Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado"

Transcrição

1 Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado

2 A Criação de Valor Partilhado Para que uma empresa possa alcançar o sucesso a longo prazo, deverá criar valor não apenas para os seus accionistas mas também para a sociedade Para que uma empresa possa alcançar o sucesso a longo prazo, deverá criar valor, não apenas para os seus accionistas mas também para a sociedade. Isto é aquilo que nós designamos por Criação de Valor Partilhado. Não se trata de filantropia nem de um mero elemento adicional, mas sim de uma componente fundamental da nossa estratégia de negócio. Por outras palavras, tal significa que, de modo a criar valor para os nossos accionistas e para a nossa empresa, precisamos de criar valor para as populações dos países onde estamos presentes. Incluem-se aqui os produtores agrícolas que nos fornecem, os nossos colaboradores, os nossos consumidores e as comunidades nas quais desenvolvemos a nossa actividade. Uma condição necessária para a Criação de Valor Partilhado consiste em demonstrar um comportamento responsável assegurando a conformidade e a sustentabilidade. Isto traduz-se no respeito pelos Princípios Corporativos Empresariais da Nestlé, as leis nacionais e as normas internacionais, ao mesmo tempo que nos certificamos de que as nossas acções são correctas, justas e viáveis, respectivamente, em termos ambientais, sociais e económicos. Esta publicação faz parte integrante da nossa comunicação empresarial global e é um documento complementar ao Relatório de Governação e ao Relatório de Gestão da Nestlé relativos a Representa, efectivamente, um primeiro passo para a disponibilização de uma quantidade crescente de informação mundial sobre a empresa. Com o desenvolvimento de GLOBE, o nosso novo sistema de informação de gestão empresarial, estamos agora em posição de facultar um maior número de informações acerca da Nestlé, à escala mundial, cujo conteúdo era anteriormente inacessível. Ao longo dos próximos anos, e à medida que forem sendo implementadas vertentes adicionais do programa GLOBE, em áreas como os recursos humanos e a composição dos produtos, poderemos então alargar o âmbito das nossas comunicações nessa mesma perspectiva.

3 Resumo de Desempenho A Nestlé desenvolveu um conjunto de indicadores de desempenho a fim de estabelecer uma base a partir da qual pode avaliar e comunicar a criação de valor partilhado. O resumo abaixo apresentado faz parte da nossa comunicação relativa aos progressos efectuados no quadro dos Princípios instituídos pelo Pacto Global das Nações Unidas (para mais pormenores, consulte a pág. 52). Salvo em caso de indicação expressa em contrário, os indicadores de desempenho referem-se ao exercício findo a 31 de Dezembro de Indicadores de Desempenho da Nestlé na Criação de Valor Partilhado Referência GRI A Produção e a nossa Pegada Ecológica Os nossos colaboradores Agricultura e desenvolvimento rural Produtos e consumidores Volume de vendas total do Grupo (em biliões de Francos Suíços) n/a Rendibilidade total dos accionistas: 1 de Janeiro de de Dezembro de ,5% n/a Materiais Matérias-primas e ingredientes (excepto água, ver abaixo, em milhões de toneladas) 20,48 EN1 Materiais de embalagem (milhões de toneladas) 4,08 EN1 Produtos derivados (para reciclagem, milhões de toneladas) 1,07 EN22 Redução de produtos derivados desde 1998 (por tonelada de produto) 58% n/a Resíduos (para eliminação final, milhões de toneladas) 0,372 EN22 Redução dos resíduos desde 1998 (por tonelada de produto) 58% n/a Energia Consumo de energia directo (Peta Joules) 85,3 EN3 Poupança de energia desde 1998 (por tonelada de produto) 45% EN5 Gases com Efeito de Estufa Emissões directas de CO2 (toneladas)1 4,1 EN16 Redução das emissões directas de CO 2 desde 1998 (por tonelada de produto) 53% EN18 Água Captação total de água (milhões de m 3 ) 157 EN8 Material de Embalagem Poupança de água desde 1998 (por tonelada de produto) 59% n/a Descarga total de água (milhões de m 3 ) 101 EN21 Qualidade da água descarregada (média por mg COD/L) 62 EN21 Redução na fonte (milhões de toneladas): ,3 n/a Redução na fonte (CHF): ,7 n/a Redução do peso da embalagem (por L de produto) Nestlé Waters: % n/a Governação Instalações certificadas ISO 14001/OHSAS (número de certificados) 171 n/a 1 Inclui CO 2 proveniente da utilização de combustíveis, agentes de refrigeração e substâncias com Potencial de Destruição do Ozono (ODP). 2 Definidos como sendo cargos com responsabilidades de gestão de pessoal. 3 Produtos de primeiro preço destinados às populações que auferem rendimentos baixos (PPP's) Instalações auditadas através do programa CARE 403 n/a Dimensão da mão-de-obra (número total de funcionários) LA1 Acidentes que obrigaram a uma suspensão da actividade (por milhões de horas trabalhadas) 3,7 LA7 Taxa total de acidentes (por milhões de horas trabalho) 7,5 LA7 Cargos de liderança ocupados por mulheres (%) 24% LA4 Membros do Comité de Direcção Local naturais do país, nos países em desenvolvimento (%) 42% n/a Formação convencional de tipo escolar recebida nos países em desenvolvimento (n.º funcionários) LA10 Cargos Executivos de Chefia 917 n/a Funcionários com potencial para ocupar Cargos Executivos de Chefia n/a Produtores agrícolas formados através de programas de criação de competências n/a Mercados abrangidos por programas sustentáveis (SAIN) 28 n/a Fornecedores auditados quanto à segurança, à qualidade e ao processamento n/a Produtos a Preços Populares 3 : Europa (volume de vendas, CHF) n/a Produtos a Preços Populares 3 : Américas (volume de vendas, CHF) n/a Produtos a Preços Populares 3 : Ásia, Oceânia e África (volume de vendas, CHF) n/a Negócio da Nestlé Nutrition (vendas 2007, CHF) n/a Número de produtos renovados por questões de nutrição ou saúde n/a Aumento de ingredientes nutritivos ou de nutrientes essenciais (número de produtos) n/a Redução de sódio, açúcares, ácidos gordos trans, gorduras totais ou corantes artificiais (número de produtos) n/a - Redução nos ácidos gordos trans (Dezembro 2003 Fevereiro 2007) n/a - Redução no açúcar (Janeiro 2003 Dezembro 2006) n/a - Redução no sal (Abril 2005 Dezembro 2006) n/a Produtos abrangidos pelo Compasso Nutricional Nestlé (% de vendas) 95 PR3 Produtos com rotulagem de DDR (% de vendas) 6 45 PR3 Comercialização de fórmulas infantis (número de auditorias internas) 9 PR7 Comercialização de fórmulas infantis (número de auditorias externas) 1 PR7 4 Em 2007, as vendas de PPP s cobrem 3 mercados na Região da Europa, 22 na Região das Américas e 12 na Região da Ásia, Oceânia e África 5 Com base nos relatórios de aproximadamente 75% das equipas de desenvolvimento de produtos a nível mundial 6 Com base em relatórios apenas da União Europeia Para obter uma lista completa dos indicadores e suas definições, visite o site

4 Índice A Criação de Valor Partilhado: o papel da empresa na sociedade 2 Perfil da empresa 4 Acerca deste relatório 6 Estratégia e princípios empresariais 8 A produção e a nossa pegada ecológica 10 Os nossos colaboradores 20 A agricultura e o desenvolvimento rural 26 Produtos e consumidores 36 Apoio aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio e aos Princípios do Pacto Global das Nações Unidas 52 Envolver as partes interessadas 54 Comunicação futura 55 Garantia Independente Declaração sobre a Metodologia e os Resultados Preliminares 56 O texto deste relatório é uma tradução. Em caso de dúvidas ou diferenças de interpretação prevalece o texto em inglês. Capa: Razia Berveen é uma Trabalhadora Comunitária na Criação de Gado em Farooqa, Paquistão. Ela é uma das formadoras da Nestlé cuja tarefa é transmitir conhecimentos e competências a 4000 mulheres que irão tornar-se consultoras agrícolas ao abrigo de um esquema de parceria entre a Nestlé e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), no Paquistão. À esquerda: Formação de consultoras agrícolas patrocinada pela Nestlé em Renala, Paquistão. A transmissão de conhecimentos essenciais sobre a gestão da água é um incentivo às práticas sustentáveis nas explorações de produção de leite no Paquistão. Leia mais na pág. 29 Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado 1

5 A Criação de Valor Partilhado: o papel da empresa na sociedade A Criação de Valor Partilhado significa adoptar uma visão de longo prazo e, simultaneamente, apresentar resultados sólidos em cada ano. Um dos mais importantes Princípios Corporativos Empresariais da Nestlé consiste em não sacrificar o desenvolvimento a longo prazo em nome de proveitos a curto prazo Peter Brabeck-Letmathe, Presidente e Director Executivo da Nestlé Henri Nestlé fundou a nossa empresa em 1866 com base num único produto, um cereal para nutrição infantil, que foi criado com o intuito de salvar a vida de uma criança vizinha. Desde essa época que a estratégia fundamental da nossa empresa tem sido alicerçada na criação de valor para a sociedade e, ao fazê-lo, geramos valor igualmente para os nossos accionistas. Em resultado desta estratégia, e nos últimos 141 anos, a Nestlé cresceu de um negócio familiar para se tornar na companhia de Nutrição, Saúde e Bem- Estar mais avançada a nível mundial. Todavia, a Criação de Valor Partilhado para a sociedade e para os investidores significa ir além dos benefícios oferecidos ao consumidor. A primeira edição dos Princípios Corporativos Empresariais da Nestlé afirma que Os nossos investimentos deverão ser vantajosos para a empresa, bem como para os países nos quais operamos. A Criação de Valor Partilhado significa também aportar valor aos produtores agrícolas que são os nossos fornecedores, aos nossos colaboradores, e a outros segmentos da sociedade. Significa, ainda, analisar os múltiplos aspectos através dos quais chegamos à sociedade e realizar investimentos a muito longo prazo que beneficiem tanto o público em geral como os nossos accionistas, que são essencialmente contribuintes para fundos de pensões ou reformados. Ao longo de várias décadas, trabalhámos lado a lado com milhões de produtores de leite e de café no sentido de fazer deles melhores fornecedores e, deste modo, ajudá-los a sair da pobreza e a prosperar. Actualmente, colaboramos com cerca de agricultores em todo o mundo, prestando assistência técnica gratuita e proporcionando infra-estruturas, e mais de 29,9 milhões de Francos Suíços em empréstimos de microcrédito. Cerca de metade das nossas fábricas situam-se em zonas rurais nos países em desenvolvimento e têm um impacto profundo no rendimento das famílias, na sua qualidade de vida e no futuro das gerações vindouras. A Criação de Valor Partilhado passa ainda por tratar o meio ambiente de forma a preservá-lo, sendo essa a base da nossa actividade para as décadas, e séculos, seguintes. Travar as perigosas tendências a que assistimos ao nível da poluição da atmosfera e da água, assim como da sua incorrecta utilização, é um factor vital para que estejamos aptos a manter um negócio em expansão no negócio de alimentação e bebidas (F&B). Todos nós partilhamos uma mesma casa o planeta Terra e o futuro das nossas operações está indissociavelmente ligado ao futuro do planeta. A Criação de Valor Partilhado significa adoptar uma visão de longo prazo e, simultaneamente, apresentar resultados sólidos em cada ano. Um dos mais importantes Princípios Corporativos Empresariais da Nestlé consiste em não sacrificar o desenvolvimento a longo prazo em nome de proveitos a curto prazo. Procuramos atingir (e temos vindo a fazê-lo) um melhoramento contínuo do nosso desempenho anual através daquilo a que chamámos O Modelo Nestlé : um crescimento orgânico anual de 5% a 6%, associado a um aumento anual sustentável no que se refere à margem dos lucros antes dos juros e impostos (EBIT). Resistimos, porém, às soluções sociais e empresariais temporárias e de curto prazo. Exemplo disso é o facto de termos propositadamente evitado a nossa cotação nas Bolsas de Valores, que exigem que sejam divulgados os rendimentos trimestrais. Acreditamos que tal poderia conduzir a uma filosofia empresarial demasiadamente focada no curto prazo. Em resultado desta abordagem ao negócio, um estudo independente sobre a marca Nestlé indica que nos é globalmente atribuída uma classificação bastante elevada no que toca ao cumprimento das nossas responsabilidades para com a sociedade e, em particular, nos países em desenvolvimento. A 2 Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado

6 O Presidente e Director Executivo da Nestlé, Peter Brabeck-Letmathe, visita uma exploração de café em Jicotepec, México, durante uma sessão de formação para os produtores de café que participam no Programa de Assistência Técnica da Nestlé. O Sr. Gonzalo Contreras, um dos engenheiros agrónomos da Nestlé México faz a demonstração do uso de uma armadilha para o insecto conhecido como Broca do Café, o que permite o combate à praga sem o recurso a pesticidas e contribui para que as condições de cultivo do café sejam mais ecológicas. força da marca Nestlé, nomeadamente o seu desempenho neste domínio, é fundamental para o sucesso da nossa empresa. Essa força resulta do facto de, durante décadas, termos encarado muito seriamente a nossa relação com a sociedade e de construirmos uma marca baseada na Criação de Valor Partilhado. No entanto, não estamos satisfeitos com o status quo. Por exemplo, estamos cada vez mais concentrados em disponibilizar alimentos nutritivos e acessíveis às populações de mais baixo rendimento nos países em desenvolvimento. No ano 2007, em cooperação com os governos nacionais, procedemos à abertura de instalações fabris amplas e dotadas de tecnologia de ponta em zonas rurais do Brasil, da China e do Paquistão, com o objectivo de produzir alimentos de elevado valor nutricional e a preços acessíveis para a população local. Este relatório constitui o primeiro passo no sentido de veicular mundialmente, os dados relativos à Criação de Valor Partilhado. É parte integrante da nossa comunicação empresarial, a par com o Relatório de Gestão da Nestlé 2007 que apresenta os resultados financeiros. O presente relatório surge na sequência de uma publicação sobre a Nestlé, há dois anos atrás, em que o Professor Michael Porter e Mark Kramer da Universidade de Harvard estabeleceram uma estrutura destinada a analisar a nossa empresa na América Latina quanto à Criação de Valor Partilhado. Consequentemente, foi definido um plano plurianual vocacionado para ampliar, passo-a-passo, a nossa avaliação sobre a Criação de Valor Partilhado. O acesso à informação sobre o que acontece nos vários pontos do globo constituiu uma limitação interna significativa para a nossa comunicação, mas o novo sistema de gestão da informação GLOBE permitir-nos-á, pela primeira vez, fornecer informação global sobre a Nestlé em diversas áreas que até ao momento não podiam ser disponibilizadas. Iniciámos a planificação deste relatório com um estudo da percepção externa sobre aquilo que é mais importante que seja por nós comunicado e agradecemos à organização SustainAbility pelo seu apoio nesse sentido. Procurámos igualmente obter um feedback de todas as partes interessadas por meio de um processo de envolvimento levado a cabo em diferentes regiões do mundo e que foi orientado pela AccountAbility International. Assim, foi incluído neste relatório um resumo das actividades da Nestlé relativamente à Global Reporting Initiative (GRI), aos Princípios do Pacto Global e aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio das Nações Unidas. Enquanto me preparo para ceder o cargo de Director Executivo (CEO) ao Sr. Paul Bulcke, reflicto sobre os onze anos que passei nesta função, durante os quais procurámos ter um envolvimento acrescido com a sociedade e dialogar sobre a relação interdependente da Nestlé com as populações dos países onde operamos. Como Presidente da Nestlé, permanecerei empenhado em assegurar que vamos continuar a expandir a nossa filosofia e o nosso envolvimento neste contexto. O presente relatório faz parte de um processo evolutivo e espero que ele vos ajude a compreender e avaliar as relações interdependentes da Nestlé com as pessoas e com o planeta. Peter Brabeck-Letmathe Presidente do Conselho de Administração e Director Executivo Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado 3

7 Perfil da empresa A Nestlé é a empresa líder mundial na área da Nutrição, Saúde e Bem-Estar Vevey Localização da sede da Empresa, na Suíça 1866 Ano em que foi fundada a Empresa Fábricas da Nestlé por continente, 2007 África 27 Oceânia 19 Ásia 84 Europa 184 Colaboradores da Nestlé por zona geográfica, 2007 Ásia, Oceânia e África 27,2% Europa 34,5% 107,6 mil milhões Volume de vendas total do Grupo, em Francos Suíços 10,6 mil milhões Lucro líquido, em Francos Suíços Número de colaboradores América Central e América do Sul 77 América do Norte 89 Fonte: Nestlé Américas 38,3% Fonte: Nestlé Vendas e crescimento orgânico por categoria de produto, 2007 Categoria de produto Vendas (mil milhões Francos Suíços) Crescimento orgânico 480 Número de fábricas 86 Número de países onde a Empresa tem operações Bebidas líquidas e em pó 17,9 10,3% Nestlé Waters 10,4 6,6% Produtos lácteos e gelados 20,7 7,8% Nestlé Nutrition 8,4 9,7% Refeições Pré-Preparadas e Bases Culinárias 18,5 4,0% Confeitaria 12,3 5,3% Pet Care (alimentos para animais de estimação) 12,1 7,0% Produtos farmacêuticos 7,3 11,0% Fonte: Nestlé 4 Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado

8 No extremo do lado esquerdo: Inauguração da nossa nova fábrica de leite em Hailar, Mongólia Interior, que arrancou em 2007 com o apoio de um investimento de mais de 20 milhões de Francos Suíços. Leia mais na pág. 14 À esquerda: Kevin Duck, um funcionário da Nestlé na Cereal Partners do Reino Unido, fabricante dos Shredded Wheat. Os cereais integrais proporcionam um valor nutricional significativo, pelo que, nos últimos dois anos, mais de 1,6 biliões de doses foram adicionadas às marcas da Nestlé vendidas na Europa. Leia mais na pág. 42 Abaixo: Os produtos com uma superioridade comprovada em termos de preferência do consumidor e de valor nutricional são a base da estratégia da Nestlé. O nosso processo de teste exclusivo da marca, designado 60/40+, proporciona uma mais-valia nutricional e, ao mesmo tempo, chama a atenção para os nutrientes mais importantes para a saúde pública. O valor nutricional acrescido está já a impulsionar o crescimento das vendas da Nestlé. Leia mais na pág. 38 Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado 5

9 Acerca deste Relatório O presente documento representa a primeira tentativa de elaboração de um relatório global sobre a Criação de Valor Partilhado no que diz respeito à nossa sustentabilidade e responsabilidade social corporativa (RSC). Faz parte integrante do nosso reporte e acompanha o Relatório de Gestão de A informação aqui facultada abrange as operações da Nestlé a nível mundial durante o exercício findo a 31 de Dezembro de 2007, salvo em caso de indicação expressa em contrário, e foi sujeita a uma validação externa (cf. pág. 56). O relatório aborda aqueles impactos no negócio que se revestem de uma especial importância para as partes interessadas (veja abaixo a forma como estes impactos foram identificados e organizados por prioridades). Estão disponíveis informações adicionais sobre um vasto de leque de temas na nossa página web, em Explorámos pela primeira vez o conceito de Criação de Valor Partilhado no nosso relatório de 2005 intitulado O Conceito de RSC da Nestlé, que se focalizava nas nossas operações na América Latina. Os seus autores, da empresa FSG Social Impact Advisors, orientados pelo Director-Geral Mark Kramer (também Senior Fellow na Escola Estatal John F. Kennedy da Universidade de Harvard), desafiaram a Nestlé a dar mais provas concretas. Desde então, em conjunto com as nossas unidades operacionais e com a assessoria de consultoras, tais como a SustainAbility e a AccountAbility, a Nestlé identificou e avaliou as questões chave, desenvolveu os indicadores de desempenho global e envolveu as partes interessadas no debate. Eis o resultado, o nosso relatório sobre a Criação de Valor Partilhado de 2007, o primeiro passo para se comprovar que a criação bem sucedida de valor a longo prazo para os accionistas depende também da criação de valor para a sociedade. Histórico de reporte Os relatórios anteriores centraram-se em regiões ou tópicos específicos, abaixo enunciados: l Relatório da Nestlé sobre a gestão da água 2006 l A Nestlé, a Comunidade e os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio da ONU 2006 l O Conceito de RSC da Nestlé conforme implementado na América Latina 2005 l O Compromisso da Nestlé com África 2004 l As Faces do Café 2003 l A Nestlé e a Água: Sustentabilidade, Protecção e Gestão Responsável 2003 l Revisão do Desenvolvimento do Pessoal da Nestlé 2002 l Análise de Sustentabilidade 2001 l Relatório de Progresso Ambiental da Nestlé 2001 l A Nestlé e o Ambiente 1995 Os relatórios anteriores estão disponíveis em downloads Questões chave Este relatório tem por objecto áreas que exercem um impacto potencial ou efectivo considerável na empresa, que são de grande importância para as partes interessadas, e sobre as quais a Nestlé detém um controlo razoável. Ao colaborar com a SustainAbility e aplicado a sua metodologia de melhores práticas, encetámos um processo sistemático de atribuição de prioridades às questões consideradas mais críticas para a empresa, baseando-nos nas opiniões de investidores, grupos da sociedade civil e meios de comunicação social, tendo aquelas sido posteriormente examinadas pelos executivos da Nestlé. 6 Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado

10 Criação de Valor Partilhado em cada etapa da cadeia de valor Agricultura e desenvolvimento rural Ambiente, produção e colaboradores Produtos e consumidores Conhecimentos especializados e apoios concedidos aos produtores agrícolas Proporcionar aos fornecedores uma formação contínua especializada e I&D Investir em instalações fabris locais Construir marcas através de um marketing responsável Aumentar o volume e o valor das vendas Valor para a Nestlé Garantir fornecimentos de matérias-primas de elevada qualidade Melhorar as relações com a comunidade e a qualidade dos produtos Reduzir os custos de fabrico e de distribuição Penetrar em mercados novos e emergentes Atingir níveis competitivos de remuneração dos accionistas Valor para a Sociedade Maior produtividade e rendimento mais elevado Diminuição do consumo de recursos naturais Criação de postos de trabalho para as comunidades locais Alargar o acesso a produtos com valor nutricional preferidos pelos consumidores Gerar investimento local e crescimento económico Foram identificadas cinco áreas a que se atribuiu uma prioridade para inclusão neste relatório: l A produção e a nossa pegada ecológica: Gerir as operações com respeito pelo ambiente e a forma como as práticas responsáveis em termos ambientais, de saúde e de segurança dão origem a uma actividade mais eficaz e rentável (págs ) l Os nossos colaboradores: Agir como uma entidade patronal responsável (págs ) l Agricultura e desenvolvimento rural: A abordagem da Nestlé em matéria de aprovisionamento agrícola (págs ) l Nutrição, Saúde e Bem-Estar: A estratégia da Nestlé para melhorar a Nutrição, a Saúde e o Bem-Estar, como um motor do crescimento empresarial (págs ) l Marketing e comunicação: O marketing baseado na transmissão responsável de uma melhor informação sobre nutrição e saúde (págs ) O business case da Nestlé: benefícios simultâneos para a Nestlé e para a sociedade O objectivo da Nestlé, a longo prazo, consiste em criar um valor sustentável para os seus accionistas a longo prazo. Para esse efeito, é necessário criar valor para as sociedades nas quais operamos. O esquema acima mostra a forma como as acções da Nestlé, em cada etapa da sua cadeia de valor, são movidas pela sua estratégia de negócio mas também pelo seu desejo de criar valor para as sociedades nas quais está presente. Âmbito e delimitação das comunicações Os dados referem-se às empresas totalmente participadas e às subsidiárias da Nestlé, excluindo as joint-ventures e os fornecedores, salvo em caso de indicação expressa em contrário. Como parte de um esforço constante para desenvolver a nossa abordagem da Criação de Valor Partilhado, iremos ponderar as possibilidades de alargar o âmbito dos nossos relatórios. Os dados ambientais dizem respeito somente às fábricas, incluindo a Cereal Partners Worldwide e a Dairy Partners Americas. A Alcon tem relatórios separados. Os números referentes à Saúde e Segurança abrangem todos os funcionários da Nestlé, bem como aproximadamente subcontratados. look nestle.com Ao longo deste relatório encontrará nas caixas look closer a indicação de material adicional, tal como vídeos e apresentações de diapositivos. Em csv, poderá ouvir conteúdos áudio e ler estudos de caso, políticas e publicações sobre a Criação de Valor Partilhado. Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado 7

11 Estratégia e Princípios Empresariais A Nestlé possui uma forte cultura empresarial que une pessoas com diferentes percursos profissionais e pessoais, e em mais de 100 países, no seio de uma única cultura empresarial construída em torno de princípios e valores humanos básicos. O primeiro de entre estes princípios é o de que os nossos investimentos deverão ser bons para a empresa e para os países nos quais operamos. Princípios Empresariais A cultura da Nestlé e a sua relação com as partes interessadas está expressa no(s): l Princípios Corporativos Empresariais da Nestlé; l Princípios de Gestão e Liderança da Nestlé; l Código de Conduta Empresarial da Nestlé. Estes princípios estão reflectidos nas políticas globais adoptadas relativamente a nutrição, marketing, ambiente, saúde e segurança no trabalho, e recursos humanos. Os princípios e as políticas da Nestlé encontram-se disponíveis para download em As principais ferramentas de gestão incluem o Sistema de Gestão Ambiental da Nestlé (NEMS) e o nosso Sistema de Gestão de RH. As redes formais e informais de peritos da Nestlé dedicam-se ainda à partilha de informação visando desenvolver as melhores práticas a nível mundial. Uma estrutura para a Criação de Valor Partilhado A abordagem da Nestlé baseia-se: l Numa perspectiva de longo prazo; l Numa forte presença nos países e no conhecimento das suas culturas; l Na responsabilidade e na responsabilização. De modo a proporcionar valor partilhado, trataremos igualmente de: l Continuar a desenvolver novas competências em resposta às condições operacionais e aos mercados em constante mutação; l Continuar a aplicar os nossos princípios e normas globais de forma consistente e rigorosa em todos os países; l Fomentar o desenvolvimento sustentável em parceria com terceiros, não apenas nas nossas operações directas mas também na colaboração com outros no que se refere a questões mais vastas e nas quais estejamos em posição de exercer a nossa influência e liderança; l Compreender e abordar os riscos e as oportunidades inerentes aos impactos mais significativos em termos da sustentabilidade; l Lidar com tais situações, reforçando os nossos sistemas de gestão e governação; l Definir objectivos claros de carácter financeiro, ambiental e social; l Trabalhar com os nossos parceiros de negócio e todas as partes interessadas de forma a criar valor partilhado. As últimas secções deste relatório apresentam genericamente os desafios ambientais e sociais específicos que enfrentamos em relação a produtos, consumidores, colaboradores, agricultura, aprovisionamento e produção. O esquema da página ao lado é uma síntese da estrutura da Nestlé para a Criação de Valor Partilhado. 8 Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado

12 Estrutura da Nestlé para a Criação de Valor Partilhado Princípios Corporativos Empresariais da Nestlé e compromissos com normas externas Agricultura e desenvolvimento rural Impactos sociais e ambientais da Nestlé Compromissos e acções da Nestlé Valor para a Sociedade Ambiente, Produção e Colaboradores Impactos sociais e ambientais da Nestlé Compromissos e acções da Nestlé + = Valor Partilhado Produtos e consumidores Impactos sociais e ambientais da Nestlé Compromissos e acções da Nestlé Valor para a Nestlé e para os Accionistas Em cada momento da nossa cadeia de valor, desde o abastecimento até ao produto final, os Princípios Corporativos Empresariais da Nestlé e as normas externas são a base de todas as nossas actividades. Em cada etapa, estamos empenhados em gerir os impactos e proporcionar benefícios, mediante a Criação de Valor Partilhado para a Nestlé e para a sociedade Normas de auditoria e garantia Asseguramos a aplicação rigorosa de políticas e princípios através de normas de auditoria e garantia: l A conformidade com os Princípios Corporativos Empresariais nas áreas de RH, segurança, saúde e ambiente é garantida através do nosso programa CARE que conta com uma rede de auditoria externa independente; l Além disso, as unidades de produção têm vindo a ser progressivamente certificadas de acordo com normas tais como a ISO 14001, OHSAS e ISO 22000; l As actividades de marketing de fórmulas infantis são alvo de uma auditoria independente, quer a nível interno quer externo; l Os fornecedores são regularmente examinados e auditados. Órgãos de governação formal l Conselho para a Sustentabilidade das Operações; l Comité de Auditoria; l Comité de Gestão de Risco; l Comité de Conformidade do Grupo. O Conselho de Administração é o órgão último de governação da Companhia e é responsável pela supervisão do Grupo. À excepção de Peter Brabeck-Letmathe (Presidente do Conselho e CEO), todos os membros do Conselho de Admnistração são membros não executivos. Para obter toda a informação sobre a governação, queira por favor consultar o nosso Relatório de Governação Corporativa de 2007 em Fixar objectivos A Nestlé possui uma cultura que apela à melhoria contínua e, de uma maneira geral, considera as tendências históricas de desempenho como sendo mais reveladoras e úteis para o planeamento futuro do que para estipular metas individuais de antecipação futuras. Envolver as partes interessadas Para melhor compreender o universo no qual a empresa opera, os peritos das várias delegações da Nestlé reúnem-se com consumidores, investidores e ONG s a fim de transmitir informação sobre as medidas tomadas pela empresa e os produtos fabricados, bem como sobre os dados que são objecto da nossa comunicação. Este ano, contamos também com a participação de formadores de opinião. Para mais pormenores sobre este assunto, consulte a pág. 54. A Nestlé trabalha ainda em estreita colaboração com os seus homólogos no sector a fim de desenvolver estruturas próprias deste segmento de mercado. Estas incluem a Iniciativa para a Agricultura Sustentável (cf. págs ) e o PROGRESS, um fórum de produtores de marcas líderes na área dos Bens de Grande Consumo (FMCG) que apoiam as práticas de aprovisionamento responsável e os sistemas de produção sustentável. Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado 9

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Na PepsiCo, Performance com Propósito significa gerar crescimento sustentável através do investimento em

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções.

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. GE Power & Water Water & Process Technologies Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. Recursos preciosos Se o consumo de água continuar a aumentar à mesma taxa, as estatísticas deixam

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data A Chevron e Angola Parceiros de Longa Data As oportunidades de crescimento e progresso nunca foram tão vastas nas seis décadas de história da Chevron em Angola. Biliões de dólares estão a ser investidos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

BFuture Soluções de Sustentabilidade

BFuture Soluções de Sustentabilidade BFuture Soluções de Sustentabilidade Porque existe um plano B! Hoje em dia é quase consensual que o estilo de vida que se segue nas sociedades ditas desenvolvidas, não é sustentável. Todos começam a ter

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor:

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor: PRINCÍPIOS ESSILOR Cada um de nós, na nossa vida profissional, participa na responsabilidade e na reputação da Essilor. Por isso devemos conhecer e respeitar princípios que se aplicam a todos. O que significa

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL

RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL 2008 RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL Sonae Sierra em Portugal A Sonae Sierra é a especialista internacional em centros comerciais, apaixonada por introduzir inovação e emoção

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana 15 de Outubro de 2015

Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana 15 de Outubro de 2015 Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana 15 de Outubro de 2015 Considerando que as Cidades albergam cerca de metade da população mundial e têm um papel estratégico a desempenhar no desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185 NOTA de: Secretariado-Geral n.º doc. Com.: 9052/07 RECH 115 COMPET 115

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo

Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo Resumo Município de Montijo Desafios Globais Visão Acção Local Boas Práticas Conclusões

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC CONDUZINDO E EXPANDINDO NOSSOS NEGÓCIOSDE UMA MANEIRA RESPONSÁVEL E SUSTENTÁVEL HSEC APPROACH INTRODUCAO SOBRE NÓS A Trafigura é líder no mercado global de commodities. Suprimos,

Leia mais

(in CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE, Novembro de 2007).

(in CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE, Novembro de 2007). COMENTÁRIOS REN CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGÁS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE A. INTRODUÇÃO Na sequência do compromisso assumido, a CNE e a ERSE

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA S160/06 UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA Documento da Comissão e do SG/AR para o Conselho Europeu FAZER FACE AOS RISCOS EXTERNOS NO DOMÍNIO DA ENERGIA A UE

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN 1) Um dos principais resultados da primeira reunião do Grupo de Líderes do Movimento SUN (a 10 de Abril de 2012) foi a obtenção de

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do artigo 175. o, Tendo em conta a proposta da Comissão ( 1 ),

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do artigo 175. o, Tendo em conta a proposta da Comissão ( 1 ), L 123/42 DIRECTIVA 2003/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 8 de Maio de 2003 relativa à promoção da utilização de biocombustíveis ou de outros combustíveis renováveis nos transportes O PARLAMENTO

Leia mais

O futuro da energia. Pro2.

O futuro da energia. Pro2. O futuro da energia. Pro2. w O FUTURO DA ENERGIA Mais exigência, mais desempenho. Pro2. A Pro2 é o seu parceiro de excelência de sistemas para tecnologias de energia descentralizada e bioenergia. As nossas

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

O Pacto Global. Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002

O Pacto Global. Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002 O Pacto Global Encontro Internacional Empreendedores e Responsabilidade Fundação Luso-Americana, Lisboa, 11-12 de Abril de 2002 Em nome do Secretário-Geral Kofi Annan e do Gabinete do Pacto Global, que

Leia mais

O Plano de Bom Crescimento

O Plano de Bom Crescimento O Plano de Bom Crescimento Outubro, 2013 O desafio: alimentar sustentavelmente uma população crescente 870 milhões 2 mil milhões de pessoas que se deitam com fome mais de pessoas em 2050 70% delas dependendo

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Reconhecendo que os poluentes orgânicos persistentes possuem propriedades tóxicas, são

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde APOGOM Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde É hoje amplamente reconhecido que o aumento significativo de certas doenças não transmissíveis (tais como as doenças

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Secção C ORGANIZAÇÃO INTERNA. Subsecção I Estatutos. Subsecção II Comunicação de Irregularidades

Secção C ORGANIZAÇÃO INTERNA. Subsecção I Estatutos. Subsecção II Comunicação de Irregularidades Secção C ORGANIZAÇÃO INTERNA Subsecção I Estatutos 48. Regras Aplicáveis à Alteração dos Estatutos da Sociedade Não estão estatutariamente definidas quaisquer regras aplicáveis à alteração dos estatutos

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA Case study 2010 Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA A E.Value S.A. é uma empresa de consultoria e desenvolvimento, com competências nos domínios

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Cimento (CSI) Sustentabilidade do. para a. Plano de Acção. A Indústria Cimenteira. Iniciativa. Resumo. Sobre o WBCSD.

Cimento (CSI) Sustentabilidade do. para a. Plano de Acção. A Indústria Cimenteira. Iniciativa. Resumo. Sobre o WBCSD. DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE A Indústria Cimenteira Sobre o WBCSD Algumas das estruturas gregas e romanas já empregavam, há mais de 2000 anos, produtos semelhantes ao cimento, mas o cimento moderno

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A.

Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Inovação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável CORTICEIRA AMORIM, S.G.P.S., S.A. Inovação Em 2010 verificou-se uma notoriedade sem precedentes dos produtos e soluções de cortiça e um reforço do seu posicionamento

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das ISO 14001 A4PT.QXD 8/31/99 4:52 PM Page 1 POLÍTICA AMBIENTAL A Rockwell Automation está empenhada em aplicar os mais altos padrões de gestão ambiental mundial. É nossa política irmos além do mero cumprimento

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exma. Sra. e Srs. Membros do Governo Desde os anos oitenta que

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR

AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR Ana Paula Bico Out, 2011 POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR 2 perspectivas: Redução da dependência

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

Código Alimentar de Angola

Código Alimentar de Angola Código Alimentar de Angola 1 Caracterização do Código Alimentar no Mundo e em Angola 2 Conceito e Definição do Código Alimentar 3 Organização e Estrutura do Código Alimentar 4 Segurança e Higiene Alimentar

Leia mais

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 Este Relatório foi possível graças ao generoso apoio da ENECO ISBN 978 2 940443 26 0 Fotografia da capa: Wild Wonders of Europe / Inaki Relanzon /

Leia mais