COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO"

Transcrição

1 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à criação de um mecanismo de vigilância das emissões comunitárias de gases com efeito de estufa e de implementação do Protocolo de Quioto) {SEC(2007)1576} PT PT

2 ÍNDICE 1. RESUMO EVOLUÇÃO REAL ENTRE 1990 e Tendências em termos de emissões de gases com efeito de estufa Emissões e intensidades de GEE per capita em Emissões de gases com efeito de estufa em 2005 em comparação com Tendências em termos de emissões dos principais sectores económicos PROGRESSOS PREVISTOS NA REALIZAÇÃO DO OBJECTIVO DE QUIOTO Projecções por Estados-Membros UE UE UE Países candidatos Execução do Programa Europeu para as Alterações Climáticas (PEAC) Aplicação do regime de comércio de licenças de emissão da UE Primeiro período de comércio de emissões (2005 a 2007) Segundo período de comércio de emissões (2008 a 2012) Utilização da IC e do MDL por parte dos operadores Projecções em termos de utilização dos mecanismos de Quioto pelos poderes públicos Projecções em termos de utilização de sumidouros de carbono PT 2 PT

3 1. RESUMO No âmbito do Protocolo de Quioto, a Comunidade Europeia (CE) comprometeu-se a reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em 8 % em , em relação aos níveis do ano de referência 1. Com base nos últimos dados de inventário disponíveis de , as emissões totais de GEE na UE-15 foram 2% inferiores aos níveis de referência 3, quando se excluem as actividades ligadas ao uso do solo e às alterações do uso do solo e as actividades florestais (USAUSF). Em 2005, verificou-se uma diminuição de 0,8% das emissões de GEE da UE-15 em comparação com 2004, tendo o crescimento da economia da UE-15 sido de 1,6%. As projecções 4 apresentadas na Figura 1 indicam que a Comunidade atingirá o seu objectivo de Quioto desde que os Estados-Membros adoptem e implementem, tão rapidamente quanto possível, as suas políticas e medidas adicionais (para pormenores, ver os quadros 1, 2 e 3 do Anexo). Quanto a este aspecto, foi dado um passo significativo com as recentes decisões relativas aos Planos Nacionais de Atribuição (PNA), no âmbito do regime de comércio de licenças de emissão da UE (ETS), relativos ao período que permitirão uma redução das emissões estimada em 3,4% para a UE-15 e 2,6% para a UE-25 5 em comparação com o ano de referência. Estas estimativas de reduções ainda não são tidas em conta nas projecções Na Decisão 2002/358/CE do Conselho relativa à aprovação, em nome da Comunidade Europeia, do Protocolo de Quioto, os vários compromissos dos Estados-Membros estão expressos como alterações percentuais em relação ao ano de referência. Em 2006, os respectivos níveis de emissões foram expressos em termos de toneladas de equivalente CO 2 na Decisão 2006/944/CE da Comissão. Tendo em conta a Decisão 2002/358/CE do Conselho, o Conselho de Ministros do Ambiente e a Comissão acordaram, numa declaração conjunta, em tomar em consideração, nomeadamente, os pressupostos da declaração da Dinamarca relativa às Conclusões do Conselho de de Junho de 1998, no que se refere às emissões do ano de referência em Em 2006, foi decidido adiar uma decisão sobre esta matéria até depois da análise de todos os relatórios iniciais da Comunidade e dos Estados-Membros no âmbito do Protocolo de Quioto. Ao abrigo da decisão relativa ao mecanismo de vigilância da UE (Decisão 280/2004), todos os Estados-Membros apresentaram inventários de GEE relativos a 2005, com excepção de Malta. Todos ou quase todos os Estados-Membros que apresentaram inventários incluíram quadros de acordo com o modelo de quadros comuns para a apresentação de informações (ou seja, mais de 90%) relativos a Para a UE-15, o ano de referência relativo ao dióxido de carbono, metano e óxido nitroso é 1990; relativamente aos gases fluorados, 12 Estados-Membros escolheram 1995 como o ano de referência, enquanto a Áustria, França e Itália escolheram Dado que o inventário da UE-15 é a soma dos inventários dos Estados-Membros, as estimativas do ano de referência para as emissões de gases fluorados são a soma das emissões de 1995 dos 12 Estados-Membros e das emissões de 1990 da Áustria, França e Itália. As emissões do ano de referência da UE-15 incluem também as emissões decorrentes da desflorestação nos Países Baixos, Portugal e Reino Unido. Com base nos dados apresentados pelos Estados-Membros até 31 de Maio. Devido à recente adesão à UE da Bulgária e da Roménia, as emissões notificadas relativas a 2005 não foram sujeitas a verificação independente. PT 3 PT

4 Figura 1: Emissões reais e projectadas para a UE Emissões do ano de referência Emissões da UE-15 Medidas existentes UE-15 Medidas adicionais UE-15 Objectivo (Quioto) UE-15 Status quo Trajectória linear Mecanismos de Quioto Sumidouros de carbono As projecções indicam que três Estados-Membros da UE-15 Alemanha, Suécia e Reino Unido se encontram actualmente numa via que lhes permitirá atingir os seus objectivos em 2010 apenas com a aplicação das políticas e medidas nacionais existentes. Além disso, as projecções indicam que 8 Estados-Membros atingirão os seus objectivos quando são tidos em conta o efeito dos mecanismos de Quioto, os sumidouros de carbono e as políticas e medidas nacionais adicionais, que já estão a ser debatidas. De acordo com esta análise, a Dinamarca, Itália e Espanha não conseguirão aparentemente atingir os seus objectivos de Quioto. Contudo, é de salientar que esta análise não toma ainda plenamente em consideração o potencial efeito das recentes decisões da Comissão relativas aos PNA para as emissões de Além disso, não inclui o efeito de acções adicionais identificadas recentemente ou em vias de identificação pela maioria destes Estados-Membros com vista a atingir os respectivos objectivos de Quioto 6, 7. Contudo, para serem eficazes, essas medidas devem ser introduzidas rapidamente. Em 2005, as emissões totais de GEE na UE-27 foram 11% inferiores ao nível do ano de referência, excluindo as emissões e as remoções provenientes de actividades USAUSF, e 0,7% inferiores em relação a Em 2005, o crescimento da UE-27 foi de 1,8%. Apesar de as projecções indicarem, para a maioria dos Estados-Membros da UE-12, um aumento das emissões entre 2005 e 2010, as projecções indicam também que 9 dos que têm um objectivo de Quioto, mas não fazem parte da "bolha UE-15", atingirão, ou ultrapassarão mesmo, os seus objectivos de Quioto apenas com políticas e medidas nacionais existentes. A 6 7 De acordo com o PNA da Dinamarca para o período de e com informações adicionais apresentadas à Comissão, a Dinamarca atingirá o seu objectivo através da introdução de novas iniciativas nacionais em matéria de clima e de aquisições estatais de créditos IC/MDL. A Espanha estabeleceu no PNA2 uma estratégia de compromisso que incluiu a identificação de medidas adicionais de redução das emissões a fim de colmatar o fosso existente. Uma parte dessas medidas está incluída num plano de medidas urgentes contra as alterações climáticas que será implementado em PT 4 PT

5 Eslovénia prevê cumprir o seu objectivo de Quioto com políticas e medidas programadas e com a utilização dos mecanismos de Quioto e dos sumidouros de carbono. Na Primavera de 2007, o Conselho Europeu aprovou o compromisso independente da UE de uma redução das emissões de GEE de pelo menos 20% até 2020, em comparação com os níveis de 1990, mesmo que não se obtenha um acordo internacional. A UE estaria preparada para aumentar esta redução para 30%, caso esse acordo fosse efectivamente concretizado. A Figura 2 ilustra o fosso significativo existente entre as projecções dos Estados-Membros para 2020 e os objectivos da UE para 2020, pelo que é necessário que a UE acelere fortemente o ritmo da redução de emissões após 2012, em comparação com o período de 1990 a Tal sublinha a necessidade de a UE e dos seus Estados-Membros adoptarem, tão depressa quanto possível, a legislação necessária para a implementação de todas as novas políticas e medidas identificadas no pacote relativo às alterações climáticas e à energia. A Comissão apresentará propostas até finais de 2007, nomeadamente no que diz respeito à revisão do regime ETS da UE, aos objectivos relativos a energias renováveis, a medidas de redução das emissões para sectores não abrangidos pelo regime ETS da UE, ao quadro regulamentar para a captura e armazenagem geológica de carbono, ao CO 2 e aos automóveis. Figura 2: Emissões reais e projectadas para a UE , , ,00 Mt eq. CO2 3000, , ,00 Emissões da UE-27 Medidas existentes daue-27 Medidas adicionais da UE-27 Projecção para 2020 da UE-27 Projection com cenário de referência Primes-GAINS Objectivo de redução de 20 % até 2020 da UE-27 Objectivo de redução de 30% até 2020 da UE-27 0, Ano 2. EVOLUÇÃO REAL ENTRE 1990 E Tendências em termos de emissões de gases com efeito de estufa A tendência geral das emissões de GEE na CE é dominada pelos dois maiores países emissores, a Alemanha e o Reino Unido, que representam cerca de um terço das emissões totais de GEE da UE-27. Em relação a 1990, estes dois Estados-Membros obtiveram uma redução nas emissões totais de GEE de 340 milhões de toneladas de equivalente CO 2. PT 5 PT

6 As principais razões para a tendência favorável verificada na Alemanha foram as melhorias na eficiência das centrais de produção de electricidade e calor e a reestruturação económica nos cinco novos Länder após a reunificação da Alemanha. A redução das emissões de GEE no Reino Unido deveu-se sobretudo à liberalização dos mercados da energia e à subsequente passagem do petróleo e carvão para o gás como combustível na produção de electricidade, bem como a medidas de redução das emissões de N 2 O provenientes da produção de ácido adípico. A Itália e a França encontram-se em terceiro e quarto lugar em termos de volume de emissões, ambos com uma quota de 11%. Em 2005, as emissões de GEE da Itália foram cerca de 12% superiores aos níveis de Os transportes rodoviários, a produção de electricidade e calor e a refinação de petróleo são os principais factores na origem deste aumento das emissões de GEE da Itália. Em 2005, as emissões da França foram 2% inferiores aos níveis de A França obteve reduções substanciais das emissões de N 2 O provenientes da produção de ácido adípico, mas as emissões de CO 2 provenientes dos transportes rodoviários aumentaram consideravelmente entre 1990 e A Espanha e a Polónia são o quinto e sexto maiores países emissores da UE-27, respectivamente com cerca de 9 % e 8 % das emissões totais de GEE da UE-27. Em Espanha, verificou-se um aumento de 53% nas emissões entre 1990 e Este facto deveu-se largamente ao aumento das emissões provenientes dos transportes rodoviários, da produção de electricidade e calor e das indústrias transformadoras, substancialmente devido a um significativo crescimento da população e ao desenvolvimento económico. No período entre 1990 e 2005, as emissões de GEE da Polónia registaram uma diminuição de 18% (menos 32% em relação ao ano de referência que, no caso da Polónia, é 1988). Os principais factores na origem da redução das emissões na Polónia - tal como noutros Estados-Membros da Europa Oriental - são o declínio da indústria pesada caracterizada por uma baixa eficiência energética e a reestruturação geral da economia em finais da década de 1980 e princípios da década de Os transportes, em especial os transportes rodoviários, constituem a excepção digna de nota, tendo-se registado um aumento das emissões neste sector. Em 2005, 11 Estados-Membros registaram emissões de GEE superiores aos níveis do ano de referência, enquanto nos restantes 14 Estados-Membros se registaram níveis de emissões inferiores aos do ano de referência. As variações percentuais das emissões de GEE entre o ano de referência ou 1990, segundo o caso, e o ano de 2005 oscilaram entre 58 % (Lituânia) e +64% (Chipre) Emissões e intensidades de GEE per capita em 2005 As emissões da UE-27 per capita diminuíram de 11,7% (1,4 toneladas per capita) entre 1990 e 2005, principalmente devido a uma acentuada diminuição no início da década de 1990 (Figura 1 do Anexo). Embora não se tenham verificado alterações nas emissões per capita da UE-27 no período de 2000 a 2005, observou-se uma ligeira diminuição (-1,2%) na UE-15, mas as emissões per capita aumentaram 3,4% na UE-12. Embora as emissões de GEE per capita tendam a convergir, continuam todavia a ser significativamente diferentes. Há um factor de três de diferença entre os Estados-Membros com os níveis mais baixos de emissões per capita (Letónia, Lituânia, Portugal e Suécia) e os Estados-Membros com os níveis mais elevados per capita (Luxemburgo e Estónia). PT 6 PT

7 No que diz respeito à intensidade dos GEE, que reflecte o nível das emissões de GEE produzidas por unidade do PIB, a Figura 3 mostra a dissociação entre as emissões e o crescimento económico observada na UE-27, especialmente a partir de Tal deve-se ao crescimento económico essencialmente dos Estados-Membros da Europa Oriental em finais da década de Na UE-27, a intensidade de GEE entre 1990 e 2005 diminuiu de cerca de 32%. Contudo, as intensidades individuais de GEE das economias dos Estados-Membros podem variar amplamente e são ainda bastante elevadas em alguns deles. Em todos os novos Estados-Membros, com excepção da Letónia, a intensidade absoluta de GEE em 2005 foi superior à média da UE-27. Figura 3: Intensidade de GEE na UE-15 e UE-27, PIB, consumo de energia e emissões de CO 2 na UE Índice (1990=100) Emissões de CO2 PIB Consumo de energia GEE/PIB UE-15 GEE/PIB UE Emissões de gases com efeito de estufa em 2005 em comparação com 2004 Em comparação com 2004, verificou-se em 2005 uma diminuição das emissões de GEE da UE-15 de 0,8%, ou seja 35,2 milhões de toneladas de equivalente CO 2, e da UE-27 de 0,7%, ou seja 37,9 milhões de toneladas. A Alemanha, Finlândia, Países Baixos e Roménia foram os países que mais contribuíram para a redução em 2005, em termos absolutos. A redução das emissões de CO 2 foi de 2,3% ou 23,5 milhões de toneladas de equivalente CO 2 na Alemanha, de 14,6% (11,9 milhões de toneladas) na Finlândia, de 2,9% (6,3 milhões de toneladas) nos Países Baixos e de 4% (6,4 milhões de toneladas) na Roménia. A Bélgica, República Checa, Dinamarca, Eslováquia, Estónia, França, Luxemburgo, Suécia e Reino Unido também registaram reduções nos níveis de emissões. A redução geral das emissões da UE-15 em 2005 deveu-se principalmente ao menor nível de emissões de CO 2 provenientes da produção pública de electricidade e calor, do sector doméstico e dos serviços e dos transportes rodoviários. Verificou-se uma descida de 0,9% nas emissões de CO 2 provenientes da produção pública de electricidade e calor principalmente PT 7 PT

8 devido a uma redução na utilização de carvão. As emissões de CO 2 do sector doméstico e dos serviços diminuíram 1,7%, com descidas substanciais na Alemanha, Reino Unido e Países Baixos. Na Alemanha e Países Baixos, tal poderá dever-se a um Inverno menos rigoroso que o habitual. Tal como em anos anteriores, a Alemanha também conseguiu reduções significativas nas emissões de metano do sector dos resíduos devido a políticas e medidas inovadoras. De salientar que se verificou uma redução de 0,8% nas emissões de CO 2 dos transportes rodoviários na UE-15, principalmente devida a uma redução significativa na Alemanha. Em 2005, entre os Estados-Membros da UE-15 foi a Espanha que registou o maior aumento de emissões em termos absolutos, com um aumento de 3,6% ou 15,4 milhões de toneladas de equivalente CO 2. Tal deveu-se principalmente a um aumento de 17% na produção de electricidade das centrais eléctricas alimentadas a combustíveis fósseis, associado a uma descida de 33% na produção de electricidade das centrais hidroeléctricas devida ao baixo nível dos rios. Entre os Estados-Membros da UE-12, a Polónia registou o maior aumento de emissões em termos absolutos, com um aumento de 0,6% ou 2,3 milhões de toneladas de equivalente CO 2. Este facto deveu-se principalmente a um aumento de 1% nas emissões fugitivas de CH 4 do sector da energia e de aumentos nas emissões de CH 4 e N 2 O provenientes do sector agrícola, respectivamente de 5% e 4,5%. Na Áustria, Bulgária, Eslovénia, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Malta e Portugal observaram-se também aumentos nas emissões em Tendências em termos de emissões dos principais sectores económicos O sector mais importante, conforme salientado na Figura 4, é o da energia que, em 2005, representou 80% das emissões totais na UE-15, ou seja um aumento de 3% das emissões de GEE do sector da energia em comparação com o ano de referência. O sector da energia abrange igualmente os transportes, que são responsáveis por 26% das emissões deste sector. A agricultura é responsável por 9% das emissões gerais de GEE, os processos industriais por 8% e os resíduos por 3%. Entre 1990 e 2005, verificou-se o maior aumento das emissões de CO 2 provenientes dos transportes rodoviários em termos absolutos de todas as emissões relacionadas com a energia, enquanto as emissões de CO 2 das indústrias transformadoras diminuíram substancialmente. O aumento no sector da energia foi compensado por reduções em todas as outras categorias de fontes de emissões (para mais pormenores, consultar também o Anexo no documento de trabalho dos serviços da Comissão). Em resumo, em comparação com 1990, verificaram-se as seguintes reduções nas emissões provenientes de: processos industriais, de 16% devido a uma menor produção de ácido nítrico, a menores emissões do sector do ferro e do aço e a mudanças nos processos de transformação; agricultura, de 11% devido ao decréscimo dos efectivos de gado e à menor utilização de adubos e estrume; resíduos, de 38% devido a menores níveis de emissões de CH 4 provenientes de aterros geridos. PT 8 PT

9 Figura 4: Evolução nas emissões de GEE da UE-15 por sector e quota dos sectores na UE-27 em 2005 Emissões anteriores ano de referência-2005 Energia excl. transportes Transportes Processos industriais Agricultura -16% -11% -3% 25% Projecções com medidas existentes ano de referência-2010 Resíduos -38% Energia excl. transportes Transportes Processos industriais Agricultura Resíduos -47% -12% -14% -3% 25% Projecções com medidas adicionais ano de referência-2010 Energia excl. transportes Transportes Processos industriais Agricultura Resíduos -47% -7% 18% -15% -15% -60% -40% -20% 0% 20% 40% Agricultura 9% Resíduos 3% Total GEE 2005 Processos industriais 8% Transportes 21% Energia excl transportes 59% Fonte: AEA PT 9 PT

10 3. PROGRESSOS PREVISTOS NA REALIZAÇÃO DO OBJECTIVO DE QUIOTO Projecções por Estados-Membros UE-27 As projecções indicam que, em 2010, as emissões totais de GEE da UE-27 serão cerca de 10,7% inferiores aos níveis do ano de referência (ver Quadros 2 e 3 no Anexo). Esta projecção baseia-se nas estimativas dos próprios Estados-Membros, que têm em conta todas as políticas e medidas nacionais existentes. A diminuição projectada é de 13,2%, quando são tidos em conta o efeito dos mecanismos de Quioto e os sumidouros de carbono, e poderá atingir 16,7% se as políticas e medidas nacionais adicionais actualmente em debate forem implementadas a tempo e funcionarem como previsto UE-15 As projecções agregadas baseadas nas políticas e medidas nacionais existentes mostram que as emissões de GEE da UE-15 serão, em 2010, 4% inferiores aos níveis do ano de referência. Quando se inclui: a utilização pelos poderes públicos dos mecanismos de Quioto (MQ) que se prevê que permitam uma redução adicional das emissões de 2,5% e a remoção total (39,1 Mt eq. CO 2 por ano) decorrente de actividades ao abrigo dos n.º s 3 e 4 na UE-15, correspondendo a uma redução de 0,9%, as projecções indicam que se verificará uma redução de 7,4% nas emissões da UE-15. Para que a UE-15 possa atingir o seu objectivo de Quioto, é imperativo que sejam implementadas, o mais rapidamente possível, as medidas adicionais previstas a nível da Comunidade e dos Estados-Membros. Caso estas medidas tenham os resultados previstos, a redução geral projectada de emissões de GEE poderá elevar-se a 11,4% em comparação com os níveis do ano de referência, o que significaria que a UE atingiria o seu objectivo de Quioto. Além disso, estima-se que as decisões recentes relativas aos PNA sobre a atribuição de licenças de emissão para o segundo período de comércio de emissões no âmbito do regime ETS da UE contribuiriam para 3,4% do objectivo de Quioto da UE-15, o que, até à data, não tem sido plenamente integrado nas projecções dos Estados-Membros. 8 A presente avaliação contém informações sobre os 27 Estados-Membros da UE, mas essas informações são mais pormenorizadas em relação aos Estados-Membros da UE-15. Estavam disponíveis projecções actualizadas relativas a 18 Estados-Membros. Estavam disponíveis informações sobre a utilização dos mecanismos flexíveis no âmbito do Protocolo de Quioto relativas a 20 Estados-Membros. As actividades USAUSF ("sumidouros de carbono") ao abrigo dos n.º s 3 e 4 do artigo 3.º do Protocolo de Quioto foram incluídas conforme comunicadas por um total de 14 Estados-Membros. PT 10 PT

11 UE-12 As projecções das emissões agregadas dos outros 12 Estados-Membros indicam que estas aumentarão após 2005, mas que mesmo assim ainda serão, em 2010, 29% inferiores aos níveis do seu ano de referência. Todavia, com medidas adicionais, as projecções indicam uma redução adicional de 2%. A Eslovénia é o único Estado-Membro fora da UE-12 que tenciona investir nos mecanismos de Quioto e incluir os sumidouros de carbono Países candidatos Em 2005, a Croácia encontrava-se na boa via para atingir o seu objectivo de Quioto. Contudo, as projecções indicam que a Croácia poderá não ser capaz de atingir o seu objectivo se confiar apenas em medidas nacionais. A antiga República Jugoslava da Macedónia ratificou o Protocolo de Quioto em 2005, mas na sua qualidade de país não abrangido pelo Anexo I, não está vinculada a compromissos de redução. A Turquia é parte abrangida pelo Anexo I à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, mas não está vinculada a compromissos de redução ao abrigo do Anexo B do Protocolo de Quioto. A Turquia ainda não ratificou o Protocolo de Quioto. Entre 1990 e 2005, as emissões de GEE per capita 9 aumentaram tanto na Turquia como na Croácia. No entanto, com 4,4 toneladas por ano, as emissões per capita na Turquia representam menos de metade da média das emissões per capita na UE-27. Em ambos os países, o nível de emissões em relação ao PIB também diminuiu, indicando uma dissociação entre o crescimento económico e o consumo de recursos. 9 Não estão actualmente disponíveis informações sobre as emissões de GEE da antiga República Jugoslava da Macedónia relativas a Na sua qualidade de país não abrangido pelo Anexo I, sem um objectivo ao abrigo do Protocolo de Quioto, a antiga República Jugoslava da Macedónia não tem a obrigação de comunicar anualmente essas informações. PT 11 PT

12 Figura 5: Distância relativa entre as projecções de GEE para 2010 e os respectivos objectivos de 2010 baseados em políticas e medidas nacionais "existentes" e "adicionais, na utilização dos mecanismos de Quioto e nos sumidouros de carbono. (Um sinal negativo (-) indica que o objectivo de Quioto foi ultrapassado, enquanto um sinal positivo (+) representa que o objectivo não foi atingido) UE-15 Reino Unido Suécia Espanha Portugal Países Baixos Luxemburgo Itália Irlanda Grécia Alemanha França Finlândia Dinamarca Bélgica Áustria -11.2% -10.4% -3.4% 0.6% -3.9% 0.2% -4.1% 0.0% 2.7% 0.5% -0.7% -0.5% -0.1% -4.7% -1.4% -3.4% 0.9% -2.0% 2.0% -0.9% -0.4% 14.2% 12.7% 9.7% 15.4% 17.9% Eslovénia Eslováquia Roménia Polónia Lituânia Letónia Hungria Estónia República Checa Bulgária -51.9% -48.6% -15.3% -12.2% -27.8% -23.9% -22.4% -22.2% -40.6% -38.2% -22.7% -22.5% -20.8% -17.8% -33.7% -29.0% -4.7% 3.5% -70.0% -60.0% -50.0% -40.0% -30.0% -20.0% -10.0% 0.0% 10.0% 20.0% 30.0% 40.0% Pontos percentuais excedentários (-) ou deficitários (+) em relação aos respectivos objectivos de emissões Com medidas existentes, MQ e sumidouros carbono Com todas as medidas, MQ e sumidouros de carbono PT 12 PT

13 3.2. Execução do Programa Europeu para as Alterações Climáticas (PEAC) Em Junho de 2001, o PEAC identificou uma série de políticas e medidas comuns e coordenadas (PMCC) a nível da UE (Quadro 4 no Anexo). Com apenas algumas excepções, as políticas e medidas no âmbito das PMCC I estão actualmente implementadas. Uma avaliação das políticas e medidas na UE-27 mostrou que o regime de comércio de licenças de emissão (ETS) da UE, incluindo a utilização dos mecanismos baseados em projectos, contribuirá substancialmente para o cumprimento dos compromissos de Quioto. Outras PMCC que estão generalizadas e que se espera que venham a resultar em poupanças significativas de emissões de GEE são a Directiva FER-E (relacionada com a promoção da electricidade produzida a partir de fontes de energia renováveis), as directivas sobre o desempenho energético dos edifícios, a directiva sobre biocombustíveis, a promoção da co-geração (produção combinada de calor e electricidade) e a tributação da energia. Para além destas políticas e medidas fundamentais, outras PMCC que também se espera que resultem em reduções importantes em toda a UE são a directiva sobre a prevenção e controlo integrados da poluição (IPPC), os requisitos em matéria de eficiência das novas caldeiras de água quente, a regulamentação sobre gases fluorados, a directiva sobre emissões de HFC provenientes de aparelhos de ar condicionado em veículos a motor e a directiva sobre deposição em aterro. Entre as PMCC particularmente importantes para a UE-12 contam-se as directivas relativas aos resíduos e a grandes instalações de combustão e os regimes de apoio directo da política agrícola comum (PAC). No total, estima-se que as políticas mais importantes identificadas supra representam até 89% da poupança total atribuída a PMCC na UE-27. As PMCC II foram lançadas em Outubro de 2005 com uma conferência das partes interessadas realizada em Bruxelas. As PMCC II concentram-se na revisão das PMCC I e na exploração de novas áreas políticas como a adaptação às alterações climáticas, a aviação, o CO 2 e os automóveis, a captura e armazenagem de carbono e o regime ETS da UE. Os grupos de trabalho das PMCC II reuniram-se ao longo de 2006 e Como resultado, a Comissão propôs diversas acções: Aviação: proposta legislativa de integração da aviação no regime ETS da UE (Dezembro de 2006) Directiva relativa à qualidade dos combustíveis: proposta legislativa (Janeiro de 2007) CO 2 e automóveis: comunicação (Fevereiro de 2007) e proposta legislativa (fim de 2007 início de 2008) Impactos e adaptação: Livro Verde sobre a Adaptação às Alterações Climáticas (Junho de 2007) Captura e armazenagem geológica de carbono: proposta legislativa sobre a captura e sequestração geológica de carbono (fim de 2007) Revisão do regime ETS da UE: proposta legislativa (Janeiro de 2007). PT 13 PT

14 As primeiras três propostas, se adoptadas em devido tempo, poderiam ainda contribuir para atingir o objectivo de Quioto da UE. Para além das acções a implementar no contexto das PMCC, a Comissão dará especial importância à redução das emissões de GEE provenientes da navegação, no contexto da política marítima recentemente proposta Aplicação do regime de comércio de licenças de emissão da UE O ano de 2005 foi o primeiro relativamente ao qual se dispõe de dados verificados de emissões do CO 2 provenientes das instalações abrangidas pelo regime ETS da UE. Em 2005, o regime ETS da UE abrangia cerca de 50% das emissões totais de CO 2 da UE-25 e cerca de 40% de todas as emissões de GEE da UE-25, ou seja equivalente a cerca de 2 mil milhões de toneladas. A falta de dados de emissões verificadas de forma independente referentes aos anos antes da introdução do regime ETS da UE torna difícil aferir plenamente o impacto do regime nas emissões. Contudo, investigação académica inicial indica que as emissões podem ter diminuído em 2005, em comparação com o seu nível antes do início do regime ETS da UE Primeiro período de comércio de emissões (2005 a 2007) O Quadro 5 do Anexo apresenta um panorâmica dos sectores e instalações abrangidos no primeiro período de comércio de emissões, com base nos relatórios de emissões verificadas relativos aos anos de 2005 e Em média, instalações participaram nos primeiros dois anos do regime de comércio de emissões, tendo emitido aproximadamente Mt eq. CO 2 /ano. Estas instalações receberam licenças de emissão correspondentes a cerca de Mt eqco 2 /ano. Dois terços de todas as instalações estão classificados como instalações de combustão e são responsáveis por 72% das emissões gerais. Em 5 Estados-Membros (Áustria, Espanha, Irlanda, Itália e Reino Unido) as emissões verificadas foram mais elevadas que as licenças atribuídas (Quadro 6 do Anexo) Segundo período de comércio de emissões (2008 a 2012) O processo de avaliação relativo aos segundos PNA teve início em A Bulgária e a Roménia, que aderiram à UE em 1 de Janeiro de 2007, tiveram de preparar PNA relativos ao ano de Em média, após a avaliação de todos os PNA, verificou-se uma redução no limite máximo para a UE-25 5 de aproximadamente 7% em comparação com as emissões verificadas de 2005/2006 (para mais pormenores consultar o Quadro 6 do Anexo). O preço futuro das licenças de 2008 tem-se mantido entre 12 e 25 desde o início da avaliação dos segundos Planos Nacionais de Atribuição em Julho de Utilização da IC e do MDL por parte dos operadores Como parte integrante dos segundos PNA, cada Estado-Membro estabelece um limite para a utilização máxima de créditos baseados em projectos por parte dos operadores (IC e MDL). No total, até à data podem ser utilizados por ano cerca de 278 milhões de URE ou RCE por instalações ETS dos 27 Estados-Membros no segundo período de comércio de emissões. Este valor corresponde a cerca de 13,4% do limite máximo aprovado. 10 COM(2007) 575 final. PT 14 PT

15 3.4. Projecções em termos de utilização dos mecanismos de Quioto pelos poderes públicos Vinte Estados-Membros enviaram informações sobre a utilização que pensam fazer dos mecanismos de Quioto em 2007 mediante a resposta a um questionário enviado ao abrigo da decisão relativa ao mecanismo de vigilância da CE. Os restantes 7 Estados-Membros (Alemanha, Grécia, Hungria, Itália, Letónia, Luxemburgo e Polónia) utilizaram os mecanismos de Quioto nos segundos PNA no âmbito da Directiva relativa ao comércio de licenças de emissão (Directiva 2003/87/CE) (Quadro 7 do Anexo). Dez Estados-Membros da UE-15 e a Eslovénia decidiram utilizar os mecanismos de Quioto para atingir os seus objectivos de Quioto. Em conjunto, os 10 Estados-Membros da UE-15 adquiririam 107,5 Mt eq. CO 2 por ano do primeiro período de compromisso no âmbito do Protocolo de Quioto. Isto representa cerca de 2,5% no sentido da realização do objectivo de Quioto da UE-15 de uma redução de 8 % das emissões. Na Eslovénia, a quantidade exacta de unidades a comprar depende do desenvolvimento real das emissões de GEE, nomeadamente no sector dos transportes. Estes 10 Estados-Membros decidiram em conjunto investir cerca de 2,9 mil milhões de euros na aquisição de unidades através da IC, do MDL ou do comércio internacional de emissões. A Áustria, o Luxemburgo, os Países Baixos, Portugal e Espanha atribuíram os maiores orçamentos (319 milhões de euros, 300 milhões de euros, 693 milhões de euros, 354 milhões de euros e 310 milhões de euros, respectivamente, durante o período de compromisso quinquenal). A Suécia tomou as disposições necessárias para utilizar os mecanismos de Quioto se necessário, mas actualmente não está a pensar fazê-lo. O Governo alemão decidiu apoiar fundos protótipos para o estabelecimento de um mercado do carbono Projecções em termos de utilização de sumidouros de carbono Para além de políticas e medidas que visam várias fontes de emissão de GEE, os Estados-Membros podem utilizar sumidouros de carbono (ver Quadro 8 no Anexo). As informações fornecidas pelos Estados-Membros da UE-15 indicam que a sequestração total líquida no período de compromisso proveniente de actividades de florestação e reflorestação ao abrigo do n.º 3 do artigo 3.º do Protocolo de Quioto será de cerca de 13,5 milhões de toneladas de CO 2 por ano. Além disso, as projecções indicam que a utilização de actividades ao abrigo do n.º 4 do artigo 3.º, conforme estimada pelos Estados-Membros, irá contribuir com 17,6 milhões de toneladas de CO 2 por ano do período de compromisso na UE-15. Estes números tomam em consideração as licenças máximas para a gestão florestal, mas não incluem os sumidouros de carbono ao abrigo dos n.º s 3 e 4 do artigo 3.º da Espanha (que apresentou apenas uma estimativa agregada para o conjunto dos sumidouros de carbono) e de outros Estados-Membros (isto é, FR, DE e GR) que optaram por actividades de gestão florestal, mas ainda não apresentaram qualquer estimativa sobre a contribuição prevista dos sumidouros de carbono. Juntamente com os valores agregados da Espanha, as projecções indicam que todas as actividades ao abrigo dos n.º s 3 e 4 do artigo 3.º nos Estados-Membros da UE-15 irão permitir uma redução das emissões de 39,1 milhões de toneladas de CO 2 por ano do período de compromisso, equivalente a 11% do compromisso de redução da UE-15 de 342 milhões de toneladas de CO 2 por ano do período de compromisso, em comparação com as emissões do ano de referência. A Eslovénia espera obter uma redução adicional de 1,7 milhões de toneladas de CO 2 por ano do período de compromisso. PT 15 PT

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

Programa Nacional para as Alterações Climáticas

Programa Nacional para as Alterações Climáticas Programa Nacional para as Alterações Climáticas António Gonçalves Henriques» CONVENÇÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Rio de Janeiro, 1992 189 Estados ratificaram ou acederam à Convenção.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 Abril de 2003 8084/03 ADD 1 LIMITE FISC 59 ADENDA À NOTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: COREPER de 9 de Abril de 2003 Assunto: Tributação da energia Junto

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a Após a II Guerra Mundial alguns países europeus tiveram a ideia de se unirem para melhor resolver os seus problemas. Era necessário garantir a paz, reconstruir cidades e reorganizar o comércio. Só com

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego NOTA INFORMATIVA O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego Previsões até 2025 apontam para diferenças significativas na oferta e procura de competências nos Estados-Membros Boas notícias.

Leia mais

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição Os Segredos da Produtividade por Pedro Conceição Em 1950, cada português produzia durante uma hora de trabalho um quinto do que um trabalhador norte-americano conseguia na mesma hora. Em 1999 esta diferença

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana.

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. O aumento da população humana é frequentemente citado como a principal causa de problemas para o planeta. De facto a humanidade está a crescer

Leia mais

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Manuel Sebastião Brasília 21 de Maio de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. MODERNIZAÇÃO DAS REGRAS ARTIGOS 81 e 82 3. O CONTROLO DE CONCENTRAÇÕES 4. CONCLUSÕES

Leia mais

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Fundo Português de Carbono FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS CANDIDATURA DE PROGRAMA [de acordo com o Anexo do Regulamento] Resumo

Leia mais

CONTRATOS PÚBLICOS BASE JURÍDICA OBJETIVOS RESULTADOS

CONTRATOS PÚBLICOS BASE JURÍDICA OBJETIVOS RESULTADOS CONTRATOS PÚBLICOS As entidades públicas celebram contratos para assegurar o fornecimento de obras e a prestação de serviços. Estes contratos, concluídos mediante remuneração com um ou mais operadores,

Leia mais

PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2)

PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2) PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2) PRINCIPAIS MENSAGENS O estudo WETO-H2 elaborou uma projecção de referência do sistema energético mundial e dois cenários alternativos,

Leia mais

Ficha de trabalho: Questionários

Ficha de trabalho: Questionários Ficha de trabalho: Questionários Objectivos: As lições têm como objectivo incentivar os alunos a compreender melhor o impacto das alterações climáticas. Recursos: Disponíveis em www.climatechange.eu.com:

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 6.2.2003 L 31/3 REGULAMENTO (CE) N. o 223/2003 DA COMISSÃO de 5 de Fevereiro de 2003 que diz respeito aos requisitos em matéria de rotulagem relacionados com o modo de produção biológico aplicáveis aos

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 1.7.2015 COM(2015) 326 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Avaliação das medidas adotadas pela FRANÇA em resposta à Recomendação do Conselho de 10 de março de 2015 com vista a

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE Empresa Geral do Fomento e COMENTÁRIOS DA EMPRESA GERAL DO FOMENTO E DOUROGÁS, ACE À PROPOSTA DE REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO APRESENTADA PELA ERSE EM NOVEMBRO DE 2009 Novembro 2009 No seguimento da proposta

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 4. DIREITOS DE EMISSÃO DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA - Contabilização das licenças de emissão

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 4. DIREITOS DE EMISSÃO DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA - Contabilização das licenças de emissão ASSUNTO: INTERPRETAÇÃO TÉNIA Nº 4 DIREITOS DE EMISSÃO DE GASES OM EFEITO DE ESTUFA - ontabilização das I QUESTÃO Face à legislação publicada sobre o assunto em epígrafe e às dúvidas suscitadas acerca da

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º

GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º 00327/11/PT WP 180 Parecer 9/2011 sobre a proposta revista da indústria relativa a um quadro para as avaliações do impacto das aplicações RFID na

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Alterações Climáticas Uma oportunidade para a Europa. Trabalho desenvolvido pelo Grupo P3 Eduardo Dantas Isabel Almeida Marlyn Castro

Alterações Climáticas Uma oportunidade para a Europa. Trabalho desenvolvido pelo Grupo P3 Eduardo Dantas Isabel Almeida Marlyn Castro Alterações Climáticas Uma oportunidade para a Europa Trabalho desenvolvido pelo Grupo P3 Eduardo Dantas Isabel Almeida Marlyn Castro UMA OPORTUNIDADE PARA A EUROPA Se não tivesse havido uma aposta da EU,

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

O ESPAÇO DE SCHENGEN. Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ

O ESPAÇO DE SCHENGEN. Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ O ESPAÇO DE SCHENGEN Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ O QUE É O ESPAÇO DE SCHENGEN? O espaço e a cooperação Schengen assentam no Acordo Schengen de 1985. O espaço Schengen representa um território

Leia mais

CAPÍTULO I. Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I. Âmbito de aplicação Direito de estabelecimento nas actividades do sector farmacêutico (Revogado pela Lei n.º 9/2009, de 4 de Março) Tendo em conta o tratado que institui a Comunidade Económica Europeia, nomeadamente os artigos

Leia mais

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Disciplina de: Área de Projecto Nome do Professor: Hélder Baião 1 Este trabalho foi proposto pelo professor de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN Trata-se de uma adenda à primeira edição do Manual sobre a aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho, de 29 de Setembro

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

9602/16 pbp/hrl/jc 1 DG G 2B

9602/16 pbp/hrl/jc 1 DG G 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de junho de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2013/0045 (CNS) 9602/16 FISC 90 ECOFIN 522 NOTA de: para: Assunto: Secretariado-Geral do Conselho Comité de Representantes

Leia mais

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu 1 Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu Jorge Lima (*) Eurydice é a rede de informação sobre a educação na Europa, criada por iniciativa da Comissão Europeia

Leia mais

O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA

O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA Eugénio Rosa Como consequência de uma política de transportes

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 10.7.2013 SWD(2013) 252 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de Decisão do Parlamento Europeu

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2015) 136 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre a transparência fiscal para combater a evasão e a elisão fiscais

Leia mais

1. Requisitos quanto a detecção e sensores

1. Requisitos quanto a detecção e sensores TERMOS DE REFERÊNCIA DO EUROSISTEMA PARA A UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS DE DEPÓSITO, ESCOLHA E LEVANTAMENTO POR INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO, BEM COMO QUALQUER OUTRA INSTITUIÇÃO DA ÁREA DO EURO, QUE INTERVENHAM,

Leia mais

DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA

DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA MEMO/97/37 Bruxelas, 3 de Abril de 1997 DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA Na sequência da conclusão dos acordos da OMC de 1993 no sector agrícola, a União Europeia (UE)

Leia mais

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 PT 25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 DECISÃO DA COMISSÃO de 18 de Novembro de 2011 que estabelece regras e métodos de cálculo para verificar o cumprimento dos objectivos estabelecidos

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 11.4.2007 COM(2007) 178 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório final da Comissão Europeia sobre a continuação da adequação

Leia mais

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1)

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1) Comissão Europeia Investigação Comunitária Brochura informativa QUINTO PROGRAMA-QUADRO DE ACÇÕES DA COMUNIDADE EUROPEIA EM MATÉRIA DE INVESTIGAÇÃO, DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E DE DEMONSTRAÇÃO PROPOSTA

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

(JO P 36 de 6.3.1965, p. 533)

(JO P 36 de 6.3.1965, p. 533) 1965R0019 PT 01.05.2004 006.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BREGULAMENTO N. o 19/65/CEE DO CONSELHO de 2 de Março de 1965 relativo à aplicação

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS A criação de um mercado único europeu dos transportes rodoviários não é possível sem uma harmonização das disposições legais em vigor nos Estados-Membros.

Leia mais

Notas explicativas Regras de facturação do IVA

Notas explicativas Regras de facturação do IVA Notas explicativas Regras de facturação do IVA (Directiva 2010/45/UE do Conselho) Porquê notas explicativas? O objectivo das notas explicativas é permitir uma melhor compreensão da legislação adoptada

Leia mais

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES 1996L0034 PT 05.02.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:351310-2012:text:pt:html GR-Tessalónica: Prestação de serviços por parte de um organizador profissional de conferências

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 30.7.2014. que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 30.7.2014. que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.7.2014 C(2014) 5513 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 30.7.2014 que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001 (APENAS FAZ

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 4.5.2015

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 4.5.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.5.2015 C(2015) 2806 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 4.5.2015 que aprova a decisão de Portugal de utilizar mais de 13 do limite máximo nacional anual fixado no anexo

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Relatório de Acompanhamento dos AECT de 2014 Implementação da Estratégia Europa 2020. Síntese

Relatório de Acompanhamento dos AECT de 2014 Implementação da Estratégia Europa 2020. Síntese Relatório de Acompanhamento dos AECT de 2014 Implementação da Estratégia Europa 2020 Síntese A presente síntese é da responsabilidade da Unidade E2 do Secretariado-Geral do CR e baseia-se no estudo intitulado

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, xxx SEC (2010) xxx final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa a um procedimento simplificado de tratamento de certas operações de concentração nos termos do Regulamento (CEE) n 4064/89 do Conselho (Texto relevante para efeitos do

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012

Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 E S C O L A S E C U N D Á R I A D. J O Ã O I I - S E T Ú B A L TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº6/VERSÃO 02 Nome: Aluno nº: Ano: Turma: Data: 28 de maio de 2012 É obrigatório indicar a versão do teste na

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar ***I PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar ***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««2009 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar PROVISÓRIO 2004/0036(COD) 11.1.2005 ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de directiva do

Leia mais

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Fernando Caetano Universidade Aberta fcaetano@univ-ab.pt As necessidades actuais 85% da energia consumida mundialmente, provém

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 8818 Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de Dezembro de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 1457/2009 de 31 de Dezembro O

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.6.2008 SEC(2008) 2109 final Projecto de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU, DO CONSELHO, DA COMISSÃO, DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, DO TRIBUNAL DE CONTAS,

Leia mais

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Actualmente em Macau, designa-se geralmente por compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Rendimentos e despesas das famílias europeias

Rendimentos e despesas das famílias europeias Insights precisos para o crescimento europeu Rendimentos e despesas das famílias europeias Como está a crise a afetar a vida quotidiana? Think... nº 6 Janeiro 2013 TNS 2013 Insights precisos para o crescimento

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS)

LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS) LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS) NOTA DO EDITOR E INTRODUÇÃO GERAL Índice 1 Objeto...

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal Principais resultados 1 A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 22.12.2008 COM(2008) 882 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES Implementação

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda.

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 08.II.2006 C(2006) 241 final Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. Excelência, I. Procedimento

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X Para a realização dos objectivos da União Europeia, importa melhorar as normas que regulam o auxílio judiciário mútuo em matéria penal entre os Estados Membros da União Europeia.

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira Página Web 1 de 1 Ana Oliveira De: GEOTA [geota@mail.telepac.pt] Enviado: quarta-feira, 11 de Abril de 2001 20:53 Para: erse@erse.pt Assunto: Comentários do GEOTA à proposta de Revisão dos Regulamentos

Leia mais

Projecto de diploma. que estabelece o regime jurídico aplicável aos aparelhos áudio portáteis

Projecto de diploma. que estabelece o regime jurídico aplicável aos aparelhos áudio portáteis Projecto de diploma que estabelece o regime jurídico aplicável aos aparelhos áudio portáteis A exposição prolongada ao ruído excessivo é, a nível mundial, a maior causa de distúrbios auditivos. O ruído

Leia mais

Inventário 2010. I. Introdução

Inventário 2010. I. Introdução Inventário 2010 I. Introdução Aqui se apresenta o quarto inventário público da AEPD na sua qualidade de consultora a respeito de propostas de legislação e documentos conexos. Devido à publicação do Programa

Leia mais

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP INTRODUÇÃO Em 26 DE Novembro de 2003, os CTT CORREIOS DE PORTUGAL, SA, notificaram à Autoridade da Concorrência,

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/253 DA COMISSÃO

DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/253 DA COMISSÃO 17.2.2015 L 41/55 DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/253 DA COMISSÃO de 16 de fevereiro de 2015 que estabelece as regras relativas à recolha de amostras e à apresentação de relatórios, no âmbito da Diretiva

Leia mais