Caroline Lombardi de Souza (FEB/Unesp) Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/Unesp)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caroline Lombardi de Souza (FEB/Unesp) Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/Unesp)"

Transcrição

1 ISSN MOTIVAÇÕES E BARREIRAS À ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS: UM LEVANTAMENTO TEÓRICO COM VISTAS AOS ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL PERTINENTE AO SETOR ELETROELETRÔNICO BRASILEIRO. Caroline Lombardi de Souza (FEB/Unesp) Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/Unesp) Resumo: Este artigo tem por objetivo identificar as principais motivações e barreiras teóricas à adoção de práticas ambientais em cadeias de suprimentos e, adicionalmente, fazer uma análise dessas com enfoque aos aspectos da legislação ambiental do setor eletroeletrônico brasileiro. A partir de uma revisão bibliográfica foi elaborado um quadro com as principais motivações e barreiras para adoção de práticas ambientais em cadeias de suprimentos e fez-se um levantamento dos principais aspectos da legislação ambiental brasileira vigente para setor eletroeletrônico. Os resultados sugerem que fatores externos a organização são mais predominantes que os internos e que há indícios que a literatura aponta os aspectos de regulamentação como a principal motivação e valores e políticas organizacionais as principais barreiras a adoção de práticas ambientais de cadeias de suprimentos. Com vistas ao setor eletroeletrônico, ainda há poucas ações diretivas no Brasil, entretanto, para empresas exportadoras, há importantes diretivas internacionais como a RoHS e WEEE. Palavras-chaves:Motivações,Barreiras,Legislação ambiental,green supply chain management.

2 1. Introdução Desde a década de 70, os efeitos do aumento da exploração dos recursos naturais já estavam em evidência e a preocupação com a utilização adequada destes também começou a se intensificar (MORAES, 2006). Em relação às empresas, intensas pressões na esfera ambiental fizeram e fazem com que estas adotem estratégias que reduzam os impactos ambientais de seus produtos e serviços (LEWIS; GRETSAKIS, 2001; SARKIS, 1995, 2001). Tais estratégias podem estar intrinsecamente ligadas a forma de se gerenciar a cadeia de suprimentos. A gestão da cadeia de suprimentos (Supply Chain Management SCM) é definida como a ligação entre os elos da cadeia com cada elemento de fabricação e fornecimento a partir de matériasprimas até o usuário final abrangendo várias fronteiras organizacionais (SCOTT; WESTBROOK, 1991; NEW; PAYNE, 1995). Ao longo dos anos, os estudos na área de SCM focaram-se tanto na teoria quanto na prática de questões relacionadas à integração de processos entre parceiros na cadeia, análise de custoeficiência dos fornecedores, e serviço aos consumidores. Atualmente, os temas mais estudados são devido as constantes discussões ambientais e sociais e, os novos interesses são: logística reversa, gestão ambiental, cadeia de suprimentos verde e cadeia de suprimentos sustentável (KLEINDORFER et al., 2005). São estes novos interesses o campo de estudo deste trabalho, mais especificamente no que se refere a gestão da cadeia de suprimentos verde (Green Supply Chain Management GSCM), cujo objetivo é integrar as operações fabris às questões ambientais, a fim de reduzir custos operacionais do ciclo de vida do produto e, ao mesmo tempo, reduzir a geração de resíduos e emissão de poluentes, mitigando problemas de saúde e utilizando os recursos de maneira sustentável, por intermédio da administração da embalagem e do transporte como, por exemplo, a reciclagem, o reuso e a remanufatura das operações (BEAMON, 1999; THUN; MÜLLER, 2010). As empresas que pretenderem se adequar nesse âmbito encontrarão barreiras e motivações que conduzirão ou dificultarão a realização de mudanças e melhorias de suas relações ambientais na cadeia de suprimentos (WALKER et al., 2008). Em pesquisa no site da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações BDTD (www.bdtd.ibict.br) no mês de fevereiro do ano de 2012 por meio das palavras-chave sustentabilidade em cadeias de suprimentos e gestão ambiental em cadeias de suprimentos 2

3 foram encontrados, a princípio, 14 trabalhos (dissertações ou teses) sobre o tema aqui apresentado neste artigo, conforme o Quadro 1: Quadro 1: Trabalhos que já foram defendidos no Brasil. Objetivo Autor Propôs um modelo de gestão ambiental em cadeia de suprimentos para empresas do setor linha branca. Brassolatti (2009) Analisou as ações ambientais na relação cliente-fornecedor. Dias (2008) Propôs um modelo para a formulação de estratégias de operações a fim de incorporar questões ambientais nessas. Gravonski (2009) Analisou a adoção de estratégias de compras verdes na gestão da sustentabilidade da cadeia de suprimentos. Labegalini (2010) Analisou a cadeia de suprimentos do setor de suinocultura sob a ótica de GSCM. Couto (2007) Avaliou a capacidade do balanço de materiais para o diagnóstico e prognóstico de problemas ambientais. Sablowski (2008) Estudou e avaliou a viabilidade de reintegração de resíduos de POLI e PET na construção civil. Matos (2009) Analisou a cadeia da soja orgânica. Zucatto (2009) Propôs um framework de um processo de estruturação de sistema de mensuração de desempenho para uma cadeia de suprimentos levando em consideração a Rotta (2009) estratégia preventiva baseada no desenvolvimento sustentável. Investigou as limitações e as oportunidades nas práticas de logística reversa pósconsumo de diferentes setores. Propôs uma estrutura analítica para identificar o perfil de sustentabilidade de cadeias de suprimentos. Investigou a percepção e o comportamento de produtores rurais em relação à competitividade no setor, mecanismos de cooperação, integração de informações e práticas ambientais. Estudou a influência do movimento verde, abordando a importância da sustentabilidade e o fornecimento sustentável. Investigou-se o nível de responsabilidade socioambiental das empresas de papel e celulose. Fonte: BDTD (2012). Figueiró (2010) Andino (2011) Nunes (2005) Mafud (2010) Ciofi (2010) Tendo em vista que a investigação sobre fatores motivadores e inibidores para adoção de práticas ambientais não tem estado em grande evidência em estudos nacionais, uma dúvida que pode ser pertinente é: quais são as principais motivações e barreiras teóricas à adoção de práticas ambientais em cadeias de suprimentos? O objetivo central deste artigo é identificar as principais motivações e as barreiras teóricas à adoção de práticas ambientais em cadeias de suprimentos. Como objetivo secundário, tem-se a 3

4 proposta de fazer uma análise dessas com enfoque aos aspectos da legislação ambiental do setor eletroeletrônico brasileiro. A escolha do setor de eletroeletrônicos do Brasil é em virtude do grande impacto que este tende a gerar sobre o meio ambiente. Anualmente, cerca de 680 toneladas de resíduos eletroeletrônicos são descartadas oriundas de celulares, telefones, TV s, computadores, rádios, máquinas de lavar, refrigeradores e freezers, observando-se ainda um aumento crescente da aquisição de novos equipamentos, devido principalmente ao aumento da renda, e a substituição destes, o que reflete na elevação dos resíduos que serão descartados além do aumento do consumo de matérias primas (ROCHA, 2009). Este artigo, além dessa introdução, é composto por mais quatro seções: a 2ª seção explica os procedimentos metodológicos da pesquisa. A seção 3 faz um levantamento teórico das principais motivações e barreiras a adoção de práticas de GSCM e também dos aspectos legais ambientais do setor eletroeletrônico brasileiro. A seção 4 apresenta algumas discussões e, por fim, a seção 5 aborda as considerações finais, apontando contribuições da pesquisa, suas limitações e sugestões de pesquisas vindouras. 2. Método de Pesquisa Conforme Denyer e Tranfield (2009) a revisão sistemática da literatura é um método específico que localiza, seleciona e avalia estudos existentes para determinada área de pesquisa, a fim de responder a uma questão de pesquisa claramente formulada. Além disso, ao desenvolver a revisão sistemática, o pesquisador é introduzido a estabelecer critérios de relevância para seleção e inclusão de estudos considerados relevantes para o contexto de sua pesquisa, ressaltando que tais critérios devem ser apresentados de forma explícita ao leitor. Sendo assim, esta pesquisa selecionou os artigos considerados relevantes ao seu desenvolvimento, apoiando-se na técnica de revisão sistemática da literatura. Tal abordagem foi escolhida em virtude dela fornecer transparência para a pesquisa e reduzir a subjetividade do pesquisador. Para a seleção dos artigos foram realizadas as seguintes etapas: a) Buscou-se por artigos que continham em seu título, resumo e palavras chave determinadas combinações de palavras na base de dados do Scopus (www.scopus.com), por exemplo: supply chain + green + drivers, conforme ilustrado na Figura 1: 4

5 b) A fim de selecionar os artigos resultantes das buscas por meio de palavras chave, li-a se os resumos a fim de verificar a compatibilidade com o objetivo deste artigo e em caso negativo, não os inclui neste artigo. Esta busca e análise resultaram em vinte diferentes artigos. Há artigos (marcados com um asterisco (*), vide Figura 1) que foram localizados em diferentes palavras chave, por exemplo: no artigo cujo tema é sobre drivers, possui também a temática barreiras, portanto contando-o somente uma vez na soma final e assim por diante. O total dentro de todos os parêntesis é o que foi encontrado no Scopus pela combinação das palavras chave, o total selecionado são os artigos que contém todos os requisitos aqui apresentados no que tange as combinações e assunto pertinente. Os resultados da busca estão representados quantitativamente na Figura 1: Figura 1: Critério de busca e resultados. Fonte: autores. 5

6 3. Referencial Teórico 3.1. Motivadores e Barreiras para a Adoção de Práticas de Green Supply Chain Management Sarkis et al. (2011) definem sumariamente GSCM como sendo a integração das preocupações ambientais nas inter-organizações, incluindo práticas de Supply Chain Management e logística reversa. ZHU et al. (2008a, b, c) complementam que esta visa minimizar os impactos ambientais e sociais de um produto ou serviço, variando desde compras mais sustentáveis até a integração de todo o fluxo da cadeia de suprimentos, do fornecedor ao consumidor. A prática de GSCM interna (Gestão ambiental interna) é referente à coesão das operações internas em função de um SGA (Sistema de Gestão Ambiental) (ZHU et al., 2008c). As práticas de GSCM externas são direcionadas a aquisição de insumos (compras verdes), a partir de critérios de seleção, monitoramento e avaliação de fornecedores ambientalmente adequados; a projetar produtos, tendo em vista aspectos de ecoeficiência; a cooperação com os clientes, a fim de apoiar mudanças de projeto de produto e produção mais limpa; e a recuperação do investimento, com o objetivo de destinar corretamente sucata, máquinas obsoletas, etc. (ZHU et al., 2008c). Adicionalmente, Srivastava (2007) considera a logística reversa como uma prática de GSCM. A proposta da logística reversa é fazer o fluxo reverso do produto pós-consumo de forma a buscar a alternativa mais viável dentre o reuso, a reciclagem, a remanufatura ou o descarte. Para a implantação dessas práticas de GSCM as empresas se deparam com fatores internos e externos a organização que desencadeiam em motivadores e barreiras, e ao selecionar os artigos foi possível agrupá-las no seguinte modo: Fatores Internos: 1. Valores e políticas organizacionais O comprometimento dos gestores pode e deve motivar seus funcionários a desenvolver e implantar práticas ambientais, através de políticas organizacionais e valores em consonância com as regulamentações governamentais. A falta desse comprometimento é considerada uma barreira (LUTHRA et al., 2011; WALKER et al., 2008). Os fatores organizacionais considerados como barreiras são a resistência a mudanças da alta gerência e funcionários, questões financeiras, tipo de negócio, localização, sistema de capacidade, cultura organizacional, configuração da rede de fornecimento, custos, desempenho dos objetivos e a gestão do conhecimento (AGERON et al., 2011). 6

7 2. Recursos humanos Wolfslehner e Vacik (2008) discutem que as pressões sofridas pelo ambiente são causadas por atividades humanas alterando os parâmetros ambientais, o que é visto de forma nociva tornando-se uma barreira. Luthra et al. (2011) afirmam que os funcionários exercem uma barreira quando a empresa deseja implantar inovações em virtude das mudanças que ocorrerão internamente. Porém, quando há treinamento e encorajamento dos funcionários o quadro se inverte para motivador, já que existe um método para que tais práticas de GSCM sejam aplicadas e difundidas. Wu et al. (2012) defendem a ideia de que é necessário a empresa possuir recursos humanos a fim de implantar as práticas de GSCM, como por exemplo: prevenção da poluição ou planos de gestão ambiental, caracterizado como motivador nessa situação. 3. Custos Walker et al. (2008) afirmam em seus estudos que o desejo de se reduzir custos é um motivador muito comum para a realização de mudanças e melhorias nos processos e produtos. Embora, também seja uma barreira já que podem inibir o processo de implantação das práticas ambientais devido aos altos investimentos iniciais o que se reflete, em um primeiro instante, na elevação dos preços e pode afetar as vendas, uma vez que o preço é um dos principais fatores de decisão de compra. Os custos geralmente são o primeiro indicador de desempenho, são classificados como diretos e custos de transação sendo que eles atuam como uma barreira no que tange ao emprego de capital para a inserção das práticas ambientais organizacionais, custos com treinamento de pessoal, escolha de profissionais altamente capacitados e adoção de tecnologias inovadoras. (LUTHRA et al., 2011). Os custos de implantação são, muitas vezes, compensados pela redução de custos das operações através da redução do consumo e da geração de resíduos, o que reduz os desperdícios e as necessidades de indenização. 4. Melhoria da qualidade A busca pela melhoria constante da qualidade dos processos, produtos e serviços são um importante motivador, uma das formas de se obter tal melhoria é através da inclusão da certificação ISO nos planejamentos e processos das empresas, uma vez que esta auxilia na redução do consumo de energia, na reutilização e reciclagem de materiais (DIABAT; GOVINDAN, 2011). 7

8 5. Disponibilidade de capital Luthra et al. (2011) afirmam que é necessário tanto investimentos financeiros quanto de recursos humanos e isso se torna uma barreira, já que nem todas as empresas possuem o capital disponível ou não deseja investir na área de GSCM. Fatores Externos: 1. Regulamentação Diabat e Govindan (2011), Zhu et al. (2007) e Rahman e Subramaniam (2011) chamam a atenção para a legislação e a regulamentação governamentais sendo os maiores motivadores da literatura. Conforme seus estudos, estes são importantes motivadores para conquistar a colaboração entre os produtores e fornecedores a fim de eliminar os impactos ambientais gerados por seus produtos/serviços; inclusive para que as práticas ambientais conquistem seus objetivos de economia nacional de energia e redução de emissões (ZHU; GENG, 2010). A conscientização, as pressões das regulamentações e as políticas ambientais são mais outros motivadores a fim de promoverem a modernização, inovação das práticas ambientais, produto e processo (HALL, 2000), nem sempre as empresas sentem essas pressões diretamente e por isso sua reação voluntária será postergada para implantar as práticas de GSCM (ZHU et al., 2011). A falta de regulamentação adequada pode desencorajar empresas a adotarem práticas ambientais, principalmente quando se tratam de empresas reativas. (LUTHRA et al., 2011). Neste momento de alta globalização, as legislações internacionais são de grande importância uma vez que o não cumprimento destas torna-se uma barreira para a exportação e a conquista de novos mercados, o que resulta na perda de competitividade (WALKER et al., 2008). 2. Envolvimento governamental O governo tanto incentiva quanto impede as ações de uma empresa ao implantar as práticas de GSCM. O governo motiva uma empresa quando proporciona condições para transformar seus modelos de negócio através de apoio financeiro e técnico, além de incentivar investimentos em infraestrutura para melhorar o ambiente industrial (WU et al, 2012; LEE, 2008). 3. Consumidores Os consumidores provocam pressões nas empresas, atuando de forma motivadora a fim de que estas estejam sempre produzindo para atender às suas necessidades, além do que os consumidores atuais estão preferindo a compra de produtos mais sustentáveis e cada vez mais preocupados sobre suas atitudes e conscientes às questões ambientais (ZHU et al., 2005; RAHMAN; SUBRAMANIAN, 2011; AGERON et al., 2011). 8

9 No entanto, a falta de conhecimento dos consumidores sobre os reais impactos e as possíveis vantagens de determinados produtos e serviços podem se transformar em uma barreira, uma vez que a busca crescente por preços mais baixos podem inibir os investimentos em novas tecnologias (LUTHRA et al., 2011). 4. Concorrência Wu et al. (2012) e Walker et al. (2008) afirmam que quando as empresas praticam iniciativas ambientais estas objetivam adquirir vantagem competitiva e, por conseguinte, conquistar a melhoria do seu desempenho. Assim sendo, mercados de alta competitividade tendem a motivar a implantação do GSCM, enquanto mercados menos concorridos tendem a se acomodar, embora este comodismo acabe se diluindo devido aos demais fatores (consumidores, imagem corporativa e etc.). As empresas enfrentam vários desafios para manterem-se competitivas no mercado e altamente produtivas, esses fatores são tratados de forma motivadora também, já que tendem a minimização de impactos ambientais (ZUTHSI; SOHAL, 2004). Além do mais as incertezas e as rápidas mudanças no mercado podem ser vistas como barreiras, uma vez que decisões de priorização de investimentos tornam-se cada vez mais complexas (LUTHRA et al., 2011). 5. Fornecedores Apesar de geralmente não serem motivadores diretos, os fornecedores atuam no que diz respeito a valorização de ideias utilizadas na implantação de projetos ambientais e quanto menos fornecedores tiverem, maior a sua colaboração nas questões ambientais. (WALKER et al., 2008). Os fornecedores são fortes motivadores quanto à implantação das práticas de GSCM quando há o entrosamento com os produtores ao longo da cadeia, fabricando produtos ambientalmente adequados e elaborando tecnologias, embora possam também exercer uma barreira às práticas ambientais quando são resistentes às mudanças ao longo da cadeia. (LUTHRA et al., 2011). Ao citar fornecedores não se pode excluir a compra de produtos mais sustentáveis, atualmente chamado de compra verde, esta possui o objetivo de reciclar, reusar e reduzir recursos, a empresa ao adquirir esses produtos pode contribuir para um aumento de seu desempenho ambiental, sendo mais um motivador para suas práticas de GSCM (LARGE; THOMSEN, 2011). 6. Sociedade e Imagem corporativa Os grupos sociais, os stakeholders, organizações ambientais e a mídia impactam sobre as empresas de forma que ao exercerem suas pressões estes se tornam motivadores para que as 9

10 empresas melhorem seu controle e desempenho ambiental (ZHU; SARKIS, 2006; WALKER et al., 2008). A reputação da empresa e a sua marca são motivadores muito discutidos atualmente, pois os consumidores são sensíveis aos comportamentos e atitudes das organizações que transmitem sensações de segurança (TATE et al., 2011), se transmitir esta ausência torna-se uma barreira. Walker et al. (2008) afirmam ainda que a imagem corporativa perante a sociedade nem sempre atende às verdadeiras práticas ambientais que a empresa adota, passando a ser uma barreira para inclusão do GSCM. 7. Tecnologia A tecnologia é considerada um tipo de conhecimento, o qual a empresa que a possui tem maiores habilidades para implantar a inovação, é considerada um motivador a partir do momento que esta adquire o conhecimento e dissemina internamente para seus funcionários, encorajando novas ideias, processos e soluções. (LUTHRA et al., 2011). Os autores também consideram que, se por um lado ela é vista como um motivador, por outro esta se torna uma barreira quando há uma resistência em aceita-la, pois isso irá afetar as estruturas internas como, por exemplo, a cultura organizacional, objetivos, estratégias operacionais e de mercado e a forma de gerenciar. Para obter a inovação ambiental, Yalabik e Fairchild (2011) em seu trabalho afirmaram que o consumidor, as regulamentações e as pressões competitivas agem como motivadores de forma que a concorrência de clientes ambientalmente sensíveis pode melhorar o efeito das pressões ambientais. As forças motivadoras dirigidas externamente rompem a inércia da empresa facilitando a inovação, criatividade e melhoria técnica. (WANG; LIN, 2010). A globalização é colocada por Zhu et al. (2011) como um motivador forte pelo fato de facilitar oportunidades às inovações tecnológicas e melhoria de seu desempenho ambiental através das práticas de GSCM. 10

11 O Quadro 2 resume as referências utilizadas. 1. Valores e políticas organizacionais Quadro 2: motivadores e barreiras. Internos Motivadores Barreiras Luthra et al. (2011); Walker et al. (2008); Wu et al (2012) 2. Recursos humanos Luthra et al. (2011) 4. Custos Luthra et al. (2011); Walker et al. (2008) (2008) Luthra et al. (2011); Walker et al. (2008); Ageron et al. (2011). Luthra et al. (2011); Wolfslehner e Vacik Luthra et al. (2011); Walker et al. (2008) 5. Melhoria da qualidade Diabat e Govindan (2011) - 6. Disponibilidade de capital - Luthra et al. (2011) Externos Motivadores Barreiras Walker et al. (2008); Diabat e Govindan (2011); 1. Regulamentação Zhu e Geng (2010); Luthra et al. (2011); Zhu et al. (2011); Walker et al. (2008) Zhu et al. (2007); Hall (2000); Rahman e Subramaniam (2011) 2. Envolvimento governamental Wu et al (2012); Lee (2008) - 3. Consumidores Walker et al. (2008); Zhu et al (2005) Rahman e Subramanian Luthra et al. (2011) (2011); Ageron et al. (2011) 4. Concorrência Walker et al. (2008); Wu et al. (2012); Luthra et al. (2011) Zutshi e Sohal (2004) 5. Fornecedores Luthra et al. (2011); Walker et al. (2008); Large; Thomsen (2011) Luthra et al. (2011) 6. Sociedade e imagem corporativa 7. Tecnologia (2011); Walker et al. (2008); Zhu; Sarkis (2006); Tate et al. (2011) Luthra et al. (2011); Zhu et al. (2011); Yalabik e Fairchild Wang e Lin (2010) Fonte: autor. Walker et al. (2008); Tate et al. (2011) Luthra et al. (2011) 3.3. Legislação Ambiental Brasileira para o Setor Eletroeletrônico Uma vez definidos os objetivos e estratégias para o controle e uma gestão ambientalmente adequada dos resíduos, a autoridade política deve instaurar um marco regulador com leis, normas 11

12 e regulamentos que controlem o comportamento dos agentes econômicos e da população, além das atividades de controle e fiscalização das instituições públicas com alguma responsabilidade nesta matéria. (DURAN DE LA FUENTE, 1997). As principais regulamentações brasileiras que afetam o setor de eletroeletrônicos são: Política Nacional dos Resíduos Sólidos PNRS, Lei n /2010: Propõe a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e a logística reversa de retorno de produtos, a prevenção, precaução, redução, reutilização e reciclagem, metas de redução de disposição final de resíduos em aterros sanitários e a disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos em aterros sanitários. (JACOBI; BESEN, 2011). E, além disso, quando retorna ao setor empresarial os resíduos de suas operações são reaproveitados ou destinados adequadamente. Há também o envolvimento dos consumidores finais nos quais devem seguir as regras estabelecidas para a coleta seletiva, segregando previamente os resíduos. (NATUME; SANT ANNA, 2011). Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama, Lei n /1981: De acordo com o ministério do ambiente (2012) a Lei 6.930/1981 tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana. O Conama determinou em julho de 2009 que as empresas utilizadoras de elementos químicos tais como: mercúrio, cádmio e chumbo utilizados, a exemplo da produção de pilhas e baterias, devem limitar o uso desses metais pesados, tendo um compromisso com o pós-consumo disciplinando o descarte e o gerenciamento ambientalmente adequado de pilhas e baterias usadas, no que tange à coleta, reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final. (MPES, 2009). Em comparação com a legislação internacional pode-se citar as RoHS e o WEEE na qual todas as empresas que desejam exportar seus produtos para a União Europeia devem se adequar as suas diretrizes. Restriction of Certain Hazardous Substances (Restrição de Certas Substâncias Perigosas) RoHS: Restringe legalmente o uso de substâncias nocivas usadas no design do produto, tais como: chumbo, mercúrio, cádmio, cromo hexavalente, polibromato bifenil e éter difenil polibromados. Sua finalidade é minimizar e prevenir os resíduos elétricos e eletrônicos a partir do ponto inicial. (KOH et al., 2011). 12

13 Waste Electrical and Electronic Equipment (Descarte de Equipamentos Eletro e Eletrônicos) WEEE: Impõe responsabilidade aos produtores e importadores para fornecerem uma garantia ou reciclagem assegurando que todos os resíduos de equipamentos elétrico e eletrônicos sejam bem geridos (KOH et al., 2011). Para os autores (KOH et al., 2011) estas duas diretrizes almejam não somente limitar o uso de substâncias nocivas e desafiam as empresas a provarem que seus produtos estão livres desses metais pesados, mas também permear a taxa de recuperação de pelo menos 70-80% no final da vida útil dos equipamentos eletroeletrônicos no mercado europeu, incluindo produtos como computadores pessoais, laptops, impressoras, scanners e produtos relacionados. Abaixo segue o Quadro 3 exibindo as categorias de produtos e se elas possuem ou não tanto a diretriz RoHS quanto a WEEE. Quadro 3: Áreas de produtos abrangidas pela RoHS e WEEE. Categoria do produto RoHS WEEE Eletrodomésticos de grande porte SIM SIM Eletrodomésticos pequenos SIM SIM Equipamento de TI e telecomunicações SIM SIM Equipamento de consumo SIM SIM Equipamento de iluminação SIM SIM Ferramentas elétricas e eletrônicas (exceto para ferramentas industriais estáticas de grande escala) Brinquedos, equipamentos de esporte e lazer Dispositivos médicos (com exceção de todos os produtos implantados e infectados) Instrumentos de monitoração e controle Aplicadores automáticos Lâmpadas Luminárias domésticas Plásticos de fluorcarbono Fonte: SEBRAE (2012). SIM SIM NÃO NÃO SIM SIM SIM NÃO SIM SIM SIM SIM SIM NÃO NÃO NÃO 13

14 4. Discussões Dos fatores motivadores e inibidores encontrados na literatura são cinco internos a organização (valores e políticas organizacionais, recursos humanos, custos, melhoria da qualidade e disponibilidade de capital) e sete são externos (regulamentação, envolvimento governamental, consumidores, concorrência, fornecedores, sociedade e imagem corporativa e tecnologia). Tendo em vista o número de citações apontadas no Quadro 2, pode-se sugerir que a principal motivação interna a organização para buscar adotar práticas de GSCM é a variável valores e políticas organizacionais. E quanto as motivações externas a variável é regulamentação. Aparentemente, há mais motivadores, ou indutores (drivers), que barreiras, e os aspectos externos preponderam em relação aos aspectos internos. O contexto externo tende a influenciar eventuais mudanças internas necessárias para adoção de práticas de GSCM, seja por meio de aspectos legais ou a forma como lidar com forças competitivas (fornecedores, concorrentes e clientes e tecnologia). Por outro lado, ao mesmo tempo em que valores e políticas organizacionais são motivadores, também tendem a ser uma importante barreira. É importante fazer este destaque, pois mesmo que os fatores externos induzam a mudanças, se o contexto interno (cultura organizacional, enfoque da alta administração, valores, missão, etc.) não for favorável, talvez não se possa adotar práticas internas de GSCM (SGA) e nem práticas externas de GSCM (compras verdes, ecodesign, produção mais limpa e logística reversa), a fim de disseminar práticas de GSCM ao longo da cadeia. Os aspectos de legislação ambiental brasileira vigente para o setor eletroeletrônico seguem duas perspectivas: (1) restrição do uso de substâncias químicas (chumbo, mercúrio e cádmio) na fabricação de pilhas e baterias e (2) cuidado com a destinação e a responsabilidade dos produtos pós-consumo. Já quanto a legislação internacional, as diretivas RoHS e WEEE estão mais avançadas, pois não delimita um determinado mix de produtos (baterias e pilhas), mas por outro lado, a preocupação com o pós consumo também existe. Percebe-se que a legislação ambiental brasileira para o setor eletroeletrônico ainda está em processo de avanço e tendo uma perspectiva mais reativa, no que diz respeito a ter um enfoque para a destinação do resíduo, ao invés de evitar a geração de impacto ambiental. Nesse sentido, tendo em vista que a principal motivação externa a adoção de práticas de GSCM é regulamentação, talvez, os primeiros passos das empresas do setor eletroeletrônico seja por meio de adoção de práticas de GSCM como logística reversa, e talvez progrida em busca da 14

15 adoção de outras práticas de GSCM se a gestão ambiental interna for proativa, ou seja, a organização tiver valores e políticas organizacionais focadas à preservação do meio ambiente. Ou seja, eventualmente, o rigor da regulamentação ambiental nacional para o setor eletroeletrônico seja um fator a ser desenvolvido pelos órgãos competentes, se quiserem que este setor, que inevitavelmente utiliza substâncias químicas nocivas, possa começar a repensar a forma de produzir e de gerir sua cadeia de suprimentos. 5. Considerações Finais O objetivo central deste artigo foi identificar as principais motivações e barreiras teóricas à adoção de práticas de GSCM e fazer uma análise dessas com enfoque aos aspectos da legislação ambiental do setor eletroeletrônico brasileiro. A partir de uma pesquisa bibliográfica realizada na base de dados Scopus, vinte artigos foram selecionados e analisados. Foram identificados fatores motivadores e inibidores, sendo cinco fatores internos a organização e sete fatores externos a organização. A principal motivação interna a organização para buscar adotar práticas de GSCM é a variável valores e políticas organizacionais. E quanto às motivações externas a variável é regulamentação. E a principal barreira também é a variável valores e políticas organizacionais. A legislação ambiental brasileira voltada ao setor eletroeletrônico tem um perfil ainda reativo, pois tem um enfoque a destinação adequada de resíduos e a restrições de uso de determinadas substâncias químicas para um mix restrito de produtos. Tendo em vista as discussões realizadas neste artigo, há duas possíveis alternativas para as organizações do setor eletroeletrônico a adotarem práticas de GSCM: (1) as organizações buscarem valorizar internamente o enfoque ambiental da produção de seus produtos e conseqüentemente exigirem de seus fornecedores uma postura mais ambientalmente adequada e/ou (2) a legislação ambiental brasileira ampliar o rigor e mudar o enfoque, a fim de não ter uma postura reativa (logística reversa), mas preventiva (ecodesign, compras verdes, tecnologia mais limpa, etc.). Ao elaborar esta pesquisa foram observadas algumas dificuldades de caráter prático no que se refere à literatura nacional, muito escassa no momento, o que provocou a escolha por acesso exclusivo a periódicos de base internacional. Essa restrição resultou em uma limitação quanto ao referencial adotado (no quesito quantitativo), mas, em contrapartida, trouxe referências de grande qualidade o que justifica a importância deste trabalho. 15

16 Como sugestão de pesquisas futuras, indica-se a utilização das variáveis aqui identificadas (motivações e barreiras) a fim de verificar, a partir de um estudo de múltiplos casos, como empresas do setor eletroeletrônico têm incorporado a adoção de práticas de GSCM e a razão pela qual elas os têm feito. Referências AGERON, B.; GUNASEKARAN, A.; SPALANZANI, A. Sustainable supply management: an empirical study. International Journal of Economics, in press, ANDINO, B. F. A. Proposta de uma estrutura analítica para a identificação do perfil de sustentabilidade de cadeias de suprimentos f. Tese (Doutorado em Administração) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, BEAMON, B. M. Designing the green supply chain. Logistics Information Management, v. 12, n. 4, p , BRASSOLATTI, T. F. Z. Modelo para a gestão ambiental da cadeia de suprimentos: análise das empresas de linha branca f. Tese (Doutorado em Engenharia de produção) Universidade federal de São Carlos, São Carlos, CIOFI, J. L. Uma investigação do nível de sustentabilidade das companhias de papel e celulose e a influência das informações financeiras sobre a qualidade da divulgação socioambiental f. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) - Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e contabilidade, Ribeirão Preto, COUTO, P. R. A aplicação dos conceitos de green supply chain management no setor de suinocultura f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade do Vale do Rio do Sinos, São Leopoldo, DENYER, D.; TRANFIELD, D. Producing a systematic review. In BUCHANAN, D.A.; BRYMAN, A. (eds.). The Sage Handbook of Organizational Research Methods. London: Sage Publications, DIABAT, A.; GOVINDAN, K.; An analysis of the drivers affecting the implementation of green supply chain management. Resources, Conservation and Recycling, vol. 55, p , DIAS, P. Ações cooperativas entre empresas clientes e fornecedoras para a obtenção de benefícios socioambientais: um estudo de caso múltiplo no setor metal-mecânico f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,

17 DURAN DE LA FUENTE, H. [compilador]. Gestión ambientalmente adequada de resíduos sólidos. Um enfoque de política integral. Santiago, Chile: CEPAL/ GTZ, FIGUEIRÓ, P. S. A logística reversa de pós-consumo vista sob duas perspectivas na cadeia de suprimentos f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, GAVRONSKI, I. Estratégias de operações sustentáveis: produção, suprimentos, logística e engenharia alinhados com a sustentabilidade corporativa f. Tese (Doutorado em Administração) Universidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, HALL, J. Environmental supply chain dynamics. Journal of Cleaner Production, vol. 8, p , JACOBI, P. R.; BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos Avançados, vol. 25, n. 71, KLEINDORFER, P. R; SINGHAL, K; VAN WASSENHOVE, L. N. Sustainable Operations Management. Production and Operations Management, v. 14, n. 4, p , KOH, S. C. L.; GUNASEKARAN, A.; TSENG, C. S. Cross-tier ripple and indirect effects of directives WEEE and RoHS on greening a supply chain. International Journal of Production Economics, in press, LABEGALINI, L. Gestão da sustentabilidade na cadeia de suprimentos: um estudo das estratégias de compra verde em supermercados f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, LARGE, R. O.; THOMSEN, C. G. Drivers of green supply chain management performance: evidence from Germany. Journal of Purchasing & Supply Chain Management, vol. 17, p , LEE, S. Y. Drivers for the participation of small and medium-sized suppliers in green supply chain initiatives. Supply Chain Management an International Journal, vol. 13/3, p , LUTHRA, S.; KUMAR, V.; KUMAR, S.; HALEEM, A. Barriers to implement green supply chain management in automobile industry using interpretive structural modeling technique- An Indian perspective. Journal of Industrial Engineering and Management, vol. 4, n. 2, p , LEWIS, H; GRETSAKIS, J. Design + environmental: a global guide to designing greener goals. Greenleaf Publishing Sheffield, MAFUD, M. D. Influência do movimento verde na seleção de fornecedores de alimentos dos grandes varejistas f. Tese (Doutorado em Administração de Organizações) 17

18 Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e contabilidade, Ribeirão Preto, MATOS, T. F. L. Avaliação da viabilidade de reintegração de resíduos de PET pós-consumo ao meio produtivo f. Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental) - Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos, MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=313 >. Acesso em: 07/02/ MORAES, C. S. B. Planejamento e gestão ambiental: uma proposta metodológica f. Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental) - Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos, MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESPÍRITO SANTO MPES. Disponível em: <www.mpes.gov.br/.../12_ _>. Acesso: 29/02/2012, NATUME, R. Y.; SANT ANNA; F. S. P. Resíduos Eletroeletrônicos: Um Desafio Para o Desenvolvimento Sustentável e a Nova Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Cleaner Production Initiatives And Challenges For A Sustainable World, vol. 20, maio, NEW, S.; PAYNE, P. Research frameworks in logistics: three models, seven dinners and a survey. International Journal of Physical Distribution and Logistics Management, vol. 25, n. 10, p , NUNES, B. T. S. Gestão ambiental em cadeias de produtivas agroindustriais: um estudo em um aglomerado produtivo da caprinovinocultura no Estado do Rio Grande do Norte f. Dissertação (Mestrado em engenharia de Produção) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RAHMAN, S.; SUBRAMANIAN, N. Factors for implementing end-of-life recycling operations in reverse supply chains. International Journal of Production Economics, in press, ROCHA, G. Diagnosis of waste electric and electronic equipment generation in the state of Minas Gerais. Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM). Disponível em: <http://ewasteguide.info/rocha_2009>, ROTTA, M. A. Processo de estruturação de sistema de mensuração de desempenho numa cadeia de suprimentos: um caso da aquacultura continental f. Tese (Doutorado em Agronegócios) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, SABLOWSKI, A. R. M. Balanço de materiais na gestão ambiental da cadeia produtiva do carvão vegetal para a produção de ferro gusa em Minas Gerais p. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) Universidade de Brasília, Brasília,

19 SARKIS, J. Manufacturing strategy and environmental consciousness. Technovation. Vol. 15, n. 2, p , Manufacturing s role role in corporate environmental sustainability: concerns for the new millennium. International Journal of Operations & Production Management. Vol. 21, nos. 5-6, p , ; ZHU, Q; LAI, K. An organizational theoretic review of green supply chain management literature. International Journal of Production Economics, v. 130, n. 1, p. 1-15; Mar, SCOTT, C., WESTBROOK, R. New strategic tools for supply chain management. International Journal of Physical Distribution and Logistics, vol. 21, n. 1, p , SEBRAE serviço brasileiro de apoio às micro e pequenas empresas. Disponível em: <www.sebrae.com.br/setor/quimica-e-plasticos/o.../quimica_01.pdf>. Acesso em: 28/02/2012. SRIVASTAVA, S. K. Green supply-chain management: a state-of-the-art literature review. International Journal of Management Reviews, vol. 9, n. 1, p , TATE, W. L.; DOOLEY, K. J.; ELLRAM, L. M. Transaction cost and institutional drivers of supplier adoption of environmental practices. Journal of Business Logistics, vol. 32, n. 1, p. 6-16, THUN, J.; MULLER, A. An empirical analysis of green supply chain management in the German automotive industry. Business Strategy and the Environment, vol. 19, p , YALABIK, B.; FAIRCHILD, R. Customer, regulatory, and competitive pressures as drivers of environmental innovation. International Journal of Production Economics, vol. 131, p , WALKER, H.; SISTO, L.; MCBAIN, D. Drivers and barriers to environmental supply chain management practices from the public and private sector. Journal of Publishing & Supply Chain Management, vol. 14, p , WANG, M. L.; LIN, M. L. Empirical analyses of relationships between external driving force and organizational performance for the green supply chain management an example of Taiwan s hybrid electric vehicles. Industrial Engineering and Engineering Management, p , WOLFSLEHNER, B.; VACIK, H. Evaluating sustainable forest management strategies with the analytic network process in a pressure-state-response framework. Journal of Environmental Management, vol. 88, p. 1-10,

20 WU, C.; DING, J. H.; CHEN, P. S. The effects of GSCM drivers and institutional pressures on GSCM practices in Taiwan s textile and apparel industry. International Journal of Production Economics, vol. 135, p , ZHU, Q. H.; SARKIS, J. GENG, Y. Green supply chain management in china: pressures and performance. International Journal of Operations & Producions Management, vol. 25, nos. 5-6, p , ;. An inter-sectorial comparison of green supply chain management in China: drivers and practices. Journal of Cleaner Production, vol. 14, p , ;. Relationships between operational practices and performance among early adopters of green supply chain management practices in Chinese manufacturing enterprises, Journal of Operations Management, vol. 22 n.3, p , ;.; CORDEIRO, J. J.; LAI; K.H. Firm-level correlates of emergent green supplychain management practices in the Chinese context. Omega, vol. 36, n. 36, p a..;.; LAI; K.H. Green supply chain management implications for closing the loop. Transportation Research Part E: Logistics and Transportation Review, vol. 44, n. 1, p b..;.;. Confirmation of a measurement model for green supply chain management practices implementation. International Journal of Production Economics, vol. 111, nos. 2, p , 2008c..;.;. An institutional theoretic investigation on the links between internalization of Chinese manufacturers and their environmental supply chain management. Resources, Conservation and Recycling, vol. 55, p , ; GENG, Y. Drivers and barriers of extend supply chain practices for energy saving and emission reduction among Chinese manufacturing. Journal of Cleaner Production, in press, ;.; SARKIS, J.; LAI, K. H. Evaluating green supply chain management among Chinese manufacturers from the ecological modernization perspective. Transportation Research Part E, vol. 47, p , ;.;. Green supply chain management: pressures, practices and performance within the Chinese automobile industry. Journal of Cleaner Production, vol. 15, p ,

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTEXTO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTEXTO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTETO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Bruno Michel Roman Pais Seles (FEB/UNESP ) bruno_seles@yahoo.com.br Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/UNESP

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

ANA BEATRIZ LOPES DE SOUSA JABBOUR

ANA BEATRIZ LOPES DE SOUSA JABBOUR IDENTIFICAÇÃO DAS MOTIVAÇÕES E BARREIRAS PARA A ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS: ESTUDO DE CASOS NO SETOR DE BATERIAS AUTOMOTIVAS DENISE FRANCO ( denifranco00@hotmail.com ) UNIVERSIDADE

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

Este princípio se refere ao grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações de uma instituição.

Este princípio se refere ao grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações de uma instituição. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Este Documento contém os aspectos a serem observados pelos administradores, colaboradores, prestadores de serviço, clientes e usuários dos produtos e serviços oferecidos pela Renascença

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência e Tecnologia MCT Campinas SP - Brasil Sustentabilidade

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente. Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012

Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente. Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012 Inovação Tecnológica Ambiental Workshop Inovações e Meio Ambiente Belo Horizonte, 04 de outrubro de 2012 Estrutura do Grupo Promon Engenharia Promon Logicalis Trópico Promon Novos Negócios Promon Meio

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro

Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro LOPES, L. J. a, SACOMANO NETO, M. b, SILVA, E. M. c, LOPES, F. C. C. d a. UNIMEP: Universidade Metodista de

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Gestão ambiental. Comitê. » Cumprir a legislação ambiental aplicável, as normas regulamentares e os demais

Gestão ambiental. Comitê. » Cumprir a legislação ambiental aplicável, as normas regulamentares e os demais Gestão Ambiental Atuação Sustentável COM REFERÊNCIA NOS PADRÕES DE PRODUÇÃO mais LIMPA, A ITAUTEC INSERE A QUESTÃO AMBIENTAL EM SUA ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PARA ASSEGURAR A PRESERVAÇÃO E O USO RACIONAL

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

www.habitusconsulting.com.br

www.habitusconsulting.com.br A Empresa A Habitus Consulting (Habitus Consultoria em Gestão Ambiental e Organizacional Ltda.) é uma empresa sediada em Curitiba PR BRASIL, com atuação nacional concentrada nas questões ambientais e de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Fabiana Giusti Serra 2015 Indústria automobilística brasileira A indústria automobilística

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia

Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia e c o l m e i a. o r g. b r Selo Verde Certificação Socioambiental da OSCIP Ecolmeia O que é? O Selo Verde Ecolmeia é um programa de certificação às Organizações dos setores da sociedade, com compromisso

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS 1 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS Murilo Fortunato Dropa (UTFPR) mfdropa@hotmail.com Ivanir Luiz

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Webinar DNV O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações 04/09/2013 Associação civil, sem fins

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Como obter produção e consumo sustentáveis?

Como obter produção e consumo sustentáveis? Como obter produção e consumo sustentáveis? Meiriane Nunes Amaro 1 O conceito de produção e consumo sustentáveis (PCS) 2 vem sendo construído há duas décadas, embora resulte de um processo evolutivo iniciado

Leia mais

VII Encontro Amazônico de Agrárias

VII Encontro Amazônico de Agrárias VII Encontro Amazônico de Agrárias Segurança Alimentar: Diretrizes para Amazônia CONCESSÃO DE CRÉDITO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DO BANCO DA AMAZÔNIA RESUMO No Brasil, o setor bancário assume

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008.

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Sumário As Normas ISO 14000 4 A Rotulagem Ambiental 5 Rotulagem Tipo I NBR ISO 14024 5

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Artes, Ciências e Humanidades O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Deloise de Fátma B. Jesus Luiza Yorioka Rodrigues Taiara Vitória Nelly

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais