ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE"

Transcrição

1 I SEMINÁRIO ESTADUAL DA REDE-SANS DESAFIO E ESTRATÉGIAS PARA A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ADEQUADA E SOLIDÁRIA NO ESTADO DE SÃO PAULO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE São Paulo, 09 de Agosto de 2012

2 Principal interlocutora da Indústria da Alimentação no diálogo com o Poder Público, organismos internacionais e a sociedade, a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA) foi fundada em 1963 e representa cerca de 70% do setor em valor de produção. Dentre suas preocupações estão: Assegurar uma legislação adequada às constantes evoluções tecnológicas do alimento processado; Incentivar o uso de melhores técnicas de produção; Promover o fortalecimento econômico-financeiro do setor; e Estimular o desenvolvimento da indústria da alimentação no Brasil, com foco no interesse do consumidor e na defesa do meio ambiente. SOBRE A ABIA

3

4 LINHA DO TEMPO Acordo de Cooperação Técnica assinado entre a ABIA e o Ministério da Saúde: Prorrogado por mais 3 anos em 25/11/10 Articular a forma de colaboração entre as partes para a execução eficaz de um Plano Nacional de Vida Saudável, abrangendo aspectos de alimentação saudável, atividade física e educação nutricional. Portaria MS nº 3.092/07 Institui Grupo Técnico formado pelo Ministério da Saúde, ANVISA e ABIA; Objetivo do Fórum da Alimentação Saudável: Trabalho conjunto entre indústria e governo para implementar ações que visem a promoção de hábitos de vida saudáveis da população, buscando melhorias em nutrientes como: gorduras trans, gorduras saturadas, sódio e açúcar. 29/11/

5 LINHA DO TEMPO Ação ABIA: Workshop Gorduras Trans Ação ABIA: Workshop Açúcar e Sódio 06/08/07 10 e 11/12/

6 LINHA DO TEMPO Ação ABIA: Reunião Internacional Ácidos Graxos Trans (OPAS) 1 Fórum Alimentação Saudável : Construção conjunta de uma agenda de trabalho 2 Fórum Alimentação Saudável: Apresentação do primeiro estudo realizado sobre as reduções de gordura trans, gordura saturada, sódio e açúcar efetuadas nos últimos 5 anos e as próximas perspectivas de redução. Foco atuação: Gorduras Trans Prazo de 2 anos (2010) para redução considerando o previsto no documento da OPAS (presença de gordura trans não maior que 5% do total de gorduras em alimentos processados e não maior que 2% do total de gorduras em óleos e margarinas) 08/06/08 22/07/08 18/12/

7 LINHA DO TEMPO 3 Fórum Alimentação Saudável: (1) Avaliação do atendimento do compromisso referente às gorduras trans, (1) Compromisso da indústria da alimentação para a redução voluntária, gradual e sustentável de sódio nos alimentos processados (3) Apresentação Propostas de Metas Preliminares CGAN/MS: Metas escalonadas para 12 categorias prioritárias (Pães, Caldos e Temperos, Laticínios, Biscoitos, Margarina Vegetal, Embutidos, Massas Semi-Prontas, Bolos, Maionese, Snacks, Derivados de Cereais, Refeições Prontas) 25/11/

8 RESULTADOS GORDURAS TRANS 94,6% das empresas associadas, em média, alcançaram a meta¹ estabelecida, o que resultou em estimadas 230 mil toneladas a menos de gorduras trans nas prateleiras(*) (*) 2009, com referência em 2008 ¹ Meta OPAS: Os AGT de produção industrial deveriam ser substituídos nos alimentos processados e sugerimos que sua presença não deve ser maior do que 2% do total de gorduras em óleos e margarinas; e não maior do que 5% do total de gorduras em alimentos processados. O caminho para chegar a esta situação deve ser definido de acordo com a situação da indústria de alimentos em diálogo com as autoridades de saúde pública nacionais.

9 LINHA DO TEMPO Termo de Compromisso nº004/2011: Assinatura do acordo para redução gradual do sódio em 2 categorias de alimentos (macarrão instantâneo e pães industrializados (bisnaguinha e pão de forma)) 07/04/

10 LINHA DO TEMPO Termo de Compromisso nº34 e 35/2011: Firmados durante solenidade realizada em São Paulo com a presença do Ministro da Saúde e Entidades envolvidas, o qual teve a finalidade de estabelecer (1) o monitoramento da redução do teor de sódio em alimentos processados no Brasil e (2) as metas nacionais de redução do teor de sódio para as seguintes categorias de produtos: Pão Francês, Bolos, Snacks, Maionese e Biscoitos. 13/12/

11 Macarrão Instantâneo Meta 2012: 1920,7 mg sódio/100 g Pães de Forma Industrializados Meta 2012: 645 mg sódio/100 g Meta 2014: 522 mg sódio/100 g Bisnaguinhas Industrializadas Meta 2012: 531 mg sódio/100 g Meta 2014: 430 mg sódio/100 g

12 Pão Francês Meta 2012: 616 mg sódio/100 g Meta 2014: 586 mg sódio/100 g Bolos Prontos sem Recheio Meta 2012: 392 mg sódio/100 g Meta 2014: 332 mg sódio/100 g Bolos Prontos Recheados Meta 2012: 282 mg sódio/100 g Meta 2014: 242 mg sódio/100 g

13 Rocambole Meta 2012: 221 mg sódio/100 g Meta 2014: 204 mg sódio/100 g Misturas para Bolo Aerado Meta 2012: 476 mg sódio/100 g Meta 2014: 398 mg sódio/100 g Meta 2016: 334 mg sódio/100 g Misturas para Bolo Cremoso Meta 2012: 349 mg sódio/100 g Meta 2014: 295 mg sódio/100 g Meta 2016: 250 mg sódio/100 g

14 Salgadinhos de Milho Meta 2012: 1090 mg sódio/100 g Meta 2014: 852 mg sódio/100 g Meta 2016: 747 mg sódio/100 g Batatas Fritas e Batatas Palhas Industrializadas Meta 2012: 650 mg sódio/100 g Meta 2014: 586 mg sódio/100 g Meta 2016: 529 mg sódio/100 g Maionese Meta 2012: 1283 mg sódio/100 g Meta 2014: 1051 mg sódio/100 g

15 Biscoito Doce (maisena e maria) Meta 2012: 419 mg sódio/100 g Meta 2014: 359 mg sódio/100 g Biscoito Salgado (cream cracker, água e sal e água) Meta 2012: 923 mg sódio/100 g Meta 2014: 699 mg sódio/100 g Biscoito Doce Recheado Meta 2012: 389 mg sódio/100 g Meta 2014: 265 mg sódio/100 g

16 RESULTADOS PRELIMINARES SÓDIO Menos 11 mil toneladas de sódio nas prateleiras até 2016 (*) (*) considerando os Termos de Compromisso nº 004/2011 e 35/2011

17 As propostas de metas para as categorias prioritárias abaixo foram apresentadas e aprovadas pelo Ministério da Saúde. Aguardamos a assinatura de novo Termo de Compromisso: Derivados de Cereais (Cereal Matinal) Margarina Vegetal (Margarina/Creme Vegetal) Caldos e Temperos

18 Demais categorias prioritárias, estão em estudo para definição de metas: Laticínios (Bebidas Lácteas, Queijo Petit suisse, Queijo Mussarela e Requeijão) Embutidos Cárneos (Salsicha, Presunto, Hambúrguer, Empanados, Linguiça, Salame e Mortadela) Refeições Prontas (Pizza, Lasanha, Papa infantil salgada e Sopas)

19 DESAFIOS Aceitação do consumidor; Viabilidade tecnológica; Novas alternativas para substituição do sódio nas formulações; Necessidade de tempo para estudo e desenvolvimento de novas formulações, testes e adaptação da linha de produção; Desenvolvimento de novos fornecedores Custos envolvidos no investimento.

20 CONSIDERAÇÕES FINAIS A ABIA reitera a importância e apóia a iniciativa de discutir a Redução de Nutrientes (Gorduras Trans, Sódio, Açúcares e Gordura Saturada) como forma de reduzir a prevalência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil. Entendemos que o diálogo e participação dos setores envolvidos da sociedade é essencial para se obter os melhores resultados e o sucesso dessa iniciativa. A indústria da alimentação tem se empenhado em desenvolver produtos para atender os interesses da sociedade brasileira, que demanda por alimentos cada vez mais saudáveis. No entanto, é importante ressaltar que medidas isoladas não são suficientes para sanar o problema. Precisamos implantar programas educativos para que a população possa ter discernimento no momento da escolha dos alimentos, e compreenda a importância de aliar uma nutrição equilibrada à prática de atividades físicas.

21 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os dados que foram apresentados, podem parecer tênue, entretanto, demonstram a contribuição, do setor industrial de alimentos, para a redução do consumo de gordura trans e sódio/sal pela população brasileira. Entretanto, os esforços da indústria devem ser compreendidos apenas como parte de uma série de outras iniciativas a serem adotadas para reduzir o consumo desses nutrientes pelos brasileiros. Em relação ao consumo de sódio/sal pela população, destaca-se a importância de conscientização da população quanto ao sal adicionado em preparações culinárias, incluindo o sal de mesa.

22 Obrigado!

V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS. Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS

V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS. Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS Brasília, 25 de dezembro de 2013 Instituto Nacional de Controle de Qualidade

Leia mais

Ministério da Saúde, Junho de 2016

Ministério da Saúde, Junho de 2016 PROMOÇÃO DA SAÚDE Redução Clique para de adicionar sódio nos alimentos um processados título Clique para adicionar um subtítulo Ministério da Saúde, Junho de 2016 Consumo Clique para de sódio adicionar

Leia mais

Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos

Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos Estratégias para Redução do Sódio em Alimentos Elisabete Gonçalves Dutra Gerência Geral de Alimentos ROTULAGEM NUTRICIONAL DE ALIMENTOS PROCESSADOS As informações de declaração obrigatória são: valor energético,

Leia mais

Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Por que Devemos Olhar os Rótulos dos Alimentos? Você sabe o que está comendo? Por

Leia mais

Informe Técnico n. 72, de 1 de agosto de 2016. Resultados do monitoramento do teor de sódio nos alimentos processados - Terceiro termo de compromisso.

Informe Técnico n. 72, de 1 de agosto de 2016. Resultados do monitoramento do teor de sódio nos alimentos processados - Terceiro termo de compromisso. Informe Técnico n. 72, de 1 de agosto de 2016 Assunto: Resultados do monitoramento do teor de sódio nos alimentos processados - Terceiro termo de compromisso. 1. Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o

Leia mais

Troque o sal pelos temperos e ervas naturais e ganhe saúde

Troque o sal pelos temperos e ervas naturais e ganhe saúde Usado para reforçar e potencializar o sabor dos alimentos, o sal de cozinha pode e deve ser parcialmente substituído por ervas e temperos que também realçam o sabor e evitam os males causados pelo excesso

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15

PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15 PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15 Altera o Protocolo ICMS 15, de 24 de janeiro de 2013, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios.

Leia mais

f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50;

f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50; ARTIGO 313-W PRODUTOS DA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA EXCLUIDOS X - do 1º do artigo 313-W: a) a alínea f do item 1; f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50; b) a alínea i do item 1; i) balas,

Leia mais

Promoção da Alimentação Saudável

Promoção da Alimentação Saudável Promoção da Alimentação Saudável A Evolução da Segurança Alimentar e da Nutrição no Brasil nos anos recentes Redução da pobreza e das desigualdades sociais Redução da insegurança alimentar e da fome Redução

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 69/2015 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 69/2015 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 69/2015 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2.011 o Ministério da Saúde (MS) assinou o segundo termo de compromisso com a Associação Brasileira

Leia mais

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição Ciclo de Palestras - 2013.

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição Ciclo de Palestras - 2013. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição Ciclo de Palestras - 2013 Gordura Trans Roberta Melquiades Silva de Andrade A gordura trans é o nome dado

Leia mais

O que você precisa saber sobre óleos e gorduras ÓLEOS E GORDURAS

O que você precisa saber sobre óleos e gorduras ÓLEOS E GORDURAS ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras comestíveis são fundamentais na alimentação humana, pois, fornecem calorias (9 Kcal/g), auxiliam no transporte de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) para o interior

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Ministério da Educação Participantes do PNAE FNDE Assistência financeira, normatização, coordenação, acompanhamento, monitoramento e fiscalização. Entidade executora. SEDUC estadual

Leia mais

Proibição da gordura hidrogenada representa avanço no Brasil

Proibição da gordura hidrogenada representa avanço no Brasil VOCÊ ESTÁ EM: HOME / NOTÍCIAS / ARTIGOS Proibição da gordura hidrogenada representa avanço no Brasil Por Dr.Marchesini Publicado dia 18/07/2014 às 04h48 A recente recomendação do Conselho Nacional de Segurança

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

Obesidade: panorama brasileiro

Obesidade: panorama brasileiro Mesa Redonda Publicidade de alimentos dirigida ao público infantil IDEC e Instituto Alana São Paulo, 10 de março de 2009 Obesidade: panorama brasileiro Carlos A. Monteiro carlosam@usp.br Departamento de

Leia mais

REGRAS BÁSICAS: OBESIDADE, UM PROBLEMA A RESOLVER GUIA PRÁTICO

REGRAS BÁSICAS: OBESIDADE, UM PROBLEMA A RESOLVER GUIA PRÁTICO GUIA PRÁTICO DO CONSUMIDOR JANEIRO 2 GUIA PRÁTICO OBESIDADE, UM PROBLEMA A RESOLVER O estilo de vida levou a que as refeições tradicionais fossem substituídas por snacks (refeições ligeiras e apressadas

Leia mais

Compromisso da Kraft Foods Brasil

Compromisso da Kraft Foods Brasil Compromisso da Kraft Foods Brasil Compromisso da empresa A Kraft Foods adota, mundialmente, regras para dirigir a publicidade de seus produtos a crianças de forma responsável. De acordo com tais regras,

Leia mais

LANCHE DA MANHÃ: DICAS E SUGESTÕES PARA ACERTAR NESSA IMPORTANTE REFEIÇÃO. Dora Behar Ana Fornari Nutricionistas

LANCHE DA MANHÃ: DICAS E SUGESTÕES PARA ACERTAR NESSA IMPORTANTE REFEIÇÃO. Dora Behar Ana Fornari Nutricionistas LANCHE DA MANHÃ: DICAS E SUGESTÕES PARA ACERTAR NESSA IMPORTANTE REFEIÇÃO Dora Behar Ana Fornari Nutricionistas A IMPORTÂNCIA DO LANCHE DA MANHÃ Suprir necessidades nutricionais da criança; Garantir qualidade

Leia mais

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento Jorge Abrahão de Castro Diretor de Temas Sociais da SPI/MPOG Brasília-DF, 26 de agosto de 2015 1 Inovações para o PPA 2016-2019 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Programa Saúde na Escola- PSE

Programa Saúde na Escola- PSE - Promoção da Alimentação Saudável- Ações para Promoção de Saúde na Escola e Desafios para sua implementação. Programa Saúde na Escola- PSE Equipe: Keila Fortes- Nutricionista FMS Maria do Rosário de Fátima

Leia mais

10 dicas. Desvendar Rótulos. A ordem dos ingredientes altera o produto

10 dicas. Desvendar Rótulos. A ordem dos ingredientes altera o produto 10 dicas Desvendar Rótulos 1 A ordem dos ingredientes altera o produto Os ingredientes são apresentados em ordem decrescente de quantidade. Isso significa que o primeiro ingrediente é o de maior quantidade,

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO PNAE

AGRICULTURA FAMILIAR NO PNAE AGRICULTURA FAMILIAR NO PNAE Atendimento universal 26 estados e o distrito federal 5.571 municípios 170.000 escolas ABRANGÊNCIA 47 milhões de alunos 130 milhões de refeições servidas diariamente R$ 3,5

Leia mais

Guia de emagrecimento saudável

Guia de emagrecimento saudável Guia de emagrecimento saudável Hipertensão, diabetes, artrose, problemas renais, problemas oculares, micoses, apneia do sono, doenças vasculares, doenças de má circulação sanguínea das pernas, doenças

Leia mais

SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE

SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE Índice Introdução 3 O que é o Semáforo Nutricional? 4 Porquê o Semáforo? 5 Porquê gorduras, gorduras saturadas, açúcar e sal? 5 O que significam as cores? 8 O que é uma

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DOS PRINCIPAIS GRUPOS BÁSICOS DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS PARA CELÍACOS NOS PRINCIPAIS SUPERMERCADOS DE VIÇOSA, MG

AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DOS PRINCIPAIS GRUPOS BÁSICOS DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS PARA CELÍACOS NOS PRINCIPAIS SUPERMERCADOS DE VIÇOSA, MG AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DOS PRINCIPAIS GRUPOS BÁSICOS DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS PARA CELÍACOS NOS PRINCIPAIS SUPERMERCADOS DE VIÇOSA, MG Maria José Santana de Castro Paiva 1, Naiara Júlia da Silva

Leia mais

UNIMED JOINVILLE - SC

UNIMED JOINVILLE - SC UNIMED JOINVILLE - SC UNIMED JOINVILLE - SC PROGRAMA SAÚDE DO COLABORADOR Autores: Langaro, F; Liell, M.V.V.; Moreira, M.Z.S. PROGRAMA SAÚDE DO COLABORADOR Como iniciou: Foi aplicado questionário (Infomed)

Leia mais

Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno

Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM Profa Dra Milena Baptista Bueno Dietoterapia Dietoterapia: tratamento de indivíduos portadores

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADOLESCENTES

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADOLESCENTES Setor: U 01 N o. do quest Nome do entrevistado: QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADOLESCENTES.. PARA TODAS AS PESSOAS COM 10 A 19 ANOS. (SE FOR ADULTO COM 20 ANOS E MAIS VOLTE PARA O BLOCO T) BLOCO

Leia mais

redução do consumo de sódio

redução do consumo de sódio Ações governamentais para redução do consumo de sódio Ana Beatriz Vasconcellos COORDENAÇÃO - GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE Números das DCNT Total lde óbitos (2007) Hipertensão:

Leia mais

Acesso à informação sobre alimentação no Brasil: Obstáculos para o consumo alimentar saudável Ana Paula Bortoletto Martins

Acesso à informação sobre alimentação no Brasil: Obstáculos para o consumo alimentar saudável Ana Paula Bortoletto Martins Acesso à informação sobre alimentação no Brasil: Obstáculos para o consumo alimentar saudável Ana Paula Bortoletto Martins Plenária do CONSEA, Outubro de 2013. Sobre o Idec Organização não governamental

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO DA COLETA SELETIVA DOS MATERIAIS DESCARTADOS Programa Nº 05/2016

Leia mais

SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE

SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE SEMÁFORO NUTRICIONAL CONTINENTE Índice Introdução 3 O que é o Semáforo Nutricional? 4 Porquê o Semáforo? 5 Porquê gorduras, gorduras saturadas, açúcar e sal? 5 O que significam as cores? 8 O que é uma

Leia mais

Lei nº 5.146, de 19 de agosto de 2013 Decreto nº 36.900, de 23 de novembro de 2015

Lei nº 5.146, de 19 de agosto de 2013 Decreto nº 36.900, de 23 de novembro de 2015 Lei nº 5.146, de 19 de agosto de 2013 Decreto nº 36.900, de 23 de novembro de 2015 Estabelece diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas da rede de ensino do Distrito Federal. O GOVERNADOR

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 07/07/2008 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA IMPORTÂNCIA DOS NUTRIENTES RECUSA DE UM ALIMENTO INFLUÊNCIA DOS COLEGAS

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 07/07/2008 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA IMPORTÂNCIA DOS NUTRIENTES RECUSA DE UM ALIMENTO INFLUÊNCIA DOS COLEGAS ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PREPARO DO LANCHE ESCOLAR ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É fundamental para o desenvolvimento da criança pois ela está em fase de crescimento e necessita de cuidados especiais. Carboidratos

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional

Vigilância Alimentar e Nutricional Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional Conceito de Segurança Alimentar

Leia mais

Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido

Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido Queijos, hambúrgueres e empanados terão teor de sódio reduzido Ministério da Saúde amplia acordo firmado há dois anos e meio com a indústria alimentícia para diminuir o sal das comidas industrializadas

Leia mais

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Sustentabilidade Contexto Aumento no número de pessoas Maior quantidade de recursos explorados Produção e consumo: compras

Leia mais

Deborah Carvalho Malta Diretora do Departamento de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde Brasília, Novembro de 2014

Deborah Carvalho Malta Diretora do Departamento de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde Brasília, Novembro de 2014 Deborah Carvalho Malta Diretora do Departamento de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde Brasília, Novembro de 2014 Sumário Transição epidemiológica Plano DCNT no Brasil 2011 2022 Ações

Leia mais

econômica e socialmente sustentáveis. (Artigo 3º da Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional, de 15 de setembro de 2006)

econômica e socialmente sustentáveis. (Artigo 3º da Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional, de 15 de setembro de 2006) Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Audiência Pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO OUTUBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO... 1 1. Núcleo de Informações

Leia mais

PENSE Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

PENSE Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 PENSE Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 ABRANGÊNCIA Constitui importante instrumento para subsidiar com informações os gestores, dando sustentabilidade ao Sistema Nacional de Monitoramento da

Leia mais

PRODUTO LIGHT E DIET: Como reconhecer a diferença?

PRODUTO LIGHT E DIET: Como reconhecer a diferença? PRODUTO LIGHT E DIET: Como reconhecer a diferença? Centro de Ciências da Saúde - UFRJ Rio de Janeiro, 8 de abril de 2002 LEGISLAÇÕES DE 1968-1988 Decreto - Lei 986/69 - Normas Básicas de Alimentos Alimento

Leia mais

Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Elaboração do PPA 2016-2019 DIMENSÃO ESTRATÉGICA O Planejamento não pode prescindir de reflexões sobre quais as estratégias para o desenvolvimento

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 (De autoria do Senador Pedro Simon)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 (De autoria do Senador Pedro Simon) PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 (De autoria do Senador Pedro Simon) Dispõe sobre a mineralização dos solos e a segurança alimentar e nutricional. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º A segurança

Leia mais

Avaliação Escrita 1ª Etapa

Avaliação Escrita 1ª Etapa Caderno de Questões PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA SEGURANÇA DE ALIMENTOS E QUALIDADE NUTRICIONAL Edital Nº 51/2014 Avaliação Escrita 1ª Etapa

Leia mais

ANÁLISE DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS ENTRE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ATENDIDOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

ANÁLISE DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS ENTRE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ATENDIDOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB ANÁLISE DO CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS ENTRE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ATENDIDOS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Yohanna de Oliveira; Keylha Querino de Farias Lima; Erika

Leia mais

As principais fontes de sódio na alimentação: análise do panorama nacional

As principais fontes de sódio na alimentação: análise do panorama nacional As principais fontes de sódio na alimentação: análise do panorama nacional Tânia Gonçalves Albuquerque Ana Sanches-Silva, Helena Soares Costa Departamento de Alimentação e Nutrição Dia Mundial da Saúde

Leia mais

Programa Bolsa Família

Programa Bolsa Família Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde COORDENAÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE MINISTÉRIO DA

Leia mais

CARDÁPIO H1 QUILOMBOLA

CARDÁPIO H1 QUILOMBOLA QUILOMBOLA GOVERNO ESTADO DO MARANHÃO FLÁVIO DINO DE CASTRO E COSTA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FELIPE COSTA CAMARÃO SECRETARIA ADJUNTA DE SUPORTE AO SISTEMA EDUCACIONAL ANDERSON FLÁVIO LINDOSO SANTANA

Leia mais

CATÁLOGO DE ACHOCOLATADOS, CONS. ORIGEM VEGETAL, DOCES, LATICÍNEOS, PÃES E BISCOITOS

CATÁLOGO DE ACHOCOLATADOS, CONS. ORIGEM VEGETAL, DOCES, LATICÍNEOS, PÃES E BISCOITOS CATÁLOGO DE ACHOCOLATADOS, CONS. ORIGEM VEGETAL, DOCES, LATICÍNEOS, PÃES E BISCOITOS Descrição Achocolatado em pó Achocolatado em pó, instantâneo, obtido pela mistura do cacau em pó, açúcar, maltodextrina

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PARA AS ATIVIDADES DO PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO COMER,

EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PARA AS ATIVIDADES DO PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO COMER, EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO PARA AS ATIVIDADES DO PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO COMER, COMER PARA PODER CRESCER DA FACULDADE CIÊNCIAS DA VIDA 02/2016 A Faculdade Ciências da Vida

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ Fagner Santos Iris Grasiele Vanderléia da Silva Prof: Leonardo Maia Tecnologia de Alimentos 1 A embalagem é um recipiente ou envoltura que armazena produtos temporariamente,

Leia mais

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO Ministério do Meio Ambiente O Projeto de Elaboração do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável Socioambientais Prioritários/Vale do

Leia mais

TABELA COM O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS BÁSICOS OFERECIDOS PELO I.D.P.C. PARA ESCOLA MÓVEL

TABELA COM O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS CURSOS BÁSICOS OFERECIDOS PELO I.D.P.C. PARA ESCOLA MÓVEL TABELA COM O DOS CURSOS BÁSICOS OFERECIDOS PELO I.D.P.C. PARA ESCOLA MÓVEL 1. Alta Confeitaria Macaron... Página 02 2. Confeitaria seca Bolos secos... Página 02 3. Confeitaria Fina Porções Individuais...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Monitoramento do Plano de Redução do Sódio Macarrão instantâneo, pão de forma

Leia mais

Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA.

Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA. Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA http://www.amcham.com.br/ Missão do Comitê de Sustentabilidade Promover o diálogo e a mobilização sobre sustentabilidade por meio de diferentes

Leia mais

ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST.

ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. ANEXO 1 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. Abrangência: operações interestaduais originadas do Estado de São Paulo e destinadas ao Estado de Santa Catarina. Produto: alimentícios.

Leia mais

PREFEITURA DE PARANAGUÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL CARDÁPIOS AGOSTO/2011. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta

PREFEITURA DE PARANAGUÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL CARDÁPIOS AGOSTO/2011. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Cardápio - Berçário 04 a 05 meses - AGOSTO / 2011 SERVIÇO Segunda Terça Quarta Quinta Sexta 1/ago 2/ago 3/ago 4/ago 5/ago Mamadeira Mamadeira com Cereal Mamadeira com Cereal Banana Arroz, Caldo de Feijão,

Leia mais

PORTARIA Nº 2.387, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012

PORTARIA Nº 2.387, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012 PORTARIA Nº 2.387, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012 Legislações - GM Sex, 19 de Outubro de 2012 00:00 PORTARIA Nº 2.387, DE 18 DE OUTUBRO DE 2012 Institui a Agenda para Intensificação da Atenção Nutricional à

Leia mais

Ana Vanda Bassara PLANO DE TRABALHO DOCENTE SEMESTRAL

Ana Vanda Bassara PLANO DE TRABALHO DOCENTE SEMESTRAL Ana Vanda Bassara Ensino Público de Qualidade que faz a Diferença! Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Avenida das Acácias, 60, Jardim Pérola D Oeste, 85012-130 Telefone: (42) 3623 3394 / 36235954

Leia mais

l Seminário SUSEP de Educação Financeira 19 de Maio Hotel Prodigy SDU

l Seminário SUSEP de Educação Financeira 19 de Maio Hotel Prodigy SDU l Seminário SUSEP de Educação Financeira 19 de Maio Hotel Prodigy SDU 1 Quem Somos? 2 Players Iniciativa Realização Patrocínio Parceria Execução Ministério do Trabalho e Previdência Social Ministério do

Leia mais

PORTARIA/SEMED Nº. 020/2012

PORTARIA/SEMED Nº. 020/2012 PORTARIA/SEMED Nº. 020/2012 ESTABELECE NORMAS PARA O FUNCIONAMENTO DAS CANTINAS ESCOLARES DOS ESTABELECIMENTOS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO. A, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

INSTRUMENTO DE PRIORIZAÇÃO DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICÍPIO DE GUARANTÃ DO NORTE

INSTRUMENTO DE PRIORIZAÇÃO DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICÍPIO DE GUARANTÃ DO NORTE GRUPO: Desenvolvimento Econômico INSTRUMENTO DE PRIORIZAÇÃO DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMPOSIÇÃO: Desenvolvimento Econômico, Turismo, Economia Solidária, Trabalho, Emprego, Indústria,

Leia mais

Sonia Maria José Bombardi Assessora Especial de Projetos

Sonia Maria José Bombardi Assessora Especial de Projetos IV Reunião para o Desenvolvimento Institucional dos Orgãos Gestores de Saúde Ambiental dos Ministérios de Saúde e Primeiro Fórum de Saúde e Ambiente das Américas Brasil Sonia Maria José Bombardi Assessora

Leia mais

FÓRUM: o SNA em debate - 15 e 16 de dezembro de 2006 Brasília - DF

FÓRUM: o SNA em debate - 15 e 16 de dezembro de 2006 Brasília - DF Apresentadas no Fórum: o SNA em debate, realizado entre os dias 15 e 16 de dezembro de 2006, em Brasília/DF Implantação da Política Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde, definindo o financiamento

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Contexto das Políticas de Saúde

Educação Alimentar e Nutricional no Contexto das Políticas de Saúde II Fórum de Educação Alimentar e Nutricional Educação Alimentar e Nutricional no Contexto das Políticas de Saúde Ana Beatriz Vasconcellos www.saude.gov.br/nutricao Política de Promoção da Saúde Portaria

Leia mais

Monitoramento do I Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Monitoramento do I Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Monitoramento do I Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Metodologia em Construção V Reunião Plenária do CONSEA 15 de agosto de 2012 NORMATIZAÇÃO DO MONITORAMENTO NO ÂMBITO DA PNSAN Decreto

Leia mais

Sandra Aparecida Lino

Sandra Aparecida Lino CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Reeducação Postural dos Trabalhadores de Saúde da Unidade de Saúde de Cascalho Rico/MG Sandra Aparecida Lino Cascalho

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

14 de Outubro de 2008

14 de Outubro de 2008 SEMINÁRIO GLÚTEN E SEGURANÇA ALIMENTAR Doença Celíaca: um desafio para a Modelo Continente Hipermercados 14 de Outubro de 2008 Mayumi Thaís Delgado 1 Mayumi Thaís Delgado 1 AGENDA Enquadramento Acções

Leia mais

PROPOSTA PARA ATENDIMENTO NUTRICIONAL NÃO PRESENCIAL

PROPOSTA PARA ATENDIMENTO NUTRICIONAL NÃO PRESENCIAL PROPOSTA PARA ATENDIMENTO NUTRICIONAL NÃO PRESENCIAL 1- JUSTIFICATIVA A prática profissional no século XXI convive com grandes mudanças na tecnologia da informação, na composição demográfica da população,

Leia mais

A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014

A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014 A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O conceito de Trabalho Decente 2.

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009

PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 PROTOCOLO ICMS 216, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Altera o Protocolo ICMS 28/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios Os Estados de Minas Gerais e de São Paulo,

Leia mais

0,02 Mistura para o preparo de bolos, tortas, doces e massas de confeitaria com fermento químico, com ou sem recheio, com ou sem cobertura

0,02 Mistura para o preparo de bolos, tortas, doces e massas de confeitaria com fermento químico, com ou sem recheio, com ou sem cobertura INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante (g/100g IDA: 0-3 mg/ kg peso corpóreo (JECFA, 2006) ou g/100ml) Amargos e aperitivos Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites aromatizados

Leia mais

I - CHOCOLATES MVA AJUSTADO % - 12% MVA Original % ITEM DESCRIÇÃO ,29 50,56 52,41 64,24 66,27 1.2

I - CHOCOLATES MVA AJUSTADO % - 12% MVA Original % ITEM DESCRIÇÃO ,29 50,56 52,41 64,24 66,27 1.2 ANEXO AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO - ALTERAÇÃO Abrangência: operações interestaduais realizadas entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Produto:

Leia mais

DOCUMENTO 2 CONTRIBUIÇÕES INCORPORADAS AO REGULAMENTO PROVENIENTES DA CONSULTA PÚBLICA Nº. 71/2006

DOCUMENTO 2 CONTRIBUIÇÕES INCORPORADAS AO REGULAMENTO PROVENIENTES DA CONSULTA PÚBLICA Nº. 71/2006 14 DOCUMENTO 2 CONTRIBUIÇÕES INCORPORADAS AO REGULAMENTO PROVENIENTES DA CONSULTA PÚBLICA Nº. 71/2006 15 164 167 159 RELATÓRIO DE INSTRUÇÃO (INSERIDO NA ANTIGA RESOLUÇÃO INICIAL) considerando a necessidade

Leia mais

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Cristiano Rocha Heckert Brasília, 02 de junho de 2015 Histórico Governo Eletrônico Decreto de 18 de Outubro de 2000 Decreto

Leia mais

Cardápio - Berçário 06 a 07 meses Abril/2012

Cardápio - Berçário 06 a 07 meses Abril/2012 Cardápio - Berçário 06 a 07 meses Abril/2012 SERVIÇO Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Média Valor Nutricional 2/abr 3/abr 4/abr 5/abr 6/abr Mamadeira Mamadeira Mamadeira Mamadeira Biscoito salgado Biscoito

Leia mais

Pão de forma com geleia de morango Suco de laranja Suco de manga Leite Suco de uva Leite com chocolate

Pão de forma com geleia de morango Suco de laranja Suco de manga Leite Suco de uva Leite com chocolate 01 a 05 de FEVEREIRO 01/02/2016 02/02/2016 03/02/2016 04/02/2016 05/02/2016 Pão francês com queijo branco Bisnaguinha com peito de peru Cereal Matinal (Flocos de Milho) Pão de leite com requeijão Pão de

Leia mais

CAMPANHA DE SEGURANÇA NOS CANTEIROS DE OBRAS

CAMPANHA DE SEGURANÇA NOS CANTEIROS DE OBRAS CAMPANHA DE SEGURANÇA NOS CANTEIROS DE OBRAS SESI-RS SINDUSCON Caxias do Sul DÉBORA BRANDALISE BUENO Psicóloga O SINDUSCON Caxias há 19 anos realiza campanhas com foco em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO DE REDES DE OUVIDORIAS E A EXPERIÊNCIA DO FÓRUM CEARENSE DE OUVIDORIAS DO SUS - FOCOS.

OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO DE REDES DE OUVIDORIAS E A EXPERIÊNCIA DO FÓRUM CEARENSE DE OUVIDORIAS DO SUS - FOCOS. OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO DE REDES DE OUVIDORIAS E A EXPERIÊNCIA DO FÓRUM CEARENSE DE OUVIDORIAS DO SUS - FOCOS. POR QUE TRABALHAR EM REDE? Relações interfederativas no SUS Atendimento integral aos

Leia mais

Segurança e Insegurança Alimentar na Amazônia- Desigualdades e desafios

Segurança e Insegurança Alimentar na Amazônia- Desigualdades e desafios Segurança e Insegurança Alimentar na Amazônia- Desigualdades e desafios Ana Maria Segall Corrêa CONSEA Nacional GT de Indicadores e Monitoramento Junho de 2015 Objetivo Descrever a situação atual da SAN

Leia mais

1º Seminário Nacional de Orientação ao Setor Regulado na Área de Alimentos

1º Seminário Nacional de Orientação ao Setor Regulado na Área de Alimentos 1º Seminário Nacional de Orientação ao Setor Regulado na Área de Alimentos 05/12/07 Gerência-Geral de Alimentos AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA A é uma autarquia sob regime especial,

Leia mais

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014 Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados Setembro de 2014 Doenças crônicas não-transmissíveis são responsáveis por 72% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias

Leia mais

Notas de Orientação da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental

Notas de Orientação da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental Notas de da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental SUMÁRIO Introdução às Notas de i Atualizações das Notas de de 2007 Modificar Matriz ii Nota

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL. Produtos Alimentícios. Vigência a partir de ANEXO ÚNICO

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL. Produtos Alimentícios. Vigência a partir de ANEXO ÚNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E DISTRITO FEDERAL Produtos Alimentícios Vigência a partir de 01-11-2015 ANEXO ÚNICO I - CHOCOLATES 1 1704.90.10 2 3 1806.31.10 1806.31.20 1806.32.10 1806.32.20 4 1806.90

Leia mais

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson Redução do Consumo de Açúcar no Brasil Perspectivas de Governo Eduardo Nilson Coordenador Substituto de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Brasília, 04 de junho de 2013 Cenário Alimentar e Nutricional do

Leia mais

2. Como atua o SAL no nosso organismo. 3. De onde vem o SAL da nossa alimentação. 4. Como diminuir o SAL na alimentação

2. Como atua o SAL no nosso organismo. 3. De onde vem o SAL da nossa alimentação. 4. Como diminuir o SAL na alimentação 1. O que é o SAL? 2. Como atua o SAL no nosso organismo 3. De onde vem o SAL da nossa alimentação 4. Como diminuir o SAL na alimentação 1. O que é o SAL? O SAL existe sob diversas formas no globo terrestre.

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade 1. OBJETIVO Esta Política de Sustentabilidade ( Política ) tem por objetivo estabelecer os princípios e diretrizes que norteiam as práticas socioambientais da Fibria Celulose S.A. ( Fibria ou Companhia

Leia mais

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Introdução Para ter uma qualidade de vida favorável, com boa saúde e manter-se ativo, além dos cuidados diários com medicações, acompanhamento

Leia mais

CO N T R O L A D O R I A E O U V I D O R I A

CO N T R O L A D O R I A E O U V I D O R I A CO N T R O L A D O R I A E O U V I D O R I A M E N S A G E M À A S S E M B L E I A L E G I S L A T I V A 2 0 1 3 G O V E R N O P A R T I C I P A T I V O, É T I C O E C O M P E T E N T E C o n t r o l a

Leia mais

Mesa II. Consumo alimentar, tecnologia de alimentos e o papel da indústria.

Mesa II. Consumo alimentar, tecnologia de alimentos e o papel da indústria. I Seminário Nacional sobre a Redução do Consumo de Açúcar Mesa II. Consumo alimentar, tecnologia de alimentos e o papel da indústria. Perspectivas do setor industrial na redução do açúcar em alimentos

Leia mais

47 67 80 com açúcar. 55 79 80 sem açúcar. Bolo de chocolate 38 54 111. Bolo triturado 54 77 53. 42 60 111 feito com baunilha congelada

47 67 80 com açúcar. 55 79 80 sem açúcar. Bolo de chocolate 38 54 111. Bolo triturado 54 77 53. 42 60 111 feito com baunilha congelada Tabela 8.2 Índice glicêmico de bolos e muffins segundo Foster-Powell 7 Alimentos Índice glicêmico em Índice glicêmico Tamanho relação à glicose = em relação ao pão = da porção 100 100 (g/ml) Bolos Bolo

Leia mais

DECRETO Nº 4.054/14.

DECRETO Nº 4.054/14. 6 DECRETO Nº 4.054/14. INSTITUI O COMISSÃO INTERINSTITUCIONAL DE MOBILIZAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE E FEBRE DO CHIKUNGUNYA NO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS, APROVA O REGIMENTO INTERNO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Leia mais

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul.

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS COORDENAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DOS HOMENS COORDENAÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO

Leia mais

AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA

AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Gerência de Gestão Ambiental Urbana e Territorial AGENDA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA Cidades Sustentáveis são pautadas em três

Leia mais

SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL José Antonio da Motta Ribeiro Coordenação Geral de Engenharia Sanitária Salvador, 18 de Setembro de 2015 Fundação Nacional

Leia mais

COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL. Caracterização e Desafios

COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL. Caracterização e Desafios O PAPEL DO INSTITUTO AGROPOLOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL Caracterização e Desafios leodilma@institutoagropolos.org.br Abril de 2012 Objetivos da Apresentação Constituição da Organização Social - Instituto

Leia mais