04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa"

Transcrição

1 Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer SBPT PARABÉNS!!!! Manual de condutas clínicas no câncer de pulmão Definição Dor sensação subjetiva desagradável de intensidade variável lesão real ou potencial Associação Internacional para estudo da Dor (IASP

2 Dor - benefício Alarme Defesa Proteção Aspectos somáticos Neoplasia Aspectos Espirituais Liberdade Morte Amor DOR TOTAL Aspectos Psicológicos Medo Ansiedade Depressão Aspectos sociais Financeiro Relacionamentos Origem Dor Oncológica - multifatorial Envolvimento Tecidual e neural da radioterapia Síndromes paraneoplásicas DOR Neuropatia induzida pela quimioterapia Dor no pós-operatório The management of cancer pain. Judith A. Paice and Betty Ferrell. CA Cancer J Clin 2011;61; ; 2

3 Controle do tratamento oncológico Objetivo: Aumentar sobrevida Reduzir sintomas clínicos Otimizar qualidade de vida Lung cancer Chest 2007 Early Palliative Care for Patients with Metastatic Non Small-Cell Lung Cancer N Engl J Med 2010;363: Prevalência da dor oncológica Países em desenvolvimento alta 56% -dor moderada a severa 69% - comprometem atividades habituais OMS 80% dos pacientes no mundo são inadequadamente tratadas The management of cancer pain. Judith A. Paice and Betty Ferrell. CA Cancer J Clin 2011;61; ; 3

4 Sintomas e sinais CHEST 2007; 132:149S 160S Prevalência da dor oncológica Diagnosticado recentemente 25% Sob tratamento oncológico 33% Doença avançada 75% Dor crônica tratamento completado 33% The management of cancer pain. Judith A. Paice and Betty Ferrell. CA Cancer J Clin 2011;61; Fisiopatogenia Dor X câncer de pulmão Parede torácica Músculos Osso Pele Pleura parietal Nervos intercostais Nervo frênico ombro Pleura Visceral Metástases 4

5 Radiologia Como avaliar a Dor?? Avaliação da dor - 3 passos Localização Intensidade Duração Características da dor Fatores agravantes e alívio Tratamento prévios Repercussão Atividades pessoais Atividades domésticas Atividades intelectuais, lazer, sociais, etc. The management of cancer pain. Judith A. Paice and Betty Ferrell. CA Cancer J Clin 2011;61; ; 5

6 1º passo Avaliação da tipo de dor Nociceptiva somática Metastases osséas Infiltração de partes moles Neuropática Pós-qxt Infiltração neural Nociceptiva visceral Metástases hepática Pleuropulmonar Associação Internacional para estudo da Dor (IASP Dor neuropática Início: tempos depois da injúria Características: Queimação, pressão, sensação ao toque, formigamento, sensação de calor ou frio Dor dinâmica Dor produzida por estímulos outros Manual de tratamento da DOR. Fauzia F. Naime 1ª edição º passo - Modalidades de tratamento Tratamento específico da dor Medicamentoso (opiódes, anticonvulsivantes, bifosfonados, corticóides) Radioterapia paliativa Bloqueios sensitivos Tratamento oncológico Quimioterapia Radioterapia Cirurgia - Qualidade de vida - Melhora dos sintomas -Sobrevida 6

7 Meta-Analysis of Psychosocial Interventions to Reduce Pain in Patients With Cancer J Clin Oncol 30: º passo - Intensidade da dor Fonte: OMS Tratamento clínico da dor Entre 1 a 3 intensidade -leve Entre 4 a 6 dor moderada Entre 7 a 10 dor severa FONTE: OMS 7

8 Como tratar a dor?? Severa Moderada Opiódes fortes + adjuvantes Leve Opiódes fracos + adjuvantes DOR Fonte: OMS Analgégico Não-opióde + Adjuvantes Codeína Tramadol Morfina Metadona Fentanil Tratamento farmacológico da Dor Opíodes + antidepressivos + anticonvulsivantes + neurolépticos Terapia adjuvante Laxantes Antieméticos Corticóides Bifosfonatos FONTE: OMS 8

9 Equivalência de doses Droga Dose EV Dose VO Meia-vida Intervalo Morfina h 4 a 6 hs Morfina LS hs 12 hs Metadona hs 4-12 hs Tramadol 100 mg hs Codeína hs Fentanil adesivos 50 µg/h = 180mg/dia morfina 3 dias 9

10 Início do tratamento DROGA DOSE INTERVALO Morfina 5 10 mg cada 4 ou 6 hs Codeína 30 mg Cada 4 ou 6 hs Metadona 5 mg Cada 8 ou 12 hs Fentanil 25-50µg 3 dias (72 horas) The management of cancer pain. Judith A. Paice and Betty Ferrell. CA Cancer J Clin 2011;61; ; 10

11 Dor neuropática Dor em queimação, contínua e mal delimitadaem um determinado segmento do corpo; Ex: Antidepressivos triciclícos Paroxismos de dor intensa em choque; Ex: Anticonvulsivantes The management of cancer pain. Judith A. Paice and Betty Ferrell. CA Cancer J Clin 2011;61; ; Recomendações de prescrição Via oral: preferência Intervalo: manter sem dor Individualizar: dose do paciente Orientação aos efeitos colaterais e urgências Seguimento: Ajuste da dose e associações Manual de tratamento da DOR. Fauzia F. Naime 1ª edição 2009 Metástases ósseas 11

12 Prospective, Observational Study of Pain and Analgesic Prescribing in Medical Oncology Outpatients With Breast, Colorectal, Lung, or Prostate Cancer Inicial 30 dias J Clin Oncol Erros no tratamento da DOR Opiofobia Paciente Associação de opiódes fracos e fortes Doses inadequadas Receio de dependência medicamentosa Medicar quando houver DOR Natureza subjetiva e multidimensional da dor Ansiedade e depressão Seguimento Erro na avaliação intensidade da dor Dor faz parte da doença Evidence-Based Standards for Cancer Pain Management. J Clin Oncol 26: Efeitos colaterais Constipação Náuseas/vômitos Sedação/confusão mental Retenção urinária Depressão respiratória Evidence-Based Standards for Cancer Pain Management. J Clin Oncol 26:

13 Conclusão: Dor é freqüente e multifatorial Inadequadamente tratada Associação de medicamentos Seguir:Controle adequado da dor Evitar: Opiofobia Obrigado!! Tolerar um paciente com dor é um erro médico grave 13

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI Princípios do Tratamento da Dor Oncológica Odiléa Rangel Gonçalves Serviço de Anestesiologia Área de Controle da Dor Princípios do Tratamento da Dor Oncológica

Leia mais

Consenso Sobre Dor Oncológica

Consenso Sobre Dor Oncológica Consenso Sobre Dor Oncológica Algoritmo para o Tratamento da Dor Oncológica 2014 Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica Princípios gerais sobre o manejo da dor oncológica Evidências cada vez maiores

Leia mais

Cuidados paliativos ao fim da vida. Finitude e morte. Silvana de Araújo Silva Médica Geriatra CIAPE 2008

Cuidados paliativos ao fim da vida. Finitude e morte. Silvana de Araújo Silva Médica Geriatra CIAPE 2008 Cuidados paliativos ao fim da vida. Finitude e morte. Silvana de Araújo Silva Médica Geriatra CIAPE 2008 INTRODUÇÃO Envelhecimento populacional como fenômeno mundial Novas condições clínicas Mudanças na

Leia mais

Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail.

Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail. Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail.com DOR NO CÂNCER EXPERIÊNCIA SENSITIVA EMOCIONAL DESAGRADÁVEL DANO TECIDUAL

Leia mais

Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica

Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica DRA KAREN SANTOS FERREIRA Neurologista do Ambulatório de Cefaléias e Dor Neuropática do Hospital das Clínicas da FMRP USP Especialista

Leia mais

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Hospital das Clínicas FMUSP 26/09/2015 64% pacientes

Leia mais

TEMA: Fentanila de aplicação transdérmica para tratamento da dor oncológica

TEMA: Fentanila de aplicação transdérmica para tratamento da dor oncológica Data: 12/06/2014 NT 112/2014 Solicitante: Dra Marcilene da Conceição Miranda Juíza de Direito de Claudio Número do processo: 0166.14.000994-4 Medicamento Material Procedimento Cobertura X TEMA: Fentanila

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo).

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Nome do protocolo: Prevenção de

Leia mais

Sobre a Dor e a Gestão da Dor. Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au. Department of Health and Ageing

Sobre a Dor e a Gestão da Dor. Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au. Department of Health and Ageing Sobre a Dor e a Gestão da Dor Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au Portuguese - Pain Management Department of Health and Ageing Financiado pelo Governo Australiano, através do Programa

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE GESTÃO DA DOR EM UROLOGIA

ORIENTAÇÕES SOBRE GESTÃO DA DOR EM UROLOGIA ORIENTAÇÕES SORE GESTÃO DA DOR EM UROLOGIA (Texto actualizado em Março de 2009) P. ader (Presidente), D. Echtle, V. Fonteyne, G. De Meerleer, E.G. Papaioannou, J.H. Vranken Princípios gerais de gestão

Leia mais

Cartilha de Orientação dos Medicamentos para Dor. Serviço de Tratamento da Dor Setor de Farmácia

Cartilha de Orientação dos Medicamentos para Dor. Serviço de Tratamento da Dor Setor de Farmácia Cartilha de Orientação dos Medicamentos para Dor Serviço de Tratamento da Dor Setor de Farmácia Responsáveis: Flávia Camila Gonçalves Lavoyer Heloísa Arruda Gomm Barreto Roberto Teixeira de Castro Bettega

Leia mais

A dor em doentes com doença crónica e avançada

A dor em doentes com doença crónica e avançada A dor em doentes com doença crónica e avançada Workshop Jornadas do internato de medicina geral e familiar Fátima Teixeira Medicina Geral e Familiar Coordenadora da ECSCP do ACES Sotavento 30-05-2013 Conceito

Leia mais

Bepa 2009;6(70):19-24. Informe

Bepa 2009;6(70):19-24. Informe Informe Políticas públicas em cuidados paliativos na assistência às pessoas vivendo com HIV/Aids (PVHA) Public policies in paliative health care in the assistance designed for persons living with HIV/Aids

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS TRATAMENTO DA DOR DO PACIENTE ONCOLÓGICO 24/2008

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS TRATAMENTO DA DOR DO PACIENTE ONCOLÓGICO 24/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS TRATAMENTO DA DOR DO PACIENTE ONCOLÓGICO 24/2008 Belo Horizonte Agosto 2008 Autoras: Dra. Izabel Cristina

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

TERAPIA FARMACOLÓGICA PARA O CONTROLE DA DOR DO CÂNCER

TERAPIA FARMACOLÓGICA PARA O CONTROLE DA DOR DO CÂNCER TERAPIA FARMACOLÓGICA PARA O CONTROLE DA DOR DO CÂNCER WERUSKA ALCOFORADO COSTA GLAUCEA MACIEL DE FARIAS LUIZ ALVES MORAIS FILHO KAROLINA DE MOURA MANSO DA ROCHA FÁTIMA HARYANNY GOMES RUFINO MINEIRO Universidade

Leia mais

Especialização em Clínica de Dor - NOVO

Especialização em Clínica de Dor - NOVO Especialização em Clínica de Dor - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Especialização em Clínica de Dor deverá enriquecer os currículos daqueles

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Utilização dos medicamentos opióides fortes na dor crónica não oncológica Médicos do Sistema Nacional de Saúde Nº: 09/DSCS/DPCD/DSQC DATA: 24/03/08 Contacto na DGS: Direcção de Serviços

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Nenhum conflito de interesse COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Como fazer o acompanhamento

Leia mais

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA Laura Sousa Castro Peixoto DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. IASP Tratamento

Leia mais

Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre

Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre Dor Crônica Cuidados Paliativos Atendimento ambulatorial Internação Ambulatório

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MANEJO DA DOR CAPACITAÇÃO DO ENFERMEIRO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MANEJO DA DOR CAPACITAÇÃO DO ENFERMEIRO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MANEJO DA DOR CAPACITAÇÃO DO ENFERMEIRO Monografia de conclusão do Curso de Docência do Ensino Superior. Por:Elvira Maria Martins

Leia mais

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico EMENTA 1. PET/CT com FDG: Conceitos básicos 2. PET/CT-FDG no CA de Pulmão e NPS: a. Indicações aprovadas pela ANS b. Bases científicas

Leia mais

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Alessandro Alves O amor não é aquilo que te deixa feliz, calmo e tranquilo. O nome disso é Rivotril. Frase atribuída a James Brown Benzodiazepínicos Estão entre

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005)

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Mens JMA, Chavannes AW, Koes BW, Lubbers WJ, Ostelo RWJG, Spinnewijn WEM, Kolnaar BGM traduzido do original em

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 159/2014. Doxepina, cetirizina, duloxetina, tramadol, sulfato de glucosamina e condroitina

RESPOSTA RÁPIDA 159/2014. Doxepina, cetirizina, duloxetina, tramadol, sulfato de glucosamina e condroitina RESPOSTA RÁPIDA 159/2014 Doxepina, cetirizina, duloxetina, tramadol, sulfato de glucosamina e condroitina NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES SOLICITANTE Juiz de Direito do 3º JESP da Unidade Jurisdicional do Juizado

Leia mais

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal Paulo Pimentel Sistema Estomatognático Mastigação, fala, digestão e deglutição Paladar, respiração Defesa e reconhecimento imunológico Estética,

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Dor oncológica: conceitualização e tratamento farmacológico LIZADA PARA CARACTERIZAR A DOR, NA MAIO- RIA DAS VEZES DE MÚLTIPLAS ETIOLOGIAS QUE

Dor oncológica: conceitualização e tratamento farmacológico LIZADA PARA CARACTERIZAR A DOR, NA MAIO- RIA DAS VEZES DE MÚLTIPLAS ETIOLOGIAS QUE dor Dor oncológica: conceitualização e tratamento farmacológico Divulgação Adriana Thomaz * Médica responsável pelo serviço de Dor e Medicina Paliativa do CENTRON Centro de Tratamento Oncológico; médica

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem no tratamento da dor oncológica

Sistematização da Assistência de Enfermagem no tratamento da dor oncológica Sistematização da Assistência de Enfermagem no tratamento da dor oncológica Luciana Sinelli Pinto Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Evelen Cristiane Gomes Spilla Casa Docente do Curso de Graduação

Leia mais

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Interações medicamentosas Carlos Alberto de Barros Franco Professor Titular de Pneumologia da Escola Médica de PósGraduação da PUC-Rio

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

Portaria GM/MS nº 1.319 de 23 de julho de 2002

Portaria GM/MS nº 1.319 de 23 de julho de 2002 Portaria GM/MS nº 1.319 de 23 de julho de 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 19, de 03 de janeiro de 2002, que institui, no âmbito do

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 017/2012 CT PRCI n 99.066/2012 Ticket n s 275.609 e 275.952

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 017/2012 CT PRCI n 99.066/2012 Ticket n s 275.609 e 275.952 PARECER COREN-SP 017/2012 CT PRCI n 99.066/2012 Ticket n s 275.609 e 275.952 Assunto: Realização pelo de procedimento de recarga de bomba de morfina implantável. 1. Do fato Solicitado parecer por s à respeito

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Radioterapia para Metástases em Coluna Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia para Metástases em Coluna Aspectos Clínicos Indicações

Leia mais

Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios?

Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios? FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios? JUMARA MARTINS RADIOTERAPIA UNICAMP 2012 Introdução

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DOR ONCOLÓGICO 1

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DOR ONCOLÓGICO 1 1 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DOR ONCOLÓGICO 1 Daniela Alves Borges 2 Seni Alves de Oliveira 2 RESUMO A dor é uma experiência sensorial e emocional desagradável, que é geralmente associada

Leia mais

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL Julyana Cândido Bahia 1, Dálete Delalibera Corrêa de Faria Mota 2 1 Acadêmica da Faculdade de Enfermagem/ Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Data: 07/04/2014 NTRR 67/2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 07/04/2014 NTRR 67/2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 67/2014 Solicitante: Juiz Alex Matoso Silva Município de Itaúna - MG Número do processo: 0338.14.003128-1 Data: 07/04/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Pegvisomanto para acromegalia

Leia mais

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR?

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR? : o que funciona? Carlos A A Viegas IX CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SBPT - 2008 CONTROLE DO TABAGISMO IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO QUADRO IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SABER SAÚDE TRATAMENTO

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO AGENDA PARTE 1 Conceitos e Introdução Medicina baseada em evidências PARTE 2 Dor na Doença Falciforme Protocolo clínico na emergência PARTE

Leia mais

Opioides: conceitos básicos. Dra Angela M Sousa CMTD-ICESP

Opioides: conceitos básicos. Dra Angela M Sousa CMTD-ICESP Opioides: conceitos básicos Dra Angela M Sousa CMTD-ICESP OPIOIDES OPIOIDES Classificação receptores opióides Receptor opióide clássico MECANISMO DE AÇÃO Conceitos da farmacologia opióide Receptores μ

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2014 DA LIGA ACADÊMICA DE ONCOLOGIA DO PIAUÍ. Liga Acadêmica de Oncologia do Piauí Filiada à Sociedade Brasileira de Cancerologia

PROCESSO SELETIVO 2014 DA LIGA ACADÊMICA DE ONCOLOGIA DO PIAUÍ. Liga Acadêmica de Oncologia do Piauí Filiada à Sociedade Brasileira de Cancerologia PROCESSO SELETIVO 2014 DA LIGA ACADÊMICA DE ONCOLOGIA DO PIAUÍ Liga Acadêmica de Oncologia do Piauí Filiada à Sociedade Brasileira de Cancerologia CANDIDATO: CPF: INSTRUÇÕES: 1. A prova terá duração máxima

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

TEMA: Cabazitaxel (Jevtana ) para tratamento câncer de próstata metastático

TEMA: Cabazitaxel (Jevtana ) para tratamento câncer de próstata metastático NTRR 58/2014 Solicitante: Juiz Dr Fernando de Moraes Mourão Comarca de Arcos Número do processo: 0042.14.001267-7 Réu: Estado de Minas Data: 31/03/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Vonau cloridrato de ondansetrona. Biolab Sanus Farmacêutica. Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml

Vonau cloridrato de ondansetrona. Biolab Sanus Farmacêutica. Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml Vonau cloridrato de ondansetrona Biolab Sanus Farmacêutica Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml Vonau cloridrato de ondansetrona MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Caderno de Atenção Domiciliar

Caderno de Atenção Domiciliar MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR Caderno de Atenção Domiciliar Volume 2 BRASÍLIA DF ABRIL - 2012 CAPÍTULO 6 CUIDADOS

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

WDS, masculino, 57 anos

WDS, masculino, 57 anos Módulo: Câncer de Pulmão Não-Pequenas Células Metastático Caso 1 WDS, masculino, 57 anos FEV/2010: Dor lombar e em quadril E; ausência de tosse com hemoptise; sem sintomas neurológicos Cintilografia óssea:

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

Entender a. dor oncológica. informação de apoio. Entender a dor oncológica informação de apoio para doentes 1

Entender a. dor oncológica. informação de apoio. Entender a dor oncológica informação de apoio para doentes 1 Entender a dor oncológica informação de apoio para doentes Entender a dor oncológica informação de apoio para doentes 1 Entender a dor oncológica Introdução Ao lidar com a dor, muitas questões se colocam:

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Cloridrato de Ondansetrona

Cloridrato de Ondansetrona BULA DO PACIENTE Cloridrato de Ondansetrona HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 2mg/mL 2mL 2mg/mL 4mL cloridrato de ondansetrona Medicamento genérico - Lei nº 9.787 de 1.999 APRESENTAÇÕES Solução injetável -

Leia mais

Assistência Nutricional à. Pacientes em. Radioterapia

Assistência Nutricional à. Pacientes em. Radioterapia Assistência Nutricional à Pacientes em Radioterapia Cristiane Almeida Hanasihiro Nutricionista do Departamento de Oncologia do Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo. Estimativas Estimativas no Brasil

Leia mais

Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea

Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea Módulo: Doença Metastática para Sistema Nervoso central Bloco: Manejo das Lesões Múltiplas Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea Aknar Calabrich Oncologia Clínica Em 1 ano... Pubmed 67 artigos (nenhum

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

TEP incidental em neoplasias

TEP incidental em neoplasias Fabrício Martins Valois Teorema de Bayes 0% 100% TEP incidental TEP identificado sem suspeita clínica de embolia Prevalência de 2,5% Realização demasiada de exames... Dentali LR. Radiology, 243, 2005 1

Leia mais

Ocorrência da dor nos pacientes oncológicos em cuidado paliativo

Ocorrência da dor nos pacientes oncológicos em cuidado paliativo Artigo Original Ocorrência da dor nos pacientes oncológicos em cuidado paliativo Occurrence of pain in cancer patients in palliative care Thaís Rezende Mendes 1 Rafaela Peres Boaventura 2 Marielly Cunha

Leia mais

Nausedron (cloridrato de ondansetrona)

Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Comprimidos Revestidos 8 mg Modelo de Bula para Paciente I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nausedron cloridrato de

Leia mais

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz

Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Tratamento quimioterápico de primeira-linha na doença resistente à castração Fábio A. B. Schütz Hospital São José; São Paulo, SP Introdução Câncer de próstata castração-resistente (CRPC) A maioria dos

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA Ministério da Saúde - MS Instituto Nacional de Câncer - INCA Coordenação de Prevenção e Vigilância - Conprev Divisão de Programas de Controle do Tabagismo e outros Fatores

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica

RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1606-4 DATA 25/07/2014 Ao NATS, SOLICITAÇÃO

Leia mais

Artigo de Revisão Revision Article

Artigo de Revisão Revision Article Artigo de Revisão Revision Article Carla Alves Costa 1 Cristina Santos 2 Paula Alves 2 Agostinho Costa 2 Dor oncológica Oncologic pain Recebido para publicação/received for publication: 07.05.29 Aceite

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta Divisão de Clínica Urológica Saúde da Próstata XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo Claudio B. Murta Médico Urologista Coordenador do Centro de Referência do Homem Hospital de Transplantes

Leia mais

Mecanismos de dor no paciente ortopédico: o que devemos saber para melhorar o tratamento no dia-a-dia?

Mecanismos de dor no paciente ortopédico: o que devemos saber para melhorar o tratamento no dia-a-dia? Mecanismos de dor no paciente ortopédico: o que devemos saber para melhorar o tratamento no dia-a-dia? A ortopedia é uma especialidade que tem no trauma uma lesão freqüentemente relatada pelos pacientes,

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Brasília, Nota Técnica janeiro N de 932012. /2012 Nomes Princípio Comerciais1: Ativo: paracetamol Ultracet, + cloridrato Paratram. de tramadol. Medicamento Medicamentos de Similares: Referência: Paratram.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia Data: 14/05/2014 NOTA TÉCNICA 88/2014 Medicamento x Material Procedimento x Cobertura x Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Processo: 006658-71.2014.8.13.0525 Requerente: IRAILDES

Leia mais

MASCC/ISOO - Normas de Orientação Clínica baseadas na evidência para o tratamento da mucosite secundária ao tratamento oncológico

MASCC/ISOO - Normas de Orientação Clínica baseadas na evidência para o tratamento da mucosite secundária ao tratamento oncológico MASCC/ISOO - Normas de Orientação Clínica baseadas na evidência para o tratamento da mucosite secundária ao tratamento oncológico MUCOSITE ORAL RECOMENDAÇÕES A FAVOR DE UMA INTERVENÇÃO (isto é: forte evidencia

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL: PROCEDIMENTOS ESPECIAIS CLÍNICA DA DOR FEVEREIRO/ 2011 ELABORAÇÃO DO VALOR REFERENCIAL: CLÍNICA DA DOR FEVEREIRO DE 2011 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PERFIL DA DOR EM INDIVÍDUOS COM CÂNCER EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

PERFIL DA DOR EM INDIVÍDUOS COM CÂNCER EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO PERFIL DA DOR EM INDIVÍDUOS COM CÂNCER EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO PERFIL DA DOR EM INDIVÍDUOS COM CÂNCER EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO Pain profile in cancer patients undergoing chemotherapy RUSSI, Z.C.

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

MARCOS SPERB BICCA DA SILVEIRA COORDENADOR DA CLÍNICA DE DOR DO HOSPITAL MOINHOS DE VENTO PORTO ALEGRE - RS

MARCOS SPERB BICCA DA SILVEIRA COORDENADOR DA CLÍNICA DE DOR DO HOSPITAL MOINHOS DE VENTO PORTO ALEGRE - RS Dor em Oncologia MARCOS SPERB BICCA DA SILVEIRA COORDENADOR DA CLÍNICA DE DOR DO HOSPITAL MOINHOS DE VENTO PORTO ALEGRE - RS Dor em Oncologia Dor é uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais