SÍNTESE SOCIOECONÔMI CA DA ZONA SUL- RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNTESE SOCIOECONÔMI CA DA ZONA SUL- RS"

Transcrição

1 SÍNTESE SOCIOECONÔMI CA DA ZONA SUL- RS

2 Zona Sul do Rio Grande do Sul 1. Aspectos Físico-Naturais A região encontra-se no extremo sul do Brasil e possui, para a maioria dos municípios, uma boa distribuição pluviométrica, clima e solo favoráveis a dezenas de culturas e à pecuária. Assim, também uma rica fauna e flora. Sua localização exata fica entre o rio Camaquã, a Lagoa Mirim e do litoral Sul até a região da Campanha.

3 Figura 1 Zona Sul Municípios Fonte: Rumos 2015 SCP, A região é composta pelos municípios de Aceguá, Amaral Ferrador Arroio do Padre, Arroio Grande, Canguçu, Capão do Leão, Cerrito, Chuí, Herval, Jaguarão, Morro Redondo, Pedras Altas, Pedro Osório, Pelotas, Pinheiro Machado, Piratini, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, Santana da Boa Vista, São José do Norte, São Lourenço do Sul, Tavares e Turuçu. Tem como municípios fronterisços Bagé, Candiota e Hulha Negra. Quanto ao solo/relevo, a região faz parte da área fisiográfica do Rio Grande do Sul denominada Encosta do Sudeste, abrangendo a encosta oriental da Serra dos Tapes e vai até as ondulações desta Serra em direção ao mar. Os municípios de Turuçu, São Lourenço do Sul, Pelotas, Rio Grande, São José do Norte e Santa

4 Vitória do Palmar encontram-se numa faixa de planície bem definida. Os demais municípios que vão em direção ao oeste se encontram em área de relevo ondulado e em áreas de serra. Segundo os estudos da Agência da Lagoa Mirim existem os seguintes tipos de solos: 1) Terras altas não rochosas; 2) Terras altas rochosas; 3) Colinas cristalinas; 4) Lombadas cristalinas; 5) Planície alta continental; 6) Planície média; 7) Lombadas; 8) Lombadas costeiras; 9) Planície costeira; 10) Planície baixa costeira; 11) Planície baixa de estuário; 12) Planície inundável; 13) Banhados marginais; 14) Banhados fluviais; 15) Terras baixas fluviais; 16) Matas fluviais; 17) Praia lacustre; 18) Dunas costeiras. Na hidrografia, a principal característica da região é estar numa área pródiga em disponibilidade de água oferecida principalmente pela Laguna dos Patos, Canal São Gonçalo, Lagoa Mirim, Lagoa Mangueira, Rio Jaguarão, Rio Piratini, Rio Camaquã, e um número elevado de arroios. As Lagoas dos Patos, Mirim e o Canal São Gonçalo são navegáveis em toda a sua extensão. Os principais recursos minerais são: estanho, ouro, turfa, brita, calcário, tungstênio, concheiro natural, carvão, rochas ornamentais, molibdênio, granito rosado, metais pesados, titânio, coquina e zircônio. Arroio Grande: calcário, pedra ornamental e estanho. Jaguarão: estanho, ouro, turfa e brita. Pedro Osório: calcário. Pelotas: estanho, tungstênio, turfa e concheiro natural. Pinheiro Machado: calcário, carvão e pedra ornamental. Piratini: estanho, molibdênio, granito rosado e metais pesados. Rio Grande: turfa, titânio e coquina. Santa Vitória do Palmar: turfa e concheiro natural. São José do Norte: turfa, concheiro natural, titânio e zircônio. São Lourenço do Sul: estanho, turfa e pedra ornamental.

5 Tavares: concheiro natural 2. Aspectos Demográficos Entre 2000 e 2010, a população da região se manteve praticamente estável: Passou de para Da população total 48,9 são homens e 51,1% são mulheres. A população rural varia de apenas 4,8% no Chuí para Arroio do Padre com 95,0%. Os dois maiores municípios da região, Pelotas e Rio Grande possuem taxas de urbanização elevadas: Pelotas 95,08% na cidade e apenas 4,92% no campo e Rio Grande 96,85% na cidade e apenas 3,15% no campo. Em média, a região tem 82,72% da população na cidade e 17,28% no campo. Quanto às faixas etárias da população: 25,11% estão entre 0 e 14 anos, 39,63% entre 15 e 39 anos, 29,83% entre 40 e 69 anos e 5,43% com mais de 70 anos. Esta distribuição mostra que a população de crianças e adolescentes é elevada: 25,11%. Da mesma forma, a região apresenta uma força de trabalho teórica de 69,45% (de 15 a 69 anos). Pelotas é o município com maior densidade demográfica 212,61 hab./km², seguida de Rio Grande com 70,02 hab./km². Os demais municípios apresentam densidades semelhantes à de outras cidades de pequeno porte do Rio Grande do Sul. O número total de eleitores da região é de Homens são , mulheres são , analfabetos (ambos os sexos) são e menores (ambos os sexos) são Em 2010 a taxa de eleitores chegou a 76,5%. 3. Infra-instrutora Social Do total dos domicílios da região, 69,7% possuem saneamento básico, 92% são abastecidos com água potável e 61% são servidos por coleta de lixo. No item saúde a região possui 25 hospitais com leitos. O município de Pelotas possui sete hospitais e 50 clínicas médicas, o município de Rio Grande

6 disponibiliza 600 leitos em hospitais. Os demais hospitais da região disponibilizam 870 leitos. Os oito indicadores de vida e saúde da região possuem uma taxa de 26,35/1000 (média ponderada não serve para estudos científicos) Na educação a região são 729 unidades de ensino fundamental e médio com quase 200 mil crianças e adolescentes matriculados com um quadro de professores (ensino municipal, estadual e particular). No ensino superior são três universidades (duas federais) e mais três instituições de ensino superior (IES) com acadêmicos matriculados por ano, freqüentando mais de cem censos oferecidos. 4. Infra-estrutura Econômica 4.1. Energia e Comunicação A energia atende 96,7% dos consumidores de domicílios e 100% dos consumidores econômicos. A telefonia (fixa e celular) cobre 100% da população. Quanto aos serviços de comunicação, a região é servida por todos os sinais de TV aberta. Duas empresas de TV a cabo estão presentes em Pelotas e Rio grande. Pelotas e Rio grande possuem também, estações a cabo locais. A região possui ainda, 31 rádios e 96 jornais. 4.2.Vias de Transportes A região é servida por ferrovia. Trata-se da linha Cacequi/Rio Grande com capacidade de tração de 600 a 1000 toneladas. A Região é servida, também, pelas BR 101 que liga São José do Norte a Osório, a BR 116 que liga Porto Alegre a Pelotas e segue para Jaguarão, a BR 293 liga Pelotas a Bagé, Santana do Livramento, Quaraí e Uruguaiana, proporcionando ligação com o Uruguai e Argentina, a BR 392 que liga Rio Grande a Pelotas e segue

7 para Santa Maria e até o norte do Estado e a BR 471 que liga Pelotas e Rio Grande a Santa Vitória do Palmar e a Chuí pela intersecção com a BR Complexo Portuário Privilegiado por seus aspectos geográficos, o Porto do Rio Grande consolidou-se como o porto do Conesul, tendo forte atuação no extremo sul do Brasil, estando entre os mais importantes portos do continente sul-americano em produtividade, oferecendo serviços ágeis e de qualidade. Dotado de uma completa infraestrutura operacional o porto gaúcho é considerado o segundo mais importante porto do país para o desenvolvimento do comércio internacional brasileiro. No entanto, o Porto não para de realizar investimentos em infraestrutura, estando sempre adequado aos padrões internacionais. Com um calado de 40 pés, o Porto do Rio Grande possui excelente profundidade em seus terminais de granéis e de contêineres, superior ao correspondente nos portos argentinos, uruguaios e catarinenses. Com calado e condições operacionais privilegiadas o porto é o ponto perfeito para o transbordo de contêineres e de completo de cargas de granéis dos países da Bacia Hidrográfica do Prata. Além disso, em seu cais público, Porto Novo, com 31 pés de calado, o porto rio-grandino oferece invejável disponibilidade de atracação, possuindo um cais com cerca de 2Km de extensão. Outra grande vantagem do Porto do Rio Grande é a disponibilidade de malhas modais diversificadas e bem distribuídas no território do Rio Grande do Sul. Com uma excelente oferta de infraestruturas de transporte, compreendendo os modais rodoviário, hidroviário, ferroviário e aeroportuário, os caminhos que levam ao porto gaúcho estão em estado de conservação considerado dos melhores no cenário nacional. A multimodalidade do Porto do Rio Grande é um importante fator na redução de custos e no aumento da eficiência logística, agregando maior valor às mercadorias que passam por suas instalações. A chegada do pórtico-quindaste de R$ 40 milhões instalado no Dique Seco, no Porto de Rio Grande, deu a dimensão do pólo naval que fixa seus tentáculos na Zona Sul do Estado.

8 A partir da indústria naval todas as atividades econômicas serão dinamizadas em vinte e três municípios da região. Os investimentos realizados e a serem realizados até 2015 no complexo portuário somam mais de R$ 16 bilhões de investimentos diretos. Aplicando-se o multiplicador keynesiano poder-se-á a partir de 2015 ter um aumento da renda regional de até R$ 64 milhões/por ano, somente com a indústria naval. O Porto do Rio Grande é importante para o Brasil, para o Estado e principalmente para a Zona Sul, pois esparge seus efeitos para 23 municípios da região e 3 municípios da região da Campanha Bagé, Candiota e Hulha Negra que possuem atividades econômicas ligadas ao Porto. O Porto do Rio Grande fechou o primeiro semestre de 2010 com um aumento de 12,1% tendo atingido 14,9 milhões de toneladas em relação ao mesmo período do ano passado. O cenário é animador e a perspectiva de novos investimentos na Zona Sul gerou um projeto hidroviário (ver adiante) e programas de qualificação de mão-de-obra exigida pelas empresas que começam a se instalar na região. A Assembléia Legislativa aprovou no início de dezembro de 2010 a transferência da administração do Porto de Pelotas da SPH para a Superintendência do Porto de Rio Grande SUPRG. Com isso o complexo portuário gaúcho se integra e dá início a concretização da hidrovia do MERCOSUL. Os governos Federais e Estaduais já trabalharam em conjunto para o incremento da navegação interna no Estado, pelas lagoas dos Patos e Mirim. A hidrovia se desenvolverá ao longo de 700 quilômetros e possibilitará a movimentação de cargas no lado brasileiro pelos portos de Santa Vitória (Lagoa Mirim), Pelotas (canal São Gonçalo), Porto Alegre (lago Guaíba) e Estrela (Rio Taquari). No lado uruguaio há projeto de construção de um terminal no rio Cebollatí, no departamento de Trienta y Três e no rio Tacuarí na intendência de Cerro Largo. Os estudos teóricos já foram iniciados com recursos de R$ 5 milhões. Esse estudo levantará o investimento total para viabilizar a hidrovia, cuja estimativa inicial é de R$ 40 milhões.

9 5.Economia 5.1. Estrutura Fundiária A estrutura fundiária da região se fragmentou levemente entre 1996 e O número de estabelecimentos em 1996 era de e em 2006 era de Um aumento de propriedades. A área se reduziu em hectares. Isto implica dizer que, em 1996, a área média por estabelecimentos era de 72,88 e, em 2006, era de 65,05 hectares. O município de maior número de estabelecimentos é Canguçu. Em 1996, eram propriedades com uma área média de 34,16 hectares. Em 2006, o número de estabelecimentos aumentou para e a área foi reduzida para hectares. Assim, a área média por propriedade ficou reduzida para 26,87 hectares Lavouras Permanentes e Temporárias Os levantamentos da produção e da área das lavouras temporárias e permanentes foram obtidos levando em conta apenas os produtos considerados principais para a região. Assim, as relações com a produção e área plantada do estado foram elaboradas com os mesmos produtos. Os produtos considerados foram: arroz irrigado, arroz de sequeiro, milho, batata-inglesa, cebola, trigo, soja, sorgo, feijão, alho, aveia, fumo, tomate e mandioca. As lavouras permanentes (pomares) foram pêssego e laranja. No último ano de produção, foi incluída a produção de uvas que vem se expandindo na região. É preciso registrar que todos os municípios cultivam diversos outros produtos, principalmente, hortifrutigranjeiros. Entre 2000 e 2008, as lavouras temporárias da região tiveram altos e baixos e permaneceram mais ou menos estabilizadas pois as variações não foram de grande monta. Em 2000, a área plantada era de ha e, em 2008, era de ha. Entre 2000 e 2008, a produção da região participou entre 5,03% (2004) a 6,18% ( 2008) da produção gaúcha.

10 Quanto às culturas permanentes na região, no período de 2001/2009 ocorreu variação acentuada para menos nos anos 2003, 2004 e 2005, se recuperando nos três últimos anos do período. Na participação em relação ao total produzido no Rio Grande do Sul, a região também flutuou acentuadamente. Em 2000 e 2001, teve altas participações: 18,72% e 24,76% respectivamente, mas caiu nos quatro anos seguintes e recuperou os níveis iniciais nos três últimos anos da série. Assim, como principais lavouras da região aparecem, o arroz, o feijão, o milho, a soja, a batata inglesa, a cebola e o fumo, enquanto na fruticultura o destaque é o pêssego e em expansão a uva Pecuária Na pecuária foram observados três anos 2005, 2006 e Na região o plantel de bovinos se manteve estável nos dois primeiros anos, cabeças e cabeças respectivamente. Em 2007 o plantel teve um aumento de 3.27% em relação a O plantel gaúcho teve uma queda acentuada de cabeças em 2007 em relação a Assim, a participação regional no plantel gaúcho que em 2005 era 8.45% em 2007 chegou a 13,35%. Na suinocultura, o plantel regional se manteve estável no período, enquanto o plantel do Rio Grande do Sul teve uma queda de cabeças entre 2005 e O plantel teve sua participação levemente aumentada em relação ao plantel estadual. Na ovinocultura, o plantel regional passou de para em 2006 e se recuperou em 2007 atingindo cabeças. O plantel gaúcho apresentou o mesmo perfil. Forte queda em 2006 e recuperação em Na produção de leite, a região flutuou de 126,5 milhões de litros em 2005, para 148,2 milhões em 2006 e caiu para 122,6 milhões de litros em Na produção gaúcha a queda foi muito acentuada. Em 2005, o Estado produziu 4,2 bilhões de litros e, em 2007, somente 2,9 bilhões. Em 2008 e 2009 a produção se recuperou. A produção de lã caiu 33,8% na região em 2007 em comparação com 2005, embora tenha aumentado em No Estado, o fenômeno se repetiu, forte queda em 2007, aproximadamente 25,7%.

11 A região se destaca na pecuária de bovinos de corte, suínos, ovinos, e, como produtora de leite e lã Setor Secundário No setor industrial, predominam os produtos alimentares, construção civil, minerais não metálicos, metalurgia e madeira. A agroindústria é a base do setor processando diversificada linha de conservas, doces salgados e doces secos. Na linha de alimentos o carro chefe da industrialização é o arroz. No período 2001/2009 a região colheu uma média anual de 1,15 milhões de toneladas, das quais 60 milhões de quilos são industrializados na região. Todos os produtos de lavoura e pecuária são em parte, ou no total, industrializado na região. Dentro do setor industrial um segmento que se destacou foi a construção civil. Nos últimos oito anos foram construídas na região unidades habitacionais populares num investimento aproximado de R$ 882 milhões. As empresas regionais do setor já operam em quase todo o território gaúcho Setor Terciário O comércio atacadista e varejista é grande gerador de emprego e de renda e a estrutura de serviços é diversificada com acentuada presença dos setores da saúde, educação e financeiro Mercado de Trabalho São empresas industriais e comerciais com um pessoal ocupado de das quais são assalariados. O total dos salários, nestas empresas, é em media ordem de R$ 1,6 bilhões anuais. Para observação de pessoas admitidas e demitidas adotou-se os anos de 2005 e 2008 (únicos com números confiáveis). Nota-se que o número de empregados legalizados passou de em 2005 para , ou seja, um incremento de

12 141,52%. Este aumento decorre dos inúmeros investimentos que estão se consolidando na região. 5.7 Índice de Desemprego da Região A região possui aproximadamente 450 mil pessoas economicamente ativas. Deste total, 285 mil são empregados legalizado (59%). A força de trabalho é de 66% da população total. O índice de desemprego da região é de 38% da força de trabalho em relação a PEA e de 18,9% em relação a população total. É preciso registrar que a força de trabalho (de 14 a 69 anos) inclui mais de 50% de pessoas que não estão a procura de emprego. São jovens que estudam e não trabalham, donas de casa, pessoas com mais de 70 anos e aposentados. Como estas categorias correspondem a 8% da força de trabalho, o índice de desemprego é de 10,9%. 5.8 Comércio Exterior Entre 1997 e 2005, a região exportou US$(FOB) ,00 e importou US$(FOB) 4.421, ,00 tendo um saldo positivo de US$(FOB) ,00. O município de Rio Grande foi responsável por 88% das exportações e por 87% das importações. 5.9 Índice de Retorno do ICMS 6, Do ano 2000 ao ano 2009, o Índice de Retorno do ICMS teve uma média de 5.10 Valor adicionado Bruto No conjunto dos municípios da região, a composição do VAB é de 20,23% da agropecuária, 37,44% da indústria e 42,33% de serviços/comércio. Na soma do período

13 2003/2008 a relação do VAB regional com a VAB do Rio Grande do Sul foi de 9,09% no setor agropecuário, 6,45% no setor industrial e 7,58% no setor comércio/serviços. A relação média dos três setores foi de 7,34% no período. Pelotas tem forte participação do setor comércio/serviços, 60,49% e Rio Grande forte presença da indústria, 64,73%. A maioria dos demais municípios tem maior participação da agropecuária Composição do PIB Com um PIB previsto para 2010 de aproximadamente R$ 9,5 bilhões sua composição é de 9,5% gerado no setor primário, 18,7% no setor secundário, 62,7% no setor terciário (comércio e serviços) e 9,1% em impostos. O setor terciário, pela nova metodologia de cálculo adotado pelo Brasil, ficou com a maior parte do VAB contabilizado. Na região o setor terciário é composto pelo comércio com 27,9%, serviços com 32,4% e dammy financeiro com 2,4%. Total de 62,7% do PIB. A renda per capita da região prevista para 2010 é de R$ ,00. Essa renda não prevê o impacto dos investimentos que estão em andamento. Dos municípios lindeiros com a região, dois se destacam pela elevada renda per capita os municípios de Aceguá com R$ ,00 e Candiota com R$ ,00. A arrecadação de impostos vem evoluindo no período 2005/2009. A média anual do ICMS no período foi de R$ 500 milhões, o IPVA foi de R$ 65 milhões, o ITBI de R$ 300 mil, o IPI foi 216 milhões o IRPJ foi R$ 80 milhões e o IPTU de todos os municípios foi de R$ 31 milhões. Esse valor não prevêm o impacto dos investimentos que estão sendo feitos.

14

15 INVESTIMENTOS Foram levados em conta todos os investimentos os investimentos realizados e à realizar no período 2001 a É preciso entender que os investimentos apontados são dinâmicos e que a cada levantamento que se faz podem ser encontradas alterações para mais ou para menos. 1.Carvão COMPLEXO ENERGÉTICO O Estado possui 28,53 bilhões de toneladas do carvão prospectado no Brasil, sendo 89% do volume total. Somente em Candiota estão 12 bilhões de toneladas em reservas. A geração de energia a partir do carvão,contudo, ainda representa em torno de 1,5% das fontes locais. Por ser 30% mais barata do que a produção por meio de gás, a

16 iniciativa já conta com R$ 52 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento do governo federal. No Rio Grande do Sul, a capacidade instalada encontra-se em 538 MW, dividida entre Charqueadas (72 MW), Presidente Médici (446 MW) e São Jerônimo (20 MW). Prevista para entrar em operação até dezembro de 2009, a fase C da usina termelétrica Presidente Médici, em Candiota, produzirá 350 MW. O investimento é de US$ 430 milhões provêm de um banco chinês. 2.Pólo Termelétrico O Comitê Estadual da Energia, da Secretaria Estadual de Infra-estrutura e Logística (SEINFRA) aprovou a proposta inédita no País de contratação de consultoria,pela Companhia Rio-grandense de Mineração (CRM) para desenvolver estudo ambiental e zoneamento em Candiota onde se localiza a maior das reservas de carvão do Estado, (DP. 6/06/2008 Taline Schneider) A produção de energia termelétrica de Candiota aumentará em cinco vezes até Com investimentos de aproximadamente R$ 5 bilhões na construção da Fase C da Presidente Médici e das usinas Seival, Seival 2 e Termopampa, a capacidade passará de 446 megawatt (MW) produzidos atualmente pelas fases A e B para 2,3 mil MW. A energia gerada corresponderá a cerca de 60% da demanda estadual. Como 80% das reservas de carvão do Estado encontram-se no município, a Mina de Candiota, da Companhia Riograndense de Mineração (CRM), investirá R$ 240 milhões para dobrar a produção no intuito de atender a Fase C, que começou a ser construída no início de A matéria-prima passou a ser entregue à usina em setembro de Dois milhões de toneladas anuais passarão para 4,25milhões de toneladas em menos de dois anos. Isso fará a empresa crescer, gerar mais 200 empregos diretos e se manter no ranking de maior mineradora do país. O faturamento é conseqüência de ações harmônicas da companhia e, provavelmente, duplicará. Potência das Usinas

17 Usina Potência Investimento Início operação Carvão necessário Fornecedor (em atividade) (tonelada/ano) Fases A e B 446MW (em atividade) 2 milhões CRM Fase C 350MW R$ 1,2 bilhão Janeiro milhões CRM Cibe Energia 700MW R$ 1,3 bilhão ,5 milhões CRM Seival 500MW R$ 1,7 bilhão milhões Mina de Seval* e CRM** Pampa 350MW Não divulgado Sem previsão Não-divulgado Mina de Seval* e CRM** Seival 2 600MW R$ 2,8 bilhões 2014 Não-divulgado Mina de Seval* * Não está em operação ainda **Somente a Mina de Seival não tiver capacidade para atender toda a demanda Previsão de outras termelétricas Os municípios de Candiota e Hulha Negra serão alvo de novos empreendimentos da empresa MPX que, pela primeira vez, faz investimentos no Rio Grande do Sul. O projeto abrange a construção de uma termelétrica e uma barragem, cujo início das obras está previsto para julho. A vinda da empresa de deve pelo grande potencial de carvão mineral existente, aliado ao apoio do governo do Estado que, por meio da Secretária da Agricultura, está providenciando no reassentamento de famílias que hoje ocupam as terras públicas destinadas à barragem. Com tecnologia moderna, vinda da Europa, será instalada em Candiota a termelétrica movida a carvão, mineral considerado menos poluente quando utilizado como combustível. Em Hulha Negra a barragem a ser construída terá capacidade reservatória de 10,5 bilhões de litros de água e terá usos múltiplos: atender a termelétrica e propiciar irrigação, especialmente na área rural. Prazos. Situada no rio Jaguarão, a barragem receberá investimentos estimados em R$ 25 milhões e terá um reservatório de 375 hectares, com potencial para irrigar 35 mil hectares. Durante os 15 meses de construção a barragem viabilizará cerca de cem empregos diretos e 200 indiretos. Já a termelétrica levará quatro anos para ser concluída e ficará a cerca de 15 quilômetros da barragem. A barragem ajudará a produção agropecuária da região, visto que parte da água estará disponível para atender os municípios por meio de irrigação e abastecimento.

18 3. Energia Eólica O Rio Grande do Sul dá impulso a utilização da energia com projetos na região sul. Estão previstos cinco projetos para a Zona Sul: Santa Vitória do Palmar com 122 MW e investimento de US$ 162 milhões, Mostardas com 350 MW e investimento de US$ 235 milhões, Rio Grande com 300 MW e investimento de US$ 255 milhões, Piratini (três parques) com 643 MW e investimento de US$ 500 milhões. Além dos citados existe um projeto previsto para Jaguarão, mas sem definição de potência e investimento. 4. Outras Possibilidades Energéticas 4.1. Petróleo A direção da Petrobrás confirmou a possibilidade de existência de petróleo e gás natural na bacia de Pelotas. Dois poços localizados no litoral de Tavares e São José do Norte são as principais esperanças da empresa Terminal de GNL A terceira estação de regaseificação a ser construída pela Petrobrás poderá ser localizada na Zona Sul do Estado. A Petrobrás cumprirá critérios técnicos e o terminal será construído para suprimir a demanda térmica Royalties do Petróleo A Câmara dos Deputados aprovou lei que redistribui a renda obtida com a exploração do petróleo inclusive nas áreas já licitadas. 29,1 milhões. Os municípios da Zona Sul poderão receber, em conjunto, anualmente, até R$

19 COMPLEXO NAVAL A chegada do pórtico guindaste que se instalou no Dique Seco no porto de Rio Grande em meados de 2008, deu a dimensão do pólo naval que fincou seus tentáculos na região. A estrutura com 90 metros de altura e 2,8 mil toneladas, que custou R$ 40 milhões, foi usada para a saída da primeira plataforma oceânica, P-53. O Dique seco e a plataforma somam R$ 2,3 bilhões em investimentos. O ambiente favorável a indústria naval é resultado da lei do Petróleo, que abriu o mercado do hidrocarboreto e permitiu a exploração offshare. O Programa Navega Brasil criou condições para que armadores e estaleiros produzam no Brasil. A indústria naval é intensiva em mão-de-obra, tecnologia e capital, por isso impressiona por sua grandeza. Até o momento 25 indústrias já se instalaram ou estão se instalando no pólo e outras nove já protocolaram pedido para implantação. Além das plataformas P-55 e P-61 que serão construídas em Rio Grande a Petrobrás já anunciou a construção de oito cascos da primeira fase de exploração do pólo pré-sal. O valor dos investimentos será aproximadamente de R$ 5,8 bilhões. Considerando os investimentos já feitos e a serem feitos até 2017 pelos governos estadual e federal, pelo capital, privado e pela Petrobrás o valor deve chegar a R$ 10,8 bilhões e gerar empregos diretos e indiretos. PÓLO DE BASE FLORESTAL Embora com a suspensão temporária da unidade de produção de celulose pelas empresas Votorantim w Aracruz, a região que já era grande produtora de madeira, hoje consolidou essa posição. A empresa FIBRIA, resultado da fusão da Votorantim e Aracruz já investiu na região US$ 335,6 milhões no plantio de 440 mil hectares de eucalipto.

20 Dessa aptidão a região poderá incrementar um pólo madeireiro de grande parte. Nos diversos municípios da Zona Sul já operam 466 unidades de beneficiadores de madeira, indústrias de artefatos de madeira e indústrias de móveis. A partir de hoje a região de Pelotas contará com um Comitê Florestal Regional, nova ferramenta para estimular o desenvolvimento econômico sustentável da Zona Sul. O comitê será uma das bases do Programa Florestal do Rio Grande do Sul, que promove e coordena ações para o progresso e melhoria da competitividade da cadeia produtiva de base florestal. PÓLO FRUTICULTURA A fruticultura na região começou a expandir-se em Os principais produtores de uvas veníferas de qualidade são Bagé, Candiota e Pinheiro Machado. A área total de plantio é de aproximadamente 2,1 mil hectares e a produção é de 13,6 mil toneladas de uvas viníferas. Já foram investidos na região cerca de R$ 95 milhões. A produção de vinhos chega a 6,3 milhões de litros. Uma unidade industrial está instalada no município de Candiota e outra em instalação em Pinheiro Machado. O governo do Estado investiu nos últimos cinco anos R$ 55 milhões na produção de frutas para industrialização e consumo in natura como abacate, caqui, figo, laranja, maçã, marmelo, pêra, pêssego e tangerina. PÓLO TURISTICO Com objetivo de promover as potencialidades turísticas dos municípios, intensificando o fluxo de visitantes e assim, beneficiar micro e pequenas empresas locais o Sebrae vem atuando na região da Costa Doce com projetos de desenvolvimento do Turismo desde 2003.

21 Diante das novas expectativas para o turismo neste século, o qual evidencia o turismo como uma das forças que compõe a economia mundial, e o turismo sendo uma das prioridades do Sistema Sebrae/RS no Programa de Fomento à Competitividade de destinos Turísticos e do Artesanato Gaúcho. Diante da percepção que a atividade turística ocupa mais espaço no planejamento dos governos municipais e nas instâncias de governança da Costa Doce e Pelotas ter sido identificada pelo MTur como destino indutor da região. Como os novos investimentos em outros setores na região impactam diretamente no consumo de serviços de alimentação, hospedagens, lazer, cultura oferecida pelas MPEs, desenvolvemos aqui, um projeto com objetivo de qualificar as MPEs do setor em práticas sustentáveis de gestão, criar e promover os produtos turísticos regionais. Em 7 anos de projeto foram investidos em torno de R$ ,00 em qualificação do turismo e do artesanato da Costa Doce, investimentos do Sebrae, empresas parceiras, e municípios parceiros. REFLEXOS SOCIOECONÔMICOS O pólo naval dinamizará os principais setores industriais: metal-mecânica, química pesada, química fina, mecânica fina, madeireira, energia, eletrônica, microeletrônica, eletrônica embarcada e informática. Além desses setores considerados serão ativadas 392 atividades econômicas que se dividem em profissões, ofícios, manufaturas, qualificadas e semi-qualificadas e sapadores. Poderão ser criados até 18 mil empregos diretos e indiretos. Junto com o pólo naval, os pólos energéticos, florestal, fruticultor e mais os diversos investimentos realizados e a realizar fortalecerão a lavoura, a pecuária, a vitivinicultura, o florestamento, a engenharia pesada, a engenharia ferroviária, a navegação fluvial, o transporte e a logística, os serviços industriais de utilidade pública, o turismo, a hotelaria, a gastronomia e o abastecimento, a viação aérea, as atividades liberais, a saúde, a educação e a segurança. O resultado desses reflexos desembocará num setor industrial ao mesmo tempo gerador de empregos e de dinamização radial, a construção civil. Estimativas iniciais,

22 portanto não oficiais, indicam que além das moradias já terminadas (quase 12 mil casas populares) até 2017 serão necessárias de 30 a 40 mil unidades em toda a região. Isso deve levar as autoridades a pensar com profundidade em quatro fatores definidores de qualidade de vida: saúde, educação, mobilidade humana e segurança. Todos os itens em larga escala. Cabe registrar que o setor financeiro crescerá na proporção direta do crescimento econômico da região e seu dammy poderá triplicar até No campo econômico, somente os investimentos já realizados nos pólos apontados elevará o PIB da região em R$ 190 milhões nos próximos dois anos. A partir de 2017 o aumento sobre o valor absoluto do PIB poderá ser de até 11,3 ainda não se pode calcular em decorrência da dinâmica que vem avançando sem controle. Além dos 18 mil empregos diretos e indiretos gerados pelo pólo naval, estima-se que até 2017 serão criados em todos os setores-mãe e seus derivados entre 70 e 90 mil empregos, o que no entanto não pode ser tomado como números definitivos. Somente daqui a três ou quatro anos por meio de instrumentos econométricos poder-se-á chegar em números mais confiáveis. A arrecadação de impostos será a partir de 2017 de duas a três vezes maior. INVESTIMENTOS A) Complexo Portuário e Naval I. REALIZADOS E EM REALIZAÇÃO I.1 Governo Estadual R$ ,00 I.2 Governo Federal R$ ,00 I.3 Terminais Privados R$ ,00 I.4 Área Retroportuária (privados) R$ ,00 I.5 Empresas Privadas (21 projetos) R$ ,00 I.6 Infra-estrutura do Porto R$ ,00 I.7 No Porto R$ ,00

AEROPORTO DE PELOTAS

AEROPORTO DE PELOTAS AEROPORTO DE PELOTAS FONTE: ITEPA/UCPEL REGIÃOsul 25 % DE CRESCIMENTO POPULACIONAL ATÉ 2020 INTER MODALIDADE RODOVIAS / HIDROVIAS / FERROVIAS / AEROPORTOS 12 DE CRESCIMENTO ECONÔMICO AO ANO ATÉ 2020. %

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

IDENTIDADE ORGANIZACIONAL

IDENTIDADE ORGANIZACIONAL IDENTIDADE ORGANIZACIONAL MAPA ESTRATÉGICO POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO ENTRE AS PRINCIPAIS CAPITAIS DA AMÉRICA DO SUL PELOTAS MOVIMENTA A ZONA SUL DO RS São Paulo 1372 km Curitiba 965 km Municípios População

Leia mais

BANCO DE DADOS ZONA SUL RS

BANCO DE DADOS ZONA SUL RS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, ECONÔMICAS E SOCIAIS ESCRITÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO TÉCNICO DE PESQUISA E ASSESSORIA - ITEPA BANCO DE DADOS ZONA SUL RS

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI Este artigo tem como objetivo abordar a importância estratégica da Barragem Eclusa

Leia mais

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente.

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente. APRESENTAÇÃO O presente diagnóstico Sócio-Econômico da Lavoura de Arroz e sua cadeia produtiva têm por finalidade apresentar sua relevante importância no município de Arroio Grande e Zona Sul, sendo a

Leia mais

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista.

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista. Diagnóstico Regional O objetivo do diagnóstico regional é identificar as principais características: econômicas e sociais da região, bem como salientar as diferenças e semelhanças entre as 29 regiões do

Leia mais

Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios. China e suas potencialidades comerciais

Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios. China e suas potencialidades comerciais Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios China e suas potencialidades comerciais A China será a maior economia do mundo. A dúvida é quando: em 2015, 2020, 2025? 23 4 5 2 . Comércio BR-CN, 2000-2010:

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

Relatório de Fiscalização

Relatório de Fiscalização Relatório de Fiscalização Comparativo Primeiro Semestre 2014 2015 Zonal Sul Inspetoria de Bagé Inspetoria de Pelotas Inspetoria de Rio Grande 1 Inspetoria de Bagé 1.1 Área Geográfica Responsável pela fiscalização

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS...

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... 7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... INTRODUÇÃO... 1 DETERMINANTES E EVOLUÇÃO DAS DISPARIDADES REGIONAIS: ENTENDIMENTO DO PROBLE- MA... 2 A ELEIÇÃO

Leia mais

Economia de Santa Catarina A economia de Santa Catarina é diversificada, no território são desenvolvidas atividades econômicas no ramo da indústria, extrativismo (animal, vegetal e mineral), agricultura,

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593 AGRICULTURA Amendoim área colhida (hectares) 20 Amendoim produção (t/a) 40 Banana área colhida (hectares) 5 Banana produção (t/a) 11 Borracha área colhida (látex.) 36 Borracha produção (látex.) (t/a) 120

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano C Montanhas Rochosas

Leia mais

exercícios _ SANTA CATARINA

exercícios _ SANTA CATARINA exercícios _ SANTA CATARINA CONTEXTUALIZANDO SANTA CATARINA EM ATIVIDADES 1. Assinale as proposições que estiverem de acordo com a hidrografia de Santa Catarina e/ou com o mapa a seguir. HIDROGRAFIA DE

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Área: 924.620 km² (cerca de 10% do território nacional); População: 85,1 milhões de habitantes (2014); Estados formadores: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo;

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010.

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010. Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário Porto Alegre, agosto de 2010. APOIO AO Polo Naval - Rio Grande Atuação integrada do Governo, por meio da SEINFRA e SEDAI, voltada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Panorama Ciclo econômico do Pré-Sal Prioridade de Governo Sustentabilidade socioeconômica e ambiental Indústria offshore

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano D Montanhas Rochosas

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento

INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento Márcio Félix Secretário de Estado de Desenvolvimento Vitória, 04 de outubro

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas

UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO Universidade Federal de Pelotas Apresentação Breve Relato Sobre a UFPEL. O papel da Universidade de acordo com o Tratado Brasil-Uruguay da Lagoa Mirim. A criação de uma nova

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Geografia/Profª Carol

Geografia/Profª Carol Geografia/Profª Carol Recebe essa denominação porque parte dos territórios dos países platinos que constituem a região é banhada por rios que compõem a bacia hidrográfica do Rio da Prata. Países: Paraguai,

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Concepção em 1973, com a idéia de criação de um Porto na área do Complexo Estuarino de Ipojuca/Massangana/Tatuoca.

Concepção em 1973, com a idéia de criação de um Porto na área do Complexo Estuarino de Ipojuca/Massangana/Tatuoca. ANTECEDENTES: Concepção em 1973, com a idéia de criação de um Porto na área do Complexo Estuarino de Ipojuca/Massangana/Tatuoca. Criação da Empresa Suape em 1978, com o objetivo de implantar e administrar

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Integração de Cadeias Produtivas Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Agenda 1. Crescimento do Mercado Consumidor e Ascensão da Classe Média 1. Áreas de Investimento e Adensamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

O Polo Naval de Rio Grande e Entorno

O Polo Naval de Rio Grande e Entorno O Polo Naval de Rio Grande e Entorno O Polo Naval e Offshore de Rio Grande e Entorno é composto pelos Estaleiros Rio Grande - ERG 1 e 2, Honório Bicalho e Estaleiros do Brasil EBR, e vem sendo um dos principais

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB :

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : per capita R$ 7.701,00 9º Lugar Principais distâncias: Goiânia: 154 km Brasília:

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 O episódio sobre a exploração

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado 2 GEOGRAFIA 01 No Paraná, a Mata de Araucária,

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005):

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): Palmeiras de Goiás População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): R$ 209,1 milhões PIB per capita: R$ 11.260,00 Principais distâncias: Goiânia: 76 km

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

A economia maranhense baseia-se no setor de serviços, responsável pela geração da maior parte do PIB do Estado (61,0%). A indústria vem a seguir,

A economia maranhense baseia-se no setor de serviços, responsável pela geração da maior parte do PIB do Estado (61,0%). A indústria vem a seguir, CONCLUSÃO O Maranhão é o Estado brasileiro com o menor grau de urbanização, o décimo colocado entre os Estados em relação à população total e o quarto em relação à população rural, abrigando 7,39% da população

Leia mais

Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro

Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro Ano 5 / Nº 46 / Outubro/2015 Acompanhe as principais notícias da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro GE Aviation anuncia investimento de US$ 55 milhões na GE Celma, unidade

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará Pará Um universo de oportunidades Investimentos no Tapajós

Leia mais

400m. Cruz Alta. 689,31 Km². 395 Km

400m. Cruz Alta. 689,31 Km². 395 Km TERRITÓRIO VARIÁVEIS Altitude média Desmembramento INFORMAÇÃO 400m Cruz Alta Instalação 19/10/1890 Área Territorial Dist. à Capital 689,31 Km² 395 Km IJUÍ - RS ÁREA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA Número Eleitores

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ ANTAQ PERSPECTIVAS DE AVANÇO DA INFRA-ESTRUTURA DO TIETÊ Oswaldo F. Rossetto Jr. Diretor Brasília DF 08 de agosto de 2007 SECRETARIA DOS TRANSPORTES HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

Leia mais

5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados

5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados 5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados 5.7.1) Metodologia No presente item, objetiva-se identificar os programas e projetos que poderão provocar algum tipo de sinergia e/ou interferência com a

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 9º Encontro - 16/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - LOCALIZAÇÃO DE EMPRESAS O fator globalização

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais