ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR TRATORES AGRÍCOLAS - DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E DESEMPENHO FÓRUM NACIONAL DE NORMALIZAÇÃO

2 1 TRATORES AGRÍCOLAS - DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E DESEMPENHO Método de Ensaio NBR AGO/1988 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Normas complementares 3. Definições 4. Tolerâncias permissíveis das medidas 5. Amostragem 6. Condições gerais 7. Tipos dos ensaios 8. Ensaios ANEXO A Modelo de relatório de ensaio ANEXO B Modelo de folha de informações técnicas que deve acompanhar o trator enviado para ensaio ANEXO C Procedimento para medição da altura da garra dos pneus 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma prescreve o método para a determinação das características técnicas e desempenho de tratores agrícolas, bem como a forma de apresentação das especificações técnicas e dos resultados obtidos. 1.2 Esta Norma se aplica a tratores agrícolas de dois eixos equipados com rodas ou esteiras, os quais podem ser: a) modelo de produção em série; b) protótipo ou modelos de pré-produção. 2. NORMAS COMPLEMENTARES Na aplicação desta Norma e necessário consultar: NBR 5484 Motores alternativos de combustão interna de ignição por compressão (Diesel) ou ignição por centelha (Otto) de velocidade angular variável Método de ensaio Origem: ABNT - 5: /88 (MB-484) CB-5 Comitê Brasileiro de Automóveis, Caminhões, Tratores, Veículos Similares a Autopeças CE-5: Comissão de Estudo de Tratores Agrícolas SISTEMA NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL Palavras-chave: trator, trator agrícola ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA CDU: : Todos os direitos reservados 32 páginas

3 2 NBR 7021 Tomada de potência de tratores agrícolas Padronização NBR 7811 Barra de tração dos tratores agrícolas Características e posição Padronização NBR Engate de três pontos de tratoras agrícolas com rodas Dimensões Padronização NBR Medição do nível de ruído, no posto de operação, de tratores e máquinas agrícolas Procedimento ISO 789/2- Agricultural tractors - Test procedures - Part II: Hydraulic power and lifting capacity 3. DEFINIÇÕES Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições de 3.1 a Trator agrícola Máquina autopropelida dotada de rodas, com ou sem pneus, ou esteiras, projetada principalmente para tracionar implementos agrícolas a ela acoplados. 3.2 Plano de apoio superfície plana, nivelada e indeformável. 3.3 Plano médio longitudinal Plano perpendicular ao plano de apoio, paralelo e eqüidistante dos planos médios das rodas traseiras ou ao plano médio das esteiras. O trator deve estar em posição tal para que possa deslocar-se em linha reta. 3.4 Plano médio da roda Plano que eqüidista de dois planos paralelos e tangentes às bordas dos flanges do aro da roda. No caso de rodas duplas e considerado o plano médio de cada par. 3.5 Plano médio da esteira Plano que divide ao meio a largura da esteira montada na máquina. 3.6 Plano transversal traseiro Plano perpendicular ao plano de apoio que contém o centro das rodas traseiras. 3.7 Plano transversal dianteiro. Plano perpendicular ao plano de apoio e que contém os centros das rodas dianteiras, quando estas estão em posição tal que possa o trator deslocar-se em linha reta. 3.8 Bitola Distancia entre os dois pontos gerados sobre o plano de apoio da máquina pela interseção deste com os planos médios das rodas de um mesmo eixo e o plano transversal das mesmas rodas. No caso de tratores de esteira, e a distância entre os planos médios das esteiras.

4 3 3.9 Distância entre eixos Tratores de rodas Distância entre os planos transversais dianteiros e traseiros Tratores de esteiras Distância entre dois planos perpendiculares ao plano médio longitudinal da máquina, passando o primeiro pelo centro de roda motriz e o segundo pelo centro da roda guia, com as esteiras reguladas conforme especificação do fabricante Altura livre Distância entre o plano de apoio e o ponto mais baixo da parte central do trator com todos os componentes móveis levantados. A parte central abrange 50% da bitola menor, sendo 25% para cada lado a partir do plano médio longitudinal em toda a extensão do trator Massa de operação sem lastro Massa do trator, totalmente abastecido de combustível, líquidos de sistemas hidráulicos, de arrefecimento e lubrificantes, incluindo a massa do operador equivalente a 75 kg Massa de operação com lastro Massa definida em 3.11, acrescido do líquido nos pneus, lastros dianteiros, traseiros e outros Raio de giro Raio da menor circunferência medido no plano de apoio, descrita tangencialmente pelo plano médio longitudinal da roda mais externa ou da esteira Espaço de giro Diâmetro da menor circunferência medido no plano de apoio, descrita pela projeção do ponto mais externo do trator Velocidade angular nominal do motor Velocidade angular, em min -1, no ponto de potência máxima especificada pelo fabricante para funcionamento contínuo a plena carga Cumprimento Distância entre dois planos perpendiculares ao plano de apoio e ao plano médio longitudinal e tangente aos pontos mais extremos do trator. Todas as partes do trator, em particular os componentes que se projetam a frente e atrás (ex. barra de tração) são incluídos na medição. Componentes removíveis do engate de três pontos, localizados a frente ou atrás não são incluídos.

5 Largura Distância entre dois planos paralelos ao plano médio longitudinal e tangentes aos pontos mais extremes do trator, Todas as partes do trator, em particular todos os componentes fixados que se projetam lateralmente (ex.; cubos de rodas, pontas de eixos) são Incluídos na medição. No caso de bitolas ajustáveis, a largura deve referir-se a menor Altura Distância entre o plano de apoio e o plano paralelo ao mesmo e tangente ao ponto mais elevado da máquina. Na medição devem ser considerados todos os componentes que se projetam acima do trator, tais como cabine, toldo, tubo de escapamento, etc. 4. TOLERÂNCIAS PERMISSÍVEIS DAS MEDIDAS As tolerâncias permissíveis das medidas são as seguintes: a) velocidade angular (min 1 ) ± 0,5%; b) velocidade linear (m/s) ± 1,0%; c) tempo ± 0,2s; d) comprimento (m ou mm) ±0,5%; e) força (N) ±1,0%; f) massa (kg) ± 0,5%; g) pressões (kpa): - atmosférica ± 0,2; - sistema hidráulico ± 2,0%; - pneus ± 5,0%; h) consumo de combustível (1/h ou g/kwh); - ensaios de tração ± 2.0%; - ensaios de TDP ± 1,0%; i) temperatura ( o C): - dos lubrificantes ± 1; - dos fluidos de arrefecimento ± 1; - do combustível ± 1; - do bulbo úmido e seco ± 0,5; - do ar de admissão ± 1. Nota: Para outras determinações não especificadas, citar os aparelhos utilizados, bem como sua precisão.

6 5 5. AMOSTRAGEM O trator a ser ensaiado deve ser uma unidade de série, retirado ao acaso da linha de produção ou do concessionário. No caso de uma unidade protótipo ou de pré-produção, fazer referenda ao fato. 6. CONDIÇÕES GERAIS 6.1 O fabricante deve fornecer as informações técnicas do trator, de acordo com a forma de apresentação do Anexo A exigida para o relatório de ensaio, bem como as Informações complementares necessárias a execução dos ensaios. Quando existente, o Manual de Manutenção e Operação do trator deve também ser fornecido. 6.2 Os combustíveis, os lubrificantes e os fluidos dos sistemas hidráulicos de vem ser selecionados da gama de produtos disponíveis no mercado e devem atender as especificações mínimas exigidas pelo fabricante do trator. Deles devem ser conhecidos pelo menos; a) combustíveis: - nome legal; - tipo; - massa específica; - poder, calorífico Inferior; b) lubrificantes e fluidos dos sistemas hidráulicos: - nome legal; - tipo; - viscosidade. 6.3 Em todos os ensaios, todos os equipamentos necessários para o funcionamento normal do trator devem estar operando. Os equipamentos auxiliares, por ex.: rádio, ar condicionado, podem ser desligados no caso em que tal operação esteja prevista no manual de Instrução e possa ser realizada sem uso de ferramentas. 6.4 Os ensaios devem ser iniciados somente após o motor atingir as temperaturas e pressões de funcionamento especificadas pelo fabricante. 6.5 Devem constar do relatório de ensaios os dados de ensaio observados, a temperatura e a umidade relativa do ar ambiente e a pressão atmosférica. Nota: No Anexo B consta um modelo de relatório de ensaio. Notas: a) No caso de utilização de motores turboalimentados, do relatório deve constar também a pressão observada na saída do turbocompressor. b) Em caso de apresentação dos dados reduzidos no relatório deve ser adotada a NBR 5484.

7 6 6.6 O fabricante pode antes do início dos ensaios proceder às regulagens necessárias a concordância do trator com as especificações técnicas. Estas regulagens não devem ser alteradas durante os ensaios. 6.7 O trator deve estar amaciado segundo as condições especificadas pelo fabricante do trator. 7. TIPOS DOS ENSAIOS Os ensaios previstos nesta Norma são os seguintes: a) desempenho na tomada de potência; b) desempenho na barra de tração; c) desempenho do sistema hidráulico; d) determinação do raio de giro e do espaço de giro; e) determinação da posição do centro de gravidade; f) determinação das características ponderais; g) medição do nível de ruído; h) verificação das características dimensionais. 8. ENSAIOS 8.1 Desempenho na tomada de potência Condições específicas Para realizar este ensaio, conectar a árvore da TDP do trator a um freio dinamométrico mediante transmissão articulada. A conexão entre B arvore da TDP e o dinamômetro não deve ultrapassar 5 de desalinhamento Os dados anotados devem incluir: as velocidades angulares do motor e da TDP; o momento de força do dinamômetro; as temperaturas dos fluídos de arrefecimento, do combustível, do lubrificante, do ar de admissão e do bulbo úmido e seco; a pressão atmosférica e o consumo de combustível. Notas: a) As velocidades angulares acima citadas devem ser tomadas simultaneamente. b) A temperatura do combustível consumido deve ser tomada num ponto conveniente, entre o reservatório do combustível e o motor, evitando-se os efeitos da temperatura do combustível de retorno. c) As temperaturas dos fluidos de arrefecimento devem ser tomadas na entrada e na saída do motor cm pontos indicados pelo fabricante. d) A temperatura do bulbo seco deve ser tomada num ponto contido em um plano longitudinal central do trator aproximadamente a 1,5 m acima do plano de apoio e 2 m à frente do trator. e) A temperatura do ar de admissão deve ser tomada aproximadamente a 15 cm de entrada do filtro do ar. f) A temperatura do lubrificante deve ser tomada no carter, em local especificado pelo fabricante do trator.

8 Se a bancada de ensaio utilizar um sistema de exaustão de gases, o mesmo não deve alterar o desempenho do motor Os diversos ensaios devem ser executados estando o motor na máxima velocidade angular, com borboleta do carburador totalmente aberta em motores do ciclo Otto, ou com acelerador na posição máxima em motores do cicio Diesel, estando o regulador de rotação ajustada para a obtenção da potência máxima contínua na velocidade angular nominal do motor As instalações do laboratório não devem alterar a pressão de entrada do combustível na bomba injetora Modalidade de ensaio Os ensaios devem ser os seguintes: a) ensaio de potência disponível a velocidades angulares variáveis do motor; b) ensaio de potência disponível a velocidade angular nominal do motor; c) ensaio de potência disponível a velocidade angular nominal da TDP; d) ensaio de potência disponível a momentos de força parciais No ensaio de potência disponível a velocidades angulares variáveis do motor devem ser registrados os dados necessários para traçar as seguintes curvas, em.função da velocidade angular: a) potência; b) momento de força; c) consumo específico de combustível; d) consumo horário de combustível. Os ensaios devem ser conduzidos desde, pelo menos, 15% abaixo da velocidade angular correspondente ao máximo momento de força ate a máxima velocidade angular sem carga No ensaio de potência disponível a velocidade angular nominal do motor, o trator deve ser operado por um período contínuo de duas horas, durante o qual são efetuadas leituras em intervalos de tempo não superiores há dez minutos. A potência a ser registrada no relatório de ensaios deve ser a media de todas as leituras efetuadas ao longo do período estipulado. A amplitude do desvio não deve exceder a ± 2% da média das útimas 6 leituras; caso isto aconteça, deve-se repetir o ensaio. Caso haja reincidência, deve ser registrado o fato no relatório.

9 No ensaio de potência disponível na velocidade angular nominal do TDP. o trator deve ser operado por um período contínuo de uma hora, durante o qual são efetuadas leituras em Intervalos de tempo, não superiores a dez minutos, registrando-se em relatório a média das leituras realizadas No ensaio de potência disponível a momentos de força parciais as determinações devem ter duração mínima de vinte minutos cada uma, com leituras em intervalos de tempo não superiores a cinco minutos e serem efetuadas com cargas e ordem indicadas: a) com 85% do momento de força obtido no ensaio de potencia disponível a velocidade angular nominal do motor; b) sem momento de força; c) com 50% do momento de força definida na alínea a); d) com momento de força obtido no ensaio de potência disponível a velocidade angular nominal do motor; e) com 25% do momento de força definido na alínea a); f) com 75% do momento de força definido na alínea a). Nota: A velocidade angular do motor sem carga deve ser registrada. 8.2 Desempenho na barra de tração Condições específicas A pista de ensaio deve ter as seguintes características: a) a pista de ensaio de tração deve ter características facilmente reprodutíveis. Os trechos retos devem ser nivelados e ter comprimento suficiente para permitir a estabilização da carga aplicada e da velocidade de deslocamento do conjunto trator + carro dinamométrico. Todas as leituras devem ser realizadas, enquanto o conjunto estiver se movimentando em linha reta; b) para tratores equipados com pneus, o material recomendado para superfície de pista e o concreto. A pista deve ter o mínimo possível de juntas de dilatação e, no momento do ensaio, deve estar seca e limpa; c) para tratores de esteiras ou de rodas metálicas, os ensaios devem ser realizados em pista de terra compactada na superfície e no sub-solo, nivelada, drenada e que proporcione boa aderência aos elementos de tração; d) o tipo de pista deve ser mencionado no relatório Os elementos de tração devem ter as sequintes características: a) os ensaios devem ser realizados com os elementos de tração (rodas ou esteiras) indicados pelo fabricante;

10 9 b) os ensaios devem ser iniciados somente e os pneus que equipam o trator não estiverem com suas garras desgastadas mais de 35% em relação aos novos, conforme Anexo C; c) nos tratores com pneus, a pressão dos mesmos devem ser recomendadas pelo fabricante do trator. Nota: Quando for empregado lastro líquido nos pneus, a pressão do mesmo deve ser equivalente a tomada com a válvula na posição mais baixa O deslizamento das rodas motrizes ou esteiras e calculado pela seguinte fórmula: Com carga sem carga D(%) = N1 No 100 N1 Com carga Onde: D (%) = deslizamento em porcentagem N 0 = número de voltas das rodas motrizes ou esteiras numa certa distância, sem carga N 1 = número de voltas das rodas motrizes ou esteiras na mesma distancia com carga No caso de tratores de rodas com dois eixos propulsores, o número de voltas de cada roda deve ser registrado separadamente e o deslizamento calculado para cada eixo Marchas a serem ensaiadas: os ensaios devem ser realizados até a marcha imediatamente superior aquela em que se obteve a potência máxima na barra de tração, exceto no caso em que a velocidade maxima ultrapasse os limites de segurança operacional A barra de tração deve ter as seguintes características: a) a linha de tração da barra deve ser paralela ao plano de apoio e estar situada no plano longitudinal central do trator; b) durante os ensaios a altura da barra de tração deve permanecer constante e o dinamômetro a ela acoplado deve permanecer nivelado e alinhado com a mesma A força de tração na barra de tração deve ser tal que não ocasione uma transferência de peso superior a 80% do peso estático do eixo dianteiro, conforme a expressão a seguir:

11 10 0,8 P L F h Onde: h = altura máxima da barra de tração (a partir do plano de apoio até a face superior da barra de tração), expressa em m; P = peso estático exercido pelo eixo dianteiro sobre o plano de apoio, expresso em N; F = força de tração máxima na barra, expressa em N; L = distância entre eixos, expressa em m Os seguintes dados devem ser registrados: a) força média de tração na barra; b) velocidade angular do motor; c) número de voltas das rodas ou esteiras; d) tempo gasto nos trechos retilíneos da pista para se percorrer u, determinado espaço ou para se consumir um determinado volume de combustível; e) volume do combustível consumido; f) temperatura do fluido de arrefecimento do motor; g) temperatura do óleo lubrificante do motor; h) temperatura do ar de admissão; i) temperatura do combustível; j) pressão atmosférica; k) temperatura do bulbo seco e úmido; l) temperatura do óleo da transmissão; Modalidade de ensaio Os ensaios devem ser os seguintes: a) ensaio de potência e tração máximas na barra de tração em diferentes marchas de trabalho; b) ensaio de força de tração constante na barra O ensaio de potência máxima na barra de tração em diferentes marchas de trabalho deve ser realizado no trator com e sem lastro. Para cada marcha, devem ser traçadas as seguintes curvas, em função da força de tração: a) velocidade de deslocamento; b) potência; c) consumo horário de combustível; d) consumo específico de combustível; e) deslizamento.

12 11 Nota: A curva.de deslizamento deve ser traçada a partir do ajuste estatístico dos.valorem obtidos em todas as marchas O ensaio de força de tração constante na barra consta de duas fases: a) cinco horas contínuas na marcha normalmente utilizada em trabalho agrícola, acordada entre a estação de ensaio e o fabricante e que possibilite uma força de tração equivalente a 75% daquela correspondente máxima potência na barra de tração, verificada na marcha escolhida; b) cinco horas contínuas exercendo uma força de tração que ocasionou, no ensaio de potência máxima na barra de tração em diferentes marchas de trabalho, um deslizamento de 15% para tratores equipados com pneus e de 7% para tratores equipados com esteiras ou rodas metálicas. A marcha utilizada deve ser a mais rápida, que proporcione força de tração exigida, com o motor funcionando na zona de ação do regulador de rotação. Nota: Se o trator não alcançar 15% ou 7% de deslizamento, a determinação deve ser feita, exercendose a força de tração máxima. 8.3 Desempenho do sistema hidráulico O ensaio deve ser executado segundo a ISO 789/ Determinação do raio de giro e do espaço de giro do trator As medições devem ser efetuadas sobre um plano semelhante ao da pista de ensaio de desempenho da barra de tração. O trator deve estar sem lastros, com regulagens mínima de bitola e deslocar-se a uma velocidade de aproximadamente 2,0km/h. O ensaio deve ser executado nas seguintes condições; a) a direita e a esquerda, sem aplicação do freio; b) a direita e a esquerda, com aplicação do freio. 8.5 Determinação da posição do centro de gravidade Esta determinação deve ser efetuada com o trator com e sem lastro, conforme definido em 3.11 e A localização do centro de gravidade deve ser referida a três planos ortogonais (ver Figura 1), a saber: a) plano transversal traseiro (l); b) plano de apoio-(li); c) plano médio longitudinal do trator (III);

13 12 Nota: A distância ao plano III e considerada positiva quando o centro de gravidade (C.G.) estiver localizado a direita do mesmo (olhando-se pela traseira do trator) e é considerada negativa, quando o centro de gravidade estivar no lado oposto. FIGURA 1 Posição do centro de gravidade

14 Determinação das características ponderais Devem ser determinados, com o trator em nível: a) massa do trator sem lastro: - massa dianteira; - massa traseira; - massa total; b) massa do trator com lastro: - massa dianteira; - massa traseira; - massa total: c) massa dos lastros: - dianteiros; - nas rodas traseiras; - nas rodas dianteiras. 8.7 Medição do nível de ruído O ensaio deve ser executado segundo a NBR Verificação das características dimensionais Devem ser verificadas: a) variação das bitolas (dianteiras e traseiras): b) comprimento; c) largura; d) altura; e) distância entre eixos das rodas, em nível; f) altura livre; g) geometria da tomada de potência"(conforme NBR 7021); h) geometria do engate de três pontos (conforme NBR 8566); I) geometria da barra de tração (conforme NBR 7811) Para realização dessas verificações o trator deve estar sem lastro. /ANEXOS

15 14

16 15 ANEXO A MODELO DE FOLHA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUE DEVE ACOMPANHAR O TRATOR ENVIADO PARA ENSAIO 1 IDENTIFICAÇÃO DO FABRICANTE 1.1 Nome: 1.2 Endereço: 2 IDENTIFICAÇÃO DO TRATOR 2.1 Marca; 2.2 Modelo e nº de série: 2.3 Ano de fabricação: 3 IDENTIFICAÇÃO DO MOTOR 3.1 Marca: 3.2 Modelo e nº de série: 3.3 Fabricante: 3.4 Potência efetiva bruta máxima, em kw/min -1 (conforme NBR 5484): 3.5 Momento de força máximo, em Nm/min -1 (conforme NBR 5484): 3.6 Cilindrada, em cm 3 : 3.7 Tipo de aspiração: 3.8 Taxa de compressão: 4 CARACTERÍSTICAS GERAIS 4.1 Combustível (is) utilizado(s): 4.2 Tipo de filtro do ar ( ) seco ( ) banho de óleo 4.3 Pré-filtro ( ) com ( ) sem 4.4 Tipo de arrefecimento ( ) ar ( ) água 4.5 Tensão elétrica: 4.6 Capacidade do gerador: 4.7 Capacidade da(s) bateria(s): 4.8 Tipo de embreagem ( ) simples ( ) dupla ( ) seco ( ) multidisco ( ) banho de óleo 4.9 Acionamento da embreagem ( ) mecânico ( ) hidráulico 4.10 Conversor de momento de forca ( ) com ( ) sem

17 Caixa de mudanças de marchas ( ) engrenagens deslizantes ( ) engrenamento constante ( ) sincronizada ( ) total ( ) parcial Número de marcha à frente: Número de marcha à ré: Velocidades máximas em cada marcha à frente, em km/h, velocidade angular nominal do motor (especificando a medida do pneu) 1a. 5a. 9a. 13a. 17a. 2a. 6a. 10a. 14a. 18a. 3a. 7a. 11a. 15a. 4a. 8a. 12a. 16a Velocidades rnáximas em cada marcha a ré, em km/h, a velocidade angular nominal do motor (especificando a medida do pneu) 1a. 2a. 3a. 4a. 5a Razão de transmissão motor-roda para cada marcha: 4.12 Reversor de marcha ( ) mecânico ( ) hidráulico 4.13 Eixo traseiro (para tratores de roda) ( ) com bloqueio ( ) sem bloqueio ( ) direcional ( ) motriz ( ) cubos epicíclicos ( ) engrenagens paralelas 4.14 Eixo dianteiro (para tratores de roda) ( ) motriz ( ) direcional ( ) com bloqueio ( ) sem bloqueio 4.15 Freio de serviço Localização ( ) nas quatro rodas ( ) rodas traseiras ( ) na transmissão ( ) na embreagem de direção Tipo ( ) disco seco ( ) disco a banho de óleo ( ) tambor ( ) cinta retrátil 4.16 Freio de serviço ( ) mecânico ( ) hidráulico ( ) pneumático ( ) servo-freio 4.17 Freio de estacionamento ( ) nas transmissão ( ) no eixo traseiro Trava de segurança ( ) com ( ) sem 4.18 Acionamento do freio de estacionamento ( ) mecânico ( ) hidráulico ( ) pneumático

18 Direção ( ) mecânica ( ) servo-assistida ( ) hidrostática 4.20 Instrumentos Tacômetro ( ) com ( ) sem Horímetro ( ) com ( ) sem Temperatura da água ( ) medidor ( ) luz piloto Pressão do óleo ( ) medidor ( ) luz piloto Nível de combustível ( ) medidor ( ) luz piloto Restrição do filtro do ar ( ) medidor ( ) luz piloto ( ) Indicador Temperatura do óleo da transmissão ( ) medidor ( ) luz piloto Carga da bateria ( ) medidor ( ) luz piloto Outros: 4.21 Pneus para rodagem dianteira Tipo Designação Nº de lonas Quantidade Pressão de trabalho - com lastro - sem lastro 4.22 Pneus para rodagem traseira Tipo Designação Nº de lonas Quantidade Pressão de trabalho - com I astro - sem I astro 4.23 Componentes da esteira Comprimento das esteiras sobre o solo: Largura das sapatas:

19 Pressão sobre o solo: Roletes inferiores ( ) sistema bug ( ) fixo - quantidade: Roletes superiores - quantidade: Pinos e buchas ( ) vedado ( ) sem vedação ( ) vedado e lubrificado Tensor das esteiras ( ) mecânico ( )hidráulico Roda motriz ( ) segmentada ( ) inteiriça 4.24 Engate de três pontos ou barra porta ferramenta (trator do esteira) Tipo da bomba ( ) engrenagens ( ) êmbolos ( ) palhetas Vazão da bomba/min Pressão de alívio 4.25 Engate de três pontos (trator de roda) Tipo de bomba ( ) engrenagens ( ) êmbolos ( ) palhetas Vazão da bomba/min -1 : Pressão de alívio Categoria: Capacidade maxima de levantamento: - nos pontos de engate inferiores; - a 610 mm dos pontos de engate inferiores; Funções ( ) posição/transporte ( ) profundidade/ondulação ( ) reação 4.26 Controle remoto hidráulico Tipo de bomba ( ) engrenagem ( ) embolo ( ) palhetas ( ) mesma do engate de três pontos Vazão maxima/min -1 : Pressão de alívio Tipo de controle ( ) independente ( ) ação simples ( ) ação dupla ( ) pelo sistema hidráulico do engate de três ponto»

20 Número de controle: 4.27 Barra de tração ( ) oscilante ( ) fixa ( ) regulável 4.28 Tomada de potência ( ) transmissão ( ) viva ( ) independente ( ) velocidade proporcional Tipo de TDP ( ) 35 mm x 6 entalhes ( ) 35 mm x 21 entalhes^ ( ) 44 mm x 20 entalhes Velocidade angular ( ) 540 rpm ( ) 1000 rpm ( ) 540 e 1000 rpm Acionamento ( ) mecânico ( ) hidráulico Razão da transmissão motor-tdp 4.29 Características ponderais (kg) Massa de operação sem lastro: - total - dianteiro - traseiro Massa de operação com lastro: - total - dianteiro - traseiro 4.30 Lastro Lastros frontais - quantidade: - massa unitária: Lastros nas rodas dianteiras - quantidade: - massa unitária: Lastros nas rodas traseiras - quantidade: - massa unitária: Líquido - nos pneus dianteiros: - nos pneus traseiros:

21 Dimensões Comprimento: Largura; Altura: DistâncIa entre eixos: Bitolas: Ralo de giro com freio: - à esquerda: - à direita: Raio de giro sem freio - à esquerda: - à direita: Espaço de giro com freio' - à esquerda: - a direita: Espaço de giro sem freio - à esquerda: - à direita: 4.32 Capacidades: Reservatório do combustível: Caixa de mudanças: Caixa de transferência: Eixo traseiro: Sistemas hidráulicos: Carter do motor: Arrefecimento do motor: Sistema de direção; Filtro do ar (a banho de óleo): Redutores finais do eixo traseiro: Embreagem principal: 4.33 Acessórios: (listar) /ANEXO B

22 21 ANEXO B - MODELO DE RELATÓRIO DE ENSAIO Relatório Nº: Ensaio do trator marca... ModeIo e Nº de série... Ano de fabricação: Tipo (quanto ao rodado e conformação geral do chassi): Período de ensaio: Local de ensaio: Fabricante: Inscrição estadual: Endereço: CGC: 1a. PARTE: CARACTERIZAÇÃO DA MÁQUINA 1.1 Identificação do motor: Marca: Modelo: Tipo: Numero de identificação: Fabricante: 1.2 Identificação da transmissão Marca: Modelo: Tipo: Número de Identificação: Fabricante: 1.3 Identificação do reversor hidráulico Marca: Modelo: Tjpo: Numero de identificação: Fabricante: 1.4 Identificação do (s) eixo(s) motriz(es) Marca: Modelo: Tipo: Numero de fabricação: Fabricante:

23 Identificação dos componentes das esteiras Tipo: Largura da sapata: 1.6 Roda dianteira - tipo: - designação: - fabricante; 1.7 Pneu dianteiro - marca: - tipo: - designação: - fabricante: 1.8 Roda traseira - tipo: - designação - fabricante: 1.9 Pneu traseiro - marca; - tipo: - designação: - fabricante: 1.10 Identificação do sistema de filtragem do ar Pré-filtro - marca: - modelo: - tipo: - fabricante; Filtro - marca: - modelo: - tipo: - fabricante: 1.11 Identificação dos sistemas do arrefecimento do motor, óleo hidráulico,transmissão e outros Radiador de água do motor - marca: - modelo: - tipo: - fabricante:

24 Radiador de óleo hidráulico - marca: - modelo: - tipo: - fabricante: 1.12 Identificação do sistema de direção Marca: Modelo: Tipo: Número de fabricação: Fabricante: 1.13 Identificação do sistema de frenagem Cilindro mestre - marca: - modelo: - tipo; - fabricante: Freio - marca: - modelo: - tipo: - fabricante: 1.14 Acessórios (se houver, listar) Exemplos: cabina, ar condicionado, etc) 2ª. PARTE: RESULTADOS DOS ENSAIOS 2.1 Desempenho na tomada de potência Ver Tabela 1 e FIgura Desempenho na barra de tração Ver Tabela 2 e FIgura 3, 4 e Tipo de pista de ensaio Combustível - nome legal: - tipo: - massa específica: - poder calorífico inferior:

25 Óleo lubrificante do motor - nome legal: - tipo: - viscosidade: Pressão dos pneus - dianteiros: - traseiros: 2.3 Desempenho do sistema hidráulico de levantamento Ver ISO 789/ Determinação do raio e do espaço de giro Ver Tabela 3 e Tabela Determinação do centro de gravidade Ver Tabela Determinação das características ponderais Ver Tabela 6 e Tabela Determinação do nível de ruído Ver NBR Verificação das características dimensionais Largura: Comprimento; Altura: Distancia entre eixos das rodas: Altura livre: Geometria da tomada de potencia Ver NBR Geometria do engate de três pontos Ver NBR Geometria da barra de tração Ver NBR Variação das bitolas dianteiras: Variação das bitolas traseiras 3 a. PARTE: OBSERVAÇÕES GERAIS Equipe técnica: /TABELAS E FIGURAS

26 25

27 26

28 27 À direita TABELA 3 Raio de giro (Trator) Com freio Sem freio À esquerda À direita TABELA 4 Espaço de giro (Trator) Com freio Sem freio À esquerda (Trator) Com lastro TABELA 5 Posição do centro de gravidade Distância aos planos ortogonais (mm) I II III Sem lastro TABELA 6 Características ponderais (Trator) Dianteira kg Traseira kg Total kg Com lastro Sem lastro /TABELA 7

29 28 TABELA 7 Lastros Lastros Lastros metálicos Líquido nos pneus Número de elementos Massa total (kg) (A) (kg) Localização Dianteiro Total parcial (kg) Rodas dianteiras Rodas traseiras Total kg (A) Especificar o tipo de líquido. /FIGURAS

30 29 FIGURA 2 Gráfico de desempenho na tomada de potência FIGURA 3 Gráfico de desempenho na barra de tração (deslizamento x força de tração) /FIGURA 4

31 30 FIGURA 4 Gráficos de desempenho na barra de tração (consumo específico e consumo horário x força de tração) /FIGURA 5

32 31 FIGURA 5 Gráficos de desempenho na barra de tração (velocidade de deslocamento e potência na barra de tração x força de tração) /ANEXO C

33 32 ANEXO C PROCEDIMENTO PARA MEDIÇÃO.DA GARRA DOS PNEUS C-1 A altura da garra da banda de rodagem dos pneus deve ser medida com o uso de um instrumento de 3 pontos de apoio. O Instrumento é montado apoiando-se na garra da banda de rodagem e perpendicular a direção da garra o mais próximo quanto possível da linha de centro do pneu. C-1.1 Duas pernas do instrumento são posicionadas na base da garra (no ponto de tangência entre a carcaça do pneu e o raio que une a garra a carcaça). C-1.2 O terceiro ponto do instrumento esta na linha de centro da garra. Cada perna do instrumento termina numa ponta esférica de 5 mm de raio. A altura da garra e a diferença de nível entre as duas pernas laterais e a central. A altura da garra medida desta maneira e tomada, para efeito de fazer-se uma média, cm um mínimo de quatro posições igualmente espaçadas localizadas ao redor do perímetro do pneu. C-1.3 Esses dados são comparados a dados correspondentes de um pneu novo da mesma marca, medida e pressão de inflação.

ENSAIO DE TRATORES AGRÍCOLAS

ENSAIO DE TRATORES AGRÍCOLAS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES ENSAIO DE TRATORES AGRÍCOLAS O ensaio de tratores agrícolas

Leia mais

SISTEMA ELÉTRICO. Bateria 64 Ah. Giro da lança Esquerda: 50 / Direita: 80. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes

SISTEMA ELÉTRICO. Bateria 64 Ah. Giro da lança Esquerda: 50 / Direita: 80. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes CX80 MIDIESCAVADEIRA MOTOR Modelo Tipo Isuzu AU-4LE2X 4 tempos, turboalimentado, intercooler Cilindros 4 Deslocamento 2,2 l (2.189 cm 3 ) Diâmetro x Curso 85 x 96 mm Injeção de combustível eletrônica Filtro

Leia mais

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 86 HS Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br 4 tipos de versões e o maior número de vantagens Alavanca de múltipla ação no carregador frontal Plataforma para o operador

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA D170

TRATOR DE ESTEIRA D170 TRATOR DE ESTEIRA D170 Potência líquida no volante Peso operacional 170 hp (127 kw) 16.580 kg a 19.130 kg CAPACIDADE DA LÂMINA Angle dozer (SAE J1265) 3,2 m 3 D170 A New Holland é reconhecida em todo o

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

TR-350XL. CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m

TR-350XL. CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N.º TR-350XL-3-00101/EX-10 TR-350XL DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m LANÇA 4 seções, 9,95 m - 32,0 m DIMENSÕES GERAIS

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO:

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: 1 - EMBREAGEM 2 - CÂMBIO 3 - DIFERENCIAL 4 - REDUÇÃO FINAL Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Tratores Agrícolas 1

Tratores Agrícolas 1 Tratores Agrícolas 1 TRATOR AGRÍCOLA 1 DEFINIÇÃO???? Máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferirem apoio estável sobre uma superfície horizontal, capacitam-no a tracionar, transportar

Leia mais

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR TS-300BR DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 9,8 m - 31,0 m DIMENSÕES GERAIS Comprimento

Leia mais

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C )

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Turbo C deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 07.2 DEFINIÇÃO

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A. 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT- A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5

Leia mais

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas *

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * 1. Introdução Uma das principais fontes de potência, responsáveis pela alta produção agrícola com significante economia de mão-de-obra, é o trator agrícola.

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Carregadeiras sobre rodas CSR/Instruções de inspeção para Técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRAS D51EX-22 POTÊNCIA LÍQUIDA. 130 HP (97 kw) @ 2.200 rpm PESO OPERACIONAL. D51EX-22: 14.000 kg

TRATOR DE ESTEIRAS D51EX-22 POTÊNCIA LÍQUIDA. 130 HP (97 kw) @ 2.200 rpm PESO OPERACIONAL. D51EX-22: 14.000 kg POTÊNCIA LÍQUIDA 130 HP (97 kw) @ 2.200 rpm PESO OPERACIONAL : 14.000 kg D 51 O modelo ilustrado pode incluir equipamentos opcionais TRATOR DE ESTEIRAS T R A T O R D E PANORÂMICA Visibilidade total Dianteira

Leia mais

T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda.

T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda. TDB CAMINHÃO - GUINDASTE 30 TONELADAS MÉTRICAS T.D.B. do Brasil Indústria e Comércio Ltda. Rua Doutor Djalma Pinheiro Franco, n 829 Vila Santa Catarina São Paulo SP CEP: 04368-000. Telefone: ( 0xx11 )

Leia mais

40,7 kw / 54,6 CV a 2.000 rpm 8.330 kg 4.180-4.675 mm DX80R. Gama compacta

40,7 kw / 54,6 CV a 2.000 rpm 8.330 kg 4.180-4.675 mm DX80R. Gama compacta 40,7 kw / 54,6 CV a 2.000 rpm 8.330 kg 4.180-4.675 mm DX80R Gama compacta DOOSAN DX80R Escavadora Hidráulica: um novo modelo com novas funções A nova escavadora hidráulica DX80R oferece valor adicional

Leia mais

INVICTUS idioma M A D E I N I T A L Y

INVICTUS idioma M A D E I N I T A L Y NVCTUS idioma M A D E N T A L Y NVCTUS nvictus K300 - K400 AR / RS Um novo trator é um investimento importante: escolher o certo não é uma tarefa simples. É preciso considerar diversos modelos. Avaliar

Leia mais

Velocidade da oscilação. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes. Esteira Lubrificada com graxa

Velocidade da oscilação. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes. Esteira Lubrificada com graxa CX75SR MIDIESCAVADEIRA MOTOR Modelo Tipo Cilindros Isuzu AU-4LE2X 4 tempos, turboalimentado Intercooler 4 cilindros em linha Deslocamento 2,2 L (2.189 m 3 ) Diâmetro/Curso 85 x 96 mm Injeção de combustível

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

Tratores para Especialistas

Tratores para Especialistas Tratores para Especialistas Bem-vindos ao Agricube! Com linhas elegantes e um estilo muito renovado, a nova gama Carraro, Série Agricube, apresenta-se no mercado dos tractores especializados para satisfazer

Leia mais

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 - Conj. 1 - Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 - Porto

Leia mais

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 HELI MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t Painel de Instrumentos Digital Limpo e fácil de ler Leitura instantânea ao ligar Layout ergonômico CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 Torre de ampla visão As empilhadeiras

Leia mais

ANEXO. carcaça externa da embreagem 8483.60.90. carcaça inferior do acelerador (para veículos de 8714.19.00

ANEXO. carcaça externa da embreagem 8483.60.90. carcaça inferior do acelerador (para veículos de 8714.19.00 ANEXO I- PARTES E PEÇAS FUNDIDAS NCM alavanca da embreagem do guidão, de alumínio 8714.19.00 alavanca do freio dianteiro do guidão, de alumínio 8714.19.00 alça lateral direita 8714.19.00 alça lateral esquerda

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 TRATOR DE ESTEIRA 7D Potência líquida no volante Peso operacional 90 hp (67 kw) 9.400 kg a 10.150 kg CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 7D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações

Leia mais

PÁ CARREGADEIRA 12B. Potência. Peso operacional. Capacidade da caçamba 1,5 m a 3 2,3 m 3 (2,0 jd a 3 3,0 jd 3 )

PÁ CARREGADEIRA 12B. Potência. Peso operacional. Capacidade da caçamba 1,5 m a 3 2,3 m 3 (2,0 jd a 3 3,0 jd 3 ) PÁ CARREGADEIRA 12B Potência 123 hp (92 kw) Peso operacional 10.037 kg Capacidade da caçamba 1,5 m a 3 2,3 m 3 (2,0 jd a 3 3,0 jd 3 ) Capacidade da caçamba-padrão 1,91 m 3 (2,5 jd 3 ) 12B A New Holland

Leia mais

1)OFERECER PRODUTOS E SERVIÇOS DE QUALIDADE.

1)OFERECER PRODUTOS E SERVIÇOS DE QUALIDADE. BRAZIL TRUCKS A BRAZIL TRUCKS é uma empresa que atua no mercado de movimentação de materiais há 15 anos. Fundada em 1º de junho de 1995, em São José dos Campos, Região do Vale do Paraíba no Estado de São

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PATRIMÔNIAL GERÊNCIA DE BENS MÓVEIS GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE G E 2007 1 2 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA

Leia mais

Tratores. MOTOR Modelo A4-3.9 Número de cilindros 4 Cilindrada - cm³ 3867 AMBIENTE DE OPERADOR. Plataforma ergonômica

Tratores. MOTOR Modelo A4-3.9 Número de cilindros 4 Cilindrada - cm³ 3867 AMBIENTE DE OPERADOR. Plataforma ergonômica Tratores 1. Massey Ferguson MF 265 4x2 / 4x2 TDA PERFORMANCE Potência do motor, na rotação nominal - kw (cv) 47,8 (65) Potência máxima da TDP - kw (cv) 42,0 (57) Torque máximo do motor @ 1350 rpm - Nm

Leia mais

MINI ESCAVADORA KUBOTA COM RAIO DE GIRO ULTRA CURTO

MINI ESCAVADORA KUBOTA COM RAIO DE GIRO ULTRA CURTO MINI ESCAVADORA KUBOTA COM RAIO DE GIRO ULTRA CURTO Um design inovador, grandes rendimentos, novos níveis de segurança e comodidade. Estas mini escavadoras foram desenvolvidas para os trabalhos difíceis

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 DEFINIÇÃO Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê ou sedan, de 2, 3, 4 ou 5 portas Veículos de tração dianteira

Leia mais

Manual de Instruções e Catálogo de Peças

Manual de Instruções e Catálogo de Peças 1 Manual de Instruções e Catálogo de Peças Mk-GT 800 2 ÍNDICE Apresentação... 03 Normas de Segurança... 04 Componentes... 07 Engate / Montagem... 08 Preparação p/trabalho... 09 Cuidados... 10 Manutenção...11

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC 300B. A qualidade transforma o mundo

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC 300B. A qualidade transforma o mundo GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC 300B A qualidade transforma o mundo LANÇA ULTRALONGA. GRANDE CAPACIDADE DE ELEVAÇÃO Características do produto Chassi Características do produto Superestrutura Parâmetros

Leia mais

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 Potência Líquida no volante Peso operacional 90 hp (68 kw) 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações tecnológicas, eficiência

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES ALINHADOR DE FAROL AUTOMOTIVO

MANUAL DE INSTRUÇÕES ALINHADOR DE FAROL AUTOMOTIVO MANUAL DE INSTRUÇÕES ALINHADOR DE FAROL AUTOMOTIVO KA-068 ÍNDICE: PG. INTRODUÇÃO----------------------------------------------3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS-------------------------3 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO-----------------------3

Leia mais

11. Simbologia dos Componentes

11. Simbologia dos Componentes Nº Denominação Aplicação Símbolo 1.0 Geral 1.1. Símbolos Básicos 1.1.1. Linhas.1 Contínua 11. Simbologia dos Componentes.2 Interrompida Longa Linhas de fluxo..3 Interrompida Curta.4 Dupla Interligações

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. GARFO (Comprimento X Largura X Bitola) (mm): 100D7: 1.200 X 200 X 70 / 1.500 X 200 X 75 / 1.650 X 200 X 75 1.800 X 200 X 75 / 2.100 X 200 X 75 / 2.400 X 200 X 75 120D7: 1.200 X 200 X 75 / 1.500 X 200 X

Leia mais

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG SL 733 GRANDE POTÊNCIA, ALTO DESEMPENHO A carregadeira sobre rodas Hyundai Shandong entrega máxima potência todo o tempo, representando um ganho substancial

Leia mais

Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1. www.valtra.com.br BM 100. Foto meramente ilustrativa. Valtra é uma marca mundial da AGCO.

Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1. www.valtra.com.br BM 100. Foto meramente ilustrativa. Valtra é uma marca mundial da AGCO. Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1 www.valtra.com.br BM 100 Valtra é uma marca mundial da AGCO. Foto meramente ilustrativa. Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 2 Características

Leia mais

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 4-5t CPC40 CPCD40/45/50 CPQD40/45/50

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 4-5t CPC40 CPCD40/45/50 CPQD40/45/50 HELI MOTOR COM POTÊNCIA PARA 4-5t Painel de Instrumentos Digital Limpo e fácil de ler Leitura instantânea ao ligar Layout ergonômico CPC40 45/50 /45/50 Torre de ampla visão As empilhadeiras séries H2000

Leia mais

MF 96. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 96. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 96 Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br Segurança e conforto antes, durante e depois da operação Plataforma do operador Ampla e confortável, a plataforma do operador

Leia mais

Resolução CONAMA nº 252, de 01 de fevereiro de 1999

Resolução CONAMA nº 252, de 01 de fevereiro de 1999 Resolução CONAMA nº 252, de 01 de fevereiro de 1999 Estabelece limites máximos de ruídos de poluentes e ruídos emitidos por veículos automotores. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das

Leia mais

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas de tração traseira

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Quinta-roda JSK 38C JSK 38G

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Quinta-roda JSK 38C JSK 38G Manual de Montagem, Operação e Manutenção Quinta-roda JSK 38C JSK 38G Índice Página 1 Aplicação e modelos 4 1.1 Aplicação 4 1.2 Dimensionamento 4 1.3 Segurança 4 Português 2 Montagem 5 2.1 Especificações

Leia mais

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dimensões Máquina básica com carro inferior R 9760 3650 10000 5480 3675 2445 1810 3950 1610 1700 7945 9360 3975 1720 R 6360 1100 6800 620 17380 Peso operacional

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL Foto meramente ilustrativa podendo não conter os mesmos acessórios/cores do orçamento, marca NARDINI, Série DIPLOMAT, Modelo ND - 220 GOLD, procedência NACIONAL, produzido por Indústrias Nardini S/A, de

Leia mais

Potência líquida. 118 hp (88 kw) Peso operacional. 13.053 á 14.463 kg

Potência líquida. 118 hp (88 kw) Peso operacional. 13.053 á 14.463 kg Potência líquida Peso operacional 118 hp (88 kw) 13.053 á 14.463 kg A força global da New Holland está na tecnologia, na eficiência e no alto padrão de qualidade das suas máquinas. As soluções locais que

Leia mais

01 - APRESENTAÇÃO...5 Garantia...6 Contatos...6 02 - TERMOS TÉCNICOS...7

01 - APRESENTAÇÃO...5 Garantia...6 Contatos...6 02 - TERMOS TÉCNICOS...7 Índice 01 - APRESENTAÇÃO...5 Garantia...6 Contatos...6 02 - TERMOS TÉCNICOS...7 03 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...13 816...13 1319...17 1519...21 1719...25 1723...29 2423...33 2429...37 2623...41 2629...45

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

B90B B95B B110B. Potência Bruta (SAE J1995) 94 hp (70 kw) 100 hp (75 kw) 100 hp (75 kw)

B90B B95B B110B. Potência Bruta (SAE J1995) 94 hp (70 kw) 100 hp (75 kw) 100 hp (75 kw) B90B B95B B110B Potência Bruta (SAE J1995) 94 hp (70 kw) 100 hp (75 kw) 100 hp (75 kw) Peso operacional De 6.630 kg a 7.200 kg De 6.630 kg a 7.200 kg De 6.630 kg a 7.200 kg Profundidade de escavação De

Leia mais

GAMA TT COMPACT TT35 TT40 TT45

GAMA TT COMPACT TT35 TT40 TT45 GAMA TT COMPACT TT35 TT40 TT45 O DERRADEIRO EQUIPAMENTO DE TRABALHO VERSÁTIL. AMBIENTE DO OPERADOR CONCEBIDO COM UM PROPÓSITO FUNCIONAL A forma segue a função na nova gama TT Compact, com instrumentos

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

Pedro Rocha 2015-10-15

Pedro Rocha 2015-10-15 Pedro Rocha 2015-10-15 Circulação O veiculo não pode sair do centro para se posicionar nas linhas ou áreas de inspeção Via de fuga Evitar o cruzamento de veículos 2 As linhas devem ser estruturadas para

Leia mais

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações.

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. A saída do chicote esta localizada na parte traseira ou inferior do. hardwarecar.com.br

Leia mais

New Holland TL exitus

New Holland TL exitus New Holland TL exitus TL6OE TL75E TL85E TL95E 2 3 4 A agricultura está cada vez mais diversificada. A agricultura está cada vez mais New Holland. AS Máquinas new holland estão prontas para trabalhar com

Leia mais

Manual de operação TRUCK LASER EDIÇÃO 2004 MOP 0504

Manual de operação TRUCK LASER EDIÇÃO 2004 MOP 0504 Manual de operação TRUCK LASER EDIÇÃO 2004 MOP 0504 INTRODUÇÃO O aparelho TRUCK LASER, permite a aferição dos ângulos característicos de todas as rodas e/ou eixos de caminhões, ônibus e camionetes. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 10.2011 95 01 1( 8 ) Características Construtivas Cabina e Chassi VM BRA50589 89034684 Portuguese/Brazil

Leia mais

Rosqueadeiras. Manual de Instruções

Rosqueadeiras. Manual de Instruções Manual de Instruções 2 NOMAQ Roscar/Cortar/Escarear Modelos para tubos de ½ a 6 Modelo NQ-R2 NQ-R2A NQ-R4 NQ-R6 Roscas Tubos 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2, 2.1/2, 4 2.1/2, 4, 5, 6 Roscas

Leia mais

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS Tratores Agrícolas PROFº RUI CASARIN PERGUNTAS IMPORTANTES? QUEM FABRICA TRATORES NO BRASIL? WWW.AGRALE.COM.BR POTÊNCIA ENTRE 15 E 168CV WWW.BRASIL.CAT.COM MÁQUINAS

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia IT 154 Motores e Tratores Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Professor: Carlos Alberto Alves Varella Doutor em Engenharia Agrícola E-mail: varella.caa@gmail.com

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Baú Lonado (Sider) Características do Produto. Chassi

Baú Lonado (Sider) Características do Produto. Chassi Baú Lonado (Sider) Cortinas laterais em malha de PVC; Trilhos para abertura total das laterias; Agilidade na carga e decarga lateral; Características do Produto Chassi Constituído de longarinas tipo I,

Leia mais

PÁ CARREGADEIRA W20E

PÁ CARREGADEIRA W20E PÁ CARREGADEIRA W20E CASE W20E-TURBO Nova versão, com maior versatilidade e menor custo operacional. A pá-carregadeira Case W20E - Turbo é líder absoluta em seu segmento, que é um dos mais disputados do

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

19,5 kw / 26,1 CV a 2.200 rpm 3.660 kg 3.025-3.155 mm. DX35z. Gama compacta

19,5 kw / 26,1 CV a 2.200 rpm 3.660 kg 3.025-3.155 mm. DX35z. Gama compacta 19,5 kw / 26,1 CV a 2.200 rpm 3.660 kg 3.025-3.155 mm DX35z Gama compacta DOOSAN DX35z Escavadora Hidráulica: um novo modelo com novas funções A nova escavadora hidráulica DX35z (rotação de raio zero)

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO. Vibro Acabadora VDA 400 VDA 421 Qualidade BOMAG MARINI Latin America

PAVIMENTAÇÃO. Vibro Acabadora VDA 400 VDA 421 Qualidade BOMAG MARINI Latin America PAVIMENTAÇÃO Vibro Acabadora VDA 400 VDA 421 Qualidade BOMAG MARINI Latin America 2 Vibro Acabadora VDA 400 / VDA 421 Dual concept: Máxima flexibilidade, maior rentabilidade Mesa extensível hidráulica:

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1.

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto

Leia mais

232 hp 22.226 kg pat / BULLDOZER xlt (esteira de 610 mm)

232 hp 22.226 kg pat / BULLDOZER xlt (esteira de 610 mm) Potência máxima Peso operacional máximo TIPO DE lâmina Material Rodante 232 hp 22.226 kg pat / BULLDOZER xlt (esteira de 610 mm) 180C PRIMEIRO TRATOR DE ESTEIRAS ACIMA DE 20 TONELADAS, COM TECNOLOGIA DE

Leia mais

Jipe JEG Um Militar a Paisana

Jipe JEG Um Militar a Paisana Jipe JEG Um Militar a Paisana Paulo Sérgio Coimbra da Silva, Arquiteto e Estudioso sobre a Evolução da Indústria Automobilística Brasileira. bleitura@acessa.com.br Aproveitando a idéia do projeto de um

Leia mais

TRANSMISSÃO MECÂNICA E MECÂNICA HIDRÁULICA HIDRÁULICA EM TRAT EM TRA ORES

TRANSMISSÃO MECÂNICA E MECÂNICA HIDRÁULICA HIDRÁULICA EM TRAT EM TRA ORES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL VERSÃO 2005 CAPÍTULO 6 TORQUE POTÊNCIA SISTEMAS DE TRANSMISSÃO MECÂNICA E HIDRÁULICA EM TRATORES

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

Ar condicionado Ar condicionado integrado frio e quente livre de CFC.

Ar condicionado Ar condicionado integrado frio e quente livre de CFC. S10 Advantage A Chevrolet S10 Advantage possui cabine simples ou dupla motor 2.4 Flexpower, além de tudo que uma camionete precisa: suspensão traseira com amortecedores de alta performance, sistema de

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

COMPACTADORES UTILITÁRIOS CAT

COMPACTADORES UTILITÁRIOS CAT COMPACTADORES UTILITÁRIOS CAT CB14B, CB22B, CB24B, CB24B XT, CB32B, CB34B, CB34B XW, CC24B, CC34B R O Melhor DE TODOS OS MUNDOS MELHOR DESEMPENHO, EFICIÊNCIA DE COMBUSTÍVEL CB14B 900 mm (35 pol) CB14B

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CATEGORIAS ARTIGO 3: IDENTIFICAÇÃO ARTIGO 4: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 5: PESO ARTIGO 6: MOTOR

Leia mais

PÁS-CARREGADEIRAS SÉRIE K 110-197 KW (146-264 HP)

PÁS-CARREGADEIRAS SÉRIE K 110-197 KW (146-264 HP) PÁS-CARREGADEIRAS SÉRIE K 110-197 KW (146-264 HP) Atendemos às suas necessidades com as pás-carregadeiras John Deere. 2 3 Com modelos desde 146 até 264 hp, a John Deere conta com as pás-carregadeiras que

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AD, consiste em dois flanges simétricos inteiramente usinados, pinos de aço com superfícies retificadas e buchas amortecedoras de borracha nitrílica à prova

Leia mais

Benefícios. Design compacto. Facilidade de acesso a todos componentes para manutenção.

Benefícios. Design compacto. Facilidade de acesso a todos componentes para manutenção. Equipamento-padrão Dispositivo para descida de emergência manual Carregador de bateria com desativação automática Alerta de bateria baixa Desativação de bateria Inclinômetro com bloqueio e alarme Sensor

Leia mais

Ata Final. Item 0001

Ata Final. Item 0001 Ata Final Às 14:00 horas do dia 18 de julho de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Três Coroas e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria 201/12 para,

Leia mais

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 3 3 CALIBRAGEM DOS MÓDULOS LASER (AFERIÇÃO E TEMPORIZAÇÃO)... 3 3.1 AFERIÇÃO DO LASER PONTO LONGITUDINAL...3 3.2

Leia mais

Actros, o gigante em tecnologia, segurança e conforto, é referência para a nova linha de caminhões Mercedes-Benz

Actros, o gigante em tecnologia, segurança e conforto, é referência para a nova linha de caminhões Mercedes-Benz Actros Informação à Imprensa Actros, o gigante em tecnologia, segurança e conforto, é referência para a nova linha de caminhões Mercedes-Benz Data: 23 de outubro de 2011 Nova identidade visual das famílias

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

ALB200 ALB250 BALANCEADORA DE RODAS BALANCEADORA DE RODAS MOTORIZADA SISTEMA COLUNA BALANCEADORA DE RODAS MOTORIZADA SISTEMA COLUNA.

ALB200 ALB250 BALANCEADORA DE RODAS BALANCEADORA DE RODAS MOTORIZADA SISTEMA COLUNA BALANCEADORA DE RODAS MOTORIZADA SISTEMA COLUNA. BALANCEADORA DE RODAS ALB250 BALANCEADORA DE RODAS MOTORIZADA SISTEMA COLUNA Equipamento de balanceamento computadorizado com leitura digital para captação do desequilibrio de peso do conjunto pneu/roda.

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL

IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL Introdução Num passado não muito distante, irrigação era sinônimo de trabalho humano intenso. Desde a pré-história o homem vem desviando ribeirões para irrigar suas plantações,

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - PRESCRIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 2 - CATEGORIAS... 8 ARTIGO 3 - CATEGORIA

Leia mais

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral 1) Calcule o volume de ar comprimido necessário para o acionamento de 10 cilindros pneumáticos (modelo A), 4 cilindros pneumáticos com retorno por mola (modelo B) e 2 cilindros sem haste (modelo C), todos

Leia mais

Motoniveladora GD655-5 GD 655. POTÊNCIA LÍQUIDA 218 HP @ 2100 rpm PESO OPERACIONAL 17915 kg COMPRIMENTO DA LÂMINA 3,71 m ou 4,32 m KPSS039602

Motoniveladora GD655-5 GD 655. POTÊNCIA LÍQUIDA 218 HP @ 2100 rpm PESO OPERACIONAL 17915 kg COMPRIMENTO DA LÂMINA 3,71 m ou 4,32 m KPSS039602 GD655-5 POTÊNCIA LÍQUIDA 218 HP @ 2100 rpm PESO OPERACIONAL 17915 kg COMPRIMENTO DA LÂMINA 3,71 m ou 4,32 m GD 655 Motoniveladora www.komatsu.com.br Impresso no Brasil em 09/11 O modelo ilustrado pode

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Manual de Instrução e garantia

Manual de Instrução e garantia Manual de Instrução e garantia 2013 Manual de Instrução e Garantia Obrigado pela sua escolha e aquisição do produto Rodas easymob, um sistema mecânico integrado para a redução do esforço e ampliação de

Leia mais

Bosch Tecnologia em Medição. FWA 411 e 412 Bosch Alinhadores de direção de última geração para geometria de suspensão

Bosch Tecnologia em Medição. FWA 411 e 412 Bosch Alinhadores de direção de última geração para geometria de suspensão FWA 411 e 412 Bosch Alinhadores de direção de última geração para geometria de suspensão FWA 411 e 412 Bosch Alinhadores de direção de última geração para geometria de suspensão O software Microsoft Windows

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 145, de 30 de dezembro de 1999 O PRESIDENTE

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão. Operador de Máquinas Pesadas CNH D Trator Agrícola

PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão. Operador de Máquinas Pesadas CNH D Trator Agrícola PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão. Operador de Máquinas Pesadas CNH D Trator Agrícola 01) Relacione corretamente as colunas: 1. Operação Agrícola. 2. Implemento Agrícola. 3. Ferramenta

Leia mais

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O 2 3 LIDERANÇA MUNDIAL NÃO É MERA COINCIDÊNCIA. Com parceiros do setor, a New Holland foi responsável por algumas das principais inovações e lançamentos que garantiram a ela a

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais