O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS"

Transcrição

1 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS Como e por que medir roi REPRESENTANTE EXCLUSIVO DO ROI INSTITUTE E DA METODOLOGIA PHILLIPS ROI TM NO BRASIL

2 Copyright ROI Institute and Meeting Professionals International, 2007 Copyright Editora Aleph, 2008 (edição em língua portuguesa para o Brasil) Introdução: MPI e ROI: uma breve história Fusion Productions Capítulos 1 10 Texto ROI Institute TÍTULO ORIGINAL: Proving the value of meetings and events CAPA: Thiago Ventura e Luiza Franco REVISÃO TÉCNICA: Valéria Blanco, André Meira e Elizabeth Wada REVISÃO: Ana Cristina Teixeira PROJETO GRÁFICO: Neide Siqueira EDITORAÇÃO: Join Bureau COORDENAÇÃO EDITORIAL: Débora Dutra Vieira EDITOR RESPONSÁVEL: Adriano Fromer Piazzi Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução, no todo ou em parte, através de quaisquer meios. EDITORA ALEPH Rua Dr. Luiz Migliano, 1110 Cj São Paulo SP Brasil Tel.: [55 11] Fax: [55 11] Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Phillips, Jack J. O valor estratégico dos eventos : como e por que medir ROI / Jack J. Phillips, Monica Myhill & James B. McDonough ; tradução Ana Paula Garcia Spolon. São Paulo : Aleph, Título original : Proving the value of meetings and events. ISBN Administração de projetos Avaliação 2. Eventos especiais Administração 3. Pesssoal Treina - mento Análise custo-benefício 4. Retorno sobre patrimônio líquido I. Myhill, Monica. II. McDonough, James B.. III. Título CDD Índices para catálogo sistemático: 1. Custos : Gestão : Eventos : Organização : Administração de empresas Gestão de custos : Eventos : Organização : Administração de empresas

3 Sumário Prefácio Agradecimentos Mensagem do CEO Prefácio à edição brasileira Reflexão de dois aprendizes de realidade Preâmbulo, por John Caparella Introdução MPI e ROI uma breve história CAPÍTULO 1 O processo ROI: resultados e tendências Resultados-chave do ROI O ROI não vai desaparecer O último nível de avaliação: ROI Uma abordagem prática para calcular o ROI Planejamento da avaliação Coletando dados Isolando os efeitos do evento Convertendo dados em valores monetários Identificando benefícios intangíveis Tabulando custos de conferências e eventos Calculando o ROI Padrões Adotando uma abordagem sensível Considerações finais... 55

4 8 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI CAPÍTULO 2 Definindo necessidades e objetivos Níveis de necessidades Necessidades de ganhos Necessidades do negócio Necessidades de desempenho Necessidades de aprendizado Necessidades de preferência Níveis de objetivos para conferências e eventos Objetivos de reação Objetivos de aprendizado Objetivos de aplicação e implementação Objetivos de impacto Objetivos ROI A importância de objetivos específicos Considerações finais Estudo de caso: Avaliação de necessidades para um programa de incentivo bem-sucedido Congular Wireless CAPÍTULO 3 Mensurando dados de entrada e indicadores A importância de mensurar dados de entrada e indicadores Categorias de dados de entrada Acompanhando conferências e eventos tópicos e temas Acompanhando pessoas Acompanhando a duração do evento Acompanhando o escopo de participação Acompanhando solicitações Acompanhando o uso da tecnologia Acompanhando custos Acompanhando a eficiência Acompanhando a terceirização das tarefas (outsourcing) Questões-chave Considerações finais Estudo de caso: Uma auditoria de evento LinuxWorld Conference & Expo CAPÍTULO 4 Mensurando reação e valor percebido A importância de mensurar reação e valor percebido Questões relacionadas à coleta de dados Fontes de dados

5 SUMÁRIO 9 Conteúdo versus não-conteúdo O ciclo de feedback enganoso Áreas chave para feedback Escolha do momento para a coleta dos dados Fazendo uso de questionários e pesquisas Elaborando questionários e pesquisas Garantindo taxas elevadas de resposta Fazendo uso de entrevistas e de grupos focais Usos de dados de reação Considerações finais Estudo de caso: Mensurando percepções e ações de segurança General Mills Foodservice Estudo de caso: Mensurando o desempemho da exposição NetWorld+ Interop Las Vegas CAPÍTULO 5 Mensurando aprendizado e confiança A importância de mensurar aprendizado Aprendizagem versus entretenimento A organização que aprende A questão do cumprimento das normas Os desafios da mensuração do aprendizado Medidas típicas Métodos de coleta de dados Questionários e pesquisas Jogo de papéis e práticas de habilidade Exercícios/atividades Questões administrativas Usando dados de aprendizado Considerações finais Estudo de caso: Avaliando um encontro nacional de vendas American Transport Company Estudo de caso: Mensurando o sucesso de uma conferência de lançamento de vendas Sun Microsystems Estudo de caso: Avaliando uma conferência interna de vendas National Telecom Estudo de caso: Mensurando o sucesso de uma Conferência geral de vendas e informações Gaylord Palms Resort and Convention Center

6 10 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI CAPÍTULO 6 Mensurando aplicação e implementação A importância de mensurar aplicação O valor da informação Um período-chave de transição Um foco-chave de muitos eventos Barreiras e facilitadores Desafios da mensuração de aplicação e de implementação Vinculando-se ao aprendizado Aplicando sérios esforços ao nível 3 de avaliação Questões fundamentais Métodos Objetivos Tópicos para explorar Definindo as fontes e o momento de avaliação Responsabilidades Questionários e pesquisas Conteúdo Melhorando as taxas de resposta Entrevistas, grupos focais e observação Coleta de dados por entrevistas Coleta de dados por grupos focais Observação on the job Planos de ação Desenvolvendo o plano de ação Uso bem-sucedido de planos de ação Vantagens e desvantagens do plano de ação Uso de dados Considerações finais Estudo de caso: Mensurando o sucesso de um evento de comunicação estratégica Great Property Real Estate Company Estudo de caso: Mensurando o sucesso de uma conferência de liderança Express Personnel Services CAPÍTULO 7 Mensurando e isolando o impacto de conferências e eventos 255 A importância de mensurar o impacto nos negócios Um direcionamento de negócios para eventos Dados monetários Facilidade de mensurar

7 SUMÁRIO 11 Tipos de medidas de impacto Dados hard versus dados soft Tangíveis versus intangíveis Medidas específicas relacionadas a eventos Monitorando dados de desempenho do negócio O uso de planos de ação para desenvolver dados de impacto no negócio Estabelecer metas e alvos Completar o plano de ação Vantagens dos planos de ação O uso de questionários para coletar dados de impacto Quando não se tem a mínima idéia Quando a medida é um conjunto definido de dados Quando a medida é conhecida Taxas de resposta Isolando os efeitos do evento Usando grupos de controle Análise da linha de tendência Estimativas Considerações finais CAPÍTULO 8 Benefícios monetários, custos e ROI A importância dos benefícios monetários e do ROI Valor significa dinheiro Dinheiro é necessário para o ROI Passos fundamentais para converter dados em dinheiro Valores monetários padrão Convertendo dados de produção em dinheiro Convertendo qualidade em dinheiro Convertendo o tempo dos empregados em dinheiro Encontrando valores-padrão Conversão de dados quando os valores-padrão não estão disponíveis Usando custos históricos a partir dos registros Usando informação fornecida por especialistas para converter dados soft Usando valores a partir de bases de dados externas Estabelecendo relações com outras medidas Usando estimativas dadas pelos participantes Usando estimativas dadas pela equipe administrativa Escolhendo o método

8 12 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI Monitorando os custos do evento Questões fundamentais relacionadas a custos Calculando o ROI Relação benefício/custo Fórmula do ROI ROI a partir de diferentes perspectivas Os objetivos do ROI O ROI não deve ser calculado em qualquer evento Considerações finais Estudo de caso: Medindo o ROI no National Summer Institute Compreendendo o Sistema de Avaliação do Estudante Adulto (Comprehessive Adult Student Assessment System CASAS) Estudo de caso: Medindo o ROI em um simpósio Uma abordagem do ROI no capital humano KnowledgeAdvisors Estudo de caso: Medindo o ROI no Torneio Pro-AM de Golfe COMCO Estudo de caso: Medindo o ROI em uma conferência anual de agentes Neighborhood Insurance Company NIC Estudo de caso: Medindo o ROI na Conferência Anual de Franquia International Franchise Company IFC CAPÍTULO 9 Beneficios intangíveis Mensurando o intangível Convertendo em dinheiro Identificando intangíveis Analisando o intangível Considerações finais CAPÍTULO 10 Comunicando resultados Questões-chave sobre a comunicação dos resultados As razões para a comunicação Planejando as comunicações O público para as comunicações O desenvolvimento da informação Seleção do meio de comunicação dos resultados Apresentação dos resultados à administração Reações à comunicação Considerações finais

9 1 O processo ROI 1 : resultados e tendências O debate sobre o tema mensuração do Retorno sobre Investimento (ROI) em conferências e eventos é bastante singular. É raro um tópico instigar emoções tal como o faz a questão do ROI. Enquanto algumas pessoas caracterizam qualquer medida de ROI como inadequada ou inapropriada para essa indústria, outras classificam o ROI, de forma um tanto apaixonada, como a resposta para suas preocupações com responsabilidade. A verdade está provavelmente em algum ponto intermediário entre essas visões extremas. O mais importante é entender as razões para se adotar o ROI e as vantagens e desvantagens inerentes a ele. Desta forma, será possível tratar a questão a partir de uma abordagem racional e implementar um conjunto adequado de estratégias de avaliação, incluindo o ROI. Este capítulo apresenta os resultados básicos relativos ao ROI e sua utilização no setor de conferências e eventos. RESULTADOS-CHAVE DO ROI O ROI não vai desaparecer Uma coisa é certa: ROI não é uma moda passageira. Veio para ficar. Sempre que houver necessidade de se prestar contas de despesas com conferências, eventos e exposições e o conceito de rendimento for almejado, o ROI será medido para avaliar os principais investimentos nessa indústria. Diferentemente de um modismo, que pode 1. Sigla derivada do original em inglês Return on Investment, equivalente a Retorno sobre Investimento. [N. do T.]

10 44 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI ser caracterizado como uma nova idéia, abordagem ou visão sobre um ponto de vista antigo, o conceito de ROI vem sendo utilizado há séculos. A edição do 75 o aniversário da Harvard Business Review (HBR) 2 apresentou as ferramentas para medição de resultados em organizações (Sibbet, 1997). Segundo edições anteriores da HBR, durante a década de 1920, o ROI era uma ferramenta emergente para determinar um valor para o rendimento dos investimentos. Nos anos mais recentes, a aplicação do conceito tem-se expandido para todos os tipos de investimento, incluindo treinamento, iniciativas de mudança, tecnologia, qualidade e eventos. Com sua crescente adoção e utilização, torna-se visível que o ROI não sairá de cena, que veio para ficar. Atualmente, centenas de empresas desenvolvem constantemente cálculos de ROI para seus programas de educação, treinamento, comunicação, desenvolvimento de lideranças e recursos humanos. Nos últimos três anos, essa metodologia tem sido utilizada para demonstrar o valor gerado por conferências e eventos. O último nível de avaliação: ROI A Metodologia ROI coleta e processa até cinco níveis de resultados avaliados, além de um nível adicional de entrada de dados. O conceito de diferentes níveis de avaliação não só auxilia como também esclarece o entendimento sobre como se calcula o retorno sobre investimento. A Tabela 1-1 mostra a estrutura de seis níveis usada neste livro, o status atual e as metas estabelecidas para essa indústria. Tabela 1-1. Medida no setor de conferências e eventos 3 Nível Categoria de medida Status atual Cobertura (Hoje) Meta em 5 anos Cobertura (Meta) Comentários sobre o status 0 Dados de entrada/indicadores Mede dados de entrada em conferências e eventos, incluindo número de sessões, participantes, público, custos e eficiência 3 100% 100% Meta já atingida atualmente (continua) 2. Importante revista editada pela Escola de Administração da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. No Brasil, é distribuída em formato impresso e eletrônico pela HBR Brasil. [N. do T.] 3. Entende-se por eficiência o melhor rendimento com o mínimo de erros e/ou de dispêndio de energia, tempo, dinheiro ou meios. [N. do T.]

11 O PROCESSO ROI: RESULTADOS E TENDÊNCIAS 45 (continuação) Nível Categoria de medida Status atual Cobertura (Hoje) Meta em 5 anos Cobertura (Meta) Comentários sobre o status 1 Reação e Valor Percebido Mede a reação e a satisfação com a experiência, ambiente, conteúdo e valor (relevância, importância) do evento 2 Aprendizado Mede o que os participantes aprenderam no evento informação, conhecimento, habilidades e contatos estabelecidos (benefícios advindos do evento) 3 Aplicação e Implementação Mede o progresso depois do evento (em um momento posterior) uso da informação, conhecimento, habilidades e contatos 4 Impacto e Conseqüências Mede mudanças nas variáveis que causam impacto nos negócios, tais como produção, qualidade, tempo e custo relacionados ao evento 5 ROI Compara os benefícios monetários das medidas de impacto nos negócios com os custos do evento 100% 100% É necessário dar mais foco no conteúdo e no valor percebido 10 20% 80 90% Devem-se usar medidas simples de aprendizado 5% 15 25% É preciso mais acompanhamento < 2% 10% Esta é a conexão com o impacto do negócio < 1% 5% A última avaliação No Nível 0, Dados de Entrada e Indicadores, os vários dados de entrada sobre a conferência ou evento já são normalmente coletados em todos os eventos (100%). Estes dados incluem custos, eficiência, duração (em horas ou dias), perfil dos parti cipantes, locais e programas. São apenas dados de entrada e nada dizem sobre os resultados.

12 46 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI No Nível 1, Reação e Valor Percebido, a reação dos participantes do evento é medida conjuntamente ao valor percebido. Quase todas as empresas realizam as avaliações do Nível 1 a partir de um questinário genérico, aplicado ao final do evento. Embora este nível de avaliação seja importante como uma medida da satisfação do cliente, uma reação favorável ao evento não garante, entretanto, que todos os participantes tenham aprendido novas habilidades ou adquirido novos conhecimentos. No Nível 2, Aprendizado, as medidas estão focadas no que os participantes aprenderam durante o evento, a partir da aplicação de ferramentas de avaliação como questionários de auto-avaliação, listas de verificação, dinâmicas, simulações e avaliações em grupo. Uma verificação de aprendizado ajuda a garantir que os participantes tenham absorvido o conteúdo e as mensagens do evento, e que saibam como usá-los ou aplicá-los da maneira adequada. Além disso, este nível mede o número de novos contatos profissionais estabelecidos e o quanto contatos já existentes foram fortalecidos. Neste nível, os interesses setoriais estão por trás do objetivo. No entanto, uma medida positiva de aprendizado não garante que o que foi aprendido ou que os contatos estabelecidos serão efetivamente utilizados. No Nível 3, Aplicação e Implementação, são usados vários métodos de acompanhamento para determinar se os participantes aplicaram o que aprenderam ou tiraram proveito dos contatos estabelecidos. A concretização de itens de ação, o uso das habilidades e a manutenção dos contatos são medidas importantes no Nível 3. Embora as avaliações do Nível 3 sejam relevantes para medir o sucesso da aplicação após o evento, elas ainda não garantem que o encontro terá um impacto positivo sobre o indivíduo ou a empresa. No Nível 4, Impactos e Conseqüências, a mensuração concentra-se nos resultados reais conseguidos pelos participantes do evento, na medida em que conseguem fazer uso, com sucesso, do material, mensagens ou contatos. As medidas típicas do Nível 4 são produção, vendas, qualidade, custos, tempo e satisfação do cliente. Embora o evento possa gerar um impacto positivo no negócio, continua a existir uma preocupação sobre o custo do evento ser muito elevado. No Nível 5, Retorno sobre Investimento (o último nível de avaliação), os benefícios monetários do evento são comparados com os custos para promovê-lo. Embora o ROI possa ser expresso de várias formas, geralmente é apresentado como um percentual ou como uma relação entre benefícios e custos. A cadeia de avaliação não está completa até que se apliquem as medidas de avaliação do Nível 5. A Metodologia ROI tem recebido muita atenção na mídia dedicada a conferências e eventos. Dezenas de artigos têm sido escritos e muitas entrevistas conduzidas. Os trechos apresentados na publicação destacada a seguir mostram resultados, preocupações e oportunidades para o uso do ROI.

13 O PROCESSO ROI: RESULTADOS E TENDÊNCIAS 47 FALANDO O IDIOMA O ROI não é um conceito novo na indústria de eventos, mas é um conceito esclarecedor. Durante anos, o termo tem sido usado de forma um tanto dispersa e em tantos contextos que se pensa que ele diz respeito a tudo, desde a ergonomia de cadeiras até a importância do caderno de anotações. E, embora o ROI seja influenciado por muitos fatores, nenhum deles, sozinho, é capaz de defini-lo; ou, melhor dizendo, as medidas de retorno sobre investimento devem incluir todos os aspectos de um evento a fim de que se chegue a um valor explícito e definitivo. A boa notícia é que, depois de anos de procura em vão por um método confiável com o qual fosse possível calcular o ROI, a indústria de eventos enfim parece convencida a adotar uma metodologia efetiva capaz de, finalmente, revelar o valor do profissional de eventos como um membro estratégico de qualquer time de executivos de uma empresa. Há anos o termo ROI tem sido indistintamente mencionado e mal-compreendido pela indústria, diz Doug McPhee, gerente nacional de conta da Conferon em San Diego. Embora o conceito de ROI sempre carregue consigo um sentido de significado e urgência, ele ainda permanece amplamente mal-definido. Como resultado disso, a simples menção do assunto frustra alguns promotores. Estou tão cansada de ouvir ROI, ROI, ROI!, lamenta Lorertta Lowe, uma profissional independente de São Francisco que atua na área de planejamento. Muitos profissionais do setor de eventos dizem concordar que o conceito é importante, mas na prática não fazem uso de nenhum modelo tangível por meio do qual possam reportá-lo, diz Lowe. A maioria das declarações que ouvi a respeito do assunto foi vaga, concorda Neil Schwartz, que lida com planejamento de eventos para o California Credit Union League, em Rancho Cucamonga, Califórnia. Na verdade, a maior parte das pessoas não sabe como lidar com o tema. De fato, muitos esforços para medir o ROI no setor de eventos têm tido de lidar com o que se costuma chamar fatores intangíveis como a opinião de participantes e organizadores sobre o sucesso do evento ou sobre se ele melhora o moral, a comunicação ou a satisfação dos funcionários. E ao mesmo tempo em que esses benefícios, longe de ser considerados medidas exatas, são parte do retorno sobre investimento em um evento tanto em termos de tempo quanto de dinheiro, são apenas parte de um todo muito maior.

14 48 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI A fim de promover um conhecimento mais completo desse todo, a Meeting Professionals International (MPI) 4 estabeleceu recentemente uma parceria com o ROI Institute, uma organização sediada em Birmingham, Alabama, que nos últimos 25 anos tem se dedicado a refinar os métodos de mensuração do ROI em vários setores. Inicialmente, nós desenvolvemos nossa Metodologia ROI para as áreas de desenvolvimento e treinamento, mas ela rapidamente passou a ser aplicada à área de recursos humanos, diz Jack Phillips, chairman do ROI Institute. Desde então, a metodologia migrou para as áreas de controle de qualidade, tecnologia, desenvolvimento organizacional e consultoria. O setor de eventos é uma nova área de aplicação. E uma vez que muitas empresas comumente oferecem serviços para ajudar promotores a medir o ROI, a Metodologia Phillips parece ter atingido o ponto máximo de significação na indústria de eventos, na qual ele diz ter particular relevância. A indústria de eventos perdeu esse nível de controle há muito tempo, como temos percebido pelos orçamentos que vão e voltam com as mudanças econômicas. Em períodos favoráveis, há muitos eventos; em tempos difíceis, são cortados, pois os executivos não têm certeza se eles trazem valor para a empresa, observa Phillips. Há uma desconexão entre as áreas de planejamento logístico e de desenvolvimento de conteúdo e estratégia. Como estabelecer uma ponte entre elas? Pelo ROI. Em outras palavras, quando os profissionais de planejamento usam uma abordagem metodológica para medir o ROI, eles inevitavelmente se envolvem na tarefa de planejamento, não apenas no que se refere à logística do evento, mas também ao seu conteúdo. A Metodologia Phillips apresenta uma abordagem concreta e sistemática de medida do ROI no lugar daquela que tem sido tradicionalmente usada na indústria de eventos, que poder ser considerada uma proposição baseada em percepções. Isto nos leva a um nível completamente diferente do qual estamos acostumados, diz McPhee. De fato, a Metodologia Phillips confere aos profissionais da área de planejamento a capacidade de calcular a exata quantia de dinheiro necessária para investir em um evento para que ele dê resultados. Um dos meus ditados favoritos é o que diz que os contadores de feijão precisam de feijões para contar, diz Julia Rutherford Silvers, autora e especialista em organização e promoção de eventos, residente em Las Vegas. Desta forma, quando os profissionais de planejamento falam sobre ter dificuldades de comunicação com seus departamentos de compras, a resposta que dou é que precisamos mostrar a eles os 4. Associação internacional que reúne profissionais do setor de eventos, baseada em Dallas, Texas. [N. do T.]

15 O PROCESSO ROI: RESULTADOS E TENDÊNCIAS 49 grãos de feijão. E é exatamente para isso que a Metodologia Phillips é projetada. A idéia é desenvolver a análise até o resultado final, que é, na verdade, o cálculo do ROI; e isso nos permite falar a linguagem dos diretores financeiros. Extraído de The Fifh Element, de Susie Amer, em Successful Meetings, abril/2005. UMA ABORDAGEM PRÁTICA PARA CALCULAR O ROI O cálculo do retorno sobre investimento em conferências, eventos, exposições e patrocínios começa com o modelo básico mostrado na Figura 1-1, em que um processo potencialmente complicado pode ser simplificado com passos seqüenciais. O modelo do processo ROI estabelece uma abordagem sistemática para os níveis de avaliação do ROI (Phillips & Phillips, 2005). Uma abordagem passo-a-passo ajuda a manter o controle sobre o processo para que os usuários possam lidar com uma questão por vez. O modelo ainda enfatiza que a metodologia é um processo lógico e sistemático, que flui de etapa a etapa. A aplicação do modelo provê consistência à transição de cada nível de avaliação de ROI para o próximo. Cada passo é brevemente descrito nesta seção. Planejamento da avaliação Várias etapas do processo de avaliação devem ser explicadas quando se desenvolve o plano de avaliação para cálculo do ROI. O propósito da avaliação deve ser considerado antes do desenvolvimento do plano de avaliação, pois o propósito irá freqüentemente determinar o escopo da avaliação, os tipos de instrumentos a serem usados e o tipo de dados coletados. Inúmeras ferramentas são utilizadas para a coleta de dados e devem ser consideradas no plano, bem como a definição do momento para realização da coleta de dados. Para a maioria das conferências e eventos, normalmente um acompanhamento é feito entre um e seis meses depois de sua realização. Deve-se preestabelecer a análise específica que se deseja realizar. Os produtos desta fase são um plano de coleta de dados e um plano de análise do ROI.

16 50 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI Figura 1-1. O modelo do Processo ROI O MODELO ROI Capturar custos da conferência ou evento Planejamento Coleta de dados Análise de dados Relatório Desenvolver planos de avaliação e dados de linha de base 0. Dados de entrada/ Indicadores Coletar dados durante o evento Coletar dados após o evento Isolar os efeitos do evento 1. Reação/Valor percebido 2. Aprendizado 3. Aplicação e Implementação 4. Impacto e conseqüências no negócio Converter dados em valores monetários Calcular o Retorno sobre Investimento 5. ROI Identificar medidas intangíveis Concluir o processo e elaborar relatório Comunicar resultados e informações ao grupos-alvo Benefícios intangíveis

17 O PROCESSO ROI: RESULTADOS E TENDÊNCIAS 51 Coletando dados A coleta de dados é fundamental para a avaliação do evento. Para a análise do ROI, são coletados tanto dados objetivos hard (representando vendas, produtividade, qualidade, custo e tempo) quanto dados subjetivos soft (incluindo hábitos profissionais, satisfação com o trabalho e satisfação do cliente). Os dados são coletados a partir de uma variedade de métodos, incluindo pesquisas, questionários, entrevistas, grupos focais e monitoramento de dados de impacto dentro da organização. Estas técnicas são descritas neste livro. O importante desafio nesta etapa é a escolha de um método ou de métodos de coleta de dados mais apropriados ao cenário e ao evento em questão, considerando as restrições de prazo e de orçamento do evento e do organizador. Isolando os efeitos do evento Um assunto freqüentemente negligenciado na maioria das avaliações é o processo de isolamento dos efeitos da conferência ou do evento. Este passo é essencial porque muitos fatores podem, após a realização do evento, influenciar dados de desempenho. Nesta etapa, técnicas específicas são exploradas com o propósito de determinar a dimensão do impacto diretamente relacionado ao evento. O resultado é o aumento na precisão e na credibilidade do cálculo do ROI. Inúmeras estratégias têm sido utilizadas para lidar com esta questão, desde análise comparativa de grupos até o uso de estimativas. Juntas, as estratégicas apresentadas neste livro fornecem um conjunto abrangente de ferramentas para tratar o isolamento dos efeitos. Convertendo dados em valores monetários Para calcular o retorno sobre investimento, os dados de impacto coletados são convertidos em valores monetários e então comparados aos custos do evento. Este procedimento requer que um valor seja atribuído a cada unidade de dados relacionada ao evento. Há várias técnicas disponíveis para converter dados em valores monetários, incluindo a experiência de especialistas, registros, base de dados externas e estimativas. A técnica específica selecionada normalmente depende do tipo de dados e da situação. Felizmente, boa parte das organizações já desenvolve e utiliza medidas de valor-padrão. O processo de conversão é um desafio, particularmente no que diz respeito a dados subjetivos, mas pode ser metodicamente conduzido, utilizando-se uma ou mais das técnicas apresentadas neste livro.

18 52 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI Identificando benefícios intangíveis Além dos benefícios tangíveis e monetários, a maioria das conferências e eventos costuma compreender benefícios intangíveis, não-monetários. O cálculo do ROI baseia-se na conversão em valores monetários tanto dos dados objetivos quanto dos subjetivos. Entretanto, quando se identificar que as medidas não podem ser convertidas para valores monetários de forma confiável e com o mínimo de recursos, então estas medidas são consideradas benefícios intangíveis, como aumento da satisfação do cliente, aumento do nível de comprometimento do funcionário, melhoria do espírito de equipe, melhoria da imagem, diminuição das reclamações e redução de conflitos. Durante a análise de dados, busca-se o que for possível para converter todos os dados em valores monetários. Todos os dados objetivos como produção, qualidade e tempo são transformados em valores monetários. Busca-se também essa conversão para todos os itens de dados subjetivos. No entanto, se o processo empregado para a conversão for subjetivo demais (ou demandar muito tempo) e se os valores resultantes perderem credibilidade quando convertidos, os dados serão apresentados como benefícios intangíveis, acompanhados de uma explicação adequada. Para alguns eventos, os benefícios intangíveis e não-monetários são extremamente valiosos, pois normalmente exercem tanta influência quanto os itens de dados objetivos. Tabulando custos de conferências e eventos A outra parte da equação na análise de benefícios/custos são os custos do evento. A tarefa de tabulação dos custos envolve o monitoramento e o desenvolvimento de todos os custos do evento apontados para o cálculo do ROI. Os componentes de custo que podem ser inseridos na análise, de acordo com a perspectiva adotada para o ROI, são os seguintes: custos de análise da necessidade do evento, se aplicável; custos de planejamento e organização do evento; custos de marketing ou promoção; custos de todos os materiais do evento como o material distribuído aos participantes, sinalização e material de decoração; custos com os palestrantes e/ou facilitadores, incluindo viagens e tempo de deslocamento; custos de preparativos e dispositivos para o evento; custos de viagem, hospedagem e alimentação para os participantes e outros;

19 O PROCESSO ROI: RESULTADOS E TENDÊNCIAS 53 outros custos que digam respeito a deslocamento, como serviços de traslado, pacotes turísticos e operadoras de viagens e turismo; salários e benefícios dos participantes e da equipe de apoio relativos ao tempo em que estes estiverem dedicados ao evento (proporcional ao tempo dedicado); custos de administração e de overhead relacionados à promoção do evento, alocados de maneira adequada ao perfil da conferência ou de qualquer outro tipo de evento; custos de avaliação do evento. Além disso, devem também ser incluídos quaisquer outros custos diretos e indiretos relacionados à conferência ou evento. A abordagem conservadora recomenda que se incluam todos esses gastos, de forma que o custo total do evento seja completamente coberto. Calculando o ROI O retorno sobre investimento é calculado usando-se os benefícios do evento em valores monetários e os respectivos custos. A relação benefícios/custos (RBC) é obtida dividindo-se os benefícios do evento pelos custos do evento, pela seguinte fórmula: RBC = Benefícios do evento Custos do evento O retorno sobre investimento usa o valor líquido dos benefícios dividido pelos custos do evento. Os benefícios líquidos do evento são os resultados monetários do evento menos os seus custos. A fórmula do ROI é: ROI (%) = Benefícios líquidos do evento x 100 Custos do evento Trata-se da mesma fórmula básica usada para avaliar outros investimentos em que o ROI é tradicionalmente apresentado como o resultado da divisão da receita pelo investimento.

20 54 O VALOR ESTRATÉGICO DOS EVENTOS: COMO E POR QUE MEDIR ROI Padrões Todo processo necessita de padrões, e a Metodologia ROI não é exceção. Os padrões mostrados na Tabela 1-2 representam os ajustes e refinamentos da Metodologia ROI no transcorrer de sua aplicação em uma variedade de setores e indústrias. Esses Princípio-guias estão ajustados para essa indústria em particular e representam os padrões necessários para uma abordagem confiável e conservadora do processo de avaliação em seus diferentes níveis. Tabela 1-2. Padrões ROI Princípios-guias 1 Quando for realizada uma avaliação em um nível mais elevado, os dados deverão ser coletados em todos os níveis anteriores. 2 Quando for planejada uma avaliação em um nível superior, as avaliações dos níveis anteriores não necessitarão ser tão abrangentes. 3 Para a coleta e análise dos dados use apenas as fontes de credibilidade assegurada. 4 Para a análise dos dados, opte pela alternativa mais conservadora para o cálculo dos resultados. 5 Deve ser utilizado, no mínimo, um método de isolamento dos efeitos do evento. 6 Se dados de melhoramento relativos a uma população ou a uma fonte específica não estiverem disponíveis, assume-se que pouca ou nenhuma melhoria tenha ocorrido (se não há dados, não há melhoramento). 7 Estimativas de melhoramento devem ser ajustadas para possíveis erros. 8 Itens de dados extremados e afirmações sem respaldo não devem ser usados nos cálculos do ROI. 9 Apenas o primeiro ano de benefícios (anual) deve ser usado na análise do ROI para eventos de curta duração. 10 Os custos do evento devem ser considerados de forma plena para a análise do ROI. 11 Medidas intangíveis são definidas como propositadamente não convertidas em valores monetários. 12 Os resultados obtidos a partir da Metodologia ROI devem ser comunicados a todos os principais envolvidos.

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento. Daniel Orlean

Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento. Daniel Orlean Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento Daniel Orlean ou... 6Ds + ROI Daniel Orlean Como você faz para aprovar um programa de T&D Na sua percepção, qual a maior barreira ao implementar um processo

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

A próxima grande ideia: integrando inovação e gerenciamento de portfólio Usando o software IBM Rational Focal Point e as soluções Brightidea

A próxima grande ideia: integrando inovação e gerenciamento de portfólio Usando o software IBM Rational Focal Point e as soluções Brightidea Software IBM Inovação e Gerenciamento de Portfólio A próxima grande ideia: integrando inovação e gerenciamento de portfólio Usando o software IBM Rational Focal Point e as soluções Brightidea 2 A próxima

Leia mais

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Objetivos Apresentar os fundamentos da avaliação de treinamento Apresentar os tipos de indicadores para mensurar a eficácia do treinamento

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas 1 Sumário I II V Porque monitorar? O que monitorar? Onde monitorar? Como engajar? 2 Por que Monitorar? 3 I II V Nas mídias sociais

Leia mais

TI como serviço: Iniciativa em andamento

TI como serviço: Iniciativa em andamento TI como serviço: Iniciativa em andamento Resumo executivo Computação em nuvem, virtualização, mobilidade: Individualmente, essas tendências tecnológicas vêm trazendo mudanças enormes para as organizações

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Gestão estratégica por KPIs 1

Gestão estratégica por KPIs 1 Gestão estratégica por KPIs 1 Sumário Introdução 03 Por que usar indicadores na gestão 05 Dado, informação ou indicadores? 07 KPI: Os indicadores chave de desempenho 09 KPIs do PMO Conclusão Sobre a Project

Leia mais

Seminário Sobre CoreS

Seminário Sobre CoreS Entendendo as Cores & Tecnologia da Cor Seminário Sobre CoreS A Teoria da Cor na Prática, aplicada ao Mercado e à Indústria um seminário Datacolor: o Essencial para o Gerenciamento de Cores Se você é iniciante

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Cinco etapas para criar um portfólio de produtos vencedor

Cinco etapas para criar um portfólio de produtos vencedor Cinco etapas para criar um portfólio de produtos vencedor White paper executivo A importância estratégica do gerenciamento de portfólio Os líderes de negócios dizem que um dos três desafios principais

Leia mais

O QUE É O PRODUTO CONSTRUCT?

O QUE É O PRODUTO CONSTRUCT? O QUE É O PRODUTO CONSTRUCT? Construct é uma ferramenta completa desenvolvida para o setor de construção civil...que permite a engenheiros, arquitetos, empreiteiros, gestores e demais participantes dos

Leia mais

mídia kit 2015 mídia kit 2015

mídia kit 2015 mídia kit 2015 mídia kit 2015 HBR Brasil não é só uma revista, é uma biblioteca É a principal fonte de conhecimento sobre gestão moderna e inteligente. São centenas de estudos, casos, artigos e vídeos produzidos com

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13 Índice 1. Tecnologia educacional de treinamento...3 2. Dicas: a evolução da tecnologia de treinamento...5 3. EXECUÇÃO DO TREINAMENTO...6

Leia mais

24/04/2011 GERÊNCIA DO ESCOPO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS NA PRÁTICA

24/04/2011 GERÊNCIA DO ESCOPO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS NA PRÁTICA GESTÃO DE PROJETOS NA PRÁTICA Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol 1 No contexto do projeto, o

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA. Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Diagnóstico

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA. Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Diagnóstico PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Foco do programa O desenvolvimento de habilidades gerenciais e capacidades de liderança passa pelo

Leia mais

Piloto BIM Primeiros Passos

Piloto BIM Primeiros Passos Piloto BIM Primeiros Passos O que é o BIM? Estrutura para implantação do projeto piloto BIM Visão BIM Impulsão de Liderança BIM Nova liderança BIM Primeiros passos em seu projeto piloto BIM Mudar para

Leia mais

Campanha Multimédia de Promoção e Educação

Campanha Multimédia de Promoção e Educação Campanha Multimédia de Promoção e Educação O seguinte é uma campanha anual de promoção usando variedade de táticas para alcançar grandes grupos de dentistas através de técnicas sofisticadas de publicidade,

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste teste pode ser reproduzida por meio algum

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Custos e benefícios Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Os verdadeiros custos da informação são raramente estudados....para fazer

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Resenha por Eliana Dutra KIRKPATRICK, Donald L., Evaluating Training Programs - THE FOUR LEVELS. Berrett-Koehler Publishers, Inc. 1994. De acordo com Donald Kirkpatrick,

Leia mais

Núcleo Thomas Manual do usuário

Núcleo Thomas Manual do usuário Núcleo Thomas Manual do usuário Sua mais nova e aprimorada ferramenta online de avaliação e gerenciamento de pessoas Descubra a forma mais rápida e simples de gerenciar suas avaliações de funcionários

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

PLM Software. A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças. Respostas para a indústria.

PLM Software. A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças. Respostas para a indústria. Siemens PLM Software A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças www.siemens.com/nx W h i t e p a p e r A eficiência de usinagem e a produtividade

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Sumário. O que fazemos 3. Conversão para ebooks 5. Criação de ebooks 8. Transforme em ebook ou revista 11. Serviços de editoração 14

Sumário. O que fazemos 3. Conversão para ebooks 5. Criação de ebooks 8. Transforme em ebook ou revista 11. Serviços de editoração 14 Produção de ebooks Produção de ebooks Sumário O que fazemos 3 Conversão para ebooks 5 Criação de ebooks 8 Transforme em ebook ou revista 11 Serviços de editoração 14 Serviços de marketing e distribuição

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

ESPECIAL BALANCED SCORECARD IDIOMAS. Tel. 55 11 3862 1421 atendimento@bird.com.br www.bird.com.br

ESPECIAL BALANCED SCORECARD IDIOMAS. Tel. 55 11 3862 1421 atendimento@bird.com.br www.bird.com.br ESPECIAL BALANCED SCORECARD IDIOMAS Tel. 55 11 3862 1421 atendimento@bird.com.br d b www.bird.com.br BSC Balanced Scorecard vs. BSC-i Balanced Scorecard para Idiomas O Estado de S. Paulo, caderno Negócios,

Leia mais

INSIGHTS DO MAIOR EVENTO MUNDIAL SOBRE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO PARA O FRANCHISING & VAREJO BRASILEIRO

INSIGHTS DO MAIOR EVENTO MUNDIAL SOBRE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO PARA O FRANCHISING & VAREJO BRASILEIRO INSIGHTS DO MAIOR EVENTO MUNDIAL SOBRE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO PARA O FRANCHISING & VAREJO BRASILEIRO De 17 a 20 de maio de 2015 aconteceu em Orlando (Flórida-EUA) o maior congresso mundial de Treinamento

Leia mais

INTRODUÇÃO. Copyright 2015 Todos os direitos reservados. Capacitação e Certificação COBIT 4.1 Foundation

INTRODUÇÃO. Copyright 2015 Todos os direitos reservados. Capacitação e Certificação COBIT 4.1 Foundation Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Governança de TI 1 INTRODUÇÃO 2 Introdução do Curso Bem vindo ao Controle de Objetivos de informação e Tecnologia (COBIT)

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Google AdWords Fundamentals

Google AdWords Fundamentals Google AdWords Fundamentals Introdução O Google AdWords é a principal ferramenta publicitária do Google a qual integra os principais mídias publicitárias disponíveis na Internet, atualmente é usada por

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Service Desk Corporativo

Service Desk Corporativo Service Desk Corporativo Solução com base na ITIL V3 Rubem Melendez Filho Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO

MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO Aluna: Ana Luisa Alves Teixeira Orientador: Luiz Felipe R. R. Scavarda do Carmo Departamento de Engenharia Industrial Palavras Chaves: Processos, SIPOC,

Leia mais

Como contratar staff de Projetos...

Como contratar staff de Projetos... Como contratar staff de Projetos... Que qualidades estou buscando no profissional de Projetos, e como identificá-las...? Alguns exemplos do que podemos buscar..! 1. Visão 2. Orientação estratégica 3. Inovação

Leia mais

Scrum em Ação. Gerenciamento e Desenvolvimento Ágil de Projetos de Software. Andrew Pham Phuong-Van Pham. Novatec

Scrum em Ação. Gerenciamento e Desenvolvimento Ágil de Projetos de Software. Andrew Pham Phuong-Van Pham. Novatec Scrum em Ação Gerenciamento e Desenvolvimento Ágil de Projetos de Software Andrew Pham Phuong-Van Pham Novatec Original English language edition Copyright 2012 Course Technology, a part of Cengage Learning.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Contratos de seguro. Um novo mundo para os seguros. Junho de 2013. kpmg.com/ifrs

Contratos de seguro. Um novo mundo para os seguros. Junho de 2013. kpmg.com/ifrs Contratos de seguro Um novo mundo para os seguros Junho de 2013 kpmg.com/ifrs Grandes esforços foram feitos pelo IASB para melhorar as propostas, abordando as principais preocupações dos participantes

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS PO-10/2013 Unidade Responsável: PMO Ponto Focal OBJETIVO: Essas diretrizes visam ajudar a equipe e consultores do Funbio a responder às questões

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer Tecnologia para Crescer Com o crescimento da banda larga e smartphones/ tablets, conteúdos têm sido criados e consumidos em uma taxa alarmante. Atualmente, a definição de conteúdo mudou e não se trata

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Sumário Executivo. Objetivos

Sumário Executivo. Objetivos Brasil Sumário Executivo As mídias sociais estão se tornando uma parte central de como os consumidores descobrem e avaliam informações. Quando os Mass Affluent se relacionam com instituições financeiras

Leia mais