Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013"

Transcrição

1 Fibromialgia DOR - USP Roberto Vlainich

2 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe tender points 1970 Moldofsky Distúrbio sono 1980 Yunus Fibromialgia 1988 Vaeroy Substância P 1990 Wolfe ACR critérios 1992 Bennett GH diminuído 1992 Russel 5HT diminuída 2010 ACR Novos critérios 2010 Estresse Dopamina 2

3 Diagnóstico - Critérios Dor há 3 meses Dor em 4 quadrantes Dor em ambos os lados do corpo Dor induzida em inserções musculotendíneas Dor em 11 locais dos 18 padronizados Hiperalgesia difusa American College of Reumatology

4 Tender points 4

5 5

6 6

7 (Wolfe et al., 2010) Critérios ACR 2010 Indice de dor Total= 19

8 (Wolfe et al., 2010) Critérios ACR 2010 Intensidade dos sintomas associados (0 a 3)- Total 12 Disturbio do sono Fadiga Depressão Outros sintomas: edema, rigidez, parestesia

9 (Wolfe et al., 2010) Critérios ACR 2010 Índice de dor for 7 Indice intensidade dos sintomas 5 ou Indice de dor entre 3 e 6 Indice de intensidade dos sintomas for 9

10 FIBROMIALGIA Dor generalizada de músculos e tendões Pontos dolorosos Síndrome dolorosa comum Prevalência: 2 4% população (Yunus, Inanici, 2002; DeSantana, Sluka, 2008; Kleimman et al., 2009) Incidência: 6,1 8,8% - mulheres 0,5 0,7 % - homens (Caccioli et al., 2008)

11 FIBROMIALGIA Sintomas Associados Fadiga Sono Humor Parestesia Edema Rigidez Cãibra Memória

12 Incidência e prevalência % P O p Idade (anos) Arthritis Rheum 1995;38:

13 FIBROMIALGIA Síndromes dolorosas associadas Cefaleia tensional Enxaqueca Síndrome cólon irritável Síndrome bexiga irritável Disfunção de ATM Dismenorréia Yunus, 2012

14 Diagnóstico diferencial Localizada Regional Generalizada Síndromes de compressão Síndrome miofascial Fibromialgia Tenossinovites Disfunção de ATM + miofascial Fadiga crônica Bursites SDRC Polimialgia reumática Entesopatias Dor referida Síndrome de hipermobilidade 14

15 Diagnóstico diferencial 15

16 Fibromialgia Etiologia Patogênese Manifestações clínicas Predisposição genética Disfunção enzimática Neuroplasticidade Dor Hiperalgesia Deficiência COMT Estado hiperadrenérgico Hiperatividade simpática Estresse Sensibilização SNC Martinez- Lavin, 2012 Alodínia Parestesias Sensação edema Insônia Fadiga Humor Outros

17 Genética Predisposição familiar Fibromialgia Fatores psicossociais gatilho físico e/ou psíquico serotonina dopamina catecolaminas Resposta ao estresse Aumento da excitação Diminuição da inibição Dor Sensibilização central

18 Facilitação Substância P Glutamato CKK GNF + - Inibição Serotonina Noradrenalina Dopamina 18

19 ALTERAÇÕES NEUROENDÓCRINAS Sistemas reguladores do estresse EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE - ADRENAL Hiperatividade de Neurônios Secretores de Hormônios corticotróficos GH TSH hipófise Tônus SNS 19

20 Fibromialgia Outras causas e fatores associados Modulação imunológica- Interleucinas? Obesidade Sedentarismo Alterações musculares EHHA diminuiçao do cortisol? Hormônios sexuais?

21 Valores da média e desvio-padrão de serotonina sérica (ng/ml) após 30 dias de amitriptilina Tempo (dias) P T 0 T 4 G1 (n = 15) 42,7 32,3 63,7 32,1 0,089 G2 (n = 15) 65,9 41,1 76,7 55,6 0,740 P 0,740 0,2291 Valores de referência: acima de 12 anos de idade : g ml Laboratório de rim e hormônios - UNIFESP 21

22 Valores da média e desvio-padrão de dopamina sérica (ng/ml) após 30 dias de tratamento Tempo (dias) T 0 T 4 P G1 (n = 15) 17,1 9,1 45,7 36,9 0,005 G2 (n = 15) 25,8 15,5 34,7 33,6 0,933 P 0,2134 0,0311 Valores de referência: acima de 12 anos de idade : 49,00-189,00 pg ml Laboratório de rim e hormônios - UNIFESP 22

23 Valores da média e desvio-padrão de noradrenalina sérica (ng/ml) após 30 dias tratamento Tempo (dias) P T 0 T 4 G1 (n = 15) 189,5 108,6 167,5 85,5 0,480 G2 (n = 15) 171,9 131,0 191,7 142,3 0,245 P 0,3196 0,5069 Valores de referência: acima de 12 anos de idade : 144,00-352,00 pg ml Laboratório de rim e hormônios - UNIFESP 23

24 Tratamento farmacológico Antidepressivos Dose diária (mg) Comentários Tricíclicos Amitriptilina: 12,5 a 25 Nortriptilina: 10 a 25 ISRS Fluoxetina : 10 a 20 Sertralina: 25 a 50 Paroxetina:10 a 20 Melhora dor, sono, fadiga, disestesia Associação com tricíclicos Ansiedade Atípicos Efeito dual Venlafaxina: 37,5 a 75 Duloxetina: 60 a 120 Milnaciprano Depressão associada neuropatia associada Inibição NMDA Arthritis Res Ther 2007; 8(4):

25 Tratamento farmacológico SONO Fármaco Dose diária(mg) Comentários Pregabalin Crofford e al Melhora sono,fadiga,dor 529 pacientes com FM Alprazolam 0,25 a 2 Efeito farmacodinâmico benéfico Indutores não diazepínicos Zolpidem- 5-12,5 Zopiclone- 5-7,5 Memória Longo prazo 25

26 Fármaco latência T total % Delta % REM Qualidade Tríciclicos _x Barbitúricos --x-- Benzodiazepínicos Zolpiclone Zolpidem - aumento diminuição não altera --x sem evidência T total = Tempo total de sono 26

27 Ciclobenzaprina Derivado tricíclico sem ação antidepressiva Intensa ação miorrelaxante Estudos duplo cegos controlados e randomizados mostram eficácia e efetividade dose variável de 10 a 30 mg/dia 27

28 Pain Physician: May/June 2013; 16:

29 Bloqueio Simpático Venoso Lidocaína Venosa 2 a 5 mg/kg 1mg/kg Bolus 1 a 2h infusão Meia vida plasmática 90min SNC concentração constante e prolongada Tempo alívio da dor > meia vida plasmática 29

30 Tratamento farmacológico Outros fármacos Antagonistas 5-HT3 Tropisetron 5 a 15 mg por dia Agonista receptor D3 Pramipexole 0,5 a 4,5 mg por dia 30

31 31

32 32

33 Site de interesse 33

34 Roberto Vlainich Site Dubrovnik, Croácia 34

DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA

DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA QUE CURIOSO??? JÁ ESTOU FICANDO VELHA! ELA É TODA NOSSA! COMISSÃO DE DOR, FIBROMIALGIA E OUTRAS SÍNDROMES DOLOROSAS DE PARTES MOLES DA S.B.R.

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA Em 1904, Gowers descreveu um conjunto de sinais e sintomas onde predominavam

Leia mais

FIBROMIALGIA. Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM

FIBROMIALGIA. Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM FIBROMIALGIA Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM O que é Fibromialgia? Quadro de dor crônica no corpo todo associado a uma grande variedade de outros sintomas Qual a população mais sujeita a Fibromialgia?

Leia mais

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente Data: / / Nome: 1) Avaliação de melhora pelo paciente (NÃO USAR NA PRIMEIRA): Muito pior Pior Igual Melhor Muito melhor 2) Índice de dor generalizada:

Leia mais

FIBROMIALGIA Mitos & Realidades

FIBROMIALGIA Mitos & Realidades FIBROMIALGIA Mitos & Realidades Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM Afinal que é a Fibromialgia? A.E um quadro de depressão que tem como conseqüência um quadro de dor crônica no corpo todo? B.Em um quadro

Leia mais

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015 Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

Fisioterapia na melhora dos sintomas da fibromialgia

Fisioterapia na melhora dos sintomas da fibromialgia 1 Fisioterapia na melhora dos sintomas da fibromialgia Larissa Cristina Sousa de Vasconcelos 1 larissavasconcelos.fisio@yahoo.com.br Richelma de Fátima de Miranda Barbosa 2 Pós-graduação em ortopedia e

Leia mais

Fibromialgia. Princípios práticos que auxiliam na indicação e no ajuste do tratamento medicamentoso. reumatologia

Fibromialgia. Princípios práticos que auxiliam na indicação e no ajuste do tratamento medicamentoso. reumatologia Princípios práticos que auxiliam na indicação e no ajuste do tratamento medicamentoso reumatologia Rafael Mendonça da Silva Chakr Ricardo Machado Xavier Do Serviço de Reumatologia do Departamento de Medicina

Leia mais

Classe Médica e Miosan: muitos anos de dedicação, levando a sério a credibilidade e o respeito no tratamento dos pacientes.

Classe Médica e Miosan: muitos anos de dedicação, levando a sério a credibilidade e o respeito no tratamento dos pacientes. Gabarito Classe Médica e Miosan: muitos anos de dedicação, levando a sério a credibilidade e o respeito no tratamento dos pacientes. AVANÇADA TERAPÊUTICA MIORRELAXANTE (1) Indicações: (1,2,3) Lombalgias

Leia mais

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Felipe Azevedo Moretti "Se você só fizer aquilo que sempre fez, só obterá aquilo que sempre obteve. Se o que você está fazendo não está

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da

Leia mais

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral)

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral) Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 5- Psicofármacos e Ansiedade Ansiedade Estado desagradável de tensão, apreensão, inquietação ; Um medo às vezes de origem desconhecida; Sintomas

Leia mais

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Psicofármacos:Transtorno

Leia mais

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas A ansiedade é uma vivência normal que todos os seres humanos experimentam com freqüência. Estado afetivo caracterizado por uma

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim

RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.1408-5 DATA 21/02/2014

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES RENATA CRISTINA CARDOSO FUKUNARU DE LIMA

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES RENATA CRISTINA CARDOSO FUKUNARU DE LIMA 11 UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES RENATA CRISTINA CARDOSO FUKUNARU DE LIMA A FIBROMIALGIA NA VISÃO DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E SEU TRATAMENTO COM ACUPUNTURA Mogi das Cruzes, SP 2012 12 UNIVERSIDADE

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina SOLICITANTE Drª Kellen Cristini de Sales e Souza Juíza de Direito da Comarca de Paraopeba NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0474.14.001582-4

Leia mais

23/07/2013. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas.

23/07/2013. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas. Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

Novos conceitos em fibromialgia

Novos conceitos em fibromialgia Novos conceitos em fibromialgia Objetivos do aprendizado Conhecimentos básicos da fisiopatologia e do tratamento da fibromialgia. Reforçar o caráter clínico do diagnóstico da fibromialgia. Comparar os

Leia mais

EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS

EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS André Kimura 1 ; Ligia Maria Facci²; Valéria Ferreira Garcez³ RESUMO: A fibromialgia é uma doença reumática de causa desconhecida, cujo

Leia mais

SÍNDROME DA FIBROMIALGIA: TRATAMENTO EM PISCINA AQUECIDA

SÍNDROME DA FIBROMIALGIA: TRATAMENTO EM PISCINA AQUECIDA SÍNDROME DA FIBROMIALGIA: TRATAMENTO EM PISCINA AQUECIDA Carina Corrêa Bastos 1 Ediléa Monteiro de Oliveira 2 RESUMO: Este artigo objetiva informar sobre as características patológicas da Síndrome da Fibromialgia

Leia mais

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia Data: 14/05/2014 NOTA TÉCNICA 88/2014 Medicamento x Material Procedimento x Cobertura x Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Processo: 006658-71.2014.8.13.0525 Requerente: IRAILDES

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses.

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses. Vulvodínia Isabel do Val Profª Ad. Ginecologia UFF- Patologia TGI e Colposcopia Presidente da ABPTGIC- Cap RJ Membro ISSVD IFCPC Member Educational Committee Dor Vulvar Caracterizada por queimação associada

Leia mais

REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica)

REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica) REVISÃO: O ENIGMA DA FIBROMIALGIA (também conhecida por Síndrome da fadiga crônica) Jin H, Patil PM, Sharma A. Topical review: the enigma of fibromyalgia. Journal of Oral & Facial Pain and Headache. 2014;

Leia mais

Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia

Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia Melhora a Qualidade de Vida dos Pacientes Diminui a Dor Musculoesquelética Beneficia a Qualidade do Sono Reduz a Incapacidade Relacionada à Doença

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP Prezado aluno, Estes exercícios fazem parte de uma compilação de vários testes e provas que foram utilizadas no passado e formam uma base sólida para estudo. Tente resolvê-los sozinho, ao invés de simplesmente

Leia mais

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais.

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Alternativas terapêuticas farmacológicas. Dr. João Luiz da Fonseca Martins Médico Psiquiatra Uniica . Principais

Leia mais

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05 Para: Contacto na DGS: Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores

Leia mais

DOR PÉLVICA DISMENORRÉIA TPM. Profa. Dra. Maria Bethânia da Costa Chein Departamento de Medicina III

DOR PÉLVICA DISMENORRÉIA TPM. Profa. Dra. Maria Bethânia da Costa Chein Departamento de Medicina III DOR PÉLVICA DISMENORRÉIA TPM Profa. Dra. Maria Bethânia da Costa Chein Departamento de Medicina III Dor pélvica -Sem relação com fluxo menstrual Aguda d. inflamatória Crônica diagnóstico diferencial 2

Leia mais

SÍNDROME DA FIBROMIALGIA e SÍNDROME MIOFASCIAL DR. MILTON HELFENSTEIN JR.

SÍNDROME DA FIBROMIALGIA e SÍNDROME MIOFASCIAL DR. MILTON HELFENSTEIN JR. SÍNDROME DA FIBROMIALGIA e SÍNDROME MIOFASCIAL DR. MILTON HELFENSTEIN JR. SÍNDROME DA FIBROMIALGIA CONCEITO HISTÓRICO Froriep 1843 Adler 1900 miosite Gowers 1904 fibrosite Llewelly e Jones 1915 livro AUSÊNCIA

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão SOLICITANTE Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO

Leia mais

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR Referências Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Capítulos 26 e 29) Paulo Dalgalarrondo Manual

Leia mais

Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012. Solicitante: Medicamento Material Procedimento Cobertura. Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade

Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012. Solicitante: Medicamento Material Procedimento Cobertura. Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012 Solicitante: Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Desembargadora 1ª Câmara Cível do TJMG Medicamento Material Procedimento Cobertura X Tema: Uso do ácido alfa lipóico

Leia mais

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 Data: 05/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz Daniel da Silva Ulhoa Número do processo: 0687130020043-5 MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO RESSÃO, FIBROMIALGIA,

Leia mais

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Alessandro Alves O amor não é aquilo que te deixa feliz, calmo e tranquilo. O nome disso é Rivotril. Frase atribuída a James Brown Benzodiazepínicos Estão entre

Leia mais

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE

FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE FICHA DE INCLUSÃO DO PACIENTE Deverá ser preenchida pelo médico assistente O paciente não pode ter sido incluído na primeira fase do Epifibro Data: / / Nome: DN: / / RG: UF: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino

Leia mais

1 -Polimialgia reumática (dor crônica)

1 -Polimialgia reumática (dor crônica) RESPOSTA RÁPIDA 131/2014 Medicamentos para diabetes e depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Renata Perdigão Juiza de Campo Belo 0112.14.001472-4 DATA 13/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação Cominatória

Leia mais

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Anna Kássia Tavares Alves Chaves Santiago Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa

Leia mais

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO SINTOMAS Emocionais --> tristeza, fossa, baixo astral ansiedade irritabilidade anedonia Psicológicos --> culpa, sensação

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas.

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas. Hiperprolactinemia A hiperprolactinemia é alteração endocrinológica mais comum que ocorre no sistema nervoso central, sendo mais comum no sexo feminino. Além disso, é uma causa freqüente de infertilidade.

Leia mais

Síndrome Fibromiálgica - Fibromialgia 06/08/2014

Síndrome Fibromiálgica - Fibromialgia 06/08/2014 IV Curso de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da Dor Síndrome Fibromiálgica - Fibromialgia 06/08/2014 Hazem Adel Ashmawi 2014 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe

Leia mais

ETIOLOGIA E TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ETIOLOGIA E TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA ETIOLOGIA E TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA José Geraldo da Costa 1, Diogo Carvalho Felício 2, George Schayer Sabino 3 RESUMO Introdução: Fibromialgia é uma síndrome

Leia mais

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Hospital das Clínicas FMUSP 26/09/2015 64% pacientes

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria Diretrizes Assistenciais Medicina Psicossomática e Psiquiatria Versão eletrônica atualizada em fev/2012 TRATAMENTO DE TABAGISMO Indicação: Pacientes tabagistas atendidos na SBIBAE Contraindicação: Não

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

1-Estimulantes psicomotores. 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina

1-Estimulantes psicomotores. 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina 1-Estimulantes psicomotores 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina metilxantinas Café x cafeína Cafeína - Cafeína não deve ser confundida com o café - Cafeína é uma das centenas de sustâncias

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

Bruxismo durante o Sono Flávio Alóe* Lílian Regina Gonçalves** Alexandre Azevedo*** Ricardo Castro Barbosa****

Bruxismo durante o Sono Flávio Alóe* Lílian Regina Gonçalves** Alexandre Azevedo*** Ricardo Castro Barbosa**** 4 ARTIGO Bruxismo durante o Sono Flávio Alóe* Lílian Regina Gonçalves** Alexandre Azevedo*** Ricardo Castro Barbosa**** RESUMO Bruxismo durante o sono (BS) é uma parassonia caracterizada por movimentos

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

Fatores estressantes da fibromialgia tratados em piscina terapêutica e suas repercursões na qualidade de vida

Fatores estressantes da fibromialgia tratados em piscina terapêutica e suas repercursões na qualidade de vida Fatores estressantes da fibromialgia tratados em piscina terapêutica e suas repercursões na qualidade de vida DR. FREDERICO TADEU DELOROSO DOUTOR EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNICAMP DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Descritores: Fibromialgia; Cefaleia Histamínica; Qualidade de Vida; Depressão; Gênero.

Descritores: Fibromialgia; Cefaleia Histamínica; Qualidade de Vida; Depressão; Gênero. Fibromialgia no homem e na mulher: estudo sobre prevalência, semelhanças e diferenças de gênero Fibromyalgia in man and woman: study on prevalence, gender differences and similarities Adham do Amaral e

Leia mais

Nausedron (cloridrato de ondansetrona)

Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Comprimidos Revestidos 8 mg Modelo de Bula para Paciente I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nausedron cloridrato de

Leia mais

Fitness & Performance Journal ISSN: 1519-9088 editor@cobrase.org.br Instituto Crescer com Meta Brasil

Fitness & Performance Journal ISSN: 1519-9088 editor@cobrase.org.br Instituto Crescer com Meta Brasil Fitness & Performance Journal ISSN: 1519-9088 editor@cobrase.org.br Instituto Crescer com Meta Brasil Larios Ribeiro, Karina; Fusco Marinho, Ildélia de Souza Fibromialgia e Atividade Física Fitness & Performance

Leia mais

MIOSAN. cloridrato de ciclobenzaprina APSEN

MIOSAN. cloridrato de ciclobenzaprina APSEN MIOSAN cloridrato de ciclobenzaprina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos revestidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 5 mg. Caixas com 4, 10 e 30 comprimidos revestidos. Comprimidos de 10 mg. Caixas com 10

Leia mais

Correlação entre disfunção temporomandibular e fibromialgia*

Correlação entre disfunção temporomandibular e fibromialgia* ARTIGO DE REVISÃO Correlação entre disfunção temporomandibular e fibromialgia* Correlation between temporomandibular disorder and fibromyalgia Elisa Consalter 1, Monique Lalue Sanches 2, Antonio Sérgio

Leia mais

NEUROPATIA DIABÉTICA. Dr. Edson Marquez Universidade de Uberaba

NEUROPATIA DIABÉTICA. Dr. Edson Marquez Universidade de Uberaba NEUROPATIA DIABÉTICA Dr. Edson Marquez Universidade de Uberaba É DEFINIDA COMO A PRESENÇA DE SINAIS E/OU SINTOMAS DE DISFUNÇÃO DOS NERVOS PERIFÉRICOS EM PESSOAS COM DIABETES, APÓS EXCLUSÃO DE OUTRAS CAUSAS.

Leia mais

Dor crónica. Beatriz Craveiro Lopes

Dor crónica. Beatriz Craveiro Lopes 2010 Dor crónica Beatriz Craveiro Lopes DOR CRÓNICA Definida como uma dor persistente ou recorrente, de duração igual ou superior 3 meses e/ou que persiste para além da cura da lesão que lhe deu origem

Leia mais

Fármacos que atuam nos distúrbios degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA)

Fármacos que atuam nos distúrbios degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA) degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA) Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Distúrbios degenerativos: Perda progressiva

Leia mais

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO PONTOS ESPECIAIS PARA DIVERSOS TRATAMENTOS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO "A saúde é o resultado não só de nossos atos como também de nossos pensamentos." (Mahatma Gandhi) SHIATSU TERAPIA Terapia

Leia mais

Cloridrato de Ondansetrona

Cloridrato de Ondansetrona BULA DO PACIENTE Cloridrato de Ondansetrona HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 2mg/mL 2mL 2mg/mL 4mL cloridrato de ondansetrona Medicamento genérico - Lei nº 9.787 de 1.999 APRESENTAÇÕES Solução injetável -

Leia mais

Dor de cabeça Resumo de diretriz NHG M19 (terceira revisão, janeiro 2014)

Dor de cabeça Resumo de diretriz NHG M19 (terceira revisão, janeiro 2014) Dor de cabeça Resumo de diretriz NHG M19 (terceira revisão, janeiro 2014) Dekker F, Van Duijn NP, Ongering JEP, Bartelink MEL, Boelman L, Burgers JS, Bouma M, Kurver MJ traduzido do original em holandês

Leia mais

CYMBALTA cloridrato de duloxetina D.C.B. 03263

CYMBALTA cloridrato de duloxetina D.C.B. 03263 1 CDS08ABR09 CYMBALTA cloridrato de duloxetina D.C.B. 03263 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO CYMBALTA é apresentado em cápsulas de liberação retardada de cloridrato de duloxetina equivalente a 30 mg de

Leia mais

16/8/2010. Neurofarmacologia Manejo da dor. Componente Periférico e Central. Sensibilização Neurônios Periféricos. Sensibilização wind-up

16/8/2010. Neurofarmacologia Manejo da dor. Componente Periférico e Central. Sensibilização Neurônios Periféricos. Sensibilização wind-up Componente Periférico e Central Neurofarmacologia Manejo da dor Lidiane Filippin Fisioterapeuta Especialista em Dor e Medicina Paleativa - UFRGS Doutora em Medicina: Ciências Médicas - UFRGS Physical Agents

Leia mais

Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM 27/04/ 2015. Ibmed.com.br. Postado por Redação IBMED

Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM 27/04/ 2015. Ibmed.com.br. Postado por Redação IBMED Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM Postado por Redação IBMED 1) Toda Mulher tem TPM. MITO Nem toda mulher sofre com Tensão Pré-Menstrual e há algumas, muito poucas, que não exibem

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1)

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) Redução dos sintomas de esquizofrenia. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C 21 H 25 N 3 O 2 S) 2,C 4 H 4 O 4 Peso Molecular: 833,09 g/mol DCB: 07539 CAS: 111974-72-2

Leia mais

FIBROMIALGIA E RELAÇÕESFAMILIARES AVERSIVAS NA PESPECTIVA COMPORTAMENTAL

FIBROMIALGIA E RELAÇÕESFAMILIARES AVERSIVAS NA PESPECTIVA COMPORTAMENTAL FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACS CURSO DE PSICOLOGIA FIBROMIALGIA E RELAÇÕESFAMILIARES AVERSIVAS NA PESPECTIVA COMPORTAMENTAL FERNANDA CARDOSO DA SILVA BRASÍLIA NOVEMBRO /2005 FERNANDA CARDOSO DA SILVA

Leia mais

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Introdução Depressão é um dos transtornos psiquiátricos mais comuns Classificação Depressão

Leia mais

ACUPUNTURA COMO MÉTODO DE TRATAMENTO PARA FIBROMIALGIA

ACUPUNTURA COMO MÉTODO DE TRATAMENTO PARA FIBROMIALGIA ACUPUNTURA COMO MÉTODO DE TRATAMENTO PARA FIBROMIALGIA Fabiana Machado PIRES 1 Getúlio Antônio de Freitas FILHO 2 Rejane Maria Cruvinel CABRAL 3 Kátia da Silveira FERREIRA 4 Renato Canevari Dutra da SILVA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE FARMÁCIA JULIANA CALDAS REMÉDIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE FARMÁCIA JULIANA CALDAS REMÉDIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE FARMÁCIA JULIANA CALDAS REMÉDIO AGOMELATINA: O PRIMEIRO ANTIDEPRESSIVO AGONISTA MELATONINÉRGICO E REGULADOR DOS RITMOS BIOLÓGICOS Porto Alegre

Leia mais

Depressão diagnóstico e tratamento. Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira

Depressão diagnóstico e tratamento. Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira Depressão diagnóstico e tratamento Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira Depressão maior 1 Sintomas principais: - Humor deprimido + Anedonia + Fadiga ou perda de energia;

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia Julia Appel - Endocrinologista Introdução A hiperprolactinemia é a alteração endócrina mais comum do eixo hipotálamo-hipofisário. Indicações dosagem: Alterações

Leia mais

Estudo clínico-epidemiológico de fibromialgia em um hospital universitário do Sul do Brasil

Estudo clínico-epidemiológico de fibromialgia em um hospital universitário do Sul do Brasil Artigo Original Estudo clínico-epidemiológico de fibromialgia em um hospital universitário do Sul do Brasil Clinical and epidemiological study of fibromyalgia in a university hospital in Southern Brazil

Leia mais

A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA

A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA 9º Curso Pós-Graduado NEDO A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA Andropausa A. Galvão-Teles Lisboa, Fevereiro de 2010 Disfunção testicular no adulto Disfunção eixo hipotálamo-hipófise-gónada Hipogonadismo Testosterona

Leia mais

ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO ATUALIZADA

ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO ATUALIZADA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO ATUALIZADA INTRODUÇÃO Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPIA Marcelo Sousa Maia NOVAFAPI Náyra de Batista - FACID Ana Vannise de Melo Gomes - NOVAFAPI

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica A INFLUÊNCIA DO ESTILO DE VIDA SOBRE A QUALIDADE DE VIDA DE INDIVÍDUO FIBROMIÁLGICO ESTUDO DE CASO 680 Viviane Lídia Zuchi Nava 1,2 Rafaela Liberali 1 RESUMO A síndrome da fibromialgia (SFM) representa

Leia mais

Professora Jennifer Granja Peixoto

Professora Jennifer Granja Peixoto Professora Jennifer Granja Peixoto Defina seus objetivos e, em seguida, elenque quais são os recursos que fornecem aquilo que o paciente necessita e, não espere de um recurso o que ele não se propõe a

Leia mais

CAMILA BARBOSA PIRES ESTUDO DO PERFIL DE PACIENTES FIBROMIÁLGICOS CADASTRADOS NA CLÍNICA ESCOLA SAÚDE DO UNIFOR (CLIFOR)

CAMILA BARBOSA PIRES ESTUDO DO PERFIL DE PACIENTES FIBROMIÁLGICOS CADASTRADOS NA CLÍNICA ESCOLA SAÚDE DO UNIFOR (CLIFOR) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO DE FISIOTERAPIA CAMILA BARBOSA PIRES ESTUDO DO PERFIL DE PACIENTES FIBROMIÁLGICOS CADASTRADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE SAÚDE DO UNIFOR (CLIFOR) FORMIGA MG 2013

Leia mais

Sensações intensas de melancolia, desesperança, desespero; Incapacidade de sentir prazer em atividades usuais;

Sensações intensas de melancolia, desesperança, desespero; Incapacidade de sentir prazer em atividades usuais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 4- Depressão Maior e Distimia Sintomas da Depressão Sensações intensas de melancolia, desesperança, desespero; Incapacidade de sentir prazer

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 330/2014. Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina)

RESPOSTA RÁPIDA 330/2014. Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina) 22/06/2014 RESPOSTA RÁPIDA 330/2014 Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina) SOLICITANTE :Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito de Itapecerica - MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a causa mais comum de dor musculoesquelética generalizada. É a enfermidade reumática mais frequente Os primeiros relatos datam de 1850, onde os pacientes

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Célia Maria Andrade Freitas Corrêa, juíza titular da 4ª vara cível da

Leia mais

Psiquiatria para o clínico Dr. André I. Petroucic Filho 07 maio 2014 Introdução Psiquiatria do dia a dia do clínico Pontos importantes sobre as principais doenças psiquiátricas Depressão, Ansiedade, Doença

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL: PROCEDIMENTOS ESPECIAIS CLÍNICA DA DOR FEVEREIRO/ 2011 ELABORAÇÃO DO VALOR REFERENCIAL: CLÍNICA DA DOR FEVEREIRO DE 2011 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Vonau cloridrato de ondansetrona. Biolab Sanus Farmacêutica. Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml

Vonau cloridrato de ondansetrona. Biolab Sanus Farmacêutica. Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml Vonau cloridrato de ondansetrona Biolab Sanus Farmacêutica Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml Vonau cloridrato de ondansetrona MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

TEMA: Topiramato, Olanzapina, Daforin, Rivotril em paciente com depressão grave.

TEMA: Topiramato, Olanzapina, Daforin, Rivotril em paciente com depressão grave. NOTA TÉCNICA 65/2013 Solicitante Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câmara Cível TJMG RÉU: ESTADO DE MINAS GERAIS E MUNICÍPIO DE ITAPECERICA Data: 05/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo NTRR 41/2013 Solicitante: Juiza Dra.Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Número do processo: 051213001877-7 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 11/04/2013 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA

PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA INTRODUÇÃO MARIANA BLEYER DE FARIA HEILIANE DE BRITO FONTANA MARCELO BITTENCOURT NEIVA DE LIMA Universidade do Estado de

Leia mais

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia do SNC Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia das drogas do SNC Potencial de Membrana Todas as células possuem potencial de membrana: Potencial de membrana é

Leia mais

MIOSAN. cloridrato de ciclobenzaprina USO ADULTO

MIOSAN. cloridrato de ciclobenzaprina USO ADULTO 1 MODELO DE BULA MIOSAN cloridrato de ciclobenzaprina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos Revestidos: Caixas com 10 e 30 comprimidos revestidos de 5 mg. Caixas com 10 e 30 comprimidos revestidos

Leia mais

1.1.1. SOBRE OS MEDICAMENTOS SOLICITADOS

1.1.1. SOBRE OS MEDICAMENTOS SOLICITADOS NTRR 246/2013 Solicitante: Juíz de Direito Dr. Eduardo Monção Nascimento Data: 06/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0104588-25.2013.8.13.0209 Réu: Secretaria Municipal

Leia mais