INOVAÇÃO TECNOLOGIA FUTURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO TECNOLOGIA FUTURO"

Transcrição

1 Inovação em Meios Eletrônicos de Pagamento Inovação em Meios Eletrônicos de Pagamento INOVAÇÃO TECNOLOGIA FUTURO

2 A INDÚSTRIA DE MEIO DE PAGAMENTO ELETRÔNICO BRASILEIRA É UMA DAS MAIS INOVADORAS DO MUNDO, PORQUE OFERECE SERVIÇO SIMPLES, SEGURO E RÁPIDO. E CRESCE EM ALTA VELOCIDADE EVOLUTIVA... (CHARLES H. FINE MIT) R$ 8,2 BILHÕES FORAM O TOTAL DE VENDAS ELETRÔNICAS EM % ACIMA DO REGISTRADO EM DADOS DA WEBSHOPPERS

3 CONTUDO, O, COMO O NO MUNDO NATURAL, AS ESPÉCIES EVOLUEM E SE TRANSFORMAM PARA ENFRENTAR NOVOS DESAFIOS OU PERECEM. O MESMO IMPERATIVO GENÉTICO ATUA NO AMBIENTE DAS EMPRESAS.

4 Inovar por quê e pra quê?...inovar para... Perpetuar Crescer Sobreviver Para criar vantagens temporárias, que a concorrência se encarregará de decretar o fim delas. Quanto mais próximo do monopólio, melhor. Trata se de uma Estratégia Única: Fazer e vender o que a concorrência ainda não sabe fazer (sempre por pouco tempo).

5 Quando inovar? Quando o efeito da comoditização corroer as margens de lucro Quando fazer o que sempre foi feito, não mais trouxer resultado Quando a imagem de marcaestiver associada ao passado Quando os clientes não escolherem a sua empresa entre as suas preferidas Quando a tática de curto prazo sucumbir à estratégia e a visão de futuro Quando não há mais como viver, sem fazer esse esforço

6 E pra onde orientar o esforço em inovação?

7 VEJAMOS ISSO EM QUATRO ATOS.

8 PRIMEIRO ATO. MACROTENDÊNCIAS

9 AS OPORTUNIDADES DE INOVAÇÃO COM A MENOR RENDA...

10 Atender 5 Bilhões de Pessoas? C. K. Prahalad

11 Oportunidade de Negócio na Base da Pirâmide Prahalad e Hart argumentam que para fazer negócios com 4 bilhões de pessoas pobres do mundo, que representam 2/3 da população mundial, com receita abaixo de US$ 1500/ano, serão necessárias inovações radicais em tecnologia e no modelo de negócios das empresas.

12 Competir na base da pirâmide do mundo econômico revela uma nova perspectiva de negócios, baseada em crescimento, lucratividade, inclusão social e desenvolvimento de tecnologias sustentáveis ambientalmente.

13 A marca de detergente em pó Ala foi lançada em 1996 no Nordeste e hoje está também nos mercados da região Norte. A marca nasceu com o apoio de pesquisas que identificaram com precisão os desejos e necessidades d da consumidora das classes D e E do Nordeste, bem como os hábitos de lavagem da região. Ala foi especialmente desenvolvido como uma marca de qualidade a um preço acessível e sua trajetória é caracterizada pelo grande envolvimento com as donas de casa destas regiões.

14 ISSO PEDE UMA OUTRA EQUAÇÃO DE VALOR... CRIAÇÃO DE VALOR SUSTENTÁVEL

15 MAS COMO OPERACIONALIZAR ESTE CONCEITO

16 do controle de custos à visão sustentável como PRINCÍPIO FONTE: Stuart L. Hart e Mark Milstein

17 Inspiração para Oportunidades de negócios Algumas instituições financeiras brasileiras têm se inspirado i no Banqueiro dos Pobres,, Muhammad Yunus, para implantação do microcrédito

18

19 QUE O RITMO DE MUDANÇAS E PRODUTOS QUE CRIAM VALOR SUSTENTÁVEL REDEFINEM A COMPETIÇÃO NO SEU SETOR...

20 Algumas coisas levam tanto tempo para mudar que parecem ser para sempre

21 E isso vai redefinindo a nova realidade de mercado A empresas podem e devem interferir e mudar aspectos de competição de seu setor Fatores macroeconômicos e cenário político desfavoráveis não devem bloquear as iniciativas de inovação Tomada de risco com responsabilidade deve ser institucionalizada para aumentar as expectativas de novas receitas para shareholders Experimentar atenderdemandas demandas locais de consumidores low end, metas de players globais, pode minimizar os riscos do repertório de inovação Qualificações para a adoção de novas tecnologias, necessitam ser mais consistentes e flexíveis Fonte: Pesquisa Monitor

22 Pressionadas pelo aumento da competição inovar ou estagnar As mudanças dos cenários competitivos, as tecnologias emergentes e as megatendências requerem mecanismos anti inércia (de interpretação de sinais e de atitude na atualização do radar de negócios).

23 TUDO ISSO IMPULSIONADO PELOS CELULARES E REDES SOCIAIS...

24 A Revolução Mobile Estima se se 4 bilhões de celurares no mundo. 10% do celulares têm impulsionado 0,8% do PIB de países em desenvolvimento (Banco Mundial) The Economist, The power of mobile money, 2009

25

26 Quem impulsiona essas revoluções?

27 Geração Y

28 Os Y são jovens entre 20 e 30 anos Geração Y vai alterar os serviços financeiros? Uma parte ainda vive na casa dos pais, mas se observá los de perto, e como eles interagem com o mundo ao seu redor, a Geração Y pode revelar o futuro das transações. Os consumidores da Geração Y deve conduzir o crescimento do canal móvel. conduzir o crescimento do canal móvel. Eles vivem conectados 24 horas por dia e 7 dias por semana 7 dias por semana.

29 Essa Geração não usa com tanta freqüência o cartão de crédito, geralmente fazem compras de valores baixos, onde eles não vêem a necessidade do uso do cartão. Evitam andar com eles na carteira para não fazerem compras compulsivas. A Geração Y se mostra bastante conservadora, quando o assunto é dinheiro. Planeja se, poupae herdaoscostumes dospais, principalmente no que diz respeito aos investimentos.

30 Onde Geração Y está inovando no Mobile bankingbanking e Mobile Payment? ATM Bank of America, o aplicativo bancário para o iphone da Apple, é o segundo mais baixado. bi Portanto, t a probabilidade bilid d de compras por seu celular l é duas vezes maior, a geração parece ter incorporado os dispositivos móveis ao seu estilo de vida.

31 Então... Os pagamentos precisam estar nesses dispositivos e deve funcionar a qualquer momento, em qualquer lugar e para qualquer coisa. Sem causar transtorno para seus usuários. Digital transactions Steve Mott

32 Um dos maiores desafios dos profissionais da área de pagamento é entender os padrões de consumo da Geração Y.

33 PESQUISA IBOPE DESTE MÊS... AS REDES SOCIAIS JÁ FAZEM PARTE DA ROTINA DE 45% DAS PESSOAS... A PORCENTAGEM SOBE PARA 72% ENTRE OS ENTREVISTADOS COM IDADE ENTRE 18 E 24 ANOS.

34 29% dos brasileiros entre 10 e 17 anos prefere falar com amigos, família ou colegas por meio da internet do que pessoalmente Download de filmes e séries é outro hábito importante para 45% dos jovens paulistanos, contra 22% do público de todas as faixas etárias na região metropolitana de São Paulo. Fonte: Ibope (Outubro 2009)

35

36 Esta é uma geração muito mais disposta a fornecer informações pessoais. De acordo com uma recente pesquisa da Harris Interactive, 6 em cada 10 adolescentes não tem problemas em responder dados pessoais. E por que não? Eles fornecem uma quantidade impressionante de suas informações nas suas páginas de rede social.

37 Compra de bens virtuais Facebook A rede social permite que os usuários comprem créditos Facebook com seus telefones celulares. Estão trabalhando com uma empresa de soluções de pagamento móvel para prover este serviço. Os créditos podem ser usados para compra de bens virtuais dentro do Facebook. Eles podem usar os créditos nas aplicações da rede, como comprar artefatos extras nos games.

38 Vamos entender isso melhor

39 SEGUNDO ATO. MEIOS DE PAGAMENTO ELETRÔNICO.

40 O crescimento mundial da Indústria de Pagamentos Móveis vai tornar os serviços cada vez mais acessíveis Segundo Gartner, o número de usuários mundiais deve crescer mais de 70% de 2008 para Para 2012 a previsão é superar os 190 milhões de usuários ái de pagamentos móveis. Como? Pequenos varejistas certificados atuarão como agências bancárias; Depósitos via lojas; Tranferência de dinheiro via lojas; Enviar dinheiro por SMS para quem não é registrado nosistema; Pagamento de contas, taxis The Economist, The power of mobile money, 2009

41 Vantagens e possibilidades do M PAYMENT A terceira geração (3GSM) apresenta inovações que tornam o serviço mais eficiente i e atraente. As administradoras de cartões e instituições financeiras possuem experiência, presença e escala no varejo, e estão investindo no M Payment como meio de pagamento. Substitui plásticos e papéis. Extensa base de usuários de celulares. Mobilidade. The Economist, The power of mobile money, 2009

42 Acesso Econômico Possível! M Payment pode alcançar clientes que não têm acesso às contas bancárias e aos cartões de crédito; o rendimento de famílias quenianas que utilizam o M Payment aumentou de 5 30%.

43 Outro exemplo...

44

45 Membros Zipcar podem rapidamente fazer uma reserva, escolhendo os carros que estão mais próximos ói de sua localização. li O cliente vai até a localização do carro reservado e realiza seus Zipcards na frente de um decalque especial que fica na janela. Somente após a validação do sistema que as portas são destravas e é permitido a ignição. O membro usa oautomóvel e o devolve para o mesmo local. Todas as informações são enviadas para os servidores do Zipcar e para a conta do cliente que é automaticamente cobrado. At&t

46 O valor por hora está em torno de $ 8,50, incluindo a gasolina, o estacionamento e o seguro. A empresa também está servindo um número crescente de empresas que consideram o serviço uma alternativa econômica à sua própria p frota, táxis ou carros de aluguel. At&t

47 A Zipcar está revolucionandoas as locações de veículos nos EUA fazendo o avesso da concorrência. (Istoé Dinheiro) A companhia sintonizou as características dos automóveis com o perfil dos clientes. Foi uma inovação ousada. Como se trata de um público que as estatísticas revelam ser de maior risco, quase nenhuma locadora de automóveis entrega carros para menores de 21 anos, e quem tem menos de 25 geralmente tem de pagar uma tarifa mais alta. Para viabilizar a iniciativa, a companhia negociou tarifas menores de seguro para jovens. Foram feitas fit parcerias com universidades para colocar carros nos estacionamentos dos cursos. Exame

48 Adivinhe como esse novo modelo de negócio em serviço foi possível?

49 Agora é preciso apenas um toque A Zipcar lançou um aplicativo gratuito que permite localizar, seja em um mapa ou por meio do som do alarme, travar ou destravar o carro à distância com o iphone ou Ipod Touch. ZIPCAR

50 E isso tudo exige um enorme esforço de inovação em gestão...

51 TERCEIRO ATO. INOVAÇÃO NA GESTÃO E MODELO DE NEGÓCIO DAS EMPRESAS.

52 O ambiente externo Até que ponto lemos o macro ambiente brasileiro com precisão?

53 Contexto Atual do Planejamento A velocidade d das mudanças econômicas, tecnológicas, sociais e ambientais tem forçado os administradores a ter de aprender cada vez mais rápido. Tal aprendizado exige métodos que permitam representar e avaliar a complexidade cada vez maior do ambiente que os cerca. Os indivíduos e as organizações têm pouco controle sobre as forças ambientais que causam mudanças nas sociedades e nas organizações. Porém, os estrategistas podem descrever uma situação estratégica té usando seu conhecimento sobre a natureza e a estrutura do negócio bem como usando seu conhecimento das metas de longo prazo da empresa e do ambiente no qual ela está imersa. Peter Schwartz, 1991

54 Construção de cenários [de simples a complexos] OA Ambiente de Negócios Ambiente Global Economia Tecnologia Cultura Ambiente de Mercado Consumidores Competidores Fornecedores Ambiente da Empresa Produção Distribuição Comunicação SBDS Prof. Júlio Figueiredo

55 As Variáveis RESPONSABILIDADE O ambiente da empresa CLIENTES PESSOAS ORGANIZAÇÃO Conformid ade social Conform idade A mbiental <Modelo E stratégico> Conhecim ento e Ha bilidades Compet ências Cultura Org anizacional Imagem pública Conformid ade da Co municação Custo A mbiental Melhoria Contínua Políticas d e Incentivo Satisfação das Pessoas <Conformidade da Distribuição> Valor Percebido pelo Mercado Conformida de do Preço Relacionamento com Clientes <Capital Intelectual> Perfil da Liderança Ambiente Or ganizacional Modelo Estratégico Eficiência operacional Capital Intelectual <Conformidade dos Produtos e Serviços> Satisfação de Clientes Margens Geração de Idéias Flexibil idade Planejamento dos Processos Produti vidade Vendas da Empresa Relacioname nto com Forn ecedores <Satisfação das Pessoas> Novos p rodutos Tecnologia e Sistemas de informação Custos da Empresa Conformidad e dos Produt os e Serviços Conformidad e dos Proces sos Críticos Valor Ec onômico Recuperação de investimentos Investim entos Quali dade <Relaciona mento com Clientes> <Produti vidade> <Custo A mbiental> Conformid ade da Di stribuição <Modelo E stratégico> FINANÇAS INOVAÇÃO PROCESSOS SBDS Prof. Júlio Figueiredo

56 As Variáveis O ambiente da empresa O ambiente de mercado Perfil do C onsumidor <Concorrentes no Mercado> Conformid ade social Conform idade A mbiental <Modelo E stratégico> Conhecim ento e Ha bilidades Compet ências Cultura Org anizacional Demanda de mercado Imagem pública Conformid ade da Co municação Custo A mbiental Melhoria Contínua Políticas d e Incentivo Ambiente Or ganizacional Estrutura Competitiva de Mercado Mercado Instalado Satisfação das Pessoas <Conformidade da Distribuição> Valor Percebido pelo Mercado Conformida de do Preço Relacionamento com Clientes <Capital Intelectual> Perfil da Liderança Modelo Estratégico Eficiência operacional Capital Intelectual <Mercado Potencial> Vendas dos Concorrentes Mercado Potencial <Conformidade dos Produtos e Serviços> Satisfação de Clientes Margens Geração de Idéias Flexibil idade Planejamento dos Processos Produti vidade Vendas da Empresa Relacioname nto com Forn ecedores <Satisfação das Pessoas> Novos p rodutos Tecnologia e Sistemas de informação Concorrente s no Mercado Custos da Empresa Conformidad e dos Produt os e Serviços Conformidad e dos Proces sos Críticos Atratividade do Mercado Valor Ec onômico <Produti Recuperação de investimentos Quali dade Investim entos <Relaciona mento com Clientes> Fornece dores vidade> <Custo A mbiental> Conformid ade da Di stribuição <Modelo E stratégico> Espaço G eográfico Forneced ores de capital Relacionam ento com Int ermediários Geografia do Mercado

57 As Variáveis O ambiente da empresa O ambiente de mercado O ambiente global Uso dos Recursos Naturais Recursos Produtivos <Macro Estrutura Econômica> Educação da Força de Trabalho <Macro Estrutura Social> Padrões Globais do Mercado Perfil do C onsumidor <Macro Estrutura Social> <Concorrentes no Mercado> <Macro Estrutura Política> <Organizaçã o Global da Produção> Estrutura Global da Demanda Conformid ade social Conform idade A mbiental <Modelo E stratégico> Conhecim ento e Ha bilidades Compet ências Cultura Org anizacional Demanda de mercado Imagem pública Conformid ade da Co municação Custo A mbiental Melhoria Contínua Políticas d e Incentivo Ambiente Or ganizacional Estrutura Competitiva de Mercado Macro Estrutura Social Macro Estrutura Econômica Mercado Instalado Satisfação das Pessoas <Conformidade da Distribuição> Valor Percebido pelo Mercado Conformida de do Preço Relacionamento com Clientes <Capital Intelectual> Perfil da Liderança Modelo Estratégico Eficiência operacional Capital Intelectual <Mercado Potencial> <Macro Estrutura Econômica> Macro Estrutura Política Vendas dos Concorrentes Mercado Potencial <Conformidade dos Produtos e Serviços> Satisfação de Clientes Margens Geração de Idéias Flexibil idade Planejamento dos Processos Produti vidade Vendas da Empresa Relacioname nto com Forn ecedores <Satisfação das Pessoas> Novos p rodutos Tecnologia e Sistemas de informação <Padrões Globais do Mercado> Concorrente s no Mercado Custos da Empresa Conformidad e dos Produt os e Serviços Conformidad e dos Proces sos Críticos Estrutura dos Mercados Globais Mercado de Capitais Atratividade do Mercado Valor Ec onômico <Produti Recuperação de investimentos Investim entos Quali dade <Relaciona mento com Clientes> Fornece dores <Mudanças Tecnológicas> vidade> <Custo A mbiental> Conformid ade da Di stribuição <Modelo E stratégico> Espaço G eográfico Forneced ores de capital Relacionam ento com Int ermediários Geografia do Mercado <Macro Estrutura Econômica> Regulamen tações Inter nacionais Organização Global da Produção Mudanças T ecnológicas Difusão Tecnológica <Recursos Produtivos>

58 Como sua empresa se projeta no futuro?

59 Estratégia para inovação O Planejamento Dirigido por cenários é um processo que envolve um conjunto de técnicas, que permitem aos gestores, testar a sensibilidade d de seus planos a luz dos eventos externos e das ações internas, apresentando os futuros possíveis e os riscos associados à eles SBDS Prof. Júlio Figueiredo

60 Estratégias Similares Estratégias Diferentes Escala Eficiência Diligência Controle Alinhamento Hierarquia Velocidade Experimentação Imaginação Criação Diversidade Network

61 Fluxo de Inovação Portfólio Portfólio Portfólio Portfólio de de de de Idéias Experimentos Oportunidades Negócios Imagine Desenhe Experimente Avalie Escala MUITOS POUCOS

62 O novo modelo de inovação aberta tem vantagens: ele cria furos no funil da inovação Other firm s market Licence, spin out, divest Our new market Internal technology base Internal/external venture handling Our current market External technology External technology base insourcing Henry Chesbrough, 2004

63 Living Labs Prof William Mitchell, MIT, Boston, MediaLab, and School of Architecture and City Planning. Living Labs é uma metodologia de investigação para detectar, prototipar, validar e refinar soluções complexas em contextos múltiplos e envolventes da vida real. 1. Desenvolver serviços de mobilidade para os cidadãos em comunidades d próximas de tecnologias de mercado. Foco nos processos centrados no utilizador, nas atividades de co design e co criação criação, nas parcerias público privadas, e nainteração entre produtores e utilizadores. 2. Desenvolver iniciativas industriais para validar novos serviços de mobilidade, num modelo centrado no utilizador real (Living Lab bfinland Research hcommunity e Public Projects of Dimes). )

64 Living Labs

65 Predisposição para Alianças A colaboração é chave encurtar as distâncias entre parceiros criando mais relações de cooperação, sobretudo com aqueles em que a relação é mais transacional

66 QUARTO ATO. DESAFIOS, PROVOCAÇÕES INQUIETANTES DE PRÁTICAS FUTURAS.

67 Micropagamentos = Nanopagamentos Cobrar barato, muito barato. A ideia é simples: se não pode cobrar caro, arrume muitas pessoas para pagar pg pouco, como, por exemplo, pagar R$ 0,10 por um serviço ou bem na web.

68 Alguns Start Ups no nicho dos Nanopagamentos

69 90% dos usuários de internet no mundo não possuem cartão de crédito, e muitos têm medo de usá los online. O mercado alcançado com os micropagamentos poderia ser até três vezes maior. Há um bom dinheiro em jogo Eli Gurock da OneTouch

70 TRÊS EXEMPLOS DISSO...

71 App Store Apple uma fábrica de nanopagamentos O sucesso da App Store, da Apple, provou que as pessoas estão dispostas a pagar pequenas quantias por bens digitais ou serviços na Web. Em 28 de setembro de 2009, a Apple anunciou que seus consumidores fizeram mais de 2 bilhões de downloads de aplicativos, foram baixados de seu site, por preços entre U$ 0,99 e 4,99.

72 Nanopagamentos e Redes Sociais Na Ásia os nanopagamentos vem gerando grandes lucros em redes sociais há anos. A chinesa Tencent em 2007 amealhou uma receita de US$ 523 milhões quatro vezes a mais que o Facebook.

73 De nada adianta cobrar via cartão de crédito se seu público não tem idade para possuir um. Na China, as crianças podem adicionar créditos em suas contas do Tencent via celular ou comprando em lojas reais, sistemas similares existem para usuários do japonês Mixi e do coreano Cyworld.

74 Redes Sociais e Plataforma de Pagamentos Para que esse modelo de sucesso seja repetido nas redes sociais é necessária uma plataforma de pagamento estável, confiável e fácil de usar.

75 e os Nanopagamentos Segundo o Nieman Journalism Lab (www.niemanlab.org), projeto jt e blog da Universidade id d de Harvard, a Google está desenvolvendo uma nova plataforma própria de transação de pequenos valores monetários (nanopagamentos), que estará disponível no próximo ano. O sistema deverá ser uma extensão do Google Checkout, para no futuro: a ideia é viabilizar pagamentos de centavos até vários dólares ao agregar compras entre comerciantes. O Google irá aliviar os riscos de não pagamento pg ao dar limite de crédito baseado em compras passadas. A integração será extremamente simples.

76

77 Sim, se o pensamento na gestão de negócios for sistêmico [patentes] tes] [contexto] [serviços] [Open Innovation] [regulamentação] [certificações] [marketing] [redes sociais] [destinação final do cartão] [perfis de renda] [tecnologia] Inovação nos meios eletrônicos de pagamento [risco] [novos canais] [Visão] [segurança da informação] [Living Labs] [OPS] [lideranças] [infraestrutura] [associações] [estrutura] [crédito pré aprovado BNDES]

78 Nós somos mais inteligentes do que Eu é um livro inovador na sua concepção. Reúne insights de milhares de colaboradores de todo o planeta. Esta obra valeu se do chamado crowdsourcing para contar com a colaboração de mais de 4 mil voluntários e responder alguns questionamentos essenciais para as empresas e o uso que elas podem fazer do aprendizado e da inovação colaborativa.

79 Interessante saber... Sanford, Linda Building an Innovation Company for the 21st Century. MIT-IBM Innovation

80 Nesse novo cenário quem busca incorporar a capacidade de Inovar? Empresas que: São líderes ou almejam a liderança. Atuam em mercados instáveis, em mudança acelerada e com muitas indefinições. Buscam estabelecer padrões de indústria ou interferir decisivamente na configuração da indústria. Buscam desenvolver sistematicamente novas oportunidades de negócio, alavancando as competências existentes, não se limitando a ortodoxias e regras de mercado. Querem implantar um processo de inovação que gere um fluxo permanente de idéias, experiências e negócios, diminuindo os vales entre receitas advindas de sucessos temporários.

81 E, EM QUATRO ATOS VIMOS... uma interpretação multidisciplinar do mundo contemporâneo, onde o progresso tecnológico precisa estar associado a uma visão integrada de negócios que permita reduzir os custos para tornar os serviços cada vez mais acessíveise os benefícios possíveis às camadas mais pobres da população.

82 E, pra isso acontecer a semente de uma evolução positiva impõe que empresas...

83 Para que possamos responder questões como estas: Como produtos e serviços existentes podem ser modificados para atingir as necessidades da base da pirâmide? Por que ficamos cegos pelo nosso atual modelo de negócios? De que forma podemos desenvolver uma base de clientes que pode se tornar mais substancial no futuro?

84 E essa conversa continua...

85

86

Direto do CMO: Perspectivas de marketing de uma indústria em transição

Direto do CMO: Perspectivas de marketing de uma indústria em transição Direto do CMO: Perspectivas de marketing de uma indústria em transição Informações sobre a mudança dos modelos centralizados em voz para centralizados em dados Autor: Marcel Noordman, Mobile Broadband

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

M-Payment. Prof. Adriano Maranhão

M-Payment. Prof. Adriano Maranhão M-Payment Prof. Adriano Maranhão 1 Sumário M-Payment Pontos Positivos e Negativos do M-Payment M-Wallet (Conceito) O perfil dos usuários do M-Wallet M-Wallet (Serviços) Principais formas de comunicação

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Apresentação oficial Bitbonum Rewards Club

Apresentação oficial Bitbonum Rewards Club 1 Apresentação oficial Bitbonum Rewards Club A fé te conduz à conquista, a conquista te leva à vitória, a vitória te dá o SUCESSO! contact@bitbonum.com / www.bitbonum.com Copyright 2015 Bitbonum Company,

Leia mais

Introdução do Jornalismo Móvel

Introdução do Jornalismo Móvel Introdução do Jornalismo Móvel Semana 1: Visão geral das plataformas móveis, tendências e futuro Instrutor Técnico Móvel: Will Sullivan Instrutora Brasileira: Lorena Tárcia http://visual.ly/reaching-50-million-users

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

A Jornada de Master Neuro Coaching INFORMAÇÕES PARA A SUA FORMAÇÃO EM MASTER NEURO COACHING

A Jornada de Master Neuro Coaching INFORMAÇÕES PARA A SUA FORMAÇÃO EM MASTER NEURO COACHING A Jornada de Master Neuro Coaching INFORMAÇÕES PARA A SUA FORMAÇÃO EM MASTER NEURO COACHING O que você conhecerá nesta apresentação digital Características do profissional de Master Neuro Coach Benefícios

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

DESAFIOS ATUAIS DESENVOLVIMENTO Cenários e Perspectivas DE REGIONAIS

DESAFIOS ATUAIS DESENVOLVIMENTO Cenários e Perspectivas DE REGIONAIS DESAFIOS ATUAIS DESENVOLVIMENTO Cenários e Perspectivas DE REGIONAIS AGENDA VISÃO GERAL SITUAÇÃO ATUAL DESAFIOS PERSPECTIVAS CONSIDERAÇÕES Avaliação das Empresas os de empresas: e fazem as coisas acontecerem,

Leia mais

w w w. v a l i d a n d o i d e i a s. c o m. b r

w w w. v a l i d a n d o i d e i a s. c o m. b r Oficina de Modelagem de Negócios Express 30 MINUTOS DE MUITO CONTEÚDO 30 MINUTOS DE MÃO NA MASSA 1. O que é um Modelo de Negócios 2. Os 09 Componentes do Modelo de Negócios 3. Montando um Business Model

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil. Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil

The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil. Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil The Director s Report: The State of ecommerce in Brazil Por Lariza Carrera, Executive Director, etail Brazil etailbrazil.com 2014 O mercado está se ajustando a uma realidade multi-canal não excludente,

Leia mais

Nori Lermen Quer Revolução no ATM

Nori Lermen Quer Revolução no ATM Nori Lermen Quer Revolução no ATM Em entrevista exclusiva à Relatório Bancário, o novo presidente da ATP, Nori Lermen, revelou as intenções da empresa brasiliense em ir além do fornecimento de serviços

Leia mais

Mercado mobile, setor bancário e oportunidades de negócio. Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados.

Mercado mobile, setor bancário e oportunidades de negócio. Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados. Mercado mobile, setor bancário e oportunidades de negócio Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados. 1 Este artigo é baseado em estatísticas recentes e discute, brevemente,

Leia mais

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País.

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. OBJETIVOS A Pesquisa

Leia mais

XXII Seminário Nacional. de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas 2012-09-19. Open Innovation. André Saito. andre.saito@openinnovation.net.

XXII Seminário Nacional. de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas 2012-09-19. Open Innovation. André Saito. andre.saito@openinnovation.net. XXII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas 2012-09-19 Open Innovation André Saito andre.saito@openinnovation.net.br O que é Inovação Aberta? Henry Chesbrough UC-Berkeley

Leia mais

Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil

Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil Juan Pérez Ferrés 4 de dezembro de 2009 2º SEMINÁRIO DE DIREITO CONCORRENCIAL DO BANCO DO BRASIL A Concorrência no Mercado de Cartões

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA

DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA ÍNDICE INTRODUÇÃO O QUE É PAGAMENTO MÓVEL CONCLUSÃO PG. 3 PG. 4 PG. 6 PG. 17 INTRODUÇÃO Os meios de pagamento eletrônico estão cada vez mais fortes no Brasil.

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global O CONSUMIDOR MOBILE Uma visão global A PRÓXIMA POTÊNCIA EM MÍDIA Quando a primeira chamada foi realizada por um telefone móvel em 1973, o protótipo utilizado tinha bateria com duração de 30 minutos e levava

Leia mais

Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013

Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013 Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013 O modelo de negócios canvas (MNC), criado pelo finlandês Alex Osterwalder a partir de sua tese de doutoramento, revolucionou a forma com projetos e

Leia mais

mudanças nos modelos de negócios do setor automobilístico, impulsionadas pelas pesquisas de novas tecnologias energéticas e de segurança.

mudanças nos modelos de negócios do setor automobilístico, impulsionadas pelas pesquisas de novas tecnologias energéticas e de segurança. AUTOMOTIVE Mudança de rumos Pressões dos consumidores por praticidade e economia, somadas à necessidade de adaptação dos veículos ao planejamento urbano, criam um cenário desafiador para a indústria automobilística

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Este é o NOSSO TEMPO. Desfrutar. Aprender. Criar. Compartilhar Novos relacionamentos

Este é o NOSSO TEMPO. Desfrutar. Aprender. Criar. Compartilhar Novos relacionamentos BEM-VINDOS Este é o NOSSO TEMPO Desfrutar Aprender Criar Compartilhar Novos relacionamentos vamos então começar Plataforma ArcGIS: transformando e inovando a tomada de decisão com o uso da Inteligência

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud

5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud 5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget Marketing Cloud Aprimore a jornada de seus clientes com a plataforma de marketing digital 1:1 líder de mercado 5 Coisas que você deve saber sobre a ExactTarget

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Tecnologia e Meios de Pagamento - Geradores de novas formas de consumo

Tecnologia e Meios de Pagamento - Geradores de novas formas de consumo Tecnologia e Meios de Pagamento - Geradores de novas formas de consumo Fernando Adão da Fonseca Presidente da Unicre Congresso da APED 17.01.2012 2 Nos últimos 10 anos Tecnologia e Pagamentos Actualmente

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

46 KPMG Business Magazine. Corrida contra o tempo

46 KPMG Business Magazine. Corrida contra o tempo 46 KPMG Business Magazine Corrida contra o tempo Impacto das novas tecnologias no vazamento de receitas preocupa empresas de telecomunicações O desenvolvimento econômico do país e a evolução do mercado

Leia mais

Website para dispositivos Móveis. O futuro na palma de sua mão!

Website para dispositivos Móveis. O futuro na palma de sua mão! Website para dispositivos Móveis O futuro na palma de sua mão! Sites Mobile A Internet está sendo cada vez mais acessada através de telefones móveis e, como resultado, sites estão recebendo uma boa quantidade

Leia mais

Panorama do e-commerce tendências e expectativas.

Panorama do e-commerce tendências e expectativas. Panorama do e-commerce tendências e expectativas. As marcas BuscaPé atuam em toda a cadeia de valores do e-commerce na América Latina Ciclo de Compras PERCEPÇÃO INTERESSE DECISÃO AÇÃO PÓS-VENDA REVENDA

Leia mais

PROFISSIONAL. Por que o Comércio Eletrônico em Multicanais é Fundamental para o Sucesso do seu Negócio On-line

PROFISSIONAL. Por que o Comércio Eletrônico em Multicanais é Fundamental para o Sucesso do seu Negócio On-line EDIÇÃO Nº 05 GRÁTIS FOTOGRAFIA PROFISSIONAL SOLUÇÕES PARA IMAGENS DE PRODUTO QUE CONQUISTARAM OS LÍDERES DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Por que o Comércio Eletrônico em Multicanais é Fundamental para o Sucesso

Leia mais

quarta-feira, 8 de outubro de 14

quarta-feira, 8 de outubro de 14 Internet 2G no Brasil Mais usada que 3G... Em julho, o 2G era usado em 48,5% dos celulares, nº menor que o registrado em janeiro (57,8%) 3G passou de 35,9% em janeiro para 44,3% em julho Tecnologia 4G

Leia mais

Mobile Payment como facilitar a vida do consumidor e vender mais

Mobile Payment como facilitar a vida do consumidor e vender mais VAREJO Outubro - 2012 Mobile Payment como facilitar a vida do consumidor e vender mais O que é Mobile Payment? Mobile Payment ou Pagamento Móvel, também conhecido como Dinheiro Móvel ( Mobile Money ) ou

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Mídias apostam em publicidade... 78% pretende usar a internet como plataforma. Ações de TV paga também estão no radar de 64% Meio & Mensagem ...

Mídias apostam em publicidade... 78% pretende usar a internet como plataforma. Ações de TV paga também estão no radar de 64% Meio & Mensagem ... Digital Mídias apostam em publicidade... 78% pretende usar a internet como plataforma Ações de TV paga também estão no radar de 64% Mobile representa 50% das iniciativas Meio & Mensagem Publicidade Investimento

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Tendências de comunicação para 2014. 89% dos brasileiros pesquisam preços na web. E-mail é 40 vezes mais eficiente que FB nas vendas

Tendências de comunicação para 2014. 89% dos brasileiros pesquisam preços na web. E-mail é 40 vezes mais eficiente que FB nas vendas Tendências de comunicação para 2014 Veja alguns temas que devem influenciar o setor 89% dos brasileiros pesquisam preços na web 78% acredita que na internet os produtos são mais baratos 63% utiliza smartphones

Leia mais

SEGURANÇA DE OPERAÇÕES

SEGURANÇA DE OPERAÇÕES NEW SCIENCE SEGURANÇA DE OPERAÇÕES REVISTA UL.COM/NEWSCIENCE-BRAZIL NOVOS DESAFIOS PEDEM POR NEW SCIENCE O progresso é uma força transformadora e não para jamais. As novas tecnologias, os avanços de produtos

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação. Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011

Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação. Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011 Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011 Agenda 01 O momento certo para promover a inovação tecnológica no Brasil

Leia mais

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu Desembaraço Informações da indústria como você nunca viu Introdução É uma ferramenta dominada pela geração Y, mas que foi criada pela geração X. Ela aproxima quem está longe e tem distanciado quem está

Leia mais

Clube Vida em Grupo São Paulo Mercado Brasileiro de Seguros: Tendências e Oportunidades

Clube Vida em Grupo São Paulo Mercado Brasileiro de Seguros: Tendências e Oportunidades Clube Vida em Grupo São Paulo Mercado Brasileiro de Seguros: Tendências e Oportunidades 13 de novembro, 2013 Gabriel Portella O mercado está em constante mudança... Desenvolvimento tecnológico Mudança

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos White Paper 24 de Setembro de 2014 Rede IPTV DX - Clubes Desportivos Alcançando e realizando o potencial do torcedor móvel IPTV Móvel para Clubes Desportivos - DX - 1 O negócio de mídia e venda para torcedores

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Por Márdel Cardoso. Sistema de Fidelização e Cashless Sem Fila/Sem Dinheiro)

Por Márdel Cardoso. Sistema de Fidelização e Cashless Sem Fila/Sem Dinheiro) Por Márdel Cardoso Sistema de Fidelização e Cashless Sem Fila/Sem Dinheiro) 1. O que é Cashless 2. Open Loop e Closed Loop 3. Arenas Closed Loop 4. Arenas Open Loop 5. Pesquisas Sistema de Fidelização

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

Plano Aula 11 31/10/2011

Plano Aula 11 31/10/2011 Plano Aula 11 31/10/2011 - Vantagem Competitiva Estratégias Competitivas - Caso Verizon & ATT, Caso Dell e Land s End, Artigo TI e Vantagem Competitiva, Rede Vende Tudo 1 Estratégias Competitivas Básicas

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

MDIC, Endeavor e McKinsey lançaram em 2013 o programa InovAtiva para apoiar o empreendedorismo de alto impacto no Brasil

MDIC, Endeavor e McKinsey lançaram em 2013 o programa InovAtiva para apoiar o empreendedorismo de alto impacto no Brasil 0 MDIC, Endeavor e McKinsey lançaram em 2013 o programa InovAtiva para apoiar o empreendedorismo de alto impacto no Brasil Capacitação Preparação para investidores Cursos e atividades para apoiar o desenvolvimento

Leia mais

Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati

Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati Agenda Evolução digital Construindo um banco digital Evolução digital 90% dos dados de hoje foram criados apenas nos dois últimos anos 10% de todas as fotos do

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010 I Fórum Lusófono de Comunicações Abril. 2010 Evolução do Setor de Telecomunicações no Brasil Pré-Privatização Monopólio estatal Poucos investimentos Baixa qualidade dos serviços 98 Grande demanda reprimida

Leia mais

Tendências Tecnológicas: Como monetizar em oportunidades emergentes?

Tendências Tecnológicas: Como monetizar em oportunidades emergentes? : Como monetizar em oportunidades emergentes? 23 de Julho 2013 Confidencial Mercados emergentes têm previsão de crescimento de 2-3 vezes maiores do que mercados maduros em tecnologia nos próximos 2 anos.

Leia mais

A visão e estratégia certas

A visão e estratégia certas "Não há dúvidas de que nosso setor está se transformando rapidamente e que a Cisco e a rede estão no centro das principais transições de mercado que estão a caminho. Acreditamos que nossa estratégia de

Leia mais

Sumário. M-Payment. M-Payment. Pontos Positivos M-Payment 27/05/2016. Prof. Adriano Maranhão

Sumário. M-Payment. M-Payment. Pontos Positivos M-Payment 27/05/2016. Prof. Adriano Maranhão Sumário M-Payment Prof. Adriano Maranhão M-Payment Pontos Positivos e Negativos do M-Payment M-Wallet (Conceito) O perfil dos usuários do M-Wallet M-Wallet (Serviços) Principais formas de comunicação do

Leia mais

CIAB 2015. Cenário para a Economia Mundial: impacto nos mercados e o papel do Banco Digital. Hélio Magalhães, Presidente do Citi Brasil

CIAB 2015. Cenário para a Economia Mundial: impacto nos mercados e o papel do Banco Digital. Hélio Magalhães, Presidente do Citi Brasil CIAB 2015 Cenário para a Economia Mundial: impacto nos mercados e o papel do Banco Digital Hélio Magalhães, Presidente do Citi Brasil Cenário Mundial O crescimento econômico global permanecerá em aceleração

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aulas 3 e 4 Administração da Empresa Digital Parte I Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Qual é o papel

Leia mais

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO Março/2010 A empresa A Empresa nasceu em março de 1977, como uma farmácia de manipulação, no centro de Curitiba. Durante seus 32 anos, evoluiu por diferentes cenários,

Leia mais

Open Innovation Conceitos

Open Innovation Conceitos Open Innovation Conceitos Conceitos Modelo Fechado de Inovação Modelo Fechado Características Pesquisa Desenvolvimento tempo O modelo fechado de inovação foi o que prevaleceu durante quase todo o século

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Sobre o que é este curso? Definições de Design de Interação Características Atividade 1 - Foco

Leia mais

Ninguém gosta do custo de frete. Os clientes

Ninguém gosta do custo de frete. Os clientes I E-BOOK Ninguém gosta do custo de frete. Os clientes não gostam. As lojas virtuais não gostam. O mercado não gosta. Mas apesar do crescimento dos custos de manuseio, envio e transporte de produtos, a

Leia mais

Este documento foi classificado pelo Bradesco Dia & Noite e o acesso está autorizado, exclusivamente, a colaboradores da Organização Bradesco.

Este documento foi classificado pelo Bradesco Dia & Noite e o acesso está autorizado, exclusivamente, a colaboradores da Organização Bradesco. Este documento foi classificado pelo Bradesco Dia & Noite e o acesso está autorizado, exclusivamente, a colaboradores da Organização Bradesco. Fatores que contribuem para conectar os Clientes na Era Digital

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

APTRA PASSPORT DA NCR. Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos

APTRA PASSPORT DA NCR. Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos APTRA PASSPORT DA NCR Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos Uma maneira melhor para os seus clientes depositarem cheques Bancos e instituições financeiras continuam a enfrentar os desafios

Leia mais

A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING. Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br

A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING. Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br Agenda As Primeiras iniciativas de M-Banking Os grandes inimigos do M-Banking

Leia mais

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Seminário GVcev Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Tema: Tecnologia para Entender e Atender o consumidor Palestrante: Paulo Nassar HISTÓRICO Cobasi uma empresa brasileira Iniciou suas atividades

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing 3 Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013 OBSERV ATÓRIO Outro dia, por mais uma vez, decidi que freqüentaria a uma academia. Como acabei de me mudar de casa, busquei no Google maps do meu celular por Academia e de imediato diversos pontinhos vermelhos

Leia mais

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para:

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para: MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! Precisa-se de mão de obra para: Marketing Vendas Distribuição Finanças Localização Desenvolvimento de novos negócios Programação... MUITOS CAMPOS ABERTOS,

Leia mais

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO Contexto do módulo Gestão e Comercialização de Tecnologia Serviços de apoio da DIRTEC/CGTEC Perspectivas de análise da

Leia mais

Itaú Unibanco Centro Tecnológico Mogi Mirim. Março 2015

Itaú Unibanco Centro Tecnológico Mogi Mirim. Março 2015 Itaú Unibanco Centro Tecnológico Mogi Mirim Março 2015 Motivadores Suportar o crescimento de negócio Elevar a disponibilidade dos serviços Tempo de recuperação de dados igual a zero CTSP Data Centers atuais

Leia mais

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada.

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. SYSTIMAX Solutions imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. 1 Toda rede deve ser administrada. A questão é COMO? A visão: Conseguir o sucesso comercial a partir de uma melhor administração de

Leia mais

Inteligência de Dados

Inteligência de Dados Inteligência de Dados Apoio Master Transformando Dados em Vantagem Competitiva Leonardo Couto Sócio e Diretor Comercial leo.couto@wiseminer.com +55 21 9 7295 1422 Big Data Bang e os desafios da gestão

Leia mais

Mobilidade. Relatório Mobilidade, Inteligência de Mercado

Mobilidade. Relatório Mobilidade, Inteligência de Mercado Mobilidade Internet e Mobilidade Nos últimos 10 anos, o termo Mobilidade no universo de tecnologia mudou bastante, se tornou mais abrangente e abriu novo setor de negócios. Games, aplicativos de navegação,

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais