>Introdução Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ">Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior"

Transcrição

1 3. Cabos de Fibra Óptica

2 >Objectivo Este módulo tem como objectivo, a introdução às questões relacionadas como desenho de cabos de fibras ópticas, com o sua aplicação em ambientes diversos e com o estudo da variedade de construções de cabos que estão disponíveis.

3 >Introdução 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior 3.3. Tipos de cabos

4 >3.1. Construção de cabos para exterior (continua) Introdução - os cabos de exterior têm de obedecer a requisitos próprios, relacionados com os ambientes em que estarão inseridos. Humidade - É utilizada uma fita de alumínio que envolve o cabo, imediatamente por baixo da bainha exterior. Alternativamente, ou em simultâneo é usada uma geleia hidrófoba ou uma fita hidro-expansível. Tracção - Um tensor em aço, aramida, ou FRP (fibre reinforced plastic), com alta resistência à tracção, é utilizado para dar consistência ao cabo durante a sua instalação (isto é para evitar que as fibras sejam sujeitas a qualquer esforço). Esmagamento - Uma cabo com estrutura tipo loose tube protege minimamente as fibras de esforças transversais. Mas uma camada de fios de aço cableado, ou uma bainha de aço corrugado garantem uma melhor protecção.

5 >3.1. Construção de cabos para exterior (continua) Ultra violeta - Alguns materiais de revestimento, em especial os PVC s, deterioram-se quando expostos à luz do sol. Os polietilenos são mais resistentes. Roedores - Deve ser utilizada uma fita de aço para evitar a acção dos roedores. Outros materiais, como uma fita em fibra de vidro, ou plásticos de alta densidade, podem resultar no mesmo efeito. Ambientes explosivos - Junto a gasoductos, em refinarias, e plataformas petrolíferas devem ser usados cabos totalmente não metálicos e com comportamento anti-estático. Contaminantes químicos - Em centros de processamento de petróleo, e outras industrias químicas, é necessário proteger os cabos com materiais como o nylon, ou em último caso com uma bainha em chumbo.

6 >3.1. Construção de cabos para exterior Esquemas de um cabo tipo loose tube Bainha exterior Loos tube com codificação de cor Reforço em aramida Fitas de enfaixamento dos tubos Revestimento da fibra, em acrilato Fibra óptica Corda para rasgar a bainha

7 >3.2. Construção de cabos para interior (continua) Introdução - Nos requisitos os cabos de interior são bastante diferentes dos cabos de exterior. Certifique-se de que os seguintes aspectos foram considerados, onde for relevante. Facilidade na terminação - Muitos cabos para interiores podem ter os conectores directamente ligados nas extremidades da fibra. Neste tipo de cabos, a fibra deve ter um revestimento secundário de fácil remoção. Flexibilidade - Elementos de reforço rígidos, como o aço e os FRP, devem ser evitados, fibras soltas de aramida ou vidro são uma melhor solução. Baixo teor em fumos e sem halogéneos (LSZH) - Em ambientes fechados, devem ser usados cabos com baixo teor em halogéneos e que libertem pouco fumo quando queimados.

8 >3.2. Construção de cabos para interior Retardador de chama - Junto com as propriedade LSZH, o poder de retardar a progressão da chama também é desejável. Note-se que os cabos feitos em polietileno são LSZH, mas ardem muito bem! Identificação - Pode ser útil identificar um cabo de fibras ópticas como tal, por coloração diferente, ou uma impressão clara na bainha.

9 >3.3. Tipos de cabos (continua) Cabos com reforço simples - Numa fibra com revestimento secundário ( tight buffer de 0,9 mm) é aplicada um feixe de fibras de aramida (Kevlar ), sobre o conjunto é extrudidao uma bainha flexivel de PVC, ou um polímero similar. As dimensões normalizadas para este tipo de cabo variam entre 2,4 mm e 3,0 mm. Este é o tipo de cabo mais utilizado para a montagem de conectores, especialmente se tem que ser manipulados.

10 >3.3. Tipos de cabos (continua) Cabos de repartidor - Este tipo de cabos foram pensados para aplicações em interiores, podem ser terminados com conectores se isso for um requisito. Antigamente estes cabos eram terminados em fábrica, numa das pontas, e depois instalados no seu lugar ligados ao cabo procedente do exterior

11 >3.3. Tipos de cabos (continua) Cabos loose tube - São compostos por um conjunto de tubos que contêm uma geleia hidrófoba, na qual estão mergulhados vários pares de fibras. Normalmente os tubos estão cableados em volta de um tensor central, ou existe um tensor externo composto por fibras de kevlar. Por cima desta estrutura, e imediatamente a baixo da bainha exterior existe uma fita de alumínio para garantir estanquidade (protótipos mais recentes de cabos a fita de alumínio não é utilizada). A bainha exterior é normalmente composta por um polímero resistente aos UV (ex. polietileno). Estes cabos são adequados para aplicações em exteriores, colocados em condutas ou em vãos aéreos. Bainha exterior Loos tube com codificação de cor Fitas de sustentação dos tubos Revestimento da fibra, em acrilato Fibra óptica Corda para rasgar a bainha

12 >3.3. Tipos de cabos (continua) Cabos armados - Cabo para ser enterrado directamente no solo. No canto direito temos a indicação do tipo de protecções que o cabo fornece: -esmagamento. -tracção. -armadura em aço. -auto extinguível. -anti-humidade. -anti-roedores.

13 >3.3. Tipos de cabos (continua) Outros cabos - Para além dos cabos de fibras ópticas mais utilizados em telecomunicações, existem outros tipos de cabos, especialmente os utilizados pelas empresas de electricidade. Efectivamente, as empresas de distribuição de energia eléctrica têm vindo a instalar cablagens ópticas. Mas, pelas condições especiais dos locais onde esses cabos têm de ser instalados obrigou ao desenvolvimento de novos tipos de cabos.

14 >3.3. Tipos de cabos (continua) OPGW (OPtical Ground Wire) - O OPGW, ou o OPPW (Optical Power Wire), são cabos de terra, ou de média e alta tensão, que contem fibras ópticas. Estes cabos substituem os seus análogos convecionais, daí as vantagens da sua utilização. ADSS (All Dielectric Self Supporting) - O ADSS, é um cabo totalmente não metálico que, pela sua estrutura leve e resistente pode ser instalado paralelamente às linhas sob tensão, ou junto ao cabo de terra. OPAC (OPtical Attached Cable) - Neste tipo de cabos destacam-se os sky wrap. Trata-se de um cabo fino que é fixado num cabo de fase, ou terra.

15 >3.3. Tipos de cabos (continua) Cabos em linhas de energia - Vantagens Baixo custo de instalação Rápida progressão no terreno. Acesso a zonas extremamente inóspitas. Elevado índice de protecção contra tiros, queda de arvores, roedores, etc. Cabos em linhas de energia - Desvantagens Tecnologias muito recentes (os processos de normalização estão em curso). No caso dos cabos metálicos, estão sujeitos a descargas atmosféricas. Exigem técnicas de instalação muito específicas (OPAC).

16 >3.3. Tipos de cabos Cabos com fibras ópticas plásticas Baixo custo na produção; Fácil instalação, terminação e interligação; Detectores e fontes de radiação de baixo custo; Em conformidade com os requisitos das normas cablagem estruturada (1Gbps para 100m);

17 FIM

Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC)

Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC) Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC) Os cabos ópticos TELCON contam com uma excelente proteção e transmissão óptica para conectar longas distancias e outros serviços como Multimedia, Internet

Leia mais

5 4 3 2 1 Excelente Muito bom Bom Médio Limitado

5 4 3 2 1 Excelente Muito bom Bom Médio Limitado O sistema de Fibra Óptica JetLanOptic é uma solução de cableagem óptica que inclui toda uma gama de cabos de fibra tanto para interior como para exterior, além dos componentes e acessórios necessários

Leia mais

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA FIBRA OTICA 4 4 CABOS DE FIBRA ÓTICA Fibra Ótica com diferentes tipos de cabos: Tight Buffer - Estrutura Fechada Fibra ótica com revestimento em PVC. Usado para ligações dentro de edifícios (cabos, cordões

Leia mais

Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada

Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão e proteção das fibras ópticas contra mudanças ambientais. Estes cabos são formados

Leia mais

CFOT-MF/UB. Interno / Externo

CFOT-MF/UB. Interno / Externo CFOT-MF/UB Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Núcleo Seco Tubo Loose (UB) ou Cordão Monofibra (MF) SM ou MM Descrição Conjunto constituído por cordões ópticos ("tight buffer") ou tubos

Leia mais

Tipos de cabos: 1. Cabos de Distribuição Design compacto economiza espaço. Menor custo de instalação.

Tipos de cabos: 1. Cabos de Distribuição Design compacto economiza espaço. Menor custo de instalação. Universidade Católica do Salvador Disciplina: Teleprocessamento e Redes Professor: Marco Antônio Aluna: Monaliza Ayres Data: 27/09/1999 A Fibra Ótica como Meio de Transmissão de Dados em Ambientes Agressivos

Leia mais

TREINAMENTO de PRODUTOS

TREINAMENTO de PRODUTOS TREINAMENTO de PRODUTOS Tecnologia R&D Sorocaba 11 de Maio de 2010 www.telcon.com.br Produtos Fibras Ópticas Fibras Ópticas VANTAGENS DAS FIBRAS ÓPTICAS» Alta capacidade de transmissão (dados, voz, imágens);»

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Cabos Ópticos Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Cabos Ópticos Estruturas de encapsulamento e empacotamento de

Leia mais

Condutores e cabos eléctricos

Condutores e cabos eléctricos Condutores e cabos eléctricos Os condutores utilizados nas instalações eléctricas são geralmente de cobre, ou de alumínio. O condutor eléctrico pode ser divididos em: Condutor nu: é um condutor que não

Leia mais

Índice. Nomenclatura... 2. Fibras Ópticas... 3. Rede Externa Aérea - Cabos Ópticos. Rede Interna - Cabos Ópticos

Índice. Nomenclatura... 2. Fibras Ópticas... 3. Rede Externa Aérea - Cabos Ópticos. Rede Interna - Cabos Ópticos Índice Nomenclatura... 2 Fibras Ópticas... 3 Rede Externa Aérea - Cabos Ópticos CFOA-SM-ASY-G / CFOA-NZD-ASY-G CFOA-SM-ASY-RA-G / CFOA-NZD-ASY-RA-G... 4 e 5 CFOA-SM-ASY-S / CFOA-NZD-ASY-S... 6 e 7 CFOA-SM-LV-AS-Y-S

Leia mais

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS 04 05 0 07 08 09 02 FIBRA ÓTICA TECNOLOGIA ÓTICA Com

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas

Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas Christiane Suemy EXCELÊNCIA EM INFRAESTRUTURA DE REDE DE ACESSO PARA PROVEDORES DE INTERNET SPLITTER DE 1 er NÍVEL SPLITTER

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Cabos de Telecomunicações

Cabos de Telecomunicações Cabos de Telecomunicações A General Cable detém uma posição de liderança tecnológica no fabrico de cabos de telecomunicações. A unidade fabril de Morelena, que concentra a produção na Europa desde tipo

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS

INDICE. Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS INDICE Catálogo de cabos industriais e energia CAPÍTULOS 1 Cabos de Energia Harmonizados 2 Cabos de Energia - Baixa Tensão (0,6/1kV) 3 Cabos de Energia de Média e Alta Tensão 4 Cabos de Segurança 5 Cabos

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON Rede Óptica Passiva GigabitG Leonardo F. Oliveira Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON O que égpon? Utilização da fibra óptica para interligar pontos distantes

Leia mais

Totalmente Secos. Apresentação

Totalmente Secos. Apresentação Cabos Ópticos Totalmente Secos Cabos Título Ópticos da Totalmente Secos MAIS UMA INOVAÇÃO FURUKAWA Hernani Szymanski / GTC TS Totalmente Seco TECNOLOGIA FUNDAMENTAL PARA ACELERAR E IMPLEMENTAR NOVOS DESENVOLVIMENTOS

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Cablagem Fibra Óptica no ITED Ricardo Oliveira Fibra Óptica ITED 3ª edição - Mantém-se a obrigatoriedade de utilização

Leia mais

TUBO DE CRISTAL PARA USO ALIMENTAR (série 1500)

TUBO DE CRISTAL PARA USO ALIMENTAR (série 1500) TUBO DE CRISTAL PARA USO ALIMENTAR (série 1500) MEDIDA mm METROS ROLO 2x4 100 3x5 100 4x6 100 5x8 100 5x9 50 6x8 50 6x8 25 6x9 50 6x10 50 7x10 50 7x12 50 8x10 50 8x11 50 8x12 50 9x12 50 9x15 50 10x12 50

Leia mais

Redes de Distribuição de Energia Eléctrica em Baixa Tensão

Redes de Distribuição de Energia Eléctrica em Baixa Tensão Redes de Distribuição de Energia Eléctrica em Baixa Tensão J. Neves dos Santos/ J. Rui Ferreira FEUP Nov. 2004 1 ÍNDICE: 1. Definições 2. Características Gerais das Redes de Distribuição em Baixa Tensão

Leia mais

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 29 de Maio de 2007 Página 1 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Especificação Técnica ETD -00.063 Materiais de telecomunicação ópticos Versão:

Leia mais

Fabricação de um cabo elétrico

Fabricação de um cabo elétrico Fabricação de um cabo elétrico TOP CABLE Bem-vindo à TOP CABLE. Somos um dos maiores fabricantes de cabos elétricos do mundo. VIDEOBLOG Neste videoblog explicamos-lhe como se fabrica um cabo elétrico.

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS Critérios de aceitação/rejeição: o trabalho é considerado bem executado se cumprir o estabelecido no presente documento, caso contrário não é aceite, devendo proceder-se às correcções necessárias. Nota:

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

PROJETO OPGW CABLES OPGW

PROJETO OPGW CABLES OPGW PROJETO OPGW CABLES OPGW 2007 CABO OPGW Para instalação em sistemas de linhas distribuição e transmissão de energia elétrica: Abriga em seu interior, fibras ópticas. Interface de comunicação entre dois

Leia mais

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto TeraLan Descrição Cordão Óptico é o cabo óptico monofibra ou duplex com conector óptico nas duas extremidades Aplicação

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Equipamentos Diversos

Equipamentos Diversos Equipamentos Diversos Nota: Materiais não tabelados sob consulta Guias de Fibra Guias de fibra de vidro de alta qualidade com excelente resistência à tracção Revestidas exteriormente por uma bainha de

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

CORREIAS TRANSPORTADORAS. Composição Carcaça Revestimento. As correias transportadoras são compostas por dois elementos.

CORREIAS TRANSPORTADORAS. Composição Carcaça Revestimento. As correias transportadoras são compostas por dois elementos. CORREIAS TRANSPORTADORAS Composição Carcaça Revestimento As correias transportadoras são compostas por dois elementos. O elemento principal é a carcaça, estrutura resistente em lona têxtil ou em aço. Este

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA A complexidade de serviços subterrados, tais como cabos elétricas, condutas de água, cabos de telecomunicações, etc. aumenta cada vez

Leia mais

5. Instalações de chegada

5. Instalações de chegada 5. Instalações de chegada As instalações de chegada, adiante designadas também por ramais ou simplesmente chegadas, correspondem ao troço de rede eletrifica entre a rede de distribuição de BT e o sistema

Leia mais

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2014

APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2014 1/11 REGULAMENTO DO 21º CONCURSO APARATO DE PROTEÇÃO AO OVO APO 2014 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a capacidade dos competidores no desenvolvimento de elementos estruturais que resistam

Leia mais

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação Redes Estruturadas O projecto e a instalação de redes de dados em edifícios são actividades reguladas por um conjunto de normas dispersas em diversos documentos, publicados por organismos internacionais.

Leia mais

atron cabos, sa www.atron.pt CABOS PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS

atron cabos, sa www.atron.pt CABOS PARA SISTEMAS FOTOVOLTAICOS atron cabos, sa www.atron.pt Í N D I C E Interligação de Painéis Alimentação dos Inversores / Rede Pág. 03 Pág. 05 3 CABO SOLAR FLEX - 1x4 mm² 1 2 3 Cabo solar flexível de 4 mm² para instalações fotovoltaicas

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Canalizações ITED Ricardo Oliveira Canalizações - Conceitos Classificação de PD Pontos de distribuição Classifica-se como

Leia mais

Cabo Óptico Tubo Único Dielétrico

Cabo Óptico Tubo Único Dielétrico Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão. Este cabo tem como diferencial ser constituído por um único tubo loose, protegidos por termoplástico preto retardante a chama

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA,

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, As propriedades são obtidas através da quantidade, da geometria da fase

Leia mais

CEIP 120F CAIXA DE EMENDA INTERNA DE PAREDE 120

CEIP 120F CAIXA DE EMENDA INTERNA DE PAREDE 120 CEIP 120F CAIXA DE EMENDA INTERNA DE PAREDE 120 Manual de Instalação CEIP 120F CAIXA DE EMENDA INTERNA DE PAREDE 120 APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada em soluções

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho s Ópticas (TIA/EIA-) Características, Emendas e Testes de Desempenho Edson dos Santos Moreira Professor do Dep. de Sistemas de Computação Dagoberto Carvalio Junior Seção Técnica de Informática ICMC CCNA-CCAI-CCNP-FCP

Leia mais

Diversos. Nota: Materiais não tabelados sob consulta

Diversos. Nota: Materiais não tabelados sob consulta Diversos Nota: Materiais não tabelados sob consulta Estribos com Correia Estribos com Correia 121 Pistolas de Colar e Cola DESCRIÇÃO EG 314 EG 316 COLA 12085 COLA 0X11 Aplicador de Cola com Termostato.

Leia mais

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Tipo do Produto Descrição Cabo Óptico Pré-Conectorizado Cabo óptico de construção tipo tight buffer (indoor ou indoor/outdoor) pré-conectorizado em fábrica com conectores

Leia mais

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Tipo do Produto Cabo Óptico Pré-Conectorizado Descrição Cabo Óptico de construção tipo " tight buffer" (indoor ou indoor/outdoor) ou cordão multifibra (somente indoor)

Leia mais

Materiais Compósitos

Materiais Compósitos Materiais Compósitos Introdução Material que combina propriedades complementares btenção de propriedades que não se conseguem com os componentes isolados. São combinações de pelo menos dois materiais distintos,

Leia mais

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES Cabos ignífugos de baixa tensão Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-01-11 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

Normativo técnico. Anexo 2 Versão 1.2012 FIRST RULE S.A.

Normativo técnico. Anexo 2 Versão 1.2012 FIRST RULE S.A. Normativo técnico Anexo 2 Versão 1.2012 Índice 1 Introdução... 3 2 Preparação dos pedidos de disponibilidade... 3 2.1 Espaço disponível... 4 3 Instalação de cabos e equipamentos... 5 3.1 Câmaras de Visita...

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone,

3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, 3M MR Terminal Contrátil a Frio QT-II Corpo Isolador em Silicone, Série 5690K 15/25 KV a 20/35 KV Ambientes Externos e Internos Boletim Técnico Março/ 2011 1. Descrição do Produto Os conjuntos de terminais

Leia mais

Soluções de FECHO. Fechos de cortador. Modelo CPM. Modelo CPC. quadrados e circulares. Aplicación

Soluções de FECHO. Fechos de cortador. Modelo CPM. Modelo CPC. quadrados e circulares. Aplicación Soluções de FECHO Fechos de cortador Modelo CPM quadrados e circulares Modelo CPC Aplicación Aplicação Os fechos de cortador da MIGSA foram especificamente concebidos para sólidos a granel pulverulentos

Leia mais

focal DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR VANTAGENS DIMENSÕES MONTAGENS OPÇÕES

focal DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR VANTAGENS DIMENSÕES MONTAGENS OPÇÕES focal 325 Ø230 323 245 focal DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS PROJECTOR Estanquicidade: IP 66 (*) Resistência aos choques (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento eléctrico: I ou II (*) Peso (vazio): 4 kg (*)

Leia mais

Painel pré-isolado Uma nova maneira de fabricar dutos

Painel pré-isolado Uma nova maneira de fabricar dutos Painel pré-isolado Uma nova maneira de fabricar dutos Catálogo de materiais, ferramentas e acessórios AluPir: o painel pré-isolado AluPir representa uma maneira inovadora de fabricar dutos de ar. O sistema

Leia mais

Soluções Inteligentes para o dia a dia

Soluções Inteligentes para o dia a dia Soluções Inteligentes para o dia a dia TELHAS TRANSLÚCIDAS 70 % transmissão de luz =$ Alta durabilidade; Não solta fibras; Melhor custo/benefício; Leveza e flexibilidade; Proteção contra raios UV (economia

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA:

MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA: MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: Projeto de três trechos de Rede Aérea de Fibra Óptica para a Prefeitura Municipal de São Lourenço do Oeste. DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Nome do Responsável Técnico:

Leia mais

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO Conceitos Básicos sobre es Elétricos Definições: Vergalhão Produto metálico não-ferroso de seção maciça circular, destinado à fabricação de fios. Fio Metálico Produto maciço,

Leia mais

ISEL MESTRADO DE EDIFICAÇÕES ANEXO II FORMAÇÃO. José Manuel Mendes Delgado - Aluno nº 10 513 - (ANEXO 1) 1

ISEL MESTRADO DE EDIFICAÇÕES ANEXO II FORMAÇÃO. José Manuel Mendes Delgado - Aluno nº 10 513 - (ANEXO 1) 1 ANEXO II FORMAÇÃO José Manuel Mendes Delgado - Aluno nº 10 513 - (ANEXO 1) 1 Índice Páginas 1 - O programa de formação 3 2 Condições mínimas para se começar a trabalhar 3 a 4 3 - O que é o fibrocimento!

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

Abraçadeiras e Acessórios

Abraçadeiras e Acessórios Catálogo Geral N 03-09 Abraçadeiras e Acessórios 55.0366030 ABRAÇADEIRA SIMPLES FIX-RING D.14 8 100 CT 55.0366050 ABRAÇADEIRA SIMPLES FIX-RING D.16 8 100 CT 55.0366100 ABRAÇADEIRA SIMPLES FIX-RING D.18

Leia mais

ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS)

ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS) ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS) MANUAL ITED 1ª edição ANEXO 6 1 CABOS TVV E TVHV 1 2 3 4 1 5 2 3 1. Revestimento Exterior (camada de PVC) 2. Cintagem 3. Isolamento do condutor

Leia mais

CAPACETE PROTECÇÃO COLETE ALTA VISIBILIDADE JOELHEIRAS LADRILHADOR. CONE SINALIZAÇÃO PVC «MAN» 50cm CAPACETES / MÁSCARAS / SINALIZAÇÃO

CAPACETE PROTECÇÃO COLETE ALTA VISIBILIDADE JOELHEIRAS LADRILHADOR. CONE SINALIZAÇÃO PVC «MAN» 50cm CAPACETES / MÁSCARAS / SINALIZAÇÃO MÁSCARA ANTI-PÓ Ref. 1839001A Ref. 1839008 - Máscara filtrante de um só uso; - Não é um E.P.I.; Caixas.: 50 Un. MÁSCARA PARA PÓ COM VÁLVULA - Máscara tipo FFP2 (nível médio de protecção); - Máximo nível

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos

CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos Universidade Católica do Salvador Data: 23 de Setembro de 1999 Disciplina Telecomunicações e Redes Aluno: CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos Principais Fontes de Consulta: Optical

Leia mais

instalação de sistemas de terras

instalação de sistemas de terras 94 José Ribeiro joseribeiro@casafelix.pt instalação de sistemas de terras 1. Capturar o raio. Capturar o raio para um ponto conhecido de ligação preferida utilizando um sistema de ponta captora aérea específica

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Painel Solar Compacto FCC-2S. www.vulcano.pt. Janeiro 2013

FICHA TÉCNICA. Painel Solar Compacto FCC-2S. www.vulcano.pt. Janeiro 2013 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351. 218 500 300 Janeiro 2013 FICHA TÉCNICA Painel Solar Compacto FCC-2S www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 02/MNNO/2015

TERMO DE REFERÊNCIA TR 02/MNNO/2015 TERMO DE REFERÊNCIA TR 02/MNNO/2015 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE CABO DE FIBRA OPTICA DO TIPO MULTIMODO 62,5μm, APROPRIADA PARA USO EXTERNO EM DUTOS E COM PROTEÇÃO CONTRA ROEDORES, PARA

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Construção Cabos Ópticos Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

VIESMANN VITOSOL 200-F Colectores planos para aproveitamento da energia solar

VIESMANN VITOSOL 200-F Colectores planos para aproveitamento da energia solar VIESMANN VITOSOL 200-F Colectores planos para aproveitamento da energia solar Dados técnicos Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOL 200-F Modelo SV2A/B e SH2A/B Colector plano para montagem

Leia mais

Marca. Transcend, mais do que inovação e qualidade, um parceiro engajado em transpor desafios em realizações de redes ópticas.

Marca. Transcend, mais do que inovação e qualidade, um parceiro engajado em transpor desafios em realizações de redes ópticas. 1 Marca Em uma constante evolução, com um time formado por equipe interna, consultores, engenheiros dentro e fora do país e fornecedores de matéria prima globais, com uma moderna e completa planta fabril

Leia mais

Sistemas de Comunicações Ópticas- Parte II

Sistemas de Comunicações Ópticas- Parte II Sistemas de Comunicações Ópticas- Parte II Decibéis e Atenuação O decibel é uma razão de potências em dois pontos distintos, por exemplo: na entrada e na saída de uma ligação por fibras óptica em um enlace

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS

1. Introdução. 2. Definição e composição MATERIAIS COMPÓSITOS MATERIAIS COMPÓSITOS 1. Introdução A diversidade de materiais actualmente disponíveis para o uso em engenharia é extraordinariamente grande, existindo por isso materiais cada vez mais especializados para

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes Invólucros Metálicos. Cajas Salientes ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Caixa metálica para instalação

Leia mais

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões MINICOLUNAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Minicolunas para instalações elétricas de châo para

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS 1. OBJETIVO Esta norma estabelece os requisitos mínimos a serem demonstrados na avaliação

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação:

Leia mais

TELEFONE ROBUSTO TPB-401

TELEFONE ROBUSTO TPB-401 TELEFONE ROBUSTO TPB-401 MANUAL DE OPERAÇÃO DMO 2501-001B.doc 1. APRESENTAÇÃO O Telefone Robusto TPB-401 é um aparelho telefônico resistente projetado para atender às necessidades especiais de comunicação

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Muros de Contenção Catálogo 2009/2010

Muros de Contenção Catálogo 2009/2010 Muros de Contenção Catálogo 2009/2010 Landmark Para muros até 20 m de altura A solução para Muros de Engenharia de alta performance 2 Solução de alta performance O bloco LANDMARK é a mais recente aposta

Leia mais