Produção de híbridos comerciais de tomateiro do grupo cereja cultivados no sistema hidropônico e conduzidos com diferentes números de hastes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção de híbridos comerciais de tomateiro do grupo cereja cultivados no sistema hidropônico e conduzidos com diferentes números de hastes"

Transcrição

1 Produção de híbridos comerciais de tomateiro do grupo cereja cultivados no sistema hidropônico e conduzidos com diferentes números de hastes Guilherme Brunhara Postali 1 ; Ernani Clarete da Silva 1 ; Gabriel Mascarenhas Maciel 1 1 Universidade José do Rosário Vellano - ICA -UNIFENAS, Caixa Postal 23, Alfenas - MG RESUMO O presente trabalho foi desenvolvido na Universidade de Alfenas, Instituto de Ciência Agrárias com o objetivo de avaliar, em condições de cultivo hidropônico, a produção de dois híbridos comerciais de tomateiro do grupo cereja cultivados com diferentes números de hastes. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso em esquema fatorial 3 x 2, com 3 repetições. Os fatores estudados foram 3 sistemas de cultivo (1, 2 e 4 hastes) e duas cultivares híbridas de tomateiro (Pepe e Super Sweet ). As características avaliadas foram: número de frutos por planta; produção de fruto por planta e peso do fruto. Foram observadas diferenças significativas em relação as cultivares e em relação ao número de hastes, sem contudo haver significâncias para a interação dos fatores. Conclui-se que é viável o cultivo hidropônico de ambas as cultivares e a condução deve ser com apenas 1 haste. PALAVRAS-CHAVE: Lycopersicon esculentum Mill, hidroponia ABSTRACT Yield of commercial tomato plants hybrids of cherry group growing in hydroponic system with different numbers of stems. This work was carried out at University of Alfenas, Institute of Agrarian Science with the objective of evaluating in hydroponic conditions, tomato plants yield of the cherry group growing with different numbers of stems. The experimental design was a complete randomized blocks in a factorial scheme 3 x 2 and 3 replications. The factors studied were 3 conduction systems (1, 2 and 4 stem) and 2 commercial hybrid of tomato plant cultivars (Pepe and Super Sweet ). The characteristics evaluated were: number of fruit per plant; fruit yield per plant and average weight per fruit. It was observed significant differences in relation cultivars and in relation numbers of stem. There were not significant differences for factor interaction. Its was concluded that is viable hydroponics growing of both cultivars and the plant conduction bee must with only one stem. KEYWORDS: Lycopersicon esculentum Mill, hydroponics system

2 INTRODUÇÃO Os frutos do tomateiro do grupo cereja são pequenos e as plantas são de crescimento indeterminado, com número de frutos por penca variando de 15 a 50. Os frutos podem ser redondos ou compridos com peso variando entre 10 e 30g (Diez Niclos, 1995). O cultivo hidropônico dessa espécie é possível desde que sejam feitas adaptações locais relacionadas principalmente, à condução da planta (Barbosa, Lima e Silva, 2002). O cultivo hidropônico de tomateiro é feito pela técnica NFT (Nutrient Film Techinique) que consiste na circulação de solução nutritiva através de canais, que simultaneamente, irriga e fertiliza as plantas postadas ao longo dos mesmos (Furlani 1999). Vários autores observam que a condução da planta em termos de número de hastes, tem influência na produção e no tamanho dos frutos. Assim, o maior número de hastes ou maior adensamento das plantas resulta em maior produção de fruto, além de diminuir o tamanho do mesmo, o que é desejável já que é uma característica da planta (Diez Niclos, 1995; Gusmão et al. 2000; Barbosa, Lima e Silva, 2002). Entretanto, maiores adensamento ou condução com maior número de hastes é inviável devido a dificuldade de manejo da planta, do maior sombreamento, do arejamento deficiente e, consequentemente, da maior incidência de doenças fúngicas (Barbosa, Lima e Silva, 2002). Neste contexto, o manejo da planta no que diz respeito ao número de hastes é importante no sentido de se otimizar os parâmetros de produção, principalmente quando se trata de cultivares híbridas. Assim, o objetivo deste trabalho foi verificar o efeito do número de hastes na condução de dois híbridos comerciais de tomateiro do grupo cereja em cultivo hidropônico. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido nas dependências da Universidade José do Rosário Vellano (UNIFENAS), área de cultivo protegido do setor de Olericultura e Experimentação da Faculdade de Ciências Agrárias, durante o ano de Utilizou-se uma estrutura de proteção modelo capela com 450 m 2, 9 metros de largura por 50 metros de comprimento e 2 metros de pé direito, coberta com película de polietileno transparente de baixa densidade aditivada anti U-V, de 150 micra de espessura. O material utilizado constou de dois híbridos comerciais de tomateiro do grupo cereja de crescimento indeterminado: Pepe, cedido pela Takii do Brasil Ltda e Super Super Sweet, cedido pela Rogers. As mudas foram produzidas em placas de espuma fenólica previamente lavadas com água corrente. Após a germinação, as placas foram levadas para o berçário onde receberam solução nutritiva através de subirrigação com solução

3 nutritiva, com metade da diluição da fase definitiva. Quando as mudas apresentaram 6 folhas definitivas, o que ocorreu aos 35 dias do semeio, as mesmas foram transferidas para canais de cultivo onde permaneceram até o final da pesquisa. Os canais de cultivo foram construídos com material plástico onde, no chão, espaçados de 0,80m e com declive de 2%, foram esticadas tiras de plástico de 75cm de largura e 18m de comprimento. Em mourões dispostos na cabeceira de cada canal foi esticado um fio de arame a 20cm de altura. As extremidades destas tiras de plástico foram presas com clips neste arame formando canais triangulares com base de 20cm apoiado no solo. A solução nutritiva usada, tanto na fase de berçário quanto na fase definitiva, foi elaborada com base em Furlani et al., 1999 e constou da seguinte composição, em ppm: N =180; P =60; K = Ca =200; Mg = 50; S = 100; B = 0,6; Mn = 0,7; Cu = 0,1; Zn = 0,1; Mo =0,01 e Fe =2. Em termos hidropônicos, o volume de solução nutritiva foi calculado para 5 L/planta e mantidas com CE de 3,5 ms/cm (Furlani et al, 1999). Até a emissão dos primeiros ramos florais, a circulação da solução nutritiva deu-se de 15 em 15 minutos das 06 horas às 18 horas. A partir das 18 horas até as 6 horas, a solução nutritiva circulava por 15 minutos e estacionava por 4 horas. Após a emissão dos primeiros ramos florais, a solução nutritiva circulava por 15 minutos e estacionava por 45 minutos 24 horas por dia, até o final do experimento. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso em esquema fatorial 3 x 2, com 3 repetições. Os fatores estudados foram 3 sistemas de cultivo (1, 2 e 4 hastes) e duas cultivares híbridas de tomateiro (Pepe e Super Super Sweet ). Cada parcela foi composta de 5 plantas sendo as três plantas do centro de cada fileira, consideradas úteis para as avaliações e as características avaliadas foram: número de frutos por planta; produção de fruto por planta e peso do fruto. No tratamento conduzido com uma haste, as plantas foram espaçadas de 0,30 m e conduzidas na vertical tutoradas com fitilhos. No tratamento com 2 e 4 hastes o espaçamento foi de 1,0 m e 1,50 m respectivamente, com as plantas conduzidas na horizontal, fixados em arames esticados a 0,80 m e 1,10 m sobre os canais de cultivo. RESULTADOS E DISCUSSÃO Para número de frutos por planta não foi observada interação significativa entre os fatores estudados. As cultivares mantiveram um mesmo padrão para produção de frutos. A cultivar Pepe foi significativamente superior a cultiva Super Sweet (Tabela 1). Para ambas as cultivares, o maior número de hastes proporcionou significativamente o maior número de frutos produzidos por planta.

4 Tabela 1- Número de frutos produzidos por planta em função da condução da planta em termos do número de hastes. ICA-UNIFENAS, 2003* Número de hastes Pepe 471,66aA 433,88 ba 328,76 ca Cultivares CV % 8,55 8,55 Super Sweet 311,44aB 246,10 bb 222,32 cb *As médias seguidas por letras distintas minúsculas na vertical e maiúsculas na horizontal diferem entre si ao nível de 5% indicado pelo teste de Tukey. Com relação a produção de frutos por planta não houve ocorrência de interação entre os fatores. Por outro lado, a cultivar Pepe foi significativamente superior à cultivar Super Sweet, independente do número de hastes com que foram conduzidas (Tabela 2). Provavelmente, o número maior de frutos produzidos pela cultivar Pepe tenha resultado em maior produção por planta. Para ambas as cultivares, a condução com apenas uma haste promoveu a menor produção não ocorrendo diferenças significativas entre a condução com 2 e 4 hastes. Tabela 2 - Produção de frutos por planta (g) em função da condução da planta. ICA- UNIFENAS, 2003* Número de hastes CV % 8,73 Pepe 3697,71aA 3647,17aA 2977,43bA Cultivares Super Sweet 2542,20aB 2218,67aB 2089,10bB *As médias seguidas por letras distintas minúsculas na vertical e maiúsculas na horizontal diferem entre si ao nível de 5% indicado pelo teste de Tukey. Em termos de peso médio de frutos, não houve nenhuma diferença significativa em função dos fatores número de hastes e cultivares. Tanto a cultivar Pepe quanto a cultivar Super Sweet produziram frutos do mesmo tamanho em qualquer tipo de condução. Para a cultivar Pepe, o peso médio de frutos foi de 9,24; 8,42 e 7,84g para 1, 2 e 4 hastes, respectivamente, enquanto que para a cultivar Super Sweet observou-se 9,42; 9,02 e 8,16 g para 1, 2 e 4

5 hastes. Este resultado induz concluir que a condução que produza o maior número de frutos deva ser a melhor uma vez que não interferiu no peso dos mesmos. Entretanto, é importante observar que, a condução com maior número de hastes é feita com maior espaçamento entre plantas dentro da fileira implicando em maior área ocupada por planta. Este fato coloca a condução com uma haste mais produtiva em termos de produção/área. O fato da cultivar Super Sweet ter se mostrado menos produtiva pode ser explicada pela sua constituição genética já que não houve interação entre os fatores. Silva, Monteiro Filha e Maciel (2003) estudando a produção de tomateiros do grupo cereja (selvagem) concluíram pela significância dos resultados, que a condução com 4 hastes é mais vantajosa. Entretanto ressaltaram a dificuldade da condução em menor espaçamento em virtude do ataque de doenças e complicação nos tratos culturais. Barbosa, Lima e Silva (2002) estudando o comportamento deste grupo de tomate em crescimento natural, também chegaram as mesmas conclusões. Uma análise preliminar considerando os dados da primeira colheita também não foi verificado nenhuma diferença significativa sendo que para a cultivar Pepe, o peso médio dos frutos foi 14,27; 11,82 e 10,19 g para 1, 2 e 4 hastes, respectivamente, e 12,39; 13,84 e 13,67 g para 1, 2 e 4 hastes, respectivamente para a cultivar Super Sweet. Desta forma, conclui-se que é viável o cultivo hidropônico de ambas as cultivares e a condução deve ser com apenas 1 haste em espaçamento de 0,30 m entre plantas. LITERATURA CITADA BARBOSA, R. M., LIMA, M. C. B., SILVA, E. C. da. Uma experiência com o cultivo hidropônico do tomateiro do grupo cereja em Maceió, AL In: 42 Congresso Brasileiro de Olericultura e 11 Congresso Latino Americano de Horticultura, 2002, Uberlândia (MG). Horticultura Brasileira, Brasília, DF, v.20,n.2, julho, 2002, Suplemento, 2.CD-Rom DIEZ NICLOS, J. Tipos varietables. In: Nuez, F. (Coord.) El cultivo del tomate. Madrid: Mundi Prensa p FURLANI, P.R.; SILVEIRA, L.C.P.; BOLONHEZI, D.; FAQUIN, V. Cultivo hidropônico de plantas. Campinas, IAC p. (Boletim Técnico). GUSMÃO, S.A..L. de; PÁDUA, J.G. de; GUSMÃO, T.A. de; BRAZ, L.T. Efeito da densidade de plantio e forma de tutoramento na produção de tomateiro tipo cereja em Jaboticabal -SP. Horticultura Brasileira, v.18, 2000(suplemento 200 SILVA, E.C. da; GAMBINI FILHA, E.M.; MACIEL, G.M. Produção de tomateiros do grupo cereja cultivados no sistema hidropônico com diferentes números de hastes. In: 43 Congresso Brasileiro de Olericultura, 2003, Recife (PE). Horticultura Brasileira, Brasília, DF, v.21, n.2, julho, 2003, Suplemento 2. CD - ROM

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Cândido Alves da Costa; Sílvio Júnio Ramos; Simone Nassau Zuba; Wagner Fabian. UFMG-Núcleo de Ciências Agrárias, C. Postal

Leia mais

Biologia floral do meloeiro em função de doses de nitrogênio em ambiente protegido.

Biologia floral do meloeiro em função de doses de nitrogênio em ambiente protegido. Biologia floral do meloeiro em função de doses de nitrogênio em ambiente protegido. Roberto Cleiton Fernandes de Queiroga 1 ; Mário Puiatti 1 ; Paulo Cezar Rezende Fontes 1 ; Paulo Roberto Cecon 2 ; Ancélio

Leia mais

Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação.

Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação. Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação. Saint Clair Lira Santos 1 ; José Francismar de Medeiros 1 ; Maria Zuleide de Negreiros 1 ; Maria José Tôrres

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima.

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Kátia de Lima Nechet (1) ; Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira (1) ; Paulo Roberto Valle da Silva

Leia mais

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola.

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Marie Yamamoto Reghin; Rosana Fernandes Otto; Carlos Felipe Stülp Jacoby; Jean Ricardo Olinik; Rafael Pagano

Leia mais

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia.

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia. Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Suporte no Crescimento e Produção de Alface em Cultivo Protegido e Hidroponia. Francisco José Alves Fernandes Távora 1 ; Pedro Renato Aguiar de Melo 1 Universidade

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE J. P. B. M. COSTA, 1, R. L. SILVA 1, R. A. A. GUEDES 1, F. M. S. BEZERRA 1, R. C. CUNHA, M. W. L. SOUZA 1, F. A. OLIVEIRA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Preparados Homeopáticos na Produção de Tomate em Sistemas Orgânicos. Homeopathic Preparations in the Organic Production System of Tomatoes

Preparados Homeopáticos na Produção de Tomate em Sistemas Orgânicos. Homeopathic Preparations in the Organic Production System of Tomatoes Preparados Homeopáticos na Produção de Tomate em Sistemas Orgânicos Homeopathic Preparations in the Organic Production System of Tomatoes MODOLON,Tatiani Alano.Centro de Ciências Agroveterinárias. Universidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO RESUMO ABSTRACT Juliano Tadeu Vilela de Resende 1 Elisabete Domingues Salvador 1 Marcos Ventura Faria 1 Nicolau Mallmann

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

Produtividade de tomate, cv. Débora Pto, em função de adubação organomineral via foliar e gotejamento.

Produtividade de tomate, cv. Débora Pto, em função de adubação organomineral via foliar e gotejamento. CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos Produtividade

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo.

Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo. Produção e eficiência de uso da radiação fotossinteticamente ativa pelo morangueiro em diferentes ambientes de cultivo. Jaime Duarte Filho 1 ; Silvana C. S. Bueno 2 1 Fazenda Experimental de Caldas EPAMIG,

Leia mais

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Sustentação das Plantas nas Condições Ambientais do Cultivo Protegido de Alface em Sistema Hidropônico.

Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Sustentação das Plantas nas Condições Ambientais do Cultivo Protegido de Alface em Sistema Hidropônico. Efeitos do Tipo de Cobertura e Material de Sustentação das Plantas nas Condições Ambientais do Cultivo Protegido de Alface em Sistema Hidropônico. Francisco José Alves Fernandes Távora 1, Pedro Renato

Leia mais

Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido

Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA 28.09 a 01.10.2015 Desempenho de sistemas de irrigação na produção ecológica de rabanete utilizando água residuária tratada em ambiente protegido

Leia mais

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem.

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Sérgio Weine Paulino Chaves 1 ; Benito Moreira de Azevedo 1 ; Francisco Marcus Lima Bezerra 1 ; Neuzo Batista de Morais

Leia mais

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação.

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Manoella Ingrid de O. Freitas; Maria Zuleide de Negreiros; Josivan

Leia mais

Produção de Agrião D água em Hidroponia com Diferentes Soluções Nutritivas e Densidades de Plantio 1.

Produção de Agrião D água em Hidroponia com Diferentes Soluções Nutritivas e Densidades de Plantio 1. Produção de Agrião D água em Hidroponia com Diferentes Soluções Nutritivas e Densidades de Plantio 1. Manuel B. Novella 2 ; Osmar S. Santos 2 ; Danton C. Garcia 2 ; Silvia S. Sinchak 2 ; Eliseu G. Fabbrin

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO Rodrigo de Rezende Borges Rosa 1 ; Delvio Sandri 2 1 Eng. Agrícola, Discente do Mestrando Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1.

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. Mauto de Souza DINIZ 2 ; Arlene Maria Gomes OLIVEIRA 2 ; Nelson Luz PEREIRA 3 ; Jackson Lopes de OLIVEIRA 4 RESUMO:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO Francisco Rodrigues Leal 1 ; Jopson Carlos Borges de Moraes 2. 1 Universidade Federal do

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DE CULTIVARES DE ALFACE EM SISTEMA HIDROPÔNICO TIPO NFT.

CRESCIMENTO INICIAL DE CULTIVARES DE ALFACE EM SISTEMA HIDROPÔNICO TIPO NFT. CRESCIMENTO INICIAL DE CULTIVARES DE ALFACE EM SISTEMA HIDROPÔNICO TIPO NFT. BARBOSA, Rogério Zanarde 1 ARAÚJO, Henrique Manoel 1 BONFANTE, Jonas William 1 YASSUDA, Mirian 1 1 Acadêmicos do curso de Agronomia

Leia mais

Crescimento da alface americana em função da retirada do nitrogênio da solução

Crescimento da alface americana em função da retirada do nitrogênio da solução MARTINS, AD; COELHO FS; FONTES, PCR; BRAUN H. Crescimento da alface americana com a retirada de Crescimento da alface americana em função da retirada do nitrogênio da solução nutritiva. nitrogênio da solução

Leia mais

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS NA CULTURA DA ALFACE CRESPA ROXA CLEBER LÁZARO RODAS 1 ; JANICE GUEDES DE CARVALHO 2 ; LAURO LUIS PETRAZZINI 3 ; JONY EISHI YURI 4 ; ROVILSON JOSÉ DE SOUZA 5. RESUMO O presente

Leia mais

Produção de mudas de alface crespa em diferentes tipos de bandejas, em Várzea Grande-MT.

Produção de mudas de alface crespa em diferentes tipos de bandejas, em Várzea Grande-MT. Produção de mudas de alface crespa em diferentes tipos de bandejas, em Várzea Grande-MT. Adriana Quixabeira Machado 1 ; Roberto Henrique Bogorni Neto 1 ; Andréia Quixabeira Machado 1 ; Luis Carlos Coelho

Leia mais

Influência de tipos de bandejas e idade de transplantio na produção de mudas de tomate tipo italiano.

Influência de tipos de bandejas e idade de transplantio na produção de mudas de tomate tipo italiano. Influência de tipos de bandejas e idade de transplantio na produção de mudas de tomate tipo italiano. Victoria R. Santacruz Oviedo 1, Paulo César Taveres de Melo 1, Keigo Minami 1 1 ESALQ-USP-Departamento

Leia mais

Preparados homeopáticos no controle da pinta preta do tomateiro.

Preparados homeopáticos no controle da pinta preta do tomateiro. Preparados homeopáticos no controle da pinta preta do tomateiro. Palmira R.Righetto Rolim 1 ; Jesus G.Töfoli 1 ; Ricardo J.Domingues 1 ; Fabrício Rossi 2. 1 Instituto Biológico, CP 12.898, 04010-970, São

Leia mais

Eficiência Produtiva da Batata-Doce em Função de Doses de Fósforo e do Sistema de Plantio Sem Uso de Defensivos.

Eficiência Produtiva da Batata-Doce em Função de Doses de Fósforo e do Sistema de Plantio Sem Uso de Defensivos. Eficiência Produtiva da Batata-Doce em Função de Doses de Fósforo e do Sistema de Plantio Sem Uso de Defensivos. Ademar P. de Oliveira 1 ; José Elenilson L. da Silva 2 ; Walter Esfraim Pereira 1 ; Genildo

Leia mais

UNIS MG. Avenida Cel. José Alves, 256 Vila Pinto. 37010-540 Varginha MG.

UNIS MG. Avenida Cel. José Alves, 256 Vila Pinto. 37010-540 Varginha MG. QUEIZOZ RL; BAVUSO NETO P; SILVA EC. Produção orgânica de mudas de alface. 2010. Horticultura Brasileira Produção orgânica de mudas de alface. 28: S2772-S2779. Produção orgânica de mudas de alface. Roberto

Leia mais

PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS

PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS MICHEL ALDRIGHI GONÇALVES 1 ; CARINE COCCO 1 ; LUCIANO PICOLOTTO 2 ; LETICIA VANNI FERREIRA 1 ; SARAH FIORELLI DE CARVALHO 3 ; LUIS EDUARDO

Leia mais

DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA

DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA DESEMPENHO PRODUTIVO DE MIRTILEIRO (Vaccinium corymbosum) EM FUNÇÃO DO USO DE TORTA DE MAMONA LUCIANO PICOLOTTO 1 ; MICHEL ALDRIGHI GONÇALVES 2 ; GERSON KLEINICK VIGNOLO 2 ; LETICIA VANNI FERREIRA 2 ;

Leia mais

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal.

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Nuno R. Madeira 1 ; Francisco V. Resende 1 ; Dejoel B. Lima 1 ; Hugo C. Grillo 1 1 Embrapa Hortaliças,

Leia mais

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas.

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. João R. Crisóstomo 1 ; Lorna F. Falcão 2 ; Fernando A. S. de Aragão 3 ; Jalmi G. Freitas 4 ; Jefté F.

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

Autores. Abstract. 18 a 20 de outubro de 2000 Vila Velha Palace Hotel Ponta Grossa Paraná

Autores. Abstract. 18 a 20 de outubro de 2000 Vila Velha Palace Hotel Ponta Grossa Paraná SISTEMA COMPUTADORIZADO PARA O MONITORAMENTO DE FATORES AMBIENTAIS E CONTROLE DA QUALIDADE DA SOLUÇÃO NUTRITIVA NO CULTIVO HIDROPÔNICO EM CASAS DE VEGETAÇÃO Autores Pedro Paulo da Cunha Machado Email:

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005

ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005 37 ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005 Edilene Valente Alves (1), Joyce Cristina Costa (1), David Carlos Ferreira Baffa (2), Plínio César Soares (3),

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE RESFRIAMENTO DA SOLUCÃO NUTRITIVA EM CULTIVO HIDROPÔNICO DA ALFACE (Lactuca sativa L.)

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE RESFRIAMENTO DA SOLUCÃO NUTRITIVA EM CULTIVO HIDROPÔNICO DA ALFACE (Lactuca sativa L.) DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE RESFRIAMENTO DA SOLUCÃO NUTRITIVA EM CULTIVO HIDROPÔNICO DA ALFACE (Lactuca sativa L.) Eline Paula Figueira Cazaroti 1, Diene Maria Bremenkamp 2, Leonardo Raasch Hell 1, Gabriel

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE.

DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE. DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE. ROMEU DE CARVALHO ANDRADE NETO 1 ; ANA MARIA ALVES DE SOUZA RIBEIRO 2 ; CAROLINY IZABEL ARAÚJO DE FREITAS

Leia mais

Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos

Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos João Bosco C. da Silva; Jairo Vidal Vieira; Cristina Maria M. Machado; Graziella B. de Lima. Embrapa

Leia mais

Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo

Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo Teores de vitamina C, licopeno e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro produzidos em ambiente protegido e no campo Fabiano Ricardo Brunele Caliman; Derly José Henriques da Silva 1 ; Camilo

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP

ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP FERREIRA, Renato de Araújo renato_a_f@hotmail.com GIACOMETTI,

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica Casca de café carbonizada para produção de mudas de alface Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira (1), Fábio Pereira

Leia mais

Produtividade de Cebolinha e Rabanete Cultivados Solteiros e Consorciados sob Manejo Orgânico

Produtividade de Cebolinha e Rabanete Cultivados Solteiros e Consorciados sob Manejo Orgânico Produtividade de Cebolinha e Rabanete Cultivados Solteiros e Consorciados sob Manejo Orgânico Productivity of bunching onion and radish single and intercropped under organic management MASSAD, Marília

Leia mais

Avaliação de clones de batata-doce nas condições de Gurupi-To.

Avaliação de clones de batata-doce nas condições de Gurupi-To. Avaliação de clones de batata-doce nas condições de Gurupi-To. Júlia Ferreira Brito 1 ; Valéria Gomes Momenté 2 ; Márcio A. da Silveira 3 ; Liamar M. dos Anjos Silva 1 ; Justino J. Dias Neto 1 ; Pabblo

Leia mais

FORMAÇÃO DE MUDAS DE ALFACE EM BANDEJAS PREENCHIDAS COM DIFERENTES SUBSTRATOS FORMATION OF LETTUCE SEEDLINGS IN TRAYS FILLED WITH DIFFERENT SUBSTRATES

FORMAÇÃO DE MUDAS DE ALFACE EM BANDEJAS PREENCHIDAS COM DIFERENTES SUBSTRATOS FORMATION OF LETTUCE SEEDLINGS IN TRAYS FILLED WITH DIFFERENT SUBSTRATES Original Article 725 FORMAÇÃO DE MUDAS DE ALFACE EM BANDEJAS PREENCHIDAS COM DIFERENTES SUBSTRATOS FORMATION OF LETTUCE SEEDLINGS IN TRAYS FILLED WITH DIFFERENT SUBSTRATES Ernani Clarete da SILVA 1 ; Roberto

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL

EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL ISBN 978-85-609-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 0 de outubro de 009 EFICIENCIA DE SISTEMAS DE APLICAÇÃO DE VINHAÇA VISANDO ECONOMIA E CONSCIENCIA AMBIENTAL Ricardo Gava ;

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

SC, joaoneto@epagri.sc.gov.br, franciscomenezes@epagri.sc.gov.br, pasg@epagri.sc.gov.br

SC, joaoneto@epagri.sc.gov.br, franciscomenezes@epagri.sc.gov.br, pasg@epagri.sc.gov.br Desempenho produtivo e rentabilidade de pepino para conserva em regime de produção familiar João Vieira Neto 1, Francisco Olmar Gervini de Menezes Júnior 1, Paulo Antônio de Souza Gonçalves 1 1 Epagri

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DE NÍVEIS DE RUÍDO EMITIDOS POR TRATORES EM DIFERENTES OPERAÇÕES AGRÍCOLAS Josué Gomes Delmond 1,3, Elton Fialho dos Reis 2,3 1 Bolsista PIBIC/CNPQ 2 Eng Agrícola, Prof. DSc, Orientador. 3 Curso

Leia mais

Produção do tomateiro em função dos métodos de condução e de tutoramento de plantas.

Produção do tomateiro em função dos métodos de condução e de tutoramento de plantas. Produção do tomateiro em função dos métodos de condução e de tutoramento de plantas. Anderson Fernando Wamser 1 ; Siegfried Mueller 1 ; Walter Ferreira Becker 1 ; Janaína Pereira dos Santos 1. 1 EPAGRI,

Leia mais

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.).

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1 ; Ana Cardoso Clemente Filha Ferreira de PAULA

Leia mais

Produtividade de tomate tipo cereja cultivado em ambiente protegido e em diferentes substratos

Produtividade de tomate tipo cereja cultivado em ambiente protegido e em diferentes substratos GUSMÃO MTA; GUSMÃO SAL; ARAÚJO JAC. 2006. Produtividade de tomate tipo cereja cultivado em ambiente protegido e em diferentes substratos. Horticultura Brasileira 24: 431-436 Produtividade de tomate tipo

Leia mais

MUELLER S; WAMSER AF. 2009. Combinação da altura de desponte e do espaçamento entre plantas de tomate. Horticultura Brasileira 27: 064-069.

MUELLER S; WAMSER AF. 2009. Combinação da altura de desponte e do espaçamento entre plantas de tomate. Horticultura Brasileira 27: 064-069. MUELLER S; WAMSER AF. 2009. Combinação da altura de desponte e do espaçamento entre plantas de tomate. Horticultura Brasileira 27: 064-069. Combinação da altura de desponte e do espaçamento entre plantas

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR Elisabete Domingues Salvador 1 Sidney Osmar Jadoski 1 Juliano

Leia mais

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais.

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. RESUMO O trabalho foi conduzido na Área de Pesquisa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

Desenvolvimento de Plantas de Cubiu Sob Diferentes Doses de Água Residuária da Despolpa dos Frutos do Cafeeiro Arábica.

Desenvolvimento de Plantas de Cubiu Sob Diferentes Doses de Água Residuária da Despolpa dos Frutos do Cafeeiro Arábica. Desenvolvimento de Plantas de Cubiu Sob Diferentes Doses de Água Residuária da Despolpa dos Frutos do Cafeeiro Arábica. José Carlos Lopes 1 ; Viviani Bridi 2 ; Ronaldo de Almeida 2 ; Marcus Altoé 2 ; Leonardo

Leia mais

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras

Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Avaliação do efeito de tipos de manejos de solo nos atributos físicos de solo, após seis safras Silvio Tulio Spera 1, Henrique Pereira dos Santos 2, Renato Serena Fontaneli 3, Georgia Luiza Maldaner 4

Leia mais

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA PARA AS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DE TERESINA-PI E. R. GOMES 1 ; A. F. ROCHA JÚNIOR 2 ; C. A. SOARES 3 ; F. E. P. MOUSINHO 4 ; A. A. C. SALVIANO

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

Produção de Melão Cantaloupe Com Diferentes Tipos de Cobertura do Solo e Lâminas de Irrigação.

Produção de Melão Cantaloupe Com Diferentes Tipos de Cobertura do Solo e Lâminas de Irrigação. Produção de Melão Cantaloupe Com Diferentes Tipos de Cobertura do Solo e Lâminas de Irrigação. Priscillianna Carla dos S.G. Andrade; Maria Zuleide de Negreiros; José Francismar de Medeiros; Ozail Jácome

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum)

NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum) NUTRIÇÃO MINERAL DAS HORTALIÇAS. LXXXVIII. EXTRAÇÃO DE NUTRIENTES EM ALHO-PORRÓ (Allium porrum) KEIGO MINAMI 1 HENRIQUE PAULO HAAG 2 RESUMO: Com a finalidade de estudar a extração de macro e micronutrientes

Leia mais

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE)

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) B.C. Martins 1 ; F.S. Rocha 1,4 ; L.A. Ferreira 1,4 ; J.C.M.R. Silva 1,4 ; R.R. Guimarães

Leia mais

DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS

DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS DIAGNOSE NUTRICIONAL DE PLANTAS DE SOJA, CULTIVADA EM SOLO COM ADUBAÇÃO RESIDUAL DE DEJETOS DE SUÍNOS, UTILIZANDO O DRIS Techio, J.W. 1 ; Castamann, A. 2 ; Caldeira, M.H. 3 ; Zanella, S. 4 ; Escosteguy,

Leia mais

Desempenho de cultivares de tomate tipo cereja em cultivo orgânico.

Desempenho de cultivares de tomate tipo cereja em cultivo orgânico. Desempenho de cultivares de tomate tipo cereja em cultivo orgânico. Marlei Rosa dos Santos; Maria Aparecida Nogueira Sediyama*; Marinalva Woods Pedrosa; Sanzio Mollica Vidigal; Maria da Conceição Ribeiro

Leia mais

FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO

FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO C. A. Soares 1 ; A. F. Rocha Júnior 2 ; N. S. da Silva 2 ; E. R. Gomes 3 ; F. E. P. Mousinho 4

Leia mais

Época de colheita e hábito de crescimento influenciam teores de sólidos solúveis em mini tomate.

Época de colheita e hábito de crescimento influenciam teores de sólidos solúveis em mini tomate. Época de colheita e hábito de crescimento influenciam teores de sólidos solúveis em mini tomate. Gustavo de Souza Marques Mundim 1 ; Camila Soares de Oliveira 1 ; Gabriel Mascarenhas Maciel 1 ; Oswander

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG Mário Ozeas Sampaio dos Santos Filho 1, Josefino de Freitas Fialho 1, Eduardo Alano Vieira 1, Marilia Santos Silva 1, Silvana Vieira de Paula-Moraes

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 Leonardo Pereira da Silva Brito 2, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Márkilla Zunete Beckmann-Cavalcante

Leia mais

1Caracterização de frutos de diferentes genótipos de maracujazeiro. 2Flávio Flôres Britto 1 ; Cláudio Lúcio Fernandes Amaral 1

1Caracterização de frutos de diferentes genótipos de maracujazeiro. 2Flávio Flôres Britto 1 ; Cláudio Lúcio Fernandes Amaral 1 1Britto, F.F., Amaral, C.L.F. 2015. Caracterização de frutos de diferentes genótipos de maracujazeiro. In: 2 Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças,

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO J. R. G. de Paiva 1 ; L. F. de Figueredo 2 ; T. H. da Silva 3 ; R. Andrade 4 ; J. G. R. dos Santos 4 RESUMO: O manejo

Leia mais

Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo.

Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo. Desempenho de cultivares de alface lisa em casa de vegetação, com e sem cobertura de solo. Hamilton César de Oliveira Charlo 1 ; Renata Castoldi; Leila Trevizan Braz 1 Depto. de Produção Vegetal, Via de

Leia mais

Comportamento de cultivares de repolho em sistema orgânico de produção

Comportamento de cultivares de repolho em sistema orgânico de produção Comportamento de cultivares de repolho em sistema orgânico de produção Maria Urbana Corrêa Nunes 1 ; Luzia Nilda Tabosa Andrade 1 ; Miguel Michereff Filho 1 ; Adriane Oliveira Cunha 2 ; Samuel Silva da

Leia mais

POTENCIALIDADES DO LODO DE ESGOTO COMO SUBSTRATO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS

POTENCIALIDADES DO LODO DE ESGOTO COMO SUBSTRATO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas POTENCIALIDADES DO LODO DE ESGOTO COMO SUBSTRATO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Vanderley José Pereira (1), Lidiane de Souza Rodrigues (2) & Adriane de Andrade Silva (3)

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO A. S. Silva 1 ; L. T. Souto Filho 1 ; M. F. Mendonça 1 ; P. G. Leite 2 ; F. V. da Silva 3 ; R.

Leia mais

Horticultura Brasileira

Horticultura Brasileira Horticultura Brasileira Produção de sementes pré-básicas de batata em sistemas hidropônicos Production of potato pre-basic seeds in hydroponic systems Carlos Alberto B. Medeiros I ; Alisson Hofstatter

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais