Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson"

Transcrição

1 Redução do Consumo de Açúcar no Brasil Perspectivas de Governo Eduardo Nilson Coordenador Substituto de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Brasília, 04 de junho de 2013

2 Cenário Alimentar e Nutricional do Brasil Análises a partir de inquéritos nacionais das décadas de 1970, 1980, 1990 e nos anos mais recentes apontam: EXCESSO DE PESO DESNUTRIÇÃO ENDEF ; PNSN 1989; PNDS 1996 e 2006; POF ; VIGITEL 2006 a 2009.

3 Obesidade no Brasil e comparação com outros países 14,8 20,5 25,1 27,6 Brasil: Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) Demais países: Dados 2010, OMS

4 Quantidade de internações e procedimentos ambulatoriais atribuíveis à obesidade SUS 2011 SIA Procedimentos ambulatoriais SIH Hospitalar Internações Comorbidade Atrib. Obesidade Atr. Obesidade Total Atr. Atrib. Obesidade Atr. Obesidade Total Atr. Masc Fem Obesidade Masc Fem Obesidade Acidente vascular cerebral Asma Câncer da tireoide Câncer da vesícula biliar Câncer de cólon Câncer de mama Câncer de pâncreas Câncer de pele (melanoma) Câncer de reto Câncer esofágico Câncer gástrico Câncer no endométrio Câncer no ovário Câncer renal Colelitíases e colecistites Diabetes Doenças isquêmicas do coração Dorsalgia (dor nas costas) Embolia pulmonar Hipertensão arterial Insuf. Cardíaca congestiva Leucemia Linfoma não Hodgkin Mieloma múltiplo Osteoartrites Pancreatite Fonte: SIA/SIH SUS

5 Custos financeiro da Obesidade para o SUS Total de gastos de obesidade: R$ 488 milhões R$ 288 milhões hospitalar e R$ 200 milhões ambulatorial Total de gastos de obesidade grave: R$ 116,2 milhões Custo R$ 327,7 milhões Doenças isquêmicas do coração* R$ 166,1 milhões Custo R$ 160,7 milhões Câncer de mama* R$ 30,6 milhões Insuficiência cardíaca congestiva* R$ 29,5 milhões *Patologias relacionadas Fonte: SIA/SIH SUS Diabetes* R$ 27,1 milhões

6 Óbitos ocorridos por doenças crônicas não transmissíveis e óbitos potencialmente evitáveis com alimentação adequada (números relativos e absolutos). Brasil, 2010 n de % de mortes nº de mortes anuais óbitos evitáveis evitáveis Diabetes % Doenças cerebrovasculares % 75% Doenças isquêmicas do coração % 75% Outras doenças cardiovasculares % 75% Neoplasias % 40% Total Fonte: Sistema de Informações de Mortalidade (SIM)

7 Tendências de consumo alimentar, segundo POF e : 2009: Maior participação de alimentos ultra processados Redução do consumo de alimentos básicos

8 Tendências de consumo alimentar: redução no consumo de alimentos básicos e maior participação de alimentos ultra processados ,4 16,2 Participação relativa de alimentos e grupos de alimentos no total de calorias da aquisição alimentar domiciliar. POF e ,6 5,4 2,4 2,8 12,3 11,2 I 3,1 3,4 1,5 1,8 3,3 4,6 0 Arroz polido Feijões FLV Carnes Biscoitos Refrigerantes Refeições prontas

9 POF (Consumo Alimentar Pessoal): Nutrientes Prevalência de inadequação no consumo (%) MASCULINO 10 a 13 anos 14 a 18 anos 19 a 59 anos >=60 anos Açúcar livre 80,0 74,0 67,0 50,0 Gordura saturada 83,0 80,0 82,0 80,0 Sódio 81,5 88,9 88,7 80,4 Fibras 78,0 77,0 71,0 60,0 FEMININO 10 a 13 anos 14 a 18 anos 19 a 59 anos >=60 anos Açúcar livre 82,0 83,0 67,0 53,0 Gordura saturada 89,0 90,0 87,0 84,0 Sódio 77,7 72,9 69,7 62,2 Fibras 82,0 86,0 75,0 61,0

10 EIXOS DE ATUAÇÃO GOVERNAMENTAL NO ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE E DCNTS

11 Eixos de organização do Plano de Ações Estratégicas para o enfrentamento das DCNT nobrasil 1. Vigilância e Informação em Saúde 2. Promoção da Súd Saúde Obesidade: DCNT e fator de risco 3. Atenção Integral

12 Eixos do Plano Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade 1. Disponibilidade e acesso a alimentos adequados e saudáveis 2. Educação, comunicação e informação 3. Promoção de modos de vida saudáveis nos ambientes e territórios 4. Vigilânciailâ i Alimentar e Nutricional i e das práticas ái de atividade iidd física da população 5. Atenção integral à saúde doindivíduo com sobrepeso/obesidade 6. Regulação e controle da qualidade e inocuidade dos alimentos

13 4.Gestão das Aõ Ações de Alimentação e Nutrição 5.Participação e Controle Social 6.Qualificação da Força de Trabalho 3.Vigilância Alimentar e Nutricional 7.Pesquisa, Inovaç ão e Conhecimento em Alimentação e Nutrição 2.Promoção da Alimentação Adequada e Saudável 1.Organização da Atenção Nutricional 8.Controle e Regulação dos Alimentos 9. Cooperação e Articulação para Segurança Alimentar e Nutricional POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO PNAN, 2012

14 Ações na Atenção Básica Ampliação dos NASFs ( 56%) Tratamento das pessoas com obesidade Vigilância Alimentar e Nutricional Ações de promoção da alimentação saudável Programa Academia da Saúde Programa Saúde na Escola Práticas integrativas e complementares Parceria com escolas particulares: cantinas saudáveis

15 Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Cô Crônicas Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Mudança do modelo de atenção à saúde Qualificação da atenção integral às pessoas com doenças crônicas Ampliação dasestratégiasparapromoçãodasaúdeda promoção saúde população e para prevenção do desenvolvimento das doençascrônicas e suas complicações Obesidade Câncer Hipertensão Arterial Diabetes

16 Pontos de cuidado da rede de atenção às doenças crônicas não transmissíveis i UBS Integração Ambulatório de especialidades

17 PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE AÇÚCAR

18 Analogias do consumo de açúcar e sal: Principais fontes na alimentação são os açúcares adicionados no consumo e preparo e os alimentos processados: Redução Rd ã voluntária dos níveis de sódio em alimentos processados Redução nos alimentos vendidos em estabelecimentos de food service e restaurantes. Rotulagem e informação ao consumidor e educação e sensibilização para consumidores, indústria, profissionais de saúde e outras partes interessadas.

19 Atuação conjunta com o setor privado: Acordo de Cooperação Técnica assinado 2007 pelo Ministério da Saúde e a ABIA Articular a forma de colaboração entre as partes para a execução eficaz de um Plano Nacional de Vida Saudável, abrangendo aspectos de alimentação saudável, atividade física e educação nutricional. Zelar pelo acesso da população a alimentos em quantidade e qualidade adequados. ados Renovação do Acordo de Cooperação Técnica entre o Ministério da Saúde e a ABIA (2010): Avaliação dos avanços na redução das gorduras trans no país. Nova pauta conjunta de redução voluntária do sódio: critérios objetivos e transparentes para estabelecimento de metas, monitoramento sistemático. Continuidadedas das ações do Acordo de Cooperação ( ): Finalização da pactuação dos alimentos prioritários para o sódio (primeiro semestre de 2013). Pactuação de reduções no teor de açúcar em 2014.

20 Termos de compromisso com setor produtivo metas de redução dos teores de sódio (cronograma): Categoria Massas instantâneas 30% 30% Pães de forma 10% 10% 10% 10% Bisnaguinhas 10% 10% 10% 10% Pão francês 2,5% 2,5% 2,5% 2,5% Batatas fritas 5% 5% 5% 5% 5% 5% Salgadinhos de milho 8,5% 8,5% 8,5% 8,5% 8,5% 8,5% Bolos recheados 7,5% 7,5% 7,5% 7,5% Bolos sem recheio 8% 8% 8% 8% Rocambole 4% 4% 4% 4% Mistura para bolo aerado 8,5% 8,5% 8,5% 8,5% 8,5% 8,5% Mistura para bolo cremoso 8% 8% 8% 8% 8% 8% Maionese 9,5% 9,5% 9,5% 9,5% Biscoitos salgados 13% 13% 13% 13% Biscoitos doces 7,5% 7,5% 7,5% 7,5% Biscoitos recheados 17,5% 17,5% 19,5% 19,5% Margarinas 19% 19% 19% 19% Cereais matinais 7,5% 7,5% 15% 15% Caldos em cubo 3,5% 3,5% 3,5% 3,5% Caldos em gel 3,5% 3,5% 3,5% 3,5% Temperos em pasta 3,5% 3,5% 6,5% 6,5% Tempero para arroz 1,3% 1,3% 1,3% 1,3% Outros temperos 4,3% 4,3% 4,3% 4,3%

21 Estimativas preliminares daparticipação decategorias de alimentos processados na ingestão de açúcar livre: Refrigerantes e sucos adoçados 4,7 33 3,3 2,5 1,6 2,3 Bolachas e biscoitos Chocolate em pó 6,0 5,5 42,6 Iogurte, requeijão, leite fermentado, outros, doces a base de leite Bolos e misturas para bolos Docesde fruta 8,9 Pão doce Chocolates Sorvete 18,9 Outros Fonte: Microdados da POF/IBGE

22 Monitoramentodo perfil nutricional de alimentosprocessados pela Anvisa (2010). Biscoitos salgados Frango empanado Salsicha Requeijão Hamburger bovino Salgadinho de milho Batata frita/palha mg de sódio/100g Média Máx Mín Néctar Suco Ref. Cola Ref. Guaraná 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 g de açúcar/100g Fonte: Anvisa (Informes Técnicos)

23 Pi Principais i i desafios e perspectivas: Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Mudanças de hábitos alimentares. Desafios na produção: questões tecnológicas e sensoriais, evitar substituição (edulcorantes). Alimentação fora do domicílio: restaurantes e lanchonetes, alimentação coletiva, ambientes (escola, trabalho etc.). Aspectos regulatórios: informações nutricionais obrigatórias, informação nutricionalcomplementar complementar, critérios para adição de nutrientes e alegação de propriedade funcional etc. Publicidade e promoção de alimentos ricos em açúcar. Agenda dos programas institucionais: PAT, PAA, equipamentos sociais (MDS), PNAE etc.

24 Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde SAF Sul, Quadra 2, Lote 5/6, Edifício Premium Torre II, Auditório, Sala Brasília DF E mail: 55 (61) Página da CGAN: Redenutri:

Ministério da Saúde, Junho de 2016

Ministério da Saúde, Junho de 2016 PROMOÇÃO DA SAÚDE Redução Clique para de adicionar sódio nos alimentos um processados título Clique para adicionar um subtítulo Ministério da Saúde, Junho de 2016 Consumo Clique para de sódio adicionar

Leia mais

Cantinas Escolares Saudáveis

Cantinas Escolares Saudáveis PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO AMBIENTE ESCOLAR: Cantinas Escolares Saudáveis Patrícia Constante Jaime Coordenadora-Geral de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Fortaleza, 25 de outubro de 2012 TÓPICOS

Leia mais

Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional

Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional Padrão alimentar da população brasileira Mudanças no consumo alimentar e os desafios para a agenda de redução do consumo de

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil

Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil Políticas Públicas para o Enfrentamento da Obesidade no Brasil Patricia Constante Jaime Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde Audiência Pública da Comissão de

Leia mais

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014 Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados Setembro de 2014 Doenças crônicas não-transmissíveis são responsáveis por 72% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias

Leia mais

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012 Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil São Paulo, novembro de 2012 Plano de enfrentamento DCNT 2012-2022 Eixo I Eixo II Eixo III Vigilância, monitoramento e avaliação

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO Excesso de peso infantil no Brasil A prevalência de excesso de peso triplicou no Brasil nos últimos 20 anos (IBGE,

Leia mais

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016 Incentivo à Alimentação Saudável Julho de 2016 Como é o hábito alimentar do brasileiro PERFIL ALIMENTAR DO ADULTO Apesar de incluir mais frutas e hortaliças na rotina, os brasileiros consomem doces e refrigerantes

Leia mais

Linha de Cuidado para Prevenção e Tratamento do Sobrepeso e Obesidade

Linha de Cuidado para Prevenção e Tratamento do Sobrepeso e Obesidade Linha de Cuidado para Prevenção e Tratamento do Sobrepeso e Obesidade Obesidade no Brasil e comparação com outros países 14,8 20,5 25,1 27,6 Brasil: Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009 Demais

Leia mais

IV Fórum do Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis DCNT no Brasil

IV Fórum do Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis DCNT no Brasil IV Fórum do Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis DCNT no Brasil Brasília, DF. Agosto 2014 Dr. Jarbas Barbosa da Silva Júnior Secretaria de Vigilância em Saúde Contexto mundial

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS Documento de Referência

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS Documento de Referência GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS Documento de Referência Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação

Leia mais

Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN

Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN Simpósio de Segurança Alimentar Bento Gonçalves RS, 22 de agosto de 2008 Políticas Públicas para Alimentos Processados: a contribuição da PNAN Ana Beatriz Vasconcellos Coordenadora da Política de Alimentação

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Eduardo Augusto Fernandes Nilson Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde 10º

Leia mais

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando RESOLUÇÃO CNS Nº O Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua 192ª Reunião Ordinária, realizada nos dias 10 e 11 de dezembro de 2008, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST SP PRESENTE NOS ACORDOS 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1kg 1704.90.10 40,88% NÃO 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo

Leia mais

Balanço de ações da CGAN em 2011 e perspectivas para 2012

Balanço de ações da CGAN em 2011 e perspectivas para 2012 Balanço de ações da CGAN em 2011 e perspectivas para 2012 BALANÇO 2011 PNAN aprovação na CIT: 27/10 publicação da Portaria nº 2715, de 17 de novembro de 2011 Elaboração do PPA 2012-2015: PNAN está expressa

Leia mais

Parece novela, mas não é. Com vários mocinhos e vilões, o mundo da alimentação se

Parece novela, mas não é. Com vários mocinhos e vilões, o mundo da alimentação se Entenda por que o açúcar está sendo apontado como novo vilão da alimentação Relação do alimento com aumento de peso e diabetes estão entre principais preocupações Matéria publicada em 12 de Abril de 2015

Leia mais

% MVA - INTERNA ALIQ. INTERNA

% MVA - INTERNA ALIQ. INTERNA ANEXO AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E AMAPÁ. Abrangência: operações interestaduais originadas do estado de São Paulo e destinadas ao estado do Amapá. Produto: alimentícios.

Leia mais

Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016)

Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016) Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016) Relembrando, a PNAN tem como propósito melhorar as condições de alimentação, nutrição e saúde da população brasileira,

Leia mais

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Brasília, junho de 2015

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Brasília, junho de 2015 Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Brasília, junho de 2015 Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A Mapa da cobertura de suplementação de vitamina A para crianças de 6 a 11 meses, em

Leia mais

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Tópicos Cenário Atual Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Estratégias e custo efetividade Envelhecimento Populacional Mais Idade Mais DCNT Mortalidade DCNT = 63% dos

Leia mais

Malnutrição Conceitos gerais

Malnutrição Conceitos gerais Malnutrição Conceitos gerais Desnutrição proteico-calórica (primária) taxas de mortalidade elevadas entre 1 e 4 anos. Kwashiorkor ocorre na 1ª infância durante e/ou após o desmame. Marasmo situação de

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

I - CHOCOLATES MVA AJUSTADO % - 12% MVA Original % ITEM DESCRIÇÃO ,29 50,56 52,41 64,24 66,27 1.2

I - CHOCOLATES MVA AJUSTADO % - 12% MVA Original % ITEM DESCRIÇÃO ,29 50,56 52,41 64,24 66,27 1.2 ANEXO AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO - ALTERAÇÃO Abrangência: operações interestaduais realizadas entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Produto:

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE

ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE I SEMINÁRIO ESTADUAL DA REDE-SANS DESAFIO E ESTRATÉGIAS PARA A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ADEQUADA E SOLIDÁRIA NO ESTADO DE SÃO PAULO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ABIA E MINISTÉRIO DA SAÚDE São Paulo,

Leia mais

Plano de Ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011 2022

Plano de Ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011 2022 Plano de Ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011 2022 Cristiane Penaforte Secretaria de Vigilância em Saúde DCNT no Brasil Tendência de Mortalidade,

Leia mais

Novo Guia Alimentar para a População Brasileira

Novo Guia Alimentar para a População Brasileira Novo Guia Alimentar para a População Brasileira Prof Ms. Lovaine Rodrigues/CRN2 4956 Esp. Nutrição Infantil- UNIFESP MSc. Pediatria UFRGS Docente - UNISINOS Guia Alimentar Conjunto de informações, análises,

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL Cenário

Leia mais

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes,

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, Superintendência de Políticas de Atenção Integral a Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Doenças Não-Transmissíveis Área de Alimentação e Nutrição HÁBITOS SAUDÁVEIS Marília A. Rezio

Leia mais

Quando você precisar, nós estaremos lá.

Quando você precisar, nós estaremos lá. DIA DO COMBATE AO COLESTEROL COLESTEROL, NOÇÕES IMPORTANTES. O controle do colesterol faz parte de um estilo de vida saudável, que inclui atividade física regular, controle do peso, do estresse e parar

Leia mais

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde Situação Alimentar e Nutricional no Brasil e no Mundo - O rápido declínio da desnutrição infantil no Brasil e o papel das políticas públicas na redução das desigualdades Coordenação-Geral da Política de

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA DISLIPIDEMIA Dislipidemia, também chamada de hiperlipidemia, refere-se ao aumento dos lipídios (gordura) no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos.

Leia mais

Equipe Estadual. Coordenador (a): Adriana Bouças Ribeiro. Equipe técnica: Técnicos da Divisão de DCNT

Equipe Estadual. Coordenador (a): Adriana Bouças Ribeiro. Equipe técnica: Técnicos da Divisão de DCNT ESTADO DE SÃO PAULO Equipe Estadual Coordenador (a): Adriana Bouças Ribeiro Equipe técnica: Técnicos da Divisão de DCNT Contextualização da Coordenação na estrutura e organograma da Secretaria de Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO DE REDUÇÃO DO SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO DE REDUÇÃO DO SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Em termos globais, a redução do consumo de sódio pelas populações tem ocupado posição de destaque entre as prioridades de saúde pública, tendo em vista a relação direta do consumo

Leia mais

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Ao final deste capítulo, você poderá Ø Explicar rótulos de alimentos Ø Decidir quais alimentos são melhores com base em três fatores Capítulo 13 Nutrição:

Leia mais

Hipertensão Diabetes Dislipidemias

Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão A pressão alta atinge 24,3% da população adulta brasileira e é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Patrícia Maria de Oliveira Machado Florianópolis, 2015 Histórico do processo e marcos legais ESTADUAL 2011

Leia mais

Segurança alimentar e nutricional:

Segurança alimentar e nutricional: Segurança alimentar e nutricional: Políticas para a garantia da alimentação segura e saudável Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde/ Ministério

Leia mais

MENOS SAL MAIS SABOR A VIDA. Corte no Sal e não na sua Vida! Vai ver que a Vida ganha um novo Sabor. Com o apoio. Uma iniciativa

MENOS SAL MAIS SABOR A VIDA. Corte no Sal e não na sua Vida! Vai ver que a Vida ganha um novo Sabor. Com o apoio. Uma iniciativa MENOS SAL Corte no Sal e não na sua Vida! Vai ver que a Vida ganha um novo Sabor. Uma iniciativa Com o apoio Fazer bem está na nossa NATUREZA. O Sal consumido em excesso tem riscos para a saúde. Sabe quais

Leia mais

Processos para o andamento do Inquérito Nacional de Saúde. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Processos para o andamento do Inquérito Nacional de Saúde. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Processos para o andamento do Inquérito Nacional de Saúde Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília, 03 de setembro, 2009 Introdução Informações em saúde são essenciais para o planejamento, monitoramento

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

Repercussões do Guia Alimentar para a População Brasileira para as Políticas Públicas

Repercussões do Guia Alimentar para a População Brasileira para as Políticas Públicas 1o Encontro com Referência Estaduais de Alimentação e Nutrição e Ações de promoção da alimentação saudável e adequada Repercussões do Guia Alimentar para a População Brasileira para as Políticas Públicas

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

MVA-ST COM DESTINO A SP E RJ (%)

MVA-ST COM DESTINO A SP E RJ (%) Abrangência: operações interestaduais, entre contribuintes dos estados de S.Paulo e Rio de Janeiro. Produto: alimentícios. Conteúdo: exclusão de itens do campo de incidência de ST. Vigência: 30-07-2013.

Leia mais

No Brasil, o tabagismo é responsável por:

No Brasil, o tabagismo é responsável por: No Brasil, o tabagismo é responsável por: 200 mil mortes por ano 25% das mortes por angina e infarto do miocárdio 45% das mortes por infarto agudo do miocárdio (abaixo de 65 anos) 85% das mortes por bronquite

Leia mais

O comportamento alimentar e as rejeições e aversões alimentares de estudantes adolescentes de escolas públicas e privadas de Teresina-PI.

O comportamento alimentar e as rejeições e aversões alimentares de estudantes adolescentes de escolas públicas e privadas de Teresina-PI. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA Iniciação Científica Voluntária - ICV Campus Universitário Ministro Petrônio

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

Escola Básica e Sec. Fernão do Pó Projeto NutreBem Desportivamente Ano letivo Lanches Saudáveis. Paulo Baptista

Escola Básica e Sec. Fernão do Pó Projeto NutreBem Desportivamente Ano letivo Lanches Saudáveis. Paulo Baptista Lanches Saudáveis Quais são as características dos lanches que os jovens, habitualmente, ingerem? Todos os estudos de investigação chegaram à mesma conclusão: Os lanches são ricos (excesso) em: - Calorias

Leia mais

Nutricionista Carolina Cestari De Paoli Bortoletto_ CRN

Nutricionista Carolina Cestari De Paoli Bortoletto_ CRN Nutricionista Carolina Cestari De Paoli Bortoletto_ CRN4 04101236 AVALIE SUA ALIMENTAÇÃO Este teste é sobre a sua alimentação, isto é, aquilo que você come. Se você tiver alguma dificuldade para responder

Leia mais

Nídia Denise Pucci Fabio C. Vicentini

Nídia Denise Pucci Fabio C. Vicentini Vários fatores de risco contribuem para a formação de cálculos renais, que incluem a história familiar, sendo 2,5 vezes maior em indivíduos com antecedentes de casos na família; a idade; a raça; elevação

Leia mais

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares.

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares. obesidade O que é a obesidade? A obesidade é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a epidemia do século XXI! O excesso de peso e a obesidade são diferentes graus de uma doença em que se verifica

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

DESIGUALDADE ESPACIAL DA MÁ ALIMENTAÇÃO DE IDOSOS BRASILEIROS, 2013

DESIGUALDADE ESPACIAL DA MÁ ALIMENTAÇÃO DE IDOSOS BRASILEIROS, 2013 DESIGUALDADE ESPACIAL DA MÁ ALIMENTAÇÃO DE IDOSOS BRASILEIROS, 2013 Danielle Diniz Dantas de Lima¹; Juliê Bezerra Pereira Ribeiro¹; Diôgo Vale²; Natália Louise de Araújo Cabral¹ 1- Centro Universitário

Leia mais

ENCONTRO COM REFERÊNCIAS ESTADUAIS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO: 02 E 03 de Junho 2011

ENCONTRO COM REFERÊNCIAS ESTADUAIS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO: 02 E 03 de Junho 2011 ENCONTRO COM REFERÊNCIAS ESTADUAIS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO: 02 E 03 de Junho 2011 02 DE Junho Apresentação da coordenadora Agenda de trabalho do encontro Apresentação da nova estrutura da CGAN Processo

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AUDIÊNCIA PÚBLICA Lorena Chaves Nutricionista PNAE/FNDE Obesidade: problema de saúde pública 40% da população brasileira (POF) ESCESSO DE PESO Obesidade infanto-juvenil

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

Dieta Para Engordar: Como fazer? Receita Simples!

Dieta Para Engordar: Como fazer? Receita Simples! Dieta Para Engordar: Como fazer? Receita Simples! Você está querendo saber como ganhar peso? Siga esta dieta para engordar e conquiste o corpo que deseja! Embora existam centenas de pessoas com sobrepeso

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O.

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O. Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Alimentação Saudável L/O/G/O www.themegallery.com Maio 2014 Sumário: O que é uma Alimentação Saudável; Nova Roda dos Alimentos; Recomendações de uma

Leia mais

ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária. Os desafios de quem produz

ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária. Os desafios de quem produz Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária Os desafios de quem produz Desafios do homem moderno para manter a sua saúde Prof. Dr. Cervantes Caporossi Prof. Adjunto da UFMT Coordenador do Programa

Leia mais

Estratégias Governamental para Redução do Sódio

Estratégias Governamental para Redução do Sódio VIII REUNIÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTOS Goiânia, 22,23 e 24/08/12 Estratégias Governamental para Redução do Sódio DENISE DE OLIVEIRA RESENDE Gerente-Geral de Alimentos Ações Governamentais :

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Carolina Chagas Nutricionista CECANE UnB

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Carolina Chagas Nutricionista CECANE UnB ENTENDENDO O CARDÁPIO Carolina Chagas Nutricionista CECANE UnB Considerações Preliminares Trajetória da formação graduação em nutrição; Contexto profissional; Inquietações da vivência profissional; Objeto

Leia mais

Perfil de Hábitos Alimentares e IMC dos Alunos dos Cursos de Educação Física e Tecnologia da Informação

Perfil de Hábitos Alimentares e IMC dos Alunos dos Cursos de Educação Física e Tecnologia da Informação BALBINO, Jhonatan Sousa [1] SOUZA, Vanessa Batista [2] BALBINO, jhonatan Sousa e SOUZA, Vanessa Batista Perfil de hábitos alimentares e IMC dos alunos do curso de educação física e tecnologia da informação.

Leia mais

CARDÁPIO MENSAL DE REFEIÇÃO ESCOLAR

CARDÁPIO MENSAL DE REFEIÇÃO ESCOLAR CARDÁPIO MENSAL DE REFEIÇÃO ESCOLAR SEMANA DIAS PRATO BASE PRATO PROTEICO ACOMPANHAMENTO SOBREMESA SUCOS 04/02 Arroz e Feijão Fricassê de Frango Salada de Repolho Banana Limão 05/02 Macarrão penne Rocambole

Leia mais

Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar.

Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2012 CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar. A Coordenação

Leia mais

CARDÁPIO ESCOLAR CARDÁPIO ESCOLAR CARDÁPIO ESCOLAR CARDÁPIO ESCOLAR

CARDÁPIO ESCOLAR CARDÁPIO ESCOLAR CARDÁPIO ESCOLAR CARDÁPIO ESCOLAR Biscoito doce sem Lanche Cooperativo recheio + iogurte Café com leite + pão de centeio com margarina + fruta da Bisnaguinha com margarina + achocolatado + fruta da requeijão + suco de laranja com mamão

Leia mais

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade Roseli Oselka Saccardo Sarni Sal e risco de doenças Consumo excessivo de sal (> 5g/dia, 1 g de sal=0.4 g sódio) relaciona-se com o

Leia mais

Dieta Hipercalórica e Hiperproteica

Dieta Hipercalórica e Hiperproteica Dieta Hipercalórica e Hiperproteica Orientações nutricionais Serviço de Nutrição e Dietética Este manual contou com a colaboração das nutricionistas: Tatiana Maraschin, Claudine Lacerda de Oliveira, Cristina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO MESTRANDA: LANA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO MESTRANDA: LANA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO MESTRANDA: LANA ROSA LANCHES SAUDÁVEIS NA MERENDA ESCOLAR INTRODUÇÃO Os aspectos que

Leia mais

Alimentação* Nova Roda dos Alimentos. As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes:

Alimentação* Nova Roda dos Alimentos. As recomendações para a população portuguesa, em termos nutricionais, são as seguintes: Alimentação* Nova Roda dos Alimentos A roda dos alimentos é um instrumento de educação alimentar largamente conhecido pela população portuguesa dada a sua utilização desde 1977 na campanha Saber comer

Leia mais

Políticas brasileiras de segurança alimentar e nutricional: compras públicas da agricultura familiar

Políticas brasileiras de segurança alimentar e nutricional: compras públicas da agricultura familiar Políticas brasileiras de segurança alimentar e nutricional: compras públicas da agricultura familiar Tópicos de abordagem Políticas públicas para a agricultura familiar Contexto e criação dos instrumentos

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009 RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 29 Doenças e Agravos Não Transmissíveis DANT/SMS Porto Alegre Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Os dez piores alimentos para sua saúde

Os dez piores alimentos para sua saúde Os dez piores alimentos para sua saúde Você já parou para pensar na qualidade dos alimentos que consome? E atire a primeira pedra quem nunca se rendeu aos prazeres de uma taça de sorvete, aquele cachorro-quente

Leia mais

SABES O QUE ESTÁS A COMER?

SABES O QUE ESTÁS A COMER? SABES O QUE ESTÁS A COMER? Interpretar RÓTULOS de produtos alimentares Conhecer os INGREDIENTES dos PRODUTOS ALIMENTARES Descobrir o significado de DDR Saber a diferença entre produto alimentar MAGRO e

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Material Resumido Obesidade Caderno de Atenção Básica - Min. da Saúde

Material Resumido Obesidade Caderno de Atenção Básica - Min. da Saúde Material Resumido Obesidade Caderno de Atenção Básica - Min. da Saúde A obesidade pode ser definida, de forma resumida, como o grau de armazenamento de gordura no organismo associado a riscos para a saúde,

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

Transição nutricional Problemas de alimentação e nutrição de importância em Saúde Pública Como mensurar sua magnitude na população

Transição nutricional Problemas de alimentação e nutrição de importância em Saúde Pública Como mensurar sua magnitude na população Transição nutricional Problemas de alimentação e nutrição de importância em Saúde Pública Como mensurar sua magnitude na população Thanise Sabrina Souza Santos aluna de doutorado do Programa de Pós Graduação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR GILSON FERREIRA DA SILVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR GILSON FERREIRA DA SILVA 1 Requerimento nº 006/2013 Autor: Vereador Gilson Ferreira da Silva Assunto: Solicitar a implantação de academias ao ar livre, em logradouros públicos compatível com o projeto nos bairros do Município

Leia mais

Grãos integrais no Plano de Ação europeu sobre Alimentação e nutrição

Grãos integrais no Plano de Ação europeu sobre Alimentação e nutrição Margarida Moreira dos Santos João Breda Programa de nutrição, Actividade Física e Obesidade Gabinete Regional para a europa Organização Mundial de Saúde Perspectivas Grãos integrais no Plano de Ação europeu

Leia mais

Composição de alimentos por 100 gramas Fonte: Tabela nutricional da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas)

Composição de alimentos por 100 gramas Fonte: Tabela nutricional da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) Composição de alimentos por 100 gramas Fonte: Tabela nutricional da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) Cereais e derivados Arroz, integral, cru 12 359 1502 8 2 0 78 5,0 Arroz, tipo 1, cru 13 359

Leia mais

A introdução da alimentação infantil

A introdução da alimentação infantil A introdução da alimentação infantil Turma do Giz de Cera O leite materno deve alimentar exclusivamente a criança até o 6 mês de vida, depois disso as necessidades nutricionais são outras e devemos introduzir

Leia mais

O Guia Alimentar para a População Brasileira e a Produção de Alimentos - agenda para ampliação de escolhas alimentares mais saudáveis

O Guia Alimentar para a População Brasileira e a Produção de Alimentos - agenda para ampliação de escolhas alimentares mais saudáveis O Guia Alimentar para a População Brasileira e a Produção de Alimentos - agenda para ampliação de escolhas alimentares mais saudáveis Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção

Leia mais

CARDÁPIOS DEZEMBRO NECESSIDADES ALIMENTARES ESPECIAIS LOTES: 1,3 e 5

CARDÁPIOS DEZEMBRO NECESSIDADES ALIMENTARES ESPECIAIS LOTES: 1,3 e 5 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIAE- DIRETORIA DE APOIO AO ESTUDANTE GEALI GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Rua Antonio Luz, 111, Centro, Fpolis/SC, 88.010-410 CARDÁPIOS DEZEMBRO

Leia mais

Semana da Alimentação

Semana da Alimentação Agrupamento de Escolas André Soares Bibliotecas Escolares do Agrupamento Projeto de Promoção e Educação para a Saúde PES Semana da Alimentação Alimentação e Saúde Investe em ti Alimentação saudável, o

Leia mais

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Introdução Para ter uma qualidade de vida favorável, com boa saúde e manter-se ativo, além dos cuidados diários com medicações, acompanhamento

Leia mais

OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES

OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES OBESIDADE AUMENTA EM ATÉ 40% RISCO DE SETE TIPOS DE CÂNCER EM MULHERES Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 14-Mai-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 14/05/2015 Estudo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos Projeto Clube de Nutrição julho de 2013 1. Enquadramento A Obesidade é provavelmente o maior problema, relacionado com a saúde, que a sociedade moderna apresenta.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

EXTERNATO SANTO ANTÔNIO CARDÁPIO MAIO 2016

EXTERNATO SANTO ANTÔNIO CARDÁPIO MAIO 2016 EXTERNATO SANTO ANTÔNIO 1ª SEMANA 02/05 (segunda-feira) 03/05 (terça-feira) 04/05 (quarta-feira) 05/05 (quinta-feira) 06/05 (sexta-feira) Ovomaltine Yakult Leite com achocolatado Leite de soja Leite com

Leia mais

CARDÁPIO PERÍODO INTEGRAL

CARDÁPIO PERÍODO INTEGRAL Semana 1 JUNHO - 2016 01/06 02/06 Arroz, feijão, coxinha de frango ao molho, quiabo Sucos: Opção 1- uva refogado, farofa doce. Salada: alface, tomate, abobrinha refogada Pão de batata recheado / biscoito

Leia mais

Cenário do consumo de sódio no Brasil

Cenário do consumo de sódio no Brasil Cenário do consumo de sódio no Brasil Estudo elaborado com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 1 Edmundo Klotz Presidente Junho de 2013. Abia - Associação Brasileira

Leia mais

FAÇA DO MEU LANCHE UM ARCO-ÍRIS COLORIDO DE SABORES E ALIMENTOS SAUDÁVEIS!

FAÇA DO MEU LANCHE UM ARCO-ÍRIS COLORIDO DE SABORES E ALIMENTOS SAUDÁVEIS! FAÇA DO MEU LANCHE UM ARCO-ÍRIS COLORIDO DE SABORES E ALIMENTOS SAUDÁVEIS! DESCUBRA AS DELICIOSAS RECOMENDAÇÕES DA SREC!... CONTEXTUALIZAÇÃO: Decorrente da implementação do pagamento das refeições escolares

Leia mais

V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS. Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS

V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS. Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS V SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE A REDUÇÃO DO CONSUMO DE SÓDIO NO BRASIL SÓDIO EM ALIMENTOS Silvana do Couto Jacob INCQS / FIOCRUZ / MS Brasília, 25 de dezembro de 2013 Instituto Nacional de Controle de Qualidade

Leia mais