Os Registros na Pesquisa. Christiane Zubler

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Registros na Pesquisa. Christiane Zubler"

Transcrição

1 Os Registros na Pesquisa Christiane Zubler

2 RELEMBRANDO... A importância de se trabalhar com projetos de pesquisa na educação Básica: O Experiências exitosas; O Como organizar e avaliar feiras de ciências; O Como produzir ciência nas diversas áreas do conhecimento; O Pesquisa da educação Básica.

3 Ideia Tema Planejamento Projeto Registro Avaliação

4 Por que registrar?

5 Para refletir... Quando conduzimos um experimento, por que devemos fazer anotações? Qual é o lugar mais adequado para fazer anotações? O que devemos anotar? Que formas de registros podemos desenvolver para Feira de Ciências?

6 Registros no regulamento... Caderno de campo Resumo do projeto Relatório da pesquisa Exposição: cartazes, fotos, banners, vídeos, maquetes...

7 CADERNO DE CAMPO

8 Caderno de Campo Conhecido como: Portfólio Diário de Bordo Caderno de Campo

9 O que é um Caderno de Campo? É um caderno ou pasta no qual os alunos registram as etapas que realizam no desenvolvimento do projeto de pesquisa. É um instrumento para que os alunos possam anotar suas observações, ideias, reflexões e comentários sobre o trabalho em desenvolvimento, bem como fotos, esquemas e diagramas.

10 O que é um Caderno de Campo? É um local onde o estudante pode descrever e refletir sobre os problemas que vão surgindo, os obstáculos que decorrem do desenvolvimento do trabalho e a forma como os superou. É um diário do projeto, e pode ser feito em grupo ou individualmente. (CARNEIRO et al., 2012)

11 Ele auxilia a criar o hábito de escrever, observar com atenção, descrever com precisão e refletir sobre os acontecimentos.

12 Para que serve o Caderno de Campo? Para registrar de forma precisa todas as observações pertinentes ao projeto, bem como os resultados parciais e finais obtidos. (CARNEIRO et al., 2012)

13 Para que serve o Caderno de Campo? É uma ferramenta que permite o aluno e seu orientador fazerem auto avaliações da pesquisa. (SILVA et al., 2009). A valorização do Caderno de Campo estimula os alunos a manter o registro organizado das atividades, permitindo avaliar aspectos importantes da investigação científica na medida em que o registro do desenvolvimento do trabalho dá acesso à evolução da pesquisa.

14

15 O QUE SE REGISTRA NUM DIÁRIO DE BORDO??? O Não existe na literatura uma estrutura específica para fazer um registo no diário de bordo. Contudo, pode-se usar um formulário simples que ajude a organizar melhor as informações e que sirva de modelo.

16 Como fazer? SUGESTÃO: 1.Cabeçalho; 2.Descrição da atividade; 3.Reflexão sobre os resultados alcançados; (LUDKE; ANDRÉ, 1986)

17 Vamos detalhar... O cabeçalho pode conter: O A data; O A hora de início e fim; O O local onde ocorreu a atividade; O Quem está registrando a atividade (autor do registro se for em grupo); (LUDKE & ANDRÉ 1986)

18

19 Vamos detalhar... Na descrição do registro pode-se usar: Textos; Observações; Medidas; Diagramas e gráficos; Imagens (desenhos ou fotografias); Referências a vídeos; Tabelas; (LUDKE & ANDRÉ 1986)

20

21 Vamos detalhar... A reflexão pode conter os pensamentos sobre o modo como a tarefa foi conduzida, o seu efeito no processo de desenvolvimento do projeto e os próximos passos a serem conduzidos. (LUDKE & ANDRÉ 1986)

22

23 UM BOM REGISTRO DE UM CADERNO DE CAMPO É AQUELE QUE: Faz uma descrição rigorosa da atividade; Identifica o contexto do registro: dia, hora, local, executores; Concentra a descrição do registro em seus aspectos essenciais; Inclui uma reflexão crítica e comentários significativos; (SILVA et al., 2009)

24 No Caderno de Campo... Podem registrar questões colocadas ao professor, bem como o resultado das discussões com ele. Outros professores que porventura venham a ser consultados também podem ser referenciados no diário de bordo, bem como o resultado desta consulta. Informações adicionais sobre o projeto também podem ser relatadas como, por exemplo, reflexões em relação à forma como o grupo está trabalhando. (CARNEIRO et al., 2012)

25 E SE A ATIVIDADE NÃO DEU CERTO OS RESULTADOS DEVEM SER DESCARTADOS? Nem sempre a atividade foi bem sucedida, isso faz parte da pesquisa e também deve ser registrado, ou seja, não deve ser ignorado. (CARNEIRO etal., 2012)

26 Vantagens do Caderno de Campo

27 Testemunho dos passos desenvolvidos no projeto. É um instrumento de acompanhamento do trabalho sendo feito. O professor pode usá-lo para verificar o que está sendo feito, orientar o aluno e avaliar o andamento do projeto e o próprio aluno.

28 E o que devemos evitar? É melhor evitar copiar textos da Internet ou digitalizados sem acrescentar uma reflexão ou uma crítica. Ao copiá-los, devemos citar a fonte. O Diário é preenchido ao longo do desenvolvimento de um projeto. Ele reflete os acontecimentos do momento do registro. Por isso, não é recomendado passar o Caderno de Campo a limpo.

29

30 Por que fazer o Caderno de Campo? O Caderno de campo é um critério de avaliação das Etapas da Feira de Ciências Será observado também pelos avaliadores.

31 Resumo Quem irá fazer?

32 RESUMO QUEM IRÁ FAZER? O resumo é necessário para inscrição na Feira de Ciências de Sinop após a seleção do trabalho/projeto na Etapa Escolar. Uma cópia do resumo será observado também pelos avaliadores, junto com o caderno de campo e outros materiais elaborado a partir da pesquisa.

33

34 Relatório da Pesquisa Quem irá fazer?

35 RELATÓRIO DA PESQUISA QUEM IRA FAZER? Será desenvolvido após ao projeto/pesquisa ser selecionado na etapa escolar. Os alunos podem contribuir na produção com auxílio do caderno de campo. O Relatório será um documento apresentado aos avaliadores e aos visitantes na Feira de Ciências.

36 Relatório da Pesquisa

37 Exposição Apresentação dos resultados aos avaliadores 2 a 5 minutos

38

39

40

41

42

43

44

45 Avaliação

46 Critérios observados pelos Avaliadores da Feira de Ciências Capacidade Inovadora Capacidade Criativa Pensamento Científico Problemática do estudo Objetivos Relevância Social Método utilizado Experiência realizada Processo de Construção Caderno de Campo Relatório da pesquisa Resumo da pesquisa Clareza Apresentação Visual/Estande Apresentação Oral

47 Avaliação na escola Como o professor pode avaliar o trabalho de pesquisa desenvolvido pelos alunos? Sugestão no regulamento

48 Aprendizagem Interativa em Ciências e Engenharia

49

50

51

52 Muito Obrigada! A criatividade é a inteligência se divertindo... Albert Einstein

Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT

Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco POLI/UPE Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil PEC Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT Diário de Bordo Como instrumento pedagógico

Leia mais

REGULAMENTO da IV Mostra Tecnológica

REGULAMENTO da IV Mostra Tecnológica REGULAMENTO da IV Mostra Tecnológica O presente regulamento estabelece diretrizes gerais referentes à realização da IV Mostra Tecnológica, que será realizada durante o XI Congresso Norte Nordeste de Pesquisa

Leia mais

Manual!para!Diretor!de!Modalidade!!X!CONNEPI!

Manual!para!Diretor!de!Modalidade!!X!CONNEPI! ManualparaDiretordeModalidade XCONNEPI [ATENÇÃO]* ObserveseosartigosestãonasnormasdoXCONNEPIantesdeenviaEloparao avaliador. Nãoénecessárioalteraroprazoparaconclusãodaavaliação,poisomesmojá estáestipuladoem1semana.

Leia mais

IV Mostra do Conhecimento Científico - Normas Gerais

IV Mostra do Conhecimento Científico - Normas Gerais IV Mostra do Conhecimento Científico - Normas Gerais 1) Data: 26 de agosto de 2017 das 9h às 13h. 2) Cada trabalho deverá ter, NO MÁXIMO, 3 alunos e, obrigatoriamente, um Professor Orientador. O Coorientador

Leia mais

EDITAL Nº 01/2014. SEMANA DE ARTE, CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO

EDITAL Nº 01/2014. SEMANA DE ARTE, CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO EDITAL Nº 01/2014 SEMANA DE ARTE, CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Campus Simões Filho torna público o presente edital para o desenvolvimento

Leia mais

IV FEIRA DE CIÊNCIAS DE SINOP. II Feira de Ciências KIDS!

IV FEIRA DE CIÊNCIAS DE SINOP. II Feira de Ciências KIDS! IV FEIRA DE CIÊNCIAS DE SINOP II Feira de Ciências KIDS! Tópicos abordados na formação Apresentação da proposta - Prof. Reginaldo Costa Relatos das experiências exitosas - Prof. Jeferson Zanin Como organizar,

Leia mais

O PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA A PRÁTICA DAS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA 2017

O PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA A PRÁTICA DAS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA 2017 O PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA A PRÁTICA DAS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA 2017 Inscrições vão até 12 de fevereiro/17. Vagas limitadas. CONTEÚDO Introdução a abordagem de aprendizagem por projetos investigativos;

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? Por que avaliar os trabalhos? Como os avaliadores devem proceder?

MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? Por que avaliar os trabalhos? Como os avaliadores devem proceder? MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Durante todo Estágio (Teórica e prática) Março a junho 2013 Mês de março e abril de 2013 25 a 31 março Preparação para o ingresso no Estágio Leitura obrigatória

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MINAS DO CEFET/MG/CAMPUS ARAXÁ

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MINAS DO CEFET/MG/CAMPUS ARAXÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE ARAXÁ COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MINA REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

Leia mais

Exemplo COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR O QUE DEVE CONSTAR EM UM TRABALHO ESCOLAR? Um Trabalho Escolar que se preze, de nível fundamental, deve conter:

Exemplo COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR O QUE DEVE CONSTAR EM UM TRABALHO ESCOLAR? Um Trabalho Escolar que se preze, de nível fundamental, deve conter: COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR O QUE DEVE CONSTAR EM UM TRABALHO ESCOLAR? Um Trabalho Escolar que se preze, de nível fundamental, deve conter: 1. Capa 2. Folha de Rosto 3. Sumário 4. Introdução 5. Texto

Leia mais

PROJETO FEIRA DE CIÊNCIAS. Juiz de Fora

PROJETO FEIRA DE CIÊNCIAS. Juiz de Fora PROJETO FEIRA DE CIÊNCIAS Juiz de Fora 2017 Scientia, ars atque educatio pro populi salute. Ciência, arte e educação para o bem-estar do povo. PROJETO FEIRA DE CIÊNCIAS 2017 FICHA 1 - INSCRIÇÃO E REGISTRO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA 2016.1 MANTENEDORA Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão LTDA MANTIDA Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Facema DIRETORIA Maria

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1ª Edição

REGULAMENTO INTERNO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1ª Edição REGULAMENTO INTERNO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1ª Edição Essas diretrizes têm por objetivo organizar a avaliação, validação e apresentação dos trabalhos de conclusão de curso da

Leia mais

O Programa 5S nasceu em Maio de 1950 no Japão. O seu objetivo inicial era combater perdas e desperdícios.

O Programa 5S nasceu em Maio de 1950 no Japão. O seu objetivo inicial era combater perdas e desperdícios. PROGRAMA 5S INTRODUÇÃO O Programa 5S nasceu em Maio de 1950 no Japão. O seu objetivo inicial era combater perdas e desperdícios. É fundamentado em 5 regras básicas que promovem intensa mobilização e educação

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2009 Duração: 2 horas Prova com consulta Questão 1 (Construção de modelo ER) Deseja-se projetar a base de

Leia mais

Projeto: FEIRA DE CIÊNCIAS ARTE CULTURA

Projeto: FEIRA DE CIÊNCIAS ARTE CULTURA Introdução A Coordenação Pedagógica do Centro de Ensino Fundamental 02 torna pública a realização da Feira de Ciências Arte Cultura, uma das ações propostas para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia,

Leia mais

Como elaborar um projeto de pesquisa?

Como elaborar um projeto de pesquisa? Como elaborar um projeto de pesquisa? O que é um projeto de pesquisa? Descreve as fases e os procedimentos de um processo de investigação científica a ser realizado. Projeto de Pesquisa pode ser definido

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O

MANUAL DO AVALIADOR O MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO

TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO 3011 Ano Letivo 20-2016 TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO Uma ajuda a alunos e professores para o tratamento da informação 5º, 6º, 7º e 8º e 9º Anos de escolaridade Amélia Macedo & Bernardete Esteves

Leia mais

CIRCUITO DE CIÊNCIAS DAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO DISTRITO FEDERAL MANUAL DO AVALIADOR

CIRCUITO DE CIÊNCIAS DAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO DISTRITO FEDERAL MANUAL DO AVALIADOR CIRCUITO DE CIÊNCIAS DAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO DISTRITO FEDERAL MANUAL DO AVALIADOR Brasília, 10 de junho de 2016 SUMÁRIO 1. O CIRCUITO DE CIÊNCIAS...3 2. AVALIAÇÃO FORMATIVA...4 3. AVALIADORES...5

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Ciências ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Ciências ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 A MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES. *Conhecer os fatores que provocam transformações na matéria. *Compreender que existem características que definem os diferentes tipos de materiais. *Compreender

Leia mais

EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA

EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA O CEET Talmo Luiz Silva torna público o presente Edital de inscrição de projetos de alunos a serem avaliados e expostos na 3ª Feira de

Leia mais

JORNADA DO CONHECIMENTO E MOSTRA PEDAGÓGICA

JORNADA DO CONHECIMENTO E MOSTRA PEDAGÓGICA JORNADA DO CONHECIMENTO E MOSTRA PEDAGÓGICA O HAITI É AQUI: RESGATANDO HUMANIDADES É necessário cultivar a capacidade crítica, a compreensão do mundo e do homem para que efetivamente valha a pena viver.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CST em Automação Industrial CST em Gestão da Tecnologia da Informação CST em Redes de Computadores PIM Projeto Integrado Multidisciplinar

Leia mais

Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino

Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino Resolução SME nº 13/2012 de 26 de novembro de 2012 Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino ARACIANA ROVAI CARDOSO DALFRÉ, Secretária Municipal da Educação, NO EXERCÍCIO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02/2016, DE 06 DE SETEMBRO DE 2016 CAPÍTULO I DA EXIGÊNCIA LEGAL

RESOLUÇÃO N 02/2016, DE 06 DE SETEMBRO DE 2016 CAPÍTULO I DA EXIGÊNCIA LEGAL RESOLUÇÃO N 02/2016, DE 06 DE SETEMBRO DE 2016 Estabelece as normas para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da graduação em Nutrição. CAPÍTULO I DA EXIGÊNCIA LEGAL Art. 1º. A execução e aprovação no

Leia mais

REGULAMENTO DA 1ª MOSTRA DO CONHECIMENTO

REGULAMENTO DA 1ª MOSTRA DO CONHECIMENTO REGULAMENTO DA 1ª MOSTRA DO CONHECIMENTO O Serviço Autônomo de Saneamento Básico de Rio Negrinho SAMAE e a Prefeitura de Rio Negrinho, através das Secretarias Municipal de Educação e Planejamento, e o

Leia mais

REGULAMENTO 1. Evento: MOSTRATEC JÚNIOR 2017 Mostra de Trabalhos de Iniciação Científica da Educação Infantil e do Ensino Fundamental

REGULAMENTO 1. Evento: MOSTRATEC JÚNIOR 2017 Mostra de Trabalhos de Iniciação Científica da Educação Infantil e do Ensino Fundamental REGULAMENTO 1 1 DENOMINAÇÃO A Mostra de Trabalhos de Iniciação Científica da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, neste regulamento denominada MOSTRATEC JUNIOR 2017, é organizada pela Fundação Escola

Leia mais

EDITAL Nº 001/17- ST

EDITAL Nº 001/17- ST EDITAL Nº 001/17- ST A Comissão Organizadora da Semana Transdisciplinar 2017 da Faculdade Pitágoras São Luís/MA torna público a abertura de inscrições e estabelece normas relativas à participação e apresentações

Leia mais

A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE:

A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE: A AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA SERÁ COMPOSTA DE: Trabalhos/Verificações Valor Data V1 (Verificação I) 10 pontos 20 de abr V2 (Verificação II): -5 fichas de leitura (2 pontos) - prova escrita (8 pontos) VT (Verificação

Leia mais

NORMAS PARA SUBMISSÃO, SELEÇÃO, APRESENTAÇÃO E PREMIAÇÃO DE TRABALHOS NA IX JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ASCES

NORMAS PARA SUBMISSÃO, SELEÇÃO, APRESENTAÇÃO E PREMIAÇÃO DE TRABALHOS NA IX JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ASCES NORMAS PARA SUBMISSÃO, SELEÇÃO, APRESENTAÇÃO E PREMIAÇÃO DE TRABALHOS NA IX JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ASCES 1. SUBMISSÃO 1.1. A submissão de proposta de trabalho acadêmico para ser apresentado na

Leia mais

Professores e Professoras

Professores e Professoras Professores e Professoras Estimados (as) Colegas Professores(as), Este material tem por objetivo trazer ideias para você que se dedica a educação e busca na sua pratica cotidiana fazer a diferença na vida

Leia mais

7º ano do Ensino Fundamental

7º ano do Ensino Fundamental 7º ano do Ensino Fundamental 8/5/2015 08:33:25-Informativo-CIRMEN-7 2 I. TEMA GERADOR A questão da água e suas dimensões na contemporaneidade II. SUBTEMA Consumos e sustentabilidade Uso consciente X desperdício

Leia mais

Universidade do Extremo Sul Catarinense Semana de Ciência e Tecnologia Feira de Ciências REGULAMENTO III FEIRA DE CIÊNCIAS DA UNESC

Universidade do Extremo Sul Catarinense Semana de Ciência e Tecnologia Feira de Ciências REGULAMENTO III FEIRA DE CIÊNCIAS DA UNESC REGULAMENTO III FEIRA DE CIÊNCIAS DA UNESC A III da UNESC será realizada simultaneamente à VIII Semana de Ciência e Tecnologia (SCT UNESC 2017). I ORIENTAÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO NO EVENTO COMO EXPOSITOR

Leia mais

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 1 ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 Introdução O material abaixo foi elaborado para orientar de forma objetiva

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA 1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (Orientações para a realização das APS dos

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Campus Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Campus Rio de Janeiro SUSTENTABILIDADE E DIVERSIDADE ATRAVÉS DA CIÊNCIA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Campus Rio de Janeiro XXXVII Semana da Química: Sustentabilidade e Diversidade Através

Leia mais

Prêmios Santander Universidades Edição 2010. Maio de 2010.

Prêmios Santander Universidades Edição 2010. Maio de 2010. Prêmios Santander Universidades Maio de 2010. O Santander acredita que o investimento no ensino superior é a forma mais direta e eficaz de apostar no desenvolvimento dos países em que está presente E,

Leia mais

Competências socioemocionais e mundo do trabalho. Daniela Arai Avaliação e Desenvolvimento Instituto Ayrton Senna

Competências socioemocionais e mundo do trabalho. Daniela Arai Avaliação e Desenvolvimento Instituto Ayrton Senna Competências socioemocionais e mundo do trabalho Daniela Arai Avaliação e Desenvolvimento Instituto Ayrton Senna 0 As competências e o trabalho Fonte: Relatório McKinsey Educação para o trabalho: desenhando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas REGULAMENTO. TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO [ TFG ]

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas REGULAMENTO. TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO [ TFG ] REGULAMENTO. TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO [ TFG ] 1. BASES 1.1. O Trabalho de Curso deve seguir o disposto na RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010, do Ministério da Educação/ Conselho Nacional de Educação/

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Comunicação não verbal Mês: Outubro Habilidade Sócio emocional: Este projeto visa promover atividades e dinâmicas que estimule os alunos a comunicação não violenta através

Leia mais

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas.

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas. Pacto Nacional Para o Fortalecimento do Ensino Médio Encontro de Planejamento Professor Formador de IES Duílio Tavares de Lima 03/2015 CADERNO 5 - Áreas de conhecimento e integração curricular Tema: Apresentação

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE: Estágio na Empresa e Relatório de Estágio

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE: Estágio na Empresa e Relatório de Estágio Educando para o Pensar e o Fazer COORDENAÇÃO TÉCNICA ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE: Estágio na Empresa e Relatório de Estágio 1. O que é estágio? É a parte da formação do técnico em que o aluno colocará em

Leia mais

Professor-cursista: Nilda de Oliveira Campos Atividade 4.6 Reelaborar o plano de aula da atividade 4.5

Professor-cursista: Nilda de Oliveira Campos Atividade 4.6 Reelaborar o plano de aula da atividade 4.5 Título/ Tema Geometria no cotidiano Professor-cursista: Nilda de Oliveira Campos Reelaborar o plano de aula da atividade 4.5 Estrutura curricular Modalidade/ Nível de ensino: Ensino Fundamental final Componente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR Câmpus Londrina Departamento Acadêmico de Engenharia de Produção

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR Câmpus Londrina Departamento Acadêmico de Engenharia de Produção MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR Câmpus Londrina Departamento Acadêmico de Engenharia de Produção NORMAS E PROCEDIMENTOS COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 219 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 219 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 219 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

XII BioCiências: Mostra de Projetos Experimentais de Itumbiara-GO 1 Caracterização da Proposta

XII BioCiências: Mostra de Projetos Experimentais de Itumbiara-GO 1 Caracterização da Proposta XII BioCiências: Mostra de Projetos Experimentais de Itumbiara-GO XII BI CIÊNCIAS 1 Caracterização da Proposta O curso de Ciências Biológicas do ILES/ULBRA Itumbiara-GO, iniciou no ano de 2006 a primeira

Leia mais

DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO

DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO 3º Ciclo TEMA Metodologia de trabalho projecto Trabalho em grupo e trabalho individual Nome: Nº Turma: Metodologia de Trabalho Projecto Trabalho de projecto é uma metodologia

Leia mais

FACCAMP Faculdade Campo Limpo Paulista Curso Graduação em Pedagogia, Licenciatura Res. CNE/CP no. 1/2006 Diretrizes Curriculares Nacionais

FACCAMP Faculdade Campo Limpo Paulista Curso Graduação em Pedagogia, Licenciatura Res. CNE/CP no. 1/2006 Diretrizes Curriculares Nacionais Campo Limpo Paulista 2012 2 Atualizado em 14.08.2012 PORTFÓLIO DE FORMAÇÃO Regulamento 1. Apresentação O Portfólio de formação é um documento que facilita a observação da aprendizagem do aluno, por ele

Leia mais

17ª UFMG Jovem EDITAL DDC nº 02 /2016

17ª UFMG Jovem EDITAL DDC nº 02 /2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DIRETORIA DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA 17ª UFMG Jovem EDITAL DDC nº 02 /2016 A Diretoria de Divulgação Científica, da Pró-Reitoria de Extensão

Leia mais

CONCURSO DE REDAÇÃO EDITAL

CONCURSO DE REDAÇÃO EDITAL CONCURSO DE REDAÇÃO EDITAL OBJETIVO O 2º Concurso de Redação, promovido pela 2ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Rio Branco, é direcionado a alunos do 3º ano do ensino médio das escolas públicas

Leia mais

ETEC Dona Escolástica Rosa 122 Santos / SP REGULAMENTO INTERNO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

ETEC Dona Escolástica Rosa 122 Santos / SP REGULAMENTO INTERNO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO INTERNO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC 5ª Edição 2015 NORMAS INTERNAS E ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA ETEC DONA ESCOLÁSTICA

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Acompanhamento aos Projetos de Pesquisa I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Trabalho resultante

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

II MOSTRA DE TRABALHOS DO CURSO DE FARMÁCIA

II MOSTRA DE TRABALHOS DO CURSO DE FARMÁCIA II MOSTRA DE TRABALHOS DO CURSO DE FARMÁCIA - 2016 - DESCRIÇÃO DO EVENTO: O III FARMAVATES e II Mostra de trabalhos do Curso de Farmácia contará com palestras tendo como tema norteador o farmacêutico no

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO)

ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO) ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO) A Defesa de Projeto de Dissertação consiste na elaboração e apresentação oral, perante banca examinadora, do projeto de pesquisa que será

Leia mais

PRODUÇÂO OFICINA FORMAÇÃO CONTINUADA 24/02/16 PET- GRADUASUS

PRODUÇÂO OFICINA FORMAÇÃO CONTINUADA 24/02/16 PET- GRADUASUS PRODUÇÂO OFICINA FORMAÇÃO CONTINUADA 24/02/16 PET- GRADUASUS ORIENTAÇÃO AOS DOCENTES DAS DISCIPLINAS COM CONTEÚDOS INTEGRADORES PRIMEIROS PERÍODOS DOS CURSOS DO CCS EMENTA: Conceito ampliado de saúde e

Leia mais

EDITAL Nº. 02/2017- GRUPOS DE ESTUDOS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

EDITAL Nº. 02/2017- GRUPOS DE ESTUDOS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS UNILEÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DOUTOR LEÃO SAMPAIO CURSO DE DIREITO EDITAL Nº. 02/2017- GRUPOS DE ESTUDOS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO INSTRUÇÕES AOS AUTORES APRESENTAÇÃO

Leia mais

XXXVI Semana da Química: IFRJ, Fazendo Ciência na Cidade Olímpica

XXXVI Semana da Química: IFRJ, Fazendo Ciência na Cidade Olímpica XXXVI Semana da Química: IFRJ, Fazendo Ciência na Cidade Olímpica 1. DO PROJETO DISCENTE REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS DISCENTES 18 a 25 de Julho de 2016 1.1 Entende-se como Projeto Discente da

Leia mais

Universidade de São Paulo. Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP

Universidade de São Paulo. Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP Universidade de São Paulo Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS: INTERVENÇÃO EM PROCESSO

ANÁLISE DOS RESULTADOS: INTERVENÇÃO EM PROCESSO ANÁLISE DOS RESULTADOS: INTERVENÇÃO EM PROCESSO Sala 8 Gestão Pedagógica EF II E.E. PROFª ZENAIDE AVELINO MAIA Professora Apresentadora: MARIA IRANILDE ZAMBON SILVA Realização: Justificativa A partir das

Leia mais

Ilson Zacharias Terrão Heberton Aparecido Rodrigues Diário De Bordo Do Projeto Treino Locomotor Suspenso com Suporte de Peso Corporal

Ilson Zacharias Terrão Heberton Aparecido Rodrigues Diário De Bordo Do Projeto Treino Locomotor Suspenso com Suporte de Peso Corporal Ilson Zacharias Terrão Heberton Aparecido Rodrigues Diário De Bordo Do Projeto Treino Locomotor Suspenso com Suporte de Peso Corporal Seleção organizada de registros sobre o projeto de TMSPC, a ser apresentada

Leia mais

1º CONCURSO FOTOGRÁFICO IFG LUZIÂNIA

1º CONCURSO FOTOGRÁFICO IFG LUZIÂNIA 1º CONCURSO FOTOGRÁFICO IFG LUZIÂNIA Urbano Fotografia Organizado (por): Marise Takano, Heloiza Bonilla Proposto (por): Curso Técnico Integrado de Edificações Regulamento 1 I CONCURSO DE FOTOGRAFIA IFG

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS CONGRESSO DE PSICOLOGIA DO CARIRI EDITAL 02 / 2016

PROCESSO DE SELEÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS CONGRESSO DE PSICOLOGIA DO CARIRI EDITAL 02 / 2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS CONGRESSO DE PSICOLOGIA DO CARIRI EDITAL 02 / 2016 A Comissão Científica do Congresso de Psicologia do Cariri no uso de suas atribuições torna público o presente

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES

FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES I CONGRESSO PARAIBANO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS CAPÍTULO I

Leia mais

Contabilidade Pública e Governamental

Contabilidade Pública e Governamental Contabilidade Pública e Governamental Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Conceito Estrutura e critérios de classificação das contas. Sistemas de contas Sistema Orçamentário

Leia mais

Metodologia do Ensino

Metodologia do Ensino Metodologia do Ensino Prof. Eduardo Henrique de M. Lima Definições: - Planejamento é uma necessidade constatnte em todas as áreas da atividade humana; - Planejar é analisar uma dada realidade, refletindo

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso Algumas Informações Importantes: a) O modelo da proposta está especificado

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

Corpo da Dissertação ou Tese

Corpo da Dissertação ou Tese PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DOS MATERIAIS PGCEM DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA SEMINÁRIOS Corpo da Dissertação ou Tese 2015/02 Corpo

Leia mais

Pautado do Plano de Referência da Ed. Básica do Município de Barueri.

Pautado do Plano de Referência da Ed. Básica do Município de Barueri. Plano de aula Pautado do Plano de Referência da Ed. Básica do Município de Barueri. O Plano de Aula é uma previsão de atividades articuladas ao plano de ensino, porém desenvolvido em etapas sequenciais,

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 14, Toledo PR Fone: 77-810 PLANEJAMENTO ANUAL DE LINGUAGEM SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR: Carla Iappe

Leia mais

Jogos Matemáticos: uma Proposta para a Construção do Conhecimento Tema: Matemática - Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano)

Jogos Matemáticos: uma Proposta para a Construção do Conhecimento Tema: Matemática - Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano) Jogos Matemáticos: uma Proposta para a Construção do Conhecimento Tema: Matemática - Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano) E.M. Dr. Benedito Laporte Vieira da Motta Apresentador:a Rita de Cássia de Souza

Leia mais

VIVÊNCIA INTERNACIONAL EM ENGENHARIA & CURSO DE LÍNGUA NO CANADÁ

VIVÊNCIA INTERNACIONAL EM ENGENHARIA & CURSO DE LÍNGUA NO CANADÁ VIVÊNCIA INTERNACIONAL EM ENGENHARIA & CURSO DE LÍNGUA NO CANADÁ O programa customizado pelo College of New Caledonia, British Columbia, Canadá, é voltado à alunos da área das Engenharias e Ciências Aplicadas

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES E BOAS PRÁTICAS PARA PARCEIROS E EVENTOS DO DW!

GUIA DE ORIENTAÇÕES E BOAS PRÁTICAS PARA PARCEIROS E EVENTOS DO DW! GUIA DE ORIENTAÇÕES E BOAS PRÁTICAS PARA PARCEIROS E EVENTOS DO DW! Prezado(a) Parceiro(a) do Design Weekend, É com grande prazer que comunicamos que o Design Weekend-DW! está em sua terceira edição, sendo

Leia mais

Prof. Fulvio Cristofoli CONCEITOS.

Prof. Fulvio Cristofoli CONCEITOS. CONCEITOS Prof. Fulvio Cristofoli fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br O QUE VAMOS APRENDER... Estratégia Administração Estratégica Planejamento Estratégico Decisão Estratégica Eficiência

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem. Didática II Profa. MSc. Narjara Garcia

Avaliação da Aprendizagem. Didática II Profa. MSc. Narjara Garcia Avaliação da Aprendizagem Didática II Profa. MSc. Narjara Garcia O que é Avaliação? Julgamento? Regulação? Classificação? Acompanhamento? As múltiplas dimensões do olhar avaliativo Por que avaliamos? Quais

Leia mais

Ceará e o eclipse que ajudou Einstein

Ceará e o eclipse que ajudou Einstein Ceará e o eclipse que ajudou Einstein Eixo(s) temático(s) Terra e Universo Tema Sistema Solar Conteúdos Sistema Terra-Lua-Sol / eclipses Usos / objetivos Retomada de conhecimentos / avaliação / problematização

Leia mais

Diretoria de Tecnologia da Informação. Manual Gestão de Processos

Diretoria de Tecnologia da Informação. Manual Gestão de Processos Diretoria de Tecnologia da Informação Manual Gestão de Processos Juazeiro do Norte, Setembro de 2017 Sumário Sumário 2 Apresentação 3 Definições 3 Papéis 4 Artefatos 4 O Processo de Gestão dos Processos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - A Coordenação do Curso de Licenciatura em Química da UTFPR Campus

Leia mais

Normas para Submissão de Trabalhos. Os trabalhos individuais ou em grupos poderão ser inscritos na forma de:

Normas para Submissão de Trabalhos. Os trabalhos individuais ou em grupos poderão ser inscritos na forma de: Normas para Submissão de Trabalhos Os trabalhos individuais ou em grupos poderão ser inscritos na forma de: Comunicação oral: comunicação organizada em torno de uma temática, contendo resultados de pesquisas

Leia mais

Índice. 1. O Planejamento da 3ª Série O Planejamento da 4ª Série Como Trabalhar as Múltiplas Linguagens Grupo 6.

Índice. 1. O Planejamento da 3ª Série O Planejamento da 4ª Série Como Trabalhar as Múltiplas Linguagens Grupo 6. GRUPO 6.3 MÓDULO 7 Índice 1. O Planejamento da 3ª Série...3 2. O Planejamento da 4ª Série...3 2.1. Como Trabalhar as Múltiplas Linguagens... 4 2 1. O PLANEJAMENTO DA 3ª SÉRIE Assuntos significativos: 3

Leia mais

Critérios Específicos de avaliação

Critérios Específicos de avaliação Capacidade de compreensão Critérios specíficos de avaliação Ano Letivo 2013/2014 Disciplina Português Ano 2.º Classificação Não identifica as personagens, a ação, o espaço e o tempo ou fá-lo com dificuldade.

Leia mais

EDITAL N.º 001 / 2017 PROCESSO DE SELEÇÃO PROFISSIONAL PARA A ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE VEREDINHA MG.

EDITAL N.º 001 / 2017 PROCESSO DE SELEÇÃO PROFISSIONAL PARA A ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE VEREDINHA MG. EDITAL N.º 001 / 2017 PROCESSO DE SELEÇÃO PROFISSIONAL PARA A ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DE VEREDINHA MG. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO: A Escola Família Agrícola de Veredinha é uma instituição de ensino

Leia mais

ESCOLA & UNIVERSIDADE:

ESCOLA & UNIVERSIDADE: ESCOLA & UNIVERSIDADE: PARCERIA DE PROFISSIONAIS HARACEMIV, Sônia Maria Chaves (sharacemiv@ufpr.br) Universidade Federal do Paraná - Brasil CASTRO, Ana Paula Pádua Pires de (anaser@ufpr.br) Universidade

Leia mais

Volta Redonda, março de 2009

Volta Redonda, março de 2009 Trabalho de Conclusão de Curso TCC Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Núcleo de Graduação Tecnológica Volta Redonda, março de 2009 Agenda Objetivos Alcance Coordenação Orientação O Aluno Pesquisador

Leia mais

PLANO DE ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA: OFICINAS PEDAGÓGICAS. Profª. Msc. Clara Maria Furtado

PLANO DE ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA: OFICINAS PEDAGÓGICAS. Profª. Msc. Clara Maria Furtado PLANO DE ENSINO Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br Profª. Msc. Eliane Kormann Tomazoni eliane.kormann@unifebe.edu.br Profª. Msc. Márcia Junkes mmjunkes@unifebe.edu.br MISSÃO UNIDAVI

Leia mais

Este documento estabelece as normas de submissão de resumos para a Jornada de Iniciação Científica da Faculdade Asces.

Este documento estabelece as normas de submissão de resumos para a Jornada de Iniciação Científica da Faculdade Asces. NORMAS PARA SUBMISSÃO, SELEÇÃO, APRESENTAÇÃO E PREMIAÇÃO DE TRABALHOS NA XII JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ASCES (DIAS 08, 09, 10 e 11 DE NOVEMBRO DE 2016) Este documento estabelece as normas de submissão

Leia mais

Educando pela Pesquisa

Educando pela Pesquisa Educando pela Pesquisa Um curso para lhe auxiliar com projetos de pesquisa e Feiras de Ciência Thaianne Lopes de Souza Uberlândia MG, 2015 Tópico I O que é educar pela pesquisa? Disponível em: http://www2.ea.fe.usp.br/wp-content/uploads/2011/10/icone-pesquisas.jpg.

Leia mais

Tarde aula 1. Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito

Tarde aula 1. Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito Tarde aula 1 Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito 1 INDAGAÇÕES SOBRE CURRÍCULO: CURRÍCULO E AVALIAÇÃO BRASIL MEC FERNANDES, FREITAS

Leia mais

Memorial do Estudante

Memorial do Estudante 7 Memorial do Estudante FLORESTABILIDADE LIVRO DO MEDIADOR 7. Memorial do Estudante 29 Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão. Paulo Freire O Memorial do

Leia mais

Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a. Função da CPA neste contexto

Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a. Função da CPA neste contexto Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a Função da CPA neste contexto Profa. Dra. Marion Creutzberg Coordenadora da CPA / PUCRS Papel da CPA na avaliação de cursos de graduação

Leia mais

SICEEL. Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica. Edital de Abertura

SICEEL. Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica. Edital de Abertura EESC - Escola de Engenharia de São Carlos UFSCar - Universidade Federal de São Carlos SICEEL Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica Edital de Abertura São Carlos, 17 de Agosto de 2015

Leia mais

Proposta da formação docente

Proposta da formação docente Proposta da formação docente 7 Cadernos de Teorias e Práticas Educativas em Saúde - Vol. II Proposta da formação docente Este texto tem como objetivo relatar uma experiência de planejamento e implementação

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Art.1 o Trabalho de Conclusão de Curso é elemento obrigatório à formação dos alunos regularmente matriculados no Curso de Fisioterapia,

Leia mais

1. Súmula. 2. Objetivos. 3. Método

1. Súmula. 2. Objetivos. 3. Método 1. Súmula Realização de estágio curricular supervisionado, atuando na área da Engenharia de Produção. Eperiência prática junto ao meio profissional e entrega de relatório final de estágio. Orientação por

Leia mais

Organizar o projeto editorial do livro comemorativo dos 60 anos da declaração universal dos direitos humanos.

Organizar o projeto editorial do livro comemorativo dos 60 anos da declaração universal dos direitos humanos. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS TERMO DE REFERÊNCIA OEI/BR08-001/SEDH/PR - FORTALECIMENTO DA ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO BRASIL E DIVULGAÇÃO

Leia mais

Roteiro de estudos IV Unidade Ano letivo 2016 Ano: 3º ano LÍNGUA PORTUGUESA

Roteiro de estudos IV Unidade Ano letivo 2016 Ano: 3º ano LÍNGUA PORTUGUESA 1. Poemas e suas características Livros de Língua Portuguesa; sites; atividades xerografadas. LÍNGUA PORTUGUESA Leitura e Interpretação de texto do gênero Poema. (2,0) Estrutura de um poema identificando

Leia mais

CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. Dra. Renata Cristina da Penha França E-mail: renataagropec@yahoo.com.br -Recife- 2015 INTERDISCIPLINAR O QUE É???? É uma

Leia mais