16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS"

Transcrição

1 16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, LUDOVICO, Nelson. Logística Internacional. São Paulo: Saraiva, SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Exterior. São Paulo: Atlas, SOSA, Roosevelt Baldomir. Glossário de Aduana e Comércio Exterior. São Paulo: Aduanas, FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 1

2 Recintos Alfandegados Os Recintos Alfandegados são os locais onde se realizam os trabalhos aduaneiros de controle fiscal de cargas e mercadorias: Zona Primária: localizados em Portos, Aeroportos e Portos de Fronteira; Zona Secundária: localizados em entrepostos, depósitos, terminais, armazéns, entre outras unidades destinadas ao armazenamento de mercadorias fora dos locais de Zona Primária. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 2

3 Recintos Alfandegados 1. De Zona Primária: os pátios, armazéns, terminais e outros locais destinados à movimentação e depósito de mercadorias importadas ou destinadas à exportação, que devem movimentar-se ou permanecer sob controle aduaneiro, assim como as áreas reservadas à verificação de bagagens destinadas ao exterior ou dele procedentes; 2. De Zona Secundária: os entrepostos, depósitos, terminais ou outras unidades. 3. De Zona Primária: as dependências de lojas francas; 4. De Zona Secundária: as dependências destinadas ao depósito de remessas postais internacionais sujeitas a controle aduaneiro. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 3

4 Terminais alfandegados de uso público 1. Estações Aduaneiras de Fronteira (EAF), quando situadas em zona primária de ponto alfandegado de fronteira, ou em área contígua. 2. Terminais Retroportuários Algandegados (TRA), quando situados em zona contígua à de porto organizado ou instalação portuária, alfandegados. 3. Estações Aduaneiras Interiores (portos secos) (EADI), quando situadas em zona secundária. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 4

5 Área contígua 1. No caso de EAF (Estações Aduaneiras de Fronteira), aquela localizada no município onde se situa o ponto de fronteira. 2. No caso de TRA (Terminais Retroportuários Alfandegados), aquela localizada no perímetro de cinco quilômetros dos limites da zona primária demarcada pela autoridade aduaneira local. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 5

6 Porto Seco (EADI) São as Estações Aduaneiras do Interior (EADI), ou seja, terminais alfandegados de uso público, situados em zonas secundárias. Estes terminais são instalados em pontos estratégicos, onde haja expressiva concentração de carga de importação ou destinada à exportação, podendo ficar armazenados por até 3 anos. Serviços que poderão ser executados: etiquetagem, acondicionamento, recondicionamento, montagem etc. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 6

7 Porto Seco (EADI) Cada zona secundária compreende toda a parte restante do território nacional, exceto a parte ocupada pela zona primária. As Estações Aduaneiras podem fazer pequenas operações de industrialização e se tornar uma extenção das fábricas, abrindo novas possibilidades de negócios para as EADI. Nas EADI poderão ser realizadas operações com mercadorias submetidas aos seguintes regimes aduaneiros: 1. comuns, ou seja, sem nenhuma situação que suspenda o pagamento dos impostos; ou 2. suspensivos: entreposto aduaneiro na importação e na exportação; admissão temporária; trânsito aduaneiro; drawback; exportação temporária e Depósito Alfandegado Certificado (DAC). FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 7

8 Canal de distribuição O exportador deve definir um canal de distribuição. As exportações podem ser cursadas: 1. Diretamente 2. Indiretamente 3. Por intermédio de trading companies. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 8

9 Canal de distribuição: Exportação Direta A venda de produtos diretamente ao consumidor no exterior possibilita a eliminação de intermediários. O contato entre o exportador e o importador é direto. O exportador fatura a mercadoria em nome do importador, providencia todos os trâmites necessários para a exportação e recebe o pagamento diretamente do importador, eliminando a atuação de Comerciais Exportadoras ou Trading. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 9

10 Canal de distribuição: Exportação Indireta São as exportações realizadas por meio de intermediários: 1. Empresa comercial exclusivamente exportadora; 2. Empresa comercial de atividade mista (que opera tanto nas atividades de mercado interno como de importação e exportação); 3. Cooperativas ou consórcios de fabricantes ou exportadores; 4. Indústria cuja atividade comercial de exportação seja desenvolvida com produtos fabricados por terceiros. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 10

11 Canal de distribuição: por intermédio de Trading Companies Trading Company é a empresa que compra mercadoria em um mercado para revendê-la em outro. É também uma exportação indireta, mas é diferente do que operar através de uma comercial exportadora. As Comerciais Exportadoras são empresas que têm como objetivo social a exportação indireta de produtos, ou seja, recebe mercadorias do fabricante com o fim especifico de exportar. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 11

12 Destino das mercadorias apreendidas ou abandonadas A portaria n. 100 do Ministério da Fazenda estabelece normas pra a destinação dos bens apreendidos, abandonados ou disponíveis, administrados pela Secretaria da Receita Federal. Segundo a norma, esses bens poderão ter a seguinte destinação: 1. Venda, mediante leilão, a pessoas jurídicas e físicas; 2. Incorporação a órgãos da administração pública ou a entidades sem fins lucrativos; 3. Destruição nos seguintes casos: cigarros; mercadorias imprestáveis em geral; mercadorias colocadas em leilão por 2 vezes e não alienadas. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 12

13 Projeto Linha Azul É o resultado da concentração dos esforços da RF, Infraero, importadores, agentes de carga e transportadores aéreos e rodoviários, que tem como objetivo agilizar todo o processo de importação, diminuir os custos operacionais, bem como incentivar, indiretamente, o incremento às exportações, uma vez que as empresas beneficiárias do regime devem apresentar uma cota de exportações anuais. A característica principal do regime é a rapidez no desembaraço das mercadorias, que atinge um tempo máximo de 6 horas úteis, da chegada da aeronave até a conclusão do despacho de importação. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 13

14 Projeto Linha Azul O Projeto Linha Azul teve início em julho de 1998 e passou por várias adequações e atualmente opera com as seguintes exigências: A empresa deve ter um patrimônio líquido de pelo menos R$ 3 milhões; A empresa deter ter uma exportação annual de no mínimo US$ 30 milhões; No caso de importações acima de US$ 30 milhões, a empresa deve efetuar exportações anuais no valor de 50% das importações. A empresa deve manter sistema de controle informatizado. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 14

15 Zona Franca de Manaus (ZFM) A ZFM é uma área de livre comércio de importação, objeto de benefícios fiscais, estabelecida com a finalidade de criaar no interior da Amazônia um centro industrial, comercial e agropecuário dotado de condições econômicas que permitam o desenvolvimento dessa região, em face dos fatores locais e da grande distância que se encontra dos centros consumidores de seus produtos. A importação de mercadorias para a ZFM é isenta de impostos (II e IPI), exceto armas, munições, perfumes, fumo etc. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 15

16 Zona Franca de Manaus (ZFM) As mercadorias de origem estrangeira, estocadas na ZFM, quando saem para comercialização em qualquer ponto do território nacional, ficam sujeitas ao pagamento de todos os impostos que incidem sobre uma importação do exterior. Os produtos industrializados na ZFM, salvo automóveis e outros veículos (incluindo partes e peças), quando saem para qualquer outro ponto do território nacional, estão sujeitos aos Impostos de Importação relativos aos produtos de origem estrangeira empregados na industrialização, calculados os tributos mediante coeficiente de redução de sua alíquota. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 16

17 Loja franca As lojas francas estão instaladas nas zonas primárias de portos e aeroportos para a venda de mercadorias nacionais ou estrangeiras a passageiros de viagens internacionais, contra pagamento em cheque de viagem (traveller s check) ou moeda estrangeira conversível. As mercadorias estrangeiras importadas diretamente pelas lojas francas permanecem com suspensão do pagamento de tributos até a sua venda. O mesmo tratamento de suspensão é dispensado às aquisições de produtos nacionais junto aos estabelecimentos fabricantes no mercado interno. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 17

18 Zonas de Processamento de Exportação (ZPE) As ZPE são áreas de livre comércio delimitadas por Decreto do Poder Executivo Federal, propostas por Estados ou Municípios, em conjunto ou isoladamente. As ZPE são destinadas à instalação de empresas voltadas para a produção de bens que são necessariamente comercializados com o exterior. A finalidade é o fortalecimento do balanço de pagamentos, a redução dos desequilíbrios regionais e a promoção da difusão tecnológica e do desenvolvimento econômico e social. FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 18

19 Zonas de Processamento de Exportação (ZPE) As importações e exportações de empresa autorizada a operar em ZPE gozam da isenção de: II, independentemente da existência de produto similar nacional IPI Contribuição Social AFRMM IOF FAFICA_16_Processos alfandegários logísticos 19

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Regimes aduaneiros CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SOUZA, José Meireles de. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual

Leia mais

Ministério da Fazenda - Secretaria da Receita Federal. Ministério da Fazenda/ Secretaria da Receita Federal

Ministério da Fazenda - Secretaria da Receita Federal. Ministério da Fazenda/ Secretaria da Receita Federal REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS E ATÍPICOS REEGIMEE I DEESSCRIÇÃO I 1 Admissão Temporária Permite a permanência no País de bens procedentes do exterior, por prazo e para finalidade determinados, com suspensão

Leia mais

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio)

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio) O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas,

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Grupo Danilo Correia, Caê Matta, Ágata Takara, Augusto Rinaldi, Felipe Marinoni, Isabella Lucas, Heitor Guimarães, Rafael

Leia mais

DRAWBACK. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010.

DRAWBACK. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. DRAWBACK CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do

Leia mais

O Processo de Importação e Suas Etapas

O Processo de Importação e Suas Etapas O Processo de Importação e Suas Etapas CURSO: Administração / DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004.

Leia mais

DECRETO N 517, DE 8 DE MAIO DE 1992 REGULAMENTA o art. 11, da Lei n 8.387, de 30 de dezembro de 1991, e regula a Área de Livre Comércio de Macapá e

DECRETO N 517, DE 8 DE MAIO DE 1992 REGULAMENTA o art. 11, da Lei n 8.387, de 30 de dezembro de 1991, e regula a Área de Livre Comércio de Macapá e DECRETO N 517, DE 8 DE MAIO DE 1992 REGULAMENTA o art. 11, da Lei n 8.387, de 30 de dezembro de 1991, e regula a Área de Livre Comércio de Macapá e Santana - ALCMS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

PRIMEIRO SIMULADO LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO

PRIMEIRO SIMULADO LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO Olá, pessoal. Eu e Missagia resolvemos quebrar o simulado prometido com trinta questões em dois simulados de quinze. Havendo duas postagens, isso facilita para que eu só olhe

Leia mais

Loja Franca em Fronteira Terrestre. Março/2014

Loja Franca em Fronteira Terrestre. Março/2014 Loja Franca em Fronteira Terrestre Março/2014 1 Condições gerais de Loja Franca Regulamentação vigente REGULAMENTAÇÃO VIGENTE FUNCIONAMENTO Estabelecimentos para venda de mercadoria nacional ou estrangeira;

Leia mais

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS 1. CONCEITOS Regime é um conjunto de regras que estabelecem certa conduta obrigatória. É método, sistema ou forma de governo. Logo, chamamos de regime aduaneiro ao tratamento tributário e administrativo

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II

REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II Luis Guilherme B. Gonçalves 05 de Agosto de

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFRF/1998) O transporte de mercadoria estrangeira contida

Leia mais

Art. 1º O regime especial de entreposto aduaneiro será aplicado de conformidade com o estabelecido nesta Instrução Normativa.

Art. 1º O regime especial de entreposto aduaneiro será aplicado de conformidade com o estabelecido nesta Instrução Normativa. Instrução Normativa SRF nº 241, de 6 de Novembro de 2002 DOU de 8.11.2002 Dispõe sobre o regime especial de entreposto aduaneiro na importação e na exportação. Alterada pela IN SRF nº 289, de 27 de janeiro

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 IPI ZONA FRANCA DE MANAUS OPERAÇÕES GERAIS... Pág. 431 ICMS RJ FRETE PAGO (CIF) OU A PAGAR (FOB)... Pág. 432 IPI ZONA FRANCA DE

Leia mais

Formação de Despachante Aduaneiro OEA

Formação de Despachante Aduaneiro OEA Formação de Despachante Aduaneiro OEA Preparatório para o Exame de Qualificação Técnica e Operador Econômico Autorizado OEA para Despachantes Aduaneiros. Objetivo: Este curso tem como objetivo formar os

Leia mais

1 - COMÉRCIO EXTERIOR 2 - INTRODUÇÃO

1 - COMÉRCIO EXTERIOR 2 - INTRODUÇÃO 1 - COMÉRCIO EXTERIOR 2 - INTRODUÇÃO Os avanços da tecnologia permitem comunicações imediatas com as mais distintas regiões do planeta, possibilitando que os mais diversos negócios sejam efetuados, diariamente,

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

TABELA I. CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento)

TABELA I. CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento) TABELA I CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento) B) DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS, BENS OU PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Grupo 5.000 Grupo 6.000 Grupo 7.000

Leia mais

ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento)

ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento) TABELA I - CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES (CFOP) ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento) DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. SARNEY FILHO) Dispõe sobre a criação de Zona Franca no Município de São Luís, Estado do Maranhão. O Congresso Nacional decreta: Estado do Maranhão. Art. 1º Esta Lei cria

Leia mais

CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA

CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA 01 (AFRFB/2009) O regime aduaneiro especial que contempla a estocagem de partes, peças e materiais de reposição

Leia mais

CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO

CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO IMPORTAÇÃO DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. 1.101

Leia mais

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário.

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Tratamento Tributário Conceituação Comercial Recebimento da mercadoria pelo comprador ou seu representante, no exterior, de acordo

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

Lex Garcia Advogados http://lexlab.esy.es. Dr. Alex Garcia Silveira OABSP 285373

Lex Garcia Advogados http://lexlab.esy.es. Dr. Alex Garcia Silveira OABSP 285373 Alex Garcia Silveira Cartilha: Direito do Comercio Internacional São Paulo Junho de 2015 SUMÁRIO RESUMO... 5 ABSTRACT... 5 PARTES E AUXILIARES DO COMÉRCIO... 6 EXPORTADOR E IMPORTADOR... 6 SELEÇÃO DE MERCADO...

Leia mais

ENTRADAS DE BENS E MERCADORIAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS

ENTRADAS DE BENS E MERCADORIAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS TABELA I CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 254 deste Regulamento) A) DAS ENTRADAS DE BENS E MERCADORIAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS Grupo 1.000 Grupo 2.000 Grupo

Leia mais

1.1.1-Conceito 1.1.2-Jurisdição dos Serviços Aduaneiros 1.1.3-Zona Primária 1.1.4-Zona Secundária 1.1.5-Área de Controle Integrado

1.1.1-Conceito 1.1.2-Jurisdição dos Serviços Aduaneiros 1.1.3-Zona Primária 1.1.4-Zona Secundária 1.1.5-Área de Controle Integrado 1- JURISDIÇÃO ADUANEIRA 1.1-Território Aduaneiro 1.1.1-Conceito 1.1.2-Jurisdição dos Serviços Aduaneiros 1.1.3-Zona Primária 1.1.4-Zona Secundária 1.1.5-Área de Controle Integrado 1.1.6-Zona de Vigilância

Leia mais

50 A 56 - VER TABELA DA NATUREZA DE CREDITO

50 A 56 - VER TABELA DA NATUREZA DE CREDITO TABELA CORRELAÇÃO CFOP x CST-PIS/COFINS x CST -ICMS/IPI OBS: Os Cfops assinalados em vermelho são os geradores de creditos reg (M105 e M505) do SPED CONTRIBUIÇÕES. VALIDOS PRA SPED CONTRIBUIÇOES ATUALIZADO

Leia mais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais 2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 05/02/2016 www.boscotorres.com.br

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. RAUL LIMA) Modifica a alínea "e" do 2º do art. 4º da lei nº. 8.256, de 25 de novembro de 1991, que cria áreas de livre comércio nos municípios de Boa Vista e Bonfim,

Leia mais

A Zona Secundária compreende o restante do território aduaneiro, nelas incluídas as águas territoriais e o espaço aéreo.

A Zona Secundária compreende o restante do território aduaneiro, nelas incluídas as águas territoriais e o espaço aéreo. ASPECTOS CONCEITUAIS NO COMÉRCIO EXTERIOR Território Aduaneiro O Território Aduaneiro compreende todo o território nacional, estando dividido, para fins de jurisdição dos serviços aduaneiros, em Zona Primária

Leia mais

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006)

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Cada vez mais e por diversos motivos, as organizações vêm optando por focar-se no objeto principal do seu próprio negócio

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. ANDRÉ FUFUCA) Dispõe sobre a criação de Zona Franca no Município de Rosário, Estado do Maranhão. O Congresso Nacional decreta: do Maranhão. Art. 1º Esta Lei cria a Zona

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS TRADING COMPANY - CONSIDERAÇÕES Introdução - Conceito - Requisitos, Condições e Obrigações Tributárias Acessórias

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 288, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967

DECRETO-LEI Nº 288, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967 DECRETO-LEI Nº 288, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967 Altera as disposições da Lei número 3.173 de 6 de junho de 1957 e regula a Zona Franca de Manaus. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

Direito Aduaneiro. Prof. Marcelo Alvares Vicente INTRODUÇÃO

Direito Aduaneiro. Prof. Marcelo Alvares Vicente INTRODUÇÃO Direito Aduaneiro Prof. Marcelo Alvares Vicente INTRODUÇÃO 1. Disciplina jurídica aduaneira Direito positivo aduaneiro. Ciência do direito aduaneiro. Quando da entrada / saída de mercadoria em território

Leia mais

1) O que é o RTU? 2) O RTU já foi regulamentado?

1) O que é o RTU? 2) O RTU já foi regulamentado? 1) O que é o RTU? O Regime de Tributação Unificada (RTU) é o regime instituído pela Lei nº 11.898, de 8/1/2009, que permite a importação, por microempresa importadora varejista habilitada, de determinadas

Leia mais

Anexo 2.0 Código Fiscal de Operações e Prestações CFOP Art. 317 do RICMS/03

Anexo 2.0 Código Fiscal de Operações e Prestações CFOP Art. 317 do RICMS/03 Anexo 2.0 Código Fiscal de Operações e Prestações CFOP Art. 317 do RICMS/03 Alterações: Decreto nº 19.887 de 19.09.2003 Decreto nº 20.204 de 19.12.2003 Decreto nº 20.912 de 25.11.2004 Decreto nº 20.919

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS 1 Sumário 1. Informações iniciais... 3 1.1. Introdução... 3 1.2. Definições... 3 2. Tarifas... 6 2.1. Considerações... 6 2.2. Tarifas Aeroportuárias...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.759, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2009.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.759, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2009. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.759, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta a administração das atividades aduaneiras, e a fiscalização, o controle e

Leia mais

Zonas de Processamento de Exportação - ZPE

Zonas de Processamento de Exportação - ZPE Zonas de Processamento de Exportação - ZPE Histórico no mundo As Zonas Econômicas de Exportação surgiram em 1959 na Irlanda Anos 60: criação na Ásia e América Latina Anos 70: alcançam 79 em 25 países Anos

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA. Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003

CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA. Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003 CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003 CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SEÇÃO I - CÓDIGO DE SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA - CST (Ajuste SINIEF 07/01) 002 CÓDIGO

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Controle Administrativo - Definição Controle exercido por órgãos da Administração Federal

Leia mais

DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA

DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA 21 DE OUTUBRO DE 2009 Por Evandro Ap. Moreira DRAWBACK IMPORTAÇÃO O QUE É? O regime aduaneiro especial de drawback, instituído em 1966 pelo Decreto Lei nº 37,

Leia mais

Visando facilitar as consultas sobre os CFOP, elaboramos quadro prático contendo os códigos vigentes e respectivas datas de aplicação.

Visando facilitar as consultas sobre os CFOP, elaboramos quadro prático contendo os códigos vigentes e respectivas datas de aplicação. 1. Introdução Os Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) visam aglutinar em grupos homogêneos nos documentos e livros fiscais, nas guias de informação e em todas as análises de dados, as operações

Leia mais

CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs.

CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs. CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs. ICMS nºs12/99, 119/11, 19/12, 97/12. Nova redação dada à ementa

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO DOCUMENTOS EXIGIDOS NAS OPERAÇÕES DE EXPORTAÇÃO DISPONIVEL EM: HTTP://WWW.APRENDENDOAEXPORTAR.GOV.BR/SITIO/PAGINAS/COMEXPORTAR/CONTRATOS.HTML No comércio internacional, os documentos desempenham importante

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO T.C.C.

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO T.C.C. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO T.C.C. CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM IMPORTAÇÃO, ROTINAS E PROCEDIMENTOS. Curso de Aperfeiçoamento em Importação: Rotinas e Procedimentos 1 Foto ilustrativa, de um navio atracando

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no

Leia mais

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009 IPI ANO XX - 2009-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2009 INFRAÇÕES E ACRÉSCIMOS MORATÓRIOS Infrações - Procedimentos do Contribuinte - Pagamento - Acréscimos Moratórios - Multa de Mora

Leia mais

TÍTULO I - IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA

TÍTULO I - IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA DECRETO-LEI Nº 37 DE 18/11/1966 Dispõe sobre o imposto de importação, reorganiza os serviços aduaneiros e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo

Leia mais

O Contexto da MP 320 Portos Secos

O Contexto da MP 320 Portos Secos O Contexto da MP 320 Portos Secos Não há dúvidas de que o sistema aduaneiro brasileiro carece de aprimoramentos profundos e urgentes, sobretudo no que se refere à sua capacidade operacional de promover

Leia mais

Importação I. Prof. Richard Allen de Alvarenga. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Comércio Exterior Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga.

Importação I. Prof. Richard Allen de Alvarenga. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Comércio Exterior Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga. Importação I Prof. Richard Allen de Alvarenga Histórico Destaque no início dos anos 1990 (Era Collor) Normas específicas de controle da inflação; Criação de instrumentos de importação; Abastecimento e

Leia mais

Entreposto Aduaneiro: Vantagens Logísticas da Utilização do Regime de Entreposto Aduaneiro Dentro do Aeroporto Industrial.

Entreposto Aduaneiro: Vantagens Logísticas da Utilização do Regime de Entreposto Aduaneiro Dentro do Aeroporto Industrial. Entreposto Aduaneiro: Vantagens Logísticas da Utilização do Regime de Entreposto Aduaneiro Dentro do Aeroporto Industrial. Cleiton de Paiva Rodrigues Luciano cleitonadmc@hotmail.com Unis/MG Reginaldo da

Leia mais

Art. 3º Para inscrever-se no registro de Operador de Transporte Multimodal, o interessado deverá apresentar à ANTT:

Art. 3º Para inscrever-se no registro de Operador de Transporte Multimodal, o interessado deverá apresentar à ANTT: DECRETO 3.411, DE 12 DE ABRIL DE 2000. Regulamenta a Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre o Transporte Multimodal de Cargas, altera os Decretos 91.030, de 5 de março de 1985, e 1.910,

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.456, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Altera a Instrução Normativa

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 KARIN CRISTINA IKOMA Consultora/Impostos CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL A) ENTRADAS: NOVOS ANTIGOS GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 1.100 2.100

Leia mais

RICMS (Decreto nº 43.080/2002) RICMS/2002

RICMS (Decreto nº 43.080/2002) RICMS/2002 RICMS (Decreto nº 43.080/2002) Sumário RICMS/2002 REGULAMENTO DO IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES RELATIVAS À CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SOBRE PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL

Leia mais

Im portação Fo x 1/23

Im portação Fo x 1/23 Importação Fox 1/23 Índice 1.INTRODUÇÃO... 3 1.1. Quais os tributos que incidem sobre a importação de produtos e serviços no Brasil?... 3 2.CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS... 5 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6.

Leia mais

Aduana Brasileira. Controle Aduaneiro e Combate à Corrupção. Corrupção CORRUPÇÃO: - Origem do termo - O que é corrupção? R E I D I.

Aduana Brasileira. Controle Aduaneiro e Combate à Corrupção. Corrupção CORRUPÇÃO: - Origem do termo - O que é corrupção? R E I D I. Controle Aduaneiro e Combate à Corrupção Corrupção - Origem do termo - O que é corrupção? CORRUPÇÃO: R E I D I Maio de 2015 1 Corrupção Corrupção - Definição pelo senso comum: Propina Facilidades Prejuízo

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente extrafiscal, como instrumento de proteção da industria

Leia mais

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO Procedimento Fiscal por intermédio do qual o exportador desembaraça a mercadoria para o exterior (Faro, 2007). É

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas 1 de 7 13/07/2015 12:00 Menu Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa por Subsecretaria de Aduana e Relações Internacionais publicado 22/05/2015 16h36, última modificação 18/06/2015 15h00 Remessas

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. A) ENTRADAS: N=Novo

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. A) ENTRADAS: N=Novo CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL Entradas Saídas A) ENTRADAS: Novos Antigos N=Novo GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 1100 2100 3100 110 210 310 * COMPRAS

Leia mais

AJUSTE FISCAL, ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA E EXPECTATIVAS PARA 2015. Diego Caldas R. de Simone

AJUSTE FISCAL, ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA E EXPECTATIVAS PARA 2015. Diego Caldas R. de Simone AJUSTE FISCAL, ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA E EXPECTATIVAS PARA 2015 Diego Caldas R. de Simone PACOTE DE AJUSTE FISCAL Objetivo Medida Executivo / Legislativo Economia estimada / aumento de arrecadação

Leia mais

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP Tabelas práticas TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços As operações praticadas pelos contribuintes do

Leia mais

EXPORTAÇÕES Definição

EXPORTAÇÕES Definição EXPORTAÇÕES Definição CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. 9.1 Exportações - Definição

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Alagoas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Alagoas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 50/2013 Alagoas Federal IPI Construção civil - Edificação - Exclusão do conceito de industrialização.... 01 Estadual ICMS Leilão de mercadorias apreendidas

Leia mais

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços quarta-feira, 13 de maio de 2009 nmlkj Web nmlkji Site Pesquisa Home Institucional Produtos/Serviços Notícias Utilidades Classificados Contato Registre-se Entrar Utilidades» Tabela de CFOP CFOP E CST TABELA

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015 IPI O FRETE NA BASE DE CÁLCULO DO IPI... Pág. 422 ICMS RJ DRAWBACK... Pág. 423 IPI O FRETE NA BASE DE CÁLCULO DO IPI Sumário 1.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1670/2015

PROJETO DE LEI Nº 1670/2015 Dia 01 de outubro, 2015 TRANSPORTE AÉREO: RAPIDEZ E PREVISIBILIDADE Transporte Aéreo vs Outros - Mundo Volume Outros 0,5% Volume Aéreo 99,5% Valor Outros Valor Aéreo 35% 65% Ref: Transporte Mundial 2014Fonte:

Leia mais

Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP

Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP! Última alteração: Ajuste Sinief nº 004, de 2010, DOU de 13/7/2010 1. As operações praticadas pelos contribuintes do ICMS e/ou IPI estão relacionadas e codificadas

Leia mais

Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado

Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado Definição do Regime Regime Aduaneiro Especial de Entreposto t Industrial sob Controle Informatizado Esse regime permite à empresa importar com suspensão dos impostos federais e adquirir no mercado nacional,

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CÓDIGOS DE OPERAÇÕES DE ENTRADAS 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO Classificam-se, neste grupo, as operações ou prestações em que o estabelecimento

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002

Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002 Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002 Dispõe sobre a habilitação de empresa transportadora para manter recintos não alfandegados, na cidade de Manaus, destinados ao controle aduaneiro

Leia mais

EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA

EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA Adriane Siqueira (UCS) adriane@rfa.adv.br Alex Eckert (UCS) alex.eckert@bol.com.br MARLEI

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 KARIN CRISTINA IKOMA Consultora Impostos IOB Thomson CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL A) ENTRADAS: NOVOS ANTIGOS GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2

Leia mais

Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que:

Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que: Prezados, Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que: a) pelo regime de ex-tarifário, pode haver redução da TEC para bens

Leia mais

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SAÍDA Sumário 1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços 1. INTRODUÇÃO Neste trabalho, dando continuidade

Leia mais

ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP)

ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Este procedimento apresenta todos os Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) a serem utilizados nas operações de entrada e saída

Leia mais

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 Altera o Decreto nº 18.955, de 22 de dezembro de 1997, que regulamenta o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes

Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes DRAWBACK O que é? Objetivos. NORMAS Disciplina as aquisições de matérias-primas,

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET BRASIL ABRIL de 2015 Matriz Cultural do Mercado O Brasil é grande consumidor de produtos gourmet, porém existe logicamente um processo seletivo destes

Leia mais

CFOP DESCRIÇÃO APLICAÇÃO

CFOP DESCRIÇÃO APLICAÇÃO CFOP DESCRIÇÃO APLICAÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO Classificam-se, neste grupo, as operações ou prestações em que o estabelecimento remetente esteja localizado na mesma unidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre o Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC 18/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Áreas de Livre

Leia mais

Tributação na. Momento de ocorrência do FG do II para efeito de cálculo (art 73)

Tributação na. Momento de ocorrência do FG do II para efeito de cálculo (art 73) Tributação na Importação Imposto de Importação (II) Caráter extra-fiscal (regulatório) SP, BC e FG definidos em lei Regulamento Aduaneiro (RA Decreto 6.759/2009) consolida as normas Exceção constitucional

Leia mais

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para facilitar o comércio. Elas tratam das condições e responsabilidades

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

PORTARIA RFB Nº 3.518, DE 30 DE SETEMBRO DE 2011 D.O.U.: 03.10.2011

PORTARIA RFB Nº 3.518, DE 30 DE SETEMBRO DE 2011 D.O.U.: 03.10.2011 PORTARIA RFB Nº 3.518, DE 30 DE SETEMBRO DE 2011 D.O.U.: 03.10.2011 Estabelece requisitos e procedimentos para o alfandegamento de locais e recintos e dá outras providências. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL

Leia mais

Estabelece requisitos e procedimentos para o alfandegamento de locais e recintos e dá outras providências.

Estabelece requisitos e procedimentos para o alfandegamento de locais e recintos e dá outras providências. Portaria RFB nº 3.518, de 30 de setembro de 2011 DOU de 3.10.2011 Estabelece requisitos e procedimentos para o alfandegamento de locais e recintos e dá outras providências. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL

Leia mais