MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS"

Transcrição

1 MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS Cibele Mantovani 2013

2 Sumário Introdução 2 Podridão Negra Pythium ultimum 3 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium 5 Antracnose Colletotrichum gloeosporioides 7 Ferrugem Sphenospora sp, Uredo sp e Hemileia sp 9 Mofo Cinzento Botrytis cinerea 11 Cercosporiose Cerscospora spp 13 Murcha de Sclerotium ou Podridão da base Sclerotium rolfsii 15 Manchas foliares Phyllosticta sp 17 Podridão de raízes Rhizoctonia solani 19 Mancha aquosa ou Mancha marrom Acidovorax Cattleya 21 Podridão mole Erwinia carotovora 23 Mosaico do Cymbidium e Orchid Fleck Virus OFV 25 Sintomas parecidos com doenças 27 Práticas de controle para doenças fúngicas e bacterianas 29 Referências Bibliográficas 30 2

3 Introdução As orquídeas são uma das maiores famílias de plantas e podem ser encontradas em diversos hábitats. Compreendem cerca de 850 gêneros, espécies representando por volta de 7% de todas as plantas com flores no mundo inteiro e mais de híbridos de orquídeas já foram registrados. São cultivadas principalmente como plantas ornamentais, ocupam a mais alta posição em valor econômico e são comercializadas tanto como flores de corte quanto de vaso. O cultivo e comércio dessas plantas constituem mais que um hobby, representam um negócio internacional que abrange cerca de 8% do comércio de flores ornamentais. A orquidicultura mundial evoluiu para uma atividade importante. Ela representa uma das atividades mais economicamente significativas na indústria viveirista global. Produtores e colecionadores de orquídeas, consequentemente, cultivam inúmeras variedades e espécies em um mesmo local, cada uma com grande probabilidade de reagir de maneira distinta a insetos e patógenos. Dentro deste contexto, este manual tem por intuito auxiliar a diagnose das principais doenças que afetam as orquídeas e divulgar medidas preventivas ou curativas de controle. 3

4 Podridão Negra Pythium ultimum Importância Representa um dos mais sérios problemas da orquidicultura Sintomas Plantas adultas: infecção produz manchas negras encharcadas, que progridem de forma ascendente, da raiz para as folhas das plantas. Com a evolução da doença os órgãos atacados apresentam podridão mole e se destacam, sendo, em casos extremos, observada a morte das plantas. Plântulas: tombamento ou ``damping-off `` Condições para ocorrência Períodos de alta umidade Temperatura de 10 C a 22 C Introdução na cultura por meio de água de irrigação ou chuva, substratos e vasos contaminados. 4

5 Pseudobulbo de Cattleya com sintomas de Podridão Negra 5

6 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium Importância Doença causada por um patógeno vascular que infecta as plantas através das raízes ou ferimentos Sintomas Têm início nas raízes e evoluem de forma ascendente até tomar as folhas que se tornam flácidas e se destacam facilmente do pseudobulbo Coloração escura nos rizomas, devido a atuação de toxinas produzidas pelo patógeno Círculo de coloração púrpura escuro na epiderme e hipoderme Plantas severamente atacadas podem morrer em um prazo de 3 a 9 semanas Condições para ocorrência Períodos de alta umidade Temperatura na faixa de 25 C a 30 C Introdução na cultura por meio de ferimentos produzidos principalmente durante a divisão das plantas para propagação. 6

7 Folhas de Cattleya afetadas pela podridão de raiz e pseudobulbo 7

8 Antracnose Colletotrichum gloeosporioides Importância Possui distribuição mundial, porém é mais frequente em climas tropicais e subtropicais Sintomas Priimeiramente ocorre descoloração parda em forma circular levemente deprimida e bastante definida A lesão aumenta rapidamente de tamanho e, em condições propícias, pode atingir todo o limbo foliar O centro da lesão é deprimido, de coloração castanho-pardacenta e com inúmeros anéis concêntricos, onde estruturas de frutificação do fungo podem facilmente ser visualizadas como pontos escuros de onde emerge uma matriz mucilaginosa de coloração rosada à alaranjada. Condições para ocorrência Períodos de alta umidade, de dias encobertos Temperatura de 10 C a 20 C Introdução na cultura por meio de água de irrigação ou chuva. 8

9 Sintomas de Antracnose Colletotrichum gloeosporioides 9

10 Ferrugem Sphenospora sp, Uredo sp e Hemileia sp Importância Não tem importância significativa. Sintomas Ocorrem apenas nas folhas, exclusivamente na face inferior Inicialmente se observam pequenas pústulas de coloração amarelo-laranja ou marromavermelhada. Essas pústulas, em função da idade, podem enegrecer e se desenvolver de modo concêntrico de forma a lembrar a aparência de um alvo Regiões cloróticas são observadas na região foliar oposta a pústula. Condições para ocorrência Períodos de alta umidade relativa Temperaturas amenas, especialmente nas regiões baixas e úmidas, onde o vapor d água condensa-se à noite Disseminação dos esporos pelo vento e por respingos de água. 10

11 Folha de Bulbophyllum com sintomas de ferrugem 11

12 Mofo Cinzento Botrytis cinerea Importância Pode causar sérios prejuízos em cultivos comerciais quando há grande quantidade de flores abertas e próximas. Sintomas Ataca exclusivamente pétalas, sépalas e labelo das flores Têm início com pequenas manchas circulares, em qualquer parte da superfície das flores Em geral as lesões são circundadas por um halo de coloração rosada, com a evolução da doença, observa-se a formação de uma massa pulverulenta de coloração cinza, constituída por um grande número de propágulos Flores severamente atacadas murcham e caem. Condições para ocorrência Períodos de alta umidade Temperaturas amenas (16 C a 18 C) Baixa ventilação Disseminação dos conídios pelo vento e por respingos de água. 12

13 Aspecto geral de inflorescências atacadas por Botrytis cinerea 13

14 Cercosporiose Cerscospora spp Importância Não tem importância no cultivo. Sintomas Ocorre apenas nas folhas na face inferior, principalmente nas mais velhas Na face superior do limbo foliar observa-se uma área clorótica que, eventualmente, se torna necrótica, na área correspondente à lesão na face inferior. Condições para ocorrência É encontrado tanto em temperaturas baixas como em temperaturas altas consequentemente tem ampla distribuição. 14

15 Folha com sintomas de Cercosporiose Cerscospora spp 15

16 Murcha de Sclerotium ou Podridão da base Sclerotium rolfsii Importância Sobrevive de maneira saprofítica em restos de cultura por 5 ou mais anos. Sintomas Presença de micélio cotonoso primeiramente na base da planta, podendo espalhar-se por todo o pseudobulbo e folhas Com a evolução pode-se visualizar a formação de escleródios com cerca de 1 mm de diâmetro. Condições para ocorrência Ocorrência esporádica normalmente ligada ao substrato contaminado Alta umidade Teor elevado de matéria orgânica no substrato Temperaturas elevadas (>26 C) Disseminação por água da chuva ou irrigação. 16

17 Sintomas de Murcha de Sclerotium ou Podridão da base Sclerotium rolfsii em pseudobulbos de Cattleya 17

18 Manchas foliares Phyllosticta sp Importância Não representa sério problema sob o ponto de vista de prejuízo no desenvolvimento da planta. Sintomas Folhas atacadas apresentam manchas castanhas escuras circulares ou ovaladas, com bordos bem definidos e centro de coloração pardo clara onde podem ser observados picnídios do fungo Halos amarelados podem ocorrer sendo função da espécie infectada. Condições para ocorrência Temperaturas entre 25 C 28 C Sobrevivência em restos culturais. 18

19 Manchas foliares Phyllosticta sp em orquídea do gênero Cattleya 19

20 Podridão de raízes Rhizoctonia solani Importância Pode sobreviver em restos de cultura, saprofiticamente, ou ainda na forma de escleródios. Sintomas Causa deterioração do sistema radicular, com sintomas reflexos de murcha na parte aérea Em sementeiras e plântulas, têm-se sintomas de tombamento ou ``damping-off``. Condições para ocorrência É favorecida pela alta umidade do ar Temperatura ao redor de 28 C Possui ampla gama de hospedeiros podendo ser disseminada por água e substrato contaminado. 20

21 Folhas de Phalaenopsis murchas devido à Podridão de raízes Rhizoctonia solani Pseudobulbo deteriorado devido à Podridão de raízes Rhizoctonia solani 21

22 Mancha aquosa ou Mancha marrom Acidovorax cattleya Importância Moléstia de ocorrência esporádica. Sintomas Tem início com a formação de lesões esbranquiçadas úmidas que acabam por progredir, tornando-se deprimidas, escuras ou pardacentas, bem delimitadas, semelhantes a queimaduras de sol Atinge plântulas acarretando a morte Se o patógeno atingir o ápice de crescimento em plantas monopodiais pode ocasionar a morte. Condições para ocorrência Períodos de alta umidade relativa Exsudados servem como fonte de inóculo que pode ser disseminado por respingos de água de irrigação ou de chuva. 22

23 Sintoma inicial de Mancha aquosa ou Mancha marrom Acidovorax cattleya Sintoma final de Mancha aquosa ou Mancha marrom Acidovorax cattleya 23

24 Podridão mole Erwinia carotovora Importância Possui ampla gama de hospedeiros. Sintomas Observam-se em folhas e pseudobulbos, lesões foliares inicialmente anasarcadas evoluindo para uma podridão mole, ou mela, que acaba praticamente destruindo toda a área afetada Odor fétido de exsudados é forte indicativo de infecção com essa bactéria Infecções que tem início em pseudobulbos velhos são oriundos de aberturas `naturais`originadas da queda de folhas nos mesmos. Condições para ocorrência Períodos de alta umidade relativa Temperatura na faixa de 20 C a 30 C Disseminação ocorre por insetos e água de irrigação ou de chuva. Ocorrem principalmente em orquídeas que apresentam folhas não eretas, ou com ângulo de inserção de aproximadamente 90, as quais propiciam o acúmulo de água e favorecem o desenvolvimento do patógeno. 24

25 Podridão mole Erwinia carotovora em Phalaenopsis 25

26 Mosaico do Cymbidium e Orchid Fleck Virus - OFV Importância Danos causados por esses vírus são devido à depreciação das plantas, podendo levar a diminuição da produção e/ou qualidade das folhas e flores. Sintomas São bastante variáveis, dependendo de fatores ambientais, idade do tecido vegetal, gênero e variedade da planta, tempo de inoculação, entre outros Algumas plantas infectadas são assintomáticas Podem ocorrer isoladamente ou em infecção dupla. Condições para ocorrência Não possuem vetores conhecidos São transmitidos através dos instrumentos de corte utilizados na retirada de folhas e raízes. 26

27 Mosaico do Cymbidium em Oncidium Sharry Baby Orchid Fleck Virus OFV em Oncidium altissimum. 27

28 Variegação genética em Phalaenopsis Queimadura por sol 28

29 Lesão causada por baixas temperaturas Crescimento superficial de algas em folhas de orquídea 29

30 Práticas de controle para doenças fúngicas e bacterianas a) Utilização de material propagativo sadio; b) Utilizar substrato esterilizado, obtido por tratamento térmico (solarização) ou químico (fumigantes); c) A água de irrigação deve ser de boa qualidade e utilizada com moderação para evitar encharcamento. A irrigação deve ser preferencialmente, por infiltração. Se o sistema for de aspersão, irrigar de preferência no período da manhã, permitindo assim, que ao entardecer, as plantas já estejam secas. A altura dos vasos nos telados, ripados e estufas deve ser superior a 1 metro evitando assim que respingos de água com partículas de solo os alcancem; d) Cultivo em locais ventilados, evitando baixadas, acúmulo de umidade e baixas temperaturas. Evitar também aglomeração de plantas que acabam por favorecer a disseminação e a formação de microclima adequado aos patógenos; e) Adubação balanceada, evitando principalmente o excesso de nitrogênio; f) Adotar medidas de sanitização, eliminando plantas daninhas e restos vegetais, removendo e destruindo partes doentes das plantas. Em casos de ataques severos, promover o isolamento da planta doente até seu completo restabelecimento. g) Desinfectar bancadas, equipamentos, utensílios de corte (tesouras, estiletes) h) Controle químico, aplicação de calda bordalesa de forma preventiva. 30

31 Referências bibliográficas GIORGIA, R. Doenças e Pragas que atacam as orquídeas. São Paulo: Editora Brasil Orquídeas, p. KIHARA, G.T.E.; MORIMOTO, L.M.; MORIMOTO,M.S. Orquídeas Manual de Cultivo. São Paulo, p. PENTEADO, S. R. Defensivos alternativos e naturais. Campinas: Via Orgânica, p. 31

32 `` Devemos ser curiosos para ver se o que vemos é o que sentimos ver. Devemos analisá-lo, vira-lo, olhá-lo por baixo e olhar atrás. O conformista, simplesmente, não está programado para isso.`` James G. Horsfall 32

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS PODRIDÃO NEGRA. Principal doença de crucíferas cultivadas, principalmente de repolho, couve e couve-flor.

Leia mais

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94 Foto 1. Deficiência de nitrogênio: clorose nos folíolos das folhas mais velhas com posterior necrose e queda. Foto 2. À esquerda, planta com nutrição normal; à direita, planta deficiente em nitrogênio.

Leia mais

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti Doenças e Pragas da Videira Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti 1-INTRODUÇÃO DOENÇAS PARASITÁRIAS: Fungos, Bactérias, Vírus, Nematóides, etc. DOENÇAS NÃO PARASITÁRIAS: Resulta das condições

Leia mais

Critério de Classificação Orquídeas Variadas.

Critério de Classificação Orquídeas Variadas. Critério de Classificação Orquídeas Variadas. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS 1. FERRUGEM 1 SINTOMAS. folhas:. sup. superior:. manchas angulares, amarelas, pequenas. sup. inferior:. pústulas arredondadas, recobertas de massa pulverulenta

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.)

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) Aspectos gerais Família: Fabaceae (ex) Leguminosae Mesma espécie do feijoeiro comum Qualquer cultivar de feijão pode ser usada para colheita de vagens,

Leia mais

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ EQUIPE MELHORAMENTO GENÉTICO IMPORTÂNCIA DA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RS... PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO Eng. Agr..

Leia mais

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso.

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, setembro de 2009. PRINCIPAIS DOENÇAS FÚNGICAS NA CULTURA DO ALHO Marco Antônio Lucini 1 O Brasil é um

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa Vídeo Hidroponia: controle de doenças e pragas da alface 1. Quais as medidas que podem ser adotadas preventivamente para o controle

Leia mais

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho Prof. Fernanda Basso Métodos de diagnóstico Diagnose Visual Diagnose Foliar Diagnose visual Consiste em se

Leia mais

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi

RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi RELAÇÃO DE PLANTAS E FORMA DE CUIDADOS. Espécies: Orquídeas Dendrobium, Oncidium (chuva de ouro); Dendrobium loddigessi Planta compacta, originária da China e região de Laos. Floresce na primavera com

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES

IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES Manejo Integrado de Doenças em Ornamentais Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues Material cedido pela Embrapa Semiárido Dr. Daniel Terao - Pesquisador - Fitopatologia IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES

Leia mais

Critério de Classificação Flor do Campo.

Critério de Classificação Flor do Campo. Critério de Classificação Flor do Campo. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS ÍNDICE Carlos Alberto Lopes Embrapa Hortaliças INTRODUÇÃO... 1 DOENÇAS... 2 1. Tombamento...2 2. Murcha-de-fitóftora (Requeima, Podridão-de-fitóftora, Pé-preto)...2

Leia mais

Ralstonia solanacearum raça 2. Fabrício Packer Gonçalves IAPAR Curso CFO ADAPAR Londrina - 2014

Ralstonia solanacearum raça 2. Fabrício Packer Gonçalves IAPAR Curso CFO ADAPAR Londrina - 2014 Ralstonia solanacearum raça 2 Fabrício Packer Gonçalves IAPAR Curso CFO ADAPAR Londrina - 2014 Considerada umas das principais doenças da cultura; Prevalece no ecossistema de várzea; Patógeno de solo Doença

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

Doenças da Pupunha no Estado do Paraná

Doenças da Pupunha no Estado do Paraná Doenças da Pupunha no Estado do Paraná Álvaro Figueredo dos Santos Dauri José Tessmann João Batista Vida Rudimar Mafacioli A pupunha é cultura de introdução recente no Estado do Paraná e tem sido cultivada

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Núcleo 1 Matrinchã, Jussara e região. Os trabalhos estão concentrados

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 Muda : papel fundamental na obtenção de uma planta bem formada e SADIA Qualidade sanitária das mudas:

Leia mais

1Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - CCTA, UFCG/ Campus de Pombal - PB. roseliasousasantos@hotmail.com

1Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - CCTA, UFCG/ Campus de Pombal - PB. roseliasousasantos@hotmail.com CARACTERIZAÇÃO MORFOTINTORIAL DE COLLETOTRICHUM SPP. CAUSADOR DE ANTRACNOSE EM FRUTOS DE FIGO CULTIVADOS EXPERIMENTALMENTE NO PERÍMETRO IRRIGADO DE SÃO GONÇALO, SOUSA-PB 1 Damião Junior Gomes; 1 Rosélia

Leia mais

DOENÇAS DO ALGODOEIRO

DOENÇAS DO ALGODOEIRO S.E. 2 NOVOS PROBLEMAS DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO VARIABILIDADE DE PATÓGENOS EDIVALDO CIA PROBLEMAS ATUAIS DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO RAFAEL GALBIERI MOFO BRANCO NO ALGODOEIRO NELSON SUASSUNA DEFINIÇÃO DE

Leia mais

VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com.

VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com. VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com.br (14) 3332-3388 Localização NOVA AMÉRICA S/A CITRUS (Fazenda Guacho) Nº plantas:

Leia mais

Cultivo de couve-flor e brócolis

Cultivo de couve-flor e brócolis Cultivo de couve-flor e brócolis Família Brassicaceae Cultura Brócolos Couve-flor Couve Couve-tronchuda Couve-de-bruxelas Couve-rábano Repolho Couve-chinesa Rabanete Rucula Nome científico Brassica oleracea

Leia mais

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins 2 Diagnóstico do Chafariz dos Contos Régis Eduardo Martins Diagnóstico do Chafariz dos Contos Caderno 2 Sumário: Pag. Introdução 2 de estado de conservação do Chafariz 3 Fichas de diagnóstico: Perdas 6

Leia mais

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Roteiro: Breve introdução. Controles básicos recomendados para todas as culturas. Medidas profiláticas. (rotação de culturas, destruição

Leia mais

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano Equipe de fitopatologia da OR Melhoramento de Sementes Ltda 1. Introdução. A diagnose (determinação

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia INTRODUÇÃO Laboratório de Fitopatologia e a Clínica de Doenças de Plantas atuam em 4 áreas:

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E CONTROLE DAS PODRIDÕES DE MAÇÃS CAUSADAS PELAS DOENÇAS DE VERÃO DAS MACIEIRAS

CARACTERÍSTICAS E CONTROLE DAS PODRIDÕES DE MAÇÃS CAUSADAS PELAS DOENÇAS DE VERÃO DAS MACIEIRAS CARACTERÍSTICAS E CONTROLE DAS PODRIDÕES DE MAÇÃS CAUSADAS PELAS DOENÇAS DE VERÃO DAS MACIEIRAS Rosa M V Sanhueza Agapomi 15/08/2014 A B C PATÓGENOS QUE CAUSAM DE VERÃO AS DOENÇAS Colletotrichum Botryosphaeria

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1626/15 RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Nome do Evento: 6º Dia de Campo do Portal Ciência do Solo Qual o caminho para altas produtividades de soja? Interessado (Coordenador do Projeto):

Leia mais

Reações bioquímicas nas células do hospedeiro produzem substâncias que são tóxicas ao patógeno. Produzidas antes ou após a infecção

Reações bioquímicas nas células do hospedeiro produzem substâncias que são tóxicas ao patógeno. Produzidas antes ou após a infecção Fatores bioquímicos Reações bioquímicas nas células do hospedeiro produzem substâncias que são tóxicas ao patógeno Produzidas antes ou após a infecção Contribuem significativamente para a R Podem ser divididos

Leia mais

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Evaldo Kazushi Takizawa Engenheiro Agrônomo Ceres Consultoria Agronômica /GBCA 1 Temas Considerações iniciais.

Leia mais

Qualidade de grãos de milho

Qualidade de grãos de milho 55ª Reunião Técnica Anual do Milho 38ª Reunião Técnica Anual do Sorgo 19 a 21 de Julho de 2010 (Vacaria, RS) Qualidade de grãos de milho Composição do grão de milho Proteína 9% Óleo 4% Açucares 1,7% Minerais

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ 1. OBJETIVO: este regulamento tem por objetivo definir as características de identidade e qualidade da maçã. 2. CONCEITOS: para efeito deste regulamento,

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

2. Nesse sistema, ocorre uma relação de protocooperação entre algas e bactérias.

2. Nesse sistema, ocorre uma relação de protocooperação entre algas e bactérias. PROVA DE BIOLOGIA QUESTÃO 01 Entre os vários sistemas de tratamento de esgoto, o mais econômico são as lagoas de oxidação. Essas lagoas são reservatórios especiais de esgoto, que propiciam às bactérias

Leia mais

Circular. Técnica. Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle. Autores. Introdução. 1. Doença causada por bactéria ISSN 1415-3033

Circular. Técnica. Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle. Autores. Introdução. 1. Doença causada por bactéria ISSN 1415-3033 ISSN 1415-3033 Circular Técnica 96 Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle Brasília, DF Dezembro, 2011 Autores Ailton Reis ailton@cnph.embrapa.br Eng. Agr., D. Sc. Embrapa Hortaliças

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 18 A 31 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 113 1 A utilização de tecnologias de aplicação como gotas oleosas, como UBV (Ultra Baixo Volume) e BVO

Leia mais

Principais doenças na cultura da batata - BACTERIOSES

Principais doenças na cultura da batata - BACTERIOSES V Seminário Brasileiro de Batata Uberlândia, MG 2010 Principais doenças na cultura da batata - BACTERIOSES Carlos A. Lopes HORTALIÇAS Patógeno Doença Ambiente Hosped A B C Variação de temperatura em dezembro,

Leia mais

Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho

Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho ISSN 1679-1150 Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho 167 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2011 A mancha branca (Pantoea ananatis) é considerada, atualmente, uma das principais doenças

Leia mais

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO Selma Barbosa Bastos Universidade Estadual de Feira de Santana selmabbastos@gmail.com Manuel Cabalar

Leia mais

5.1.3. Ferrugem... 19 5.1.4. Podridão de Curvulária... 20 5.1.5. Viroses... 20 5.1.6. Medidas de Prevenção... 21 5.2. Pragas... 22 5.2.1. Trips...

5.1.3. Ferrugem... 19 5.1.4. Podridão de Curvulária... 20 5.1.5. Viroses... 20 5.1.6. Medidas de Prevenção... 21 5.2. Pragas... 22 5.2.1. Trips... CONTEÚDO 1. Introdução... 4 2. Fisiologia da planta... 5 2.1. Fenologia/ciclo... 5 2.2. Propagação... 6 2.3. Condições de temperatura... 8 2.4. Luz... 9 3. Implantação da cultura... 9 3.1. Solos... 9 3.2.

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues

Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Produção de Rosas Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Produção de Rosas 1.Áreas Produtoras e seus Produtos em ha Rosas Gipsofila Crisântemo São Paulo 950 180 250 Minas

Leia mais

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Limpeza e desinfecção das colméias Importante para: - qualidade de vida das abelhas - boa produção

Leia mais

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali Javali A4 Regiões Litorâneas A3 http://pt.wikipedia.org/wiki/javali https://meadd.com/seviero/43049322 O javali tem uma grande distribuição geográfica. Aparece em parte da Europa e Norte da África (juntamente

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado Sistema Laminar Médio Sistema Laminar Médio Objetivo O Sistema Laminar Médio tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

MITOS X VERDADES SOBRE A DENGUE

MITOS X VERDADES SOBRE A DENGUE Uma boa alimentação garante imunidade à doença? Mito. Não há algum alimento específico contra a dengue. Porém, uma alimentação incluindo frutas e vegetais, torna o organismo da pessoa mais saudável e o

Leia mais

Água Potável na Amazônia IV: Água Preta e Húmus

Água Potável na Amazônia IV: Água Preta e Húmus PESQUISA Água Potável na Amazônia IV: Água Preta e Húmus Whei OH Lin, * Izabel Souto Ferreira da Silva ** e Phelippe Maximo de Jesus Borges ** Palavras-chave Água preta; fonte de água; húmus. Áreas do

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas... Página 1 de 6 Olericultura Produção Orgânica de Hortaliças Nome Hortaliças : Produção Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre

Leia mais

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo Herciíio Viegas Rodrigues LPV-ESALQ-USP Município: Pariquera Açu Local: Sítio Sakai Início de atividade: Aquisição de plântulas: 2002 Desenvolvimento de mudas (casa

Leia mais

Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil

Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil Ailton Reis (ailton@cnph.embrapa.br) Alice Maria Quezado Duval (alice@cnph.embrapa.br)

Leia mais

14/05/2012. Doenças do cafeeiro. 14 de maio de Umidade. Temperatura Microclima AMBIENTE

14/05/2012. Doenças do cafeeiro. 14 de maio de Umidade. Temperatura Microclima AMBIENTE 14/05/2012 Doenças do cafeeiro Doutoranda Ana Paula Neto Prof Dr. José Laércio Favarin 14 de maio de 2012 Umidade AMBIENTE PATÓGENO Temperatura Microclima HOSPEDEIRO 1 DOENÇAS Ferrugem Hemileia vastatrix

Leia mais

CONTROLE DO TOMBAMENTO DAS MUDAS DE MAMOEIRO CAUSADO POR Rhizoctonia solani J.G. Kühn

CONTROLE DO TOMBAMENTO DAS MUDAS DE MAMOEIRO CAUSADO POR Rhizoctonia solani J.G. Kühn CONTROLE DO TOMBAMENTO DAS MUDAS DE MAMOEIRO CAUSADO POR Rhizoctonia solani J.G. Kühn Sheila Cristina Prucoli Posse 1, Silvaldo Felipe da Silveira 1, Roberto Ferreira da Silva 1 e Gabriela Neves Martins

Leia mais

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Área: Fitossanidade ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Márcia Patrícia Paula Nascimento 1 ; Laysa Luna de Moura Carvalho 2 ; Paulo Henrique Soares da Silva 3. 1

Leia mais

Impacto potencial das mudanças climáticas sobre as doenças do mamoeiro no Brasil

Impacto potencial das mudanças climáticas sobre as doenças do mamoeiro no Brasil Capítulo 14 Impacto potencial das mudanças climáticas sobre as doenças do mamoeiro no Brasil Antonio Alberto Rocha Oliveira Hermes Peixoto Santos Filho Eduardo Chumbinho de Andrade Paulo Ernesto Meissner

Leia mais

DOENÇAS DO QUIABEIRO

DOENÇAS DO QUIABEIRO DOENÇAS DO QUIABEIRO ÍNDICE: A Cultura do Quiabo Doenças Causada por Fungos Oídio (Erysiphe cichoraceaarum de Candolle - Oidium ambrosiae thum.) Cercosporiose (Cercospora malayensis, Cercospora hibiscina)

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

COMO TRATAR A ÁGUA DA PISCINA

COMO TRATAR A ÁGUA DA PISCINA COMO TRATAR A ÁGUA DA PISCINA CAPACIDADE DA PISCINA Antes de iniciar qualquer tratamento na sua piscina, deve conhecer qual a capacidade (vol.) de mesma. Desta forma, poderá calcular exatamente as dosagens

Leia mais

Comunicado. Técnico. Oídio das Cucurbitáceas. Importância. Sintomas. Ailton Reis 1

Comunicado. Técnico. Oídio das Cucurbitáceas. Importância. Sintomas. Ailton Reis 1 Comunicado 42 Técnico ISSN 1414-9850 Dezembro, 2007 Brasília, DF Oídio das Cucurbitáceas Ailton Reis 1 Importância É uma das principais doenças foliares das cucurbitáceas, cultivadas ou silvestres, no

Leia mais

NUTRIÇÃO DE ORQUÍDEAS

NUTRIÇÃO DE ORQUÍDEAS NUTRIÇÃO DE ORQUÍDEAS Prof. Dr. Luiz Erlon A. Rodrigues Bulbophyllum graveolens Diretor Científico da BIOKITS Ind. & Com. Ltda. Contagens, Minas Gerais. Relatos sobre o cultivo de orquídeas datam de mais

Leia mais

Manual de identificação das doenças do algodoeiro

Manual de identificação das doenças do algodoeiro Manual de identificação das doenças do algodoeiro Por: Paulo Edimar Saran Paulo Edimar Saran Manual de identificação das doenças do algodoeiro Paulo Edimar Saran Suas atividades profissionais tiveram início

Leia mais

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG COMPRA DE HORTIFRUTICOLAS PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ESPECIFICAÇÃO DO EDITAL CEASA MG CEAGESP ABACAXI PÉROLA OU HAWAÍ: De Primeira; Graudo. Classificação: Grupo I (Polpa Amarela), Subgrupo: Colorido (Até

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA DA FERRUGEM ALARANJADA (Puccinia kuehnii) DA CANA-DE-AÇÚCAR (Saccharum spp)

ANÁLISE TÉCNICA DA FERRUGEM ALARANJADA (Puccinia kuehnii) DA CANA-DE-AÇÚCAR (Saccharum spp) ANÁLISE TÉCNICA DA FERRUGEM ALARANJADA (Puccinia kuehnii) DA CANA-DE-AÇÚCAR (Saccharum spp) BUENO, Aline Aparecida 1 ALVES,Paula Bagdal² MEDICE, Regiane³ ¹ Aluna do curso de Agronomia da Associação Cultural

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

GUIA DE MANEJO DE PRAGAS CEBOLA/ALHO

GUIA DE MANEJO DE PRAGAS CEBOLA/ALHO GUIA DE MANEJO DE PRAGAS CEBOLA/ALHO Tradução: Rayane Gonçalves Melo Insetos e Ácaros ÁCAROS DO BULBO (6/08) Nomes Científicos: Rhizoglypus spp., Tyrophagus spp. DESCRIÇÃO DAS PRAGAS Os ácaros do bulbo

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

7º ANO Ensino Fundamental

7º ANO Ensino Fundamental E n s in o F o r t e e d e R e s u l t a do s Estudante: Centro Educacio nal Juscelino K ub itschek G u a r á Exercícios Rec. Semestral 2º Bimestre C I Ê N C I A S 7º ANO Ensino Fundamental Data: / / Turno:

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado.

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. 136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. Em relação às regiões marcadas na figura, observa-se que A) a existência de áreas superáridas,

Leia mais

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL Introdução, Sistemas e Características FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Irrigação Subsuperficial Também chamada irrigação subterrânea ou subirrigação A água é aplicada

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS DE PLANTAS: MCNEW GRUPO III ABSORÇÃO DE ÁGUA E SAIS MINEIRAIS. Grupo III PODRIDÕES DE RAÍZ E COLO

CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS DE PLANTAS: MCNEW GRUPO III ABSORÇÃO DE ÁGUA E SAIS MINEIRAIS. Grupo III PODRIDÕES DE RAÍZ E COLO CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS DE MCNEW Processos fisiológicos vitais: Grupos de doenças: CLASSIFICAÇÃO DE DOENÇAS DE PLANTAS: MCNEW GRUPO III MARGARETE CAMARGO Segundo semestre de 2013 1. Acúmulo de material

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI PROF. DR. MÁRCIO CLEBER DE MEDEIROS CORRÊA Departamento de Fitotecnia Centro de Ciências Agrárias Universidade Federal do Ceará Fortaleza - CE III Simpósio

Leia mais

Manual Completo Como Cuidar de Orquídeas

Manual Completo Como Cuidar de Orquídeas Manual Completo Como Cuidar de Orquídeas Descubra os Segredos das Orquídeas de Exposição! Autor Alberto Schuman Edição atualizada Todos os direitos reservados, esta cópia é de uso pessoal. É proibida a

Leia mais