cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr."

Transcrição

1 cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. NESC UFRJ

2 Catalogação na fonte Biblioteca do CCS / UFRJ Cadernos Saúde Coletiva / Universidade Federal do Rio de Janeiro, Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva, v.xiv, n.2 (abr. jun 2006). Rio de Janeiro: UFRJ/NESC, Trimestral ISSN X 1.Saúde Pública - Periódicos. I I.Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva/UFRJ.

3 ASSOCIAÇÃO ENTRE PESO AO NASCER E MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ Association between birth weight and infant mortality in Campos dos Goytacazes Municipality - RJ Elizabeth Passebon 1, Katia Vergetti Bloch 2, Pauline Lorena Kale 3, Claudia Medina Coeli 4 RESUMO Introdução: A Organização Mundial da Saúde identifica o peso ao nascer como o mais importante fator de risco isolado a influenciar a sobrevivência infantil, devido à evidência da associação entre baixo peso ao nascer e morbi-mortalidade infantil. Objetivo: Estimar o coeficiente de mortalidade infantil de uma coorte de nascidos vivos em 1999 e sua associação com o baixo peso ao nascer em Campos de Goytacazes. Métodos: Utilizou-se como fonte de dados o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) e o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). A população do estudo foi constituída de 7785 nascidos vivos de mães residentes no Município de Campos dos Goytacazes e cujos nascimentos ocorreram no mesmo município, no período de 01/01/1999 a 31/12/1999. Os recém-nascidos foram classificados como tendo baixo peso (peso ao nascer < 2500g) ou não (peso ao nascer 2500g). Foi empregada uma técnica de relacionamento probabilístico de bancos de dados para identificação dos óbitos no SIM (1999 e 2000) dos nascidos vivos do SINASC de A associação entre o peso ao nascer e mortalidade foi investigada estimando-se a razão de incidências, utilizando-se um modelo de regressão de Poisson. Resultados: A prevalência de baixo peso ao nascer foi de 7,5%. O relacionamento das bases de dados resultou na identificação de 265 pares. O coeficiente de mortalidade infantil foi de 34/1000 nascidos vivos. Nascidos vivos com baixo peso ao nascer têm um risco 4,7 vezes maior de morrer do que os nascidos vivos com peso igual ou superior a 2500g (IC 95%: 3,3 7,1), controlando-se por índice de Apgar no 1º minuto, duração da gestação e número de consultas pré-natais. Conclusão: Em Campos dos Goytacazes existe uma forte associação entre baixo peso ao nascer e mortalidade infantil independente de variáveis ligadas à gestação e à assistência. PALAVRAS-CHAVE Mortalidade infantil, baixo peso ao nascer, linkage 1 Mestre em Saúde Coletiva. Faculdade Medicina de Campos. End.: Rua Rodrigues Peixoto 106, apto Campos dos Goytacazes, RJ - CEP: Doutora em Saúde Pública. Professora Adjunta do Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva NESC/UFRJ. 3 Doutora em Engenharia Biomédica. Professora Adjunta de Epidemiologia do Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva NESC/UFRJ. 4 Doutora em Saúde Coletiva. Profª. Visitante do Departamento de Epidemiologia. Instituto de Medicina Social IMS/UERJ e Pesquisadora Visitante da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/FIOCRUZ. C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

4 E LIZABETH PASSEBON, KATIA VERGETTI BLOCH, P AULINE LORENA KALE, CLAUDIA MEDINA COELI ABSTRACT Introduction: The World Health Organization identifies birth weight as the main isolated factor associated with infant s survival based on the fact that there is evidence of an association between low birth weight and infant morbidity and mortality. Objective: The objective of the study is to estimate the probability of infant mortality in a live born cohort in 1999 and to analyze the association between low birth weight and infant mortality in Campos dos Goytacazes Municipality. Methods: The data were obtained from the birth and death certificates. A live born cohort of 7785 children from Campos dos Goytacazes Municipality (from 01/01/1999 to 31/12/1999) whose mothers were living in this area was studied. The live born were classified as low birth weight (birth weigth < 2500g) or not (birth weigth 2500g). The records from the two information systems were linked using a probabilistic method. The association between infant mortality and birth weight was estimated using Poisson regression. Results: The prevalence of low birth weight was 7.5%. The linkage identified 265 pairs. The infant mortality was 34/1000 live births. Poisson regression showed that low birth weight live births had a risk to die 4.7 (95% CI: ) higher than live births with normal weight, independently of Apgar score in 1 st minute, gestation duration and number of pre-natal visits. Conclusion: In Campos dos Goytacazes Municipality there is a strong association between low birth weight and infant mortality that is independent of gestational and assistance factors. KEY WORDS Infant mortality, low birth weight, linkage 1. INTRODUÇÃO A mortalidade infantil refere-se aos óbitos ocorridos ao longo do primeiro ano de vida. É vista hoje como um evento quase sempre evitável e é um indicador da qualidade de vida e da qualidade e cobertura dos serviços de saúde. Nas últimas décadas, tem havido um decréscimo acentuado da mortalidade infantil em todo o mundo, como demonstra o relatório da Unicef (Brasil, 1998). Este decréscimo deve-se, principalmente, à redução do componente pós-neonatal, que é mais suscetível às ações preventivas, como as campanhas de vacinação, estímulo ao aleitamento materno e controle da doença diarréica. Atuam ainda neste período os fatores ambientais, particularmente os de natureza nutricional e os agentes infecciosos. Embora a mortalidade infantil tenha apresentado tendência declinante, em nível mundial, esse fenômeno vem se processando de forma desigual e com determinantes específicos, de acordo com o nível de desenvolvimento de cada área. Atualmente, dois terços dos óbitos infantis ocorrem no período neonatal, sendo que a maior parte da mortalidade infantil ocorre no primeiro mês de vida, 50% desta na primeira semana e metade desses óbitos ocorrem nas primeiras 24 horas após o nascimento. Considerando que o maior risco de morte é no momento do parto, a boa qualidade da assistência no pré-natal, parto e nascimento é fundamental, sem a qual muitas crianças serão perdidas (Araújo et al., 2000). 284 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

5 A SSOCIAÇÃO ENTRE PESO AO NASCER E MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ No Brasil, tivemos uma redução acentuada e constante do coeficiente de mortalidade infantil (CMI) nos últimos anos: 118/1000, 85,6/1000, 37,5/1000 e 29,6/1000 nascidos vivos para os anos 1960, 1980, 1996 e 2000, respectivamente (IBGE, 2002). Apesar do decréscimo importante da mortalidade infantil, ainda estamos distante da realidade de países com menos desigualdades sociais, e, pior, ainda temos um grande diferencial interno. Nas últimas duas décadas, o coeficiente de mortalidade infantil também apresentou decréscimo no Estado do Rio de Janeiro, acompanhando a mesma tendência das outras regiões brasileiras. Atualmente, a mortalidade no período neonatal se constitui no componente de maior expressão quantitativa da mortalidade infantil no estado. Segundo Leal e Szwarcwald (1996), entre 1979 e 1993, foi observada uma queda três vezes maior para a mortalidade infantil no período pós-neonatal em comparação ao período neonatal. Campos dos Goytacazes é um município localizado na região Norte do Estado do Rio de Janeiro com população de habitantes (IBGE, 2002). Segundo dados do Ministério da Saúde, o coeficiente de mortalidade infantil de Campos dos Goytacazes declinou de 45,3/1000 nascidos vivos em 1989 para 35,3/1000 nascidos vivos em 1998 (Brasil, 1998). O estudo do peso ao nascer pode mostrar evidências da atuação de fatores ambientais sobre o potencial genético individual, sendo sua distribuição diferente e específica para populações distintas, em função principalmente das condições de vida, podendo ser considerado um bom indicador da qualidade de vida. É função da massa corpórea, cuja constituição é o resultado de um processo complexo para o qual concorrem inúmeros fatores de origem biológica, social e psicológica. O método probabilístico de relacionamento de registros permite que, através da construção de uma combinação de variáveis de identificação, sejam identificados indivíduos presentes em diferentes bases de dados. Essa importante ferramenta viabiliza a construção de bases de dados que resultem da combinação de diferentes sistemas de informação, mesmo na ausência de um identificador único. O objetivo do estudo foi estimar o coeficiente de mortalidade infantil de uma coorte de nascidos vivos em 1999, segundo idade e causa, e sua associação com o baixo peso ao nascer (BPN) em Campos de Goytacazes. 2. MÉTODOS O desenho do estudo é o de coorte não-concorrente e a população é composta pelos nascidos vivos cujos nascimentos ocorreram em Campos de Goytacazes em 1999 e cujas mães residiam neste município. Utilizou-se como fonte de dados os bancos do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) e do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

6 E LIZABETH PASSEBON, KATIA VERGETTI BLOCH, P AULINE LORENA KALE, CLAUDIA MEDINA COELI Os recém-nascidos foram classificados como tendo baixo peso ao nascer (peso ao nascer < 2500g) ou não. Os óbitos de interesse foram todos os óbitos registrados no SIM, que ocorreram em 1999 ou em 2000, de crianças com menos de 365 dias de vida que nasceram em 1999 em Campos de Goytacazes. Para identificação dos óbitos infantis no banco de dados do SIM, foi empregado um sistema de relacionamento de bases de dados, fundamentado na técnica de relacionamento probabilístico de registros (probabilistic record linkage), empregando a segunda versão do programa RecLink (Camargo Jr. & Coeli, 2002). O relacionamento probabilístico de registros baseia-se em três processos: padronização, blocagem e pareamento de registros. Na padronização busca-se preparar ou estruturar os campos dos bancos a serem relacionados com o objetivo de minimizar a ocorrência de erros no processo de pareamento dos registros. O processo de blocagem consiste na criação de blocos lógicos de registros dentro dos arquivos que serão relacionados, indexados segundo uma chave formada por um campo ou por uma combinação de campos, como, por exemplo, nome da mãe e sexo. O processo de pareamento baseia-se na construção de escores para os diferentes pares possíveis de serem obtidos a partir de determinada estratégia de blocagem. Esses escores sumarizam o grau de concordância global entre registros de um mesmo par. Através da definição de um limiar, os pares são classificados em três categorias: verdadeiros, falsos e duvidosos, quanto à probabilidade do par tratar do mesmo indivíduo. Após a realização de cada passo, é gerado um arquivo com os pares formados e respectivos escores. Os registros não pareados na primeira etapa foram, então, novamente comparados, empregando-se para tanto uma nova chave (por exemplo, data de nascimento e sexo). Por último, foi feita a revisão manual do arquivo para a identificação de pares verdadeiros com escores limítrofes, ou seja, registros pertencentes ao mesmo indivíduo, mas com informações parcialmente discordantes nos dois bancos. Essa confirmação é executada comparando outros campos da declaração de nascido (DN) e da declaração de óbito (DO). Outras variáveis utilizadas na análise foram: índice de Apgar no 1º e no 5º minuto (> 7 ou 7), sexo, duração da gestação (pré-termo < 37 semanas, a termo de 37 a 41 semanas e pós-termo 42 ou mais semanas completas de gestação); tipo de parto (espontâneo ou operatório); número de consultas de pré-natal (nenhuma, 3, 4 a 6, 7), idade materna (< 20, 20-34, 35 anos), escolaridade materna (nenhuma, 0 a 7 anos, 8-11 anos, 11 anos); paridade ( 4 filhos, > 4 filhos) e tipo de gestação (única, múltipla). Foi estimada a prevalência de baixo peso ao nascer e do respectivo intervalo de confiança de 95%, assim como a razão de prevalência e o coeficiente de 286 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

7 A SSOCIAÇÃO ENTRE PESO AO NASCER E MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ mortalidade infantil. A associação entre o peso ao nascer e o óbito foi investigada estimando-se a razão de incidência através do ajuste de um modelo de regressão de Poisson (Barros & Hirakata, 2003) com a finalidade de controlar o possível efeito de confundimento por outras variáveis. Foram consideradas para a análise multivariada as variáveis que, na análise bivariada, mostraram-se associadas tanto à mortalidade infantil quanto ao peso ao nascer com valores de p < 0,20. Foram retidas no modelo final as variáveis cuja saída do modelo causaram uma variação da razão de incidências da associação de interesse maior que 10%. As análises foram realizadas utilizando-se os programas Epi Info 6.04 e Stata RESULTADOS O número de nascimentos de mães residentes no município em 1999 foi de 7785 e 99,8% dos partos foram hospitalares. A distribuição dos nascidos vivos por sexo foi semelhante para masculino (50%) e feminino (49,9%) com apenas seis declarações sem informação (0,1%). O índice de Apgar apresentou valor médio de 8 no primeiro minuto e 8,7 no quinto minuto. O peso médio ao nascer foi de 3247g (desvio padrão de 568g) e a prevalência de baixo peso ao nascer foi de 7,5% (IC 95%: 7,1-8,2). O tipo de gravidez foi único em 98,3% dos nascimentos. Observou-se maior concentração de nascidos vivos com idade gestacional de 37 a 41 semanas, sendo que apenas 5,2% dos nascimentos ocorreram com menos de 37 semanas de gestação. A ocorrência de nascimentos pós-termo foi 0,7% do total. Apesar da predominância de parto espontâneo, 61,2%, a proporção de parto operatório foi elevada, 38,8%. Na distribuição dos nascimentos segundo a idade materna, observou-se um elevado percentual de mães adolescentes (22,9%); as mães com 35 anos ou mais contribuíram com 8,9% dos nascimentos, e o grupo de mães entre 20 e 34 anos de idade, considerado na faixa etária adequada do ponto de vista reprodutivo, contribuíram com a maioria dos nascimentos (70,2%). Os nascidos vivos de mães sem nenhuma escolaridade ou com escolaridade menor ou igual a 7 anos corresponderam a 45,1% dos nascimentos. Em relação ao número de consultas realizadas no pré-natal, 9,9% das mães fizeram de uma a seis consultas e 80,5% fizeram mais de 6 consultas. O percentual de nascidos vivos com baixo peso ao nascer e a associação de características do nascido vivo, da gestação e do parto e características da mãe com peso ao nascer estão apresentadas na Tabela 1. O total de óbitos de menores de um ano identificados no SIM foi de 288, sendo 74% no período neonatal e 26% no período pós-neonatal. Foi possível identificar, através do relacionamento probabilístico, 265 pares de declarações de nascidos vivos e óbitos, que representam 92% dos óbitos do SIM de C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

8 E LIZABETH PASSEBON, KATIA VERGETTI BLOCH, P AULINE LORENA KALE, CLAUDIA MEDINA COELI recém-nascidos em O CMI foi de 34/1000 nascidos vivos, sendo o CMI neonatal de 25/1000 nascidos vivos e o CMI pós-neonatal de 9/1000 nascidos vivos. Tabela 1 Distribuição dos recém-nascidos, da prevalência de BPN e das razões de prevalência (RP) e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%), segundo características dos nascidos vivos, do parto, da gestação e maternas. Campos de Goytacazes, BPN baixo peso ao nascer. 288 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

9 A SSOCIAÇÃO ENTRE PESO AO NASCER E MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ Na Figura 1, é apresentada a mortalidade proporcional segundo peso ao nascer. Na Tabela 2 são apresentadas as taxas de mortalidade infantil segundo causa e peso ao nascer e respectivas razões de taxas e intervalos de confiança (IC) de 95%. Figura 1 Mortalidade por grupo de causas em menores de um ano, segundo peso ao nascer. Campos de Goytacazes, Tabela 2 Taxas de mortalidade/1000 nascidos vivos, segundo causa do óbito em recém-nascido com peso normal (PN) e com baixo peso ao nascer (BPN) e razões de taxas (RT) com respectivos IC95%. Campos de Goytacazes, C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

10 E LIZABETH PASSEBON, KATIA VERGETTI BLOCH, P AULINE LORENA KALE, CLAUDIA MEDINA COELI As variáveis incluídas no modelo de regressão foram: peso ao nascer, índice de Apgar no 1º minuto, duração da gestação, tipo de gravidez, tipo de parto e número de consultas realizadas no período pré-natal. Além destas variáveis, foram incluídos os termos de interação que tiveram nível de significância estatística inferior a 0,10 na análise estratificada: peso ao nascer com o índice de Apgar no 1º minuto, peso ao nascer com o tipo de gravidez e peso ao nascer com o tipo de parto. As razões de incidência brutas e ajustadas (índice de Apgar no 1º minuto, duração da gestação e número de consultas pré-natais) entre peso ao nascer e óbito infantil, total e por período neonatal ou pós-neonatal são apresentados na Tabela 3. Observa-se que a associação é muito mais forte entre os óbitos no período neonatal do que entre os do período pós-neonatal. Sabendo-se que em alguns casos o índice de Apgar pode ser uma variável intermediária entre peso ao nascer e mortalidade infantil, foram ajustados modelos sem incluí-lo, obtendo-se razões de incidências de magnitude intermediária entre as brutas e as ajustadas incluindo-se o índice de Apgar no modelo. Tabela 3 Riscos relativos (RR) da associação entre peso ao nascer e mortalidade infantil e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%). Campos de Goytacazes, RR b = risco relativo bruto; RR a = risco relativo ajustado por Índice de Apgar, duração da gestação e número de consultas no pré-natal. 4. DISCUSSÃO No presente estudo, utilizaram-se duas bases de dados de abrangência nacional, o SIM e o SINASC, cuja qualidade já foi aferida em diferentes estudos para investigar uma importante questão de saúde pública, a mortalidade infantil (Mello Jorge et al., 1993). O relacionamento de bancos de dados vem sendo crescentemente empregado na pesquisa em saúde. Exemplos de seu uso incluem estudos etiológicos, estudos sobre migrantes, vigilância em saúde e avaliações sobre serviços de saúde (Coeli & Camargo Jr., 2002). Essa técnica vem sendo utilizada para a condução de estudos 290 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

11 A SSOCIAÇÃO ENTRE PESO AO NASCER E MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ sobre a saúde infantil em vários países do mundo. No Brasil, entretanto, o número de estudos ainda é pequeno, sendo que poucos deles empregaram o método do relacionamento probabilístico (Machado, 2004). Embora esteja em curso uma proposta para que se adote no Brasil o número único no SUS, esses bancos de dados ainda não apresentam nenhum campo identificador unívoco. Nesse contexto, o emprego do método probabilístico, que leva em consideração possíveis erros nos campos usados no processo de relacionamento, traz como vantagens a agilização e o aumento da acurácia deste processo. Segundo dados da Unicef, a proporção de BPN em paises desenvolvidos situa-se entre 4% e 6% (Brasil, 1998). Na coorte estudada, observou-se uma prevalência um pouco maior, de 7,5%. Estudos brasileiros sobre a distribuição do peso ao nascer, como o de Barros et al. (1996), em Pelotas, analisando todos os nascidos vivos do ano de 1993, e o de Mello Jorge et al. (1993), para um conjunto de cinco municípios do Estado de São Paulo, apontaram proporções de BPN superiores às do município estudado, 9,8% e 8,5%, respectivamente. Porém, o valor encontrado nesse estudo se aproxima da prevalência divulgada pelo Ministério da Saúde, 7,8%, para todo o Brasil, valor que deve ser avaliado com cuidado, considerando que o nível de preenchimento e captação de dados do SINASC não apresenta a mesma qualidade em todo território nacional (Brasil, 1998). Outro dado a ser avaliado é que, para o Estado do Rio de Janeiro (IDB-RJ, 2002), foi relatada uma prevalência de BPN no ano de 1997 de 8,7%, e, de acordo com a mesma fonte, o município de Niterói, com um número de nascidos vivos próximo ao de Campos (7595 nascidos vivos no ano de 1997), mostrou prevalência de 9,5%, sendo que, no município estudado, no mesmo ano, a freqüência divulgada foi de 7,3%. Há que ser ressaltado, porém, que os trabalhos citados referem-se a estimativas obtidas através de metodologias diferentes às empregadas no presente estudo. Verificou-se que nas gestações pré-termo a ocorrência de nascimentos com baixo peso ao nascer foi 7,4 vezes maior que nas gestações a termo, os chamados pequenos para idade gestacional. A Organização Mundial da Saúde preconiza como volume ideal de partos operatórios apenas 15% do total de partos em qualquer região. Nesse estudo, os achados são semelhantes aos divulgados pelo Ministério da Saúde para os nascidos vivos de todo o país no ano de 1998, no qual a proporção de partos normais correspondeu a 60,1% do total de nascidos vivos e a proporção de partos operatórios correspondeu a 38,1% (Brasil, 1998). É importante lembrar que o parto operatório é uma cirurgia, e, como tal, está associada a uma maior morbimortalidade materna e infantil, devendo ser, portanto, evitado sempre que possível. C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

12 E LIZABETH PASSEBON, KATIA VERGETTI BLOCH, P AULINE LORENA KALE, CLAUDIA MEDINA COELI Os resultados referentes à idade materna mostram que 22,9% dos nascidos vivos eram filhos de mães adolescentes, taxa considerada alta, configurando uma situação de risco para a saúde das adolescentes e de seus filhos. O valor médio brasileiro em 1998 foi 22,3% (Brasil, 1998). Encontrou-se uma taxa de nascidos vivos de mães na faixa etária maior ou igual a 35 anos de 7,4%, inferior à encontrada no Brasil em 1998, que foi de 8,1%. O nível educacional da mãe tem se mostrado um indicador importante do status socioeconômico e constitui-se em um dos fatores com maior influência no peso ao nascer (Barros et al., 1996). Observou-se que o percentual de nascidos vivos com baixo peso ao nascer foi decrescente com o aumento da escolaridade materna, voltando a crescer para os filhos das mulheres com nível de escolaridade superior, acredita-se que, devido ao fato de mães com maior escolaridade habitualmente adiarem sua gestação, tendo filhos em uma faixa etária na qual os riscos de BPN são maiores. O pré-natal é amplamente reconhecido como um dos principais determinantes da evolução gestacional normal. A Organização Mundial de Saúde preconiza que o número total de consultas realizadas no pré-natal não deve ser inferior a seis. Segundo Gama et al. (2002), conforme aumenta o número de consultas prénatais, diminuem os resultados negativos da gestação, tais como a prematuridade, o baixo peso ao nascer e o óbito perinatal. Os resultados desta pesquisa mostraram uma cobertura de pré-natal bastante alta no município estudado no ano de 1999, sendo que 80,5% das mães tiveram mais de seis consultas no período pré-natal. Resultados comparáveis com os de Halpern et al. (1998), em Pelotas, em Chama a atenção a proporção ainda relativamente elevada de gestações que não tiveram qualquer assistência pré-natal (6,1%), enquanto que Halpern et al. (1998) referiram 5%. Encontrou-se associação inversa entre peso ao nascer e o número de consultas realizadas no pré-natal, ou seja, à medida que aumenta o número de consultas no período pré-natal a prevalência de BPN diminui. Mães que tiveram mais de seis consultas apresentaram uma prevalência de BPN de apenas 5,2%, enquanto que, para as mães com três consultas ou menos, a prevalência foi de 21,9%. O meio mais eficaz para reduzir o número de casos de BPN é a atenção pré-natal com qualidade, pois, durante esse acompanhamento, fatores específicos de risco à gestante podem ser identificados e tratados (Gama et al., 2002). A distribuição dos óbitos infantis em Campos dos Goytacazes não foi diferente de outras regiões, revelando uma predominância de óbitos no período neonatal (73,6%), e, dentre esses, uma maior proporção de óbitos no período neonatal precoce (55,8%), em concordância com estudos anteriores (Mello Jorge et al., 1993). 292 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

13 A SSOCIAÇÃO ENTRE PESO AO NASCER E MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ O conhecimento das causas de morte é importante, pois permite traçar diretrizes específicas para reduzir a mortalidade, ao revelar melhor as mortes que poderiam ser evitadas se houvessem mudanças na conduta preventiva e assistencial, assim como reorganizar os serviços de assistência ao binômio mãe-filho. Segundo Leal e Szwarcwald (1996), as causas básicas de morte referidas na DO não correspondem muitas vezes à realidade por falta de preenchimento adequado. O preenchimento da DO é feito por profissionais que nem sempre identificam corretamente as causas básicas do óbito, classificando-a na categoria sintomas, sinais e achados anormais de exames clínicos e laboratoriais, classificados em outra parte, ou seja, causas mal definidas, e nem mesmo valorizam a DO como fonte importante de dados para avaliar a mortalidade de uma população. Nesse estudo, cinco grupos de causas foram responsáveis por 94% dos óbitos de menores de um ano. A análise desses óbitos mostrou uma predominância das afecções originadas no período perinatal, resultado esperado, considerando a maior proporção de óbitos no período neonatal, particularmente no período neonatal precoce. Os percentuais de afecções originadas no período perinatal (64,9%) encontrados na coorte de Campos foram maiores que os encontrados em outros estudos brasileiros (Halpern et al., 1998). No Brasil, um estudo de revisão feito por Victora e Barros (2001) para os anos de mostrou que as causas perinatais foram responsáveis por 56,8% de todas as mortes infantis enquanto as malformações congênitas foram responsáveis por 11,2% dessas mortes. As causas perinatais têm distribuição diferente nos países desenvolvidos quando comparadas com a dos países em desenvolvimento: as malformações congênitas ocupam o primeiro lugar nos países desenvolvidos e ficam entre as causas de menor importância nos países em desenvolvimento (Ocampo et al., 1994). Cabe ressaltar que foram observados 10,2% de óbitos infantis decorrentes de anomalias congênitas, sendo que as anomalias congênitas são causas de óbitos mais importantes no período neonatal que no período pós-neonatal. É possível também que os óbitos por anomalias congênitas possam estar subestimados em Campos dos Goytacazes, pois supõe-se que, freqüentemente, apenas as anomalias congênitas com sinais clínicos mais evidentes são registradas como tal. Quanto aos óbitos infantis, devido aos sintomas, sinais e achados anormais de exames clínicos e laboratoriais, não classificados em outra parte, que representam a fração das mortes em que não houve definição da causa básica de óbito, e expressa, geralmente, a carência de assistência médica, observou-se um percentual de 6,4%, enquanto que no Estado do Rio de Janeiro, para o mesmo ano, o percentual foi de 4,6% (Brasil, 2001). C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

14 E LIZABETH PASSEBON, KATIA VERGETTI BLOCH, P AULINE LORENA KALE, CLAUDIA MEDINA COELI Estudos recentes no país sobre a mortaliadde infantil no período perinatal e neonatal constataram um excesso de mortalidade considerada evitável pelo adequado controle da gravidez, adequada atenção ao parto e diagnóstico e tratamento precoce dos recém-nascidos (Leal & Szwarcwald, 1996). A diminuição da mortalidade infantil depende não só da assistência básica à gestante, como também da estruturação da assistência médica hospitalar, da existência de uma rede de maternidades, serviços pediátricos e neonatais com variados níveis de complexidade e com qualidade de atendimento, o que além de exigir pessoal tecnicamente habilitado e qualificado, faz uso de moderna tecnologia. O fato da maior parte dos óbitos (55,8%) terem ocorrido antes dos recémnascidos completarem sete dias de vida sugere que essas crianças devem ter morrido, provavelmente, no próprio hospital onde ocorreu o parto, ou em alguma outra unidade de saúde. Provavelmente, encontram-se nesse grupo os recém-nascidos de risco que, ao menos teoricamente, poderiam ter recebido algum tipo de cuidado neonatal intensivo, mas que não conseguiram sobreviver. As taxas de mortalidade infantil mostram que os recém-nascidos com baixo peso têm maior risco de morrer por praticamente todas as causas do que os recém-nascidos com peso normal. Na coorte de nascidos vivos em Campos dos Goytacazes, a magnitude da associação entre peso ao nascer e óbito infantil foi acentuada, mostrando que o risco de óbito infantil foi aproximadamente 15 vezes maior nos recém-nascidos com BPN quando comparados aos recém-nascidos com peso ao nascer igual ou maior que 2500g. A magnitude dessa associação foi muito maior entre os óbitos no período neonatal do que entre os do período pós-neonatal. O resultado da análise multivariada mostrou que a associação persistiu quando controlada para o efeito das demais variáveis. Os nascidos vivos com BPN apresentaram um risco quase cinco vezes maior de morte infantil do que aqueles que não apresentam baixo peso ao nascer. O índice de Apgar é uma variável intermediária entre o baixo peso ao nascer e a mortalidade infantil, o que tornaria impróprio o ajuste dessa associação por essa variável. Por outro lado, ele pode estar associado ao baixo peso ao nascer por refletir outras condições de saúde, relacionadas à saúde da mãe, por exemplo, o que justificaria o ajuste por essa variável. A análise de modelos incluindo ou não o índice de Apgar refletiu essa situação. Morais Neto e Barros (2000) encontraram resultados semelhantes ao investigar fatores de risco para mortalidade neonatal e pós-neonatal em uma coorte de nascidos vivos em Goiânia GO, utilizando como potenciais fatores de risco as variáveis presentes na DN. Concluiu-se que em Campos dos Goytacazes existe associação entre BPN e mortalidade infantil, que é forte e independente de variáveis ligadas à gestação e à assistência. Estudos que avaliam a qualidade da assistência pré e perinatal são 294 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

15 A SSOCIAÇÃO ENTRE PESO AO NASCER E MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ fundamentais para subsidiar estratégias de redução da ocorrência de baixo peso. Os recém-nascidos com baixo peso ao nascer constituem grupo de risco para mortalidade infantil nos período neonatal ou pós-neonatal, e a atenção a eles deve ser priorizada pelos serviços de saúde, por meio de ações e intervenções que reduzam o impacto desse agravo na saúde e na qualidade de vida das crianças, evitando intercorrências, seqüelas e morte no primeiro ano de vida. R EFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO, B. F.; BOZZETTI, M. C.; TANAKA, A. C. A. Mortalidade neonatal precoce no município de Caxias do Sul: um estudo de coorte. Jornal de Pediatria. v. 76, n. 3, p , BARROS, F. C.; VICTORA, C. G.; TOMASI, E.; HORTA, B.; MENEZES, A. M.; CÉSAR, JÁ.; HALPERN, R.; OLINTO, M. T.; POST, C. L.; COSTA, J. S. D.; MENEZES, F. S.; GARCIA, M. M.; VAUGHAN, J. P. Saúde materno-infantil em Pelotas. Rio Grande do Sul, Brasil: principais conclusões da comparação dos estudos das coortes de 1982 a Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 12, supl. 1, p , BARROS, A. J. D.; HIRAKATA, V. N. Alternatives for logistic regression in cross-sectional studies: an empirical comparison of models that directly estimate the prevalence ratio. BMC Medical Research Methodology. v. 3, n. 21, BRASIL. Ministério da Saúde. Unicef. A mortalidade perinatal e neonatal no Brasil. Brasília, Ministério da Saúde. Informações em Saúde. Mortalidade infantil. Disponível em: < Acesso em: jul CAMARGO JR, K. R.; COELI, C. M. Programa Reclink II, manual, arquivos do tutorial de uso do programa. Versão atual: Disponível em: < Acesso em: mar COELI, C. M.; CAMARGO JR, K. R. Avaliação de diferentes estratégias de blocagem no relacionamento probabilístico de registros. Revista Brasileira de Epidemiologia. v. 5, n. 2, p , GAMA, S. G. N.; SZWARCWALD, C. L.; LEAL, M. C.; THEME FILHA, M. M. Experiência de gravidez na adolescência. Fatores associados e resultados perinatais em puérperas de baixa renda. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p , C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): ,

16 E LIZABETH PASSEBON, KATIA VERGETTI BLOCH, P AULINE LORENA KALE, CLAUDIA MEDINA COELI HALPERN, R.; BARROS, F. C.; VICTORA, C. G.; TOMASI, E. Atenção pré-natal em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p , IDB-RJ. Indicadores de dados básicos de saúde. Estado do RJ, Disponível em: < Acesso em: ago IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: < Acesso em: ago LEAL, M. C.; SZWARCWALD, C. L. Evolução da mortalidade neonatal no Estado do Rio de Janeiro de : análise por causa segundo grupo de idade e região de residência. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 12, n. 2, p , MACHADO, C. J. Procedimentos para relacionamento de registros: revisão bibliográfica com enfoque na saúde infantil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p , MELLO JORGE, M. H. P.; GOTLIEB, S. L. D.; SOBOLL, M. L. M. S.; ALMEIDA, M. F.; LATORRE, M. R. D. O. Avaliação do sistema de informação sobre nascidos vivos e o uso de seus dados em epidemiologia e estatísticas de saúde. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 27, supl. 6, MORAIS NETO, O. L.; BARROS, M. B. A. Fatores de risco para mortalidade neonatal e pós-neonatal na Região Centro-Oeste do Brasil: linkage entre banco de dados de nascidos vivos e óbitos infantis. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p , Ocampo, P.; et al. Causes of perinatal and neonatal mortality in Southeast Asia. Intern Child Health. A digest of current information. UNICEF, WHO 5(1), VICTORA, C. G.; BARROS, F. C. Infant mortality due to perinatal causes in Brazil: trends, regional patterns and possible interventions. São Paulo Medical Journal. v. 119, n. 1, p , CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 14 (2): , 2006

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr.

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. NESC UFRJ Catalogação na fonte Biblioteca do CCS / UFRJ Cadernos

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL SUMÁRIO 1. RELEVÂNCIA DO TEMA 1 2. FONTES DE DADOS UTILIZADAS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor Subsecretaria de Ações e Serviços de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Informações Epidemiológicas Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Leia mais

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(3). Edição 38 Aline da Silva Oliveira 1 Cristiana Maria de Sousa Macedo 1 Mércia da Silva Sousa 1 Márcia Andrea Lial Sertão

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Willian Augusto de Melo 1 ; Francislaine Men Castellini

Leia mais

Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008

Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008 Artigo original Fatores associados à mortalidade infantil no Município de Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil: estudo de caso-controle* doi: 10.5123/S1679-49742011000400008 Associated Factors and Infant Mortality

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros Universidade Federal da Bahia - Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Doutorado em Saúde Pública Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

(Coeficiente de mortalidade infantil)

(Coeficiente de mortalidade infantil) C Taxa de mortalidade infantil C.1............................ 108 Taxa de mortalidade neonatal precoce C.1.1..................... 110 Taxa de mortalidade neonatal tardia C.1.2...................... 112

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Palavras-chave: Mortalidade Infantil, Análise Multivariada, Redes Neurais.

Palavras-chave: Mortalidade Infantil, Análise Multivariada, Redes Neurais. UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS PARA CLASSIFICAÇÃO E PREVISÃO DE SOBREVIVÊNCIA OU ÓBITO DE CRIANÇAS NASCIDAS NO RIO DE JANEIRO EM 2006 NO PRIMEIRO ANO DE VIDA Mariana Pereira Nunes Escola Nacional de

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE II

INDICADORES DE SAÚDE II Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE II 2005 Taxa de mortalidade infantil

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2 DIAGNÓSTICO SOBRE A MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL EM CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS NO PERÍODO DE 2002 A 2005 PARA SUBSIDIAR AÇÕES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 1 Cláudia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Alta Mortalidade Perinatal

Alta Mortalidade Perinatal Alta Mortalidade Perinatal SMS de Piripiri CONASEMS Conselho Consultivo EVIPNet Brasil Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS de Belo Horizonte em Formulação de Políticas de Saúde e

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização no Serviço Público e seus reflexos na Mortalidade Infantil Dra. Miriam Ribeiro de Faria Silveira Maternidade Escola V. Nova Cachoeirinha HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr.

cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. cadernos Saúde Coletiva Relacionamento de Bases de Dados em Saúde EDITORES CONVIDADOS Claudia Medina Coeli Kenneth Rochel de Camargo Jr. NESC UFRJ Catalogação na fonte Biblioteca do CCS / UFRJ Cadernos

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

CONSULTORIA: PESQUISA PARA ESTIMAR A PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS PRÉ-TERMO NO BRASIL E EXPLORAR POSSÍVEIS CAUSAS

CONSULTORIA: PESQUISA PARA ESTIMAR A PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS PRÉ-TERMO NO BRASIL E EXPLORAR POSSÍVEIS CAUSAS UNICEF BRASIL CONSULTORIA: PESQUISA PARA ESTIMAR A PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS PRÉ-TERMO NO BRASIL E EXPLORAR POSSÍVEIS CAUSAS Consultor: Cesar Victora Membros do grupo de trabalho: Fernando Barros, Alicia

Leia mais

reduzir a mortalidade infantil

reduzir a mortalidade infantil objetivo 4. reduzir a mortalidade infantil A mortalidade infantil reflete as condições socioeconômicas e ambientais de uma região assim como a condição de acesso a um sistema de saúde de qualidade. Além

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella CONCEITOS EPIDÊMICOS - ENDEMIA ENDEMIA: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado faixa endêmica. Isso quer dizer

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO

RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO Resultados Preliminares Wilzianne Silva RAMALHO, Ana Karina Marques SALGE, Raphaela

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e seus impactos na análise de indicadores de saúde

A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e seus impactos na análise de indicadores de saúde FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA - ENSP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

Linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis em município do Nordeste do Brasil: qualidade dos sistemas de informação

Linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis em município do Nordeste do Brasil: qualidade dos sistemas de informação 55 ARTIGO ARTICLE Linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis em município do Nordeste do Brasil: qualidade dos sistemas de informação Linkage between live birth and infant death

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003 Programa Nacional de Controle da Tuberculose/ SVS/ MS Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/ UFRJ Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios cio-econômicos em grandes centros urbanos com

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

A importância da primeira infância

A importância da primeira infância A importância da primeira infância Cesar Victora Professor Emérito da Universidade Federal de Pelotas Presidente da Associação Epidemiológica Internacional Perito em Nutrição Infantil da Organização Mundial

Leia mais

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 Nº 20010504 Maio - 2001 Kaizô Beltrão - IBGE PREFEITURA

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc.

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc. AIDS Para construir série histórica de alguns indicadores epidemiológicos e operacionais referentes a casos de aids adulto e criança anteriores ao ano de 2007, incluídos no SinanW, deve-se utilizar os

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

Curso Análise de dados e uso da informação no SUS. Introdução à análise de dados

Curso Análise de dados e uso da informação no SUS. Introdução à análise de dados Curso Análise de dados e uso da informação no SUS Introdução à análise de dados Análise: definições Aurélio -Decomposição de um todo em suas partes constituintes -exame de cada parte de um todo tendo em

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE Apresentar os resultados da elaboração do modelo lógico para uma política de saúde. Trata-se da iniciativa

Leia mais

Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000

Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000 Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000 Introdução Célia Landmann Szwarcwald (1), Aristides Barbosa Júnior(2) e Maria Goretti P. Fonseca(2) A epidemia de aids no

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Mortalidade neonatal precoce hospitalar em Minas Gerais: associação com variáveis assistenciais e a questão da subnotificação

Mortalidade neonatal precoce hospitalar em Minas Gerais: associação com variáveis assistenciais e a questão da subnotificação Mortalidade neonatal precoce hospitalar em Minas Gerais: associação com variáveis assistenciais e a questão da subnotificação Deise Campos Cardoso Afonso Rosangela Helena Loschi Elisabeth Barboza França

Leia mais

APLICAÇÃO DA DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS À MORTALIDADE INFANTIL.

APLICAÇÃO DA DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS À MORTALIDADE INFANTIL. APLICAÇÃO DA DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS À MORTALIDADE INFANTIL. Autores: VIANNA, R. C. X. F. 1,2 ; BARRA, C. M. C. M 1. Afiliação: 1.

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Epi-INFO Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira No nosso exercício, vamos investigar um surto de gastroenterite aguda ocorrido após um jantar. Vamos

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais