cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr."

Transcrição

1 cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. NESC UFRJ

2 Catalogação na fonte Biblioteca do CCS / UFRJ Cadernos Saúde Coletiva / Universidade Federal do Rio de Janeiro, Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva, v.xiv, n.2 (abr. jun 2006). Rio de Janeiro: UFRJ/NESC, Trimestral ISSN X 1.Saúde Pública - Periódicos. I I.Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva/UFRJ.

3 RECUPERAÇÃO DE DADOS DA DECLARAÇÃO DE ÓBITOS (DO) PARA OS MENORES DE UM ANO ATRAVÉS DA DECLARAÇÃO DE NASCIDOS VIVOS (DN) Recovering data from deaths certificates for children younger than one year of age by means of live birth certificates Ana Cristina Reis 1 Resumo O objetivo deste trabalho foi recuperar os dados relativos aos óbitos de menores de um ano ocorridos no Estado do Rio de Janeiro em O processo de recuperação dos dados foi realizado a partir relacionamento dos banco de dados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC), sendo possível recuperar os dados ignorados das seguintes variáveis comuns aos dois formulários: idade da mãe, escolaridade da mãe, ocupação habitual, idade gestacional, tipo de gravidez, tipo de parto, peso ao nascer e número da Declaração de Nascido Vivo (DN). Com a recuperação dos dados de mortalidade a proporção de dados ignorados foi reduzida para valores próximos a 10%, para todas as variáveis analisadas. A melhoria da qualidade dos dados do SIM, especificamente dos menores de um ano, torna possível a identificação das características relacionadas à mãe e às condições de nascimento, permitindo avaliar associações com o óbito infantil, o que poderá trazer contribuições para a redução da mortalidade infantil. PALAVRAS-CHAVE Sistemas de informação, mortalidade infantil, nascido vivo ABSTRACT The main purpose of this study was to recovery data related to death of children younger than one year of age occurring in the state of Rio de Janeiro in Data were recovered through the linkage of two sources of data, the mortality information system (Sistema de Informação sobre Mortalidade - SIM) and the live birth information system (Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos - SINASC. It was possible to recover missing data on the following variables shared by the two systems: age of the mother, mother s literacy, occupation of the mother, gestational age, type of pregnancy, way of delivery, birth weight and number of the live birth register. The data recovery procedure reduced the proportion of missing data to less than 10%. With a better quality of the data, particularly fof children younger than one year of age, it is possible to identify the mother s characteristics and the conditions of the birth related to infant mortality and contribute to reduce children s mortality. KEY WORDS Information systems, infant mortality, live birth 1 Mestre em Saúde Pública. Sanitarista - Departamento de Dados Vitais/Centro de Informação em Saúde/ Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro - End.: Rua México, º andar sala 1111 Centro, RJ - CEP: C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

4 A NA CRISTINA REIS 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) são considerados importantes fontes de informação para as estatísticas vitais. Seus dados são utilizados para construção de indicadores de saúde, de modo a apoiar o planejamento de ações mais adequadas aos problemas de saúde enfrentados pela população. O processo de descentralização do SIM, no Estado do Rio de Janeiro, teve início em 1995, trazendo mais rapidez ao processamento dos dados. No entanto, nem todos os municípios dispõem de infra-estrutura técnica nem recursos humanos capacitados para executar as atividades inerentes a este sistema de informação, e, neste caso, o processamento dos dados de mortalidade destes municípios é realizado a nível estadual. Deve-se ressaltar que o processo de descentralização tende a melhorar a qualidade dos dados, além de gerar ganhos no que diz respeito à capacidade de auto-avaliação do nível local (Branco, 1995). O SINASC foi implantado no Brasil no início dos anos 90 com o objetivo de fornecer dados mais confiáveis sobre os nascidos vivos, funcionando como uma fonte de informação alternativa do registro civil que, em algumas localidades brasileiras, apresentam elevado grau de sub-registro (Mello Jorge et al., 1996). A partir dos dados do SINASC é possível conhecer o perfil epidemiológico do recém-nascido e da mãe. No Estado Rio de Janeiro este sistema encontra-se totalmente descentralizado desde Alguns estudos têm se preocupado com a avaliação da qualidade dos dados sobre mortalidade infantil e têm apontado deficiências no preenchimento de alguns itens da declaração de óbitos (DO), principalmente as que se referem às informações específicas aos menores de 1 ano (Niobey et al., 1990; Carvalho & Silver, 1995). Quanto ao SINASC, as avaliações realizadas revelam ser satisfatória a qualidade dos dados, constituindo-se em excelente fonte para o monitoramento das condições de nascimento (Silva et al., 2001; Mishima et al., 1999; Silva et al., 1997). Tendo em vista que algumas variáveis contidas na Declaração de Nascido Vivo (DN) como idade da mãe, escolaridade, peso ao nascer entre outras são comuns à Declaração de Óbito (DO), torna-se possível a recuperação de dados ignorados ou em branco para menores de 1 ano, através do procedimento de linkage de bancos de dados. O linkage de banco de dados vem sendo cada vez mais utilizado nas pesquisas em saúde. Santa Helena et al. (2005) aplicaram esse procedimento para investigar fatores de risco para a mortalidade neonatal, analisando estes fatores entre as variáveis contidas da Declaração de Nascido Vivo. Almeida (2003) analisou o perfil de mortalidade materna através do relacionamento dos bancos de dados de internação hospitalar (SIH-SUS), de nascido vivo (SINASC) e de mortalidade 298 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

5 R ECUPERAÇÃO DE DADOS DA DECLARAÇÃO DE ÓBITOS (DO) PARA OS MENORES DE UM ANO ATRAVÉS DA DECLARAÇÃO DE NASCIDOS VIVOS (DN) (SIM). Esta técnica também está sendo bastante utilizada na identificação de casos sub-notificados de Aids (Cavalcante et al., 2005). O relacionamento de banco de dados pode ser realizado através de um campo identificador unívoco (ex. CPF, número de DN) ou empregando o método probabilístico. Este último baseia-se na utilização conjunta de campos comuns presentes em ambos os bancos (ex. nome, data de nascimento) de modo a permitir a identificação do mesmo indivíduo nos dois bancos (Camargo Jr. & Coeli, 2002). O objetivo do presente trabalho é recuperar os dados ignorados, ou em branco, de óbitos de menores de 1 ano ocorridos no Estado do Rio de Janeiro, em 2004, através do relacionamento de banco de dados. 2. METODOLOGIA Os dados de mortalidade foram extraídos do SIM (2004) e os de nascidos vivos do SINASC (2003 e 2004), ambos da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. Foram selecionados 1178 registros de óbitos de menores de 1 ano que apresentavam o campo escolaridade materna ignorado. A escolha desta variável como critério de seleção dos óbitos deve-se ao fato desta possuir o maior percentual de dados ignorados (30%). O processo de linkage dos bancos de dados foi realizado através do relacionamento probabilístico, tomando-se como variáveis de referência: nome da mãe, município de residência e sexo. Na etapa de verificação e confirmação dos pares relacionados, utilizaram-se as seguintes variáveis: data de nascimento, peso ao nascer e endereço de residência da mãe. Com este procedimento foi possível parear em torno de 60% das DO com suas respectivas DN. No caso dos documentos não-pareados, foram levantadas algumas suposições: a) a DN não foi preenchida, ou seja, ocorreu um sub-registro; b) trata-se de um óbito fetal, mas registrado como não fetal; c) a grafia do nome da mãe na DO é muito diferente da DN. Uma vez identificado o par perfeito (DO/DN), foram recuperados os dados das variáveis: idade da mãe, escolaridade da mãe, ocupação habitual, idade gestacional, tipo de gravidez, tipo de parto, peso ao nascer e número da DN. Se houvesse discordância no registro de uma dessas variáveis, optou-se pelo dado registrado na DN, pois o SINASC é reconhecido por diversos autores pela boa qualidade de seus dados (Silva et al., 2001; Noronha et al., 1997). Para a análise de completude das variáveis mencionadas acima, adotou-se a seguinte classificação: excelente menos de 10%; bom de 10 a 29,9%; e mau superior a 30% (Mello Jorge et al., 1996), sendo que os dados ignorados ou deixados em branco foram agrupados e tratados como uma só categoria. Os softwares utilizados foram o Tabwin, o RecLink II e o Excel. C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

6 A NA CRISTINA REIS 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO A tabela abaixo apresenta a distribuição proporcional das variáveis selecionadas antes e depois do procedimento de linkage. Os resultados obtidos apontaram para a viabilidade e a importância da recuperação dos dados de mortalidade em menores de 1 ano, uma vez que se conseguiu recuperar em torno de 50% dos dados ignorados. Tabela Mortalidade proporcional de menores de 1 ano segundo variáveis selecionadas. Estado do Rio de Janeiro Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade/DDV/CISA/SES-RJ. A variável idade materna é comumente usada na avaliação de riscos relacionados à gravidez precoce na adolescência e na gravidez tardia. Em todo o Brasil observou-se, nos últimos anos, ocorrência elevada de gravidez dos 15 aos 19 anos, grupo populacional considerado mais predisposto à gestação de alto risco (Goldenberg et al., 2005). A recuperação dos dados desta variável reduziu a proporção de ignorados de 20,9% para 10,4%. 300 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

7 R ECUPERAÇÃO DE DADOS DA DECLARAÇÃO DE ÓBITOS (DO) PARA OS MENORES DE UM ANO ATRAVÉS DA DECLARAÇÃO DE NASCIDOS VIVOS (DN) A escolaridade da mãe é considerada informação fundamental para a compreensão dos determinantes sociais de mortalidade infantil. Haidar et al. (2001) verificaram uma associação significativa entre baixa escolaridade e ocorrência de baixo peso ao nascer; número de filhos vivos igual ou maior que três; história pregressa de filhos mortos e consultas de pré-natal em número até seis. A escolaridade materna apresentava o maior percentual de ignorados (30,1%). Após recuperação dos dados, esta proporção passou para 14,5%. Já o número de semanas gestacionais é utilizado na avaliação de prematuridade, sendo considerado uma das principais causas de mortalidade neonatal associada a idade materna inferior a 18 anos, primiparidade e não-realização de pré-natal (Aragão et al., 2004). No outro extremo, aponta ainda os potenciais riscos de uma gravidez prolongada. Neste caso a proporção de ignorados, que era de 17,2%, passou para 9,1%. O tipo de gravidez, especificamente a gestação múltipla, associa-se a uma maior freqüência de retardo do crescimento intra-uterino, parto prematuro entre outras complicações relevantes para morbi-mortalidade perinatal (Brasil, 1995). A recuperação dos dados desta variável reduziu a proporção de ignorados de 15,5% para 7,7%. As informações sobre o tipo de parto são usadas para medir a qualidade da assistência ao parto, pois elevadas taxas de cesárea estão associadas ao maior risco de complicações maternas e neonatais (d Orsi, 2003). A proporção de dados ignorados desta variável era de 16% e, com a recuperação dos dados, os valores foram reduzidos para 7,9%. O peso ao nascer, outra importante variável, dimensiona os riscos relacionados ao baixo peso ao nascer. Gama et al. (2001) constataram que a gravidez precoce tem papel relevante sobre a ocorrência do BPN, mencionando que as condições, estilos de vida e a alimentação da adolescente durante a gestação podem estar envolvidos na explicação desta associação. Em relação aos dados ignorados, sua proporção era igual a 19,7% e, com a recuperação dos dados, esta proporção foi reduzida para 10,8%. 4. COMENTÁRIOS FINAIS A técnica de linkage dos sistemas de informações de mortalidade e nascidos vivos mostrou-se bem sucedida, uma vez que se obteve uma considerável redução da proporção de dados ignorados em todas as variáveis analisadas, alcançando um padrão de qualidade aceitável. O emprego dessa técnica permite a recuperação de dados com baixo custo operacional, recomendando-se, assim, sua adoção para que as informações produzidas pelos sistemas de informação tenham melhor qualidade. Além disso, C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

8 A NA CRISTINA REIS recomenda-se que os profissionais responsáveis pelo preenchimento da DO devam ser incentivados a buscar, nos registros médicos hospitalares ou através de contato com os familiares, as informações necessárias a fim de diminuir a freqüência de dados não preenchidos. A melhoria da qualidade dos dados do SIM, especificamente dos menores de 1 ano, torna possível a identificação das características relacionadas à mãe e às condições de nascimento, podendo-se fazer associações com o desfecho do óbito infantil, o que com certeza trará contribuições para a redução da mortalidade infantil. R EFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, M. T. C. G. N. A identificação de mortes durante o ciclo gravídico puerperal: uma contribuição à vigilância da mortalidade materna no Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro Dissertação (Mestrado em Demografia e Estudos Populacionais) Escola Nacional de Ciências Estatísticas. IBGE, Rio de Janeiro. ARAGÃO, V. M. F.; SILVA, A. A. M.; ARAGÃO, L. F.; BARBIERI, M. A.; BETTIOL, H.; COIMBRA, L. C.; RIBEIRO, V. S. Risk factors for preterm births in São Luís, Maranhão, Brazil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p , BRANCO, M. A. F. Sistema de informação em saúde em âmbito local e organização de interesses sociais: um estudo de caso no município do Rio de Janeiro p. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) Instituto de Medicina Social. UERJ, Rio de Janeiro. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Assistência e Promoção à Saúde. Coordenação Materno-Infantil. Gestação de alto risco. Brasília, CAMARGO JR, K. R.; COELI, C. M. Reclink II: Guia do usuário Disponível em: <http://planeta.terra.com.br/educacao/reclinkii.html>. Acesso em: 20 jul CARVALHO, M. L.; SILVER, L. D. Confiabilidade da declaração da causa básica de óbitos neonatais: implicações para o estudo da mortalidade prevenível. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 29, n. 5, p , CAVALCANTE, M. S.; RAMOS JR, A. N.; PONTES, L. R. S. K. Relacionamento de sistemas de informação em saúde: uma estratégia para otimizar a vigilância das gestantes infectadas pelo HIV. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Brasília, v. 14, n. 2, p , CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

9 R ECUPERAÇÃO DE DADOS DA DECLARAÇÃO DE ÓBITOS (DO) PARA OS MENORES DE UM ANO ATRAVÉS DA DECLARAÇÃO DE NASCIDOS VIVOS (DN) D ORSI, E. Fatores associados à realização de cesáreas e qualidade da atenção ao parto no Município do Rio de Janeiro Tese (Doutorado em Saúde Pública) Escola Nacional de Saúde Pública. ENSP/Fiocruz, Rio de Janeiro. GAMA, S. G. N.; SZWARCWALDB, C. L.; LEAL, M. C.; THEME FILHA, M. M. Gravidez na adolescência como fator de risco para baixo peso ao nascer no município do Rio de Janeiro, 1996 a Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 35, n. 1, p , GOLDENBERG, P.; FIGUEIREDO, M. C. T.; SOUZA E SILVA, R. Gravidez na adolescência, pré-natal e resultados perinatais em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, p , HAIDAR, F. H.; OLIVEIRA, U. F.; NASCIMENTO, L. F. C. Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p , MELLO JORGE, M. H. P.; GOTLIEB, S. L. D.; OLIVEIRA, H. O Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos: primeira avaliação dos dados brasileiros. Informe Epidemiológico do SUS. Brasília, v. 4, n. 2, p , MISHIMA, F. C.; SCOCHI, C. G. S.; FERRO, M. A. R.; LIMA, R. A. G.; COSTA, I. A. R. Declaração de nascido vivo: análise do seu preenchimento no Município de Ribeirão Preto. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p , NIOBEY, F. M. L.; CASCÃO, A. M.; DUCHIADE, M. P.; SABROZA, P. C. Qualidade do preenchimento de atestados de óbitos de menores de um ano na região metropolitana do Rio de Janeiro. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 24, n. 4, p , NORONHA, C. P.; SILVA, R. I.; THEME FILHA, M. M. Concordância de dados das declarações de óbitos e de nascidos vivos para a mortalidade neonatal no município do Rio de Janeiro. Informe Epidemiológico do SUS. Brasília, v. 4, n. 4, p , SANTA HELENA, E. T.; SOUSA, C. A.; SILVA, C. A. Fatores de risco para mortalidade neonatal em Blumenau, Santa Catarina: linkage entre bancos de dados. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. Pernambuco, v. 5, n. 2, p , SILVA, A. A. M.; RIBEIRO, V. S.; BORBA JUNIOR, A. F.; COIMBRA, L. C.; SILVA, R. A. Avaliação da qualidade dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos em Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 35, n. 6, p , SILVA, R. I.; THEME FILHA, M. M.; NORONHA, C. P. Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos na cidade do Rio de Janeiro 1993/1996. Informe Epidemiológico do SUS. Brasília, v. 6, n. 2, p , C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr.

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. NESC UFRJ Catalogação na fonte Biblioteca do CCS / UFRJ Cadernos

Leia mais

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis em município do Nordeste do Brasil: qualidade dos sistemas de informação

Linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis em município do Nordeste do Brasil: qualidade dos sistemas de informação 55 ARTIGO ARTICLE Linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis em município do Nordeste do Brasil: qualidade dos sistemas de informação Linkage between live birth and infant death

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE II

INDICADORES DE SAÚDE II Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE II 2005 Taxa de mortalidade infantil

Leia mais

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL SUMÁRIO 1. RELEVÂNCIA DO TEMA 1 2. FONTES DE DADOS UTILIZADAS

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Alta Mortalidade Perinatal

Alta Mortalidade Perinatal Alta Mortalidade Perinatal SMS de Piripiri CONASEMS Conselho Consultivo EVIPNet Brasil Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS de Belo Horizonte em Formulação de Políticas de Saúde e

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr.

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. NESC UFRJ Catalogação na fonte Biblioteca do CCS / UFRJ Cadernos

Leia mais

nascimento (Sinasc) identificando o grau de

nascimento (Sinasc) identificando o grau de Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães Departamento de Saúde Coletiva Ministério da Saúde Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ Centro de Pesquisas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor Subsecretaria de Ações e Serviços de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Informações Epidemiológicas Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Leia mais

(Coeficiente de mortalidade infantil)

(Coeficiente de mortalidade infantil) C Taxa de mortalidade infantil C.1............................ 108 Taxa de mortalidade neonatal precoce C.1.1..................... 110 Taxa de mortalidade neonatal tardia C.1.2...................... 112

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE

MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE Artigo Original MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE Resumo Ana Claudia Conceição da Silva 1 Carlos Olimpio Válido Santana 1 Larissa Fernanda

Leia mais

Antes da hora. Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos

Antes da hora. Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos 18 fevereiro DE 2015 capa Antes da hora Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos Alice Giraldi e Ricardo Zorzetto ilustração mariana zanetti No início de janeiro o Ministério

Leia mais

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr.

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. NESC UFRJ Catalogação na fonte Biblioteca do CCS / UFRJ Cadernos

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Sistema de Informações Sobre Nascidos vivos: um estudo de revisão

Sistema de Informações Sobre Nascidos vivos: um estudo de revisão Sistema de Informações Sobre Nascidos vivos: um estudo de revisão Natália Santana Paiva 1, Cláudia Medina Coeli 2, Marcia Fernandes Soares¹, Sergio Munck¹, Gregorio Galvão de Albuquerque 1, Nair Navarro¹,

Leia mais

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a),

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a), Ofício XXXXXX n 23/ 2012. Salvador, 05 de janeiro de 2012. Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX Prezado (a) Senhor ( a), Cumpre-nos informar que os óbitos infantis de residência

Leia mais

Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008

Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008 Artigo original Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008 Associated Factors and Infant Mortality

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Versão: 2011 Manual de utilização do menu de Cadastramento Versão: 2013 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Introdução. 5 Cadastramento. 6 Cadastro de usuário SUS.

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Manual de cadastramento de usuário SUS Versão: 2011 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Cadastramento. 1 Cadastro de usuário SUS. 1 Transferência de usuário SUS.

Leia mais

Mortalidade infantil segundo raça/cor no Brasil: o que dizem os sistemas nacionais de informação?

Mortalidade infantil segundo raça/cor no Brasil: o que dizem os sistemas nacionais de informação? 1602 FÓRUM FORUM Mortalidade infantil segundo raça/cor no Brasil: o que dizem os sistemas nacionais de informação? Infant mortality according to race/color in Brazil: what do the national databases say?

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Mortalidade neonatal precoce hospitalar em Minas Gerais: associação com variáveis assistenciais e a questão da subnotificação

Mortalidade neonatal precoce hospitalar em Minas Gerais: associação com variáveis assistenciais e a questão da subnotificação Mortalidade neonatal precoce hospitalar em Minas Gerais: associação com variáveis assistenciais e a questão da subnotificação Deise Campos Cardoso Afonso Rosangela Helena Loschi Elisabeth Barboza França

Leia mais

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE Apresentar os resultados da elaboração do modelo lógico para uma política de saúde. Trata-se da iniciativa

Leia mais

Avaliação da Qualidade de Preenchimento das Declarações de Óbito em Unidade Terciária de Atenção à Saúde Materno-Infantil*

Avaliação da Qualidade de Preenchimento das Declarações de Óbito em Unidade Terciária de Atenção à Saúde Materno-Infantil* Avaliação da Qualidade de Preenchimento das Declarações de Óbito em Unidade Terciária de Atenção à Saúde MaternoInfantil* Quality Evaluation of the Completeness of Death Certificates at a Tertiary MaternalInfant

Leia mais

Análise da mortalidade infantil cadastradas no DATASUS nos últimos dez anos em Araxá

Análise da mortalidade infantil cadastradas no DATASUS nos últimos dez anos em Araxá 1 Análise da mortalidade infantil cadastradas no DATASUS nos últimos dez anos em Araxá Analysis of infant mortality registered in DATASUS in the last ten years in Araxá Marina Stela Fernandes 1, Giulliano

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Tamiris Cristine Teodoro de Souza. Rua General Jardim, 36-5º andar- Vila Buarque CEP: 01223-906 - São Paulo- SP. Email: sinasc@prefeitura.sp.gov.

Tamiris Cristine Teodoro de Souza. Rua General Jardim, 36-5º andar- Vila Buarque CEP: 01223-906 - São Paulo- SP. Email: sinasc@prefeitura.sp.gov. 2ªE di ç a or e v i s t aea mpl i a da F e v e r e i r o/2013 2013, Prefeitura do Município de São Paulo É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA,

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA, Questão contestada: 05 Resposta Publicada: B O RECURSO impetrado foi: ( X ) DEFERIDO ( ) INDEFERIDO Existem duas respostas incorretas nesta questão (B e E). - Alternativa B, onde se lê: As propostas desta

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE An approach to identify a new cancer case on the outpatient information system of the brazilian national

Leia mais

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc.

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc. AIDS Para construir série histórica de alguns indicadores epidemiológicos e operacionais referentes a casos de aids adulto e criança anteriores ao ano de 2007, incluídos no SinanW, deve-se utilizar os

Leia mais

perinatal em São Paulo

perinatal em São Paulo A natimortalidade e a mortalidade perinatal em São Paulo Ant o n i o Be n e d i t o Ma r a n g o n e Ca m a r g o Resumo: Apresentam-se considerações sobre a situação recente da natimortalidade e da mortalidade

Leia mais

Estado de São Paulo mantém tendência de queda da Mortalidade Infantil

Estado de São Paulo mantém tendência de queda da Mortalidade Infantil Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 13 n o 3 Agosto 2013 Estado de São Paulo mantém tendência de queda da Mortalidade Infantil A taxa de mortalidade infantil em 2012, 11,48 óbitos

Leia mais

APLICAÇÃO DA DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS À MORTALIDADE INFANTIL.

APLICAÇÃO DA DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS À MORTALIDADE INFANTIL. APLICAÇÃO DA DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS À MORTALIDADE INFANTIL. Autores: VIANNA, R. C. X. F. 1,2 ; BARRA, C. M. C. M 1. Afiliação: 1.

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

Palavras-chave: Mortalidade Infantil, Análise Multivariada, Redes Neurais.

Palavras-chave: Mortalidade Infantil, Análise Multivariada, Redes Neurais. UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS PARA CLASSIFICAÇÃO E PREVISÃO DE SOBREVIVÊNCIA OU ÓBITO DE CRIANÇAS NASCIDAS NO RIO DE JANEIRO EM 2006 NO PRIMEIRO ANO DE VIDA Mariana Pereira Nunes Escola Nacional de

Leia mais

Abstract. Introdução NOTA RESEARCH NOTE

Abstract. Introdução NOTA RESEARCH NOTE NOTA RESEARCH NOTE 991 Cobertura da Comunicação de Informação Hospitalar e Ambulatorial (CIHA) utilizando os partos registrados no Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, Brasil, 2006 a 2009 Coverage

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2 DIAGNÓSTICO SOBRE A MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL EM CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS NO PERÍODO DE 2002 A 2005 PARA SUBSIDIAR AÇÕES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 1 Cláudia

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011

PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a criação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança - IHAC pela Organização Mundial da

Leia mais

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Willian Augusto de Melo 1 ; Francislaine Men Castellini

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Janeiro de 0 N o 3 PIB municipal: dos 30 maiores municípios do país, localizam-se no Estado de São Paulo Região Metropolitana de São Paulo concentra a metade do PIB do Estado, e a capital paulista responde,

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER DEFISC Nº 09/2012 Porto Alegre, 11 de maio de 2012. Laudo para teste rápido de gravidez por profissionais de Enfermagem. I - Relatório Trata-se de solicitação de dúvida, encaminhada por profissional

Leia mais

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008 PARAÍBA NEGO SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS Novembro de 2008 Atenção Básica Conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr.

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. NESC UFRJ Catalogação na fonte Biblioteca do CCS / UFRJ Cadernos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE Curitiba Outubro/2010 DADOS INSTITUCIONAIS SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE: Carlos

Leia mais