CAPITAL DE GIRO: FONTES DE FINANCIAMENTO ÀS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITAL DE GIRO: FONTES DE FINANCIAMENTO ÀS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS"

Transcrição

1 V I I S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A F I N A N Ç A S CAPITAL DE GIRO: FONTES DE FINANCIAMENTO ÀS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Paulo Sergio Ceretta Professor Doutor do Departamento de Ciências Administrativas UFSM Pesquisador CNPq (55) Ana Paula Girondi Denardin (55) Carmem Lúcia Andrade (55) Iliana Schröder Scherer (55) Acadêmicas do Curso de Administração UFSM Resumo Com o aumento da concorrência no setor de autopeças as empresas precisam, cada vez mais, otimizar seu sistema de financiamento de atividades. O presente trabalho tem como finalidade identificar quais são as fontes de financiamento de capital de giro para as micro, pequenas e médias empresas, verificando quais são as mais utilizadas pelas empresas do setor de autopeças da cidade de Santa Maria RS, também é analisado o nível de conhecimento que essas empresas têm em termos de financiamento de capital de giro. Para isso, foi constituída uma amostra de 4 instituições bancárias, 2 casas de factoring e 11 empresas do setor de autopeças, que foram pesquisadas com a aplicação de questionários. Através dos resultados obtidos, podese concluir que as empresas de menor porte têm, em geral, muito pouco conhecimento financeiro e, por este motivo, não utilizam as melhores formas de financiamento oferecidas no mercado. Palavraschave: Capital de Giro; Fontes de Financiamento; Empresas de Autopeças.

2 Capital de giro: fontes de financiamento às micro, pequenas e médias empresas Introdução A correta administração do capital de giro é uma questão fundamental à boa saúde financeira de uma empresa, visto que o capital de giro tem importante participação no desempenho operacional. Uma das possíveis conseqüências é que os planos de longo prazo podem não se concretizar, caso a gerência da empresa não cuide das questões financeiras cotidianas as quais envolvem administração do fluxo de caixa, acompanhamento do prazo para pagamento de compras e recebimento das vendas, entre outras. Uma administração inadequada do capital de giro pode resultar em graves problemas financeiros, podendo levar a empresa à uma situação de insolvência. Nesse sentido, podese dizer que a administração do capital de giro envolve dois aspectos fundamentais. O primeiro aspecto a ser considerado é o sincronismo entre entradas e saídas monetárias. Quanto mais previsíveis forem as entradas e saídas de caixa, menor será a necessidade de capital de giro. O segundo aspecto se refere ao nível de atividade da empresa. Quanto maior o nível de atividade, ou seja, o volume de vendas, maior a necessidade de capital de giro. À medida que o volume de vendas aumenta é necessário um correspondente aumento em estoques, duplicatas a receber e caixa. No entanto, a sazonalidade dos negócios pode determinar variações nas necessidades de recursos ao longo do tempo. Sendo assim, diante do contexto do mercado em que atuam, as empresas formalizam estratégias de administração do capital de giro, avaliando os investimentos correntes e buscando os passivos mais adequados. Para suprir necessidades eventuais ou constantes de capital de giro, as empresas podem optar por uma das várias opções oferecidas pelo mercado financeiro. No entanto, é necessário conhecer detalhadamente todas as possibilidades de financiamento oferecidas pelo mercado para que se possa proceder a escolha correta. Fatores como taxa de juros e risco influenciam diretamente na escolha de fontes de financiamento que podem levar tanto à lucros como à prejuízos. Desta maneira, fazse necessário uma cuidadosa análise acerca desses fatores. O presente artigo tem por objetivo identificar, dentre as várias alternativas de financiamento de capital de giro oferecidas pelo sistema bancário, as alternativas mais usualmente utilizadas pelas micro, pequenas e médias empresas, bem como os fatores determinantes na escolha do tipo de financiamento. Também será objetivo deste estudo, identificar as principais características de cada modalidade de financiamento, bem como a percepção das empresas sobre esses financiamentos. Inicialmente, será definido o problema da pesquisa e objetivos. A seguir, serão feitas algumas considerações a respeito do capital de giro, bem como serão apresentadas as fontes de financiamento. Na seção seguinte serão apresentados os aspectos metodológicos. Em seguida será apresentada a análise dos resultados e, finalmente, a conclusão. Problema da Pesquisa e Objetivos O presente estudo pretende analisar a problemática associada com a dificuldade de financiamento do capital de giro pelas micro, pequenas e médias empresas do setor de autopeças na cidade de Santa Maria RS. A pesquisa tem como objetivos, além de verificar quais são as fontes de capital de giro disponíveis para micro, pequenas e médias empresas, identificar quais são suas características básicas. Como conseqüência, será identificado o conhecimento que os administradores das empresas de autopeças têm, em termos de financiamento de capital de giro, e quais as fontes que efetivamente são mais utilizadas.

3 Capital de Giro: Algumas Considerações Segundo Lemes Júnior et al. (2002), o capital de giro pode ser entendido como o valor dos recursos aplicados pela empresa para movimentar o ciclo operacional, este por sua vez, é o espaço de tempo decorrente entre a entrada da matériaprima na empresa até o recebimento das vendas dos produtos acabados resultantes. Para Braga (1994), o capital de giro referese aos recursos aplicados no ativo circulante, composto principalmente por estoques, contas a receber e disponibilidades. A Figura 1, a seguir, evidencia o fluxo do capital de giro de uma empresa industrial, de acordo com o seu ciclo de produção e venda. Figura 1 O fluxo do ativo circulante Recursos aplicados no ativo circulante Disponível Realizável Estoque de materiais Vendas à vista Vendas a prazo Estoque de produtos acabados Produção Fonte: Assaf Neto, 2003 Conforme a Figura 1, observase que os recursos, próprios ou de terceiros, aplicados no ativo circulante são, em uma etapa inicial, disponibilizados para financiar as necessidades operacionais. Os recursos vão para a produção através da compra de matériasprimas e pagamento de custos fabris. Os produtos acabados, por sua vez, vão para o estoque esperando a comercialização. Parte dessas vendas retorna imediatamente ao disponível quando realizadas à vista e a curto prazo quando as vendas forem a prazo. O ciclo recomeça acrescentando ao disponível, em função das vendas, os lucros auferidos e os montantes de dispêndios não desembolsáveis, como é o caso da depreciação. Para Assaf Neto e Silva (1997), a administração do capital de giro referese à administração dos ativos e passivos circulantes. À diferença entre ativos e passivos circulantes, dáse o nome de capital circulante líquido (CCL). O CCL representa a parcela de ativo circulante que se encontra financiada por recursos de longo prazo (exigibilidades e patrimônio líquido). Braga (1994) destaca que quanto maior o CCL menor será o risco de insolvência de uma empresa. Nos Quadros 1, 2 e 3, a seguir, são ilustradas as situações possíveis de CCL. O Quadro 1 apresenta uma situação em que o CCL é nulo, ou seja, o ativo circulante e o passivo circulante são iguais. O CCL é negativo quando o passivo circulante é maior que o ativo circulante, como no caso ilustrado no Quadro 2. Quando o ativo circulante é maior que o passivo circulante temse um CCL positivo, conforme ilustrado no Quadro 3.

4 A necessidade de capital de giro é fruto do descompasso entre entradas e saídas de caixa. Nesse sentido, Assaf Neto e Silva (1997) enfatizam que a necessidade de capital de giro surge da falta de sincronismo entre as atividades de produção, vendas e cobrança. Gitman (2002) destaca que as saídas de caixa são relativamente previsíveis, enquanto que as entradas são mais difíceis de serem previstas. Deste modo, quanto mais previsíveis forem as entradas de caixa, menor será a necessidade de capital de giro para a empresa. Quadro 1 CCL nulo Quadro 2 CCL negativo Ativo Circulante Passivo Circulante Ativo Circulante Passivo Circulante Realizável a LP Ativo Permanente Exigível a LP Patr. Líquido Realizável a LP Ativo Permanente Exigível a LP Patr. Líquido Quadro 3 CCL positivo Ativo Circulante Realizável a LP Ativo Permanente Passivo Circulante Exigível a LP Patr. Líquido Fonte: Assaf Neto, 2003 De acordo com Assaf Neto e Silva (1997), o fluxo de caixa é um instrumento que relaciona as entradas e saídas de recursos monetários em uma determinada empresa e em um determinado período de tempo. No caso de falta de dinheiro, é preciso uma entrada de caixa que pode ser um resgate de investimento ou captação de empréstimo. Para Lemes Júnior et al. (2002), os empréstimos de curto prazo devem ser utilizados para satisfazer necessidades ocasionais ou sazonais de recursos visando a pontualidade no pagamento dos compromissos. Fontes de Financiamento Uma empresa pode financiar suas atividades através de capitais próprios e de terceiros. Capital próprio implica aumento do patrimônio líquido. Segundo Lemes Júnior et al. (2002), o aumento do capital próprio ocorre através da autogeração de recursos e reinvestimento na empresa, pela subscrição e integralização de capital social ou pela emissão de ações, no caso de grandes empresas de capital aberto, ofertadas na Bolsa de Valores. Os capitais de terceiros são representados pelo endividamento da empresa, pertencem a terceiros e têm período de tempo definido para o pagamento, sendo os encargos financeiros uma espécie de aluguel por sua utilização. Os capitais de terceiros podem ser classificados como crédito comercial e crédito financeiro. De acordo com Lemes Júnior et al. (2002), o crédito comercial é decorrente de negociações entre a empresa e seus fornecedores. Pode ter origem através de fontes como crédito de fornecedores, crédito de impostos e obrigações sociais e outros créditos operacionais. Já o crédito bancário é representado pelas chamadas operações de empréstimo e pode ser feito por bancos comerciais. Também, existem empresas de factoring, estas por sua vez, não são consideradas instituições financeiras. As principais fontes de financiamento através de capitais de terceiros são: i) vendor; ii) compror; iii) crédito rotativo; iv) desconto de títulos; v) hotmoney; vi) contas garantidas; vii) empréstimos de capital de giro; viii) leasing; ix) factoring; e, x) BNDES. A seguir, essas fontes serão descritas.

5 Vendor. Di Agustini (1999) destaca que vendor é uma forma de financiamento de capital de giro que têm como característica principal a cessão do crédito, permitindo, assim, que uma empresa venda seu produto a prazo e receba à vista. Para Lemes Júnior et al. (2002), vendor é um financiamento da venda com cessão de crédito. O fornecedor vende a prazo e recebe à vista, porém assume o risco do não pagamento junto à instituição financeira que financia a operação. A Figura 2, a seguir, correlaciona os participantes de uma operação de vendor. Figura 2 Operação de Vendor Fornecedor Transfere o crédito Assume o risco do não pagamento Vende Pagamento à vista Banco Comprador Financia o Comprador Fonte: Lemes Júnior et al., p.494. Analisando a Figura 2, podese entender melhor como é realizada uma operação de vendor. O fornecedor realiza a venda e transfere o crédito ao banco assumindo o risco da operação, caso o comprador não pague ao banco na data do vencimento. Segundo Fortuna (2002), como o risco junto ao banco é assumido pela empresa vendedora, é imprescindível que a empresa compradora seja cliente tradicional da mesma. O comprador compra e recebe financiamento do banco. Por sua vez, o banco financia o comprador e paga à vista ao fornecedor. Conforme Fortuna (2002) e Mellagi Filho (1998), a operação de vendor apresenta diversas vantagens tanto para o vendedor como para o comprador como, por exemplo, a agilidade na concessão de crédito. Compror. O compror é uma operação semelhante ao vendor, contudo em vez de ser realizada pelo vendedor é feita pelo comprador que passa a ser o fiador do contrato com o banco. O banco efetua o pagamento à vista ao fornecedor não o envolvendo no processo (Fortuna, 2002). Na definição de Di Augustini (1999), o banco oferece o crédito à empresa com destinação específica o que pode reduzir o spread em relação a uma operação de empréstimo para capital de giro garantido por avalista ou nota promissória. Sobre o valor financiado incide juros e IOF, além de uma tarifa de contratação. Crédito Rotativo. Segundo Fortuna (2002), o crédito rotativo é uma linha de crédito aberta com um limite, podendo este ser utilizado pela empresa à medida de suas necessidades ou mediante a apresentação de garantias em duplicatas. Os juros e o IOF são cobrados de acordo com a utilização dos recursos. Para Lemes Júnior et al. (2002), o crédito rotativo tem um funcionamento semelhante a uma contacorrente com limite de crédito e prazo preestabelecido. A empresa pode efetuar saques a descoberto dentro desse limite sem maiores burocracias. Os encargos financeiros são, normalmente, altos, mas são pagos somente pelo período que a conta permanece devedora. Desconto de Títulos. De acordo com Fortuna (2002), desconto de títulos é um adiantamento de recursos feito pelo banco aos clientes, sobre valores referenciados em duplicatas de cobrança ou notas promissórias, antecipando, assim, o fluxo de caixa do cliente. Para Lemes

6 Júnior et al. (2002), o desconto significa a negociação de um título representativo de crédito, junto a um banco comercial, antes do seu vencimento. Di Agustini (1999) enfatiza que se o sacado não efetuar o pagamento na data de vencimento, o banco tem direito de regresso contra o cedente. Assim, o risco do não recebimento do título não é do banco e sim da empresa que efetuou o desconto. Lemes Júnior et al. (2002) destaca as seguintes modalidades de desconto de títulos: desconto de duplicatas; desconto de notas promissórias; e, empréstimo por contrato. HotMoney. Os chamados empréstimos hotmoney são outra forma de empréstimos por contrato. Para Di Agustini (1999), os empréstimos hotmoney são alternativas de financiamento de capital de giro de curtíssimo prazo destinadas a suprir necessidades momentâneas de caixa. Os contratos de hotmoney são garantidos, normalmente, por nota promissória. Lemes Júnior et al. (2002) destacam que os encargos financeiros desse tipo de operação são cobrados pelo período do empréstimo, porém, segundo Meurer (2003), tal operação apresenta elevado custo financeiro. Contas Garantidas. As contas garantidas são contas vinculadas à conta corrente da empresa, usadas quando o saldo se torna devedor. Quando isso acontece são feitos saques automaticamente para que os débitos sejam supridos. É necessário fazer um aviso prévio para o banco realizar a transferência da conta garantida para a conta corrente, incidindo sobre o saque o IOF. Foregon ap. Meurer (2003) acrescenta que os juros devidos pelos excessos das contas correntes são cobrados mensalmente e diferem do cheque especial, pois é uma conta separada, desvinculada da conta corrente, sendo que a garantia, geralmente, é uma nota promissória em branco. Empréstimos de Capital de Giro. Na definição de Fortuna (2002), empréstimos de capital de giro são operações tradicionais de empréstimos que atendem às necessidades de capital de giro das empresas. São feitos através de um contrato que estabelece prazos, taxas, valores e garantias. O plano de amortização, geralmente, envolve prazo de até 180 dias. Duplicatas com até 150% do principal emprestado podem ser usadas como garantias, proporcionando, assim, taxas de juros mais baixas. No caso de outras garantias serem entregues, como aval e notas promissórias, os juros são mais altos. Leasing. Arrendamento mercantil ou leasing é uma forma da empresa ter um bem sem realizar a compra. A operação pressupõe um arrendador, proprietário do bem, e um arrendatário, que terá direito de utilização do bem mediante um contrato e por um prazo previamente determinado. As principais vantagens do leasing são: financiamento total do bem; liberação de capital de giro; dupla economia de imposto de renda (dedução de aluguéis e não imobilização de equipamentos); aceleração da depreciação; e, simplificação contábil (Fortuna, 2002). O leasing não sofre incidência de IOF mas está sujeito ao pagamento de ISS sobre o valor total. Factoring. A definição de factoring implica aquisição, pro soluto, de créditos de empresas, originados de suas vendas ou de prestação de serviços a prazo, pela casa de factoring combinado com a contínua prestação de serviços de alavancagem mercadológica, de seleção de riscos ou de outros serviços (Leite,1999). Segundo Di Augustini (1999), por não ser caracterizada como uma operação financeira não ocorre incidência de IOF sobre a operação de factoring. Porém, a operação é tributada pelo ISS sobre o serviço prestado. Lemes Júnior et al. (2002) enfatizam que os custos da operação de factoring tendem a ser maiores do que os

7 custos de empréstimos devido ao fato de a casa de factoring assumir o risco de inadimplência do devedor e de ela prestar outros serviços nãofinanceiros. BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES é uma empresa pública federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior que tem como objetivo financiar a longo prazo os empreendimentos que contribuam para o desenvolvimento do país. Os tipos de investimentos apoiados são: implantação, expansão e modernização de atividades produtivas e da infraestrutura; comercialização de produtos e serviços no Brasil e no exterior; capacitação tecnológica; e, treinamento de pessoal, formação e qualificação profissional. Os itens não financiáveis são: terrenos e benfeitorias existentes; máquinas e equipamentos usados (exceto para microempresas); animais para revenda, formação de pastos em áreas de preservação ambiental; veículos; capital de giro para exportação, agropecuária e serviços, exceto, microempresas prestadoras de serviço. Aspectos Metodológicos No desenvolvimento deste artigo foi realizada uma pesquisa exploratória descritiva. O estudo é exploratório, pois procura descobrir as relações existentes entre as fontes de financiamento oferecidas pelos bancos e as utilizadas pelas empresas. O estudo é descritivo pois descreve a realidade das empresas de Santa MariaRS em relação aos tipos de financiamentos oferecidos às micro, pequenas e médias empresas e as utilizadas pelas empresas de autopeças que foram pesquisadas na cidade. Inicialmente, foi realizada uma pesquisa de campo junto às instituições bancárias e casas de factoring e, posteriormente, em micro, pequenas e médias empresas de autopeças. Ruiz (1996), em seus estudos, descreveu pesquisa de campo como a observação de fatos, coleta de dados e o registro de variáveis relevantes, por este propósito foram aplicados questionários. Lakatos et al. (1986) descrevem questionário como sendo um roteiro de perguntas que são feitas por um pesquisador, respondidas pelo entrevistado e anotadas por aquele. Foi utilizada uma amostra nãoprobabilística e intencional que, na definição de Lakatos (1985), consiste em uma parte do universo selecionado de maneira conveniente, ou seja, é um subconjunto do universo. Corroborando com estas definições Ávila (2002) descreve amostra nãoprobabilística como aquela em que os elementos são extraídos do universo sem o uso de técnicas estatísticas e amostra intencional como sendo aquela em que o pesquisador usa algum critério de julgamento para selecionar os elementos da amostra. A amostra utilizada neste trabalho foi de 4 instituições bancárias, 2 casas de factoring e 11 empresas no ramo de autopeças. Destas, 7 eram micro, 2 pequenas e 2 médias de acordo com os critérios de classificação do BNDES descritos abaixo. A classificação de porte de empresa adotada pelo BNDES e aplicável à indústria, comércio e serviços e é a seguinte: i) microempresas, são as que apresentam receita operacional bruta anual ou anualizada até R$ mil (um milhão e duzentos mil reais); ii) pequenas empresas, são as que apresentam receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ mil (um milhão e duzentos mil reais) e inferior ou igual a R$ mil (dez milhões e quinhentos mil reais); iii) médias empresas, são as que apresentam receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ mil (dez milhões e quinhentos mil reais) e inferior ou igual a R$ 60 milhões (sessenta milhões de reais); iv) grandes empresas, são as que apresentam receita operacional bruta anual ou anualizada superior a R$ 60 milhões (sessenta milhões de reais).

8 Análise dos Resultados As instituições financeiras que constituem a amostra deste estudo são: Banco do Brasil, Banrisul, Caixa Econômica Federal e Bradesco. Com a aplicação de questionários buscaramse as seguintes informações sobre os tipos de financiamentos: taxas de juros; características; garantias; tarifas e impostos; e, restrições. Os tipos de financiamento pesquisados foram os seguintes: hot money, conta garantida, factoring, desconto de títulos, vendor, compror, BNDES, leasing, capital de giro, crédito rotativo e outros oferecidos. Financiamento Conta Garantida Desconto de Títulos Vendor BNDES Taxas de Juros Encargos financeiros Encargos financeiros e comissão de permanência Encargos financeiros e comissão de permanência TJLP e 1% do spread básico e 6% de spread do agente financeiro Leasing Capital de Giro TR mais 2,95% ao mês Características (prazos e carências) Até 360 dias, com renovações automáticas sucessivas Até 12 meses, com renovações automáticas Até 12 meses, com renovações automáticas Carência no mínimo 3 meses, se superior múltiplo de 3; Total mínimo de 12 meses Prazos mínimos legais: Ibens com vida útil até 60 meses 24 meses; IIbens com vida útil superior 60 meses 1 a 12 meses Apesar de a operação de factoring ser considerada uma operação não financeira, a Caixa Econômica Federal oferece essa forma de financiamento. A seguir, encontramse os resultados desta pesquisa. Tabela 1 Fontes de Financiamento (Banco do Brasil) Garantias Tarifas e Impostos Restrições Quaisquer admitidas pelo Banco Fiança, ou garantias admitidas pelo Banco Fiança do vendedor, como garantia do principal Fiança, podendo ser complementada ou substituída por garantias Quaisquer admitidas pelo Banco IOF Tarifas abertura de crédito e serviços de cobrança; e, IOF Tarifas abertura de crédito na contratação e nas renovações do teto; serviços de cobrança no registro e nas alterações dos títulos; e, IOF Seguro obrigatório Tarifa de abertura de crédito; e, IOF Itens passíveis de apoio e comprovação de gastos Existência de margem disponível no Limite de Crédito, qualquer tipo de bem móvel Limite de R$ ,00 por operação Tabela 2 Fontes de Financiamento (Banrisul) Financiamento Hot Money Conta Garantida Desconto de Títulos Taxas de Juros Parâmetro CDI 3% ao mês Em torno de 3,5% ao mês Em torno de 3,6 % ao mês Características (Prazos e Carências) Curto prazo, máximo 8 dias 90 dias 15 a 120 dias Garantias Tarifas e Impostos Restrições Aval ou Garantia Real¹ Aval e caução dos recebíveis Aval e caução de títulos Tarifas de registro conforme tabela BACEN Cheques sem fundos, protestos, faturamento baixo Vendor Em torno de 4 % ao mês Até 120 dias Aval ou Garantia Real Compror Em torno de 4 % ao mês Até 90 dias Aval ou Garantia Real BNDES TJLP e 5 % ao ano Até 60 meses, com 12 meses de carência Aval ou Garantia Real e garantia do bem financiado

9 Financiamento Factoring Desconto de Títulos BNDES Finame Capital de Giro Crédito Rotativo PROGER Capital de Giro Taxas de Juros De 2,05% a 2,41% ao mês De 2,25% a 2,56% ao mês 6,5% ao ano mais TJLP De 0,833% a 2,55% ao mês De 6,81% a 7,19% ao mês 5% ao ano mais TJLP Taxa préfixada de 4 % ao mês Características (prazos e carências) De 6 a 150 dias De 6 a 120 dias 60 meses com 12 meses de carência De 3 a 24 meses Até 18 meses Garantias Taxas e Impostos Restrições Aval dos sócios e caução dos cheques Aval dos sócios e caução dos títulos Aval e alienação/hipoteca Aval 12 meses Aval 48 meses com 12 meses de carência Aval e alienação Aval ou Garantia Real R$ 24,50 para borderô e R$ 0,20 por cheque R$ 24,50 para borderô e R$ 3,50 por título 0,2% sobre valor do financiamento, com máximo de R$ 400,00 2% sobre o valor da operação. Máximo R$ 300,00 R$ 24,50 contratação. R$ 15,00 trimestre 2% sobre valor da operação. Máximo R$ 150,00 Tarifas conforme tabela do BACEN Financiamento Hot Money 4,5% Conta Garantida Desconto de Títulos 4,8% Taxas de Juros Préfixada 3% Características (prazos e carências) Cobertura fluxo caixa, empréstimo curto prazo de 1 a 29 dias Limite crédito relativo disponível. Uso empresa até 180 dias Adiantamento imediato sem faturamento de vendas à prazo Garantias Taxas e Impostos Restrições Aval e alienação Aval e duplicata R$ Vendor Taxa negociada 2,5% Fiança fabricante BNDES Finame Leasing 2,20% Capital de Giro Cheque Especial 8,75% a 13,95% a.a. 3,30% (juros pré e pós fixados) 8,52% 60 meses pagamento financia compra máquinas e implementos agrícolas Crédito determinado de acordo com a mercantil, onde importante é a utilização do bem e não sua propriedade Exclusivamente para financiar ciclo operacional da empresa 1 a 30 meses Abertura limite conta corrente para eventuais provisões saldo 3 meses com aprovação automática Bem financiado; aval Bem financiado Aval, duplicata, alienação Nota promissória 2% máx. R$150,00, IOF 0,0041%a.d. 2% máx. R$150,00 IOF 0,0041% a.d. 25,00 por contrato e IOF 0,0041% a.d. 2% 2% máximo R$150,00 2% máximo R$ 150,00 2% R$ 10,00 para renovações Crédito Rotativo De 3 a 4,5 % ao mês Até 90 dias 1 Garantia Real: hipoteca, alienação fidutária ou caução de títulos de terceiros. Aval ou Garantia Real Tabela 3 Fontes de Financiamento (Caixa Econômica Federal) Tabela 4 Fontes de Financiamento (Bradesco) Duas casas de factoring também foram pesquisadas, estas são denominadas no trabalho como empresas (A) e (B). As perguntas contidas nos questionários foram referentes a: taxas de juros cobradas; garantias exigidas; prazos; restrições; vantagens do factoring. A empresa (A) cobra de 4 a 6% de juros ao mês, a garantia exigida é o próprio cheque mais um contrato. O prazo máximo aceito é de 90 dias. A única restrição é quando a empresa está

10 falindo. Para a empresa (A), as vantagens do factoring são: o fato de não ter restrições; maior rapidez do que os bancos para liberar o dinheiro e a não retenção de parcela do dinheiro. Seis empresas de autopeças descontam títulos com a casa de factoring (A). No caso da empresa (B) os juros são de 3,5 a 6,5% ao mês e a garantia exigida é o próprio cheque, sendo necessário o comprovante de entrega da mercadoria. O prazo máximo é de até 90 dias, não há restrições e a vantagem desse tipo de financiamento é o dinheiro à vista. A casa possui uma empresa de autopeças que negocia eventualmente com ela. Após a obtenção das informações junto às instituições financeiras e casas de factoring buscouse, nas empresas de autopeças da cidade de Santa MariaRS, obter informações sobre os tipos de financiamentos de capital de giro utilizados. O roteiro para entrevista tinha os seguintes itens: faturamento; volume mensalmente financiado com capital próprio e com recursos de terceiros; formas de financiamento utilizadas; qual forma de financiamento apresenta menor custo e qual é a melhor. As micro empresas incluídas no estudo foram: Borin Autopeças, Coelhinho Borrachas, Auto Center, Ruviaro, Waldir Autopeças, Auto Elétrica Presidente Vargas e São Cristovão Auto Elétrica. A Borin Autopeças utiliza somente capital próprio e acredita ser essa a melhor fonte de recursos por não ter custos nem burocracia. A Coelhinho Borrachas utiliza 10% de capital de terceiros sendo na forma de desconto de títulos e 10% de factoring. Segundo ela essas são as melhores formas de financiamento porque o dinheiro vem na hora. A Auto Center financia suas atividades somente através de capital próprio e acredita que é a melhor fonte por ter menor custo e por ser mais fácil. As empresas Ruviaro, Auto Elétrica Presidente Vargas e São Cristovão Auto Elétrica, utilizam somente capital próprio e, segundo, elas essa é menor fonte de capital de giro por não ter custo ou burocracia. As empresas de pequeno porte Frazzon e Ivo Autopeças e as médias empresas Eletro Peças e Apul também foram incluídas no estudo. A Frazzon somente financia suas atividades através de capital próprio e acredita ser essa a melhor fonte devido ao seu baixo custo e por ser uma opção menos burocrática. A Ivo Autopeças utiliza 50% de capital de terceiros para financiar suas atividades, sendo na forma de: factoring, 30%; BNDES, 10%; crédito rotativo, 30%; e, direto com o fornecedor, 30%. Segundo essa empresa, a melhor fonte é direto ao fornecedor por não apresentar custo ou burocracia. A Eletro Peças utiliza como recurso de terceiros o desconto de títulos totalizando 14,24% do total de recursos. A empresa acredita que recursos BNDES apresentam menor custo, mas a melhor alternativa é o desconto de títulos por ser mais fácil e mais rápido. A Apul utiliza 15% de recursos de terceiros obtidos através de factoring, acredita ser essa a melhor fonte por ter juros menores do que as outras. Os resultados são mostrados, mais claramente, na Tabela 5, a seguir. Tabela 5 Fontes de Financiamento do Capital de Giro Fontes de Número de Percentual Financiamento Empresas Utilizado Capital Próprio ,00 Hot Money 0 0 Conta Garantida 0 0 Factoring 3 27,27 Desconto de Títulos 2 18,18 Vendor 0 0 Compror 0 0 BNDES 1 9,09 Leasing 0 0

11 Capital de Giro 0 0 Crédito Rotativo 1 9,09 Fornecedor 1 9,09 Conclusão A partir do trabalho realizado, podese observar que a maioria das micro, médias e pequenas empresas do setor de autopeças de Santa Maria não possui conhecimentos básicos sobre administração de capital de giro. Estas não conhecem, teoricamente, aspectos básicos da área financeira, o que pode ser observado em respostas como o capital próprio não possui custo algum. Também, não possuem conhecimentos financeiros práticos, pois demonstraram não conhecer a maioria das fontes de financiamento de capital de giro identificadas, fazendo empréstimos que consideram mais fáceis e menos burocráticos em vez de utilizarem os que, realmente, têm os menores custos. Ficou evidente, após o presente estudo, uma atitude passiva das instituições financeiras, pois a grande maioria das empresas pesquisadas não tem conhecimentos básicos das formas disponíveis nessas instituições para financiar capital de giro. Para a maioria dos empresários entrevistados, a tomada de empréstimos bancários tem uma conotação negativa, sinônima de altos custos e elevada burocracia. As instituições financeiras, por sua vez, poderiam ter uma atitude próativa junto às empresas, divulgando seus produtos e destacando as suas vantagens junto ao empresariado de forma a aumentar suas carteiras de clientes. Referências Bibliográficas ASSAF NETO, Alexandre. Finanças Corporativas e Valor. São Paulo: Atlas, ASSAF NETO, Alexandre; SILVA, César Augusto Tibúrcio. Administração do Capital de Giro. 2 ed. São Paulo: Atlas, AVILA, Jorge de. Pesquisa em administração. Caderno didático. Santa Maria: UFSM, BNDES. Produtos e Serviços. Disponível em: Acessado em: 06 de outubro de BRAGA, Roberto. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São Paulo: Atlas, DI AGUSTINI, Carlos Alberto. Capital de Giro: análise das alternativas fontes de financiamento. 2 ed. São Paulo: Atlas, FORTUNA, Eduardo. Mercado Financeiro: produtos e serviços. 15 ed. Rio de Janeiro: Qualitynark, GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 7 ed. São Paulo: Harba, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamento de metodologia científica. São Paulo: Atlas, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 2 ed. São Paulo: Atlas, LEITE, Luiz Lemos. Factoring no Brasil. 6 ed. São Paulo: Atlas, LEMES JÚNIOR, Antônio Barbosa; RIGO, Cláudio Miessa; CHEROBIM, Ana Paula Mussi Szabo. Administração financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras. Rio de janeiro: Campus, MELLAGI FILHO, Armando. Mercado financeiro e de capitais. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1998.

12 MEURER, Ione Michels. Vendor como fonte de financiamento Dissertação (Mestrado em Administração) Programa de PósGraduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. RUIZ, João Álvaro. Metodologia Científica: Guia para eficiência nos estudos. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Um EMPRÉSTIMO é um contrato entre o cliente e a instituição financeira pelo qual ele recebe uma quantia que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida dos

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS 1 2 Identificar os principais produtos e serviços oferecidos pelos bancos no Brasil; 3 I INTRODUÇÃO 4 II - DESENVOLVIMENTO 1. PRODUTOS BANCÁRIOS 2. TIPOS DE CONTAS 3. OPERAÇÕES ATIVAS a. Cheque Especial

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil Introdução Intermediação Financeira Captação x Aplicação Risco x Retorno Spread Bancário CDI Análise do Crédito Empréstimos e financiamentos Banco Tomador

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil e AmBev

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil e AmBev Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil e AmBev Setembro/20 Senhores Franqueados, O convênio firmado com o Banco do Brasil visa propiciar às Franquias Brahma AmBev, acesso à linhas de crédito (capital

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nova estrutura de dados de crédito Nota Metodológica 1. Introdução Esta Nota tem por objetivo descrever os principais aprimoramentos incorporados

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

AUTOR(ES): JAQUELINE OLIVEIRA BATISTA BELMIRO FERREIRA, JOICE KELLY ORTEGA CONRADO, TALITA DE FATIMA SILVA CAVALCANTE

AUTOR(ES): JAQUELINE OLIVEIRA BATISTA BELMIRO FERREIRA, JOICE KELLY ORTEGA CONRADO, TALITA DE FATIMA SILVA CAVALCANTE TÍTULO: GESTAO DE CAPITAL DE GIRO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM AUTOR(ES): JAQUELINE OLIVEIRA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior*

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* Publicado em 2 de março de 2007 PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* 1. Sabemos que o Banco Central exige que os bancos mantenham um nível mínimo

Leia mais

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA Cristiane Escarpelini dos Santos - cristianne88@hotmail.com Ricardo dos Santos Gabriel de Jesus - rickccb@gmail.com Profº. M. Sc. Francisco Cezar Vendrame - fcvendrame@unisalesiano.edu.br

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Sebastião Macedo Pereira

Sebastião Macedo Pereira BNDES e o Segmento Editorial e Livrarias Sebastião Macedo Pereira Procult - Objetivos Objetivos específicos Promover o fortalecimento e a consolidação da cadeia produtiva editorial no País, o desenvolvimento

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC CMN ORGAO MAXIMO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA FAZENDA, MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, BACEN COMOC RESOLUÇÕES COPOM DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS Cadeia Produtiva do Café CADA + VEZ BOMPRATODOS Capital de Giro Recebíveis BB Giro Empresa Flex Agro Crédito Agroindustrial Desconto de Cheques/Títulos BB Giro Recebíveis Duplicatas/Cheques/Cartões BB

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Desconto É a denominação dada a um abatimento que se faz quando um título de crédito é resgatado antes de seu vencimento. Onde: N : valor nominal; V : valor líquido; D : desconto; t : data de vencimento.

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

Fontes de Financiamento para Capital de Giro

Fontes de Financiamento para Capital de Giro Fontes de Financiamento para Capital de Giro Camila Diniz Paulo Victor Alan Jivago OBJETIVOS APRESENTAR CONCEITUALMENTE AS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO Das atividades operacionais da

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil S.A. e FENACAT 2 Prezadas Associadas, As informações aqui tratadas orientam sobre como obter os benefícios e utilizar os produtos e serviços descritos nesta

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Curso: Adm Geral. Decisões de Investimento e Financiamento III. Financiamentos. Financiamentos de Curto Prazo. Prof.: Marcelo dos Santos

Curso: Adm Geral. Decisões de Investimento e Financiamento III. Financiamentos. Financiamentos de Curto Prazo. Prof.: Marcelo dos Santos Curso: Adm Geral Prof.: Marcelo dos Santos Decisões de Investimento e Financiamento III Financiamentos Fontes de financiamento de curto prazo. Fontes de financiamento a médio e a longo prazo. Arrendamento

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Financiamento externo. As opções de financiamento são variáveis.

Financiamento externo. As opções de financiamento são variáveis. Financiamento externo As opções de financiamento são variáveis. O suporte que a administração do MAXIPAS pode vir a fornecer aos franqueados consiste na elaboração do projeto de financiamento para aquisição

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM

I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM Grupo de Trabalho Permanente / GTP-APL Rede de Distribuição 3.407 Agências 6.015 Agências 36 Milhões de Clientes Agências Bradesco Expresso Banco

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FONTE DE CAPITAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FONTE DE CAPITAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FONTE DE CAPITAL GOIÂNIA 2012 1 ANA CAROLINA MARQUES DE OLIVEIRA ANA CAROLINA TINOCO TEODORO HYAGO GONÇALVES DE CARVALHO LAVIO RIBEIRO

Leia mais

Viabilizando o Crédito

Viabilizando o Crédito Palestra: Viabilizando o Crédito Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br O que é CRÉDITO? Credare: Confiar, acreditar. Percepção externa baseada

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014. Diretoria de Micro e Pequenas Empresas

O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014. Diretoria de Micro e Pequenas Empresas O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014 Diretoria de Micro e Pequenas Empresas Novembro de 2011 O Apoio do BB à Copa do Mundo de 2014 Posicionamento junto ao Mercado MPE MPE O Apoio do BB à Copa do Mundo

Leia mais