Índice. Nomenclatura Fibras Ópticas Rede Externa Aérea - Cabos Ópticos. Rede Interna - Cabos Ópticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice. Nomenclatura... 2. Fibras Ópticas... 3. Rede Externa Aérea - Cabos Ópticos. Rede Interna - Cabos Ópticos"

Transcrição

1 Índice Nomenclatura... 2 Fibras Ópticas... 3 Rede Externa Aérea - Cabos Ópticos CFOA-SM-ASY-G / CFOA-NZD-ASY-G CFOA-SM-ASY-RA-G / CFOA-NZD-ASY-RA-G... 4 e 5 CFOA-SM-ASY-S / CFOA-NZD-ASY-S... 6 e 7 CFOA-SM-LV-AS-Y-S / CFOA-NZD-LV-AS-Y-S para Vãos de até 1000 m... 8 e 9 OPGW-SM / OPGW-NZD e 11 Rede Externa Subterrânea - Cabos Ópticos CFOA-SM-DD-S / CFOA-NZD-DD-S BLOW CABLE... CFOA-SM-DD-G / CFOA-NZD-DD-G... CFOA-SM-DD-S / CFOA-NZD-DD-S... CFOA-SM-ARE-G / CFOA-NZD-ARE-G CFOA-SM-ARD-G / CFOA-NZD-ARD-G... CFOA-SM-DE-G / CFOA-NZD-DE-G... CFOA-SM-DPE-G / CFOA-NZD-DPE-G... CFOA-SM-DDR-G (PFV) / CFOA-NZD-DDR-G (PFV)... CFOA-SM-DER-G (PPU) / CFOA-NZD-DER-G (PPU) CFOA-SM-DER-G (PFV) / CFOA-NZD-DER-G (PFV) e e e e e e e e 27 Rede Interna - Cabos Ópticos CFOI-SM-MF / CFOI-NZD-MF CFOI-SM-UB / CFOI-NZD-UB e 29 CFOT-SM-UB / CFOT-NZD-UB de Terminação Indoor/Outdoor e 31 Cordão Óptico COA-SM-MF / COA-NZD-MF Conectores Ópticos... Informações Gerais dos Cabos Ópticos Métodos de Instalação Outros Produtos Ópticos Outros Produtos e Serviços Furukawa Agradecimentos Muito obrigado por sua decisão em escolher os produtos com a qualidade Furukawa. Este catálogo permite encontrar as principais características técnicas das Fibras e Cabos Ópticos produzidos pela Furukawa. Os principais Cabos são fornecidos nas configurações Loose e Tight, projetados para atender a qualquer tipo de instalação. A atenuação de cada Fibra Óptica é medida para assegurar os requisitos solicitados pelas mais rigorosas especificações. A Central de Serviço ao Cliente está disponível para esclarecer qualquer dúvida sobre os produtos Furukawa:

2 Nomenclatura Rede Externa Aérea CFOA-X-ASY-W-Z-K Tipos de Revestimento: NR - Normal / RC - Retardante à Chama Número de Fibras Ópticas G - Núcleo Geleado; S - Núcleo Seco Vão Máximo - (80, 120, 200 m) AS - Auto Sustentado Tipos de Fibras: MM - Multimodo SM - Monomodo NZD - Dispersão não Zero Revestimento da Fibra Óptica Fibra Cabo CFOA-X-ASY-RA-G-Z Rede Assinante OPGW Optical Ground Wire Rede Externa Subterrânea Rede Interna / Externa CFOI-X-Y-Z COA-X-MF 2 CFOA-X-LV-AS-Y-W-Z-K Tipos de Revestimento: RT - Resistente ao Trilhamento / RC - Retardante à Chama / NR - Normal Número de Fibras Ópticas G - Núcleo Geleado; S - Núcleo Seco Vão Máximo - (300, 400, 500, 1000 m) AS - Auto Sustentado Óptica Fibra Cabo CFOA-X-Y-W-Z (K) Número de Fibras Ópticas Núcleo do Cabo: MF - Monofibra UB - Unidade Básica Tipos de Fibras: MM - Multimodo SM - Monomodo NZD - Dispersão não Zero Interno Óptica Fibra Cabo Monofibra Tipos de Fibras: MM - Multimodo SM - Monomodo NZD - Dispersão não Zero Revestimento da Fibra Óptico Cordão Longos Vãos Tipos de Fibras: MM - Multimodo / SM - Monomodo / NZD - Dispersão não Zero Revestimento da Fibra Características Especiais: PFV - Proteção com Fibra de Vidro / PPU - Proteção com Elemento Pultrudado Número de Fibras Ópticas G- Núcleo Geleado; S - Núcleo Seco Aplicação do Cabo DD - Dielétrico para Instalações em Dutos DE - Dielétrico para Instalações Diretamente Enterradas DPE - Dielétrico e Protegido para Instalações Diretamente Enterradas ARD - Protegido com Armadura em Fita de Aço Corrugado, para Instalações em Dutos ARE - Protegido com Armadura em Fita de Aço Corrugado, para Instalações Diretamente Enterradas DER - Dielétrico e Proteção contra Roedores para Instalações Diretamente Enterradas DDR - Dielétrico e Proteção contra Roedores para Instalações em Dutos Tipos de Fibras: MM - Multimodo / SM - Monomodo / NZD - Dispersão não Zero Revestimento da Fibra Óptica Fibra Cabo CFOT-X-Y-Z-W Fibra Cabo Grau de Proteção do Cabo Frente à Chama COG - Cabo Óptico Interno Geral COR - Cabo Óptico Interno Riser COP - Cabo Óptico Interno Plenum LSZH - Cabo Óptico Interno com Baixa Emissão de Fumaça Low Smoke and Zero Halogen Tipos de Fibras: SM - Monomodo NZD - Dispersão não Zero Terminação Óptica Número de Fibras Ópticas Formação do Núcleo MF - Cordões Ópticos EO - Elemento Óptico UB - Unidade Básica

3 Fibras Ópticas Características Ópticas Característica Requisito Aplicação: Recomendada para sistemas ópticos de baixas perdas e alta banda passante, tais como: sistemas de longa distância, redes troncais, distribuição e transmissão de de dados e vídeo. Fibra óptica monomodo com perfil de índice tipo Matched Cladding e duplo revestimento de acrilato. Possui excelentes propriedades geométricas, permitindo emendas com baixas perdas. Recomendada para todos os tipos de cabos ópticos, tais como: Loose Tube, Tight, Ribbon ou ranhura, apresentando excelente performance. Descrição: A fibra óptica de perfil tipo Matched Cladding fabricada pela Furukawa é utilizada para região de comprimentos de onda de 1310 nm e 1550 nm. Seu revestimento primário em acrilato é aplicado em dupla camada, totalizando 245 µm, fornecendo uma proteção adequada, minimizando sua sensibilidade à curvaturas. Comprimento de Onda de Corte na Fibra (λ c f ) Comprimento de Onda de Corte no Cabo (λ cc) Comprimento de Onda de Dispersão Zero (λ o ) Inclinação da Dispersão Zero (Slope-S o ): Para obter Dispersão Cromática utiliza-se a seguinte Fórmula: 4 D (λ) = S o (λ λ o ) ps/nm.km (para 1200 nm λ 1600 nm) 3 4 λ Diâmetro do Campo Modal Uniformidade de Atenuação 1285 ~ 1330 nm 1525 ~ 1575 nm Dispersão dos Modos de Polarização (PMD) Sensibilidade Óptica a Curvatura Característica Características Mecânicas Característica Tensão Mecânica Constante (Proof Test) Força de Extração do Revestimento 1150 nm λ 1330 nm cf 1270 nm 1300 nm λ o 1323 nm 0,092 ps / (nm².km) (9,3 ± 0,5) µm em 1310 nm (10,4 ± 0,8) µm em 1550 nm 0,05 db / km 0,05 db / km 0,2 ps / km ½ Requisito Requisito Diâmetro da Casca (125 ± 2) µm Diâmetro do Revestimento (245 ± 10) µm Erro de Concentricidade Campo Modal / Casca 0,8 µm Não Circularidade da Casca 1% Erro de Concentricidade Fibra / Revestimento 12 µm Características Ambientais Ciclo Térmico Comprimentos de Fornecimento m a m Especificação: ABNT NBR / ITU-T G-652 0,10 db / km em 1550 nm - Voltas = 100 Raio de Mandril = 37, 5 mm 0,70 Gpa (1,0 %) 1,5 F 5.0 N 0,05 db / km em 1550 nm (-60 ºC à + 85 ºC) 3

4 REDE EXTERNA AÉREA Cabos Ópticos CFOA-SM-ASY-G / CFOA-NZD-ASY-G CFOA-SM-ASY-RA-G / CFOA-NZD-ASY-RA-G Características Construtivas Tipos Dados Fibra Óptica Revestimento Primário da Fibra Número de Fibras * Núcleo do Cabo Elemento Central Amarração do Núcleo Revestimento Interno Revestimento Externo * Outras formações sob consulta. CFOA-SM-ASY-G Monomodo CFOA-NZD-ASY-G Monomodo com Dispersão não Zero 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120 e 144 Geleado Material não Metálico Fios de Material não Higroscópico Polietileno ou Copolímero Fibras Sintéticas de Aramida Polietileno ou Copolímero na cor Preta com ou sem Retardância à Chama CFOA - SM - AS120 - RA - G Aplicação: Sua construção tipo Loose e os materiais utilizados na fabricação do cabo, garantem total proteção contra intempéries. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transporte em entroncamentos urbanos ou acesso em redes de assinantes, sendo recomendado para instalações aéreas autosuportadas. Descrição: Cabo óptico totalmente dielétrico com núcleo resistente à penetração de umidade e revestimento externo em material termoplástico. A Furukawa recomenda somente a utilização de acessórios pré-formados para ancoragem de cabos. Para maiores informações contatar a Furukawa. Características Construtivas Dados Tipos CFOA-SM-ASY-RA-G / CFOA-NZD-ASY-RA-G Fibra Óptica Monomodo Revestimento Primário da Fibra Número de Fibras * 2, 4, 6, 8, 10 e 12 Elemento de Sustentação Fibra reforçada Plástica (FRP) - Elemento Pultrudado Revestimento Externo Polietileno ou Copolímero na cor Preta *Outras formações sob consulta. Designação Fibras Ópticas Fibras por Unidade Básica Diâmetro Externo (mm) Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento por Bobina , , CFOA-SM-ASY-RA-G , CFOA-NZD-ASY-RA-G , , , *Outros comprimentos sob consulta. Especificação: ABNT NBR 14160, Telebrás Furukawa PT-0352, PT-0953 Certificados de Homologação ANATEL XXX0256 / XXX0256 / XXX0256 4

5 REDE EXTERNA AÉREA Designação CFOA-SM-ASY-G CFOA-NZD-ASY-G *Outros comprimentos sob consulta. Características Mecânicas Fibras Fibras por Diâmetro Externo (mm) Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento Ópticas Unidade Vão Vão por Bobina Básica a ,8 12,0 12, a ,5 12,8 13, ,2 13,5 13, a ,4 13,6 14, ,1 14,4 14, CFOA-SM-ASY-G / CFOA-NZD-ASY-G ,1 16,3 16, ,0 18,2 18, ,0 20,2 20, Formações 4, 6, 8, 10,12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120, 144 Vão Força de Tração sem Acréscimo de Atenuação (kgf) Carga de Tração 1,5 Peso do cabo/km 2 x Peso do cabo/km 3 x Peso do cabo/km Carga de Compressão (kgf / 10 cm) 1 x Peso do cabo/km Mínimo N Fluência Projetada após 20 anos de Instalação (%) Máxima 0,2 CFOA-SM-ASY-RA-G / CFOA-NZD-ASY-RA-G Formações 2, 4, 6, 8, 10,12 Vão Força de Tração sem Acréscimo de Atenuação (kgf) Carga de Tração 1,5 Peso do cabo/km 2 x Peso do cabo/km Carga de Compressão (kgf / 10 cm) 1 x Peso do cabo/km Mínimo N Fluência Projetada após 20 anos de Instalação (%) Máxima 0,2 Formação dos Cabos Ópticos Disponível de 2 até 12 Fibras. CFOA-SM-ASY--RA-G 12 Revestimento Externo Rip Cord Fibras Ópticas Tubo de Proteção Formação dos Cabos Ópticos Disponível de 4 até 144 Fibras. CFOA-SM-ASY-G 72 Dielétrico Capa Interna Material de Preenchimento Elemento Central Dielétrico Tubo de Proteção Fibras Ópticas 12 Fibras 72 Fibras 5

6 REDE EXTERNA AÉREA Cabos Ópticos CFOA-SM-ASY-S / CFOA-NZD-ASY-S Características Construtivas Dados Fibra Óptica Revestimento Primário da Fibra Número de Fibras * Núcleo do Cabo Elemento Central Tipos CFOA-SM-ASY-S Monomodo CFOA-NZD-ASY-S Monomodo com Dispersão não Zero 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120 e 144 Material Hidro Expansível Material não Metálico Amarração do Núcleo Fios de Bloqueio de Água Aplicação: Sua construção tipo Loose e os materiais utilizados na fabricação do cabo, garantem total proteção contra intempéries. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transporte em entroncamentos urbanos ou acesso em redes de assinantes, sendo recomendado para instalações aéreas autosuportadas. Descrição: Cabo Óptico totalmente dielétrico, com núcleo protegido contra penetração de umidade com materiais hidro expansíveis (núcleo seco), e revestimento externo em material termoplástico, com ou sem retardância à chama. 6 FURUKAWA CFOA - SM - AS200 - S A Furukawa recomenda somente a utilização de acessórios pré-formados para ancoragem de cabos. Para maiores informações contatar a Furukawa. Revestimento Interno Revestimento Externo * Outras formações sob consulta. Designação CFOA-SM-AS80-S CFOA-NZD-AS80-S CFOA-SM-AS120-S CFOA-NZD-AS120-S CFOA-SM-AS200-S CFOA-NZD-AS200-S Fibras Ópticas *Outros comprimentos sob consulta. Fibras por Unidade Básica Especificação: ABNT NBR e Furukawa PT-0953 Certificado de Homologação ANATEL XXX0256 Polietileno ou Copolímero Fibras Sintéticas de Aramida Polietileno ou Copolímero na cor Preta com ou sem Retardância à Chama Diâmetro Externo (mm) Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento por Bobina 04 a , a , , a , , , , , a , a , , a , , , , , a , a , , a , , , , ,

7 REDE EXTERNA AÉREA Características Mecânicas CFOA-SM-ASY-S / CFOA-NZD-ASY-S Formações 4, 6, 8, 10,12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120, 144 Vão Força de Tração sem Acréscimo de Atenuação (kgf) Carga Máxima de Operação 1,5 Peso do cabo/km 2 x Peso do cabo/km 3 x Peso do cabo/km Carga de Compressão (kgf/10 cm) 1 x Peso do cabo/km Mínimo N Fluência Projetada após 20 anos de Instalação (%) Máxima 0,2 Formação dos Cabos Ópticos Disponível de 4 até 144 Fibras. CFOA-SM-ASY-S 36 Dielétrico Material de Preenchimento Elemento Central Dielétrico Tubo de Proteção Fibras Ópticas Fios de Bloqueio de Água 36 Fibras CFOA-SM-ASY-S 72 Dielétrico Material de Preenchimento Elemento Central Dielétrico Tubo de Proteção Fibras Ópticas Fios de Bloqueio de Água 72 Fibras 7

8 REDE EXTERNA AÉREA Cabos Ópticos para Vãos de até 1000 m CFOA-SM-LV-AS-Y-S / CFOA-NZD-LV-AS-Y-S Características Construtivas Dados Fibra Óptica Revestimento Primário da Fibra Número de Fibras * Núcleo do Cabo Elemento Central Amarração do Núcleo Revestimento Interno Revestimento Externo * Outras formações sob consulta. Tipos CFOA-SM-LVY-S Monomodo 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72 Material Hidro Expansível Material não Metálico Fios de Material de Bloqueio de Água Polietileno ou Copolímero Fibras Sintéticas de Aramida Polietileno ou Copolímero na cor Preta com ou sem Retardância à Chama ou Resistência ao Trilhamento CFOA-NZD-LVY-S Monomodo com Dispersão não Zero Aplicação: Sua construção tipo Loose e os materiais utilizados na fabricação do cabo, garantem total proteção contra intempéries. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transporte em entroncamentos interurbanos, sendo recomendado para instalações aéreas auto-suportadas, em longos vãos ou torres de transmissão de energia. Descrição: Cabo óptico totalmente dielétrico com núcleo resistente à penetração de umidade e revestimento externo em material termoplástico. Vão Até 500 Até 1000 N o de Fibras Ópticas 04 a a a a a a 72 N o de Fibras por Unidade Básica Outros comprimentos sob consulta. Diâmetro Externo (mm) 13,1 13,5 15,2 14,7 16,6 2 EDS - Everyday Strain (carga que o cabo está submetido na maior parte do tempo sem vento e temperatura de 20 o C). 3 CMO - Carga Máxima de Operação (carga máxima que o cabo é submetido com vento e temperatura coincidente de 15 o C). Especificação: ABNT 03: e Furukawa PT-0949 Massa Líqüida (kg/km) Comprimento por Bobina EDS 2 (kgf) CMO 3 (kgf) 14, A Furukawa recomenda somente a utilização de acessórios pré-formados para ancoragem de cabos. Para maiores informações contatar a Furukawa. 8

9 REDE EXTERNA AÉREA Características Mecânicas CFOA-SM-LVY-S / CFOA-NZD-LVY-S Formações Vão Força de Tração sem Acréscimo de Atenuação (kgf) Carga de Tração Carga de Compressão (kgf/10 cm) 4, 6, 8, 10,12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, ,5 Peso do cabo/km 4 x Peso do cabo/km 5 x Peso do cabo/km 1 x Peso do cabo/km Formação dos Cabos Ópticos Disponível de 4 até 72 Fibras. CFOA-SM-LVY-S / CFOA-NZD-LVY-S Dielétrico Fios de Bloqueio de Água Capa Interna Material de Preenchimento Elemento Central Dielétrico Tubo de Proteção Fibras Ópticas Dielétrico Fios de Bloqueio de Água Capa Interna Material de Preenchimento Elemento Central Dielétrico Tubo de Proteção Fibras Ópticas 36 Fibras 72 Fibras Critérios de Projeto de Cabos Ópticos Longos Vãos Os critérios de projeto adotados para a definição das classes com vãos de referência de até 500m são: a) Flecha mínima = 2%; b) Velocidade máxima do vento = 120km/h; c) Temperatura mínima = -5 o C; d) Temperatura máxima = 65 o C; e) Temperatura média = 20 o C; f) Temperatura coincidente = 15 o C. Os critérios de projeto adotados para a definição das classes com vãos de referência acima de 500 até 1000m são: a) Flecha mínima = 3%; b) Velocidade máxima do vento = 120km/h; c) Temperatura mínima = -5 o C; d) Temperatura máxima = 65 o C; e) Temperatura média = 20 o C; f) Temperatura coincidente = 15 o C. Quando os critérios de projetos não atenderem a necessidade específica do cliente, deverão ser informados os seguintes dados para o projeto do cabo óptico : a) Número de fibras ópticas; b) Vão máximo ; c) Flecha mínima (%); d) Velocidade máxima do vento (km/h); e) Temperatura média, mínima e coincidente (graus Celsius). Os critérios de cálculo de dimensionamento são baseados na Norma ABNT NBR

10 REDE EXTERNA AÉREA Cabos Ópticos OPGW-SM / OPGW-NZD Características Construtivas Dados Tipos OPGW-SM OPGW-NZD Fibra Óptica Monomodo Monomodo com Dispersão não Zero Revestimento Primário da Fibra Número de Fibras * 6, 12, 18, 24, 36, 48 Espaçador Alumínio Ranhurado Tubo de Proteção Alumínio Fios Externos * Outras formações sob consulta. Fios de Aço Recoberto com Alumínio e/ou Alumínio Liga Aplicação: Sua construção robusta e os materiais utilizados na fabricação do cabo, garantem total proteção contra intempéries. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transporte em entroncamentos interurbanos. Recomendado para instalações aéreas autosuportadas, em torres de transmissão de energia. Descrição: Cabo para-raio formado com fios de aço e/ou liga de aço-alumínio, com núcleo composto com fibras ópticas. Características Unid. 47 mm²54 mm² 63 mm²79 mm² 96 mm²102 mm² 105 mm² 108 mm² Fios de Aço de Alumínio Fios de Liga de Alumínio Diâmetro Externo do Tubo de Alumínio Diâmetro Externo do Cabo Massa Líqüida Características Elétricas e Mecânicas Características Nº/mm Nº/mm mm mm kg/km Unid. Resistência Elétrica em CC à 20 o Ω/km C Coeficiente de Expansão Linear 1/ o C x 10-6 Final Condutividade do % IACS Fio de Aço-Alumínio Modo de kgf / mm² Elasticidade Final Carga de Ruptura kgf Capacidade Máxima de Corrente de ka².s Curto Circuito Temperatura Máxima para o C Corrente de Curto Circuíto 9 / 2,59-5,0 10, ,03 12,6 20, / 2,5-6,5 11, ,74 12,6 20, / 2,59 4 / 2,59 7,5 12, ,64 14,1 20, / 3,78-5,0 12, ,75 13,3 20, / 3,9 5 / 3,9 6,5 14, ,34 16,7 20, / 3,80-5,0 12, , / 3,85 3 / 3,85 5,0 12, , / 3,91 4 / 3,91 5,0 12,6 47 mm² 54 mm² 63 mm²79 mm² 96 mm² 102 mm² 105 mm² 108 mm² 565 0,49 0,37 0,34 13,6 15,3 16,0 20, Especificação: ABNT NBR

11 REDE EXTERNA AÉREA Formação dos Cabos OPGW Disponível de 6 até 48 Fibras. OPGW 54 mm² - 36 Fibras Configuração da Unidade Básica (06 ou 08 fibras) Fibras Ópticas Elemento Central Configuração do Núcleo Óptico Unidade Básica Espaçador de Alumínio Tubo de Alumínio Fios de Aço - Alumínio Unidade Básica Tubo de Alumínio Espaçador de Alumínio 11

12 REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA Cabos Ópticos BLOW CABLE CFOA-SM-DD-S / CFOA-NZD-DD-S Características Construtivas Tipos Dados CFOA-SM-DD-S CFOA-NZD-DD-S Fibra Óptica Revestimento Primário da Fibra Monomodo Monomodo com Dispersão não Zero Número de Fibras * 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120 e 144 Núcleo do Cabo Material Hidro Expansível Elemento Central Material não Metálico Fibras Dielétricas Amarração do Núcleo Fios de Bloqueio de Água * Outras formações sob consulta. Polietileno ou Copolímero na cor Preta Aplicação: Sua construção tipo Loose e os materiais utilizados na fabricação do cabo, garantem total proteção contra intempéries. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transportes em entroncamentos urbanos ou de acesso em redes de assinantes. Sua capa externa com perfil ondulado proporciona um menor coeficiente de atrito nos dutos e subdutos, permitindo uma maior eficiência no arraste imposto pelo fluxo de ar. Descrição: Cabo óptico totalmente dielétrico. Núcleo protegido contra a penetração de umidade, com materiais hidro expansíveis (núcleo seco). Capa externa com perfil ondulado, em termoplástico na cor preta. Designação BLOW CABLE CFOA-SM-DD-S CFOA-NZD-DD-S Fibras Ópticas * Outros comprimentos sob consulta. Fibras por Unidade Básica Diâmetro Externo (mm) Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento por Bobina 04 a , a , , a , , , , , Especificação: ABNT NBR e Furukawa PT-1035 Certificado de Homologação ANATEL XXX

13 REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA Características Mecânicas CFOA-SM-DD-S / CFOA-NZD-DD-S (BLOW CABLE) Formações Carga Máxima de Instalação Resistência à Compressão Raio Mínimo de Curvatura (mm) Durante a Instalação Após Cabo Instalado 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30,36, 48, 60, 72, 96, 120 e x Peso do Cabo por km Mínimo: x Peso do Cabo por km Mínimo: x Diâmetro Externo do Cabo 10 x Diâmetro Externo do Cabo Formação dos Cabos Ópticos Disponível de 04 até 144 Fibras. CFOA-SM-DD-S / CFOA-NZD-DD-S (BLOW CABLE) Material de Preenchimento Tubo de Proteção Elemento Central Dielétrico Fibras Ópticas Fios de Bloqueio de Água Rip Cord 36 Fibras 144 Fibras 13

14 REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA Cabos Ópticos CFOA-SM-DD-G / CFOA-NZD-DD-G Características Construtivas Dados Tipos Fibra Óptica Revestimento Primário da Fibra Número de Fibras * Núcleo do Cabo Elemento Central Amarração do Núcleo * Outras formações sob consulta. CFOA-SM-DD-G Monomodo CFOA-NZD-DD-G Monomodo com Dispersão não Zero 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120, 144, 216 e 288 Geleado Material não Metálico Fibras Dielétricas Fios de Material não Hogroscópico Polietileno ou Copolímero na cor Preta Aplicação: Sua construção tipo Loose e os materiais utilizados na fabricação do cabo, garantem total proteção contra intempéries. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transportes em entroncamentos urbanos ou de acesso em redes de assinantes. Pode ser instalado em linhas de dutos ou linhas aéreas espinado em uma cordoalha. Descrição: Cabo óptico totalmente dielétrico com alta resistência ao tracionamento. Núcleo preenchido com geléia para evitar a penetração de umidade. Capa externa em termoplástico na cor preta. Designação CFOA-SM-DD-G CFOA-NZD-DD-G Fibras Ópticas * Outros comprimentos sob consulta. Fibras por Unidade Básica Diâmetro Externo (mm) Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento por Bobina 04 a , a , , a , , , , , , , Especificação: ABNT NBR 14566, Telebrás , Furukawa PT-0119 Certificados de Homologação ANATEL XXX0256 / XXX0256 / XXX0256 / XXX

15 REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA Características Mecânicas CFOA-SM-DD-G / CFOA-NZD-DD-G Formações Carga Máxima de Instalação Resistência à Compressão Raio Mínimo de Curvatura (mm) Durante a Instalação Após Cabo Instalado 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30,36, 48, 60, 72, 96, 120, 144, 216, x Peso do Cabo por km Mínimo: x Peso do Cabo por km Mínimo: x Diâmetro Externo do Cabo 10 x Diâmetro Externo do Cabo Formação dos Cabos Ópticos Disponível de 04 até 288 Fibras. CFOA-SM-DD-G / CFOA-NZD-DD-G Material de Preenchimento Tubo de Proteção Elemento Central Dielétrico Fibras Ópticas Rip Cord 36 Fibras 144 Fibras Material de Preenchimento Tubo de Proteção Elemento Central Dielétrico Fibras Ópticas Rip Cord 216 Fibras 288 Fibras 15

16 REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA Cabos Ópticos CFOA-SM-DD-S / CFOA-NZD-DD-S Características Construtivas Dados Fibra Óptica Revestimento Primário da Fibra Número de Fibras * Núcleo do Cabo Elemento Central Amarração do Núcleo * Outras formações sob consulta. Tipos CFOA-SM-DD-S Monomodo Monomodo com Dispersão não Zero 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120, 144, 216 e 288 Material Hidro Expansível Material não Metálico Fibras Dielétricas Fios de Bloqueio de Água Polietileno ou Copolímero na cor Preta CFOA-NZD-DD-S Aplicação: Sua construção tipo Loose e os materiais utilizados na fabricação do cabo, garantem total proteção contra intempéries. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transportes em entroncamentos urbanos ou de acesso em redes de assinantes. Pode ser instalado em linhas de dutos ou linhas aéreas espinado em uma cordoalha. Descrição: Cabo óptico totalmente dielétrico com alta resistência ao tracionamento. Núcleo protegido contra penetração de umidade com materiais hidroexpansíveis (núcleo seco). Capa externa em material termoplástico, na cor preta. Designação CFOA-SM-DD-S CFOA-NZD-DD-S Fibras Ópticas * Outros comprimentos sob consulta. Fibras por Unidade Básica Diâmetro Externo (mm) Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento por Bobina 04 a , a , , a , , , , , , , Especificação: ABNT NBR 14566, Furukawa PT-0119 Certificado de Homologação ANATEL XXX

17 REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA Características Mecânicas CFOA-SM-DD-S / CFOA-NZD-DD-S Formações Carga Máxima de Instalação Resistência à Compressão Raio Mínimo de Curvatura (mm) Durante a Instalação Após Cabo Instalado 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30,36, 48, 60, 72, 96, 120, 144, 216, x Peso do Cabo por km Mínimo: x Peso do Cabo por km Mínimo: x Diâmetro Externo do Cabo 10 x Diâmetro Externo do Cabo Formação dos Cabos Ópticos Disponível de 04 até 288 Fibras. CFOA-SM-DD-S / CFOA-NZD-DD-S Material de Preenchimento Tubo de Proteção Elemento Central Dielétrico Fibras Ópticas Fios de Bloqueio de Água Rip Cord 36 Fibras 144 Fibras Material de Preenchimento Tubo de Proteção Elemento Central Dielétrico Fibras Ópticas Fita de Bloqueio de Água Fios de Bloqueio de Água Rip Cord 216 Fibras 288 Fibras 17

18 18 REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA Aplicação: Sua armadura em fita de aço corrugado, faz com que seja recomendado para instalações sujeitas ao ataque de roedores. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transporte em entroncamentos urbanos, interurbanos e acesso em rede de assinantes, e instalado em canalizações subterrâneas, ou diretamente enterradas. Descrição: Cabo óptico com núcleo dielétrico, proteção com armadura de aço corrugado. Capa externa em material termoplástico, na cor preta. Cabos Ópticos CFOA-SM-ARE-G / CFOA-NZD-ARE-G CFOA-SM-ARD-G / CFOA-NZD-ARD-G Características Construtivas Dados Fibra Óptica Revestimento Primário da Fibra Número de Fibras * Núcleo do Cabo Elemento Central Designação CFOA-SM-ARD-G CFOA-NZD-ARD-G Fibras Ópticas * Outros comprimentos sob consulta. CFOA-SM-ARD-G CFOA-NZD-ARD-G Monomodo ou Monomodo com Dispersão não Zero Fibras por Unidade Básica 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48 60, 72, 96, 120, 144, 216, 288 Geleado Material não Metálico Amarração do Núcleo Fios de Material não Higroscópico Fios de Material não Higroscópico Capa Interna - Polietileno ou Copolímero Proteção contra Roedores Fita de Aço Corrugado Fita de Aço Corrugado * Outras formações sob consulta. Tipos Designação CFOA-SM-ARE-G CFOA-NZD-ARE-G Fibras Ópticas * Outros comprimentos sob consulta. Fibras Dielétricas Polietileno ou Copolímero na cor Preta Fibras por Unidade Básica Diâmetro Externo (mm) Diâmetro Externo (mm) Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento por Bobina 04 a , a , , a , , , Especificação: ABNT , e Furukawa PT-0966 Certificado de Homologação ANATEL XXX0256 CFOA-SM-ARE-G CFOA-NZD-ARE-G Monomodo ou Monomodo com Dispersão não Zero 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48 60, 72, 96, 120, 144, 216, 288 Geleado Material não Metálico - Polietileno ou Copolímero na cor Preta Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento por Bobina 04 a , a , , a , , , , , , , , , , ,

19 REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA Características Mecânicas CFOA-SM-ARE-G / CFOA-NZD-ARE-G Formações Carga Máxima de Instalação Resistência à Compressão Raio Mínimo de Curvatura (mm) Durante a Instalação Após Cabo Instalado 4, 6, 8, 10,12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120, 144, 216, x Diâmetro Externo do Cabo 10 x Diâmetro Externo do Cabo Teste realizado em campo mostrando o cabo atacado por roedores. CFOA-SM-ARD-G / CFOA-NZD-ARD-G Formações 4, 6, 8, 10,12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120, 144, 216, 288 Carga Máxima de Instalação 2 x Peso do Cabo por km Resistência à Compressão 1 x Peso do Cabo por km Mínimo: 1000 N Raio Mínimo de Curvatura (mm) Durante a Instalação 20 x Diâmetro Externo do Cabo Após Cabo Instalado 10 x Diâmetro Externo do Cabo Formação dos Cabos Ópticos Disponível de 04 até 144 Fibras. CFOA-SM-ARE-G / CFOA-NZD-ARE-G Capa Interna Tubo de Proteção Elemento Central Dielétrico Rip Cord Material de Preenchimento Fibras Ópticas Fita de Bloqueio de Água Fita de Aço Corrugado 36 Fibras 144 Fibras CFOA-SM-ARD-G / CFOA-NZD-ARD-G Rip Cord Tubo de Proteção Elemento Central Dielétrico Material de Preenchimento Fibras Ópticas Fita de Bloqueio de Água Fita de Aço Corrugado 36 Fibras 144 Fibras 19

20 Cabos Ópticos CFOA-SM-DE-G / CFOA-NZD-DE-G REDE EXTERNA SUBTERRÂNEA FURUKAWA CFOA-SM-DE-G Aplicação: Sua construção tipo Loose e os materiais utilizados na fabricação do cabo, garantem total proteção contra intempéries. Indicado para instalações externas como cabo para rede de transportes em entroncamentos interurbanos. Seu revestimento em poliamida protege contra o ataque de formigas e cupins (termitas), sendo recomendado para instalações diretamente enterradas. Descrição: Cabo óptico totalmente dielétrico, com alta resistência à compressão e proteção contra o ataque de insetos, como formigas e cupins (termitas). Características Construtivas Dados Fibra Óptica Número de Fibras * Núcleo do Cabo Elemento Central Amarração do Núcleo Capa Interna Revestimento Interno * Outras formações sob consulta. Designação CFOA-SM-DE-G CFOA-NZD-DE-G Tipos Revestimento Primário da Fibra Fibras Ópticas * Outros comprimentos sob consulta. CFOA-SM-DE-G Monomodo Fibras por Unidade Básica Diâmetro Externo (mm) Monomodo com Dispersão não Zero 4, 6, 8, 10, 12, 18, 24, 30, 36, 48, 60, 72, 96, 120,144 Geleado Material não Metálico Fios de Material não Higroscópico Polietileno ou Copolímero na cor Preta Poliamida (Nylon) Polietileno ou Copolímero na cor Preta CFOA-NZD-DE-G Massa Líqüida (kg/km) *Comprimento por Bobina 04 a , a , a , , , , , Especificação: ABNT NBR 14103, Telebrás , Furukawa PT 1177 Certificados de Homologação ANATEL XXX0256 / XXX0256 / XXX

CFOT-MF/UB. Interno / Externo

CFOT-MF/UB. Interno / Externo CFOT-MF/UB Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Núcleo Seco Tubo Loose (UB) ou Cordão Monofibra (MF) SM ou MM Descrição Conjunto constituído por cordões ópticos ("tight buffer") ou tubos

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Cabos Ópticos Construção Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Construção Cabos Ópticos Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras ópticas do tipo multimodo ou monomodo.

Leia mais

CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR

CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR CABO ÓPTICO FIBER-LAN INDOOR/OUTDOOR Tipo do Produto Cabos Ópticos Família do Produto Construção TeraLan Dielétrico Tight Monomodo ou Multimodo Descrição Cabo óptico tipo "tight", constituído por fibras

Leia mais

Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC)

Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC) Cabo Optico Aéreo Dielétrico Tubo unico ASU (NR/RC) Os cabos ópticos TELCON contam com uma excelente proteção e transmissão óptica para conectar longas distancias e outros serviços como Multimedia, Internet

Leia mais

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX

CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX CORDÃO ÓPTICO MONOFIBRA OU DUPLEX Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto TeraLan Descrição Cordão Óptico é o cabo óptico monofibra ou duplex com conector óptico nas duas extremidades Aplicação

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 299, DE 20 DE JUNHO DE 2002 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS DE FIBRAS ÓPTICAS 1. OBJETIVO Esta norma estabelece os requisitos mínimos a serem demonstrados na avaliação

Leia mais

Cabo Óptico Tubo Único Dielétrico

Cabo Óptico Tubo Único Dielétrico Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão. Este cabo tem como diferencial ser constituído por um único tubo loose, protegidos por termoplástico preto retardante a chama

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Manutenção / Departamento de Manutenção de Sistemas Digitais Especificação Técnica ETD -00.063 Materiais de telecomunicação ópticos Versão:

Leia mais

Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada

Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada Cabo Óptico Anti-Roedor com Fita de Aço Corrugada Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão e proteção das fibras ópticas contra mudanças ambientais. Estes cabos são formados

Leia mais

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC

Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Cabo Óptico Pré-Conectorizado LC/SC Tipo do Produto Descrição Cabo Óptico Pré-Conectorizado Cabo óptico de construção tipo tight buffer (indoor ou indoor/outdoor) pré-conectorizado em fábrica com conectores

Leia mais

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Tipo do Produto Cabo Óptico Pré-Conectorizado Descrição Cabo Óptico de construção tipo " tight buffer" (indoor ou indoor/outdoor) ou cordão multifibra (somente indoor)

Leia mais

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA

EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada é composta, (1) normalmente, por dois itens principais : Extensão Óptica:

Leia mais

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA

14 CABOS DE FIBRA ÓTICA FIBRA OTICA 4 4 CABOS DE FIBRA ÓTICA Fibra Ótica com diferentes tipos de cabos: Tight Buffer - Estrutura Fechada Fibra ótica com revestimento em PVC. Usado para ligações dentro de edifícios (cabos, cordões

Leia mais

TREINAMENTO de PRODUTOS

TREINAMENTO de PRODUTOS TREINAMENTO de PRODUTOS Tecnologia R&D Sorocaba 11 de Maio de 2010 www.telcon.com.br Produtos Fibras Ópticas Fibras Ópticas VANTAGENS DAS FIBRAS ÓPTICAS» Alta capacidade de transmissão (dados, voz, imágens);»

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA:

MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA: MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: Projeto de três trechos de Rede Aérea de Fibra Óptica para a Prefeitura Municipal de São Lourenço do Oeste. DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Nome do Responsável Técnico:

Leia mais

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho

Roteiro. Roteiro. Fibras Ópticas. Características, Emendas e Testes de Desempenho s Ópticas (TIA/EIA-) Características, Emendas e Testes de Desempenho Edson dos Santos Moreira Professor do Dep. de Sistemas de Computação Dagoberto Carvalio Junior Seção Técnica de Informática ICMC CCNA-CCAI-CCNP-FCP

Leia mais

Totalmente Secos. Apresentação

Totalmente Secos. Apresentação Cabos Ópticos Totalmente Secos Cabos Título Ópticos da Totalmente Secos MAIS UMA INOVAÇÃO FURUKAWA Hernani Szymanski / GTC TS Totalmente Seco TECNOLOGIA FUNDAMENTAL PARA ACELERAR E IMPLEMENTAR NOVOS DESENVOLVIMENTOS

Leia mais

Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas

Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas Cabos Ópticos Totalmente Secos Soluções Ópticas para Infraestrutura de Redes Ópticas Christiane Suemy EXCELÊNCIA EM INFRAESTRUTURA DE REDE DE ACESSO PARA PROVEDORES DE INTERNET SPLITTER DE 1 er NÍVEL SPLITTER

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS

KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS KIT DE ADAPTADORES ÓPTICOS Tipo do Produto Cordão Óptico Família do Produto Padrão TeraLan RoHS Compliant Descrição Os kits de adaptadores ópticos são compostos por adaptadores ópticos, monofibra ou duplex,

Leia mais

CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos

CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos Universidade Católica do Salvador Data: 23 de Setembro de 1999 Disciplina Telecomunicações e Redes Aluno: CABOS DE FIBRA ÓTICA soluções para ambientes agressivos Principais Fontes de Consulta: Optical

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-002 (2012) MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO DE REDES DE FIBRAS ÓPTICAS VERSÃO 1.0

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-002 (2012) MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO DE REDES DE FIBRAS ÓPTICAS VERSÃO 1.0 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-002 (2012) MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO DE REDES DE FIBRAS ÓPTICAS VERSÃO 1.0 ESTA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FOI BASEADA NAS ESPECIFICAÇÕES DA REDE NACIONAL DE PESQUISA (RNP),

Leia mais

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS

FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS FIBRA ÓTICA CABOS CORDÃO ÓTICO SIMPLEX OU DUPLEX GAVETAS DE DISTRIBUIÇÃO FIBRA ÓTICA TORPEDOS E CAIXAS PARA JUNTAS ADAPTADORES CONVERSORES DE MEIOS 04 05 0 07 08 09 02 FIBRA ÓTICA TECNOLOGIA ÓTICA Com

Leia mais

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3 Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 3 Conteúdo Cabos Ópticos Aplicação LAN Cabos Ópticos Aplicação Lan - Linha FCS Acessórios Ópticos - Aplicação Lan - Linha FCS Recomendação De Instalação

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Meios de Transmissão

Leia mais

Manual Técnico Telcon Departamento de Engenharia

Manual Técnico Telcon Departamento de Engenharia 1/13 Sumário 1. Objetivo 2. Referências 3. Uso e Aplicação 4. Definições 5. Designação 6. Características Construtivas 7. Formação dos Cabos 8. Instruções Gerais de Instalação 9. Teste do Cabo antes do

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /2015 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos

Leia mais

Splitter Óptico 1xN Balanceado

Splitter Óptico 1xN Balanceado Splitter Óptico 1xN Balanceado Tipo do Produto Família do Produto Descrição Splitter óptico FBS - Furukawa Broadband System Splitters Ópticos são componentes passivos que realizam a divisão do sinal óptico

Leia mais

TeraLan Linha Óptica Taxas de transmissão na velocidade da luz. GigaLan Augmented 10 Gb em 100 metros, sem interferências.

TeraLan Linha Óptica Taxas de transmissão na velocidade da luz. GigaLan Augmented 10 Gb em 100 metros, sem interferências. TeraLan Linha Óptica Taxas de transmissão na velocidade da luz. multimodo convencionais ou especiais otimizadas. GigaLan Augmented 10 Gb em 100 metros, sem interferências. ser prejudicial ao tráfego de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1. Contratação para a execução dos serviços de lançamento de cabo óptico e acessórios que comporão um sistema de transmissão digital de alta confiabilidade para sinais de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

153163.662014.62818.4544.171470247.993

153163.662014.62818.4544.171470247.993 153163.662014.62818.4544.171470247.993 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa C atarina Pró-Reitoria de Administração Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00066/2014 (SRP) Às 08:30 horas

Leia mais

>Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior

>Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior 3. Cabos de Fibra Óptica >Objectivo Este módulo tem como objectivo, a introdução às questões relacionadas como desenho de cabos de fibras ópticas, com o sua aplicação em ambientes diversos e com o estudo

Leia mais

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br

GPON. Rede Óptica Passiva GigabitG. Leonardo F. Oliveira. Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON Rede Óptica Passiva GigabitG Leonardo F. Oliveira Especialista Lato Sensu em Rede de Computadores Leonardo@uesb.edu.br GPON O que égpon? Utilização da fibra óptica para interligar pontos distantes

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

Marca. Transcend, mais do que inovação e qualidade, um parceiro engajado em transpor desafios em realizações de redes ópticas.

Marca. Transcend, mais do que inovação e qualidade, um parceiro engajado em transpor desafios em realizações de redes ópticas. 1 Marca Em uma constante evolução, com um time formado por equipe interna, consultores, engenheiros dentro e fora do país e fornecedores de matéria prima globais, com uma moderna e completa planta fabril

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 348, DE 2 DE SETEMBRO DE 2003 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CABOS PÁRA-RAIOS COM FIBRAS ÓPTICAS PARA LINHAS AÉREAS DE TRANSMISSÃO (OPGW) 1. Objetivo Esta norma estabelece

Leia mais

FAST-LAN ETHERNET INDUSTRIAL CAT.6 F/UTP 23AWGx4P

FAST-LAN ETHERNET INDUSTRIAL CAT.6 F/UTP 23AWGx4P FAST-LAN ETHERNET INDUSTRIAL CAT.6 F/UTP 23AWGx4P Tipo do Produto Cabos LAN Família do Produto FASTLAN Construção Categoria 6 F/UTP (blindado) PVC/TPU - CM/CMX Características Gerais Descritivo Ambiente

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008 Treinamento FIBRAS ÓPTICAS Eng. Marcelo dos Santos Seicom Florianópolis Abril de 2008 Programa Tipos de conectores de F.O; Quais conectores os SDH da Vivo FNS usam; Atenuação na fibra; Diferenças entre

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

5 4 3 2 1 Excelente Muito bom Bom Médio Limitado

5 4 3 2 1 Excelente Muito bom Bom Médio Limitado O sistema de Fibra Óptica JetLanOptic é uma solução de cableagem óptica que inclui toda uma gama de cabos de fibra tanto para interior como para exterior, além dos componentes e acessórios necessários

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos 1 Objetivo Procedimento Operacional Pág.: 1/15 Determinar as condições exigíveis de acondicionamento, transporte, armazenamento e movimentação de bobinas de condutores elétricos, visando à integridade

Leia mais

CABO OPTICO CFOA-DD - PADRÃO ABNT

CABO OPTICO CFOA-DD - PADRÃO ABNT CABO OPTICO CFOA-DD - PADRÃO ABNT Tipo do Produto Cabos Ópticos ROHS Compliant Dielétrico Núcleo Seco ou Geleado Tubos Loose SM, MM e NZD Descrição Cabo óptico totalmente dielétrico de 02 (dois) a 288

Leia mais

CABOS TIPO: Tight-Buffer.

CABOS TIPO: Tight-Buffer. CABOS TIPO: Tight-Buffer. Manual de Instalação CABOS TIPO: Tight-Buffer APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Empresa especializada em soluções completas de alta performance para comunicação de dados e

Leia mais

PROJETO OPGW CABLES OPGW

PROJETO OPGW CABLES OPGW PROJETO OPGW CABLES OPGW 2007 CABO OPGW Para instalação em sistemas de linhas distribuição e transmissão de energia elétrica: Abriga em seu interior, fibras ópticas. Interface de comunicação entre dois

Leia mais

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 1 REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES Introdução O sistema de Telecomunicações constará alimentação dos pontos de comunicação

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2014 Política de Qualidade Atender as expectativas dos nossos clientes e requisitos regulamentares com a participação de todos os funcionários, buscando a melhoria contínua em

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa especializada para realizar a atualização tecnológica do backbone óptico da rede lógica para o padrão 10 Gigabit Ethernet, integrante do SISTEMA ELETRÔNICO/TELEMÁTICA

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 5 Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação - Fibra Óptica 1 Conteúdo Conceitos Iniciais Tipos Fatores de Perdas Medição e Teste Vantagens Conversores e Conectores Meios

Leia mais

SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE

SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE SOLUÇÕES DE ALTA PERFORMANCE PARA INFRA-ESTRUTURA DE REDE Pioneirismo e Liderança no Mercado Brasileiro A Furukawa faz parte de um sólido grupo empresarial japonês formado pela Furukawa Electric Co. e

Leia mais

Tipos de cabos: 1. Cabos de Distribuição Design compacto economiza espaço. Menor custo de instalação.

Tipos de cabos: 1. Cabos de Distribuição Design compacto economiza espaço. Menor custo de instalação. Universidade Católica do Salvador Disciplina: Teleprocessamento e Redes Professor: Marco Antônio Aluna: Monaliza Ayres Data: 27/09/1999 A Fibra Ótica como Meio de Transmissão de Dados em Ambientes Agressivos

Leia mais

PTTMETRO. 5º PTTForum

PTTMETRO. 5º PTTForum PTTMETRO AVALIAÇÃO DE REDES ÓPTICAS METROPOLITANAS 5º PTTForum 29 de Novembro de 2011 Salvador Rodrigues Equipe de Engenharia PTT.br AGENDA: - COMPONENTES DE REDE ÓPTICA

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 FIBRA ÓPTICA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO PADRÃO DE EQUIPAMENTOS APLICADOS NA PROTEÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Automação ELABORADO POR: COLABORADORES:

Leia mais

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD

DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD 2 Manual de Instalação DIO HDMOD Manual de Instalação DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO HDMOD APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada

Leia mais

CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP

CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP Tipo do Produto Cabos LAN Família do Produto Construção GigaLan Augmented RoHS Compliant Categoria 6A F/UTP (blindado) PVC - CM, CMR Características Gerais

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Cablagem Fibra Óptica no ITED Ricardo Oliveira Fibra Óptica ITED 3ª edição - Mantém-se a obrigatoriedade de utilização

Leia mais

email: cookvendas@cookenergia.com Acesse nosso site: www.cookenergia.com Telefones: (55) 21 2609-4196 - (55) 21 9387-1021

email: cookvendas@cookenergia.com Acesse nosso site: www.cookenergia.com Telefones: (55) 21 2609-4196 - (55) 21 9387-1021 Cordões Ópticos Montados em Conectores, Especificação: SUMÁRIO: 1 Objetivo. 2 Referências Normativas. 3 Definições. 4 Condições Gerais. 5 Condições Específicas. 6 Inspeção. 7 Aceitação e Rejeição. 8 Procedimento

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia

Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia Fios e cordoalhas de aço 1 Qualidade que faz a diferença. Conhecer a qualidade das coisas é saber diferenciá-las. E, assim, poder escolher

Leia mais

Sistemas de Comunicações Ópticas- Parte II

Sistemas de Comunicações Ópticas- Parte II Sistemas de Comunicações Ópticas- Parte II Decibéis e Atenuação O decibel é uma razão de potências em dois pontos distintos, por exemplo: na entrada e na saída de uma ligação por fibras óptica em um enlace

Leia mais

CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P

CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P Tipo do Produto Cabos LAN Família do Produto Construção GigaLan Augmented RoHS Compliant Categoria 6A F/UTP (blindado) PVC - CM, CMR Características Gerais

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Cabos Ópticos Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Cabos Ópticos Estruturas de encapsulamento e empacotamento de

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS)

ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS) ANEXO 5 MATERIAIS E FERRAMENTAS ESPECÍFICAS (PARTE 1 CABOS) MANUAL ITED 1ª edição ANEXO 6 1 CABOS TVV E TVHV 1 2 3 4 1 5 2 3 1. Revestimento Exterior (camada de PVC) 2. Cintagem 3. Isolamento do condutor

Leia mais

CEIP 120F CAIXA DE EMENDA INTERNA DE PAREDE 120

CEIP 120F CAIXA DE EMENDA INTERNA DE PAREDE 120 CEIP 120F CAIXA DE EMENDA INTERNA DE PAREDE 120 Manual de Instalação CEIP 120F CAIXA DE EMENDA INTERNA DE PAREDE 120 APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada em soluções

Leia mais

DIO A270 DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO A270

DIO A270 DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO A270 DIO A270 DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO A270 Manual de Instalação DISTRIBUIDOR INTERNO ÓPTICO DIO A270 APRESENTAÇÃO FURUKAWA INDUSTRIAL S.A. Produtos Elétricos Empresa especializada em soluções completas

Leia mais

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO Conceitos Básicos sobre es Elétricos Definições: Vergalhão Produto metálico não-ferroso de seção maciça circular, destinado à fabricação de fios. Fio Metálico Produto maciço,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Cabo Óptico DROP DROP F8 X YF COG. Cabo Óptico Externo UTD CFOA X UTD G YF COG. Cordão Óptico COA COA X MF Y - COG

Cabo Óptico DROP DROP F8 X YF COG. Cabo Óptico Externo UTD CFOA X UTD G YF COG. Cordão Óptico COA COA X MF Y - COG Linha Óptica Linha de produtos que tem como principal função proporcionar o tráfego de dados, voz e imagem através de cordões e cabos de fibra óptica com o auxílio de acessórios para garantir a infraestrutura

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

LINHA ÓPTICA. Distribuidor Interno Óptico Gaveta. Distribuidor Interno Óptico Fit

LINHA ÓPTICA. Distribuidor Interno Óptico Gaveta. Distribuidor Interno Óptico Fit Distribuidor Interno Óptico Gaveta Módulo montado. Estrutura padrão 19 com gaveta metálica deslizante, frente em acrílico. Fornecido com módulos que fazem a reserva técnica de cabos, acomodação das emendas

Leia mais

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos:

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos: 1/7 1. OBJETIVO: 1.1. Esta Especificação Técnica tem por objetivo definir as características e estabelecer os critérios para a fabricação e aceitação do Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente

Leia mais

Rede Externa Telefonia Fixa

Rede Externa Telefonia Fixa 1 Aluno(a):......Turma:... Rede Externa Telefonia Fixa 2 REDES TELEFÔNICAS ÍNDICE 1) Introdução...3 2) Subdivisão e Componentes da Rede Externa...4 3) Tipos de Redes Externas...6 4) Projeto de Rede Telefônica

Leia mais

Distribuidor Interno Óptico Gaveta. Distribuidor Interno Óptico Fit

Distribuidor Interno Óptico Gaveta. Distribuidor Interno Óptico Fit Linha Óptica Família de produtos que tem como principal função proporcionar o tráfego de dados, voz e imagem através de cordões e cabos de fibra óptica com o auxílio de acessórios para garantir a infraestrutura

Leia mais

Anexo V. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Redes de Fibras Ópticas

Anexo V. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Redes de Fibras Ópticas Anexo V Manual de Contratação de Serviços de Construção de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 17/11/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa: Aprovado por: Data :

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Fibra Óptica. Por que escolher a 3M? O futuro é FTTB / FTTA FTTP. Soluções inovadoras, a 3M é um fornecedor completo para

Fibra Óptica. Por que escolher a 3M? O futuro é FTTB / FTTA FTTP. Soluções inovadoras, a 3M é um fornecedor completo para Celular Fiber-tothe-Antenna FTTH FTTB / FTTA Planta Externa subterrânea FTTP Por que escolher a 3M? Soluções inovadoras, a 3M é um fornecedor completo para implementações de projetos FTTH em MDUs. A 3M

Leia mais

Especi cação Técnica Cabo OPGW

Especi cação Técnica Cabo OPGW Especi cação Técnica Cabo OPGW No Especificação.: ZTT 15-48656 Revisão: DS_V.00-15/02/2016 Escrito por: Fabricante: ZTT Cable - Jiangsu Zhongtian Technology Co.,td. Gerencia Técnica Escritório Comercial

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Fibras Óticas Enquanto

Leia mais

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V.

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. GRANATA 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GENERALIDADES PROJETO CABOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

TECNOLOGIAS DE REDES ÓPTICAS

TECNOLOGIAS DE REDES ÓPTICAS WE RE WELL CONNECTED TECNOLOGIAS DE REDES ÓPTICAS DIAMOND SA / 11-06 / 1 Eduardo Meirelles eduardo.meirelles@diamond-brasil.com.br DIAMOND WORLDWIDE Atividades de desenvolvimento, fabricação e comercialização

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

CURSO DE FIBRA ÓPTICA

CURSO DE FIBRA ÓPTICA CURSO DE FIBRA ÓPTICA TEORIA Prof. Vanir Lino Rodrigues vanirlino@yahoo.com.br PROGRAMA Vantagens e desvantagens das fibras ópticas Sistema de comunicação por fibra óptica Funcionamento da fibra óptica

Leia mais

Cabeamento Estruturado e Infraestrutura Profº Luiz Cláudio Buzeti CABEAMENTO ÓTICO

Cabeamento Estruturado e Infraestrutura Profº Luiz Cláudio Buzeti CABEAMENTO ÓTICO CABEAMENTO ÓTICO 1 CABEAMENTO ÓTICO Um cabo de fibra óptica nada mais é do que a reunião de várias fibras revestídas de materiais que proporcionam resistências mecânicas e proteção contra intempéries,

Leia mais

Cidades Digitais. Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão. José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br

Cidades Digitais. Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão. José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br Cidades Digitais Convergência - Banda Larga Melhorando a vida do cidadão José C. Alcântara Jr alcantara@furukawa.com.br Sociedade Conectada A todo instante - Em qualquer lugar Sociedade Conectada A todo

Leia mais

CONECTIVIDADE COBRE /FIBRA ÓPTICA

CONECTIVIDADE COBRE /FIBRA ÓPTICA CONECTIVIDADE COBRE /FIBRA ÓPTICA 1 Garantia Vitalícia Os sistemas de conectividade 4Lan compostos por cabos, conectores, patch panels e patchcords cumprem com as normas indicadas e te m uma garantia vitalícia,

Leia mais

Cabos internos para telecomunicações - Classificação quanto ao comportamento frente à chama

Cabos internos para telecomunicações - Classificação quanto ao comportamento frente à chama MARÇO:2010 Cabos internos para telecomunicações - Classificação quanto ao comportamento frente à chama APRESENTAÇÃO 1) Este 1º Projeto de Revisão foi elaborado pela CE-03:046.01 - Comissão de Estudo de

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais