DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa"

Transcrição

1 DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa Vídeo Hidroponia: controle de doenças e pragas da alface 1. Quais as medidas que podem ser adotadas preventivamente para o controle das doenças da alface? 2. Quais as doenças fúngicas que afetam a parte aérea? 3. Quais as doenças fúngicas que atacam as raízes? 4. Quais as doenças bacterianas que incidem sobre a alface? 5. Quais os métodos alternativos que podem ser utilizados para o controle das doenças da alface? 6. Quais as doenças causadas por vírus que afetam a alface? 7. Como controlar as doenças causadas por vírus? 8. Como você explica a importância de ser dada tanta ênfase para o controle de doenças da alface por meio de medidas preventivas e alternativas? PRINCIPAIS DOENÇAS DA ALFACE Vírus Fungos Bactérias Fatores abióticos 1

2 1. Doenças causadas por vírus Mosaico* Vírus do mosaico da Alface Vira-cabeça Vírus do Vira-cabeça do Tomateiro Outros vírus relatados em alface no Brasil Vírus não relatados no Brasil Vírus do Mosaico do Picão, Vírus do Mosaico do Pepino, Vírus do Mosqueado da Alface Mosqueado - Lettuce mottle virus Big vein Mirafiori lettuce virus 1.1. MOSAICO DA ALFACE. Distribuído em todo o mundo. Importância: meses de verão fator limitante para a produção de alface SINTOMAS. Planta jovem: folhas mais novas deformações e enrolamentos, mosaico típico 2

3 . Planta doente: crescimento diferente do normal Planta mais velha:. sintomas de mosaico podem desaparecer. substituído por bronzeamento uniforme de todas as folhas. Var. crespas: + suscetíveis. sintomas necróticos, com morte parcial do limbo foliar ETIOLOGIA. Lettuce mosaic virus LMV. Transmissão:. Semente (pólen ou óvulo). vetor pulgão. Hospedeiros do LMV: 121 esp.: 17 famílias e 60 gêneros 3

4 CONTROLE Dano = f(sementes infectadas e população do vetor). Uso de sementes sadias 0,5 % de sementes infectadas = perdas totais EUA nível de tolerância = 0/ sementes Europa = nível de tolerância = 0/200 sementes. Variedades resistentes. Variedades com níveis de Tolerância e Resistência:. Viruzan. Brasil 48.Cil.Madona AG 605. Jade Imperial-D.Veneza roxa. Early Giant. Obo. Paris Island Cós. Brasil 303. Regina 71.Carolina AG 576. Monalisa AG 819. Empire. Higreen.Elisa. Floresta. Nacional. Deisy. Vanessa. Verônica. Vera 1.2. VIRA-CABEÇA DA ALFACE 4

5 SINTOMAS. Planta jovem: folhas mais novas lesões marromclaras, que escurecem com o tempo. Planta doente: crescimento diferente do normal, podendo ocorrer em um só lado da planta, com encarquilhamento e morte de tecidos, conseqüentemente da planta. Planta mais velha: bronzeamento uniforme de todas as folhas e necrose das áreas ETIOLOGIA - Tospovirus: 2 esp. Relatadas no Brasil:. Tomato spotted wild virus (TSWV) - nordeste. Tomato chlorotic spot virus (TCSV) - SP - Transmissão: circulativa progpagativa. vetor thripes ( Frankliniella sp. e Thrips tabaci) CONTROLE. Erradicar plantas viróticas da área. Evitar plantios de culturas afetadas. Controle do vetor. Eliminação de plantas daninhas hospedeiras do vetor e do vírus. Mudas sadias 5

6 2. Doenças causadas por bactérias Mancha bacteriana * Pseudomonas cichorii Podridão mole Erwinia carotovora pv. carotovora Outras bactérias relatadas Pseudomonas marginalis pv. marginalis, Xanthomonas campestris pv. vitians, Pseudomonas viridiflava 2.1. MANCHA BACTERIANA Maior incidência: inverno SINTOMAS. Folhas:. manchas necróticas irregulares bordos ou limbo foliar. Umidade : lesões delimitadas no tamanho e nas folhas + velhas. Umidade :. também nas folhas + novas. coalescência de inúmeras lesões. Podridão mole da planta no campo ou durante a colheita e transporte 6

7 ETIOLOGIA. Pseudomonas cichorii. Penetração. Disseminação:. sementes contaminadas. dentro da cultura???. Outros hospedeiros:. cucurbitáceas. solanáceas. liliáceas. leguminosas 7

8 CONTROLE. Não existem medidas específicas de controle medidas de caráter geral :. Bom preparo do solo. Tratamento de semente. Plantio em solo não contaminado. Eliminação de fonte de inóculo. Controle da água de irrigação Podridão mole Podridão mole 8

9 3. Doenças causadas por fungos Damping-off Rhizoctonia solani, Pythium spp. Podridão de esclerotinia Queima da saia Podridão da base das folhas Septoriose Manchas de folhas Míldio Murchadeira ou podridão negra das raízes Sclerotinia sclerotiorum Rhizoctonia solani Sclerotium rolfsii Septoria lactucae Alternaria sonchi, Cercospora sp. Bremia lactucae Thielaviopsis basicola 3.1. PODRIDÃO DE ESCLEROTINIA. doença comum. quando ocorre prejuízos totais. fungo polífago SINTOMAS. Sementeira: damping-off. Como identificá-lo no campo????. Consequências?????? 9

10 Plantas adultas no campo ou durante a colheita e transporte: podridão mole. Presença de micélio superficial branco e escleródios ETIOLOGIA. Sclerotinia sclerotiorum. Disseminação:. escleródios movimento de solo. ascosporos vento. Sobrevivência: solo. Cond. Fav.:. T 0 a 28 C e U 10

11 CONTROLE. Destruição de restos de cultura. Aração profunda. Preparo do solo com antecedência. Inundação do solo. Fumigação do solo. Pulverização:. iprodione. vinclozolin. Tratamento do solo:. quintozene 3.2. QUEIMA DA SAIA. manifesta-se em plantas adultas SINTOMAS Folhas + velhas:. lesões necróticas no pecíolo e nervuras, destruindo-os. necrose do limbo foliar e seca das folhas Sob cond. fav. :. afeta sucessivamente todas as folhas. presença de escleródios do fungo 11

12 ETIOLOGIA. Rhizoctonia solani. Sobrevivência:. micélio em restos de cultura. escleródios. Disseminação:. solo.mudas. água de superfície. vento. Muitas plantas hospedeiras. Cond. fav.:. U do solo. Temperatura: 15 a 25 C CONTROLE. Tratamento de solo. Tratamento das covas com PCNB 3.3. SEPTORIOSE. Bastante disseminada. Manchas de folhas perda do valor comercial das plantas doentes.importante produção de sementes (contaminação) 12

13 SINTOMAS.Folhas:. no geral folhas mais velhas. manchas necróticas, de tamanho e forma irregulares. centro da lesão escuro, oliváceo a preto parte central picnídios. tecido necrosado das lesões pode romper e cair. muitas manchas crestamento e perda das folhas morte da pl. ETIOLOGIA. Septoria lactucae. Disseminação:. semente. água de chuva CONTROLE. Ausência de variedades resistentes. Utilização de sementes sadias. Rotação de culturas. Pulverização com fungicidas: ditiocarbamatos 13

14 3.4. CERCOSPORIOSE ou Mancha de cercospora. Manchas de folhas perda do valor comercial. Ocorrência principalmente em cultivo protegido SINTOMAS.Folhas:. ataque ocorre a partir das folhas + velhas. pode ocorrer em qualquer estádio da planta. manchas necróticas, forma de circular a irregular. centro da lesão de cor claro a acinzentado. ataques severos ocorre o coalescimento das lesões, provocando queimas das folhas. da septoriose por apresentar bordas melhor definidas ETIOLOGIA. Cercospora longíssima e Cercospora sp.. Disseminação:. semente. água de chuva. vento. Cond. Fav.:. Alta umidade e temperaturas amenas 14

15 CONTROLE. Retirada e Destruição de plantas doentes da área. Utilização de sementes sadias. Rotação de culturas. Pulverização com fungicidas a base de cobre e maneb 3.5 MÍLDIO. Importante em condições de alta umidade e temperatura baixa ou amena. Fungo muito sensível ao calor e baixa umidade do ar (influencia na esporulação, germinação e penetração do fungo via estômato). Na ausência de filme de água não há formação de esporângios e zoósporos dentro destes SINTOMAS.Folhas:. áreas cloróticas de tamanho variável mais tarde necróticas de cor parda 15

16 . na superfície inferior frutificação de aspecto branco esporângios e esporangióforos Míldio Bremia lactucae ETIOLOGIA. Agente causal: Bremia lactucae 16

17 CONTROLE. Plantio em solo bem drenado, evitando áreas de baixadas, mal ventiladas e úmidas. Rotação de culturas com plantas de outras famílias. Eliminação de restos culturais. Pulverização com fungicidas sistêmicos específicos: metalaxyl, cymoxanil, ou, preventivamente com mancozeb ou chlorotalonil 3.6. MURCHADEIRA OU PODRIDÃO NEGRA DAS RAÍZES Doença nova, constatada em 1999 e que encontra-se em expansão no estado de S.P Agente causal: Thielaviopsis basicola SINTOMAS Manchas escuras nas raízes que, com o avanço da doença vão se tornando totalmente apodrecidas. Planta pode emitir novas raízes. Redução do crescimento da planta. Murcha nas horas + quentes do dia. 17

18 CONTROLE Solarização Mudas sadias Substrato livre do patógeno Variedades crespas são + resistentes que as do tipo lisa e a americana. Tipburn Colapso marginal e necrose nas margens da folha Tipburn Quando ocorre? Próximo da colheita Agente causal: desordem relacionada com Ca Fatores que contribuem para a ocorrência: - Temp. amena - fertilização excessiva - aumento na intensidade de luz - outros fatores que fav. crescimento rápido 18

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS PODRIDÃO NEGRA. Principal doença de crucíferas cultivadas, principalmente de repolho, couve e couve-flor.

Leia mais

Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil

Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil Ailton Reis (ailton@cnph.embrapa.br) Alice Maria Quezado Duval (alice@cnph.embrapa.br)

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS Cibele Mantovani 2013 Sumário Introdução 2 Podridão Negra Pythium ultimum 3 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium 5 Antracnose Colletotrichum

Leia mais

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, setembro de 2009. PRINCIPAIS DOENÇAS FÚNGICAS NA CULTURA DO ALHO Marco Antônio Lucini 1 O Brasil é um

Leia mais

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS ÍNDICE Carlos Alberto Lopes Embrapa Hortaliças INTRODUÇÃO... 1 DOENÇAS... 2 1. Tombamento...2 2. Murcha-de-fitóftora (Requeima, Podridão-de-fitóftora, Pé-preto)...2

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ EQUIPE MELHORAMENTO GENÉTICO IMPORTÂNCIA DA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RS... PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO Eng. Agr..

Leia mais

MíLDiO DO TOMATEiRO. Tomada de decisão. Medidas culturais PRAGAS E DOENÇAS. Luta química. (MONT.) DE bary

MíLDiO DO TOMATEiRO. Tomada de decisão. Medidas culturais PRAGAS E DOENÇAS. Luta química. (MONT.) DE bary Tomada de decisão Tratar quando aparecerem os primeiros sintomas e sempre que se verificarem as condições favoráveis ao desenvolvimento da doença: Humidade relativa elevada, superior a 50%; Temperaturas

Leia mais

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Roteiro: Breve introdução. Controles básicos recomendados para todas as culturas. Medidas profiláticas. (rotação de culturas, destruição

Leia mais

Comunicado78 Técnico. Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira. Importância. ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF

Comunicado78 Técnico. Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira. Importância. ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF Comunicado78 Técnico ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF Foto: Carlos A. Lopes Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira Ailton Reis 1 Importância A requeima é a doença mais

Leia mais

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO DISSEMINAÇÃO Liberação Dispersão Deposição (Inoculação) SOBREVIVÊNCIA ciclo secundário ciclo primário PENETRAÇÃO INFECÇÃO Estabelecimento das relações parasitárias

Leia mais

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS 1. FERRUGEM 1 SINTOMAS. folhas:. sup. superior:. manchas angulares, amarelas, pequenas. sup. inferior:. pústulas arredondadas, recobertas de massa pulverulenta

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 Muda : papel fundamental na obtenção de uma planta bem formada e SADIA Qualidade sanitária das mudas:

Leia mais

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis Apresentação O agronegócio brasileiro tem passado por profundas modificações, as quais aumentaram a competitividade de seus produtos e subprodutos na economia interna e externa. Neste contexto, a soja

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

Circular. Técnica. Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle. Autores. Introdução. 1. Doença causada por bactéria ISSN 1415-3033

Circular. Técnica. Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle. Autores. Introdução. 1. Doença causada por bactéria ISSN 1415-3033 ISSN 1415-3033 Circular Técnica 96 Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle Brasília, DF Dezembro, 2011 Autores Ailton Reis ailton@cnph.embrapa.br Eng. Agr., D. Sc. Embrapa Hortaliças

Leia mais

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano Equipe de fitopatologia da OR Melhoramento de Sementes Ltda 1. Introdução. A diagnose (determinação

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Msc. Martha Maria Passador Novembro/2010 16ª Reunião Técnica do PROTEF Doenças em eucalipto Doenças foliares Mancha de micosferela Mycosphaerella

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

Manual de identificação das doenças do algodoeiro

Manual de identificação das doenças do algodoeiro Manual de identificação das doenças do algodoeiro Por: Paulo Edimar Saran Paulo Edimar Saran Manual de identificação das doenças do algodoeiro Paulo Edimar Saran Suas atividades profissionais tiveram início

Leia mais

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO TECNOAGRO Rodovia BR 060, km 11 - Condominio Rural Fundação Chapadão Casas 4, 5 e 6 - Caixa postal 39 - CEP 79.560-000 Chapadão do Sul, MS - www fundacaochapadao.com.br

Leia mais

Apostila de PRAGAS E DOENÇAS DA HORTICULTURA

Apostila de PRAGAS E DOENÇAS DA HORTICULTURA 1 CPEA Centro Paulista de Estudos Agropecuários Elaborado por Profa. Elaine Apostila de PRAGAS E DOENÇAS DA HORTICULTURA Nome: Curso: 2 I CONTROLE FITOSSANITÁRIO EM HORTICULTURA ECOLÓGICA Na agricultura

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho Prof. Fernanda Basso Métodos de diagnóstico Diagnose Visual Diagnose Foliar Diagnose visual Consiste em se

Leia mais

Cultivo do tomateiro. Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal

Cultivo do tomateiro. Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal Cultivo do tomateiro Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal Tomateiro (Lycopersicon esculentum) Centro de origem: América do Sul Centro de domesticação: México Diversos segmentos

Leia mais

Circular. Técnica. Diagnose e controle alternativo de doenças em alface, alho, cebola e brássicas. Autores. Introdução ISSN 1415-3033

Circular. Técnica. Diagnose e controle alternativo de doenças em alface, alho, cebola e brássicas. Autores. Introdução ISSN 1415-3033 ISSN 1415-3033 Diagnose e controle alternativo de doenças em alface, alho, cebola e brássicas 120 Circular Técnica Foto: Ricardo B. Pereira Foto: Ricardo B. Pereira Foto: Francisco V. Resende Foto: Jadir

Leia mais

DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA

DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA Rui Pereira Leite Jr. ruileite@iapar.br INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ http://www.iapar.br PRINCIPAIS ESPÉCIES DE CAFEEIRO CULTIVADAS

Leia mais

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti Doenças e Pragas da Videira Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti 1-INTRODUÇÃO DOENÇAS PARASITÁRIAS: Fungos, Bactérias, Vírus, Nematóides, etc. DOENÇAS NÃO PARASITÁRIAS: Resulta das condições

Leia mais

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94 Foto 1. Deficiência de nitrogênio: clorose nos folíolos das folhas mais velhas com posterior necrose e queda. Foto 2. À esquerda, planta com nutrição normal; à direita, planta deficiente em nitrogênio.

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Cultivo de couve-flor e brócolis

Cultivo de couve-flor e brócolis Cultivo de couve-flor e brócolis Família Brassicaceae Cultura Brócolos Couve-flor Couve Couve-tronchuda Couve-de-bruxelas Couve-rábano Repolho Couve-chinesa Rabanete Rucula Nome científico Brassica oleracea

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99 ISSN 004-564 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 6, km 5,6 - Trecho Dourados-Caarapó Caixa Postal 66 79804-970 Dourados

Leia mais

PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1

PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1 PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1 HECKLER, Leise Inês 2 ; SILVA, Gerarda Beatriz Pinto 3 ; SANTOS, Ricardo Feliciano 2 ; SCHEEREN, Laura Engroff 3 ; FÍNGER, Geísa 4

Leia mais

Mecanismos de transmissão de fitopatógenos de sementes para órgãos aéreos.

Mecanismos de transmissão de fitopatógenos de sementes para órgãos aéreos. Mecanismos de transmissão de fitopatógenos de sementes para órgãos aéreos. Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano OR Melhoramento de sementes Ltda. Passo Fundo, RS Na natureza, os

Leia mais

Família Brassicaceae

Família Brassicaceae Família Brassicaceae Família Brassicaceae Cultura Brócolos Couve-flor Couve Couve-tronchuda Couve-de-bruxelas Couve-rábano Repolho Couve-chinesa Agrião aquático Rabanete Rucula Nome científico Brassica

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores Alfaces Brócolis, Repolhos e Couves-flores Compromissos Seminis produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes conhecimento Rede global de melhoramento genético

Leia mais

Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença

Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença Erlei Melo Reis 1 Sandra Zoldan 1 Anderson Luiz Durante Danelli 2 Vânia Bianchin 3 ( 1 ) OR Melhoramento de Sementes Ltda, Passo Fundo, RS ( 2 ) Universidade

Leia mais

Comunicado Técnico. Multiplicação de batata- semente para uso próprio. Introdução. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio Daniels 3

Comunicado Técnico. Multiplicação de batata- semente para uso próprio. Introdução. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio Daniels 3 Comunicado Técnico 207 ISSN 1806-9185 Junho, 2009 Pelotas, RS SEMENTEIRO: Multiplicação de batata- semente para uso próprio Figura 1. Plantio de batata. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio

Leia mais

Atualizado em 18/03/2015 Prof. Associado, Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (http://lattes.cnpq.br/8099996221105627) SINTOMATOLOGIA*

Atualizado em 18/03/2015 Prof. Associado, Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (http://lattes.cnpq.br/8099996221105627) SINTOMATOLOGIA* UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 18/03/2015 Prof. Associado,

Leia mais

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO:

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: - Na seleção do material devem-se observar: 1 - Aspectos agronômicos; 2 - Qualidade da maniva de mandioca; 3 - Sanidade da maniva de mandioca; 3 - Armazenamento de manivas.

Leia mais

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri)

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) ALERTA QUARENTENÁRIO MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) O agronegócio do cacau é um dos mais importantes para o Brasil por envolver cerca de 50.300 famílias, responsáveis pela geração de 500.000

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Cultivo e processamento do tomate Bruno Henrique Cruz França REDETEC Rede de Tecnologia do Rio de Janeiro novembro 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES

IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES Manejo Integrado de Doenças em Ornamentais Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues Material cedido pela Embrapa Semiárido Dr. Daniel Terao - Pesquisador - Fitopatologia IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

A mancha-amarela-da-folha do trigo - ciclo da doença

A mancha-amarela-da-folha do trigo - ciclo da doença A mancha-amarela-da-folha do trigo - ciclo da doença Erlei Melo Reis 1 Sandra Zodan 1 Anderson Luiz Durante Danelli 2 Rosane Baldiga Tonin 2 ( 1 ) OR Melhoramento de Sementes Ltda, Passo Fundo, RS ( 2

Leia mais

A área foliar é reduzida na proporção da severidade do ataque da doença. A queimadura produzida pela doença afeta o processo de fotossíntese.

A área foliar é reduzida na proporção da severidade do ataque da doença. A queimadura produzida pela doença afeta o processo de fotossíntese. Alerta Quarentenário 2 SIGATOKA NEGRA DOENÇA DA BANANEIRA SIGATOKA NEGRA A SIGATOKA NEGRA, doença da bananeira, é causada pelo fungo Mycosphaerella fijiensís Var. difformis, identificado por Mulder e Stover,

Leia mais

MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS

MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS Micronutrientes MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS E ANIÔNICOS Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br Micronutrientes MICRONUTRIENTES CATIÔNICOS Volnei Pauletti Jana

Leia mais

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 1 Pragas de solo 1.1 - Cupins Importância econômica -se alimentam de celulose e possuem hábitos subterrâneos. Sintomas de danos -Atacam as sementes, destruindo-as

Leia mais

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS Profª Fernanda Basso FATORES CLIMÁTICOS IMPORTANTES Temperatura Precipitação Luminosidade Crescimento e

Leia mais

A BANANA IMPORTÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA

A BANANA IMPORTÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA A BANANA A BANANA IMPORTÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA É uma das frutas mais importantes do mundo, tanto no que se refere à produção quanto à comercialização. Para muitos países, além de ser um alimento complementar

Leia mais

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões Abobrinhas e Pepinos Pimentões Compromissos Seminis Produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes Conhecimento Rede global de melhoramento genético Soluções

Leia mais

Principais doenças na cultura da batata - BACTERIOSES

Principais doenças na cultura da batata - BACTERIOSES V Seminário Brasileiro de Batata Uberlândia, MG 2010 Principais doenças na cultura da batata - BACTERIOSES Carlos A. Lopes HORTALIÇAS Patógeno Doença Ambiente Hosped A B C Variação de temperatura em dezembro,

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII Zuleide A. Ramiro Instituto Biológico, Centro Experimental Central do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil. E-mail: zramiro@uol.com.br

Leia mais

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO ESTADO DE SÃO PAULO Safra 2013/2014 Christina Dudienas IAC/APTA DOENÇAS Ferrugem comum Manchas Foliares Phaeophaeria Diplódia Ferrugem Comum Puccinia sorghi

Leia mais

DOENÇAS DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

DOENÇAS DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill) DOENÇAS DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Claudia Vieira Godoy 1 ; Álvaro Manuel Rodrigues Almeida 1 ; Rafael Moreira Soares 1 ; Claudine Dinali Santos Seixas 1 ; Waldir Pereira Dias 1 ; Maurício Conrado

Leia mais

POSTULADOS DE KOCH. Pesquisas e estudos. Novas doenças -? Koch e sua equipe:

POSTULADOS DE KOCH. Pesquisas e estudos. Novas doenças -? Koch e sua equipe: iagnose rof. Margarete amargo FV/N 2013 iagnose www.bioagro.ufv.br/ Novas doenças -? determinação de um agente causal de doenças é feita através de certos procedimentos ostulados de och ritérios propostos

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja. Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez

Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja. Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez FERRUGEM Phakopsora pachyrhizi FERRUGEM ASIÁTICA.Perdas de até 90% - diminui área fotossintética

Leia mais

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.)

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) Aspectos gerais Família: Fabaceae (ex) Leguminosae Mesma espécie do feijoeiro comum Qualquer cultivar de feijão pode ser usada para colheita de vagens,

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DAS PRINCIPAIS DOENÇAS E DE PRAGAS DA CULTURA DA BATATA

MANEJO INTEGRADO DAS PRINCIPAIS DOENÇAS E DE PRAGAS DA CULTURA DA BATATA CIRCULAR N 124 JULHO/02 ISSN 0100-3356 MANEJO INTEGRADO DAS PRINCIPAIS DOENÇAS E DE PRAGAS DA CULTURA DA BATATA Uma visão holística de controle para o Estado do Paraná 1 2 Aírton D. Brisolla, MSc - Bntomologia

Leia mais

VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com.

VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com. VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com.br (14) 3332-3388 Localização NOVA AMÉRICA S/A CITRUS (Fazenda Guacho) Nº plantas:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO

CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO Iul Brinner Expedito de SOUSA 1 ; Antonio Augusto Rocha ATHAYDE 2 ; Vanessa ANDALÓ 2 ; Gabriel Avelar LAGE 1 ; Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1

Leia mais

Black rot da videira e soluções Syngenta

Black rot da videira e soluções Syngenta Black rot da videira e soluções Syngenta 40 anos da Estação de Avisos da Bairrada Rui Delgado, Novembro 2010 Resumo 1. Sintomas 2. O ciclo do Black-rot 3. Impactos sobre a vindima e o vinho 4. A estratégia

Leia mais

Doenças do Milho Safrinha

Doenças do Milho Safrinha 07 José Fernando Jurca Grigolli 1 André Luis Faleiros Lourenção 2 Introdução O plantio do milho safrinha nos primeiros meses do ano representa uma opção para o incremento na renda dos agricultores, mas

Leia mais

O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010

O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010 O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010 No artigo O que são vírus Parte 1 (www.aeal.com.br na seção artigos técnicos) os vírus foram apresentados resumidamente sobre suas principais características,

Leia mais

P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA

P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA Fungicida com ação de profundidade tem nome e sobrenome: Cimox WP Helm Cimox WP Helm é um fungicida composto por 80g de Cymoxanil e 640g

Leia mais

SILAGEM DE GIRASSOL CULTIVO E ENSILAGEM

SILAGEM DE GIRASSOL CULTIVO E ENSILAGEM SILAGEM DE GIRASSOL CULTIVO E ENSILAGEM Antônio Ricardo Evangelista 1 Josiane Aparecida de Lima 2 I - INTRODUÇÃO O girassol constitui-se em uma boa opção de cultivo de entressafra nas áreas tradicionais

Leia mais

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 05/04/2015 Prof. Associado,

Leia mais

Critério de Classificação Flor do Campo.

Critério de Classificação Flor do Campo. Critério de Classificação Flor do Campo. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Culturas. A Cultura da Mandioca. Autor(es) Culturas A Cultura da Mandioca. Menu

Culturas. A Cultura da Mandioca. Autor(es) Culturas A Cultura da Mandioca. Menu 1 de 8 10/16/aaaa 11:25 Culturas A Cultura da Mandioca Nome Cultura da Mandioca Produto Informação Tecnológica Data Março -2001 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura da mandioca

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

Comunicado Técnico 49

Comunicado Técnico 49 Comunicado Técnico 49 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Pragas da Fase Vegetativa e Reprodutiva Ivan Cruz 1 Paulo Afonso Viana José Magid Waquil Os danos causados pelas pragas

Leia mais

EFEITO DE HÚMUS DE MINHOCA NO CULTIVO DA ALFACE (Lactuca sativa L.) NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA, PARÁ

EFEITO DE HÚMUS DE MINHOCA NO CULTIVO DA ALFACE (Lactuca sativa L.) NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA, PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ALTAMIRA FACULDADE DE AGRONOMIA EFEITO DE HÚMUS DE MINHOCA NO CULTIVO DA ALFACE (Lactuca sativa L.) NO MUNICÍPIO DE ALTAMIRA,

Leia mais

Mancha bacteriana marrom Tobacco ringspot virus Bean pod mottle virus Southern bean mosaic virus. Rafael Moreira Soares - Fitopatologista

Mancha bacteriana marrom Tobacco ringspot virus Bean pod mottle virus Southern bean mosaic virus. Rafael Moreira Soares - Fitopatologista Mancha bacteriana marrom Tobacco ringspot virus Bean pod mottle virus Southern bean mosaic virus Rafael Moreira Soares - Fitopatologista Mancha bacteriana marrom Nova doença da soja no Brasil Mancha bacteriana

Leia mais

LIVRO TEXTO CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO

LIVRO TEXTO CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS LIVRO TEXTO REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO Phyton = planta Pathos = doença Logos = estudo 2. CONCEITO DE DOENÇA

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

www.revistacultivar.com.br

www.revistacultivar.com.br www.revistacultivar.com.br Soja Maio 2015 03 Plano estratégico Na batalha travada a cada safra pelos produtores de soja contra a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a cultura, contar com tecnologia,

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA MELANCIA

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA MELANCIA Informativo Agronômico n o 02 v2.0 NETAFIM BRASIL IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA MELANCIA INFORMAÇÕES DE CULTIVO 1. CULTURA Melancia Nome Científico: Citrullus vulgaris L. Família: Curcubitaceae Origem:

Leia mais

ISSN 1516-781X Julho, 2005 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Soja Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos256 Manual de Identificação de Doenças

Leia mais

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems ABCBio (Associação Brasileira das empresas de Controle Biológico) foi fundada em 2007, com a missão de congregar as empresas de

Leia mais

4 PODRIDÕES DE MAÇÃS FRIGORIFICADAS. Condições de alta pluviosidade no período de précolheita INTRODUÇÃO MEDIDAS PROFILÁTICAS

4 PODRIDÕES DE MAÇÃS FRIGORIFICADAS. Condições de alta pluviosidade no período de précolheita INTRODUÇÃO MEDIDAS PROFILÁTICAS Frutas do Brasil, 39 35 4 PODRIDÕES DE MAÇÃS FRIGORIFICADAS Rosa Maria Valdebenito Sanhueza INTRODUÇÃO As podridões de frutas armazenadas constituem a maior parte de refugo nos galpões de embalagens, atingindo

Leia mais

GUIA DE MANEJO DE PRAGAS CEBOLA/ALHO

GUIA DE MANEJO DE PRAGAS CEBOLA/ALHO GUIA DE MANEJO DE PRAGAS CEBOLA/ALHO Tradução: Rayane Gonçalves Melo Insetos e Ácaros ÁCAROS DO BULBO (6/08) Nomes Científicos: Rhizoglypus spp., Tyrophagus spp. DESCRIÇÃO DAS PRAGAS Os ácaros do bulbo

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Coletor Solar para Desinfestação de Substratos para Produção de Mudas Sadias

Coletor Solar para Desinfestação de Substratos para Produção de Mudas Sadias ISSN 116-4683 Coletor Solar para Desinfestação de Substratos para Produção de Mudas Sadias 4 Resumo Um equipamento, denominado coletor solar, foi desenvolvido para desinfestar substratos utilizados para

Leia mais

DOENÇAS DO ALGODOEIRO

DOENÇAS DO ALGODOEIRO S.E. 2 NOVOS PROBLEMAS DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO VARIABILIDADE DE PATÓGENOS EDIVALDO CIA PROBLEMAS ATUAIS DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO RAFAEL GALBIERI MOFO BRANCO NO ALGODOEIRO NELSON SUASSUNA DEFINIÇÃO DE

Leia mais

Fruticultura. A Cultura da Bananeira

Fruticultura. A Cultura da Bananeira 1 de 7 10/16/aaaa 11:38 Fruticultura A Cultura da Bananeira Nome Cultura da Bananeira Produto Informação Tecnológica Data Novembro 2000 Preço - Linha Fruticultura Informações resumidas Resenha sobre a

Leia mais

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo Herciíio Viegas Rodrigues LPV-ESALQ-USP Município: Pariquera Açu Local: Sítio Sakai Início de atividade: Aquisição de plântulas: 2002 Desenvolvimento de mudas (casa

Leia mais

Comunicado. Técnico. Tipos de Alface Cultivados no Brasil. Gilmar Paulo Henz 1 Fábio Suinaga 2

Comunicado. Técnico. Tipos de Alface Cultivados no Brasil. Gilmar Paulo Henz 1 Fábio Suinaga 2 Comunicado 75 Técnico ISSN 1414-9850 Novembro, 2009 Brasília, DF Tipos de Alface Cultivados no Brasil Gilmar Paulo Henz 1 Fábio Suinaga 2 A alface é uma cultura plantada e consumida em todo o território

Leia mais

Pragas e doenças do cafeeiro FIQUE DE OLHO

Pragas e doenças do cafeeiro FIQUE DE OLHO Pragas e doenças do cafeeiro FIQUE DE OLHO 2 Pragas e doenças do cafeeiro: fique de olho! Pragas e doenças competem com as culturas econômicas, causando quedas na produção. A garantia de produção e produtividade

Leia mais

Propagação de plantas e produção de mudas de hortaliças em sistema orgânico

Propagação de plantas e produção de mudas de hortaliças em sistema orgânico Capítulo 4 Propagação de plantas e produção de mudas de hortaliças em sistema orgânico Jacimar Luis de Souza 1 Tatiana Pires Barrella 2 Rosileyde G. Siqueira 3 Ricardo H. Silva Santos 4 Mariane Carvalho

Leia mais