3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA"

Transcrição

1 3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA A experiência de Portugal como país de imigração, é um fenómeno ainda recente. Tradicionalmente país de emigração, foi apenas a partir de meados dos anos setenta que passou de fornecedor de mão-de-obra à Europa desenvolvida, a país de acolhimento de trabalhadores estrangeiros. Contudo, à semelhança do que aconteceu noutros países da Europa do Sul, no último quarto de século, registouse um assinalável aumento da imigração oriunda dos Países Africanos de Língua Portuguesa e do Brasil e, mais recentemente, dos países da Europa de Leste e da ex-urss CONTEXTO DA IMIGRAÇÃO E EVOLUÇÃO DAS PRINCIPAIS COMUNIDADES No Recenseamento da População de 1960 foram contabilizados estrangeiros residentes em Portugal, sendo europeus (dos quais espanhóis) e brasileiros. O contingente de estrangeiros permaneceu relativamente estável durante alguns anos, começando a registar sinais de crescimento no final da década de sessenta. Esta imigração tinha um carácter dualista. O reforço das relações económicas com as economias europeias mais avançadas, após a integração na EFTA, a abertura ao investimento estrangeiro e o desenvolvimento do turismo no Algarve, atraíram para Portugal administradores e profissionais altamente qualificados, para trabalhar nas empresas multinacionais e também alguns reformados, sobretudo britânicos, que se estabeleceram no Algarve. Por outro lado, o desenvolvimento industrial e o crescimento urbano, num contexto de guerra colonial e de Reunificação familiar e imigração em Portugal (81)

2 forte emigração laboral das áreas rurais para os países desenvolvidos da Europa Ocidental, sobretudo para a França e Alemanha, criaram oportunidades de emprego, na construção civil e nos serviços desqualificados, para a primeira vaga de imigrantes cabo-verdianos. 117 A vinda dos retornados 118 para Portugal, em 1975 e 1976, num contexto internacional favorável à imigração para a Europa do Sul, teve um papel muito importante no crescimento do volume de migrantes económicos provenientes dos PALOP, uma vez que os refugiados de origem africana facilitaram o desenvolvimento de redes de conhecimento interpessoal, de apoio à instalação dos novos imigrantes (Bastos e Bastos, 1999; Esteves, 1991; Fonseca, 2001; Malheiros, 1996). 119 O Quadro 6 põe em evidência o crescimento do número de estrangeiros residentes em Portugal, em situação regular, verificando-se que entre 1975 e 2002, o número de imigrantes com autorização de residência em Portugal, evoluiu de para , ou seja para um valor sete vezes e meia superior ao registado no ano inicial. 117 Lucinda Fonseca (2001), pp O termo retornado designa o conjunto de cidadãos de origem portuguesa, residentes nas ex-colónias africanas, que vieram para Portugal na sequência do processo de descolonização dos PALOP. 119 Calcula-se que se terão estabelecido em Portugal, entre 1975 e 1977, um pouco mais de meio milhão de indivíduos provenientes das ex-colónias africanas (Fonseca, 1990; Pires et al., 1987). (82) Reunificação familiar e imigração em Portugal

3 QUADRO 6 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE ESTRANGEIROS COM AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊN- CIA EM PORTUGAL, Ano N.º de estrangeiros Ano N.º de estrangeiros ** ** * Fonte: INE Estatísticas Demográficas, ; Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) * As estatísticas de 1994 incluem as legalizações extraordinárias de 1992/93. ** Os valores de 1992 e 1993 apresentam pequenas variações nas diferentes tabelas das estatísticas oficiais. A imigração de natureza económica intensificou-se com a chegada de novos imigrantes provenientes, principalmente dos PALOP, muitos dos quais entraram ou permaneceram no país, em situação irregular. Para regularizar a situação dos imigrantes indocumentados, nos anos noventa efectuaram-se duas campanhas de legalização extraordinária uma em 1992/93 e outra em No primeiro desses períodos foram concedidas autorizações de residência a imigrantes clandestinos, dos quais 72,4% eram cidadãos das ex-colónias africanas (Quadro 7). No segundo, os valores correspondentes foram e 66,7% respectivamente. Por nacionalidades, o valor máximo de legalizações foi obtido por angolanos (29,3% da soma das duas campanhas), apesar de, em 1992, o número de cidadãos de Cabo Verde legalmente residentes em Portugal ser cinco vezes superior ao de Angola. A seguir aos angolanos, embora, a grande distância daqueles, os cabo-verdianos, guineenses Reunificação familiar e imigração em Portugal (83)

4 e brasileiros foram os grupos que registaram maior número de regularizações. Contudo, importa salientar que, enquanto as comunidades de língua portuguesa diminuíram o seu peso relativo na segunda campanha de regularização, os chineses e paquistaneses registaram um crescimento bastante expressivo, cabendo a cada um cerca de 5% do total. QUADRO 7 - LEGALIZAÇÕES EXTRAORDINÁRIAS EM 1992/93 E 1996 Nacionalidade 1992/ Total n.º % n.º % n.º % Total , , ,00 PALOP , , ,69 Angola , , ,33 Cabo Verde , , ,38 Guiné-Bissau , , ,41 Moçambique 757 1, , ,58 São Tomé e Príncipe , , ,98 Senegal , , ,79 Marrocos 98 0, , ,83 Brasil , , ,34 China , , ,99 Paquistão 286 0, , ,74 Índia 261 0, , ,58 Bangladesh 139 0, , ,20 Outras nacionalidades , , ,84 Fonte: Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) A elevada proporção de legalizações de imigrantes dos PALOP, efectuadas em 19922/93 e 1996, confirma não só a forte incidência da imigração clandestina, entre os migrantes económicos africanos, mas também a persistência, por períodos longos, das situações de residência ilegal, em muitos casos, derivada das alterações à lei da nacionalidade introduzidas pela Lei n.º 308-A/75 de 24 de Junho, ou da permanência em Portugal para além do período de residência autorizada. A Figura 2 sintetiza a evolução do número de cidadãos estrangeiros com autorização (84) Reunificação familiar e imigração em Portugal

5 de residência em Portugal, por continentes de origem. Nela pode observar-se o elevado crescimento do número de imigrantes, observado a partir de meados dos anos oitenta, sobretudo africanos, europeus e sul-americanos. Os africanos constituem o grupo mais numeroso ( pessoas, 47,8% do total. Os europeus, apesar de terem vindo a diminuir o seu peso no conjunto da população estrangeira, em valor absoluto, têm continuado a aumentar, acompanhando o processo de internacionalização da economia portuguesa e de integração de Portugal na União Europeia. Em 2002, eram o segundo grupo mais numeroso com indivíduos (30,2% do total). A América Central e do Sul ocupa a terceira posição na hierarquia das áreas de origem dos estrangeiros residentes em Portugal (12,8% do total). Os asiáticos têm ainda uma dimensão reduzida ( pessoas, o que equivale a 4,5% do número total de estrangeiros), mas, nos últimos anos, têm vindo a crescer a um ritmo bastante acelerado, sobretudo os chineses, os indianos e os paquistaneses. Os norte-americanos representam uma fracção apenas ligeiramente inferior à dos asiáticos (4,2% do total, ou seja, indivíduos) e correspondem, quer a contracorrentes geradas pelos anteriores fluxos de emigração portuguesa, quer à imigração de profissionais qualificados associados ao investimento americano em Portugal. FIGURA 2 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE ESTRANGEIROS, COM AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊN- CIA EM PORTUGAL, POR REGIÕES DE ORIGEM, Fonte: INE- Estatísticas Demográficas; SEF Estatísticas de Estrangeiros Reunificação familiar e imigração em Portugal (85)

6 Numa análise desagregada por países de nacionalidade verifica-se que 58,8% dos estrangeiros que, em 2002, tinham autorização de residência em Portugal, eram originários dos PALOP e do Brasil, facto que sugere uma forte associação entre a imigração para Portugal e o passado colonial do país (Fonseca et al., 2002). Cabo Verde, Angola e a Guiné-Bissau, são as nacionalidades mais representativas no conjunto do continente africano, correspondendo, respectivamente à primeira, terceira e quarta posições, na hierarquia dos principais países de origem das comunidades imigradas residentes em Portugal (Figura 3), cabendo-lhes, pela ordem indicada, 21,9%, 10,3% e 8% do total de estrangeiros que, nessa data, residiam legalmente em Portugal. A comunidade brasileira, a seguir a Cabo Verde é a mais numerosa, representando 10,4% dos imigrantes autorizados a residir no País. Na Europa, as nacionalidades mais representativas são o Reino Unido (6,7%), a Espanha (6,1%) e a Alemanha (5%). No conjunto das 15 nacionalidades com maior número de residentes, além das já referidas, salientam-se ainda, por ordem decrescente de importância, os Estados Unidos da América (8º lugar), a Holanda (11º lugar), a China (12º lugar) a Itália (13º lugar), a Bélgica (14º lugar) e o Canadá (15º lugar). (86) Reunificação familiar e imigração em Portugal

7 FIGURA 3 NÚMERO DE ESTRANGEIROS COM AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA EM PORTUGAL, EM 31/12/2002, SEGUNDO OS 15 PRINCIPAIS PAÍSES DE NACIONALIDADE Fonte: INE Estatísticas Demográficas (2002) 3.2. ÁREAS DE RESIDÊNCIA EM PORTUGAL No que se refere ao padrão espacial das áreas de residência em Portugal, observase uma forte concentração nos distritos de Lisboa, Faro, Setúbal e Porto que, em conjunto, detêm 83,4% do total da população estrangeira que, no final de 2002, dispunha de uma autorização de residência em Portugal (Figura 4). Fora destas áreas, salientam-se ainda os restantes distritos litorais do território do continente (Aveiro, Coimbra, Braga e Leiria) e as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira. No interior do país, a presença de estrangeiros é ainda relativamente escassa, apesar de, nos anos mais recentes, ter registado taxas de crescimento relativamente elevadas, nomeadamente da nova vaga de imigrantes provenientes da Europa de Leste e da ex-urss. Reunificação familiar e imigração em Portugal (87)

8 FIGURA 4 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA, POR DISTRITOS E REGIÕES AUTÓNOMAS, DA POPULAÇÃO ESTRANGEIRA COM AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA EM PORTUGAL EM 31/12/2002 Fonte: Serviço de Estrangeiros e Fronteiras O Recenseamento da População de 2001 permite uma análise espacial mais desagregada da distribuição geográfica dos habitantes de nacionalidade estrangeira, na data de realização do censo. 120 Deste modo, no censo de 2001, salienta-se ainda mais a forte polarização nas aglomerações urbanas mais importantes, com particular destaque para a Área Metropolitana de Lisboa, região onde residiam 55,5% do total de cidadãos estrangeiros recenseados em Portugal, o que equivale a 4,7% dos habitantes da aglomeração urbana da Capital. Na mesma data, no conjunto do território nacional, os residentes estrangeiros representavam 2,2% da população total. Fora da Área Metropolitana de Lisboa, as comunidades imigradas mais numerosas localizam-se na região algarvia e na Área Metropolitana do Porto, que, pela ordem indicada, 120 O número de estrangeiros indicado pelo Recenseamento da População não é comparável ao número de imigrantes documentados registados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, não só porque os dados do INE e do SEF se referem a momentos diferentes, 12 de Março e 31 de Dezembro, respectivamente, mas também porque os valores do Recenseamento podem incluir alguns imigrantes em situação irregular. Deste modo, a população estrangeira com residência legalizada em Portugal, no final de 2001, segundo o SEF, cifrava-se em indivíduos. Por sua vez, a população com nacionalidade estrangeira recenseada em 12 de Março de 2001 era de pessoas. (88) Reunificação familiar e imigração em Portugal

9 contavam com 10,5% e 6,0% dos residentes nacionais de outros países (Figura 5). FIGURA 5 NÚMERO DE RESIDENTES ESTRANGEIROS EM 2001 Fonte: INE Censos 2001, com tratamento próprio A cartografia, por concelhos, do número de estrangeiros por cada mil residentes, reflecte, com maior nitidez, os impactes demográficos, regionalmente diferenciados da imigração para Portugal continental (Figura 6). Reunificação familiar e imigração em Portugal (89)

10 FIGURA 6 NÚMERO DE ESTRANGEIROS POR MIL HABITANTES, 2001 Fonte: INE Censos 2001, com tratamento próprio A média nacional de estrangeiros por mil habitantes, em 2001, ascendia a 21,9. No entanto, ao nível municipal observam-se grandes assimetrias espaciais, registando-se uma amplitude de variação de 91,9 estrangeiros por mil habitantes, a que corresponde um valor mínimo de 1,6 %o (concelho de Cuba, Baixo Alentejo) e um valor máximo de 93,6%o (concelho de Albufeira, Algarve). (90) Reunificação familiar e imigração em Portugal

11 A população de nacionalidade estrangeira tem maior representação relativa no Algarve, atingindo 6% do total de habitantes da região. Apenas dois concelhos algarvios registam taxas do stock de estrangeiros inferiores à média do país (Alcoutim e Castro Marim) e seis dos catorze restantes, detêm as taxas máximas observadas nos municípios portugueses (Albufeira, Aljezur, Lagoa, Vila do Bispo, Lagos e Loulé). A região de Lisboa é, depois do Algarve, a que tem maior proporção de estrangeiros (47,1%o), destacando-se os concelhos da Amadora, Loures, Sintra, Cascais, Odivelas e Seixal que, pela ordem indicada, são os que têm maiores permilagens de residentes não nacionais (respectivamente, 71,1, 67,5, 64,4 e 60,2, 55,4 e 53,1%o). No Alentejo, salienta-se Mourão, com uma população estrangeira de 6,5%, essencialmente constituída por trabalhadores africanos, brasileiros e europeus de leste que, nessa época, trabalhavam na construção da barragem do Alqueva. Contudo, no conjunto da região, os imigrantes internacionais correspondem a uma fracção de apenas 1,2%. A região norte é aquela em que a população estrangeira tem menor peso relativo (0,9%) e em que todos os municípios têm valores inferiores à média do país. A incidência demográfica da imigração na Região Centro é também bastante reduzida, dado que a população estrangeira representa apenas 1,2% do total. No entanto, na Figura 5 pode verificar-se uma forte litoralização da imigração, acompanhando e acentuando as assimetrias regionais de distribuição da população portuguesa. Nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, em 2001, residiam, respectivamente, 14,6 e 9,5 cidadãos estrangeiros por cada mil habitantes. A metropolização das migrações internacionais é particularmente evidente no caso dos nacionais dos PALOP dado que a percentagem dos que residem na Grande Lisboa e na Península de Setúbal ascende a 81% (Figura 7). Reunificação familiar e imigração em Portugal (91)

12 FIGURA 7 NÚMERO DE RESIDENTES ESTRANGEIROS, NACIONAIS DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA, 2001 Fonte: INE Censos 2001, com tratamento próprio Os cidadãos dos PALOP constituem o maior grupo de estrangeiros que, em 2001, residia em Portugal. Por isso, o padrão de distribuição concelhia do número de estrangeiros nacionais desses países por mil residentes apresenta um forte paralelismo com o do conjunto da população estrangeira (Figuras 6 e 7). (92) Reunificação familiar e imigração em Portugal

13 FIGURA 8 NÚMERO DE ESTRANGEIROS, NACIONAIS DOS PALOP, POR MIL RESIDENTES, EM 2001 Fonte: INE Censos 2001, com tratamento próprio As taxas mais elevadas ocorrem na primeira coroa suburbana da Área Metropolitana de Lisboa, cabendo o valor máximo ao município da Amadora (58,3 %o habitantes). Fora desta região destacam-se Sines e Mourão no Alentejo e Loulé no Algarve. Reunificação familiar e imigração em Portugal (93)

A Imigração em Portugal

A Imigração em Portugal Immigrant Language Learning A Imigração em Portugal Relatório síntese elaborado pela DeltaConsultores - Projecto financiado pela UE no âmbito do Programa Sócrates Luísa Falcão Lisboa, Fevereiro de 2002

Leia mais

Inserção Territorial Urbanismo, Desenvolvimento Regional e Políticas Locais de Atracção

Inserção Territorial Urbanismo, Desenvolvimento Regional e Políticas Locais de Atracção Inserção Territorial Urbanismo, Desenvolvimento Regional e Políticas Locais de Atracção Maria Lucinda Fonseca Centro de Estudos Geográficos/Departamento de Geografia Faculdade de Letras da Universidade

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA Admite se o caráter mais ou menos estacionário da população portuguesa até meados do século XVII, ultrapassando um tanto, embora com altos e baixos, o milhão de habitantes.

Leia mais

População estrangeira em Portugal modera crescimento

População estrangeira em Portugal modera crescimento As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto População estrangeira em Portugal modera crescimento Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada, estatuto de residente

Leia mais

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos

Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Em Portugal existem 159 cidades, nas quais residiam 4,5 milhões de indivíduos Nas 159 cidades portuguesas residiam 4,5 milhões de indivíduos, o que correspondia a 42% da população residente em Portugal

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

Valores #N/D de Avaliação Bancária. Dezembro - 2015

Valores #N/D de Avaliação Bancária. Dezembro - 2015 Valores #N/D de Avaliação Bancária Dezembro - 2015 Valores Mensais de Avaliação Bancária: Quadro Resumo Portugal Norte Centro Alentejo Algarve Açores Madeira Valor Médio (VM) 1.043/m² 916/m² 856/m² 1.267/m²

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE

AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE Francisco Knopfli CARACTERIZAÇÃO DA COMUNIDADE PORTUGUESA NO BRASIL De acordo com os elementos disponíveis quando era embaixador em Brasília (2001) a população

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975)

Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975) Ciência e Tecnologia de Defesa no 3.º Quartel do Séc. XX A cartografia Militar em PORTUGAL (1950-1975) 1975) A cartografia Militar Resumo histórico do IGeoE Evolução das instalações Produção cartográfica

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

VERSÃO 2. Prova Escrita de Geografia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Geografia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 719/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

A CI D ADE DA AM A DO RA

A CI D ADE DA AM A DO RA ÍNDICE A C I D A D E D A A M A D O R A. 1 O B J E T I V O S G L O B A I S E E S T R A T É G I A D O P R O J E T O C O M U N I C A Ç Ã O P A R A A I N T E G R A Ç Ã O.5 E N Q U A D R A M E N T O D O P R

Leia mais

TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4

TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4 TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4 Setembro de 2015 Índice 0. Factos mais relevantes no tráfego marítimo de mercadorias em 2014... 3 1. Introdução... 5 2. Movimento geral de mercadorias...

Leia mais

PRÁTICAS MUSICAIS LOCAIS: ALGUNS INDICADORES PRELIMINARES 1

PRÁTICAS MUSICAIS LOCAIS: ALGUNS INDICADORES PRELIMINARES 1 PRÁTICAS MUSICAIS LOCAIS: ALGUNS INDICADORES PRELIMINARES 1 Salwa El-Shawan Castelo-Branco Maria João Lima A música enquanto processo social, produto cultural e comportamento expressivo desempenha um papel

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 215 14 de janeiro de 216 Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Movimento de passageiros nos aeroportos continua a crescer mas com ligeira

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

Projectos e Trajectos

Projectos e Trajectos PROCESSOS DE RECOMPOSIÇÃO SOCIAL E RECONFIGURAÇÃO CULTURAL Projectos e Trajectos Jovens descendentes de imigrantes Jovens com baixa qualificação e experiência profissional Imigrantes profissionais JOVENS

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Título da comunicação: As comunidades de origem imigrante e a escola 1 Tema: Migrações Sub-Tema: Migrações e Sistema de Ensino

Título da comunicação: As comunidades de origem imigrante e a escola 1 Tema: Migrações Sub-Tema: Migrações e Sistema de Ensino 1 II CONGRESSO PORTUGUÊS DE DEMOGRAFIA 27 a 29 Setembro 2004 Nome: Instituição: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa Departamento de investigação: SociNova/Migration Título

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade

Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade 30 de maio de 2014 Dia Mundial da Criança 1 1 de junho Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente caiu para cerca de metade Em 50 anos a percentagem de crianças na população residente

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos

Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos Censos 2011 Resultados Pré-definitivos Momento Censitário 21 de março 2011 03 de fevereiro de 2012 Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos Cerca de 12 da população

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO SÍSMICA 2010 8º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO CARLOS SOUSA OLIVEIRA Prof. Catedrático ICIST/IST Lisboa-Portugal MÓNICA AMARAL

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

EMAF. AEP / Gabinete de Estudos

EMAF. AEP / Gabinete de Estudos EMAF AEP / Gabinete de Estudos Janeiro de 2008 1. Variáveis e Indicadores das Empresas 1 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2004, 126 empresas e 2176 trabalhadores, empregando, cada

Leia mais

OEm Observatório da Emigração. Emigração Portuguesa. Relatório Estatístico 2014

OEm Observatório da Emigração. Emigração Portuguesa. Relatório Estatístico 2014 OEm Observatório da Emigração Emigração Portuguesa Relatório Estatístico 2014 Entidade proponente e financiadora Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas (GSECP) Direção Geral dos Assuntos

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 Entrada e Permanência I. FONTES OFICIAIS NACIONAIS... 3 Vistos de Estada Temporária (VET) e de Residência (VR), emitidos em 2009, por Tipo de Visto... 4 Vistos de Estada

Leia mais

A IMIGRAÇÃO AFRICANA EM PORTUGAL NOS ÚLTIMOS VINTE ANOS: OPORTUNIDADES E AMEAÇAS NO MERCADO DE TRABALHO

A IMIGRAÇÃO AFRICANA EM PORTUGAL NOS ÚLTIMOS VINTE ANOS: OPORTUNIDADES E AMEAÇAS NO MERCADO DE TRABALHO ÁREA TEMÁTICA: Migrações, Etnicidade e Racismo A IMIGRAÇÃO AFRICANA EM PORTUGAL NOS ÚLTIMOS VINTE ANOS: OPORTUNIDADES E AMEAÇAS NO MERCADO DE TRABALHO SANTOS, José Rebelo dos Doutoramento, Sociologia Universidade

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Ana Madeira Joana Teixeira Fernanda Botelho João Costa Sofia Deus Alexandra

Leia mais

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Síntese A taxa de ocupação-quarto registada no país, em 2012, foi de 51,5%, com os residentes

Leia mais

de Direito que oferecem.

de Direito que oferecem. In-Lex O RETRATO DO ANUÁRIO ADVOCACIA SOCIETÁRIA PORTUGUESA JÁ está representada EM 60 PAÍSES São 152 sociedades, maioritariamente de pequena e média dimensão, integram mais de 3.400 advogados, prestam

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios)

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Dia Mundial da Tuberculose 24 de março de 2013 Índice Introdução... 3 Metodologia...

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 1 Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 Relatório 2014 ACEGIS Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social 8 de março de 2014 Dia Internacional

Leia mais

Inserção Territorial e Laboral

Inserção Territorial e Laboral Imigrantes na Região Autónoma dos Açores Inserção Territorial e Laboral Angra do Heroísmo, 30 de Maio de 2008 Aníbal C. Pires 1. Inserção territorial dos imigrantes na RAA 1.1 Número de cidadãos estrangeiros

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as actuais 134 cidades do país e as áreas metropolitanas

Leia mais

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento CAPÍTULO I CAPÍTULO I Golfe e Turismo: indústrias em crescimento O universo do golfe, bem visível hoje em muitos territórios, tem desde logo ao nível de contribuição uma relação de causa consequência com

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Documento explicativo sobre o artigo 18.º que estabelece as obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa

Leia mais

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍ ÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 LINHA DE CRÉDITO PARA ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR COM GARANTIA MÚTUA ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 Comissão de Acompanhamento 29 de Maio de 2008 Introdução, e principais conclusões Este documento

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Artigo 18.º - Obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo SOU UMA EMPRESA OU

Leia mais

International Migration Outlook 2012. Perspectivas sobre a Imigração para 2012. Summary in Portuguese. Sumário em Português

International Migration Outlook 2012. Perspectivas sobre a Imigração para 2012. Summary in Portuguese. Sumário em Português International Migration Outlook 2012 Summary in Portuguese Leia todo o livro em: 10.1787/migr_outlook-2012-en Perspectivas sobre a Imigração para 2012 Sumário em Português O abrandamento dos fluxos migratórios

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. XXXIV (153), 2000, 1045-1055 Notas sobre a Lisboa: Área Metropolitana e cidade Em Portugal, os desequilíbrios de povoamento da são por de mais evidentes. Neste

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade, Emprego e

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

Vicentina Associação para o Desenvolvimento do Sudoeste Encontro Atividades Marítimo Turísticas Desafios e Oportunidades Albufeira, 28 abril de 2014

Vicentina Associação para o Desenvolvimento do Sudoeste Encontro Atividades Marítimo Turísticas Desafios e Oportunidades Albufeira, 28 abril de 2014 Vicentina Associação para o Desenvolvimento do Sudoeste Encontro Atividades Marítimo Turísticas Desafios e Oportunidades Albufeira, 28 abril de 2014 Titulo da apresentação: Apresentação do projeto Mar&

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 (Dados 2009) José António Girão* 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3 6. ESTRUTURA EMPRESARIAL 4 7. EMPREGO 5

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL Banco Interamericano de Desenvolvimento Fundo Multilateral de Investimentos Financiado pelo Fundo Português de Cooperação Técnica ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL SUMÁRIO EXECUTIVO Equipa

Leia mais

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento Eva Milheiro Escola Superior de Educação de Portalegre 1. Introdução O turismo, pelo estímulo que confere à economia e ao desenvolvimento

Leia mais

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Ministério da Educação Portaria n.º 1298/03 de de Novembro A unificação

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE MARÇO 2013 Índice 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 2. INQUÉRITO AOS AGREGADOS FAMILIARES... 11 2.1. Descrição do trabalho realizado...

Leia mais

UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL

UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL OS INVESTIMENTO PORTUGUESES NO BRASIL 11 UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL JOAQUIM RAMOS SILVA 1 Realizado em Setembro de 2005, o questionário do ICEP Portugal Delegação em São

Leia mais

TRÁFICO DE SERES HUMANOS

TRÁFICO DE SERES HUMANOS M i n i s t é r i o d a A d m i n i s t r a ç ã o I n t e r n a O b s e r v a t ó r i o d o T r á f i c o d e S e r e s H u m a n o s TRÁFICO DE SERES HUMANOS RELATÓRIO 2013 abril, 2014 ÍNDICE Acrónimos

Leia mais

Sumário Executivo As principais características da estrutura accionista das sociedades de direito nacional cotadas na Euronext Lisbon mantiveram-se inalteradas em 2010 face ao ano anterior, ainda que denotando

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Relatório 2011. Edição:

Ficha Técnica. Título: Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Relatório 2011. Edição: 0 Ficha Técnica Título: Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Relatório 2011 Edição: Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa EAPN Portugal Rede Europeia Anti Pobreza

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

Acesso aos Cuidados de Saúde e Nível de Saúde das Comunidades Imigrantes Africana e Brasileira em Portugal

Acesso aos Cuidados de Saúde e Nível de Saúde das Comunidades Imigrantes Africana e Brasileira em Portugal Acesso aos Cuidados de Saúde e Nível de Saúde das Comunidades Imigrantes Africana e Brasileira em Portugal Estatísticas de Imigração A informação quantitativa disponível sobre a população estrangeira residente

Leia mais

mudanças e a alterar realidade dos Censos

mudanças e a alterar realidade dos Censos Crise está a acelerar mudanças e a alterar realidade dos Censos RESULTADOS Menos de dois anos depois, a crise já contribuiu para desatualizar alguns números dos últimos Censos, apresentados ontem. ATUAL

Leia mais

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS 1 A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS Fausto Brito Cláudia Júlia Guimarães Horta Ernesto Friedrich de Lima Amaral O grande ciclo de expansão da urbanização no Brasil é relativamente

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

Atividade dos Transportes

Atividade dos Transportes 28 de maio de 213 Atividade dos Transportes I. Transporte marítimo, fluvial, aéreo e ferroviário de passageiros e mercadorias (212 - dados provisórios) II. Transporte rodoviário de mercadorias no Continente

Leia mais

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Metodologia Dimensão da amostra Datas das entrevistas Margem de erro Idioma das entrevistas 1,000 Brasileiros adultos 23 Novembro

Leia mais

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional INTRODUCTION 5 Índice Geral Índice Alfabético 11 Índice Cronológico 15 Índice Sistemático 19 Nota Prévia 65 Parte I Estrangeiros em geral 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros

Leia mais

A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças.

A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças. POPULAÇÃO Migrações A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças. A população estrangeira em países mais desenvolvidos aumentou em 23 milhões na

Leia mais