A DANÇA NA VISÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DAS ESCOLAS DE PONTA GROSSA-PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DANÇA NA VISÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DAS ESCOLAS DE PONTA GROSSA-PR"

Transcrição

1 A DANÇA NA VISÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DAS ESCOLAS DE PONTA GROSSA-PR 1 CAPRI, Fabíola Schiebelbein UEPG 2 FINCK, Sílvia Christina Madrid UEPG Área Temática: Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência Financiadora: Não contou com financiamento Resumo Considerando a dança como conteúdo da disciplina de Educação Física Escolar (EFE) e uma das manifestações da cultura corporal de movimento, pretendemos reconhecer qual o espaço que a dança ocupa nas aulas de Educação Física (EF) nas Escolas Municipais de Ponta Grossa - PR. Para tanto o objetivo desta pesquisa é analisar a dança no contexto da EF em escolas municipais e particulares do município. Uma pesquisa de natureza qualitativa, cuja coleta de dados se obteve através da aplicação de questionário com perguntas abertas e fechadas e os resultados analisados através da análise de conteúdo. Teve como amostra seis (06) professores participantes da pesquisa, sendo três (03) do sexo feminino e três (03) do sexo masculino, todos atuantes no Ensino Fundamental. Após a análise pudemos verificar que a dança está sendo negligenciada nas aulas de EF e vem sendo trabalhada em algumas escolas particulares somente como ensaios para apresentações em datas comemorativas, pudemos também perceber que as aulas de EF têm dado muita ênfase para as atividades esportivas e que a falta de formação continuada dos professores colabora para a negligência deste conteúdo no contexto da EFE. Palavras Chaves: Dança; Educação Física; Escola. Introdução 1 Formada em licenciatura em Educação Física pela UNIVILLE, mestranda em Educação na UEPG, formada em ballet clássico pela Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, docente na disciplina de Metodologia das Atividades Rítmicas e Expressivas do curso de Licenciatura em Educação Física na Faculdade Sant ana e pesquisadora do grupo de estudos e pesquisas em Educação Física escolar e formação de professores (GEPEFE / UEPG / CNPQ). 2 Doutora na área de Ciência da Atividade Física e do Esporte pela Universidade de León, docente no programa de pós- graduação mestrado em Educação da UEPG, docente no curso de licenciatura em Educação Física da UEPG e pesquisadora do grupo de estudos e pesquisas em Educação Física escolar e formação de professores (GEPEFE / UEPG / CNPQ).

2 6986 O homem, ser social e religioso, sempre sentiu a necessidade de se comunicar com seus pares e com os poderes sobrenaturais. Sendo assim, antes de dominar a linguagem, o meio para comunicar notícias, idéias e sentimentos foi o próprio corpo. A dança é fruto da expressão do homem que através da pantomima e da mímica mais primitiva, iniciou o processo de comunicação com seus semelhantes, com a natureza e com as divindades. (NANNI, 2001). Portanto os primeiros movimentos corporais passaram a ter significados importantes que se transformaram em ritos ancestrais atrelados às crenças e à religiosidade dos povos e tribos mais antigas. Segundo Mendes (1987), os primeiros registros que se tem sobre dança datam do período paleolítico superior, onde o homem tinha como preocupação principal a caça, o cultivo de alimentos e a luta pela sobrevivência. Assim a dança passa a imitar, o trovão, evoca os ventos, na dança imita as fases da lua, imita os animais a fim de atraí-los ao perímetro de tiro, baseado na idéia de que semelhante atrai semelhante. (OSSONA, 1998). Como uma das mais antigas formas de expressão artística, a dança cumpriu papel respeitável no desenvolvimento das civilizações, algumas vezes como instrumento de crenças míticas e mágicas, outras como expressão dos costumes, saberes e preocupações de determinadas sociedades e por fim, como forma de diversão para os mais variados tipos de indivíduos e classes sociais. Com o passar dos tempos, aos poucos, a dança foi se desligando da significação ritualística e religiosa primitiva para desempenhar papel lúdico e estético, aprimorada nas diversas sociedades como manifestação coletiva, de caráter festivo, expressivo, popular e folclórico, possuindo também um vértice para ações estéticas, artísticas e teatrais como o ballet que conseguiu diferenciar claramente as ações entre bailarinos e expectadores. (MENDES, 1987). No século IV, a dança passa a ser rejeitada na sociedade, condenada pela igreja católica, com severos castigos anunciados àqueles que ousasse dançar. Mesmo assim, muitos povos permanecem a dançar como forma de suas manifestações cotidianas, como era o caso dos camponeses, que dançavam em rituais festivos e por isso, eram considerados pagãos (PORTINARI, 1989). Na Idade Média percebe-se que a dança ainda possui escasso campo de reconhecimento como manifestação ritualística social, permanecendo em clima de proibições eclesiásticas e instabilidades, permitia - se dançar apenas as formas que se relacionassem aos cultos religiosos. (NANNI, 1995).

3 6987 A dança não é apenas um resultado artístico e religioso das progressivas mudanças históricas das mais diversas civilizações, ela deve ser entendida como identidade cultural e expressiva de cada povo, que permite ao homem afirmar-se como membro de uma sociedade. "As danças, em todas as épocas da história e/ou espaço geográfico, para todos os povos é representação de suas manifestações, de seus 'estados de espírito', permeios de emoções, de expressão e comunicação do ser e de suas características culturais." (NANNI, 2001 p. 7). A dança acompanhou o processo constante das mudanças históricas da civilização, é um patrimônio cultural herdado que não se limitou em repetir formas tradicionais e acadêmicas, ousou, explorou formas, contatos, padrões e movimentos que permitiu a esta forma de expressão não verbal, corporal, artística e cultural a não estagnação transformandose de acordo com as idéias e necessidades de cada tempo e lugar, incorporando novas técnicas, novas possibilidades, novos ritmos, novos visuais, novas expressões e diversas linguagens. (MENDES, 1987). Linguagens estas, que podem e devem ser desenvolvidas e exploradas na escola, especificamente nas aulas de Educação Física. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) de Educação Física, trazem no bloco de conteúdos Atividades Rítmicas e Expressivas, entendido como sendo as manifestações da cultura corporal que têm como características comuns a finalidade de expressão e comunicação a partir dos gestos e a presença de estímulos sonoros como identificador para o movimento corporal, que são danças e brincadeiras cantadas (BRASIL, 2000). Os PCN s também afirmam que no Brasil existe uma riqueza muito grande de manifestações rítmicas e expressivas, aqui pulsa o samba, o bumba-meu-boi, o maracatu, o frevo, o afoxé, a catira, o baião, o xote, o xaxado entre muitas outras manifestações (BRASIL, 2000). Ora, se o Brasil é país dançante por que a dança não é evidenciada em aulas de Educação Física na escola, por que a dança deve ficar na informalidade dos trios elétricos e programas de auditório? (MARQUES, 1997). A dança na escola, articulada as aulas de Educação Física tem um papel fundamental que visa o desenvolvimento geral do aluno. A inclusão e permanência da dança das aulas de Educação Física Escolar e a sua efetiva prática enquanto processo educacional favorece adequado desenvolvimento corporal, educação do senso rítmico, expressão não verbal, desenvolvimento humano e formação integral do educando; não se resumindo apenas em

4 6988 aquisições de habilidades motoras, mas também contribuindo para o desenvolvimento social, expressivo, afetivo e cognitivo. Para Marques (1997, p.21) a escola é um lugar privilegiado para se aprender dança com qualidade profundidade, compromisso, amplitude e responsabilidade, para que isto aconteça e, enquanto ela existir a dança não poderá mais continuar sendo sinônimo de festinhas de fim de ano. Porém, o que se percebe é que a dança na escola é negligenciada, e quando acontece ela é mascarada como ensaios coreográficos para apresentações em datas comemorativas. Rangel (2002) afirma que a dança é uma área pouco utilizada na Educação Física: É certo que a pouca utilização desta atividade em propostas escolares, pode ser um reflexo de sua situação nos cursos de graduação em Educação Física (licenciatura), da visão que os graduandos têm a respeito da dança e, conseqüentemente, do enfoque que a mesma tem recebido, além da falta da licenciatura em cursos superiores de dança. (RANGEL 2002, p. 61). Bérjat apud Garaudy (1980) evidencia que para a criança é tão importante dançar quanto falar, contar ou aprender geografia. É fundamental para a criança que nasce dançando, não desaprender essa linguagem pela influência de uma educação repressiva e frustrante (...) A escola deveria instrumentalizar e construir o conhecimento de dança, pois ela é um elemento fundamental para a educação do ser social. (MARQUES, 1997). Para tanto o conhecimento da dança amplia os conhecimentos do aluno e possibilita que o mesmo se torne um ser dinâmico, criativo e autônomo; entretanto para que o conhecimento de dança seja desenvolvido de maneira satisfatória na escola, é necessário que o professor esteja preparado para tornar o conteúdo significativo para a criança, caso contrário o desenvolvimento da dança na escola passará a ser mera cópia de coreografias já prontas sem nenhum significado, fato que não acarreta quase nada a educação da criança. O professor ao exercer sua função responde a desafios, pois o sistema educacional e o alunado estão em constantes transformações e independente do conteúdo lecionado sua função é de formador, por isso sua formação deve ser contínua e integrada às mudanças de cunho escolar e social. Muitas vezes a formação inicial não fornece subsídios suficientes para a atuação profissional, e em se tratando do conteúdo de dança na Educação Física, percebe-se uma lacuna bastante grande no desenvolvimento do mesmo, porém cabe ao professor buscar constantemente o aperfeiçoamento e as atualizações em sua área, para que possa suprir as

5 6989 lacunas deixadas do processo de formação inicial. Ao ensinar a dança como parte criativa de uma ação significativa no processo de aprendizado e desenvolvimento da criança, o professor estará lhe possibilitando a capacidade de criar corporalmente e intelectualmente, buscando assim o desenvolvimento do educando como um todo. Expressão, sentimentos, movimentos, musicalidade, ritmo, linguagem não verbal são conexões necessárias atreladas ao movimento corporal, que constituem a dança; porém, o que se percebe além da falta de preparo nos bancos universitários para atuação com conteúdos rítmicos expressivos, é a falta de conhecimento individual como ser-humano que sente, pensa e se expressa além do gesto técnico e linguagem verbal. A dança é um conhecimento pouco estimulado na escola, será que o educador do físico se permite fazer uso de propostas mais prazerosas, menos hostis, mais reflexivas, menos performáticas e mecanicistas? Sob essa concepção, esta pesquisa está permeada pelas seguintes questões: Como a dança está presente, enquanto conhecimento, nas escolas municipais da cidade de Ponta Grossa - PR? Qual o espaço que a dança ocupa, enquanto conhecimento, nas aulas de Educação Física? Como a dança é tratada pedagogicamente pelos professores de Educação Física, nas aulas das séries iniciais do ensino fundamental, nas escolas municipais da cidade de Ponta Grossa - PR? Para o desenvolvimento da pesquisa selecionamos os seguintes objetivos: a) Analisar a dança, enquanto conhecimento, no contexto das aulas de Educação Física nas escolas municipais da cidade de Ponta grossa PR; b) Analisar qual o encaminhamento metodológico utilizado pelo professor (a) para o desenvolvimento da dança nas aulas de Educação Física nas escolas municipais da cidade de Ponta Grossa - PR; b) Verificar a aceitação da dança, pelos professores e alunos, enquanto conhecimento a ser tratado nas aulas de Educação Física; c) Verificar qual a representação social que os alunos de diferentes escolas/colégios têm de dança. Metodologia A metodologia empregada é a de pesquisa de campo, a abordagem do estudo é qualitativa, com características descritivas e a utilização da análise de conteúdos. Os instrumentos usados para a coleta dos dados foram: as fichas de observações das aulas, a entrevista, os questionários, e a análise de documentos.

6 6990 Através da abordagem qualitativa de pesquisa em ciências sociais, busca-se compreender detalhadamente os significados e situações da realidade da dança na escola, especificamente nas aulas de Educação Física, representada na fala dos professores e escolares. A abordagem qualitativa é uma forma adequada de compreender o fenômeno social pesquisado, procura dar respostas aos aspectos da realidade que não podem ser quantificados. Trabalha com o universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes. (LÜDKE E ANDRÉ 1986, p. 20). A opção metodológica inclui a análise de conteúdos que é entendida como um procedimento de pesquisa que se situa em um delineamento mais amplo da teoria da comunicação e tem como ponto de partida a mensagem (FRANCO, 2007, p.23), permitindo ao pesquisador deduzir sobre qualquer elemento da comunicação, porém deve admitir que as descobertas possuam relevância teórica. Universo da pesquisa e Seleção O município de Ponta Grossa - PR tem cento e uma (101) escolas de ensino fundamental com turmas de séries iniciais sendo, oitenta e três (83) escolas públicas municipais e dezoito (18) escolas particulares. Esta pesquisa foi realizada em três (03) escolas públicas municipais (M1, M2, M3) e duas (02) escolas particulares (P1, P2), no ensino fundamental, especificamente na 4ª série, que corresponde ao grupo de alunos que encontramse na faixa etária entre 9 e 10 anos. A opção por esta faixa etária justifica-se pelo fato de acreditarmos, de acordo com a nossa vivência enquanto educadora, que as crianças com essa idade já possuem experiências significativas com a prática da Educação Física na escola, sendo assim conseguem relatar suas experiências com mais eficácia, também optamos por estas séries considerando o trabalho do professor e a hipótese de que o conteúdo de dança pode ter uma maior representatividade no plano de ensino. O único critério para a escolha das escolas participantes da pesquisa foi a aceitação do professor em participar e consentir a presença do pesquisador observando suas aulas. Entramos em contado com a direção dos colégios e das escolas municipais e também com os professores de Educação Física e três (03) colégios da rede particular de ensino houve concordância em participar da pesquisa; destes três colégios a opção foi dois (02) que tem duas (02) turmas de 4ª série e ficam localizados em bairros diferentes e distantes um do outro,

7 6991 assim buscamos abranger um maior número de realidades sociais, pois acreditamos que talvez existam diferenças na concepção de dança entre os alunos e professores de uma escola para outra. Dentre as escolas municipais o critério para escolha das escolas se deu pela situação da escolar contar com o trabalho do professor de Educação Física no 2º ano do 2º ciclo, pois são poucas as escolas municipais que possuem aulas de Educação Física, deixamos para descrever esta situação nas análises e discussões. A priori entramos em contato com as escolas e descobrimos quais os professores de Educação Física estavam atuando, quais aceitavam a pesquisa e o pesquisador observando as aulas, para tanto optou-se por duas (02) escolas cujo número de turmas eram maiores, abrangendo uma quantidade significativa de alunos e também por estarem localizadas em diferentes bairros, distantes um do outro. Então nossa amostra foi composta por seis (06) professores, sendo três (03) do sexo feminino e três (03) do sexo masculino. Quatro professores atuantes na rede particular, (sendo um (01) professor e três (03) professoras); e dois (02) professores atuantes na rede pública. Não houve critério para esta situação, pois determinamos somente as escolas, aquelas que aceitaram receber a pesquisadora em seu cotidiano, não sabendo a priori se ali atuavam professores ou professoras. Procedimentos e Instrumentos de Coleta de Dados Em uma primeira etapa, no período de setembro a novembro de 2008, acompanhamos as aulas de Educação Física nas escolas participantes da pesquisa, durante o acompanhamento das aulas buscamos estar atentos aos seguintes aspectos: caracterização do espaço escolar; se as aulas eram propostas para turmas divididas em feminina e masculina ou para turmas mistas; se a faixa etária era homogênea ou heterogênea; o número de aulas semanais; a carga horária de cada aula; o número de alunos matriculados em cada turma; o número de praticantes em cada aula observada; os conteúdos predominantes em cada aula; a metodologia utilizada pelos professores no desenvolvimento das aulas; aspectos predominantes relacionados à competição e a ludicidade; a relação professor x aluno; e o interesse dos alunos durante as aulas. Em uma segunda etapa, no mês de dezembro de 2008 aplicamos um questionário para os professores que atuam nas escolas participantes da pesquisa. Análise e Discussões

8 6992 Em decorrência das análises pudemos apontar como resultados da pesquisa as seguintes situações. Para a escolha das escolas municipais não houve a priori um critério de escolha, pois na tentativa de descobrir as escolas municipais que o havia professor de Educação Física atuando, visto que tal informação não foi dada pela secretaria municipal de educação sob nenhuma hipótese, nos deparamos com uma realidade bastante alarmante. Neste trabalho apenas vamos descrever as situações que encontramos, pois não cabe aqui discutirmos as situações de políticas públicas. Das oitenta e três (83) escolas municipais apenas vinte (20) escolas teriam professor de Educação Física atuando junto aos alunos; ao entrarmos em contato com estas escolas municipais, pessoalmente e por sucessivos telefonemas, descobrimos que a realidade era ainda mais grave. Destas vinte escolas que nos informaram ter professor de Educação Física, quatro (04) escolas os professores estavam afastados de suas atividades por motivo de saúde, dez (10) professores trabalham no ano de 2008 apenas com o 1º ciclo de ensino, ou seja, 1ª e 2ª série, faixa etária não condizente com esta pesquisa e apenas seis (06) professores atuavam com o 2º ciclo (3ª e 4ª série). Ao entrarmos em contado com as seis (06) escolas cujo professor estava atuando no ensino de 4ª série tivemos três surpreendentes situações: duas das escolas nos informaram que nossa pesquisa não seria possível ser realizada com os alunos e professore que ali atuava, pois o objetivo principal do trabalho no segundo semestre era com o esporte, as aulas visavam o treinamento para competição entre as escolas municipais o JEEM (Jogos Estudantis da Escolas Municipais). Em uma terceira escola o professor pediu para que voltássemos no mês de outubro para que ele pudesse se preparar para trabalhar algo relacionado com os conteúdos de dança para atingir os objetivos desta pesquisa. Porém, nossa pesquisa não visava que o professor, a partir do nosso interesse realizasse em suas aulas propostas com dança, também observar apenas um mês de aulas na escola não seria o ideal para verificar o cotidiano escolar. Deste universo de escolas municipais nos restaram apenas três (03) escolas, destas três optamos por duas (02) escolas cujo números de turmas de 4ª série era maior. A escola (M1) possuía quatro (04) turmas de 4ª série e na escola (M2) três (03) turmas de 4ª série, abrangendo assim uma quantidade bastante significativa de estudantes. Com a observação nas aulas e a participação no contexto escolar, pudemos perceber que em todas as escolas as turmas eram compostas por crianças com faixa-etária entre nove

9 6993 (09) e dez (10) anos, sendo que nas duas escolas municipais as aulas de Educação Física são mistas e nos colégios particulares as turmas de Educação Física são divididas em masculinas e femininas com conteúdos diferenciados para meninos e meninas. Nas escolas municipais todas as turmas têm duas (02) aulas de Educação Física por semana com 40 min. cada aula. Em um dos colégios particulares participantes da pesquisa (P1), cada turma possui duas aulas de Educação Física por semana com duração de 45 min. cada aula. E no colégio particular (P2), a disciplina de Educação Física possui apenas uma aula na semana com duração de 40 min.; sendo que no horário da aula de Educação Física são unidas duas turmas de 4ª série. Na junção das turmas A e B de 4ª série, totaliza-se uma média de 53 alunos na aula de Educação Física, então as professoras dividem esse total de alunos em uma turma masculina com média de 27 alunos e uma turma feminina com média de 26 alunas. Com estas realidades nos colégios particulares, pudemos verificar que existe uma segmentação nas aulas de Educação Física, pois quando se separa a turma por sexo pode-se reafirmar a situação histórica da Educação Física no Brasil onde a diferença biológica entre os sexos oculta relações de poder, distintas pelo predomínio masculino, que conservaram a divisão entre homens e mulheres, mesmo após a concepção da escola com turmas mista, enfatizando que meninos e meninas são diferentes e devem ser tratados de formas diferente nas aulas de Educação Física. Entretanto meninos e meninas são tratados como iguais em outras disciplinas, não existem diferenciações entre os conteúdos trabalhados em matemática, português, história etc. Por que nas aulas de Educação Física meninos e meninas devem ser separados e realizar atividades e conteúdos diferenciados? A partir desta situação podemos questionar a situação sexista que ainda hoje aparece na realidade da Educação Física Escolar. A questão de gênero atualmente é uma discussão muito importante no contexto escolar, e deve ser enfatizada também nas aulas de Educação Física. Será que em pleno século XXI é aceitável a discriminação e separação de atividades físicas e modalidades esportivas de acordo com o sexo do aluno? Kunz et al. (1998, p. 27) menciona esta discussão assegurando que a educação física, tradicionalmente, encontrou ( e isso ocorre ainda hoje) uma separação de práticas/vivências entre os sexos opostos, que se estabeleceu baseada no preconceito da desigualdade, e mais do que tudo, no da inferioridade feminina. Isto quer dizer que, quando uma diferença entre os sexos justifica a (não) participação/ vivências de um outro sexo em vivências de movimento que lhes proporcionam descoberta de potencial, estabelece-se, como sempre foi reivindicado pelos professores, ou por preconceito, ou por

10 6994 incapacidade de lidar com as diferenças de sexo e/ou de gênero. (KUNZ et al, 1998, p. 27). Precisamos estar atentos a estas questões no ambiente escolar, pois são temas emergentes na sociedade contemporânea. Divisão de turmas e de conteúdos da Educação Física para meninos e meninas não é um fato aceitável nos dias de hoje, pois quais são as vantagens destas divisões se em todo o processo escolar e social restante da vida dos educandos, homens e mulheres estarão juntos? A Educação Física deve educar não só o físico e para o gesto técnico, deve educar para a formação do cidadão que entende e respeita a diversidade social, que respeita as escolhas sejam de modalidades esportivas ou de relações humanas. Porém, para a educação de valores também é preciso que o professor esteja se despindo dos seus preconceitos sociais é preciso atitude, e por que esta atitude não inicia com o trabalho de dança nas aulas de Educação Física para turmas mistas? Futebol para os meninos e dança para as meninas faz parte de ações docentes ultrapassadas e descontextualizadas da realidade social. Pudemos também observar que as aulas de Educação Física ainda não são legitimizadas nas escolas de Ponta Grossa, pois apesar de ser uma disciplina escolar obrigatória (artigo 26, parágrafo 3º da LDB) constatamos que a Educação Física não possui o mesmo valor que outras disciplinas do currículo escolar; pois em muitas escolas a disciplina possui apenas uma aula semanal, com número demasiado de alunos, impossibilitando a realização de um trabalho significativo. Bracht (2003) em seus estudos sobre a legitimidade da Educação Física, argumenta as várias faces que poderiam justificar o espaço (ou a falta dele) e a presença da disciplina no currículo escolar. Mas afinal, educação física para quê? Tentando responder a esta pergunta, muitas vezes nos deparamos com argumentações talvez sem muita reflexão, que tentam justificar o espaço que a Educação Física ocupa dentro da escola. Esta é uma indagação que todos os profissionais da área poderiam neste momento tentar responder, repensando suas ações pedagógicas e idealizando-as em transformar ações pedagógicas para as aulas de Educação Física. Outra situação que pudemos averiguar com as observações, foi em relação a aceitação dos alunos para com as aulas de Educação Física, a participação em todos os colégios/escolas é de quase 100%, os alunos demonstram muita satisfação e entusiasmo nas aulas, espírito de companheirismo, grande amizade e respeito pelo professor e colegas. Observamos que a única

11 6995 situação que leva os alunos a não participarem das aulas de Educação Física é quando estão acometidos de alguma enfermidade. Notamos também que os professores só não permitem que os escolares participem das aulas quando não estão adequadamente uniformizados para a prática de exercícios físicos (calça jeens, chinelos, sandálias ou sapatos; mesmo nas escolas municipais já que o governo municipal padronizou e ofereceu uniforme a todos os estudantes). Outro ponto que é importante ressaltarmos é o domínio e utilização de conteúdos esportivos e recreativos nas aulas de Educação Física por todos os professores participantes da pesquisa. Podemos dizer que estas situações ainda persistem nas aulas devido, em parte às condições dos cursos superiores, como bem aponta o autor abaixo: nos cursos superiores, os discentes receberam os ensinamentos fragmentados, numa visão da pedagogia positivista [...]. As licenciaturas não garantiam a visão do homem que se movimenta intencionalmente em situação de jogo, de esporte, de dança, de ginástica ou de lazer, nem garantiam o status de disciplina acadêmica para a atividade Educação Física. (MOREIRA, 1992, p. 203). Em apenas um dos colégios particulares (P1) pudemos presenciar o desenvolvimento do conteúdo de dança nas aulas de Educação Física; o desenvolvimento deste se deu nos meses de outubro e novembro, devido ao encerramento do ano letivo com um evento que existe a mais de quinze (15) anos no calendário deste colégio. Este festival de dança conta com a participação dos alunos da educação infantil e das séries iniciais do ensino fundamental, e cabe ao professor de Educação Física e professores regentes das turmas elaborarem uma coreografia com os alunos, que é desenvolvida seguindo um grande tema, os ensaios acontecem nas aulas de Educação Física e a participação dos alunos não é obrigatória, dançam àqueles que os pais autorizarem (visto que para a apresentação é necessário confeccionar um figurino especial) e/ou a criança que sente vontade de participar. Nas observações dos ensaios das 4ª séries A e B notamos que os alunos, meninos e meninas, se sentiam muito a vontade, pois participavam alegremente e até contribuíam com idéias coreográficas para o professor, se visualizavam no palco, no evento, criando situações, discutindo sobre a música, sobre o tema, passos e figuras coreográficas; entretanto os alunos não autorizados pelos pais ou que não se sentiram entusiasmados a participar, ficam sentados nas laterais da quadra esportiva sem nenhuma atividade especial, devem permanecer quietos, imóveis para não atrapalhar o andamento da aula/ensaio.

12 6996 Nesta situação permaneceram sete (07) alunos sendo duas (02) meninas e cinco (05) meninos Em conversa informal com estas crianças que permaneceram dois meses excluídas das aulas/ensaios de Educação Física, destacamos que uma (01) das meninas não participaria do evento por que não estaria na cidade na data marcada da realização do mesmo, a outra os pais não autorizaram-na a participar por situação financeira; ela relata sua vontade em estar participando. Dentre os meninos, somente um (01) os pais não autorizaram, os outros quatro (04) meninos alegaram que não se sentiam a vontade para dançar. Percebemos nesta realidade duas situações pontuais: 1ª) que a dança em P1 está presente no contexto da Educação Física Escolar, contudo se resume em montagem coreográfica e ensaios para o evento que acontece no fim do ano, como enfatiza Marques (1997) é sinônimo de festinha de fim de ano ; 2ª) que a dança se torna excludente ao ser trabalhada desta maneira, com a finalidade apenas da apresentação; pois alguns alunos não participam por não se sentirem a vontade com a apresentação para um grande público, no palco. A preocupação do professor deveria ser em ensinar a dança como parte criativa de uma ação significativa nas aulas de Educação Física para todos os alunos, ao proporcionar tal prática favoreceria as crianças capacidade de criar corporalmente e intelectualmente, promovendo além do autoconhecimento corporal, educação do senso rítmico, expressão não verbal, desenvolvimento humano e formação integral dos educandos. Os resultados dos questionários aplicados aos professores de Educação Física participantes da pesquisa foram organizados através das seguintes temáticas: formação inicial e continuada; atuação profissional; planejamento anual e conteúdos de dança; adesão dos conteúdos de dança nas aulas de Educação Física. Com esta categorização, os resultados apontaram que a dança faz parte do contexto da Educação Física Escolar nas escolas pesquisadas, contudo estão sendo trabalhadas de forma diminuta, raramente aparece ou aparece somente como ensaios coreográficos para apresentações em datas comemorativas e eventos especiais de acordo com o cronograma da escola. Pudemos verificar que a forma como os conteúdos de dança são trabalhados no processo de formação inicial, colaboram para a ausência da dança nas aulas de Educação Física, e a ênfase dos conteúdos esportivos e seus aspectos técnicos no processo de formação colaboram para que na escola se deixe o trabalho com a dança de lado. Outra situação apontada nos questionários está relacionada com a falta de afinidade dos professores para com os conteúdos de dança, fato que contribui para que a dança seja negligenciada enquanto

13 6997 conhecimento a ser tratado pedagogicamente nas aulas de Educação Física. Os professores se dizem em constante processo de atualização com leituras e cursos na área dos esportes e recreação, e se mostram dispostos a participar de cursos e especializações na área da dança escolar. Pudemos verificar que a dança está inserida no contexto escolar quando decorrente da necessidade de se seguir os cronogramas sugeridos pela escola. Dois (02) professores (P2 PC) e (P2-PD) relataram que o momento em que trabalham a dança, está relacionado, ou melhor, reduzido (grifo nosso), aos ensaios de festa junina. Dois professores (P1-PA) e (P1- PB) inserem o trabalho com a dança em duas situações distintas, ensaio de festa junina e preparação coreográfica para o tradicional evento de fim de ano. Um dos professores (M2 PF) diz trabalhar esporadicamente com cantigas de roda explorando movimentações rítmicas, outro professor (M1-PE) trabalha raramente em aquecimentos para as aulas de Educação Física. Os professores das escolas (M1) e (M2), professores (PF) e (PE) também relatam que um dos motivos que os leva a não trabalhar os conteúdos de dança nas aulas é a dificuldade de aceitação do conteúdo por parte dos alunos e a não exigência da escola. Aí podemos perceber certo comodismo dos mesmos, pois é mais fácil negligenciar o conteúdo do que se desgastar ao explicar, encorajar e argumentar com os alunos sobre a importância do aprendizado de outros tipos de atividades físicas na escola, que o jogo, os esportes e a recreação são divertidos e importantes, mas que o espaço escolar deve estar aberto a todas as possibilidades de aprendizado motor, e principalmente aquelas que fazem parte da cultura corporal de movimento. Nesse sentido, foi possível perceber que o fato da dança fazer parte da cultura corporal, da formação inicial dos professores, dos PCN`s e dos conteúdos previstos para serem desenvolvidos nas aulas de Educação Física nas escolas públicas municipais, não garante que a dança seja abordada e desenvolvida pelos professores nas aulas. Considerações Finais Pudemos conferir que os conteúdos da disciplina de Educação Física nem sempre são compreensíveis aos professores na escola quando não há preparação adequada. Tal fato resulta da dificuldade em entender como os conteúdos desenvolvidos na disciplina farão parte do processo ensino-aprendizagem de forma significativa e concisa para o educando. É

14 6998 importante que o professor tenha consciência que todos os conteúdos da cultura corporal são importantes e necessários para o desenvolvimento e conhecimento do aluno, pois um profissional descontextualizado e descomprometido, com uma atuação negligente e insuficiente, terá sua ação pedagógica comprometida. Diante das realidades encontradas, percebemos a necessidade de nós educadores estarmos inseridos no processo pedagógico escolar; que a escola não deve apenas ensinar a ler e a escrever, como educadores devemos ter um olhar atento aos procedimentos inovadores que permeiam a prática escolar. O profissional que educa não pode mais limitar-se somente a sua área atuação, a escola e os alunos clamam por profissionais visionários que estejam inseridos não apenas no contexto escolar, mas que estejam integrados e interessados no mundo que os cerca; um mundo múltiplo e relacional buscando assim formar um ser social atento às questões sociais, a pluralidade cultural, a diversidade, as diferenças, a natureza, as tecnologias, a educação e as relações humanas. Encontramos respaldo para esta reflexão nas palavras de Paulo Freire (1983) formar é muito mais que treinar o educando no desempenho de destrezas, sejam estas: intelectuais ou físicas. Quando se trata de destrezas físicas, percebemos que no cotidiano escolar a Educação Física ainda vive a sombra de seu passado, associando a educação do físico, da saúde corporal e do aprendizado do esporte. Ao percorrermos algumas escolas e observando algumas aulas de Educação Física no município de Ponta Grossa PR, pudemos perceber que o tema da cultura corporal Dança possui seu espaço no contexto escolar, porém não como conteúdo a ser desenvolvido nas aulas de Educação Física, mas sim como prática utilitarista na escola. Sua prática é enfatizada somente como ensaios coreográficos para apresentações em festas juninas ou para eventos de fim de ano, reduzindo sua contribuição a uma prática utilitarista e sem finalidades pedagógicas. Este estudo ainda contempla a análise do conteúdo em questionários respondidos pelos alunos de 4ª série das escolas/colégios participantes da pesquisa, com objetivo de verificar a aceitação dos conteúdos de dança pelos alunos e identificar qual a representação social que os alunos têm de dança. Entretanto, tais análises e conclusões ainda estão sendo realizadas e não puderam estar contempladas neste manuscrito. A dificuldade em se trabalhar os conteúdos de dança em aulas de Educação Física continuamente presente nos discursos dos professores da área, tendem a justificar a ausência de um trabalho contínuo e significativo com dança nas aulas. Vemos a dança como um

15 6999 conteúdo em potencial a ser desenvolvido nas aulas de Educação Física, cabe ao profissional da área se atualizar, sair da zona de conforto e ousar abordando pedagogicamente tais conhecimentos, em prol de uma educação mais prazerosa e reflexiva, ao invés de uma prática hostil, performática e mecanicista. REFERÊNCIAS BRACHT, Válter.,et alli. Pesquisa em ação: Educação física na escola. Ijuí, Rio Grande do Sul: Unijuí BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) artigo 26, parágrafo 3º. FRANCO, M. L. P. B. Análise do Conteúdo. Brasília: Líber, ª ed. FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra GARAYDY, R. Dançar a vida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, MARQUES, I. Dançando na escola. Revista Motriz, UNESP, Rio Claro, vol. 3, nº I, p.20-28, MENDES, M.G. A Dança. São Paulo: Ática, ª ed. MOREIRA, W.W. Por uma concepção sistêmica na pedagogia do movimento. Educação Física & Esportes; perspectivas para o século XXI. Campinas, Papirus, NANNI, D. Dança Educação: Pré-escola à Universidade. Rio de Janeiro: Sprint, NANNI, D. Dança Educação: Princípios, Métodos e Técnicas. Rio de Janeiro: Sprint,1995. KUNZ, M.C. S. et al. Improvisação & Dança. Florianópolis: UFSC, PORTINARI, M. História da Dança. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, RANGEL. N. B. C. Dança, educação, educação física: proposta de ensino da dança e o universo da educação física.b Jundiaí: Fontoura p. 61.

A DANÇA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA ANÁLISE DA PRÁTICA DE ENSINO DE PROFESSORES E DE ACADÊMICOS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DOCENTE

A DANÇA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA ANÁLISE DA PRÁTICA DE ENSINO DE PROFESSORES E DE ACADÊMICOS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DOCENTE A DANÇA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA ANÁLISE DA PRÁTICA DE ENSINO DE PROFESSORES E DE ACADÊMICOS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DOCENTE CAPRI, Fabíola Schiebelbein UEPG fabicapri@ig.com.br FINCK, Sílvia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS

A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS Daniela Luz Almeida Santos (PIBIC/ARAUCÁRIA), Silvia Christina Madrid Finck (Orientadora),

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA Pedro Henrique Santos da Silva - Bianca dos Santos Cristovão - Luciana Maria da Silva* - RESUMO O Programa Institucional

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Ensino Fundamental. Prática Pedagógica.

Palavras-chave: Educação Física. Ensino Fundamental. Prática Pedagógica. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: ANÁLISE DAS PRÁTICAS CORPORAIS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE ALAGOA GRANDE - PARAÍBA Waldilson Duarte Cavalcante de Barros Professor

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR Introdução OBERJAN ROCHA KOZAN FABIANA LEIFELD RAFAEL TRENTIN SCREMIN FACULDADE SANT ANA, PONTA GROSSA/ PARANÁ/ BRASIL oberjan_15@hotmail.com O objeto de

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS?

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PIBID E O

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização

Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica. Contextualização Metodologia do Ensino de Educação Física Conteúdos da Educação Física Ginástica Teleaula 2 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Contextualização A combinação de

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC

A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC A EXPERIÊNCIA DO CONTEUDO DANÇA NA INTERFACE E FORMAÇÃO CULTURAL NA EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DAS INTERVENÇÕES DO PIBID UFG/CAC Fernanda Costa SANTOS UFG/CAC- nandacostasantos@hotmail.com Karolina Santana

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A PRÁTICA DE ENSINO COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Resumo FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.br Área Temática: Educação: Práticas e Estágios

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 VIERO, Lia Margot Dornelles 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Geografia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil E-mail:

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR)

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) Resumo GOMES, Érica Dias 1 - UNICENTRO Grupo de Trabalho Formação de professores e profissionalização

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação 1 Processo de formação de professores um olhar para a dança. Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação A Constituição Federal de

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Anais do I Seminário PIBID/FPA 2014. FPA. Vol I, nº 1. São Paulo, 2014. 1 A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Uma proposta pedagógica de ensino de artes visuais

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA

EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA Maria do Patrocínio Freire Batista (UEPB)-patrícia.fb22@gmail.com Artur Albuquerque (UEPB) Julliana de Lucena Souto Marinho (UEPB) Thayse Borges Costa

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO. FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.

EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO. FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com. EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.br EIXO: Formação de Professores / n. 10 Agência Financiadora: Sem

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

HANDFULT: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA ESTADUAL PROFº JOSINO MACEDO

HANDFULT: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA ESTADUAL PROFº JOSINO MACEDO HANDFULT: RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA ESTADUAL PROFº JOSINO MACEDO Resumo TEIXEIRA, Ana Cláudia Alves 1 - UFRN JESUS, Edna Nascimento de² - UFRN Este artigo é um relato de

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO "BRINCANDO COM A COMUNIDADE".

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO BRINCANDO COM A COMUNIDADE. 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO "BRINCANDO COM A COMUNIDADE". AMANDA RIBEIRO MIRANDA NHADYA NASCIMENTO BRITO IESMA/UNISULMA amirandaimp@hotmail.com nhadyabrito@hotmail.com

Leia mais

Ginástica no ambiente escolar

Ginástica no ambiente escolar 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Ginástica

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO Deise Sachetti Pinar,Maria José Gomes Moreira de Miranda 2, Sumiko Hagiwara Sakae 3 Orientadora: Drª. Maria Tereza

Leia mais

GT2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE LECIONAM MATEMÁTICA NO SEGUNDO SEGMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E NO ENSINO MÉDIO

GT2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE LECIONAM MATEMÁTICA NO SEGUNDO SEGMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E NO ENSINO MÉDIO GT2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE LECIONAM MATEMÁTICA NO SEGUNDO SEGMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E NO ENSINO MÉDIO Victor Giraldo UFRJ (victor.giraldo@ufrj.br) Letícia Rangel UFRJ (leticiarangel@ufrj.br)

Leia mais

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Márcia Strazzacappa Laborarte/Unicamp Artista da dança, professora e pesquisadora Resumo: O

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa 1 Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Solange Rauchbach Garani Escola da Magistratura do Paraná E-mail: solangergarani@yahoo.com.br

Leia mais