O ASSÉDIO MORAL E SUA INFLUÊNCIA NO TRABALHO DE MÃES NO PERÍODO DE GESTAÇÃO E AMAMENTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ASSÉDIO MORAL E SUA INFLUÊNCIA NO TRABALHO DE MÃES NO PERÍODO DE GESTAÇÃO E AMAMENTAÇÃO"

Transcrição

1 O ASSÉDIO MORAL E SUA INFLUÊNCIA NO TRABALHO DE MÃES NO PERÍODO DE GESTAÇÃO E AMAMENTAÇÃO Eduardo Concepcion Batiz (IST/SOCIESC) Mariluci de Carvalho (IST/SOCIESC) Vanderleia da Silva (IST/SOCIESC) Marcelo Macedo (IST/SOCIESC) Celia Regina Beiro da Silveira (IST/SOCIESC) Gestantes moralmente assediadas podem representar futuras mães deprimidas e por consequência ausentes da criação e educação de seus filhos. Esses filhos em função do abandono poderão se tornar homens e mulheres moralmente corrompidos e desaajustados. Esse trabalho tem como objetivo demonstrar a fragilidade física e psíquica das gestantes, diariamente expostas a toda sorte de violências morais. Foi realizada uma pesquisa junto às indústrias de Joinville, através de um questionário que abordava o assédio moral nas organizações. Segundo a pesquisa realizada 91% das entrevistadas afirmam saber o que é e no que consiste o assédio moral, e 50%, no entanto afirmam que as situações humilhantes e constrangedoras eram repetidas e prolongadas durante a jornada de trabalho nos três primeiros meses de gestação. Em conversa informal com algumas das entrevistadas, constatou-se que o assédio moral vivido por elas ficou registrado em sua memória como a- penas momentos, apesar de repetitivos, de incompreensão tanto de seus colegas quanto da chefia imediata. Palavras-chaves: Assédio moral; gestantes; lactantes.

2 O ASSÉDIO MORAL E SUA INFLUÊNCIA NO TRABALHO DE MÃES NO PERÍODO DE GESTAÇÃO E AMAMENTAÇÃO Gestantes moralmente assediadas podem representar futuras mães deprimidas e por consequência ausentes da criação e educação de seus filhos. Esses filhos em função do abandono poderão se tornar homens e mulheres moralmente corrompidos e desajustados. Esse trabalho tem como objetivo demonstrar a fragilidade física e psíquica das gestantes, diariamente expostas a toda sorte de violências morais. Foi realizada uma pesquisa junto às indústrias de Joinville, através de um questionário que abordava o assédio moral nas organizações. Segundo a pesquisa realizada 91% das entrevistadas afirmam saber o que é e no que consiste o assédio moral, e 50%, no entanto afirmam que as situações humilhantes e constrangedoras eram repetidas e prolongadas durante a jornada de trabalho nos três primeiros meses de gestação. Em conversa informal com algumas das entrevistadas, constatou-se que o assédio moral vivido por elas ficou registrado em sua memória como apenas momentos, apesar de repetitivos, de incompreensão tanto de seus colegas quanto da chefia imediata. Palavras-chave: Assédio moral; gestantes; lactantes. 1. Introdução Para Lima e Pereira (2009, p. 14) o assédio moral é um problema social relevante que tem merecido a preocupação dos médicos e psicólogos do trabalho e mais recentemente ingressou no mundo jurídico. O assédio moral é revelado por atos e comportamentos agressivos que visam à desqualificação e desmoralização profissional e a desestabilização emocional e moral dos assediados, tornando o ambiente de trabalho desagradável, insuportável e hostil (BARRETO, 2006). Nesse contexto, este artigo tem como objeto de estudo o assédio moral cometido contra as mulheres, dando ênfase a mulheres grávidas, uma vez que, o assédio moral cometido contra as mulheres contraria todos os direitos que uma mulher possui de se desenvolver e de formar uma família. O objetivo do trabalho é conhecer a magnitude do assédio moral e seus fatores associados em trabalhadoras mães na etapa de amamentação. Com esse trabalho espera-se demonstrar algumas formas de como é possível reconhecer o assédio moral no ambiente de trabalho, suas variadas formas de manifestações, as consequências geradas pelo tempo de exposição ao assédio em mães expostas ao assédio moral no período gestacional e lactância. O foco principal desse trabalho são mães gestantes e lactantes. O artigo está estruturado e dividido em cinco partes. Na introdução é discutida a contextualização do tema. A segunda seção aborda a relação intrínseca do trabalho e o assédio moral. Na terceira seção discute-se como acontece o assédio moral com as mulheres. A quarta seção trata dos procedimentos metodológicos. A quinta seção versará sobre os resultados da aplicação da pesquisa. Na última seção serão discutidas as conclusões do trabalho e mostrarse-á as recomendações para trabalhos futuros. 2. Assédio moral O Assédio Moral, apesar de sempre ter existido e ser intrínseco ao trabalho, no Brasil é um tema recente, ganhando força após a divulgação da pesquisa feita por Barreto (2000). 2

3 Segundo a autora o assédio moral ou a violência moral não é um fenômeno novo. Pode-se dizer que ele é tão antigo quanto o trabalho. O estudo sobre assédio moral, no entanto, é relativamente novo, e só agora nas últimas décadas é que foi classificado como fenômeno capaz de atormentar e depreciar as pessoas no seu ambiente de trabalho, ressalta a autora. Nos últimos anos o assédio moral já é um fenômeno social, que engloba diversos setores; industriais, acadêmicos, políticos, judiciários, associações, seminários e até os setores de comunicação, tornando o tema ainda mais abrangente e com proporções mundiais. Existem várias expressões dependendo do país, para definir assédio moral, entre as que se destacam: moléstia psicológica, tiranismo, ostracismo, coação etc. No Brasil, é conhecido como: assédio moral, assédio psicológico ou mobbing. O assédio moral pode se apresentar sob duas formas (GUEDES, 2004): a) forma verticalizada: feito pelo superior hierárquico contra uma ou mais pessoas, comportamento dominador autoritário, controlador, com a finalidade de se manter no poder, ou ainda de se sobressair diante de quem considera inferior (GUEDES, 2004). O assédio vertical se divide ainda em ascendente e descente: forma ascendente: feito pelos subordinados para com seus superiores, com a finalidade de retirá-lo do cargo que ocupa (GUEDES, 2004). Segundo Hyrigoyen (2004), o assédio vertical ascendente representa só 1% dos casos; forma descendente: feito pelo superior hierárquico contra uma ou mais pessoas, para se sobressair diante dos subordinados que considera inferior (GUEDES, 2004). O assédio moral descendente se apresenta em 58% dos casos registrados (HYRIGOYEN, 2004). b) forma horizontalizada: feito pelos colegas de trabalho, com nível de igualdade de funções. As causas para tal comportamento são muito variadas podendo ser classificada como: inveja, antipatia, discriminação, incompatibilidade, etc. (GUEDES, 2004). Segundo Hyrigoyen (2004) este tipo de assédio moral se apresenta em 12% dos casos. Uma terceira forma, que seria a combinação das anteriores, chamada de mista, que inclui a hierarquia e os colegas, se apresenta em 29% dos casos registrados (HYRIGOYEN, 2004). Segundo Guedes (2004), não é necessário que a ação seja deflagrada e realizada pelo superior, mas pode contar com a cumplicidade dos colegas de trabalho da vítima e através deste a violência seja desencadeada. Tanto Barreto (2000) quanto Hirigoyen (2004), afirmam que esse tipo de comportamento é universal, e decorrente da não aceitação das adversidades. O assédio moral, não pode ser confundido com excessos, nem com a redução de trabalho, ou a ordens de transferências, mudança do local de trabalho, exigências no cumprimento de metas e horários rígidos e regras, falta de segurança e obrigação de trabalhar em situação de risco, pouco confortável ou ergonomicamente desaconselhável. Mobbing (assédio moral), não é uma agressão isolada, estupidez, xingamento ou humilhação ocasional, fruto do estresse ou do destempero emocional momentâneo, seguido de arrependimento e pedido de desculpa. Cada uma dessas atitudes pode ser empregada pelo agressor para assediar moralmente uma pessoa, mas o que caracteriza o terror psicológico são a frequência e repetição das humilhações num período relativamente longo. O assédio moral pode começar com um conflito não-resolvido ou em decorrência de uma gestão confusa, em que tarefas são distribuídas de forma desigual ou sem obedecer a critérios. Assim, as táticas são múltiplas e variáveis, podendo ir desde uma ameaça ou intimidação até o bloqueio do trabalho e a retirada do material necessário ao exercício da atividade. 3

4 Os agressores aparecem em qualquer setor e em qualquer tipo de organizações, até mesmo em entidades filantrópicas ou de ações fraternas e sociais. Um caso típico, descrito pela especialista francesa Marie France, é o agressor chefe que subiu na carreira devido a bajulações constantes a outros superiores, ou tiveram exemplos de chefias que torturavam seus subordinados e por isto passaram a acreditar que esta é a única maneira de exercer o poder de seu cargo, são inseguros e se sentem cobrados demais por resultados, (MENEZES, 2002). Esse tipo de agressor vê o trabalhador como uma máquina, não podendo apresentar formas de cansaço, dor, engordar, engravidar ou adoecer. Enquanto estiver produzindo de acordo com as expectativas, ou de acordo com o que espera sua equipe (colegas), este trabalhador (a), é considerado eficiente produtivo e competente. Mas a partir do momento em que este apresentar qualquer manifestação de doenças físicas ou psíquicas passa a ser considerado um incômodo à organização. O assediador ou agressor desenvolve um controle sutil sobre a vítima, começando muitas vezes com deformações de linguagem, escassez de informações, falta de esclarecimentos e outros, surgem então a agressividade propriamente dita, como: abuso de poder; autoritarismo; intimidação; ameaças; desmoralização profissional; ignora e isola a vítima; não valoriza o saber fazer do trabalhador; e outros (HIRIGOYEN, 2004). Todo e qualquer ato ou comportamento de um patrão, chefe, gerente, ou colegas, que se traduza como perseguição excessiva e que possa trazer danos à saúde física, mental de uma pessoa é considerada assédio moral. 3. Assédio moral e a mulher A forma como a trabalhadora é vista dentro de uma organização, e as atitudes com relação a esta ou a forma como é percebida por colegas ou chefia são reflexos dos sentimentos e emoções que essa trabalhadora desperta, o que determina expectativas positivas ou negativas em relação ao seu trabalho. As mulheres que são donas de casa e que trabalham fora frequentemente enfrentam dificuldades, porque desempenham os dois papéis: o de dona de casa e mãe e o de trabalhadora da indústria (LEVY, 1980). Assédio moral com as mulheres tem como objetivo intimidar, submeter, proibir, interditar, entre outros. São feitos controles abusivos como: frequência e/ou permanência no banheiro, questionamentos em relação a atestados médicos, faltas, gravidez e raramente são reconhecidas ou promovidas. A vítima não consegue encontrar os motivos que a levaram a errar, logo passa a questionar o agressor para tentar acabar com o mal entendido, começa a investigar as possíveis causas do seu erro, tentando encontrar motivos para justificar as agressões e abusos, que a começam a intimidar e o desmotivar. No início da perseguição começam a se questionar e por faltar autoconfiança, sentem-se obrigadas a fazer sempre mais, a esforçar-se mais, para mostrar uma imagem melhor, procuram se adaptar, e tentam compreender a postura do agressor, e para fugir da violência, adotam tendências cada vez mais gentis e conciliadoras, tendo a ilusão que desta forma irão acabar com o assédio (FONTANA; ROCHA, 2001). O trabalhador se comporta então de acordo com seus sentimentos (HIRIGOYEN, 2004). Se esses sentimentos lhe provocam raiva, desconforto, insegurança, dor, nervosismo, ansiedade e outros sentimentos relacionados, o trabalho fica em segundo plano, o primeiro plano consiste em se livrar dos sentimentos que lhe causam desconforto. Quando distante do agressor esse trabalhador passa a agredir a máquina ou destruir equipamento, sabota a produção etc; pois essas máquinas, equipamentos, produção e outros passam a ser um estímulo condicionado que provoca reação de medo e mal estar, impossibilitando a fuga, resultado normal diante do fator medo. O chefe e a máquina passam a provocar um mal-estar que leva o 4

5 operário ao desinteresse pelo serviço, pois seu objetivo passará a ser o de se livrar do malestar. Nesses casos doenças também acabam se desencadeando na vítima, o que é muito frequente, (DORIN, 1981). A gravidade das consequências sobre a saúde dependerá da duração do assédio, a intensidade da agressão e a vulnerabilidade das vítimas. Muitas vezes isso aparece após uma licença de trabalho que recebem para tratamento, onde voltam para seu trabalho, e isso desencadeia novamente os sintomas, exigindo então que estas utilizem outra licença e assim sucessivamente até chegar à demissão (HIRIGOYEN, 2004). Barreto (2000), afirma que para a mulher o ambiente de trabalho é muito mais perverso, pois além dos controles e fiscalizações excessivas, ainda sofrem discriminações. O constrangimento para as mulheres começa na procura do emprego, onde são analisadas e avaliadas por critérios nada profissionais como: postura ao sentar-se e ao falar, roupa curtas e decotadas, maquiagem, perfume, estado civil, raça/etnia, número de filhos ou pretensão de tê-los, entre outros. A mulher não consegue fazer uma ligação do seu sofrimento e problemas de saúde com a tirania no local de trabalho, e quando pedem ajuda, são aconselhadas a deixar a empresa e procurar outro emprego. Sentem-se sem apoio, e emocionalmente destruídas, dificultando ainda mais a análise real dos acontecimentos e a melhor decisão a ser tomada. A indiferença e o menosprezo pelo sofrimento e as doenças que as trabalhadoras vivenciam no ambiente de trabalho, reforçam ainda mais o medo, fazendo-as ocultarem seus problemas e- mocionais e de saúde, como forma de amenizar e acabar com as humilhações e constrangimentos e insinuações. Sem apoio ou compreensão do seu estado, isolam-se ainda mais, e consequentemente, desenvolvem sentimentos confusos de culpa, fracasso e inutilidade. As angústias e tristezas tornam-se constantes, aparecendo o stress e a depressão. A autora, afirma ainda que a vítima do assédio moral passa a conviver com depressão, palpitações, tremores, distúrbios de sono, hipertensão, distúrbio digestivo, dores generalizadas, alteração da libido e pensamentos conflitantes e negativos, entre outros. É este sofrimento imposto nas relações de trabalho que revela o adoecer, pois o que adoece as pessoas é viver uma vida que não desejam, não escolheram e não suportam. Nesses casos o trabalhador pode desencadear um processo de estresse chamado Síndrome de Burnout (BATIZ; NAATZ e SERAFIN, 2007). Esta síndrome é definida como uma reação a tensão emocional crônica gerada a partir do contato direto, excessivo e estressante com o trabalho, caracterizada pela falta de motivação, mal estar e insatisfação ocupacional, problemas de relacionamento com a chefia, ou com colegas, conflitos profissionais e familiares, entre outros (BALLONE, 2005). As mulheres são mais suscetíveis a Síndrome de Burnout, devido à dupla carga de trabalho, que exige muito empenho, determinação, discernimento, controle, responsabilidade entre outros. Cabe as empresas, trabalhar internamente a mentalidade dos seus funcionários, criando um ambiente favorável, oferecendo estrutura adequada para que as mulheres se sintam valorizadas e acolhidas dentro de seu local de trabalho. Muitas leis e resoluções que regem as relações trabalhistas não estão implementadas na prática, ou seja, nem todas as empresas cumprem os preceitos da legislação trabalhista, inclusive no que se refere à licença maternidade, creche e amamentação. 4. Procedimentos metodológicos Esta pesquisa é de natureza qualitativa e também quantitativa, pois trabalha baseada em dados obtidos na aplicação de um questionário a uma amostra de mulheres. A pesquisa caracteriza-se como descritiva por analisar o fenômeno do assédio moral com mães gestantes 5

6 no trabalho, procurando observar fatos para descobrir a frequência e as características desse fenômeno. Para a realização da pesquisa foram escolhidas mulheres gestantes ou que já passaram por esse período. O trabalho foi realizado junto a duas indústrias de grande porte de Joinville, compostas por mais de mil funcionários, entre homens e mulheres. Inicialmente foi selecionada uma amostra de 100 mulheres, que trabalham na linha de produção com idade entre 20 e 48 anos. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário sobre assédio moral contendo 48 questões apresentando questões abertas e fechadas. O questionário foi aplicado inicialmente como teste piloto para conhecer os critérios da amostra selecionada sobre o conteúdo e escutar as sugestões de modificações, alterações, etc. Finalizando, foi ajustado o questionário conforme as recomendações obtidas na fase piloto. O questionário está dividido em cinco partes. Relaciona-se a primeira parte aos dados demográficos, procurando traçar o perfil do universo a ser estudado. A segunda parte está relacionada aos dados ocupacionais, para obter conhecimentos das características gerais sobre as trabalhadoras (quanto tempo de carteira assinada, quanto tempo trabalha na atual entidade, se já ouviu sobre o termo assédio moral, etc...). A terceira parte buscou conhecer sobre o período de gestação das mulheres dentro da organização. A quarta parte sobre o período de lactância, relacionando o tempo de amamentação e as reações das pessoas quanto a sua volta após o período de licença maternidade. A quinta parte finaliza com as conclusões permitindo as mulheres expressar com suas próprias palavras o que passaram durante o período de gestação dentro da organização onde trabalham. 5. Análise dos resultados I. Dados demográficos Dos questionários enviados foi recebido um total de 48, sendo que 14 pertencem a mulheres gestantes, que representa 29,2% da amostra, e 12 são lactantes que representa 25,0%, e 22 são mulheres que já passaram por estes períodos que representa 45,8%. Das mulheres analisadas 45,8% são aquelas que já passaram pelo período de gestação e amamentação, que estão na faixa etária entre 41 e 48 anos. São mulheres que já viveram ou presenciaram situações ligadas ao assédio moral, considerando que junto a essa amostra de trabalhadoras estão as gestantes e lactantes representando a maior porcentagem analisada, 64,6% da amostra e que estão na faixa etária entre 20 e 40 anos. II. Dados ocupacionais Observou-se que 62,5% das mulheres possuem entre 11 e 20 anos de carteira assinada. O índice de tempo atual na entidade é baixo, representando 58,3%, das mulheres que trabalham na atual empresa, ficando com um tempo entre 1 a 5 anos de atividade laboral. Com relação ao conhecimento sobre o termo assédio moral no trabalho percebeu-se que a maioria das entrevistadas, ou seja, 91,7% conhecem ou já ouviu falar do termo. Pode-se constatar que 22 mulheres já presenciaram atos de humilhações com outros trabalhadores. Este número significa 45,8% da amostra. Das mulheres entrevistadas quanto ao sexo do seu chefe imediato, 46 responderam que é homem, representando 95,8% do total da amostra. III. Dados sobre o período da gestação Foi analisada nesta fase do questionário a relação ligada à gestação e a fase do período que acontecia o assédio moral na instituição onde trabalha. Dos resultados anteriores, obser- 6

7 va-se em geral, que mesmo com o número elevado de mulheres que já presenciaram algum ato de humilhação na entidade onde trabalham, 8 passaram por situações humilhantes, representando 16,7%. Observa-se que das mulheres que passaram por situações humilhantes 4 e- ram repetidas durante a jornada de trabalho, representando 50% do total. Dos resultados anteriores, observa-se que as situações humilhantes ocorreram com as 4 mulheres durante os 3 primeiros meses de gestação, mantendo os 50% do total. Com relação à compreensão dos chefes quanto à execução das tarefas, 32 compreenderam sem exceção, sendo 66,7%. No período de pré-natal dentro da empresa, 30 mulheres tiveram total compreensão dos colegas, quando tiveram a necessidade de se afastar por algum problema relacionado a sua gestação, perfazendo 62,5%. Em relação a reação dos chefes ao afastamento no período de pré-natal, 34 das mulheres responderam que tiveram total compreensão, representando 70,8% do total. Observa-se que há uma porcentagem de 29,2% da amostra analisada que teve pouca compreensão. IV. Dados sobre o período de lactância Nota-se que 42 mulheres, ou seja, 87,5% tiveram sua última lactância há mais de 4 a- nos, com uma pequena amostra que ficou entre 1 a 4 anos, representando 12,5% da amostra. Conforme os resultados anteriores este item é importante porque mostra o comportamento de chefes e colegas quanto ao retorno das trabalhadoras, resultado satisfatório, representando 75,0% da amostra. No entanto, 25,0% não podem contar com o mesmo apoio, manifestando perceber mudanças de comportamentos de chefes e colegas. Observa-se que 95,2% das trabalhadoras amamentam seu filho nos horários determinados pela empresa sem restrições, com uma pequena amostra de 4,8% que não tem a mesma facilidade, mesmo tendo direito de amamentar seu filho. A maioria das trabalhadoras nunca deixou de amamentar seu filho no horário de trabalho, mas não se pode deixar de lado que ainda existem 9,5% das trabalhadoras que tem dificuldades para sair amamentar seu filho. Outros resultados apontam que 85,9% das trabalhadoras nem sempre podem se deslocar do seu posto de trabalho para atender alguma necessidade de seu filho. Observa-se que 85,7% não foram questionadas quanto ao tempo de berçário, esse resultado deixa as trabalhadoras mais tranquilas podendo atender seu filho no tempo determinado pela empresa. Outros resultados apontam que após o período de berçário as trabalhadoras, que são mais da metade 52,4% da amostra analisada, tem que optar por deixar seu filho com familiares, salientando que as outras 47,6% optam em deixar com amiga ou creche. A mulher fica dividida entre o trabalho e seu filho, mas não deixa de cumprir com suas obrigações, pois muitas delas têm papel fundamental no orçamento familiar e muitas vezes é a única fonte de renda da família. As trabalhadoras amamentaram seu filho entre 3 e 6 meses sendo 41,7% da amostra. Das mulheres entrevistadas, 58,3% tiveram decisão própria de parar de amamentar seus filhos, sendo que 33,4% não tinham mais leite e 8,3% por não ter berçário na empresa. Conciliando amamentação e trabalho, para 38 mulheres, as situações vividas na empresa não foram consideradas constrangedoras, representando 79,2%. Existe uma pequena parte da amostra de 20,8% que manifesta ter vivido momentos constrangedores nesse período. 6. Conclusões Durante a execução deste trabalho foi possível identificar com clareza a existência do assédio moral no ambiente de trabalho. No entanto, a fundamentação teórica serviu como base de entendimento, mostrando que o assédio moral é tão antigo quanto o trabalho, e também ter 7

8 um conhecimento exato e uma ampla visão sobre as causas e os efeitos que podem ocorrer com as trabalhadoras dentro do ambiente de trabalho. Para ter certeza da existência do assédio moral no ambiente de trabalho, foi escolhida uma população e aplicada uma pesquisa para entender o nível de conhecimento das trabalhadoras com o tema abordado. Os resultados obtidos na pesquisa apontam que as mulheres ainda são discriminadas, principalmente relacionadas a gestação, sendo alvo direto aos efeitos e as consequências do assédio moral. Diante desta situação, as mulheres estão deixando o lado profissional falar mais alto e adiando o desejo de ser mãe. Outro fator importante analisado foi para saber se as trabalhadoras entrevistadas, já haviam presenciado algum ato de humilhação na empresa onde trabalham, com um colega ou amigo, sendo que 45,8% responderam que sim, sinal que as pessoas já sabem identificar o assédio moral e que o mesmo é uma realidade dentro das organizações. Outra situação preocupante analisada na pesquisa é que está ligada ao número de entrevistadas (16,7%) que já sofreram ato de humilhação na empresa onde trabalham. Os sintomas do assédio moral começam pelas humilhações, esse resultado é uma realidade que assusta, pois através do ato de humilhação que é provocado o desânimo e a frustração em relação ao trabalho. Observou-se que as entrevistadas já sofreram algum ato de humilhação (16,7%), tornando repetitivas durante os três primeiros meses de gestação, causando desconforto para mesma e diminuindo seu rendimento nas atividades. Da mesma forma foi analisado que 29,2% das trabalhadoras foram vítimas de algum desconforto no período gestacional dentro da empresa, deixando-as angustiadas e tornando o clima no ambiente de trabalho desagradável, isso mostra que as mulheres não são respeitadas principalmente no período gestacional. Relacionando o período gestacional com o trabalho dentro das empresas, as trabalhadoras entrevistadas (41,7%), afirmaram que só tiveram a compreensão de alguns colegas quando não podiam mais executar suas tarefas normalmente e 33,3% das trabalhadoras tiveram a compreensão dos chefes, dificultando desta forma a relação trabalho e gestação. Isso mostra que as empresas não estão preparadas para lidar com as trabalhadoras no período gestacional, dificultando o desempenho e desmotivando-as com relação ao seu trabalho. Seria importante que as empresas trabalhassem enfocadas nos aspectos analisados procurando saber as causas, eliminando este mal, e desta forma procurar ter consciência da gravidade e as consequências que o assédio moral pode provocar na vida das pessoas, assim proporcionando qualidade de vida tanto no ambiente de trabalho como na sociedade. O trabalho foi realizado na indústria, com mulheres que trabalham na área de produção viabilizando a necessidade das mesmas tornar seus direitos realidade com a ajuda dos órgãos responsáveis e o apoio da sociedade frente esta situação. Diante desta situação sugere-se a aplicação da pesquisa com mulheres que trabalham em outras áreas. Com certeza são pessoas carentes de informações e precisam conhecer seus direitos e a quem recorrer. Quanto mais pessoas souberem que o assédio moral existe e a maneira como ele se manifesta, mais terão condições de evitar que o mesmo aconteça. Referências BARRETO, Margarida Maria Silveira. Assédio Moral: o risco invisível no mundo do trabalho Disponível em: <http://www.redesaude.org.br/j25/html/bodyjr25margarida>. 8

9 Acesso em: jul BALLONE, GJ. Síndrome de Burnout: In. Psiq Web Psiquiatria Geral Disponível em: <http://www.redepsi.com.br/portal/modules/soapbox/article.php?articleid=48>. Acesso em: jul BATIZ, Eduardo Concepción; NAATZ, Sandro e SERAFIM; Ângela Mari. O Assédio Moral e sua influência nos trabalhadores. Anais do Congresso da ANAMT, Vitória, Espírito Santos, Brasil, DORIN, Lannoy. Enciclopédia de Psicologia Contemporânea. São Paulo: Ed. Iracema, FONTANA, A; ROCHA, M. Manual do chefe incompetente. Você S.A. Exame, São Paulo, n. 41, p , nov GUEDES, Novaes, Márcia, Juíza do Trabalho na Bahia. Revista LTr, v. 67, n. 02, p Ed. LTr. São Paulo, HIRIGOYEN, Marie-France. El Acoso Moral en el trabajo. Proyecto NRL Metal. Estrategias preventivas desde el enfoque de género para las PYME. Valencia, LEVY. E. Relaçoes Humanas na Indústria. Manual CNI, Rio de Janeiro LIMA, C. Amarildo; PEREIRA, Simone. A aferição do assédio moral nas relações de trabalho: desafios e possibilidades. São Paulo: Fama Editora, MENEZES, C. A. C. de. Assédio Moral e seus efeitos jurídicos. Gênesis, Curitiba, v. 1, n. 118, p , out

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: DESAFIO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR 2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO (VIOLÊNCIA) MORAL

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região Av.

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho

ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho Conferência sobre Assédio Moral: Uma Realidade no Local de Trabalho? Ana Paula Viseu UGT 7 de Março de 2009 1 TIPOLOGIA DO ASSÉDIO Assédio sexual Assédio

Leia mais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro,

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro, Ana Dantas A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro, um grupo ou uma comunidade, que cause ou

Leia mais

Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br

Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br Fontes consultadas: HIRIGOYEN, Marie-France. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO 1 CONCEITO Dano Moral Assédio Moral 2 Assédio Moral no Trabalho Conduta sem conotação sexual, ligada ao abuso de poder e caracterizada por práticas de humilhação e

Leia mais

Brasília, outubro de 2011

Brasília, outubro de 2011 Brasília, outubro o de 2011 1 Sumário Apresentação... 3 O que é assédio moral... 4 Como identificar o assédio moral... 4 Quem é o agressor?... 4 Danos ao agredido... 5 Exemplos de assédio moral... 5 Como

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002 CO/42 O MAL-ESTAR QUE VEM DA CULTURA ORGANIZACIONAL, Pinheiro, Adriana de Alencar Gomes, Socióloga e Psicóloga,

Leia mais

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de:

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: Novas relações de trabalho/precarização Pressões por produtividade Desumanização do ambiente de trabalho

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS

OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS É possível matar alguém só com palavras? A humilhação, gesto, palavras ofensivas no ambiente de trabalho ou qualquer outro

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Versão 1.0 RES nº 101/2014, 09/12/2014 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Conceitos... 3 4. Referências... 4

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho

O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho Aline Peixoto Monteiro Psicóloga Organizacional Recrutamento, Seleção e Acompanhamento Desenvolvimento Humano Origem do Assédio Moral Década de 80: primeiros

Leia mais

CAROS SERVIDORES (AS),

CAROS SERVIDORES (AS), CAROS SERVIDORES (AS), A diretoria do Sindicato dos Servidores Municipais de Jaboatão dos Guararapes (SINSMUJG), no intuito de informar e combater o crime de assédio moral, prática que vem ocorrendo com

Leia mais

Assédio moral como patologia da solidão e do silêncio

Assédio moral como patologia da solidão e do silêncio Assédio moral como patologia da solidão e do silêncio Seminário Internacional de Ouvidorias-Ombudsman Brasil-Canadá Fortaleza julho 2009 João Batista Ferreira - Banco do Brasil INTERPESSOAL GRUPAL ORGANIZACIONAL

Leia mais

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros Janeiro 2015 1. INTRODUÇÃO Quatro em cada dez consumidores consideram-se desorganizados financeiramente, mas sete em cada dez

Leia mais

SOBRE O DOSSIÊ EDUCAÇÃO:

SOBRE O DOSSIÊ EDUCAÇÃO: SOBRE O DOSSIÊ EDUCAÇÃO: Distribuição realizada na Assembleia Unificada do SEPE-RJ, dia 15 de maio de 2014, no Clube Municipal, na Tijuca (RJ). O que é o DOSSIÊ EDUCAÇÃO? É um documento que trata da estrutura

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO FERRAZ, Neila Borges 1 RESUMO O presente trabalho apresenta uma abordagem sobre o Assédio moral no ambiente de trabalho, tendo como a principal finalidade analisar

Leia mais

Assédio Sexual. No Local de Trabalho. Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03

Assédio Sexual. No Local de Trabalho. Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03 Assédio Sexual No Local de Trabalho Série Trabalho e Cidadania - ANO I - N O 03 No início de tudo está a questão de Gênero Desde que nascemos, recebemos uma grande carga cultural que destaca - e distancia

Leia mais

ASSÉDIO MORAL. é ilegal e imoral, DENUNCIE!

ASSÉDIO MORAL. é ilegal e imoral, DENUNCIE! ASSÉDIO MORAL é ilegal e imoral, DENUNCIE! ASSÉDIO MORAL é ilegal e imoral, denuncie! Índice Edição...02 Apresentação...03 Introdução...04 O que é Assédio Moral...05 Como acontece o Assédio Moral...06

Leia mais

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA O enfrentamento do BULLYING, além de ser uma medida disciplinar, também é um gesto cidadão tremendamente educativo, pois prepara os alunos para a aceitação, o respeito

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR

BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR Eder Machado Silva * Resumo: O presente artigo tem por objetivo abrir uma discussão sobre essa visão de violência

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

Assédio Moral contra Mulher nas Relações de Trabalho: uma reflexão sobre suas conseqüências econômicas e psicológicas

Assédio Moral contra Mulher nas Relações de Trabalho: uma reflexão sobre suas conseqüências econômicas e psicológicas Assédio Moral contra Mulher nas Relações de Trabalho: uma reflexão sobre suas conseqüências econômicas e psicológicas Alexandre Rui Neto Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 1 Introdução O ambiente

Leia mais

Atividades sugeridas e elaboradas pela autora

Atividades sugeridas e elaboradas pela autora Maria Helena Pires Martins Atividades sugeridas e elaboradas pela autora Caro(a) Professor(a) EU E OS OUTROS As regras da convivência Caro(a) Professor(a) Solicite à Editora Moderna o Guia dos professores

Leia mais

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying = Violência?? 2 Violência versus Bullying 3 São duas realidades que costumam andar lado a lado mas que não são sinónimos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

PREVENÇÃO EM DROGAS: MAXIMIZANDO RESULTADOS POR MEIO DE DINÂMICAS DE GRUPO 1

PREVENÇÃO EM DROGAS: MAXIMIZANDO RESULTADOS POR MEIO DE DINÂMICAS DE GRUPO 1 PREVENÇÃO EM DROGAS: MAXIMIZANDO RESULTADOS POR MEIO DE DINÂMICAS DE GRUPO 1 Patrícia Rodrigues 2 Solânia Durman 3 Ana Cristina Damiam 4 Vera Lúcia Martins 5 Salete Scheid 6 Elionésia Marta dos Santos

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE 6 A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE Ana Paula Santos; Camile Haslinger Cássia Ferrazza Alves Elenara Farias Lazzarotto Da Costa Ligia Andrea Rivas Ramirez Cristina

Leia mais

Mulheres: violência no trabalho e na vida. Melayne Macedo Silva Marcha Mundial das Mulheres

Mulheres: violência no trabalho e na vida. Melayne Macedo Silva Marcha Mundial das Mulheres Mulheres: violência no trabalho e na vida Melayne Macedo Silva Marcha Mundial das Mulheres As raízes da violência Padrão social Mulher Proprie dade Masculi nidade Capitalismo Base material da violência:

Leia mais

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS CURITIBA 2104 GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER

Leia mais

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR

TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR TRABALHO DOCENTE E SAÚDE DO PROFESSOR Carla Roane de Souza Santana¹; Ana Priscila da Silva Lima²; Albertina Marília Alves Guedes³ ¹Aluna do curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal do Sertão

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

Guia prático para professores

Guia prático para professores Guia prático para professores Não, Não e NÃO! Comportamentos de Oposição e de Desafio em sala de aula Sugestões práticas da: Nem todas as crianças são iguais, já ouvimos dizer muitas vezes.. Desde cedo,

Leia mais

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas Colégio I.L.Peretz Setembro/2011 Qual o lugar da Família nesta reflexão? Profa. Dra. Elizabeth Polity Penso que vivemos um momento

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE

GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE O Instituto Methodus, sendo especialista em Pesquisa, tomou a iniciativa de estudar a Geração da Conectividade, investigando como agem, pensam e se relacionam os jovens. Patrocínio

Leia mais

Comunicação Não-Violenta

Comunicação Não-Violenta Comunicação Não-Violenta Setembro 2014, São Paulo Palestrante: Sven Fröhlich Archangelo XII Congresso Latino-Americano de PNL Julgamentos Egoista, incompetente, dono da verdade, mentirosa, grosseiro,

Leia mais

EXPEDIENTE. Organizadores da cartilha: Marcelo Serafim - Secretário de Imprensa e Divulgação

EXPEDIENTE. Organizadores da cartilha: Marcelo Serafim - Secretário de Imprensa e Divulgação APRESENTAÇÃO Preocupado com a situação de assédio recorrente no ambiente escolar e demais setores da educação, o SINTE/SC decidiu elaborar esta cartilha sobre o assunto, com o objetivo de propiciar aos

Leia mais

O Ambiente de trabalho em equilíbrio e livre de ASSÉDIO MORAL E SEXUAL

O Ambiente de trabalho em equilíbrio e livre de ASSÉDIO MORAL E SEXUAL O Ambiente de trabalho em equilíbrio e livre de ASSÉDIO MORAL E SEXUAL APRESENTAÇÃO Para contribuir com o desenvolvimento das pessoas em uma organização e torná-las ainda mais produtivas, é preciso um

Leia mais

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Resumo Manter um ambiente de trabalho adequado à realização

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

A escola (Paulo Freire)

A escola (Paulo Freire) A escola (Paulo Freire) Escola é... O lugar onde se faz amigos, não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos... Escola é, sobretudo, gente, gente que trabalha, que estuda,

Leia mais

1- É importante conhecer os nossos pensamentos?

1- É importante conhecer os nossos pensamentos? DEFEITOS NO PENSAMENTO. E AGORA? Nosso pensamento ocorre de modo contínuo e automático, continuamos produzindo pensamentos até quando dormimos. São eles que determinam se teremos emoções e comportamentos

Leia mais

Rh News. RH News. Gestão de RH. Relações Trabalhistas. Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida

Rh News. RH News. Gestão de RH. Relações Trabalhistas. Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida Gestão de RH Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida Relações Trabalhistas Rh News RH News Quais são as causas mais comuns de reclamações trabalhistas nas empresas? Reclamações trabalhistas mais comuns Horas

Leia mais

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL (2006) Francisco Tosta Graduado em Administração de Empresas pela PUC/PR, Brasil Acadêmico de Psicologia da Universidade Tuiuti do Paraná, Brasil A frequentar

Leia mais

O que Realmente Funciona

O que Realmente Funciona Prisão de Ventre O mal conhecido como intestino preguiçoso, obstipação ou prisão de ventre atinge cerca de um em cada cinco pessoas. O tratamento é bastante simples, mas, na falta dele, a prisão de ventre

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente

Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Cartilha Assédio Moral, Sexual e Discriminação José Roberto Arruda Governador Paulo Octávio Vice-Governador Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Antônio Gomes Presidente

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA 2013 Luciano Nadolny Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Leia mais

A importância da família no processo de educar

A importância da família no processo de educar A importância da família no processo de educar A mim me dá pena e preocupação quando convivo com famílias que experimentam a tirania da liberdade em que as crianças podem tudo: gritam, riscam as paredes,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Assédio Moral: proposta de criação de uma comissão como meio de formalização de queias, prevenção e intervenção

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sétimos anos Data: 25/5/2012 Proposta: Sensibilizar e esclarecer os alunos

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Qualidade de vida. Pesquisa realizada. Gestão de RH. Qualidade de vida no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Qualidade de vida. Pesquisa realizada. Gestão de RH. Qualidade de vida no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Qualidade de vida no trabalho Qualidade de vida O que é? Por que se tornou tão importante? Quais são seus impactos nas organizações? Pesquisa realizada Qualidade

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

Décima Primeira Lição

Décima Primeira Lição 70 Décima Primeira Lição AUTORIDADE NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS A EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO LAR A) O lar tem suma importância na vida humana, pois é o berço de costumes, hábitos, caráter, crenças e morais de cada

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

ESTRATÉGIA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE MENTAL: PRODUÇÃO DE VÍDEO DOCUMENTÁRIO SOBRE BULLYING

ESTRATÉGIA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE MENTAL: PRODUÇÃO DE VÍDEO DOCUMENTÁRIO SOBRE BULLYING ESTRATÉGIA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE MENTAL: PRODUÇÃO DE VÍDEO DOCUMENTÁRIO SOBRE BULLYING Maria Cristina Soares Guimarães 1, Carlos Eduardo Estellita-Lins 1, Cícera Henrique da Silva 1, Rosane Abdala Lins

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS 2010 Fernanda Garcia Resende Bárbara Terra Ávila Estudantes de Psicologia - Centro Universitário

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador Prevenção do bullying Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador O que é bullying? Bullying não é um conflito nem uma briga. O bullying é o abuso físico, verbal ou emocional deliberado,

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais