O USO E A IMPORTÂNCIA DA CANÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM EM CURSOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO E A IMPORTÂNCIA DA CANÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM EM CURSOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS"

Transcrição

1 O USO E A IMPORTÂNCIA DA CANÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM EM CURSOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Manoela Salles Nery de Castro Eriton Rodrigues de França Departamento de Letras - UFRN RESUMO: O artigo foi elaborado com o intuito de reforçar como devemos introduzir a música em um curso língua estrangeira, levando em consideração os diferentes aspectos das culturas em sua diversidade, para que os alunos consigam absorver os saberes e costumes de uma comunidade lingüística diferente. O propósito deste artigo é comprovar se a música desempenha um papel fundamental para o setor educacional e observar como sua utilização é crucial na formação e desenvolvimento da capacidade crítica e artística dos alunos, pois essa prática não deve ser apenas de descontração, mas sim metodológica. É oportuno observar que os alunos possuem um conhecimento empírico que deve ser amadurecido de acordo com a realidade do país. PALAVRAS-CHAVE: Música, Metodologia, Cultura, Língua. RÉSUMÉ: L article a été préparé en vue de renforcer la façon comme nous devons incorporer la musique dans un cours de langue étrangère, en prenant en compte les différents aspects de las cultures dans sa diversité, pour que les élèves arrivent à absorber les connaissances et les coutumes d'une communauté linguistique différente. Le propos de cet article est affirmer si la musique joue un rôle dans le secteur de l'éducation et observer comme son utilisation est décisive dans la formation dans le développement de la capacité critique et artistique des élèves, puisque cette pratique ne doit pas être à peine amusante, mais méthodologique. Il est propice de noter que les élèves ont un savoir empirique qui doit être affiné en fonction de la réalité du pays. MOTS-CLÉS: Musique, Méthodologie, Culture, Langue. Texto elaborado a partir das necessidades de inclusão da música como documento pedagógico no curso de L.E.; Essa pesquisa só reforça a idéia da importância da música junto à cultura como lugar de descobertas multiculturais.

2 O aprendizado de uma língua não se resume apenas na forma lingüística, ou seja, na estrutura gramatical, por isso, a cultura desempenha um papel crucial na formação dos novos aprendizes de uma língua estrangeira. Sabemos que a cultura é uma representação do mundo, ela é construída a partir de vivências e experiências de uma determinada comunidade lingüística. A música é fruto de trocas e transformações que ocorreram no decorrer dos anos, a forma mais aprazível de comunicação. Estas observações são propicias para compreendermos que a cultura e a música estão interligadas num âmbito da aprendizagem de uma língua estrangeira. Dentro dessas perspectivas temos como método introdutório a cultura e outros objetos de aprendizagem como a internet e a música, os quais, não devem ser ignorados na elaboração dos documentos pedagógicos. O conhecimento de uma cultura estrangeira não se situa exclusivamente no plano intelectual, deve também instaurar-se através de uma relação que envolva o indivíduo e as práticas estrangeiras. (Zarate, Geneviève, 1986: 37. Tradução nossa). As instituições escolares de línguas estrangeiras não possuem um modelo educacional priorizando o saber cultural, e nem a utilização de músicas com o intuito de percebemos nossos valores sociais. A valorização musical está além das desigualdades sociais, pois é a forma mais expressiva de demonstrar os saberes e costumes de uma determinada comunidade lingüística, sem prender os alunos apenas na forma lexical, como também na história de um país. A partir dessa concepção de autoconhecimento, seremos capazes de observar com naturalidade os aspectos que influenciam diretamente na aprendizagem de uma língua não materna. Em alguns contextos escolares, a reflexão sobre a identidade nacional dos alunos adentra a sala de aula de línguas quando a instituição escolar decide que ela deve apoiar uma definição da relação entre cultura nacional e cultura estrangeira. Esta opção educativa é detectável quando os personagens colocados em cena em documentos são predominantemente da mesma nacionalidade que os alunos. (Zarate, Geneviève, 1986: 39. Tradução nossa). Levando em consideração a insuficiência dos alunos de abstraírem algo onde possam guardar para si em relação à experiência de práticas distintas de cada país, o conhecimento deve ir além das palavras do ponto de vista intercultural. A música tem a capacidade de transmitir mensagens numa escala universal, não importa qual seja o país, pois temos condições de compreender com o auxílio de adventos tecnológicos que nos são fornecidos. Somos movidos pela emoção e prazer de escutá-la. Se o método de ensino for prazeroso consequentemente absorveremos com mais facilidade o conteúdo proposto. Nós podemos ter uma gama de informações sobre um determinado país, pois para conhecer uma língua estrangeira é necessário, ter visão geral, precisaremos estar voltados para a realidade do país ou para as transformações que o cerca.

3 Um estereótipo é a idéia que se faz de... ', a imagem que vem imediatamente à mente quando se trata de... É a representação de um objeto (coisas, pessoas, idéias) mais ou menos independente da realidade objetiva, compartilhada por membros de um grupo social com uma certa estabilidade. Corresponde a uma medida de economia na percepção da realidade, posto que é uma composição semântica pronta e acabada, geralmente muito concreta e imaginada,[...]. (Zarate, Geneviève, 1986: 64. Tradução nossa). As representações sociais ou características particulares de cada país são transmitidas através da música, essa particularidade pode pesar na escolha de uma língua diferente, deve-se levar em consideração, qual é a principal motivação de tirar proveito dessas experiências, a maioria das vezes é o fator financeiro, já que ninguém vive só de admirar uma cultura diferente. Há investimento emocional e financeiro dos novos aprendizes, novos conceitos são incorporados e consequentemente cada um terá uma formação diferente, ou seja, seguirão áreas diferentes. O estabelecimento desses processos redutores de interpretação não pode ser ignorado nas salas de aula de línguas. Eles podem ser abordados de mais de uma perspectiva. Podemos analisar a imagem que os estudantes fazem do idioma francês: francês língua comercial, a literatura científica... A língua francesa como difícil, melodiosa, etc. [...] (Zarate, Geneviève, 1986: 65. Tradução nossa). O objetivo não é unicamente pragmático durante o processo de conhecimento, é necessário um cuidado especial na hora da utilização dos documentos pedagógicos, os objetos de aprendizagem devem estar de acordo com a realidade da nação, deve levar em consideração os preconceitos: desigualdade social, cor de pele, grau de escolarização, cultura etc.. Sabemos da existência da resistência e da discriminação por toda a parte do mundo, saber identificá-las será decisivo na formação dos aprendizes, e a música além de uma expressão artística e cultural, possui um papel decisivo na conscientização de valores que muitas vezes não exercemos. A maneira mais passiva de demonstrar tais indignações é por meio da canção. O documento deverá ser abordado de maneira assimilável em relação às práticas sociais, a estratégia de ensino deverá ser definida como uma ponte dos conceitos individuais com os conceitos coletivos. Pode-se dizer que as opções de um indivíduo de nível médio em francês são manuais ou ferramentas didáticas que representam uma primeira gama de possibilidades (Zarate,Geneviève,1986 : 82.Tradução nossa). A música está aliada a didática, o manual didático nasce de uma concepção artística e literária, por conseguinte surge um modelo de francophonia, com a finalidade de propiciar e desenvolver na mente dos alunos uma verdadeira competência de comunicação. A relação professor-aluno é dinâmica. O aluno se esforça para compreender o texto, o professor em contra partida aponta o vocabulário e ensina como o aluno pode explorar o texto, o desafio e o prazer são peças fundamentais na motivação

4 dos alunos em um curso de língua estrangeira e serve para identificar e fixar ainda mais os elementos gramaticais já estudados. Aqui está um diferente tipo de documentos que retratam a transição de uma cultura para outra. Como caracterizar este tipo de texto?[...] a transição de uma cultura para outra não se dá exclusivamente através de uma fronteira nacional, mas também pela comunicação de ambientes com referências sócio-culturais diferentes. (Zarate, Genevieve, 1986: 96.Tradução nossa). Há diversos tipos de aprendizagem, cabe um direcionamento dos diferentes níveis de conhecimento dentro do mesmo espaço comunicativo. É interessante observar que cada pessoa tem um estilo de música que lhe proporciona mais prazer, então essas diferenças devem ser consideradas também no âmbito educacional, levando em conta os conteúdos disciplinares na música. Um estilo musical que vem tendo uma aceitação especial na França, por exemplo, é o RAP, que surgiu entre os negros norte-americanos. É um gênero caracterizado por ritmo acelerado e quase inexistência de melodia e harmonia, com letras longas e entremeadas de gírias dos guetos e gangues. Essas características tornam o RAP um dos gêneros onde se adaptam as atividades propostas no ensino, já que engloba a crítica social e o ritmo interessante aos alunos. Assim como os campos perceptivos, as habilidades e as especificidades, um ícone que conseguiu consolidar sua carreira na França foi o cantor Kamini, com suas letras altamente críticas, reforça a idéia da desvalorização racial, e ao mesmo tempo desperta a sensibilidade crítica e interpretação de suas mensagens. Na maioria de suas letras ele faz uma contextualização, levando em conta o aspecto cultural e históricogeográfico. Assim como o RAP, o "Hip Hop" também possui esse caráter de denunciar esses acontecimentos de injustiças e os problemas sócio-culturais da sociedade, podemos considerar que estes gêneros atendem a esta classe menos favorecida, com a ideologia de não aceitação das condições vividas pela mesma e a mudança de atitudes que levariam à reversão de tais situações. O uso de uma língua estrangeira não deve estar ligada apenas à pronúncia e à escrita, vai além dessa perspectiva. Para um bom aprendizado é necessário uma reflexão apurada de quais comportamentos o objeto de estudo repercute com nossos julgamentos de valores. No ensino de línguas, a noção de progresso foi ilustrada principalmente em termos de desenvolvimento da linguagem. O primeiro contato com uma cultura estrangeira é um momento especial em que as metas específicas para iniciantes podem ser definidas [...], com a cultura estrangeira, os alunos cuja cultura nativa é culturalmente muito diferente da cultura estrangeira, os alunos possuem um curto prazo de imersão a uma cultura estrangeira. (Zarate, Genevieve, 1986: 135. Tradução nossa).

5 De fato, no âmbito da aprendizagem, o aluno possui um conhecimento inexplorado, tendo como ponto de partida preconceitos ou conhecimentos fragmentados. Com a prática da música em um curso de língua, passa-se a conhecer melhor o universo cultural, de cada país. É importante perceber que a língua contribui de maneira muito importante, na construção de nossa identidade individual. As numerosas linguagens verbais são adaptadas pela assimilação e acomodação dessas novas experiências, a língua materna é fixada, por isso, não podemos neutralizar um conhecimento já estruturado para outro com características próprias, cabe a satisfação e disposição ao assumir uma língua não materna. A cultura pode servir de base para todas as formas de aprendizagem, a partir de práticas pedagógicas com o uso de canções, tornando o aprendizado mais eficiente, pois é uma forma lúdica, literária e poética. Tal prática cultural já se desenvolveu há muitos séculos, mas vem sendo cada vez mais explorada e utilizada nos dias atuais. A partir dessas afirmações, podemos nos guiar através dessas abordagens pedagógicas, partindo de um documento riquíssimo e indispensável no aprendizado de qualquer língua estrangeira. Existem relatos de pessoas que aprenderam outros idiomas utilizando apenas este método pedagógico. A música está ligada a cultura dentro de uma gama de diversidades, é um lugar de descoberta multicultural, e visa nos aproximar da nossa realidade, pois sabemos que a língua é mutável, e sua variação é lenta e gradual, por isso, um novo tipo de vocabulário pode surgir a partir das práticas sociais, em relação ao uso de determinada palavra, que dependendo do local e da circunstância criase um novo significado. A escolha das canções deverá ser feita com muito cuidado, porque além da aproximação da realidade do mundo, elas possuem saberes e experiências típicas dos lugares de origem, podendo gerar conflito de compreensão em relação aos aprendizes que possuem valores diferentes, é interessante sim, utilizar esse método, mas deve existir certo distanciamento das crenças e motivações dessas culturas diferentes. Esse método didático deve estar centrado sobre as atividades interativas, os professores devem lembrar que não devemos nos fixar apenas em aspectos das palavras em relação aos termos de ordem linguística, ele deverá levar em consideração os aspectos da música: lugar, gênero, autor, contexto-social, etc.. Sua diversidade de expressão deve ser apresentada para que os alunos consigam assimilar de forma geral, quais conhecimentos eles podem abstrair dentro de uma comunidade linguística diferente. O documento didático que vamos analisar foi produzido e arquitetado num espaço comunicativo de línguas viventes, no caso, a língua francesa, cujo objetivo, além da linguística, foi desempenhar um papel de conscientização sobre a degradação do planeta, problema de ordem mundial, que sensibiliza qualquer criatura terrestre, menos os déspotas e negligentes. O título deste documento chama-se Aux arbres citoyens, observe que o título desta canção, demonstra a importância de termos um conhecimento prévio da cultura francesa, pois nos deparemos com uma alusão ao hino da França: La Marseillaise. Trata-se de uma crítica sutil. A intenção foi de mobilizar a população para uma mudança de hábitos que não vise o desenvolvimento de forma desordenada, agredindo o meio ambiente.

6 Aux Arbres Citoyens Yannick Noah Composição: Indisponível Le ciment dans les plaines Coule jusqu'aux montagnes Poison dans les fontaines, Dans nos campagnes De cyclones en rafales Notre histoire prend l'eau Reste notre idéal "faire les beaux" S'acheter de l'air en barre Remplir la balance : Quelques pétrodollars Contre l'existence De l'équateur aux pôles, Ce poids sur nos épaulees De squatters éphémers... Maintenant c'est plus drôle Puisqu'il faut changer les choses Aux arbres citoyens! Il est grand temps qu'on propose Un monde pour demain! Aux arbres citoyens Quelques baffes à prendre La veille est pour demain Des baffes à rendre Faire tenir debour Une armée de roseaux Plus personne à genoux Fait passer le mot C'est vrai la terre est ronde Mais qui viendra nous dire Qu'elle l'est pour tout le monde... Et les autres à venir... Puisqu'il faut changer les choses Aux arbres citoyens! Il est grand temps qu'on propose Un monde pour demain! Plus le remps de savoir à qui la faute De compter la chance ou les autres Maintenant on se bat Avec toi moi j'y crois Puisqu'il faut changer les choses Aux arbres citoyens! Il est grand temps qu'on propose Un monde pour demain! Avec toi moi j'y crois Puisqu'il faut changer les choses Aux arbres citoyens! Il est grand temps qu'on propose Un monde pour demain! A metodologia de ensino foi simples e eficaz, como todos possuem conhecimento desta catastrófica realidade, temos um ponto interessante a ser observado, cujo propósito é de resgatar através da história da França aspectos de lutas e conquistas, fazendo uma comparação ao hino nacional da França Aux Armes Citoyens, com outro título Aux Arbres Citoyens, servindo de incentivo à importância da preservação das árvores e do meio ambiente, analisando essas semelhanças, despertamos o interesse desses alunos a descobrirem mais sobre o contexto histórico daquela época. Sendo a mensagem principal a mudança das nossas atitudes. As reflexões que podemos tirar são inúmeras, é evidente percebermos a evolução da música, ela vem ganhando um espaço significativo dentro dos cursos de idiomas. É propício avaliar as práticas de ensino, observando se elas estão sendo realizadas de maneira adequada, priorizando a capacidade de expressão e informação, quais significados podem interessar aos alunos, quais perspectivas deverão ser

7 abordadas, de uma maneira contextualizada. É visível que a música proporciona momentos prazerosos, então é necessário uma conciliação entre o prazer e o ensino, percebendo a fácil acessibilidade desses objetos de aprendizagem, tornando-a um instrumento imprescindível no aprendizado dos aprendizes, onde existe uma resistência que os impedem a pronunciarem corretamente os sons, devido falta de convívio com a língua estrangeira estudada. Percebemos que além da descontração num método musical, o uso da canção é outra maneira eficaz de transmissão de mensagens e descobertas, que servem para facilitar o aprimoramento das práticas didáticas, visando abranger a capacidade crítica dos alunos, e uma formação mais eficiente, ao qual, não priorize apenas a linguagem, e sim, os níveis mais elevados dos saberes dentro de uma comunidade linguística diferente.

8 Referências Bibliográficas DE CARLO, M, L interculturel. Paris : Clé International, ZARATE, GENEVIÈVE. Enseigner une culture étrangère: recherches /applications. Paris: Hachete, Acessado em: 28 /10/09 às 17h.

Interferência do português língua materna vs supergeneralização na escrita em francês

Interferência do português língua materna vs supergeneralização na escrita em francês Interferência do português língua materna vs supergeneralização na escrita em francês Pablo Diego Niederauer Bernardi * (UFPel) Isabella Mozzilo (UFPel) Aprender línguas pressupõe o desenvolvimento de

Leia mais

Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária

Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária Ce qui ne change pas O que não se altera entre o pré-escolar e o 1º ano no LFIP L organisation administrative/a organização administrativa -Les contacts

Leia mais

Mateus Geraldo Xavier. Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral. Dissertação de Mestrado

Mateus Geraldo Xavier. Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral. Dissertação de Mestrado Mateus Geraldo Xavier Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral Dissertação de Mestrado Programa de Pós-graduação em Teologia do Departamento de Teologia

Leia mais

de manuais concebidos segundo a Perspectiva Acional

de manuais concebidos segundo a Perspectiva Acional 1. NOME COMPLETO: HYANNA C. DIAS DE MEDEIROS 2. E-MAIL: hyanna.medeiros@usp.br 3. ALUNO: X EX-ALUNO: 4. PESQUISA : X INICIAÇÃO CIENTÍFICA MESTRADO DOUTORADO 5. ÁREA DE PESQUISA: X LÍNGUA, LINGUÍSTICA E

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE

A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE Carina de Jesus Mota CONSIDERAÇÕES INICIAIS A importância da literatura no ensino/aprendizagem de uma língua estrangeira é um ponto que deve ser analisado

Leia mais

A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire.

A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire. Caros pais, A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire. Esta iniciativa insere-se no âmbito de um projeto

Leia mais

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem. Projetos. Língua Espanhola.

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem. Projetos. Língua Espanhola. O ENSINO DE LÍNGUA ESPANHOLA ATRAVÉS DE PROJETOS: TRABALHANDO A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL Ivoneide Aires Alves do Rego Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/UERN ivoneideaires@gmail.com

Leia mais

Pré-maratona de. Prof. Igor Barca

Pré-maratona de. Prof. Igor Barca de FRANCÊS para o CACD Prof. Igor Barca Como estudar francês para a diplomacia? Slide 2 de 37 O que é estudar um idioma? Slide 3 de 37 Algumas possíveis respostas Aprender gramática e entender a língua.

Leia mais

A LÍNGUA FRANCESA NA ESCOLA PÚBLICA FUNDAMENTAL

A LÍNGUA FRANCESA NA ESCOLA PÚBLICA FUNDAMENTAL A LÍNGUA FRANCESA NA ESCOLA PÚBLICA FUNDAMENTAL Valdirene Cristiane Cesconetto e Fabiano Domingos Petrolli Acadêmicos do Curso de Letras da UFSC Zélia Anita Viviani Professora do Departamento de Línguas

Leia mais

2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica.

2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica. 2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica. Cinq mémoires sur l instruc1on publique (1791). Présenta@on, notes, bi- bliographie et chronologie part Charles Coutel et Catherine

Leia mais

A formação do engenheiro para as próximas décadas

A formação do engenheiro para as próximas décadas Seminário Inovação Pedagógica na Formação do Engenheiro Universidade de São Paulo Maio de 2003 A formação do engenheiro para as próximas décadas Henrique Lindenberg Neto Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Revista Diálogo Educacional ISSN: 1518-3483 dialogo.educacional@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná Brasil

Revista Diálogo Educacional ISSN: 1518-3483 dialogo.educacional@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná Brasil Revista Diálogo Educacional ISSN: 1518-3483 dialogo.educacional@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná Brasil Milléo Pavão, Zélia FORMAÇÃO DO PROFESSOR-EDUCADOR MATEMÁTICO EM CURSOS DE LICENCIATURA

Leia mais

PAAES/UFU 2ª Etapa Subprograma 2011-2014

PAAES/UFU 2ª Etapa Subprograma 2011-2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos PAAES 2ª ETAPA SUBPROGRAMA 2011/2014 24 de fevereiro de 2013

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO DISCIPLINA: Francês ANO: 7º Nível 1 Curso: Ensino Básico Total de aulas previstas: 99 Manual adotado: Mots Clés Porto Editora 1º PERÍODO - AULAS PREVISTAS: 41 Competências

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO CONTINGENTE PORTUGUÊS. 22 a 25 de Abril de 2011

DIÁRIO DE BORDO CONTINGENTE PORTUGUÊS. 22 a 25 de Abril de 2011 DIÁRIO DE BORDO CONTINGENTE PORTUGUÊS. 22 a 25 de Abril de 2011 2 MENSAGEM DO CHEFE DE CONTINGENTE Meus caros Caminheiros, Companheiros e Dirigentes... Mais uma vez, uns quantos de nós, terão oportunidade

Leia mais

LETRAMENTO LITERÁRIO EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: ATIVIDADES COM GÊNEROS LITERÁRIOS PARA O ENSINO DE FLE

LETRAMENTO LITERÁRIO EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: ATIVIDADES COM GÊNEROS LITERÁRIOS PARA O ENSINO DE FLE LETRAMENTO LITERÁRIO EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: ATIVIDADES COM GÊNEROS LITERÁRIOS PARA O ENSINO DE FLE Divaneide Cruz ROCHA-LUNA Dra. Josilene PINHEIRO-MARIZ Universidade Federal de Campina Grande-PB Programa

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

PROVA DE EXPRESSÃO ORAL E

PROVA DE EXPRESSÃO ORAL E FRANCÊS 12.ºANO NÍVEL DE CONTINUAÇÃO PROVA DE EXPRESSÃO ORAL E Esta prova desenvolve-se em três partes e tem uma duração aproximada de 20 minutos para cada grupo de dois alunos. Domínios de referência

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA FRANCESA: A ESCRITA SOB UMA PERSPECTIVA INTERACIONISTA

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA FRANCESA: A ESCRITA SOB UMA PERSPECTIVA INTERACIONISTA Artigo publicado nos Anais do X SEMANA DE LETRAS A Hora e a vez da Palavra, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Jandaia do Sul,Jandaia do Sul-PR, 25 a 29 de setembro de 2006. O ENSINO E APRENDIZAGEM

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO

AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO Gabriela Rodrigues Botelho Prof. Camila Maria Corrêa Rocha (Orientador) RESUMO Este artigo tem por objetivo abordar

Leia mais

COOPERATIVA DE TRABALHO DOMÉSTICO: MECANISMO ALTERNATIVO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DIARISTAS?

COOPERATIVA DE TRABALHO DOMÉSTICO: MECANISMO ALTERNATIVO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DIARISTAS? COOPERATIVA DE TRABALHO DOMÉSTICO: MECANISMO ALTERNATIVO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DIARISTAS? COOPERATIVE DE TRAVAIL DOMESTIQUE: AUTRE MÉCANISME DE PROTECTION SOCIALE POUR LES

Leia mais

RESUMO. Palavras Chave: dança: gesto: corpo-leitor: corpo paradoxal. Resumé

RESUMO. Palavras Chave: dança: gesto: corpo-leitor: corpo paradoxal. Resumé CARVALHO, Eliane. O Corpo- Leitor: agenciamentos entre a palavra poética e o gesto dançado. Rio de Janeiro: UFF. Mestranda; PPGCA- UFF; dissertação em preparação para qualificação; orientação Beatriz Cerbino;

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL

FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL A: Tous les acteurs de la filière du Commerce Equitable certifiés pour la mangue, la banane, la pulpe d araza / Produtores e Comerciantes certificados da manga, da banana e da polpa de araza de CJ Tous

Leia mais

X-MET8000. Confie, mas verifique: garanta a qualidade do produto com o último analisador de XRF portátil da Oxford Instruments

X-MET8000. Confie, mas verifique: garanta a qualidade do produto com o último analisador de XRF portátil da Oxford Instruments QUALIDADE Confie, mas verifique: garanta a qualidade do produto com o último analisador de XRF portátil da Oxford Instruments Identificação rápida e confiável de ligas e composições elementares para: Controle

Leia mais

Télécommande standard non polarisée 0 039 01

Télécommande standard non polarisée 0 039 01 01 Télécommande standard non polarisée R Caractéristiques techniques Alimentation...:230 V± 50/60 Hz 10 ma Capacité des bornes : 2 X 1,5 mm 2 Fixation...:surrailoméga Encombrement.... : 4 modules (70 mm)

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS NA MODALIDADE ESCRITA, ENFRENTANDO DESAFIOS PARA INCLUIR.

LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS NA MODALIDADE ESCRITA, ENFRENTANDO DESAFIOS PARA INCLUIR. LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS NA MODALIDADE ESCRITA, ENFRENTANDO DESAFIOS PARA INCLUIR. Sandra Maria de Oliveira Diniz Santos - UFPB sandradinizz@hotmail.com Elizete Olinto Ferreira dos Santos UFPB elizeteolinto@gmail.com

Leia mais

POLIDEZ: COMO APRENDER EM OUTRA LÍNGUA?

POLIDEZ: COMO APRENDER EM OUTRA LÍNGUA? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA POLIDEZ:

Leia mais

O ENSINO DA PAISAGEM PARA ALUNOS COM SÍNDROME DE DOWN

O ENSINO DA PAISAGEM PARA ALUNOS COM SÍNDROME DE DOWN O ENSINO DA PAISAGEM PARA ALUNOS COM SÍNDROME DE DOWN Danielle Tatiane da Silva Cabral/UFRGS danielledasilvacabral@gmail.com Historicamente a ciência geográfica sofreu reformulações e reestruturou conceitos,

Leia mais

Como funciona uma aula de inglês na Language Plus

Como funciona uma aula de inglês na Language Plus Como funciona uma aula de inglês na Language Plus professores nativos de inglês. Sobre os Cursos da Language Plus Os Cursos de Inglês da Language Plus foram desenhados especialmente para os profissionais

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

Bienvenue à l'ecole en France Bemvindo à escola em França

Bienvenue à l'ecole en France Bemvindo à escola em França Bienvenue à l'ecole en France Bemvindo à escola em França Ses objectifs / OBJECTIVOS Éduquer pour vivre ensemble -> Educar para viver juntos Portugais Português Instruire pour comprendre aujourd hui, construire

Leia mais

PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS

PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS Educadores: Ano/turma: 6º ao 9º anos Vespertino / Matutino Disciplina:

Leia mais

As questões de 01 a 05, cujas respostas deverão ser redigidas EM PORTUGUÊS, referem -se ao texto abaixo.

As questões de 01 a 05, cujas respostas deverão ser redigidas EM PORTUGUÊS, referem -se ao texto abaixo. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Heloisa B. de Albuquerque-Costa FFLCH Universidade de São Paulo heloisaalbuqcosta@usp.com. Resumo

Heloisa B. de Albuquerque-Costa FFLCH Universidade de São Paulo heloisaalbuqcosta@usp.com. Resumo Curso Presencial e a Distância na Licenciatura em Francês da FFLCH-USP: Desafios da Formação Híbrida e Contribuições para a Formação do Professor de Línguas Estrangeiras Heloisa B. de Albuquerque-Costa

Leia mais

Informações gerais Colégio Decisão

Informações gerais Colégio Decisão 1 Informações gerais Colégio Decisão 2 Carta da Diretora Colégio Decisão Venha, que estamos de portas abertas para você. Carta da Direção Prezados país e responsáveis, A Organização de uma escola pede

Leia mais

Jeana Maria de Moura Telles

Jeana Maria de Moura Telles Jeana Maria de Moura Telles Brincar, compartilhar e aprender: A ludicidade como elemento norteador de uma aula mais proveitosa, atrativa e eficaz Araguaína TO 2013 Jeana Maria de Moura Telles Brincar,

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM

Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM INTERAÇÃO PROFESSOR/ALUNO MEDIADA PELO AUDIOVISUAL: UMA ANÁLISE DO FILME OS MISERÁVEIS Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM Resumo: Este estudo tem como objetivo investigar o processo de ensino

Leia mais

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ ALMEIDA, Patrícia Neves. O Como e suas formas de manifestação na prática do jogo teatral. Sorocaba: Universidade de Sorocaba; Professora Assistente. Arte-Educadora. RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI)

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Diego Porto Rocha (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Adelany Brena Cardoso de Oliveira (Universidade

Leia mais

MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM

MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA INTERATIVA: REFLEXÕES DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA USANDO OBJETOS DE APRENDIZAGEM Nicélio José Gesser Universidade Federal de Santa Catarina niceliogesser@gmail.com Sonia Palomino Bean Universidade

Leia mais

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS Mário Sérgio de Andrade Mendonça, mariomendonc@gmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br UEMS Universidade Estadual

Leia mais

CursoDidatas Nice 2012-

CursoDidatas Nice 2012- 1 CursoDidatas Nice 2012-1-Danse des hommes (Danse masculine) DescriptionA partir de la position génératrice de Valeur (bras croisés devant la poitrine). Lorsque la musique commence et induit une pulsation,

Leia mais

FRANCÊS INSTRUÇÕES 1 - ESTA PROVA CONTÉM 1 (UM) TEXTO SEGUIDO DE QUESTÕES DE COMPREENSÃO 2 - ESCOLHA E ASSINALE A ALTERNATIVA CORRETA, SEMPRE DE ACORDO COM O TEXTO EXISTE-T-IL DES RECETTES POUR ÊTRE HEUREUX?

Leia mais

A trajetória do ensino de FLE para crianças em uma escola particular de Recife

A trajetória do ensino de FLE para crianças em uma escola particular de Recife A trajetória do ensino de FLE para crianças em uma escola particular de Recife Lorena Santos 1 Universidade Federal de Pernambuco Resumo: Este artigo tem por objetivo descrever o processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA PRÁTICA EDUCATIVA COM ALUNOS DO BAIRRO SÃO JOSÉ RESUMO

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA PRÁTICA EDUCATIVA COM ALUNOS DO BAIRRO SÃO JOSÉ RESUMO EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA PRÁTICA EDUCATIVA COM ALUNOS DO BAIRRO SÃO JOSÉ RESUMO Cristhiane da Silva Cavalvcanti Taísa Caldas Dantas O presente artigo científico tem a finalidade de demonstrar

Leia mais

Educação Básica FRANCÊS NOVA PROPOSTA CURRICULAR. Ensino Recorrente. 3º Ciclo por Blocos Capitalizáveis

Educação Básica FRANCÊS NOVA PROPOSTA CURRICULAR. Ensino Recorrente. 3º Ciclo por Blocos Capitalizáveis Educação Básica FRANCÊS NOVA PROPOSTA CURRICULAR Ensino Recorrente 3º Ciclo por Blocos Capitalizáveis INTRODUÇÃO A especificidade do Ensino Recorrente implica que, à organização curricular da disciplina

Leia mais

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO?

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? Fábia da Silva de Oliveira Educadora do Ensino Fundamental I na Escola La Salle, Águas Claras/DF, Pedagoga com

Leia mais

TUTORIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA:

TUTORIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: TUTORIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: COMPETÊNCIAS, SEUS FATORES PROPULSORES E SUAS LIMITAÇÕES MASCARENHAS, Rosana (mmascarenhas@facinter.br) FACINTER e Universidade Tuiuti Do Paraná MASCARENHAS, Marcelo

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE

DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE Antonio Veimar da Silva 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar os conhecimentos

Leia mais

Provas orais em Língua Estrangeira Ensino Secundário Francês 11º ano, Nível de Continuação Janeiro 2009

Provas orais em Língua Estrangeira Ensino Secundário Francês 11º ano, Nível de Continuação Janeiro 2009 Provas orais em Língua Estrangeira Ensino Secundário Francês 11º ano, Nível de Continuação Janeiro 2009 Esta prova desenvolve-se em três partes e tem uma duração aproximada de 15-20 minutos para cada grupo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA BORGES *, Ângela André PUCPR angelaborges2005@yahoo.com.br MACIEL

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO EM AMBIENTE INFORMATIZADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Resumo BALADELI, Ana Paula Domingos UEM annapdomingos@yahoo.com.br ALTOÉ, Anair UEM aaltoe@uem.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Mudança gera transformação? Mudar equivale a transformar?

Mudança gera transformação? Mudar equivale a transformar? Mudança gera transformação? Mudar equivale a transformar? Seminário Síntese de Adequações/Inovações no Estudo Doutrinário Espírita Federação Espírita Brasileira Janeiro/2015 JESUS Conhecereis a Verdade

Leia mais

Da Arqueologia à Genealogia a questão do sujeito no percurso filosófico de Michel Foucault

Da Arqueologia à Genealogia a questão do sujeito no percurso filosófico de Michel Foucault Fabiane Marques de Carvalho Souza Da Arqueologia à Genealogia a questão do sujeito no percurso filosófico de Michel Foucault Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Filosofia

Leia mais

Revista de Gestão e Secretariado E-ISSN: 2178-9010 gestoreditorial@revistagesec.org.br. Sindicato das Secretárias(os) do Estado de São Paulo.

Revista de Gestão e Secretariado E-ISSN: 2178-9010 gestoreditorial@revistagesec.org.br. Sindicato das Secretárias(os) do Estado de São Paulo. Revista de Gestão e Secretariado E-ISSN: 2178-9010 gestoreditorial@revistagesec.org.br Sindicato das Secretárias(os) do Estado de São Paulo Brasil Barcellos Martin, Emili; Kundman, Maria Sabina AS REPRESENTAÇÕES

Leia mais

Parlez-vous européen?

Parlez-vous européen? Parlez-vous européen? A BONECA BRAILLIN 1. Résumé Parece uma boneca normal mas não é. A Braillin possui seis botões em relevo correspondentes aos seis pontos base da linguagem braille (P.) / braile (B.).

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

AMBIENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AÇÃO TUTORIAL AULA 01: AMBIENTAÇÃO TÓPICO 03: HISTÓRIA E FUNDAMENTOS DA EAD VERSÃO TEXTUAL DO FLASH Você conhece a origem da Educação a Distância? Como se iniciaram

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FRANCÊS 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém quatro questões, constituídas de itens e

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA Tais Pires de Oliveira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Geografia tais_piresoliveira@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS INTERDISCIPLINARIDADE: DESAFIO NO ENSINO DAS LETRAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E PEDAGOGIA Luzinete Alves da Silva. Jeferson

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL Luana Martins Abreu Profª. da Secretaria Municipal de Educação de Nova Iguaçu/RJ As crianças com qualquer

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Carolina de Campos Borges PERMANÊNCIAS E MUDANÇAS: Individualismo, trajetórias de vida e família. Tese de Doutorado

Carolina de Campos Borges PERMANÊNCIAS E MUDANÇAS: Individualismo, trajetórias de vida e família. Tese de Doutorado Carolina de Campos Borges PERMANÊNCIAS E MUDANÇAS: Individualismo, trajetórias de vida e família Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica da PUC-Rio como requisito

Leia mais

Verbos transitivos indiretos em francês: proposta de base de dados

Verbos transitivos indiretos em francês: proposta de base de dados Verbos transitivos indiretos em francês: proposta de base de dados Aline Vasconcelos Sabrina Salaberry Isasa Cleci Regina Bevilacqua Patrícia Chittoni Ramos Reuillard UFRGS Resumo: Uma das maiores dificuldades

Leia mais

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID ANEXO I Detalhamento do PROJETO INSTITUCIONAL TO 10.742.006.0001-98

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID ANEXO I Detalhamento do PROJETO INSTITUCIONAL TO 10.742.006.0001-98 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB EDITAL Nº 02/2009 CAPES/DEB Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à

Leia mais

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos.

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos. O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO- PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E LITERATURA Edna Antunes Afonso João Paulo da Silva Andrade 1 Resumo: Este trabalho parte de pesquisas através

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

O uso de jogos no ensino da Matemática

O uso de jogos no ensino da Matemática 607 O uso de jogos no ensino da Matemática Cyntia Luane Silva Godoy 1 Marlene Menegazzi 2 RESUMO Neste trabalho irei abordar a importância do uso de jogos no ensino da Matemática como um recurso didático

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

As diferentes correntes de autoformação

As diferentes correntes de autoformação As diferentes correntes de autoformação Profa. Dra. Cecília Warschauer Texto originalmente publicado na Revista Educação on-line, Editora Segmento, em 15/04/2005. Tradicionalmente, a formação é definida

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

V O T O - V I S T A. SEPÚLVEDA PERTENCE, negou provimento ao agravo. Entendeu que a

V O T O - V I S T A. SEPÚLVEDA PERTENCE, negou provimento ao agravo. Entendeu que a AG.REG.NA RECLAMAÇÃO 3.034-2 PARAÍBA RELATOR AGRAVANTE(S) AGRAVADO(A/S) INTERESSADO(A/S) : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE : ESTADO DA PARAÍBA : PGE-PB - LUCIANO JOSÉ NÓBREGA PIRES : RODRIGO DE SÁ QUEIROGA E OUTRO(A/S)

Leia mais

Planificación Cultural

Planificación Cultural FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA Planificación Cultural Elias J. Feijó Torres M. Felisa Rodríguez Prado GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Cristina Novikoff c_novikoff@yahoo.com.br UNIGRANRIO Natália Xavier Pereira nxpereira@hotmail.com UNIGRANRIO Resumo:O uso da tecnologia

Leia mais

Dicas para EaD. Mapa do Tutorial. Ambientação em Educação a Distância. Educação a Distância. Aluno na Modalidade EaD.

Dicas para EaD. Mapa do Tutorial. Ambientação em Educação a Distância. Educação a Distância. Aluno na Modalidade EaD. Dicas para EaD Mapa do Tutorial Ambientação em Educação a Distância Você está aqui! Aula 1 Aula 2 Aula 3 Aula 4 Aula 5 Introdução Educação a Distância Aluno na Modalidade EaD Dicas para EaD Orientações

Leia mais

UMA ANÁLISE DIALÓGICA E ERGOLÓGICA DA ATIVIDADE DO PROFESSOR DE CURSOS LIVRES Luciana Maria Almeida de Freitas (UFF) lucianafreitas@uol.com.

UMA ANÁLISE DIALÓGICA E ERGOLÓGICA DA ATIVIDADE DO PROFESSOR DE CURSOS LIVRES Luciana Maria Almeida de Freitas (UFF) lucianafreitas@uol.com. UMA ANÁLISE DIALÓGICA E ERGOLÓGICA DA ATIVIDADE DO PROFESSOR DE CURSOS LIVRES Luciana Maria Almeida de Freitas (UFF) lucianafreitas@uol.com.br A presente comunicação visa a apresentar um projeto de tese

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA PARA TRABALHAR COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Jane Aparecida de Souza Santana (FCT/Unesp) Ms. Flaviana dos Santos Silva Profª Drª Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais