HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL"

Transcrição

1 HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja TREINTA Y TRES

2 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos Patos Lago Guaíba Jacuí Taquari Barragem Eclusada de Bom Retiro do Sul Portos de Santa Vitória do Palmar, Pelotas, Porto Alegre e Estrela Barragens Eclusadas de Amarópolis, Anel de Dom Marco e Cachoeira do Sul Terminais Cachoeira do Sul e Charqueadas

3 Porto Fluvial de Estrela Porto de Santa Vitória

4 Barragens de Navegação no Rio Grande do Sul Bom Retiro do Sul Fandango São Gonçalo Anel de Dom Marco Amarópolis

5 OBRAS REALIZADAS NA REGIÃO Projetos Seculares Construção do Porto de Santa Vitória Melhoramentos no rio Jaguarão Implantação da Rede Viária Regional Implantação e Pavimentação da BR-471 Reabertura da Hidrovia

6 REABERTURA DA HIDROVIA Levantamentos preliminares Estabelecimento de parâmetros Programação de obras Processos licitatórios Volumes / extensões dragadas Condições atuais da Hidrovia

7 GENERALIDADES - Extremidade Sul do Brasil e Leste do Uruguai; - Área de seis milhões de ha; - Região plana e cultivável; - Criação de gado; - Lutas pelo território; - Infra-estrutura deficiente; - Região de fronteira.

8 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Uruguai representa 11,35 % do comércio brasileiro no MERCOSUL; Em nível mundial o comércio brasileiro com o Uruguai atinge 1,42 %; Para o Uruguai, o Brasil representa 26,95 % do seu comércio internacional; Exportações do Uruguai para o Brasil (30,22 %) são mais significativas que suas importações (24,35 %).

9 PRINCIPAIS PONTOS DE FRONTEIRA (ton x 1.000) FRONTEIRA EXP IMP TOTAL MÉDIA % CHUÍ ,5 39,83 JAGUARÃO ,4 26,90 LIVRAMENTO ,6 17,57 URUGUAIANA ,1 7,94 OUTROS ,8 7,76 TOTAL ,4 100,00

10 SENTIDO DE IMPORTAÇÃO ARROZ MALTE / CEVADA MADEIRA CLINQUER / CALCÁRIO SOJA

11 PRINCIPAIS MUNICÍPIOS PRODUTORES / RS Uruguaiana ,42 % Santa Vitória ,83 % Itaqui ,63 % Alegrete ,27 % Dom Pedrito ,06 % Outros ,79 % Total: ,00 %

12 PRODUÇÃO URUGUAIA - Produção anual de toneladas; - Produtividade semelhante à do Rio Grande do Sul (acima de kg/ha); - Exportações anuais de ton; - Brasil é o principal importador de arroz uruguaio, representando cerca de 85 % do total.

13 PRINCIPAIS REGIÕES PRODUTORAS Treinta y Tres 29,31 % Cerro Largo 20,10 % Rocha 20,05 % Artigas 12,65 % Tacuarembó 5,95 % Rivera 5,55 % Outros 6,39 %

14 EXPORTAÇÃO PARA O BRASIL Modal Rodoviário % Modal Ferroviário % Sub-Total Terrestre % Modal Marítimo %

15 PRINCIPAIS FRONTEIRAS Fronteira Total Média % Jaguarão ,6 54,14 Uruguaiana ,5 11,06 Bagé ,3 8,91 Quaraí ,0 7,46 Livramento ,7 7,15 Chuí ,0 4,66 Outros ,5 6,62

16 POTENCIAL DE CARGA PARA A HIDROVIA (em ton/ano) Arroz Brasileiro (Santa Vitória) (limitado pela armazenagem) Arroz Uruguaio (50 % do volume atual nas fronteiras) Total

17 SENTIDO DE IMPORTAÇÃO ARROZ MALTE / CEVADA MADEIRA CLINQUER / CALCÁRIO SOJA

18 PRINCIPAIS ORIGENS PAÍS MALTE (%) CEVADA (%) Argentina: 29,62 38,25 Uruguai: 20,99 17,87 França: 12,92 18,88

19 PRINCIPAIS FRONTEIRAS (ton x 1.000/ano) Fronteira/Porto Malte Cevada Livramento 56,45 9,16 Paranaguá 23,24 2,16 Rio Grande 9,06 Porto Alegre 6,82 Outros 59,41 0,66

20 POTENCIAL DE CARGA PARA A HIDROVIA Média anual por Livramento ton Estimativa Conservadora ton Estimativa Otimista: ton

21 SENTIDO DE IMPORTAÇÃO ARROZ MALTE / CEVADA MADEIRA CLINQUER / CALCÁRIO SOJA

22 POTENCIAL DE CARGA PARA A HIDROVIA Média anual prevista de produção na região Centro Leste: ton Estimativa Conservadora: ton/ano Estimativa Otimista: ton/ano

23 SENTIDO DE IMPORTAÇÃO ARROZ MALTE / CEVADA MADEIRA CLINQUER / CALCÁRIO SOJA

24 GENERALIDADES Grandes jazidas de calcário na região de Treinta y Tres - Uruguai; Processo decisórios sigilosos e / ou estratégicos; Reserva técnica; Não suporta custos elevados de transporte; Destino: indústria cimenteira brasileira.

25 PERSPECTIVAS DE CARGA Produção de ton diárias; Transporte anual de um milhão de ton; Desejável à implantação de indústria; Necessita construção de Terminal; Operação da Hidrovia pode acelerar o processo decisório.

26 PRODUÇÃO BRASILEIRA Jazidas de conchas calcárias em Santa Vitória do Palmar; Potencial estimado na jazida de ton; Necessita construção de terminal; Carga de baixo valor não admitindo altos custos de transporte.

27 SENTIDO DE IMPORTAÇÃO ARROZ MALTE / CEVADA MADEIRA CLINQUER / CALCÁRIO SOJA

28 GENERALIDADES Grande potencial de crescimento; Terminais no rio Tacuari; Parcerias Público / Privadas no Departamento de Cerro Largo; Portos / Terminais integrados

29 SENTIDO DE EXPORTAÇÃO AÇÚCAR ERVA-MATE OUTROS

30 GENERALIDADES O açúcar representa uma importante carga de importação para o Uruguai; Sob o enfoque brasileiro o Uruguai responde por 0,97 % de nossas exportações, totalizando ton; A origem do açúcar exportado para o Uruguai concentra-se em São Paulo (62%) e Mato Grosso do Sul (21%).

31 PRINCIPAIS FRONTEIRAS Fronteira Média Anual % Uruguaiana 51,35 55,45 Livramento 5,50 5,94 Chuí 5,24 5,66 Porto Murtinho 14,69 15,86 Outros 15,83 17,09

32 POTENCIAL DE CARGA PARA A HIDROVIA Conservador: ton/ano Otimista: ton/ano

33 SENTIDO DE EXPORTAÇÃO AÇÚCAR ERVA-MATE OUTROS

34 GENERALIDADES A erva-mate é uma importante carga da pauta de importação do Uruguai, devido ao alto comsumo do chimarrão e pequena produção nacional (artesanal); O Uruguai responde por 83 % das exportações brasileiras de erva-mate; 77 % da erva-mate exportada para o Uruguai é produzida no Rio Grande do Sul, 16 % no Paraná e 7 % em Santa Catarina.

35 PRINCIPAIS FRONTEIRAS Fronteira Média Anual % Chuí 16,11 81,48 Jaguarão 2,84 14,35 Outros 0,82 4,17

36 POTENCIAL DE CARGA PARA A HIDROVIA Conservador: ton/ano Otimista: ton/ano

37 USO DO CONTEINER NO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO Largamente utilizado na Europa e nos Estados Unidos; No Brasil é pouco utilizado, restringindo-se à Amazônia e ao Rio Grande do Sul; A utilização do contêiner de dez pés revolucionaria a navegação interior brasileira.

38 CARGAS CONTEINERIZÁVEIS Média de ton/ano de carga geral transportada por via terrestre; Considerando que 25% destas cargas poderiam ser direcionadas para o contêiner, seriam geradas quarenta viagens anuais (ida e volta) com toneladas cada uma, acondicionadas em 280 contêineres de 10 pés.

39 Embarcação - Tipo Autopropulsadas - CHATA Comprimento: 90,00 m Boca: 15,50 m Calado: 2,50 m Capacidade de Carga: t

40 Identificação do potencial de cargas a serem transportadas pela Hidrovia da Lagoa Mirim (ton/ano) IMPORTAÇÃO CONSERVADOR OTIMISTA Arroz Uruguaio Arroz Brasileiro Soja Madeira Clinquer Malte/Cevada Conteineres EXPORTAÇÃO Açúcar Erva Mate Conteineres T O T A L :

41 OBRAS COMPLEMENTARES Obras em Território Brasileiro: Recuperação/Modernização Porto Santa Vitória do Palmar Contorno Rodoviário à Cidade de Santa Vitória do Palmar Dragagem da Lagoa Mirim (Investimento Total de R$ ) Obras em Território Uruguaio (US$ x 10 3 ) Dragagem 2,000 Construção de Terminais 20,000 Melhoramentos em Rodovias e construção de Ferrovia 25,000

42 PERSPECTIVAS Expansão da frota com tendência de crescimento; Adaptação das embarcações para o transporte de contêineres; Novos armadores interessados em operar na região; Instalação de estaleiros em Rio Grande.

43 Investimentos Públicos Realizados na Hidrovia O DNIT, através da AHSUL, vem executando obras na Hidrovia Brasil-Uruguai tais como: EVTEA R$ ; Estudo Ambiental da Lagoa Mirim R$ ; Dragagem do rio Taquari R$ ; Aquisição de Bóias e Lanternas Lagoa dos Patos Recuperação do Parque de Dragagem

44 EVTEA SERVIÇO DE CONSULTORIA TÉCNICA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA E AMBIENTAL EVTEA E OS PROJETOS BÁSICOS E EXECUTIVOS DE ENGENHA- RIA: DE SINALIZAÇÃO DE MARGEM E BALIZAMENTO; DE DRAGAGEM; E DE DERROCAMENTO NA HIDROVIA BRASIL- URUGUAI

45

46 Hidrovia Brasil-Uruguai Trecho I - de Cachoeira do Sul / Estrela / Porto Alegre: A atividade produtiva da região está baseada em fumo, madeira, arroz, fertilizantes, soja, farelos, óleos vegetais, carnes, areia, carvão e carga geral conteinerizável.

47 Hidrovia Brasil-Uruguai Trecho II - de Porto Alegre / Rio Grande (Tapes, Mostardas, Tavares, Guaíba, São Jose do Norte, Palmares do Sul) A atividade produtiva da região está baseada em fertilizantes, celulose, derivados de soja, trigo, derivados de petróleo, cebola, madeira, arroz, carne e carga geral conteinerizável.

48 Hidrovia Brasil-Uruguai Trecho III - Lagoa Mirim A atividade produtiva da região está baseada em arroz, leite e laticínios, malte e cevada, farinha de trigo, fertilizantes, madeira e clínquer.

49 Hidrovia Brasil-Uruguai Cursos d água a serem estudados: - Lagoa Mirim 190 km - Rio Jaguarão 40 km - Canal São Gonçalo 91 km - Lagoa dos Patos 240 km - Rio Camaquã 30 km - Lago Guaíba 52 km

50 Hidrovia Brasil-Uruguai Cursos d água a serem estudados: - Rio Jacuí 330 km - Rio Taquari 100 km - Rio Cai 75 km - Rio dos Sinos 44 km - Rio Gravataí 15 km - Rio Uruguai/Ibicui 420 km

51 Hidrovia Brasil-Uruguai Futuros Terminais a serem estudados: - Lagoa do Casamento 70 km - Pontal do Tapes 40 km - Porto do Barquinho 20 km - São Lourenço do Sul 34 km - Barra Falsa 8 km

52 Hidrovia Brasil-Uruguai Futuros Terminais a serem estudados: - Barra do Ribeiro 10 km - Arambaré 25 km - Arroito 12 km - Eldorado do Sul 5 km - Guaíba 4 km - Alegria 5 km

53 PROBLEMAS? SOLUÇÕES! Compatibilização de Cargas nos dois Sentidos; Aumento e / ou Adaptação da Frota de embarcações de Navegação Interior; Manutenção da Hidrovia; Integração Rodo-Ferro-Hidroviária.

54 CONCLUSÕES Importância Estratégica do Transporte Hidroviário no Brasil Num país em desenvolvimento devem ser utilizados os modais de transporte que apresentem menores custos, como é o caso da hidrovia. A implantação de uma hidrovia está associada a investimentos relativamente pequenos e custos de manutenção insignificantes, razão pela qual um país que busca seu desenvolvimento não pode abrir mão de uma significativa economia de transporte obtida neste modal. Entende-se que, uma vez decidido pela sociedade ser o transporte hidroviário importante para o país, deveriam ser tomadas medidas eficazes para que sua utilização fosse otimizada, não descartando a criação de algum subsídio.

55 Implantação de Corredor Multimodal Interior no Mercosul Ao contrário de outras hidrovias brasileiras, onde são necessárias a execução de importantes obras de infraestrutura tais como barragens e eclusas para vencer grandes desníveis envolvendo a realização de vultosos investimentos cujo retorno seria questionável, a Hidrovia da Lagoa Mirim está com suas obras de infraestrutura aquaviária no lado brasileiro praticamente concluídas, restando a execução de obras relativas aos terminais de carga e descarga bem como a dragagem dos Rios Cebollati / Tacuari, localizados em território uruguaio e Sangradouro em território brasileiro

56 AGRADECIMENTOS

57 HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja TREINTA Y TRES

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI Este artigo tem como objetivo abordar a importância estratégica da Barragem Eclusa

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br PELOTAS / RS 10.11.2010 SUMÁRIO Hidrovia da Integração Brasil Uruguai Caracterização

Leia mais

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Histórico 1930 fundação da Luchsinger Madörin & Cia Ltda 1964 fundação da Trevo

Leia mais

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho Investimento no Transporte Hidroviário Interior Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Rio de Janeiro, 8 de outubro de 2007 Estrutura do Estado UNIÃO Poder Executivo Secretaria de Portos

Leia mais

UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas

UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO Universidade Federal de Pelotas Apresentação Breve Relato Sobre a UFPEL. O papel da Universidade de acordo com o Tratado Brasil-Uruguay da Lagoa Mirim. A criação de uma nova

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

ahrana A HIDROVIA DO RIO PARANÁ Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005

ahrana A HIDROVIA DO RIO PARANÁ Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005 1 ahrana Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005 A HIDROVIA DO RIO PARANÁ 2 A AHRANA A Administração da Hidrovia do Paraná, órgão subordinado ao DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 CORREDORES HIDROVIÁRIOS CORREDORES HIDROVIÁRIOS NECESSIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE TODOS OS CORREDORES VALORES (milhões): CORREDOR

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins Corredor do Rio Tocantins DNIT Diretoria de ADMINISTRAÇÕES Infraestrutura Aquaviária HIDROVIÁRIAS Demandas de Infraestrutura CNA / BRASIL PAC INVESTIMENTOS INICIADOS AÇÕES INVESTIMENTOS PREVISTOS CORREDOR

Leia mais

Melhoramento da Navegabilidade do Rio Içá

Melhoramento da Navegabilidade do Rio Içá Melhoramento da Navegabilidade do Rio Içá Dados Gerais A navegabilidade do Rio Içá, no Estado do Amazonas, se estende por 275 km desde sua foz, na margem esquerda do Rio Solimões, em Santo Antônio do Içá,

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Plano Hidroviário Estratégico - PHE. Imagine o resultado

Plano Hidroviário Estratégico - PHE. Imagine o resultado Plano Hidroviário Estratégico - PHE Imagine o resultado 12 de novembro de 2013 . 2 Objetivos Desenvolver o transporte hidroviário interior (THI) de forma a: Ampliar alternativas de escoamento de produção

Leia mais

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL O Papel da ANTAQ no desenvolvimento da navegação interior brasileira FERNANDO FIALHO Diretor Geral Brasília Embaixada da Holanda, 30 de agosto de 2007 A ANTAQ É - Autarquia

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Adalberto Tokarski Diretor CT Log Junho de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS A ANTAQ Criada pela Lei nº10.233,

Leia mais

MODAIS DE TRANSPORTE NO RIO GRANDE DO SUL

MODAIS DE TRANSPORTE NO RIO GRANDE DO SUL Situação Atual e Planejamento Para os Próximos 20 Anos Porto Alegre, 29 de agosto de 2017 1 VISÃO GERAL 2 Market Share dos Modais do RS 2005 x 2014 2005 2014 3 MODAL FERROVIÁRIO 4 Malha Ferroviária Resumo

Leia mais

HIDROVIAS DO MATO GROSSO

HIDROVIAS DO MATO GROSSO HIDROVIAS DO MATO GROSSO ADALBERTO TOKARSKI Gerente de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior Cuiabá/MT 21-08-2009 ADMINISTRAÇÃ ÇÃO O DAS HIDROVIAS LOCALIZAÇÃ ÇÃO O DA HIDROVIA NA BACIA BR -163

Leia mais

DETALHAMENTO DO EVTEA PROJETO BINACIONAL BRASIL URUGUAI. TRANSPORTE MULTIMODAL NO SISTEMA LAGOA MIRIM e LAGOA DOS PATOS

DETALHAMENTO DO EVTEA PROJETO BINACIONAL BRASIL URUGUAI. TRANSPORTE MULTIMODAL NO SISTEMA LAGOA MIRIM e LAGOA DOS PATOS DETALHAMENTO DO EVTEA PROJETO BINACIONAL BRASIL URUGUAI TRANSPORTE MULTIMODAL NO SISTEMA LAGOA MIRIM e LAGOA DOS PATOS Contratar Estudos Ambientais Projetos de Manutenção + Licença Ambiental Consultoria

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

Sistema hidroviário e portuário do Rio Grande do Sul: visão geral e contextual da infra-estrutura

Sistema hidroviário e portuário do Rio Grande do Sul: visão geral e contextual da infra-estrutura Sistema hidroviário e portuário do Rio Grande do Sul: visão geral e contextual da infra-estrutura Resumo Fabiano Sewiki da Silva 1 Miguel Afonso Sellitto 2 O objetivo deste artigo é estudar o sistema de

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ ANTAQ PERSPECTIVAS DE AVANÇO DA INFRA-ESTRUTURA DO TIETÊ Oswaldo F. Rossetto Jr. Diretor Brasília DF 08 de agosto de 2007 SECRETARIA DOS TRANSPORTES HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL GEIPOT Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL Eixo Mercosul Chile Eixo Brasil Paraguai Bolívia Peru - Chile IIRSA Integração da Infra-estrutura Regional na

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013 Índice 3 Paraná 3 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 6 Infraestrutura de Transportes

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária Dr. Adalmir José de Souza Abril de 2007 A Hidropolítica já é um dos temas mais importantes no mundo, numa humanidade que se projeta, os cursos

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Brasília Fevereiro/2012

Brasília Fevereiro/2012 Brasília Fevereiro/2012 ADMINISTRAÇÕES HIDROVIÁRIAS PORTOS NA REGIÃO NORTE ECLUSAS ECLUSAS NO RIO TOCANTINS Dique de proteção a ferrovia ESCOAMENTO AGRÍCOLA PELOS PORTOS DO NORTE DO PAIS Exportação do

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Objetivos do Seminário Identificar os marcos regulatórios dos portos (marítimos, fluviais e lacustres), com o objetivo de melhorar

Leia mais

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA PLATAFORMAS LOGÍSTICAS E TERMINAIS HIDROVIÁRIOS 02.09.2015 SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO - Objetivos e Plano Estratégico

Leia mais

International Projects Logistics

International Projects Logistics International Projects Logistics VALE e a utilização das hidrovias DEEB 01.10.08 Novembro 2009 Apresentação para Câmara dos Deputados Vale e a utilização das hidrovias Mina de Urucum Corumbá Localização

Leia mais

ANEXO. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2007 2ª alteração. Relação de empreendimentos

ANEXO. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2007 2ª alteração. Relação de empreendimentos ANEXO Unidade da Federação: RIO GRANDE DO SUL Processo nº 50000.061537/2006-18 Programa de Trabalho contendo as alterações propostas pelo Estado recebidas em 25 de outubro de 2007 e publicado no Diário

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

AEROPORTO DE PELOTAS

AEROPORTO DE PELOTAS AEROPORTO DE PELOTAS FONTE: ITEPA/UCPEL REGIÃOsul 25 % DE CRESCIMENTO POPULACIONAL ATÉ 2020 INTER MODALIDADE RODOVIAS / HIDROVIAS / FERROVIAS / AEROPORTOS 12 DE CRESCIMENTO ECONÔMICO AO ANO ATÉ 2020. %

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS CORREDORES DO ARCO NORTE AVALIAÇÕES TÉCNICAS MAIO DE 2014 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO SUMÁRIO DO PROJETO Contexto geral do projeto: potencias benefícios Eixo de integração e desenvolvimento regional Corredor facilitador do comércio interno: produção

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

Logística e Escoamento da Safra

Logística e Escoamento da Safra Logística e Escoamento da Safra Carlos Eduardo Tavares Economista da Superintendência de Logística Operacional da CONAB/MAPA Brasília (DF), outubro de 2015 Contextualização Monitoramento da Safra Agrícola

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO!

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! 17-4-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Agenda: O projeto, missão, visão e estratégia Porto Central: Localização e hinterlândia Acessos Projeto conceitual Cargas e atividades

Leia mais

Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país

Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país Seminários Folha de S.Paulo - Fórum de Exportação Daniel Furlan Amaral

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Categoria: Construção de Ferrovia

Categoria: Construção de Ferrovia Projeto 015 : Construção do contorno ferroviário de São Francisco do Sul E2 Ferroviária LOCALIZAÇÃO: São Francisco do Sul - SC INTERVENÇÃO: Construção Categoria: Construção de Ferrovia EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA INDÚSTRIA CATARINENSE Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Glauco José

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica Análise de viabilidade técnica e econômica da implantação de um terminal portuário na região de Cananéia-Iguape

Leia mais

DRAGAGEM POR RESULTADOS

DRAGAGEM POR RESULTADOS Seminário: Reforma Portuária para Formuladores de Política e Especialistas DRAGAGEM POR RESULTADOS (LEI N 11.610 / 07) Brasília, 01 de abril de 2008 CONCEITUAÇÕES A = Calado B = Distância entre a quilha

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Crescimento Real: Expansão e Aprimoramento da Infraestrutura. Alexandre Mattos Setten Diretor de Logística Copersucar

Crescimento Real: Expansão e Aprimoramento da Infraestrutura. Alexandre Mattos Setten Diretor de Logística Copersucar Crescimento Real: Expansão e Aprimoramento da Infraestrutura Alexandre Mattos Setten Diretor de Logística Copersucar Comércio Internacional Consumo Mundial Produção Mundial Açúcar: demanda mundial em crescimento...

Leia mais

RELAÇÃO DOS CONTRATOS HIDROVIA Nº CONTRATO EMPRESA OBJETO EGUS CONSULT ENGENHARIA & PROJETOS LTDA CONSÓRCIO DZETA - HIDROTOPO - EBEI

RELAÇÃO DOS CONTRATOS HIDROVIA Nº CONTRATO EMPRESA OBJETO EGUS CONSULT ENGENHARIA & PROJETOS LTDA CONSÓRCIO DZETA - HIDROTOPO - EBEI RELAÇÃO DOS CONTRATOS CODOMAR 006/2012 EGUS CONSULT ENGENHARIA & PROJETOS Serviços de assessoria técnica a fiscalização/supervisão de construção de Terminais Hidroviarios do Estado do Amazonas CODOMAR

Leia mais

ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS V SIMPÓSIO DE TRANSPORTE E MOBILIZAÇÃO ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA Superintendente de Navegação Interior Brasília, 18 de Julho de 2007. ASPECTOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

PORTO DE SEPETIBA PORTAL DO ATLÂNTICO SUL

PORTO DE SEPETIBA PORTAL DO ATLÂNTICO SUL DIFICULDADES DE ACESSO AO PORTO DE SEPETIBA QUE AFASTAM CLIENTES POTENCIAIS SUPERPOSIÇÃO DO FLUXO DA CARGA COM O TRÁFEGO DA BR-101, TIPICAMENTE DE AUTOMÓVEIS, GERA CONFLITOS INDESEJÁVEIS O PORTO FOI CONCEBIDO

Leia mais

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura José Otavio Carvalho Vice Presidente Executivo Cimento: Características do produto - Base do concreto - o material

Leia mais

BACIA DO SUL. Plano Nacional de Integração Hidroviária RELATÓRIO TÉCNICO

BACIA DO SUL. Plano Nacional de Integração Hidroviária RELATÓRIO TÉCNICO RELATÓRIO TÉCNICO BACIA DO SUL Plano Nacional de Integração Hidroviária Desenvolvimento de Estudos e Análises das Hidrovias Brasileiras e suas Instalações Portuárias com Implantação de Base de Dados Georreferenciada

Leia mais

SETOR DE TRANSPORTE... 3. 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial...

SETOR DE TRANSPORTE... 3. 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial... Versão em EDIÇÃO SETOR DE TRANSPORTE... 3 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial... 5 2. TRANSPORTE TERRESTRE... 7 2.1. Estruturas Rodoviárias...

Leia mais

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará Pará Um universo de oportunidades Investimentos no Tapajós

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE

APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE Novembro/2011 Introdução A demanda mundial por produtos originados de recursos naturais renováveis e não-renováveis

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Aline Huber

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Aline Huber 0 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aline Huber ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇO, INFRAESTRUTURA E IMPACTOS AMBIENTAIS DO PORTO FLUVIAL DE ESTRELA/RS Santa Cruz do Sul 2013 1 Aline Huber ANÁLISE E AVALIAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE EXPANSÃO NO RIO GRANDE DO SUL

PROJETO DE EXPANSÃO NO RIO GRANDE DO SUL PROJETO DE EXPANSÃO NO RIO GRANDE DO SUL QUEM É A ARACRUZ? A Aracruz Celulose é uma empresa brasileira 27% da oferta global de celulose branqueada de eucalipto Produto destinado à papéis Imprimir e escrever

Leia mais

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL

- 41 - Lição III RIO GRANDE DO SUL Lição III RIO GRANDE DO SUL - 41 - Na lição anterior estudamos sobre o Brasil. Vimos que existem 26 Estados e 1 Distrito Federal. E um desses Estados, é o Rio Grande do Sul, que fica no extremo sul do

Leia mais

Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco. FUNDESPA Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas

Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco. FUNDESPA Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco Situação dos Projetos Embarcação Fluviográfica Velho Theo Rota de Navegação Carta Náutica Digital Construído pela Bahia encontra-se

Leia mais

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1.

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1. Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. PORTO DE ITAQUI/MA AÇAILÂNDIA/MA Extensão de 1.550 km; Açailândia/MA Goiânia/GO;

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA 13 ANOS DE ALL Março de 1997 Início das atividades Privatização Malha Sul Julho de 2001 Aquisição da Delara Consolidação Logística Maio de 2006 Aquisição da Brasil Ferrovias

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

Commodities Agrícolas - Market Share por Porto

Commodities Agrícolas - Market Share por Porto 1 Destaques 2009 OvolumedaALLnoBrasilcresceu5,8%em2009para35.631bilhõesdeTKU,apesardo difícil cenário de mercado, com forte queda na produção industrial e redução de 12% na produção de produtos agrícolas

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais