ITAÚ SEGUROS S.A. NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATIVAS AOS EXERCÍCIOS DE 01/01 A 31/12 DE 2006 E 2005 (Em Milhares de Reais)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ITAÚ SEGUROS S.A. NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATIVAS AOS EXERCÍCIOS DE 01/01 A 31/12 DE 2006 E 2005 (Em Milhares de Reais)"

Transcrição

1 4.1 ITAÚ SEGUROS S.A. NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATIVAS AOS EXERCÍCIOS DE 01/01 A 31/12 DE 2006 E 2005 (Em Milhares de Reais) NOTA 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Itaú Seguros S.A. (ITAÚ SEGUROS) está autorizada pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) a operar em seguros de ramos pessoas e danos em todas as regiões do País. NOTA 2 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As demonstrações financeiras da ITAÚ SEGUROS e de suas controladas (ITAÚ SEGUROS ) foram elaboradas em conformidade com a Lei das Sociedades por Ações e normativos do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP). Em decorrência das alterações introduzidas pela Circular SUSEP nº 314 de 28/12/2005, foram efetuadas reclassificações nos saldos de, a fim de tornar as Demonstrações Financeiras comparáveis à. NOTA 3 CONSOLIDAÇÃO Os saldos significativos das contas patrimoniais e de resultado e os valores das transações, entre as empresas consolidadas, são eliminados. Os Fundos de Investimentos Exclusivos de aplicação própria e de empresas controladas foram incluídos na consolidação. Os títulos e aplicações pertencentes às carteiras desses fundos estão classificados por tipo de operação e foram distribuídos por tipo de papel, nas mesmas categorias em que originalmente foram alocados. A diferença no Lucro Líquido e Patrimônio Líquido entre ITAÚ SEGUROS e ITAÚ SEGUROS resulta da eliminação dos lucros não realizados decorrentes de negócios entre as empresas consolidadas, cujos tributos correspondentes foram diferidos. As informações consolidadas abrangem a ITAÚ SEGUROS e suas controladas diretas e indiretas, destacandose: Participação (%) Itaú Vida e Previdência S.A. 99,33 99,33 Itauprev Vida e Previdência S.A. 99,33 99,33 Cia. Itaú de Capitalização 97,81 97,81 Paraná Companhia de Seguros 99,33 99,33 Companhia de Seguros Gralha Azul 99,33 99,33 Itauseg Saúde S.A. 97,81 99,33 Banestado Leasing S.A. 88,64 88,67 Itaú XL Seguros Corporativos S.A. (*) 50,00 - (*) Empresa com controle compartilhado, incluída integralmente na Consolidação, com autorização da CVM e SUSEP, em função da gestão do negócio pela Itaú Seguros.

2 4.2 NOTA 4 RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a) Apuração do Resultado - Os prêmios de seguros, cosseguros aceitos e despesas de comercialização são contabilizados em resultado de acordo com o prazo de vigência do seguro, por meio de constituição e reversão da provisão de prêmios não ganhos e despesas de comercialização diferidas. Os juros decorrentes do fracionamento de prêmios de seguros são contabilizados quando incorridos. As receitas de contribuições previdenciárias assim como a receita bruta com títulos de capitalizações e as correspondentes constituições das provisões técnicas são reconhecidas por ocasião do recebimento. As demais receitas e despesas são reconhecidas obedecendo-se ao regime de competência. b) Aplicações - Títulos e Valores Mobiliários Registrados pelo custo de aquisição atualizado pelo indexador e/ou taxa de juros efetiva, classificados e avaliados pelos critérios definidos pela SUSEP, através da Circular nº 314 de 28/12/2005, de acordo com as seguintes categorias: Títulos para negociação - títulos e valores mobiliários adquiridos com o propósito de serem ativa e freqüentemente negociados, avaliados pelo valor de mercado em contrapartida ao resultado do período; Títulos disponíveis para venda - títulos e valores mobiliários que poderão ser negociados porém não são adquiridos com o propósito de serem ativa e frequentemente negociados, avaliados pelo valor de mercado em contrapartida à conta destacada do patrimônio líquido; e Títulos mantidos até o vencimento - títulos e valores mobiliários, exceto ações não resgatáveis, para os quais haja intenção ou obrigatoriedade e capacidade financeira da instituição para sua manutenção em carteira até o vencimento, registrados pelo custo de aquisição ou pelo valor de mercado quando da transferência de outra categoria. Os títulos são atualizados até a data de vencimento, não sendo avaliados pelo valor de mercado. Os ganhos e perdas de títulos disponíveis para venda, quando realizados, serão reconhecidos na data de negociação na demonstração do resultado, em contrapartida de conta específica do patrimônio líquido. Os declínios no valor de mercado dos títulos e valores mobiliários disponíveis para venda e dos mantidos até o vencimento, abaixo dos seus respectivos custos atualizados, relacionados a razões consideradas não temporárias, serão refletidos no resultado como perdas realizadas. Os efeitos da aplicação dos procedimentos descritos acima, nas controladas da ITAÚ SEGUROS, refletidos por estas em conta destacada dos seus patrimônios líquidos ou em contas de resultado, foram igualmente registrados diretamente no patrimônio líquido ou no resultado de equivalência patrimonial da controladora proporcionalmente ao percentual de participação; c) Instrumentos Financeiros Derivativos São classificados, na data de sua aquisição, de acordo com a intenção da administração em utilizá-los como instrumento de proteção (hedge), conforme a Circular nº 314, de 28/12/2005, da SUSEP. As operações que utilizam instrumentos financeiros são contabilizadas pelo valor de mercado, com os ganhos e as perdas reconhecidos diretamente na demonstração do resultado. d) Provisão para Riscos de Crédito - É constituída com base na análise dos riscos de realização dos prêmios e outros valores a receber, considerada suficiente para cobertura de eventuais perdas; e) Despesas Antecipadas Referem-se a aplicações de recursos cujos benefícios decorrentes ocorrerão em exercícios futuros; f) Investimentos Em controladas estão avaliados pelo método de equivalência patrimonial. Os Imóveis destinados à Renda estão demonstrados ao custo de aquisição ou construção, menos depreciação acumulada, corrigidos monetariamente até 31/12/1995 e ajustados a valor de mercado, por reavaliação suportada por laudos técnicos. As depreciações são calculadas pelo método linear, sobre o custo corrigido, incluindo a reavaliação, à taxa de 4% ao ano. A participação societária no IRB-RE (Instituto de Resseguros do Brasil) e os demais investimentos estão apresentados pelo valor de custo, estando estes últimos ajustados por provisão para refletir o valor de mercado, quando este for inferior.

3 4.3 g) Imobilizado - Demonstrado ao custo de aquisição ou construção, menos depreciação/amortização acumulada e corrigidos monetariamente até 31/12/1995, acrescidos de reavaliação. Edificações 4% Equipamentos, máquinas, móveis e utensílios... 10% Veículos. 20% Microcomputadores 50% Demais equipamentos de processamento de dados... 20% h) Diferido Os gastos diferidos correspondem basicamente a software e instalações em imóveis próprios, amortizados à taxa de 20%; i) Provisões Técnicas de Seguros, Previdência e Capitalização - As provisões técnicas são calculadas de acordo com as notas técnicas aprovadas pela SUSEP e com os critérios estabelecidos pela Resolução nº 120, de 24/12/2004, do CNSP. I - Seguros: Provisão de Prêmios Não Ganhos - constituída para apurar a parcela de Prêmios Não Ganhos, relativa ao período de cobertura do risco; Provisão de Sinistros a Liquidar - constituída com base nas notificações de sinistros, em valor suficiente para fazer face aos compromissos futuros; Provisão para Sinistros Ocorridos mas Não Avisados IBNR - constituída em função do montante esperado de sinistros ocorridos em riscos assumidos na carteira e não avisados. Provisão de Insuficiência de Prêmios - Constituída, de acordo com Nota Técnica Atuarial. Provisão de Prêmios não Ganhos de Riscos Vigentes e não Emitidos PPNG RVNE: constituída para cobrir as apólices não emitidas e de riscos vigentes. Para determinação do valor provisionado dos sinistros em discussão judicial, os peritos reguladores e assessores jurídicos efetuam as avaliações com base na importância segurada e nas regulações técnicas, levando-se em conta a probabilidade de resultado desfavorável para a Seguradora. II - Previdência Complementar e Seguro de Vida com Cobertura de Sobrevivência: Correspondem a obrigações assumidas sob forma de planos de aposentadoria, invalidez, pensão e pecúlio. Provisão de Benefícios a Regularizar e Resgates e/ou Outros valores a Regularizar referem-se aos valores ainda não regularizados até a data do balanço; Provisão de Eventos Ocorridos e Não Avisados IBNR - constituída em função do montante esperado de eventos ocorridos e não avisados; Provisões Matemáticas de Benefícios a Conceder e de Benefícios Concedidos - correspondem, respectivamente, aos compromissos assumidos com participantes, cuja percepção dos benefícios ainda não se iniciou e àqueles em gozo de benefícios; Provisão de Insuficiência de Contribuição constituída quando constatada insuficiência das provisões matemáticas. Provisão de Oscilação de Riscos - contempla a cobertura de eventuais desvios na materialização dos riscos em relação aos compromissos esperados. É obtida por cálculos atuariais; Provisão de Excedente Financeiro - constituída pela diferença entre pagamentos atualizados diariamente pela Carteira de Investimentos com o fundo acumulado constituído. III - Capitalização: Provisão Matemática para Resgates representa a parcela de títulos de capitalização recebidos a serem resgatados; Provisão de Sorteios a Realizar - calculada conforme definição em nota técnica; Provisão de Sorteios a Pagar constituída pelos sorteios de títulos contemplados;

4 4.4 Outras Provisões constituída pela aplicação da quota de contingência sobre o valor arrecadado, Provisões Administrativas e Outras Provisões. j) Ativos e Passivos Contingentes e Obrigações Legais Fiscais e Previdenciárias: são avaliados, reconhecidos e divulgados de acordo com as determinações estabelecidas na Circular SUSEP nº 314, de 28/12/2005 que adotou o Pronunciamento NPC nº 22 do IBRACON - Instituto dos Auditores Independentes do Brasil. I. Ativos e Passivos Contingentes Referem-se a direitos e obrigações potenciais decorrentes de eventos passados e cuja ocorrência depende de eventos futuros. Ativos Contingentes: não são reconhecidos, exceto quando da existência de evidências que assegurem elevado grau de confiabilidade de realização, usualmente representado pelo trânsito em julgado da ação e a confirmação da capacidade de sua recuperação por recebimento ou compensação com outro exigível. Passivos Contingentes: decorrem basicamente de processos judiciais e administrativos, inerentes ao curso normal dos negócios, movidos por terceiros, ex-funcionários e órgãos públicos, em ações cíveis, trabalhistas e de natureza fiscal e previdenciária. Essas contingências, coerentes com práticas conservadoras adotadas, são avaliadas por assessores legais e levam em consideração a probabilidade que recursos financeiros sejam exigidos para liquidar as obrigações e que o montante das obrigações possa ser estimado com suficiente segurança. As contingências são classificadas como prováveis, para as quais são constituídas provisões; possíveis, que somente são divulgadas sem que sejam provisionadas; e remotas, que não requerem provisão e divulgação. Os valores das contingências são quantificados utilizando-se modelos e critérios que permitam a sua mensuração de forma adequada, apesar da incerteza inerente ao prazo e valor, conforme segue: Cíveis e Trabalhistas: quantificadas, quando da notificação judicial, e revisadas mensalmente: - ao valor da média móvel dos pagamentos de processos encerrados nos últimos 12 meses, acrescida do custo médio de honorários pagos, para processos relativos a causas consideradas semelhantes e usuais e cujo valor não seja considerado relevante; ou - pelo valor indenizatório pretendido, nas provas apresentadas e na avaliação de assessores legais que considera jurisprudência, subsídios fáticos levantados, provas produzidas nos autos e as decisões judiciais que vierem a ser proferidas na ação quanto ao grau de risco de perda da ação judicial, para processos relativos a causas consideradas não usuais ou cujo valor seja considerado relevante. Ajustadas ao valor do depósito em garantia de execução quando este é exigido ou ao valor da execução definitiva (valor incontestável) quando em fase de trânsito em julgado. Fiscais e Previdenciárias: quantificadas quando do recebimento da notificação dos processos administrativos, com base nos valores destes, atualizados mensalmente. II. Obrigações Legais Fiscais e Previdenciárias Representadas por exigíveis relativos às obrigações tributárias, cuja legalidade ou constitucionalidade é objeto de contestação judicial e estão constituídas pelo valor integral em discussão e permanecem registradas até a fase de trânsito em julgado. Os Exigíveis e os Depósitos Judiciais correspondentes são atualizados de acordo com a regulamentação vigente. k) Tributos - Calculados às alíquotas abaixo demonstradas, consideram, para efeito das respectivas bases de cálculo, a legislação vigente pertinente a cada encargo.

5 4.5 Imposto de Renda... Adicional de Imposto de Renda... Contribuição Social... PIS... COFINS... CPMF... 15,00% 10,00% 9,00% 0,65% 4,00% 0,38% l) Resultado de Exercícios Futuros Refere-se a deságios na aquisição de investimentos decorrentes da expectativa de resultado futuro, não absorvidos no processo de consolidação.

6 4.6 NOTA 5 APLICAÇÕES a) Apresentamos a seguir a composição da carteira por tipo de papel e prazo de vencimento. Custo Ajuste a Valor de Mercado sem vencimento e até 30 dias 31 a 90 dias de 91 a 180 dias de 181 a 360 Acima de 360 dias % % Títulos para Negociação (1) Títulos de Renda Fixa - Privados ,4% ,3% Certificado de Depósito Bancário ,9% - 0,0% Cotas de Fundo de Investimentos Não Exclusivo ,0% ,2% Cotas de Fundo de Investimentos - Exclusivos (2) ,5% ,1% Ações ,8% ,2% Certificado de Depósito Bancário ,5% ,4% Debentures ,8% ,7% Fundos de Investimentos ,4% ,4% Letras Financeiras do Tesouro ,7% ,7% Letras do Tesouro Nacional ,0% ,6% Notas do Tesouro Nacional ,3% ,9% Swap ,0% ,3% Outros ,0% ,7% Vencimento Valor de Mercado Títulos Disponíveis para Venda (1) (2) Títulos de Renda Fixa - Públicos (7) ,4% ,3% Letras Financeiras do Tesouro (7) ,4% ,3% Notas do Tesouro Nacional ,0% ,0% Impostos Diferidos Próprios 2 Participação Coligadas/Controladas Ajuste a Valor de Mercado no Patrimônio Líquido Outras Aplicações (7.316) ,1% ,4% Incentivos Fiscais (7.316) ,2% ,2% Fundos Retidos no IRB ,2% ,3% Outros ,7% ,9% Total ,0% ,0% (1) Não houve reclassificação entre as categorias de Títulos e Valores Mobiliários em 2006 e (2) Conforme Circular SUSEP nº 314 de 28/12/2005, os títulos e valores mobiliários classificados nesta categoria e os que compõem as carteiras dos Fundos Exclusivos, estão apresentados no Balanço Patrimonial, no Ativo Circulante, tendo em vista a intenção de venda da administração.

7 4.7 Custo Ajuste a Valor de Mercado sem vencimento e até 30 dias 31 a 90 dias Vencimento de 91 a 180 dias de 181 a 360 Acima de 360 dias Valor de Mercado % % Títulos para Negociação (1) ,45% ,42% Ações ,43% ,53% Certificado de Depósito Bancário ,12% ,07% Debêntures ,17% ,09% Cotas de Fundos de Investimentos ,77% ,12% Certificado de Recibo Imobiliário ,07% ,03% Cotas de Fundos de Investimentos PGBL/VGBL (2) ,43% ,84% Ações ,22% - 0,00% Certificado de Depósito Bancário ,49% ,23% Debêntures ,79% ,07% Cotas de Fundos de Investimentos ,05% ,32% Letras Financeiras do Tesouro ,63% ,53% Letras do Tesouro Nacional ,59% ,64% Notas do Banco Central ,00% ,03% Notas do Tesouro Nacional ,65% ,02% Outros ,00% - 0,00% Letras do Tesouro Nacional ,24% - 0,00% Letras Financeiras do Tesouro ,39% ,50% Notas do Tesouro Nacional ,84% ,08% Outros ,00% ,16% Títulos Disponíveis para Venda (1) (2) ,17% ,94% Ações ,03% ,01% Certificado de Depósito Bancário ,00% ,05% Cotas de Fundos de Investimentos (6.242) ,01% ,26% Letras Financeiras do Tesouro (20) ,79% ,95% Notas do Tesouro Nacional ,35% ,66% Outros ,00% 8 0,00% Títulos Mantidos até o Vencimento (1) ,15% ,45% Debêntures ,00% ,53% Notas do Tesouro Nacional ,98% ,62% Outros ,17% ,31% Ajuste de Reclassificação (3) Impostos Diferidos (8.965) Outros Ajustes (167) Ajuste a Valor de Mercado no Patrimônio Líquido Outras Aplicações (46.493) ,12% ,13% Incentivos Fiscais (46.493) ,12% ,13% Aplicações Outras Empresas não Financeiras ,12% ,07% CDI ,88% ,05% Debêntures ,33% ,07% Títulos Públicos ,91% ,95% Total ,00% ,00% (1) Não houve reclassificação entre as categorias de Títulos e Valores Mobiliários em 2006 e (2) Conforme Circular SUSEP nº 314 de 28/12/2005, os títulos e valores mobiliários classificados nesta categoria e os que compõem as carteiras dos Fundos Exclusivos, estão apresentados no Balanço Patrimonial, no Ativo Circulante, tendo em vista a intenção de venda da administração. (3) Ajuste remanescente da reclassificação de títulos disponíveis para venda para mantidos até o vencimento, em dez/2003, no valor de R$ (R$ em )

8 4.8 b) Instrumentos Financeiros Derivativos - Custo Ajuste a Valor de Mercado Vencimento Total Até 3 meses De 3 a 12 meses De 1 a 5 anos Swap (1.354) Termo As posições desses instrumentos financeiros têm seus valores referenciais registrados em contas de compensação e os ajustes/prêmios em contas patrimoniais. c) Valor de Mercado As demonstrações financeiras são elaboradas com base em critérios contábeis, que pressupõem a continuidade normal das operações da ITAÚ SEGUROS. O valor contábil relativo a cada instrumento financeiro, constante ou não do balanço patrimonial, quando comparado com o valor que se poderia obter na sua negociação em um mercado ativo ou, na ausência deste, com o valor presente líquido dos fluxos de caixa futuros ajustados com base na taxa de juros vigente no mercado, aproxima-se do seu correspondente valor de mercado. Para a obtenção dos valores de mercado dos Instrumentos Financeiros, são adotados os seguintes critérios: Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros Derivativos, conforme regras estabelecidas através da Circular nº 314, de 28/12/2005 da SUSEP, estão registrados pelo seu valor de mercado, exceto os classificados como Mantidos até o Vencimento. Títulos públicos alocados nesta categoria têm seu valor de mercado calculado com base em taxas coletadas junto ao mercado, validadas através da comparação com informações fornecidas pela Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto (ANDIMA). Cotas de Fundos de Investimentos, pelo valor da cota na data do balanço. Ações de Companhias Abertas, quando incluídas em Aplicações, pela cotação média disponível no último pregão do mês ou, na falta desta, pela cotação mais recente em pregões anteriores, publicada no Boletim Diário de cada Bolsa.

9 4.9 NOTA 6 - INVESTIMENTOS a) Participações Societárias - E m p r e s a s Capital Social Patrimônio Líquido Lucro Líquido Quantidade de Ações/Cotas de Participação Valor Contábil do Propriedade do Itaú Seguros no Participação Investimento Capital no Ordinárias Preferenciais Cotas Votante Capital Social (%) (%) Ajustes decorrentes de Avaliação Itaú Vida e Previdência S.A ,50% 99,33% Itaú XL Seguros Corporativos S.A. (a) ,00% 50,00% (c)(d) - Enseg Engenharia de Seguros Ltda ,43% 98,43% (92) TOTAL GERAL (b) (b) (a) Investimento adquirido em 23/03/2006. Nova razão social da Itaú Seguros Corporativos S.A. em 31/08/2006. (b) O valor do investimento apresentado no Balanço Patrimonial inclui ações do IRB no montante de R$ (R$ em ). (c) Reflete a participação em outras variações do patrimônio líquido das controladas/coligadas, no valor de R$ (2). (d) O resultado de equivalência patrimonial não reflete a participação atual no resultado da coligada, por variação de participação durante o exercício. No Consolidado, refere-se a participação na coligada Três B Empreendimentos e Participações Ltda.

10 4.10 b) Outros Investimentos CONTROLADA Outros Investimentos Investimentos por Incentivos Fiscais Participações no IRB (*) Outros Provisão para Perdas TOTAL (*) Líquido de Resultado Não Realizado no montante de R$ (6.039) (6.046) (31.606) (34.101) c) Imobilizado e Diferido O Imobilizado e o Diferido estão apresentados líquidos de Depreciação e Amortização. (1) (1) IMOBILIZADO Imóveis (2) Terrenos Edificações Reavaliação dos Imóveis Próprios Bens Móveis Equipamentos de Informática Móveis Máquinas e Utensilios Veículos Outras Imobilizações Total Diferido Softwares Instalações Outros Diferidos Total (1) O saldo da reavaliação de imóveis próprios registrado no ativo é de R$ (R$ em ), e o montante apropriado ao resultado relativo à realização por depreciação foi de R$ (R$ 986 em ). (2) Inclui Imóveis Destinados a Renda Líquidos de Depreciação.

11 4.11 NOTA 7 - TRIBUTOS a) Composição das Despesas com Impostos e Contribuições Demonstramos a seguir o Imposto de Renda e Contribuição Social devidos sobre as operações do período e sobre as diferenças temporárias decorrentes de adições e exclusões: Devidos sobre Operações do Período Resultado Antes do Imposto de Renda e Contribuição Social Encargos (Imposto de Renda e Contribuição Social) às alíquotas de 25% e 9% (Nota 3j), respectivamente ( ) ( ) ( ) ( ) Acréscimos/Decréscimos aos encargos de Impostos de Renda e Contribuição Social decorrentes de: (Inclusões) Exclusões Permanentes Participações em Controladas/Coligadas Juros sobre o Capital Próprio Provisões Indedutíves e Outras (Inclusões) Exclusões Temporárias (16.030) (17.356) Provisões para Riscos de Créditos (193) 433 (25) Provisões para Tributos com Exigibilidade Suspensa (12.955) 29 (19.071) Ajuste a Valor de Mercado de Títulos para Negociação e Instrumentos Financeiros Derivativos - - (14.589) (5.161) Atualização de Depósitos Judiciais Provisões para Contingências Trabalhistas, Cíveis e Outras (752) (3.508) (14.952) (Constituição) / Compensação de Prejuízos Fiscais e Base Negativa de CS (5.863) Despesa com Imposto de Renda e Contribuição Social (60.368) (5.085) ( ) ( ) (Despesas)/Receitas de Tributos Diferidos (24.832) Provisões para Imposto de Renda / Contribuição Social - Ativa (10.423) (28.513) Provisões para Imposto de Renda / Contribuição Social - Passiva (14.409) Total de Imposto de Renda e Contribuição Social (85.200) ( ) ( ) Imposto de Renda (62.370) ( ) ( ) Contribuição Social (22.830) (49.024) (37.295)

12 4.12 b) Créditos Tributários e Previdenciários I - O Saldo de Créditos Tributários (impostos de Renda e Contribuição Social) está representado por: Refletida no Resultado Prejuízo Fiscal e Base Negativa Diferenças Temporárias: Provisão para Obrigações Legais - Fiscais (*) Provisão para Ações Cíveis (*) Provisões Trabalhistas (*) Provisão para Riscos de Crédito Outros Refletida no Patrimônio Líquido - Ajustes a Valor de Mercado de Títulos Disponíveis para Venda Total Realização /Reversão Constituição (13.700) (6.300) (7.400) (5.524) (821) (1.055) (36) (13.736) Prejuízo Fiscal e Base Negativa de Contribuição Social Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa Ágio na Aquisição de Investimento Obrigações Legais - Fiscais e Previdenciárias (*) Provisão para Passivos Contingentes (*) Ações Cíveis Processos Trabalhistas Fiscais e Previdenciárias Outros Total Refletido no Resultado Contribuição Social a Compensar Decorrente da Opção prevista no artigo 8º da Medida Provisória nº , de 24/08/2001. Realização /Reversão Constituição (20.867) (992) (21.300) (5.304) (2.613) (2.691) (11.189) (59.652) (4.296) (*) A realização dos créditos tributários, da Controladora e Consolidado, de Obrigações Legais - Fiscais e Previdenciárias e Provisão para Passivos Contingentes depende da evolução processual da lide, com realização efetiva do crédito quando do seu trânsito em julgado. Para os demais créditos, a expectativa de realização é de até 5 anos. II - Em não existem Créditos Tributários não contabilizados na Controladora, no Consolidado totalizam R$ (R$ em ).

13 4.13 c) Provisões para Tributos Diferidos A movimentação das Provisões para Tributos Diferidos está representada por: Realização / Reversão Constituição Refletida no Resultado 37 (4) Reserva de Reavaliação 37 (4) - 33 Tributação sobre atualização de Depósitos Judiciais Total 37 (4) Realização / Reversão Constituição Refletida no Resultado (14.918) Impostos sobre Atualização Líquida de Depósitos Judiciais Ajuste a Valor de Mercado de Títulos para Negociação e Instrumentos Financeiros Derivativos (14.583) Outros (335) Refletida no Patrimônio Líquido - Ajuste a Valor de Mercado de Títulos Disponíveis para Venda (Nota 4b) (17.430) (1.441) Total (32.348)

14 4.14 d) Provisão para Passivos Contingentes - Contingências Fiscais I - O saldo da Provisão para Contingências Fiscais está representado por: Obrigações Legais - Fiscais e Previdenciárias (Item II) Provisão para Contingências Fiscais Total ( ) ( ) (17.893) (48.823) ( ) ( ) II - Movimentação das Obrigações Legais Saldo Inicial Movimentação do Período Refletida no Resultado Encargos sobre Tributos Constituição Líquida Baixas por Reversão (1) Baixas por Pagamento Saldo Final (2) ( ) ( ) (29.310) (90.957) (98.721) ( ) (55.934) (75.923) ( ) ( ) (1) Reversões referem-se a decisão do Recurso Extraordinário que julgou inconstitucional o parágrafo 1º do art. 3º da Lei 9.718/1998, afastando, assim, a incidência de PIS e Cofins sobre receitas financeiras, mantendo tal incidência somente sobre o faturamento e a decisão do Recurso Extraordinário que declarou inconstituicional a incidência do ICMS pelo Fisco Paulista nas operações de alienação de salvados de sinistros realizadas pela empresa. (2) As provisões constituídas referem-se basicamente à discussão da COFINS Lei nº 9.718/1998 R$ requerendo a isenção da contribuição com base na L.C. nº 70/1991, e ao INSS R$ que questiona a L.C. nº 84/1996 e artigo 22 da Lei nº 8.212/1991. III - Movimentação dos Depósitos em Garantia Saldo Inicial Apropriação de Rendas Depósitos Efetuados Saldo Final

15 4.15 NOTA 8 PROVISÕES TÉCNICAS E DESPESAS DE COMERCIALIZAÇÃO DIFERIDAS a) Saldos dos Principais Grupos de Ramos - Controladora Automóvel Patrimonial (1) Pessoas (2) Responsabilidade Transportes Demais Ramos Provisões Técnicas Provisão de Prêmios não Ganhos Sinistros a Líquidar Prov de Sin. Ocor. mas não Avisados Desp. de Comercialização Diferidas (1) Inclui Incêndio, Lucros Cessantes, Compreensivo Residencial, Riscos de Engenharia e Riscos Diversos. As Provisões: Matemática de Benefícios a Conceder; de Excedente Financeiro; de Eventos Ocorridos mas não Avisados e de Benefícios a Regularizar e as Outras Provisões, referem-se ao ramo de Vida Individual. A Provisão de Insuficiência de Prêmios é calculada com base em estudo atuarial e refere-se a produto não mais comercializado do ramo de Vida em Grupo. (2) Inclui Vida em Grupo e Acidentes Pessoais. b) Garantias - Controladora Os valores dos bens e direitos vinculados à SUSEP em cobertura das provisões técnicas estão demonstrados no quadro abaixo: Total Ramos Elementares e Vida em Grupo (1) Vida com cobertura de Sobrevivencia Total das Provisões Técnicas (-) Fundos e Reservas Retidas IRB (2.886) (2.730) (-) Depósito Judiciais (14.969) (11.171) (-) Direitos Creditórios (2) ( ) ( ) Montante a ser garantido Títulos Públicos Cotas de Fundos de Investimento - Renda Fixa / Multi Índice Garantias das Provisões Técnicas Cobertura Excedente (1) Considera Provisão de Prêmios não Ganhos de Riscos Vigentes e não Emitidos (PPNG-RVNE), no montante de R$ em A provisão em 2005 no valor de R$ foi classificada em contas de compensação. (2) Apurado com base na rubrica Prêmios a Receber, líquido das parcelas cedidas em cosseguro e resseguro conforme Resolução CNSP 98/2002.

16 4.16 c) Principais ramos das provisões técnicas e das despesas de comercialização diferidas - Consolidado RAMOS Provisões Técnicas de Seguros Sinistros a Liquidar Provisão de Sinistros Ocorridos mas não Despesas de Comercialização Avisados Diferidas Patrimonial Responsabilidades Automóvel Transportes Pessoas DPVAT Saúde Demais VGBL Total

17 4.17 d) Movimentação das Provisões Técnicas de Previdência Complementar - Consolidado CIRCULANTE SALDOS EM SALDOS EM CONSTITUIÇÕES REVERSÕES ATUALIZAÇÕES 01/01/ ( ) PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ( ) Riscos não Expirados (1.120) Oscilação de Riscos - PRI Benefícios Concedidos - PRI Benefícios a Regularizar (2.745) Eventos Ocorridos mas não Avisados - IBNR (1.599) Outras Provisões (Provisão de Resgates ou Outros Valores a Regularizar) ( ) EXIGÍVEL A LONGO PRAZO ( ) PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ( ) Benefícios a Conceder ( ) Oscilação de Riscos (457) Benefícios Concedidos (12.547) Insuficiência de Contribuição (*) (464) Excedente Financeiro (57.620) Outras Provisões (Provisão de Oscilação Financeira) (4.351) Total (*) Utilizada a tábua biométrica AT 2000 Básica ( )

18 4.18 e) Movimentação das Provisões Técnicas de Capitalização - Consolidado Saldo em Saldo em CONSTITUIÇÕES REVERSÕES ATUALIZAÇÕES Provisão para Resgates ( ) (1.096) Provisão para Sorteio (39.087) Outras Provisões (27.060) Total ( ) f) Recursos Garantidores das Provisões Técnicas - Consolidado Os valores dos bens e direitos vinculados à SUSEP em cobertura das provisões técnicas estão demonstrados no quadro abaixo: Ramos Elementares e Vida em Grupo (1) Ramos Elementares e Vida em Grupo - Seguro Saúde Vida com Cobertura de Sobrevivência Previdência Complementar Capitalização Total das Provisões Técnicas (-) Fundos e Reservas Retidas IRB (3.036) (2.730) (-) Depósito Judiciais (14.969) (11.171) (-) Direitos Creditórios (2) ( ) ( ) Montante a ser Garantido Títulos Públicos Cotas de Fundos de Investimento - Renda Fixa / Multi Índice Cotas de Fundos de Investimento - Títulos Públicos Cotas de Fundos de Investimento - Renda Fixa Especialmente Constiuído - PGBL / VGBL Garantias das Provisões Técnicas Cobertura Excedente (1) Considera Provisão de Prêmios não Ganhos de Riscos Vigentes e não Emitidos (PPNG-RVNE), no montante de R$ em A provisão em 2005 no valor de R$ foi classificada em contas de compensação. (2) Apurado com base na rubrica Prêmios a Receber, líquido das parcelas cedidas em cosseguro e resseguro conforme Resolução CNSP 98/2002. NOTA 9 ATIVOS E PASSIVOS CONTINGENTES E OBRIGAÇÕES LEGAIS FISCAIS E PREVIDENCIÁRIAS A ITAÚ SEGUROS e suas controladas, na execução de suas atividades normais, encontram-se envolvidas em contingências conforme segue: a) Ativos Contingentes: no exercício de, não foram reconhecidos ativos contingentes e não existem processos classificados como prováveis de realização. b) Passivos Contingentes: - Contingências classificadas como prováveis: são reconhecidas contabilmente e estão representadas por: Ações Cíveis relacionadas à contratação de seguro, principalmente recusa de proposta, cancelamento de seguro e revisão do valor do prêmio; Ações Trabalhistas que buscam a recuperação de pretensos direitos trabalhistas, relativos à legislação trabalhista específica da categoria profissional tais como horas extras, equiparação salarial, reintegração, adicional de transferência, complemento de aposentadoria e outros; Fiscais e Previdenciárias representadas principalmente por processos administrativos de tributos federais e municipais. Abaixo demonstramos a movimentação das respectivas provisões para passivos contingentes e os saldos dos respectivos depósitos em garantia de recursos:

19 4.19 Fiscais e Cíveis Trabalhistas Previdenciárias Outros Total Saldo Inicial (10.022) (3.731) (15.946) - (29.699) Movimentação do Período Refletida no Resultado (4.289) (1.789) (1.947) - (8.025) Atualização/Encargos - - (688) - (688) Constituição / (Reversão) (4.289) (1.789) (1.259) - (7.337) Baixas por Pagamento Saldo Final (9.119) (4.079) (17.893) - (31.091) Depósitos em Garantia de Recursos Fiscais e Cíveis Trabalhistas Previdenciárias Outros Total Saldo Inicial (21.957) (17.485) (45.020) - (84.462) Movimentação do Período Refletida no Resultado (5.884) (5.206) (3.803) (1.306) (16.199) Atualização/Encargos - - (6.477) - (6.477) Constituição / (Reversão) (5.884) (5.206) (1.306) (9.722) Baixas por Pagamento Saldo Final (19.931) (14.727) (48.823) (1.306) (84.787) Depósitos em Garantia de Recursos Contingências classificadas como possíveis: não são reconhecidas contabilmente e estão compostas por: Processos Cíveis de R$ na ITAÚ SEGUROS e R$ no ITAÚ SEGUROS relativos à contratação de seguros, principalmente recusa de proposta, cancelamento de seguro e revisão do valor do prêmio; e Processos Fiscais e Previdenciários de R$ na ITAÚ SEGUROS e R$ no ITAÚ SEGUROS relativos basicamente a auto de infração correspondente a IRPJ e CSLL sobre perda de capital na extinção de empresas controladas. Em garantia de recursos voluntários relativos a processos de passivos contingentes está depositado o montante de R$ na ITAÚ SEGUROS e R$ no ITAÚ SEGUROS e estão arrolados bens do Ativo Permanente no montante de R$ na ITAÚ SEGUROS e R$ no ITAÚ SEGUROS representados basicamente por Investimentos, de acordo com o artigo 32 da Lei /02. c) Obrigações Legais Fiscais e Previdenciárias: passivos constituídos pelo valor integral em discussão conforme abaixo: Probabilidade de Perda Provável Possível Remota Total(*) (*) As informações relativas a esses passivos estão apresentadas na nota 7d. Em 31/03/2006 passaram a ser reconhecidas por regime de competência as receitas referentes à atualização dos depósitos em garantia e as despesas com atualização dos exigíveis correspondentes, o que produziu um acréscimo no resultado líquido dos impostos de R$ A ITAÚ SEGUROS e suas controladas, com base na opinião de seus assessores legais, não estão envolvidas em quaisquer outros processos administrativos ou judiciais, que possam afetar significativamente os resultados de suas operações. A avaliação conjunta do total de provisões existentes para todos os passivos contingentes e obrigações legais, constituídas mediante a utilização de modelos estatísticos para as causas de pequeno valor e avaliação individual de assessores legais internos e externos para as demais causas, mostra a suficiência dos montantes provisionados segundo as regras da Deliberação CVM nº 489, de 03/10/2005. A adaptação à nova regulamentação acima mencionada não produziu efeitos no resultado e no patrimônio líquido.

20 4.20 NOTA 10 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - a) Capital Social O Capital Social está representado por ações escriturais, sem valor nominal, sendo ordinárias e preferenciais. As ações preferenciais têm direito a participação diferenciada na distribuição de lucros e dividendos. b) Dividendos Os acionistas têm direito a um dividendo mínimo obrigatório de 25% do Lucro Líquido, ajustado conforme disposto na Lei das Sociedades por Ações. Lucro Líquido Reserva Legal (5%) Base de Cálculo do Dividendo Dividendo Mínimo Obrigatório (25%) Em reunião de Diretoria de 27/12/2006, foi deliberado pagamento de Juros sobre Capital Próprio no montante de R$ A Companhia provisionou Dividendos no montante de R$ c) Reservas de Capital, de Reavaliação e de Lucros Reservas de Capital Opções de Incentivos Fiscais Artigo 2º da Lei nº 8.200/ Reservas de Reavaliação Imóveis Próprios Reservas de Lucros (1) Legal Especial (2) Outras (1) No Consolidado é eliminado o Lucro Não Realizado da Controladora em operações com ligadas. (2) A Reserva Especial tem como objetivo formar recursos destinados ao exercício do direito de subscrição em aumentos de capital das empresas participadas, aumentos de capital e pagamento de dividendos intermediários.

21 4.21 NOTA 11 PATRIMÔNIO LÍQUIDO AJUSTADO E MARGEM DE SOLVÊNCIA - São calculados de acordo com as Resoluções CNSP nºs 85/2002 e 55/2001, respectivamente, conforme demonstrados abaixo: Patrimônio Líquido (-) Participação em empresas Financeiras ou Equiparadas (100%) (-) Participação em empresas não Financeiras (50%) (-) Despesas Antecipadas (-) Créditos Tributários (Prejuízo Fiscal e Base Negativa) (-) Ativo Diferido Patrimônio Líquido Ajustado Patrimônio Líquido Ajustado Prêmio Retido Anual Médio (12 meses) Sinistro Retido Anual Médio (36 meses) Margem de Solvência Suficiência da Margem de Solvência NOTA 12 PRÊMIOS, SINISTROS E COMISSÕES DOS PRINCIPAIS RAMOS DE ATUAÇÃO Grupos de Ramos Prêmios Ganhos - PG Sinistros Retidos / PG (%) Comercialização / PG (%) Automóvel ,1 67,6 20,1 20,8 Patrimonial (1) ,9 53,9 44,8 28,6 Pessoas (2) ,9 29,0 30,1 34,9 Transportes ,9 58,6 16,8 19,6 Responsabilidades ,9 28,5 16,9 16,2 Demais Ramos ,2 42,0 11,7 10,1 Total ,0 55,5 26,4 24,0 (1) Inclui Incêndio, Lucros Cessantes, Compreensivo Residencial, Riscos de Engenharia e Riscos Diversos. (2) Inclui Vida em Grupo e Acidentes Pessoais. Grupos de Ramos Prêmios Ganhos - PG Sinistros Retidos / PG (%) Comercialização / PG (%) Automóvel ,4 68,0 19,3 19,9 Pessoas (2) ,9 39,8 11,5 7,9 Patrimonial (1) ,5 30,2 39,1 28,0 VGBL ,3 0,9 5,7 (18,4) DPVAT ,3 70,5 0,7 1,0 Transportes ,8 58,4 16,5 19,5 Saúde Individual ,6 217,0 0,2 0,2 Responsabilidades ,2 29,3 16,5 16,2 Saúde Grupal ,3 158,8 - - Demais Ramos ,3 31,4 11,7 13,7 Total ,2 55,5 19,2 15,3 (1) Inclui Incêndio, Lucros Cessantes, Compreensivo Residencial, Riscos de Engenharia e Riscos Diversos. (2) Inclui Vida em Grupo e Acidentes Pessoais.

22 4.22 NOTA 13 DETALHAMENTO DE CONTAS a) Títulos e Créditos a Receber Titulos e Créditos a Receber Juros Sobre o Capital Próprio a Receber Outros Créditos Tributários e Previdenciários (*) Imposto de Renda Contribuição Social Contribuição Social a Compensar - MP nº de 24/08/2001 (Nota 7bI) Outros Impostos e Contribuições Depósitos Judiciais e Fiscais Recursos de Obrigações Legais (Nota 7d III) Recursos Fiscais e Previdenciários (Nota 9) Recursos de Ações Cíveis (Nota 9) Recursos Trabalhistas (Nota 9) Outros Créditos Serviços Prestados a Receber Negociação e Intermediação de Valores Outros Total (*) Correspondem basicamente a antecipações dos respectivos tributos, passíveis de compensação. b) Despesas Antecipadas As Despesas Antecipadas na Controladora totalizam R$ (R$ em ). As Despesas Operacionais referem-se aos custos com contratos de resseguro não proporcional, aquisições de carteiras e de produtos do ramo Vida em Grupo e as Administrativas referem-se basicamente a despesas de marketing. As Despesas Antecipadas no Consolidado totalizam R$ (R$ em ) referem-se as mesmas despesas da Controladora. c) Obrigações a Pagar As Obrigações a Pagar na Controladora e no Consolidado referem-se basicamente a Dividendos a Pagar.

23 4.23 d) Outras Receitas Operacionais - Seguros, Previdência e Capitalização Operações de Seguros Custo de Apólice Administração Seguro Habitacional Outras Receitas Operações de Previdência Gestão de Fundos de Aplicações Financeiras Taxa de Saída Outras Receitas Operações de Capitalização Com Resgate Antecipado de Títulos de Capitalização a Prazo Com Resgate Antecipado de Títulos de Capitalização a Vista Total e) Outras Despesas Operacionais - Seguros, Previdência e Capitalização Operações de Seguros ( ) ( ) ( ) ( ) Operações de Resseguro não Proporcional (33.156) (27.906) (33.156) (27.906) Inspeção de Riscos (15.288) (12.722) (15.421) (12.722) Despesas com Dispositivo Antifurto (14.020) (16.044) (14.020) (16.044) Despesas com Contratos e Apólices (11.170) (10.518) (11.170) (10.518) Despesas de Cobrança (9.794) (9.767) (13.931) (11.761) Acordo de Cooperação (8.243) Serviços de Parceria (2.550) (6.754) (2.550) (6.754) INSS sobre Comissões (1.966) (2.305) (1.966) (2.305) Lucros Atribuídos (1.572) (2.579) (1.572) (2.579) Transferência de Carteira/Produtos (1.300) (1.300) (1.300) (1.300) Seguros Premiados (1.613) (1.757) - - Provisão para Riscos de Créditos Duvidosos (1.247) (1.572) 713 Contingências Cíveis de Seguros (2.585) (4.264) (2.585) (5.211) Outras Despesas (9.550) (8.338) (14.825) (10.196) Operações de Previdência - - (298) (218) Despesas de Cobrança - - (298) (218) Total ( ) ( ) ( ) ( ) f) Despesas Administrativas Pessoal Próprio ( ) ( ) ( ) ( ) Localização e Funcionamento (52.650) (61.023) (34.163) (36.820) Convênio de Rateio de Custos Comuns (34.112) (35.343) ( ) ( ) Serviços de Terceiros (27.594) (23.718) (71.800) (66.401) Publicidade e Propaganda Institucional (14.850) (22.103) (20.394) (28.559) Administrativas Diversas (3.404) (7.549) (46.022) (47.076) Contribuições e Doações - - (14.464) (9.806) Total ( ) ( ) ( ) ( ) g) Despesas com Tributos COFINS (*) (49.895) (55.410) (45.345) PIS (*) (8.109) (8) - Demais Tributos (2.982) ( ) ( ) Total (60.986) ( ) ( ) (*) As Reversões das despesas com COFINS e PIS referem-se ao julgamento final da discussão judicial do alargamento da base de cálculo imposta pela Lei 9.718/1998, sendo as despesas referentes a COFINS e PIS em de R$ e R$ 6.716, respectivamente.

24 4.24 h) Receitas Financeiras 01/01 01/01 01/01 01/01 Quotas de Fundos de Investimentos Atualização de Depósitos Judiciais Com Operações de Seguros Títulos de Renda Fixa Títulos de Renda Variável Atualização Monetária de Créditos Tributários Outras Receitas Total i) Despesas Financeiras 01/01 01/01 01/01 01/01 Atualização Monetária sobre Tributos (55.716) (6.819) (81.057) (10.043) CPMF (11.580) (9.625) (46.840) (38.614) Com Operações de Seguros (8.985) (9.824) (9.034) (10.465) Convênio DPVAT (8.625) (2.783) (15.906) (5.808) Excedente Financeiro, Atualização e Juros de Provisões Técnicas - - ( ) ( ) Outras Despesas (389) (996) (24.349) (18.481) Total (85.295) (30.047) ( ) ( )

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Cumprindo determinações legais

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Centauro Vida e Previdência S/A Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2013

Centauro Vida e Previdência S/A Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2013 Centauro Vida e Previdência S/A Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2013 Direitos Autorais Centauro Vida e Previdência S.A.. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida,

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS Levantados em 30 de Junho de 2014 e de Dezembro de 2013 (Em Milhares de Reais - R$)

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS Levantados em 30 de Junho de 2014 e de Dezembro de 2013 (Em Milhares de Reais - R$) SENHORES ACIONISTAS De acordo com as disposições legais e estatutárias, apresentamos as Demonstrações Financeiras relativas ao semestre encerrado em 30 de junho de 2014 da Mitsui Sumitomo Seguros S.A.,

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01665-9 PORTO SEGURO S.A. 02.149.205/0001-69 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01665-9 PORTO SEGURO S.A. 02.149.205/0001-69 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DFP - DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PADRONIZADAS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/12/26 Divulgação Externa Legislação Societária O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02112-1 SUL AMERICA S.A. 29.978.814/0001-87. Rua Beatriz Larragoiti Lucas,121 - parte

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02112-1 SUL AMERICA S.A. 29.978.814/0001-87. Rua Beatriz Larragoiti Lucas,121 - parte ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Centauro Vida e Previdência

Centauro Vida e Previdência Centauro Vida e Previdência DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1º SEMESTRE 2011 SUMÁRIO 1. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO... 3 2. BALANÇO PATRIMONIAL... 4 3. DRE... 6 4. DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO...

Leia mais

FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011.

FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011. FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011. 1 - APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO SOCIAL: A Família Bandeirante Previdência

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7. Demonstrações de resultado abrangente 11

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7. Demonstrações de resultado abrangente 11 Demonstrações Financeiras Consolidadas em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras consolidadas Conteúdo Relatório da diretoria 3 Parecer avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores independentes

Leia mais

ICATU SEGUROS S.A. CNPJ: 42.283.770/0001-39

ICATU SEGUROS S.A. CNPJ: 42.283.770/0001-39 A Icatu Seguros apresentou o lucro líquido de R$ 79 milhões no exercício e o faturamento* nas linhas de negócios de Vida e Previdência alcançou R$ 907 milhões em 2010, 8% acima do ano anterior. Após a

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.S.as o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras da SUHAI Seguros S.A. relativas ao semestre findo em, apuradas

Leia mais

CENTAURO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Nilo Cairo, 171 - Curitiba - PR - CNPJ 42.516.278/0001-66

CENTAURO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Nilo Cairo, 171 - Curitiba - PR - CNPJ 42.516.278/0001-66 6ª feira 28/Fev/2014 - Edição nº 9157 61 CENTAURO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Nilo Cairo, 171 - Curitiba - PR - CNPJ 42.516.278/0001-66 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação

Leia mais

MONGERAL AEGON SEGUROS E PREVIDÊNCIA S.A.

MONGERAL AEGON SEGUROS E PREVIDÊNCIA S.A. A Administração da MONGERAL AEGON Seguros e Previdência S/A tem a satisfação de apresentar aos seus clientes, parceiros comerciais e acionistas as Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

2012 (reapresentado) Passivo Nota 2013

2012 (reapresentado) Passivo Nota 2013 Seguros Gerais S.A. CNPJ 61.074.175/0001-38 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras da Seguros Gerais S.A., relativas ao exercício

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

Itaú Seguros S.A. Sumário Caderno Empresarial 2

Itaú Seguros S.A. Sumário Caderno Empresarial 2 Apresentamos o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras da Itaú Seguros S.A. (Itaú Seguros) relativos ao ano de 2012, os quais seguem as normas estabelecidas pela Superintendência de Seguros

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

Outros créditos (Nota 8.4) 368 420 Provisões técnicas - seguros (Nota 18) 728.719 671.251

Outros créditos (Nota 8.4) 368 420 Provisões técnicas - seguros (Nota 18) 728.719 671.251 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. o relatório da administração e as demonstrações financeiras relativas aos exercícios findos em 31 de dezembro e, acompanhadas do relatório dos auditores

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

SANTANDER SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

SANTANDER SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ÍNDICE Pág. Relatório dos Auditores Independentes 1 Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais para os períodos findos em e 5 Demonstrações do Resultado para os períodos

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 462, DE 31 DE JANEIRO DE 2013. Dispõe sobre a forma de cálculo e os procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras,

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS. Companhia Aberta - C.N.P.J. Nº 33.041.062/0001-09

SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS. Companhia Aberta - C.N.P.J. Nº 33.041.062/0001-09 SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Companhia Aberta - C.N.P.J. Nº 33.041.062/0001-09 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Prezados Senhores Acionistas: Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Austral Seguradora S.A.

Demonstrações Financeiras Intermediárias Austral Seguradora S.A. Demonstrações Financeiras Intermediárias Austral Seguradora S.A. Em com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Intermediárias Demonstrações financeiras intermediárias

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

Santander Seguros S.A.

Santander Seguros S.A. Senhores Acionistas: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. o relatório da administração, as demonstrações financeiras e o relatório dos auditores independentes,

Leia mais

GTD PARTICIPAÇÕES S.A.

GTD PARTICIPAÇÕES S.A. GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES GTD PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2015 - DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010.

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. À Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Membros do Ministério Público de São Paulo PROMOCRED. Diretoria-Executiva São Paulo SP Assunto: Auditoria

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

BB Capitalização S.A.

BB Capitalização S.A. BB Capitalização S.A. CNPJ 07.681.872/0001-01 Demonstrações Contábeis Intermediárias Semestre findo em 30.06.2014 Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias Subsi V - Divisão de Subsidiárias V RELATÓRIO

Leia mais

Vida Seguradora S.A. CNPJ 02.238.239/0001-20

Vida Seguradora S.A. CNPJ 02.238.239/0001-20 sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 124 (41) 283 Vida Seguradora S.A. CNPJ 02.238.239/0001-20 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

ANEXO Capítulo II - Elenco Sintético das Contas 2013 ATIVO

ANEXO Capítulo II - Elenco Sintético das Contas 2013 ATIVO SUB 1 1 2 CIRCULANTE 1 2 1 DISPONÍVEL 1 2 1 1 CAIXA 1 2 1 1 1 CAIXA 1 2 1 1 1 9 CAIXA 1 2 1 1 1 9 0 1 CAIXA 1 2 1 1 1 9 0 1 1 Caixa 1 2 1 2 NUMERÁRIO EM TRANSITO 1 2 1 2 1 NUMERÁRIO EM TRANSITO 1 2 1 2

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 KPMG Auditores Independentes Agosto de 2013 Relatório dos auditores

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.)

FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.) FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2006 (Em milhares de

Leia mais

Zurich Santander Brasil Seguros e Previdência S.A. CNPJ nº 87.376.109/0001-06

Zurich Santander Brasil Seguros e Previdência S.A. CNPJ nº 87.376.109/0001-06 sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 125 (38) 411 Senhores Acionistas: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas., o relatório

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

PORTO SEGURO VIDA E PREVIDÊNCIA S.A.

PORTO SEGURO VIDA E PREVIDÊNCIA S.A. terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 123 (36) 105 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. o relatório da administração e as demonstrações financeiras

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014

J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e de 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e de 2012 Icatu Seguros S.A. e Controladas CNPJ: 42.283.770/0001-39 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e de 2012 KPDS 80915 Icatu Seguros S.A. e Controladas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

REFORMULAÇÃO DO PLANO DE CONTAS DAS SOCIEDADES SEGURADORAS

REFORMULAÇÃO DO PLANO DE CONTAS DAS SOCIEDADES SEGURADORAS REFORMULAÇÃO DO PLANO DE CONTAS DAS SOCIEDADES SEGURADORAS 1. OBJETIVO A presente reformulação do Plano Contábil das Sociedades Seguradoras tem por finalidade uniformizar os registros contábeis, racionalizar

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. BV LEASING - ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, apresentamos as demonstrações

Leia mais

PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis. Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011

PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis. Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011 PAULISTA FUTEBOL CLUBE LTDA Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Em 31 de dezembro de 2011 AudiBanco - Auditores independentes SS Rua: Flores da

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2006 e 2005

Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2006 e 2005 Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2006 e 2005 Índice Parecer dos Auditores Independentes... I Demonstrações Financeiras Auditadas Balanços Patrimoniais... II Demonstrações do Resultado... III

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E 2006 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é

Leia mais

Notas explicativas da administração às Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2011 Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma

Notas explicativas da administração às Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2011 Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma Índice das Notas Explicativas Página Nota 1 Contexto Operacional... 2 Nota 2 Apresentação das demonstrações contábeis... 2 Nota 3 Principais práticas contábeis... 4 Nota 4 Caixa e equivalentes de caixa...

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2014 2 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. ÍNDICE 1. Relatório dos Auditores Independentes 03

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.)

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.) Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 11.664.201/0001-00 Deloitte

Leia mais

BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23 ATIVO BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Em Milhares de Reais) CIRCULANTE 2.239 2.629 DISPONIBILIDADES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

BV LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL

BV LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL BV LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL 5ª Emissão Pública de Debêntures Não Conversíveis Ações em Série Única da Espécie Subordinada Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício 2008 1 RELATÓRIO ANUAL

Leia mais

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A.

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos Auditores

Leia mais