A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.)"

Transcrição

1 A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.)

2 Aspectos gerais Família: Fabaceae (ex) Leguminosae Mesma espécie do feijoeiro comum Qualquer cultivar de feijão pode ser usada para colheita de vagens, porém nem todas fornecerão vagens de boa qualidade. Produz vagens tenras e comestíveis

3 Importância econômica A produção nos países em desenvolvimento foi estimada em 4,0 a 4,5 milhões de toneladas América Latina 250 a 300 mil toneladas Pequenos produtores em áreas que variam de 2 a 20 ha Brasil (2006) toneladas No Brasil o consumo é de aproximadamente 0,7 Kg/pessoa/ano China e Turquia 3,0 a 8,0 Kg/pessoa/ano

4 Origem - Domesticação anos Europa: Mutações do feijão comum América Central: Teria sido levado para Europa e Ásia

5 Variabilidade

6 Aspectos Botânicos Sistema radicular superficial Espécie anual Herbácea, caule volúvel, folhas trifoliadas Autogamia Baixa incidência de polinização cruzada (o a 9,0%)

7 Biologia floral e polinização

8 Genética 2n= 22

9 Hábito de crescimento Determinado (arbustivo) (0,50 m de altura) sem tutoramento ciclo mais curto (60 dias) Adequadas para colheita mecanizada 12 a 15 t/ha Indeterminado (trepador) 2,50 m de altura Tutoramento Em sucessão ao tomate e pepino 25 a 30 t/ha25 a 30 t/ha

10 Vagem Corte transversal da vagem Redondo Ovalado Chato São unicarpelares Indeiscentes ou tardiamente deiscentes Com número variável de sementes com hilo branco

11 Cor da vagem

12 Aspectos nutricionais Rica em fibras Vitaminas A, C, B1 e B2 40 mg de Ca/100g de vagem cozida (Filgueira, 2000) Quantidades menores de fósforo, flúor, potássio e ferro

13 Tipos de vagem Macarrão Crescimento indeterminado/determina do (ultrapassando 2,5 m) Vagens seção circular e formato cilíndrico Sementes brancas (quando secas)

14 Manteiga Crescimento indeterminado Vagens de seção elíptica Formato achatado Sementes com coloração verde-clara ou branca (quando secas)

15 Macarrão rasteiro Crescimento determinado Caule ereto Baixo porte (50 cm) Produtividade menor do que a indeterminado

16 Vagem de metro Slim trepador

17 Usos - A produção do feijãovagem no Brasil é principalmente destinada ao consumo de vagens in natura. Com reduzidas quantidades destinando-se à indústria de conservas e para a exportação de vagem refrigerada.

18 Temperatura Climas com temperatura entre 10º a 27º C sendo ótima a faixa entre 18º a 24º C Intolerante ao frio intenso ou a geadas. Abaixo de 10º a germinação é prejudicada e acima de 35º ocorre deficiência na polinização. Os ventos, durante a floração: prejudicam a polinização promovem a queda de flores recomendável evitar solos muito rasos e aqueles com baixos teores de matéria orgânica.

19

20 Principais cultivares Tabela 1 - Algumas cultivares de feijao-de-vagem disponíveis atualmente no mercado e suas características Cultivar Macarrao Itatiba Macarrao Favorito Mimoso rasteiro Andra Formato das vagens Macarrao Macarrao Macarrao Macarrao Colheita (dias) Comprimento das vagens (cm) Habito de crescimento Indeterminado Indeterminado Determinado Determinado Cor da semente Branca Branca Branca Branca Talharim Manteiga Maravilha Manteiga Manteiga Indeterminado Indeterminado Marrom - Teresópolis Alessa Manteiga Manteiga Indeterminado Determinado Marrom Branca amarelada Senhorita Manteiga Indeterminado Marrom

21 Local de plantio Solos Areno-argilosos PH 5,5 6,8 Água ( mm/ciclo)

22 Adubação Química Análise de solo Sucessão de culturas Solo de fertilidade mediana e baixa Hábito indeterminado N: 30 Kg/ha P2O5: Kg/ha K2O: Kg/ha

23 Implantação da cultura Época de plantio Março Abril Agosto Setembro Plantio Espaçamento Indeterminado 100 x 20 cm Determinado x cm Intolerante ao transplantio Semeadura direta

24

25 Semeadura Direta Tutorada: 2-3 sementes/cova (20 30 Kg sem/ha) Rasteira: sementes / metro (70 90 Kg sem/ha)

26 Tratos culturais Desbaste Estaqueada deixando 2 plantas/cova Rasteira deixam-se plantas isoladas Irrigação Infiltração Aspersão Hortaliça menos exigente de água Período de maior exigência hídrica início da floração até o término da colheita Amontoa não traz benefícios

27 Consórcio - Pretoria - testada no meio de frutíferas, em Atibaia/SP e também em Araguari/MG.

28 Colheita Hábito: Indeterminado dias após a semeadura (duração: 30 dias ou mais) Determinado dias colheita única Colheita mecanizada Vagens imaturas, tenras, poucas sementes desenvolvidas, polpa espessa e carnosa.

29 Comercialização Caixas do tipo K Comportam Kg 17 a 20 Kg (vagem manteiga) 13 a 17 Kg (vagem macarrão) Preço elevado no inverno

30 Principais doenças da parte aérea antracnose, Colletotrichum lindemuthianum mancha angular, Phaeoisariopsis griseola crestamento bacteriano, Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli ferrugem, Uromyces appendiculatus mosaico dourado, Bean golden mosaic virus mosaico comum, Bean common mosaic virus

31 Antracnose - Colletotrichum lindemuthianum Mais de 20 patótipos - Brasil Diversificar cultivares *** 90% dos produtores usam sementes próprias Rotação até degradação total dos restos culturais (+ 1 ano) Tratamento de sementes Foto: Murillo Lobo Junior

32 Uromyces appendiculatus (ferrugem) Foto: Murillo Lobo Junior

33 Phaeoisariopsis griseola (Mancha angular) Foto: Murillo Lobo Junior

34 Xanthomonas axonopodis pv. Phaseoli (crestamento bacteriano) Foto: Murillo Lobo Junior

35 Mosaico dourado e mosaico comum

36 Entre os fungos de solo, destacam-se: Fusarium oxysporum f. sp. Phaseoli - murcha-defusário; Fusarium solani f. sp. Phaseoli - podridão radicular seca Macrophomina phaseolina - podridão cinzenta da haste; Rhizoctonia solani - podridão radicular Thanatephorus cucumeris) - mela do feijoeiro Sclerotinia sclerotiorum - causador do mofo branco

37 Fusarium oxysporum f. sp. Phaseoli - murchade-fusário Danos em um campo de produção de feijão

38 Fusarium solani f. sp. phaseoli - podridão radicular seca

39 Macrophomina phaseolina - podridão cinzenta da haste; altas temperaturas e estresse hídrico.

40 Rhizoctonia solani - podridão radicular

41 Sclerotinia sclerotiorum - causador do mofo branco

42 Obrigada!!!

INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS

INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS 131 INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS Paulo Roberto Ribeiro Rocha (1), Trazilbo José de Paula Júnior (2) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG,

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões

Abobrinhas e Pepinos. Pimentões Abobrinhas e Pepinos Pimentões Compromissos Seminis Produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes Conhecimento Rede global de melhoramento genético Soluções

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 25, DE 23 DE MAIO DE 2006. ANEXO I

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 25, DE 23 DE MAIO DE 2006. ANEXO I ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS TEMÁRIO: 1 Instrução Normativa n 25 de 23 de maio de 2006. Publicação: D.O.U. do dia 19/06/2006, Seção 1. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS Cibele Mantovani 2013 Sumário Introdução 2 Podridão Negra Pythium ultimum 3 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium 5 Antracnose Colletotrichum

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP)

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Reunião do Consórcio Antiferrugem 26 de junho de 2008. Londrina, PR. Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Dulândula S. M. Wruck - Epamig Leila

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

É por isso que o convidamos a conhecer nas próximas páginas nossos lançamentos e produtos que há anos fazem parte do nosso catálogo. Seja bem-vindo!

É por isso que o convidamos a conhecer nas próximas páginas nossos lançamentos e produtos que há anos fazem parte do nosso catálogo. Seja bem-vindo! Não é do dia para a noite que uma empresa se torna referência no seu setor, e com a Agrocinco não foi diferente. Após 15 anos de atuação no mercado brasileiro de sementes de hortaliças de alto rendimento,

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA MELANCIA

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA MELANCIA Informativo Agronômico n o 02 v2.0 NETAFIM BRASIL IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA MELANCIA INFORMAÇÕES DE CULTIVO 1. CULTURA Melancia Nome Científico: Citrullus vulgaris L. Família: Curcubitaceae Origem:

Leia mais

DOENÇAS DO ALGODOEIRO

DOENÇAS DO ALGODOEIRO S.E. 2 NOVOS PROBLEMAS DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO VARIABILIDADE DE PATÓGENOS EDIVALDO CIA PROBLEMAS ATUAIS DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO RAFAEL GALBIERI MOFO BRANCO NO ALGODOEIRO NELSON SUASSUNA DEFINIÇÃO DE

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

A cultura do Algodão

A cultura do Algodão UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais Curso de Agronomia Departamento de Fitotecnia A cultura do Algodão (Gossypium hirsutum L.) Prof. Lucio Zabot Santa Maria, Novembro de 2007

Leia mais

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS PODRIDÃO NEGRA. Principal doença de crucíferas cultivadas, principalmente de repolho, couve e couve-flor.

Leia mais

VI SEMINÁRIO SOBRE PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS DO FEIJOEIRO

VI SEMINÁRIO SOBRE PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS DO FEIJOEIRO DOCUMENO IAC, 79 VI EMINÁRIO OBRE PRAGA, DOENÇA E PLANA DANINHA DO FEIJOEIRO ANAI 12 a 14 de junho de 2006 Campinas (P) Instituto Agronômico (IAC) Campinas (P) Coordenadores Margarida Fumiko Ito César

Leia mais

Canola. Brasília, Setembro de 2010.

Canola. Brasília, Setembro de 2010. Canola Brasília, Setembro de 2010. Canola: A canola ocupa o terceiro lugar entre as oleogionosas cultivadas no mundo. A internação no Brasil ocorreu em 1974 procedente do México, país criador da canola.

Leia mais

Cultivo de couve-flor e brócolis

Cultivo de couve-flor e brócolis Cultivo de couve-flor e brócolis Família Brassicaceae Cultura Brócolos Couve-flor Couve Couve-tronchuda Couve-de-bruxelas Couve-rábano Repolho Couve-chinesa Rabanete Rucula Nome científico Brassica oleracea

Leia mais

Cultivo do tomateiro. Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal

Cultivo do tomateiro. Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal Cultivo do tomateiro Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal Tomateiro (Lycopersicon esculentum) Centro de origem: América do Sul Centro de domesticação: México Diversos segmentos

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA Nº 129 - AGOSTO/07 - ISSN 0100-3356 PRODUÇÃO DE SEMENTES EM PEQUENAS PROPRIEDADES

CIRCULAR TÉCNICA Nº 129 - AGOSTO/07 - ISSN 0100-3356 PRODUÇÃO DE SEMENTES EM PEQUENAS PROPRIEDADES CIRCULAR TÉCNICA Nº 129 - AGOSTO/07 - ISSN 0100-3356 PRODUÇÃO DE SEMENTES EM PEQUENAS PROPRIEDADES ROBERTO REQUIÃO Governador do Estado do Paraná VALTER BIANCHINI Secretário de Estado da Agricultura e

Leia mais

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013 Produção de mel Informação sobre a Produção de Canola Raízes profundas Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel Brasília DF 03.07.2013 Engº Agrº Msc Valdir Zonin SEAPA Coordenador

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

Cultivo das Brássicas

Cultivo das Brássicas Cultivo das Brássicas Brássicas couve-flor repolho brócolis couve-manteiga couve-de-bruxelas mostarda nabo rabanete rúcula colza canola Importância econômica Repolho, couve-flor, brócolis - maior expressão

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de dejetos e resíduos de origem animal como alternativa na adubação de feijão irrigado Lilian Christian Domingues de Souza 1, Alício

Leia mais

PORTFÓLIO DE VARIEDADES

PORTFÓLIO DE VARIEDADES PORTFÓLIO DE VARIEDADES SOJA ABRIL, 2015 SEEDCORP.COM.BR VARIEDADES SEEDCORP RR IPRO EXCLUSIVIDADES SEEDCORP RR IPRO NA 5909 RG Nidera Precocidade: possibilidade de segunda safra; Máxima estabilidade em

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica ANEXO I Especificação Técnica UNIDADES ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABACAXI: Fruto colhido maduro, o que é indicado quando a malha do fruto estiver aberta; o padrão desejado são frutos com peso acima de 1,8 (um

Leia mais

A CULTURA DA GOIABEIRA

A CULTURA DA GOIABEIRA Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz A CULTURA DA GOIABEIRA Prof. Angelo Pedro Jacomino Centro de Origem região tropical da América: sul do México até sul do Brasil

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PRODUÇÃO DE PEPINO TIPO CONSERVA EM FUNÇÃO DE DOSES DE FÓSFORO ELONHA RODRIGUES DOS SANTOS 1 ; ANTONIA PINTO DE CERQUEIRA 2 ; PAULO ROGÉRIO SIRIANO BORGES 3 ; PAULO ROBERTO PEREIRA 4 ; ARISTÓTELES CAPONE

Leia mais

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 12, de 28 de março de 2008

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE Moringa é especialmente promissor como fonte de alimento nos trópicos, porque a árvore está na folha completa no final da estação seca, quando outros alimentos são geralmente

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Núcleo 1 Matrinchã, Jussara e região. Os trabalhos estão concentrados

Leia mais

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94 Foto 1. Deficiência de nitrogênio: clorose nos folíolos das folhas mais velhas com posterior necrose e queda. Foto 2. À esquerda, planta com nutrição normal; à direita, planta deficiente em nitrogênio.

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410 I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 21 Página 41 ADUBAÇÃO DA MAMONEIA DA CULTIVA BS NODESTINA EM CONDIÇÕES DE SEQUEIO 1 Valdinei Sofiatti 1 ; Tarcisio Marcos de Souza Gondim

Leia mais

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores Alfaces Brócolis, Repolhos e Couves-flores Compromissos Seminis produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes conhecimento Rede global de melhoramento genético

Leia mais

Critério de Classificação Flor do Campo.

Critério de Classificação Flor do Campo. Critério de Classificação Flor do Campo. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 REGIÃO CENTRO-SUL RESUMO O censo varietal e de produtividade de cana-de-açúcar é realizado pelo CTC - Centro de Tecnologia Canavieira, na Região Centro-Sul do

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares;

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares; 6 CULTIVARES MUNDO - Elevado número de cultivares; -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra BRASIL - Mantidas coleções de linhagens e cultivares

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS 1. FERRUGEM 1 SINTOMAS. folhas:. sup. superior:. manchas angulares, amarelas, pequenas. sup. inferior:. pústulas arredondadas, recobertas de massa pulverulenta

Leia mais

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO:

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: - Na seleção do material devem-se observar: 1 - Aspectos agronômicos; 2 - Qualidade da maniva de mandioca; 3 - Sanidade da maniva de mandioca; 3 - Armazenamento de manivas.

Leia mais

Critério de Classificação Orquídeas Variadas.

Critério de Classificação Orquídeas Variadas. Critério de Classificação Orquídeas Variadas. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO Selma Barbosa Bastos Universidade Estadual de Feira de Santana selmabbastos@gmail.com Manuel Cabalar

Leia mais

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Algodão(Gossypium

Leia mais

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali

Regiões Litorâneas. Javali. https://meadd.com/seviero/43049322. http://pt.wikipedia.org/wiki/javali Javali A4 Regiões Litorâneas A3 http://pt.wikipedia.org/wiki/javali https://meadd.com/seviero/43049322 O javali tem uma grande distribuição geográfica. Aparece em parte da Europa e Norte da África (juntamente

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006. 2. Projeto: PRODUTO ORGANOMINERAL VITAN NA PRODUÇÃO DE BATATA

RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006. 2. Projeto: PRODUTO ORGANOMINERAL VITAN NA PRODUÇÃO DE BATATA 1 RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006 1 Solicitante: Associação Brasileira da Batata ABBA Rua Vergílio de Rezende, 705 CEP: 18.201-030 Itapetininga/SP E-mail: aaatata@uol.com.r 2. Projeto:

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti Doenças e Pragas da Videira Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti 1-INTRODUÇÃO DOENÇAS PARASITÁRIAS: Fungos, Bactérias, Vírus, Nematóides, etc. DOENÇAS NÃO PARASITÁRIAS: Resulta das condições

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE SOJA NO BOLSÃO SULMATOGROSSENSE

SISTEMAS DE PRODUÇÃO E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE SOJA NO BOLSÃO SULMATOGROSSENSE ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA DE MATO GROSSO DO SUL FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE AGRONEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

Leia mais

Cultura da Mangueira. Novembro 2007

Cultura da Mangueira. Novembro 2007 Cultura da Mangueira Novembro 2007 Produção mundial de manga País 1.000 t (2006)* Índia 11.140 China 3.550 Paquistão 2.242 México 2.050 Tailândia 1.800 Indonésia 1.412 Brasil 1.347 Total * Inclui goiaba

Leia mais

Ficha de Divulgação n.º 15 /2013. ENSAIO DE PRODUÇÃO DE Sterlitzia reginae PARA FLOR DE CORTE AO AR LIVRE NO ALGARVE

Ficha de Divulgação n.º 15 /2013. ENSAIO DE PRODUÇÃO DE Sterlitzia reginae PARA FLOR DE CORTE AO AR LIVRE NO ALGARVE Ficha de Divulgação n.º /0 ENSAIO DE PRODUÇÃO DE Sterlitzia reginae PARA FLOR DE CORTE AO AR LIVRE NO ALGARVE Divisão de Sanidade Isabel Monteiro Estrelícia ou Ave do paraíso Sterlitzia reginae A Sterlitzia

Leia mais

Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos

Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos Diagnose foliar em couve-flor, couvebrócolos e repolho Prof. Dr. Renato de Mello Prado Prof. Dr. Arthur B. Cecílio Filho Depto. Solos e Adubos Depto de Produção Vegetal rmprado@fcav.unesp.br rutra@fcav.unesp.br

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja. Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez

Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja. Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez FERRUGEM Phakopsora pachyrhizi FERRUGEM ASIÁTICA.Perdas de até 90% - diminui área fotossintética

Leia mais

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável ISSN 1679-0464 Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável 16 O Algodoeiro em Mato Grosso Mato Grosso é um dos Estados do Brasil que apresentou maior desenvolvimento

Leia mais

PORQUE NÃO ALCANÇAMOS MAIORES PRODUTIVIDADES NO BRASIL? Dr. Luís Ignácio Prochnow Dr. Valter Casarin Dr. Eros Francisco

PORQUE NÃO ALCANÇAMOS MAIORES PRODUTIVIDADES NO BRASIL? Dr. Luís Ignácio Prochnow Dr. Valter Casarin Dr. Eros Francisco PORQUE NÃO ALCANÇAMOS MAIORES PRODUTIVIDADES NO BRASIL? Dr. Luís Ignácio Prochnow Dr. Valter Casarin Dr. Eros Francisco 1. IPNI MISSÃO O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização

Leia mais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Paulo Sérgio dos Santos Leles Prof. Instituto de Florestas / UFRRJ 02 a 04 de setembro de 2015, Vitória - ES O que é uso múltiplo / multiproduto do eucalipto?

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Feijão - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Feijão - Análise da Conjuntura Agropecuária Feijão - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2013 INTRODUÇÃO A importância mundial do cultivo e consumo do feijão é apresentado no site do Centro Tropical de Agricultura Tropical (CIAT): Um prato

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1626/15 RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Nome do Evento: 6º Dia de Campo do Portal Ciência do Solo Qual o caminho para altas produtividades de soja? Interessado (Coordenador do Projeto):

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso.

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE SILICIO VIA FOLIAR NO CONTROLE DAS PRICIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.)

EFEITO DA APLICAÇÃO DE SILICIO VIA FOLIAR NO CONTROLE DAS PRICIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) EFEITO DA APLICAÇÃO DE SILICIO VIA FOLIAR NO CONTROLE DAS PRICIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) LOBO, Marcio Luiz F.¹ GUILHERME, Manoel R.² ¹ Aluno do curso de Agronomia da Associação

Leia mais

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Roteiro: Breve introdução. Controles básicos recomendados para todas as culturas. Medidas profiláticas. (rotação de culturas, destruição

Leia mais

INTERAÇÃO GENÓTIPOS POR AMBIENTES PARA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS, QUALIDADE TECNOLÓGICA E RESISTÊNCIA A PATÓGENOS EM FEIJOEIRO

INTERAÇÃO GENÓTIPOS POR AMBIENTES PARA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS, QUALIDADE TECNOLÓGICA E RESISTÊNCIA A PATÓGENOS EM FEIJOEIRO INSTITUTO AGRONÔMICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL E SUBTROPICAL INTERAÇÃO GENÓTIPOS POR AMBIENTES PARA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS, QUALIDADE TECNOLÓGICA E RESISTÊNCIA A PATÓGENOS EM FEIJOEIRO

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Propagação de plantas e produção de mudas de hortaliças em sistema orgânico

Propagação de plantas e produção de mudas de hortaliças em sistema orgânico Capítulo 4 Propagação de plantas e produção de mudas de hortaliças em sistema orgânico Jacimar Luis de Souza 1 Tatiana Pires Barrella 2 Rosileyde G. Siqueira 3 Ricardo H. Silva Santos 4 Mariane Carvalho

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, setembro de 2009. PRINCIPAIS DOENÇAS FÚNGICAS NA CULTURA DO ALHO Marco Antônio Lucini 1 O Brasil é um

Leia mais

MANDIOCA: da plantação a colheita

MANDIOCA: da plantação a colheita 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC MANDIOCA: da plantação a colheita PhD. Eng. Agrônomo Pascoal Muondo Técnico de Sistemas de Produção de Mandioca IIA Estação Experimental Agrícola de Malanje Índice 1. Origem

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Maio/2015 CLIMA Anomalia da Temperatura da Superfície do Mar sobre o Pacífico Equatorial El Niño

Leia mais