METROPOLIS: AS DIFERENTES FORMAS DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE LITERATURA E CINEMA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METROPOLIS: AS DIFERENTES FORMAS DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE LITERATURA E CINEMA."

Transcrição

1 METROPOLIS: AS DIFERENTES FORMAS DE INTERTEXTUALIDADE ENTRE LITERATURA E CINEMA. Daniel Iturvides Dutra * RESUMO: O presente artigo visa fazer uma análise comparativa do filme Metropolis (1927), de Fritz Lang com a novelização homônima realizada por Thea Von Harbou, que também escreveu o roteiro do filme em parceira com o diretor. Também analisamos a influência da literatura de ficção-científica, mais especificamente a novela When the Sleeper Wakes (1899), do escritor britânico H.G. Wells na concepção do filme. O objetivo da análise é compreender como a relação entre literatura e cinema vai muito além da questão do debate de como textos literários são adaptados para o cinema e trazer para a discussão sobre literatura e cinema outras formas de diálogos que ocorrem entre ambas as linguagens. PALAVRAS-CHAVE: Cinema, Fritz Lang, H.G. Wells. ABSTRACT: This article aims to make a comparative analysis of the film Metropolis (1927), by Fritz Lang, and the homonymous novelization written by Thea von Harbou, who also wrote the movie screenplay with the director. We also aim to analyze the influence of the novel When the Sleeper Wakes (1899), written by the British science fiction writer H.G. Wells, in the creative process that originate the motion picture Metropolis. The goal of analysis is to understand how the relation between literature and film goes far beyond the debate of how literary texts are adapted to the cinema and bring the debate to a new level. KEYWORDS: Cinema, Fritz Lang, H.G. Wells Introdução O roteiro do filme Metropolis (1927) do cineasta Fritz lang foi escrito a quatro mãos por Lang e sua então esposa Thea Von Harbou. Esse roteiro serviu de base para que Thea Von Harbou escrevesse o romance Metropolis, trata-se de uma adaptação do filme de Lang para a literatura (esse processo é chamado de novelização). Em outras palavras, Metropolis segue o caminho inverso da maioria dos casos, ou seja, ao invés de ser a adaptação de uma obra literária para o cinema Metropolis nasceu primeiro como filme para depois renascer nas páginas da literatura. Além disso, Metropolis por sua vez foi fortemente influenciado pelo trabalho de escritores como H.G. Wells e Mary Shelley, mais especificamente pelos romances When the Sleeper Wakes (1899) e Frankenstein (1818) este último escrito por Shelley e o primeiro de autoria de Wells. Elementos dessas obras se encontram tanto na versão cinematográfica de Metropolis quanto em sua versão literária. Metropolis é um caso exemplar * Mestre em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

2 de como literatura e cinema dialogam entre si de variadas formas. Neste artigo iremos analisar as diferentes relações de intertextualidade que cinema e literatura estabelecem entre si a partir da análise do filme e romance Metropolis e suas fontes inspiradoras. 1 O diálogo entre Metropolis e When the Sleeper Wakes De Frankenstein o filme de Fritz Lang aproveita a idéia do cientista obcecado em dar vida a objetos inanimados e de R.U.R, peça de teatro escrita Karel Capek em 1921, em que o conceito do robô autômato a serviço do homem é apresentado pela primeira vez. Mas dentre essas obras When The Sleeper Wakes merece uma atenção especia devidos a semelhança entre este e o filme de Fritz Lang. When The Sleeper Wakes narra a estória de Graham, um homem da Inglaterra Vitoriana que entra em um misterioso coma e acorda duzentos anos no futuro, encontrando uma Londres superpovoada. Confuso Graham é levado aos dirigentes da cidade, o White Council, e preso. Após alguns dias em cativeiro Graham é libertado por um grupo revolucionário que pretende derrubar o White Council. Os revolucionários afirmam que Graham é uma peça fundamental para o sucesso da revolução, mas não explicam as razões. Porém, Graham percebe que seu despertar é visto pela população sofrida e explorada pelo White Council como a chegada de um Messias, e que ele, de alguma forma que ainda não compreende, representa um símbolo de esperança. Uma revolta se segue nas ruas de Londres, o White Council é derrubado e Graham toma conhecimento das razões pelo qual ele é tão importante. Durante o coma de Graham seu primo Warming investiu as economias de Graham em ações bancárias bem-sucedidas, que graças aos juros acumulados durante seu coma transformaram-se numa fortuna, tornando Graham o homem mais rico do mundo. A administração desse dinheiro ficou a cargo de um trust fund 1, que mais tarde se tornou o White Council e investiu o dinheiro em diversos tipos de negócios, multiplicando a fortuna de Graham e passando controlar o mundo econômico e político. O planeta se transformou numa grande multinacional na qual Graham é o dono. Por esta razão o White Council prende Graham quando ele desperta, pois ele é uma ameaça a hegemonia do White Council. Graham encontra Ostrog, o homem por de trás da revolução. Ostrog explica que com a revolução tudo iria mudar e as pessoas passariam a ter uma vida mais digna. Ostrog pede a Graham apenas que ele assuma o império financeiro a qual tem direito e o deixe encarregado 1 O trust fund é uma espécie de entidade jurídica responsável pela administração dos bens de uma pessoa.

3 da parte administrativa. Graham assim o faz. Meses se passam e Graham começa a desfrutar os luxos de seu império enquanto Ostrog cuida dos negócios. Tudo corre bem até Graham conhecer Helen, a sobrinha de Ostrog, que conta a Graham que as massas que vivem nos subterrâneos da cidade encaram condições cada vez mais precárias de vida e que Ostrog nunca teve intenção de fazer melhorias, apenas tomar o poder para si. Graham decide ir aos subterrâneos da cidade ver por si mesmo a situação das massas, ele se revolta com o que presencia e descobre que uma nova revolta das massas contra Ostrog está prestes a ocorrer. Graham confronta Ostrog e este afirma que já sabe da nova revolta e planeja sufocá-la de forma violenta com o auxilio de uma tropa de soldados especialmente treinados para esse objetivo. Graham entra num confronto físico com Ostrog enquanto a revolta explode em toda cidade de Londres. Metropolis de Fritz Lang, por sua vez, conta a estória de Freder, filho de Joh Fredersen, um poderoso empresário que no ano de 2027 controla a cidade de Metropolis e explora seus trabalhadores, que vivem de forma desumana nos subsolos da cidade. Um encontro causal com Maria, uma espécie de líder espiritual dos operários, o leva a ir aos subterrâneos e conhecer a dura realidade dos trabalhadores. Revoltado com o que vê Freder confronta seu pai, que faz pouco caso as queixas do filho. Freder então começa a conspirar contra seu pai com a ajuda de um ex-empregado de seu pai e de um operário dos subsolos da cidade. Freder descobre que os operários esperam pela chegada de um Messias, profetizado por Maria. Enquanto isso, Joh Fredersen vai ao encontro do cientista Rotwang, este criou um robô, o primeiro da espécie, e a mando de Joh Fredersen Rotwang dá ao robô a forma de Maria e a seqüestra, enquanto a impostora gera revolta e discórdia na população dos subsolos. Mas o plano de Fredersen de usar a impostora como meio de manipular as massas dá errado, pois Rotwang no passado amava uma mulher chamada Hel, que o abandonou para ficar com Fredersen e morreu ao dar a luz a Freder. Rotwang culpa Fredersen pela morte de Hel e ordena que a impostora incite os trabalhadores a destruir a casa das máquinas, inundando os subterrâneos e deixando a cidade de Metropolis na escuridão. Keith Williams comenta sobre as semelhanças temáticas entre Metropolis e When The Sleeper Wakes: Freder também é uma espécie de Graham, que acorda após gerações e presencia um mundo de injustiças sociais. Freder descobre a verdade sobre os trabalhadores dos subsolos, verdade na qual sua condição econômica privilegiada o deixara alienado por muito tempo. Igual a Graham, Freder também é a chave para mudanças, porque

4 seu pai, que se assemelha a figura de Ostrog, é o mestre daquele mundo, e Freder está frente a frente com a mesma escolha moral de Graham: aceitar o sistema ou mudá-lo. Graham conhece Helen Wotton, que, assim como Maria, desperta sua consciência social. Helen convence Graham a visitar o mundo do subsolo, assim como Maria faz com Freder, disfarçando-o com o uniforme azul dos trabalhadores. 2 (2007, p. 76) Além da semelhança em termos de enredo entre Metropolis e When The Sleeper Wakes há as semelhanças no que diz respeito a descrição de espaços e lugares. Entre elas podemos citar que tanto em Metropolis como When The Sleeper Wakes os operários usam uniformes azuis e vivem em corredores estreitos nos subsolos repletos de máquinas industriais, e nos altos dos prédios e coberturas vivem os privilegiados enquanto os menos favorecidos vivem nos subsolos. A Londres de When The Sleeper Wakes é descrita como aglomerado de prédios gigantescos e passarelas semelhantes aos mostrados em Metropolis. Os personagens de When The Sleeper Wakes usam vídeo-fones para se comunicar uns com os outros, e em Metropolis Fredersen aparece usando o mesmo dispositivo para se comunicar com seu capataz Gor, entre outros pequenos detalhes. Porém, é importante ressaltar que as semelhanças entre Metropolis e When The Sleeper Wakes não se trata de um caso de mera coincidência. Primeiro porque o próprio H.G. Wells percebeu a semelhança entre When The Sleeper Wakes e Metropolis ao assistir o filme pela primeira vez em Wells não gostou de Metropolis e comenta: Talvez a razão de não ter gostado do filme foi por que eu encontrei fragmentos de meu próprio trabalho de trinta anos atrás, The Sleeper Awakes, vagando em Metropolis 3 (METROPOLIS WEB ARCHIVE, 2009). Em segundo lugar e este é um ponto importante é que Thea Von Harbou, a autora responsável tanto pelo roteiro de Metropolis como pela novelização do mesmo, teve contato com a obra de Wells conforme afirma Elmer Schenkel. Von Harbou estava familiarizada com livros de fantasia e ficção-científica, entre eles estavam os trabalhos do autor alemão Karl May, especializado em aventuras exóticas. [...] Uma influência muito importante, no entanto, foi o livro When The 2 No original: Lang s Freder is also a kind of Sleeper, awakening to generations of economic injustice. He learns the truth of the workers underground lot, about which is privileged conditioning made him oblivious. Like Graham too, he is heir to the future, because his Ostrog-like father is it master, and faded with the same moral choice: accept the system or change it. Graham meets Helen Wotton, who, like Lang s Maria, awakens his social conscience. As does Maria too. Helen inspires Graham to visit the underworld of the dispossessed third, enslaved by the Labour department, disguised in their blue canvas uniform (tradução minha). 3 No original: Possibly I dislike this soupy whirlpool none the less because I find decaying fragments of my own juvenile work of thirty years ago, The Sleeper Awakes, floating about in it (tradução minha).

5 Sleeper Wakes (1899), de H.G. Wells, que apareceu traduzido em 1906 com o título Wenn der Schäefler envacht [ ] 4 (2005, p. 96) Agora que traçamos as linhas gerais no que diz respeito a relação entre Metropolis e When The Sleeper Wakes iremos analisar mais detalhadamente ambos os textos. Dada as semelhanças entre o filme de Fritz Lang e a obra de H.G. Wells Metropolis poderia a primeira vista ser encarado como uma espécie de adaptação cinematográfica não-oficial de When the Sleeper Wakes. Porém, a questão é infinitamente mais complexa, o filme de Fritz Lang é mais do que uma simples cópia sem identidade própria do texto de H.G. Wells. Metropolis vai além, pois aproveita apenas algumas idéias de sua fonte de inspiração, reinventando-as e acrescentando novas idéias. Para entendermos melhor essa questão vamos ver qual a diferença entre imitação e influência. [...] o matiz que diferencia as duas noções é que a imitação refere-se a detalhes materiais como a traços de composição, a episódios, a procedimentos, ou tropos bem determinados, enquanto a influencia denuncia a presença de uma transmissão menos material, mais difícil de se apontar, cujo resultado é uma modificação da forma mentis e da visão artística e ideológica do receptor. A imitação é um contato localizado e circunscrito, enquanto a influência é uma aquisição fundamental que modifica a própria personalidade artística do escritor (NITRINI, 2000, p ) Conforme descrito nos parágrafos anteriores o filme possui muitas semelhanças com a obra de H.G. Wells, mas também muitas diferenças, e são essas diferenças somadas ao trabalho de câmera de Fritz Lang, cenários espetaculares e citações a outros textos como passagens bíblicas, por exemplo que transformam e ampliam o sentido de Metropolis. A estória contada em Metropolis não é exatamente a mesma de When The Sleeper Wakes. Ou seja, os elementos, os traços de composição de When The Sleeper Wakes encontram-se diluídos e transformados em Metropolis, não são tão visíveis e fáceis de identificar. Ao ato de criação opõe-se o do plágio, cujo sistema falho de digestão desencadeia um mimetismo extrínseco, deixando visíveis os pedaços das substâncias dos outros. A originalidade é assegurada, também, pela escolha feita pelo autor exposto a uma influência. A maior originalidade é garantida quando uma obra age sobre o escritor, não por todas as suas qualidades, mas apenas por algumas delas. (NITRINI, 2000, p.135) Uma prova sintomática de que os traços When The Sleeper Wakes encontram-se digeridos de uma forma que as qualidades próprias do filme de Fritz Lang se sobressaem 4 No original: Von Harbou was weaned on fantasy and Science fiction books, among them the works of the German author of exotic adventures, Karl May. [ ] A very important influence, however, was H.G. Wells When The Sleeper Wakes (1899), which had appear in translation as Wenn der Schäefler envacht in 1906 [ ] (tradução minha).

6 perante os elementos tomados de empréstimo do romance de H.G. Wells é que o próprio H.G. Wells se limitou a dizer que viu alguns fragmentos de sua obra em Metropolis. Ou seja, When The Sleeper Wakes influenciou apenas alguns aspectos da elaboração do filme Metropolis, mas não influenciou o processo de criação artística da obra como um todo. As influencias e citações encontradas em Metropolis são extensas e variadas. Metropolis é uma colagem feita a partir de componentes de diversas origens. Fragmentos de mitos, contos de fadas, alusões bíblicas, empréstimos das visões futuriscas da ficção popular da época, elementos do cinema expressionista alemão tudo foi combinado em Metropolis em um enredo que provocou já na sua estréia. 5 (PFLAUM, 2002, p. 118) Em última instância, Metropolis é um amalgama de diversas fontes e citações. E é essa miscelânea de fontes que produz uma oba de valor artístico ímpar. 2. Metropolis: o filme e a novelização O filme Metropolis é um marco dos efeitos visuais do cinema. Um dos aspectos que mais chama a atenção na novelização de Thea Von Harbou é que na versão literária do filme encontramos muitas passagens que inexistem no filme Metropolis. Muitas dessas diferenças entre livro e filme se devem a maior liberdade criativa que a palavra escrita oferece em relação ao cinema, não no sentido de uma suposta superioridade da literatura perante o cinema como forma de manifestação artística, mas no sentido que de que o escritor ao exercitar sua imaginação por meio da palavra escrita não está sujeito aos problemas técnicos e logísticos de um cineasta ou roteirista, pois este, para expor na tela de cinema suas idéias depende dos recursos e possibilidades que a mídia cinematográfica oferece. Para demonstrar nosso argumento faremos uma comparação entre trechos do livro e cenas do filme. Um dos personagens mais marcantes é a ginóide 6 criado pelo cientista Rotwang a imagem e semelhança de Maria. Vejamos como Thea von Harbou descreve a criatura em seu livro: O ser era, sem dúvida, uma mulher. No vestido macio havia um corpo, como o corpo de uma bétula jovem, balançando os pés. Mas, embora fosse uma mulher, não era humana. O corpo parecia feito de cristal, e através dele se via ossos prateados. O frio que vinha da pele envidraçada não possuía uma gota de sangue. O ser mantinha 5 No original: Metropolis was itself a collage made up of components from highly divers origins. Fragments from myths, fairytale motifs, Biblical allusions, borrowings from the futuristic visions in the popular fiction of the day, elements from the cinema of German Expressionism were all combined here to a story that already provoked the critics when it was premiered (tradução minha). 6 Termo usado para designar robôs com traços femininos.

7 suas belas pressionadas contra seu peito, que estava parado, com um gesto de determinação, quase de desafio 7 (Von Harbou, 1963, p. 52). A criatura descrita por Thea Von Harbou difere drasticamente de sua versão cinematográfica como podemos ver pelo trecho acima extraído do livro. Criar um ser sem rosto, feito de cristal transparente e ossos prateados era algo que dificilmente poderia ser realizado com os recursos técnicos e efeitos especiais da época. Como criar tal ser sem rosto no cinema? E ainda mostrá-lo se movimentando e contracenando com atores de verdade enquanto os espectadores enxergam seus ossos prateados sob uma camada de cristal transparente? Diante dessas dificuldades a ginóide da versão cinematográfica de Metropolis foi representada nas telas de cinema de forma completamente diferente. Portanto, no lugar de uma criatura sem rosto, de ossos prateados e feitos de cristal transparente temos uma figura metálica dourada de rosto e formas femininas bem definidas. Trata-se de uma espécie de armadura de plástico feita a partir do molde do corpo da atriz Brigitte Helm conforme mostram as fotos abaixo. Tanto a ginóide quanto a personagem Maria são interpretadas pela atriz. Figura 1 Figura 2 Fonte: Fonte: 7 No original: The being was, indubitably, a woman. In the soft garment which it wore stood a body, like the body of a young birch tree, swaying on feet set fast together. But, although it was a woman, it was not human. The body seemed as though made of crystal, through which the bones shone silver. Cold streamed from the glazen skin which did not contain a drop of blood. The being held its beautiful hands pressed against its breast,

8 Outro exemplo trata-se de uma cena inexistente no filme. A ação ocorre dentro de um avião e envolve o personagem Josaphat, um dos amigos do protagonista Freder. Eu queria voltar. Eu pedi ao piloto. Mas ele se recusou. Ele queria me lever contra minha vontade cada vez mais longe de Metropolis. Ele era obstinado de uma forma que um homem consegue apenas quando Slim está atrás dele. Eu implorei e o ameacei. Mas de nada adiantou. Então, usando uma de suas próprias ferramentas eu esmaguei seu crânio. Os dedos de Freder, que reposusavam no braço de Josaphat, o apertaram, mas logo soltaram seu braço. Então eu pulei do avião, eu estava tão longe de Metropolis que a garota que me encontrou no campo não conhecia a grande cidade de Metropolis nem de nome 8 (Von Harbou, 1963, p. 52). Esta passagem é interessante por dois motivos. O primeiro motivo é porque tratase de uma passagem que, embora uma suposta transposição dessa passagem para o cinema envolvesse certas dificuldades técnicas, não é nada que estivesse além da capacidade tecnológica da época. Os recursos cinematográficos da época permitiam simular a cena de um homem pulando de um avião sem maiores problemas, porém não é difícil imaginar as complicações que filmar tal cena acarretaria para uma produção como Metropolis, que já enfrentava todo tipo de desafio. O segundo motivo, e o mais importante, é que essa passagem faz parte de uma subtrama que no filme é desenvolvida apenas an passant, onde um personagem secundário, Josaphat, na novelização de Thea von Harbou ganha muito mais destaque e importância. Tendo essas observações em mente concluímos que a novelização de Metropolis, além de apresentar personagens e situações que não puderam ser representada no cinema devido a restrições técnicas e tecnológicas, explora também outros aspectos do roteiro cinematográfico, aprofundando-os e os ampliando. Sendo assim, Metropolis mostra que, se por um lado restrições técnicas e tecnológicas impedem a realização de certas idéias e concepções contidas no roteiro cinematográfico (ou conforme foram primeiramente idealizadas pelo cineasta e/ou roteirista), por outro lado Metropolis mostra que, no caso de novelizações de filmes, o escritor tem total liberdade artística de imaginar o que quiser sem se preocupar com limitações de qualquer tipo, sejam estas técnicas, financeiras, etc., que são comuns no mundo do cinema. Mas visto por outro ângulo o caso de Metropolis também mostra que a falta de recursos pode funcionar which was motionless, with a gesture of determination, almost of defiance (tradução minha). 8 No original: I wanted to turn back. I asked the pilot. He wouldn't. He wanted to carry me away by force, farther and farther from Metropolis. He was as obstinate as only a man can be when he knows Slim's will to be behind him. I begged and I threatened. But nothing was of any use. So then, with one of his own tools, I smashed in his skull." Freder's fingers, which were still resting on Josaphat's arm, tightened their hold a little; but they lay still again immediately. [...] "Then I jumped out, and I was so far away from Metropolis that a young girl who picked me up in the field did not know the great Metropolis even by name (tradução minha).

9 a favor de um filme. Dito de outra forma, a impossibilidade de representar a ginóide como uma criatura de cristal e sem rosto levou Fritz Lang e sua equipe a buscar uma outra alternativa que terminou revelando-se tão surpreendente quanto a idéia original. A visão da criatura dourada com as feições da atriz Brigitte Helm é inesquecível e impactante, e filme traz uma série de cenas marcantes envolvendo a ginóide. A ginóide do filme Metropolis tornou-se uma imagem icônica do cinema mundial. Conclusão A relação entre cinema e literatura é uma via de mão dupla. Se por um lado o cinema busca na literatura obras que possam ser transformadas em filmes o contrário também ocorre, ou seja, filmes também são adaptados para a literatura. Ana Lúcia de Almeida Soutto Mayor, ao analisar a questão da transposição de textos literários para a mídia cinematográfica se utiliza do conceito de vazio, proposto por Wolfgang Iser e surgido no âmbito dos estudos da Estética da Recepção, para abordar o tema. O conceito de vazio seria o seguinte: o vazio de um texto são espaços latentes de significação que devem ser preenchidos pelo leitor no ato de leitura (2006, p.133). Sendo assim, o leitor deve completar esses vazios com sua imaginação. Mayor se apropria desse conceito e afirma que ele pode ser pensado também em termos de adaptações cinematográficas, ou seja, que a transposição do texto literário para o cinema seria um ato, por parte do realizador fílmico, de leitura. Dessa forma, o realizador fílmico vê nos vazios do texto literário espaços que podem ser preenchidos pela sua imaginação, com o auxílio da mídia cinematográfica (DUTRA, 2010, p. 133). A proposição de Ana Lúcia de Almeida Soutto Mayor de que o realizador fílmico se utiliza dos vazios do texto literário como um meio de ampliar ou reinventar o sentido de um texto literário pelo viés cinematográfico pode ser pensado de forma inversa, ou seja, o autor que se propõe a fazer uma novelização de um filme também estaria se utilizando dos vazios do texto cinematográfico para ampliar ou reinventar certos aspectos da obra fílmica através da literatura. Embora Metropolis seja um precursor das novelizações nas últimas décadas a adapatação de filmes para a literatura tem crescido consideravelmente. Arthur C. Clarke escreveu a novelização do filme Uma Odisséia no Espaço (1968) a partir do roteiro que o autor escreveu junto com o cineasta Stanley Kubrick. Filmes como Fuga de Nova Iorque (1982), Alien o 8 Passageiro (1979) e Viagem Fantástica (1966) ganharam novelizações pelas mãos de autores como Mike McQuay, Alan Dean Foster e Isaac Asimov respectivamente. Alguns como Alan Dean Foster fizeram carreira se especializando em

10 novelizações de filmes, no caso de Foster ele também adaptou Star Wars (1977) e episódios do seriado Jornada nas Estrelas para a literatura. Os exemplos citados possuem dois pontos em comum: o primeiro ponto é que as novelizações, na falta de uma palavra melhor, expandem certos conceitos, idéias, situações e personagens que, por uma razão ou outra, não foram devidamente desenvolvidos na versão cinematográfica. O segundo ponto é que todos os exemplos citados pertencem ao gênero ficção-científica. Embora existam novelizações de filmes não pertencentes ao gênero ficção-científica há uma predominância do gênero. A razão é que, no que diz respeito a ficção-científica no cinema, a palavra escrita dá ao autor uma liberdade de criação que a câmera e demais recursos cinematográficos nem sempre possibilitam. Paralelamente cinema e literatura se relacionam também pela via da inspiração, homenagem e alusão. Assim como o filme Metropolis se inspirou na obra de H.G. Wells também o clássico do cinema mudo Nosferatu (1922) faz diversas alusões ao romance Drácula (1897) 9 de Bram Stoker. A trilogia de filmes Matrix ( ) por sua vez toma de empréstimo muito da obra Neuromancer (1984), de William Gibson. A série Matrix expande, reduz, homenageia ou simplesmente pilha Neuromancer? Essa é uma discussão infindável. Todas as evidências estão (foram plantadas?) lá. Das chamadas Zion aos filosóficos e desplugados rastafaris (Tank e Dozer em Matrix, Maelcum e Aerol em Neuromancer) [...] Digamos que Neuromancer e Matrix ( principalmente a partir da sua segunda parte) se parecem com a versão adulta e juvenil de uma mesma história. Ou que Matrix é o esboço da adaptação de Neuromancer para o cinema, que vem sendo há anos e sempre adiada (ANTUNES, 2003, p.7). Concluindo, muito pouco se tem pesquisado sobre as outras formas de relação entre literatura e cinema além do tradicional enfoque de analisar o texto literário e o filme que nasceu como adaptação cinematográfica do primeiro. No caso das novelizações talvez a razão que as leve a não receber a devida atenção seja por que o filme faça sombra a ela, relegando as novelizações a categoria de subproduto do filme. Porém, as novelizações, como foi visto pela análise do romance de Thea Von Harbou, demonstram que o estudo de novelizações tem seu próprio valor e que muito tem a contribuir as pesquisas referentes as relações entre literatura e cinema. 9 O diretor F. W. Murnau não conseguiu os direitos autorais com a viúva de Bram Stoker, e por isso produziu uma versão inspirada no texto de Stoker.

11 REFERÊNCIAS ANTUNES, Alex. Prefácio à edição brasileira. In: GIBSON, William. Neuromancer. São Paulo: Aleph, Capek, Karel. R.U.R.. Disponível em: acesso 21 de abril de 2011 DUTRA, Daniel Iturvides. Literatura de ficção-científica no cinema: a máquina do tempo do livro ao filme. Pelotas/RS: Editora UFPEL, LANG, Fritz. Metropolis. Continental. São Paulo: CONTINENTAL. DVD NTSC. (223 min.) NITRINI, Sandra M. Literatura comparada. São Paulo: EDUSP, PFLAUM, Hans Günther. German silent movie classics. Wiesbaden, Alemanha: Friedrich- Wilhelm-Murnau-Stiftung, SCHENKEL, Elmer. White Elefants and Black Machines: H.G. Wells and German Culture. In: The Reception of HG Wells in Europe. London: John Partington Books, SHELLEY, Mary. Frankenstein. London: Penguin Books Ltd, VON HARBOU, Thea. Metropolis. New York: Ace Books, WILLIAMS, Keith. H.G. Wells, modernity and the movies. Liverpool University Press, WELLS, H. G. Metropolis. Disponível em: <http://web.archive.org/web/ /http://www.uow.edu.au/~morgan/metroh.html >. Acesso em: 30 mar.2009 WELLS, H. G. When The Sleeper Wakes. London: Penguin Classics

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Autora: Lilian Maria Araujo da Silva (lilianmaria@superig.com.br)

Autora: Lilian Maria Araujo da Silva (lilianmaria@superig.com.br) Dissertação de mestrado THE BODY OF THE CONDEMNED IN ANNE RICE S THE VAMPIRE CHRONICLES: INTERVIEW WITH THE VAMPIRE Autora: Lilian Maria Araujo da Silva (lilianmaria@superig.com.br) Orientadora: Prof a

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE

ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE www.blogpensandoemingles.com www.facebook.com/pensandoeminglesblog O que é? ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE Active Voice ( Voz Ativa): Ocorre quando o sujeito pratica a ação, e é chamado de agente. Ex: Robert

Leia mais

Inglês 11 The Present Perfect.

Inglês 11 The Present Perfect. Inglês 11 The Present Perfect. O Present Perfect é um tempo verbal em inglês que mostra uma ação que ocorreu no passado, mas os efeitos estão no presente. My grandfather has recovered from his illness.

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening )

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web Barueri, / / 2009 Trimestre: 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) NOTA: ACTIVITY ONE: Put the verses in order according to what

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DO FIGURINO PARA O DESIGN DE PERSONAGENS DE GAMES

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DO FIGURINO PARA O DESIGN DE PERSONAGENS DE GAMES A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DO FIGURINO PARA O DESIGN DE PERSONAGENS DE GAMES The importance of the study of the costume for the design of character design. Verdelli, Caio Matheus de Almeida; Graduando; Universidade

Leia mais

Unidade 6. Qual é o seu filme favorito?

Unidade 6. Qual é o seu filme favorito? Unidade 6 Qual é o seu filme favorito? Meta Apresentar o gênero textual Sinopse e o Simple Present nas formas afirmativa, interrogativa e negativa. Objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz

Leia mais

GABARITO ITA - 2013/2014

GABARITO ITA - 2013/2014 GABARITO ITA - 2013/2014 INGLÊS PORTUGUÊS 01. A 21. B 02. E 22. C 03. A 23. A 04. B 24. D 05. B 25. A 06. A 26. C 07. E 27. B 08. E 28. E 09. E 29. D 10. D 30. E 11. C 31. C 12. B 32. B 13. D 33. A 14.

Leia mais

Colégio de Aplicação UFRGS. Name: Group:

Colégio de Aplicação UFRGS. Name: Group: Present Perfect: FOOD for THOUGHT Colégio de Aplicação UFRGS Name: Group: Present Perfect Simple Os Perfect Tenses são formados com o presente simples do verbo to have (have / has), que, neste caso, funciona

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Inglês 6º Ano de Escolaridade Prova 06 / 2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Prova 06/ 2.ª F.

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Avaliação da unidade III Pontuação: 7,5 pontos 2 LEIA O TEXTO A SEGUIR E RESPONDA AS QUESTÕES 1 E 2. Does the color red really make

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Nacho Carbonell. IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing

Nacho Carbonell. IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing História da Arte e da Técnica Nacho Carbonell Projecto: Evolution Collection Autor:

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

TÍTULO: NARRATIVA VISUAL DESENVOLVIMENTO DE ILUSTRAÇÕES A PARTIR DE OBRA LITERÁRIA

TÍTULO: NARRATIVA VISUAL DESENVOLVIMENTO DE ILUSTRAÇÕES A PARTIR DE OBRA LITERÁRIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: NARRATIVA VISUAL DESENVOLVIMENTO DE ILUSTRAÇÕES A PARTIR DE OBRA LITERÁRIA CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Aula 03 Passado do to be e past continuous

Aula 03 Passado do to be e past continuous Aula 03 Passado do to be e past continuous No passado, o to be se comporta de forma semelhante ao presente, ou seja, as afirmações, negações e questões são feitas da mesma forma. Examples: I was worried

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado Inglês Aula 01 Título - Frases básicas em Inglês As orações em Inglês também se dividem em Sujeito e Predicado. Ao montarmos uma oração com um sujeito e um predicado, montamos um período simples. Estas

Leia mais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais PRONOMES O pronome é uma palavra usada no lugar do nome (substantivo) para evitar a sua repetição e concorda, em gênero e número com o substantivo que representa. Para cada tipo de Pronome há um tipo de

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own All I can ever be to you, is a darkness that we knew And this regret I got accustomed to Once it was so right When we were at our high, Waiting for you in the hotel

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA

CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA Carlos Gerbase 1 Resumo Este ensaio mostra as diversas fontes que podem ser utilizadas na crítica genética de roteiros de cinema (incluindo não só textos, mas também

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

Intro/Outro x Não é importante. Narrador x Não é importante

Intro/Outro x Não é importante. Narrador x Não é importante Learning by Ear Aprender de Ouvido Empresários Africanos Bem sucedidos e responsáveis 11º Episódio: Quanto mais se trabalha, mais sucesso se tem Mo Ibrahim, Londres Autora: Ute Schaeffer Editores: Katrin

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Inglês 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Continuação bienal Prova 0/2.ª Fase Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER. Projeto: APREDENDO INGLÊS COM MÚSICAS. Angélica MS

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER. Projeto: APREDENDO INGLÊS COM MÚSICAS. Angélica MS ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER Projeto: APREDENDO INGLÊS COM MÚSICAS Angélica MS Novembro/2010 ESCOLA SENADOR FILINTO MÜLLER Projeto elaborado para ser desenvolvido no mês de Novembro do ano letivo

Leia mais

Lesson 17: Can, Cannot, Can...? Lição 17: Poder, Não Poder +?

Lesson 17: Can, Cannot, Can...? Lição 17: Poder, Não Poder +? Lesson 17: Can, Cannot, Can...? Lição 17: Poder, Não Poder +? Reading (Leituras) I can walk. (Eu posso andar.) He can write an email. (Ele pode escrever um e-mail.) You can dance. (Você pode dançar.) They

Leia mais

ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO

ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO ENTRE A MITOLOGIA E A REALIDADE: PERCY JACKSON E O LADRÃO DE RAIOS (2010) E SUA APLICABILIDADE EM SALA DE AULA Michele Pires Batista Patrícia dos Santos Donda (Gdas CLCA-UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE INGLÊS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE INGLÊS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE INGLÊS Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: Nota: Professor(a): Débora Toledo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Unidade II Science Health and nature 2 Aula 5.1 Conteúdos Phrasal Verbs in texts 3 Habilidade Identificar os phrasal verbs em textos

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR CAPÍTULOS 01 AO 08 ESTRUTURA DO VERBO TO BE NA SENTENÇA AFIRMATIVA

MATERIAL COMPLEMENTAR CAPÍTULOS 01 AO 08 ESTRUTURA DO VERBO TO BE NA SENTENÇA AFIRMATIVA MATERIAL COMPLEMENTAR CAPÍTULOS 01 AO 08 noções de inglês 2013.1 O VERBO TO BE O verbo to be corresponde no português aos verbos ser ou estar. Ele é utilizado para descrever e identificar pessoas e objetos

Leia mais

Arquitetura sem fronteiras

Arquitetura sem fronteiras Arquitetura sem fronteiras No centro da cidade de Melbourne, na Austrália, agora mora uma casa inspirada na arte abstrata, no cinema e noutras coisas mais. A Prahran White House é uma celebração da cultura

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

Computadores podem pensar?

Computadores podem pensar? Computadores podem pensar? Descubra você mesmo 2008-2013 Menno Mafait (http://mafait.org) 1 Índice 1. Introdução...4 1.1. O conceito Thinknowlogy...4 2. A álgebra e lógica em linguagem natural...5 2.1.

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Eu também passei por esse problema

Eu também passei por esse problema Eu também passei por esse problema Eu também passei por esse problema Eu também passei por esse problema Eu também passei por esse problema Eu também passei por esse problema 1- ACHO QUE NÃO Bem, como

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

Inglês 17 Past Perfect

Inglês 17 Past Perfect Inglês 17 Past Perfect O Past Perfect é um tempo verbal utilizado quando temos duas ações que ocorreram no passado, porém uma delas ocorreu antes da outra. When you called, she had just received the bad

Leia mais

Brújula Volume 10 Spring 2015. Topographies. Santiago Nazarian e a literatura brasileira underground. Alexandre Lima University of Texas at Austin

Brújula Volume 10 Spring 2015. Topographies. Santiago Nazarian e a literatura brasileira underground. Alexandre Lima University of Texas at Austin Brújula Volume 10 Spring 2015 Topographies Santiago Nazarian e a literatura brasileira underground Alexandre Lima University of Texas at Austin Santiago Nazarian é um escritor brasileiro, além de tradutor

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

O projeto Lottie Jacqueline Wilson

O projeto Lottie Jacqueline Wilson Tradução Mari-Jô Zilveti Temas Relacionamento familiar; Amizade; Amadurecimento; Relações sociais e históricas Guia de leitura para o professor Série Vermelha nº 7 208 páginas 2008996274945 O livro Neste

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

ILAESE Instituo Latino-americano de Estudos Sócio-econômicos

ILAESE Instituo Latino-americano de Estudos Sócio-econômicos ILAESE Instituo Latino-americano de Estudos Sócio-econômicos ... um espetáculo! Clique na foto para iniciar o vídeo Fábrica da VW em Dresden, Alemanha Franz Kafka de Andy Warhol Se alguma amazona frágil

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

What a day! Na aula de hoje, faremos uma revisão do A U L A. Assunto do dia. Na história de hoje

What a day! Na aula de hoje, faremos uma revisão do A U L A. Assunto do dia. Na história de hoje What a day! Assunto do dia Na aula de hoje, faremos uma revisão do tema principal das quatro aulas anteriores. Na quinta aula de cada módulo, essa revisão será feita com um texto. Vamos começar com a redação

Leia mais

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Trabalho de Compensação de Ausência

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MESTRADO EM DESIGN PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DESIGN, ARTE E TECNOLOGIA RACHEL ZUANON

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MESTRADO EM DESIGN PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DESIGN, ARTE E TECNOLOGIA RACHEL ZUANON UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI MESTRADO EM DESIGN PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DESIGN, ARTE E TECNOLOGIA RACHEL ZUANON GABRIEL DA COSTA PATROCINIO São Paulo, 2012 MENZEL, D`ALUISIO, Robo Sapiens:

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development?

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Emerson Murphy-Hill Thomas Zimmermann and Nachiappan Nagappan Guilherme H. Assis Abstract

Leia mais

Computação gráfica: pesquisas e projetos rumo à Educação Patrimonial. Seminário - São Paulo, 4 a 6 de novembro de 2008

Computação gráfica: pesquisas e projetos rumo à Educação Patrimonial. Seminário - São Paulo, 4 a 6 de novembro de 2008 Rio-H: a construção da história da cidade através de um banco de dados geográfico José Ripper Kós Programa de Pós-Graduação em Urbanismo FAU/UFRJ Programa de Pós-Graduação em Urbanismo, História e Arquitetura

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 )

O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) Ao lado de Greenaway, Dziga Vertov pode ser considerado um dos grandes "cineastas de banco-de-dados" do século

Leia mais

A ARTE E O HOMEM UMA VISÃO FILOSÓFICA THE ART AND THE MAN A PHILOSOPHICAL VISION

A ARTE E O HOMEM UMA VISÃO FILOSÓFICA THE ART AND THE MAN A PHILOSOPHICAL VISION 98 A ARTE E O HOMEM UMA VISÃO FILOSÓFICA THE ART AND THE MAN A PHILOSOPHICAL VISION José Dettoni 1 Os deuses dançam (Nietzache) Nem os animais nem os anjos são artistas. Só os homens. RESUMO: Viver esteticamente

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Junior Saviniec Ferreira; Letícia Stroparo Tozetti Faculdade Educacional de Araucária RESUMO O problema de estoque elevado é cada vez menos frequente

Leia mais

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as Exercícios extras Assunto do dia Na aula de hoje, você deverá arregaçar as mangas e entrar de cabeça nos exercícios extras, que têm como tema tudo que vimos nas aulas do Segundo Grau. Atenção: 3, 2, 1...

Leia mais

TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS

TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS EVANGELISTA, E.V.; GERALDO, S.A.; MIQUELAO, M.G.F.; SILVA, N.C. VILELA, J.V.; Resumo Este trabalho tem como objetivo demonstrar a contribuição das obras

Leia mais

www.souvestibulando.com.br MÓDULO DE INGLES

www.souvestibulando.com.br MÓDULO DE INGLES 1 MÓDULO DE INGLES ASSUNTO: AULA 01 THE SIMPLE PRESENT TENSE Esta aula é composta pelo texto da apostila abaixo e por um link de acesso à AULA VIRTUAL gravada. Estude com atenção o texto antes de acessar

Leia mais

A OTIMIZAÇÃO DAS EMPRESAS E SUAS TÉCNICAS PARA UMA MELHOR GESTÃO APLICADA NO SETOR DE AUTOMOBILISMO NA CIDADE DE MARÍLIA SP

A OTIMIZAÇÃO DAS EMPRESAS E SUAS TÉCNICAS PARA UMA MELHOR GESTÃO APLICADA NO SETOR DE AUTOMOBILISMO NA CIDADE DE MARÍLIA SP A OTIMIZAÇÃO DAS EMPRESAS E SUAS TÉCNICAS PARA UMA MELHOR GESTÃO APLICADA NO SETOR DE AUTOMOBILISMO NA CIDADE DE MARÍLIA SP GOES, JULIANA. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG.

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman)

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) 1 Trecho 1:» O filme Homem-Aranha retrata um mundo moral, repleto de bem e mal. Há muitos vilões de pequeno porte, bem como um vilão de primeira classe,

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

ESCOLA: ESPAÇO CRIATIVO O FAZER DE CADA UM

ESCOLA: ESPAÇO CRIATIVO O FAZER DE CADA UM ESCOLA: ESPAÇO CRIATIVO O FAZER DE CADA UM Ms. Lucia Maria de Mello Souto Boarin* Resumo: Neste artigo a idéia é ver a escola como um espaço criativo, uma possibilidade real para cada pessoa desenvolver

Leia mais

Curso de Web Design MÓDULO I. Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL

Curso de Web Design MÓDULO I. Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL MÓDULO I Programação Visual 13 ACTIVE BRASIL AULA 1 INTRODUÇÃO A PROGRAMAÇÃO VISUAL Objetivos: Na primeira aula de nosso curso, você entrará em contato com um novo mundo de curiosidades e criatividade,

Leia mais

UNIDADE 1. Escreva um relatório sobre a visita à locadora.

UNIDADE 1. Escreva um relatório sobre a visita à locadora. 2 UNIDADE 1 Escreva um relatório sobre a visita à locadora. 3 UNIDADE 2 Entrevista Escreva nesse espaço as 2 perguntas que sua equipe elaborou e registre a resposta dada pelo entrevistado. 4 UNIDADE 3

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Uma perspectiva bíblica do meio ambiente

Uma perspectiva bíblica do meio ambiente SEÇÃO 2 Uma perspectiva bíblica do meio Os cristãos deveriam se importar com o meio? Às vezes, os cristãos relutam em levar as questões ambientais a sério. Em alguns casos, isto ocorre porque não compreendemos

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

OS ROBÔS NO CINEMA E O CINEMA DOS ROBÔS

OS ROBÔS NO CINEMA E O CINEMA DOS ROBÔS OS ROBÔS NO CINEMA E O CINEMA DOS ROBÔS Flávio Gomes de Oliveira 1 - FAV/UFG Resumo Os Robôs fazem parte do imaginário popular a muitas décadas, isso criou um grande repertório de representações destas

Leia mais

PROJETO CINECLUBE EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE JUIZ DE FORA BRASIL

PROJETO CINECLUBE EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE JUIZ DE FORA BRASIL PROJETO CINECLUBE EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE JUIZ DE FORA BRASIL Sergio Pimentel Leite Gomes, Helyon Lavinas Guimarães Prefeitura Municipal de Juiz de Fora Secretaria de Educação galeano30@hotmail.com ;

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

O leitor também narra sua história

O leitor também narra sua história The reader also narrate his story Rosa Amanda Strausz* Resumo: Experiência pessoal a descoberta de uma linguagem literária para crianças. A teoria de recepção e a possibilidade de construção de uma narrativa

Leia mais

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 BOTELHO, Nayara Thyelly Rodrigues Maia 1 OLIVEIRA, Cinthya Rodrigues 2 RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais