HETEROGENEIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM PORTUGAL: O EXEMPLO DA ESE DE LISBOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HETEROGENEIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM PORTUGAL: O EXEMPLO DA ESE DE LISBOA"

Transcrição

1 HETEROGENEIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM PORTUGAL: O EXEMPLO DA ESE DE LISBOA Amália G. Bárrios Escola Superior de Educação de Lisboa Do Fenómeno da Heterogeneidade aos Processos de Formação O fenómeno da heterogeneidade constitui hoje, em Portugal, uma realidade multifacetada, altamente complexa e desafiadora. Para além das transformações que acontecem em todas as sociedades em evolução, e decorrentes em grande parte do desenvolvimento científico e tecnológico, mas, principalmente, da globalização da economia e dos sistemas de informação, verificam-se no nosso país, pela sua situação geográfica, pela sua história (em particular a história recente) e ainda como consequência do actual processo de integração na União Europeia, problemas específicos, em contornos próprios, e com grandes implicações a nível social e educativo. De entre estes problemas salientamos, pela sua complexidade, os que resultam de Portugal passar de um país de emigração a um país de imigração (Bruto da Costa, 1998) devido à guerra e à instabilidade económica e social em diversos países africanos, e também europeus, às mudanças sociais verificadas no país e ao grande acréscimo de população escolar devido ao alargamento da escolaridade obrigatória de quatro para seis e posteriormente para nove anos. Assim, o tema deste Colóquio Heterogeneidade, Cultura e Educação é de especial interesse e de grande actualidade para todos nós, e principalmente para aqueles que desenvolvem a sua acção no âmbito da formação de educadores e professores. Os desafios prementes que hoje se colocam à educação não se compadecem com o que poderíamos designar de pedagogia da uniformidade, baseada no mito da homogeneidade, tão característico da escola tradicional e centrado na ideia de que utilizar os mesmos processos para todos significa mais igualdade e democracia; uma pedagogia baseada na indiferença em relação às diferenças, o que, de acordo com Bourdieu (1998) é a pior das desigualdades que se podem pôr em prática. As escolas portuguesas estão marcadas pela diversidade: há escolas a funcionar bem e outras com grandes problemas; escolas com muitos recursos educativos e escolas extremamente carenciadas; escolas de estratos sociais elevados e escolas localizadas em zonas degradadas, de baixo nível sócio-económico; escolas com o corpo docente estável e outras com o corpo docente instável; escolas onde as crianças são, na sua maioria, filhas de pais portugueses e escolas com predomínio de crianças oriundas de diversas culturas e etnias. È importante realçar que encontramos hoje, principalmente na periferia das grandes cidades portuguesas, escolas dos vários níveis educativos com elevado número de alunos com culturas, línguas, religiões, comportamentos e valores sociais muito diversos. Tão grande heterogeneidade gera necessariamente situações de confronto multicultural, difíceis de gerir. Bender-Szymanski (2000) salienta que a convivência entre pessoas de diferentes culturas acarreta situações de incompreensão e gera conflitos cognitivos e sociais porque os indivíduos interpretam a mesma situação de formas diferentes, de acordo com o seu próprio sentido cultural, sem disso terem consciência. Como resolver no quotidiano escolar os múltiplos problemas que daí advêm? Que políticas são as mais adequadas para promover o sucesso educativo dos alunos, nestas circunstâncias? O principal desafio que se coloca à escola e a qualquer política educativa que vise o sucesso de todos é o de reconhecer a diversidade dos alunos e dos contextos de ensino como um valor estruturante dos processos e aprendizagem e formação, o que significa, como salienta Barroso (1999), passar da heterogeneidade como problema à heterogeneidade como recurso. Também Brislin et al. (1986) referem que os conflitos culturais podem proporcionar oportunidades para

2 adquirir competências no sentido de lidar construtivamente com as diferenças e promover a autoformação. Assim, à escola tradicional centrada na homogeneidade aparente dos públicos, na uniformidade dos processos e na igualdade formal, contrapõe-se a escola inclusiva, uma escola para todos, onde todos têm direito a aprender, mas por processos diversificados, com ritmos distintos e com estratégias diferenciadas para chegar a aprendizagens idênticas ou equivalentes. Na escola inclusiva a pedagogia da uniformidade cede lugar a pedagogias diferenciadas, fundamentadas em dados de estudos nacionais e internacionais que, na procura de caminhos para encontrar respostas adequadas aos problemas da diversidade nas escolas, revelam a existência de diferentes formas de aprender em diferentes culturas (Bureau, 1986). O desenvolvimento desta escola implica uma mudança cultural difícil e complexa que subentende mudança de perspectivas, aos mais diversos níveis, sobre o seu papel, organização e actividade, e sobre o papel e acção dos professores. Neste sentido, a heterogeneidade apela a professores altamente competentes, a profissionais que para além de dominarem os conteúdos curriculares e as metodologias de ensino, estão atentos aos problemas contemporâneos e têm consciência da importância de os integrar nas suas práticas, questionam a sua actividade em função dos diversos contextos em que ocorre (alunos, turma, escola, comunidade), são capazes de uma intervenção crítica e reflexiva face à diversidade de alunos e às problemáticas da escola e da comunidade, no sentido da consecução de níveis crescentes de igualdade de oportunidades e de justiça social. O perfil acima esboçado tem subjacente o pressuposto de que os professores são os principais agentes das mudanças necessárias à escola actual, inclusiva, uma escola que não muda por decreto, por normas impostas de cima para baixo. Estas, como salienta Cuban (1990), raramente transformam as salas de aula e as escolas. Algumas podem influenciar o vocabulário dos decisores políticos, outras o conteúdo dos media e a agenda de conferências, outras ainda podem levar a alterações curriculares, mas pouco mais... A construção de tal escola pressupõe o desenvolvimento de uma profissionalidade docente alicerçada em processos de formação pessoal e profissional que permitam ao professor fazer face, com sucesso, aos múltiplos desafios de um quotidiano complexo e dinâmico. Neste sentido, o enorme empreendimento que é a Formação de Professores não tem como única função a preparação de trabalhadores especializados num limitado contexto de trabalho, mesmo quando tal função tem por objectivo o elevado ideal de desenvolvimento de intelectuais reflexivos, transformadores e críticos, mediadores das aprendizagens dos alunos e capazes de desempenhos profissionais inovadores. Além de trabalhadores, cuja acção se deve pautar pela valorização dos saberes e experiências profissionais, o professor deve participar também na transformação da sua actividade em termos sociais e políticos. Todas estas dimensões conferem à formação de professores factores adicionais de complexidade e responsabilidade. Do Sistema Português de Formação de Professores: algumas notas A construção da escola inclusiva coloca novos desafios ao sistema português de formação de educadores e professores, quer ao nível das políticas públicas, quer ao nível da sua concretização nas instituições formativas. Para melhor compreender o processo de formação em curso no nosso país, parece-nos importante apresentar alguns dados sobre o seu enquadramento legal. Em 1986 deu-se início a uma reforma abrangente do sistema educativo português com a finalidade de melhorar a qualidade da educação (ME, 1992) tendo sido, naquele ano, aprovada e publicada a Lei de Bases do Sistema Educativo. Esta lei define um conjunto de princípios orientadores, de entre os quais salientaremos apenas alguns reconhecimento: do direito à educação e à cultura; do direito a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e no sucesso escolares; da descentralização e diversificação das estruturas e acções educativas; da correcção de assimetrias e do desenvolvimento regional e local; da contribuição para o desenvolvimento do

3 espírito e da prática democráticos; do direito à diferença mercê do respeito pelas personalidades e pelos projectos individuais da existência, bem como da consideração e valorização dos diferentes saberes e culturas. Nos termos da referida lei, com as alterações que, após profundos debates, lhe foram introduzidas em 1997, a política de formação de professores rege-se por um quadro legal de referência caracterizado nomeadamente por: (a) a formação profissional dos educadores de infância e dos professores dos ensinos básico e secundário realiza-se em instituições de ensino superior, através de cursos que conferem o grau de licenciatura; (b) o exercício da actividade docente pressupõe o desenvolvimento de qualificação profissional baseada em perfis de competência previamente definidos; (c) os planos de formação devem garantir a integração, quer dos aspectos relativos aos conteúdos específicos e respectivas metodologias de ensino e das ciências da educação, quer das componentes teórica e prática; (d) a formação contínua complementa e actualiza a formação inicial, numa perspectiva de formação ao longo de vida; (e) a qualificação para o exercício de outras funções educativas como a docência em educação especial, a educação de adultos, a administração e inspecção escolares, a animação sócio-cultural e outras obtém-se através de cursos especialmente vocacionados para o efeito, realizados em instituições de ensino superior com recursos adequados; (f) a formação deve promover práticas reflexivas de autodesenvolvimento, favorecer a inovação e a investigação educacional e possibilitar a reconversão e a mobilidade de docentes dos diferentes níveis educativos. A referida Lei de Bases estrutura os níveis educativos do seguinte modo: educação préescolar (dos 3 aos 6 anos de idade) complementar e/ou supletiva da família, com a qual estabelece estreita relação; educação básica obrigatória e gratuita, com nove anos de escolaridade, desenvolvidos em três ciclos (1º ciclo de quatro anos, 2º ciclo de dois anos e 3º ciclo de três anos), ensino secundário, de três anos, com cursos diversificados e ensino superior que integra um sistema dual, constituído por Universidades e Institutos Politécnicos. Na educação pré-escolar e no 1º ciclo, o professor é um professor de classe; no 2º ciclo, embora de acordo com a Lei de Bases devesse ser professor de uma área inter-disciplinar, na realidade lecciona uma ou um grupo de duas disciplinas; no 3º ciclo, é também professor de disciplina ou de um grupo de duas; no ensino secundário, é, em regra, professor de uma só disciplina. Assim, a formação inicial qualifica para educador de infância, professor de classe, de grupo de disciplinas ou de disciplina, conforme o nível educativo. Os cursos de formação inicial dos educadores de infância e dos professores de educação básica (1º, 2º e 3º ciclos) realizam-se nos Institutos Politécnicos (em Escolas Superiores de Educação) e nas Universidades; os cursos de formação inicial dos professores do ensino secundário realizam-se sempre em Universidades. Os currículos dos cursos de formação inicial para todos os níveis educativos, ao abrigo do disposto no Despacho nº 1488/2000, devem obedecer a um conjunto de critérios definidos e consubstanciados em padrões de qualidade que salvaguardem a sua adequação às exigências do desempenho docente. Os padrões de qualidade indicam os princípios a ter em conta e os objectivos a atingir, deixando liberdade às instituições para decidir como os concretizar. De entre os princípios definidos, salienta-se que os currículos dos cursos devem integrar quatro grandes componentes de formação, estreitamente inter-relacionados: (a) formação cultural, social e ética, abrangendo a sensibilização para os problemas do mundo contemporâneo, o alargamento a áreas do saber diferentes da especialidade da docência, a reflexão sobre os problemas éticos que se colocam na actividade docente, e ainda recursos instrumentais relativos às novas tecnologias da informação e da comunicação, bem como o conhecimento de línguas estrangeiras; (b) formação na especialidade da área de docência; (c) formação educacional englobando as metodologias específicas de ensino na área de docência para que o curso habilita e outros domínios do saber sobre educação, relevantes para a compreensão do acto educativo, incluindo perspectivas de atenção à diversidade; (d) iniciação à prática profissional abrangendo a observação, colaboração, intervenção, análise e reflexão sobre situações educativas.

4 Cada instituição de ensino superior é responsável por, no respeito pelo quadro de referência estabelecido a nível nacional, elaborar os planos curriculares de cada curso que ministra havendo, portanto, uma grande diversidade de planos de formação. No entanto, no que respeita aos planos das Escolas Superiores de Educação, é necessário que o Ministério da Educação os reconheça como qualificando para a docência. Ou seja, o Ministério é, em última análise, o responsável pelos planos de estudo dos cursos de formação. Tendo em conta a autonomia das Universidades, estas definem os seus próprios cursos, não estando os mesmos condicionados à aprovação do Ministério. Todos os cursos de formação inicial de educadores de infância e de professores dos diversos níveis educativos conferem o grau académico de licenciado em ensino, embora, de acordo com a lei, a sua duração varie entre quatro anos (nas Escolas Superiores de Educação) e cinco anos (nas Universidades). Da Formação na Escola Superior de Educação de Lisboa A Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) é uma unidade orgânica do Instituto Politécnico de Lisboa (IPL), especialmente vocacionada para a formação de educadores, professores e outros agentes educativos. Os seus fins articulam-se com as principais funções que actualmente caracterizam o conceito de instituição de ensino superior: ensino e formação, investigação e desenvolvimento, prestação de serviços à comunidade e colaboração interinstitucional com entidades nacionais e estrangeiras em actividades de interesse comum. Preparando o futuro professor para o exercício da sua actividade profissional, através de formação de nível superior, a ESELx proporciona cursos de formação inicial em diversas áreas (educadores de infância, professores do 1º ciclo de educação básica e, ainda, professores de educação básica nas variantes de português e francês, português e inglês, ciências e matemática, educação musical e educação visual e tecnológica). Os planos de estudo dos referidos cursos estão estruturados de forma que a preparação de base dos futuros educadores e professores abranja tanto as áreas do conhecimento, como as competências envolvidas na sua futura actividade profissional, possibilitando uma formação de carácter globalizante e ao mesmo tempo radicada na realidade social. Por outro lado, a complexidade e a evolução das mudanças na sociedade implicam para a ESELx um exercício continuado de adaptabilidade a exigências sempre crescentes. Por este motivo, os cursos de formação inicial, bem como os demais cursos e actividades que a Escola realiza, visam dar resposta a necessidades específicas de formação qualificada para o exercício de uma pluralidade de funções a diferentes níveis e em diferentes contextos escolares. Neste sentido, para além do conjunto relevante de cursos, já atrás mencionados, no âmbito da Formação Inicial, a ESELx oferece também cursos de Formação Complementar, de Formação Especializada, de Formação Contínua e ainda Cursos de Mestrado (em parceria com Universidades nacionais e estrangeiras) em áreas estratégicas do sistema educativo português. Formação Inicial Na definição dos currículos dos cursos de formação inicial, a ESELx tem sempre subjacente o pressuposto de que o professor desenvolve essencialmente funções docentes. A docência, com diversas amplitudes, diferentes níveis de profundidade e de forma diversificada constitui o núcleo aglutinador do seu trabalho. Mas os educadores e os professores desenvolvem também outras funções. Algumas estão estreitamente relacionadas com a actividade docente, como por exemplo, o acompanhamento e a orientação pessoal dos alunos, a direcção de turma, a relação com os pais, a concepção e o desenvolvimento de projectos com a comunidade envolvente. Outras, como a direcção da escola, a supervisão e a gestão da formação, ou o planeamento podem parecer menos vinculados ao que normalmente se considera actividade docente. Mas, mesmo nestes casos a

5 ligação e a subordinação destas tarefas aos processos de ensino/aprendizagem é inequívoca e inquestionável. Estes diversos factores desafiam a formação para o desenvolvimento de competências profissionais contextualizadas, para a integração dos saberes, para a utilização do potencial pedagógico dos contextos e dos conteúdos de ensino e para a integração coerente da prática pedagógica ao longo de todo o curso em estreita relação com as restantes componentes. Neste quadro, os cursos desenvolvem-se de acordo com as seguintes dimensões de formação: Formação Cultural, Social e Ética conforme atrás referido, esta dimensão formativa tem por objectivo principal, em conjunto com as restantes dimensões de formação, promover a sensibilização do futuro professor para os grandes problemas do mundo contemporâneo. A sua concretização verifica-se nomeadamente através de componentes curriculares como Formação Pessoal e Social, Sociedade e Cultura, Manifestações Culturais Contemporâneas, e ainda Gestão e Produção de Recursos Educativos, Computadores em Educação e Línguas Estrangeiras. Formação Científico-Metodológica - a componente científico-metodológica envolve a formação teórico-prática em áreas do conhecimento abrangidas pelos currículos escolares. Consiste numa abordagem integrada que articula o domínio específico de matérias científicas com a perspectiva educativa tendo como objectivos: - a aquisição de conhecimentos científicos necessários à fundamentação e concretização da acção educativa; - a apropriação das metodologias e perspectivas pedagógicas próprias das diferentes áreas do conhecimento; - a construção de sistemas de referência pessoal e profissional, dinamizadores da actividade pedagógica. Formação em Ciências da Educação - a formação em Ciências da Educação visa a aquisição de conhecimentos e de competências no sentido de uma participação activa dos futuros professores em diversos domínios da acção educativa, nomeadamente : - no ajustamento às necessidades de desenvolvimento da criança e aos processos de aprendizagem; - na concepção pertinente de programas de estudo e capacidade de reflexão sobre a sua própria actividade; - na participação na gestão e funcionamento dos estabelecimentos educativos; - na articulação entre a vida da escola e da comunidade, com base na compreensão dos fenómenos sociais e culturais e da sua interacção com o processo educativo. Prática Pedagógica - esta componente envolve a participação, desde o 1º ano de cada curso, em diversas dimensões da prática pedagógica, numa perspectiva de intervenção, visando a reflexão e o questionamento dessa prática, quer em seminários específicos, quer através das restantes componentes dos planos de estudo e tendo como objectivos: - o desenvolvimento de atitudes, capacidades e competências necessárias à construção de um processo de intervenção pedagógica em diferentes contextos sócio-educativos; - a interacção entre as leituras decorrentes da prática e as outras componentes da formação. mbora supervisionada por professores da ESELx (tutores), a prática pedagógica desenvolvese em parceria com as instituições de ensino não-superior onde decorre, tendo a colaboração de professores (cooperantes) com competências adequadas à sua função de orientação, e compreende: - observação, pesquisa e intervenção dos alunos da ESELx, com incidência e responsabilidade progressivas nas actividades de sala de aula; - seminários de enquadramento, análise, reflexão e sistematização da prática.

6 Formação Complementar No âmbito do quadro legal em vigor, a ESELx iniciou no ano lectivo de 1999/2000 a realização de cursos de Formação Complementar destinados a educadores de infância e professores do ensino básico titulares de um grau de bacharel, através dos quais podem adquirir o grau académico de licenciado. Estes cursos visam a dignificação e valorização do estatuto dos profissionais de educação de infância e de professores do ensino básico e secundário, proporcionando a aquisição de uma cultura profissional, bem como de fundamentos científicos, metodológicos e técnicos a nível de licenciatura. A formação complementar desenvolve-se através de dois tipos de cursos: - cursos de complemento da formação científica e pedagógica organizados em áreas directamente relacionadas com a docência. Os planos de estudo de cada curso integram três componentes: (a) seminário, projecto ou desenvolvimento experimental, contemplando o estudo de temáticas relativas ao desenvolvimento do sistema educativo e das escolas; (b) formação específica dirigida à área ou grupo disciplinar de docência e (c) formação cultural e social. - cursos de qualificação para o exercício de outras funções educativas organizados em áreas que na ESELx abrangem: (a) educação especial, visando qualificar para o exercício de funções de apoio, de acompanhamento e de integração sócio-educativa de indivíduos com necessidades educativas especiais; (b) comunicação educacional e gestão da informação/ Bibliotecas Escolares, visando qualificar para o exercício de cargos na área da comunicação educacional e da gestão da informação, designadamente no âmbito da gestão de bibliotecas escolares e centros de recursos educativos. Formação Especializada A Formação especializada qualifica para o exercício de cargos, funções ou actividades educativas especializadas, de natureza pedagógica ou administrativa, com aplicação directa no funcionamento do sistema educativo e das escolas. De acordo com o ordenamento jurídico da formação de educadores e professores, a ESELx desenvolve cursos de formação especializada orientados para a aquisição de competências e de conhecimentos científicos, pedagógicos e técnicos, bem como para o desenvolvimento de capacidades e atitudes de análise crítica, de inovação e de investigação em domínios específicos das Ciências da Educação. Os cursos de qualificação para o exercício de outras funções educativas, já referidos no ponto anterior, constituem cursos de especialização que, simultaneamente, conferem o grau académico de licenciado. Para além destes, a ESELx desenvolve ainda outros cursos de especialização, de duração inferior, principalmente na área dos Apoios Educativos, os quais são apenas frequentados por professores já licenciados, não conferindo portanto qualquer grau académico. Formação Contínua Numa linha de continuidade com os princípios já definidos e numa perspectiva de formação ao longo da vida, a ESELx promove a realização de Acções de Formação Contínua prioritariamente destinadas a educadores de infância e professores de todos os níveis educativos do distrito de Lisboa, procurando assim contribuir para a melhoria da qualidade do ensino e das aprendizagens nas escolas da região.

7 Este objectivo é concretizado, fundamentalmente, através de processos de formação centrados na escola, como decorre da inclusão de um elevado número de acções desenvolvidas através de modalidades de formação em contexto (oficinas e projectos) nas quais a escola onde os professores exercem constitui a base de trabalho para actividades concretas e eficazes de resolução de problemas e desafios. Acresce que deste modo as escolas dispõem de condições para criar dinâmicas próprias que lhes permitam gerir as mudanças em curso de forma criativa e ajustada à sua especificidade. Sendo assim, os objectivos do plano de formação contínua da ESELx são: - Promover o desenvolvimento contextualizado de saberes, atitudes e competências dos educadores e dos professores do ensino básico e do ensino secundário; - Incentivar a concepção e desenvolvimento de práticas e processos educativos, susceptíveis de gerarem dinâmicas de auto-formação, de investigação-acção e de inovação educacional. A operacionalização destes objectivos orienta-se por áreas de formação que têm em conta, quer as exigências da política educativa, quer as necessidades dos contextos escolares específicos. De entre aquelas áreas salientam-se: - Projectos de flexibilidade curricular, no que respeita às metodologias de ensino diferenciado e às competências a desenvolver nas novas áreas curriculares, (Projecto Interdisciplinar, Estudo Acompanhado, Educação para a Cidadania, Educação para a Sexualidade); - Gestão Pedagógica da Indisciplina; - Prevenção Primária da Toxicodependência; - Tecnologias de Informação e Comunicação; - Profissionalização dos cargos e funções na Administração e Gestão dos estabelecimentos de educação e ensino (Conselhos Executivos e Administrativos); - Especialização dos docentes para o desempenho de funções e cargos no âmbito da gestão pedagógica de nível intermédio, tais como: Coordenação de directores de turma e de ano ou ciclo, Coordenação de Departamento, Director de Turma e Apoios Educativos; - Especialização dos Professores e Educadores em actividades de Tempos Livres e em Creches. A centralidade conjuntural destas áreas (explícita em relatórios de avaliação das escolas já divulgados e em projectos de nova legislação em discussão pública) exige das instituições formadoras a capacidade de corresponder às ansiedades sentidas nas escolas, conjugando esforços para que a formação dos professores resulte numa efectiva qualidade de ensino e que as mudanças previstas sejam inovadoras. A inovação deverá ser encarada como um processo de trabalho que resulta na melhoria das aprendizagens e não como um fim em si mesma. Ao se priorizarem os contextos educativos como motivadores da formação, as modalidades de formação contínua mais adequadas são as Oficinas, Círculos de Estudo e Projectos. Dar continuidade a uma formação centrada nas escolas e nos contextos é uma forma de privilegiar as necessidades decorrentes do processo ensino aprendizagem. Algumas Questões em Aberto No quadro do que foi referido, salientam-se alguns desafios a que a ESELx deve fazer face no sentido de contribuir para níveis crescentes de profissionalidade docente dos seus diplomados e de todos os professores que a elegem para aqui realizar as suas Acções de Formação: Fortalecer os vínculos entre a componente científica da(s) área(s) da docência, as metodologias de ensino e as ciências da educação, como condição para a realização de perfis docentes com competências que permitam responder à diversidade das situações e dos sujeitos de aprendizagem.

8 Promover a integração dos saberes, incluindo os saberes científicos, técnicos, tecnológicos e sociais. Trata-se, em grande parte, de recuperar o que tradicionalmente se designa por cultura geral, mas agora com uma base crítica, questionante e dinâmica como dinâmicos são os contextos em que nos movemos. Integração coerente da prática pedagógica ao longo do curso, valorizando as dimensões problematizadora e reflexiva (reflexão em acção, reflexão sobre a acção) como via para a construção de práticas progressivamente mais adequadas a contextos de mudança e heterogeneidade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Barroso, J. (1999). Da cultura da homogeneidade à cultura da diversidade: Construção da autonomia e gestão do currículo. In Ministério da Educação (Eds.), Forum: Escola, Diversidade e Currículo, Lisboa: DEB. Bender-Szymanski, D. (2000) Learning through Cultural Conflict? A longitudinal analysis of German teachers strategies for coping with cultural diversity at school. European Journal of Teacher Education, 23,3, Bourdieu, P. (1998). A reasoned utopia and economic fatalism. New Left Review, 227, Brisilin, R.W., Crushner, K., Cherrie, C, Jong, M. (1986) Intercultural Interaction: a practical guide. Beverly Hills: Sage. Bureau, R. (1988). Apprentissage et Cultures. In Bureau, R e Saivre, D. Apprentissages et Cultures: les manières d approche (Coloque de Cerisy). Paris :Karthala Cuban, L. (1990) A Fundamental Puzzle of School Reform. In Schools as Collaborative Cultures: Creating the Future Now. New York: The Felmer Pres, pp ME (1992). Roteiro do Sistema Educativo, 2ª edição Ministério da Educação; Lisboa. Legislação Lei nº 46/86 de 14 de Outubro Lei nº 115/97 de 19 de Setembro Decreto-Lei nº 139-A/90, de 28 de Abril que aprova o Estatuto da Carreira Docente dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Decreto-Lei nº 95/97 de 23 de Abril Regime Júridico da Formação Especializada Decreto-Lei nº 255/98 de 11 de Agosto Deliberação nº 1488/2000 de 15 de Dezembro Portaria nº 760-A/98 de 14 de Setembro

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS

DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS Divisão da Educação Pré-Escolar e Ensino Básico Ficha Técnica Título:

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC 1 Antecedentes das questões de cidadania na política educativa e nos currículos escolares Os valores

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão

A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão Em Portugal, o sistema educativo tem-se caracterizado por uma forte tendência centralizadora

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

Lei n.º 46/86 de 14 de Outubro

Lei n.º 46/86 de 14 de Outubro Lei n.º 46/86 de 14 de Outubro (Alterada pela Lei n.º 115/97 de 19 de Setembro) Âmbito e princípios...4 (Âmbito e definição)...4 (Princípios gerais)...4 (Princípios organizativos)...5 Organização do sistema

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

ANEXO III DESCRIÇÕES DE CARGOS MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI

ANEXO III DESCRIÇÕES DE CARGOS MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI ANEXO III DESCRIÇÕES DE CARGOS MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI CARGO: PROFESSOR DESCRIÇÃO SUMÁRIA: Executar as atividades de regência de classe, planejamento escolar, participação na elaboração

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Organização do Sistema Educativo. Bases do sistema de educação e

Organização do Sistema Educativo. Bases do sistema de educação e Organização do Sistema Educativo Bases do sistema de educação e formação: princípios pios / legislação Os princípios básicos da Educação, consagrados na Constituição da República Portuguesa (CRP) Actividade

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura

Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura 1 Escola para todos - Uma utopia tangível? Maria Filomena Ventura O conceito de Escola para Todos, ou Escola Inclusiva, surge no âmbito da Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais em

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais