compromisso. 1. Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o

Leia mais

Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido

Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido Ministério da Saúde amplia acordo firmado há dois anos e meio com a indústria alimentícia para diminuir o sal das comidas industrializadas

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15

PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15 PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15 Altera o Protocolo ICMS 15, de 24 de janeiro de 2013, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios.

Leia mais

10 dicas. Desvendar Rótulos. A ordem dos ingredientes altera o produto

10 dicas. Desvendar Rótulos. A ordem dos ingredientes altera o produto 10 dicas Desvendar Rótulos 1 A ordem dos ingredientes altera o produto Os ingredientes são apresentados em ordem decrescente de quantidade. Isso significa que o primeiro ingrediente é o de maior quantidade,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Monitoramento do Plano de Redução do Sódio Macarrão instantâneo, pão de forma

Leia mais

Ministério da Saúde, Junho de 2016

Ministério da Saúde, Junho de 2016 PROMOÇÃO DA SAÚDE Redução Clique para de adicionar sódio nos alimentos um processados título Clique para adicionar um subtítulo Ministério da Saúde, Junho de 2016 Consumo Clique para de sódio adicionar

Leia mais

f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50;

f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50; ARTIGO 313-W PRODUTOS DA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA EXCLUIDOS X - do 1º do artigo 313-W: a) a alínea f do item 1; f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50; b) a alínea i do item 1; i) balas,

Leia mais

Obesidade: panorama brasileiro

Obesidade: panorama brasileiro Mesa Redonda Publicidade de alimentos dirigida ao público infantil IDEC e Instituto Alana São Paulo, 10 de março de 2009 Obesidade: panorama brasileiro Carlos A. Monteiro carlosam@usp.br Departamento de

Leia mais

LANCHE DA MANHÃ: DICAS E SUGESTÕES PARA ACERTAR NESSA IMPORTANTE REFEIÇÃO. Dora Behar Ana Fornari Nutricionistas

LANCHE DA MANHÃ: DICAS E SUGESTÕES PARA ACERTAR NESSA IMPORTANTE REFEIÇÃO. Dora Behar Ana Fornari Nutricionistas LANCHE DA MANHÃ: DICAS E SUGESTÕES PARA ACERTAR NESSA IMPORTANTE REFEIÇÃO Dora Behar Ana Fornari Nutricionistas A IMPORTÂNCIA DO LANCHE DA MANHÃ Suprir necessidades nutricionais da criança; Garantir qualidade

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL. Produtos Alimentícios. Vigência a partir de ANEXO ÚNICO

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL. Produtos Alimentícios. Vigência a partir de ANEXO ÚNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL Produtos Alimentícios Vigência a partir de 01-11-2015 ANEXO ÚNICO I - CHOCOLATES 1 1704.90.10 2 3 1806.31.10 1806.31.20 1806.32.10 1806.32.20 4 1806.90

Leia mais

PRODUTO LIGHT E DIET: Como reconhecer a diferença?

PRODUTO LIGHT E DIET: Como reconhecer a diferença? PRODUTO LIGHT E DIET: Como reconhecer a diferença? Centro de Ciências da Saúde - UFRJ Rio de Janeiro, 8 de abril de 2002 LEGISLAÇÕES DE 1968-1988 Decreto - Lei 986/69 - Normas Básicas de Alimentos Alimento

Leia mais

I - CHOCOLATES MVA AJUSTADO % - 12% MVA Original % ITEM DESCRIÇÃO ,29 50,56 52,41 64,24 66,27 1.2

I - CHOCOLATES MVA AJUSTADO % - 12% MVA Original % ITEM DESCRIÇÃO ,29 50,56 52,41 64,24 66,27 1.2 ANEXO AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO - ALTERAÇÃO Abrangência: operações interestaduais realizadas entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Produto:

Leia mais

O que você precisa saber sobre óleos e gorduras ÓLEOS E GORDURAS

O que você precisa saber sobre óleos e gorduras ÓLEOS E GORDURAS ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras comestíveis são fundamentais na alimentação humana, pois, fornecem calorias (9 Kcal/g), auxiliam no transporte de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) para o interior

Leia mais

Guia de emagrecimento saudável

Guia de emagrecimento saudável Guia de emagrecimento saudável Hipertensão, diabetes, artrose, problemas renais, problemas oculares, micoses, apneia do sono, doenças vasculares, doenças de má circulação sanguínea das pernas, doenças

Leia mais

Qualidade Sanitária dos Alimentos em Goiás LACEN/GO. MARLÚCIA CATÚLIO Coordenadora de Produtos e Ambiente/ Lacen-Go 25/08/2016

Qualidade Sanitária dos Alimentos em Goiás LACEN/GO. MARLÚCIA CATÚLIO Coordenadora de Produtos e Ambiente/ Lacen-Go 25/08/2016 Qualidade Sanitária dos Alimentos em Goiás LACEN/GO MARLÚCIA CATÚLIO Coordenadora de Produtos e Ambiente/ Lacen-Go 25/08/2016 LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA DR. GIOVANNI CYSNEIROS MISSÃO: Participar

Leia mais

Compromisso da Kraft Foods Brasil

Compromisso da Kraft Foods Brasil Compromisso da Kraft Foods Brasil Compromisso da empresa A Kraft Foods adota, mundialmente, regras para dirigir a publicidade de seus produtos a crianças de forma responsável. De acordo com tais regras,

Leia mais

redução do consumo de sódio

redução do consumo de sódio Ações governamentais para redução do consumo de sódio Ana Beatriz Vasconcellos COORDENAÇÃO - GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE Números das DCNT Total lde óbitos (2007) Hipertensão:

Leia mais

Troque o sal pelos temperos e ervas naturais e ganhe saúde

Troque o sal pelos temperos e ervas naturais e ganhe saúde Usado para reforçar e potencializar o sabor dos alimentos, o sal de cozinha pode e deve ser parcialmente substituído por ervas e temperos que também realçam o sabor e evitam os males causados pelo excesso

Leia mais

1º Seminário Nacional de Orientação ao Setor Regulado na Área de Alimentos

1º Seminário Nacional de Orientação ao Setor Regulado na Área de Alimentos 1º Seminário Nacional de Orientação ao Setor Regulado na Área de Alimentos 05/12/07 Gerência-Geral de Alimentos AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA A é uma autarquia sob regime especial,

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009

PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Altera o Protocolo ICMS 28/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios Os Estados de Minas Gerais e de São Paulo,

Leia mais

Lei nº 5.146, de 19 de agosto de 2013 Decreto nº 36.900, de 23 de novembro de 2015

Lei nº 5.146, de 19 de agosto de 2013 Decreto nº 36.900, de 23 de novembro de 2015 Lei nº 5.146, de 19 de agosto de 2013 Decreto nº 36.900, de 23 de novembro de 2015 Estabelece diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas da rede de ensino do Distrito Federal. O GOVERNADOR

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional

Vigilância Alimentar e Nutricional Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional Conceito de Segurança Alimentar

Leia mais

ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST.

ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. Abrangência: operações interestaduais originadas do Estado de São Paulo e destinadas ao Estado de Santa Catarina. Produto: alimentícios.

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 02, DE 20 DE JANEIRO DE 2010

PROTOCOLO ICMS 02, DE 20 DE JANEIRO DE 2010 PROTOCOLO ICMS 02, DE 20 DE JANEIRO DE 2010 Altera o Protocolo ICMS 188/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios. Os Estados de Minas Gerais e de Santa Catarina,

Leia mais

% MVA - INTERNA ALIQ. INTERNA

% MVA - INTERNA ALIQ. INTERNA ANEXO AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E AMAPÁ. Abrangência: operações interestaduais originadas do estado de São Paulo e destinadas ao estado do Amapá. Produto: alimentícios.

Leia mais

MVA-ST COM DESTINO A SP E RJ (%)

MVA-ST COM DESTINO A SP E RJ (%) Abrangência: operações interestaduais, entre contribuintes dos estados de S.Paulo e Rio de Janeiro. Produto: alimentícios. Conteúdo: exclusão de itens do campo de incidência de ST. Vigência: 30-07-2013.

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO PNAE

AGRICULTURA FAMILIAR NO PNAE AGRICULTURA FAMILIAR NO PNAE Atendimento universal 26 estados e o distrito federal 5.571 municípios 170.000 escolas ABRANGÊNCIA 47 milhões de alunos 130 milhões de refeições servidas diariamente R$ 3,5

Leia mais

ANÁLISE DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS ENTRE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ATENDIDOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

ANÁLISE DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS ENTRE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ATENDIDOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB ANÁLISE DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS ENTRE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ATENDIDOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Yohanna de Oliveira; Keylha Querino de Farias Lima; Erika

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DOS PRINCIPAIS GRUPOS BÁSICOS DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS PARA CELÍACOS NOS PRINCIPAIS SUPERMERCADOS DE VIÇOSA, MG

AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DOS PRINCIPAIS GRUPOS BÁSICOS DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS PARA CELÍACOS NOS PRINCIPAIS SUPERMERCADOS DE VIÇOSA, MG AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DOS PRINCIPAIS GRUPOS BÁSICOS DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS PARA CELÍACOS NOS PRINCIPAIS SUPERMERCADOS DE VIÇOSA, MG Maria José Santana de Castro Paiva 1, Naiara Júlia da Silva

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1kg 1704.90.10 40,88% NÃO 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo

Leia mais

Promoção da Alimentação Saudável

Promoção da Alimentação Saudável Promoção da Alimentação Saudável A Evolução da Segurança Alimentar e da Nutrição no Brasil nos anos recentes Redução da pobreza e das desigualdades sociais Redução da insegurança alimentar e da fome Redução

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição Ciclo de Palestras - 2013.

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição Ciclo de Palestras - 2013. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição Ciclo de Palestras - 2013 Gordura Trans Roberta Melquiades Silva de Andrade A gordura trans é o nome dado

Leia mais

CARDÁPIO H1 QUILOMBOLA

CARDÁPIO H1 QUILOMBOLA QUILOMBOLA GOVERNO ESTADO DO MARANHÃO FLÁVIO DINO DE CASTRO E COSTA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FELIPE COSTA CAMARÃO SECRETARIA ADJUNTA DE SUPORTE AO SISTEMA EDUCACIONAL ANDERSON FLÁVIO LINDOSO SANTANA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 (De autoria do Senador Pedro Simon)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 (De autoria do Senador Pedro Simon) PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 (De autoria do Senador Pedro Simon) Dispõe sobre a mineralização dos solos e a segurança alimentar e nutricional. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º A segurança

Leia mais

% MVA - ALIQ. INTERNA INTERNA 40 17% 37 17% 39 17% 44 17% 25 17% 24 17% 54 17% 63 17% 47 17% 60 17%

% MVA - ALIQ. INTERNA INTERNA 40 17% 37 17% 39 17% 44 17% 25 17% 24 17% 54 17% 63 17% 47 17% 60 17% Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados no Amapá. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

Setor Cod Descrição Cod Sub Descrição Codigo Descrição. 1 Empacotados. Perfumaria. Cosméticos

Setor Cod Descrição Cod Sub Descrição Codigo Descrição. 1 Empacotados. Perfumaria. Cosméticos Departamento Sub departamento Setor Cod Descrição Cod Sub Descrição Codigo Descrição Empacotados Grãos 2 Sal/Açucar 3 Farinhas Absorvente 2 3 Perfumaria Cosméticos 2 Higiene Corporal 3 Higiene Infantil

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 07/07/2008 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA IMPORTÂNCIA DOS NUTRIENTES RECUSA DE UM ALIMENTO INFLUÊNCIA DOS COLEGAS

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 07/07/2008 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA IMPORTÂNCIA DOS NUTRIENTES RECUSA DE UM ALIMENTO INFLUÊNCIA DOS COLEGAS ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PREPARO DO LANCHE ESCOLAR ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É fundamental para o desenvolvimento da criança pois ela está em fase de crescimento e necessita de cuidados especiais. Carboidratos

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Contexto das Políticas de Saúde

Educação Alimentar e Nutricional no Contexto das Políticas de Saúde II Fórum de Educação Alimentar e Nutricional Educação Alimentar e Nutricional no Contexto das Políticas de Saúde Ana Beatriz Vasconcellos www.saude.gov.br/nutricao Política de Promoção da Saúde Portaria

Leia mais

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17

ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL. Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha. São Paulo junho/17 ETHANOL SUMMIT 2017 PAINEL Açúcar: O Consumo Equilibrado Como Melhor Escolha São Paulo junho/17 Estudo VIGITEL 2016* do Ministério da Saúde aponta: brasileiros trocam alimentos naturais por industrializados

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Ministério da Educação Participantes do PNAE FNDE Assistência financeira, normatização, coordenação, acompanhamento, monitoramento e fiscalização. Entidade executora. SEDUC estadual

Leia mais

Pão com. margarina. Chá

Pão com. margarina. Chá ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 2016 RAQUEL DE QUEIRÓZ/PADRE JOSIMO/JOÃO RODRIGUES JUNHO/JULHO/AGOSTO/SETEMBRO 1 SEMANA Minestra com Batata doce Pão com Quirerinha Café com leite legumes caramelizada margarina com

Leia mais

47 67 80 com açúcar. 55 79 80 sem açúcar. Bolo de chocolate 38 54 111. Bolo triturado 54 77 53. 42 60 111 feito com baunilha congelada

47 67 80 com açúcar. 55 79 80 sem açúcar. Bolo de chocolate 38 54 111. Bolo triturado 54 77 53. 42 60 111 feito com baunilha congelada Tabela 8.2 Índice glicêmico de bolos e muffins segundo Foster-Powell 7 Alimentos Índice glicêmico em Índice glicêmico Tamanho relação à glicose = em relação ao pão = da porção 100 100 (g/ml) Bolos Bolo

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) assinaram termo de

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 50/2012 TEOR DE SÓDIO DOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 50/2012 TEOR DE SÓDIO DOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 5/212 TEOR DE SÓDIO DOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1. Introdução A Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 28-29), avaliou o consumo

Leia mais

Questionário de Frequência Alimentar

Questionário de Frequência Alimentar 1 Instruções de Preenchimento QFA 2013 QUANTAS VEZES VOCÊ COME? Unidade D= dia S= semana M= mês A= ano 1. O(a) Sr(a) costuma consumir leite? (SE SIM) 1.2 Este consumo é por dia, semana, mês ou ano? 1.3.

Leia mais

econômica e socialmente sustentáveis. (Artigo 3º da Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional, de 15 de setembro de 2006)

econômica e socialmente sustentáveis. (Artigo 3º da Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional, de 15 de setembro de 2006) Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Audiência Pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal

Leia mais

Proibição da gordura hidrogenada representa avanço no Brasil

Proibição da gordura hidrogenada representa avanço no Brasil VOCÊ ESTÁ EM: HOME / NOTÍCIAS / ARTIGOS Proibição da gordura hidrogenada representa avanço no Brasil Por Dr.Marchesini Publicado dia 18/07/2014 às 04h48 A recente recomendação do Conselho Nacional de Segurança

Leia mais

SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE

SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE Índice Introdução 3 O que é o Semáforo Nutricional? 4 Porquê o Semáforo? 5 Porquê gorduras, gorduras saturadas, açúcar e sal? 5 O que significam as cores? 8 O que é uma

Leia mais

Avaliação do monitoramento do teor de sódio em alimentos: uma análise comparativa com as metas de redução voluntárias no Brasil

Avaliação do monitoramento do teor de sódio em alimentos: uma análise comparativa com as metas de redução voluntárias no Brasil Artigo DOI: 10.3395/2317-269x.00323 Avaliação do monitoramento do teor de sódio em alimentos: uma análise comparativa com as metas de redução voluntárias no Brasil Evaluation of food sodium level monitoring:

Leia mais

Perfil qualitativo dos lanches escolares consumidos em instituição de ensino particular do Distrito Federal Brasil

Perfil qualitativo dos lanches escolares consumidos em instituição de ensino particular do Distrito Federal Brasil Universitas: Ciências da Saúde, v. 4, n. 1 / 2, p. 49-62, 2006 ISSN: 1678-5398 Perfil qualitativo dos lanches escolares consumidos em instituição de ensino particular do Distrito Federal Brasil Jussara

Leia mais

NOTA TÉCNICA: REGIME DE ESTIMATIVA TRIBUTÁRIO DE FORNECIMENTO DE ALIMENTAÇÃO

NOTA TÉCNICA: REGIME DE ESTIMATIVA TRIBUTÁRIO DE FORNECIMENTO DE ALIMENTAÇÃO CHOCOLATES, BALAS E GULOSEIMAS SEMELHANTES 1704.90.10 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1806.31.10 1806.31.20 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior

Leia mais

PARTE L - CONTRATOS PÚBLICOS

PARTE L - CONTRATOS PÚBLICOS Sexta-Feira, 25 de Outubro de 2013 Número 207 PARTE L - CONTRATOS PÚBLICOS SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Anúncio de procedimento n.º 5274/2013 MODELO DE ANÚNCIO DO CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Introdução Para ter uma qualidade de vida favorável, com boa saúde e manter-se ativo, além dos cuidados diários com medicações, acompanhamento

Leia mais

TABELA COM O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS BÁSICOS OFERECIDOS PELO I.D.P.C. PARA ESCOLA MÓVEL

TABELA COM O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS BÁSICOS OFERECIDOS PELO I.D.P.C. PARA ESCOLA MÓVEL TABELA COM O DOS CURSOS BÁSICOS OFERECIDOS PELO I.D.P.C. PARA ESCOLA MÓVEL 1. Alta Confeitaria Macaron... Página 02 2. Confeitaria seca Bolos secos... Página 02 3. Confeitaria Fina Porções Individuais...

Leia mais

PORTARIA/SEMED Nº. 020/2012

PORTARIA/SEMED Nº. 020/2012 PORTARIA/SEMED Nº. 020/2012 ESTABELECE NORMAS PARA O FUNCIONAMENTO DAS CANTINAS ESCOLARES DOS ESTABELECIMENTOS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO. A, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Relatório Ano: 2014 Resultado do monitoramento do teor de iodo no sal para consumo humano

Relatório Ano: 2014 Resultado do monitoramento do teor de iodo no sal para consumo humano Relatório Ano: 2014 Resultado do monitoramento do teor de iodo no sal para consumo humano www.anvisa.gov.br Brasília, Dezembro de 2014. Copyright 2014. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. É permitida

Leia mais

As principais fontes de sódio na alimentação: análise do panorama nacional

As principais fontes de sódio na alimentação: análise do panorama nacional As principais fontes de sódio na alimentação: análise do panorama nacional Tânia Gonçalves Albuquerque Ana Sanches-Silva, Helena Soares Costa Departamento de Alimentação e Nutrição Dia Mundial da Saúde

Leia mais

PENSE Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

PENSE Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 PENSE Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 ABRANGÊNCIA Constitui importante instrumento para subsidiar com informações os gestores, dando sustentabilidade ao Sistema Nacional de Monitoramento da

Leia mais

Edital de Licitação. Relação de Itens da Licitação

Edital de Licitação. Relação de Itens da Licitação 0000 001 20,00 UN ACHOCOLATADO EM PÓ - EMB. PLASTICA DE 800GR RICO EM VITAMINAS E FONTE DE CALCIO E FERRO 0000 002 10,00 UN AÇÚCAR TIPO CRISTAL- EMBALAGENS DE 5 KG 0000 003 20,00 UN BOMBONA AGUA 20 LITROS

Leia mais

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson Redução do Consumo de Açúcar no Brasil Perspectivas de Governo Eduardo Nilson Coordenador Substituto de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Brasília, 04 de junho de 2013 Cenário Alimentar e Nutricional do

Leia mais

REGRAS BÁSICAS: OBESIDADE, UM PROBLEMA A RESOLVER GUIA PRÁTICO

REGRAS BÁSICAS: OBESIDADE, UM PROBLEMA A RESOLVER GUIA PRÁTICO GUIA PRÁTICO DO CONSUMIDOR JANEIRO 2 GUIA PRÁTICO OBESIDADE, UM PROBLEMA A RESOLVER O estilo de vida levou a que as refeições tradicionais fossem substituídas por snacks (refeições ligeiras e apressadas

Leia mais

TABELA NUTRICIONAL BOLO DE CHOCOLATE TRADICIONAL SUPERCONGELADO

TABELA NUTRICIONAL BOLO DE CHOCOLATE TRADICIONAL SUPERCONGELADO TABELA NUTRICIONAL BOLO DE CHOCOLATE TRADICIONAL SUPERCONGELADO Ingredientes: Água, açúcar cristal, chocolate (53% cacau), manteiga, açúcar confeiteiro, gema de ovo pasteurizada, cacau em pó, clara de

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO OUTUBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO... 1 1. Núcleo de Informações

Leia mais

Conheça os principais grupos de alimentos e suas quantidades diárias

Conheça os principais grupos de alimentos e suas quantidades diárias Para garantir que todos os nutrientes essenciais ao organismo estejam presentes na nossa dieta, precisamos saber quais são os alimentos e as porções adequadas para colocarmos no nosso prato, seja ele das

Leia mais

SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE

SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE Índice Introdução 3 O que é o Semáforo Nutricional? 4 Porquê o Semáforo? 5 Porquê gorduras, gorduras saturadas, açúcar e sal? 5 O que significam as cores? 8 O que é uma

Leia mais

GERÊNCIA DE SERVIÇOS DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR/CLIENTES NACIONAIS

GERÊNCIA DE SERVIÇOS DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR/CLIENTES NACIONAIS São Paulo, 29 de Dezembro de 2003. Em atenção ao seu contato, relacionamos abaixo os produtos industrializados da marca Sadia que apresentam em sua formulação farinha de trigo ou seus derivados com elementos

Leia mais

PORTARIA Nº 2.387, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012

PORTARIA Nº 2.387, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012 PORTARIA Nº 2.387, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012 Legislações - GM Sex, 19 de Outubro de 2012 00:00 PORTARIA Nº 2.387, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012 Institui a Agenda para Intensificação da Atenção Nutricional à

Leia mais

Programa Saúde na Escola- PSE

Programa Saúde na Escola- PSE - Promoção da Alimentação Saudável- Ações para Promoção de Saúde na Escola e Desafios para sua implementação. Programa Saúde na Escola- PSE Equipe: Keila Fortes- Nutricionista FMS Maria do Rosário de Fátima

Leia mais

guia nutricional PaStÉiS E adicionais, PorÇÕES, SalaDaS, PanQuEcaS E SucoS.

guia nutricional PaStÉiS E adicionais, PorÇÕES, SalaDaS, PanQuEcaS E SucoS. guia nutricional PASTÉIS E ADICIONAIS, PORÇÕES, SALADAS, PANQUECAS E SUCOS. gourmet BACALHAU Porção de 95g (1unidade) BACALHAU Porção de 245g (1unidade) Valor Energético 466Kcal-1957Kj 23% Carboidratos

Leia mais

CATÁLOGO DE ACHOCOLATADOS, CONS. ORIGEM VEGETAL, DOCES, LATICÍNEOS, PÃES E BISCOITOS

CATÁLOGO DE ACHOCOLATADOS, CONS. ORIGEM VEGETAL, DOCES, LATICÍNEOS, PÃES E BISCOITOS CATÁLOGO DE ACHOCOLATADOS, CONS. ORIGEM VEGETAL, DOCES, LATICÍNEOS, PÃES E BISCOITOS Descrição Achocolatado em pó Achocolatado em pó, instantâneo, obtido pela mistura do cacau em pó, açúcar, maltodextrina

Leia mais

Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano - VIGIAGUA

Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano - VIGIAGUA Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PARA AS ATIVIDADES DO PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO COMER,

EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PARA AS ATIVIDADES DO PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO COMER, EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PARA AS ATIVIDADES DO PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO COMER, COMER PARA PODER CRESCER DA FACULDADE CIÊNCIAS DA VIDA 02/2016 A Faculdade Ciências da Vida

Leia mais

0,02 Mistura para o preparo de bolos, tortas, doces e massas de confeitaria com fermento químico, com ou sem recheio, com ou sem cobertura

0,02 Mistura para o preparo de bolos, tortas, doces e massas de confeitaria com fermento químico, com ou sem recheio, com ou sem cobertura INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante (g/100g IDA: 0-3 mg/ kg peso corpóreo (JECFA, 2006) ou g/100ml) Amargos e aperitivos Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites aromatizados

Leia mais

Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno

Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM Profa Dra Milena Baptista Bueno Dietoterapia Dietoterapia: tratamento de indivíduos portadores

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

CARDÁPIO ENSINO FUNDAMENTAL Período Integral INTOLERANTES A LACTOSE

CARDÁPIO ENSINO FUNDAMENTAL Período Integral INTOLERANTES A LACTOSE DATA 05/set 06/set 07/set 08/set 09/set SEMANA 01 SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA Leite Suco de frutas Suco de frutas Achocolatado CAFÉ DA MANHÃ Misto quente Pão com mortadela de frango Bolacha Salgada

Leia mais

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014 Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados Setembro de 2014 Doenças crônicas não-transmissíveis são responsáveis por 72% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias

Leia mais

Provedor(a) Administrador(a)

Provedor(a) Administrador(a) Circular 446/2012 São Paulo, 19 de Outubro de 2012. Provedor(a) Administrador(a) INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL (DOU Nº 203, de 19/10/2012.) Prezados Senhores, PORTARIA GM

Leia mais

Financiamento das Ações de Alimentação e Nutrição

Financiamento das Ações de Alimentação e Nutrição XIII Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Financiamento das Ações de Alimentação e Nutrição Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Brasília, Agosto de 2015 Financiamento das

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADOLESCENTES

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADOLESCENTES Setor: U 01 N o. do quest Nome do entrevistado: QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADOLESCENTES.. PARA TODAS AS PESSOAS COM 10 A 19 ANOS. (SE FOR ADULTO COM 20 ANOS E MAIS VOLTE PARA O BLOCO T) BLOCO

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Pauta 01. Sugestão de Cardápio

SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Pauta 01. Sugestão de Cardápio Pauta 01 1 Arroz, feijão carioca, empanado de peixe e salada² 4 2 Arroz, feijão carioca, carne bovina em tiras¹ ao molho e farofa 6 Arroz, feijão carioca, carne suína¹ e suco de laranja¹ 6 4 Arroz, feijão

Leia mais

Monitoramento do I Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Monitoramento do I Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Monitoramento do I Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Metodologia em Construção V Reunião Plenária do CONSEA 15 de agosto de 2012 NORMATIZAÇÃO DO MONITORAMENTO NO ÂMBITO DA PNSAN Decreto

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Carolina Chagas Nutricionista CECANE UnB

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Carolina Chagas Nutricionista CECANE UnB ENTENDENDO O CARDÁPIO Carolina Chagas Nutricionista CECANE UnB Considerações Preliminares Trajetória da formação graduação em nutrição; Contexto profissional; Inquietações da vivência profissional; Objeto

Leia mais

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012 Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil São Paulo, novembro de 2012 Plano de enfrentamento DCNT 2012-2022 Eixo I Eixo II Eixo III Vigilância, monitoramento e avaliação

Leia mais

NERVITON PLUS É MAIS ENERGIA!!!

NERVITON PLUS É MAIS ENERGIA!!! M.S 6.6969.0027.001-8 FÓRMULA ESPECIAL : GUARANÁ + 21 VITAMINAS E MINERAIS UMA CÁPSULA AO DIA 1200 MG. ALTO PODER DE CONCENTRAÇÃO NÃO ENGORDA! NERVITON PLUS É MAIS ENERGIA!!! É um polivitamínico completo

Leia mais

2. Como atua o SAL no nosso organismo. 3. De onde vem o SAL da nossa alimentação. 4. Como diminuir o SAL na alimentação

2. Como atua o SAL no nosso organismo. 3. De onde vem o SAL da nossa alimentação. 4. Como diminuir o SAL na alimentação 1. O que é o SAL? 2. Como atua o SAL no nosso organismo 3. De onde vem o SAL da nossa alimentação 4. Como diminuir o SAL na alimentação 1. O que é o SAL? O SAL existe sob diversas formas no globo terrestre.

Leia mais

Pirenópolis Goiás Brasil

Pirenópolis Goiás Brasil AVALIAÇÃO DA QUANTIDADE DE SÓDIO EM ALIMENTOS DIET E LIGHT EM COMPARAÇÃO COM PRODUTOS CONVENCIONAIS Flávia Risse de Mattos Barretto 1, Iana Cândido Cunha 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE SAL EM SALGADINHOS DE MILHO E POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE SAL EM SALGADINHOS DE MILHO E POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL 47 DETERMINAÇÃO DO TEOR DE SAL EM SALGADINHOS DE MILHO E POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL DETERMINATION OF SALT IN CORN CHIPS AND CONSEQUENCES DUE THE YOUR HIGH CONSUMPTION IN CHILDREN 1

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL EM PEDIATRIA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL EM PEDIATRIA Roberta Ferlini Elza Daniel de Mello Introdução Uma alimentação saudável é de fundamental importância para a saúde da criança, principalmente nos primeiros anos de vida. A dieta alimentar deve garantir

Leia mais

PERSPECTIVAS DO GOVERNO

PERSPECTIVAS DO GOVERNO I Seminário Nacional sobre a Redução do Consumo de Açúcar - PERSPECTIVAS DO GOVERNO Antonia Maria de Aquino Gerência Geral de Alimentos Brasília, 04 de junho de 2013 O perfil de saúde da população brasileira

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/ CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/ TABELA DE PREÇOS DE MERCADO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO QUE SERVIRÁ COMO REFERÊNCIA PARA AS

Leia mais

Consumo de açúcar e padrões alimentares no Brasil

Consumo de açúcar e padrões alimentares no Brasil Consumo de açúcar e padrões alimentares no Brasil Rosangela A Pereira Instituto de Nutrição Josué de Castro Universidade Federal do Rio de Janeiro roapereira@gmail.com Apoio: Diana B Cunha (IMS UERJ) Aú

Leia mais

Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN

Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN Simpósio de Segurança Alimentar Bento Gonçalves RS, 22 de agosto de 2008 Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN Ana Beatriz Vasconcellos Coordenadora da Política de Alimentação

Leia mais

Nídia Denise Pucci Fabio C. Vicentini

Nídia Denise Pucci Fabio C. Vicentini Vários fatores de risco contribuem para a formação de cálculos renais, que incluem a história familiar, sendo 2,5 vezes maior em indivíduos com antecedentes de casos na família; a idade; a raça; elevação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DRACENA SP ANEXO VII

PREFEITURA MUNICIPAL DE DRACENA SP ANEXO VII PREFEITURA MICIPAL DE DRACENA SP Item Especificações Unid. Quantidade 1 ABACAXI ABACAXI 2 ABÓBORA PAULISTA ABÓBORA PAULISTA 3 ACHOCOLATADO EM PÓ DE 400 GR. ACHOCOLATADO EM PÓ DE 400 GR 4 ALFACE CRESPA

Leia mais