AS TINTAS IMOBILIÁRIAS E O IMPACTO AMBIENTAL PARTE II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS TINTAS IMOBILIÁRIAS E O IMPACTO AMBIENTAL PARTE II"

Transcrição

1 I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO julho 2004, São Paulo. ISBN AS TINTAS IMOBILIÁRIAS E O IMPACTO AMBIENTAL PARTE II UEMOTO, Kai Loh (1); IKEMATSU, Paula (2); AGOPYAN, Vahan (3) (1) Química, Dra em Engenharia Civil, Cx. Postal São Paulo-SP.CEP PCC-EPUSP, (2) Aluna de iniciação científica, Cx. Postal São Paulo-SP.CEP PCC-EPUSP, (3) Engenheiro Civil, Dr em Engenharia Civil, Cx. Postal São Paulo-SP. CEP PCC-EPUSP, RESUMO As tintas imobiliárias, os solventes usados na sua diluição e na limpeza da aparelhagem usada para a sua aplicação, emitem compostos orgânicos voláteis (VOC) que são considerados contaminantes potenciais do meio ambiente, da qualidade do ar interno de edificações, com baixa renovação de ar e, além disso, afetam a saúde do trabalhador durante a fase de construção do edifício. Os efeitos dos VOCs ao meio ambiente motivaram o estudo "Impacto ambiental das tintas imobiliárias" que está sendo desenvolvido pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo em parceria com a ABRAFATI Associação Brasileira dos Fabricantes de Tinta, com recursos da FINEP e CNPq, estudo que tem como objetivo principal levantar e fornecer indicadores ecológicos nacionais às indústrias de tinta para que possam se adequar aos teores de VOC de modo a minimizar o impacto ambiental. Este trabalho apresenta os resultados preliminares obtidos no estudo até o momento, e é continuação daquele apresentado no ENTAC É discutida a metodologia utilizada para a identificação e quantificação do VOC das tintas látex e esmalte sintético e também são apresentados os principais constituintes dos VOCs emitidos por esses produtos e discutidos os riscos dessas substâncias à saúde. Os resultados obtidos mostram que as tintas contêm ingredientes nocivos tanto à saúde quanto ao meio ambiente e que há necessidade de legislações para o seu controle. Os resultados obtidos irão permitir fazer um diagnóstico do mercado nacional que irá auxiliar na obtenção de indicadores ecológicos nacionais Palavras chaves: impacto ambiental, meio ambiente, emissões, VOC, tintas, construção civil, legislações. 1. INTRODUÇÃO/ JUSTIFICATIVA Nas últimas décadas ficou evidente que os edifícios alteram significativamente o meio ambiente durante a fase de construção e durante o seu uso e que os materiais de construção contribuem muito para a poluição ambiental. As atividades no canteiro geram poluição sonora, resíduos de construção, materiais particulados e, no caso a pintura dos edifícios gera a emissão de compostos orgânicos voláteis (VOC), que constitui uma séria fonte de poluição atmosférica, resultado da presença de solventes na tinta. Uma das principais linhas de pesquisa nas indústrias de tinta tem sido o desenvolvimento de produtos de menor impacto ambiental em especial à emissão de solventes à atmosfera. Para a redução das emissões estão sendo realizadas mudanças significativas tanto na formulação como na produção e aplicação das tintas. Estão sendo utilizadas novas tecnologias como a produção de tintas com elevado teor de sólidos, a redução da quantidade de solventes aromáticos nas tintas ou a sua eliminação, a reformulação dos solventes normalmente empregados (HARE, 2000), o uso de solventes oxigenados e de novos tipos de coalescentes e a produção de tintas em pó, a substituição de pigmentos à base de metais pesados e de produtos de base solvente por emulsões aquosas.

2 Na indústria da construção existe uma crescente preocupação no que diz respeito ao conceito da qualidade ambiental (EQ - environmental quality); os edifícios além de serem avaliados sob o ponto de vista de desempenho, também serão avaliados sob critérios ambientais. A seleção dos materiais de construção deixará de ser feita somente com base em critérios estéticos, de durabilidade ou de custo, mas também estará condicionada a questões como a contaminação do meio ambiente, e a toxidez dos produtos (CHEVALIER; LE TÉNO, 1996). Em um futuro próximo, os critérios ecológicos ficarão agregados aos critérios de desempenho, prazo e custo. A questão ambiental será usada como um instrumento para divulgação mercadológica como o que já esta sendo observado na indústria de tinta que para atrair consumidores alguns fabricantes divulgam a venda de produtos isentos de emissão de VOC, de solventes aromáticos ou benzeno e de metal pesado, tinta ecológica etc. O presente trabalho tem como objetivo levantar e fornecer critérios ecológicos nacionais às indústrias de tinta para que estas possam se adequar aos teores de VOC propostos, discutir a importância do desenvolvimento de tintas com baixo VOC e, além disso, conscientizar o meio técnico sobre os efeitos da emissão de VOC durante a execução da pintura e do uso do edifício. 2. A INFLUÊNCIA DO VOC NA QUALIDADE DO AR A norma ASTM D Standard practice for determining volatile organic compound (VOC) define o VOC como sendo qualquer substância orgânica que participa de reações fotoquímicas na atmosfera com exceção de monóxido de carbono, dióxido de carbono, ácido carbônico, carbetos e carbonatos metálicos. As tintas imobiliárias, principalmente aquelas de base solvente, e os produtos usados para a aplicação da pintura possuem em sua composição VOC, geralmente constituídos por hidrocarbonetos aromáticos e alifáticos, hidrocarbonetos contendo halogênio, cetonas, ésteres, álcoois os quais apresentam impacto ambiental conforme descritas a seguir: 2.1 Meio ambiente externo (atmosfera) A emissão desses hidrocarbonetos à atmosfera resulta na formação de ozônio, presente na troposfera (nível do solo), e que tem elevado efeito na saúde do ser humano, na flora e fauna quando em teores elevados (SÃO PAULO, 2002). Estas substâncias quando na presença dos óxidos de nitrogênio, do meio ambiente, e na presença de luz solar (radiação UV) e calor, reagem entre si formando compostos oxidantes e ozônio, o que pode ser observado na forma de névoa fotoquímica, conhecida popularmente por "smog" (BREZINSKI, 1995). O ozônio é considerado como um dos principais poluentes do ar e é um dos parâmetros usados para definir o índice de qualidade do ar (AQI- Air Quality Index). Na região metropolitana de São Paulo (RMSP), no ano de 2001, o ozônio ultrapassou o padrão de qualidade do ar por 78 dias, freqüência que representa 21,4% dos dias do ano (SÃO PAULO, 2002). Os dados apresentados pela CETESB mostram que realmente há necessidade de se implementar estratégias de controle de redução de emissões de poluentes precursores de ozônio como o VOC. 2.2 Meio ambiente interno dos edifícios Estudos realizados mostram que os VOCs emitidos pelos materiais de construção de acabamento de base polimérica influem na qualidade do ar de ambiente interno de edificações causando desconforto e danos à saúde. No caso das tintas, as substâncias emitidas durante a execução da pintura podem afetar a saúde do trabalhador, resultando em problemas de saúde ocupacional (SATO et al, 2000) e prejuízos na sua produtividade. Conforme a literatura, os estudos mostram que a emissão contínua de VOC em ambiente interno, durante anos, pode levar à ocorrência de um sintoma conhecido como Síndrome dos Edifícios Doentes ( Sick Building Syndrome ) (SENITKOVA, 2000) (YU; CRUMP, 1998).Têm sido muito estudada a emissão de VOC pela tinta e pelos materiais e componentes de acabamento, durante as primeiras idades de ocupação do edifício e ao longo do uso do edifício, principalmente nos países do Hemisfério Norte e Asia, onde é comum o uso de ar condicionado (THAM, 2000) (YANG et al, 2001). Hoje no desenvolvimento de novos produtos de construção já estão sendo considerados os possíveis impactos dos VOCs emitidos na saúde e no conforto dos ocupantes dos edifícios, objetivando sempre a obtenção de produtos mais saudáveis (WOLKOFF, 1999).

3 3. MATERIAIS E MÉTODOS No estudo foram coletadas do mercado da cidade de São Paulo 50 amostras de produtos constituídos por tinta látex, esmaltes sintéticos, vernizes, solventes e diluentes. Foram analisadas algumas características químicas desses produtos e identificadas a composição dos seus VOCs. Para a apresentação dos resultados preliminares desse trabalho foram escolhidas aleatoriamente duas marcas de tinta látex, duas marcas de esmalte sintético, sendo um deles coletados em dois diferentes períodos. 3.1 Caracterização da composição básica das tintas Os produtos foram caracterizados quanto ao: teor de voláteis, determinado pela secagem da amostra líquida a 110 o C, conforme norma ASTM D Standard test method for volatile content of coatings ; teor de pigmentos, determinados pela calcinação da amostra a 450 o C; teor de resina, também conhecido por veículo não volátil, estimado pela diferença entre o teor de não voláteis e o teor de pigmento. 3.2 Identificação e quantificação dos VOCs Realizada por cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massa (GC-MS), marca Shimadzu QP- 5050A, e uso de acessório específico para a determinação de compostos voláteis denominado headspace Sampler, marca Shimadzu HSS-4A.. A análise é constituída por uma separação prévia da fração volátil das amostras por cromatografia gasosa e posteriormente a identificação desta fração por espectrometria de massa. O procedimento usado permite analisar qualitativa e quantitativamente os componentes voláteis de amostras líquidas ou sólidas contidas em um frasco selado, o qual é previamente aquecido a uma temperatura pré-estabelecida, sendo a fase gasosa recolhida por uma seringa aquecida e injetada em um cromatógrafo gasoso acoplado a um espectrômetro de massa. A identificação foi feita por comparação com espectro padrão ou de referência, em banco de espectros para pesquisa, tendo sido usadas bibliotecas NIST 107, NIST 21 e WILEY 229. Preparação de amostras de tinta Os ensaios por GC-MS foram realizados nas amostras de tinta (líquida) e em películas obtidas pela deposição das mesmas em filme de polietileno. As películas de pintura assim obtidas foram separadas do filme de polietileno após secagem durante 24 horas e 7 dias em laboratório climatizado, a temperatura constante de 23 o C e 50% de umidade relativa, com troca de ar no ambiente. Foram determinadas as massas das películas e determinados os compostos voláteis por GC-MS. Condições de operação Coluna DB-5: 30mx0,25mm, 5% polar Gás de arraste: Hélio Amostra ao redor de 2g em frasco de 30mL e aquecimento a 80 o C Rampa de temperatura: início 60 o C durante 3 min., velocidade de aquecimento 10 o C/ min até 250 o C durante 10 min. Identificação de espectro de massa, usando bibliotecas computadorizadas: NIST 107, NIST 21 and WILEY 229, consultadas no programa CLASS RESULTADOS E COMENTÁRIOS Na Tabela 1, são apresentados os resultados da caracterização química de duas amostras de tinta látex (L1 e L2) e duas amostras de esmalte sintético (E1 e E2, Lote 1 e 2). Nas Tabelas 2, 3 e 4 é apresentada a identificação qualitativa e quantitativa, por GC-MS, dos principais constituintes dos VOCs de duas amostras líquidas de tinta látex e uma amostra líquida de esmalte sintético e nos filmes obtidos dessas amostras após 24 horas e 7 dias de secagem. Na Tabela 5 é apresentada a identificação qualitativa e quantitativa, por GC-MS, dos principais constituintes dos VOCs do esmalte sintético líquido (E2 Lote1 e E2 Lote2). As Figuras 1, 2 e 3 mostram cromatogramas dos VOCs emitidos pelas amostras L1, L2 e E1, na forma líquida, em filme obtido após 24 horas de secagem e em filme obtido após 7 dias de secagem. A Figura 4 mostra cromatogramas dos VOCs emitidos pelo esmalte sintético

4 E2, Lotes 1 e 2, na forma líquida. A Tabela 6 mostra os efeitos causados por alguns dos constituintes dos VOCs na saúde do homem, conforme dados apresentados pelo National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH). Tabela 1: Características das tintas Amostra Tipo de tinta Determinação Voláteis (%) Resinas (%) Pigmentos (%) VOC (%) L1 Látex L2 Látex E1 Esmalte sintético E2L1 Esmalte sintético E2L2 Esmalte sintético Figura 1: Cromatograma da tinta látex L1 mostrando os VOCs emitidos pela tinta líquida, pela película após 24 horas de secagem e pela película após 7 dias de secagem. Tabela 2: Compostos emitidos pela tinta látex L1 Amostras Compostos e Proporção Líquida Oxigênio (50,1%), Acetaldeído (11,0%), Alcoól etílico (28,7%), 2-Propanona (4,5%), Hidrazina (3,6%), Ácido acético, Etiléster (1,2%) 24 horas Ácido acético (9,2%), 1,1 Dimetiletil benzeno (1,5%), Alfa-terpinol (1-Metanol,α, α,4-trimetil 3-ciclohexano) (3,0%), 2-Fenoxi etanol (85,8%) 7 dias Formamida (14,5%), Ácido acético (40,6%), Octa-1,7-dienil-3-formiato (14,5%), Benzeno (15,4%), 1H-Imidazole, 2-etenil (15,0%)

5 Figura 2: Cromatograma da tinta látex L2 mostrando os VOCs emitidos pela tinta líquida, pela película após 24 horas de secagem e pela película após 7 dias de secagem. Tabela 3: Compostos emitidos pela tinta látex L2 Amostras Compostos e Proporção Acetaldeído (8,2%), Metanol (1,7%), 2-Propanona (1,9%), 2-Metil propanol (2,5%), n- Líquida Butil éter (1,1%), Nonano (2,2%), 2-Bromo octano (2,7%), 1-Metil-2-propil ciclohexano (4,1%), 1,2,3-Trimetil benzeno (2,7%), Decano (12,9%), 3-Tetradecanol (0,9%), 5-Etil-2- metil heptano (2,1%), Biciclo [8.2.0] dodecane,11,11-dimetil (2,0%), Undecano (4,2%) 2-Propanol 1-(2-metoxi-1-Metiletoxi) (9,1%), 2-Propanol 1-(2-metoxi-1-Metiletoxi) (10,1%), 2-Propanol 1-(2-metoxipropoxi) (8,6%), 1-Propanol, 3-fenoxi (46,0%), 1-24 horas Propanol, 2-fenoxi (7,3%), 2-Ácido propanóico, 3-Metil fenil- metil éster (2,8%), bis(trimetilsiloxi)-2-[hidroxi-(etoxi)fenil]-2-hidroxifenilpropano (7,7%), 1,1,1,3,5,7,9,11,11,11-Decametil-5-(Trimetilsiloxi)hexasiloxane (3,3%), Ácido octadecanóico (5,0%) 7 dias 1-Fenoxi-propanol (100%)

6 Figura 3: Cromatograma do esmalte sintético E1 mostrando os VOCs emitidos pela tinta líquida, pela película após 24 horas de secagem e pela película após 7 dias de secagem. Tabela 4: Compostos emitidos pelo esmalte sintético E1 Amostras Compostos e Proporção 2-Butanona (1,0%), n-butil álcool (1,0%), Metil ciclohexano (0,8%), 1,3-Dimetil ciclohexano (0,4%), 2-Butanona, oxime (0,7%), Octano (1,3%), Etilbenzeno (1,3%), 1,4- Dimetil benzeno (6,4%), 1-Etil-4-Metilciclohexano (5,1%), p-xileno (0,7%), Nonano (1,6%), Ciclohexapropanol (3,0%), 3-Metil nonano (1,3%), 3-Etil-2-Metil heptano (2,5%), Octadecano (1,0%), Octadecano (1,7%), 2-Metil nonano (4,8%), 3-Metil nonano (3,5%), 1,2-Dimetil ciclopentano (3,5%), 1,3,5 Trimetil benzeno (3,7%), 1,2-Dimetil-3-(1- Líquida metiletil) ciclopentano (0,5%), 1,3,5-Trimetil benzeno (2,6%), Decano (n-decano, Isodecano) (3,5%), 1-Metil-3-(2-metilpropil) ciclopentano (12,4%), 1-Ciclohexilnonano (2,4%), 2-Butil, 1-octanol (1,6%), 5-Etil-2-metil heptano (1,9%), 5-Etil-2-metil benzeno,1,3,5-trimetil (1,4%), 1-Nonadecanol (2,8%), Ciclohexano (2-Metilpropil) (1,7%), 2-Hexil-1-octanol (1,2%), 1-Pentil-2-propil ciclopentano, 5-Metil decano (1,0%), Neomentol (2,1%), 2-Metil decano (1,0%), 3-Metil decano (1,0%), Undecano (2,7%) n-hexanal (2,5%), n-decano (9,3%), 5-Etil-2-Metil heptano (4,4%), n-undecano (9,2%), 24 horas 1-(1-carboxietil)-4-(1-formietil) benzeno (8,5%) 5,5-Dimetil-2-(1,1-Dimetil-2-Hidroxietil)-4-Hidroxi-1,3-dioxano (2,7%), 1-Metil-2-propil ciclohexano (2,0%), 1-Metil-3-(1-metiletil) ciclohexano (2,6%), 1,2,3-Trimetil benzeno (0,9%), n-decano (11,1%), n-undecano (0,7%), 4-Metil decano (9,2%), (1-Metilpropil) Ciclohexano (7,5%), 4,6,8-Trimetil 1-nonano (2,5%), 1-Cloro octadecano (3,2%), 1,1 - Bicicloheptil (1,3%), Tetradecanal (8,3%), 4-Metil decano (3,4%), 2-Metil decano (4,2%), 7 dias 3-Metil decano (3,9%), 1-Metil-3-propril ciclohexano (2,6%), n-undecano (14,8%), 2- Metil Trans-Decalin (1,9%), 1-Iodo-2-Metilundecano (2,7%), 2-Etil Ácido hexanóico (2,3%), Decalin, syn-1-metil-,cis (2,2%), n-amilciclohexano (1,2%), (R)-4-[5 -(3 -metil- 2 -butenil)-2,6,6 -Trimetil-1 -ciclohexenil]-3-buten-2-ol (1,9%), Octadecil fluoreto (0,9%), n-dodecano (3,7%), n-undecano (1,2%)

7 Figura 4: Cromatograma mostrando os VOCs emitidos pelo esmalte sintético (E2 Lotes 1 e 2), na forma líquida. Tabela 5: Compostos emitidos pelo esmalte sintético E2 Lote 1 e Lote 2. Amostras Compostos e Proporção Líquida E2 Lote 1 Líquida E2 Lote 2 1,1,3-Trimetil ciclohexano, (2,56%), 2,3,4-Trimetil hexano, (5,86%), o-xileno (10,51%), o-xileno (2,78%), Nonano (13,12%), 1-Etil-4-metil ciclohexano, (5,55%), Ciclohexanopropanol (4,78%), 2-metilpropil ciclohexano, (8,85%),,3- etil-2-metil heptano (1,89%), 6-Metil octadecabe (3,37%), 3,5-dimetil octano (8,37%), 1-Iodo-2-metilundecano (5,50%), 2,6-Dimetil octano, (4,56%), Trimetilbenzeno (3,24%), n-decano (9,28%), 4-Metil decano (1,92%), Undecano (2,45%) 1,1 -bibibiclo(2.2.2)octil-4- ácido carboxílico (27,93%), 1-Nitropropano (5,31%), 1,1,2-Trimetil ciclohexano, (13,03%), Propil ciclohexano, (6,32%), Nitrito de isobutila (4,58%), di-t-butilmitroxil (26,10%), 1-Isociano butano (10,65%), Propil ciclohexano, (6,07%)

8 Tabela 6: Substâncias presentes no VOC das tintas e seus sintomas (NIOSH ) Substâncias N CAS 1 Principais sintomas Metil etil cetona (MEK) Irritação: pele, nariz, garganta, olhos, edemas pulmonares p-xileno o-xylene e isômeros Hidrazina Benzeno ,2,3 -Trimetilbenzeno 1,3,5- Trimetilbenzeno e isômeros Etoxietanol n-nonano e isômeros Irritação: pele, nariz, garganta, olhos, falta de coordenação, náusea, dores abdominal Irritação: olhos, pele, nariz, garganta, vertigem, excitação, sonolência, falta de coordenação, anorexia, náusea, vômito, dores abdominais, dermatites Irritação: pele, nariz, garganta, sistema nervoso central, fígado e rins Irritação: olhos, pele, nariz, garganta, sistema respiratório, dores de cabeça, anorexia, fraqueza, dermatite, cancer Irritação: pele, nariz, garganta, olhos, sistema respiratório, anemia, dores de cabeça Irritação da vista, sistema respiratório, efeitos no sangue, fígado, rim, pulmão Irritação: pele, nariz, garganta, olhos, dores de cabeça, confusão mental, tremor, falta de coordenação motora, pneumonia n-hexano Neuropatia, sistema nervoso central, irritação Acetaldeído Risco de conjuntivite e efeito cancerígeno 1-Nitropropano Irritação: olhos, dores de cabeça, náusea, vômito, diarréia, fígado 1 Chemical Abstract Number A análise qualitativa realizada mostrou que as tintas látex emitem VOCs bem inferior aos esmaltes sintéticos e que estes últimos usualmente são constituídos por uma mistura de mais de 60 substâncias. A identificação das substâncias só foi realizada naquelas que apresentavam maiores proporções e, em alguns casos, naquelas que apresentavam características tóxicas. As substâncias determinadas são constituídas por éteres, cetonas, hidrocarbonetos alifáticos e aromáticos, hidrocarbonetos clorados. A presença desta última substância foi identificada em esmaltes sintéticos, não sendo hoje normal a sua existência nesse tipo de produto. A interpretação dos espectros de massa foi realizada por comparação com espectro de referência, usando bibliotecas computadorizadas. As análises realizadas, de caracterização e qualitativa, mostraram que o esmalte sintético (E2 Lote 1 e E2 Lote 2) de mesma marca comercial mas coletados em dois diferentes períodos (2002 e 2003) não apresentaram VOCs com as mesmas substâncias. A análise dos cromatogramas mostra que o Lote 2 é constituído por uma mistura com menor número de substâncias do que o Lote 1, ou seja o Lote 2 apresenta ausência de substâncias aromáticas, portanto com menor impacto ambiental. Os cromatogramas mostram que tanto os filmes obtidos com tinta látex quanto com esmalte sintético com 24 horas de secagem, em ambiente com condições controladas, apresentam teores de VOCs muito inferiores ao das tintas líquidas. Após 24 horas, a maior parte dos VOCS das tintas já foi emitida. Os cromatogramas obtidos de películas com 7 dias de secagem mostram que, mesmo após esse período de secagem ambos tipos de tinta ainda apresentavam resíduos de VOC, não tendo sido totalmente eliminados, o que confirma dados da literatura que mostram emissões de VOCs de materiais de base polimérica (exemplo: carpetes, colas, revestimentos de paredes, vernizes, silicones) por períodos prolongados e inclusive com emissões secundárias devido a degradação desses materiais por produtos de limpeza (WOLKOFF, 1999). Os ensaios apresentados nesse estudo foram realizados em tinta líquida e em películas, secas em uma condição ambiental pré-fixada, e além disso, esta sendo estudada

9 a influência dos substratos (madeira e argamassa) nas emissões, os efeitos de temperatura, de umidade relativa e de trocas de ar no interior da câmara ambiental, com registro contínuo destes parâmetros. Existe um grande número de pesquisas sobre emissões de VOCs com determinação em câmara ambiental conhecida como "small-scale test chamber", em diferentes dimensões de câmara e sob variadas condições de temperatura, umidade relativa e circulação de ar; além disso, este tipo de emissão também é determinado de acordo com ASTM D Standard Guide for Small-Scale Environmental Chamber Determination of Organic Emissions from Indoor Materials/Products. As metodologias citadas estudam a influência da espessura da película de tinta e o substrato nas características de adsorção/desorção (KWOK et al, 2003) (POPA E HAGHIGHAT, 2003), ventilação, temperatura, umidade relativa na velocidade de emissão de VOCs e têm como objetivo simular condições normalmente presentes em ambiente interno de edificações. O procedimento desenvolvido é mais simples e rápido do que os citados em literatura porem é útil para estimar de modo comparativo a velocidade de emissão de VOCs da tinta durante a sua secagem em uma única condição, sem levar em conta a influência do substrato e suas características de adsorção/desorção. O procedimento pode ser considerado uma boa ferramenta para auxiliar os fabricantes no desenvolvimento de novas formulações e para os construtores um bom meio para a seleção de tintas que apresentem menor impacto ambiental. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo mostrou que tanto as tintas látex como os esmaltes sintéticos usados na construção civil emitem VOCs, sendo os últimos constituídos por uma mistura de mais de 60 substâncias. Parte das substâncias é aquela normalmente presente nas formulações de tintas e comumente citada em literatura e outra parte constituída por produtos provavelmente resultado de impurezas de matérias primas. Conforme mostrado na Tabela 6 muitas das substâncias presentes nos VOCs das tintas do estudo prejudicam a saúde dos trabalhadores durante a fase de pintura do edifício causando problemas pulmonares, neurotóxicos, irritação na pele, nariz, garganta, olhos etc e além disso a sua emissão em ambientes internos fechados afetam a saúde dos ocupantes durante o uso do edifício recém construído e nos períodos de sua manutenção. Os efeitos dos VOCs durante a aplicação da tinta ou presentes em ambiente interno fechado não foram muito estudados no Brasil por isso há necessidade de se realizar estudos nessa área além de conscientizar o meio técnico e a população sobre os efeitos desse tipo de emissão nas edificações. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BREZINSKI, J. J. Regulation of volatile organic compound emissions from paints and coatings. Koleske, J. V.. In: Paint and coating testing manual: fourteenth edition of the Gardner-Sward Handbook. ASTM Manual Series: MNL 17, pp.3-12, CHEVALIER, J. L.; LE TÉNO, J. F. Requirements for an LCA-based Model for the evaluation of environmental quality of building products. Building and Environment. Vol. 31, n o 5, p , HARE, H. C. Formulation strategies using exempt solvents: latest developments. Paint & Coatings Industry, United States, aug. 2000, Disponível em:<http://www.pcimag.com>; <http://www.pcimag.com/pci/cda/articleinformation/features/features_index/1,1838,1-367,00.html>. Acesso em: 17 mai KWOK, N. H. et al, Substrate effects on VOC emissions from an interior finishing varnish. Building and Environment Vol. 38, p POPA, J; HAGHIGHAT, F. The impact of VOC mixture, film thickness and substrate on adsorption/desorption characteristics of some building materials. Building and Environment Vol. 38, p SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria do Meio Ambiente. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB). Relatório da qualidade do ar no estado de São Paulo São Paulo: CETESB, Disponível em: < http//www.cetesb.sp.gov.br>. Acesso em 09 abr

10 SATO, S. et al The emission of volatile organic compounds in a building under construction. In: PROCEEDINGS OF HEALTHY BUILDINGS. Anais. Finland, p ; SENITKOVA, I. Ranking of selected indoor chemical pollutants. In: PROCEEDINGS OF HEALTHY BUILDINGS. Anais. Finland Vol.1, p THAM, K. W. et al Identifying, quantifying and controlling VOCs in an air-conditioned office building- a Singapore case study. In: PROCEEDINGS OF HEALTHY BUILDINGS. Anais. Finland, p ; U.S. ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY (EPA). USA. Air Quality Index. Disponível em: < http//www.epa.gov/airnow>. Acesso em WOLKOFF, P. How to measure and evaluate volatile organic compound emissions from building products. A perspective. The science of the total environment. 227, 1999, p YANG, X. et al. Numerical simulation of VOC emissions from dry materials. Building and Environment Vol. 36, p YU C.; CRUMP D. A review of the emission of VOCs from polymeric materials used in buildings. Building and Environment Vol. 33, no. 6, p AGRADECIMENTOS Os autores agradecem à FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos pelo apoio recebido no desenvolvimento do Projeto e ao CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico pela concessão de bolsa de pesquisa.

tintas. É autora de dois livros e artigos em congressos nacionais e internacionais na área de sustentabilidade. E-mail: kai.uemoto@poli.usp.

tintas. É autora de dois livros e artigos em congressos nacionais e internacionais na área de sustentabilidade. E-mail: kai.uemoto@poli.usp. 58 Kai Loh Uemoto é bacharel em química pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo (1972); Mestre e Doutora em Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Leia mais

Solventes. Armando Meyer NESC/UFRJ

Solventes. Armando Meyer NESC/UFRJ Armando Meyer NESC/UFRJ O que são? São substâncias químicas ou uma mistura líquida de substâncias químicas capazes de dissolver outro material de utilização industrial. Geralmente refere-se a compostos

Leia mais

AS TINTAS IMOBILIÁRIAS E O IMPACTO AMBIENTAL

AS TINTAS IMOBILIÁRIAS E O IMPACTO AMBIENTAL AS TINTAS IMOBILIÁRIAS E O IMPACTO AMBIENTAL UEMOTO, Kai Loh (1); AGOPYAN, Vahan (2) (1) Depto de Engenharia de Construção Civil, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, e-mail: kai.uemoto@poli.usp.br

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/6 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/6 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: TINTA EPÓXI ALCATRÃO DE HULHA CURADA COM Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/6 NE-012 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

Qualidade do Ar Interior (Produtos) Rui Coelho CT1

Qualidade do Ar Interior (Produtos) Rui Coelho CT1 Qualidade do Ar Interior (Produtos) Rui Coelho CT1 Comissão Técnica CT1 Relançada em 23 de Setembro de 2008 Objectivo: Promover o debate e a troca de informações entre as empresas do sector sobre temas

Leia mais

a) Escreva a fórmula estrutural desse composto e classifique os átomos de carbono da sua cadeia orgânica principal.

a) Escreva a fórmula estrutural desse composto e classifique os átomos de carbono da sua cadeia orgânica principal. Aluno (a): 01 - (UNESP SP) O composto orgânico 2,2-dimetil--metil-butano é um hidrocarboneto saturado que apresenta cadeia orgânica acíclica, ramificada e homogênea. a) Escreva a fórmula estrutural desse

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/5 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/5 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: TINTA DE FUNDO RICA EM ZINCO À BASE DE Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/5 NE-024 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/6 NE-017 TINTA DE ALUMÍNIO FENÓLICA. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/6 NE-017 TINTA DE ALUMÍNIO FENÓLICA. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS Título: NORMA TÉCNICA TINTA DE ALUMÍNIO FENÓLICA Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/6 NE-017 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2.1 Da ABNT

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/7 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/7 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: TINTA DE FUNDO EPÓXI PIGMENTADA COM ALUMÍNIO, CURADA COM POLIAMINA Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/7 NE-022 1ª Edição 1. OBJETIVO

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão 1 Os componentes principais dos óleos vegetais são os triglicerídeos, que possuem a fórmula genérica ao lado: Nessa fórmula, os grupos R, R e R representam longas cadeias de carbono, com ou sem

Leia mais

Revestimento interno de tanque e sua interação com produtos aromáticos

Revestimento interno de tanque e sua interação com produtos aromáticos Revestimento interno de tanque e sua interação com produtos aromáticos Ulysses Ramos, Aldo Ramos Santos, C. N. Borges, Deovaldo Moraes Junior, Marlene S. Moraes, Universidade Santa Cecília (UNISANTA),

Leia mais

SINALMAX COML E INDL DE SINALIZAÇÃO LTDA. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ

SINALMAX COML E INDL DE SINALIZAÇÃO LTDA. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: SOLVEMAX Código interno: SSU 200 Empresa: Sinalmax Comercial e Industrial de Sinalização Ltda. e-mail: contato@sinalmaxsinalizacao.com.br Endereço:

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/7 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/7 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: TINTA DE ADERÊNCIA EPÓXI-ISOCIANATO- Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência.03.16 1/7 NE-025 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2.1

Leia mais

Parte II. Meneah Renata Talita

Parte II. Meneah Renata Talita Extração e Purificação do Limoneno Parte II Meneah Renata Talita Objetivo da prática Isolar e Purificar o Limoneno a partir de uma fase orgânica contendo n-hexano, limoneno, traços de substâncias voláteis

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/6 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/6 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: TINTA À BASE DE SILICATO DE ETILA PIGMENTADA COM ZINCO E ALUMÍNIO Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/6 NE-014 1ª Edição 1. OBJETIVO

Leia mais

Qualidade do ar. PhD Armindo Monjane - Dep. Quimica UP

Qualidade do ar. PhD Armindo Monjane - Dep. Quimica UP Qualidade do ar Inventário das fontes de poluição Condições climáticas e geomorfológicas Monitoração da qualidade do ar Padrões de qualidade do ar Métodos de amostragem e analíticos Fontes móveis de emissão

Leia mais

SUPER GLOBO QUÍMICA LTDA

SUPER GLOBO QUÍMICA LTDA FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICA FISPQ Nome do Produto ÁGUA SANITÁRIA SANTA CLARA Telefone (31) 3363-8884 Nº de Revisões - Data 1 16/08/2010 Nº de Páginas 5 SEÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DA TINTA LÁTEX NOS MECANISMOS DE TRANSPORTE DE ÁGUA EM CONCRETOS

INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DA TINTA LÁTEX NOS MECANISMOS DE TRANSPORTE DE ÁGUA EM CONCRETOS INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO DA TINTA LÁTEX NOS MECANISMOS DE TRANSPORTE DE ÁGUA EM CONCRETOS UEMOTO, Kai L. (1); AGOPYAN, Vahan (2) (1) Pesquisadora Associada do Departamento de Engenharia de Construção Civil,

Leia mais

ALCANOS. Definição São os compostos orgânicos contendo apenas carbono e hidrogênio e formados por ligações SIMPLES entre os CARBONOS.

ALCANOS. Definição São os compostos orgânicos contendo apenas carbono e hidrogênio e formados por ligações SIMPLES entre os CARBONOS. ALCANOS Definição São os compostos orgânicos contendo apenas carbono e hidrogênio e formados por ligações SIMPLES entre os CARBONOS. Pertencem a família dos HIDROCARBONETOS Outros membros dessa família:

Leia mais

IPT. Hidrocarbonetos alifáticos. Sumário. Hidrocarbonetos. Hidrocarbonetos Aromáticos. Hidrocarbonetos. Química 2.

IPT. Hidrocarbonetos alifáticos. Sumário. Hidrocarbonetos. Hidrocarbonetos Aromáticos. Hidrocarbonetos. Química 2. IPT Química 2 idrocarbonetos João Luís Farinha Antunes Escola Superior de Tecnologia de Tomar Departamento de Arte, onservação e Restauro Sumário idrocarbonetos alifáticos lassificação Nomenclatura Variação

Leia mais

QUÍMICA - 1 Ano Processos de separação de misturas PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS

QUÍMICA - 1 Ano Processos de separação de misturas PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS Conceitos iniciais Na natureza, raramente encontramos substâncias puras. Em função disso, é necessário usarmos métodos de separação para obtermos determinada substância.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Safety Data Sheet. Óxido de Zinco Óxido de Zinco

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Safety Data Sheet. Óxido de Zinco Óxido de Zinco Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e Nome da Empresa Nome do Produto: Identificação do Produto: Identificação da Empresa: Endereço da Empresa: E-mail: Telefone/Fax: (55) (11) 2671 1133 Telefone

Leia mais

Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica

Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica Desempenho de geomembranas de HDPE após degradação ultravioleta e térmica Fernando Luiz Lavoie Escola de Engenharia de São Carlos (EESC USP), São Carlos, Brasil, fllavoie@yahoo.com.br Benedito de Souza

Leia mais

Atmosférica, São Paulo - SP, Universidade Estadual do Rio de Janeiro Resende - RJ

Atmosférica, São Paulo - SP, Universidade Estadual do Rio de Janeiro Resende - RJ Compostos Orgânicos Voláteis: Principais Precursores de Ozônio na Região Metropolitana de São Paulo Débora Souza ALVIM 1, Luciana Vanni GATTI 1, Carlos Eduardo R. de SOUZA 1, João Paulo ORLANDO 1, Sergio

Leia mais

Química D Superintensivo

Química D Superintensivo GABARIT Superintensivo Exercícios 0) 9 02) B 03) A 0. erta. Devido à propriedade de encadeamento do carbono, o número de compostos orgânicos é muito grande, com grande variação no arranjo dos átomos das

Leia mais

BASF. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

BASF. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 6 Código 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 22 M 26 PRETO PROFUN Empresa S.A. Avenida Brigadeiro Faria Lima, nº 3600 - Itaim Bibi São Paulo/SP - Cep 04538-132 Tel.: 55 11 3043-2273 Fax:

Leia mais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Profª Eliane C. Gomes Mestranda: Rosangela Colaço

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Profª Eliane C. Gomes Mestranda: Rosangela Colaço UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Profª Eliane C. Gomes Mestranda: Rosangela Colaço 1. POLUIÇÃO

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico. Título: Delacryl Pisos Azul Profundo

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico. Título: Delacryl Pisos Azul Profundo Página 1 de 8 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Delacryl Pisos Azul Profundo Código Interno de Identificação do Produto: 883051 Nome da Empresa: Tintas Iquine Ltda. Endereço da

Leia mais

SOLVENTES E INALANTES Considerações iniciais

SOLVENTES E INALANTES Considerações iniciais SOLVENTES E INALANTES Considerações iniciais Solventes são todas as substâncias capazes de dissolver outras substâncias, assim, a cola de sapateiro é um composto químico dissolvido num solvente, que se

Leia mais

Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União e permanecerá em vigor até 30 de abril de 2011.

Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União e permanecerá em vigor até 30 de abril de 2011. Resolução ANP Nº 18 DE 24/03/2011 (Federal) Data D.O.: 25/03/2011 O Diretor-Geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto

Leia mais

13 - DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS PERIGOSOS NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DO RECIFE-PE

13 - DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS PERIGOSOS NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DO RECIFE-PE 13 - DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS PERIGOSOS NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DO RECIFE-PE Thalita Cristina Rodrigues Silva (1) Graduanda do Curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica

Leia mais

GUIA DA AMOSTRAGEM PASSIVA

GUIA DA AMOSTRAGEM PASSIVA OI-L4-709-SAM-BR-ENV-FD.15-31 REV.01 PAGE 1 OF 6 Os monitores para vapores orgânicos OVM 3500 e OVM 3520, são indicados para amostragem dos compostos químicos da listagem apresentada abaixo. As análises

Leia mais

Química II. Módulo 9. Questões de Aplicação. OH b) O c) C C C C C C C C C C. 1. a) 3,4,4-trimetil-2-pentanol C OH

Química II. Módulo 9. Questões de Aplicação. OH b) O c) C C C C C C C C C C. 1. a) 3,4,4-trimetil-2-pentanol C OH Química II Módulo 9 Questões de Aplicação 1. a) 3,4,4-trimetil-2-pentanol 5 4 3 2 1 b) 3-etil-4-metil-1-hidróxi-benzeno 8 7 6 5 4 3 2 1 i) 1-hidróxi-4-metil-benzeno ou p- hidróxi-metil-benzeno 2. a) Fenóxi-Benzeno

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Pág. 1/6 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: COLT GEL Código do Produto: 101.062 Nome da Empresa: ROGAMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Temperatura de ignição espontânea ºC

Temperatura de ignição espontânea ºC SUBSTÂNCIAS INFLAMÁVEIS DE GÁS Na tabela 1 estão relacionados 230 substâncias inflamáveis e suas características. A tabela foi construída com informações obtidas da NORMA NBR IEC 60079-20. Substância inflamável

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS IÊNIAS DA NATURZA SUAS TLGIAS Lista de xercícios de Reações de Substituição / º ano Professor(a): harles Wellington Data: /AGST/016. www.colegioanglodecampinas.com.br De sonhos e conquistas Aluno(a): Questão

Leia mais

O USO DE PIGMENTO FRIO NA FORMULAÇÃO DE TINTAS PARA APLICAÇÃO EM COBERTURAS E FACHADAS 1

O USO DE PIGMENTO FRIO NA FORMULAÇÃO DE TINTAS PARA APLICAÇÃO EM COBERTURAS E FACHADAS 1 XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 O USO DE PIGMENTO FRIO NA FORMULAÇÃO DE TINTAS

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/7 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/7 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: TINTA EPÓXI CURADA COM ADUTO EPÓXI-AMINA PARA PINTURA INTERNA DE TANQUES DE Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/7 NE-018 1ª Edição

Leia mais

Principais Problemas Ambientais

Principais Problemas Ambientais Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental (2017/2) Química Atmosférica (Parte 2) Principais Problemas Ambientais Felipe Dias dos Reis Principais

Leia mais

3 Os hidrocarbonetos e a importância de seu estudo no ambiente

3 Os hidrocarbonetos e a importância de seu estudo no ambiente 3 Os hidrocarbonetos e a importância de seu estudo no ambiente Os hidrocarbonetos são compostos químicos formados unicamente por átomos de carbono e hidrogênio, estando presentes na natureza como constituintes

Leia mais

EXERCÍCIOS DE QUÍMICA ORGÂNICA RECUPERAÇÃO FINAL ª SÉRIE. 1º) Escreva as fórmulas estruturais dos seguintes hidrocarbonetos:

EXERCÍCIOS DE QUÍMICA ORGÂNICA RECUPERAÇÃO FINAL ª SÉRIE. 1º) Escreva as fórmulas estruturais dos seguintes hidrocarbonetos: EXERCÍCIOS DE QUÍMICA ORGÂNICA RECUPERAÇÃO FINAL 2016 3ª SÉRIE 1º) Escreva as fórmulas estruturais dos seguintes hidrocarbonetos: a. Propano b. Heptano c. 1-penteno d. 3-hexino e. Ciclopentano f. Ciclopenteno

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/8 NE-015 TINTA DE ACABAMENTO EPÓXI. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/8 NE-015 TINTA DE ACABAMENTO EPÓXI. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS Título: NORMA TÉCNICA TINTA DE ACABAMENTO EPÓXI Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência.03.16 1/8 NE-015 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2.1 Da ABNT (Associação

Leia mais

Disciplina: Química A

Disciplina: Química A Disciplina: Química A EXTENSIVO E TERCEIRÃO PÁGINA: 6 EXERCÍCIO: 28.01 O álcool apresenta interações por ligações de hidrogênio, enquanto o hidrocarboneto interage por forças de dipolo induzido, dessa

Leia mais

CONTROLE DE POLUIÇÃO ATMOSFERICA POR PLACAS CERÂMICAS COMERCIAIS COM NANO-TIO 2 EM LUZ ULTRAVIOLETA DE 254 NM

CONTROLE DE POLUIÇÃO ATMOSFERICA POR PLACAS CERÂMICAS COMERCIAIS COM NANO-TIO 2 EM LUZ ULTRAVIOLETA DE 254 NM CONTROLE DE POLUIÇÃO ATMOSFERICA POR PLACAS CERÂMICAS COMERCIAIS COM NANO-TIO 2 EM LUZ ULTRAVIOLETA DE 254 NM Resumo: A poluição atmosférica e seus efeitos para a saúde pública em ambientes internos e

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/6 NE-010 TINTA ALQUÍDICA. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/6 NE-010 TINTA ALQUÍDICA. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS Título: NORMA TÉCNICA TINTA ALQUÍDICA Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/6 NE-010 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2.1 Da ABNT (Associação

Leia mais

AULA 21 NOMENCLATURA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS E HIDROCARBONETOS

AULA 21 NOMENCLATURA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS E HIDROCARBONETOS AULA 21 NOMENCLATURA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS E HIDROCARBONETOS NOMENCLATURA OFICIAL DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS De acordo com a União Internacional de Química Pura e Aplicada (I.U.P.AC.), o nome de um composto

Leia mais

COMPOSTOS OXIGENADOS (I)

COMPOSTOS OXIGENADOS (I) COMPOSTOS OXIGENADOS (I) Portal de Estudos em Química (PEQ) www.profpc.com.br Página 1 01 (UFRGS-RS) Observe a fórmula do composto: EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO a) Indique a função a que pertence o composto.

Leia mais

ESTUDO SOBRE COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS EM CAMPINAS-SP

ESTUDO SOBRE COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS EM CAMPINAS-SP VI Congresso Brasileiro de Engenharia Química em Iniciação Científica 1/6 ESTUDO SOBRE COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS EM CAMPINAS-SP Junqueira, T. L. 1, Albuquerque, E. L. 2 e Tomaz, E. 3* Tassia Lopes Junqueira

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II Curso: Engenharia Civil Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA Construção Civil II Aula 07 Pinturas Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. Sumário Aula 07 Pinturas Funções

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 16/09/2014 Página: 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da empresa: MULTQUÍMICA PRODUTOS QUÍMICOS LTDA Endereço: Rua Seimu Oguido, 196 - Parque ABC - CEP: 86075-140. Telefone

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE QUÍMICA

PROFESSOR: EQUIPE DE QUÍMICA PROFESSOR: EQUIPE DE QUÍMICA BANCO DE QUESTÕES - QUÍMICA ORGÂNICA 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO - PARTE 1 ============================================================================================= Hidrocarbonetos

Leia mais

COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS DE TINTAS IMOBILIÁRIAS E CERTIFICAÇÕES AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARA SUBSOLOS

COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS DE TINTAS IMOBILIÁRIAS E CERTIFICAÇÕES AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARA SUBSOLOS 128 COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS DE TINTAS IMOBILIÁRIAS E CERTIFICAÇÕES AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARA SUBSOLOS Volatile organic compounds of housing paints and environmental certifications: case study

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO AR EM VOLTA REDONDA-RJ A PARTIR DAS ANÁLISES DO TEOR DE BTX

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO AR EM VOLTA REDONDA-RJ A PARTIR DAS ANÁLISES DO TEOR DE BTX DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO AR EM VOLTA REDONDA-RJ A PARTIR DAS ANÁLISES DO TEOR DE BTX Adriana Gioda LADETEC-IQ/UFRJ Ilha do Fundão Rio de Janeiro RJ e-mail: agioda@hotmail.com Francisco Radler Aquino

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ Em conformidade com ABNT 14725-4/2014 Revisão: 2 Data da Revisão: 03/09/15 Produto: WD40 BIKE LUBRIFICANTE PARA CORRENTE / SECO N

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) HIDROCLEAN

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) HIDROCLEAN HIDROCLEAN 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: HIDROCLEAN Identificação da Empresa: Nippon Chemical Ind. e Com. de San. e Det. Prof. Ltda Rua Platina, nº 259 Recreio Campestre

Leia mais

QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO

QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO SUBSTÂNCIA PURA MISTURA ESTUDO DAS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS SUBSTÂNCIA: material formado por moléculas quimicamente iguais. Substância simples: é constituída de uma molécula formada

Leia mais

Solventes. Junho 2015

Solventes. Junho 2015 Junho 2015 Solventes Solventes Conheça os Solventes da Braskem. A solução para o seu negócio. Amplo portfólio de solventes com alta performance na solubilização de compostos químicos Desenvolvimento de

Leia mais

I DETERMINAÇÃO DO POTENCIAL DE FORMAÇÃO DE TRIHALOMETANOS EM ÁGUAS NATURAIS UTILIZANDO-SE A TÉCNICA MIMS

I DETERMINAÇÃO DO POTENCIAL DE FORMAÇÃO DE TRIHALOMETANOS EM ÁGUAS NATURAIS UTILIZANDO-SE A TÉCNICA MIMS I-010 - DETERMINAÇÃO DO POTENCIAL DE FORMAÇÃO DE TRIHALOMETANOS EM ÁGUAS NATURAIS UTILIZANDO-SE A TÉCNICA MIMS João Tito Borges (1) Mestre em Engenharia Civil - UNICAMP, na Área de Saneamento e Ambiente,

Leia mais

Comissão Institucional de Resíduos Químicos e Biológicos TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS

Comissão Institucional de Resíduos Químicos e Biológicos TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS Ácidos inorgânicos 1 1 Ácidos inorgânicos Ácidos orgânicos 2 X 2 Ácidos orgânicos Bases 3 X X 3 Bases Aminas 4 X X 4 Aminas Compostos halogenados 5

Leia mais

COLORART IND. e COMERCIO LTDA

COLORART IND. e COMERCIO LTDA Produto: Tinta 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: COLORART Cores Diversas Nome da empresa: COLORART IND. e COMERCIO LTDA. Endereço: Rua Solimões, 471 Diadema - SP. Telefone: 1140532988

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO DA MATÉRIA- PRIMA NA OBTENÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DE FRUTOS DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus terebinthifolius Raddi)

INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO DA MATÉRIA- PRIMA NA OBTENÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DE FRUTOS DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus terebinthifolius Raddi) INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO DA MATÉRIA- PRIMA NA OBTENÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DE FRUTOS DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus terebinthifolius Raddi) M. G. A. MAGGIERI 1, B. G. SILVA 1 e A. M. F. FILETI 1 1 Universidade

Leia mais

Prof. Willame Bezerra

Prof. Willame Bezerra 1. Os feromônios são compostos emitidos por animais para atrair outros da mesma espécie e sexo oposto. Um dos tipos de feromônios são os chamados atraentes sexuais de insetos, que facilitam sua reprodução.

Leia mais

Dispensette S NOVO! Dispensador para frascos. A nova geração! n Novo tubo de dosificação. n Novo sistema de válvulas. n Iniciação rápida

Dispensette S NOVO! Dispensador para frascos. A nova geração! n Novo tubo de dosificação. n Novo sistema de válvulas. n Iniciação rápida A nova geração! Dispensette S Dispensador para frascos F I R S T C L A S S B R A N D Idéias inovadoras com tecnologia reconhecida o novo dispensador para frascos. n Novo tubo de dosificação com ou sem

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: (Tinta pronta) Código da Linha do Produto: 210 211 213 Fabricante: SKYLACK TINTAS E VERNIZES LTDA Endereço: Estrada do Jurumirim nº 570 Salto São

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO GREEN LAB ANÁLISES QUÍMICAS E TOXICOLÓGICAS LTDA /

Leia mais

Volume 1 - Edição 19 - Setembro de 2004

Volume 1 - Edição 19 - Setembro de 2004 Volume 1 - Edição 19 - Setembro de 2004 Este Informativo Técnico foi produzido pela área de Saúde Ocupacional e Segurança Ambiental da 3M e é destinado aos Profissionais de Segurança. Se desejar obter

Leia mais

Emissões de poluentes na indústria do petróleo

Emissões de poluentes na indústria do petróleo Emissões de poluentes na indústria do petróleo Marcos Thanus Andrade Ana Carolina Marzzullo Fernanda Cabral Santos Carlos Eduardo Frickmann Young Instituto de Economia, UFRJ Email: ambiente@ie.ufrj.br

Leia mais

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos.

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sistemas de pintura Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sua aplicação resulta em uma película

Leia mais

Nomenclatura IUPAC - International Union of Pure and Applied Chemistry. Regras para a atribuição dos nomes dos alcanos

Nomenclatura IUPAC - International Union of Pure and Applied Chemistry. Regras para a atribuição dos nomes dos alcanos Nomenclatura IUPA - International Union of Pure and Applied hemistry Regras para a atribuição dos nomes dos alcanos 1 - a terminação do nome de todos os alcanos é -ano metano, etano 2 - a cadeia principal

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Equipamentos portáteis de detecção Químico Agnaldo R. de Vasconcellos CETESB Sustância não identificada Mantenha

Leia mais

Cromatografia Gasosa 30/05/2012. No início da cromatografia. Princípio da cromatografia CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) Início da CG: 1952

Cromatografia Gasosa 30/05/2012. No início da cromatografia. Princípio da cromatografia CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) Início da CG: 1952 Analítica V: Aula 22-05-12 No início da cromatografia Mistura de substâncias coloridas (caroteno, clorofila e xantofila) foi separada : Cromatografia Gasosa Éter de petróleo (solvente) CaCO 3 (s) (adsorvente)

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE DA ESTRUTURA DE UM EDIFÍCIO DE CARÁTER REPETITIVO

ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE DA ESTRUTURA DE UM EDIFÍCIO DE CARÁTER REPETITIVO Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil http://www.ppgec.dacoc.ct.utfpr.edu.br/ www.utfpr.edu.br II MOPP 2010 II Mostra de Pesquisa e Pós-Graduação da UTFPR 30 de agosto a 03 de Setembro de 2010

Leia mais

QUÍMICA 3º ano 2017 Prof. Adriana Strelow. Polígrafo 2: Química Orgânica I

QUÍMICA 3º ano 2017 Prof. Adriana Strelow. Polígrafo 2: Química Orgânica I QUÍMICA 3º ano 2017 Prof. Adriana Strelow Polígrafo 2: Química Orgânica I Carbono, Cadeias Carbônicas, Hidrocarbonetos, Funções Oxigenadas e Nitrogenadas Aluno : Turma: [Polígrafo 2] Página 1 Introdução

Leia mais

09/2013. Brilhante. NBR da ABNT Ⅰ Tipo da NBR Premium

09/2013. Brilhante. NBR da ABNT Ⅰ Tipo da NBR Premium Quaisquer recomendações, informações, assistências ou serviços fornecidos pelas Indústrias Químicas Irajá sobre seus produtos ou sobre o uso e aplicação dos mesmos são dados de boa fé, acreditando serem

Leia mais

PROCESSO DE CONVERSÃO À BAIXA TEMPERATURA - CBT

PROCESSO DE CONVERSÃO À BAIXA TEMPERATURA - CBT 7º SIMPÓSIO NACIONAL DE BIOCOMBUSTÍVEIS PROCESSO DE CONVERSÃO À BAIXA TEMPERATURA - CBT Prof. Dr. Francisco Ferreira Dantas Filho Universidade Estadual da Paraíba - UEPB 2014 Pirólise Definição: Degradação

Leia mais

DELTRON SISTEMAS ACELERADOS D863 D818

DELTRON SISTEMAS ACELERADOS D863 D818 DELTRON SISTEMAS ACELERADOS D863 D818 DESCRIÇÃO DO PRODUTO Todos os primers, vernizes e acabamentos de dois componentes PPG são formulados para proporcionar secagem rápida e um curto tempo de processo

Leia mais

Reações Orgânicas - Adição e Eliminação

Reações Orgânicas - Adição e Eliminação Reações Orgânicas - Adição e Eliminação Reações Orgânicas - Adição e Eliminação 1. São apresentados, abaixo, quatro compostos pertencentes a várias funções orgânicas: CH 3OH CH 3NH 2 CH 2 = CH 2 A alternativa

Leia mais

GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN

GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN ÍNDICE GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR MERIDIAN SENSORES PARA GASES COMBUSTÍVEIS 3 Sensor de gás combustível por oxidação catalítica 4 Fatores

Leia mais

ESTUDO DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE ÓLEOS LUBRIFICANTES AUTOMOTIVOS POR CROMATOGRAFIA GASOSA / ESPECTROMETRIA DE MASSA

ESTUDO DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE ÓLEOS LUBRIFICANTES AUTOMOTIVOS POR CROMATOGRAFIA GASOSA / ESPECTROMETRIA DE MASSA Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESPAÇO DE COR CIELAB DURANTE A DEGRAÇÃO DE REVESTIMENTOS ORGÂNICOS POR RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA

AVALIAÇÃO DO ESPAÇO DE COR CIELAB DURANTE A DEGRAÇÃO DE REVESTIMENTOS ORGÂNICOS POR RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA AVALIAÇÃO DO ESPAÇO DE COR CIELAB DURANTE A DEGRAÇÃO DE REVESTIMENTOS ORGÂNICOS POR RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA Bruno, G.U.; Meneguzzi, A.; Sacilotto, D.G.; Matos, M.. Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem

Leia mais

Química D Extensivo V. 8

Química D Extensivo V. 8 Extensivo V. 8 esolva 9.01) petróleo propano GLP butano Aula 9 Aula 0 Aula 1 1.01) D diferenciação entre s e cetonas: redução redução álcool secundário 0.01) fração sólida (coque) Destilação seca da hulha

Leia mais

DISPENSADORES BURETA ELETRÔNICA. Características EQUIPAMENTOS

DISPENSADORES BURETA ELETRÔNICA. Características EQUIPAMENTOS DISPENSADOES BUETA ELETÔNICA A Bureta Eletrônica é uma excelente opção para laboratórios que precisam dispensar e titular líquidos manualmente com rapidez e facilidade, garantindo resultados confiáveis

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/7 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/7 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: TINTA EPÓXI ALCATRÃO DE HULHA CURADA COM Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/7 NE-013 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I

PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I Combustão Aula 01 Prof. Moisés Teles moises.teles@usp.br Departamento de Engenharia Química Escola Politécnica da USP Motivação: combustão e Engenharia

Leia mais

PROTETOR SOLAR. Área Temática: Comunicação

PROTETOR SOLAR. Área Temática: Comunicação PROTETOR SOLAR Maydla dos Santos Vasconcelo 1 ; Jandira Aparecida Simoneti 2 1 Estudande do Curso de Química (Licenciatura) da UEMS, Unidade Universitária de Dourados; E-mail: maydla_vasconcelo@hotmail.com

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/9 TINTA EPÓXI POLIAMIDA DE ALTA ESPESSURA E ELEVADO TEOR DE SÓLIDOS NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/9 TINTA EPÓXI POLIAMIDA DE ALTA ESPESSURA E ELEVADO TEOR DE SÓLIDOS NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS Título: NORMA TÉCNICA TINTA EPÓXI POLIAMIDA DE ALTA ESPESSURA E Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência.03.16 1/9 NE-021 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

Química Orgânica Ambiental

Química Orgânica Ambiental Química Orgânica Ambiental Aula 17 Smog fotoquímico Prof. Dr. Leandro Vinícius Alves Gurgel 1. Introdução A poluição das grandes cidades 300.000 chineses morrem por ano de doenças respiratórias SMOG NO

Leia mais

Tinta Acrílica Standard Kokar. ACABAMENTO: Disponível no acabamento Fosco e Semibrilho.

Tinta Acrílica Standard Kokar. ACABAMENTO: Disponível no acabamento Fosco e Semibrilho. 1 3 PRODUTO BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Tinta Acrílica Standard Kokar BT002 1/ 5 1. 2. 3. 4. 5. DESCRIÇÃO: É um produto de alto rendimento formulado especialmente para pinturas externas e internas

Leia mais

Resina Acrilica Premium Kokar. ACABAMENTO: Disponível no acabamento brilhante.

Resina Acrilica Premium Kokar. ACABAMENTO: Disponível no acabamento brilhante. 1 44 BT006 1/ 5 1. 2. 3. 4. 5. DESCRIÇÃO: É um produto formulado especialmente para proteger e realçar a tonalidade natural de pedras, pisos porosos, tijolos aparentes e telhados. Forma uma película brilhante,

Leia mais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira INTRODUÇÃO Atmosfera CAMADAS ATMOSFÉRICAS Troposfera 1 Camada mais fina de todas Entre 10 a

Leia mais

Componente de Química

Componente de Química Componente de Química.4 Solventes e/ou diluentes Os solventes são componentes voláteis adicionados a uma tinta para a tornar mais fluida, i.e., para que a sua consistência, viscosidade, seja a mais adequada

Leia mais

SISTEMAS NISO (NON ISOCYANATE) - EVOLUÇÃO EM FORMULAÇÕES DE REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS DE ALTA DURABILIDADE LIVRE DE ISOCIONATOS

SISTEMAS NISO (NON ISOCYANATE) - EVOLUÇÃO EM FORMULAÇÕES DE REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS DE ALTA DURABILIDADE LIVRE DE ISOCIONATOS SISTEMAS NISO (NON ISOCYANATE) - EVOLUÇÃO EM FORMULAÇÕES DE REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS DE ALTA DURABILIDADE LIVRE DE ISOCIONATOS Palestrante: André Luiz de Oliveira Supervisor de Desenvolvimento de Mercado

Leia mais

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Dados Técnicos Agosto/99 Descrição do Produto TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Produto extrusivo, com rápido tempo de cura inicial, utilizado para colagem de madeira. Produto extrusivo com rápido tempo de cura

Leia mais

FISPQ Silicone Neutro Transparente FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ Silicone Neutro Transparente FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Categoria: Adesivo à base de borracha de Silicone Nome da empresa: ATB Ind. e Com. de Adesivos Ltda Endereço: Rua Marcelino Pinto Teixeira, 1268.

Leia mais

DESSULFURIZAÇÃO ADSORTIVA DO CONDENSADO ORIUNDO DA PIRÓLISE DE PNEUS INSERVÍVEIS

DESSULFURIZAÇÃO ADSORTIVA DO CONDENSADO ORIUNDO DA PIRÓLISE DE PNEUS INSERVÍVEIS DESSULFURIZAÇÃO ADSORTIVA DO CONDENSADO ORIUNDO DA PIRÓLISE DE PNEUS INSERVÍVEIS T. G. NOYA 1, R. B. TORRES 1 e R. G. SANTOS 1 1 Centro Universidade da FEI, Departamento de Engenharia Química E-mail para

Leia mais

01) Considere as seguintes substâncias: e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico.

01) Considere as seguintes substâncias: e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico. 01) onsidere as seguintes substâncias: I) 3 e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico. B álcool. aldeído. II) III) IV) 3 3 3 D cetona. E éster. F éter. A opção que associa corretamente as substâncias

Leia mais

Exercícios de Aprendizagem

Exercícios de Aprendizagem UFMS/CPCS AGRONOMIA Disciplina: Química Orgânica Professora Matildes Blanco LISTA -EXERCÍCIOS REFERENTE À AVALIAÇÃO 01 (P1) Exercícios de Aprendizagem 01) Escreva as fórmulas estruturais e moleculares

Leia mais

Carbonos Hidrogênios Oxigênios C 2 H 6 O

Carbonos Hidrogênios Oxigênios C 2 H 6 O Prof. Edson Cruz ISOMERIA Carbonos Hidrogênios Oxigênios H H H C C O H H C O C H H H H H H H C 2 H 6 O C 2 H 6 O Os compostos H 3 C CH 2 OH e H 3 C O CH 3 são ISÔMEROS. ISÔMEROS são compostos diferentes

Leia mais