COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO"

Transcrição

1 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2007) 178 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório final da Comissão Europeia sobre a continuação da adequação dos requisitos em matéria de seguro de responsabilidade civil profissional impostos aos intermediários nos termos do direito comunitário PT PT

2 ÍNDICE 1. Requisitos em matéria de SRCP impostos aos intermediários nos termos do direito comunitário Artigo 4. da DMS Artigos 7.º e 8.º da DAFP reformulada Contexto histórico Fundamentação para os requisitos em matéria de SRCP Defesa do consumidor Vantagens para os prestadores dos serviços e para os respectivos mercados Argumentos contra os requisitos em matéria de SRCP Processo de consulta com objectivos específicos realizado junto dos Estados-Membros e das autoridades competentes Processo público de consulta sobre o projecto de relatório Resultados do processo de consulta Conclusões PT 2 PT

3 INTRODUÇÃO De acordo com o n.º 6 do artigo 65º da Directiva 2004/39/CE relativa aos mercados de instrumentos financeiros (designada seguidamente MiFID - markets in financial instruments), a Comissão deve apresentar ao Parlamento Europeu e ao Conselho um relatório sobre a continuação da adequação dos requisitos em matéria de seguro de responsabilidade civil profissional (designado seguidamente SRCP) impostos actualmente aos intermediários nos termos do direito comunitário. 1. REQUISITOS EM MATÉRIA DE SRCP IMPOSTOS AOS INTERMEDIÁRIOS NOS TERMOS DO DIREITO COMUNITÁRIO O seguro de responsabilidade civil profissional é um seguro de responsabilidade civil concebido para cobrir, total ou parcialmente, os montantes a pagar pelos profissionais liberais a terceiros, a título de indemnizações ou resultantes de acordos negociados e aprovados, como compensação de perdas decorrentes de actos, erros ou omissões por eles cometidos no exercício das suas actividades profissionais. O direito comunitário requer que alguns intermediários em matéria de investimento e todos os mediadores de seguros obtenham esse seguro como condição prévia para poderem prestar serviços. Os requisitos relevantes decorrem das seguintes duas directivas: Directiva 2002/92/CE relativa à mediação de seguros (designada seguidamente DMS) Directiva 2006/49/CE relativa à adequação dos fundos próprios das empresas de investimento e das instituições de crédito (reformulada) 1 (designada seguidamente DAFP reformulada) As secções seguintes estabelecem pormenorizadamente os requisitos em matéria de SRCP no quadro destas duas directivas. 1 As disposições em causa decorrem do novo n.º 4-B do artigo 3.º da Directiva 93/6/CE, inserido pelo artigo 67.º da MiFID. PT 3 PT

4 Síntese dos requisitos em matéria de SRCP e de fundos próprios para diferentes tipos de mediadores de seguros Mediador de seguros Um SRCP, que abranja todo o território da Comunidade, com uma cobertura mínima de euros por sinistro e, globalmente, euros por ano. Intermediário em matéria de investimento Um dos seguintes requisitos: a) Dispor de um capital inicial de euros; b) Dispor de um SRCP válido para todo o território da Comunidade, ou qualquer outra garantia equivalente, que cubra as responsabilidades resultantes de negligência profissional e represente, no mínimo, uma cobertura de euros por sinistro e, globalmente, euros por ano; c) Dispor de uma combinação de capital inicial e de SRCP numa forma que resulte num grau de cobertura equivalente ao previsto nas alíneas a) ou b). Intermediário em matéria de investimento que é igualmente um mediador de seguros Um SRCP, que abranja todo o território da Comunidade, com uma cobertura mínima de euros por sinistro e, globalmente, euros por ano. + Um dos seguintes requisitos: a) Dispor de um capital inicial de euros; b) Dispor de um SRCP válido para todo o território da Comunidade, ou qualquer outra garantia equivalente, que cubra as responsabilidades resultantes de negligência profissional e represente, no mínimo, uma cobertura de euros por sinistro e, globalmente, euros; c) Dispor de uma combinação de capital inicial e de SRCP numa forma que resulte num grau de cobertura equivalente ao previsto nas alíneas a) ou b) Artigo 4. da DMS O n.º 3 do artigo 4º da DMS fixa um limite mínimo de indemnização por sinistro e para a globalidade dos sinistros. Os mediadores de seguros devem estar cobertos por um SRCP, que abranja todo o território da Comunidade, ou por qualquer outra garantia equivalente que cubra as responsabilidades resultantes de negligência profissional, pelo menos até ao montante de de euros por sinistro e, globalmente, de euros para todos os sinistros que ocorram durante um ano (salvo se esse seguro ou garantia equivalente lhes forem já fornecidos por uma empresa de seguros, empresa de resseguros ou outra empresa por conta da qual actuem ou estejam mandatados ou se essa empresa tiver assumido plena responsabilidade pelos actos dos mediadores). PT 4 PT

5 Os mediadores, independentemente da sua dimensão e do facto de operarem efectivamente em mais do que um Estado-Membro, devem satisfazer este requisito para poderem ser registados e realizarem a actividade de mediação de seguros na UE. Porém, os requisitos consistem em limites mínimos de cobertura (de modo que os Estados-Membros possam acrescentar requisitos adicionais nos termos do direito nacional). Não há quaisquer disposições na DMS que permitam aos Estados-Membros isentarem as empresas do requisito de subscreverem SRCP (salvo no caso de as empresas terem uma garantia equivalente): em especial, os recursos de fundos próprios não são autorizados como alternativa ao SRCP Artigos 7.º e 8.º da DAFP reformulada De entre as disposições que requerem que as empresas de investimento, definidas no n.º 1, ponto 1, do artigo 4.º da MiFID, detenham níveis variáveis de capital inicial, os artigos 7.º e 8.º da DAFP reformulada impõem requisitos relacionados com o SRCP ou o capital inicial às empresas de investimento autorizadas, ao abrigo da MiFID, a apenas prestarem serviços de consultoria para investimento ou a receberem e transmitirem ordens de investidores sem deterem activos pertencentes aos seus clientes (designados seguidamente intermediários MiFID). Estas empresas estão excluídas dos requisitos relacionados com o capital inicial aplicáveis, em geral, às empresas de investimento, de acordo com os artigos 5.º ou 9.º da DAFP reformulada, e os requisitos de capital que lhes são impostos são significativamente inferiores, dado serem complementados pelos requisitos em matéria de SRCP que não são aplicáveis a outras empresas de investimento. O artigo 7.º aplica-se aos intermediários MiFID que não realizam igualmente a actividade de mediação de seguros. Essas empresas estão obrigadas a cumprir uma das seguintes condições: (a) (b) (c) dispor de um capital inicial de euros; dispor de um seguro de responsabilidade civil profissional válido para todo o território da Comunidade, ou qualquer outra garantia equivalente, que cubra as responsabilidades resultantes de negligência profissional e represente, no mínimo, uma cobertura de euros por sinistro e, globalmente, euros para todos os sinistros que ocorram durante um ano; dispor de uma combinação de capital inicial e de seguro de responsabilidade civil profissional numa forma que resulte num grau de cobertura equivalente ao previsto nas alíneas a) ou b). Os requisitos em matéria de SRCP previstos na alínea b) são, evidentemente, idênticos aos impostos aos mediadores de seguros ao abrigo da DMS. Contudo, a DAFP reformulada permite uma maior flexibilidade: a escolha entre o capital inicial, o SRCP ou uma combinação de ambos. O artigo 8.º aplica-se aos intermediários MiFID que se registaram igualmente como mediadores de seguros, ao abrigo da DMS. Para além de deverem respeitar os requisitos em matéria de SRCP previstos no n.º 3 do artigo 4.º da DMS, essas empresas devem satisfazer uma das seguintes condições: (a) (b) dispor de um capital inicial de euros; dispor de um seguro de responsabilidade civil profissional válido para todo o território da Comunidade, ou qualquer outra garantia equivalente, que cubra as PT 5 PT

6 responsabilidades resultantes de negligência profissional e represente, no mínimo, uma cobertura de euros por sinistro e, globalmente, euros para todos os sinistros; (c) dispor de uma combinação de capital inicial e de seguro de responsabilidade civil profissional numa forma que resulte num grau de cobertura equivalente ao previsto nas alíneas a) ou b). O prazo para a transposição destes requisitos ainda não terminou, não estando assim as empresas de investimento actualmente sujeitas a quaisquer requisitos em matéria de SRCP ao abrigo do direito comunitário. Podem estar todavia sujeitas a requisitos comparáveis ao abrigo do direito nacional, sendo assim relevantes para este projecto de relatório quaisquer observações baseadas no impacto de requisitos nacionais análogos. Tal como a DMS, a DAFP reformulada permite que os Estados-Membros imponham regras mais estritas do que as requeridas pela Directiva Contexto histórico Tal como indicado anteriormente, os requisitos em matéria de SRCP aplicáveis aos mediadores de seguros, ao abrigo da DMS, diferem dos aplicáveis aos intermediários MiFID ao abrigo da DAFP reformulada. A DMS requer que todos os mediadores de seguros subscrevam um SRCP com uma cobertura mínima especificada da responsabilidade por sinistros resultantes de negligência profissional, enquanto os intermediários MiFID estão sujeitos a um regime que permite uma combinação de SRCP e de requisitos mínimos de fundos próprios. A proposta inicial da Comissão da Directiva MiFID 3 requeria às empresas que prestam serviços de consultoria para investimento ou de recepção e transmissão de ordens de clientes, mas que não detêm fundos ou valores mobiliários dos clientes, que dispusessem de um SRCP com uma cobertura igual à requerida ao abrigo da DMS para os mediadores de seguros, sem qualquer opção de satisfazerem em alternativa requisitos de capital. No entanto, alguns Estados-Membros exprimiram preocupações durante as negociações do Conselho. Essas preocupações eram de duas ordens: as alterações verificadas nos mercados podiam reduzir a disponibilidade de SRCP para os prestadores de serviços de consultoria para investimento; as propostas podiam impor encargos excessivos às empresas que realizavam quer serviços de consultoria para investimento quer serviços de mediação de seguros. Por conseguinte, a proposta da Comissão foi alterada pelos co-legisladores. Em primeiro lugar, foi introduzida uma maior flexibilidade, permitindo que as empresas detenham o nível especificado de SRCP ou de capital mínimo ou uma combinação de ambos. Em segundo lugar, foi concebido um regime específico para as empresas de investimento que estavam igualmente registadas como mediadores de seguros ao abrigo da DMS. Essas empresas devem respeitar os requisitos previstos no n.º 3 do artigo 4.º da DMS relativamente às actividades de mediação e, adicionalmente, têm a obrigação, no que diz respeito aos seus serviços de consultoria para investimento, de deterem um capital inicial mínimo de euros, um 2 3 Considerando 8: "Os Estados-Membros deverão poder estabelecer normas mais restritivas do que as previstas na presente directiva." COM(200) 625 final, n.º 2 do artigo 11.º. PT 6 PT

7 SRCP com uma cobertura mínima correspondente a metade do montante requerido ao abrigo da DMS ou uma combinação destes dois requisitos. Noutros termos, os requisitos em matéria de SRCP impostos pela DMS devem ser satisfeitos, independentemente do nível de capitalização da empresa. Embora tenham reconhecido que os requisitos em matéria de SRCP impostos pela MiFID eram portanto diferentes dos da DMS, certos Estados-Membros alegaram, nas negociações realizadas no Conselho, que a MiFID devia alterar a DMS, de modo a permitir aos mediadores de (re)seguros beneficiarem da opção à disposição dos prestadores de serviços de consultoria para investimento no sentido de substituírem, no todo ou em parte, os requisitos em matéria de SRCP por requisitos em matéria de fundos próprios. Não foi adoptada uma alteração para o efeito, tendo os co-legisladores introduzido, em alternativa, uma cláusula de revisão. O objectivo desta revisão consiste em estabelecer, com base nos dados disponíveis sobre o seu impacto nos mercados dos Estados-Membros, se os requisitos combinados são proporcionais aos objectivos de uma defesa dos consumidores adequada e se as empresas no EEE no seu conjunto, ou em mercados nacionais específicos, registam dificuldades ou despesas apreciáveis na obtenção do necessário seguro de responsabilidade civil profissional, que devam ser tidas em conta na análise da eficácia do regime. 2. FUNDAMENTAÇÃO PARA OS REQUISITOS EM MATÉRIA DE SRCP Os requisitos em matéria de SRCP constituem uma medida de defesa dos consumidores, destinada a assegurar que os montantes reclamados pelos clientes relativamente a uma empresa de investimento ou intermediário podem ser cobertos no caso de o seu rendimento ou capital não ser suficiente para cobrir as suas responsabilidades perante os clientes. Contudo, constitui um valioso instrumento do quadro regulador, que permite às empresas de investimento realizarem certos tipos de actividades com uma base de capital relativamente reduzida. Tal impede que os obstáculos à entrada no mercado sejam colocados a um nível demasiado elevado, com a consequente exclusão das empresas mais pequenas do mercado. Esta questão é especialmente relevante no contexto de actividades como a mediação de seguros ou a prestação de serviços de consultoria para investimento, em que se verifica uma elevada concentração de pequenas empresas Defesa do consumidor O SRCP protege claramente os consumidores, aumentando os fundos disponíveis para cobrir os sinistros decorrentes de serviços de consultoria prestados de forma negligente ou certas outras formas de falha profissional. Por exemplo, o MiFID regulamenta pela primeira vez a prestação do serviço de consultoria para investimento como um serviço de base (era um serviço complementar ao abrigo da DMS). O SRCP consiste num instrumento útil para assegurar que os riscos associados à prestação deste serviço sejam devidamente geridos Vantagens para os prestadores dos serviços e para os respectivos mercados O SRCP beneficia igualmente as empresas. Com efeito, muitas empresas subscrevem o SRCP mesmo quando não há nenhuma obrigação regulamentar que o exija ou subscrevem uma cobertura superior às suas obrigações regulamentares. Esse seguro pode financiar pedidos de indemnização consideráveis e imprevistos, protegendo assim os activos dos seus proprietários PT 7 PT

8 e cobrindo normalmente a responsabilidade jurídica e os custos da defesa em justiça, cujo valor pode ser, em alguns casos, tão elevado que ponha em risco a solvência da empresa. O SRCP pode ser de especial utilidade para as empresas mais pequenas susceptíveis de considerar difícil ou inadequado para a sua estrutura empresarial dispor de montantes consideráveis de capital. Pode ser utilizado em conjugação com as forças do mercado, utilizando o mercado de seguro comercial para ajudar a manter a solvência das empresas que prestam importantes serviços aos seus pequenos clientes como a prestação do serviço de consultoria para investimento. Além disso, o SRCP obrigatório constitui um instrumento útil do quadro regulador, que pode complementar os requisitos de fundos próprios e os sistemas de indemnização dos investidores. O requisito de subscrever um SRCP pode ter um efeito regulador positivo adicional em termos de incentivo às empresas para melhorarem a sua avaliação de risco e os seus sistemas de controlo dos riscos, uma vez que as empresas com um perfil de risco inferior tenderão a beneficiar de uma redução dos seus prémios e a aumentar a disponibilidade de cobertura. Além disso, é do interesse geral das empresas regulamentadas que as empresas sejam cobertas pelo SRCP, a fim de limitar os pedidos de indemnização apresentados aos sistemas de indemnização dos investidores 4. As empresas sem os recursos adequados poderão não conseguir cobrir pedidos justificados accionados contra si e acabar por se confrontarem com uma situação de insolvência. Tal poderá, por sua vez, conduzir à apresentação de pedidos de indemnização ao sistema de indemnização dos investidores, que deve ser financiado pelas restantes empresas participantes no âmbito do grupo de contribuição relevante. Quanto maior for o número de pedidos apresentados a tais sistemas, maior será a contribuição imposta ao sector para o financiar. Dado que essas contribuições não são sensíveis face ao risco, os custos da indemnização podem ser suportados, de modo desproporcionado, pelas empresas estabelecidas há muito e bem geridas que asseguram a maior parte do financiamento do sistema. O SRCP tende a reduzir estes desequilíbrios a nível do financiamento Argumentos contra os requisitos em matéria de SRCP O primeiro argumento, e o mais tradicional, invocado contra o SRCP é que pode criar um problema de "risco moral". Tal significa que o SRCP pode alterar o comportamento dos segurados de modo a aumentar a probabilidade ou a dimensão dos pedidos de indemnização. A respectiva base teórica prende-se com o facto de, após a obtenção da protecção pelo seguro, as empresas não terem o mesmo incentivo financeiro para evitar acções ou omissões susceptíveis de desencadear a apresentação de pedidos de indemnização. Um outro argumento contra requisitos extensivos em matéria de SRCP é que o mercado dos seguros tem ou pode ter falta de capacidade para assegurar a cobertura pelo SRCP a um número crescente de empresas. Tem-se alegado que os limites especificados na DMS foram acordados quando havia mais capacidade no mercado do que deverá existir actualmente ou 4 Quando ocorre uma perda, o prestador do SRCP assegura o pagamento de um pedido, de acordo com as condições da apólice desse seguro, e a empresa tem de pagar um montante igual à franquia da sua apólice do SRCP com base nos seus fundos próprios. Quando se esgotam os recursos de uma empresa, essa empresa torna-se insolvente. Quaisquer pedidos justificados apresentados pelos consumidores são então da responsabilidade do sistema de indemnização dos investidores relevante. Um tal sistema terá limites e qualquer perda residual será incorrida pelos consumidores. PT 8 PT

9 que pode vir a registar-se no futuro. A situação pode ter sido agravada pelos requisitos previstos na MiFID relativamente a empresas que desenvolvem ambas as actividades, verificando-se uma certa preocupação de que a combinação de requisitos possa empurrar o mercado do SRCP até aos seus limites e que certas empresas possam não conseguir assegurar o nível estipulado de cobertura. Uma preocupação conexa prende-se com o custo do SRCP. Ao aumentar o número de empresas que têm a obrigação de subscrever o SRCP, verifica-se o risco de que um aumento da procura possa elevar o preço desse seguro, expulsar do mercado algumas empresas de prestação de serviços de consultoria para investimento e criar um obstáculo à entrada no mercado de novas empresas. De um modo mais específico, tem-se alegado que a DMS requer um nível elevado de cobertura pelo seguro, superior ao que a maioria das pequenas empresas esperaria razoavelmente subscrever. Por outro lado, esses requisitos em matéria de SRCP são aplicados de forma uniforme e não adaptados ao perfil de risco das empresas. Os comentadores apelam igualmente para um reconhecimento adequado do papel do capital para os mediadores de seguros. O capital pode contribuir para financiar perdas imprevistas ou colmatar lacunas verificadas a nível da cobertura do SRCP das empresas e, em especial, para financiar eventuais franquias de qualquer apólice (ou seja, o primeiro montante de um pedido de indemnização que tem de ser pago pela empresa com base nos seus recursos próprios). Com efeito, os artigos 7.º e 8.º da DAFP reformulada reconhecem que os fundos próprios, ou uma combinação do SRCP e de fundos próprios, pode assegurar o mesmo objectivo em matéria de defesa dos consumidores que o SRCP. A opção de utilizar recursos financeiros para complementar o SRCP pode conceder às empresas uma maior flexibilidade, contribuir para que mantenham um nível global adequado de recursos e assegurar o cumprimento da cobertura do SRCP em condições de mercado difíceis. 3. PROCESSO DE CONSULTA COM OBJECTIVOS ESPECÍFICOS REALIZADO JUNTO DOS ESTADOS-MEMBROS E DAS AUTORIDADES COMPETENTES Em Março de 2006, a DG MARKT dirigiu um questionário aos Estados-Membros e às respectivas autoridades competentes, solicitando informações relativas à aplicação do seguro de responsabilidade civil profissional no âmbito da DMS e da DAFP reformulada. Foram recebidas 19 respostas ao questionário. 5 As respostas foram compiladas e publicadas como uma parte integrante do projecto de relatório de 14 de Agosto de Considera-se que o número incompleto de respostas se deve ao facto de que, nessa altura, a transposição da DMS só tinha sido concluída recentemente em muitos Estados-Membros e que o prazo para a transposição da maior parte das disposições da DAFP reformulada ainda não tinha terminado. Pelas mesmas razões, é evidente, a partir das respostas disponíveis, que os Estados-Membros têm, em geral, pouca experiência e poucos dados disponíveis em que basear uma avaliação adequada do impacto do regime introduzido por essas directivas nas empresas e na protecção oferecida aos consumidores. Além disso, é difícil prever qual o eventual impacto sobre os intermediários MiFID que realizam igualmente a actividade de mediação de 5 Foram recebidas respostas da Áustria, Chipre, Republica Checa, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Malta, Países Baixos, Noruega, Polónia, Roménia, Eslováquia, Espanha, Suécia e Reino Unido. Não apresentaram respostas a Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Itália, Estónia, Letónia, Lituânia, Luxemburgo e Portugal. PT 9 PT

10 seguros no quadro da DMS. Afigura-se que só no início de 2008 estarão disponíveis dados adequados que permitam uma avaliação adequada. As respostas pormenorizadas dos Estados-Membros e a síntese, constante do projecto de relatório foram publicadas e estão disponíveis no sítio web da Comissão PROCESSO PÚBLICO DE CONSULTA SOBRE O PROJECTO DE RELATÓRIO A Comissão convidou as partes interessadas a apresentar comentários relativos ao projecto de relatório até 31 Outubro O formato recomendado aos respondentes foi a apresentação de observações gerais seguidas por respostas a questões especificas. Foram recebidas observações de 7 organizações. Uma dessas organizações tinha uma carácter pan-europeu e representava a resposta conjunta das associações de mediadores de seguros de 14 Estados-Membros da UE. Das restantes, 4 eram do Reino Unido, uma da Alemanha e outra da Áustria. As organizações respondentes representavam vários subsectores do sector dos seguros (agentes, corretores, seguradoras e subscritores), representando uma delas os consultores financeiros independentes e outra uma autoridade reguladora. A presente secção sintetiza os resultados mais importantes do processo público de consulta Resultados do processo de consulta É relevante salientar que todos os respondentes concordaram que o SRCP era uma forma eficaz de protecção dos investidores e a maioria afirmou que não poderia ser inteiramente substituída por requisitos de fundos próprios. Porém, os respondentes estavam divididos quanto à questão de saber se o actual regime regulamentar em matéria de SRCP constitui uma medida adequada de protecção dos investidores. Certos respondentes defenderam requisitos mais estritos em matéria de SRCP, enquanto outros defenderam uma abordagem mais flexível adaptada à dimensão e ao perfil de risco das diferentes empresas. Dois respondentes afirmaram que as empresas deviam ser autorizadas a complementar ou substituir inteiramente a protecção oferecida pelo SRCP por requisitos de fundos próprios, a fim de assegurar que a falta de SRCP a um preço razoável não conduzisse à falência de intermediários. Um respondente, que representa os agentes de seguros, descreveu os requisitos em matéria de SRCP como um encargo significativo e desnecessário, que tinha levado as seguradoras a transferirem os custos do SRCP para os seus agentes. Dois respondentes apelaram à Comissão para realizar uma análise adicional da situação logo que as directivas sejam plenamente aplicáveis em todos os Estados-Membros, a fim de permitir uma avaliação mais completa Uma síntese mais pormenorizada das respostas às questões específicas encontra-se disponível no seguinte endereço: PT 10 PT

11 5. CONCLUSÕES A analise das informações apresentadas pelos Estados-Membros e pelas partes interessadas, em resposta aos dois processos de consulta, indica, com base nos elementos limitados actualmente disponíveis, que as razões de política económica que fundamentaram os requisitos em matéria de SRCP, estabelecidos pelo direito comunitário, continuam a ser válidos, não havendo elementos suficientes que permitam indicar que tais requisitos deixaram de ser adequados. Porém, é também evidente que é demasiado cedo para efectuar uma avaliação exaustiva do modo como esses requisitos influenciam os prestadores de serviços e os consumidores. O regime ao abrigo da DMS só é aplicável nos Estados-Membros desde há pouco tempo, não existindo de todo uma experiência a nível da aplicação dos novos requisitos em matéria de SRCP às empresas de investimento, ao abrigo da DAFP reformulada. Não pode ser efectuada uma avaliação apropriada com vista a determinar se esses requisitos continuam a ser adequados, sem uma maior experiência concreta e mais dados, o que só será viável após a aplicação em todos os Estados-Membros, durante, no mínimo, um ano, dos requisitos previstos ao abrigo da DAFP reformulada. Poderá então ser adequado voltar a investigar se os requisitos em matéria de SRCP e de fundos próprios constituem substitutos adequados. Por conseguinte, a Comissão continuará a acompanhar a situação, caso surjam indícios de falhas do mercado. PT 11 PT

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa a um procedimento simplificado de tratamento de certas operações de concentração nos termos do Regulamento (CEE) n 4064/89 do Conselho (Texto relevante para efeitos do

Leia mais

O QUE É O SERVIÇO SOLVIT O SOLVIT PODE INTERVIR

O QUE É O SERVIÇO SOLVIT O SOLVIT PODE INTERVIR O QUE É O SERVIÇO SOLVIT Viver, trabalhar ou estudar em qualquer país da UE é um direito básico dos cidadãos europeus. Também as empresas têm o direito de se estabelecer, prestar serviços e fazer negócios

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Guidelines Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Data: 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Índice I. Âmbito 3 II. Definições

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, xxx SEC (2010) xxx final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 30.4.2009 C(2009) 3177 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO que complementa as Recomendações 2004/913/CE e 2005/162/CE no que respeita ao regime de remuneração

Leia mais

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca)

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca) L 336/42 Jornal Oficial da União Europeia 18.12.2009 DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 2009 relativa a uma contribuição financeira comunitária, para 2009, para as despesas efectuadas pelos Estados-Membros

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário

Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário Ana Pereira de Miranda Vogal do Conselho Directivo Data arial 10p O Pacote Rodoviário Regulamento do PE e do Conselho que estabelece

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.10.2011 SEC(2011) 1218 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Resumo da Avaliação de Impacto que acompanha o documento Proposta de Regulamento do Parlamento

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2008R1234 PT 02.11.2012 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1234/2008 DA COMISSÃO de 24 de Novembro de 2008 relativo

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

Notas explicativas Regras de facturação do IVA

Notas explicativas Regras de facturação do IVA Notas explicativas Regras de facturação do IVA (Directiva 2010/45/UE do Conselho) Porquê notas explicativas? O objectivo das notas explicativas é permitir uma melhor compreensão da legislação adoptada

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006 Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Dezembro de 1996 relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p.

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n.

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n. PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.8.2010 COM(2010) 459 final 2010/0240 (NLE) Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 19.05.2004 COM(2004)385 final 2004/0121(CNS). Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que concede uma garantia da Comunidade ao Banco Europeu de Investimento em caso

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

(JO P 36 de 6.3.1965, p. 533)

(JO P 36 de 6.3.1965, p. 533) 1965R0019 PT 01.05.2004 006.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BREGULAMENTO N. o 19/65/CEE DO CONSELHO de 2 de Março de 1965 relativo à aplicação

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1206/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos aplicáveis à identificação das aeronaves

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local de trabalho na UE 2014/S 039-063712

Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local de trabalho na UE 2014/S 039-063712 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:63712-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia 4 de Agosto de 2003 PE 322.025/1-7 ALTERAÇÕES 1-7 Projecto de recomendação para segunda leitura (PE

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA. COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Bruxelas,9.2.2004 COM (2004) 83 final Relatório sobre a concorrência nos serviços das profissões liberais. PT PT Relatório sobre a concorrência nos serviços

Leia mais

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES 1996L0034 PT 05.02.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD)

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) 5 de Fevereiro de 2004 PROJECTO DE PARECER da Comissão da Indústria, do Comércio

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 17.2.2004 L 46/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 261/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Fevereiro de 2004 que estabelece regras comuns

Leia mais

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN Trata-se de uma adenda à primeira edição do Manual sobre a aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho, de 29 de Setembro

Leia mais

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004 Rectificação ao Regulamento (CE) n. o 847/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativo à negociação e aplicação de acordos de serviços aéreos entre Estados Membros e países

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009

Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009 L 300/34 Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009 REGULAMENTO (CE) N. o 1070/2009 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Outubro de 2009 que altera os Regulamentos (CE) n. o 549/2004, (CE) n.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999

ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999 Banco de Portugal Carta-Circular nº 1 /99/DDE/DOC, de 07-01-1999 ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999 Como foi oportunamente divulgado está essa instituição sujeita, a partir de 1 de

Leia mais

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1)

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1) Comissão Europeia Investigação Comunitária Brochura informativa QUINTO PROGRAMA-QUADRO DE ACÇÕES DA COMUNIDADE EUROPEIA EM MATÉRIA DE INVESTIGAÇÃO, DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E DE DEMONSTRAÇÃO PROPOSTA

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda.

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 08.II.2006 C(2006) 241 final Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. Excelência, I. Procedimento

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão REGULAMENTO (UE) N.º /2012 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão REGULAMENTO (UE) N.º /2012 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO P7_TA-PROV(2012)0346 Fundos de Capital de Risco Europeus ***I Alterações, aprovadas pelo Parlamento Europeu em 13 de setembro de 2012, a uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 29.1.2004 L 24/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 139/2004 DO CONSELHO de 20 de Janeiro de 2004 relativo ao controlo das concentrações de empresas («Regulamento

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE Empresa Geral do Fomento e COMENTÁRIOS DA EMPRESA GERAL DO FOMENTO E DOUROGÁS, ACE À PROPOSTA DE REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO APRESENTADA PELA ERSE EM NOVEMBRO DE 2009 Novembro 2009 No seguimento da proposta

Leia mais

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO DE 7.2.1979 PROCESSO 128/78 ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 7 de Fevereiro de 1979 * No processo 128/78, Comissão das Comunidades Europeias, representada por George Close, consultor

Leia mais

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Versão Pública Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência 18/01/2006 Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA AC I Ccent. N.º

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia 6.2.2003 L 31/3 REGULAMENTO (CE) N. o 223/2003 DA COMISSÃO de 5 de Fevereiro de 2003 que diz respeito aos requisitos em matéria de rotulagem relacionados com o modo de produção biológico aplicáveis aos

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

PROGRAMA EQUITY FIRST PRODUCT SUMÁRIO. Citibank International plc

PROGRAMA EQUITY FIRST PRODUCT SUMÁRIO. Citibank International plc PROGRAMA EQUITY FIRST PRODUCT SUMÁRIO Citibank International plc Valores Mobiliários auto-call Escalator até 50.000.000 euros associados aos Índices EURO STOXX 50 SM, Nikkei 225 e S&P 500 com vencimento

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Ccent. 10/2008 TRANQUILIDADE/UNITEDHEALTH/ADVANCECARE Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência (alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho) 27/03/2008 DECISÃO DO

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.3.2014 SWD(2014) 119 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 4.5.2015

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 4.5.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.5.2015 C(2015) 2806 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 4.5.2015 que aprova a decisão de Portugal de utilizar mais de 13 do limite máximo nacional anual fixado no anexo

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização PSI 20 Entidade Emitente:

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL A República Portuguesa e Belize a seguir designadas por as Partes, Desejando facilitar a troca de informações em

Leia mais

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Breve Descrição do produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 217/18 PT DIRECTIVA 98/48/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Julho de 1998 que altera a Directiva 98/34/CE relativa a um procedimento de informação no domínio das normas e regulamentações

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR?

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR? Briefing MARÇO 2013 01 Entrada em vigor das novas regras aplicáveis aos derivados - EMIR O Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia adoptaram, em 4 de Julho de 2012, o Regulamento (UE) n.º 648/2012

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL CIVIL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A REPÚBLICA DA COREIA, POR OUTRO CE/KR/pt

Leia mais

Consulta pública sobre a futura utilização da banda de radiodifusão televisiva UHF: Relatório Lamy

Consulta pública sobre a futura utilização da banda de radiodifusão televisiva UHF: Relatório Lamy Consulta pública sobre a futura utilização da banda de radiodifusão televisiva UHF: Relatório Lamy Fields marked with are mandatory. Os campos assinalados com um asterisco () são de preenchimento obrigatório.

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia C 91/4 PT 12.4.2008 Comunicação interpretativa da Comissão sobre a aplicação do direito comunitário em matéria de contratos públicos e de concessões às parcerias público-privadas institucionalizadas (PPPI)

Leia mais

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização Este contrato de seguro garante a responsabilidade civil imputável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização de sociedades comerciais, de acordo com o legalmente exigível no Código das Sociedades

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 200XI/1ª. Isenção de obrigações contabilísticas gerais por parte das Microentidades

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 200XI/1ª. Isenção de obrigações contabilísticas gerais por parte das Microentidades Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 200XI/1ª Isenção de obrigações contabilísticas gerais por parte das Microentidades Exposição de Motivos Portugal tem necessidade de prosseguir uma política de simplificação

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 17.2.2005 C 40/9 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 4 de Fevereiro de 2005 solicitado pelo Conselho da União Europeia sobre uma proposta de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2011 COM(2011) 113 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Qualidade da gasolina e do combustível para motores diesel utilizados no transporte

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

31/10/1992 Jornal Oficial L 316

31/10/1992 Jornal Oficial L 316 DIRECTIVA 92/83/CEE DO CONSELHO de 19 de Outubro de 1992 relativa à harmonização da estrutura dos impostos especiais sobre o consumo de álcool e bebidas alcoólicas CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS, Tendo

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR

GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR MARKT/2526/02 PT Orig. EN GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR Commission européenne, B-1049 Bruxelles / Europese Commissie, B-1049 Brussel Bélgica. Telefone: + 32-2-299.11.11 Escritório:

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

AVISO PARA EXERCÍCIO DE DIREITOS DE SUBSCRIÇÃO

AVISO PARA EXERCÍCIO DE DIREITOS DE SUBSCRIÇÃO Sonae Indústria, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede Social: Lugar do Espido, Via Norte, na Maia Capital Social integralmente subscrito e realizado: 700.000.000 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

SÍNTESE DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

SÍNTESE DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 10.7.2007 SEC(2007) 870 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Documento apenso à Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO aos seguros

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de 31.3.2015

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de 31.3.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.3.2015 C(2015) 2146 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO de 31.3.2015 que altera os anexos III, V e VII do Regulamento (UE) n.º 211/2011 do Parlamento Europeu

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

L 139/6 Jornal Oficial da União Europeia 5.6.2009

L 139/6 Jornal Oficial da União Europeia 5.6.2009 L 139/6 Jornal Oficial da União Europeia 5.6.2009 REGULAMENTO (CE) N. o 460/2009 DA COMISSÃO de 4 de Junho de 2009 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008 que adopta determinadas normas internacionais

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 26.1.2006 COM(2006)29 final 2006/0009(CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que estabelece um mecanismo comunitário no domínio da protecção civil (reformulada)

Leia mais