EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA Um Estudo de Caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA Um Estudo de Caso"

Transcrição

1 EMPRESA JUNIOR DE CONSULTORIA Um Estudo de Caso Valter da Silva Faia-G-UEM Anelise Krauspenhar-G-UEM José Braz Hercos Junior-UEM Resumo Empresa Junior foi o tema central deste trabalho. Os principais pontos abordados foram contextualização histórica, características e importância da Empresa Junior para o desenvolvimento de uma região. Além disso, desenvolveu-se estudo de caso, que consistiu em descrever os resultados alcançados pela Empresa ADECON- Consultoria Junior CSA/UEM, ao longo de Dentre os resultados alcançados, buscou-se também identificar se na ADECON, ao longo do período mencionado: a) houve promoção de eventos (cursos, seminários, workshops ) destinados à comunidade em geral? b) implementou-se grupos de estudos multidisciplinares? c) intensificou-se o relacionamento empresa/uem/sociedade? d) desenvolveu-se a capacidade empreendedora dos alunos? E, facilitou-se futuros profissionais a ingressarem no mercado? Introdução Atualmente, presencia-se um cenário de globalização, no qual países, em maior ou menor intensidade, abrem seus mercados para a livre entrada e saída de bens, serviços e capitais; aliado a isto, assiste-se a um desenvolvimento acelerado no âmbito da TI Tecnologia da Informação e comunicação. E, neste contexto competitivo acompanhar as inovações tecnológicas constituem-se em desafios às empresas. Na mesma linha de raciocínio, há consenso na sociedade sobre a importância das empresas no tocante a geração de empregos, renda, recolhimento de tributos, dentre outros. Portanto, o enfraquecimento das empresas implica, naturalmente, no empobrecimento das regiões em que estão inseridas, sendo que, o contrário também é verdadeiro. Assim, o desenvolvimento de uma região ocorre, principalmente por meio da dinamização da atividade empresarial que, de acordo com o IEL-Instituto Euvaldo Lodi (2000), deve ser impulsionada pelos seguintes elementos: a tecnologia, o capital, o mercado, as redes de informações e, principalmente, o empreendedor. E, com o objetivo de otimizar estes elementos, esforços devem ser empreendidos na região para a implantação de sistemassuporte, como os mencionados abaixo: Sistemas de desenvolvimento de empreendedores, como as pré-incubadoras e incubadoras de empresas, condomínios empresariais, centros de desenvolvimento,

2 2 de experimentação e teste de produtos; Sistemas de promoção da cultura empreendedora, como as empresas juniores, o ensino de empreendedorismo nas instituições de ensino superior, seminários e congressos; Sistemas de transferência de tecnologia, a exemplo dos núcleos, agências e redes; e, Sistemas de infra-estrutura de apoio, como os parques tecnológicos, fundos e investimentos e bases de informações. (IEL, 2000) Observa-se o destaque dado pelo IEL (2000) à figura do empreendedor na dinamização da atividade empresarial de uma região; e, a seguir, a menção às empresas juniores, tema deste trabalho, como um dos instrumentos de otimização dos elementos tecnologia, capital, mercado, redes de informações e empreendedor. Neste sentido, torna-se necessário entender um pouco sobre Empresas Juniores: é uma associação sem fins lucrativos, enquadrada nas formalidades cabíveis (alvará de localização, Estatuto registrado em cartório e CNPJ) e administrada por acadêmicos de graduação de estabelecimentos de ensino superior. O acadêmico ao participar de uma Empresa Junior, tem a oportunidade de vivenciar um ambiente real e dinâmico de empresa. A forma de organização da Empresa Junior, que possui normalmente em seu organograma as funções de Presidente, Diretores de Marketing, Recursos Humanos, Financeiro, Qualidade e consultores-juniores vinculados a cada um dos diretores, aliado a possibilidade dos acadêmicos de exercerem cada uma destas funções, pode propiciar aos mesmos a incorporação de características valorizadas atualmente pelo mercado e implícitas na figura do empreendedor, como trabalho em equipe, criatividade, responsabilidade, comprometimento, iniciativa, liderança, capacidade de negociação, dentre outras. O acadêmico, sob orientação de professores, tem a oportunidade de aplicar a teoria aprendida nos bancos escolares em projetos de consultoria voltados para empresas, especialmente para as micros e pequenas empresas, entidades sem fins lucrativos e comunidade em geral. Dessa maneira, a Instituição de Ensino reduz a distância que a separa da sociedade e, simultaneamente, contribui para o desenvolvimento econômico e social da região que está inserida, via projetos de consultoria desenvolvidos pelas Empresas Juniores e coloca no mercado profissionais mais qualificados. Além disso, estudos podem surgir a partir desta integração universidade-empresa-

3 3 comunidade na forma de trabalhos de conclusão de curso, relacionados às questões tecnológicas, empresariais e de mercado. É possível que os resultados alcançados possam, também, subsidiar os conteúdos programáticos pertinentes às grades curriculares dos Cursos de graduação nas diversas áreas do conhecimento. A Empresa Junior-Adecon, foco deste trabalho, é multidisciplinar, constituída por alunos graduandos da Universidade Estadual de Maringá, oriundos dos cursos de Ciências Econômicas, Ciências Contábeis e Administração. Este trabalho teve por objetivo geral apresentar os resultados alcançados pela ADECON-Consultoria Junior-CSA/UEM, ao longo de Porém, dentre os resultados alcançados, considerou-se necessário identificar se na ADECON, ao longo do período mencionado: Houve promoção de eventos (cursos, seminários, workshops ) destinados à comunidade em geral? Implementou-se grupos de estudos multi-disciplinares? Intensificou-se o relacionamento empresa/uem/sociedade? Desenvolveu-se a capacidade empreendedora dos alunos? E, Facilitou-se futuros profissionais a ingressarem no mercado: Fundamentação Teórica A primeira Empresa Júnior surgiu na ESSEC (L'Ecole Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales de Paris) no ano de 1967, em Paris na França. Os alunos criaram a Junior Entreprise, uma associação que proporcionasse uma realidade empresarial e prestasse serviços de consultoria para empresas de mercado. O conceito depois se espalhou entre as escolas de engenharia e administração da França, em seguida pelas escolas de comunicação, agronomia e outras universidades. A década de 1980 é marcada pelo fortalecimento do Movimento de Empresas Juniores na Europa. Somente nos anos de 1988 e 1989, o conceito de Empresa Junior chega ao Brasil por meio da Câmara de Comércio Franco-Brasileira. As duas primeiras Empresas Juniores criadas no Brasil foram: Empresa Júnior FGV e Júnior FAAP, respectivamente na Fundação Getúlio Vargas e na Fundação Armando Álvares Penteado. De acordo com a Brasil Junior (Confederação Brasileira de Empresas Juniores), a Empresa Júnior é, sinteticamente, uma Empresa de Consultoria gerenciada por estudantes universitários que realizam projetos e prestam serviços em suas áreas de graduação,

4 4 principalmente para micro e pequenas empresas. É uma associação civil sem fins lucrativos. A mesma, ainda, menciona que, pela estrutura de baixos custos fixos, os preços praticados são consideravelmente abaixo do preço de mercado. As Empresas Júniores se localizam no ambiente da Universidade e todos os projetos e serviços seguem orientação obrigatória de professores ou profissionais da área, com o objetivo de sempre garantir um elevado padrão de qualidade. Com relação aos aspectos jurídicos e tributários, uma empresa Junior deve estar registrada perante a Receita Federal e órgãos governamentais como uma pessoa jurídica, de direito privado, associação civil sem finalidades econômicas e com fins educacionais. Desta forma, toda a legislação e tributação federal, estadual e municipal inerente a esta classificação decaem sobre a Empresa Júnior. Assim, uma Empresa Junior deve ter seu Estatuto registrado em Cartório e CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) próprio. Além disso, para o devido funcionamento da Empresa Junior, suas instalações devem estar amparadas por um Alvará expedido pela Prefeitura Municipal. Os principais objetivos da Empresa Junior, segundo Guimarães et al (2003) são: Proporcionar ao estudante a aplicação prática de conhecimentos teóricos, relativos à área de formação profissional específica; Desenvolver o espírito crítico, analítico e empreendedor dos alunos; Contribuir com a sociedade através de prestação de serviços, proporcionando ao micro, pequeno e médio empresário um trabalho de qualidade a preços acessíveis; Intensificar o relacionamento empresa-escola; Facilitar o ingresso de futuros profissionais no mercado, colocando-os em contato direto com o seu mercado de trabalho. Ao analisar os objetivos da existência da Empresa Junior, citados por Guimarães et al (2003), percebe-se como a disseminação deste instrumento, nas diversas áreas de atuação, pode beneficiar simultaneamente, acadêmicos de graduação, instituições de ensino e, especialmente, a comunidade em geral. Metodologia De acordo com VERGARA (1998), há dois critérios básicos para definição do tipo de pesquisa. Quanto aos fins e quanto aos meios de investigação.

5 5 Quanto aos fins, uma pesquisa pode ser: a) exploratória; b) descritiva; c) explicativa: d) metodológica; e) aplicada; e, f) intervencionista. Sendo assim, enquadrou-se esta pesquisa como exploratória. A investigação exploratória é realizada em área na qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado. Por sua natureza de sondagem, não comporta hipóteses que, todavia, poderão surgir durante ou ao final da pesquisa. (VERGARA, 1998) Já, quanto aos meios de investigação, a autora cita: a) pesquisa de campo; b) pesquisa de laboratório; c) telematizada; d) documental; e) bibliográfica; f) experimental; g) ex post facto; h) participante; i) pesquisa-ação; j) estudo de caso. Portanto, este trabalho caracterizou-se por um estudo de caso, visto estar circunscrito a uma empresa e, ter caráter de profundidade e detalhamento. Também baseou-se em pesquisa bibliográfica (livros, revistas, e Internet) e investigação documental. Resultados Obtidos O objetivo geral deste de trabalho foi apresentar os resultados alcançados pela ADECON-Consultoria Junior-CSA/UEM, ao longo de Porém, para atingir tal objetivo, procurou-se identificar se na ADECON, ao longo do período mencionado: 1- Houve promoção de eventos (cursos, seminários, workshops ) destinados à comunidade em geral? Isto foi alcançado por meio dos seguintes eventos realizados pela Adecon no ano de 2005: a) Curso de Informática (Sistema Operacional Windows; Editor de Texto Word e Planilha eletrônica Excel) Iniciado em abril de 2005, com duração de 16 horas. Ministrado pelo Prof. Msc. José Braz Hercos Junior e destinado, simultaneamente, aos membros da ADECON e comunidade universitária. b) Processo de seleção Realizado em maio de Aberto para acadêmicos dos cursos de Ciências Contábeis, Ciências Econômicas e Administração. Tanto a palestra informativa (no Anfiteatro Ney Marques) como as avaliações (prova escrita, dinâmicas e entrevistas), foram conduzidas pelos próprios membros da ADECON, com apoio de uma docente do Curso de Psicologia do Cesumar (Centro de Ensino Superior de Maringá). c) Posicionamento Competitivo (Treinamento) Ministrado em 05/07/2005, pelo Prof. Dr. Neio Lúcio Peres Gualda do Departamento de Economia da UEM e destinado aos

6 6 membros da ADECON. d) Linhas de Créditos Bancários e Programas de Crédito do Governo Federal (Treinamento) Ministrado em 20/07/2005 por José Rubens Martins de Araújo, Gerente da Caixa Econômica Federal. e) Semana do Calouro Junior a partir do dia 05/08/2005. Evento de boas vindas para os novos membros aprovados no último processo seletivo. Consistiu em treinamentos ministrados por ex-membros e membros antigos da Empresa Junior. Também contou com treinamento ministrado pelo Prof. Msc. Vicente Chiaramontes Pires do Departamento de Administração da UEM. f) Produção (Treinamento) Ministrado em 22/09/2005, pelo Prof. Dr. José Paulo de Souza, do Departamento de Administração da UEM. g) Diagnóstico Empresarial (Treinamento) Ministrado em 11/10/2005 pela Prof a Msc. Rosângela Mazzia Inocêncio Rodrigues, do Departamento de Administração da UEM. h) Planilha Eletrônica Excel voltada para Sistemas Gerenciais (Treinamento) Ministrado em 19/11/2005 pelo Prof. Msc. José Braz Hercos Junior, do Departamento de Ciências Contábeis da UEM. i) Ética Empresarial (Treinamento) Ministrado em 22/11/2005 pelo Prof. Dr. Walter Lúcio de Alencar Praxedes, do Departamento de Ciências Sociais da UEM. j) Evento de Conotação Social Promovido no dia 05 de dezembro de 2005 no Bloco G67. Consistiu na apresentação de danças (por alunos da UEM) e case (pela ECAE- Empresa Júnior de Consultoria de Economia da UEL). Os ingressos foram cobrados na forma de alimentos e brinquedos, os quais foram destinados ao Lar Betânia de Maringá, entidade filantrópica que abriga crianças de 0 a 11 anos, vítimas de violência familiar, e/ou órfãos. 2- Implementou-se grupos de estudos multidisciplinares? Este objetivo foi alcançado nas consultorias realizadas. Como são três consultores juniores escalados para o desenvolvimento de cada consultoria, procurou-se indicar um acadêmico de cada curso. Portanto os estudos empreendidos, na medida do possível, foram realizados por acadêmicos oriundos de cada um dos cursos. 3- Intensificou-se o relacionamento UEM/Empresa/Sociedade? Este objetivo foi alcançado mediante: a) Curso de Informática ministrado pelo Prof. Msc José Braz Hercos Junior (citado no item 1); foram abertas inscrições, simultaneamente, aos membros da ADECON e demais

7 7 acadêmicos da Universidade, focado especialmente para as áreas de administração, economia e contábeis. b) Evento de Conotação Social (citado no item 1); intensificou relacionamento UEM/sociedade, via apoio entidades filantrópicas. Além do evento promovido, membros da ADECON realizam periodicamente visitas ao Lar Betânia de Maringá, visando uma convivência mais próxima com as crianças que lá residem. c) Realização de processo de seleção para ingresso na Empresa Junior (citado no item 1); foram abertas inscrições aos acadêmicos da UEM, dos cursos de Administração, Ciências Econômicas e Ciências Contábeis. d) Contratação e desenvolvimento de sete consultorias, abrangendo finanças, plano de cargos e salários, treinamento de recursos humanos e marketing, todas destinadas a micro e pequenas empresas. É importante mencionar que ainda houve negociação para contratação de outras seis consultorias, porém, sem sucesso. e) Criação do Site (www.adecon.uem.br), que pode receber visitas de qualquer membro da comunidade. 4- Desenvolveu-se a capacidade empreendedora dos alunos? A Junior Consultoria constitui-se em um ambiente empresarial, que possibilitou a seus membros, em 2005, o desenvolvimento de qualidades consideradas fundamentais para a formação de capacidade empreendedora, como: Responsabilidade Espírito de equipe Liderança Iniciativa Criatividade Comprometimento 5- Facilitou-se futuros profissionais a ingressarem no mercado? Em função da ADECON ser uma entidade que abrange três áreas de conhecimento: Administração, Ciências Econômicas e Ciências Contábeis, naturalmente há participação de acadêmicos de ambos os cursos, o que estimula portanto a interdisciplinariedade. O desenvolvimento de consultorias ao longo de 2005 estimulou os acadêmicos a aplicarem o conhecimento teórico à realidade de empresas ligadas ao comércio, indústria e serviços, proporcionando aos mesmos o desenvolvimento de atividades em ambientes reais e

8 8 dinâmicos da atividade profissional. Portanto, esta vivência empresarial propicia, como citado no item anterior, o desenvolvimento de qualidades consideradas fundamentais para a formação de capacidade empreendedora. Este diferencial adquirido com a participação na Empresa Junior, facilita aos acadêmicos seu ingresso no mercado de trabalho. Conclusões Ao longo do ano de 2005, os acadêmicos participantes da ADECON vivenciaram um ambiente real e dinâmico de empresa, onde puderam exercitar características requeridas atualmente pelo mercado de trabalho e implícitas na figura do empreendedor, como responsabilidade, espírito de equipe, liderança, iniciativa, criatividade, comprometimento, dentre outras. Beneficiaram-se de diversos cursos/treinamentos ministrados por profissionais qualificados, oriundos em sua maioria da Universidade Estadual de Maringá. Tiveram também a oportunidade de aplicar a teoria aprendida nos bancos escolares em projetos de consultorias voltados especialmente para as pequenas empresas. O social não foi esquecido pelos membros da ADECON que, ao longo de 2005, apoiaram a Entidade filântrópica Lar Betânia de Maringá. Portanto, ao longo 2005, a Adecon-Consultoria Junior propiciou benefícios simultâneos para: a instituição Universidade Estadual de Maringá, aos acadêmicos participantes e a comunidade em geral. Referências BRASIL JUNIOR Confederação Brasileira de Empresas Juniores. Acessado site: em 15/03/2006. GUIMARÃES, Luís Guimarães; SENHORAS, Elói Martins; TAKEUCHI, Katiuchia Pereira. Empresa Júnior e Incubadora Tecnológica: duas facetas de um novo paradigma de interação empresa-universidade. In: Anais do X SimpEP/2003 Simpósio de Engenharia de Produção. Bauru: UNESP, 2003, v. VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1998.

BENEFÍCIOS PROPORCIONADOS POR EMPRESAS JUNIORES DE CONSULTORIA UM ESTUDO DE CASO

BENEFÍCIOS PROPORCIONADOS POR EMPRESAS JUNIORES DE CONSULTORIA UM ESTUDO DE CASO BENEFÍCIOS PROPORCIONADOS POR EMPRESAS JUNIORES DE CONSULTORIA UM ESTUDO DE CASO Valter da Silva Faia (G-UEM) Pedro Luiz Nitoli (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Paulo Moreira da Rosa (UEM) Resumo

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 PACHECO, Jean Alves 2 ; CARDOSO, Fernando Assunção 3 ; YAMANAKA, Lie 4 Palavras-chaves: Empresa Júnior, extensão,

Leia mais

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização.

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização. DESENVOLVIMENTO DE CONTROLES GERENCIAIS EM LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI UM ESTUDO DE CASO Jazmín Figari de la Cueva (G-UEM) Vitor Nogame (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Resumo A Adecon-Empresa

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA?

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O IEL O Instituto Euvaldo Lodi é uma entidade vinculada à CNI - Confederação Nacional da Indústria. Com 101 unidades em 26 estados e no Distrito

Leia mais

O Curso de Administração da ESAG. Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2

O Curso de Administração da ESAG. Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2 O Curso de Administração da ESAG Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2 Missão da ESAG A ESAG tem por missão realizar o ensino, a pesquisa, a extensão, de modo articulado, a fim de contribuir na formação

Leia mais

INC.EM.T.IVA Católica

INC.EM.T.IVA Católica INC.EM.T.IVA Católica Incubadora de Empresas Tocantinenses Inovadoras da Católica do Tocantins Processo de Seleção de Novos Empreendimentos CHAMADA PÚBLICA 001/2015 Palmas, Setembro de 2015. A Faculdade

Leia mais

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Oportunidade Criação da Empresa Ensino Spinoffs Pesquisa Laboratórios Startups Pré-Incubações Hotel de Projetos Incubação da Empresa Aceleradora

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR

CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR CONCEITO NACIONAL DE EMPRESA JÚNIOR Capítulo I Da definição Artigo 1º - O Conceito Empresa Júnior é a definição utilizada para determinar as organizações que se caracterizam ou não como Empresa Júnior.

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas Publicado em XXXXX Data: XX/XX/XXXX 1. Introdução É evidente a necessidade de interação

Leia mais

Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática. Comunicação Oral Relato de Experiência

Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática. Comunicação Oral Relato de Experiência Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática Elisabete Ap. Zambelo e-mail: elisabete.zambelo@usc.br Daniel Freire e Almeida e-mail: daniel.almeida@usc.br Verônica

Leia mais

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro MBA Controller Ao cursar o MBA CONTROLLER FIPECAFI/ANEFAC, o aluno convive com pessoas de diferentes perfis entre os mais diversos segmentos de mercado e com a experiência profissional exigida para que

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

FILOSOFIA,ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA MCJ, CONSULTORIA JUNIOR -EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UFPB -CAMPUS II.

FILOSOFIA,ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA MCJ, CONSULTORIA JUNIOR -EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UFPB -CAMPUS II. FILOSOFIA,ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA MCJ, CONSULTORIA JUNIOR -EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UFPB -CAMPUS II. Eduardo Ferreira de Sousa - edsousa@dem.ufpb.br laerte@dem.ufpb.br Manassés

Leia mais

Um Estudo sobre Empresas Juniores como Fonte de Aprendizagem

Um Estudo sobre Empresas Juniores como Fonte de Aprendizagem Um Estudo sobre Empresas Juniores como Fonte de Aprendizagem Jair Toledo de Souza (UFJF) jairsouza@globo.com Junia Côrtes Facão de Paulo (UFJF) juniafalcão@hotmail.com Vanderli Fava de Oliveira (UFJF)

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Coordenador... 5. Docentes... 5. Valores... 6

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Coordenador... 5. Docentes... 5. Valores... 6 MBA Executivo Internacional MBA EXECUTIVO MÓDULO INTERNACIONAL 06 a 13 de Outubro de 2012 Coordenação Acadêmica: Prof. Dr. Marcus Vinícius Rodrigues Convênio..................... 3 Apresentação....................

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA OPÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE

EMPRESA JÚNIOR UMA OPÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE EMPRESA JÚNIOR UMA OPÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE Nilson V. Fernandes dem_feng@pucrs.br Marcelo L. Cantele dem_feng@pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Departamento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

Edital Permanente Incubaero

Edital Permanente Incubaero Edital Permanente Incubaero A Incubaero torna pública a abertura permanente de inscrições para candidatos ao ingresso, como incubados, em seu quadro de empresas e ou de pré-projetos de base tecnológica.

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

APLICATIVO EXCEL UMA FERRAMENTA ADEQUADA PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO

APLICATIVO EXCEL UMA FERRAMENTA ADEQUADA PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO APLICATIVO EXCEL UMA FERRAMENTA ADEQUADA PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO Fabiane Biava Sales (G-UEM) Rafael Pansanato (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM)

Leia mais

EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE

EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) torna pública, através da Diretoria de Inovação e Empreendedorismo (DINE) da Pró-Reitoria para Assuntos de

Leia mais

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Programa... 4. Duração do Curso... 4. Idioma... 4. Coordenador... 5. Docentes...

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Programa... 4. Duração do Curso... 4. Idioma... 4. Coordenador... 5. Docentes... MÓDULO INTERNACIONAL MÓDULO INTERNACIONAL Data de realização: 10 a 17 de Outubro de 2015 Convênio..................... 3 Apresentação.................... 3 ISCTE / INDEG....................... 3 Programa.......................

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO Modalidade Associada Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS RAIAR

Leia mais

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório: Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE JAÚ E GARÇA, REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo Fernando R. de Almeida Prof. Ms.

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR?

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR? Título: SOLUÇÃO ESTATÍSTICA JÚNIOR- PRIMEIRA DO GÊNERO NO RJ Autores:Regina Serrão Lanzillotti - lanzillotti@uol.com.br Aline Moraes da Silva alineuerj@zipmail.com.br Anna Paula Leite de Mattos anna.mattos@zipmail.com.br

Leia mais

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Programa... 4. Duração do Curso... 4. Idioma... 4. Coordenador... 5. Docentes...

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Programa... 4. Duração do Curso... 4. Idioma... 4. Coordenador... 5. Docentes... MBA Executivo Internacional MBA EXECUTIVO MÓDULO INTERNACIONAL 10 a 17 de Outubro de 2015 Coordenação Acadêmica: Profª Paraskevi Bessa Rodrigues Convênio..................... 3 Apresentação....................

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em Curso de Graduação Bacharelado em Administração O curso de Administração está enquadrado como uma ciência social aplicada. Estuda-se em profundidade técnicas e instrumentos analíticos, além de simulações

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi 1- Objetivo Geral Capacitar profissionais para o exercício da consultoria empresarial com qualidade, possibilitando assim um melhor atendimento as demandas das empresas paraenses por estes serviços. Disseminar

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte

Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte 2010 Apresentação As Atividades de Extensão são ações desenvolvidas sob forma de programas, projetos, cursos,

Leia mais

MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI)

MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI) MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE

EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) torna pública, através da Diretoria de Inovação e Empreendedorismo (DINE) da Pró-Reitoria para Assuntos de

Leia mais

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Quem somos Bem vindo à Nord. Formada por profissionais oriundos do mercado financeiro, com formações multidisciplinares e

Leia mais

No Bugs Empresa Júnior de Informática

No Bugs Empresa Júnior de Informática No Bugs Empresa Júnior de Informática Ciência da Computação Universidade Federal de Viçosa. O que é Empresa Júnior Empresa sem fins lucrativos. Administrada por estudantes de graduação. Permite aplicar

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA.

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. Alessandro A. da Silveira fluxo@bol.com.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ

5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ 5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ O papel do Sistema FIRJAN/IEL no desenvolvimento da cultura empreendedora nas universidades e empresas 29 de outubro de 2013 Daniela Balog - Empreendedorismo

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS

INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS BARÃO DE MAUÁ - IEBM TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS. Contatos Domingos Sávio de Carvalho (Gerente Operacional do Projeto)

Leia mais

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS:

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Bacharelado em Sistemas de Informação (Reconhecido pela Portaria MEC nº 315 D.O.U. 31/12/2012) Bacharelado em Administração de Empresas (Reconhecido

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Introdução. Objetivos do Curso

Introdução. Objetivos do Curso Introdução A nova dinâmica dos negócios, principalmente relacionada ao meio industrial, impele uma realidade de novos desafios para a indústria nacional. O posicionamento do Brasil como liderança global

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008 Regulamenta a criação de Empresas Juniores na Universidade de Taubaté. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo n R-057/2007, nos Artigos 6 a 8, 81 ( 1 ) e

Leia mais

Departamento de Formação Profissional

Departamento de Formação Profissional Departamento de Formação Profissional CURSOS & WORKSHOPS Nossos cursos & workshops objetivam a capacitação de funcionários e empresários que necessitam de constante aperfeiçoamento e adaptação para o mercado.

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares

Regulamento das Atividades Complementares 1 ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO Fundada em 21 de dezembro de 1964 MANTENEDORA DAS FACULDADES DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E DA COMPUTAÇÃO, FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO, FACULDADE

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

MBA ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Arcos Dorados

MBA ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Arcos Dorados MBA ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Arcos Dorados MBA ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Sustentabilidade deixou de ser uma escolha e tornou-se premissa fundamental para a competitividade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS

MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: EMPREENDEDORISMO Código: CTB - 251 Pré-requisito: -------- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

FAMETRO FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (Credenciada pela Portaria N.º 220/02-MEC- D.O.U. de 29.01.02.)

FAMETRO FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (Credenciada pela Portaria N.º 220/02-MEC- D.O.U. de 29.01.02.) EDITAL 012/2011 - FAMETRO, de 12 de julho de 2011. SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. O Diretor Geral da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Histórico. Missão. Visão

Histórico. Missão. Visão Histórico Fundada em 1996 na cidade de Mossoró/RN, a Índice Consultores Associados atua em serviços de consultoria empresarial para os mais diversos segmentos (Comércio, Industria e Serviço) sendo pioneira

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais