UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA MESTRADO EM PSICANÁLISE, SAÚDE E SOCIEDADE JULIANI BITTENCOURT COSTA FIBROMIALGIA: HISTERIA DA ATUALIDADE?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA MESTRADO EM PSICANÁLISE, SAÚDE E SOCIEDADE JULIANI BITTENCOURT COSTA FIBROMIALGIA: HISTERIA DA ATUALIDADE?"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA MESTRADO EM PSICANÁLISE, SAÚDE E SOCIEDADE JULIANI BITTENCOURT COSTA FIBROMIALGIA: HISTERIA DA ATUALIDADE? Rio de Janeiro 2013

2 Juliani Bittencourt Costa FIBROMIALGIA: HISTERIA DA ATUALIDADE? Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Psicanálise, Saúde e Sociedade da Universidade Veiga de Almeida por JULIANI BITTENCOURT COSTA, como requisito para obtenção do grau de Mestre. Área de concentração: Psicanálise e saúde. Orientadora: Profª Drª Vera Pollo Rio de Janeiro 2013

3 DIRETORIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU E DE PESQUISA Rua Ibituruna, 108 Maracanã Rio de Janeiro RJ Tel.: (21) (21) FICHA CATALOGRÁFICA C837f Costa, Juliani Bittencourt. Fibromialgia: histeria da atualidade? / Juliani Bittencourt Costa, f; 30 cm. Dissertação (Mestrado) Universidade Veiga de Almeida,Mestrado Profissional em Psicanálise, Saúde e Sociedade, Rio de Janeiro, Orientação: Profa. Dra. Vera Pollo. 1. Psicanálise. 2. Fibromialgia. 3. Histeria. 4. Dor. I. Pollo, Vera. II. Universidade Veiga de Almeida, Mestrado Profissional em Psicanálise, Saúde e Sociedade. III. Título.. CDD Decs Ficha Catalográfica elaborada pelo Sistema de Bibliotecas da UVA Biblioteca Maria Anunciação Almeida de Carvalho

4 Juliani Bittencourt Costa Fibromialgia: Histeria da Atualidade? Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Psicanálise, Saúde e Sociedade da Universidade Veiga de Almeida, para obtenção do título de Mestre, tendo como orientadora a Professora Dra. Vera Pollo. Área de concentração: Psicanálise e saúde. Data de Defesa: 17/01/2014 Banca Examinadora Prof.ª Dr.ª Vera Pollo Universidade Veiga de Almeida Prof.ª Dr.ª Rosane Braga de Melo Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Prof.ª Dr.ª Sônia Xavier de Almeida Borges Universidade Veiga de Almeida

5 DEDICATÓRIA Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar em um sonho que se tem. (Renato Russo)

6 AGRADECIMENTO Agradeço ao pai superior, Deus, que me auxilia com todo seu amor e me leva aos caminhos necessários à realização dos sonhos que reservou para mim. A minha mãe Izabeti Bittencourt da Costa, quem, através de seu trabalho, foi a grande incentivadora para que eu nunca desistisse dos meus estudos e lutasse sempre pelos meus sonhos. Ao meu pai, Juarez Lopes da Costa, cujo jeito durão é sua forma diferente de amar e cuidar de mim. Ao meu namorado, Jeison Martins, que esteve durante quase todo o percurso do curso ao meu lado, ajudando-me sempre que o assunto era impressão. Obrigada por me ouvir nos meus momentos de desespero. Às minhas amigas de mestrado, Laura, Martha, Daniele e Ana, fundamentais para que eu não desistisse. À professora Sônia Borges, que foi a grande incentivadora na escolha do tema da minha dissertação e à professora Rosane Melo pelo seu jeito doce de tentar ajudar. À minha querida orientadora, Vera Pollo, que hoje tenho como uma mãe. Muito, muito e muito obrigada pela paciência, por seus conselhos e conhecimentos. A Universidade Veiga de Almeida por me proporcionar mais informações e conhecimentos junto ao seu corpo docente: Antônio Quinet, Maria Anita Carneiro, Sônia Borges, Vera Pollo, Joana Novaes, Beth Fuks e Maria Helena Martinho. Obrigada pelas novas descobertas, vocês são maravilhosos! Enfim, agradeço à vida por ser tão bacana comigo.

7 RESUMO A presente dissertação aborda os conceitos psicanalíticos de histeria e dor histérica. Utilizando como referência as obras de Sigmund Freud e de Jacques Lacan, procuramos os embasamentos necessários à articulação da histeria com a fibromialgia. Nesse percurso, trabalhamos os conceitos psicanalíticos de inconsciente, pulsão, sintoma e gozo. Apresentamos um caso clínico de nossa experiência profissional como fisioterapeuta: uma paciente que sofria dores fortes no corpo e chegou para tratamento fisioterápico com o diagnóstico de fibromialgia. Em seguida, cotejamos o seu caso com o Caso Dora e de outras mulheres histéricas que foram pacientes de Freud. Nosso objetivo foi propor uma nova visão do diagnóstico de dor fibromiálgica, salientando a contribuição da psicanálise. Acreditamos ter confirmado a hipótese que a psicanálise, com seus próprios conceitos de sintoma conversivo, dor, corpo, pulsão e gozo, pode contribuir no trabalho de decifração dos enigmas da dor da fibromialgia. Se, no decorrer de um tratamento psicanalítico, os histéricos encontram alguma forma alívio para suas dores e seus sofrimentos, por que não dar a mesma chance aos sujeitos que sofrem de fibromialgia? Palavras- chave: fibromialgia; psicanálise; histeria; dor.

8 ABSTRACT This essay broaches the psychoanalytic concepts of hysteria and hysterical pain. Referring to Sigmund Freud and Jacques Lacan s works, we aim at the basis needed to articulate hysteria to fibromyalgia. During this process, we dealt with the concept of unconscious, urge, symptom and enjoyment. We present a clinical case from our professional experience as physiotherapist: a patient who suffered from severe pains in her body and was introduced to physiotherapeutic treatment related to a fibromyalgia diagnosis. Then, we confronted her case to the Dora s Case and to other hysterical women who were Freud s patients. Our objective was to propose a new view to the diagnosis of fibromyalgia pain, pointing out the contributions of psychoanalysis. We believe we have confirmed the hypothesis that psychoanalysis, with its own concepts of conversion symptom, pain, body, drive and enjoyment, can contribute to the work of deciphering the "puzzles" of fibromyalgia pain. If, in the course of psychoanalytic treatment, hysterical somehow find relief for their pain and suffering, why not give the same chance to subjects suffering from "fibromyalgia"? KEY-WORDS: fibromyalgia; psychoanalysis; hysteria; pain.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...9 CAPÍTULO 1 FIBROMIALGIA HISTÓRICO E DEFINIÇÃO QUADRO CLÍNICO Etiologia TRATAMENTOS PROPOSTOS UMA PACIENTE EM MEU CONSULTÓRIO...27 CAPÍTULO 2 HISTERIA O CASO DORA HISTERIA NO DECORRER DA HISTÓRIA Freud encontra Charcot ESTUDOS DE FREUD SOBRE A HISTERIA A DESCOBERTA DO INCOSCIENTE...52 CAPÍTULO 3 O CORPO COMO LOCAL DE EXÍLIO PARA A DOR HISTÉRICA O CORPO O Corpo Histérico A DOR Elizabeth Von R (IN) Satisfação da dor histérica...74 CONCLUSÃO...82 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...87 APÊNDICE A...98

10 10 INTRODUÇÃO Atualmente, tem sido comum, em consultórios médicos e fisioterapêuticos o surgimento de pessoas com queixa de dor. Algias que aparecem em pontos diferentes sem alguma causa comum ao paciente, e que geralmente vem acompanhado por fadiga, depressão e insônia. Para a existência desses estados dolorosos foi dado o nome de fibromialgia, reconhecida pela OMS (Organização Mundial de Saúde) em 1992, sob a identificação M790 na Classificação Internacional das Doenças (CID). (BESSET et al, 2010, p. 1246). E o presente estudo tem por objetivo pesquisar até que ponto o diagnóstico médico de Síndrome de Fibromialgia pode ser aproximado do diagnóstico psicanalítico de histeria, particularmente, daquilo que se define como envoltório formal do sintoma. A fibromialgia caracteriza-se por uma dor muscular crônica em pontos diferentes do corpo, e apresenta como sintomas: fadiga, sono, depressão psíquica, ansiedade, dor de cabeça. É uma síndrome que muitas vezes fica difícil de definir se a dor é articular ou muscular. Os pacientes costumam a relatar que não há um só lugar do corpo que não doa. Estudos comprovam que esses pacientes tem uma sensibilidade maior em relação às pessoas que não apresentam esta síndrome. Etiologicamente não existe uma causa definida, mas acredita-se que pode surgir após um trauma físico, psíquico ou por eventos graves na vida da pessoa. Os motivos pelos quais alguns adquirem a fibromialgia e outras não, ainda são desconhecidos. É bastante comum acometer mulheres entre 30 e 55 anos, porém existem dados em crianças, adolescentes e pessoas mais velhas. (KEISERMAN, 2001, p.45). Curiosamente, o aumento do quadro álgico não age na evolução da doença, nem no comprometimento articular ou muscular como no caso de um reumatismo tradicional, o que dificulta um possível diagnóstico. A fibromialgia tem sido discutida pela mídia e especialmente em publicações de artigos. Estas nos indicam que os sintomas desta síndrome foram no passado considerado pelos médicos como próprios de pacientes hipocondríacos, histéricos ou reumatológicos (RANGEL,

11 ). Mas o caminho mudou, a subjetividade foi deixada de lado e o espaço para as comprovações científicas foi ganhando lugar. Alguns autores reconhecem o papel dos fatores psíquicos no surgimento da fibromialgia, mas ao mesmo tempo, rejeitam a assimilação desta a qualquer doença psiquiátrica. Outros autores discutem a ideia que esta síndrome pode intervir na economia psíquica do sujeito como função de apelo, uma lógica de dependência do outro, mas também como mecanismo de defesa em relação a um possível conflito inconsciente. Assim, a fibromialgia pode comparecer no sintoma, na neurose, como modo de gozo ou como um fenômeno psicossomático em qualquer estrutura clínica. (BESSET et al, 2010, p. 1260). Para Teixeira, a fibromialgia não pode ser compreendida como uma visão atualizada de episódios de conversão, nem reduzida ao campo psicossomático. Em função disso, entramos em um caminho contraditório no qual alguns representantes da medicina e pesquisadores se afirmam reticentes em legitimar um estatuto oficial da doença. Os textos médicos sobre o assunto referem-se a tratamentos medicamentosos e à psicoterapia devido ao quadro de depressão e ansiedade, sem mencionar a psicanálise como possível procedimento de tratamento. Apesar de uma parte da classe médica considerar apenas a dor física do paciente e não os fatores psíquicos, a multiplicação de reportagens e artigos a respeito do caráter subjetivo dos transtornos relatados por quem vivencia essa doença vem sendo cada vez mais lançados na mídia. (TEXEIRA, 2006, p ). Não é uma síndrome progressiva, podendo durar por um longo tempo, ou pela vida toda. Não causa danos a musculatura, órgãos internos e às articulações. Não há uma cura definida, mas algumas pessoas melhoram com o tempo. Não causa deformidades ou incapacidade física grave, mas pode-se verificar uma alteração na qualidade de vida, 70% queixam-se de alterações na vida sexual e no trabalho. (Sociedade Brasileira de Reumatologia, 2011). É muito intrigante um corpo são sentir tanta dor ao ponto de paralisar, assim como era intrigante para Freud a histeria, que na sua grande maioria acometia mulheres com sintomas físicos que não podiam ser explicados. Freud decide estudá-las como se houvesse a intenção de mostrar a relação do estado mental com o estado físico de suas pacientes. No final do século XIX, depara-se com mulheres

12 12 que são consideradas loucas. Em 1885, Freud, médico e estudante de anatomopatologia, chega a Salpêtriére, após conseguir uma bolsa de estudos. Sua intenção era de encontrar com Jean Martin Charcot, médico, cujas experiências sobre a histeria o fascinavam. As demonstrações clínicas de Charcot, assistidas por Freud até 1886 causaram-lhe interesse e impacto. (FREUD [ ] 1996). A respeito disso, (JORGE; FERREIRA, 2010, p.18) comentam que ao retornar de Paris, Freud se estabelece em Viena como médico especialista em doenças nervosas. Durante anos dedicando-se a ouvir e a estudar as histéricas, Freud abriria uma via nova de prática clínica: a psicanálise. Descobre que o homem é regido por forças que escapam à consciência: o inconsciente. Indo contra o cogito cartesiano PENSO, LOGO SOU, então, não penso, SOU PENSADO. Freud lança com o conceito de inconsciente uma nova concepção de sujeito. O inconsciente é fundado pelo recalque, e recalcar significa negar, manter o que foi negado afastado da consciência. O recalcado sempre retorna, resultado do conflito psíquico entre consciente e inconsciente, ainda que sob forma de disfarce. (RANGEL, 2008). Segundo Freud ([1915] 2006) é nas histéricas que ele percebe que há uma defesa contra as recordações de um evento traumático de natureza sexual. Sujeito e consciência não conseguem suportar essa ideia, ficando estas, recalcadas e ativas no inconsciente, e quem sabe, uma vez na vida adulta por conta de algum acontecimento, essas recordações sejam despertadas, e assim, convertidas em sintomas no corpo. Após seus estudos e a partir dos casos atendidos, Freud conclui que os sintomas referentes aos casos de histeria eram uma expressividade no corpo de tudo o que está aprisionado na alma, e que usando a fala esses sintomas apresentavam melhora. Em seu texto Estudos Sobre a histeria ([ ], 2006), diz que: nenhum sintoma pode emergir de uma única experiência real, mas que em todos os casos a lembrança de experiências antigas despertada em associação com ela, atua na causa do sintoma. Descreve também alguns sintomas histéricos, tais como: angústia, choro, dor de cabeça, depressão, distúrbio no andar, fadiga, insônia, tremores, parestesia. Sintomas que se assemelham tal quais as descrições dos estudos já citados. Afirma que estes sintomas desapareciam de forma

13 13 permanente e imediata quando se conseguia trazer a luz as lembranças do fato que o havia provocado e despertar o afeto que o acompanhara. Certamente, as mulheres que Freud ouvia e identificava seus sintomas como algo que foi recalcado pelo inconsciente, não são as mesmas dos tempos atuais. Afinal, muita coisa mudou. Cada vez mais novas patologias vêm surgindo, como se o sintoma estivesse novamente roubando o lugar da palavra. Mas será que são novas as patologias, ou apenas as mesmas com a nova cara do século XXI? Temos aqui semelhanças entre as duas patologias: a fibromialgia como uma doença ligada a traumas físicos e psíquicos para suas dores corporais, e a histeria a traumas psíquicos. Outro ponto comum é o descrédito que ambas provocam a alguns médicos, pois o diagnóstico se dá pelas sensações e experiências relatadas pelos pacientes, não havendo nenhum exame que possa comprovar o que é descrito verdadeiramente. Os sintomas histéricos ainda continuam sendo tratados sem nenhuma simpatia e interesse por alguns médicos, e assim ocorre com a fibromialgia, vale ressaltar que não são por todos, pois hoje em dia já existe uma nova especialidade que já converge para a clínica da dor. Texeira (2006, p. 40) relata que: pessoas que apresentam dor generalizada ou queixas mal definidas não eram levadas a sério. Será que as histórias de vida dos pacientes de hoje diferenciam-se tanto das histéricas ouvidas por Freud? O resultado do corpo dolorido não passa de uma metáfora da surra que levara da vida? A histeria é mais comum em mulheres, a fibromialgia também. Freud, assim quando começou a cuidar de suas histéricas indicava tratamentos de relaxamento e exercícios físicos, e segundo Bennett (1993) além de medicamento, sugerem-se também caminhadas, hidroterapia e relaxamento para a fibromialgia. Os estudos dos pontos dolorosos da fibromialgia faz lembrar outros pontos que eram estudados por um médico neurologista na França (1870), Jean Martin Charcot. Ele chamava esses pontos de zona histerógena, local que havia muita sensibilidade ao toque e fricção, e gerava dor, desconforto e reações semelhantes a carícias voluptuosas ao serem tocados. Já Freud, médico e aluno de Charcot, acreditava que essas reações são frutos de um ataque conversivo, sendo equivalente a um orgasmo. A zona histerógena seria então uma região do corpo que se tornaria erógena. Outra característica que lembra os estudos dos pontos

14 14 dolorosos da fibromialgia é que essas zonas histerógenas podem aparecer também em qualquer lugar do corpo. Mais uma vez um ponto intrigante da fibromialgia: a relação dos seus pontos dolorosos com as zonas histerógenas. Seria então esse ponto doloroso um local de conversão histérica? Uma zona erógena? No que se diferenciam as pacientes histéricas de Freud com as de hoje? Afinal, é um corpo que fala, que dói. O pensar, o sentir, e a dor da vida, podem então ser curados com medicamentos? Medicação esta que serve para dopar ou calar o corpo. O foco para o presente trabalho de mestrado concerne à posição subjetiva daquele que sofre de fibromialgia, apostando que além da dor, há um ser humano, um sujeito em questão, e que pode haver um novo diagnóstico para a fibromialgia à luz da psicanálise. No campo da fisioterapia e da psicanálise, o estudo objetivou a pesquisa bibliográfica da fibromialgia, da histeria, assim como alguns casos histéricos vivenciados na prática psicanalítica por Freud. Utilizar livros, artigos científicos, internet, revistas. Foram consultados obras de Lacan e Freud: Estudos sobre a histeria, Um estudo autobiográfico, inibições, sintomas e ansiedade, análise leiga e outros trabalhos, Interpretação dos sonhos, Três ensaios sobre a teoria da sexualidade, Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise, As formações do inconsciente e outras obras para a formulação da dissertação. E para melhor concepção do tema, traremos durante a dissertação a descrição da fibromialgia, seu meio de tratamento na área médica e um caso vivido pela autora da dissertação, em seguida faremos relação com casos vividos na prática psicanalítica por Freud e suas descobertas com as histéricas. Se a dor marca o corpo da paciente com fibromialgia, mostraremos como a dor é interpretada no corpo psicanalítico e histérico cartografado pelo desejo. Se para alguns médicos o diagnóstico se firma nos fenômenos comprovados, a psicanálise busca modos de enfrentar as singularidades do sofrimento. O traço de cada um dirá mais sobre aquele que sofre e sobre o uso que se faz de sua dor. (BESSET et al, 2010, p.1250).

15 15 CAPÍTULO I - FIBROMIALGIA 1.1 HISTÓRICO E DEFINIÇÃO Em 1824 e 1841, Balfour e Vallux apontaram e descreveram pacientes com pontos musculares sensíveis e passíveis de desenvolver dores irradiadas. Já em 1904, Stockman encontrou,por meio de biópsias, processos inflamatórios do tecido conectivo. No mesmo ano, o termo fribrosite foi defendido por Willian Gowers. Ele acreditava haver alterações inflamatórias no tecido fibroso do dorso que geravam um reumatismo muscular, havendo ou não história de sintoma. (MARTINEZ, 1997). Em 1940, Collins definiu fibrosite como um estado doloroso agudo, subagudo ou crônico dos músculos, tecidos subcutâneos, ligamentos, tendões ou aponeuroses, independente da lesão anatomopatológica que tenha originado a dor. (IBID, p.100). Ferreira et al (2005, p.149) aponta que o desenvolvimento de pesquisas clínicas sobre a fibromialgia só foi possível em Martinez (1997) afirma que, em 1977,Smythe e Moldosfsky restringem o uso da palavra fibrosite à sintomatologia de pacientes que apresentam dores musculoesqueléticas difusas acompanhadas de pontos dolorosos a digita-pressão, fadiga e distúrbio do sono. A fibromialgia foi por muito tempo conhecida, inicialmente, como fibromiosite, fibrosite, miofascite e reumatismo muscular. Em 1981, Yunus (apud Hall, Body, 2007) indica o termo fibromialgia, que vem sendo usado pelos autores até hoje. Consideramos que o estudo de pesquisas clínicas sobre a fibromialgia sofreu um grande atraso, por conta da denominação fribrosite (inflamação, reumatismo muscular). Preferiu-se o nome fibromialgia, pois a inflamação não é predominante nessa doença. A nomenclatura fibromialgia primária surge para designar os casos em que nenhum outro distúrbio era encontrado como causa ou contribuição para o quadro. Já a fibromialgia secundária era considerada uma síndrome parecida com a

16 16 primária, porém só acontecia em determinadas condições secundárias, fossem elas reumáticas ou não. Os estudos liderados por Wolfe, em 1990, representaram um marco na pesquisa dessa síndrome. Foi a partir daí que se solidificou o termo fibromialgia, abandonada a distinção entre fibromialgia primária e secundária e estabelecidos critérios de avaliação. Fica sendo definida como uma síndrome de dor difusa e crônica, caracterizada pela presença de pelo menos 11 dos 18 pontos anatomicamente específicos chamados de tender points, dolorosos a palpação de cerca de 4kgf. (FERREIRA et al, 2005, p. 149) Marques et al (2002) a definem como uma síndrome reumática, ou seja, a fibromialgia seria de origem reumatológica e não ortopédica, que acomete, preferencialmente, as mulheres e de etiologia desconhecida, caracterizada por dor musculoesquelética difusa e crônica. Apresenta locais anatômicos específicos dolorosos à palpação (tender points). Além disso, há sintomas associados, como o distúrbio do sono, fadiga, distúrbios psicológicos, rigidez matinal, depressão e ansiedade. Provenza et al (2004, p. 104) publicaram na Revista Brasileira de Reumatologia: Sua definição constitui motivo de controvérsia, basicamente pela ausência de substrato anatômico na sua fisiopatologia e por sintomas que se confundem com a depressão maior e a síndrome da fadiga crônica. Por estes motivos, alguns ainda consideram-na uma síndrome de somatização. A síndrome da fadiga crônica, por sua vez, é caracterizada por cansaço profundo. Com ela, 25% dos pacientes ficam acamados ou são incapazes de trabalhar. (HALL, BRODY, 2007). Já a definição de fibromialgia apontada pela Sociedade Brasileira de Reumatologia (2011, p. 19) é: uma síndrome clínica que se manifesta com dor no corpo todo. Fica difícil definir se a dor é muscular ou articular. Uma grande sensibilidade ao toque e à compressão de pontos nos corpos. Para Besset et al (2010), a classificação dessa patologia como uma síndrome não resolve a polêmica entre os especialistas no assunto sobre seu estatuto de doença. Seu diagnóstico permanece em discussão, em virtude da falta de causalidade orgânica detectável e das características subjetivas dos transtornos

17 17 dela resultantes. Diferentes de outras doenças reumatológicas como a artrite reumatoide que se tem uma comprovação diagnosticada por exames e tratadas com excelência pelo corpo médico. 1.2 QUADRO CLÍNICO A síndrome da fibromialgia (SFM) é crônica. Seus sintomas se intensificam e melhoram com o passar do tempo, sem haver um comprometimento articular avançado. O American College of Rheumatology (ACR) lista a SFM como uma doença reumatológica que apresenta distúrbio extra-articular. Para a Sociedade Brasileira de Reumatologia (2011), a dor generalizada é o sintoma principal, uma vez que é muito difícil para os pacientes definir o local correto onde ela se dá. Além da dor espontânea, eles se queixam também do dolorimento ao toque. Alterações no sono, cansaço, sono não reparador, distúrbio no humor, depressão e ansiedade são comuns a essa patologia. A depressão encontra-se em 50% dos pacientes que apresentam essa síndrome, piorando cada vez mais esse quadro. As sensações ruins podem gerar um desconforto maior para a dor, que pode ser explicado pelo mecanismo da serotonina e noradrenalina (neurotransmissores). Segundo Hall e Brody (2007, p.251), a modulação da dor pode estar alterada na SFM no nível medular ou nos centros superiores do SNC. Yunus (1981) (apud HALL, BODY, 2007), por sua vez, propõe uma hipótese para unificar muitas das teorias da fisiopatologia da fibromialgia. Ele enfatiza uma possível disfunção neuro-hormonal, que resulta em dor e mecanismos centrais, os quais são propostos como sendo responsáveis por fadiga, depressão, ansiedade e estresse mental, o que altera ainda mais a atividade simpática e amplifica a percepção da dor. Não é uma síndrome progressiva, podendo durar por um longo tempo ou pela vida toda. Não causa danos a musculatura, aos órgãos internos e às articulações. Não há uma cura definida, mas algumas pessoas melhoram com o tempo. Não causa deformidades ou incapacidade física grave, mas pode-se verificar uma alteração na qualidade de vida. De acordo com a Sociedade Brasileira de

18 18 Reumatologia (2011): 70% queixam-se de alterações na vida sexual e no trabalho. Desse modo, é intrigante uma síndrome sem uma causa definida que aparece e some em alguns casos e que gera tantos danos na vida do ser humano e no seu cotidiano, mas que, fisicamente, não cria nenhuma deformidade ou progride. Recentemente, foi avaliada a população brasileira, questionando-se diferentes culturas, economias, etnias e grupos sociais que poderiam influenciar no reconhecimento da síndrome e de suas manifestações clínicas. Estudos da ACR mostraram que a combinação de dor difusa em 9 ou mais pontos dolorosos dos 18 apresentou sensibilidade de 93,2%, especificidade de 92,1% e acuaria de 92,6%. Os distúrbios de sono e fadiga ocorreram em mais de 80% da população. Dor difusa: dor no lado esquerdo do corpo, dor no lado direito do corpo, dor acima da linha da cintura. Além disso, uma dor no esqueleto axial (segmento cervical, torácico ou lombar da coluna vertebral) deve estar presente. A dor difusa deve estar presente pelo menos por três meses. Dor a palpação: com uma pressão de aproximadamente 4Kgf em pelo menos 11 dos 18 tendes points.(ferreira et al, 2005, p.150) Pode ocorrer a dor nos seguintes pontos: Occipital: inserção dos músculos suboccipitais. Cervical Inferior: anteriormente, entre os processos transversos C5 C7. Trapézio: ponto médio das fibras superiores do músculo trapézio. Supra-espinhal: inserção do músculo supra-espinhal, acima da espinha da escápula, próximo ao ângulo medial. Segunda articulação costocondral: lateral e superior à articulação. Epicôndilo lateral: 2 cm distalmente ao epicôndilo. Glúteo: quadrante superior e lateral das nádegas. Trocânter maior: posterior à proeminência trocantérica. Joelho: coxim gorduroso medial, próximo à linha articular. Para Hall e Brody (2007, p. 252), o diagnóstico pode ser feito inclusive quando não estão presentes 11 dos 18 pontos sensíveis, pois também existem outras características encontradas. Há para eles uma discussão acerca dos critérios

19 19 diagnósticos considerarem somente no início as características subjetivas como a própria dor. Nesse caso, não existe nenhum exame laboratorial que exclua ou afirme o diagnóstico. Para a Sociedade Brasileira de Reumatologia (MARIANO, 2011), o diagnóstico é essencialmente clínico. Durante a avaliação do paciente, o médico obterá informações que sejam semelhantes ao quadro patológico, utilizando estes questionários: Índice de Dor Generalizada, o Índice de Severidade dos Sintomas e o Questionário de Impacto da Fibromialgia. Na verdade, não existem exames para a fibromialgia, o médico pode pedir exames apenas para excluir a possibilidade de doenças que se assemelhem à SFM, tais como uma ressonância magnética ou uma radiografia do local da dor. Os estudos dos pontos dolorosos fazem lembrar outros pontos que eram estudados por um médico neurologista na França em 1870: Jean Martin Charcot. Ele chamava esses pontos de zona histerógena, local em que havia muita sensibilidade ao toque e à fricção. Em função disso, gerava dor, desconforto e reações semelhantes a carícias voluptuosas ao ser tocado. Já Freud, médico e aluno de Charcot, acreditava que essas reações são frutos de um ataque conversivo, sendo equivalente a um orgasmo. A zona histerógena seria, então, uma região do corpo que se tornaria erógena. Freud ([ ], 2006) em Três ensaios sobre a teoria da sexualidade, afirma que as duas têm a mesma característica. Esse processo é ativo em indivíduos que apresentam complacência somática (expressão introduzida por Freud para explicar a "escolha da neurose escolha histérica e de órgão do corpo ou aparelho em que ocorre a conversão), que pode converter em sintoma no corpo. Outra característica que lembra os estudos dos pontos dolorosos da fibromialgia é que essas zonas histerógenas podem aparecer também em qualquer lugar do corpo. Mais uma vez, um aspecto curioso da fibromialgia: a relação dos seus pontos dolorosos com as zonas histerógenas. Segundo a Revista Brasileira de Reumatologia (MARIANO, 2011, p. 5), a questão do diagnóstico, porém, ainda deve ser mais explorada. A utilização dos critérios de classificação do ACR foi um grande avanço em termos de inclusão em estudos científicos. Mas para uso individual, ainda deixa muito a desejar.. Essa falta de diagnóstico atrapalha o cuidado ao paciente, afetando seu relacionamento com o médico e a sociedade. É fato que existe uma dor, entretanto

20 20 não se apresenta nenhum resultado laboratorial. Com isso, outros profissionais de outras áreas, como psicólogos e psicanalistas, vêm brigando para um possível diagnóstico voltado para a subjetividade do paciente, acreditando que um corpo que dói é também um corpo que fala. (MARTINEZ, 1997). Diante desse quadro, conclui-se que diagnóstico correto da fibromialgia não é definitivo, pois sua etiologia ainda se encontra sem definição clara, ou seja, temos duas questões apresentadas, a etiologia indefinida que gera a dificuldade do diagnóstico da patologia. Além disso, essa síndrome apresenta outras manifestações associadas. Segundo Besset et al (2010), alguns pacientes sofrem com a falta de adaptação à doença e com as manifestações clínicas. Isso, de modo geral, leva-os a valorizar sua dor e culpar as pessoas próximas pela sua limitação e dificuldade para realizar as tarefas. Apresentam quadros de irritabilidade e sentem-se desiludidos por não conseguir uma resposta firme e ideal para o que sofrem. Por conta da complexidade dessa síndrome, muitos pacientes procuram por médicos de diversas áreas, sendo, muitas vezes, submetidos a vários tipos de exame. [...] Procuram o neurologista, apresentando queixas de cefaleia tensional crônica e recebem o rótulo de enxaqueca. Buscam o otorrino em razão da tontura e do zumbido e recebem o diagnóstico de labirintite. Vão ao cardiologista por dor toráxica e palpitações e, após exames de eletrocardiografia e ecocardiografia normais, recebem diagnóstico de costocondrite. Procuram um gastroenterologista e são submetidos a exames invasivos, não demonstrando qualquer anormalidade. Além dos múltiplos diagnósticos de tendinites, tenossinovite, bursite e neuropatias associadas. (CHIARELLO, 2005, p.152). Como podemos perceber, algumas terapias e tratamentos acabam sendo inapropriados com o que o paciente verdadeiramente sofre. Não há como deixar de citar a quantidade de medicamentos que alguns profissionais da área médica utilizam para dopar os que se mostram com depressão, angústia e irritabilidade, sem, ao menos, mostrar algum interesse pelo lado da subjetividade.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES. Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CAMPINAS CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES Documento anexo do Manual de Ortopedia FIBROMIALGIA Em 1904, Gowers descreveu um conjunto de sinais e sintomas onde predominavam

Leia mais

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Felipe Azevedo Moretti "Se você só fizer aquilo que sempre fez, só obterá aquilo que sempre obteve. Se o que você está fazendo não está

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

Fibromialgia Sociedade Brasileira de Reumatologia

Fibromialgia Sociedade Brasileira de Reumatologia Fibromialgia Fibromialgia Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Dor, Fibromialgia e Outras Síndromes Dolorosas de Partes Moles CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.singpr.com/business/singapore-telcocompanies-see-fiber-optic-light-as-future-for-broadband

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura

MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura 1 MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura RESUMO Esta apresentação tem como objetivo ilustrar a importância de usarmos uma visão global do paciente na prática clínico-terapêutica.

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

Fibromialgia e qualidade de vida

Fibromialgia e qualidade de vida 1. Introdução A palavra fibromialgia possui diversas origens, sendo derivada do latim onde fibro significa tecido fibroso, ligamentos, tendões e fáscias; do grego onde mio indica tecido muscular, algos

Leia mais

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05 Para: Contacto na DGS: Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

Primeira droga em cápsula foi lançada agora no país e outras estão em teste.

Primeira droga em cápsula foi lançada agora no país e outras estão em teste. ESCLEROSE MÚLTIPLA GANHA NOVAS OPÇÕES DE TRATAMENTO. (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5682929915348274548, em 09/05/2012) Primeira droga em cápsula foi lançada agora

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental?

Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental? Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental? Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRP 06/99198 Especialista em Dependência Química Pós-Graduação Pós-Graduação

Leia mais

FIBROMIALGIA Mitos & Realidades

FIBROMIALGIA Mitos & Realidades FIBROMIALGIA Mitos & Realidades Dr Roberto E. Heymann UNIFESP- EPM Afinal que é a Fibromialgia? A.E um quadro de depressão que tem como conseqüência um quadro de dor crônica no corpo todo? B.Em um quadro

Leia mais

Os antigos mensageiros do Amor

Os antigos mensageiros do Amor Os antigos mensageiros do Amor Os Novos Mensageiros do Amor Neurotransmissores Alerta Atenção Energia Noradrenalina Serenidade Saciedade Paz Prazer Alegria Aventura Sertralina Dopamina Neuropepitídeos

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO DE CASO

OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP)

Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP) Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP) São Paulo, abril/2010 Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Fibromialgia Disciplina Fisioterapia em Reumatologia acdffisio@gmail.com Conteúdo Definição Classificação Epidemiologia Fisiopatologia Diagnóstico Quadro

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO Caros alunos, Estou encaminhando estes casos clínicos para estudo dirigido durante as supervisões. Em cada caso abaixo procure definir: 1. Hipóteses diagnósticas 2.

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

Stephen Grosz. A vida em análise. Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges

Stephen Grosz. A vida em análise. Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges Stephen Grosz A vida em análise Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges Como podemos ser possuídos por uma história que não pode ser contada Quero

Leia mais

Fim da Sensibilidade na Glande

Fim da Sensibilidade na Glande Autor: Davi Ribeiro Fim da Sensibilidade na Glande Muitos homens alegam sofrer com a forte sensibilidade na glande. E isso, de certa forma, atrapalha muito na hora do sexo, principalmente na hora de ter

Leia mais

Dedicados à coluna. unidade da coluna

Dedicados à coluna. unidade da coluna Dedicados à coluna A nova Unidade da Coluna do Hospital Beatriz Ângelo reúne médicos de várias especialidades com o objetivo de dar a resposta mais rápida e adequada às pessoas com doenças graves da coluna.

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

HIPNOSE. Como funciona a Hipnose?

HIPNOSE. Como funciona a Hipnose? REIKI O Reiki é uma técnica japonesa de canalização de energia, passada através do toque das mãos para a harmonização dos corpos físico, emocional, mental e energético e baseia-se na ideia de que uma "energia

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente.

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente. I Minhas senhoras e meus senhores! É para mim uma experiência nova e desconcertante apresentar me como conferencista no Novo Mundo diante de um público interessado. Parto do princípio de que esta honra

Leia mais

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE.

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. Elen Patrícia Piccinini Leandro Dierka Patrícia Asinelli Silveira RESUMO Em meio à correria e compromissos do dia a dia é difícil prestar atenção em nosso corpo.

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa ACEITAÇÃO Ruy Miranda 1. O que é aceitação? Aceitar significa receber. Uma pessoa recebe a outra, abre as portas para

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA...

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... Autora: Cristiana Rodrigues Rua O objetivo deste trabalho é formular algumas hipóteses a partir do relato de uma psicoterapia

Leia mais

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS Suzane da Costa 1 ; Daniele Custódio de Oliveira

Leia mais

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO Sandra Chiabi Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três namoradas. Contou que estava envolvido com as três, e uma delas pedira que

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Introdução - Estima-se que a dor lombar afete até 84% da população adulta. - Episódio de dor autolimitado

Leia mais

PRIMEIRAS ENTREVISTAS EM PSIQUIATRIA E PSICANÁLISE

PRIMEIRAS ENTREVISTAS EM PSIQUIATRIA E PSICANÁLISE PRIMEIRAS ENTREVISTAS EM PSIQUIATRIA E PSICANÁLISE Júlia Alram Moreira 1, Luciano Souza 2, Bárbara do Nascimento 3, Diego Gracia 4, Rodrigo Basso 5. RESUMO: A realização de uma boa entrevista inicial é

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime.

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime. No livro A DOR FÍSICA, Nasio se preocupa com as origens psicológicas da dor corporal, mais claramente falando, se preocupa com aquela parte enigmática que vem descrita nos artigos médicos como o fator

Leia mais

Cefaleia Cefaleia tipo tensão tipo tensão

Cefaleia Cefaleia tipo tensão tipo tensão Cefaleia tipo tensão Cefaleia tipo tensão O que é a cefaleia tipo tensão? Tenho dores de cabeça que duram vários dias de cada vez e sinto-me como se estivesse a usar um chapéu muito apertado - mais como

Leia mais

Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM 27/04/ 2015. Ibmed.com.br. Postado por Redação IBMED

Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM 27/04/ 2015. Ibmed.com.br. Postado por Redação IBMED Ela te enlouquece? Conheça mitos e verdades sobre a TPM Postado por Redação IBMED 1) Toda Mulher tem TPM. MITO Nem toda mulher sofre com Tensão Pré-Menstrual e há algumas, muito poucas, que não exibem

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS

EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS EFEITOS DA TERAPIA MANUAL SHIATSU NA FIBROMIALGIA: ESTUDOS DE CASOS André Kimura 1 ; Ligia Maria Facci²; Valéria Ferreira Garcez³ RESUMO: A fibromialgia é uma doença reumática de causa desconhecida, cujo

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA

PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA PERFIL DO CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE A FIBROMIALGIA INTRODUÇÃO MARIANA BLEYER DE FARIA HEILIANE DE BRITO FONTANA MARCELO BITTENCOURT NEIVA DE LIMA Universidade do Estado de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

Questionário HAT-QoL *

Questionário HAT-QoL * Questionário HAT-QoL * (HIV/AIDS Targeted Quality of Life) INSTRUMENTO DE QUALIDADE DE VIDA DIRECIONADO PARA HIV/AIDS, TRADUZIDO, ADAPTADO E VALIDADO PARA PACIENTES HIV NO BRASIL. *Adaptado de HIV/AIDS-Targeted

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

PSICOSSOMÁTICA E AS DORES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS. Direitos de Camille Elenne Egídio - Instituto Long Tao. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

PSICOSSOMÁTICA E AS DORES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS. Direitos de Camille Elenne Egídio - Instituto Long Tao. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO PSICOSSOMÁTICA E AS DORES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO "A saúde é o resultado não só de nossos atos como também de nossos pensamentos." (Mahatma Gandhi) Definição de Dor:

Leia mais

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia II Congresso Multidisciplinar em Oncologia SOBREVIVENTES DO CÂNCER: DE QUAL DEMANDA EMOCIONAL ESTAMOS FALANDO? Vicente A. de Carvalho II Congresso Multidisciplinar em Oncologia A revolução na Medicina

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

Cefaleia crónica diária

Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária O que é a cefaleia crónica diária? Comecei a ter dores de cabeça que apareciam a meio da tarde. Conseguia continuar a trabalhar mas tinha dificuldade em

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..

..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-.. 1 PSICOTERAPIA CORPORAL APLICADA A CASAIS SOB O ENFOQUE DA BIOSSÍNTESE Maria de Nazaré Nery RESUMO Psicoterapia de casal tem como foco principal a relação dos cônjuges, independente do caráter ou relação

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

Orientação à Família de um Adulto Afásico

Orientação à Família de um Adulto Afásico 1 Orientação à Família de um Adulto Afásico Fernanda Papaterra Limongi Nunca é demais enfatizar a importância do aconselhamento familiar quando se trabalha com adultos afásicos. Em geral, o início repentino

Leia mais

A HISTERIA DE CONVERSÃO: QUANDO O CORPO FALA

A HISTERIA DE CONVERSÃO: QUANDO O CORPO FALA O A HISTERIA DE CONVERSÃO: QUANDO O CORPO FALA Simão, Lara Maria Oliveira Acadêmica do Curso de Psicologia Faculdade de Ciências da Saúde ACEG Garça/SP E-mail: lara_simao30@yahoo.com.br MOREIRA, Simone

Leia mais

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente.

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente. Porto Alegre, 21 de julho de 2010. LAUDO TÉCNICO No dia de hoje através de um áudio extraído da entrevista de Fernanda Gomes de Castro para o programa Mais Você de 21/07/2010, foi realizada uma analise

Leia mais