PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO"

Transcrição

1 RELATÓRIO FINAL TÉCNICO CIENTÍFICO CHAMADA PÚBLICA 003/2004 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Contrato Nº: /056 FCTP: /051 Título do Projeto: ORGANIZAÇÕES QUE APRENDEM SAÚDE UM MODO DE GERENCIAR A MUDANÇA DO MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE: pesquisaação em município de pequeno e médio porte Coordenador (a) /Beneficiário (a): RUTH TEREZINHA KEHRIG Município1 de Execução da Pesquisa: Água Doce SDR1: JOAÇABA Município2 de Execução da Pesquisa: Concórdia SDR2: CONCÓRDIA Instituição Executora: UNOESC CNPJ: / Instituições CoExecutoras: Secretaria Municipal da Saúde de Água Doce Secretaria Municipal da Saúde de Concórdia CNPJ: / CNPJ: / Instituição(ões) Participante(s): Município1 de Execução da Pesquisa: Conselho Municipal de Saúde de Água Doce CNPJ: isento Município2 de Execução da Pesquisa: Conselho Municipal de Saúde de Concórdia CNPJ: isento Prazo de Vigência do Projeto: Início 09/01/2006 e Término 31/12/2007 Apoio Financeiro: Total recebido R$ ,04 FAPESC: SES: CNPq: Tema/Linha Temática: Gestão descentralizada do SUS Articulação e integração da gestão e qualificação do SUS 2 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA A Natureza da pesquisa Básica Aplicada/Estratégia Tecnológica B Tipo de Pesquisa Predominante Pesquisa Clínica Pesquisa de Laboratório Pesquisa em Saúde Coletiva Desenvolvimento Tecnológico 1

2 C Classificação do Resultado da Pesquisa Processo saúdedoença Gestão e planejamento em saúde Regulação em saúde Avaliação de políticas de saúde, programas e serviços Trabalho em saúde Controle e participação social Recursos humanos em saúde pública Insumos Políticas públicas e saúde Sistemas de pesquisa em saúde Informação e comunicação em saúde Bioética Avaliação de tecnologia em saúde Biossegurança Biotecnologia Economia em saúde 3 EECUÇÃO DO PROJETO A Ocorreu alteração dos objetivos propostos e /ou aprovados? SIM ( ) NÂO( ) Caso SIM, Justifique: B Quais os objetivos propostos e os objetivos alcançados? Justifique: B1 Os objetivos geral e específicos propostos no projeto aprovado constam a seguir. Objetivo geral: Desenvolver, através de pesquisaação em um município catarinense de pequeno porte e outro de médio porte, um modelo de gestão da mudança em saúde de acordo com os princípios e diretrizes do SUS Sistema Único de Saúde, apoiandose na proposição da aprendizagem organizacional. Objetivos específicos: 1) Descrever as práticas instituídas de planejamento e gestão de saúde no município. 2) Construir um processo de planejamento e gestão estratégica de saúde, orientado para a aprendizagem da mudança implicada, com participação da equipe de trabalhadores na saúde e sociedade civil organizada. 3) Desenvolver um modelo de aprendizagem organizacional em saúde para orientar a própria gestão municipal de saúde, desencadeando processos e infraestrutura construtores da aprendizagem organizacional em saúde. 4) Aplicar o modelo de aprendizagem organizacional em saúde desenvolvido para alinhamento da execução dos princípios e diretrizes do SUS, destacando o espaço das estratégias emergentes no monitoramento do sistema de gestão. 5) Avaliar o processo de gestão da organização que aprende saúde implementado. 6) Desenvolver um protótipo de aprendizagem organizacional em saúde para direcionar sua gestão no município de pequeno e médio porte, aplicável nas regiões do Oeste e potencialmente em todo o Estado de Santa Catarina. B2 Objetivos alcançados O objetivo geral foi realizado, tendo sido devidamente alcançados os objetivos específicos de números um a três, e, parcialmente, os objetivos específicos quatro, cinco e seis. 2

3 B3 Justificativa A execução do projeto sofreu diversos problemas de solução de continuidade no seu último semestre, ficando comprometidos os objetivos programados para o momento final da pesquisa, quais sejam: aplicar o modelo desenvolvido, avaliar o processo de gestão implementado e desenvolver um protótipo tomando por base a experiência da pesquisa. C Indique a taxa percentual de sucesso do projeto (objetivos alcançados/propostos) em relação ao cronograma da proposta (valor 0 a 100), Justifique: Obtevese 70% de taxa percentual de sucesso do projeto, pois a metade dos objetivos específicos foi integralmente realizada, e a outra metade apenas parcialmente. Como também, o cronograma proposto somente em suas etapas finais teve sua execução seriamente comprometida. Isso deveuse à impossibilidade operacional de a coordenação da pesquisa poder cumprir a programação, haja vista a falta de recursos de custeio sequer para deslocarse aos municípios, uma vez que a contrapartida da instituição executora também não se cumpriu. Somente foi possível dar prosseguimento à pesquisa graças ao interesse e contribuição pessoal das pesquisadoras e das secretarias municipais da saúde onde se realizaram os trabalhos. Assim é que, por exemplo, até o momento existe pendência de autorização do pagamento de fotocópias junto à Central de Cópias da Unoesc, que como as demais despesas de custeio do último semestre, foram deixadas por conta da boavontade pessoal da coordenação da pesquisa. D Houve interação com outra(as) instituição(ões)? SIM ( x ) NÃO( ) Estava previsto inicialmente no projeto? SIM ( x ) NÃO( ) Caso SIM, Indique as instituições participantes e quais são os indicadores da cooperação (análise de material, publicações, apresentações em eventos científicos, entre outros): SMS de Água Doce abertura incondicional do processo gestor às finalidades da pesquisa e apoio material à sua execução. CMS de Água Doce abertura incondicional do processo gestor às finalidades da pesquisa. SMS de Concórdia abertura parcial do processo gestor às finalidades da pesquisa e apoio material à sua execução. CMS de Concórdia abertura parcial do processo gestor às finalidades da pesquisa. E Indique as dificuldades observadas na execução do projeto: SIM NÃO Atraso na contratação do Projeto SIM NÃO Atraso na indicação de bolsistas SIM NÃO Necessidade de reestruturação de metas SIM NÃO Manutenção de equipamentos SIM NÃO Aquisição de material de consumo SIM NÃO Atraso na liberação dos recursos SIM NÃO Atraso na importação dos equipamentos SIM NÃO Evasão do pessoal técnico SIM NÃO Reestruturação orçamentária 3

4 Outras: Demissão do coordenador da pesquisa junto à instituição de vínculo empregatício, e o conseqüente não cumprimento da contrapartida pela instituição de execução do projeto (ver contrato de solução de continuidade em anexo). F Houve alteração na equipe inicial de pesquisadores/técnicos? SIM( ) NÂO( ) Caso SIM, quais os motivos e o que representou tal alteração em relação aos objetivos originais? Com a demissão do funcionário de apoio técnico programado, a realização das ações deuse sem qualquer apoio técnico e de secretaria do processo, sobrecarregando sobremaneira a coordenação da pesquisa individualmente. Equipe Participante da Pesquisa Nome Titulação Instituição de Vínculo Empregatício Ruth Terezinha Kehrig Doutor em Saúde Pública UNOESC / ASSESC Andréa Macagnan Especialista em Gestão SMS de Água Doce Isabel Cristina Guedes Piccoli Mestre em Saúde Coletiva SMS de Concórdia G O projeto recebeu recursos de outras fontes? SIM( ) NÂO( ) Caso SIM, indique as fontes: 4 EECUÇÃO FINANCEIRA Recursos Liberados Recursos Gastos Saldo (devolvido) Total Capital , ,00 0 Total Custeio , ,73 8,31 Saldo Total , ,73 8,31 Data da Informação 23/06/08 23/06/08 23/06/08 5 EQUIPAMENTOS E MATERIAL PERMANENTE (listar os equipamentos e materiais permanentes adquiridos com especificação completa: marca, modelo, série, acessórios, etc.): MARCA MODELO SÉRIE ACESSÓRIOS Micro computador Apple imac GHz 512MB 160GB SuperDrive/ATI Radeon MB/AP/BT Projetor Sony VPLC21 Estojo e cabos Câmera digital Sony Cybershot DSC Carregador e bateria T100 4

5 6 PERSPECTIVA DE IMPACTO DO PROJETO (Avalie as perspectivas de impacto do projeto para cada um dos quesitos abaixo, dando notas de 1(nenhuma contribuição) a 5(alta contribuição). Marque NA quando o quesito não se aplicar ao projeto. A CIENTIFICO NA Geração de Novos conhecimentos Geração de avanço/inovação experimental Geração de conhecimento passível de difusão Formação e capacitação de recursos humanos Formação de novos grupos e centros de pesquisa Caracterizar o(s) impacto(s) alcançado(s): A relevância do modelo gestor proposto pela pesquisa organizações que aprendem saúde devese à sua originalidade em termos de geração de nova aplicação de conhecimento. A simples publicação dos resultados da pesquisa torna sua aplicação passível de difusão e uso na formação e capacitação dos recursos humanos de saúde. Houve formação de um novo grupo de pesquisa com a participação das pesquisadoras de campo. Publicações projeto de redação de artigo projeto de redação de artigo projeto de redação de artigo projeto de redação de artigo Data/Local da Publicação Título (aproximativo) Organizações que aprendem saúde: afinidades propositivas extraídas de Peter Senge, Paulo Freire e Ricardo Bruno Mendes Gonçalves para uma via pedagógica na gestão de saúde. O processo de construção de um modelo emergente de gestão organizações que aprendem saúde: similitudes e diferenças entre município de pequeno e médio porte expressas em pesquisaação realizada no interior de Santa Catarina. Potencialidades de transformar uma secretaria municipal de saúde do meiooeste de SC em organização que aprende: o caso de Água Doce. Carências para transformar uma secretaria municipal de saúde do meiooeste de SC em organização que aprende: o caso de Concórdia. B TECNOLÓGICO/INOVATIVO NA Geração de novas tecnologias Otimização de processos de produção Possibilidades de obtenção de patentes Agregação de vantagens competitivas do setor Introdução de novos métodos de gestão tecnológica Transferência tecnológica para o setor Caracterizar o(s) impacto(s) alcançado(s): O modelo proposto tem potencial a testar em termos de otimização dos processos de produção no fazer saúde por conta dos municípios brasileiros no SUS. Propõese objetivamente a introdução desse novo método de gestão tecnológica no SUS as organizações que aprendem saúde. 5

6 C ECONOMICO/SOCIAL NA Melhoria da qualidade de vida da população Insumos para políticas públicas Redução das desigualdades sociais Redução das importações Agregação de valor a produtos e processos Geração de empregos Desenvolvimento regional Caracterizar o(s) impacto(s) alcançado(s): O modelo de gestão proposto hipoteticamente aumenta o potencial de ações de promoção da saúde e conseqüente melhoria da qualidade de vida da população dos municípios envolvidos. Tratase de importante insumo tecnológico para a gestão de políticas públicas de saúde. E, hipoteticamente tem um importante potencial de agregação de valor aos produtos e processos do fazer saúde no SUS, gerando benefícios ao respectivo desenvolvimento regional. D INDUSTRIAL/COMERCIAL NA Criação de novas empresas no setor Sustentabilidade das empresas do setor Lançamento de novos produtos Redução dos custos de produção do setor Melhoria da qualidade dos produtos Criação de novos mercados Redução de barreiras técnicas Caracterizar o(s) impacto(s) alcançado(s): E AMBIENTAL NA Racionalização do uso de matérias primas Redução do consumo energético Redução da geração de resíduos Caracterizar o(s) impacto(s) alcançado(s): F SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA Subsidio ao aperfeiçoamento da Política Nacional de Saúde Contribuição para avaliação de Modelo de Atenção Apropriação/incorporação dos resultados pelos serviços Melhoria da gestão, organização e qualidade dos serviços Redução da morbimortalidade relacionada ao agravo estudado Redução dos custos de atendimento Aumento da cobertura de serviços Incorporação de tecnologias e novos processos de atenção Desenvolvimento e aplicação de protocolos clínicos Melhoria da relação custoefetividade de tecnologias Caracterizar o(s) impacto(s) alcançado(s): A proposição das organizações que aprendem saúde constituise em instrumental tecnológico para subsidiar o aperfeiçoamento da política municipal de saúde no âmbito da sua gestão municipal. Colocase como contribuição para os processos de autoavaliação do modelo de atenção de saúde por seus sujeitos inseridos nas secretarias de saúde dos municípios. Houve apropriação dos resultados pelos sujeitos dos municípios participantes do processo de 6

7 pesquisa e tem potencial a testar para sua incorporação por outros serviços de saúde. A melhoria do processos processos de gestão, organização e qualidade dos serviços foi concomitante às ações realizadas até onde foi possível avaliar. 7 CONCLUSÕES A partir da instituição de um processo participativo de gestão em saúde nos municípios pesquisados, foi construída uma proposição de modelo gerencial para orientar a mudança necessária nos sistemas e serviços de saúde em município de pequeno e médio porte, cujo desenho e desenvolvimento realizaramse através do próprio processo de pesquisa. A experiência de abertura e construção de um processo de mudança das práticas gerenciais de uma secretaria municipal de saúde ancorada em um processo de consultoria, no caso efetivada mediante a pesquisaação, evidenciou sobremaneira o papel altamente estratégico de liderança(s) do próprio local para a coordenação dos trabalhos junto com a coordenação da pesquisa. Nesse sentido revelouse determinante dos resultados do processo de mudança promovido pela ação de pesquisa, a postura do gestor municipal de saúde. Tanto a democratização da prática gestora como o seu apoio à autonomia das chefias intermediárias e das próprias equipes, articuladas entre si na perspectiva da viabilização do seu planejamento, revelaramse indispensáveis ao êxito de projeto dessa natureza. O saber expresso enquanto referência das falas e propostas dos profissionais de saúde contém a possibilidade de materializarse em prática de saúde mediante a sua aprendizagem em equipe. O saber operatório se expressa nas práticas de saúde como resultado do aprendizado organizacional, que constrói uma visão compartilhada e uma prática coerente em termos de saberes e fazeres cotidianos do quehacer nas unidades de saúde. A continuidade dos estudos tornase imperiosa no contexto abordado, indicando a necessidade de avaliar o processo de gestão estratégica em saúde desenvolvido e testar o modelo proposto para complementar e aperfeiçoar o seu desenho, viabilizandose assim a elaboração e desenvolvimento de um protótipo de mapas estratégicos de saúde para direcionar a gestão de saúde em município de pequeno e médio porte, potencialmente aplicável no estado de Santa Catarina e nos municípios brasileiros em condições similares. À guisa de conclusão destacase que assim como a mudança do modelo de atenção à saúde tem um significativo conteúdo educativo, a efetividade da gerência na transformação organizacional tende a se processar pelo aprendizado, sustentandose na via pedagógica, ao assumir o caráter educativo de seu conteúdo. Esta é uma hipótese teórica: a educação é a via privilegiada para gerenciar a mudança do modelo de atenção à saúde. Assim se fundamenta a abordagem propositiva de organizações que aprendem saúde. Este é um campo a construir. Daí a importância e oportunidade da criação de laboratórios de estudo e pesquisaação sobre organizações em aprendizagem que se implementam nos movimentos de mudança do modelo de atenção à saúde. Seriam Laboratórios de Aprendizado voltados à organização dos sistemas municipais de saúde, em projetos de cooperação entre universidades e serviços de saúde, que possam ser aprimorados em articulações com o Conselho Estadual de Saúde e a Comissão Intergestores Bipartite. Se se espera dos municípios a efetivação dos princípios e diretrizes do SUS, a sua transformação organizacional é condição para se efetivar a mudança do modelo de atenção traduzido nos serviços prestados. Além da necessidade de estudos empíricos, pelas características do propósito colocado, existe um indicativo de pesquisaação, como forma de fundamentar a produção teórica sobre a mudança estratégica na saúde. Nos desdobramentos de laboratórios de pesquisa propõese criar oportunidades de expandir as produções da teoria organizacional, com ênfase na temática da gestão da mudança estratégica, em suas potencialidades de aplicação na atenção à saúde coletiva. No componente também tecnológico de organização da condução e gerência dos processos de trabalho em saúde, de forma inspirada na pedagogia da esperança (Freire 2001) e no saber operante (MendesGonçalves 1994), os resultados da pesquisa propõe um pensar sobre a formatação dos saberes educativos operantes das práticas gerenciais de mudança do modelo de atenção à saúde. 7

8 Como hipótese de continuidade dos estudos sugerimos que cada uma das dimensões constitutivas dos modelos de atenção à saúde, articuladas num eixo político, organizacional e tecnológico, tem um saber operante próprio. Novos saberes são necessários nessa composição, pautados na reflexão crítica sobre a prática, com reconhecimento da identidade cultural, enfim, todos saberes necessários à prática educativa na perspectiva de quem aprende. Se na saúde somos vanguarda nos fundamentos pedagógicos da prática profissional, vamos explicitar nossa inserção nesse espaço de aprendizado coletivo. Temos a contribuir com nossa experiência. E sendo ajudados, aprofundar a reflexão sobre as nossas vivências, limitações, necessidades e contribuições. Qual é a questão fundamental que esta pesquisa buscou responder ao gestor público de saúde e quais são as perspectivas de aplicação no SUS (500 a caracteres). A partir da compreensão sobre como se configura a dimensão organizacional da mudança do modelo de atenção à saúde em seu componente gerencial, a pesquisa buscou responder ao gestor público de saúde a seguinte questão fundamental: Como se configura a potencialidade da via pedagógica na prática de gestão dos serviços de saúde? Como perspectivas de aplicação dos resultados da pesquisa no SUS temse: instrumentaliza conceitualmente a coordenação da condução dos processos de trabalho em saúde; explicita importantes potencialidades da dimensão organizacional para contribuir com a construção da mudança entendida como ética e socialmente necessária no atual modelo de atenção do SUS; traduz a contribuição do modelo de gestão da learning organization para as secretarias municipais de saúde, através da decodificação das disciplinas e arquitetura do aprendizado organizacional para a gestão local de saúde; potencialmente toda secretaria municipal de saúde poderia aplicar a proposta das organizações que aprendem saúde, desde que interessadas em aprender a construir e efetivar a mudança do modelo de atenção segundo os princípios e diretrizes do SUS. Observação: O Relatório Técnico circunstanciado da pesquisa foi entregue no setor de protocolo da FAPESC aos 16/06/2008. Florianópolis, 25 de junho de Beneficiária da Pesquisa Ruth Terezinha Kehrig Reitor UNOESC 8

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO CHAMADA PÚBLICA 003/2004 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Contrato Nº.: 14599/2005-8 FCTP: 0909/050 Título do Projeto: Sistema de

Leia mais

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO CHAMADA PÚBLICA 008/2006 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Contrato Nº.: FCTP:2395/061 Título do Projeto: AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO CHAMADA PÚBLICA 008/2006 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Contrato Nº.: CON05794/2007-0 FCTP:2324/067 Título do Projeto: Saúde e Uso

Leia mais

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO CHAMADA PÚBLICA 003/2004 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Contrato Nº.: 14793/2005-1 FCTP: 0911/054 Título do Projeto: Modelagem dos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO. CHAMADA PÚBLICA 008/2006 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS

RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO. CHAMADA PÚBLICA 008/2006 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO CHAMADA PÚBLICA 008/2006 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Contrato Nº.: CON05776/2007-2 FCTP:2375/060 Título do Projeto: A CARGA DE

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC

PPSUS PROGRAMA PESQUISA PARA O SUS: Gestão compartilhada em saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SC RELATÓRIO FINAL TÉCNICO- CIENTÍFICO CHAMADA PÚBLICA 003/2004 MS/CNPq/FAPESC/SES PESQUISA PARA O SUS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Contrato Nº.: 14598/2005-0 FCTP: 0902/055 Título do Projeto: PROQUALY -

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar a apresentação, tramitação, aprovação, execução,

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1

CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1 CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1 O sistema de serviços de saúde é um sistema complexo, composto por diferentes atores sociais,

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC)

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão da Estratégia com uso do BSC Conteúdo para impressão Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) Brasília 2014

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

EDITAL 004/2015 PARA PROGRAMA DE DEMANDA DE FINANCIAMENTO DE PROJETO UNIVERSAL DA FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR

EDITAL 004/2015 PARA PROGRAMA DE DEMANDA DE FINANCIAMENTO DE PROJETO UNIVERSAL DA FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR EDITAL 004/2015 PARA PROGRAMA DE DEMANDA DE FINANCIAMENTO DE PROJETO UNIVERSAL DA FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR A Faculdade Independente do Nordeste FAINOR, atendendo ao compromisso de incentivar

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº 43 /2014 Segunda Chamada para seleção de bolsistas de Extensão para o período de 1º de junho de 2014 a 31

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas

ANEXO C.1. Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Proposta de Projeto ANEXO C.1 Formulário de Apresentação de Projetos das Empresas Carta de Encaminhamento Ao (Nome do Agente Financeiro) Encaminhamos, em anexo, a proposta do projeto ao programa INOVACRED.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

P lano T erritorial de Q ualificação Social e P rofissional do E stado de Santa Catarina

P lano T erritorial de Q ualificação Social e P rofissional do E stado de Santa Catarina ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL, TRABALHO E RENDA SST DIRETORIA DA JUVENTUDE, TRABALHO, EMPREGO E RENDA DJER COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SINE/SC SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO -

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde TÍTULO DO PROJETO Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU Dário Nunes dos Santos Guarulhos Agosto/2012

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. 1ª Reuniao de Gestão Ampliada Reitoria, 18-9-2013

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. 1ª Reuniao de Gestão Ampliada Reitoria, 18-9-2013 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 1ª Reuniao de Gestão Ampliada Reitoria, 18-9-2013 Pauta 1)Introdução: Cronograma Geral da Fase III do PDI e da elaboração do capítulo 3 - Planejamento Estratégico Objetivos da

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA - FAMEB 199 anos Grupo Gestor do Projeto Pró-Saúde (Ministério da Saúde FAMEB/UFBA) Pavilhão de Aulas da FAMEB, Av. Reitor Miguel Calmon Campus

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz.

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Objeto Desenvolver Projeto para a implementação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo no Cecal. Introdução:

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

Indicadores de Resultados em Organizações Não governamentais

Indicadores de Resultados em Organizações Não governamentais RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS PRIORITÁRIAS DA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM (PNAISH)

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Edital MCT/CNPq/CT-Mineral nº 01/2003

Edital MCT/CNPq/CT-Mineral nº 01/2003 Edital MCT/CNPq/CT-Mineral nº 01/2003 Seleção pública de propostas para apoio a projetos de pesquisa para o desenvolvimento de metodologias de prospecção geoquímica aplicáveis às especificidades da Amazônia

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS Maria do Carmo Aparecida de Oliveira - (41) 3350-9565 - - - IMAP -

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes EDITAL Nº 1/2014 Chamada para Publicação Revista Brasileira de Pós-Graduação RBPG Edição Temática: A Cooperação Internacional e a Pós-Graduação

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

Relatório da Consulta Pública do Planejamento Estratégico

Relatório da Consulta Pública do Planejamento Estratégico Relatório da Consulta Pública do Planejamento Estratégico Florianópolis, maio de 2014 Relatório da Consulta Pública do Planejamento Estratégico A consulta pública do planejamento estratégico foi lançada

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Chamada Pública Universal

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Edital CNPq nº 06/2003 Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas

Edital CNPq nº 06/2003 Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas Edital CNPq nº 06/2003 Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas O Ministério da Ciência e Tecnologia, por intermédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, torna

Leia mais

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Projetos Especiais. Coordenação Geral de Planejamento de Educação a Distância. PROGRAMA TV ESCOLA

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais