Afecções do sistema nervoso central dos ruminantes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Afecções do sistema nervoso central dos ruminantes"

Transcrição

1 Afecções do sistema nervoso central dos ruminantes Roteiro de estudo para aula teórica 2012 ISPA/UFRA Rinaldo B. Viana D.V.M. MS. Ph.D. Farm animal health and reproduction

2 POLIOENCEFALOMALÁCIA roteiro de aula teórica Cadeira de Clínica Médica de Ruminantes INTRODUÇÃO As moléstias do sistema nervoso são relativamente freqüentes em bovinos, ovinos, caprinos e eqüinos. Todavia muitas enfermidades têm sinais clínicos e sintomas semelhantes que podem confundir o seu diagnóstico. Portanto, o exame clínico neurológico bem conduzido é um passo importante para um diagnóstico preciso, prognóstico adequado e tratamento eficaz desses distúrbios do sistema nervoso. Porém o exame neurológico é dificultado pelo escasso acesso para o exame físico direto, já que as estruturas do sistema nervoso não podem ser palpadas nem tampouco visualizadas com exceção da papila óptica. Aliado a tudo isso a impossibilidade de um bom prognóstico desestimula o clínico ao diagnóstico e tratamento. Mas deve ser lembrado que muitas dessas enfermidades têm bons resultados quando diagnosticadas e tratadas precocemente, e entre elas pode-se citar a polioencefalomalácia dos bovinos. CONCEITO E EPIDEMIOLOGIA A polioencefalomalácia (PEM) é um desarranjo do SNC que resulta de um defeito subjacente do metabolismo da tiamina. A moléstia ocorre subitamente, sendo especialmente comum em caprinos que ingerem súbito excesso de carboidratos. (SMITH, 1996). A PEM é um distúrbio metabólico não infeccioso que afeta o sistema nervoso central de bovinos jovens e ovelhas entre outros (CHAHAR, et al., 1993), sendo reconhecida como um dos mais importantes distúrbios neurológicos de ruminantes domésticos (BLOOD et al., 1985 apud BECK et al., 1996). Este síndrome, de distribuição mundial, é também conhecido

3 como necrose cerebrocortical, caracterizando-se por uma necrose neuronal no córtex cerebral e subseqüente malácia, apresentando clinicamente um período de desorientação, andar cambaleante, cegueira, progredindo para uma hiperestesia e opistótono. Segundo RADOSTITIS et al. (2000), esta enfermidade é a principal causa de mortalidade em ovelhas manejadas em sistemas de confinamento nos Estado Unidos da América É uma enfermidade descrita como tiamina-dependente relacionada a distúrbios no metabolismo da vitamina B 1 (tiamina) e acomete principalmente animais jovens de 4 a 24 meses de idade, cordeiros e cabritos de 2 a 6 meses de idade, e raramente animais adultos. ETIOPATOGENIA Os ruminantes são reconhecidos com não requerentes da vitamina B 1 na dieta, visto que sintetizam no rume quantidades suficientes para atingir as suas demandas. A tiamina tem diversas funções do organismo. Faz parte da trasquetolase, uma enzima presente nos eritrócitos e células cerebrais. A depleção desta enzima limita a velocidade da atividade da via das pentoses-fosfato. Essa via é um meio crítico para o metabolismo no tecido nervoso. Postula-se que os ruminantes tenham maiores demandas de glicose dessa via, no cérebro. Além dessas funções a tiamina interfere também no funcionamento do ciclo de Krebs, importante via para produção de ATP no cérebro. Tais alterações diminuem a atividade no transporte de água e sódio dependentes do ATP nos neurônios, resultando numa tumefação intraneuronal. Isso produz aumento da pressão intracraniana e necrose neuronal. Isso culmina com uma necrose cortical laminar e poliomalácia. Embora os ruminantes produzam quantidades normais de tiamina, no entanto sob condições nutricionais anormais, as concentrações ruminais de vitamina podem estar notadamente diminuídas. Os possíveis mecanismos são : produção de tiaminase bacterianas, produção ou ingestão de análogos inativos da tiamina, ingestão de tiaminase (samambaia),

4 aumento da excreção fecal de tiamina, ou redução da produção ruminal de difosfato de tiamina (SMITH, 1996). Os fatores nutricionais que podem contribuir para o desenvolvimento da PEM são: excesso de sulfato, deficiência de cobalto, excessivo fornecimento de uréia e melaço, ingestão de rizomas de samambaia, ou contínuo fornecimento de sucedâneos do leite deficientes em tiamina a animais pré-ruminantes Várias teorias para a patogênese da PME envolvendo o metabolismo anormal da tiamina têm sido sugeridas: deficiência da B 1 ; produção ruminal de metabólitos anti-tiamina síntese da enzima tiaminase pela microflora ruminal (LOEW et. al., 1972); diminuição da síntese de tiamina pelos microrganismos do rume; aumento da destruição da tiamina pela tiaminase encontrada em plantas como Pteridium aquilinum; destruição microbiana da tiamina no rume por Bacillus ou Clostridium; ação de antimetabólitos da tiamina (amprólio). Como fatores predisponentes para o surgimento da polioencefalomalácia pode-se elencar: alimentações ricas em concentrados e pobres em volumosos; mudanças bruscas da dieta; altas concentrações de enxofre na dieta ou na água; alterações importantes no manejo do alimento podem favorecer o surgimento de bactérias produtoras de tiamina no rume. Apesar destas hipóteses serem sugeridas por muitos pesquisadores como responsáveis pela patogênese da PEM, porém há evidências que a essa doença em ruminantes pode estar associada a intoxicação com enxofre devido a ingestão de deitas ricas em enxofre, sulfitos ou sulfatos (ROUSSEAUX, et al., 1991). As alterações no metabolismo da vitamina B 1 causam alterações no metabolismo da glicose no cérebro, geralmente devido a baixas concentrações da tiamina pirofosfato seguida por um aumento do número de bactéria produtoras de tiaminase. Estudos também têm demonstrado que PEM pode resultar de um efeito tóxico do enxofre ou metabólitos do enxofre no cérebro. Casos de PEM por deficiência de tiamina por si só geralmente ocorre de forma esporádica, seguida de mudanças bruscas na dieta. Casos de PEM devido a toxicidade de enxofre dietético geralmente em ovelhas criadas em confinamento.

5 A depleção de tiamina ou antagonismo é estabelecido como um fator causal. Mas recentemente, excessiva produção de sulfeto no rume, independente do status de tiamina, tem sido incriminado como causa da PEM segundo MCALLISTER, et al. (1992). O sulfeto é reduzido quimicamente do enxofre e é conhecido por ser produzido por vários microrganismos ruminais da ingestão de compostos de enxofre. Muitos estudos reportam a associação entre altas concentrações dietéticas de enxofre e ocorrência de polioencefalomalácia. A destruição da tiamina no rume pelos compostos de enxofre foi proposta como mecanismo patogênico por EDWIN et al., 1968, mas esses autores não conseguiram demonstrar in vivo. Segundo MCALLISTER et al. (1992) há diferenças entre a PEM induzida por sulfeto e a doença nutricionalmente induzida. Na primeira o efeito tóxico é mais rápido e na segunda, o a absorção de sulfeto produzido no rume provavelmente ocorre numa menor velocidade por um período maior. Muitos casos de PEM provavelmente resultam de desordens no metabolismo microbiano ruminal. A doença ocorre somente quando excessiva quantidade de nutrientes (tiamina) são degradadas ou um potencial tóxico é produzido (sulfeto). No passado somente o metabolismo da tiamina era considerado responsável pelo aparecimento dos casos de PEM. Indubitavelmente, uma excessiva destruição da tiamina ocorre no rume e pode resultar em PEM, todavia ela não é a única possibilidade de causa da doença. Excessiva produção de sulfeto no rume é a causa de PEM nos animais que ingerem alimento ou água com alto teor de enxofre. Corroboram essas observações RAISBECK (1982) descreveu a ocorrência da doença em bovinos recebendo dietas contendo um excesso de 0,66% de enxofre. HAMLEN et al (1993) descreveram ataxia, cegueira, depressão, disfagia, prostração e morte súbita em bovinos que ingeriram água contendo altos níveis de enxofre. SINAIS CLÍNICOS Os sinais clínicos da polioencefalomalácia podem ocorrer de forma aguda ou desenvolver-se lentamente ao longo de alguns dias. Os sintomas iniciais são anorexia,

6 diarréia, hiperestesia, tremores musculares, depressão, ataxia, deficiência proprioceptiva consciente, compressão de cabeça, estrabismo dorsomedial. Os sintomas característicos é a elevação da cabeça (opistótono) que se deve ao aumento da pressão pelo acúmulo de liquor. Por isso, ficou conhecida como doença do observador de estrelas. O animal acometido apresenta meneios de cabeça, cegueira cortical (ausência de reflexo de ameaça; rotação do eixo do olho; estrabismo dorsomedial e nistagmo); bruxismo; ataxia progressiva dos membros posteriores, convulsões tônicoclônicas (estas convulsões podem ser induzidas por estimulação branda do paciente), ausência de reflexo a estímulos de ameaças.; prensamento da cabeça contra objetos; incoordenação, tremores musculares; depressão intercalada por hiperexcitabilidade, evoluindo para decúbito; e movimentos de pedalagem com rigidez extensora. A freqüência respiratória, o pulso e temperatura permanecem nos limites normais exceto no estágio final da doença quando se encontram aumentados. DIAGNÓSTICO Além dos achados clínicos a resposta ao tratamento com tiamina confirma o diagnóstico. Pode se também realizar a dosagem de tiamina e da trasnquelatose eritorcitária no sangue. Na análise do líquor o nível protéico pode ser normal ou altamente elevado, e a celularidade varia de pleocitose mononuclear leve a acentuada. Nos achados de necrópsia a autofluorescência do córtex afetado, na superfície de corte do cérebro fresco quando examinado sob luz violeta. Há edema cerebral difuso com compressão, alteração da cor (para o amarelo) nas circunvoluções corticais dorsais e necrose laminar na substância cinzenta cortical. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Entretanto vários outras enfermidades com sinais clínicos e lesões histopatológicas da tiamina podem ter diferentes fatores causais, e os sinais clínicos de PEM são muitas vezes

7 associados com outras condições. È preciso fazer portanto um diagnóstico diferencial. Entre essas enfermidades pode-se citar : Intoxicação por chumbo: a concentração tecidual de taimina em bovinos com intoxicação por chumbo ou abscesso no cérebro pode ser similar aquela em bovinos com PEM (LOEW, et al., 1975). Outras enfermidades também devem ser distinguidas da PEM, tais como toxemia da prenhez em ovinos, cetose nervosa em bovinos de leite, e IBR (bezerros). TRATAMENTO Animais com PEM tratados no início da enfermidade, tem um bom prognóstico (BLOOD et al., 1985 apud BECK et al., 1996). Nesses animais onde o diagnóstico foi precoce o suficiente para anteceder o desenvolvimento da necrose neuronal, o a enfermidade responde bem a administração de tiamina. Animais com lesões avançadas muito embora respondem ao tratamento, permanecem cegos. Tratamentos realizados com tiamina 10 a 20 mg/kg IV, tid, em solução isotônica ou glicose a 5%, combinado com terapia de suporte, resultam em melhora em alpacas segundo BECK et al. (1996). Esse tratamento deve ser continuado por 3 dias consecutivos. Pode-se fazer injeções subcutâneas ou intramusculares de tiamina. A maioria dos pacientes recuperam-se após 24 horas do início do tratamento, mas em alguns casos a melhora somente ocorre até 7 dias após. Alguns autores recomendam o uso concomitante de outras vitaminas do complexo B, e não somente de tiamina. Recomenda-se também o uso de em dose única de propildissufeto de tiamina (1g/ovino; 5g/bezerro, per os ) para repressão da produção bacteriana de tiaminase I. O uso de antiinflamatórios (dexametasona) e diuréticos como manitol, DMSO ou furosemide nos casos de edema cerebral severo pode ser recomendado (BLOOD et al., 1985 apud BECK et al., 1996). As convulsões podem ser controladas com o uso de tranqüilizantes, fenobarbital, pentobarbital ou diazepam. Terapia de suporte: fluidoterapia, cama macia, dieta (somente volumoso). Eutanásia: se não houver resposta ao tratamento me 3 dias

8 PROFILAXIA A tiamina pode ser suplementada (3 a 10 mg/kg) em rações em que seja elevada a reações em que seja elevada a relação concentrado/fibra. Evitar mudanças bruscas na alimentação em algumas regiões pode ser necessária a suplementação com cobalto REFERÊNCIAS BECK, C.; DART, A. J.; COLLINS, M. B.; HODGSON, D. R.; PARBERY, J. Polioencephalomalacia in two alpacas. Australian Veterinary Journal, v. 74, n. 5, p , BLOOD et al. (1985) apud BECK, C. 1996, p CHAHAR, A.; YADA, J. S.; SHARMA, S. N.; VYAS, U. K. Experimental studies on polioencephalomalacia (cerebro-cortical necrosis) in sheep induced by amprolium. Indian Veterinary Journal, v. 70, p , CHRISTENSON, D. A. Ovine polioencephalomalacia associated wich dietary sulphur intake. Journal Vetrerinary Medicine, v. 38, p , HAMLEN, et al. Apud LOW et al P. 327 LOEW, F. M.; BETTANY, J. M.; HALIFAX, C. E. Apparent thiamin status of cattle and its relationship polioencephalomalacia Canadian Journal of Comparative Medicine, v. 39, p , LOW, J. C.; SCOTT, P. R.; HOWIE, F.; LEWIS, M.; FITZSIMONS, J.; SPENCE, J. A. Sulphur-induced polioencephalomalacia in lambs. Veterinary Record, v.6, april, p , 1996 RADOSTITS, O. M.; BLOOD, D. C.; GAY, C. C. Veterinary Medicine: a textbook of the diseases of cattle, sheep, pigs, goats and horses.. London: W. B. Saunders. 9 ed. 2000, p MCALLISTER, M. M.; GOULD, D. H.; HAMAR, D. W. Sulphide-induced polioencephalomalacia in lambs. Journal Comparative Pathology, v. 106, p , RAISBECK, M. F. Is polioencephalomalacia associated with high sulfur diets? Journal American Veterinary Medical Association, v. 180, p , SMITH, B. P. Large Animal Internal Medicine: diseases of horses, cattle, sheep and goats. 2nd. ed. St. Louis: C. V. Mosby, p.

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira)

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira) Apoio: Escrito por: Faculdade de Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo Maio/2013 Sumário Resumo... 3 Introdução... 3 Etiologia... 3 Epidemiologia... 5 Sinais clínicos... 5 Diagnóstico...

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Introdução As clostridioses são consideradas as maiores causas de mortes em bovinos no Brasil, seguidas das intoxicações causadas por plantas tóxicas

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral TOXEMIA DA PRENHEZ

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral TOXEMIA DA PRENHEZ TOXEMIA DA PRENHEZ LINZMEIER, Lissiane Geise Acadêmica da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça ge_linzmeier@hotmail.com Prof. MSc. AVANZA, Marcel Ferreira Bastos marcel_avanza@hotmail.com

Leia mais

VITAMINAS. COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA;

VITAMINAS. COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA; VITAMINAS COMPOSTOS ORGÂNICOS, NECESSÁRIOS EM QUANTIDADES PEQUENAS -mg, µg/ DIA; ESSENCIAIS PARA A MANUTENÇÃO DA SAÚDE, CRESCIMENTO NORMAL E REPRODUÇÃO. DEFICIÊNCIA VITAMÍNICA em 1987: NPT = MORTE VITAMINAS

Leia mais

DEGENERAÇÃO GORDUROSA (LIPIDOSE HEPÁTICA)

DEGENERAÇÃO GORDUROSA (LIPIDOSE HEPÁTICA) DEGENERAÇÃO GORDUROSA (LIPIDOSE HEPÁTICA) SILVA, Leonardo Belli Aluno da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça GONÇALVES, Paulo Professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia

Leia mais

caixas com 25 ampolas de 1 ml

caixas com 25 ampolas de 1 ml AROVIT Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas) VITAMINA A IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO - AROVIT Nomes genéricos Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas)

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Os macroelementos nos bovinos

Os macroelementos nos bovinos Jornal O Estado de São Paulo - SÃO PAULO/SP Suplemento Agrícola 1082, em 22/02/1976, página 11. Os macroelementos nos bovinos No corpo dos bovinos há perto de 96 elementos, 30 dos quais em volumes mensuráveis.

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR ATROPINA EM CÃO Relato de Caso

INTOXICAÇÃO POR ATROPINA EM CÃO Relato de Caso ANAIS DA III SEPAVET SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

BIOQUÍMICA DA ÁGUA. Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com

BIOQUÍMICA DA ÁGUA. Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com BIOQUÍMICA DA ÁGUA Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com ÁGUA Substância mais abundante nos seres vivos; É uma substância líquida, incolor, inodora e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Pode ser velhice ou carência de B12

Pode ser velhice ou carência de B12 Por Jane E. Brodyre, The New York Times News Service/Syndicate Pode ser velhice ou carência de B12 Ilsa Katz tinha 85 anos quando sua filha, Vivian Atkins, começou a notar que ela estava ficando cada vez

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O QUE É A DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL?

FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O QUE É A DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL? FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O objetivo deste folheto: Folha de Dados é: 1- Para quem ler este folheto ter um entendimento sobre: O que é a deficiência visual cortical (DVC) Causas da DVC

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 Introdução O cérebro humano representa apenas 2% do nosso peso total, mas usa aproximadamente 20% do oxigênio consumido por todo nosso corpo quando está em repouso. Ele é um órgão complexo que

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 17 Julho de 2011 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 17 Julho de 2011 Periódicos Semestral CARACTERÍSTICAS DA INTOXICAÇÃO POR RAMARIA FLAVO-RUNNESCENS NO RIO GRANDE DO SUL REVISÃO CHARACTERISTICS OF POISONING BY RAMARIA FLAVO-BRUNNESCENS IN RIO GRANDE DO SUL -REWIEW CAMPOS,Felipe Lopes Médico

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

POLIOENCEFALOMALACIA EM RUMINANTES REVISÃO DE LITERATURA POLIOENCEPHALOMALACIA

POLIOENCEFALOMALACIA EM RUMINANTES REVISÃO DE LITERATURA POLIOENCEPHALOMALACIA POLIOENCEFALOMALACIA EM RUMINANTES REVISÃO DE LITERATURA POLIOENCEPHALOMALACIA ZAPPA, Vanessa. Médica Veterinária Docente do Curso de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça- FAEF Rodovia Comandante

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA II

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA II UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA II VITAMINA B6 Márcio Ribeiro Friederich Carlos Renato Boelter Wilson Junior Weschenfelder Santa Cruz do Sul,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte.

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. ÁGUA 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. PROPRIEDADES E FUNÇÕES Constituinte ativo e estrutural; 70% da carcaça

Leia mais

PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE

PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE Perfil bioquímico: PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE Professora: Ms. Renata Aparecida Fontes Medicina Veterinária Período: 3 Metabolismo energético: Glicose, colesterol e ácidos graxos livres Ruminantes: β-hidroxibutirato

Leia mais

A Deficiência de Vitamina A

A Deficiência de Vitamina A Oficina de trabalho: Carências Nutricionais: Desafios para a Saúde Pública A Deficiência de Vitamina A O QUE É VITAMINA A A vitamina A é um micronutriente que pode ser encontrado no leite materno, alimentos

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

Samba, suor e cerveja!

Samba, suor e cerveja! A UU L AL A Samba, suor e cerveja! O carnaval está chegando e você não vê a hora de sambar ao ritmo da bateria das escolas de samba ou de ir atrás do trio elétrico. Tanto calor e tanto exercício vão dar

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA. Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques

DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA. Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques DISTÚRBIOS DE CONSCIÊNCIA Alunas: Natalie Rios Reginara Souza Sara Felipe Tatiane Costa Thamy Marques Caso Clínico H.M.A. C.S.T, 72 ANOS, COM HISTÓRIA DE AVCI HÁ 04 ANOS FICANDO COM A FALA EMBOLADA E DIFICULDADE

Leia mais

Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos.

Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos. Intoxicação por Ramaria flavo-brunnescens em bovinos. Doenças de bovinos Laboratório de Patologia Veterinária, Departamento de Patologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. http://www.ufsm.br/lpv

Leia mais

Deposteron cipionato de testosterona

Deposteron cipionato de testosterona Deposteron cipionato de testosterona EMS SIGMA PHARMA LTDA Solução I.M. 100 mg/ ml MODELO DE BULA - PACIENTE Deposteron cipionato de testosterona APRESENTAÇÕES Solução oleosa injetável 100 mg/ml em embalagem

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

n Calcium Sandoz + Vitamina C laranja carbonato de cálcio lactogliconato de cálcio ácido ascórbico

n Calcium Sandoz + Vitamina C laranja carbonato de cálcio lactogliconato de cálcio ácido ascórbico Calcium Sandoz + Vitamina C laranja carbonato de cálcio lactogliconato de cálcio ácido ascórbico Forma farmacêutica, via de administração e apresentação: Comprimidos efervescentes. Uso oral. Embalagem

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

LITERATURA DE CREATINA

LITERATURA DE CREATINA Nome Científico: Ácido acético metilguanidina Fórmula Química: NH 2 -C(NH) - NCH 2 (COOH)-CH 3 Descrição: A creatina [NH 2 -C(NH) - NCH 2 (COOH)-CH 3 ], uma amina nitrogenada, é um composto de aminoácidos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

A patroa quer emagrecer

A patroa quer emagrecer A patroa quer emagrecer A UU L AL A Andando pela rua, você passa em frente a uma farmácia e resolve entrar para conferir seu peso na balança. E aí vem aquela surpresa: uns quilinhos a mais, ou, em outros

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS.

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. METAIS PESADOS NO AMBIENTE PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. COMPORTAMENTO NO AMBIENTE: NÃO SÃO DEGRADÁVEIS? ACUMULAM NO

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação?

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Apresentação: Daniele Istile (2º ano) Maria Gabriela Cavalheiro (4ºano) Orientação: Doutoranda Thaís dos Santos Gonçalves Local: Anfiteatro da Biblioteca

Leia mais

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho:

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: TESTE DO PEZINHO Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: 1) FENILCETONÚRIA Doença causada por falta de uma substância (enzima) que transforma a fenilalanina (aminoácido) em tirosina.

Leia mais

Enfermidades Nutricionais. M.V. Patrick Westphal Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR

Enfermidades Nutricionais. M.V. Patrick Westphal Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR Enfermidades Nutricionais M.V. Patrick Westphal Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR 2011 INTRODUÇÃO Doenças não infecciosas que afetam as aves; Erros na Formulação; Necessidade de conhecimento para

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC)

SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE. IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) SUPLEMENTAÇÃO MINERAL PARA BOVINOS DE CORTE IVAN PEDRO DE OLIVEIRA GOMES Med.Vet., M.Sc., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia (CAV/UDESC) Suplementação mineral Visa complementar os minerais fornecidos

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Protéica

Atividade Física e Alimentação Protéica Atividade Física e Alimentação Protéica Para obter um bom desempenho o atleta não necessita somente de um bom treinamento, precisa de uma dieta balanceada que contenha quantidades adequadas de proteína,

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Ruminantes: Animais que mastigam e regurgitam o alimento ingerido Dividido em 2 subordens: 1-) Ruminantia: veado, alce, rena, antílope, girafa,

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral DICTIOCAULOSE

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral DICTIOCAULOSE DICTIOCAULOSE LOPES, Rômulo M. Gomes AZEVEDO, Fernando Felipe MARQUES, Manuel Eduardo O. CRUZ, Guilherme Gamba C. Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça - FAMED NEVES, Maria

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Final. 5 de Maio de 2007. Prova Teórica

Final. 5 de Maio de 2007. Prova Teórica Final 5 de Maio de 2007 Prova Teórica Nome:.... Escola:....... A Química Medicinal é um ramo das Ciência Químicas que também abrange conhecimentos das Ciências Biológicas, Medicinais e Farmacêuticas. Esta

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais