AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM INSTRUMENTOS PÉRFURO-CORTANTES NA ATIVIDADE DE LIMPEZA DE HOSPITAIS PÚBLICOS ATRAVÉS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM INSTRUMENTOS PÉRFURO-CORTANTES NA ATIVIDADE DE LIMPEZA DE HOSPITAIS PÚBLICOS ATRAVÉS"

Transcrição

1 JOSÉ MAURO DE ARAUJO ACOSTA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM INSTRUMENTOS PÉRFURO-CORTANTES NA ATIVIDADE DE LIMPEZA DE HOSPITAIS PÚBLICOS ATRAVÉS DA ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE MINAS GERAIS 2004

2 2 JOSÉ MAURO DE ARAUJO ACOSTA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM INSTRUMENTOS PÉRFURO-CORTANTES NA ATIVIDADE DE LIMPEZA DE HOSPITAIS PÚBLICOS ATRAVÉS DA ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Engenharia de Produção da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção. Linha de Pesquisa: Ergonomia e Organização do Trabalho Orientadora: Profª Dra. Eliza Helena Oliveira Echternacht Departamento de Engenharia de Produção UFMG Belo Horizonte Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Produção Universidade Federal de Minas Gerais 2004

3 3 JOSÉ MAURO DE ARAUJO ACOSTA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM INSTRUMENTOS PÉRFURO-CORTANTES NA ATIVIDADE DE LIMPEZA DE HOSPITAIS PÚBLICOS ATRAVÉS DA ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Belo Horizonte, 20 de maio de 2004 Dissertação de mestrado defendida junto ao Curso de Pós-Graduação em Engenharia da Produção da Faculdade de Engenharia da UFMG, aprovada pela banca examinadora: Prof a. Eliza Helena de Oliveira Echternacht Universidade Federal de Minas Gerais Orientadora Prof. Mário César Rodríguez Vidal Universidade Federal do Rio de Janeiro Prof a. Elizabeth Costa Dias Universidade Federal de Minas Gerais

4 4 DEDICATÓRIA A meus pais Honório e Geralda e minha irmã Inely que sempre me incentivaram na busca do conhecimento. A Lu, Leo e Bruno que compreenderam a importância desse trabalho para nosso futuro. Desculpem-me por tê-los deixado tantas vezes.

5 5 AGRADECIMENTOS São muitos aqueles que merecem meu agradecimento. A conquista tem que ser dividida com muita gente e a ajuda de todos foi importante para que eu concluísse este trabalho. Alguns, entretanto, foram fundamentais: A Universidade Federal de Minas Gerais UFMG, que possibilita acesso gratuito e com qualidade àqueles que desejam enveredar pelo mundo da pesquisa; Ao Departamento de Engenharia de Produção da UFMG, onde encontrei professores que me conduziram com maestria e competência pelos caminhos do aprendizado; A minha orientadora, professora Eliza Echternacht, que nas idas e vindas do que escrevia, sempre sinalizava com suas ponderações acertadas sobre a difícil arte de escrever a realidade, corrigindo-me em meus percalços de iniciante; Aos colegas do mestrado, que com suas valiosas sugestões, compartilharam comigo o desenvolvimento deste trabalho; Aos hospitais pesquisados, que abriram suas portas, compreendendo a importância do trabalho; Aos amigos da empresa que prestava serviços nos hospitais, onde tive o privilégio de conviver com pessoas que muito me ajudaram nas pesquisas, como os do departamento de segurança e medicina do trabalho; A PETROBRAS, empresa onde estou atualmente, que liberou a continuação de meus estudos, especialmente ao Dr. Julizar Dantas; Finalmente, às Marias, Josés, Silvas, Santos e tantos outros mais que, sem dúvida alguma, foram o foco desta pesquisa, permitindo minha presença em seu mundo de trabalho. A vocês pessoal da limpeza meu muito obrigado. Que a gente possa contribuir um pouquinho mais com a melhoria de suas condições de trabalho.

6 6 JOSÉ E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? e agora, Você? Você que é sem nome, que zomba dos outros, Você que faz versos, que ama, protesta? e agora, José? (Carlos Drumond de Andrade)

7 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Justificativa A empresa prestadora de serviços Os hospitais pesquisados O problema O problema sob o aspecto global O problema específico dos hospitais investigados Os objetivos do trabalho Objetivo geral Objetivos específicos O ATUAL MODELO DE GESTÃO DE RISCOS E AS CONSEQÜÊNCIAS DOS ACIDENTES SOBRE A SAÚDE E A VIDA DO TRABALHADOR O atual modelo de prevenção As conseqüências do acidente para a servente de limpeza O sofrimento emocional Os efeitos adversos dos medicamentos sobre o organismo A METODOLOGIA UTILIZADA PARA A INVESTIGAÇÃO DO PROBLEMA A ergonomia como base de estudo A trajetória metodológica para a investigação do problema...41

8 Avaliação da origem da demanda As primeiras investigações nos hospitais selecionados Conhecendo o trabalho da limpeza em dois hospitais Ampliando as observações em outras unidades hospitalares Contextualizando as atividades das serventes e os riscos de perfuração em setores críticos de trabalho O CAMPO EMPÍRICO DE INVESTIGAÇÃO Uma visão macro da estrutura hospitalar e dos serviços de limpeza Hospital: complexidade, incertezas e riscos A importância da limpeza para o hospital A forma usual de contratação dos serviços de limpeza Focando a estrutura hospitalar investigada e a organização dos serviços de limpeza A situação dos hospitais pesquisados A organização dos serviços de limpeza A terceirização precarizando as relações de trabalho das serventes de limpeza A organização vertical do trabalho e a dupla subordinação hierárquica Divisão do trabalho e produtividade COMPREENDENDO O RISCO DE ACIDENTES A PARTIR DA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE LIMPEZA O trabalho prescrito O aprendizado das técnicas de limpeza...81

9 As normas prescritas de segurança contra as perfurações O trabalho real As interfaces da limpeza na gestão horizontal do trabalho Os conflitos nas relações de trabalho A dificuldade de acesso às informações aumentando o risco de acidentes As variabilidades do contexto como condicionantes de acidentes O aumento na demanda de atendimentos a pacientes As constantes interrupções nas rotinas de trabalho Os coletores de instrumentos pérfuro-cortantes Os desvios de função A arquitetura dos hospitais dificultando os serviços de limpeza As ferramentas de trabalho de limpeza As limitações da proteção individual Os efeitos do trabalho sobre o organismo Os condicionantes físicos e posturais A jornada de trabalho Evidenciando disfuncionamentos através da análise de um acidente O acidente e os problemas associados SÍNTESE E PROPOSIÇÃO DE AÇÕES CONCLUSÃO...115

10 10 8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS...124

11 11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABERGO AET AIDS ASO CAT CCIH CDC CIPA CNDST/AIDS CTI DORT EPC EPI HIV MS MTE NBR NIOSH NR OSHA PCMSO PPRA Associação Brasileira de Ergonomia Análise Ergonômica do Trabalho Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Atestado de Saúde Ocupacional Comunicação de Acidente do Trabalho Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Centers for Disease Control and Prevention Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Coordenação Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS Centro de Terapia Intensiva Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho Equipamento de Proteção Coletiva Equipamento de Proteção Individual Vírus da Imunodeficiência Humana Ministério da Saúde Ministério do Trabalho e Emprego Normas Técnicas Brasileiras National Institute for Occupational Safety and Health Norma Regulamentadora Occupational Safety and Health Administration Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

12 12 PVC SEC SESMT UTI Policloreto de Vinila Serviço de Emergência Clínica Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho Unidade de Terapia Intensiva

13 13 LISTA DE TABELAS 1 Número de acidentes por perfuração em relação ao número total de acidentes cadastrados na área hospitalar 2000 a Situações de trabalho em que ocorreram os acidentes Setores em que ocorreram os acidentes Distribuição por gênero dos trabalhadores da limpeza Distribuição por idade dos trabalhadores da limpeza Distribuição por faixa de escolaridade dos trabalhadores da limpeza Tempo de experiência dos trabalhadores da limpeza Relação entre número de serventes e número de auxiliares de enfermagem (por plantão) Disfuncionamento e problema associado...110

14 14 LISTA DE FIGURAS 1 Cópia do ASO Atestado de Saúde Ocupacional Interdisciplinaridade da Ergonomia Organização Vertical...75

15 15 RESUMO A presente dissertação aborda a gestão de riscos de acidentes com instrumentos pérfurocortantes no trabalho terceirizado de limpeza realizado em hospitais da rede pública estadual a partir do olhar da Ergonomia, colocando as atividades e as situações de trabalho no centro da análise. A pesquisa foca inicialmente o modelo de prevenção adotado contra as perfurações no contexto hospitalar investigado e as conseqüências do acidente na vida das serventes de limpeza. A partir do conhecimento do contexto hospitalar e das reais situações de trabalho que as serventes encontram para executar suas atividades, foi possível buscar elementos para compreender que o modelo tradicional de prevenção, baseado na prescrição de normas e comportamentos seguros, é ineficaz quando se têm condicionantes que comprimem os espaços de regulação dos trabalhadores. Os resultados encontrados permitem concluir que a gestão dos riscos pode ser transformada se houver compreensão da realidade do trabalho, privilegiando sempre a construção conjunta de medidas que possam efetivamente contribuir para a segurança de todos. PALAVRAS-CHAVE: hospital, gestão de riscos, acidente, instrumentos pérfurocortantes, servente de limpeza, Ergonomia.

16 16 ABSTRACT The present work focuses on risk management of accidents involving piercing or cutting instruments that are handled by the outsourcing cleaning staff in public state hospitals. The analysis is based on Ergonomics theory, and the performed activities and work situations are the mainly observed aspects. This research focuses initially on preventive model that has been adopted to avoid piercing accidents in the investigated hospital context, as well as discusses the consequences of this kind of accident to the cleaner s lives. It was possible to understand how useless the traditional model to prevent accidents is, after finding out about the reality of the hospital context and everyday work situations faced by cleaners to perform their activities. This traditional model is based on prescribing norms and safe behavior to be adopted by the staff, but it doesn t work, due to conditioning factors that limit the works regulation spaces. The results which have been found in this work allow us to conclude that risk management can be changed if there is some understanding about work reality. It s also necessary to defend the idea of collectively establishing a set of rules which can effectively contribute to all people s safety. KEY WORDS: hospital, risk management, accidents, piercing and cutting instruments, cleaners, Ergonomics.

17 17 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho insere-se no campo da saúde ocupacional e tem como objetivo investigar as causas do elevado número de acidentes de trabalho com instrumentos pérfuro-cortantes entre empregados terceirizados contratados para a limpeza de hospitais da rede pública estadual, profissionais mais conhecidos como serventes de limpeza. O aprofundamento sobre o problema se deu pela necessidade de próprio pesquisador naquela oportunidade engenheiro de segurança da empresa prestadora de serviços de limpeza responder à seguinte indagação: por que ocorriam tantos acidentes por perfuração naquele contexto, se havia normas e procedimentos rigorosos para a manipulação e o descarte de instrumentos pérfuro-cortantes? O que estava falhando nos programas de prevenção de riscos adotados para o trabalho naqueles hospitais? Para responder a essas perguntas, o caminho escolhido para a análise de riscos foi conhecer a realidade de trabalho das serventes de limpeza e descobrir em que condições ocorriam os acidentes. A abordagem julgada a mais adequada para investigar o assunto da forma proposta e com a profundidade que o problema exigia foi a Ergonomia, por sua metodologia própria de investigação AET Análise Ergonômica do Trabalho que possibilita ao pesquisador compreender o trabalho a partir da análise das atividades e das situações de trabalho, ou seja, confrontando o idealizado com o real e buscando estabelecer uma relação de fatos em situação de trabalho que estejam contribuindo para a ocorrência dos acidentes. Montmollin (1998) cita que a Ergonomia situada é essencialmente centrada na organização do trabalho, quem faz o que, onde, e sobretudo, como o faz, questionando-se ainda se é possível que se possa fazer melhor e mais seguro. A partir do entendimento das atividades de limpeza em situações reais de trabalho, a gênese de grande parte dos acidentes pôde ser mais bem compreendida. À primeira vista, as serventes são consideradas trabalhadoras que executam tarefas simples e rotineiras, porém inseridas em um ambiente considerado complexo. Amalberti (1996) cita que os ambientes complexos são marcados pela incerteza, pela dinâmica, pelos riscos e pelas exigências das tarefas.

18 18 Entretanto, o que se descobriu naqueles contextos, e que será abordado com maiores detalhes nos capítulos seguintes, é uma série de disfuncionamentos que potencializam situações para a concretização de acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes, que não são levadas em consideração na proposição das medidas institucionais de segurança. Dessa forma, os problemas específicos das unidades hospitalares pesquisadas (financeiros, escassez de mão-de-obra e concepção arquitetônica ultrapassada), somados aos disfuncionamentos das atividades de limpeza (falta de materiais, carga de trabalho, extensão da jornada, ferramentas de trabalho inadequadas, constantes interrupções nas rotinas e desvios de função) e os específicos da área de saúde (alta demanda de atendimentos, setores lotados, falta de coletores para instrumentos pérfuro-cortantes) constituem um modo degradado de trabalho, mas que acabam sendo consideradas situações normais naqueles contextos, pois as pessoas se acostumam a conviver com a precariedade do trabalho, chegando ao limite de desconsiderarem o risco. A noção de modo degradado significa, segundo Duarte & Vidal (2000), uma situação de trabalho caracterizado por um estado de disfuncionamentos e de incidentes constantes. Freitas & Porto (1997) citam que o modo degradado vai pouco a pouco minando a segurança pela banalização de falhas consideradas menores, transformando falhas visíveis em invisíveis, denominada pelos autores anormalidade normal. Entretanto, essa falsa normalidade propicia condições para que a servente se exponha mais ao risco, quando ocorre, por exemplo, falta de coletores para descarte dos instrumentos pérfurocortantes ou quando são utilizados em desacordo com as normas, desprezando-se dentro deles outros materiais, além das seringas e agulhas. Os problemas observados, se deixados de lado, podem encobrir as verdadeiras causas dos acidentes e induzir à análise somente de fatos relacionados ao não cumprimento das normas de segurança. Porém, nas condições observadas, é impraticável para a servente seguir as regras que lhe foram formalmente prescritas, o que exige delas uma competência não reconhecida pela organização para conseguir resolver os problemas cotidianos. Competência, nesse sentido, está ligada à capacidade que o trabalhador tem para fazer ajustes à situação onde se verifica a necessidade de seu emprego, ou seja, na ação situada (Montmollin apud Vidal, 1998).

19 19 Assim, este estudo penetrará no mundo do trabalho das serventes 1 de limpeza hospitalar e avaliará as reais situações de risco a que elas estão expostas e quais os mecanismos de regulação que utilizam para conseguir atingir aquilo que lhes foi prescrito fazer Justificativa A redução dos riscos nos locais de trabalho é o foco de atenção de todos os profissionais de segurança, que tentam implementar medidas de controle para gerenciar adequadamente os eventos que possam resultar em acidentes do trabalho. Entretanto, a avaliação dos riscos e as análises dos acidentes do trabalho, em sua grande maioria, ainda são muito limitadas e superficiais, e não revelam a origem das verdadeiras causas que propiciam as condições para que o acidente se concretize. Como profissional da área de segurança, sempre tive preocupações em descobrir qual a melhor maneira para gerenciar os riscos nos locais de trabalho. Porém, os acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes se configuravam como um problema de difícil resolução. Esses acidentes eram constrangedores para quem se acidentava e por mais que tentássemos proteger o trabalhador, ainda assim eles aconteciam em grande número. Isso nos causava um grande desconforto. A justificativa para esta dissertação foi a necessidade de se buscar uma nova forma de avaliação de riscos, que evidenciasse com mais detalhes as situações de trabalho das serventes de limpeza nos hospitais investigados, assim como os fatores que pudessem estar condicionando os acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes A empresa prestadora de serviços A empresa prestadora de serviços é pública, regida pela CLT Consolidação das Leis do Trabalho e criada pelo governo do Estado de Minas Gerais para fornecer qualquer tipo de mão-de-obra, especializada ou não, que a administração estadual necessite contratar por tempo determinado. 1 Salienta-se que o objetivo desta dissertação não é tratar o problema dos acidentes focando o gênero do trabalhador. O termo a servente somente será utilizado no gênero feminino em função deste coletivo ser formado quase que totalmente por mulheres.

20 20 Na época em que a pesquisa foi realizada, a empresa prestadora de serviços possuía aproximadamente empregados, atuava em vários órgãos da administração pública estadual e mantinha contratos de prestação de serviços com quase todas as secretarias estaduais, em penitenciárias públicas, centros de hemoterapia e hospitais. Apesar de poder contratar qualquer tipo de mão-de-obra, a maior parte dos serviços prestados relaciona-se à conservação e limpeza, ou seja, as serventes de limpeza são a categoria profissional que compõe a maior parte do quadro de empregados da empresa prestadora de serviços. Por ser uma empresa pública, o MPT Ministério Público do Trabalho vinha exigindo ultimamente que a empresa somente admitisse empregados via concurso público, o que dificultava sobremaneira a contratação de pessoas por tempo determinado, fato que acabava repercutindo no trabalho de vários profissionais, já que a empresa não dispunha de mão-de-obra suficiente em seu quadro de reservas para cobrir, por exemplo, empregados que faltassem ao trabalho, que entrassem de férias, que estivessem afastados ou que pedissem demissão. Muitas vezes, isso obrigava a servente de limpeza hospitalar a ter que trabalhar mais tempo, quando, por exemplo, uma colega do plantão seguinte faltasse ao trabalho ou mesmo se atrasasse. Assim, vários acordos estavam sendo feitos com o MPT para tentar resolver a questão da contratação de pessoas sem a obrigatoriedade do concurso público Os hospitais pesquisados Um dos principais clientes da empresa prestadora de serviços é a rede de hospitais públicos do estado, composta por vinte e três unidades assistenciais que prestam atendimento médico-hospitalar à população de todo o Estado de Minas Gerais através da oferta de seus serviços. A Missão Institucional da Fundação Hospitalar é servir ao usuário do SUS em todas as áreas-chave da assistência médico-hospitalar hospitais gerais e de urgência para adultos e crianças, hospitais psiquiátricos, maternidades, centros de reabilitação física e toxicomania e o atendimento a portadores de AIDS e outras doenças infectocontagiosas. São quinze hospitais distribuídos pela cidade de Belo Horizonte e oito

21 21 localizados no interior do Estado. Por se tratar de hospitais públicos, a demanda de atendimentos a pacientes é alta em todos eles. A empresa prestadora de serviços está presente em todas as unidades da rede hospitalar, inclusive no prédio da administração central 2 dos hospitais Em todos esses locais, o ponto forte da prestação de serviços é a limpeza. O trabalho de limpeza em hospitais é mais problemático do que em outros órgãos onde a empresa prestadora de serviços atua, em função da diversidade de riscos presentes no ambiente hospitalar, da maior carga de trabalho e dos disfuncionamentos existentes. Assim, a servente de limpeza hospitalar é uma profissional diferenciada das demais serventes, necessitando de maior competência para desenvolver seu serviço, pois além de ter que aplicar as técnicas adequadas de limpeza e desinfecção exigidas naqueles ambientes, ainda precisa preocupar-se constantemente com a sua segurança para evitar acidentes, principalmente perfurações, o que nem sempre é possível naqueles contextos, conforme será demonstrado nos próximos capítulos O problema Os acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes são eventos que ocorrem de forma intensa entre os profissionais de saúde. Existem diversos estudos sobre o problema e a preocupação com o tema é mundial, em virtude das sérias doenças que podem ser transmitidas em decorrência das perfurações, como a Hepatite B (HVB), Hepatite C (HVC) e o vírus da imunodeficiência humana (HIV) patologias que podem ser fatais. O tratamento geral dado ao problema é a adoção de medidas de biossegurança, que procuram prevenir o contato das pessoas contra fluídos corporais, valendo-se principalmente do uso de EPI Equipamentos de Proteção Individual, EPC Equipamentos de Proteção Coletiva e de campanhas de sensibilização (treinamentos, cursos, cartazes). O número de acidentes relacionados a instrumentos pérfuro-cortantes é significativo e preocupa autoridades sanitárias do mundo todo, em virtude do potencial de 2 No prédio da administração dos hospitais são mantidos serviços de atendimento médico-odontológico aos empregados dos hospitais, configurando-se, portanto, também como um local de riscos de acidente com instrumentos pérfuro-cortantes para a servente.

22 22 contaminação relacionado a patógenos transmitidos pelo sangue. A seguir será dada uma visão geral do problema e uma outra específica das unidades hospitalares pesquisadas O problema sob o aspecto global A OSHA Occupational Safety and Health Administration calcula que entre e trabalhadores se acidentam anualmente com algum tipo de material pérfurocortante nos Estados Unidos. Já o CDC Centers for Disease Control and Prevention (1998) estima que ocorram anualmente cerca de acidentes desse tipo somente nos hospitais americanos, sem considerar outros locais onde se manipulam instrumentos pérfuro-cortantes, como clínicas médicas e odontológicas. A principal causa de ocorrência desses acidentes com os profissionais que trabalham nos centros de cuidados da saúde humana principalmente médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem é decorrente da própria atividade que esses profissionais têm que desenvolver, ou seja, do contato com secreções corporais de pessoas doentes e principalmente da manipulação de instrumentos pérfuro-cortantes, como agulhas e bisturis, durante as intervenções nos pacientes. Preocupado com essa situação, o governo brasileiro, através do Ministério da Saúde, editou em 1998 o Manual de Condutas em Exposição Ocupacional a Material Biológico, com o objetivo de descrever os cuidados necessários para evitar a disseminação de doenças infecto-contagiosas, principalmente em relação ao vírus da imunodeficiência humana (HIV). As estimativas atuais indicam que o risco médio de se adquirir o HIV depois de um acidente com material contaminado, principalmente sangue, é de 0,3 %, após exposição percutânea e de 0,09% após exposição micocutânea (MS, 1998). Levantamentos estatísticos do NIOSH National Institute for Occupational Safety and Health (1999) confirmam que o percentual médio de infecção para o vírus do HIV é de 0,3%. O CDC Centers for Disease Control and Prevention (1998) estima ser de 6% a 30% o risco de transmissão para a Hepatite B e aproximadamente 0,7% para contaminação de Hepatite C. Durante o ano de 1999, o CDC já havia cadastrado, até

23 23 dezembro, 55 casos de infecção pelo vírus HIV e mais 136 casos de possíveis contaminações. A contaminação por perfuração depende de alguns fatores, que podem contribuir para aumentar o risco de infecção depois da exposição, entre os quais: o tipo de patógeno envolvido (a possibilidade de contrair a Hepatite B é bem maior do que contrair o vírus do HIV), o sistema imunológico do trabalhador acidentado e a severidade da lesão (a profundidade da perfuração ou da penetração do objeto na veia ou na artéria). O risco de transmissão do HIV aumenta quando o trabalhador foi exposto a uma grande quantidade de sangue do paciente. Em função desses riscos, o Ministério da Saúde (1995) vem divulgando medidas de prevenção denominadas Precauções Universais ou Precauções Básicas, que devem ser utilizadas pelo pessoal da saúde quando manipular sangue, secreções e excreções de pacientes. Isso inclui também o uso de equipamentos de proteção individual e cuidados específicos na manipulação e no descarte de instrumentos pérfuro-cortantes contaminados por material orgânico. As medidas de segurança tentam evitar as conseqüências nefastas que um acidente desse tipo causa nos trabalhadores de unidades destinadas aos cuidados da saúde humana, principalmente hospitais O problema específico dos hospitais investigados O objeto deste estudo tem seu foco em uma categoria de trabalhadores que vive o mesmo sofrimento que os profissionais de saúde em relação a esse tipo de acidente, porém com características bastante diferentes daqueles: não desempenham atividades diretamente ligadas aos cuidados da saúde humana e manipulam ferramentas de trabalho completamente diferentes do pessoal de saúde. Esta pesquisa desenvolveu-se sobre o coletivo de trabalhadores da limpeza hospitalar, chamados de serventes de limpeza. A relevância do estudo baseou-se no elevado índice de acidentes cadastrados pela empresa prestadora de serviços, através da Comunicação de Acidente do Trabalho CAT, documento que a empresa, obrigatoriamente, tem que emitir ao Instituto Nacional da Seguridade Social INSS, no prazo máximo de um dia útil após o acidente. Os

24 24 acidentes devidos a perfurações atingiam, no período em que a pesquisa foi realizada, mais de 30% do total do número de acidentes notificados entre os empregados que prestavam serviços de limpeza na área hospitalar. A TAB. 1, a seguir, mostra o quantitativo desses acidentes cadastrados a partir do ano de 2000: TABELA 1 Número de acidentes por perfuração em relação ao número total de acidentes cadastrados na área hospitalar 2000 a 2002 Total de Acidentes Acidentes por perfuração TOTAL Total de Acidentes Acidentes por perfuração Fonte: CAT. Acidentes cadastrados até julho de O principal questionamento sobre o problema dos acidentes com instrumentos pérfurocortantes foi compreender por que uma categoria de trabalhadores que não utiliza ferramentas de trabalho como agulhas, bisturis e escalpes em suas atividades de limpeza tinham seus corpos perfurados com tanta intensidade. O que falhava na prevenção, visto existirem procedimentos e normas rígidos para descarte desses materiais? Por que a contradição entre uma condição idealizada para se ter reduzido o contato com instrumentos pérfuro-cortantes e uma realidade com grande potencial de risco de acidentes? 1.5. Os objetivos do trabalho Objetivo geral

25 25 Abordar a gestão de riscos de acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes nas atividades de limpeza das unidades hospitalares investigadas a partir do ponto de vista da Ergonomia Objetivos específicos A partir da análise situada da atividade de limpeza e das situações de trabalho buscar elementos para compreender as seguintes questões: Por que o modelo tradicional de prevenção, baseado na prescrição de normas e comportamentos seguros, apresenta-se ineficaz no contexto investigado? Por que a contradição entre uma condição idealizada de prevenção e uma realidade com tantos acidentes? Quais disfuncionamentos estariam causando a fragilização do modelo adotado para gestão de riscos?

26 26 2. O ATUAL MODELO DE GESTÃO DE RISCOS E AS CONSEQÜÊNCIAS DOS ACIDENTES SOBRE A SAÚDE E A VIDA DO TRABALHADOR Este capítulo abordará a atual forma de gestão de riscos para evitar acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes adotada pelos hospitais investigados e pela empresa prestadora de serviços. Serão abordadas também as conseqüências da perfuração sobre a saúde e a vida da servente de limpeza quando o evento se materializa. 2.1 O atual modelo de prevenção O modelo de segurança adotado para a prevenção de incidentes 3 e de acidentes de trabalho com instrumentos pérfuro-cortantes nas unidades hospitalares pesquisadas baseia-se na forma tradicional, ou seja, na prescrição de procedimentos e comportamentos seguros. A prescrição de procedimentos seguros está baseada na legislação que as empresas têm que cumprir, seja através de normas internacionais de segurança destinadas aos locais que tratam dos cuidados da saúde humana, seja através de normas nacionais ou até mesmo de regulamentos internos, elaborados pelas próprias unidades de acordo com a suas necessidades. No caso específico dos acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes, a legislação prevê uma série de recomendações para os estabelecimentos que tratam da saúde humana. Uma das principais é que esses locais adotem práticas conhecidas como Precauções Universais em suas rotinas de trabalho. As Precauções Universais, atualmente denominadas Precauções Básicas, são medidas de prevenção que devem ser utilizadas na assistência a todos os pacientes quando se manipular sangue, secreções e excreções e no contato com mucosas e pele não-íntegra. Isso independe do diagnóstico definido ou presumido de doença infecciosa (HIV/AIDS, Hepatites B e C). 3 Neste estudo, incidente relaciona-se a eventos que não produzem inicialmente danos físicos ou mentais, mas indicam uma possibilidade potencial de geração destes danos, como por exemplo o descarte inadequado de instrumentos pérfuro-cortantes.

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa O trabalhador de limpeza hospitalar e o acidente com lesão por instrumento perfurocortante Caetana

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO]

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] Seminário do Programa de Pós-graduação em Trabalho, Saúde e Ambiente O trabalhador de limpeza hospitalar e o acidente

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE

Leia mais

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico. Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.org Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde 1621134 - Produzido

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Respeito Ambiente Ocupacional Saudável Programas integrados PPRA, PCMSO, PGRSS... Visão holística do serviço

Leia mais

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País;

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País; Direito à Educação - PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 796, de 29/05/1992, dos Ministros da Educação e da Saúde - Normas e procedimentos educativos referente à transmissão e prevenção da infecção pelo HIV

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES INTRODUÇÃO *Cindy Heloisa Silva da Silva - NOVAFAPI *Frida Jéssica de Carvalho e Silva- NOVAFAPI *Renata Giordana de Sousa Andrelino- NOVAFAPI

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL SEGURANÇA DO PROFISSIONAL RISCO BIOLÓGICO Palestrante: Carolina Cardoso de Araujo Ferri Importância na Enfermagem Brasil: 1,5 milhões de profissionais São Paulo: 346.730 profissionais * Enfermeiros: 65.981

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR CONSIDERAÇÕES INICIAIS WLLINGTON JORGE DOS SANTOS 1 - UFPI. IVONIZETE PIRES RIBEIRO 2 - NOVAFAPI As Infecções Hospitalares

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br

NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br A Saúde e a Segurança do Trabalhador no Brasil Em 2009 foram registrados 723.452

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF Autor(a): Karla Theonila Vidal Maciel Freitas 1 Introdução As empresas estão dando, cada vez mais,

Leia mais

1 Introdução...03. 2 Objetivos...04. 3 Diretrizes...04. 4 Processo...04. 5 Responsabilidades...08. 6 Glossário...10. 7 Anexos...11

1 Introdução...03. 2 Objetivos...04. 3 Diretrizes...04. 4 Processo...04. 5 Responsabilidades...08. 6 Glossário...10. 7 Anexos...11 MANUAL DO SESMT SUMÁRIO 1 Introdução...03 2 Objetivos...04 3 Diretrizes...04 4 Processo...04 5 Responsabilidades...08 6 Glossário...10 7 Anexos...11 1 INTRODUÇÃO O Serviço de Engenharia de Segurança e

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Versão 1 atualização em 09 de outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO A detecção de casos em tempo hábil e a resposta

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA.

PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITARIA DIVISÃO DE SERVIÇOS GERAIS SETORES DE ADMINISTRAÇÃO DE PREDIOS E VIGILANCIA. Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenadoria de Qualidade de Vida do Servidor PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL PREFEITURA

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação:

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação: MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Acidente com material pérfuro-cortante

Acidente com material pérfuro-cortante Acidente com material pérfuro-cortante Cássia de Lima Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isabel Cristina Kowal Olm Cunha Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO Existem

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Sangue, fluidos orgânicos potencialmente infectantes (sêmen, secreção vaginal, liquor, líquido sinovial, líquido pleural, peritoneal, pericárdico,

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

Risco Biológico. Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte

Risco Biológico. Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte Risco Biológico Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte Mini Currículo Graduada em Enfermagem e Obstetrícia UFES Especialista em Educação Profissional FIOCRUZ/UFES Membra da ABEN-ES Atuação Profissional:

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho. Enfermagem em Saúde do Trabalhador

Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho. Enfermagem em Saúde do Trabalhador Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho Enfermagem em Saúde do Trabalhador DADOS. Mais de 6.000 pessoas morrem por dia no mundo: acidentes e doenças ligadas à atividades laborais;.

Leia mais

NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR

NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Noeli Martins Médica do Trabalho Auditora Fiscal do Trabalho da SRTE/PR METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO / REVISÃO DAS NORMAS REGULAMENTADORAS Portaria

Leia mais

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ESTADO DE NOVA YORK Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV O exame de HIV é voluntário. O consentimento pode ser revogado a qualquer momento, mediante

Leia mais

Palavras-chave Prevenção da AIDS; AIDS e trabalho; Educação em Saúde; Educação, saúde e trabalho; Avaliação.

Palavras-chave Prevenção da AIDS; AIDS e trabalho; Educação em Saúde; Educação, saúde e trabalho; Avaliação. CONSIDERAÇÕES SOBRE A PROPOSTA EDUCATIVA DE PREVENÇÃO DA AIDS EM LOCAIS DE TRABALHO DA COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST/AIDS (CN-DST/AIDS) DO MINISTÉRIO DA SAÚDE Luís Marcelo Alves Ramos Maria Helena Salgado

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375 PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375 Ementa: Realização de PCMSO por Enfermeiro e Técnico de Enfermagem. 1. Do fato Solicitação de parecer sobre a realização de Programa

Leia mais

A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho

A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho Esta pesquisa ajuda a avaliar os aspectos relativos à notificação

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

FACULDADE ÁVILA CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM ERGONOMIA, SAÚDE E TRABALHO. SHEYLA VILELA COUTO SOUZA

FACULDADE ÁVILA CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM ERGONOMIA, SAÚDE E TRABALHO. SHEYLA VILELA COUTO SOUZA FACULDADE ÁVILA CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM ERGONOMIA, SAÚDE E TRABALHO. SHEYLA VILELA COUTO SOUZA UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA DE

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 3 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

A importância do tratamento contra a aids

A importância do tratamento contra a aids dicas POSITHIVAS A importância do tratamento contra a aids Por que tomar os medicamentos (o coquetel) contra o HIV? A aids é uma doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. Tomando os remédios corretamente,

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Cadastros (Arquivos)

Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Cadastros (Arquivos) Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Cadastros (Arquivos) Março - 2014 Índice Título do documento 1. Objetivo... 5 2. Como utilizar esse material em seus estudos de Atendimento Clínico... 5 3. Introdução...

Leia mais

V FÓRUM NR-32. Realidade da NR- 32 9 de junho de 2010. Koshiro Otani pesquisador da Fac. Saúde Pública da USP otani@fsp.usp.br

V FÓRUM NR-32. Realidade da NR- 32 9 de junho de 2010. Koshiro Otani pesquisador da Fac. Saúde Pública da USP otani@fsp.usp.br V FÓRUM NR-32 Realidade da NR- 32 9 de junho de 2010 Koshiro Otani pesquisador da Fac. Saúde Pública da USP otani@fsp.usp.br Realidade da NR-32 A constituição Federal/88 inovou a relação do Estado com

Leia mais

NR 32 WWW.ESPACOSAUDE.NET SAUDE E SEGURANÇA UM DIFERENCIAL DE MERCADO PARA PROFISSIONAIS E EMPRESA

NR 32 WWW.ESPACOSAUDE.NET SAUDE E SEGURANÇA UM DIFERENCIAL DE MERCADO PARA PROFISSIONAIS E EMPRESA NR 32 WWW.ESPACOSAUDE.NET SAUDE E SEGURANÇA UM DIFERENCIAL DE MERCADO PARA PROFISSIONAIS E EMPRESA WWW.ESPACOSAUDE.NET Pedro Tolentino Técnico em Radiologia Médica Membro Efetivo da CTPN 32 Representando

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E TRANSPLANTE DE FÍGADO FÁBIO DE BARROS CORREIA GOMES Consultor Legislativo da Área XVI Saúde Pública, Sanitarismo MAIO/2009 Fábio de Barros Correia Gomes 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES Manual de prevenção para manicures e pedicures Faça a sua parte e deixe as hepatites virais fora do seu salão de beleza As hepatites são doenças graves e, muitas vezes, silenciosas.

Leia mais

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde A PREVENÇÃO DA HEPATITE B ATRAVÉS DA IMUNIZAÇÃO EM CASO DE ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO DOS TRABALHADORES

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares Serviço de Enfermagem Cirúrgica Este manual contou com a colaboração de: professora enfermeira Isabel Cristina Echer; enfermeiras Beatriz Guaragna, Ana

Leia mais

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos:

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos: NR4- SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho UFMS Faculdade de Engenharia Civil Prof. MSc. Elizabeth Spengler Cox e M. Leite Alunos: Jeverson Vasconcelos de Souza

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Natalia Sousa ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Para cada exame médico ocupacional realizado, o médico emitirá o ASO (Atestado de Saúde Ocupacional) em duas vias:

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais