Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do"

Transcrição

1 Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Hospital das Clínicas FMUSP 26/09/2015

2 64% pacientes com câncer avançado (Breitbart et al, 1996) Subtratamento em 40 % (Cohen et al, 2003) Intrumentos usados para investigar presença de subtratamento: PMI (Pain Mangement Index) AHCPR (Agency for Health Care Policy and Research Guidelines for Cancer Pain Management) Manuseio adequado: congruência entre intensidade de dor e prescrição de analgésicos

3 1) o tratamento da dor é uma urgência 2) as causas exatas da dor devem ser pesquisadas paralelamente ao tratamento 3) a recidiva da dor deve ser prevenida 4) vias de administração mais simples possível (oral, retal, transcutânea)= autonomia 5) analgésico escolhido pela intensidade da dor (escada OMS) 6) associar adjuvantes 7) reavaliação regular da eficácia analgésica 8) prevenir e tratar efeitos adversos

4 pela boca pelo relógio pela escada para o indivíduo uso de adjuvantes

5 DEGRAU 1 Dor Leve Não opióides DEGRAU 2 Dor Moderada Opióides fracos ± Não opióides ± Adjuvantes DEGRAU 4 Terapêutica Intervencionista DEGRAU 3 Dor Intensa Opióides fortes ± Não opióides ± Adjuvantes

6

7 Analgésicos da escada Analgésicos não opióides Analgésicos opióides Adjuvantes

8 A) Analgésicos não opióides Antiinflamatórios não esteroidais efeito analgésico, antiinflamatório e antipirético atuam através da inibição de COX Classificados: Classe farmacológica Seletividade COX-2 1) COX-1 seletivos (aspirina) 2) COX não-seletivos (cetoprofeno, ibuprofeno, naproxeno, indometacina, piroxicam) 3) COX-2 preferenciais (meloxicam, nimesulida, diclofenaco) 4) COX-2 seletivos (parecoxib)

9 A) Analgésicos não opióides Dipirona efeito analgésico e antipirético atuam através da inibição de COX-3 e liberação NO medula espinhal Paracetamol efeito analgésico e antipirético atuam através da inibição de COX-3 e liberação NO medula esp

10 4000 pacientes em 79 estudos nenhuma diferença com AINEs, paracetamol e opioides 2015 Apr 13;10(4):e

11

12

13

14

15

16

17

18 B) Analgésicos opióides: Classificados de acordo com a afinidade por receptores opióides : agonistas do receptor μ(codeína, tramadol, propoxifeno, morfina, meperidina, metadona, oxicodona, hidromorfona, oximorfona, fentanil, sufentanil, alfentanil, remifentanil, heroína); antagonistas do receptor (naloxona e naltrexona); antagonista/agonistas (nalbufina, nalorfina, levalorfano, pentazocina, butorfanol, dezocina e buprenrfina)

19 B) Analgésicos opióides: Classificados de acordo com a potência: Opióides fracos (codeína, tramadol) Opióides fortes (morfina, metadona, oxicodona, fentanil)

20 C) Analgésicos adjuvantes Antidepressivos: Usados em baixas doses, não dose antidepressiva. Alteram a concentração de neurotransmissores na fenda sináptica do CDME Bloqueam a recaptação de noradrenalina e serotonina Afetam a transmissão nociceptiva.

21 C) Analgésicos adjuvantes Anticonvulsivantes supressão de descargas neuronais em aferentes primários. Anestésicos locais: Bloqueiam de canais de sódio Corticosteróides: Reduzem edema causado por crescimento tumoral. Antiespasmódicos: Dor em cólica

22 Antagonistas NMDA Cetamina e Amantadina Podem ser úteis no tratamento de dores neuropáticas pouco responsivas a opióides Alfa-2 agonistas Clonidina

23 DEGRAU 1 Dor Leve Não opióides DEGRAU 2 Dor Moderada Opióides fracos ± Não opióides ± Bloqueio Anestésico DEGRAU 4 Terapêutica Intervencionista DEGRAU 3 Dor Intensa Analgesia regional PCA Opióides fortes ± Não opióides ± Adjuvantes

24

25 Permanência de dor na vigência de Não opióides + adjuvantes Codeína 360 mg/dia ou Tramadol 400 mg/dia Passar ao próximo degrau Prescrever Opióide potente

26 Biodisponibilidade 35 a 75% (passagem hepática) Metabolizados pelo fígado e eliminados pelo rim Morfina acúmulo M6G durante insuficiência renal

27 Morfina Tempo para conc sérica máxima (Cmax) Via oral = 60 min Via subcutânea = 30 min Via EV = 6 min Meia-vida aproximadamente 4 horas Tempo de equilíbrio 16 a 20 h Efeito bolus Infusão contínua ou liberação controlada evitam tal efeito

28 Alta disponibilidade, rápida passagem BHE Fentanil transdérmico = 12 a 16 h para níveis clinicamente significativos Medicação liberação rápida como resgate Fentanil transmucoso= início de ação em 5 a 10 minutos Duração 1 a 3 h Desconhecidos metabólitos ativos

29 Metadona Meia vida de 8 a 72 h Tempo de equilíbrio 1 a 15 dias Grande interação medicamentosa Conversão para morfina depende da dose de morfina

30 Tolerância incompleta Efeitos adversos de difícil controle Iniciar com 50 a 75% da dose equianalgésica calculada Mais se dor não controlada Menos se dor bem controlada Conversão para metadona depende da dose de morfina usada

31

32

33 Regra prática: cada 45 a 60 mg de morfina oral equivalem a 25 mcg/h de fentanil transdérmico

34

35 Comuns: Constipação intestinal Náuseas e vômitos Sonolência Boca seca Sudorese Incomuns: Disforia/delírio Mioclonia/convulsões Retenção urinária Depressão respiratória Prurido

36

37 Dor por metástase óssea Inibe reabsorção óssea mediada por osteoclastos Indicado para prevenir complicações e tratar hipercalcemia Não deveriam ser usados na ausência de metástase óssea Pamidronato = ca mama e mieloma múltiplo Efeito analgésico após 2 a 4 semanas Zoledronato = necrose mandíbula

38 Avaliar Performance do paciente Resposta tumoral ao QT Toxicidade potencial do fármaco Algumas indicações: Alívio de sintomas de terapia hormonal em ca de mama Dispnéia em ca de pulmão

39 Útil em metástases ósseas Radiofármacos: estrôncio 89 e samarium 153 Trombocitopenia e leucopenia contraindicam

40

41

42 Indicações: Dor flanco, Lesão retroperitoneal ou abdome superior Neoplasia retroperitônio e abdome superior Doenças benignas (pancreatite crônica) Contraindicações: Anticoagulação medicamentosa Outras coagulopatias Obstrução intestinal

43

44

45

46

47 Cancer de pâncreas NCPB x Analgesia sistêmica + bloqueio simulado EVN, QOL, tempo de sobrevida, consumo opióides e efeitos adversos, Resultados: NCPB melhor controle de dor QOL, efeitos adversos e tempo de sobrevida foi semelhante

48

49 Dor visceral pélvica útero, bexiga, próstata, uretra, testículos, ovários Distúrbios vasculares de membros inferiores Dor neuropática mediada pelo simpático em membros inferiores Endometriose SDRC Dor fantasma

50 Anatomia Localizado 1/3 inferior de L5 e 1/3 superior de S1 Cadeia simpática lombar Plexo aórtico Fibras parassimpáticas de S2-S4 Divide-se em nervos hipogástricos direito e esquerdo lateral ao cólon sigmóide

51

52

53

54 Períneo Reto distal e ânus Uretra distal Vulva Terço distal da vagina

55

56 Indicação: Dor unilateral, abaixo da linha do ombro, expectativa de vida < 1 ano Dor neuropática ou incidental de MMII Local: C1-C2 Analgesia no tórax, abdome e extremidades inferiores Dor por deaferentação não melhora Contraindicações: Disfunção respiratória

57 Interrupção da aferência nociceptiva no quadrante anterolateral da medula. (Tracto espinotalâmico lateral)

58

IV Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da dor

IV Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da dor IV Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da dor 64% pacientes com câncer avançado (Breitbart et al, 1996) Subtratamento em 40 % (Cohen et al, 2003) Intrumentos usados para investigar

Leia mais

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI Princípios do Tratamento da Dor Oncológica Odiléa Rangel Gonçalves Serviço de Anestesiologia Área de Controle da Dor Princípios do Tratamento da Dor Oncológica

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

Analgesia Multimodal no Tratamento da Dor Aguda

Analgesia Multimodal no Tratamento da Dor Aguda CAPÍTULO 124 Analgesia Multimodal no Tratamento da Dor Aguda Beatriz do Céu Nunes* Todo tipo de dor tem início de forma aguda, envolvendo o sistema nervoso periférico, central e componente psicológico,

Leia mais

Tratamento farmacológico da dor aguda e crônica

Tratamento farmacológico da dor aguda e crônica Tratamento farmacológico da dor aguda e crônica ÍNDICE 03. 16. Tratamento farmacológico da dor aguda Tratamento farmacológico da dor crônica 7224_GRU_BRA_ v13_lc Produção editorial Europa Press Comunicação

Leia mais

Drogas de abuso. Maxwell Santana

Drogas de abuso. Maxwell Santana Drogas de abuso Maxwell Santana Drogas de abuso Qualquer substância ou preparação, com pouco uso médico usada primariamente pelos seus efeitos gratificantes! Englobam substância psicoativas e psicotrópicas!

Leia mais

Analgésicos Centrais 25/04/2015. Conceito. Dor. Experiência subjetiva, difícil de definir exatamente

Analgésicos Centrais 25/04/2015. Conceito. Dor. Experiência subjetiva, difícil de definir exatamente Analgésicos Centrais Prof. Dr. Roosevelt Albuquerque Gomes roosevelt.ag@gmail.com Conceito Analgésicos são depressores seletivos do SNC empregados para aliviar a dor sem causar a perda de consciência.

Leia mais

TERAPIA FARMACOLÓGICA PARA O CONTROLE DA DOR DO CÂNCER

TERAPIA FARMACOLÓGICA PARA O CONTROLE DA DOR DO CÂNCER TERAPIA FARMACOLÓGICA PARA O CONTROLE DA DOR DO CÂNCER WERUSKA ALCOFORADO COSTA GLAUCEA MACIEL DE FARIAS LUIZ ALVES MORAIS FILHO KAROLINA DE MOURA MANSO DA ROCHA FÁTIMA HARYANNY GOMES RUFINO MINEIRO Universidade

Leia mais

Analgesia no Pós-Parto

Analgesia no Pós-Parto Analgesia no Pós-Parto Patrícia Medeiros de Souza 1 Kristiana Murad 2 Ana Tereza Silva Gonçalves 3 Neiza Freire Veleda 3 Rodolfo Corrêa 3 Ana Carolina de Oliveira 4 Silândia Amaral da Silva Freitas 5 Associação

Leia mais

Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs)

Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs) Universidade Federal Fluminense Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de farmacologia Analgésicos, Antipiréticos ticos e Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs) Profa. Elisabeth Maróstica

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS TRATAMENTO DA DOR DO PACIENTE ONCOLÓGICO 24/2008

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS TRATAMENTO DA DOR DO PACIENTE ONCOLÓGICO 24/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS TRATAMENTO DA DOR DO PACIENTE ONCOLÓGICO 24/2008 Belo Horizonte Agosto 2008 Autoras: Dra. Izabel Cristina

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE GESTÃO DA DOR EM UROLOGIA

ORIENTAÇÕES SOBRE GESTÃO DA DOR EM UROLOGIA ORIENTAÇÕES SORE GESTÃO DA DOR EM UROLOGIA (Texto actualizado em Março de 2009) P. ader (Presidente), D. Echtle, V. Fonteyne, G. De Meerleer, E.G. Papaioannou, J.H. Vranken Princípios gerais de gestão

Leia mais

Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica

Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica DRA KAREN SANTOS FERREIRA Neurologista do Ambulatório de Cefaléias e Dor Neuropática do Hospital das Clínicas da FMRP USP Especialista

Leia mais

Drogas narcóticas opióides

Drogas narcóticas opióides Drogas narcóticas opióides Opióides - são todas as drogas, naturais e sintéticas, com propriedades semelhantes à morfina, incluindo peptídeos endógenos. Opiáceos - são substâncias (alcalóides) derivadas

Leia mais

Opióides - são todas as drogas, naturais e sintéticas, com propriedades semelhantes à morfina, incluindo peptídeos endógenos.

Opióides - são todas as drogas, naturais e sintéticas, com propriedades semelhantes à morfina, incluindo peptídeos endógenos. Opióides Opióides - são todas as drogas, naturais e sintéticas, com propriedades semelhantes à morfina, incluindo peptídeos endógenos. Opiáceos - são substâncias (alcalóides) derivadas do ópio, como a

Leia mais

Anestesias e Anestésicos

Anestesias e Anestésicos Anestesias e Anestésicos ANESTESIA É uma palavra de origem grega que quer dizer ausência de sensações. Outra definição é uma "ausência de consciência reversível", seja uma ausência total de consciência

Leia mais

Cuidados paliativos ao fim da vida. Finitude e morte. Silvana de Araújo Silva Médica Geriatra CIAPE 2008

Cuidados paliativos ao fim da vida. Finitude e morte. Silvana de Araújo Silva Médica Geriatra CIAPE 2008 Cuidados paliativos ao fim da vida. Finitude e morte. Silvana de Araújo Silva Médica Geriatra CIAPE 2008 INTRODUÇÃO Envelhecimento populacional como fenômeno mundial Novas condições clínicas Mudanças na

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml. FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml.

NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml. FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml. NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml. USO PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO: Cada ml da solução injetável contém:

Leia mais

Mecanismos de dor no paciente ortopédico: o que devemos saber para melhorar o tratamento no dia-a-dia?

Mecanismos de dor no paciente ortopédico: o que devemos saber para melhorar o tratamento no dia-a-dia? Mecanismos de dor no paciente ortopédico: o que devemos saber para melhorar o tratamento no dia-a-dia? A ortopedia é uma especialidade que tem no trauma uma lesão freqüentemente relatada pelos pacientes,

Leia mais

Paracetamol pó. Identificação. Aplicações

Paracetamol pó. Identificação. Aplicações Material Técnico Paracetamol pó Identificação Fórmula Molecular: C 8 H 9 NO 2 Peso molecular: 151,2 DCB / DCI: 06827-Paracetamol CAS: 103-90-2 INCI: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável.

Leia mais

Consenso Sobre Dor Oncológica

Consenso Sobre Dor Oncológica Consenso Sobre Dor Oncológica Algoritmo para o Tratamento da Dor Oncológica 2014 Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica Princípios gerais sobre o manejo da dor oncológica Evidências cada vez maiores

Leia mais

A dor em doentes com doença crónica e avançada

A dor em doentes com doença crónica e avançada A dor em doentes com doença crónica e avançada Workshop Jornadas do internato de medicina geral e familiar Fátima Teixeira Medicina Geral e Familiar Coordenadora da ECSCP do ACES Sotavento 30-05-2013 Conceito

Leia mais

Procedimentos para Anestesia de Animais de Laboratório CREAL/2013

Procedimentos para Anestesia de Animais de Laboratório CREAL/2013 Procedimentos para Anestesia de Animais de Laboratório CREAL/2013 Conforme a Diretriz Brasileira para o Cuidado e a Utilização de Animais para Fins Científicos e Didáticos (2), pesquisadores e professores

Leia mais

Cartilha de Orientação dos Medicamentos para Dor. Serviço de Tratamento da Dor Setor de Farmácia

Cartilha de Orientação dos Medicamentos para Dor. Serviço de Tratamento da Dor Setor de Farmácia Cartilha de Orientação dos Medicamentos para Dor Serviço de Tratamento da Dor Setor de Farmácia Responsáveis: Flávia Camila Gonçalves Lavoyer Heloísa Arruda Gomm Barreto Roberto Teixeira de Castro Bettega

Leia mais

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Alessandro Alves O amor não é aquilo que te deixa feliz, calmo e tranquilo. O nome disso é Rivotril. Frase atribuída a James Brown Benzodiazepínicos Estão entre

Leia mais

Bicalutamida inibe o estímulo androgênico, resultando assim na regressão dos tumores prostáticos.

Bicalutamida inibe o estímulo androgênico, resultando assim na regressão dos tumores prostáticos. BICALUTAMIDA Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 Oral Comprimido revestido USO ADULTO Forma Farmacêutica e Apresentação da Bicalutamida Embalagem com 30 comprimidos contendo 50 mg de bicalutamida.

Leia mais

15) TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA DOR COM OPIÓIDES

15) TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA DOR COM OPIÓIDES 15) TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA DOR COM OPIÓIDES A dor é uma sensação protetora (fisiológica) bem como perturbação física e emocional desagradável, originada em receptores de dor (nociceptores) que respondem

Leia mais

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente Data: / / Nome: 1) Avaliação de melhora pelo paciente (NÃO USAR NA PRIMEIRA): Muito pior Pior Igual Melhor Muito melhor 2) Índice de dor generalizada:

Leia mais

PROTOCOLOS ISGH ABORDAGEM E TRATAMENTO DE PACIENTES COM DOR E L A B O R A Ç Ã O REVISÃO COLABORAÇÃO VALIDAÇÃO FORMATAÇÃO DATA

PROTOCOLOS ISGH ABORDAGEM E TRATAMENTO DE PACIENTES COM DOR E L A B O R A Ç Ã O REVISÃO COLABORAÇÃO VALIDAÇÃO FORMATAÇÃO DATA E L A B O R A Ç Ã O Carlos Nobre Rabelo Júnior Coordenador Médico da Pediatria do HGWA e Consultor da Comissão de Padronização do ISGH Raimundo Simeão Consultor Técnico do Serviço de Anestesiologia do

Leia mais

TEMA: Fentanila de aplicação transdérmica para tratamento da dor oncológica

TEMA: Fentanila de aplicação transdérmica para tratamento da dor oncológica Data: 12/06/2014 NT 112/2014 Solicitante: Dra Marcilene da Conceição Miranda Juíza de Direito de Claudio Número do processo: 0166.14.000994-4 Medicamento Material Procedimento Cobertura X TEMA: Fentanila

Leia mais

Zofran. cloridrato de ondansetrona

Zofran. cloridrato de ondansetrona Zofran cloridrato de ondansetrona I ) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Comprimidos revestidos, contendo 4mg ou 8mg de ondansetrona

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM IMPLANTODONTIA Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco Terapêutica Medicamentosa Pré-operatório Trans-operatório Pós-operatório Ansiolíticos Antiinflamatórios tó i Antimicrobianos

Leia mais

Opioides: conceitos básicos. Dra Angela M Sousa CMTD-ICESP

Opioides: conceitos básicos. Dra Angela M Sousa CMTD-ICESP Opioides: conceitos básicos Dra Angela M Sousa CMTD-ICESP OPIOIDES OPIOIDES Classificação receptores opióides Receptor opióide clássico MECANISMO DE AÇÃO Conceitos da farmacologia opióide Receptores μ

Leia mais

Portaria nº 859 de 12 de Novembro de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais,

Portaria nº 859 de 12 de Novembro de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria nº 859 de 12 de Novembro de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade de estabelecer Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas

Leia mais

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES mirtazapina 30 mg. Embalagem contendo 7, 14 ou 28 comprimidos revestidos. mirtazapina 45 mg. Embalagem contendo

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO V ANALGÉSICOS OPIOIDES

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO V ANALGÉSICOS OPIOIDES UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO V ANALGÉSICOS OPIOIDES FÁRMACOS OPIOIDES Ópio - extrato do suco da papoula (Papaver

Leia mais

Uso de drogas durante a amamentação: Princípios Básicos

Uso de drogas durante a amamentação: Princípios Básicos XI Encontro Nacional de Aleitamento ENAM I Encontro Nacional de Alimentação Complementar Saudável ENACS Junho de 2010 Santos/SP Uso de drogas durante a amamentação: Princípios Básicos Roberto Gomes Chaves

Leia mais

Avodart dutasterida. Modelo de Texto de bula Avodart. Cápsulas gelatinosas FORMA FARMACÊUTICA A APRESENTAÇÃO

Avodart dutasterida. Modelo de Texto de bula Avodart. Cápsulas gelatinosas FORMA FARMACÊUTICA A APRESENTAÇÃO dutasterida Cápsulas gelatinosas FORMA FARMACÊUTICA A APRESENTAÇÃO é apresentado sob a forma de cápsulas gelatinosas moles. Embalagens contendo 10, 30 ou 90 cápsulas. USO ADULTO Composição Cada cápsula

Leia mais

FLANCOX. etodolaco USO ORAL USO ADULTO

FLANCOX. etodolaco USO ORAL USO ADULTO FLANCOX etodolaco APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 300 mg. Caixas com 14 e 30 comprimidos Comprimidos revestidos de 400 mg. Caixas com 6, 10, e 20 comprimidos USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral)

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral) Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 5- Psicofármacos e Ansiedade Ansiedade Estado desagradável de tensão, apreensão, inquietação ; Um medo às vezes de origem desconhecida; Sintomas

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IB 304 CRÉDITOS: 04 (T01,T02,P01,P02,P03,P04) FARMACOLOGIA II Cada Crédito corresponde à 15h/ aula INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO

Leia mais

Drogas Analgésicas. Ação Central. Ação Periférica. Opióides Antidepressivos. Anti-inflamatórios não esteroidais Anestésicos locais

Drogas Analgésicas. Ação Central. Ação Periférica. Opióides Antidepressivos. Anti-inflamatórios não esteroidais Anestésicos locais USO DE OPIÓIDES NO TRATAMENTO DA DOR Drogas Analgésicas Ação Central Opióides Antidepressivos Ação Periférica Anti-inflamatórios não esteroidais Anestésicos locais DOR Conceito (Associação Internacional

Leia mais

ANESTESIA E ANALGESIA PÓS-OPERATÓRIA: PRINCÍPIOS GERAIS

ANESTESIA E ANALGESIA PÓS-OPERATÓRIA: PRINCÍPIOS GERAIS ANESTESIA E ANALGESIA PÓS-OPERATÓRIA: PRINCÍPIOS GERAIS André P. Schmidt, MD, PhD, TSA/SBA Co-responsável pelo CET do Serviço de Anestesia e Medicina Perioperatória do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

Leia mais

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Comprimidos 2 mg DIAFURAN cloridrato de loperamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: DIAFURAN Nome genérico: cloridrato de loperamida

Leia mais

Juiz de Direito Antônio Francisco Gonçalves Secretaria da 2ª Vara Cívil, Criminal e de Execuções Penais Comarca de Itabirito/MG

Juiz de Direito Antônio Francisco Gonçalves Secretaria da 2ª Vara Cívil, Criminal e de Execuções Penais Comarca de Itabirito/MG Nota Técnica 17/2015 Data: 27/04/2015 Solicitante: Juiz de Direito Antônio Francisco Gonçalves Secretaria da 2ª Vara Cívil, Criminal e de Execuções Penais Comarca de Itabirito/MG Processo: 0319.14.000279-5

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

Morfina BASI pertence a um grupo de medicamentos denominados por analgésicos estupefacientes.

Morfina BASI pertence a um grupo de medicamentos denominados por analgésicos estupefacientes. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Morfina BASI 40 mg/ml Solução injectável Morfina Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria Diretrizes Assistenciais Medicina Psicossomática e Psiquiatria Versão eletrônica atualizada em fev/2012 TRATAMENTO DE TABAGISMO Indicação: Pacientes tabagistas atendidos na SBIBAE Contraindicação: Não

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Dolorex 10 mg/ml, solução injetável para equinos, caninos e felinos.

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Dolorex 10 mg/ml, solução injetável para equinos, caninos e felinos. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Dolorex 10 mg/ml, solução injetável para equinos, caninos e felinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

I Data: 17/01/2006. III Tema: Bifosfonados Ácido zolendrônico. IV Especialidade(s) envolvida(s): Oncologia. V Questão Clínica/Mérito:

I Data: 17/01/2006. III Tema: Bifosfonados Ácido zolendrônico. IV Especialidade(s) envolvida(s): Oncologia. V Questão Clínica/Mérito: Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 04/06 Tema: Bifosfonados - Ácido Zolendrônico I Data: 17/01/2006 II Grupo de Estudo: Dra. Silvana Márcia Bruschi Kelles Dr. Lucas Barbosa da Silva Dra. Lélia

Leia mais

DOR ONCOLÓGICA EM PEQUENOS ANIMAIS REVISÃO DE LITERATURA ONCOLOGIC PAIN IN SMALL ANIMALS REVIEW

DOR ONCOLÓGICA EM PEQUENOS ANIMAIS REVISÃO DE LITERATURA ONCOLOGIC PAIN IN SMALL ANIMALS REVIEW DOR ONCOLÓGICA EM PEQUENOS ANIMAIS REVISÃO DE LITERATURA ONCOLOGIC PAIN IN SMALL ANIMALS REVIEW Matheus Daniel Burato BERNO 1, Analy Ramos MENDES 2 1 Aluno do curso de Graduação em Medicina Veterinária,

Leia mais

Artigo de Revisão Revision Article

Artigo de Revisão Revision Article Artigo de Revisão Revision Article Carla Alves Costa 1 Cristina Santos 2 Paula Alves 2 Agostinho Costa 2 Dor oncológica Oncologic pain Recebido para publicação/received for publication: 07.05.29 Aceite

Leia mais

DIRETRIZES PARA O MANEJO DA DOR EM UROLOGIA

DIRETRIZES PARA O MANEJO DA DOR EM UROLOGIA DIRETRIZES PR O MNEJO D DOR EM UROLOGI (Texto atualizado em bril de 2010) P. ader (presidente), D. Echtle, V. Fonteyne, K. Livadas, G. De Meerleer,. Paez orda, E.G. Papaioannou, J.H. Vranken Princípios

Leia mais

Introdução à Toxicologia Forense Ricardo Jorge Dinis-Oliveira, Teresa Magalhães e Félix Dias Carvalho

Introdução à Toxicologia Forense Ricardo Jorge Dinis-Oliveira, Teresa Magalhães e Félix Dias Carvalho Índice Os Autores Nota dos Coordenadores Prefácio Siglas, Acrónimos e Abreviaturas Capítulo 1 à Toxicologia Forense Ricardo Jorge Dinis-Oliveira, Teresa Magalhães e Félix Dias Carvalho Conceitos em Toxicologia

Leia mais

AZILECT mesilato de rasagilina 1 mg

AZILECT mesilato de rasagilina 1 mg AZILECT mesilato de rasagilina 1 mg APRESENTAÇÕES Comprimidos de 1 mg. AZILECT (mesilato de rasagilina) é apresentado em embalagem contendo 30 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Bicalutamida Stada 50 mg Comprimidos revestidos por película

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Bicalutamida Stada 50 mg Comprimidos revestidos por película RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Bicalutamida Stada 50 mg Comprimidos revestidos por película 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 comprimido contém 50 mg de bicalutamida

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - PROGEP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - PROGEP SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - PROGEP PROGRAMA Parte 1: Anatomia e Fisiologia 1.1- Órgãos

Leia mais

MODELO DE BULA. ONTRAX cloridrato de ondansetrona

MODELO DE BULA. ONTRAX cloridrato de ondansetrona MODELO DE BULA ONTRAX cloridrato de ondansetrona Forma farmacêutica e apresentações: Caixas com 1 ampola de 2 ml de solução injetável com 4 mg/ 2mL Caixas com 20 ampolas de 2 ml de solução injetável com

Leia mais

cetoprofeno Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cetoprofeno Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cetoprofeno Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Solução oral (gotas) 20 mg/ml: frasco com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO USO ORAL COMPOSIÇÃO Cada ml de cetoprofeno solução

Leia mais

paracetamol Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 200 mg/ml

paracetamol Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 200 mg/ml paracetamol Biosintética Farmacêutica Ltda. Solução oral 200 mg/ml BULA PARA PROFISSIONAL DA SAÚDE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO paracetamol Medicamento

Leia mais

A C D E CRONOGRAMA PREVISTO

A C D E CRONOGRAMA PREVISTO Cuidados Paliativos Oncológicos TPCPO INSTRUÇÕES GERAIS Você recebeu do fiscal: - Um caderno de questões contendo 40 (quarenta) questões de múltipla escolha da Prova Objetiva e 5 (cinco) questões da Prova

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS OPI IDES (PARTE 1)

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS OPI IDES (PARTE 1) TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS OPI IDES (PARTE 1) Dr. Mahesh Trivedi, Dr. Shafee Shaikh, Dr. Carl Gwinnutt Departamento de Anestesia, Hospital Hope, Salford, UK Tradução autorizada do

Leia mais

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013 Fibromialgia DOR - USP Roberto Vlainich 2013 1 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe tender points 1970 Moldofsky Distúrbio sono 1980 Yunus Fibromialgia 1988 Vaeroy Substância P 1990

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Analgésicos Secções deste tópico: Introdução Como funciona Vantagens Posologia Para que servem Quem poderá tomá-los? Efeitos secundários Bibliografia Parceiros de

Leia mais

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1)

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) Redução dos sintomas de esquizofrenia. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C 21 H 25 N 3 O 2 S) 2,C 4 H 4 O 4 Peso Molecular: 833,09 g/mol DCB: 07539 CAS: 111974-72-2

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL COMPOSIÇÃO: - EBASTEL INFORMAÇÕES AO PACIENTE: - EBASTEL. Ebastel. ebastina. Oral.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL COMPOSIÇÃO: - EBASTEL INFORMAÇÕES AO PACIENTE: - EBASTEL. Ebastel. ebastina. Oral. Ebastel ebastina Oral Xarope USO PEDIÁTRICO (ACIMA DE 2 ANOS) Comprimido USO PEDIÁTRICO (ACIMA DE 12 ANOS) E ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL Comprimidos revestidos contendo 10 mg

Leia mais

fluconazol Cápsula 150mg

fluconazol Cápsula 150mg fluconazol Cápsula 150mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE fluconazol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Cápsula 150mg Embalagens contendo 1, 2 e 500 cápsulas. USO ORAL

Leia mais

FLUCONAZOL Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Cápsulas 150mg

FLUCONAZOL Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Cápsulas 150mg FLUCONAZOL Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Cápsulas 150mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: FLUCONAZOL Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES fluconazol cápsulas de 150

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

Inicox dp. meloxicam. APRESENTAÇÃO Comprimido meloxicam 15 mg - Embalagem com 5 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO

Inicox dp. meloxicam. APRESENTAÇÃO Comprimido meloxicam 15 mg - Embalagem com 5 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO Inicox dp meloxicam APRESENTAÇÃO Comprimido meloxicam 15 mg - Embalagem com 5 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: meloxicam...15 mg; excipientes q.s.p.... 1 comprimido.

Leia mais

Aldazida (espironolactona, hidroclorotiazida)

Aldazida (espironolactona, hidroclorotiazida) Aldazida (espironolactona, hidroclorotiazida) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Aldazida Nome genérico: espironolactona e hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentação: Aldazida em embalagens

Leia mais

CONTROLE DA DOR. Rosmary Arias. Geriatria HSPE. Agosto 2011

CONTROLE DA DOR. Rosmary Arias. Geriatria HSPE. Agosto 2011 CONTROLE DA DOR Rosmary Arias Geriatria HSPE Agosto 2011 CONCEITO DE DOR Experiência sensorial e emocional desagradável, associada a dano real ou potencial, ou descrita em termos de tal dano. IASP) ( Associação

Leia mais

Fichas informativas. Neurobiologia da Dor Visceral Neurobiology of Visceral Pain

Fichas informativas. Neurobiologia da Dor Visceral Neurobiology of Visceral Pain Fichas informativas Neurobiologia da Dor Visceral Neurobiology of Visceral Pain Definição Dor nos órgãos internos do corpo: Coração, grandes vasos e estruturas perivasculares (por ex., nódulos linfáticos)

Leia mais

9/9/2008 CONSIDERAÇÕES GERAIS. Toxicidade. Faixa terapêutica. Concentrações sub-terapêuticas. - Não sofre efeito de primeira passagem

9/9/2008 CONSIDERAÇÕES GERAIS. Toxicidade. Faixa terapêutica. Concentrações sub-terapêuticas. - Não sofre efeito de primeira passagem CONSIDERAÇÕES GERAIS Princípios de Farmacologia: Farmacocinética Farmacodinâmica Concentração plasmática Toxicidade Faixa terapêutica Concentrações sub-terapêuticas Tempo VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

cloridrato de ambroxol LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. xarope adulto 30 mg/5 ml

cloridrato de ambroxol LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. xarope adulto 30 mg/5 ml cloridrato de ambroxol LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. xarope adulto 30 mg/5 ml I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES

Leia mais

Anexo III. Alterações a incluir nas secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e do Folheto Informativo

Anexo III. Alterações a incluir nas secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e do Folheto Informativo Anexo III Alterações a incluir nas secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e do Folheto Informativo Nota: Este Resumo das Características do Medicamento, rotulagem e folheto informativo

Leia mais

Sobre a Dor e a Gestão da Dor. Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au. Department of Health and Ageing

Sobre a Dor e a Gestão da Dor. Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au. Department of Health and Ageing Sobre a Dor e a Gestão da Dor Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au Portuguese - Pain Management Department of Health and Ageing Financiado pelo Governo Australiano, através do Programa

Leia mais

Sedavan. (cloridrato de ambroxol)

Sedavan. (cloridrato de ambroxol) Sedavan (cloridrato de ambroxol) VIDFARMA INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS LTDA. xarope adulto 6 mg/ml xarope pediátrico 3 mg/ ml SEDAVAN todas apresentações) PROFISSIONAL SEDAVAN cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES

Leia mais

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE Página 1 de 6 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LÁBREA cloridrato de

Leia mais

ZOLOFT cloridrato de sertralina

ZOLOFT cloridrato de sertralina ZOLOFT cloridrato de sertralina I - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome comercial: Zoloft Nome genérico: cloridrato de sertralina APRESENTAÇÕES Zoloft comprimidos revestidos de 50 mg em embalagens contendo 10,

Leia mais

Neurociências: Consumo e dependência de substâncias psicoativas RESUMO DO RELATÓRIO ELABORADO PELA OMS - parte I. Introdução

Neurociências: Consumo e dependência de substâncias psicoativas RESUMO DO RELATÓRIO ELABORADO PELA OMS - parte I. Introdução Neurociências: Consumo e dependência de substâncias psicoativas RESUMO DO RELATÓRIO ELABORADO PELA OMS - parte I Introdução O consumo de substâncias e as farmacodependências representam um importante problema

Leia mais

SEDAÇÃO E ANALGESIA EM PRONTO ATENDIMENTO PEDIÁTRICO

SEDAÇÃO E ANALGESIA EM PRONTO ATENDIMENTO PEDIÁTRICO SEDATION AND ANALGESIA IN PEDIATRICS YERKES PEREIRA E SILVA*, JOSEFINO FAGUNDES DA SILVA**, LINCOLN PAIVA COSTA***, MARCELO FONSECA MEDEIROS***, JOAQUIM ANTÔNIO CÉSAR MOTA**** RESUMO Apesar de muitas crianças

Leia mais

Ultraproct LDO. Bayer S.A. Creme retal. 1 mg/g de pivalato de fluocortolona 20 mg/g de cloridrato de lidocaína. Supositório Retal

Ultraproct LDO. Bayer S.A. Creme retal. 1 mg/g de pivalato de fluocortolona 20 mg/g de cloridrato de lidocaína. Supositório Retal Ultraproct LDO Bayer S.A. Creme retal 1 mg/g de pivalato de fluocortolona 20 mg/g de cloridrato de lidocaína. Supositório Retal 1 mg de pivalato de fluocortolona 40 mg de cloridrato de lidocaína 1 Ultraproct

Leia mais

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção:

Leia mais

Révia. cloridrato de naltrexona. Comprimidos Revestidos. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA PACIENTE

Révia. cloridrato de naltrexona. Comprimidos Revestidos. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA PACIENTE Révia cloridrato de naltrexona Comprimidos Revestidos Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA PACIENTE I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO REVIA cloridrato de naltrexona APRESENTAÇÃO Comprimido

Leia mais

SERENATA. cloridrato de sertralina. Comprimido revestido - 50 mg. Comprimido revestido - 100 mg. Indrad

SERENATA. cloridrato de sertralina. Comprimido revestido - 50 mg. Comprimido revestido - 100 mg. Indrad SERENATA cloridrato de sertralina Comprimido revestido - 50 mg Comprimido revestido - 100 mg Indrad BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 SERENATA cloridrato de sertralina I-

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Excipientes: amido, bissulfito de sódio, celulose pó, docusato de sódio/ benzoato de sódio, estearato de magnésio.

Excipientes: amido, bissulfito de sódio, celulose pó, docusato de sódio/ benzoato de sódio, estearato de magnésio. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Tylex 7,5 mg / 30 mg paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos e comprimidos

Leia mais

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL Cloridrato de Naloxona Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,4mg/mL 1 cloridrato de naloxona Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: cloridrato de naloxona FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

USO IRRACIONAL DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTERÓIDES POR IDOSOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

USO IRRACIONAL DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTERÓIDES POR IDOSOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA USO IRRACIONAL DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTERÓIDES POR IDOSOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Karoll Moangella Andrade de Assis¹; Adriana Emanuelly da Silva Barros¹; Allana Brunna Sucupira Duarte¹; Isabelly

Leia mais

IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg

IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg Esta bula sofreu aumento no tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina)

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina APRESENTAÇÃO Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha Depot de 3,6

Leia mais