Anestesias e Anestésicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anestesias e Anestésicos"

Transcrição

1 Anestesias e Anestésicos

2 ANESTESIA É uma palavra de origem grega que quer dizer ausência de sensações. Outra definição é uma "ausência de consciência reversível", seja uma ausência total de consciência (e.g., uma anestesia geral) ou uma ausência de consciência de uma parte do corpo como causam uma anestesia axial ou outro bloqueio de nervo. Este estado de ausência de dor e outras sensações é necessário para a realização de cirurgias ou procedimentos terapêuticos e diagnósticos, podendo ser alcançados de várias maneiras, conforme o tipo de cirurgia ou procedimento.

3 ANALGESIA e ANESTESIA São situações diferentes que utilizam os mesmos anestésicos porém em quantidades diferentes; Analgesia: a quantidade de anestésico injetado é menor, sendo mais superficial, apenas para inibir a dor; Anestesia: utiliza um volume de anestésicos maior, pois o que se pretende é, além de inibir a dor, impedir sensações musculares para que o médico possa, com toda tranquilidade, executar o procedimento cirúrgico. A duração da anestesia é proporcional ao tempo necessário para a intervenção cirúrgica ou do procedimento.

4 AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA A avaliação e o preparo pré-operatório dependerão da gravidade do paciente e da magnitude e do grau de urgência ou emergência da cirurgia ou do procedimento. Sempre que a situação permitir deverá ser realizada anamnese, exame físico e exames complementares.

5 ANAMNESE São úteis as informações: Referentes às enfermidades que o doente possui Suas patologias associadas Os medicamentos em uso A experiência anestésica prévia A alergia à drogas Tipo de alimento ingerido na última refeição Tempo de jejum

6 TIPOS DE ANESTESIAS ANESTESIA GERAL ANESTESIA LOCAL SEDAÇÃO

7 ANESTESIA GERAL É um termo utilizado para designar uma técnica anestésica que promove inconsciência (hipnose) total, abolição da dor (analgesia / anestesia), relaxamento do paciente e perda completa dos reflexos protetores (especialmente das vias aéreas) possibilitando a realização de qualquer intervenção cirúrgica conhecida. É, portanto, a depressão reversível do SNC induzida por drogas resultando em perda da percepção e resposta de todos os estímulos ambientais (externos).

8 ANESTESIA GERAL Elementos: HIPNOSE (inconsciência) ANALGESIA (abolição da dor) RELAXAMENTO MUSCULAR BLOQUEIO DA RESPOSTA NEURO-HUMORAL AO ESTRESSE (sem percepção ambiental, não reage)

9 ANESTESIA GERAL Tipos: ENDOVENOSA INALATÓRIA PURA: são os gases anestésicos e sua potencia é medida pela Concentração Alveolar Mínima (CAM) BALANCEADA

10 ANESTESIA GERAL Estágios ou Profundidade: Planos de Guedel PLANO I (Fase de Analgesia e perda da consciência): administração de analgésico até a perda da consciência PLANO II (Fase de Excitação ou delírio ): perda de consciência ao início padrão respiratório rítmico PLANO III (Anestesia Cirúrgica) PLANO IV (Fase de Parada Respiratória: choque bulbar e morte)

11 ANESTESIA GERAL Monitorização permanente do paciente: Frequência Cardíaca Ritmo Cardíaco Pressão Arterial Frequência Respiratória Saturação Arterial de Oxigênio (SO 2 )

12 ANESTESIA GERAL Fármacos Anestésicos: ENDOVENOSOS: Hipnótico: Barbitúricos: estimulam os receptores GABA A (Ácido gamaaminobutírico) Fenobarbital Tiopental Tiamilal Não Barbitúricos estimulam os receptores GABA A (Ácido gamaaminobutírico) Propofol Etomidato Benzodiazepínicos estimulam os receptores GABA A (Ácido gamaaminobutírico) Diazepam Midazolam Derivado da Fenilciclitina: antagonista NMDA (N-metil-D-aspartato) Ketamina

13 ANESTESIA GERAL Fármacos Anestésicos: ENDOVENOSOS: Hipnótico

14 ANESTESIA GERAL Fármacos Anestésicos: ENDOVENOSOS: Opiódes: Fentanil Sufentanil Alfentanil Remifentanil

15 ANESTESIA GERAL Fármacos Anestésicos: ENDOVENOSOS: Bloqueadores Neuromusculares (Relaxantes Musculares) antagonista dos receptores nicotínicos da Acetilcolina na placa neuromuscular esquelética - curare Pancurônio Atracúrio Succinilcolins: não é metabolizado pela acetilcolinesterase

16 ANESTESIA GERAL Fármacos Anestésicos: INALATÓRIOS: Halotano Sevoflurano Enflurano Isoflurano Desflurano Óxido Nitroso

17 ANESTESIA LOCAL Corresponde ao bloqueio reversível da condução nervosa, determinando perda das sensações sem alteração do nível de consciência. É a injeção de anestésicos locais (AL), que interrompem transitoriamente o desenvolvimento e a progressão do impulso nervoso nas fibras nervosa, em uma pequena área na pele onde a incisão será feita. Quando utilizado sozinho, este tipo de anestesia possui o menor número de riscos. Essa anestesia é empregada em cirurgias de superfície, de porte pequeno ou médio, para procedimentos que envolvem pequenas áreas. São usados vários tipos de AL

18 HISTÓRICO No sec. XIX descobriu-se por acaso o primeiro anestésico local, a Cocaína Eram utilizadas por nativos dos Andes; Foi isola em 1860, por Albert Niemann; Sigmund Freud, estudou suas ações fisiológicas Carl Koller a introduziu em Eurythroxylon coca

19 ESTRUTURA QUÍMICA São bases fracas com pka em torno de 8 a 9; São moléculas anfipáticas, devido ao fato de possuírem porção hidrossolúvel e lipossolúvel: Anel Aromático (benzeno) porção lipossolúvel Ligação: Éster ou Amida Cadeia Hidrocarbônica Grupo Amina Terciária / Secundária porção hidrossolúvel São separados por uma ligação intermediária, que pode ser um éster ou uma amida.

20 ESTRUTURA QUÍMICA A metade hidrofóbica deve ser aromática. O grupo hidrofílico geralmente é uma amina terciária, mas pode ser secundária. Os anestésicos com ligação ester são hidrolizados mais rapidamente. A hidrofobicidade aumenta a potencia e a duração da ação.

21 ESTRUTURA QUÍMICA procaína lidocaína

22 ESTRUTURA QUÍMICA

23 ESTRUTURA QUÍMICA ESTERES Cocaína Procaína Cloroprocaína Tetracaína AMIDAS Lidocaína Bupivacaína Etidocaína Mepivacaína Prilocaína Ropivacaína Tetracaína

24 MECANISMO DE AÇÃO Os Anestésicos Locais impedem a geração e a condução do impulso nervoso, por inibição da atividade elétrica; Bloqueiam o aumento transitório na permeabilidade da membrana ao Na + ; Podem também atuar nos canais de K +, e Ca ++. Devem 1º cruzar a membrana plasmática para produzir seus efeitos anestésicos, mantendo sua forma molecular. ionização impede a ação do anestésico local

25 MECANISMO DE AÇÃO

26 MECANISMO DE AÇÃO Curta Duração: Procaína Clorprocaína Duração Intermediária: Lidocaína Mepivacaína Prilocaína Longa Duração: Tetracaína Ropicacaína Bupivacaína Etidocaína

27 EFEITOS D0 ph Como os anestésicos são bases fracas, eles se ionizam com facilidade em regiões de ph ácido; Como em regiões inflamadas o ph está ácido, ocorre ionização dos anestésicos. Causando diminuição na ação dos Anestésicos Locais

28 AÇÃO DOS VASOSCONSTRICTORES A duração da ação é proporcional ao tempo em que o anestésico encontra-se em contato com o nervo; Pode-se potencializar a ação do anestésico local com a administrando concomitantemente de um VASOCONSTRITOR; Diminui a sua toxicidade sistêmica; Efeito adverso: demora na cicatrização, edema e lesão tecidual.

29 EFEITOS INDESEJÁVEIS Os Anestésicos Locais interferem em todos os órgãos em que ocorre transmissão de impulsos nervosos. Os efeitos são proporcionais a concentração do anestésico local na circulação sistêmica; Podem provocar efeitos indesejáveis nos seguintes órgãos: SNC; Junção Neuromuscular; Músculos

30 HIPERSSENSIBILIDADE Rara Manifestações: dermatites e crises asmáticas Parece ocorrer exclusivamente com anestésicos tipo éster Os tipos amidas, apesar de serem raras, pode ser ocasionadas pelo metilparabeno Vasoconstrictores pela presença do sulfeto

31 FARMACOCINÉTICA Os AL são bem absorvidas pela pele e mucosas Se ligam a proteínas plasmáticas Os AL amino-estéreis são hidrolisadas por esterases plasmáticas e hepáticas Os AL amino-amidas sofrem metabolização hepática pelas enzimas citocromo P450 Os AL são excretados pelos rins A Prilocaína tem como metabólito a O-toluidina, que provoca metemoglobinemia.

32 MÉTODOS DE ADMINISTRAÇÃO ANESTESIA LOCAL ANESTESIA REGIONAL INTRAVENOSA ANESTESIA TRONCULAR ANESTESIA DE PLEXO ANESTESIA ESPINHAL

33 ANESTESIA LOCAL Tipos de Anestesias Anestesia Superficial: o AL é administrado na superfície: dérmica, oral, nasal, árvore brônquica, oftálmica e uretral. Os AL mais utilizados são: Lidocaína, Tetracaína, Dibucaína e Benzocaína Anestesia Infiltrativa: o AL é infiltrado sob a pele. Os AL mais utilizados são: Procaína e Lidocaína

34 ANESTESIA LOCAL Tipos de Anestesias Anestesia Superficial:

35 ANESTESIA LOCAL Tipos de Anestesias Anestesia Infiltrativa: o AL é infiltrado sob a pele. Os AL mais utilizados são: Procaína e Lidocaína

36 ANESTESIA REGIONAL INTRAVENOSA Também denominado Bloqueio de Bier É a injeção intravenosa distal a um manguito de pressão para parar o fluxo sanguíneo após o esvaziamento vascular; Usada em cirurgias ortopédicas dos membro superiores, abaixo do cotovelo e membros inferiores, abaixo do joelho Cirurgia de duração máxima de 50 a 60 minutos e nunca acima de 90 minutos devido a isquemia tecidual Os AL utilizados são: Lidocaína e Prilocaína Complicações: Risco de toxidade sistêmica ao liberar o manquito, neuropráxia ao nível do manquito e dor pela compressão do manquito

37 ANESTESIA REGIONAL INTRAVENOSA Também denominado Bloqueio de Bier

38 ANESTESIA REGIONAL INTRAVENOSA Também denominado Bloqueio de Bier

39 ANESTESIA TRONCULAR O anestésico é injetado próximo aos troncos nervosos, para produzir perda de sensação periférica; É indicada em cirurgias ortopédicas em nível dos dedos das mãos e dos pés e nos procedimentos odontológicos É usado qualquer AL É necessário uma quantidade menor de AL do que na anestesia infiltrativa O início da enestesia pode ser lento

40 ANESTESIA TRONCULAR

41 ANESTESIA TRONCULAR

42 ANESTESIA DE PLEXO Também denominada de Bloqueio de Pexo É a injeção de AL ao nível de um plexo nervoso, determinando o bloqueio da transmissão do impulso nervoso em um conjunto de nervo periféricos e consequentemente resultando na anestesia de uma determinada área ou um membro A mais utilizada é o Bloqueio do Plexo Braquial para as cirurgias dos membros superiores É usado qualquer AL. Determina bloqueio sensitivo e motor

43 ANESTESIA DE PLEXO

44 ANESTESIA ESPINHAL É a injeção de AL na medula espinhal com o objetivo de bloquear a passagem do impulso nervoso pela medula espinhal De acordo com o espaço medular onde é injetado o AL pode-se realizar duas Técnicas Diferentes: Raquianestesia (espaço subaracnóideo) Peridural (espaço epidural)

45 ANESTESIA ESPINHAL

46 ANESTESIA ESPINHAL

47 ANESTESIA ESPINHAL Raquianestesia: O AL é injetado no espaço subaracnóideo atingindo o líquido cefalorraquidiano: espaço entre a dura-máter e a aracnoidemater Determinando bloqueio total: autônomo, sensitivo e motor: simpáticas pré-ganglionares, sensitivas, motoras e proprioceptivas. Usada para cirurgias do abdome, da pelve ou dos membros inferiores Os AL mais utilizados são: Bupivacaína, Ropivacaína, Tetracaína e Lidocaína É utilizado pequena quantidade de AL Pode complicar com cefaleia pela perfuração da dura-máter, hipotensão arterial, bradicardia, náuseas, vômitos, lombalgia, depressão respiratória e falhas no bloqueio

48 ANESTESIA ESPINHAL Peridural (Epidural) O AL é injetado no espaço epidural é o espaço entre o ligamento amarelo e a dura-máter Não atinge o líquido cefalorraquidiano Determina bloqueio apenas da Dor, mantendo a sensação tátil e pressão, o bloquieo motor depende da dose do AL Usada para partos, cirurgias do abdome, da pelve ou dos membros inferiores Os AL mais utilizados são: Bupivacaína, Ropivacaína, Tetracaína e Lidocaína Pode ser associada a Sedação Pode ser introduzido um cateter no espaço epidural para futuras medicações Não determina cefaleia e são menores os efeitos colaterais do que a raquianestesia e não causa hipotensão arterial

49 SEDAÇÃO A sedação pode ser definida entre um simples estado de cooperação, com orientação espaço temporal e tranquilidade ou apenas resposta ao comando, podendo incluir ou não a hipnose. É a anestesia sem perda total dos reflexos.

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP Prezado aluno, Estes exercícios fazem parte de uma compilação de vários testes e provas que foram utilizadas no passado e formam uma base sólida para estudo. Tente resolvê-los sozinho, ao invés de simplesmente

Leia mais

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Rua Professor Alfredo Gomes, 36 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - CEP 22251-080 Tel: (21) 2537-8100 Fax: (21) 2537-8188 Portal: http://www.sba.com.br E-Mail: sba2000@openlink.com.br Departamento de Anestesiologia

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IB 304 CRÉDITOS: 04 (T01,T02,P01,P02,P03,P04) FARMACOLOGIA II Cada Crédito corresponde à 15h/ aula INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO

Leia mais

NOVABUPI ISOBÁRICA cloridrato de levobupivacaína. Solução injetável 0,50% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

NOVABUPI ISOBÁRICA cloridrato de levobupivacaína. Solução injetável 0,50% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE NOVABUPI ISOBÁRICA cloridrato de levobupivacaína Solução injetável 0,50% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Novabupi Isobárica cloridrato de

Leia mais

COM VASOCONSTRITOR SEM VASOCONSTRITOR. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. BULA DO PACIENTE

COM VASOCONSTRITOR SEM VASOCONSTRITOR. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. BULA DO PACIENTE NEOCAÍNA 0,25% - 0,50% - 0,75% COM VASOCONSTRITOR SEM VASOCONSTRITOR Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável frasco ampola de 20mL BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NEOCAÍNA cloridrato

Leia mais

Farmacologia Colinérgica

Farmacologia Colinérgica União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Farmacologia Colinérgica Profa. Dra. Narlize Silva Lira Setembro /2014 Farmacologia Colinérgica Trata

Leia mais

dores do parto parto É muito importante estarem conscientes da origem natural e saudável das dores que estão a sentir entrevista

dores do parto parto É muito importante estarem conscientes da origem natural e saudável das dores que estão a sentir entrevista doresde1:layout 1 11/19/08 10:32 PM Page 24 dores do As dores de constituem um dos maiores medos para as futuras mães. Saber o que fazer e como lidar com as dores pode ajudá-la a enfrentar o trabalho de

Leia mais

O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Um dos maiores desafios das situaçoes de emergência é a aquisição dadas vias respiratórias. No algoritmo para qualquer situação de emergência, a manutenção

Leia mais

APROVADO EM 17-05-2004 INFARMED

APROVADO EM 17-05-2004 INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Septanest 1/200,000, 40 mg/ml + 5 µg/ml, solução injectável. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 ml contém cloridrato de articaína

Leia mais

9/9/2008 CONSIDERAÇÕES GERAIS. Toxicidade. Faixa terapêutica. Concentrações sub-terapêuticas. - Não sofre efeito de primeira passagem

9/9/2008 CONSIDERAÇÕES GERAIS. Toxicidade. Faixa terapêutica. Concentrações sub-terapêuticas. - Não sofre efeito de primeira passagem CONSIDERAÇÕES GERAIS Princípios de Farmacologia: Farmacocinética Farmacodinâmica Concentração plasmática Toxicidade Faixa terapêutica Concentrações sub-terapêuticas Tempo VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS. Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz:

Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS. Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz: Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS Conceitos Básicos Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz: - perda da consciência (narcose), - supressão da percepção dolorosa (analgesia)

Leia mais

Anestesiologia Substâncias anestésicas

Anestesiologia Substâncias anestésicas UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA CLÍNICA ODONTOLÓGICA II Anestesiologia Substâncias anestésicas Alterado em 2014-2 Cocaína: Primeira substância a ser utilizada como anestésico local.

Leia mais

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do

Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Terapêutica da dor 2015 Equipe de Controle da Dor da Divisão de Anestesia do Instituto Central do Hospital das Clínicas FMUSP 26/09/2015 64% pacientes

Leia mais

FASES DA AÇÃO DOS FARMACOS NO FARMACODINÂMICA ORGANISMO HUMANO DROGA ORGANISMO FARMACOLOGIA INTEGRADA I FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA

FASES DA AÇÃO DOS FARMACOS NO FARMACODINÂMICA ORGANISMO HUMANO DROGA ORGANISMO FARMACOLOGIA INTEGRADA I FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACODINÂMICA FASES DA AÇÃO DOS FARMACOS NO ORGANISMO HUMANO DROGA ORGANISMO FARMACOLOGIA INTEGRADA I FARMACOCINÉTICA Vias de administração Absorção Distribuição Biotransformação Eliminação FARMACODINÂMICA

Leia mais

Cláudia Herrera Tambeli

Cláudia Herrera Tambeli Motilidade Gastrointestinal Cláudia Herrera Tambeli Sistema Digestório Função: Fornecer água, eletrólitos e nutrientes ao organismo Atividades Principais: 1- Motilidade 2- Secreções 3- Digestão 4- Absorção

Leia mais

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE Página 1 de 6 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LÁBREA cloridrato de

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia Drogas de Abuso Equipe de Biologia Drogas Qualquer substância capaz de alterar o funcionamento do organismo ilícitas lícitas Drogas de abuso Drogas utilizadas sem indicação médica, tendo por objetivo alterar

Leia mais

Anestesia Inalatória INTRODUÇÃO HISTÓRICO

Anestesia Inalatória INTRODUÇÃO HISTÓRICO CAPÍ T ULO Anestesia Inalatória CAMIL A MACHADO DE S OUZA M A R IA A N GEL A TARDE LLI INTRODUÇÃO A popularidade dos anestésicos inalatórios está relacionada à sua fácil administração e à possibilidade

Leia mais

Modelo de Bula AstraZeneca do Brasil Ltda.

Modelo de Bula AstraZeneca do Brasil Ltda. Modelo de Bula AstraZeneca do Brasil Ltda. XYLOPROCT lidocaína - 21-acetato de hidrocortisona subacetato de alumínio - óxido de zinco FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada. Embalagem com bisnaga contendo

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral)

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral) Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 5- Psicofármacos e Ansiedade Ansiedade Estado desagradável de tensão, apreensão, inquietação ; Um medo às vezes de origem desconhecida; Sintomas

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

Ropi. cloridrato de ropivacaína. Solução injetável 2mg/mL 7,5mg/mL 10mg/mL. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

Ropi. cloridrato de ropivacaína. Solução injetável 2mg/mL 7,5mg/mL 10mg/mL. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Ropi cloridrato de ropivacaína Solução injetável 2mg/mL 7,5mg/mL 10mg/mL Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Ropi cloridrato de

Leia mais

Como a cocaína é consumida Os efeitos imediatos e tardios do consumo contínuo da cocaína Outros nomes para a cocaína Classificação do tipo de droga

Como a cocaína é consumida Os efeitos imediatos e tardios do consumo contínuo da cocaína Outros nomes para a cocaína Classificação do tipo de droga Cocaína 2. Sumário Como a cocaína é consumida Os efeitos imediatos e tardios do consumo contínuo da cocaína Outros nomes para a cocaína Classificação do tipo de droga 1. 3. 4. A Cocaína é proveniente de

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Nimbium GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução injetável 2mg/mL

Nimbium GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução injetável 2mg/mL Nimbium GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução injetável 2mg/mL LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nimbium besilato de cisatracúrio APRESENTAÇÃO Nimbium,

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAIS

RECEPTORES SENSORIAIS RECEPTORES SENSORIAIS Elio Waichert Júnior Sistema Sensorial Um dos principais desafios do organismo é adaptar-se continuamente ao ambiente em que vive A organização de tais respostas exige um fluxo de

Leia mais

Lidocaína. GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme dermatológico 40 mg/g

Lidocaína. GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme dermatológico 40 mg/g Lidocaína GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme dermatológico 40 mg/g I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LIDOCAÍNA Medicamento Genérico, Lei nº. 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Creme dermatológico 40 mg/g: bisnaga

Leia mais

cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg

cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 cloridrato de donepezila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

MODELO DE BULA. ONTRAX cloridrato de ondansetrona

MODELO DE BULA. ONTRAX cloridrato de ondansetrona MODELO DE BULA ONTRAX cloridrato de ondansetrona Forma farmacêutica e apresentações: Caixas com 1 ampola de 2 ml de solução injetável com 4 mg/ 2mL Caixas com 20 ampolas de 2 ml de solução injetável com

Leia mais

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL Cloridrato de Naloxona Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,4mg/mL 1 cloridrato de naloxona Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: cloridrato de naloxona FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

4 Fármacos - Anestésicos Locais e Fluoroquinolonas

4 Fármacos - Anestésicos Locais e Fluoroquinolonas 4 Fármacos - Anestésicos Locais e Fluoroquinolonas 4.1 Introdução aos Anestésicos Locais O primeiro anestésico local (AL) identificado foi a cocaína. Estima-se que a cocaína é consumida pela humanidade

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

BUPSTÉSIC. Sem vasoconstritor. União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução Injetável 5 mg/ml (0,5%)

BUPSTÉSIC. Sem vasoconstritor. União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução Injetável 5 mg/ml (0,5%) BUPSTÉSIC Sem vasoconstritor União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução Injetável 5 mg/ml (0,5%) BUPSTÉSIC cloridrato de bupivacaína Sem vasoconstritor Solução Injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA

Leia mais

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Comprimidos 2 mg DIAFURAN cloridrato de loperamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: DIAFURAN Nome genérico: cloridrato de loperamida

Leia mais

BULA. RUBRANOVA injetável. Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000 mcg/2 ml.

BULA. RUBRANOVA injetável. Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000 mcg/2 ml. BULA RUBRANOVA injetável RUBRANOVA cloridrato de hidroxocobalamina 5.000 e 15.000 mcj Injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000

Leia mais

NAROPIN cloridrato de ropivacaína

NAROPIN cloridrato de ropivacaína NAROPIN cloridrato de ropivacaína I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NAROPIN cloridrato de ropivacaína APRESENTAÇÕES NAROPIN POLYAMP : Solução estéril injetável 2 mg/ml (0,2%) em embalagem com 5 ampolas plásticas

Leia mais

dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL

dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE dicloridrato de cetirizina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO Solução oral 1mg/mL Embalagem

Leia mais

NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml. FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml.

NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml. FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml. NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml. USO PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO: Cada ml da solução injetável contém:

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna 12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos, G1P1A0, hígida, está no terceiro mês pós-parto vaginal sob analgesia peridural, que transcorreu sem intercorrências.

Leia mais

THIOPENTAX tiopental sódico. Pó para solução injetável - 0,5 g Pó para solução injetável - 1 g. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

THIOPENTAX tiopental sódico. Pó para solução injetável - 0,5 g Pó para solução injetável - 1 g. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. THIOPENTAX tiopental sódico Pó para solução injetável - 0,5 g Pó para solução injetável - 1 g Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Thiopentax tiopental sódico 0,5 g / 1 g APRESENTAÇÕES

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BRISTOL-MYERS SQUIBB BUSPAR cloridrato de buspirona Uso oral APRESENTAÇÃO BUSPAR 5 mg é apresentado em cartuchos com 2 blisters

Leia mais

Zofran. cloridrato de ondansetrona

Zofran. cloridrato de ondansetrona Zofran cloridrato de ondansetrona I ) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Comprimidos revestidos, contendo 4mg ou 8mg de ondansetrona

Leia mais

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - PROGEP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - PROGEP SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - PROGEP PROGRAMA Parte 1: Anatomia e Fisiologia 1.1- Órgãos

Leia mais

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO i) DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Sevoflurano Baxter 100%, líquido para inalação por vaporização. ii) COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM EQUIPAMENTO MÉDICO / ODONTOLÓGICO - GASOTERAPIA

Leia mais

DIGESPRID (bromoprida)

DIGESPRID (bromoprida) DIGESPRID (bromoprida) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Cápsula 10mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: DIGESPRID bromoprida APRESENTAÇÃO: Embalagem contendo 20 cápsulas. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS ANEST SICOS LOCAIS. Dr. Hilary Edgcombe, Dr. Graham Hocking John Radcliffe Hospital, Oxford, UK

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS ANEST SICOS LOCAIS. Dr. Hilary Edgcombe, Dr. Graham Hocking John Radcliffe Hospital, Oxford, UK TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS ANEST SICOS LOCAIS Dr. Hilary Edgcombe, Dr. Graham Hocking John Radcliffe Hospital, Oxford, UK Tradução autorizada pela ATOTW #5 por Dra. Maria Eduarda

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos.

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. Dolamin Flex clonixinato de lisina cloridrato de ciclobenzaprina Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. USO ADULTO VIA ORAL Composição Cada comprimido

Leia mais

Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória. Dr. Carlo Domênico Marrone Neurofisiologia Clínica Marrone POA / RS

Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória. Dr. Carlo Domênico Marrone Neurofisiologia Clínica Marrone POA / RS Monitorização Neurofisiológica Intra-Operatória Dr. Carlo Domênico Marrone Neurofisiologia Clínica Marrone POA / RS A monitoração neurofisiológica intraoperatória é baseada em métodos neurofisiológicos

Leia mais

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora.

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. Dizeres de Bula BAMBAIR* cloridrato de bambuterol FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças

Leia mais

Introdução a Neurofisiologia I.

Introdução a Neurofisiologia I. Introdução a Neurofisiologia I. Obs: O texto abaixo apresenta caráter introdutório, dessa forma, não substitui à bibliografia básica indicada. O tecido nervoso acha-se distribuído pelo organismo, interligando-se

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

TRANSMISSÃO SINÁPTICA

TRANSMISSÃO SINÁPTICA Objetivos de aprendizagem ao final da aula do aluno deve: TRANSMISSÃO SINÁPTICA Profa. Geanne Matos de Andrade Dpto de Fisiologia e Farmacologia- UFC Entender o conceito de sinapse Conhecer o histórico

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. GOTAS

MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. GOTAS VOMISTOP cloridrato de metoclopramida MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. GOTAS 4 mg/ml VOMISTOP cloridrato de metoclopramida gotas I- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome Genérico: cloridrato de metoclopramida

Leia mais

COMPOSIÇÃO: COMPRIMIDOS 200 mg 400 mg Carbamazepina DCB 0187.01-1... 200 mg... 400 mg Excipiente q.s.p... 1 comp... 1 comp.

COMPOSIÇÃO: COMPRIMIDOS 200 mg 400 mg Carbamazepina DCB 0187.01-1... 200 mg... 400 mg Excipiente q.s.p... 1 comp... 1 comp. Tegretard Carbamazepina Comprimidos de 200 mg e 400 mg FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Comprimidos: 200 mg e 400 mg Embalagem com 2 e 20 blisteres com 10 comprimidos COMPOSIÇÃO: COMPRIMIDOS 200 mg

Leia mais

PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml

PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml COLÍRIO PRESMIN betaxolol 0,5% MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE

CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Hormônios da gravidez ESTROGÊNIO PROGESTERONA GONADOTROPINA CORIÔNICA PROLACTINA OCITOCINA PROSTAGLANDINA HORMÔNIO

Leia mais

KAVA KAVA HERBARIUM. Kava kava Herbarium é indicado para o tratamento da ansiedade, agitação e insônia.

KAVA KAVA HERBARIUM. Kava kava Herbarium é indicado para o tratamento da ansiedade, agitação e insônia. BULA PARA O PACIENTE KAVA KAVA HERBARIUM Piper methysticum, Piperaceae. PARTE UTILIZADA Rizoma. NOMENCLATURA POPULAR Kava kava. APRESENTAÇÕES Cápsulas gelatinosas duras Extrato seco do rizoma de Piper

Leia mais

Farmacologia Formas farmacêuticas e administração

Farmacologia Formas farmacêuticas e administração PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Formas farmacêuticas e administração Prof. Raimundo Jr, M.Sc Desenvolvimentos dos fármacos 1. Síntese

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

MÉDICO/ANESTESIOLOGIA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

MÉDICO/ANESTESIOLOGIA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos MÉIO/NSTSIOLOGI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos 01 ssinale a alternativa correta em relação à responsabilidade ética e legal do médico anestesiologista. O objetivo da responsabilidade

Leia mais

DIGESAN Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Cápsulas 10mg

DIGESAN Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Cápsulas 10mg DIGESAN Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Cápsulas 10mg Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura

Leia mais

Considerações relativas às questões envolvendo TOXICOLOGIA e FARMACOGNOSIA da prova de Perito-PCDF-tipo 6

Considerações relativas às questões envolvendo TOXICOLOGIA e FARMACOGNOSIA da prova de Perito-PCDF-tipo 6 Considerações relativas às questões envolvendo TOXICOLOGIA e FARMACOGNOSIA da prova de Perito-PCDF-tipo 6 Prof. Alessandro Observações: Considerando que a farmacocinética avalia o trânsito do fármaco no

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA. Composição: Cada comprimido de VENORUTON contém 500 mg de rutosídeo. Excipientes: macrogol e estearato de magnésio.

MODELO DE TEXTO DE BULA. Composição: Cada comprimido de VENORUTON contém 500 mg de rutosídeo. Excipientes: macrogol e estearato de magnésio. MODELO DE TEXTO DE BULA VENORUTON rutosídeo Forma farmacêutica e apresentações: Comprimidos. Embalagem contendo 20 comprimidos. Cápsulas. Embalagem contendo 20 cápsulas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição:

Leia mais

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI Princípios do Tratamento da Dor Oncológica Odiléa Rangel Gonçalves Serviço de Anestesiologia Área de Controle da Dor Princípios do Tratamento da Dor Oncológica

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Doença de Parkinson. A atividade física é parte fundamental na preservação das funções motoras dos pacientes parkinsonianos.

Doença de Parkinson. A atividade física é parte fundamental na preservação das funções motoras dos pacientes parkinsonianos. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Doença de Parkinson Prof. Dr. Luiz Augusto Franco de Andrade 1) Como é feito o tratamento? Como é

Leia mais

de sede é tão fraco, encia, 37% dos seres humanos a confunde com a fome? imperceptível retardará o metabolismo em aproximadamente 3%. de Washington.

de sede é tão fraco, encia, 37% dos seres humanos a confunde com a fome? imperceptível retardará o metabolismo em aproximadamente 3%. de Washington. Você sabia que O O mecanismo da sensação de sede é tão fraco, que com freqüencia encia, 37% dos seres humanos a confunde com a fome? Ainda mais, uma desidratação imperceptível retardará o metabolismo em

Leia mais

As Complicações das Varizes

As Complicações das Varizes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira As Complicações das Varizes Chamamos de Tipo 4 ou IVFS - Insuficiência Venosa Funcional Sintomática,

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Médico Anestesiologista

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Médico Anestesiologista Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014 Médico Anestesiologista Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 09 de fevereiro de 2014 Nível Superior Médico Anestesiologista GABARITO

Leia mais

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória.

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Como Superar a Disfunção Erétil (DE) e a Ejaculação Precoce (EP). Maximen Urologia Especializada O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Mensagem Importante

Leia mais

EXPECTAMIN. (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA.

EXPECTAMIN. (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. EXPECTAMIN (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Solução Oral 0,4 mg/ ml + 4 mg/ml + 20 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

Apresentação: Cartucho contendo 3 blísteres com 10 comprimidos Cartucho contendo frasco de vidro com 30 comprimidos

Apresentação: Cartucho contendo 3 blísteres com 10 comprimidos Cartucho contendo frasco de vidro com 30 comprimidos Primosiston acetato de noretisterona etinilestradiol Informação importante! Leia com atenção! Forma farmacêutica: Comprimido Apresentação: Cartucho contendo 3 blísteres com 10 comprimidos Cartucho contendo

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II NESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II A Terapêutica é um torrencial de Drogas das quais não se sabe nada em um paciente de que

Leia mais

Zina. (dicloridrato de levocetirizina)

Zina. (dicloridrato de levocetirizina) Zina (dicloridrato de levocetirizina) Bula para paciente Comprimido revestido 5 mg Zina (dicloridrato de levocetirizina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Comprimido revestido

Leia mais

Potencial de ação: Evento elétrico/químico que se inicia na região do axônio próxima ao corpo celular e desloca-se em direção aos botões terminais.

Potencial de ação: Evento elétrico/químico que se inicia na região do axônio próxima ao corpo celular e desloca-se em direção aos botões terminais. Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 3- Bases Psicológicas e Neurais da Psicofarmacologia Neurônios: estrutura básica Soma: contém o núcleo que garante os processos vitais da célula.

Leia mais

BENALET. cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio. Benalet em embalagens múltiplas contendo 25 envelopes com 4 pastilhas cada.

BENALET. cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio. Benalet em embalagens múltiplas contendo 25 envelopes com 4 pastilhas cada. BENALET cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Benalet Nome genérico: cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio.

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 14 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ACREDITE EM VOCÊ Profª Elaine Terroso Esse material foi elaborado

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS Página Responsáveis Preparado por: Enfermeiros Analisado por: Serviço de Enfermagem Aprovado por: DAS. Objetivos. Aplicação Padronizar as técnicas de avaliação dos Sinais Vitais a fim de otimizar o serviço

Leia mais

RETEMIC. cloridrato de oxibutinina

RETEMIC. cloridrato de oxibutinina 1 Modelo de Bula RETEMIC cloridrato de oxibutinina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Comprimidos de 5 mg - Caixas contendo 30 e 60 comprimidos. Xarope 1 mg/ml - Frascos contendo 120 ml. COMPOSIÇÃO:

Leia mais

Farmacologia Dinâmica

Farmacologia Dinâmica V e t e r i n a r i a n D o c s Farmacologia Dinâmica Introdução à Farmacologia do Sistema Nervoso -Neurônio e as Células Gliais: Partes do Neurônio: corpo celular (núcleo, retículo endoplasmático rugoso,

Leia mais

bromoprida EMS S/A Cápsula dura 10 mg

bromoprida EMS S/A Cápsula dura 10 mg bromoprida EMS S/A Cápsula dura 10 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO bromoprida "Medicamento Genérico, Lei nº. 9.787, de 1999". APRESENTAÇÃO Cápsula dura de 10mg. * ** USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO

Leia mais

-FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES

-FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES CETONEO cetoconazol -FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimido 200mg: Embalagens com 10 e 500* comprimidos. Creme Dermatológico 20mg/g: Embalagens contendo 1 e 50* bisnagas com 30g. *Embalagem Hospitalar.

Leia mais

Anexo III. Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos

Anexo III. Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos Anexo III Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos Nota: Este Resumo das Características do Medicamento e o folheto informativo resultam do procedimento

Leia mais