DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO"

Transcrição

1 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO BALANÇO E PERSPECTIVAS Luiz Roberto Monzani Para Josette I A psicanálise "anda na moda". Ninguém, mesmo que afastado dessa disciplina, poderá negar esse fato. O volume de publicações sobre o assunto já é, por si, um indicador bastante seguro. Multiplicam-se cursos, palestras e conferências sobre o tema. Pela primeira vez, ao que me consta, foram criados cursos específicos e oficiais sobre psicanálise nas universidades brasileiras (no Rio de Janeiro e na Unicamp) deixando esta disciplina de ser um capítulo, freqüentemente mal dado, dos cursos de psicologia e ad usum delphini. Nunca se falou tanto em Freud, M. Klein e Lacan. Modismo? Provavelmente. Ao existencialismo sucedeu o estruturalismo (só para falar nas escolas mais recentes) e a este último parece ter sucedido o freudismo. Como toda moda, durará pouco. Mas, mesmo assim, esse movimento tem e terá uma importância considerável na história das idéias do século XX. As modas passam mas suas contribuições ficam. O que Lacan disse a propósito do estruturalismo aplica-se perfeitamente ao nosso caso: Le structuralisme durera ce que durent les roses, les symbolismes et les Parnasses: une saison littéraire, ce que ne veut pas dire que celleci ne sera pas féconde 1. E já era tempo que isso acontecesse. A teoria freudiana já está praticamente comemorando um século de existência e só nos últimos anos foi possível, salvo raras exceções, a realização de uma leitura séria e sólida de um autor que, ao lado de Marx e Lévy-Strauss, revolucionou a estrutura e a constituição do discurso das ciências humanas. Até então a obra de Freud esteve, em regra geral, dividida em dois campos. De um lado, os psicanalistas, que aceitavam (como a maioria faz até hoje) cegamente, sem discutir nem questionar, a teoria e os conceitos que guiavam sua prática, prá- 119 (1) Citado em Estruturalismo, Antologia de Textos Teórlcos, Lisboa, Portugália, p. III.

2 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO tica esta que era a única coisa que os interessava. Do outro lado, floresceu uma leitura crítica, no mau sentido do termo, onde se procurava mostrar a falsidade das teorias freudianas, produzindo estranhas alianças entre escolas às vezes opostas e cujo resultado não foi outro senão a deformação sistemática do pensamento de Freud. A mais célebre e bisonha dessas críticas foi aquela que acusava a teoria freudiana de pan-sexualismo. É preciso, com certeza, não ter lido seriamente nenhuma obra de Freud ou ser de extrema má-fé para sustentar tal idéia. Assim, entre uma prática cega e uma leitura preconceituosa, a obra de Freud foi subsistindo, como se diz, "aos trancos e barrancos" e pouco se fez realmente no sentido de se tentar saber o que esse discurso dizia. Alie-se a tudo isso uma terceira estratégia que apareceu, essa mais sutil e perigosa, que consistiu no fato de se realizar um travestimento sistemático da obra de Freud, escamoteando assim aquilo que de mais original há em sua obra. Sobre este ponto, a denúncia de L. Althusser em Freud e Lacan é definitiva. Basta citá-lo: A Razão Ocidental (razão jurídica, religiosa, moral e política, tanto quanto científica) não consentiu, com efeito, depois de anos de desconhecimento, desprezo e injúrias meios, aliás, sempre disponíveis em caso de insucesso, em assinar um pacto de coexistência pacífica com a psicanálise, a não ser com a condição de anexá-la a suas próprias ciências ou aos seus próprios mitos Basta pensarmos na obra de Kardiner ou na "Psicologia do Ego", que constituem claros exemplos dessa manobra. Meu propósito neste texto não é analisar nem criticar nenhuma dessas três posições. Além de ser uma tarefa simples, ela já foi feita, e bem feita. Minha intenção é outra. Gostaria de mostrar como uma vertente, profundamente embebida no discurso filosófico, levou, por fim, a uma releitura em profundidade da obra de Freud, inaugurando a era sob a qual estamos vivendo. Que o leitor não se iluda: não se trata aqui de uma verdade que foi lenta e penosamente conquistada. Trata-se de uma história de erros, erros tais que, quando foram levados ao seu extremo, obrigaram o espírito a uma reviravolta na abordagem do seu objeto. Aqui, mais do que nunca, vale o postulado enunciado por Bachelard: "A verdade só tem pleno sentido ao fim de uma polêmica. Não poderia haver aqui uma verdade primeira. Só existem erros primeiros" 3. II Em 1936 L. Binswanger publicou um artigo sobre Freud intitulado "A Concepção Freudiana à Luz da Antropologia" 4 texto que estava desti- 120 (2) Althusser, L. "Freud e Lacan", em Estruturalismo..., Lisboa, Portugália, p (3) Citado por Canguilhem em "Sobre uma Episternologia Concordatária", in Introducción a Bachelard, B. Aires, Calden, p. 23. Dados os limites deste texto, resolvi restringirme ao discurso freudiano. Levar em conta M. Klein ou Lacan, por exemplo, triplicaria ou quadruplicaria suas dimensões. Entre pouco e mal falar de um autor e não falar, optei pela última alternativa. Meu silêncio deve ser entendido, portanto, como um sinal de respeito e não de desdém. (4) In Discours, Parcours et Freud, Paris, Gallimard, pp. 201 e seg.

3 NOVOS ESTUDOS Nº 20 - MARÇO DE 1988 nado a orientar certas leituras de Freud que foram capitais na história da compreensão do freudismo. A idéia central de Binswanger está no fato de que Freud articula uma concepção naturalista do homem em oposição às sólidas e tradicionais representações deste veiculadas pela nossa cultura, seja antiga seja moderna: Em oposição diametral à tradição milenar da essência do homem como homo aeternus ou homo caelistis, como homem histórico "geral" ou homo universalis, e, em igual oposição à moderna concepção ontológico-antropológica do homem como existência "histórica", no sentido pregnante do termo, como homo existentialis, tratase em Freud, vocês sabem, da idéia científica do homo natura, do homem como criatura natural. Se a originalidade de Freud está no fato de que essa idéia natural do homem está alicerçada no privilégio concedido às pulsões, isso não impede que ela o force a enveredar-se pela senda de uma explicação reducionista onde os ditos "valores" superiores são explicados pelos inferiores:... ele sempre viu o mal como o necessário princípio de ser do bem, na vontade de destruição das tendências sádicas do homem, o princípio de ser da bondade, da benignidade e da cultura; no ódio, o princípio de ser do amor; na hostilidade, o princípio de ser da amizade; no luto, o princípio de ser da alegria. Sua doutrina, no entanto, não permite inverter essa relação. Por essa razão, o bem na doutrina freudiana (em oposição a uma longa tradição) não é afetado por qualquer positividade originária, mas é uma potência inibidora e restritiva, de tal maneira que toda passagem para os valores ditos positivos nada mais é que o fruto de uma coerção. E isso nada mais é, segundo Binswanger, que a conseqüência inevitável dessa visão antropológico-naturalista que implica a exigência de uma pesquisa reducionista e, portanto, restritiva com relação à experiência humana total. Pensamento que leva até as últimas conseqüências essa exigência radical, e que tem por fundamento essencial a determinação teórica da essência humana através das ciências naturais. Em outros termos, captado em sua imanência, o homem seria um objeto natural e, por essa razão, a psicanálise estaria construída segundo o modelo das Naturwissenschaften. A grandeza de Freud estaria no fato de ter criado um edifício extremamente sólido e coerente, conseqüência de sua inflexibilidade metodológica. Mas daí adviria também a grande lacuna do pensamento de Freud. Erigindo o corpo (as massas pulsionais) como a essência do homem, ele constrói uma imagem unilateral deste, cuja característica básica é o mecanicismo. O homem não sendo senão essa corporalidade, isto é, o produto passivo dessas potências que são as pul- 121

4 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO sões, faz com que Freud estenda o mecanicismo até as "regiões aparentemente as mais livres do espírito humano". As pulsões sendo um "conceito limite" infiltram-se no psíquico e transformam este num órgão. A necessidade substitui a liberdade e o mecanicismo toma o "lugar da reflexão e da decisão". Diagnosticado o mal (já que a ciência da natureza não constitui a totalidade da experiência do homem pelo homem), só resta a Binswanger indicar o remédio: a antropologia filosófica fundamentada na analítica existencial de inspiração heideggeriana. É exatamente o esquecimento da dimensão existencial que é responsável pela mutilação operada por Freud em sua conceituação e que o levará a algumas posições problemáticas. Mas, basicamente, todas essas posições decorrem de uma inicial: esse método reducionista consiste numa desconstrução radical onde o resultado não é outro que o encontro final de um mundo e de um ser humano reduzidos e subjugados por forças cegas que se chocam e se entrechocam. Universo árido que reduz a realidade a algo destituído de sentido e onde tudo aquilo que aparecer como uma constelação significativa é resultado de uma ficção, da ilusão e da aparência e onde a única realidade é esse jogo maquinal de forças. O que mais se poderia esperar? Na constelação das Naturwissenschaften, reducionismo e mecanicismo andam juntos e sua aplicação consiste em se forjar uma imagem naturalista do homem que não poderia levar a outra concepção senão àquela de um ser que é o resultado de um jogo de forças cegas e a uma imagem dele como máquina. A desconstrução operada pelo método das Naturwissenschaften tem como ideal último a ser atingido o sonho de La Mettrie. Essa é a razão pela qual o sentido, nas relações humanas, seja um efeito de superfície que esconde por trás de si uma sólida e maciça realidade mecânica e maquinal. Daí também por que toda relação humana é sempre e inevitavelmente unilateral e que, por conseqüência, o modelo da relação médico-paciente em Freud, "em lugar da comunicação recíproca, 'pessoal', na relação-entre-nós" seja substituída por uma "relação unilateral, isto é, não reversível, do médico e do paciente". Não é exatamente disso que se trata quando o objetivo é "consertar" uma máquina defeituosa? Leiamos:...Freud conseguiu provar que o império do mecanicismo se estende até as regiões aparentemente as mais livres do espírito humano, o que oferece enfim a possibilidade de "reparar" também esse espírito mecanicamente (técnica psicanalítica de desmascaramento, supressão do trabalho do recalque e da regressão pelo mecanismo da transferência). 122

5 NOVOS ESTUDOS Nº 20 - MARÇO DE 1988 O artigo de Binswanger, quando lido com atenção, apresenta duas facetas: de um lado mostra o que ele acredita que Freud fez e de outro o que lhe falta. Daí nasceram duas leituras opostas e irreconciliáveis de Freud. A primeira delas toma ao pé da letra o que seria o projeto freudiano na linha do mecanicismo e não vê nele nenhuma lacuna. A outra, não aceitando a crítica formulada por Binswanger, vai procurar mostrar que aquilo que ele considerava uma falha na teoria está, na verdade, presente nela. Basta saber lê-la. Examinemos a primeira delas. Ela retoma claramente as linhas gerais da interpretação proposta por Binswanger, isto é, que a linha diretora fundamental para se ler Freud é a biologia. O que se verá será uma progressiva sofisticação desse esquema, mas ela não deixa até hoje de orientar certas leituras da psicanálise e subsiste ainda nos representantes da "Psicologia do Ego". Sua explicação mais clara encontra-se em Rapaport 5. Alexander, por exemplo, em seus Fundamentos da Psicanálise, afirma também claramente que a psicanálise é uma ciência biológica e interpreta sistematicamente os princípios psicanalíticos em função dessa concepção. Ele lê assim o princípio de estabilidade (Freud-Fechner), por exemplo: A vida consiste num ciclo contínuo de oferta e produção de energia. Esta é consumida e deve ser substituída regularmente, o que exige um novo abastecimento pelo ambiente. Nos animais superiores, a função principal do sistema cérebro-espinal e do sistema nervoso autônomo é manter esse equilíbrio dinâmico, perturbado tanto pelos estímulos externos como pelo próprio processo vital 6. Mas foi sobretudo a publicação do Projeto de 1895 que reacendeu com vigor essa chama numa linha ligeiramente diferente da anterior. Neste texto, de clara inspiração neurológica, encontram-se formuladas as principais teses da metapsicologia freudiana e, sobretudo, elas consistem, no essencial, em serem retomadas no famoso capítulo VII da Interpretação dos Sonhos (Traumdeutung). Isso levou certos autores a sustentarem duas teses: 1º que toda metapsicologia freudiana está de fato assentada na neurofisiologia do Projeto; 2º que se isso é verdade então a psicanálise é uma disciplina sujeita à verificação experimental. Os trabalhos mais estimulantes, nessa linha de pesquisa, foram realizados por K. Pribram 7, que estabeleceu não só que o Projeto é um sofisticado modelo neurofisiológico que compete com os outros vigentes atualmente, como também sustenta que toda metapsicologia posterior de Freud está assentada implicitamente nesse modelo: Acreditamos ainda que a metapsicologia subseqüente só ostensivamente é psicológica, mas, de fato, é neuropsicologia, quando a neurologia se tornou implícita em contraste com seu enunciado explícito no Projeto. 123 (5) Rapaport, D. A Estrutura da Teoria Psicanalítica, SP, Perspectiva. (6) Alexander, F. Fundamentos de Psicanálise, Rio, Zahar, p. 33. (7) Pribram, K. "The Neuropsychology of S. Freud", in Experimental Foundations in Clinical Psychology, N. York, Basic Books, 1962, pp , e Pribram, K. e Gill M., O Projeto de Freud, uma Reavaliação, SP, Cultrix (as citações a seguir referem-se ao último desses textos).

6 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO Se é verdade que "as idéias do Projeto nunca foram abandonadas por Freud", então haveria uma perfeita continuidade em sua linha de pensamento e ele teria permanecido fiel à orientação científico-natural aprendida com os helmholtzianos, dos quais teria recebido "os pressupostos filosóficos do princípio de determinação e de um materialismo biofisicalista" 8. É preciso abandonar de vez essa tendência que insiste em postular uma pretensa cesura entre o Projeto e a Traumdeutung e, por conseqüência, com toda obra posterior. De fato, o Projeto já contém também a mesma teoria psicológica que a que foi publicada no capítulo VII da Interpretação dos Sonhos. Para os nossos propósitos esta caracterização dessa posição já é suficiente. Não é preciso muita reflexão para se perceber que afirmar que a obra de Freud é do domínio da neurobiologia exclusivamente, inclusive depois da Traumdeutung, constitui um abuso manifesto. Quanto aos que defendem a posição mais nuançada, dizendo que a inspiração inicial de Freud foi neurobiológica (caso de Pribram), mas que depois esse modelo degenerou-se em metáfora, acabam caindo na posição incômoda de sustentar que o texto verdadeiro nunca foi acabado nem publicado e que toda obra publicada nada mais é que um disfarce. Sulloway 9 levou essa posição aos extremos e acaba afirmando que Freud foi um criptobiologista. Convenhamos: é levar as coisas longe demais. O leitor não deixa de se lembrar de uma obra bem conhecida e construir um título similar: Freud, le Psychologue au Masque! (8) Paes de Barros, C. "Contribuição à Controvérsia o Ponto de Vista Econômico", in Psicanálise: Problemas Metodológicos, Rio, Vozes, p. 43. (9) Sulloway, F. Freud, Biologiste de l'esprit, Paris, Lafont. Voltemos a Binswanger e passemos à "outra margem do rio". Se sua denúncia do mecanicismo era, em linhas gerais, correta, ela, no entanto, não fornecia uma visão completa das características principais da psicanálise. E é relativamente simples perceber onde está essa falha: se, de um lado, é verdade que Freud usa o arsenal linguístico e conceitual do positivismo, não se deve esquecer que, de outro lado, a psicanálise se revela como uma pesquisa do sentido, uma busca constante das significações ocultas, o que se torna claro no diálogo analítico, onde uma profusão de sentidos velados prolifera de um lado e é decifrada de outro. Decifração e interpretação constituem o essencial desse trabalho. Foi J. Hyppolite, numa série de textos dedicados, a Freud 10, quem primeiro 11 conferiu atenção a essa faceta do discurso psicanalítico e que tentou mostrar que é aí que se encontra o núcleo da psicanálise: ) Freud nos apresenta um funcionamento do espírito que elabora o sentido, uma natureza onde jorra a significação; 2) que essa signifi- (10) Hyppolite, J. Figures de la Pensée Philosophique, Paris, PUF, vol.i, pp (11) Seria bom, no entanto, não esquecer o trabalho de Politzer, publicado nos anos 20 e que já defende idéias similares, numa ótica diferente.

7 NOVOS ESTUDOS N o 20 - MARÇO DE 1988 cação aparece sobretudo no diálogo, aquele do psicanalista e do psicanalisado (linguagem e fala). A psicanálise nos introduz nesse domínio onde o sentido é desconhecido para o próprio sujeito, onde ele desconhece as significações que produz e a explicação compreensiva tem por objetivo suturar essa cesura entre o significante e o significado, cesura que é o efeito do fato da consciência estar "cortada radicalmente de seu sentido". O cerne da psicanálise estaria nesse trabalho de exegese através da idéia de uma totalidade significativa que deve ser recuperada. Mas, ao lado disso, nos avisa Hyppolite, não deixa de ser decepcionante que de uma maneira um tanto quanto inexplicável, acoplada a essa pesquisa do sentido, subsista esse mecanicismo: "há um contraste evidente entre a linguagem positivista de Freud... e o caráter de busca e de descoberta. Contraste entre método (fecundo) e doutrina (esterilizante)" 12 que faz com que Hyppolite leia o discurso psicanalítico como algo cindido entre o "materialismo da energia" e a "análise intencional". Só resta concluir: Freud esteve em busca de uma "verdade pressentida mas jamais definitivamente elaborada". E a nós, contemporâneos, cabe realizar esse passo, através da dialética: "quem não notará que o que falta a Freud, mesmo do ponto de vista de um filósofo da natureza, é uma dialética?" A esta altura o leitor não deixa de ficar, no mínimo, perplexo com as liberdades que o filósofo tomou com relação ao discurso que discute. Primeiro, a cristalização da idéia de uma teoria profundamente cindida e irreconciliável consigo mesma: a prática analítica e sua tradução teórica operada por Freud na metapsicologia. Haveria então dois Freuds: aquele que realiza a análise compreensiva de forma magistral (os Studien..., as cinco grandes psicanálises e, sobretudo, a Traumdeutung, a "obra central") e aquele que traduz canhestramente esses resultados à luz da linguagem positivista, mecanicista e energetista, não percebendo a contradição que isso implica. Freud, de fato, nunca viu a menor contradição entre essas duas operações, o que, tratando-se de quem se trata, é um sinal para que tenhamos mais que prudência nesse domínio e não descartemos com tanta facilidade assim supostas contradições. Segundo, a idéia de uma interpretação filosófica da obra de Freud através de uma dialética. Para quem já leu Freud com atenção é mais que claro que nada é mais alheio ao seu pensamento do que o procedimento dialético, a não ser que se ajunte mais um sentido a esse termo. O procedimento freudiano parece ser de outra natureza, onde as questões são tratadas e retomadas em vários níveis diferentes e a imagem que talvez melhor expresse esse movimento discursivo seja a da espiral. (12) Essa oposição já tinha sido realçada por R. Dalbiez numa obra cujo título é por si só significativo: O Método Psicanalítico e a Doutrina Freudiana. Paris, Desclée de Brower. 125

8 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO Todas essas teses de Hyppolite, no entanto, não vão muito além, em seus próprios textos, de sugestões. Jamais empreendeu uma leitura sistemática da obra de Freud. Uma observação sua, entretanto, estava destinada a servir de fio condutor para esse tipo de trabalho: É que, com efeito, esse pensamento (de Freud) não cessou de evoluir, de se retificar, obcecado pela preocupação única da verdade e o sentimento de um desvelamento das raízes humanas. Podemos, às vezes, indignar-nos com a linguagem positivista do Freud médico, que era aquela de sua época, mas não devemos esquecer a evolução que o conduziu de uma físiologia dinâmica à psicologia. Sem cessar, Freud remanejou seus esquemas, modificou sua linguagem, como em busca de uma verdade pressentida mas jamais definitivamente elaborada. Um princípio ordenador de leitura está dado nessas linhas e um sobrevôo pelo discurso de Freud, no sentido cronológico, parece, em linhas gerais, confirmar essa hipótese, sobretudo nestes três momentos fundamentais de sua obra: o Projeto de 1895, a Traumdeutung (1900) e os textos de Metapsicologia (ao redor de 1915). Quem tentou realizar concretamente essa tarefa foi P. Ricoeur, no seu estudo, hoje clássico (e, talvez, filosoficamente, o mais importante escrito sobre Freud), De L'lnterprétation A posição de Ricoeur é muito mais nuançada que a de Hyppolite e mais respeitosa com relação aos próprios textos. Se existe um problema entre a teoria do sentido e a representação energética nos textos de Freud, não se trata, para Ricoeur, de escolher entre uma e outra, já que isso seria mutilar a teoria na medida em que o "freudismo não existe senão pela recusa dessa alternativa". Mas isso não significa também, aos olhos do autor, que se dê as costas para isso, que aparece como o problema no interior da doutrina, já que "uma explicação naturalista" parece excluir uma compreensão do sentido pelo sentido, na medida em que é difícil "compor uma interpretação do sentido com uma economia de investimentos, de desinvestimentos, de contra-investimentos" Todo o esforço de Ricoeur será o de "ultrapassar o afastamento das duas ordens de discurso". Veremos até onde consegue isso. O estudo de Ricoeur parte da hipótese de um "estado inicial" do sistema onde a tópica psíquica "está divorciada do trabalho de interpretação". Trata-se do texto do Projeto que Ricoeur denomina o "estado não hermenêutico do sistema" e onde a representação mecanicista, em pleno vigor, tudo domina. Basta ler as declarações iniciais do texto, diz Ricoeur, para se convencer disso. E nada mais natural que a interpretação ou a hermenêutica praticamente não exista no texto. Se ela aparece, é de forma incipiente e não afeta a articulação das teses. Será na Interpretação dos Sonhos que assistiremos à inversão dos papéis da explicação e da interpretação. Texto que representa realmente um ponto de ruptura no pensamento freudiano. Mas não de uma ruptura (13) Ricoeur, P. De L'Interpréation..., Paris, Seuil,

9 NOVOS ESTUDOS Nº 20 - MARÇO DE 1988 brusca e total que cindiria com todos os liames anteriores. Apenas um momento essencial, já que depois dele o fundamental estaria realizado e o trabalho posterior será o de harmonizar e tornar coerente uma relação que já está colocada nessa obra central. Que momento essencial é este? Segundo Ricoeur, ele está no fato de que na Traumdeutung acontece uma "transformação radical que afeta as relações entre a explicação tópico-econômica de um lado e a interpretação de outro lado". A interpretação que permanecera "dissimulada" no Projeto fazia com que o trabalho teórico de explicação aparecesse como algo independente dela. Ora, é exatamente ao contrário que nós assistimos na Interpretação dos Sonhos, onde:...a explicação sistemática é reconduzida ao fim de um trabalho efetivo do qual as regras são elaboradas; e ela é expressamente destinada a transcrever graficamente aquilo que se passa no "trabalho do sonho" que não é acessível senão no ou pelo trabalho da interpretação. A interpretação onírica desvelou esse conjunto de processos específicos ou particulares. Ao fazê-lo, faz também com que, de agora em diante, se trate de explicar teoricamente o que a interpretação forneceu, ou, em outros termos, a explicação está subordinada explicitamente à interpretação. Momento crucial, como é fácil de se perceber, pois de agora em diante é a leitura do sentido que comanda a estruturação da teoria. Se Hyppolite via uma duplicidade na obra de Freud, duplicidade dificilmente equacionável ao nível da própria teoria, foi porque não prestou a devida atenção a essa subversão que foi operada ao nível da Traumdeutung, onde o trabalho essencial e original do discurso analítico emerge claramente, como também dirigirá e guiará a montagem da teoria. O problema central está em que o modelo do aparelho psíquico apresentado por Freud, no capítulo VII, é um pouco ambíguo: o "modelo" oscilará entre uma representação real e uma analógica: Essa primeira mudança engendra uma outra, menos visível, mas talvez mais considerável para uma reflexão epistemológica sobre os modelos: o esquema do aparelho psíquico oscilará entre uma representação real, como era a máquina do Projeto... e uma representação figurada como serão os esquemas ulteriores da tópica... Essa última observação de Ricoeur já aponta para o fato de que essa passagem descrita até agora foi feita muito mais em termos ideais do que em termos reais. Se a Traumdeutung realizou essa mudança, isso não se deu de modo que o sonhado equilíbrio fosse alcançado. A razão principal é simples de ser enunciada: sendo o capítulo VII indubitavelmente o herdeiro teórico do Projeto, suas teses principais filiam-se a este e não aos 127

10 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO capítulos I-VI da Traumdeutung, aos quais ele foi apenas adaptado. Daí a razão desse capítulo, segundo Ricoeur, ser "um pouco exterior ao desenvolvimento orgânico da obra". A linguagem energetista e a linguagem do sentido, de fato, ainda não se coordenam. Será, então, na Metapsicologia que essa harmonia será encontrada? É o que afirma Ricoeur: É nos escritos de Metapsicologia (...) que essa problemática atinge seu ponto de maturidade, ao mesmo tempo que as duas exigências do discurso analítico atingem seu ponto de equilíbrio. De fato, o que houve foi uma leitura muito habilidosa da parte de Ricoeur dos textos metapsicológicos. Infelizmente, pouco verossímil. Segundo ele, a originalidade de Freud estaria exatamente em fazer do inconsciente o ponto de junção do sentido e da força e através dessa articulação torna-se possível todo destino "psíquico" do pulsional. Isso explica também a formulação fundamental da psicanálise segundo a qual a pulsão é sempre uma exigência de trabalho: a pulsão é uma pressão. Mas, pelo fato mesmo da pulsão exprimir-se por representações, todas essas pressões, agora, serão transferidas para o destino das "presentações psíquicas". Não é difícil perceber o jogo operado por Ricoeur: assim como Spinoza nos avisava que a idéia de círculo não é circular, o primeiro nos diz que a expressão psíquica da energia não é energética mas do domínio do sentido. A energia está confinada ao campo somático e à psicanálise cabe o trabalho de operar com as concatenações de sentido. Curiosa solução, de fato! Não é nada difícil perceber que toda montagem operada por Ricoeur consistiu em eliminar pura e simplesmente, do plano do psíquico, o econômico. Em outros termos, voltamos às velhas e tradicionais oposições: de um lado, a quantidade, a energia, o jogo cego das forças que só têm direito de cidadania no plano somático, esse reino do mecanicismo; de outro lado, o psíquico, com suas representações, suas articulações e concatenações de sentido, sua intencionalidade e a conseqüente possibilidade de uma leitura e de uma decifração. O leitor não deixa de se espantar frente a essas conclusões. Afinal "tant de bruit" para se perceber, afinal, que Freud é um velho e empedernido cartesiano e que sua pulsão é a mais recente versão da famosa glândula pineal? Percebe-se também como o problema foi silenciosamente escamoteado. Ponto de partida de Ricoeur: o freudismo recusa-se a existir na forma de uma leitura do psíquico que penda exclusivamente seja para o econômico seja para a leitura do sentido, na sua tentativa de esclarecer o psíquico. Ponto de chegada: no plano do psíquico só serão legítimas as leituras e interpretações de sentido, tudo o mais ficando confinado ao somático. Em suma, toda problemática específica do freudismo (como conceber um aparelho psíquico que é atravessado por forças; como ele as recebe, 128

11 NOVOS ESTUDOS N o 20 - MARCO DE 1988 transforma e desloca; como, por fim, entender o conceito de "energia psíquica" etc.) foi habilmente posta de lado. Por último, há o desagradável problema dos afetos, que freqüentemente existem independentemente das representações (essa foi uma das grandes descobertas de Freud) e que só podem ser concebidos do ponto de vista econômico. Ricoeur reconhece o problema:... tudo iria bem se nós pudéssemos assimilar simplesmente as expressões psíquicas (Repräsentanz) às representações (Vorstellungen), isto é, às idéias de alguma coisa. Ora, as representações não são senão uma categoria de expressões psíquicas e nós fingimos ignorar que existe uma outra categoria, a dos afetos. De fato, aqui as coisas se complicam ao extremo e todos os esforços de Ricoeur para resolver o problema só fazem distorcer o pensamento de Freud, e o diabo, tão habilmente enxotado pela porta da frente, reapareceu utilizando a dos fundos. É o que reconhece o próprio Ricoeur: A teoria do inconsciente parece ter pendido para o lado de uma econômica pura; não é mais o destino da representação, numa história do sentido, que conduz o jogo, a representação parece não ser mais que o ponto de ancoragem dos verdadeiros processos que são de ordem econômica... O restante das considerações de Ricoeur consiste apenas na reiteração de seus dois pressupostos principais: a energia é inimiga mortal do sentido e o afeto é impensável sem uma representação. Quer dizer, exatamente o contrário do que Freud dizia. Como o leitor pode observar, essas leituras de Freud (e tomamos apenas aquelas que reputamos as mais sérias) redundaram em fracassos sucessivos. Qual a razão disso? Por que leituras tão díspares como as de Pribram e Ricoeur, por exemplo, que partem de pontos de vista tão diferentes, acabam caindo no mesmo erro: deformar sistematicamente o pensamento de Freud? A razão não está tão longe quanto poderíamos pensar. Se observarmos bem, há um ponto em comum que liga todas essas leituras: a tentativa obstinada de se ler um discurso através de redes significativas e de critérios que são estranhos a esse próprio discurso. Quer a leitura seja "materialista", "fenomenológica", "existencial" etc., o que se fez sempre foi aplicar ou tentar aplicar os esquemas de um sistema filosófico alheio ao discurso em questão. E a conseqüência foi sempre a mesma: a deformação regular desse discurso. Há alguns anos Desanti 14, provavelmente inspirado numa bela página de Bachelard 15, mostrava claramente, através de uma série de exemplos, que toda tentativa de se ler o discurso matemático à luz de um sistema filosófico só pode redundar numa grave distorção do primeiro. Essa integração tem esse preço pelo menos no caso de discursos filosóficos que 129 (14) Desanti, J.-T. La Philosophie Silencieuse, Paris, Seuil. (15) Bachelard, G. La Philosophie du Non, Paris, PUF, pp. 1-2.

12 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO se colocam como produtores de suas próprias normas (o que não é o caso nem de um Aristóteles nem de um A. Comte, por exemplo): Cette intégration, nous venons de le vérifier, ne peut être effectuée sans transpositions ni distortions. Le texte intégré est amputé et alteré dès qu'il est reproduit dans un enchainement de contextes qui lui demeurent étrangers. Mas não é preciso ir tão longe, nas esferas das matemáticas. Já vimos que na psicanálise o mesmo tem acontecido. Bento Prado, num belíssimo artigo 16 sobre a leitura que Habermas faz da psicanálise, chega às mesmas conclusões e mostra as deformações que este último realiza com o pensamento freudiano. E isso tudo nos conduz a algumas constatações que, dado o esgotamento desse tipo de leitura acima assinalado, começaram a ser postas em prática. Em primeiro lugar, é preciso elaborar uma leitura interna do discurso psicanalítico, examinar seus contornos próprios, suas linhas de projeção, a articulação das teses entre si, o modo de validação etc. etc. Se existe uma filosofia ou uma ontologia implícita no discurso freudiano, só esse tipo de trabalho poderá um dia esclarecer, trabalho que já foi realizado com relação ao marxismo, por exemplo. Em segundo lugar, é preciso, no sentido bachelardiano, para que isso seja possível, abandonar esses hábitos inveterados, essas resistências e essas viscosidades intelectuais que nos levam insensivelmente a pensar certas ordens como eternas. Se conseguirmos abandonar esses prejuízos talvez comecemos a compreender, por exemplo, que sentido e força só são incompatíveis de acordo com uma determinada idéia que recebemos tanto do psíquico como do somático e que, se Freud transitava tão despreocupadamente entre esses domínios, isso é muito mais um indício de que não se está trabalhando com as idéias tradicionais do que outra coisa. (16) Prado, Bento "Autoreflexão ou Interpretação sem Sujeito?...", in Alguns Ensaios, SP, Max Limonad. III De qualquer forma, esse processo de saturação e exaustão provocou uma reviravolta total, que se delineou através de uma nova atitude 17, que acabou por colocar as questões em outros termos e sobretudo possibilitou o começo de uma leitura atenta e rigorosa dos textos. Esse movimento começa agora a produzir seus primeiros frutos e o pensamento de Freud começa a emergir na sua originalidade e especificidade próprias. Vejamos. Iniciou-se 18 um trabalho fundamental em qualquer campo teórico de depuração, elucidação, clarificação e precisão dos conceitos psicanalíticos. Lacan contribuiu muito para isso e o Vocabulaire de la Psychanalyse, de Laplanche e Pontalis, fixou um léxico básico da psicanálise. Trabalho fundamental, pois, desde então, inumeráveis confusões terminoló- (17) Esse processo, que descrevemos historicamente, aparece também no interior de certos sistemas como o de Malebranche, por exemplo, como mostrou M. Guéroult, In Malebranche, Paris, Aubier Montaigne, vol. III, cap. X. (18) A ordem que estamos adotando aqui é puramente didática. 130

13 NOVOS ESTUDOS N o 20 - MARÇO DE 1988 gicas e conceituais foram afastadas, possibilitando assim que as discussões se colocassem no seu verdadeiro lugar. Tentou-se também mas aqui o trabalho é muito mais delicado e difícil abordar o problema da gênese ou da genealogia de certos conceitos e certas entidades psicanalíticas. Como, por exemplo, da noção médica de "trauma", cujo referencial é somático ("traumatismo craniano", por exemplo), pode-se passar a essa noção apenas aparentemente clara de "traumatismo psíquico"? Qual o conjunto de homologias e deslocamentos que foi necessário para que essa passagem fosse operada? E, sobretudo, o que a legitima? Noções como esta formigam na teoria psicanalítica ("sublimação", "condensação", "deslocamento", "trabalho"). É natural que uma ciência nascente tome emprestado às ciências já existentes parte de seu vocabulário, mas é necessário que esse processo se legitime de alguma maneira, se não estaremos apenas frente a belas metáforas e nada mais. A tentativa mais séria e mais profunda de se enfrentar esse problema foi a de J. Laplanche no seu texto Dérivation des Entités Psychanalitiques 19, tentativa no entanto que é apenas o começo de um longo caminho a percorrer. Está se realizando uma leitura atenta e rigorosa dos textos de Freud, de sua significação e de suas implicações. Leituras diversas, mas não necessariamente divergentes, que vão desde uma leitura estritamente textual ao modelo da leitura guéroultiana em história da filosofia, como é o caso das Problématiques de Laplanche 20, passando por análises mais específicas, como é, por exemplo, o caso da bela análise da noção de afeto na obra de Freud realizada por A. Green 21, até a leituras mais interpretativas, como as de P. Aulagnier em A Violência da Interpretação e Os Destinos do Prazer. Estes são apenas alguns exemplos. Haveria muitos outros a dar. O importante é que, pela primeira vez, procura-se ao contrário do que acontecia anteriormente, como vimos realizar uma leitura de Freud sem nenhum esquema, sem nenhuma "grade" prévia de leitura. Leitura atenta e rigorosa, como dissemos, mas que, exatamente por não ter nenhum parti-pris, não mascara nem maquia os problemas internos do discurso freudiano. Ao contrário, coloca-os a nu e até mesmo os aguça ao máximo. E, muitas vezes, levando uma contradição ao seu extremo, acaba-se por perceber que ela não era nada contraditória mas necessitava apenas de uma explicitação radical. Tal é o caso da "pulsão de morte", conceito que causa até hoje alergia na maioria dos psicanalistas e dos filósofos e que, no entanto, é uma exigência interna e fundamental do discurso freudiano, como mostrou J. Laplanche. Foi somente a partir das últimas décadas que começamos a tomar consciência dos verdadeiros problemas que atravessam a leitura de Freud, problemas, às vezes, com que nem sequer sonhávamos. Procurou-se delimitar o conjunto das regras e dos procedimentos que regulam a constituição do campo analítico. Trabalho de clarificação do método. Ele consiste então na explicitação do conjunto dos postulados e das práticas. Quer dizer, visa esclarecer como essa disciplina traba- 131 (19) In Hommage à J. Hyppolyte, Paris, PUF, pp (20) Laplanche, J. Problématiques, Paris, PUF, 5 vol. publicados. (21) Green, A. Le Discours Vivant, Paris, PUF.

14 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO lha. O problema aqui consiste no seguinte: dadas certas regras num determinado campo, como então compreendê-las no seu agir e no seu funcionar? Os trabalhos de Viderman 22 na França e de F. Hermann entre nós 23 realizaram uma investigação precisa e rica em conseqüências, retirando, sobretudo, essa problemática dos domínios de uma fenomenologia debilmente erotizada, lugar onde, infelizmente, situava-se, freqüentemente, o tratamento dessa questão, que acabava reduzida, como dizia Lacan, a um esfrega-esfrega psíquico do eu e do outro. Tem-se procurado também realizar uma leitura epistemológica da psicanálise. Aqui, no entanto, são necessárias algumas explicitações, mesmo que rápidas e, talvez, para alguns, óbvias. Já vimos que a tentativa de se ler a psicanálise através de um sistema filosófico não tem dado resultado positivo algum e, ao que tudo indica, nunca dará, dada a natureza da intersecção considerada. O trabalho da filosofia com relação à psicanálise (e, em geral, com relação às disciplinas que costumamos denominar "ciências humanas") parece exigir algo de outra ordem. Ele está muito mais ligado ao que costumeiramente denominamos "filosofia das ciências" ou "epistemologia". Ainda aqui, no entanto, uma distinção terminológica e conceitual se impõe, para que se evitem confusões indesejáveis. Na realidade, em filosofia, existem dois projetos razoavelmente distintos, embora os confundamos costumeiramente. Usamos indistintamente as expressões "filosofia das ciências" e "epistemologia das ciências". A questão de nomes é puramente convencional. O que me interessa é demarcar uma certa distinção conceitual que implicará distinguir dois tipos de atividades, o que terá como conseqüência distinguirmos essas duas expressões, já que não vemos necessidade de ficar inventando termos novos. Se essa distinção nominal é, em si, convencional, ela já não o é tanto do ponto de vista histórico, através do qual nos acostumamos a denominar filosofia da ciência a um certo tipo de atividade que, além de investigações metodológicas, procura saber se os resultados e os juízos de uma determinada disciplina estão de acordo com um determinado critério de verdade freqüentemente, mas não necessariamente, clássico. No caso positivo, estamos frente a uma disciplina científica, se não estaremos diante de uma pseudociência ou de um saber no sentido frouxo do termo. Todo o problema está em que esse tipo de procedimento é muito limitado e as diferentes ciências dificilmente se amoldam a critérios externos, como é o caso, na ciência contemporânea, de ciências consideradas canônicas, como é o caso da física, como mostrou muito bem a obra epistemológica de G. Bachelard. Na verdade, esse procedimento funciona bem para disciplinas constituídas segundo um certo modelo, o que, modernamente, tornase cada vez mais raro. Não está em nossos propósitos negar o direito de quem quer que seja de utilizar tais procedimentos, mas sim o de se interditar o uso de outros. 132 (22) Viderman, S. La Construction de l'espace Analityque, Paris, Denoel. (23) Hermann, F. Os Andaimes do Real, SP, E.P.U.

15 NOVOS ESTUDOS Nº 20 - MARÇO DE 1988 A epistemologia de uma determinada disciplina que se quer ciência pretende algo um pouco diferente. Embora ela pretenda também investigar os modos de procedimento de uma disciplina, ela não se reduz a isso e sobretudo sua intenção não é de instaurar um tribunal onde as diferentes disciplinas irão humildemente depositar seus "títulos de direito" para serem julgados segundo regras predeterminadas. Ela parte de um outro ponto de vista, que no caso da psicanálise (e das ciências humanas, em geral) tem-se revelado bem mais frutífero. Em primeiro lugar, ela parte da idéia de que cada domínio científico tem seu contorno e sua especificidade própria e que é inútil tentar instaurar um ideal unitário de ciência. Em segundo lugar, ela procura, no interior de cada discurso, conferir-lhe o "estatuto de um texto" (Lébrun) e tratá-lo como uma rede ou um tecido de significações que vale a pena ser comentado e explicitado. Em terceiro lugar, a partir dessa análise interna, ela procurará examinar e estabelecer o conjunto dos critérios próprios e específicos de validação da disciplina em questão e qual o critério e a idéia de verdade que daí brota. Percebe-se facilmente a diferença entre uma filosofia da ciência e uma epistemologia: a primeira procura impor de fora, como uma camisa-de-força, certos critérios que julga válidos para toda disciplina que se queira científica, a segunda parte de uma leitura e de um trabalho interno, procurando explicitar em cada caso quais são os critérios e o regime de validação. A pergunta que ela se coloca não é: a psicanálise é uma ciência? Mas esta outra: que tipo de cientificidade nos traz o discurso psicanalítico? E, a partir daí, nossa idéia de ciência deve ser reformulada ou não? Sob essa orientação, uma série de pesquisas vem sendo elaborada nos domínios da psicanálise, e certas questões têm sido satisfatoriamente resolvidas ou, pelo menos, bem melhor colocadas. Além dos trabalhos de Laplanche, acima citados (que, é bom não esquecer, teve sua formação em filosofia), certos textos de Viderman 24, de Green 25 vão claramente nessa linha. Assoun tem se dedicado a esse trabalho há algum tempo 26, embora seus resultados deixem a desejar. No Brasil, uma série de trabalhos já foi desenvolvida ou está em fase de desenvolvimento. Foi abordado um problema que embaraçava particularmente toda leitura de Freud: a questão de certos cortes ou viragens mais ou menos radicais que se imputavam ao discurso freudiano. Só para citar um exemplo, talvez o mais conhecido, pense-se na famosa "viragem" dos anos 20 (introdução da pulsão de morte; constituição de uma nova tópica do aparelho psíquico). Esses e outros problemas foram analisados e chegou-se à conclusão de que o que na maioria das vezes denomina-se mudança ou corte no pensamento de Freud não passa de um efeito de superfície e que o discurso freudiano é muito mais homogêneo do que se pensa comumente. O que é denominado "pulsão de morte" nos anos 20 é, na verdade, uma exigência interna do discurso desde o início. Mezan 27 reconstruiu com profundidade as nervuras centrais do pensamento de Freud, através da noção-chave de defesa. Outros pesquisadores, notadamente Osmyr Faria Gabbi Jr., voltaram-se para a pré- (24) Sobretudo o último capítulo de seu livro Le Celeste et le Sublunaire, PUF. (25) Por exemplo, seu artigo: "De L'esquisse à 1'Interpretation des Rêves: Coupure et Clôture", in Nouvelle Revue de Psychanalyse Nº 5, pp , Paris, Gallimard. (26) Assoun, P-L., Freud, a Filosofia e os Filósofos, Rio, Francisco Alves; Freud et Nietzsche, Paris, PUF; Introduction à l'épistémologie Freudienne, Paris, Payot. (27) Mezan, R. Freud - a Trama dos Conceitos, SP, Perspectiva. 133

16 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO história do pensamento freudiano, desmentindo Bachelard, que não aceitava a idéia de que em ciência o primitivo é o fundamental 28, mostrando a importância de textos como A Concepção da Afasia e, num trabalho mais extenso, a importância do "Projeto" na constituição da teoria psicanalítica. Os trabalhos de Garcia-Roza 29 poderiam ser colocados na mesma linha, assim como alguns artigos de Bento Prado 30, que, além de sua pertinência, como mostramos acima, são extremamente ricos em sugestões. Estes são apenas alguns exemplos. Haveria outros a dar. Como o leitor pode facilmente constatar, estamos numa fase ao mesmo tempo fecunda em termos de produção mas ainda relativamente pobre em termos de conclusões. Mas afastemos a tentação de sínteses e generalizações apressadas. Foram necessários quase sessenta anos para aprendermos como não se deve ler Freud. Temos muito pouco tempo de trabalho e muitos problemas. De qualquer maneira, agora já deve ter ficado claro para o leitor que há duas maneiras distintas do discurso filosófico relacionar-se com o discurso psicanalítico. A primeira, que até hoje só deu resultados negativos e, ao que tudo indica, sempre dará, que é a tentativa de se ler esse discurso através da rede de um sistema filosófico. A outra consiste na constituição de uma epistemologia da psicanálise, no sentido definido acima, e que tem se revelado frutífera e promissora. (28) Bachelard, G. L'Activité Rationaliste de la Physique Contemporaine, Paris, PUF, 1965, pp (29) Garcia-Roza, L.A. Freud e o Inconsciente, Rio, Zahar; Acaso e Repetição em Psicanálise, Rio, Zahar. (30) Prado Jr, Bento. Alguns Ensaios, SP, Max Limonad. IV Muito pouco tempo de trabalho e muitos problemas, dizíamos há pouco. Problemas que ainda nem sequer sonhamos como resolver. O principal deles, parece-me, é exatamente aquele que tanto atrapalhava as leituras de um Hyppolite e um Ricoeur, problema interno da estrutura da teoria psicanalítica. Com efeito, se o leitor acompanhou bem o tom e o teor das leituras que apontamos acima, não pode deixar de ter percebido que toda problemática que atravessa a leitura de Freud, ou melhor, todo trabalho que tenta dar coerência ao discurso freudiano esbarra na tentativa de conciliar um discurso do sentido que coabita com um discurso energético. E, uma hora ou outra, acaba-se por optar por um dos lados. Além das leituras que já mencionamos, essa também é uma das falhas básicas da leitura lacaniana, que, segundo Green, evacua o energético/afetivo do discurso psicanalítico. Tudo indica, de fato, que temos uma enorme dificuldade em compreender um discurso que situe o sentido no campo da força e viceversa. E não é de se espantar: queiramos ou não, somos mais cartesianos do que pensamos. Esse impasse (que redutivamente falando diria: ou explica-se por conexões de sentido ou por conexões de força, mas ambas são inconciliáveis) assemelha-se muito àquele que tumultuou a física des- 134

17 NOVOS ESTUDOS N o 20 - MARÇO DE 1988 de os anos 20, onde a possibilidade de uma explicação corpuscular e ondulatória de certos fenômemos era um fato. Esse impasse foi muito bem discutido na obra de G. Bachelard, sobretudo no Novo Espírito Científico. E a lição bachelardiana, quando, para sair desse impasse, tenta pensar uma "epistemologia não cartesiana", pode ser útil para esse dilema que a psicanálise atravessa. É preciso, diz Bachelard, conviver com a experiência e respeitá-la, e, se necessário, mudar frente a ela: Os conceitos e os métodos, tudo é função do domínio da experiência; todo pensamento científico deve mudar ante uma experiência nova 31. O problema está exatamente em o que mudar e como mudar. Atualmente antevemos muito mal isso. Tudo parece indicar que é preciso construir uma nova teoria do sentido desvinculada de suas cumplicidades com o primado da consciência, assim como uma teoria da força que não a pense no campo da pura opacidade. Num certo sentido isso já está esboçado em Freud, que, infelizmente, dedicou pouca atenção a essa questão. Existe ainda uma outra série de problemas que atravessa a teoria psicanalítica e que ainda não está bem solucionada. Dados os limites deste texto, vou apenas enumerar alguns. O primeiro é o do papel dos fatores externos ou internos na causação dos fenômenos psíquicos. Freud oscilou durante toda sua obra sobre essa questão. Inicialmente deu importância à etiologia externa. Depois, abandonou-a, adotando a posição contrária. Mas nunca esteve satisfeito com essa solução. Basta ler a história clínica do homem dos lobos. A aparente irracional insistência de Freud na influência da filogênese sobre a ontogênese e seu lamarckismo ultrapassado estão estreitamente ligados a esse problema. Dois outros problemas (esses de ordem diferente, pois trata-se de questões não desenvolvidas) são o da gênese do aparelho cognitivo em Freud e o problema da sociabilidade. Com relação ao primeiro, Freud deixou inúmeras pistas sobre a questão, mas jamais as desenvolveu. Rapaport 32 realizou um ensaio sobre o problema, mas ele deixa muito a desejar. A outra questão difícil de se tratar no âmbito psicanalítico é a da sociabilidade e da cultura. Tomemos o primeiro, à guisa de exemplo. Existem, sem a menor sombra de dúvida, em Freud, uma teoria dos fatores de hominização, uma teoria sobre a gênese histórica da sociabilidade (herdeira direta de Epicuro e Hobbes) e uma teoria sobre os fatores determinantes, do ponto de vista psíquico, dessa mesma sociabilidade. Essas teorias, de seus respectivos pontos de vista são completas, mas seguramente insuficientes para a constituição de uma teoria geral da sociabilidade. O livro de E. Enriquez (De la Horde à 1'État, Paris, Gallimard) é a prova mais recente disso. Freud nunca pensou que suas contribuições, nesse campo, fossem definitivas e esgotassem o assunto. Nas Novas Conferências... é mais que claro: afirma que os dois determinantes principais na constituição do 135 (31) Bachelard, G. O Novo Espírito Científico. Rio, Tempo Brasileiro, p (32) "Sobre a Teoria Psicoanalítica del Pensar", in Gill, M. e Rapaport, D., Aportaciones a la Teoria Y Técnica Psicoanalítica. Pax México, 1962.

18 DISCURSO FILOSÓFICO E DISCURSO PSICANALÍTICO ser humano são o trabalho e a libido e que a psicanálise apenas cuidou deste último fator. A aproximação com o marxismo aqui é inevitável. A impressão que sempre fica é a de que uma teoria tem o que falta à outra e que sua união constituiria a teoria dos três apetites fundamentais do ser humano, segundo Platão (Leis, VI). Curiosamente, todas as tentativas nessa linha foram um fracasso completo. Recentemente temos os trabalhos de Lorenzer, mas é muito cedo para avaliá-los. Em todo caso, para que isso seja possível, é necessário que o postulado de M. Bakthin, enunciado na década de 20, exatamente quando examinava a teoria freudiana à luz do marxismo, seja falso. Ele dizia 33 que uma teoria não deve nunca ser traduzida na língua de uma outra. Só no caso inverso é que podemos pensar na possibilidade de que essas diferentes epistemologias regionais, no domínio das ciências humanas, possam um dia nos levar à constituição de uma Antropologia fundamental. Mas como isso seria possível, objetar-se-á, quando se parte da idéia de que cada disciplina tem sua especificidade própria e que toda epistemologia deve ser regional? Sim, mas não transformemos uma estratégia metodológica que tem se revelado frutífera num princípio atemporal. Não caiamos, sobretudo, no erro simétrico e inverso da posição que denunciamos. Se é preciso reconhecer que, hoje, vivemos sob o signo da dispersão, isso não significa erigir fatos em princípios. A história das idéias já nos pregou um número suficiente de peças para que o espírito deixe de ser menos arrogante e passe a ser mais humilde. Quanto à psicanálise, para finalizar, o que ela nos revela? Como vimos, muito mais um conjunto de interrogações do que de respostas. Um último exemplo, talvez o mais significativo e importante, para ilustrar o quanto estamos tateando. Quem estudou seriamente a obra de Freud sabe perfeitamente que o conceito, ou melhor, a concepção de sujeito sofreu, nas suas mãos, uma transformação de monta. Mas o que significou isso? Destronamento do cogito e de seus privilégios? Em certa medida, sim. Ponto final e definitivo nas "filosofias da consciência"? Problemático, já que o próprio Freud afirmava que a consciência é o nosso único farol nas trevas da psicologia profunda. Isso sem falar no famoso adágio: Wo es war, soll ich werden. Descentramento radical do sujeito e determinação pela instância do "outro"? Com certeza, sim. Mas o que significa exatamente isso? Qual o sentido dessa transformação e quais as suas conseqüências? A bem da verdade, ainda não sabemos direito, e é por isso que, entre muitas outras razões, amemos Freud ou não, sua leitura nos é obrigatória e indispensável. (33) In Le Freudisme, Paris, L Âge de l'homme, p Luiz Roberto Monzani é professor do Departamento de Filosofia da Unicamp. Novos Estudos CEBRAP N o 20, março de 1988 pp

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

A Teoria de Campo Gestalt

A Teoria de Campo Gestalt A Teoria de Campo Gestalt MARIA APPARECIDA MAMEDE NEVES A Teoria de Campo Gestalt foi inicialmente desenvolvida de modo formal no início da década de 20, pelo filósofo e psicólogo alemão Max Wertheimer

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

De uma prática. Samyra Assad 1

De uma prática. Samyra Assad 1 1 De uma prática Samyra Assad 1 INTRODUÇÃO Em primeiro lugar, recebi, há cerca de três anos atrás, e não sem surpresa, um convite para trabalhar no CRP- 04, sob a égide do tema de sua gestão: Cuidar da

Leia mais

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris:

DE 06/01/82, DO FOUCAULT. Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège de France. 1981-1982. Paris: 1 RESUMO DA DA 1ª. E 2ª. H. HORAS DA AULA DE DE 06/01/82, DO DO CURSO A HERMENÊUTICA DO SUJEITO, DE MICHEL FOUCAULT Resumo feito por: Fábio Belo Edição utilizada: L heméneutique du sujet. Cours au Collège

Leia mais

HEIDEGGER: UMA NOVA CONCEPÇÃO PSÍQUICA DO SER

HEIDEGGER: UMA NOVA CONCEPÇÃO PSÍQUICA DO SER HEIDEGGER: UMA NOVA CONCEPÇÃO PSÍQUICA DO SER Fabrício Ramos de Oliveira Orientador: Prof. Dr. Éder Soares Santos RESUMO Heidegger nos Seminários de Zollikon relata a necessidade de uma ciência da psique

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas.

Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas. Considerações sobre As Formas Elementares da Vida Religiosa, de Émile Durkheim: contribuições e polêmicas. Prof. Dr. Edimilson Antonio Bizelli PUC-SP I - Introdução. Este artigo não tem a pretensão de

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5 O aparelho psíquico: memória, satisfação e desejo Lilany Vieira Pacheco Como anunciado na Agenda, esta é a vigésima quarta edição das Lições Introdutórias, agora com nova dupla de coordenadores. O nome

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO 1 AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO Blandina Mara de Lima Freitas* marafreitas@msn.com ÁREA SOBRE A QUAL VERSA O ARTIGO: Teoria Geral do Direito; Introdução ao Estudo do Direito; Ciência Política; Sociologia

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 1 INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise da relação entre indivíduo e sociedade na obra durkheimiana.

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 A terra da verdade é uma ilha, rodeada por um oceano largo e tormentoso, a região da ilusão; onde muitos nevoeiros, muitos icebergs, parecem ao

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO

SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO SOBRE OBSTÁCULOS E ERROS: A CONTRIBUIÇÃO DE BACHELARD PARA PENSAR O PAPEL DO PROFESSOR NO PROCESSO PEDAGÓGICO Aurélia Lopes Gomes [1] Paula Rosane Vieira Guimarães 1 RESUMO: Este trabalho visa oferecer

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

Em filosofia, como em política, sem crítica não há retificação (L. Althusser, A filosofia como arma da revolução)

Em filosofia, como em política, sem crítica não há retificação (L. Althusser, A filosofia como arma da revolução) SÓ HÁ CAUSA DAQUILO QUE FALHA Nina Virginia de Araújo LEITE Instituto de Estudos da Linguagem/UNICAMP Escola de Psicanálise de Campinas Em filosofia, como em política, sem crítica não há retificação (L.

Leia mais

A imagem-câmera. Fernando Weller 1 RESENHA. RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012.

A imagem-câmera. Fernando Weller 1 RESENHA. RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012. A imagem-câmera Fernando Weller 1 RESENHA RAMOS, Fernão. A imagem-câmera. Campinas: Papirus, 2012. 1. Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco, roteirista e realizador. Email: ferwel@yahoo.com.br

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento

DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Tema: 3 DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento Perla Klautau

Leia mais

O Ser na Psicanálise Existencial

O Ser na Psicanálise Existencial O Ser na Psicanálise Existencial Paulo Roberto de Oliveira Resumo: Pretendemos abordar a questão do ser, pois, entendemos que a reflexão sobre o humanismo ou pós-humanismo passa por uma análise ontológica.

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa;

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa; Setor de Estudos: Fundamentos Teóricos Metodológicos da Psicologia 1. Conhecimentos popular, filosófico, religioso, artístico e científico: relações, construções, dificuldades e desafios do pesquisador;

Leia mais

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada 177 Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada Edgard Vinícius Cacho Zanette * RESUMO Em Descartes, a ligação entre res cogitans e ser sujeito é complexa. A referência a

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Vera Lúcia Lúcio Petronzelli Colegiado do Curso de Matemática UNIOESTE- Campus de Cascavel vlpetronzelli@certto.com.br ALFABETIZAÇÃO e EDUCAÇÃO MATEMÁTICA:

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

O Conflito como Sociação 1

O Conflito como Sociação 1 SIMMEL, Georg, O conflito como sociação. (Tradução de Mauro Guilherme Pinheiro Koury). RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 10, n. 30, pp. 568-573. ISSN 1676-8965. http://www.cchla.ufpb.br/rbse/index.html

Leia mais

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO *

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * ANTONIO FLAVIO BARBOSA MOREIRA ** ão é tarefa fácil resumir, de modo simples, claro, preciso e rigoroso, o pensamento de um autor de textos

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

A (in)sustentável possibilidade da tradução

A (in)sustentável possibilidade da tradução A (in)sustentável possibilidade da tradução Débora Racy Soares * Tradução Manifesta: Double Bind e Acontecimento (Campinas, SP: Editora da UNICAMP, São Paulo, SP: EDUSP, 2005) é o livro mais recente de

Leia mais

MICHEL FOUCAULT À PSICOLOGIA

MICHEL FOUCAULT À PSICOLOGIA O ADEUS DE MICHEL FOUCAULT À PSICOLOGIA Marcio Luiz Miotto Doutorado Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Bolsista FAPESP mlmiotto@gmail.com Em 1957 Michel Foucault publica um texto intitulado La

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DO ABORTO: UM ESPAÇO PARA UMA ÉTICA DO FEMININO EM SUBJETIVAÇÃO. 1

LEGALIZAÇÃO DO ABORTO: UM ESPAÇO PARA UMA ÉTICA DO FEMININO EM SUBJETIVAÇÃO. 1 LEGALIZAÇÃO DO ABORTO: UM ESPAÇO PARA UMA ÉTICA DO FEMININO EM SUBJETIVAÇÃO. 1 Paulo Roberto da Costa Ferreira paulo.d.master@bol.com.br Universidade Regional do Cariri - URCA O trabalho o qual agora vos

Leia mais