10128/16 cp/mjb 1 DGD 1C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10128/16 cp/mjb 1 DGD 1C"

Transcrição

1 Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 10128/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 9 de junho de 2016 para: Delegações n.º doc. ant.: 8770/16, 8819/16 Assunto: ENFOPOL 192 COPEN 204 DAPIX 101 COSI 107 Conclusões do Conselho e Plano de Ação relativos ao caminho a seguir para a criação do Espaço Europeu da Ciência Forense - Conclusões do Conselho (9 de junho de 2016) Enviam-se em anexo, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho e o Plano de Ação relativos ao caminho a seguir para a criação do Espaço Europeu da Ciência Forense, adotados pelo Conselho em 9 de junho de 2016, na sua 3473.ª reunião /16 cp/mjb 1 DGD 1C PT

2 ANEXO Projeto de conclusões do Conselho sobre o caminho a seguir para a criação do Espaço Europeu da Ciência Forense O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, CONSIDERANDO o valor do intercâmbio transfronteiras de perfis de ADN, de dados de impressões digitais e de dados de registo de veículos ao abrigo das Decisões Prüm 2008/615/JAI e 2008/616/JAI, de 23 de junho de 2008, relativas ao aprofundamento da cooperação transfronteiras, em particular no domínio da luta contra o terrorismo e a criminalidade transfronteiras, TENDO EM CONTA a Decisão-Quadro 2009/905/JAI do Conselho, de 30 de novembro de 2009, relativa à acreditação de prestadores de serviços forenses que desenvolvem atividades laboratoriais que se prendem com o ADN e as impressões digitais, RECORDANDO QUE em dezembro de 2011 o Conselho aprovou conclusões relativas à criação até 2020 de um Espaço Europeu da Ciência Forense, "em que os processos de polícia científica de rotina para a recolha, tratamento, utilização e entrega de dados forenses se deverão basear em normas mínimas equivalentes de polícia científica, e em que os prestadores de serviços forenses deverão trabalhar com base numa abordagem comum para a aplicação destas normas, o que fomentará uma cooperação mais estreita entre eles e os sistemas de justiça penal", TENDO EM CONTA que as conclusões do Conselho de 16 de junho de 2015 relativas à Estratégia Renovada de Segurança Interna da União Europeia e a Agenda Europeia para a Segurança consideram a ciência forense essencial para a ação policial e judicial, OBSERVANDO QUE as provas forenses são cada vez mais importantes em matéria penal e que as autoridades policiais e judiciárias devem estar confiantes de que os dados forenses em que se baseiam são de alta qualidade, independentemente da jurisdição em que as provas foram produzidas ou tratadas, 10128/16 cp/mjb 2 ANEXO DGD 1C PT

3 TENDO PRESENTE o objetivo da União Europeia de manter e desenvolver a União como um espaço de liberdade, segurança e justiça, em que deverá ser proporcionado aos cidadãos um elevado nível de proteção mediante ações comuns dos Estados-Membros nos domínios da cooperação policial e judiciária em matéria penal, OBSERVANDO QUE um Espaço Europeu da Ciência Forense promoveria a cooperação e criaria garantias através da uniformização dos procedimentos e práticas dos prestadores de serviços forenses nos Estados-Membros, tal como referido na Estratégia Renovada de Segurança Interna da União Europeia, RECORDANDO QUE a União constitui um espaço de liberdade, segurança e justiça, respeitando os direitos fundamentais e os diferentes sistemas jurídicos e tradições dos Estados-Membros, e que as práticas variam necessariamente entre Estados-Membros, REAFIRMANDO a necessidade de assegurar o intercâmbio eficaz e adequado de provas científicas e a necessidade crescente de utilizar dados forenses de um Estado-Membro nos processos judiciais de outro Estado-Membro, RECONHECENDO o desejo manifestado pelos Estados-Membros durante o debate na reunião informal dos ministros responsáveis pela JAI, em 26 de janeiro de 2016, em Amesterdão, de alargarem o intercâmbio de informações das bases de dados forenses, em especial nos domínios das armas e munições, explosivos e drogas, OBSERVANDO que o financiamento adicional da Comissão é um pré-requisito essencial para o reforço do Espaço Europeu da Ciência Forense e a aplicação das medidas no plano de ação em anexo, REGISTANDO a contribuição para o desenvolvimento das ciências forenses dos programas de investigação da Comissão (7.º Programa-Quadro para o período e Horizonte 2020 para o período ) e do Fundo para a Segurança Interna, RECONHECENDO o importante papel desempenhado pela Rede Europeia de Institutos de Polícia Científica (ENFSI) enquanto plataforma para o intercâmbio eficiente de conhecimentos forenses, bem como por outras partes interessadas e pelos prestadores de serviços forenses, a fim de estabelecer requisitos mínimos de qualidade para as análises forenses, facilitando a colaboração internacional e identificando importantes necessidades sistémicas da comunidade forense, 10128/16 cp/mjb 3 ANEXO DGD 1C PT

4 RECONHECENDO QUE a Academia Europeia de Polícia (CEPOL) é a agência da UE responsável pela formação de agentes policiais em toda a Europa, CONSIDERA necessário aprovar o plano de ação em anexo relativo ao caminho a seguir para a criação do Espaço Europeu da Ciência Forense, CONVIDA o Grupo da Aplicação da Lei e outros grupos de trabalho pertinentes a apresentarem um relatório intercalar durante o primeiro semestre de 2018 sobre a execução do plano de ação e a informarem o Comité Permanente da Segurança Interna (COSI) dos resultados /16 cp/mjb 4 ANEXO DGD 1C PT

5 ANEXO AO ANEXO PLANO DE AÇÃO RELATIVO AO CAMINHO A SEGUIR PARA A CRIAÇÃO DO ESPAÇO EUROPEU DA CIÊNCIA FORENSE 1. "Manuais de boas práticas 1 para as disciplinas forenses" Referência: Objetivo: Fundamentação: 1 Aumentar a confiança mútua incentivando a melhoria contínua da qualidade dos procedimentos e processos de polícia científica através da elaboração e utilização de manuais de boas práticas para as análises forenses. A utilização de manuais de boas práticas que abranjam um leque alargado de disciplinas forenses investigação forense "tradicional" e investigação forense digital por parte dos prestadores de serviços forenses na Europa conduzirá a procedimentos mais uniformes e a um aumento da qualidade dos serviços forenses à disposição dos serviços policiais e judiciários em toda a Europa. Tal levará a um grau de confiança mais elevado entre os Estados-Membros e a um intercâmbio mais simples de provas forenses. Esta ação está concebida para estimular a elaboração e utilização de manuais de boas práticas para todas as disciplinas forenses, promover a atualização constante dos manuais de boas práticas, melhorar a identificação de boas práticas e partilhar os manuais de boas práticas, e aumentar a utilização dos manuais de boas práticas pelos prestadores de serviços forenses em toda a Europa. Será estimulada a utilização dos manuais de boas práticas para investigações forenses já elaborados pela ENFSI (Rede Europeia de Institutos de Polícia Científica), como por exemplo no âmbito do projeto "Towards European Forensic Standardisation through Best Practice Manuals", apoiado pelo Programa Prevenir e Combater a Criminalidade da Comissão Europeia Direção- -Geral dos Assuntos Internos 2. A ENFSI é incentivada a partilhar os seus manuais de boas práticas com todos os prestadores europeus de serviços forenses, incluindo os não-membros. A Comissão é incentivada a apoiar a ENFSI a manter atualizados os manuais de boas práticas existentes e a elaborar manuais de boas práticas para outras disciplinas forenses na medida do necessário. Os organismos nacionais de acreditação são incentivados a ter em consideração os manuais de boas práticas da ENFSI ou outros manuais de boas práticas reconhecidos pela comunidade forense ao efetuarem a acreditação de processos dos prestadores de serviços forenses. Desta forma, a sua utilização será estimulada. Poderá procurar-se a cooperação com o Comité Europeu de Normalização (CEN), em especial o comité de projeto CEN/TC 419 que está a trabalhar sobre processos da ciência forense. 1 2 O termo manuais de boas práticas (MBP) é utilizado para fazer referência às práticas cientificamente aceites na altura da sua elaboração. O termo MBP não implica que as práticas constantes deste manual sejam as únicas boas práticas utilizadas no domínio forense. Uma vez que também foi utilizado nas conclusões do Conselho de 2011 relativas ao Espaço Europeu da Ciência Forense, o termo MBP foi mantido por razões de continuidade e reconhecimento. HOME/2012/ISED/MO/ /16 cp/mjb 5

6 Resultado: Atividades e intervenientes responsáveis: A utilização dos manuais de boas práticas conduzirá à uniformização dos procedimentos forenses e ao aumento da confiança entres os Estados-Membros que partilham dados forenses. 1. A Comissão, em cooperação com a ENFSI e outras partes interessadas pertinentes, é convidada a iniciar um exercício para fazer o balanço dos manuais de boas práticas existentes em diferentes domínios forenses, das atualizações necessárias e das lacunas ainda existentes (COM, ENFSI). 2. A Comissão é convidada a estimular a elaboração de MBP mediante o financiamento de atividades (COM). 3. A ENFSI é convidada a implementar as conclusões do Conselho de 2011 através do seguinte: a) Partilhar os manuais de boas práticas (MBP) existentes para os diferentes domínios forenses com entidades que não sejam membros da ENFSI, por exemplo disponibilizando publicamente estes manuais em sítios Web; b) Elaborar novos MBP e atualizar os MBP existentes, nomeadamente os manuais para a investigação no local do crime; c) Estimular a utilização dos MBP pelos prestadores de serviços forenses (Estados- -Membros e a ENFSI); d) Traduzir os MBP para todas as línguas da UE para reforçar o seu impacto e estimular a sua utilização (Estados-Membros assistidos pela ENFSI); 4. Os organismos nacionais de acreditação são incentivados a ter em consideração os manuais de boas práticas da ENFSI ou outros manuais de boas práticas reconhecidos pela comunidade forense ao efetuarem a acreditação de processos dos prestadores de serviços forenses (Organismos nacionais de acreditação, Cooperação Europeia para a Acreditação). Outros domínios de intervenção/grupos de políticas: Coordenador(es): Planificação: Deverá procurar-se a cooperação com os organismos nacionais de coordenação, a Cooperação Europeia para a Acreditação (EA), o CEN/TC 419 e a Comissão. ENFSI Concluir a atividade 1 até ao final de As atividades 2 e 3 são contínuas /16 cp/mjb 6

7 2. "Estimular o intercâmbio de informações forenses das bases de dados, por exemplo nos domínios das armas e munições, explosivos e drogas" Referência: Objetivo: Fundamentação: 2 Estimular o intercâmbio de informações forenses das bases de dados de forma semelhante à metodologia utilizada ao abrigo das Decisões Prüm 2008/615/JAI e 2008/616/JAI, centrado nos domínios das armas e munições, explosivos e drogas. Durante o Conselho (JAI) informal de 26 de janeiro de 2016, os Estados-Membros manifestaram o desejo de alargar o intercâmbio de informações forenses das bases de dados forenses nacionais, de forma semelhante ao que foi estabelecido ao abrigo das Decisões Prüm, por exemplo aos domínios das armas e munições, explosivos e drogas. Além disso, com a evolução cada vez maior dos algoritmos de reconhecimento facial, levanta-se a necessidade de debater nas instâncias adequadas a possibilidade de se criarem bases de dados faciais forenses, semelhantes às bases de dados de ADN e de impressões digitais, como um parâmetro complementar de identificação biométrica. O intercâmbio reforçado de informações forenses nestes domínios contribuirá positivamente para a luta contra a criminalidade organizada e o terrorismo. A ENFSI está atualmente a trabalhar no projeto: "Towards the Development of Pan-European Databases in Forensic Science", apoiado pela Comissão Europeia Direção Geral dos Assuntos Internos (código: HOME/2014/ISPP/AG/ENFSI/ ). A ENFSI, os Estados-Membros, a Europol e a Comissão têm de trabalhar em conjunto para salvaguardar a continuidade dos resultados deste projeto, tais como novas bases de dados ou bases de dados nacionais recentemente ligadas contendo, por exemplo, as informações gerais necessárias para a elaboração de pareceres sólidos e fiáveis pelos especialistas forenses, ou contendo provas forenses. Além disso, os resultados do projeto EFFECT ("Examinations of Firearms and Forensics in Europe and across Territories") deverão ser tidos em conta. Deverá procurar-se a coordenação com outros projetos semelhantes, por exemplo o projeto ODYSSEY ("Strategic Pan-European Ballistics Intelligence Platform for Combating Organised Crime and Terrorism"), do 7.º PQ, e os projetos RESPONSE ("Collect, Analyse, Organize, Evaluate, Share A Response to Challenges in Forensic Drugs Analyses") e EMPACT. O intercâmbio de informações forenses pode ser reforçado com base nos resultados dos projetos supramencionados, a começar pelos dados de conhecimentos e incluindo, por fim, as provas /16 cp/mjb 7

8 Resultado: Atividades e intervenientes responsáveis: Aumento do intercâmbio de dados forenses entre os Estados-Membros, que ajudará na luta contra a criminalidade transfronteiras e o terrorismo 1. Os Estados-Membros são convidados a rever as possibilidades jurídicas e as oportunidades estratégicas de alargamento do intercâmbio de informações em diferentes domínios a nível nacional e da UE (Estados-Membros); 2. Exorta-se os Estados-Membros a utilizarem plenamente o potencial do intercâmbio de dados forenses (Estados-Membros); 3. A Europol é convidada a identificar possibilidades para o intercâmbio de informações forenses, que o COSI ponderará (Europol); 4. Deverá procurar-se a coordenação com as ações pertinentes desenvolvidas ao abrigo do Plano de Ação Operacional (PAO) relativo às armas de fogo e do PAO relativo às drogas (drogas sintéticas, cocaína e heroína), no âmbito do projeto EMPACT (Europol; Estados- -Membros); 5. Avaliar os resultados (preliminares) dos diferentes projetos como o "Towards the Development of Pan-European Databases in Forensic Science", EFFECT, ODYSSEY e RESPONSE e utilizá-los como base para desenvolver uma estratégia adequada para reforçar o intercâmbio de provas forenses (ENFSI, EM, Europol, COM); 6. Desenvolver novos projetos de investigação utilizando os instrumentos de financiamento do H2020 para preparar o futuro nesta área (a definir); 7. Os Estados-Membros são convidados a verificar se há bases de dados nacionais semelhantes para o intercâmbio forense e que tipo de dados forenses é adequado para o intercâmbio em linha, e a promover a interoperabilidade das bases de dados/sistemas de análise já existentes de forma semelhante à metodologia utilizada ao abrigo das Decisões Prüm (ENFSI em cooperação com os Estados-Membros); 8. Os tipos de dados forenses que não sejam tratados em bases de dados comuns e comparáveis deverão também ser definidos pelos peritos dos Estados-Membros para se procurar e desenvolver uma uniformização/normalização da descrição dos dados; desta forma, os Estados-Membros poderão solicitar comparações forenses com esses sistemas de análise em casos de grande importância (Estados-Membros); Outros domínios de intervenção/grupos de políticas: Coordenador(es): Planificação: 9. Deverão ser debatidas as possibilidades de se criarem bases de dados faciais forenses semelhantes às bases de dados de ADN e de impressões digitais, como parâmetro complementar de identificação biométrica (Estados-Membros, em coordenação com a ENFSI). Deverá procurar-se a coordenação com o DAPIX, o GENVAL, a Europol e o COSI. ENFSI em cooperação com os Estados-Membros Começar no segundo semestre de 2016 com atividades de revisão e identificação. Primeiro plano de ação para o intercâmbio de informações através de uma base de dados (ligada ou central) em /16 cp/mjb 8

9 3. "Testes de proficiência e exercícios colaborativos para as disciplinas forenses" Referência: 3 Objetivo: Fundamentação: Melhorar a confiança mútua através de uma maior utilização de testes de proficiência e de exercícios colaborativos por parte dos prestadores de serviços forenses. Os testes de proficiência e os exercícios colaborativos são importantes para testar os procedimentos bem como para manter a competência dos profissionais forenses. A participação nestes testes garante a qualidade das análises efetuadas e permite obter informações sobre o desempenho e torná-lo transparente. A utilização reforçada dos testes de proficiência conduzirá, por conseguinte, ao aumento da qualidade dos prestadores de serviços forenses e elevará o grau de confiança entre os Estados-Membros que trocam dados forenses. Os testes de proficiência não estão disponíveis para todas as disciplinas forenses. Deverá ser incentivada e apoiada a criação destes testes. Além disso, deverá ser incentivada e apoiada a utilização destes testes por parte do maior número possível de prestadores de serviços forenses. Resultado: Atividades e intervenientes responsáveis: A utilização reforçada dos testes de proficiência e dos exercícios colaborativos por parte dos prestadores de serviços forenses conduzirá ao aumento da confiança nos dados forenses com origem em diferentes Estados-Membros. 1. Criar uma lista dos prestadores de testes de proficiência forense e identificar os domínios de especialização (incluindo a investigação no local do crime e as provas digitais) em que não estão disponíveis testes de proficiência ou em que são necessários testes de proficiência de maior qualidade (ENFSI); 2. Avaliar os testes de proficiência disponibilizados por diferentes prestadores e fazer uma lista dos testes recomendados que podem ser escolhidos pelos prestadores de serviços forenses (ENFSI); 3. Especificar que testes de proficiência adicionais têm de ser criados (Estados-Membros e ENFSI); 4. Criar testes de proficiência adicionais com o apoio da Comissão (diferentes prestadores, ENFSI, COM); 5. Avaliar quantos testes de proficiência a ENFSI consegue tratar anualmente de acordo com a competência dos seus grupos de trabalho (ENFSI); 6. Os Estados-Membros estão empenhados em estimular os seus prestadores de serviços forenses a participarem nos testes de proficiência realizados ou recomendados pela ENFSI (Estados-Membros, ENFSI); 7. A Comissão é convidada a financiar as atividades supramencionadas (COM), por exemplo levando a cabo novas ações de investigação e inovação, recorrendo aos instrumentos de financiamento do H2020 para preparar o futuro nesta área. Outros domínios de intervenção/grupos de políticas: Coordenador(es): Planificação: Deverá procurar-se a coordenação com os Estados-Membros, os diferentes prestadores de testes de proficiência e a Comissão. ENFSI Concluir as atividades 1, 2, 3, 5 e 7 durante o primeiro semestre de As atividades 4 e 6 são contínuas /16 cp/mjb 9

10 4. "Sensibilização para a ciência forense e formação forense para os profissionais dos serviços policiais e judiciários" Referência: 4 Objetivo: Fundamentação: Aumentar a sensibilização para a ciência forense dos profissionais dos serviços policiais e judiciários Aumentar a sensibilização para a ciência forense dos profissionais dos serviços policiais e judiciários promoverá uma melhor compreensão dos prestadores de serviços forenses e uma maior confiança nestes. Aumentando o conhecimento dos profissionais dos serviços policiais e judiciários sobre as possibilidades e limitações (gerais) da ciência forense, bem como sobre a sua atual evolução, estes profissionais serão capazes de entender e analisar criticamente as provas forenses. Esta ação destina-se a estimular a preparação e o aproveitamento dos cursos de sensibilização para a ciência forense destinados a polícias, peritos forenses, elementos dos serviços de emergência, procuradores públicos e juízes. Estes cursos deverão ter por objetivo aumentar a sensibilização para a ciência forense em geral, mas têm também de estar adaptados a determinadas disciplinas forenses, como por exemplo a investigação forense digital ou as análises forenses de ADN. A formação pode ser feita em cursos organizados de forma tradicional, bem como recorrendo à aprendizagem eletrónica, a aplicações, a seminários em linha ("webinars"), etc.. Deverá procurar-se a coordenação com as iniciativas existentes. Resultado: O nível de sensibilização para a ciência forense entre procuradores públicos, polícias e juízes aumentará, o que garantirá que as provas forenses serão mais bem compreendidas quando forem utilizadas em tribunal /16 cp/mjb 10

11 Atividades e intervenientes responsáveis: 1. Contactar as várias entidades do sistema policial e judiciário de forma a identificar áreas prioritárias para a formação no âmbito da sensibilização para a ciência forense (EM, CEPOL, REFJ). 2. Identificar os materiais de formação existentes sobre as ciências forenses para as partes interessadas dos serviços policiais e os serviços judiciários utilizarem (CEPOL e Estados- -Membros em cooperação com a Comissão e/ou o Grupo Europeu de Ensino e Formação sobre Cibercriminalidade (ECTEG)). 3. Identificar sinergias com a Rede Judiciária Europeia em matéria penal para disponibilizar materiais de formação e sensibilização nesta área (RJE e COM). 4. Disponibilizar financiamento da UE para o desenvolvimento de programas de formação forense para os profissionais dos serviços judiciários e policiais, nos casos em que esses programas de formação ainda não estejam disponíveis (COM). 5. Desenvolver formação adequada em novos métodos e tecnologias utilizados durante a investigação no local do crime (EM em cooperação com a CEPOL); 6. Preparar um pequeno curso sobre a sensibilização para a ciência forense para os elementos dos serviços de emergência e outras equipas de primeira intervenção recorrendo, por exemplo, à aprendizagem eletrónica (CEPOL e Estados-Membros em cooperação com a ENFSI); 7. Desenvolver e implementar programas de formação sobre a sensibilização para a ciência forense recorrendo, por exemplo, à aprendizagem eletrónica (CEPOL e Estados-Membros em cooperação com a Comissão); 8. Organização pela CEPOL de seminários de formação sobre a recolha de provas forenses (CEPOL); 9. A Europol deverá criar uma página no seu sítio Web para facilitar a troca de informações forenses e para que a Plataforma de Peritos Europol PPE possa ser utilizada (Europol). 10. Realizar formações para os juízes e os procuradores públicos sobre a utilização dos novos conhecimentos da ciência forense nas ações judiciais e na fase de instrução dos processos (novas áreas de investigação, novo equipamento, melhor interpretação dos resultados, normalização dos métodos de investigação) (REFJ em cooperação com a ENFSI e a COM); Outros domínios de intervenção/grupos de políticas: Coordenador(es): Planificação: Deverá procurar-se a coordenação com a CEPOL, a Rede Europeia de Formação Judiciária (REFJ), a Rede Judiciária Europeia (RJE), a Eurojust, a Europol, a ENFSI, outros institutos forenses, os Estados-Membros e a Comissão. CEPOL, REFJ Concluir as atividades 1, 2, 3 e 4 durante o primeiro semestre de As atividades 5, 6, 7, 8 e 10 são contínuas; concluir a atividade 9 antes de /16 cp/mjb 11

12 5. "Estimular a acreditação dos prestadores de serviços forenses e da competência dos funcionários forenses de forma voluntária" Referência: 5 Objetivo: Fundamentação: Estimular, de forma voluntária, a acreditação dos procedimentos forenses e a competência dos funcionários forenses pelos prestadores de serviços forenses. A acreditação dos procedimentos forenses utilizados pelos prestadores de serviços forenses torna mais fácil o intercâmbio de provas forenses, dado que aumentará a confiança na qualidade dos procedimentos forenses e, consequentemente, nos resultados forenses obtidos em diferentes Estados-Membros. Nas suas respostas ao questionário sobre o Espaço Europeu da Ciência Forense, tal como consta do documento de síntese (15051/15), a grande maioria dos inquiridos afirmou que a acreditação dos prestadores de serviços forenses é muito importante. A obtenção da acreditação é um processo gradual que exige muita dedicação e muitos recursos recursos em termos de pessoal, bem como recursos financeiros. No entanto, dada a limitação de recursos, os prestadores de serviços forenses estão sob grande pressão não só para manterem um serviço de alta qualidade, mas também para cumprirem os requisitos formais de garantia da qualidade. Contudo, é importante continuar a incentivar firmemente a acreditação dos procedimentos forenses. Deverá ser elaborado um plano de ação pela Comissão para estimular a acreditação dos procedimentos forenses de forma voluntária, centrando-se nos domínios que produzem dados que poderão ser potencialmente partilhados a nível internacional, tais como os domínios das armas e munições, explosivos e drogas, que foram salientados como prioridades na reunião informal de ministros responsáveis pela JAI de 26 de janeiro de Além da investigação forense "tradicional", os acontecimentos recentes realçaram a necessidade urgente de um rápido intercâmbio de dados forenses digitais fiáveis que possam ser utilizados como prova em tribunal fora da jurisdição do Estado-Membro de origem. Por conseguinte, a acreditação dos procedimentos forenses deverá ser uma questão prioritária neste domínio. O plano de ação terá como objetivo eliminar obstáculos e apoiar os institutos forenses que tencionem acreditar os seus procedimentos. A Comissão é convidada a disponibilizar recursos para estimular a acreditação. O respeito pelos critérios de competência mínimos para os funcionários forenses, visto como muito importante por uma grande maioria dos inquiridos, é parcialmente contemplado pelos processos de acreditação. Mais uma vez, o maior obstáculo mencionado é o orçamento. Deverá ser elaborado um plano de ação pela Comissão sobre como fazer avançar numa base voluntária a garantia de competência e a formação dos funcionários forenses. Deverá procurar-se a cooperação com a ENFSI a este respeito. Deverá procurar-se a cooperação com as iniciativas existentes para aumentar as competências dos funcionários forenses por exemplo, o Programa Hercule III, que visa combater a fraude, a corrupção e outras irregularidades, inclui a oferta de formação no domínio da investigação forense digital /16 cp/mjb 12

13 Resultado: Elaborar um plano de ação para estimular a acreditação dos procedimentos forenses de forma voluntária, centrado nos domínios das armas e munições, dos explosivos, das drogas e da prática forense digital, bem como estimular a acreditação voluntária de normas comuns para a recolha de provas no local do crime (COM); Além disso, elaborar um plano de ação para estimular a garantia de competência dos funcionários forenses e dos agentes responsáveis pela recolha de provas no local do crime, de forma voluntária (COM). Atividades e intervenientes responsáveis: Outros domínios de intervenção/grupos de políticas: Coordenador(es): Planificação: A Comissão é convidada a elaborar os planos de ação supramencionados. Deverá procurar-se a coordenação com os Estados-Membros, a ENFSI, os prestadores de serviços forenses, os organismos nacionais de acreditação, a Cooperação Europeia para a Acreditação (EA) e a Comissão. Comissão O primeiro plano de ação relativo a um dos dois resultados deverá estar concluído até 2018 e o segundo até /16 cp/mjb 13

14 6. "Estimular o intercâmbio de dados forenses por via das Decisões Prüm e aumentar a sua qualidade" Referência: 6 Objetivo: Fundamentação: Resultado: Atividades e intervenientes responsáveis: Estimular a plena aplicação das Decisões Prüm 2008/615/JAI e 2008/616/JAI para o intercâmbio de perfis de ADN e de impressões digitais. Além disso, aumentar a qualidade dos dados forenses partilhados entre todos os Estados-Membros ao abrigo das Decisões Prüm. O intercâmbio de perfis de ADN e de impressões digitais na UE através da ligação das bases de dados ao abrigo das Decisões Prüm 2008/615/JAI e 2008/616/JAI, de 23 de junho de 2008, tem tido muito êxito, embora as decisões não tenham sido plenamente aplicadas em todos os Estados- -Membros nem entre todos eles. Além disso, a qualidade dos dados partilhados pode ser melhorada. O recurso ao intercâmbio de dados forenses entre Estados-Membros contribuirá positivamente para a luta contra a criminalidade transfronteiras. Prossecução da aplicação das Decisões Prüm e aumento da qualidade dos dados forenses, o que contribuirá para fortalecer a luta contra a criminalidade transfronteiras. 1. Acompanhar a aplicação das Decisões Prüm (DAPIX); 2. Acompanhar a aplicação das Decisões Prüm e os avanços e obstáculos diários (DAPIX); 3. Analisar as possibilidade de redução do número de falsos positivos obtidos na análise de perfis de ADN (DAPIX); 4. Partilhar experiências na implementação e funcionamento atual da comunicação entre os sistemas dos Estados-Membros da UE, em especial, a assistência mútua na resolução de problemas que ocorrem não só durante a implementação, mas também no funcionamento atual (Estados-Membros em cooperação com o DAPIX); 5. Desenvolver mecanismos para a notificação mútua imediata no caso de indisponibilidade da aplicação (por exemplo, problemas técnicos repentinos, alterações de rotina ao sistema) (Estados-Membros em cooperação com o DAPIX); 6. Procurar novas soluções/ideias para melhorar e tornar mais simples o intercâmbio de dados de ADN ou de impressões digitais entre Estados-Membros da UE (DAPIX); 7. Analisar a forma de otimizar os procedimentos de acompanhamento da aplicação das Decisões Prüm (DAPIX). Outros domínios de intervenção/grupos de políticas: Coordenador(es): Planificação: Deverá procurar-se a coordenação com o Grupo do Intercâmbio de Informações e da Proteção de Dados (DAPIX), os Estados-Membros e a Comissão. A Presidência em cooperação com o SGC e a Comissão A definir pelo DAPIX /16 cp/mjb 14

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de junho de 2016 (OR. en) 10668/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações FSTR 36 FC 30 REGIO 43 SOC 435 AGRISTR 37 PECHE 244

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 18 de dezembro de 2015 (OR. en) EUCO 28/15 CO EUR 13 CONCL 5 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (17 e 18 de

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre a fraude e a evasão fiscais Adoção

Conclusões do Conselho sobre a fraude e a evasão fiscais Adoção CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 14 de maio de 2013 (21.05) (Or. en) 9549/13 FISC 94 ECOFIN 353 NOTA de: para: Assunto: Secretariado-Geral do Conselho Delegações Conclusões do Conselho sobre a fraude

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98 NOTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Comité de Representantes Permanentes (1.ª

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302.

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302. PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 3 de Julho de 2001 PE 302.267/1-33 ALTERAÇÕES 1-33 PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO de Charlotte

Leia mais

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )...

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )... Jornal Oficial da União Europeia L 26 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 2 de fevereiro de 2016 Índice I Atos legislativos REGULAMENTOS Regulamento (UE) 2016/93 do Parlamento Europeu e do

Leia mais

(Atos legislativos) REGULAMENTOS

(Atos legislativos) REGULAMENTOS 24.4.2014 L 122/1 I (Atos legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 375/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 3 de abril de 2014 que cria o Corpo Voluntário Europeu para a Ajuda Humanitária

Leia mais

10518/16 ap/ip 1 DG E 1A

10518/16 ap/ip 1 DG E 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 21 de junho de 2016 (OR. en) 10518/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 20 de junho de 2016 para: Delegações ENV 445 COMPET 389 AGRI

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS RELATÓRIO DOS TRABALHOS DA 1ª COMISSÃO EM MATÉRIA DE COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS Os peritos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, reunidos em sessões de trabalho

Leia mais

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00)

ALTERAÇÕES 35-98. PT Unida na diversidade PT 2011/0371(COD) 7.6.2012. Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/0371(COD) 7.6.2012 ALTERAÇÕES 35-98 Projeto de parecer Silvia-Adriana Țicău (PE487.940v01-00) sobre a proposta de regulamento

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS)

LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS) LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS) NOTA DO EDITOR E INTRODUÇÃO GERAL Índice 1 Objeto...

Leia mais

Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE

Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE P7_TA(2013)0322 Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE Resolução do Parlamento Europeu, de 4 de julho de 2013,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Transportes e do Turismo 26.3.2013 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo à comunicação de ocorrências

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 8.7.2014 COM(2014) 451 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Reforço da cooperação entre as autoridades responsáveis pela vigilância marítima tendo

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2011/2307(INI) 9.3.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a dádiva voluntária e não remunerada de tecidos e células

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

INTERVENÇÃO. Os 30 anos dos Acordos de Shengen: Liberdade de Circulação numa Europa. Painel: Segurança Europeia e Liberdade de Circulação

INTERVENÇÃO. Os 30 anos dos Acordos de Shengen: Liberdade de Circulação numa Europa. Painel: Segurança Europeia e Liberdade de Circulação INTERVENÇÃO Os 30 anos dos Acordos de Shengen: Liberdade de Circulação numa Europa Painel: Segurança Europeia e Liberdade de Circulação Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 NOTA de: Secretariado-Geral data: 15 de Maio de 2007 n.º doc. ant.: 9179/07 Assunto:

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

PROJETO DE ORDEM DO DIA. Audição

PROJETO DE ORDEM DO DIA. Audição PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos LIBE_OJ(2015)0414_1 PROJETO DE ORDEM DO DIA Audição A luta contra o terrorismo e os desafios para a segurança

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

Inventário 2010. I. Introdução

Inventário 2010. I. Introdução Inventário 2010 I. Introdução Aqui se apresenta o quarto inventário público da AEPD na sua qualidade de consultora a respeito de propostas de legislação e documentos conexos. Devido à publicação do Programa

Leia mais

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Guidelines Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Data: 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Índice I. Âmbito 3 II. Definições

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PARECER JOIN(2012}39 a Proposta Conjunta de DECISÃO DO CONSELHO relativa às regras de execução pela União da Cláusula de solidariedade 1 ASSEMBLEIA

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.8.2015 COM(2015) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Projeto de Relatório Conjunto

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE Exercício Experimental ASIGQ 2012 Análise Crítica do Processo e Medidas de Melhoria Março 2013 2 1. Introdução A Agência de Avaliação

Leia mais

Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo

Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo P7_TA-PROV(2012)0310 Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo Resolução do Parlamento Europeu, de 11 de setembro de 2012, sobre o reforço da solidariedade na União Europeia no domínio

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 16 de outubro de 2015 (OR. en) EUCO 26/15 CO EUR 10 CONCL 4 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (15 de outubro

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos.

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos. Memorando de Entendimento da Plataforma de Diálogo entre Partes Interessadas da UE sobre o acesso a obras por parte das pessoas com incapacidade de leitura de material impresso Dan Pescod (em nome da União

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de 31.3.2015

REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO. de 31.3.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.3.2015 C(2015) 2146 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) /... DA COMISSÃO de 31.3.2015 que altera os anexos III, V e VII do Regulamento (UE) n.º 211/2011 do Parlamento Europeu

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1

DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

(Atos legislativos) DIRETIVAS

(Atos legislativos) DIRETIVAS 6.11.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 294/1 I (Atos legislativos) DIRETIVAS DIRETIVA 2013/48/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de outubro de 2013 relativa ao direito de acesso a um advogado

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.5.2015 COM(2015) 285 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Plano de Ação da UE contra

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos digitais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos digitais COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 9.12.2015 COM(2015) 634 final 2015/0287 (COD) Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos

Leia mais

Anúncio de abertura de vaga para o lugar de coordenador de projeto (Agente Contratual, GF IV) no Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO)

Anúncio de abertura de vaga para o lugar de coordenador de projeto (Agente Contratual, GF IV) no Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO) Anúncio de abertura de vaga para o lugar de coordenador de projeto (Agente Contratual, GF IV) no Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO) REF.: EASO/2016/CA/004 Publicação: Título da função:

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X Para a realização dos objectivos da União Europeia, importa melhorar as normas que regulam o auxílio judiciário mútuo em matéria penal entre os Estados Membros da União Europeia.

Leia mais

FICHA DE PROJETO. Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG)

FICHA DE PROJETO. Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG) Aviso para candidaturas a financiamento comunitário para prevenção e combate ao racismo, xenofobia, homofobia e outras formas de intolerância Programa Direitos, Igualdade e Cidadania (2014-2020) (JUST/2015/RRAC/AG)

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335509-2013:text:pt:html. Anúncio de concurso

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335509-2013:text:pt:html. Anúncio de concurso 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335509-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Controlador de projeto para custos, qualidade, planeamento e métodos

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 1.7.2015 COM(2015) 326 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Avaliação das medidas adotadas pela FRANÇA em resposta à Recomendação do Conselho de 10 de março de 2015 com vista a

Leia mais

DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 119/132 4.5.2016 DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de abril de 2016 relativa à utilização dos dados dos registos de identificação dos passageiros (PNR) para efeitos de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 26.1.2006 COM(2006)29 final 2006/0009(CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que estabelece um mecanismo comunitário no domínio da protecção civil (reformulada)

Leia mais

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6 Página 1 de 6 1. FUNCIONAMENTO Os cursos na modalidade de e-learning do são frequentados totalmente online, à exceção do Curso de Trabalhador Designado para a Segurança e Saúde no Trabalho em que a 1ª

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S/RES/1373 (2001) Conselho de Segurança Distribuição: Geral 28 de Setembro de 2001 Resolução 1373 (2001) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4385ª sessão, em 28 de Setembro de 2001

Leia mais

Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014

Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014 Relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum SESAR relativas ao exercício de 2014 acompanhado das respostas da Empresa Comum 12, rue Alcide De Gasperi - L - 1615 Luxembourg T (+352) 4398 1 E eca-info@eca.europa.eu

Leia mais

Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental. Nota Conceitual

Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental. Nota Conceitual Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental Nota Conceitual 1. Introdução A apátrida não e um fenómeno recente. Ele é tão antigo quanto o conceito de nacionalidade. A apatrídia constitui

Leia mais

CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO EASO

CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO EASO European Asylum Support Office CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO EASO Março de 2014 SUPPORT IS OUR MISSION European Asylum Support Office CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO EASO Março de 2014 SUPPORT IS OUR MISSION Europe

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS DA JUSTIÇA OEA/Ser.K/XXXIV.3 OU DE MINISTROS OU PROCURADORES-GERAIS REMJA-III/doc. 13/00 rev. 2 DAS AMÉRICAS 3 março 2000 1º a 3 de março de 2000 Original: espanhol San José,

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335508-2013:text:pt:html. Anúncio de concurso

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335508-2013:text:pt:html. Anúncio de concurso 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335508-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Consultor em matéria de projetos de escritório para prestar assistência

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Dezembro de 2011 (15.12) (OR. en) 18345/11

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 8 de Dezembro de 2011 (15.12) (OR. en) 18345/11 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 8 de Dezembro de 2011 (15.12) (OR. en) 18345/11 RECH 427 COMPET 602 REGIO 168 ENER 398 CULT 116 SOC 1099 SAN 270 ENV 939 AGRI 859 ESPACE 84 TELECOM 207 RESULTADOS DOS

Leia mais

9602/16 pbp/hrl/jc 1 DG G 2B

9602/16 pbp/hrl/jc 1 DG G 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de junho de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2013/0045 (CNS) 9602/16 FISC 90 ECOFIN 522 NOTA de: para: Assunto: Secretariado-Geral do Conselho Comité de Representantes

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Prestador de serviços especializado em «Serviços de consultoria em matéria de continuidade de negócio» 2013/S 140-242795

Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Prestador de serviços especializado em «Serviços de consultoria em matéria de continuidade de negócio» 2013/S 140-242795 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:242795-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Prestador de serviços especializado em «Serviços de consultoria

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 32/2015 de 22 de maio O Presidente da República decreta, nos termos do artigo

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PT PT PT ISSÃO DAS UNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.9.2008 (2008) 567 final UNICAÇÃO DA ISSÃO ao Parlamento Europeu e ao sobre um plano de acção da UE de luta contra a droga para o período de 2009 a 2012

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Cartografia costeira MARE/2014/10 2014/S 152-272371. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Cartografia costeira MARE/2014/10 2014/S 152-272371. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:272371-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Cartografia costeira MARE/2014/10 2014/S 152-272371 Anúncio de concurso Serviços

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 10.7.2013 SWD(2013) 252 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de Decisão do Parlamento Europeu

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:87482-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:87482-2014:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:87482-2014:text:pt:html Grécia-Tessalónica: Criação de uma nova experiência ao nível do utilizador para o portal Web

Leia mais

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9200/16 ECOFIN 452 UEM 199 SOC 316 EMPL 212 COMPET 286 ENV 331 EDUC 186 RECH 178 ENER 194 JAI 440 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Estudo sobre o Certificado Sucessório Europeu eletrónico, os registos nacionais

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 5.2.2015 COM(2015) 44 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Uma parceria global para

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Desde a década de 1980 que a melhoria da segurança e da saúde no trabalho é uma questão importante para a UE. Com a introdução de legislação a nível europeu, foram fixadas

Leia mais

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes

«Erasmus+» - Perguntas mais frequentes COMISSÃO EUROPEIA NOTA INFORMATIVA Estrasburgo/Bruxelas, 19 de novembro de 2013 «Erasmus+» - Perguntas mais frequentes (ver também IP/13/1110) O que é o «Erasmus+»? O «Erasmus+» é o novo programa da União

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.3.2014 SWD(2014) 119 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º

GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º 00327/11/PT WP 180 Parecer 9/2011 sobre a proposta revista da indústria relativa a um quadro para as avaliações do impacto das aplicações RFID na

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.10.2011 SEC(2011) 1218 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Resumo da Avaliação de Impacto que acompanha o documento Proposta de Regulamento do Parlamento

Leia mais

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana Parlamentarische Versammlung

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 4.5.2015

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 4.5.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.5.2015 C(2015) 2806 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 4.5.2015 que aprova a decisão de Portugal de utilizar mais de 13 do limite máximo nacional anual fixado no anexo

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades REGULAMENTO: PARTIS - PRÁTICAS ARTÍSTICAS PARA INCLUSÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito e finalidades 1. A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar ao longo dos anos diversas

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 21 de junho de 2016 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 21 de junho de 2016 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 21 de junho de 2016 (OR. en) 10120/1/16 REV 1 CODEC 869 POLGEN 58 INST 263 AG 9 PE 72 INF 109 NOTA de: para: Assunto: Presidência Comité de Representantes Permanentes/Conselho

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.7.2004 COM(2004) 479 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU "Reforçar a confiança nos mercados

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 19.05.2004 COM(2004)385 final 2004/0121(CNS). Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que concede uma garantia da Comunidade ao Banco Europeu de Investimento em caso

Leia mais

PLANO DE AÇÃO UE-CELAC

PLANO DE AÇÃO UE-CELAC PLANO DE AÇÃO UE-CELAC O presente Plano de Ação inclui várias iniciativas conformes com as prioridades estabelecidas na 6.ª Cimeira UE-ALC, tal como foram inseridas na sua Declaração Final e em novos domínios

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10)

Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10) 11.1.2012 Jornal Oficial da União Europeia C 9/53 Parecer do Comité das Regiões O papel dos órgãos de poder local e regional na consecução dos objectivos da Estratégia Europa 2020 (2012/C 9/10) O COMITÉ

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 13.3.2015 L 68/9 DIRETIVA (UE) 2015/413 D PARLAMENT EURPEU E D CNSELH de 11 de março de 2015 que visa facilitar o intercâmbio transfronteiriço de informações sobre infrações às regras de trânsito relacionadas

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais