SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA"

Transcrição

1 SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA

2 Introdução Funções do sistema de transmissão de potência: Transmitir potência do motor para as rodas motrizes e para a TDP (tomada de potência) Possibilitar o engate suave da potência do motor durante o início do movimento do trator Transformar o torque e a rotação do motor para atender à demanda da operação a ser executada Possibilitar a reversão da direção de deslocamento do veículo (marcha-a-ré) Possibilitar o parada suave do veículo

3 Introdução Principais componentes

4 Embreagem de fricção e freios Embreagens: Possibilita o acoplamento suave entre o motor e a carga e permite a interrupção do fluxo de potência Tipos: seca e banhada à óleo

5 Embreagem de fricção e freios Embreagem: Disco Carga produzida por molas (discos de fricção comprimidos por molas) Acionamento mecânico Seca: veículos de baixa a moderada potência

6 Embreagem de fricção e freios Embreagem: Disco Dupla: tração e TDP Discos múltiplos Atuadores hidráulicos permitem o acoplamento Banhada à óleo

7 Embreagem de fricção e freios Capacidade de torque de uma embreagem: Em que: T c = capacidade de torque, N.m f = coeficiente de fricção F c = força de compressão produzida pelas molas das embreagem, kn r m = raio médio da embreagem, mm n s = número de superfícies de transmissão de torque (duas vezes o número de discos) Reserva de torque = 2 a 3 vezes o máximo torque produzido pelo motor Reserva de torque garante rápido engate e mínimo deslizamento após o engate

8 Embreagem de fricção e freios Raio médio de uma embreagem: Em que: D o = diâmetro externo do disco da embreagem, mm D i = diâmetro interno do disco da embreagem, mm

9 Embreagem de fricção e freios Calor produzido no deslizamento dos discos de uma embreagem: Em que: Q = calor gerado, J T s = torque médio transmitido enquanto a embreagem está patinando, N.m N s = máxima rotação relativa aos discos da embreagem, rpm t s = duração do deslizamento, s

10 Embreagem de fricção e freios Aumento de temperatura de uma embreagem: Em que: θ = temperatura da embreagem após o engate, o C θ o = temperatura da embreagem antes do engate, o C m c = massa das partes que absorvem calor, kg C p = calor específico dos elementos que absorvem calor, J/(kg. o C)

11 Embreagem de fricção e freios Taxa específica de geração de calor de uma embreagem: Em que: E r = taxa específica de geração de calor, W/mm 2 A c = área combinada de todas as superfícies de fricção, mm 2

12 Embreagem de fricção e freios Dados para projeto de embreagens: Material Coeficiente de fricção f Máxima pressão na face dos discos N/mm 2 Fluxo de óleo para resfriamento, L/s/m 2 Máxima taxa de geração de energia, W/mm 2 Máxima temperatura suportada pelo sistema, o C Embreagens secas: Orgânico 0,20-0,30 0,1-0,3 Seca 0,5-0,8 150 Metal-Cerâmica 0,30-0,40 0,7-0,9 Seca 0,8-2, Embreagens banhadas a óleo Papel 0,09-0,13 0,8-2, ,8-1, Moldado (Molded) 0,08-0,10 1,5-2,5 2,5-30 1,0-1, Enchimento com 0,08-0,10 1,5-2,5 2,5-12 1,0-3, fluorcarbono Metal sinterizado 0,04-0,09 1,2-3,5 2,5-12 1,0-2,0 300

13 Embreagem de fricção e freios Freios: Freio a tambor, mais usados no passado Freio a disco, é mais popular atualmente Projeto semelhante ao das embreagens Reserva de torque = 2 a 3 Raio médio = levar em consideração o centro das sapatas

14 Transmissões e equilíbrio de Transmissão: cargas Fornece condições para movimento à frente, à ré e neutro. Transforma torque e rotação do motor para o necessário nas rodas motrizes

15 Transmissões e equilíbrio de cargas Rotação e torque das rodas motrizes: Em que: N e = rotação do motor, rpm N A = rotação das rodas motrizes, rpm T e = torque do motor, N.m T A = torque nas rodas motrizes, N.m E pt = e T.e D.e FD = eficiência do sistema de transmissão de potência, produto das eficiências da caixa de marchas (e T ), do diferencial (e D ) e da redução final (e FD ) G pt = G T.G D.G FD = relação de transmissão do sistema, produto das relações de transmissão da caixa de marchas (G T ), diferencial (G D ) e redução final (G FD )

16 Transmissões e equilíbrio de cargas

17 Tipos de transmissões Engrenagens deslizantes Engrenagens constantemente engrenadas Engrenagens acopladas com sincronizador Engrenamento com embreagens acionadas hidraulicamente (Power-Shift) Transmissão continuamente variável (CVT) Hidrocinética

18 Projeto de Engrenagens Traçado do perfil dos dentes

19 Projeto de Engrenagens Representação do ângulo de pressão

20 Projeto de Engrenagens Terminologia referente aos dentes de engrenagens

21 Projeto de Engrenagens Diâmetro de pitch e módulo de uma engrenagem Em que: D p = diâmetro de pitch (nominal) do pinhão, mm D c = distância entre centros das engrenagens, mm G = relação de transmissão (maior que um) m = módulo dos dentes da engrenagem, mm D G = diâmetro de pitch (nominal) da engrenagem, mm n = número de dentes da engrenagem

22 Projeto de Engrenagens Módulos típicos de engrenagens usadas em transmissões: Engrenagens da caixa de marchas 4 a 5 mm Engrenagens acionadas por embreagens hidráulicas: 1,5 a 3,5 mm Engrenagens cônicas espirais: 8 a 12 mm Engrenagens da redução final: 5 a 7 mm

23 Projeto de Engrenagens Características das engrenagens usadas em veículos fora de estrada: Requer material e processo de fabricação de alta qualidade Superfícies dos dentes com elevada dureza Limite de escoamento do material da superfície: 2000 MPa Projeto tem que levar em consideração a resistência à fadiga Escorregamento entre os dentes geram perda de potência Perda de potência em pares de engrenagens externas: 1% a 2% (eficiência de 98,5%) Perda de potência em pares de engrenagens internas: 0,5% a 1,5% (eficiência de 99%)

24 Engrenagens usadas em caixas de marchas Relação de transmissão e torque em um par de engrenagens: Em que: G m = relação de transmissão do par de engrenagens; N in = rotação de entrada, rpm N out = rotação de saída, rpm n in = número de dentes da engrenagem de entrada n out = número de dentes da engrenagem de saída T in, T out = torque de entrada e de saída, N.m e m = eficiência da transmissão, decimal

25 Engrenagens usadas em caixas de marchas

26 Engrenagens usadas em caixas de Sincronizador marchas

27 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Power-Shift (high-low) de 4 posições: Redução; direta; neutro; travado

28 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Power-Shift com reversão

29 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Conjuto de engrenagens planetárias:

30 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Conjuto de engrenagens planetárias: Em que: n = número de dentes da engrenagem N = rotação da engrenagem, rpm r, s, pc = subscritos que se referem à corôa, engrenagem solar e carrier planetário, respectivamente

31 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Conjuto de engrenagens planetárias Geralmente a rotação da corôa é zero: e t = potência de saída potência de entrada = T pc T s N N pc s Em que: e t = eficiência da transmissão T pc, T s = torque no carrier planetário e na engrenagem solar, N.m

32 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Conjuto de engrenagens planetárias Torque agindo nas engrenagens planetárias e na corôa: Em que: e sp = eficiência da transmissão entre a engrenagem solar e a planetária e pr = eficiência da transmissão entre a engrenagem planetária e a corôa

33 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Conjuto de engrenagens planetárias Eficiência do sistema:

34 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Conjuto de engrenagens planetárias Para que o sistema seja possível: n + n s r γ p = inteiro Em que: γ p = número de engrenagens planetas igualmente espaçadas

35 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Conjuto de engrenagens planetárias composto Dois conjuntos de engrenagens planetárias de tamanhos diferentes Um acopla à engrenagem solar Outro acopla à corôa Sistema pode ter duas engrenagens solares e duas corôas

36 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Conjuto de engrenagens planetárias composto

37 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Troca de engrenamento usando eletro-hidráulica: válvula eletro-proporcional de redução de pressão

38 Transmissões com sistema de acionamento hidráulico (Power-Shift) Características de uso: Relação de transmissão pode ser mudada sem interrupção de potência Pedal da embreagem de tração torna-se desnecessário, é normalmente colocado por razões de segurança Desvantagens: quantidade considerável de energia é usada para acionamento das várias embreagens/freios Eficiência global de um sistema de trasmissão com acionamento hidráulico é geralmente inferior a 85% Transmissões são de fabricação cara Fabricantes tem optado por sistema de transmissão com parte por acionamento hidráulico: redução de custo e eficiência global 90%

39 Transmissões continuamente variável Transmissões continuamente variável (CVT) não apresentam relações de transmissão discreta A relação de transmissão é continuamente variável Pesquisas têm sido conduzidas na busca de CVT mecânica Maioria das CVT para veículos pesados são do tipo hidrostática

40 Transmissões continuamente CVT hidrostática variável

41 Transmissões continuamente variável CVT hidrostática quatro tipos: Tipo 1: Bomba de deslocamento fixo e motor de deslocamento fixo Tipo 2: Bomba de deslocamento variável e motor de deslocamento fixo Tipo 3: Bomba de deslocamento fixo e motor de deslocamento variável Tipo 4: Bomba de deslocamento variável e motor de deslocamento variável

42 Transmissões continuamente variável CVT hidrostática equações que governam a transmissão de potência: Em que: N p e N m = rotação da bomba e do motor, respectivamente, rpm D p e D m = delocamento da bomba e do motor, respectivamente, cm 3 /rev T p e T m = torque na bomba e no motor, respectivamente, N.m e pv, e mv = eficiência volumétrica da bomba e do motor, respectivamente, decimal e pt, e mt = eficiência de torque da bomba de do motor, respectivamente, decimal p = diferença de pressão entre a entrada e saída do motor ou da bomba, MPa

43 Transmissões continuamente variável CVT hidrostática Tipo 1 - Bomba de deslocamento fixo e motor de deslocamento fixo Não permite troca de relação de transmissão entre entrada e saída, por isso é nunca utilizada

44 Transmissões continuamente variável CVT hidrostática Tipo 2 - Bomba de deslocamento variável e motor de deslocamento fixo Permite excelente controle de velocidade e direção Vazão da bomba pode variar de zero até o valor máximo numa direção e na direção contrária Desvantagem: transmissão de torque constante Para máxima capacidade de transmissão em rotação máxima, a transmissão tem que operar com a máxima p

45 Transmissões continuamente variável CVT hidrostática Tipo 2 - Bomba de deslocamento variável e motor de deslocamento fixo Quando D p é reduzido o torque não aumenta como prevê o conjunto de equações Capacidade de transmissão de potência cai em baixas rotações Em veículos pesados é necessário bombas e motores grandes para funcionar adequadamente em baixas rotações Esse sistema de transmissão é usado em tratores para jardinagem Veículos pesados utilizam transmissões do tipo potência constante

46 Transmissões continuamente variável CVT hidrostática Tipo 2 - Bomba de deslocamento variável e motor de deslocamento fixo

47 Transmissões continuamente variável CVT hidrostática Tipo 3 - Bomba de deslocamento fixo e motor de deslocamento variável Transmissão tipo potência constante D m deve ser aumentado para aumentar a rotação de saída Aumentando D m aumenta a capacidade de transmissão de torque sem amentar p Problema: apresenta uma característica de variação de rotação de baixa qualidade Próximo do ponto de reversão o sistema passa de máxima rotação numa direção para máxima rotação na direção inversa Por isso, não se permite reversão da rotação Motores muito grandes são necessários para obtenção de baixas rotações

48 Transmissões continuamente variável CVT hidrostática Tipo 3 - Bomba de deslocamento fixo e motor de deslocamento variável

49 Transmissões continuamente variável Características de uso das transmissões CVT A CVT tipo 4 é utilizada em veículos pesados A CVT tipo 4 fornece bom controle de rotação e reversão de rotação Na CVT tipo 4, quando se reduz o deslocamento da bomba para reduzir a rotação, o deslocamento do motor é simultâneamente aumentado para promover aumento do torque

50 Transmissões continuamente variável Características de uso das transmissões CVT Devido a perda de eficiência volumétrica em baixas rotações, as transmissões hidrostáticas são geralmente usadas em série com conjuntos de engrenagens Operador pode usar a potência máxima no eixo das rodas motrizes em todas as rotações Menor eficiência de transmissão tem limitado o uso desse tipo de transmissão e t = e pt.e pm.e mv.e mt Transmissões hidrostáticas tem sido usadas em aplicações em que a flexibilidade de mudança da relação de transmissão é mais importante que a perda de potência

51 Transmissões continuamente variável Características de uso das transmissões CVT

52 Transmissões hidrocinéticas Eixo de entrada aciona um propulsor que gera um fluxo de óleo dentro da unidade O fluxo de óleo aciona a turbina que está ligada ao eixo de saída

53 Transmissões hidrocinéticas

54 Transmissões hidrocinéticas Relação entre torque e rotação Em que: N in e N out = rotação de entrada e saída, respectivamente, rpm T in e T out = torque de entrada e saída, respectivamente, N.m e t = eficiência da transmissão

55 Transmissões hidrocinéticas Nas transmissões hidrocinéticas a rotação de saída automaticamente se reduz com o aumento de torque aplicado no eixo de saída e vice versa. Por isso, transmissão hidrocinética não tem um relação de transmissão definida. Transmissão hidrocinéticas são muito ineficientes quando a relação de transmissão é muito baixa ou muito alta Assim, as transmissões hidrocinéticas são usadas em série com um sistema de engrenagens planetárias de duas ou três velocidades.

56 Transmissões hidrocinéticas Não há necessidade de embreagem de tração, relação de transmissão é modificada automaticamente Em veículos pesados, a transmissão hidrocinética é útil quando não se necessidade de um controle rígido de rotação Se a variação de velocidade é crítica, a transmissão hidrocinética precisa ser travada.

57 Transmissões hidrocinéticas Desempenho típico de uma transmissão hidrocinética

58 Comparação entre diferentes tipos de transmissões Transmissões usando engrenagens deslizantes ou previamente engrenadas são simples, eficientes mas difícil de variar a relação de transmissão com o veículo em movimento O sincronizador facilita o trabalho de mudança da relação de transmissão mas ainda é necessário que se use a embreagem de tração O sistema power-shift permite a troca de marchas sem necessidade de acionamento do pedal da embreagem (incluído apenas por razões de segurança). Sistema power-shift permite ganho de produtividade em relação ao sistema anterior.

59 Comparação entre diferentes tipos de transmissões Para tornar o sistema mais barato geralmente se usa o sistema power-shift de duas velocidades em série com transmissão com sincronizador A produtividade do veículo aumenta quando se tem mais opção de relação de transmissão para que se possa adequar melhor a carga às condições de trabalho do motor O sistema CVT é teoricamente o sistema mais flexível de troca da relação de transmissão O único tipo de CVT disponível para veículos pesados é o que usa transmissão hidrostática

60 Comparação entre diferentes tipos de transmissões A transmissão hidrocinética não tem relação de transmissão definida. Ela ajusta automaticamente a rotação de saída para mudar o torque de saída. A transmissão hidrocinética fornece controle automático em função da carga em uma curva de potência constante. Em tratores agrícolas é melhor utilizada em trabalhos pesados de preparo de solo e operações em que a velocidade de deslocamento não é crítica. Se a variação de velocidade é crítica, a transmissão hidrocinética precisa ser travada.

61 Ressonância entre transmissões e simulação por computador Eixos são submetidos a deflexão torcional em resposta ao torque aplicado, agindo como molas torcionais Algumas massas rotacionais na transmissão são grandes e têm inércia significativa Molas torcionais fazem com as massas rotativas oscilem torcionalmente nas frequências naturais que são proporcionais à raiz quadrada da razão entre a constante de mola torcional e a inércia Pertubações torcionais ocorrem na transmissão devido aos harmônicos do motor, contato entre os dentes das engrenagens, e outros

62 Ressonância entre transmissões e simulação por computador A amplitude de oscilação torcional é dada por: Em que: θ = amplitude de oscilação, radianos T(t) = amplitude da oscilação de torque, N.m K = constante de mola torcional, N.m/rad J = momento de inércia das massas rotativas, kg.m 2 ω = frequência angular da flutuação de torque, rad/s

63 Ressonância entre transmissões e simulação por computador A frequência natural angular do sistema (ω n ): Quando a frequência de oscilação do torque se aproxima da frequência natural, a oscilação se torna muito grande Na realidade, existem múltiplas frequências naturais e se a frequência de trabalho se aproxima de alguma delas, pode ocorrer problemas com o conforto do operador ou danos nos componentes

64 Ressonância entre transmissões e simulação por computador Devido à complexidade dos sistemas de vibração, a simulação por computador tem sido usada para modelar e analisar tais sistemas. Tipos de análises: Análises modais para determinação das frequências naturais e modos de vibração Análise de tensões em regime permanente e regime transiente

65 Diferencial Permite que as rodas motrizes girem a diferentes rotações Componentes: Pinhão e corôa: engrenagens cônicas Montagem do carrier: quatro engrenagens cônicas.

66 Diferencial

67 Diferencial Relação entre rotações no diferencial: Em que: N L e N R = rotações dos lados esquerdos e direitos, respectivamente, rpm G d = relação de transmissão do diferencial n bp e n r = número de dentes do pinhão e da corôa, respectivamente.

68 Diferencial Relação de potência no diferencial: Em que: T L e T R = torques dos lados esquerdos e direitos, respectivamente, N.m T in = torque de entrada no diferencial, N.m N in = rotação de entrada no diferencial, rpm e d = eficiência do diferencial

69 Diferencial Relação de torque no diferencial: Em que: T L e T R = torques dos lados esquerdos e direitos, respectivamente, N.m e d = eficiência do diferencial Ou seja, os dois lados do diferencial transmitem o mesmo torque O fator 2 na equação acima é porque o torque na corôa é dividido pela metade para cada lado do diferencial

70 Diferencial Diferencial é necessário nas manobras Diferencial degrada o desempenho do veículo de duas formas: O torque é limitado pelas condições de tração que pode ser desenvolvido pela rodas, o máximo torque transmitido é função da pior condição de tração A divisão da potência entre os eixos faz com que a maior potência seja direcionada para o lado que tem pior condição de tração. Como os torques são iguais para cada lado, a potência de cada lado fica proporcional a rotação de cada lado.

71 Diferencial Bloqueio do diferencial: melhora o desempenho do veículo travando o efeito do diferencial, os dois lados do diferencial passam a girar na mesma rotação O bloqueio do diferencial deve ser eliminado durante as manobras Diferencial com deslizamento limitado: quando a diferença de rotação entre os dois lados supera um determinado limite, um mecanimo provoca o bloqueio do diferencial. Quando a diferença de rotação cai abaixo de um determinado valor, o bloqueio é automaticamente desligado.

72 Redução final Produz grande redução de rotação e correspondente aumento de torque. A redução final é necessária em veículos que usam rodas de grande diâmetro por causa da necessidade de maior torque de acionamento Geralmente a relação de transmissão na redução final está na faixa de 4:1 a 5:1.

73 Redução final Redução final por engrenagens planetárias:

74 Sistema de direção para veículos de esteiras

75 Sistema de transmissão de potência para TDP em tratores agrícolas Tipo 1: 540 rpm, eixo de 35 mm para tratores com até 65 kw de potência na TDP Tipo 2: 1000 rpm, eixo de 35 mm para tratores de 45 a 120 kw de potência na TDP Tipo 3: 1000 rpm, eixo de 45 mm para tratores de 110 a 190 kw de potência na TDP

76 Sistema de transmissão de potência para TDP em tratores agrícolas

77 Sistema de transmissão de potência para TDP em tratores agrícolas Tipos de eixo da TDP

78 Sistema de transmissão de potência para TDP em tratores agrícolas Três tipos de TDP quanto ao acionamento: TDP acionada pela transmissão TDP continua TDP independente

79 Perguntas???

TRANSMISSÃO MECÂNICA E MECÂNICA HIDRÁULICA HIDRÁULICA EM TRAT EM TRA ORES

TRANSMISSÃO MECÂNICA E MECÂNICA HIDRÁULICA HIDRÁULICA EM TRAT EM TRA ORES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL VERSÃO 2005 CAPÍTULO 6 TORQUE POTÊNCIA SISTEMAS DE TRANSMISSÃO MECÂNICA E HIDRÁULICA EM TRATORES

Leia mais

Tratores Agrícolas 1

Tratores Agrícolas 1 Tratores Agrícolas 1 TRATOR AGRÍCOLA 1 DEFINIÇÃO???? Máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferirem apoio estável sobre uma superfície horizontal, capacitam-no a tracionar, transportar

Leia mais

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas *

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * 1. Introdução Uma das principais fontes de potência, responsáveis pela alta produção agrícola com significante economia de mão-de-obra, é o trator agrícola.

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

Tratores. MOTOR Modelo A4-3.9 Número de cilindros 4 Cilindrada - cm³ 3867 AMBIENTE DE OPERADOR. Plataforma ergonômica

Tratores. MOTOR Modelo A4-3.9 Número de cilindros 4 Cilindrada - cm³ 3867 AMBIENTE DE OPERADOR. Plataforma ergonômica Tratores 1. Massey Ferguson MF 265 4x2 / 4x2 TDA PERFORMANCE Potência do motor, na rotação nominal - kw (cv) 47,8 (65) Potência máxima da TDP - kw (cv) 42,0 (57) Torque máximo do motor @ 1350 rpm - Nm

Leia mais

New Holland TL exitus

New Holland TL exitus New Holland TL exitus TL6OE TL75E TL85E TL95E 2 3 4 A agricultura está cada vez mais diversificada. A agricultura está cada vez mais New Holland. AS Máquinas new holland estão prontas para trabalhar com

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Embreagens são elementos que

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FUNCIONAMENTO DA TRANSMISSÃO DPS6 DE DUPLA EMBREAGEM DA FORD, APLICADA NOS VEÍCULOS ECOSPORT E NEW FIESTA MODELO 2013.

ESTRATÉGIA DE FUNCIONAMENTO DA TRANSMISSÃO DPS6 DE DUPLA EMBREAGEM DA FORD, APLICADA NOS VEÍCULOS ECOSPORT E NEW FIESTA MODELO 2013. ESTRATÉGIA DE FUNCIONAMENTO DA TRANSMISSÃO DPS6 DE DUPLA EMBREAGEM DA FORD, APLICADA NOS VEÍCULOS ECOSPORT E NEW FIESTA MODELO 2013. A FORD desta vez está causando uma verdadeira revolução no campo das

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO:

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: 1 - EMBREAGEM 2 - CÂMBIO 3 - DIFERENCIAL 4 - REDUÇÃO FINAL Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 TRATOR DE ESTEIRA 7D Potência líquida no volante Peso operacional 90 hp (67 kw) 9.400 kg a 10.150 kg CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 7D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações

Leia mais

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 Potência Líquida no volante Peso operacional 90 hp (68 kw) 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações tecnológicas, eficiência

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1. www.valtra.com.br BM 100. Foto meramente ilustrativa. Valtra é uma marca mundial da AGCO.

Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1. www.valtra.com.br BM 100. Foto meramente ilustrativa. Valtra é uma marca mundial da AGCO. Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1 www.valtra.com.br BM 100 Valtra é uma marca mundial da AGCO. Foto meramente ilustrativa. Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 2 Características

Leia mais

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio.

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. JEEP GRAND CHEROKEE ESPECIFICAÇÕES Todas as dimensões estão em milímetros (polegadas), salvo indicação contrária. Todas as dimensões são medidas com os pneus e rodas que equipam o veículo de série. Nota:

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção Capítulo 5 Torção 5.1 Deformação por torção de um eixo circular Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e

Leia mais

TRATORES FARMALL 60, 80 E 95

TRATORES FARMALL 60, 80 E 95 TRATORES FARMALL 60, 80 E 95 Potência, robustez e versatilidade. Desempenho inigualável em qualquer atividade. A alta tecnologia e a confiabilidade que só a marca Case IH oferece chegam aos tratores de

Leia mais

Curso de Especialização em Engenharia Automotiva. Módulo: Transmissões

Curso de Especialização em Engenharia Automotiva. Módulo: Transmissões Curso de Especialização em Engenharia Automotiva Módulo: Realização: Parceria: Caixa de Câmbio Dual Clutch Graças às embreagens independentes inseridas entre o virabrequim do motor e as engrenagens de

Leia mais

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Características Construtivas Tomada de Força VM Contents Generalidades, página 2 Tomada de força montada na caixa de mudanças, página 2 Tomada de

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

Tratores Puma Modelos disponíveis: puma 140 = puma 155 = puma 170 = puma 185 =

Tratores Puma Modelos disponíveis: puma 140 = puma 155 = puma 170 = puma 185 = TRATORES PUMA Tratores Puma Seguindo sua estratégia de oferecer um sistema de mecanização agrícola completo, a Case IH apresenta ao mercado sua nova linha de tratores de média potência da família Puma.

Leia mais

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG SL 733 GRANDE POTÊNCIA, ALTO DESEMPENHO A carregadeira sobre rodas Hyundai Shandong entrega máxima potência todo o tempo, representando um ganho substancial

Leia mais

TS-300BR. ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) 4 seções, 10,0 m ~ 32,2 m DIMENSÕES GERAIS

TS-300BR. ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) 4 seções, 10,0 m ~ 32,2 m DIMENSÕES GERAIS TDB GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR-1(VM6x4) TS-300BR ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 10,0

Leia mais

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime)

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Número de válvulas por cilindro Eixo de Comando de válvulas

Leia mais

Líder em todos. os campos. Trator de Esteira Challenger MT775E

Líder em todos. os campos. Trator de Esteira Challenger MT775E Trator de Esteira Challenger MT775E Líder em todos os campos Escolha Inteligente para seu negócio Cada campo tem suas próprias regras. É por isso que o Challenger fornece as ferramentas certas para que

Leia mais

De início, recordemos que o trabalho mecânico é sempre composto dos dois fatores

De início, recordemos que o trabalho mecânico é sempre composto dos dois fatores CAPÍTULO 11 - POTÊNCIA E RENDIMENTO A energia mecânica desenvolvida por um motor é medida com precisão num banco de testes. É igualmente possível calcular esta energia com uma certa aproximação tendo em

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 10400 TRATORES AGRÍCOLAS - DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E DESEMPENHO FÓRUM NACIONAL DE NORMALIZAÇÃO 1 TRATORES AGRÍCOLAS - DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA RECLAMAÇÃO: Alguns veículos AUDI A4 e A6 equipados com a transmissão

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA D170

TRATOR DE ESTEIRA D170 TRATOR DE ESTEIRA D170 Potência líquida no volante Peso operacional 170 hp (127 kw) 16.580 kg a 19.130 kg CAPACIDADE DA LÂMINA Angle dozer (SAE J1265) 3,2 m 3 D170 A New Holland é reconhecida em todo o

Leia mais

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 86 HS Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br 4 tipos de versões e o maior número de vantagens Alavanca de múltipla ação no carregador frontal Plataforma para o operador

Leia mais

Apostila Didática Nº 3. Tratores Agrícolas. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva

Apostila Didática Nº 3. Tratores Agrícolas. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva Apostila Didática Nº 3 Tratores Agrícolas Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva Jaboticabal SP 2006 2 TRATORES AGRÍCOLAS 1 Introdução... 2 2 Constituição... 2 2.1

Leia mais

Velocidade da oscilação. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes. Esteira Lubrificada com graxa

Velocidade da oscilação. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes. Esteira Lubrificada com graxa CX75SR MIDIESCAVADEIRA MOTOR Modelo Tipo Cilindros Isuzu AU-4LE2X 4 tempos, turboalimentado Intercooler 4 cilindros em linha Deslocamento 2,2 L (2.189 m 3 ) Diâmetro/Curso 85 x 96 mm Injeção de combustível

Leia mais

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos Elementos de Máquinas I Engrenagens Conceitos Básicos 34 5. EGREAGES Conceitos Básicos 5.1 Tipos de Engrenagens Engrenagens Cilíndricas Retas: Possuem dentes paralelos ao eixo de rotação da engrenagem.

Leia mais

MOTOR SISTEMA ELÉTRICO TRANSMISSÃO SISTEMA HIDRÁULICO SISTEMA DE GIRO PARTE RODANTE CABINE E COMANDOS CAPACIDADES DE ABASTECIMENTO

MOTOR SISTEMA ELÉTRICO TRANSMISSÃO SISTEMA HIDRÁULICO SISTEMA DE GIRO PARTE RODANTE CABINE E COMANDOS CAPACIDADES DE ABASTECIMENTO MOTOR Tier II Modelo F4GE0684B*D600 Marca New Holland Fabricante FPT Tipo diesel, de injeção direta, 4 tempos, turboalimentado, intercooler Bomba Injetora Rotativa Potência líquida (SAE J1349) 170 hp (120

Leia mais

Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD Ficha Técnica

Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD Ficha Técnica JEEP Renegade Sport 1.8 MT5 - Flex MY'2016 Atualizado em 27/02/15 Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD 1.8 E.TorQ Evo Flex MT5 - SPORT FWD 1.8 E.TorQ Evo Flex MT5 características Número de cilindros 4 em

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Engrenagens Cilindricas de Dentes Retos

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Engrenagens Cilindricas de Dentes Retos UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP Engrenagens Cilindricas de Dentes Retos Apostila para o Curso: EM 718 Elementos de Maquinas II Professor Responsável: Prof.

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 10 Ensaio de Torção Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Torção. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Exemplos de Cálculo. Definições O ensaio de torção consiste em aplicação

Leia mais

5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores

5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores 5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores 1 1) Elementos de trabalho são os executores das tarefas automatizadas. Cabe aos elementos de trabalho executar as tarefas que o circuito lógico determinar.

Leia mais

ENSAIO DE TRATORES AGRÍCOLAS

ENSAIO DE TRATORES AGRÍCOLAS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES ENSAIO DE TRATORES AGRÍCOLAS O ensaio de tratores agrícolas

Leia mais

S 293 - S 353. Série - S. VALTRA série - s S 293 - S 353. Tecnologia, robustez e economia formam A Série S

S 293 - S 353. Série - S. VALTRA série - s S 293 - S 353. Tecnologia, robustez e economia formam A Série S SéRIE S S 293 S 353 2 Série - S S 293 - S 353 Tecnologia, robustez e economia formam A Série S Conhecida pela tecnologia e força de suas máquinas, a Valtra foi buscar na Finlândia um novo conceito para

Leia mais

MF 96. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 96. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 96 Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br Segurança e conforto antes, durante e depois da operação Plataforma do operador Ampla e confortável, a plataforma do operador

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

Fotos meramente ilustrativas CARREGADEIRA DE RODAS HYUNDAI HL740-7A. PESO OPERACIONAL: 11.550 Kg POTÊNCIA: 145 HP / 108 kw CAÇAMBA: 2,0 m³

Fotos meramente ilustrativas CARREGADEIRA DE RODAS HYUNDAI HL740-7A. PESO OPERACIONAL: 11.550 Kg POTÊNCIA: 145 HP / 108 kw CAÇAMBA: 2,0 m³ Fotos meramente ilustrativas CRREGDEIR DE RODS HYUNDI HL740-7 PESO OPERCIONL: 11.550 Kg POTÊNCI: 145 HP / 108 kw CÇMB: 20 m³ 1 HL740-7 CRREGDEIRS HYUNDI SOLUÇÕES INOVDORS EM CONSTRUÇÃO 2 Fotos meramente

Leia mais

Transmissão mecânica. Sistema hidráulico

Transmissão mecânica. Sistema hidráulico New Holland T7 T7 2 3 Reconhecida pelos agricultores como uma linha de tratores que une eficiência, capacidade produtiva, alta tecnologia, conforto e facilidade de operação, a família de tratores T7 da

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR A transmissão Mercedes 722.9 já está sendo utilizada nos veículos a partir de 2004, mas apesar deste fato, ainda não existe

Leia mais

Uma série de tratores. Várias aplicações.

Uma série de tratores. Várias aplicações. Série Boomer 30-50 02 Uma série de tratores. Várias aplicações. A New Holland é especialista em tratores, com modelos desenvolvidos para todo o tipo de tarefas, desde agricultura a serviços municipalizados.

Leia mais

EMBREAGEM ELISEU FIGUEIREDO NETO

EMBREAGEM ELISEU FIGUEIREDO NETO EMBREAGEM ELISEU FIGUEIREDO NETO EMBREAGEM O conjunto embreagem é o componente mecânico, responsável pela transmissão da potência do motor para a caixa de câmbio. A embreagem possui basicamente 3 funções;

Leia mais

Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque. Limitadores de torque Autogard Guia de seleção

Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque. Limitadores de torque Autogard Guia de seleção Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque Limitadores de torque Guia de seleção Limitadores de torque Há mais de 80 anos, a tem sido líder no setor de proteção contra sobrecargas em equipamentos,

Leia mais

Curso de Especialização em Engenharia Automotiva. Módulo: Transmissões

Curso de Especialização em Engenharia Automotiva. Módulo: Transmissões Curso de Especialização em Engenharia Automotiva Módulo: Realização: Parceria: CVT (Continuous Variable Transmission) Com a tecnologia CVT o torque do motor é transmitido a uma polia motriz ligada a uma

Leia mais

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia IT 154 Motores e Tratores Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Professor: Carlos Alberto Alves Varella Doutor em Engenharia Agrícola E-mail: varella.caa@gmail.com

Leia mais

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br CE CERTIFICADO EMPILHADEIRAS A transmissão 2-3 T possui estrutura avançada tipo flutuante, a única na China. Estruturas flutuantes são projetadas para reduzir a transmissão das vibrações ao chassis em

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

NOVA TRANSMISSÃO ZF8HP45 DE 8 VELOCIDADES. UTILIZADA NOS VEÍCULOS VW AMAROK, DODGE GRAND CHEROKEE e CHRYSLER 300M 2011 EM DIANTE.

NOVA TRANSMISSÃO ZF8HP45 DE 8 VELOCIDADES. UTILIZADA NOS VEÍCULOS VW AMAROK, DODGE GRAND CHEROKEE e CHRYSLER 300M 2011 EM DIANTE. NOVA TRANSMISSÃO ZF8HP45 DE 8 VELOCIDADES UTILIZADA NOS VEÍCULOS VW AMAROK, DODGE GRAND CHEROKEE e CHRYSLER 300M 2011 EM DIANTE. A transmissão ZF 8HP45 é uma nova unidade de 8 velocidades à frente. Ela

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Exemplos de seleção de fuso de esferas

Exemplos de seleção de fuso de esferas Diagrama de seleção Equipamentos de transferência de alta velocidade (uso horizontal) Condições de seleção Massa da mesa m 1 = 60 kg Massa de trabalho m 2 = 20 kg Comprimento do curso l S = 1000 mm Velocidade

Leia mais

924K, 930K, 938K. Carregadeiras

924K, 930K, 938K. Carregadeiras 924K, 930K, 938K Carregadeiras 924K 930K 938K Modelo do Motor* Cat C7.1 ACERT Cat C7.1 ACERT Cat C7.1 ACERT Potência Bruta Máxima: ISO 14396 (DIN) 105 kw (143 HP) 119 kw (162 HP) 140 kw (190 HP) ISO 14396

Leia mais

Sistemas Pneumáticos

Sistemas Pneumáticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Sistemas Pneumáticos Gilson PORCIÚNCULA wp.ufpel.edu.br/porciuncula Estrutura de um circuito Pneumático

Leia mais

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³ PC 55MR As fotos neste folheto são meramente ilustrativas, podendo incluir opcionais ou configurações diferentes do equipamento padrão. Escavadeira Compacta PC55MR-3 POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm PESO OPERACIONAL

Leia mais

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion SISTEMA I MOTION FOX - I Motion Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino Professor do Umec Universo do Mecânico Ex-Professor do Senai Diretor do Sindirepa-SP Consultor do Jornal

Leia mais

FABRICADA NO. Pá-carregadeira 422ZX

FABRICADA NO. Pá-carregadeira 422ZX FABRICADA NO brasil Pá-carregadeira 422ZX Peso Operacional 11.900kg, Potência do Motor 125HP, Carga Operacional a 40º em giro total - 3.300kg, Capacidade da Caçamba 1,7m³ DURABILIDADE E QUALIDADE DE CONSTRUÇÃO.

Leia mais

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Manual de peças Empilhadeira ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Montagem Da Transmissão Transmissão

Leia mais

motor de alta performance, turbo, 170 hp transmissão tipo Powershift em duas versões sistema hidráulico de grande capacidade operacional

motor de alta performance, turbo, 170 hp transmissão tipo Powershift em duas versões sistema hidráulico de grande capacidade operacional motor de alta performance, turbo, 170 hp transmissão tipo Powershift em duas versões sistema hidráulico de grande capacidade operacional 170 Inovações tecnológicas, eficiência, versatilidade e alto padrão

Leia mais

SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA SOBRECARGA SNAG SOS

SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA SOBRECARGA SNAG SOS SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA SOBRECARGA SNAG SOS Layout e descrição do sistema Componentes do Sistema w Acoplamento de Segurança MSC II Malmedie w Disco de freio de baixa inércia PINTSCH BUBENZER LiTec w

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

ÍNDICE BOMBAS HIDRÁULICAS...04 CILINDROS HIDRÁULICOS...05 TRANSMISSÕES EATON / CLARK...06. Série Leve - Série reforçada...06 Série multiplicada...

ÍNDICE BOMBAS HIDRÁULICAS...04 CILINDROS HIDRÁULICOS...05 TRANSMISSÕES EATON / CLARK...06. Série Leve - Série reforçada...06 Série multiplicada... ÍNDICE BOMBAS HIDRÁULICAS...04 CILINDROS HIDRÁULICOS...05 TRANSMISSÕES EATON / CLARK...06 Série Leve - Série reforçada...06 Série multiplicada...07 TRANSMISSÕES EATON FULLER RT...14 Série multiplicada...14

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

580M Retroescavadeira

580M Retroescavadeira 580M Retroescavadeira trem De força Motor Versão Standard Modelo Cummins 4B4.5 Tipo 4 tempos, aspiração natural Cilindros 4 Diâmetro/Curso 102 x 138 mm Cilindrada 4,5 l Injeção de combustível Direta Combustível

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO Há não muito tempo atrás, antes que os computadores fossem introduzidos

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS Tratores Agrícolas PROFº RUI CASARIN PERGUNTAS IMPORTANTES? QUEM FABRICA TRATORES NO BRASIL? WWW.AGRALE.COM.BR POTÊNCIA ENTRE 15 E 168CV WWW.BRASIL.CAT.COM MÁQUINAS

Leia mais

MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0

MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0 MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0 GUINCHO MANUAL COM CABO PASSANTE MODELO RG 400. 1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210 - Porto alegre

Leia mais

motor de alta performance, turbo, 170 hp transmissão tipo Powershift em duas versões sistema hidráulico de grande capacidade operacional

motor de alta performance, turbo, 170 hp transmissão tipo Powershift em duas versões sistema hidráulico de grande capacidade operacional motor de alta performance, turbo, 170 hp transmissão tipo Powershift em duas versões sistema hidráulico de grande capacidade operacional 170 Inovações tecnológicas, eficiência, versatilidade e alto padrão

Leia mais

BI 1-7. Sistemas de aceleração (testes de disparo)

BI 1-7. Sistemas de aceleração (testes de disparo) Testes de aceleração de componentes rotativos até seu ponto de explosão Cobertura de proteção a prova de explosão de alto grau de proteção Acionamento através de motor de corrente contínua com frenagem

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A

ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Educando para a Modernidade desde 1967 ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz! NATUREZA DA ATIVIDADE: EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 2 DISCIPLINA: FÍSICA ASSUNTO: MOVIMENTO

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Potência @ 2.200 rpm. Torque máximo @ 1.400 rpm. 288 Nm (29,4 kgf.m) Sobretorque 28% (± 5%) Motor padrão na configuração 4 x 2 cabine aberta.

Potência @ 2.200 rpm. Torque máximo @ 1.400 rpm. 288 Nm (29,4 kgf.m) Sobretorque 28% (± 5%) Motor padrão na configuração 4 x 2 cabine aberta. 580N RETROESCAVADEIRA SÉRIE N SPEC SHEET TREM DE FORÇA Motor Aspiração natural Modelo CASE 445T/M3 4 tempos, aspiração natural Cilindros 4 Diâmetro/Curso Cilindrada Injeção de combustível Combustível Filtro

Leia mais

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado)

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado) Principais tipos: Parafuso simples Parafuso duplo (mais empregado) Vantagens em relação aos alternativos: Menor tamanho Número inferior de partes móveis Desvantagens em relação aos alternativos: Menor

Leia mais

5 Veículos Terrestres

5 Veículos Terrestres 5 Veículos Terrestres Segundo Wong (2001), veículos terrestres são todos aqueles que trafegam em vias terrestres, podendo ser guiados (trafegam sobre uma trajetória fixa como, por exemplo, uma estrada

Leia mais

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles!

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! É importante lembrar que esta matéria serve para qualquer tipo de servo utilizado em aeromodelismo. Figura 1 Um dos diversos

Leia mais

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Motor Motor CAT C6.6 ACERT Motor CAT C7 ACERT Motor CAT C7 ACERT Comp. Classe III Comp. Classe III Comp. Classe III Potência Bruta 129 kw (173

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRAS D51EX-22 POTÊNCIA LÍQUIDA. 130 HP (97 kw) @ 2.200 rpm PESO OPERACIONAL. D51EX-22: 14.000 kg

TRATOR DE ESTEIRAS D51EX-22 POTÊNCIA LÍQUIDA. 130 HP (97 kw) @ 2.200 rpm PESO OPERACIONAL. D51EX-22: 14.000 kg POTÊNCIA LÍQUIDA 130 HP (97 kw) @ 2.200 rpm PESO OPERACIONAL : 14.000 kg D 51 O modelo ilustrado pode incluir equipamentos opcionais TRATOR DE ESTEIRAS T R A T O R D E PANORÂMICA Visibilidade total Dianteira

Leia mais

QY 50K. Guindaste XCMG Modelo QY 50K. Espaçosa Cabine de Transporte. Moderna Cabine de Operação

QY 50K. Guindaste XCMG Modelo QY 50K. Espaçosa Cabine de Transporte. Moderna Cabine de Operação 3Y 50K Guindaste Telescópico Classe Mundial Sistema Telescópico da Lança 30 QY 50K equipado com lança telescópica de 40,10 Lança Telescópica de Excelente Desempenho ü Lança de perfil OVIFORME reduz o peso

Leia mais

Lista de Exercícios de Física

Lista de Exercícios de Física Lista de Exercícios de Física Assunto: Dinâmica do Movimento Circular, Trabalho e Potência Prof. Allan 1- Um estudante, indo para a faculdade, em seu carro, desloca-se num plano horizontal, no qual descreve

Leia mais

Potência máxima do motor. 116 kw - 155 hp Peso operacional lt xlt WT/LGP Máximo 15.290 kg 15.965 kg 17.240 kg

Potência máxima do motor. 116 kw - 155 hp Peso operacional lt xlt WT/LGP Máximo 15.290 kg 15.965 kg 17.240 kg Potência máxima do motor 116 kw - 155 hp Peso operacional lt xlt WT/LGP Máximo 15.290 kg 15.965 kg 17.240 kg 150B MÁXIMA Nova transmissão hidrostática Projeto simples e durável Sistema de circuito fechado

Leia mais

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38 FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico Área frontal Cw x A MOTOR Cx 0,38 2.17 m2 0.82 m2 Dianteiro, transversal, 2.0 litros, 4 cilindros

Leia mais

INVICTUS idioma M A D E I N I T A L Y

INVICTUS idioma M A D E I N I T A L Y NVCTUS idioma M A D E N T A L Y NVCTUS nvictus K300 - K400 AR / RS Um novo trator é um investimento importante: escolher o certo não é uma tarefa simples. É preciso considerar diversos modelos. Avaliar

Leia mais

Principais funções de movimento em analisadores médicos.

Principais funções de movimento em analisadores médicos. Movimento em analisadores médicos Menor, mais rápido, mais forte. Como os motores em miniatura estão ajudando os equipamentos de diagnóstico a avançar. Os diagnósticos médicos fazem parte da vida cotidiana

Leia mais

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima Física Geral Série de problemas Unidade II Mecânica Aplicada Departamento Engenharia Marítima 2009/2010 Módulo I As Leis de movimento. I.1 Uma esfera com uma massa de 2,8 10 4 kg está pendurada no tecto

Leia mais

Tecnologia de Redutores para Betoneiras. Inovações de Grande Valor.

Tecnologia de Redutores para Betoneiras. Inovações de Grande Valor. Tecnologia de Redutores para Betoneiras Inovações de Grande Valor. ECOMIX II: A nova geração de transmissões ZF para Betoneiras A ZF está estendendo sua liderança no mercado mundial na tecnologia de redutores

Leia mais

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 HELI MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t Painel de Instrumentos Digital Limpo e fácil de ler Leitura instantânea ao ligar Layout ergonômico CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 Torre de ampla visão As empilhadeiras

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1.

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto

Leia mais

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade thinkmotion Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade A criação de bombas de infusão pequenas e portáteis

Leia mais

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO 1 TREM DE FORÇA SISTEMA MECÂNICO Diferencial Motor Câmbio Embreagem FUNCIONAMENTO DO MOTOR Motor

Leia mais