A ORIGEM DO MANIFESTO DOS EDUCADORES MAIS UMA VEZ CONVOCADOS, DE 1959, NA CORRESPONDÊNCIA DE ALGUNS DE SEUS SIGNATÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ORIGEM DO MANIFESTO DOS EDUCADORES MAIS UMA VEZ CONVOCADOS, DE 1959, NA CORRESPONDÊNCIA DE ALGUNS DE SEUS SIGNATÁRIOS"

Transcrição

1 A ORIGEM DO MANIFESTO DOS EDUCADORES MAIS UMA VEZ CONVOCADOS, DE 1959, NA CORRESPONDÊNCIA DE ALGUNS DE SEUS SIGNATÁRIOS Dr. João do Prado Ferraz de Carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie Palavras-chave: Manifesto de 1959; educadores e articulação política; memória e história. O ano de 1959 marca um importante momento no debate que então provocava a tramitação da LDB, futura 4.024/61, pelo Congresso Nacional. Impulsionado pela apresentação de um polêmico substitutivo pelo Deputado Carlos Lacerda, em janeiro de 1959, o debate educacional ganhou maior visibilidade nos meios comunicação e passou a envolver diferentes segmentos da sociedade civil. O principal resultado desse processo foi a articulação de um grupo de educadores em busca de uma reação organizada que fizesse frente aos princípios contidos no substitutivo Lacerda. Uma importante conseqüência dessa mobilização foi a divulgação do Manifesto dos Educadores Mais Uma vez Convocados. Busca-se neste texto estudar a correspondência de alguns dos mais importantes signatários do Manifesto de 59 e flagrar a movimentação política que deu origem a esse documento. Nas cartas trocadas entre Fernando de Azevedo, Paschoal Lemme, Anísio Teixeira, entre outros, podemos perceber que o lançamento de um manifesto de educadores fora, por várias vezes, ensaiado durante a década de 50 e que a preocupação de torná-lo um documento-memória acompanhou todas as etapas de sua elaboração até sua divulgação pública em 30 de Junho de Escrito pelo mesmo redator do manifesto de 32, Fernando de Azevedo, e assinado por alguns dos signatários do primeiro documento agora acompanhados de um número bem maior de novos adeptos, a relação entre os dois documentos se manifesta já no seu próprio título, no qual aparece expressa a idéia de uma nova convocação. Embora esse documento tenha sua origem normalmente atribuída a uma conseqüência política dos embates que se travavam na sociedade civil em torno da questão da LDB e sua tramitação pela Câmara Federal naquele ano de 1959, a idéia de um novo manifesto já fora aventada em oportunidades anteriores. Tendo sempre como referência a repercussão do texto de 1932, a elaboração de um novo documento de educadores era tema constante na correspondência trocada entre dois signatários importantes do primeiro manifesto, Fernando de Azevedo e Paschoal Lemme. Em carta de 20 de setembro de 1952, Paschoal Lemme escreve a Fernando de Azevedo comunicando que teve notícias de manifestações de Azevedo sobre a oportunidade do lançamento de um novo manifesto (Lemme, 2000: 232 e 233). Concordando com tal posição, Lemme defendia que essa necessidade estava atrelada à desarticulação dos educadores brasileiros naquele início da década de 50, motivos de suas críticas inclusive à Associação Brasileira de Educação (ABE).

2 2 Ainda nessa mesma carta, Lemme afirmava que tomara conhecimento de uma entrevista de Júlio de Mesquita Filho ao jornal Última Hora, publicada em 15/09/1952, na qual fazendo severas críticas às condições (...) do ensino no país naquele momento, Mesquita Filho concordava também com a necessidade do lançamento de um novo manifesto ( Lemme, 2000: 232). O objetivo de Pashoal Lemme era buscar a ação unificada dos educadores brasileiros e para isso já havia até proposto a criação de uma outra associação que os congregasse e os impelissem à defesa unificada das questões educacionais pois acreditava que a ABE não o vinha fazendo. Porém, no entendimento de Fernando de Azevedo, como afirma em carta dirigida a Lemme, datada de 26 de setembro de 1952, para despertar do marasmo em que vivem educadores, indiferentes e sonolentos, é preferível começar com um grito de alarme e um toque de reunir, congregando, todos, o maior número possível, sob a mesma bandeira, para uma nova campanha pela educação nacional e, mais abaixo de sua carta, completava: Admitida a possibilidade de se obter a desejada unidade de ação, tão importante para encaminhar a solução de problemas fundamentais, parece-me que um novo Manifesto de educadores ao povo e ao governo será o melhor meio para abrir a campanha que as condições da educação atual no Brasil tornam cada vez mais urgente. Mas, um manifesto claro nos seus propósitos, realista e objetivo na análise da situação atual como preciso nas soluções propostas (Lemme, 2000: 235). A própria articulação para a elaboração de tal documento chegou a ser realizada, embora não tenha prosperado muito. Carta de Lemme enviada a Fernando de Azevedo, datada de 5 de dezembro de 1952, atesta que as articulações para a elaboração de um novo manifesto chegaram a ser ensaiadas. Relatando encontro que teve com Nóbrega da Cunha, Lemme escreve que alguns pontos haviam sido acordados, já que o mesmo havia aceitado, inclusive na condição de coordenador-geral da questão, a incumbência de redigir um documento a ser assinado por um grupo de educadores, inclusive alguns dos signatários do Manifesto de 32, dizendo da oportunidade, conveniência e necessidade do lançamento de um novo Manifesto e concluindo por mostrar que a pessoa a ser escolhida para redator deve ser o Dr. Fernando de Azevedo (Lemme, 2000: 237). Malograda tal iniciativa, como indica carta de 10 de fevereiro de 1953, escrita por Lemme a Azevedo, o primeiro tenta encontrar uma explicação para tal fato e, num claro desabafo, escreve: Não quero prejulgar, mas segundo me parece, estão se confirmando as minhas suposições: os educadores parece que se cansaram da luta tão bem iniciada naqueles tempos heróicos da Reforma Fernando de Azevedo. É certo que alguns dos mais combativos elementos já não são mais do mundo dos vivos, mas devem estar atuando outros fatores para levar tantos outros elementos a essa verdadeira demissão ou deserção das fileiras em que naquele tempo combatiam com tanta bravura. Na minha opinião, a principal razão dessa atitude é que, hoje, uma definição clara de princípios, no caos em que estamos vivendo,

3 3 envolve uma crítica de tal modo severa às instituições e aos homens que hoje dirigem o País, que um sentimento de verdadeiro temor paralisa tal gesto, pois resultaria com toda certeza, na perda de uma situação mais ou menos cômoda, no próprio seio da vida pública, oficial, que quase todos esses elementos foram adquirindo, durante anos em que as vozes discordantes foram sendo reduzidas ao silêncio. Além disso, o conflito ideológico, em que se debate o mundo, torna mais difícil uma definição clara de pontos de vista. (Lemme, 2000: ). Nessa mesma carta, Pashoal Lemme afirmava claramente sua posição em face da relação educação e sociedade. Acusando o fato de não ver na ABE uma análise da educação que atacasse os seus reais problemas escreveu: Tudo isso resultou nessa forma de agir de quase todos os nossos mais destacados educadores (e o exemplo típico é a conduta da ABE), de fugirem, cuidadosamente de penetrar o fundo das questões, indagação perigosa, para ficarem nesse remexer eterno de sintomas, de superficialidade cujo trato não compromete (Lemme, 2000: 242). E deixando clara sua análise estrutural da questão, justificava a publicação de seu Estudos de Educação denunciando o seu o não conformismo com tal situação apontando para uma definição dos seus pontos de vista sobre as principais questões relacionadas com o problema. Escreveu: Minha conclusão(...) é de que a educação no Brasil é assim porque o País conserva uma estrutura econômico-social atrasada de séculos que a condiciona: sem a modificação pois dessa estrutura, serão vãos quaisquer esforços, por mais honestos que sejam, no sentido de dar ao povo brasileiro melhores condições de educação, ensino e cultura (Lemme, 2000: 243). E voltando nessa mesma carta a defender a oportunidade de um Novo Manifesto, afirmava que nessa luta, cada um tem um papel a desempenhar e a única atitude que não conduzirá a nada é o conformismo,... a recusa em discutir os problemas, em ouvir todas as opiniões Sendo assim, via naquela oportunidade a possibilidade de elaboração de um novo documento de educadores, liderados por Fernando de Azevedo, no qual o terreno comum das opiniões fosse exposto. ( Lemme, 2000: 243). A insistência de Paschoal Lemme na elaboração de um documento assinado por vários educadores se posicionando sobre as principais questões relativas à educação brasileira voltará a se repetir, mesmo após malograda a iniciativa descrita acima. As justificativas de Lemme para tais posicionamentos ficam explícitas em carta de 29 de maio de 1955, novamente endereçada a Fernando de Azevedo. Lemme escrevia que há algum tempo vinha se preocupando seriamente com a questão da unidade dos educadores brasileiros, rompida em 1931, na Confederação de Niterói: situação essa depois agravada, por motivos bem conhecidos (Lemme, 2000: ). Em busca dessa unidade, chega a propor, como atesta a mesma carta de 29 de maio de 1955, a criação de uma Academia Brasileira de Pedagogia, proposta essa que chega a ser detalhada na mesma carta.

4 4 Em sua resposta, datada de 4 de junho de 1955, Fernando de Azevedo, após saudar com satisfação carta que quebrara um longo silêncio, afirmava que ficara muito contente em saber que Lemme novamente preocupava-se com o problema da união dos educadores brasileiros e, descartando a idéia de fundação de uma Academia Brasileira de Pedagogia - receando que esse academicismo e pedagogismo pudessem concorrer para se meterem a ridículo uma das coisas mais sérias e mais graves da vida, que é a formação do homem, e uma das campanhas mais belas e fecundas como essa que resultou a obra de renovação educacional no Brasil - voltava a propor um novo Manifesto. Nas palavras de Fernando de Azevedo: Teremos, dentro de oito meses, novo governo. Em vez de nos recolhermos em corporações acadêmicas, devemos é sair a público e promover um novo e vigoroso movimento de opinião: de aproximação do povo e junto aos poderes políticos, para redespertar a consciência da gravidade e importância dos problemas de educação e da necessidade urgente de resolvê-los ou pó-los em via de solução. Poderá esse movimento ser precedido de um novo manifesto, bastante lúcido, preciso, positivo e realista para desencadeá-lo (In: Lemme, 2000: 249 e 250). A idéia de lançamento de um documento de educadores que buscasse influir nas questões educacionais, portanto, foi tema recorrente na troca de correspondência aqui estudada. O impacto que, na visão dos pioneiros, o manifesto de 1932 tivera na história educacional do país, inclusive tendo sido considerado quando da elaboração dos textos de duas constituições levava esses educadores a manterem a idéia de um novo documento.. 2 Porém, essa referência ao valor histórico do manifesto de 1932 e o entendimento segundo o qual esse era um documento que mantinha sua atualidade, nem sempre era compartilhada no mesmo tom por todos os signatários desse documento. Anísio Teixeira, por exemplo, por ocasião das lembranças que se fizeram quando da proximidade dos 20 anos daquele documento, escreve a Fernando de Azevedo, de forma até irônica, carta datada de 31 de março de 1951, informando-lhe de que recebera convite da União Paulista de Educação, através da pessoa de Sólon Borges dos Reis, comunicando desejo de celebrar o vigésimo aniversário do seu Manifesto dos Pioneiros da Reconstrução Educacional, com a presença dos signatários desse documento. O comentário de Anísio sobre tal questão merece destaque. Escreveu o educador: Não sei se essa comemoração tem oportunidade. Aí está o projeto de Bases e Diretrizes (sic) empacado desde... quando? O país é aquele mesmo de que dizia Nabuco faltar solidez para medrarem raízes. Tudo nasce mas não pega. O conselho seria continuar a plantar. O manifesto é, porém, semente velha, a despeito de tudo nele ser ainda bom e são. Os pioneiros são hoje veteranos frustrados em seus sonhos de pioneiros (Vidal, 2000: 67, grifos do autor). Assim, quando no início de 1959 as articulações em torno da elaboração da LDB que tramitava na Câmara Federal caminhavam para momentos decisivos, a elaboração de um novo documento volta à tona. Recuperando o itinerário de tais articulações

5 5 através da correspondência trocada entre alguns dos educadores envolvidos, como aqui está proposto, encontramos carta de Fernando de Azevedo, datada de 21 de fevereiro de 1959, endereçada a Paschoal Lemme, na qual lamenta a falta de discussão sobre questão de suma importância. Infelizmente continua a ser o nosso país uma caixa de ressonância para os problemas de educação que por toda parte se consideram de uma importância vital, lamenta o educador paulista, completando que nem o debate do projeto de lei de Diretrizes e Bases teve a repercurssão que era de esperar, nem o substitutivo de deputado da UDN levantou o clamor ou a onda de protestos que contra ele deviam erguer-se de todas as instituições escolares públicas e as associações de professores. A própria imprensa (se excetuarmos um ou outro grande matutino) encolheu-se e emudeceu. (Lemme, 2000: ). Em carta de 3 de abril de 1959, anunciando que resolvera romper definitivamente as baterias contra o substitutivo Lacerda através de carta enviada ao jornal Última Hora na qual criticava veementemente o projeto, Lemme perguntava categoricamente a Fernando de Azevedo: Não seria o caso e a oportunidade de voltarmos à idéias do lançamento de um novo manifesto ao povo e ao governo? (grifo do autor) E deixando explícito os motivos pelos quais recorria ao educador paulista naquele momento, escreve recuperando a memória de embates anteriores: E nesses momentos difíceis para a educação brasileira, sempre me volto para o nosso grande líder Fernando de Azevedo que há trinta anos, na campanha mais memorável que se travou nesse país pele renovação educacional, pôs abaixo com uma energia e um denodo invulgares a montanha de rotina que se acumulara, durante séculos, nesse setor da vida brasileira Lemme, 2000: 259). Para Paschoal Lemme, somente o prestígio de Fernando de Azevedo seria capaz de emprestar o sucesso à iniciativa de um novo documento de educadores. Por isso era a esse educador paulista, redator do Manifesto da Educação de 1932, que fazia a sugestão de um nova tomada de posição conjunta, posição que deveria estar alicerçada na tradição que o documento acima inaugurara, por isso o líder dos pioneiros da educação nova era a figura ideal para redigir o novo posicionamento. A partir dessa carta de abril de 1959, as articulações objetivando a elaboração de um novo manifesto visando intervir no processo de tramitação da LDB ganha um vulto maior. Através da leitura das correspondências trocadas entre Fernando de Azevedo e Paschoal Lemme durante esse ano, podemos acompanhar um pouco dessas articulações que se centralizavam na figura do educador paulista redator do manifesto de 1932, condição esta, aliás, referenciada diversas vezes nas cartas aqui analisadas. Na documentação pesquisada, sempre que surge alguma referência a idéia de produção de um documento conjunto de educadores, recorre-se a expressão novo manifesto, indicando uma clara relação entre o que se pretendia escrever e a memória do documento de 1932, de tal forma que podemos afirmar que as articulações assim como a própria redação de um novo documento de educadores devem ser pensadas como momentos de reafirmação dessa memória que os pioneiros construíram sobre a educação brasileira a partir da década de 20. Assim, retomando a narração das articulações que precederam o Manifesto de 59, em carta de 11 de abril de 1959, Fernando de Azevedo responde ao apelo feito pelo educador carioca ligado ao PCB:

6 6 (...) quanto a idéia de um novo manifesto ao povo e ao governo e ao apelo que me dirige... para que empunhe de novo a bandeira e a chefia de outra etapa da libertação cultural do povo brasileiro, estou de acordo com a idéia e disposto a atender a seu apelo. Outros já me têm convocado com igual empenho(lemme, 2000: 261). Vai ganhando corpo, portanto, a elaboração de um novo documento de educadores e a correspondência entre os envolvidos indica o grau de importância da participação de Paschoal Lemme em tal evento. Preocupado, como várias vezes demonstrou em suas cartas, com a unidade dos educadores brasileiros, a participação desse educador na elaboração do Manifesto de 1959 parece decisiva, não só pelo fato de ter lançado a idéia, ou de pelos menos ter tratado dela com certa insistência na correspondência aqui analisada, mas principalmente por, como veremos adiante, ter influenciado em alguns pontos centrais na linha a ser seguida no texto do documento. Os acontecimentos relativos à tramitação do projeto de LDB na Câmara dos Deputados apressaram as tratativas quanto à elaboração de um documento unificado de educadores contrários ao substitutivo Lacerda. Assim, em carta de 11 de maio de 1959, aludindo à necessidade de produzir um texto a tempo de interferir na tramitação, Azevedo propõe dividir o texto do documento com Lemme, que não aceita, afirmando em carta de 14 de maio de 1959 que foi sempre e continua sendo minha convicção que somente o senhor tem autoridade para redigir o documento, e ainda mais, para coordenar o seu lançamento (Lemme, 2000: 263). A insistência no nome do reformador de 1928, no Distrito Federal, de 33, em São Paulo e no antigo Manifesto de 1932, forma como Fernando de Azevedo se refere a si mesmo nas cartas trocadas com seus correspondentes, é certamente algo importante. Pois, por mais que a gentileza entre dois amigos que trocavam cartas há tantos anos possa influenciar num discurso dissimulador, algumas observações de Lemme sobre a escolha em questão apontam para algo mais concreto, qual seja, a necessidade de uma articulação política competente em momento político tão radicalizado. Para Lemme, além da autoridade do reformador de 1928 e 1933, respectivamente no Distrito Federal e em São Paulo, além da redação do Manifesto de 1932, outra questão, mais contemporânea aos acontecimentos,impunham, tal decisão. Nas palavras de Lemme: (...) parece-me que o movimento poderia ser de certa forma prejudicado se chegasse a saber que o manifesto tinha sido elaborado com a colaboração direta de pessoas comprometidas com determinadas correntes de idéias (é o meu caso) ou de outras muito visadas por correntes de opinião que ainda têm grande preponderância no País (é o caso de Anísio em relação aos católicos) (Lemme, 2000: 263). A oportunidade exigia um manifesto amplo, apoiado por diferentes correntes, pois na análise que se fazia, concluía-se que a situação era muito diferente daquela em que foi concebido e lançado o Manifesto de 1932, dizia Lemme na mesma carta. Para ele, a luta ideológica se acirrara em face dos acontecimentos ocorridos nos últimos vinte anos, no mundo e entre nós. E completando a análise da nova situação e das imposições que a mesma trazia ao novo documento, escrevia que um novo manifesto tem que ser redigido com extrema habilidade e amplitude, sem prejuízo da nitidez e firmeza das afirmações fundamentais de modo a reunir em torno dele todos os

7 educadores progressistas, independente de suas convicções pessoais, políticas ou religiosas (Lemme, 2000: ). Essa carta de Lemme a Azevedo é fundamental ainda por duas outras questões: primeiro que por meio dela o educador comunista insistia no fato de que por estarem vivendo um momento de vésperas de decisões de grande importância com a entrada na ordem do dia do projeto de Lei de Diretrizes e Bases, fato que associa o segundo manifesto ao contexto dos embates em torno da legislação educacional, chegara o momento mais oportuno para uma manifestação pública dos educadores progressistas, e segundo, é nessa mesma carta que Lemme sugere nomes que posteriormente encontraremos como signatários do documento de Ainda nessa mesma carta, Lemme, aludindo a tradição do primeiro manifesto e sempre ligando os dois momentos, afirmava que mesmo que não atingisse o seu objetivo maior, que era o de influenciar na elaboração da lei em discussão na Câmara dos Deputados, o novo manifesto, ficaria, tal como o de 1932, como um novo marco na história da educação brasileira (Lemme, 2000: 266). A leitura das cartas também deixa entrever que uma das preocupações desses educadores que estavam a costurar uma manifestação pública sobre a tramitação da LDB se referia ao posicionamento da ABE e a divisão entre os educadores. Nas cartas, é aludida a necessidade de se lançar o novo manifesto no contexto de uma Conferência promovida pela tradicional associação de educadores, mas as divisões políticas internas a essa entidade, na visão de Fernando de Azevedo dividida em reacionários e progressistas, tornavam difícil tal acontecimento. Assim, o teor ameno do documento era algo tratado como importante nas trocas de cartas entre os seus articuladores, pois deveria ser evitada uma divisão ainda maior dos educadores. Diante de tal situação, o elo unificador de posições contrárias, seria, na visão de Paschoal Lemme, a figura de Fernando de Azevedo, sendo a alusão a uma determinada memória histórica que consagrava a importância desse educador fator importante nos debates educacionais da época. Nas conversas que manteve com Anísio Teixeira e Almeida Júnior, sobre a oportunidade do lançamento de um novo manifesto, conta Fernando de Azevedo em carta para Lemme, de 15 de maio de 1959, que eles concordavam sobre a oportunidade de uma manifestação coletiva, porém, alertavam para a necessidade de evitar dar ao texto um caráter polêmico. Azevedo, concordando com tal análise, afirmava que um documento de tal ordem e em tal conjuntura tem de ser escrito com sobriedade, mas com força e vigor, e reforçando os cuidados políticos que envolviam a elaboração do texto, completava: Não será (é o que também penso) um grito de guerra, mas uma tomada, franca e decidida, de posição (Lemme, 2000: ). A possibilidade de lançar o novo manifesto numa Conferência da ABE, no caso a décima terceira, era visto por Paschaol Lemme como uma oportunidade de ampliar o leque de adesões e garantir um caráter mais equilibrado politicamente ao documento, aumentando suas possibilidades de intervenção concreta na realidade educacional, além de, nas palavras de Lemme, ser uma maneira mais apropriada de recolocá-la no seu verdadeiro caminho, naquele caminho em que se inspiraram Heitor Lyra e seus companheiros ao fundá-la em 1924 (In: Lemme, 2000: 271). Assim, pretendia Lemme através de suas articulações políticas, aproveitar o momento para, como manifestou claramente, recuperar (são palavras suas) a ABE, e via no lançamento do manifesto através da planejada XIII Conferência dessa entidade, uma oportunidade para fazê-lo. Além dessa questão de disputa pelo controle político da ABE, o próprio contexto político, segundo Lemme, exigia uma ampliação do leque dos signatários do novo 7

8 8 documento em articulação. É o que deixa claro quando escreve, em 25 de maio de 1959, em carta a Fernando de Azevedo: O ambiente de hoje é muito diferente do de Os antagonismos ideológicos se acirraram, em face do que aconteceu e vem acontecendo no mundo e no País, a partir da II Grande Guerra Mundial, e assim, mais do que naquela época, um novo manifesto, se assinado por um grupo pequeno de educadores, mesmo de grande expressão nacional, arrisca-se a não ser discutido, mas a ser combatido apenas como mais uma manifestação de um pequeno grupo sectário, já muito conhecido por suas idéias pragmátistas, materialistas e até comunistas... (Lemme, 2000: 272). Por isso, completava sobre essa questão Paschoal Lemme, seria importante que o novo manifesto não contivesse nada que pudesse assumir o caráter de luta religiosa, ou de imposição de ideologias, concordando assim com Fernando de Azevedo quando esse afirmara que não se tratava de um grito de guerra, mas um tomada franca e decidida de posição A troca de correspondências entre esses dois educadores, quando das articulações para a elaboração do novo manifesto, lança luz sobre uma questão fundamental, qual seja, a participação decisiva do educador carioca Paschoal Lemme, signatário do primeiro manifesto e adepto das idéias marxistas, nas articulações que levaram ao segundo manifesto. As evidências apontam para a centralidade dessas articulações, e, segundo o próprio Fernando de Azevedo, em carta de 6 de junho de 1959, Lemme foi um dos que lhe incentivaram a ser o redator de tal documento: se não fosse v., com seus reiterados e calorosos apelos, não me aventuraria a redigir o novo manifesto. ( Lemme, 2000: 280). Tomados os cuidados devidos, não deixa de ser uma afirmação carregada de significado, ainda mais porque, nessa mesma carta, seu autor comunica a Lemme sua decisão de, enfim, escrever o documento. Fernando de Azevedo escreveu: Tomei agora a decisão de escrever o novo Manifesto... Deverá estar datilografado até o fim de junho, se não me faltarem tempo e forças. Obrigado por sua excelente colaboração. (Lemme, 2000: 280). Descontadas as gentilezas inerentes a uma relação respeitosa e amigável, fato que as cartas deixam transparecer com clareza, a comunicação feita por Azevedo a Lemme de que iria escrever o documento, tem relevância como indicador da participação destacada do segundo na trama que levou à produção do documento. As causas da insistência de Paschoal Lemme na elaboração de um novo documento podem ser procuradas na maior liberdade política da qual gozava esse educador, pois como não ocupava cargo de confiança no aparelho do Estado encontrava-se numa melhor situação para exercer pressão visando uma nova manifestação pública dos educadores. Certamente, para eficácia de tal empreitada, contar com a companhia dos pioneiros da educação nova seria fundamental, daí a recorrência à memória do Manifesto de 1932 ser uma constante na correspondência aqui estudada. 4 No entanto, evidências menos dependentes de uma interpretação de informações subjetivas contidas nas correspondências, permitem afirmar com maior grau de certeza que Paschoal Lemme exerceu papel decisivo na elaboração do Manifesto dos Educadores Mais Uma Vez Convocados. Podemos buscar essas evidências na linha desenvolvida pelo texto que veio a público em meados do ano de 59. Além de ser um documento-resposta às articulações dos defensores do substitutivo Lacerda, e por isso

9 9 menos doutrinário, mais realista e positivo, conforme escreveu Fernando de Azevedo, o documento contém algumas respostas diretas às questões prementes do momento pelo qual passava a educação brasileira na sua relação com a sociedade brasileira. Para dar essas respostas, o documento seguia duas linhas básicas: a defesa da escola pública como um instrumento democrático e, segundo, a discussão da relação entre a educação e o desenvolvimento econômico. O importante aqui é destacar que podemos encontrar, nas cartas de Paschoal Lemme endereçadas a Fernando de Azevedo, a sugestão explícita das duas linhas ou formas de direcionar o texto do documento. Na mesma carta, de 25 de maio de 1959, na qual Lemme defendia que o novo manifesto deveria representar uma nova etapa, adaptada às circunstâncias, do pensamento da mesma corrente de educadores sobre os problemas da educação brasileira, dirigidos e coordenados pelo mesmo educador (Lemme, 2000: 272), são indicadas as linhas que o documento deveria assumir. Para Lemme, uma das linhas que deveria direcionar o texto do novo manifesto deveria ser a da defesa da verdadeira educação democrática, da escola democrática e progressiva, que tem como postulado a liberdade de pensamento e a igualdade de oportunidades para todos, sendo que a escola e a educação que tornam isso tudo possível, nas palavras de Lemme, seriam a escola e a educação públicas, conquista definitiva da burguesia em sua ascensão no século XIX.... A esse aspecto que acabou sendo um dos pontos centrais do Manifesto de 1959, o autor da carta acrescenta outro que, segundo pensava, o documento não poderia deixar de abordar, qual seja Seria o das preocupações dos educadores em face dos problemas do desenvolvimento econômico (tão em moda no momento) e o da independência econômica do País, em face das pressões que os países subdesenvolvidos sofrem no sentido de atenderem aos interesses de outros países, prejudicando um desenvolvimento harmônico em benefício de seu próprio povo. Reconheço que é um problema delicado, mas não vejo como um documento, que pretende ser a manifestação de um grupo de educadores progressistas, possa se furtar a dizer em que sentido a educação, a instrução, a formação técnica, especialmente, deve concorrer para a emancipação econômica do País (Lemme, 2000,:273 e 274). Ainda sobre a mesma questão, em carta de 1 de junho de 1959, Paschoal Lemme escreve categoricamente: A defesa da educação pública como conquista irreversível da humanidade e a educação para o trabalho, para o desenvolvimento, são, do meu ponto de vista, as teses fundamentais a serem defendidas por educadores progressistas (Lemme, 2000: 279). Não poderiam ser mais explícitas as evidências de que a influência de Lemme sobre o texto do Manifesto de 1959 foi decisiva, inclusive para a definição das teses centrais que documento apresentaria. Além disso, será esse educador um importante homem na articulação das adesões ao documento, como atesta carta de Anísio Teixeira, datada de 26 de junho de 59, enviada a Fernando de Azevedo, quando escrevia que a questão das assinaturas é muito importante e, para isso, o Paschoal está percorrendo as residências dos signatários do manifesto de 32, com os acréscimos de sua indicação e mais os que vimos aqui sugerindo (Vidal: 2000: 127). As articulações de Paschoal Lemme objetivavam uma atuação unificada dos educadores brasileiros na defesa da escola pública, porém, em nenhum momento esse

10 10 objetivo era entendido como sendo por si só suficiente para fazer com que a causa da escola pública servisse ao avanço da sociedade brasileira. Defendendo o envolvimento dos educadores brasileiros com o movimento nacionalista e progressista que, na sua visão, estava em crescimento no País à época, escreveu: Os educadores, em geral, assumem a atitude de portadores de uma panacéia que aplicada à sociedade, com a necessária técnica pedagógica, seria o fator fundamental da transformação social. Isolam-se, assim, das outras forças progressistas que atuam na sociedade, especialmente as mais organizadas, ou seja, os partidos, as organizações sindicais e estudantis, estas últimas que, como se sabe, desempenham um importantíssimo papel nas lutas pela liberdade e pelo desenvolvimento dos países coloniais e subdesenvolvidos. Entre nós, os estudantes figuram como força atuante de primeira grandeza em todos os episódios marcantes da história do Brasil. (Lemme: 1988b, 174). A participação decisiva de Paschoal Lemme não diminui em nada a já conhecida importância de Fernando de Azevedo na elaboração do novo documento de educadores. Além de redator do primeiro manifesto, o reformador de 28 e 33, como o próprio se intitulava, se encontrava, no momento das articulações políticas para a resistência ao substitutivo Lacerda, à frente da direção do CRPE paulista, portanto ocupava cargo importante no aparelho burocrática estatal, fato que indicava possibilidades amplas de articulação. Embora com receios de que a sua condição de ocupante de cargo público fosse utilizada politicamente, Fernando de Azevedo articulou politicamente a elaboração do documento. A análise das correspondências trocadas por Fernando de Azevedo durante o período no qual o debate em torno do substitutivo Lacerda foi destaque, indica essas articulações, o que aqui se quer acrescentar, apenas, é a participação decisiva de Paschoal Lemme. Na mesma carta através da qual Anísio Teixeira informava Fernando de Azevedo das atividades de Paschoal Lemme em torno da coleta de assinaturas para o documento, esse educador mantinha com Azevedo uma interlocução no sentido da elaboração do documento. Assim, Anísio sugere a Azevedo o nome do deputado Luis Viana para leitura do documento na Câmara, fato que acabou se concretizando, já que acreditava que o nome de Santiago Dantas já estava comprometido devido à polarização que o mesmo mantinha com Carlos Lacerda na Comissão da mesma casa legislativa que examinava a matéria. Defendia ainda, que a publicação do Manifesto só deveria ocorrer após a sua leitura na Câmara, pois isso significaria uma homenagem dos autores à consciência do Legislativo nacional (Vidal, 2000: 127). 5 Também na mesma carta, algumas sugestões são feitas quanto à redação do documento, o que denota o caráter das articulações para sua redação, da qual Azevedo foi personagem central. Sugere Anísio: Li todo o documento com atenção e tomei apenas a liberdade de sugerir que, na pág. 16, fosse supressa a expressão intercalada ensine quem quiser e como puder pois usei-a, em entrevista recente, em sentido um tanto diverso e isto provocará a insinuação de contradição. Fiz uso do slogan no sentido de que, se (o) ensino privado quisesse verdadeiramente liberdade, devia buscar a sua

11 11 independência não aceitando também a sanção do Estado... retirada a expressão, nada perde o seu texto (Vidal: 2000: 127, grifos do autor). E mais abaixo, na mesma carta, indicando outra sugestão ao redator do novo manifesto, escrevia Anísio: Devo-lhe dizer que considero exemplar todo o manifesto e se for provocado a acrescentar-lhe alguma coisa, procurarei não me afastar do seu texto, sublinhando apenas, talvez um pouco mais, pois lá já está tudo, o caráter nacional da escola pública, a mais capaz de transmitir e infundir aquele conjunto de crenças e valores comuns, que o Estado propugna a vista exatamente de ser o defensor da liberdade de consciência individual de cada um. (In; Vidal: 2000, 127 e 128, grifos do autor) Outra troca de correspondência que atesta a centralidade da participação de Fernando de Azevedo nas articulações que levara ao segundo manifesto, foi com o educador mineiro Abgar Renault. Em carta escrita a Fernando de Azevedo, datada de 15 de maio de 1959, na qual comunica, entre outras coisas, sua nomeação para a chefia do CRPE mineiro, convidado que fora pelo nosso Anísio conforme palavras suas, Abgar Renault escreve que achou excelente a idéia de um novo manifesto ao povo e ao governo tratando da educação pública. Na sequência da mesma carta, escrevia: Considero indispensável lançar nova campanha pela educação. Num país sem acústica nenhuma como o nosso, é preciso gritar a mesma cousa, ou antes, as mesmas cousas muitas vezes. Ninguém com melhores títulos para redigir esse documento do que você, que já foi autor de outro da mesma natureza. Terei o maior gosto em lê-lo e muita honra em assiná-lo (Arquivo Fernando de Azevedo, IEB, caixa 27 A). Interessante pensar que o nome de Abgar Renault aparece, em carta de Paschoal Lemme, como um dos nomes que deveriam ser consultado para ampliar o leque de apoios visando dar um caráter mais amplo aos signatários do novo manifesto, pois o fato de esse ser um educador comprometido com as idéias católicas ajudaria muito a diluir uma das críticas que os defensores da escola pública recebiam, a de atentarem contra princípios católicos. Embora aqui não seja possível avançar muito, não seria demais pensar que essa condição de proximidade de Abgar Renault com as idéias católicas também tenha sido o motivo pelo qual Anísio, em meio às pesadas críticas que sofria dos adeptos da corrente católica, viu na sua nomeação para o CRPE de Minas Gerais, como uma forma de ampliar sua base de sustentação no Governo de Juscelino Kubitschek e se manter na direção do INEP, apesar das fortes pressões que sofria em sentido contrário. Em outra carta, datada de 16 de junho de 1959, as articulações em torno da produção do manifesto de 1959, volta a aparecer. Escreve Abgar Renault para Fernando de Azevedo: Insisto em dizer-lhe que esta é a hora para um novo manifesto e você é o homem para fazê-lo como ele deve ser feito amplo, largo, batido de sol e de vento, orgânico e ardente, vivo e belo, como devem ser todos os documentos destinados a durar Exatamente por que a hora é inquieta e incerta, exatamente por que os rumos são muitos, embora

12 12 um só, exatamente por que o mundo está em mudança, exatamente por que o Brasil não tem ouvidos e marcha firmemente para o caos, pede urgente uma palavra alta, severa, grave e bela (repito esse adjetivo deliberadamente: sem forma, isto é, beleza, não há o que dure), capaz de criar ouvidos no Brasil, isto é, capaz de fazer-se ouvir e de deter o descaminho dos nossos passos. Essa palavra é a sua. (grifos do autor) (Arquivo Fernando de Azevedo, Caixa 27 A). A troca de correspondência, entre Fernando de Azevedo e Abgar Renault é de certa forma constante entre os anos de 1959 e 1960, e como indica uma carta de Abgar, havia sido retomada por volta daquele período Sendo assim, embora não possamos precisar exatamente qual o período de tal interrupção, por não termos acesso ao universo total dos documentos em questão, podemos afirmar, pelas evidências que a troca de correspondência trazem, que essa retomada se dá provocada pelas articulações visando o lançamento do Manifesto de Assim, Fernando de Azevedo, seguindo sugestão de Paschoal Lemme no sentido de ampliar o leque ideológico dos signatários do novo documento, procurou Abgar Renault, que por sua ligação com correntes católicas, poderia dar um caráter menos direcionado ao documento escrito pelo educador paulista. O que chama a atenção na análise das correspondências trocadas por Fernando de Azevedo visando a elaboração do Manifesto de 1959, é a ausência de Lourenço Filho. Não há uma única carta trocada entre os dois que mencione explicitamente esse documento. 6 O único indício encontrado foi uma cópia de telegrama enviado por Fernando de Azevedo a Lourenço Filho, no qual deixa entrever uma certa preocupação. Datado de 02 de julho de 1959, um dia após o lançamento do Manifesto, o telegrama dizia: Lamento profundamente não tenha recebido minha carta fins maio sobre idéia Manifesto me foi insistentemente solicitado afetuoso abraço - Fernando ( Arquivo Fernando de Azevedo, Caixa 10 A ). Insuficiente para explicar os motivos da ausência de Lourenço Filho como signatário do Manifesto de 1959 indica, entretanto, a tentativa de incluir no novo documento todos os cardeais da educação brasileira, forma como Afrânio Peixoto se referia aos educadores Fernando de Azevedo, Anísio Teixeira e Lourenço Filho, (Lemme, 1988a: 4), denominação que a historiografia de matriz azevediana tratou de adotar. Recuperada em parte a história das articulações que levaram ao lançamento do Manifesto de 1959, cabe aqui fazer uma breve análise de sua repercurssão, para caracterizar melhor a sua utilização como uma importante estratégia na disputa política que travavam os defensores da escola pública e da escola particular em torno da produção de uma lei educacional. Como já indicava a preocupação dos seus principais articuladores, manifestada acima, O Manifesto dos Educadores Mais Uma vez Convocados, de 1959, não teve a mesma trajetória histórica do tradicionalmente consagrado Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, de 1932, seu antecessor. 7 Para refletirmos sobre esta questão, é fundamental frisar que boa parte da repercussão histórica do primeiro manifesto deve ser atribuída à atuação dos seus principais signatários, no momento posterior ao seu lançamento, o que equivale dizer que a construção da memória do documento de 1932 foi trabalhada pelos seus próprios

13 13 signatários. Em vários momentos posteriores à sua produção, esse manifesto funcionou como um instrumento nas diversas batalhas pela educação que seus signatários se envolveram na busca da reconstrução educacional do País. Os autodenominados pioneiros da educação nova não cansaram de utilizar tal fato para marcar as bases de onde falavam, de lembrar a todos os objetivos da sua obra, enfim, de cultuar a memória de pioneiros. Podemos encontrar tal posicionamento em diversos documentos, seja nas cartas acima mencionadas e que foram trocadas entre os seus signatários, ou mesmo nos livros escritos pelos principais envolvidos, ou sobre eles e mesmo no texto do Manifesto de 1959, como foi analisado acima. A constante alusão ao documento de 1932 na correspondência trocada entre alguns de seus signatários já foi analisada no item anterior, mas pela importância de tal correspondência, vale recorrer novamente a elas. Em carta endereçada a Paschaol Lemme, datada de 15 de dezembro de 1952, escreveu Fernando de Azevedo: Abriram-se já muitos claros em nodssas fileiras. Somos um grupo mais reduzido de combatentes fiéis às idéias do manifesto de 32 e à causa da educação no Brasil. Entre estes, estão v., o Gouveia, o Sussekind de Mendonça, o Anísio, o Lourenço, o Nóbrega da Cunha, para citar apenas alguns. No Rio, conversamos sobre a oportunidade e a necessidade de um novo Manifesto (Lemme, 2000: 239). Quanto às obras desses educadores que contribuíram para a produção de uma memória sobre o manifesto de 1932, a mais clássica é a de Fernando de Azevedo A Cultura Brasileira - trabalho escrito para servir de Introdução ao Recenseamento de 1940, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE (Azevedo, 1963, p.21) - da qual deriva uma matriz para se pensar a história da educação brasileira (Carvlaho, 1989). Em A Cultura Brasileira, em sua terceira parte, Azevedo escreveu: Ainda lemos na seqüência: Seja qual for o ponto de vista em que nos coloquemos, para apreciar esse documento e que nos poderá levar a combatê-lo ou a apoiá-lo, não se pode contestar que no manifesto de A reconstrução Educacional no Brasil, se analisa o problema da educação nacional sob todos os seus aspectos, se definem os princípios e se traçam, pela primeira vez, as diretrizes de um programa geral de educação, cujas peças articuladas entre si, num plano sistemático, são subordinadas a finalidade precisas que atuam sobre o conjunto (1963, 668, grifos meus). Não foi o manifesto apenas uma declaração de princípios, que teve grande repercussão e suscitou numerosos debates; nem somente um documento pelo qual um grupo de educadores tomou posições em face dos mais graves problemas da educação nacional; mas ainda um vigoroso esforço para constituir uma nova política educacional e propor à execução um dos mais largos planos escolares que já se traçaram no Brasil (Azevedo, 1963, , grifos meus).

14 14 Ao Manifesto de 1959 não foi possível tal sorte histórica. Produzido no calor das disputas que se travavam em torno da produção de uma lei educacional, esse documento não obteve o mesmo resultado. Em virtude do envolvimento posterior de vários de seus signatários com a radicalização do processo político que sucedeu ao período de sua divulgação, levando-os a posicionamentos diversos, a idéia de uma frente de intelectuais de diferentes matrizes ideológicas, que presidiu a proposta de tal documento, perderia força. Tal característica do documento passa de idéia-força na sua elaboração à condição de problema no panorama político posterior. Essa situação pode ser exemplificada pelos caminhos diferenciados seguidos por dois novos pioneiros da educação nova, Laerte Ramos de Carvalho e Florestan Fernandes - signatários do Manifesto de logo após o golpe militar de Enquanto o primeiro assumiu o cargo de Reitor da Universidade de Brasília (Piletti, 1991: 65-66), o segundo foi cassado pelo novo regime e exilado. Sendo assim, com a desarticulação do grupo que assinou o documento de 1959, fato que começou antes do período inaugurado em 1964, seu texto não se transforma numa referência nas lutas políticas posteriores à aprovação da LDB. Com isso, ao contrário do que ocorreu com o documento de 1932, a memória dos signatários do Manifesto de 1959 pouca influência tem em sua repercussão, ficando sua legitimação histórica atrelada ao primeiro documento, sem o qual perde sentido, aparecendo como um manifesto que, do ponto de vista de sua utilização como instrumento político, mais se projeta para o passado do que para o futuro. Notas 1 Na sessão da Câmara dos Deputados de 30 de junho de 1959, o deputado Luiz Vianna leu o manifesto redigido por Fernando de Azevedo (Saviani: 1983, p.131). No dia seguinte, o jornal O Estado de S. Paulo e o Diário de Notícias publicaram, pela primeira vez, o texto do documento, que posteriormente também seria publicado em outros jornais e revistas, como a revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, nº 74, de abril/maio de No texto do Manifesto de 1959, ao se referir ao documento de 1932, no item O Manifesto de 32 e o projeto de Diretrizes e Bases, podemos ler o seguinte: O texto é claro e positivo, e é dele, como do programa da política educacional extraído do manifesto, que provieram os textos respectivos de duas Constituições, na elaboração dos quais participaram alguns de seus signatários. (Mais uma vez convocados, 1959: 8) O redator do documento se refere às Constituições de 1934 e São citados os nomes Raul Bittencourt, Gustavo Lessa, Anísio Teixeira, Lourenço Filho, Carneiro Leão, Artur Moses, Nóbrega da Cunha, Abgar Renault, Almeida Júnior, Gilberto Freire e Delgado de Carvalho (In: Lemme, 2000, 265 e 266). 4 Em meados de 1959, Fernando de Azevedo dirigia o CRPE de São Paulo e Anísio Teixeira o INEP, condição política que poderia levar, como acabou acontecendo, a acusação de utilização dos cargos públicos como instrumentos de pressão nos debates sobre a tramitação da LDB. 5 Lido pelo deputado Luiz Vianna na sessão da Câmara dos Deputados de 30 de junho de 1959, o Manifesto foi publicado no Diário do Congresso Nacional em 1º de julho do mesmo ano, concomitantemente com o jornal O Estado de S. Paulo, fato que denota um certo grau de organização dos seus articuladores. Posteriormente, vários outros periódicos publicaram esse documento. 6 Claro que esta afirmação se refere exclusivamente à documentação consultada no Arquivo Fernando de Azevedo, depositado no Instituto de Estudos Brasileiro (IEB), o

15 15 que não ajuda a eliminar a dúvida que permanece sobre os motivos pelos quais Lourenço Filho não assina o Manifesto de A questão das diferentes repercussões que os dois manifestos tiveram foi discutida por Mirian Jorge Warde em Comunicação realizada no XV Encontro Regional de História, organizado pela Associação Nacional de História (ANPUH ) em 2000, sob o título Intelectuais da educação: dois manifestos e muitas trajetórias. Referências Bibliográficas AZEVEDO, Fernando. A Cultura brasileira. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, CARVALHO, Marta Maria Chagas. O novo, o velho, o perigoso: relendo A Cultura brasileira. Cadernos de Pesquisa, São Paulo (71): 29-35, nov de LE GOFF, Jacques. História e Memória.Campinas: Editora da Unicamp LEMME, Paschoal. A educação brasileira num momento crítico. In: Revista Brasiliense. São Paulo. nº 25, set/out., pp , Educação Democrática e Progressista. São Paulo: Editoria Pluma, Memórias 2: Vida de família, formação profissional, opção política. São Paulo: Cortez Editora, 1988a. Memória 3: Reflexões e estudos sobre problemas da educação e ensino. Perfis: Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, Heloísa Alberto Torres, Humberto Mauro, Souza Silveira. Cortez Editora, 1988b. Mais uma vez convocados (ao povo e ao governo). In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro: INEP/MEC, vol. XXXI, abril./maio, 1959, nº 74, pp. 3-24, PILETTI, Nelson. Laerte Ramos de Carvalho: o discurso e a prática. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, vol. 17, nº 1/2, pp , Dermeval Educação Brasileira: estrutura e sistema. São Paulo: Editora Saraiva. SAVIANI, Dermeval. Educação e Política no Brasil. São Paulo: Cortez/Autores Associados VIDAL. Diana Gonçalves. Na batalha da educação: correspondência entre Anísio Teixeira e Fernando de Azevedo ( ). Bragança Paulista: EDUSF, 2000.

Revista EDUCAÇÃO E PESQUISA 10 ANOS REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 35 ANOS

Revista EDUCAÇÃO E PESQUISA 10 ANOS REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 35 ANOS Revista EDUCAÇÃO E PESQUISA 10 ANOS REVISTA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 35 ANOS Sonia Teresinha de Sousa Penin Maria Cecilia Cortez Christiano de Souza Universidade de São Paulo A Revista da Faculdade de

Leia mais

O PERCURSO DE PASCHOAL LEMME: A FORMAÇÃO DE UM EDUCADOR DE ESQUERDA

O PERCURSO DE PASCHOAL LEMME: A FORMAÇÃO DE UM EDUCADOR DE ESQUERDA 1 O PERCURSO DE PASCHOAL LEMME: A FORMAÇÃO DE UM EDUCADOR DE ESQUERDA Ms. Eloá Soares Dutra kastelic 1 Ao estudar o percurso de Paschoal Lemme, destacou-se sua defesa incansável pela educação pública,

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA Neiva Gallina Mazzuco/UNIOESTE 1 Guaraciaba Aparecida Tullio/UEM 2 Defende-se, no presente artigo, que as propostas de educação

Leia mais

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Departamento de História NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Aluna: Claudia Barroso Roquette-Pinto Bojunga (CNPq, março a julho de 2008) Orientador:

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

REFORMA EDUCACIONAL E SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO NO DISTRITO FEDERAL ENTRE AS DÉCADAS DE 1920 E 1930

REFORMA EDUCACIONAL E SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO NO DISTRITO FEDERAL ENTRE AS DÉCADAS DE 1920 E 1930 REFORMA EDUCACIONAL E SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO NO DISTRITO FEDERAL ENTRE AS DÉCADAS DE 1920 E 1930 André Luiz Paulilo / USP Introdução: objeto de estudo e objetivos de pesquisa As reformas do ensino público

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951)

ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951) ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951) DÓREA, Célia Rosângela Dantas Universidade do Estado da Bahia UNEB 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA SENADOR MARCO MACIEL MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA 1990 ~7C[NTROGRAflCO ~ [X) 5l:NAOO federal a nos OS 1308/90 o AUTOR Marco Maciel foi estudante de ativa participação, tendo sido eleito duas vezes

Leia mais

Gestão Democrática: Uma política pública conquistada

Gestão Democrática: Uma política pública conquistada Gestão Democrática: Uma política pública conquistada Erasto Fortes Mendonça Universidade de Brasília - UnB e Conselho Nacional de Educação CNE Uberlândia, MG, junho de 2013 DIREITO À EDUCAÇÃO A ESCOLA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Goiânia, 24 de outubro de 1962. Na

Leia mais

sociais que, delineadas, constituíram um cenário revelador de uma república em crise.

sociais que, delineadas, constituíram um cenário revelador de uma república em crise. Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 3, JUL/DEZ 2007 O Brasil Republicano e a Breve Década de 20 Lincoln de Araújo Santos

Leia mais

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor.

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor. Um futuro melhor Várias vezes me questiono se algum dia serei capaz de me sentir completamente realizada, principalmente quando me encontro entregue somente aos meus pensamentos mais profundos. E posso

Leia mais

Apresentaremos um diagrama de um processo de Vendas Consultivas que quando bem utilizado pode proporcionar :

Apresentaremos um diagrama de um processo de Vendas Consultivas que quando bem utilizado pode proporcionar : Pesquisa do professor Walter Brum Monteiro. Para conhecer nossos clientes e realizar negócios mais consistentes e duradouros, precisamos passar mais tempo interagindo e aproveitar o máximo possível deste

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais

Sr. Ministro, a quem agradeço, em nome do Fórum Nacional de Prevenção

Sr. Ministro, a quem agradeço, em nome do Fórum Nacional de Prevenção DESAFIO DA ERRADICAÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL NO BRASIL Isa Maria de Oliveira * Sr. Ministro, a quem agradeço, em nome do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil,

Leia mais

EDUCAÇÃO E ATUALIDADE BRASILEIRA: PAULO FREIRE E A APROXIMAÇÃO COM AS IDÉIAS DE ANÍSIO TEIXEIRA. Sérgio César da Fonseca/UNESP

EDUCAÇÃO E ATUALIDADE BRASILEIRA: PAULO FREIRE E A APROXIMAÇÃO COM AS IDÉIAS DE ANÍSIO TEIXEIRA. Sérgio César da Fonseca/UNESP EDUCAÇÃO E ATUALIDADE BRASILEIRA: PAULO FREIRE E A APROXIMAÇÃO COM AS IDÉIAS DE ANÍSIO TEIXEIRA. Sérgio César da Fonseca/UNESP No seu primeiro livro, Educação e atualidade brasileira 1, (1959), notamos

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

IDEOLOGIAS EM CONFLITO: ESCOLA PÚBLICA E ESCOLA PRIVADA

IDEOLOGIAS EM CONFLITO: ESCOLA PÚBLICA E ESCOLA PRIVADA de livro: BUFFA, Ester. Ideologias em Conflito: Escola Pública e Escola Privada. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979. por Maria Ângela Paié Rodella Innocente 1 IDEOLOGIAS EM CONFLITO: ESCOLA PÚBLICA E ESCOLA

Leia mais

A IGREJA CATÓLICA E A ESCOLA NOVA: O CASO ANÍSIO TEIXEIRA

A IGREJA CATÓLICA E A ESCOLA NOVA: O CASO ANÍSIO TEIXEIRA Título: A IGREJA CATÓLICA E A ESCOLA NOVA: O CASO ANÍSIO TEIXEIRA Área Temática: História da Educação Autor: ROSIMAR SERENA SIQUEIRA ESQUINSANI Instituição: Universidade de Passo Fundo - Mestrado em Educação

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P. SIROTSKY, NO 3º ENCONTRO DAS CORTES SUPREMAS DO MERCOSUL BRASÍLIA, 21 DE NOVEMBRO DE 2005 A Associação Nacional de Jornais, que tenho

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca o futuro, sem esquecer as nossas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino Magnífico Reitor, Senhoras Vice-Reitoras, Senhores Vice-Reitores Caras/os Colegas, Amigos, Estudantes e Funcionários Minhas Senhoras e Meus Senhores Regresso, hoje, a este espaço da Reitoria da Universidade

Leia mais

De mãos dadas: RH e marketing

De mãos dadas: RH e marketing De mãos dadas: RH e marketing A união de RH e marketing é um dos melhores caminhos para a sobrevivência de uma empresa - e das próprias áreas Não é incomum, em tempos de turbulência e incertezas econômicas,

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar 5 CAPÍTULO 5 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I: GESTÃO EDUCACIONAL O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar Introdução A compreensão deste capítulo está diretamente relacionada ao entendimento

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

A PRIMEIRA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL, NA ÓTICA DOS DIRIGENTES DE ESTABELECIMENTOS PARTICULARES DE ENSINO

A PRIMEIRA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL, NA ÓTICA DOS DIRIGENTES DE ESTABELECIMENTOS PARTICULARES DE ENSINO A PRIMEIRA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL, NA ÓTICA DOS DIRIGENTES DE ESTABELECIMENTOS PARTICULARES DE ENSINO Eduardo Norcia Scarfoni, Universidade Católica de Santos, eduardoscarfoni@hotmail.com

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935)

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935) MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935) Cristina de Almeida Valença* A educação em Sergipe, nas primeiras décadas republicanas, é alvo de um efervescente movimento de idéias conhecidas como

Leia mais

Maringá-PR, Brasil, Primavera de 2013.

Maringá-PR, Brasil, Primavera de 2013. UNIDADE, LUTA E PROGRESSO Dr. Ronelson Furtado Balde Advogado - Membro da Ordem dos Advogados do Brasil Pós-graduado em Direito do Trabalho e Previdenciário INTRODUCÃO A população da Guiné-Bissau passa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 79 Discurso no lançamento do programa

Leia mais

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução Esta segunda sequência respeita a estrutura da sequência do Eben que analisamos.o template é adequado aos profissionais que podem (e querem) trabalhar com os três mosqueteiros, ou seja, apresentar uma

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL NO BRASIL (1946-1961) Ao longo do tempo, na sociedade brasileira, as leis sempre atenderam às estratégias

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL NO BRASIL (1946-1961) Ao longo do tempo, na sociedade brasileira, as leis sempre atenderam às estratégias LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL NO BRASIL (1946-1961) Milton Cleber Pereira Amador 1 Ao longo do tempo, na sociedade brasileira, as leis sempre atenderam às estratégias de dominação das elites e isso não foi diferente

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Conhecemos as desigualdades raciais no Brasil, que estão inequivocamente

Leia mais

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Resumo: neste artigo são traçadas algumas considerações sobre o sentido da educação e sua abrangência. Afirma-se que ela não acontece no isolamento,

Leia mais

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores Amigos das redes sociais que também estão nas ruas Estamos em época de competição de futebol. Nosso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca MO DE JANEIRO, 7 DE ABRIL DE 1958.

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

BRASÍLIA: UMA CIDADE, DOIS OLHARES

BRASÍLIA: UMA CIDADE, DOIS OLHARES PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL BRASÍLIA: UMA CIDADE, DOIS OLHARES Abril/2010 2 Brasília: uma cidade, dois olhares O DataSenado, por ocasião das comemorações dos 50 anos da fundação de Brasília, realizou

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO Eliany Alvarenga de Araújo' 1 1 - INTRODUÇÃO Inicialmente eu gostaria de agradecer a Comissão Organizadora do 15 Painel Biblioteconomia em Santa Catarina,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES RESUMO

FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES RESUMO FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES Joanilson Araújo Ferreira 1 RESUMO O presente estudo traz à tona reflexões referentes à formação docente, tanto formação inicial quanto formação

Leia mais

CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live.

CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live. CONFLITOS NO PONTAL DO PARANAPANEMA: IMAGENS E DISCURSOS DA REPRESSÃO NO CAMPO Autora: Barbara Giovanna Ortiz 1 barbara.ortiz@live.com Resumo Este trabalho faz parte das reflexões iniciais uma pesquisa

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A

RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A 1945 ASSIS, Raimunda Alves Moreira de UESC UFF GT: História da Educação / n.02 Agência Financiadora: FAPES Neste texto apresento o resultado das principais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Pronunciamento na primeira reunião

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 23480.008989/2015-34 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente:

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

Caderno de Redação. 8ª série Ensino Fundamental. Aluno(a):... 27/09/2011

Caderno de Redação. 8ª série Ensino Fundamental. Aluno(a):... 27/09/2011 Caderno de Redação 8ª série Ensino Fundamental Aluno(a):... 27/09/2011 Este Caderno de Redação segue as novas diretrizes estabelecidas pela portaria nº 109, emitida em 27/05/2009, no Diário Oficial da

Leia mais

1963. A SUDENE COMPREENDIDA À

1963. A SUDENE COMPREENDIDA À cad_08.qxd:layout 1 5/13/11 10:02 AM Page 63 63 1963. A SUDENE COMPREENDIDA À LUZ DOS EFEITOS DA GUERRA FRIA UMA ANÁLISE DO JORNAL O ESTADO DE S. PAULO AUGUSTO W. M. TEIXEIRA JR.* Celso Furtado é um dos

Leia mais

Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição

Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição Entrevista com Lúcia Stumpf presidente da UNE, a quarta mulher a ocupar o cargo em 72 anos da instituição Para Lúcia Stumpf, sua eleição para a presidência da UNE estimulou outras mulheres a ingressarem

Leia mais

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA Neste tópico, o monitor do PJ receberá informações básicas sobre a organização do Estado, o Poder e o Processo Legislativos, política e participação, necessárias ao desenvolvimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 9. INTEGRAÇÃO DA AMAZÔNIA RIO BRANCO,

Leia mais

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência OS NOVOS DESAFIOS DO MUNDO GLOBALIZADO: O TRABALHO FORÇADO E O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * Carmen Sottas ** Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência de milhares de trabalhadores

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso na solenidade de lançamento

Leia mais

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Instituições universitárias, todas elas, são empresas, com missões distintas e oriundas da concessão de um serviço

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54)

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54) HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 18 O GOVERNO VARGAS (1951-54) Como pode cair no enem A crise de agosto de 1954, que terminou com o suicídio do Presidente Vargas, teve como antecedentes: a) a oposição dos

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

A CRISE NO DF E A POSSIBILIDADE DE INTERVENÇÃO FEDERAL

A CRISE NO DF E A POSSIBILIDADE DE INTERVENÇÃO FEDERAL PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL A CRISE NO DF E A POSSIBILIDADE DE INTERVENÇÃO FEDERAL Março/2010 2 O estatuto da intervenção colocado em pauta O DataSenado realizou pesquisa de opinião pública de

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO Projeto de Decreto Legislativo nº 15 /2014 Institui a Comenda

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

Quanto ao contrato de SMS, que tem sido também alvo aí do noticiário, eu também queria fazer uma exposição preliminar. Na nossa gestão, desde que

Quanto ao contrato de SMS, que tem sido também alvo aí do noticiário, eu também queria fazer uma exposição preliminar. Na nossa gestão, desde que Quanto ao contrato de SMS, que tem sido também alvo aí do noticiário, eu também queria fazer uma exposição preliminar. Na nossa gestão, desde que entrei, nós instituímos uma reunião de análise crítica

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO 0 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO Margarida Fernandes de Sousa Graciano Autora: Cristiane Pereira

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 92 Solenidade de Assinatura do Protocolo

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

Newton Sucupira e a Pós-Graduação - lançamento da Plataforma Sucupira

Newton Sucupira e a Pós-Graduação - lançamento da Plataforma Sucupira 1 Newton Sucupira e a Pós-Graduação - lançamento da Plataforma Sucupira Começo essas minhas palavras reproduzindo o parágrafo inicial de um discurso de agradecimento feito por Newton Sucupira por ocasião

Leia mais

GT4. FORMAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSÃO DO DEFICIENTE INTELECTUAL E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

GT4. FORMAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSÃO DO DEFICIENTE INTELECTUAL E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES GT4. FORMAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSÃO DO DEFICIENTE INTELECTUAL E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES INTRODUÇÃO Priscila Ferreira Ramos Dantas - UFRN 1 Nadia Kalliny Joaquim dos santos

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Quais seriam, então, essas condições? Vejamos:

Quais seriam, então, essas condições? Vejamos: Discurso do Presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, na inauguração do Instituto de Renascimento Africano (Pretória, 11 de outubro de 1999) P residente, Ilustres Dignatários da África, Secretário Geral

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS PRISCILA NUNES FRANÇA DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO), CARLA TATIANA MUNIZ SOUTO MAIOR (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO).

Leia mais

FÓRUM NACIONAL EM DEFESA DA ESCOLA PÚBLICA RELATÓRIO DA REUNIÃO DA COORDENAÇÃO EXECUTIVA NACIONAL Brasília, 3 de dezembro de 2002

FÓRUM NACIONAL EM DEFESA DA ESCOLA PÚBLICA RELATÓRIO DA REUNIÃO DA COORDENAÇÃO EXECUTIVA NACIONAL Brasília, 3 de dezembro de 2002 FÓRUM NACIONAL EM DEFESA DA ESCOLA PÚBLICA RELATÓRIO DA REUNIÃO DA COORDENAÇÃO EXECUTIVA NACIONAL Brasília, 3 de dezembro de 2002 Entidades Presentes: ANDES-SN (Vera Jacob e Marília Washington); CONTEE

Leia mais