OS SIGNIFICADOS DA DANÇA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO DO GRUPO DE MULHERES IDOSAS DO BAIRRO MORADA DO SOL DA CIDADE DE IJUÍ RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS SIGNIFICADOS DA DANÇA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO DO GRUPO DE MULHERES IDOSAS DO BAIRRO MORADA DO SOL DA CIDADE DE IJUÍ RS"

Transcrição

1 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DHE DEPARTAMENTO DE HUMANIDADES E EDUCAÇÃO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA OS SIGNIFICADOS DA DANÇA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO DO GRUPO DE MULHERES IDOSAS DO BAIRRO MORADA DO SOL DA CIDADE DE IJUÍ RS KEITY RIGODANZO BRANDLI Ijuí RS 2015

2 1 KEITY RIGODANZO BRANDLI OS SIGNIFICADOS DA DANÇA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO DO GRUPO DE MULHERES IDOSAS DO BAIRRO MORADA DO SOL DA CIDADE DE IJUÍ RS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Educação Física, da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), como requisito parcial para a obtenção do grau de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física. Orientadora: Profª Ms. Stela Maris Stefanello Stefanello Ijuí RS 2015

3 2 KEITY RIGODANZO BRANDLI OS SIGNIFICADOS DA DANÇA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO DO GRUPO DE MULHERES IDOSAS DO BAIRRO MORADA DO SOL DA CIDADE DE IJUÍ RS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Educação Física, da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), como requisito parcial para a obtenção do grau de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física, defendido perante a banca abaixo subscrita. Profª Ms. Stela Maris Stefanello Stefanello Orientadora Examinador(a) Ijuí RS, fevereiro de 2015

4 3 AGRADECIMENTOS Aos meus pais Ivo e Dilene, ambos são responsáveis por cada sucesso obtido e cada degrau avançado para o resto de minha vida, amo vocês. Agradeço meu irmão Willian, pela expectativa e credibilidade. Agradeço profundamente ao Anselmo Turra Neto, por sua paciência, compreensão e companheirismo, concedidos em momentos difíceis e até mesmo de ausência. E também a toda sua família, que tantas vezes foi minha também. Agradeço a todos os professores do Curso de Educação Física da UNIJUÍ, que contribuíram para minha formação profissional e pessoal. À minha orientadora Stela, pela paciência e carinho com que sempre me acolheu, por sempre me ajudar e por ser essa pessoa incrível que é e que admiro tanto e sou fã. Agradeço a Deus pelas pessoas maravilhosas que tenho comigo, pela minha vida e por tudo o que sou até hoje. Por fim, agradeço às alunas queridas, às quais vou lembrar para sempre, que disponibilizaram seu tempo para realizar minhas pesquisas e entrevistas junto à dança, fundamentais para o meu tão esperado Trabalho de Conclusão de Curso.

5 4 RESUMO Este estudo teve como objetivo investigar a importância da dança no processo de envelhecimento das idosas, que foi realizado com um grupo de seis mulheres de 54 a 84 anos de idade que frequentam o Grupo Vida Ativa, localizado no Bairro Morada do Sol, na cidade de Ijuí RS. O projeto é de natureza exploratória, onde o estudo foi desenvolvido através de análise qualitativa descritiva, sendo que os dados foram obtidos através de observações das aulas e por meio de entrevistas semiestruturadas. O movimento de análise foi realizado a partir de recortes das narrativas das participantes entrevistadas. Para a análise dos resultados construíram-se categorias dos conteúdos coletados, as quais se encaminharam para os significados atribuídos à dança em geral, expressos nas narrativas das idosas em relação às atividades desenvolvidas. Para a escolha do grupo estudado foi considerada a aproximação com as alunas junto à dança, julgando ser a turma ideal para este trabalho, contendo doze participantes, com idades e realidades diferentes. Para a coleta de dados, o trabalho contou com entrevistas das alunas, em forma de anamnese e gravação. A partir disso, revelou-se que a dança possibilita o acesso a conhecimentos e incentiva a prática, retardando o envelhecimento. As idosas relatam que, através das aulas práticas, adquiriram mais autonomia em relação às próprias questões corporais e que fizeram destas um incentivo para uma melhor qualidade de vida. Palavras-chave: Idosas. Corpo. Envelhecer.

6 5 ABSTRACT This study aimed to investigate the importance of dance in the aging process of the elderly, which was conducted with a group of six women years of age who attend the Grupo Vida Ativa, located in Morada do Sol District, in the town of Ijuí RS. The project is exploratory in nature, as the study was conducted using descriptive qualitative analysis, therefore, data were obtained through observations of classes and through semi-structured interviews. The analysis movement was performed from clippings of the narratives by interviewed participants. To analyze of the results were constructed categories of the collected contents, which made their way to the meanings attributed to dance in general, expressed in the narratives of the elderly in relation to the activities. For the choice of the study group was considered the approach to the students by the dance, thinking it the ideal class for this work, containing twelve participants of different ages and backgrounds. For data collection, the work included interview of the students in form of anamnesis and recording. From that was revealed that dance provides access to knowledge and encourages the practice, delaying aging. Older report that, through practical classes, they acquired more autonomy from their own body issues and also made these an incentive for better life quality. Keywords: Elderly. Body. Aging.

7 6 LISTA DE ANEXOS ANEXO A Roteiro de Entrevista para as Mulheres Idosas do Grupo Vida Ativa do Bairro Morada do Sol ANEXO B Anamnese ANEXO C Termo de Consentimento Livre e Esclarecido... 43

8 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O CORPO DA IDOSA O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO MULHER NA TERCEIRA IDADE O CORPO DA IDOSA NA CONTEMPORANEIDADE A DANÇA À FAVOR DA IDOSA HISTÓRIA DA DANÇA OS BENEFÍCIOS DA DANÇA A DANÇA VOLTADA PARA A IDOSA PERCURSO METODOLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DO ESTUDO POPULAÇÃO E AMOSTRA PROCEDIMENTOS INSTRUMENTO CUIDADOS ÉTICOS PROCEDIMENTOS PARA A ANÁLISE E DISCUSSÕES DOS DADOS ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS DISCURSOS DAS IDOSAS AS IDOSAS E SUAS VIVÊNCIAS COM AS ATIVIDADES FÍSICAS AS EXPERIÊNCIAS COM A DANÇA O PENSAR SOBRE O ENVELHECER CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 39

9 8 INTRODUÇÃO Este trabalho foi desenvolvido pela curiosidade de saber mais sobre as mulheres na terceira idade. Então, através deste trabalho, tenho a oportunidade de sanar minhas dúvidas sobre como essas idosas se veem ao longo do tempo e poder compreender a história de vida delas em relação ao corpo. Em nível global o mundo está marcado por profundas transformações. Os avanços tecnológicos da ciência e da medicina estão modificando hábitos e costumes no dia a dia das mulheres em toda a parte. O envelhecimento, de acordo com Fortes (2008), é um processo fisiológico e não está necessariamente ligado à idade cronológica. Geralmente ele está unido a modificações do corpo como o aparecimento das rugas, dos cabelos brancos e diminuição das capacidades físicas. O envelhecimento humano é um processo gradual, irreversível e incontrolável, mas podemos amenizar, cuidando da qualidade de vida. Para Nahas (2001, p. 111): A atividade física regular reduz o risco de uma pessoa desenvolver várias doenças crônicas além de proporcionar os seguintes benefícios: reduzir o risco de morte prematura por todas as causas; reduzir o risco de morte por doenças cardíacas; reduzir o risco de desenvolver diabetes; reduzir o risco de desenvolver hipertensão; ajudar no controle da pressão arterial em pessoas hipertensas; reduzir a sensação de depressão e ansiedade; manter a autonomia e independência do idoso; auxiliar no controle de peso corporal; auxiliar no desenvolvimento e manutenção de ossos; músculos e articulações saudáveis; ajudar indivíduos idosos a manter a força muscular e o equilíbrio, dando-lhes mobilidade e reduzindo quedas; promover o bemestar psicológico e autoestima. Para esta população a atividade física, de qualquer natureza, serve para amenizar ou estabilizar inúmeras patologias. É fato que todo idoso deve ser

10 9 valorizado, respeitando suas preferências nas práticas esportivas. De acordo com Dantas e Oliveira (2003, p. 262): O início de qualquer programa de atividade física é acompanhado de algumas alterações no sistema cardiovascular e, certamente, os riscos dessa atividade para idosos não devem ser ignorados. Evidentemente, o processo de envelhecimento promoveu algumas deteriorações nos sistemas, desta forma, a moderação é a melhor prevenção. Sabendo que a prática regular da atividade física pode melhorar a qualidade de vida do indivíduo, neste sentido levar a dança para a idosa, é um exercício que modifica padrões tanto nos aspectos físicos, psicológicos e sociais. A dança aparece como uma ótima opção de trabalhar e desenvolver mais o corpo e, consequentemente, a mente das mulheres nesta faixa etária. É importante observar que, muitas vezes, a idosa não necessita somente melhorar a força, o equilíbrio, a resistência e a destreza para manter sua capacidade funcional e ter uma boa qualidade de vida, mas também precisa de carinho, atenção, cuidados, lazer, contato social e autoestima, fatores que as atividades físicas podem proporcionar. A prática da dança tende a desenvolver as mulheres integralmente, por ser considerada uma atividade física completa, fornecendo às mulheres, força muscular, sustentação, equilíbrio, potência aeróbica, movimentos corporais de total amplitude e mudanças do estilo de vida. Poder demonstrar as emoções através da dança é um exercício imprescindível para deixar o corpo e a mente dessas mulheres leves, que na maioria das vezes encontram na dança o único refúgio para liberar a angústia que carregam em seu organismo. Esta pesquisa tem por objetivo investigar o significado da dança no processo de envelhecimento das mulheres idosas do Bairro Morada do Sol da cidade de Ijuí RS. Este estudo foi dividido em quatro capítulos. No primeiro capítulo utilizamos a revisão bibliográfica para ter um embasamento teórico sobre a terceira idade, o corpo e o processo de envelhecimento da mulher. No segundo capítulo apresentamos a dança, sua história e seus benefícios. No terceiro capítulo trazemos a caracterização do estudo, sua população e sua amostra. A população é composta por doze mulheres, mas a amostra da

11 10 pesquisa contou com a participação de seis mulheres, pois só foi selecionado quem pratica atividades há mais de dois anos no grupo. Já no quarto e último capítulo apresentamos os resultados coletados através da anamnese aplicada e do roteiro de entrevista, podendo analisar se a proposta de trabalho do grupo tem exercido influência no seu estilo de vida.

12 11 1 O CORPO DA IDOSA 1.1 O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Não só o Brasil, mas o mundo está ficando mais velho. Temos menos crianças nascendo e mais pessoas com uma perspectiva de vida mais longa. Desta forma, conhecer este fenômeno se faz necessário. A velhice deve ser vista e vivida através de suas potencialidades, sendo que esta oferece uma maior longevidade com qualidade para nossos idosos. Desde o momento em que nascemos já iniciamos o processo de envelhecimento, passando por transformações, como redução da massa magra, cabelos brancos, pele enrugada (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 25). Atualmente, explicam Ferreira e Simões (2011), a probabilidade de viver mais de 60 anos é grande, pela consequência do aumento da expectativa de vida, em função das melhorias das condições básicas de saúde, de vida, de trabalho, de educação e dos avanços tecnológicos da medicina. Para a Organização das Nações Unidas (1982) são considerados idosos os seres humanos com 65 anos ou mais, em países desenvolvidos; e nos países em desenvolvimento, aqueles com 60 anos ou mais, como é o caso do Brasil. Ao comentar sobre a idade cronológica do sujeito mostrando que é o principal indicador para determinar a faixa etária de uma população. Ferreira e Simões (2011, p. 18) afirmam que: Ela só quantifica o tempo que se passou a partir do dia em que nascemos, ou seja, tempo de existência do nascimento à morte. No entanto, não podemos deixar de considerar que há também a idade existencial, que foge do padrão cronológico, embora a literatura priorize uma reflexão mais temporal e, portanto, alicerçada em padrões biológicos. Ou seja, a idade cronológica vai medir esse tempo que o sujeito passou. Porém, devemos envelhecer com mais qualidade de vida, pois envelhecer é a fase onde o idoso tem mais experiência e sabedoria e isso não pode ser deixado de lado. Segundo Cagigal (apud PONT GEIS, 2003, p. 20).

13 12 O idoso deve ter atitudes positivas na vida, e a primeira dessas atitudes básicas é aprender a ser ele mesmo, aprender a viver consigo mesmo, a conhecer-se da forma como é, com suas dimensões reais, espaciais, temporais, corporais, espirituais. Claro que o envelhecimento mostra que ocorrem diversas transformações com o corpo, cada sujeito da sua maneira e isso tudo faz parte do nosso desenvolvimento humano, os efeitos das mudanças influenciam no fisiológico, cognitivo, psicológico e social. No envelhecimento fisiológico as alterações ocorrem por todos os sistemas do organismo, de maneiras diferentes, cada qual no seu ritmo, sendo que as mudanças são nítidas e fazem parte do desenvolvimento normal da espécie humana (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 25). As deficiências funcionais aparecem de maneira discreta no decorrer da vida da mulher idosa em relação ao sistema nervoso, responsável pela vida de relação (sensações, movimentos e funções psíquicas) e pela vida vegetativa (funções biológicas internas), há alterações significativas em nível morfofuncional, químico e fisiológico (CANÇADO; HORTA, 2002). A visão, a audição, os sistemas circulatório e vascular também são alterados (CANÇADO; HORTA, 2002). A função do coração é tão afetada, como os pulmões e o sangue. A ocorrência de alterações relacionadas à idade ou aos processos mórbidos nesses sistemas influencia diretamente a função cardíaca (COHEN, 2001). A simples perda de massa muscular, uma consequência desse processo, implica a diminuição do metabolismo e assim favorece ganho de peso para quem não diminui a ingestão de calorias. A musculatura fica fraca e isso significa um maior risco de aumento da pressão arterial durante um esforço, tendo dificuldade em realizar tarefas do dia a dia (SABA, 2003). No envelhecimento cognitivo, com o passar dos anos, é possível compreender o declínio das funções cognitivas, tais como perda de memória, principalmente àquelas relacionadas a números, nomes de pessoas, localização de lugares e objetos guardados e, até mesmo, a velocidade de processar certas informações (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 31). Segundo Vieira e Koenig (apud FERREIRA; SIMÕES, 2011), cognição é o termo empregado para descrever toda a esfera de funcionamento mental que implica a habilidade para sentir, pensar, perceber, lembrar, raciocinar, formar estruturas

14 13 complexas de pensamento e a capacidade para produzir respostas às solicitações e estímulos externos. É importante ressaltar que existem variáveis no declínio cognitivo relacionadas à saúde, pois fatores individuais podem influenciar esse processo. Além da saúde e de cada indivíduo o nível global e as capacidades mentais são o que diferenciam estas transformações, variando de pessoa para pessoa, e o idoso passa a ter dificuldades de aprendizagem. A falta de alguns movimentos básicos ou a dificuldade em executá-los, tem reflexos na independência do idoso, pois todos os seus hábitos de vida diária tornam-se comprometidos devido à incapacidade de resolver algo sozinho (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 33). Embora o idoso apresente dificuldades nas realizações do dia a dia, nas tarefas do lar ou em resolver problemas rápidos, ele não deve se excluir da sociedade e nem de si mesmo, pois todas as pessoas vão passar por dificuldades em algum momento de sua vida. No aspecto psicológico, o idoso já passou por várias fases da vida e ele começa a se adaptar com as novas mudanças por dentro e por fora de seu corpo. Alguns idosos vivem a vida tranquilamente, conseguem se virar sozinhos e, entretanto, outros já começam a cair num isolamento crescente. Na parte psicológica devemos mostrar que o idoso deve valorizar-se, como foi no passado e como será no presente. De acordo com Ferreira e Simões (2011, p. 36): Não podemos dizer que as experiências que o idoso vivenciou no passado, sejam mais importantes do que as experiências que ele vive hoje, nem devemos encarar como regra o fato de que todos os idosos possuem uma projeção menor para o futuro. Isso levaria a uma generalização, visto que existem várias formas de reação de indivíduo para indivíduo diante de determinada situação. Considerando a colocação acima, convém destacar que o idoso começa a perceber que ele não é mais visto pelos outros como antigamente e começa a se sentir estranho no próprio meio onde vive. Cada pessoa vai se comportar de maneira diferente a diversas situações e independente da fase em que estamos somos seres humanos de qualquer forma, se novos ou velhos, jovens ou idosos, nossos

15 14 sentimentos são únicos e próprios de cada pessoa. Por fim, Costa (1998, p. 33) ressalta que: A idade pessoal é aquela que o seu espírito sente, em que a sensação de estar com uma idade respectiva é mais forte do que qualquer ruga na face. Não existe, por conseguinte, a avaliação ou impressão do outro, isto é, nessa situação ela não é revelada. Somos nós que prescrevemos nossa idade, segundo aquilo que sentimos interiormente. Cada pessoa possui sua idade individual, não importa quantos anos você tenha, pode ter oitenta anos e ter mais qualidade de vida que um jovem, o que importa é a pessoa se sentir bem e feliz independente dos anos que se passaram. O envelhecimento social abrange vários aspectos, tanto no espaço privado que mostra a família e a sexualidade e no aspecto público o seu trabalho e aposentadoria, isso tudo está interligado a características ligadas pela sociedade. Simões (1998, p. 30) faz a seguinte análise desse processo: O homem é originariamente um ser social desde o seu nascimento, entra em funcionamento uma complexa estrutura e um complicado potencial que, através de vários processos de socialização, adquire condutas rígidas conforme as normas da sociedade. A família é a parte principal na vida do ser humano. E para o idoso significa a base de tudo, pois é na família que estão descritas todas as suas histórias de vida, seu passado, seu presente e o entusiasmo para viver o futuro (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 39). A família, que tem como responsabilidade prezar e cuidar de seus antecessores deve manter uma relação saudável, pois é seu dever garantir o bem-estar dos mesmos. Torna-se necessário e fundamental o convívio entre os sujeitos, pois dessa forma é possível envelhecer de forma saudável e num ambiente familiar. Dentro deste ambiente é importante que: Fosse considerado também, o querer conviver juntos, o querer compartilhar, fortalecendo a missão e a responsabilidade de cada um dentro do seu convívio, gerando respeito, amor e cumplicidade para viver a nova fase da vida que é envelhecer (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 41). A vida sexual do idoso parece um grande tabu, pois é difícil imaginar que nessa fase da vida é possível manter um relacionamento sexual ativo. Convém destacar que manter a sexualidade na velhice representa uma forma de se sentir

16 15 vivo, buscar o prazer e compartilhar o amor, criando laços afetivos mais intensos em seus relacionamentos, podendo ser considerada uma necessidade básica nesta fase (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 42). A sexualidade e a relação sexual são fatos distintos. A relação sexual não ocorre apenas com penetração, mas também através de carinhos, como carícias, gestos, maneira de se olhar. Mas tanto um como o outro são importantes para a vida do idoso, que muitas vezes são impregnados pelos preconceitos influenciados pela cultura, até mesmo na família os próprios filhos têm dificuldades em aceitar que seus pais têm desejos sexuais. Em relação aos preconceitos, são percebidos desde: a infância, pois os meios sociais, família, escola e amigos estabelecem o tipo de comportamento que devemos ter referente à nossa sexualidade, consequentemente determinam como se comportar como mulher e como homem (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 43). A relação sexual muda para a vida do idoso. De acordo com Ferreira e Simões (2011) isso ocorre na mulher e no homem, na mulher idosa com a chegada na menopausa pode alterar sua sexualidade, pela falta de lubrificação vaginal, podendo mudar sua estrutura e função corporal, influenciando sua autoestima. E, no homem, ocorre redução na ereção, tornando frustrante para o homem, mas esse é um processo fisiológico normal e comum do envelhecimento, mas que afeta a vida social do idoso. Com a relação sexual afetada, o idoso tem que descobrir novas possibilidades de se relacionar. Outro dado relacionado ao aspecto social é o trabalho, já que com o aumento da população grande parte recebe um valor mínimo para sobreviver e isso faz com que o idoso volte ao trabalho para aumentar sua renda. Para as empresas vale mais a pena do que um jovem, pela experiência, não precisam enfrentar filas e nem pagar transporte e não recolhe INSS, pois o idoso já é aposentado, claro que é importante a inclusão do idoso, mas há risco de ter manipulação e preconceito no processo de envelhecimento, explicam Ferreira e Simões (2011). Ou seja, é de grande importância destacar e valorizar a experiência do idoso, não diminuindo o mesmo. Por outro lado, se o idoso se aposentar e sair do mercado pode levar frustrações e sensações de inutilidades por perdas de papéis sociais e também um declínio no seu padrão de vida, devido aos baixos rendimentos salariais advindos da aposentadoria (FERREIRA; SIMÕES, 2011, p. 46). Mostrando

17 16 que parar de trabalhar significa perdas na área profissional, na família e na sociedade. É importante ressaltar que o idoso deve fazer suas próprias escolhas, tanto nos aspectos fisiológicos, cognitivos, psicológicos e sociais. Nesta fase o idoso já passou por várias experiências na vida, tanto boas quanto ruins. E com isso deve aproveitar esse ciclo, permitindo-se amar do jeito que é, preenchendo seu tempo com novos afazeres, ocupando a mente com coisas boas e aceitando perdas para desprendê-las de si e ser capaz de viver novas experiências. 1.2 MULHER NA TERCEIRA IDADE Passou o tempo em que o esporte era apenas para homens. Para Saba (2003), no período do século XX, as mulheres brigaram e conquistaram a competitividade ao lado dos homens, até mesmo no esporte e ainda reduziram a distância que havia entre as melhores performances feminina e masculina, ganhando assim mais lugares nas modalidades esportivas, provando que a atividade física pode ser universal. Com essa nova fase foi derrubada a crença em que só os homens podiam fazer modalidades de resistência, assim apareceram revelações femininas nas lutas, jogos com bola, no atletismo, no fisiculturismo e várias outras. Atualmente, sabe-se que a prática regular proporciona para a mulher, além dos benefícios habituais também aos homens, uma série de melhorias exclusivas. Segundo Saba (2003, p. 282), a atividade física tem comprovado sua eficácia em diversos aspectos da saúde feminina, desde a redução de incômodos estéticos, como a celulite, até prevenção de cânceres ginecológicos e depressão [...]. Portanto, essa mulher conquistou seu espaço no mundo, seja no esporte, no trabalho ou no lar, mas sua biologia feminina se difere da biologia masculina em diversos aspectos. Saba (2003, p. 184) mostra que em algumas modalidades, essas diferenças não permitem que uma mulher, por mais treinada que esteja, alcance o desempenho de um homem esportista de alto nível na mesma modalidade.

18 17 Isso revela que a mulher tem o seu corpo diferente do homem. Saba (2003) revela que mulheres são mais baixas, bloqueando o crescimento numa idade mais precoce do que o homem; são mais leves, tendo a sua estrutura dos ossos menos densa ou mais fraca; têm o tronco mais longo e os membros mais curtos. Isso explica por que elas têm: mais equilíbrio quando paradas, ombros mais estreitos, massa muscular menor e por isso são menos fortes, menor densidade corporal, coração menor, pulmão menor, menores vias respiratórias, entre outros. Através de comportamentos preventivos e hábitos saudáveis a mulher habitua-se melhor com seu corpo durante suas múltiplas fases de desenvolvimento, desde a puberdade até a velhice. A atividade física bem exercitada estabiliza e aprimora o corpo da mulher, favorecendo o bem-estar e a sua beleza. 1.3 O CORPO DA IDOSA NA CONTEMPORANEIDADE Na sociedade contemporânea o corpo da idosa sofreu ao longo do tempo. Essa idosa atual busca qualidade de vida, uma vez que na sua juventude teve que deixar de lado seus anseios para ajudar nos serviços da casa. Segundo Camarano et al. (apud SANTOS, 2008), a idade cronológica é associada à idade biológica, manifestada em características físicas, como a pele enrugada, cabelos brancos, declínio do vigor físico, locomoção vagarosa, entre outros aspectos físicos, fisiológicos ou funcionais identificados como características de uma pessoa idosa, mas que são extremamente variáveis de indivíduo para indivíduo. De acordo com Neri (2001), a gerofobia, preconceitos e estereótipos às pessoas idosas com embasamentos em sua idade são modos negativos que surgem do medo que as gerações jovens têm do envelhecimento e de sua resistência em lidar com os desafios econômicos e sociais que estão relacionados ao aumento da população idosa. Outro fato que ocorre associado a este é o sexismo, preconceito de idade enfrentado pelas mulheres ao envelhecer, onde enquanto os homens de idade avançada são considerados rudes, grisalhos e viris, as mulheres estão enrugadas e em decadência. Segundo Salgado (1988), a terceira idade pode ter o lado positivo e ser tão ou mais frutífero e agradável para algumas mulheres. Viver ou estar só não significa sempre que uma mulher idosa esteja em solidão, a capacidade para estabelecer e manter amizades e relações com familiares, amigos, vizinhos e outros, pode ser uma

19 18 adaptação à solidão da velhice, ser uma maneira de dar um sentido de identidade positivo e de desenvolver novos papéis. Segundo Farinatti (2008, p. 39): [...] os aspectos socioculturais, econômicos e ecológicos se investem de uma importância tão grande para a saúde quanto os aspectos biológicos e de que os perfis de saúde e de enfermidade dependem das condições gerais da vida. Tudo influencia a atividade física e a saúde, é claro que outro fator importante é que o indivíduo experimente diversas atividades e escolha qual está de seu agrado, que encaixe na rotina e que não passe dos limites. Portanto, qualquer que seja a atividade física para a terceira idade, explica Saba (2003), vai continuar trabalhando a aptidão aeróbica, a força muscular, a flexibilidade, continua também prevenindo a osteoporose, a obesidade, ou seja, ainda que seja com menor potencial, o idoso continua podendo melhorar sua condição física através do exercício, mas o mais importante é poder ter capacidade de realizar as tarefas sozinho, proporcionando para o idoso a chance de confiar em si próprio.

20 19 2 A DANÇA À FAVOR DA IDOSA 2.1 HISTÓRIA DA DANÇA A dança é uma das manifestações mais antigas. Existe desde que o homem descobriu o som, o ritmo e o movimento. Desde que existe o homem, existe a dança. Alguns autores comentam que, antes mesmo de usar a palavra, o homem já se servia do movimento corporal para expressar seus sentimentos. Dançar era algo natural. Unindose a música ao gesto, nasceu a dança. Descobertos, o som, o ritmo e o movimento, o homem passou a dançar (GARCIA; HASS, 2003, p. 65). Para Garcia e Hass (2003), a dança, desde o surgimento nos tempos primitivos até a atualidade, possuía uma linguagem corporal moldurada e inserida sob influência das situações econômicas, sociais, políticas, religiosas e econômicas, presentes no desenvolver de regimes histórico-sociais, evocando suas necessidades, crenças, tradições, convenções, rebeldias na sua natureza artísticocultural e aparece em vários momentos na vida de todos. Segundo Ossona (1984, p. 41) tudo o que é já foi dançando, tudo o que foi já se dançou e, talvez, sem percebê-lo, tudo o que há de ser já o dançamos. Portanto, qualquer ser humano um dia já dançou na sua vida, cada qual no seu significado e movimentos. Através da natureza nasciam novos movimentos dançantes, permitindo a comunicação e a criação de vários ritos e registros, fazendo a relação homem e natureza. Os homens imitavam sons e movimentos dos animais para caça, apresentavam a ideia também de simular acasalamentos para a multiplicação de espécies, além disso, dançando jogavam água nas jovens para torná-las fecundas e sobre o solo para torná-lo fértil e as fases da lua eram imitadas em benefício de mulheres grávidas, fêmeas prenhas e sementes. E, através da dança, representavam por mímica do combate e da vitória, também a posse da mulher pelo homem, da terra pelo lavrador e sendo assim, o tema persistente nos rituais era a fertilidade: solos, mulheres, tempo, saúde, combate, guerreiros, caçadores e progenitores (SILVA, 2000, p. 149).

21 20 Com o passar do tempo, as cidades se modificaram e a dança também. A dança recebeu a caracterização, a ideia de grupo, cada um no seu ritmo e conseguiram assumir um papel importante de arte dominante do período. A dança muda para os gregos. De acordo com Silva (2000) a dança começa aparecer nos ritos religiosos, mitos, lendas, cerimônias cívicas, festas, treinamento militar, literatura e na educação. Para os romanos, explica Silva (2000, p. 150), a dança surgiu com menor intensidade e diversidade, ganhou caráter mais imitativo, sendo mais admirada como espetáculo, depois: com a queda do Império Romano, teatro e dança praticamente desapareceram, emigraram. Marginalizados, perseguidos, bandos de dançarinos e acrobatas passaram a levar uma vida miserável, de vilarejo em vilarejo, proibidos de quase tudo. Na Idade Média ocorre uma regressão na cultura. O cristianismo mostra a interferência na vida pública fechando teatros romanos, a Igreja transformou as danças de fertilidade e veneração de símbolo em danças de aleluia realizadas diante da porta da Igreja, nesse momento a dança erudita e a dança popular se separam. A erudita adquiria muita sofisticação, ocorria em pares, lenta e solene devido aos pesados trajes e ornamentos usados pelas castelãs e, também, devido ao coro: uma nobre não podia rodopiar e saltar como suas servas. Já, à dança popular, cabia a manifestação de sentidos confusos e fortes, (ex.: alegria e inquietude), os ritos, por não estarem sujeitos a regras, perdiam pouco a pouco a originalidade (SILVA, 2000, p. 151). Com isso, a dança modifica-se na Idade Média. De acordo com Silva (2000, p. 151), a dança improvisada cedeu lugar a uma dança organizada, surgindo a necessidade de anotar os passos da dança, codificar e criar repertórios de movimentos, sempre regrados pela presença do mestre que servia a corte e, portanto, elaborava danças conforme o gosto dos componentes do reino. Assim, a dança vai iniciando o estudo dos movimentos, dos passos, tornando profissional essa arte e a dança espetáculo se instaura. Entretanto, a dança passou a se tornar mecânica, tornando-se uma arte decorativa, eliminando a comunicação com emoção e variedade, aparecendo como uma dança sofisticada e ao mesmo tempo constante, sem linguagens variadas e vivas, explica Silva (2000).

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 6º ANO PROFESSORA:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO Ana Paula Sabchuk Fernandes UEPG ana-sabchuk@hotmail.com Rita de Cássia Oliveira soliveira13@uol.com.br Cintia Aparecida Canani cicacanani@yahoo.com.br Eixo

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO. Alessandra Balbi Rita Puga. Livro: Terceira Idade & Atividade Física

4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO. Alessandra Balbi Rita Puga. Livro: Terceira Idade & Atividade Física Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia 55 4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO Livro: Terceira Idade & Atividade Física Alessandra Balbi Rita Puga Maria Alice Corazza, em sua literatura sempre enfatiza

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica Teleaula 2 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Contextualização A combinação de

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde.

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. AT I ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. Maringá é integrante da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis e não

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Relacionamentos. Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde.

Relacionamentos. Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde. Relacionamentos Relacionamentos Laços familiares, amizades e atividades sociais fazem bem à saúde. Dependendo de como você leva a sua vida, pode prevenir ou não as chamadas doenças da civilização (cardiovasculares,

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL

PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL PROGRAMA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL ENQUADRAMENTO O tema «envelhecimento» tem sido alvo de estudos de pesquisadores e profissionais e vem desencadeando a produção de conhecimentos

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ RESULTADOS DA PESQUISA DE PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS CURSOS DE: MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA DOS NEGÓCIOS MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA COM PESSOAS FACULDADE REDENTOR 2012 ITAPERUNA RJ MODELO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Seis dicas para você ser mais feliz

Seis dicas para você ser mais feliz Seis dicas para você ser mais feliz Desenvolva a sua Espiritualidade A parte espiritual é de fundamental importância para o equilíbrio espiritual, emocional e físico do ser humano. Estar em contato com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Relações Humanas e Marketing Pessoal

Relações Humanas e Marketing Pessoal Relações Humanas e Marketing Pessoal Realização: Projeto Ser Tão Paraibano Parceiros: Elaboração: Deusilandia Soares Professor-Orientador: Vorster Queiroga Alves PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS Em qualquer

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 ESCOLA: 1ºANO OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECIFICOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO BIBLIOGRAFIA Construir com o educando sobre a importância da sua existência e os cuidados

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais