IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008"

Transcrição

1 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

2 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais Demonstrações de Resultados Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido Demonstrações dos Fluxos de Caixa Método Indireto Parecer dos Auditores Independentes

3 IESA Óleo & Gás S/A C.N.P.J. M.F - Nº / Balanços patrimoniais Período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Ativo Nota 30/09/ /12/2008 Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa Clientes Títulos e Valores Mobiliários Estoques Créditos de Impostos Bens Destinados a Venda Despesas Antecipadas Outros Créditos Total do Ativo Circulante Não circulante Realizável a longo prazo Empresas Ligadas Investimentos Imobilizado Intangível Total do Ativo Não Circulante Total do Ativo As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras

4 IESA Óleo & Gás S/A C.N.P.J. M.F - Nº / Balanços patrimoniais Período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Passivo Nota 30/09/ /12/2008 Circulante Fornecedores Financiamentos e Empréstimos Obrigações Sociais Impostos e Contribuições a Recolher Dividendos Propostos Provisão de Custo e Encargos Adiantamentos sobre Encomendas Outras Contas a Pagar Total do Passivo Circulante Não Circulante Financiamentos e Empréstimos Impostos e Contribuições a Recolher Empréstimos de Empresas Ligadas Provisões para Contingências Total do Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 20 Capital Social Reservas de Lucros Lucros Acumulados Total do Patrimônio Líquido Total do Passivo As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras

5 IESA Óleo & Gás S/A C.N.P.J. M.F - Nº / Demonstrações de Resultados Período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Nota 30/09/ /12/2008 Receita Operacional Bruta Deduções e Impostos sobre Vendas (51.528) (62.562) Receita Operacional Líquida Custos dos Produtos e Serviços ( ) ( ) Lucro Bruto Receitas [Despesas] Operacionais (58.840) (61.072) Administrativas e Gerais (29.644) (34.354) Depreciações e Amortizações (614) (729) Despesas com Vendas (4.874) (203) Despesas Financeiras 22 (29.581) (33.878) Receitas Financeiras Outras Receitas e Despesas Operacionais (2.152) (4.282) Resultado da Equivalência Patrimonial Resultado Operacional Outras Receitas (Despesas) (366) (38) Lucro Antes da Provisão para Contribuição Social e Imposto de Renda Provisão para Contribuição Social (1.434) (3.232) Provisão para Imposto de Renda (3.794) (8.741) Lucro Líquido do Exercício Quantidade de ações ao final do exercício Lucro por lote de mil ações - R$ 302,96 794,75 As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras

6 IESA ÓLEO & GÁS S/A C.N.P.J. M.F - Nº / Demonstrações das mutações do patrimônio líquido Período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Reservas de Lucros Lucros Capital Retenção de á disposição Lucros Social Legal Lucros da Assembléia Acumulados Total Saldos em 31 de Dezembro de Retenção de Lucros para Manutenção de Capital de Giro (7.114) - - Lucro Líquido do Exercício Proposta da Administração de Destinação do Lucro: Transferência para Reserva Legal (1.586) - Lucros á disposição da Assembléia (30.145) - Saldos em 31 de Dezembro de Aumento de Capital: Conforme 12ª Assembléia Geral Extraordinária de 27/04/ (37.000) Retenção de Lucros para Manutenção de Capital de Giro (22.609) - - Dividendos exercício (7.536) - (7.536) Lucro Líquido do Período Saldos em 30 de Setembro de As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras

7 IESA Óleo & Gás S/A C.N.P.J. M.F - Nº / Demonstração dos Fluxos de Caixa Período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de /09/ /12/2008 ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro Líquido do período Despesas (receitas) que não afetam o caixa e equivalentes Depreciações e amortizações Ganho na alienação de permanente - (1.659) Perda na alienação de permanente Equivalência patrimonial (1.667) (5.879) Variações monetarias e cambiais Impostos diferidos Provisões (Reversões) Lucro Líquido do exercício ajustado (Aumento) redução no ativo: Clientes (66.429) (8.958) Estoques (1.785) (10.615) Créditos de impostos (3.541) Despesas antecipadas 161 (661) Outros créditos (212) 770 (65.381) (23.005) Aumento (redução) no passivo Fornecedores Obrigações sociais (1.505) (246) Impostos e contribuições a recolher (9.167) Adiantamentos sobre encomendas (1.727) Outras contas a pagar (516) (5.333) CAIXA GERADO PELAS ATIVIDADES OPERACIONAIS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Dividendos recebidos de coligadas Aquisições de novos investimentos - (4) Pagamento pela compra imobilizado (1.953) (3.854) Recebimento pela venda imobilizado Operações de mútuos com empresas ligadas Pagamentos de mútuos com empresas ligadas (-) (87.896) - Aplicações em Títulos e Valores Mobiliários (14.071) - (57.178) CAIXA GERADO PELAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Pagamento de dividendos e juros sobre o capital próprio (6.632) (2.040) Captação de financiamentos e empréstimos Amortização de financiamentos e empréstimos - principal ( ) ( ) Amortização de financiamentos e empréstimos - juros (29.077) (23.549) Operações de mútuos com empresas ligadas, líquidos (10.463) Pagamentos de mútuos com empresas ligadas (-) (16.915) (34.434) AUMENTO (DIMINUIÇÃO) DO CAIXA E EQUIVALENTES (27.461) Saldo inicial do caixa e equivalentes Saldo final do caixa e equivalentes AUMENTO (DIMINUIÇÃO) DO CAIXA E EQUIVALENTES (27.461) As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras

8 1. Contexto Operacional A Empresa tem como atividade preponderante a prestação de serviços e o fornecimento de materiais para as indústrias de petróleo, gás, química e petroquímica, visando fornecer soluções completas através de projetos EPC (Engineering, Procurement and Construction), desenvolvendo desde os estudos e projetos de engenharia e consultoria até a execução de serviços de manutenção, construção, montagem e assistência técnica. Estas demonstrações financeiras são apresentadas em Reais que é a moeda principal das operações no ambiente em que a empresa atua, e representa a posição patrimonial e financeira da empresa, em 30 de setembro de 2009, o resultado de suas operações realizadas entre 1º de janeiro de 2009 e 30 de setembro de 2009, as mutações do seu patrimônio líquido e os fluxos de caixa referentes ao período findo naquela data. 2. Bases de Preparação das Demonstrações Financeiras Declaração de conformidade As demonstrações financeiras do período findo em 30 de setembro de 2009 e as informações comparativas relativas ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2008 foram elaboradas de acordo com as novas práticas contábeis adotadas no Brasil, com atendimento integral da Lei nº /07 e Lei n.º /09, e pronunciamentos emitidos pelo CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis e aprovados pelo CFC - Conselho Federal de Contabilidade. 3. Resumo das Principais Práticas Contábeis Adotadas a) Classificação de Itens Circulantes e Não Circulantes No Balanço Patrimonial, ativos e obrigações vincendas ou com expectativa de realização dentro dos próximos 12 meses são classificados como itens circulantes e aqueles com vencimento ou com expectativa de realização superior a 12 meses são classificados como itens não circulantes.

9 b) Compensações entre Contas Como regra geral, nas demonstrações financeiras, nem ativos e passivos, ou receitas e despesas são compensados entre si, exceto quando a compensação é requerida ou permitida por um pronunciamento ou norma brasileira de contabilidade e esta compensação reflete a essência da transação. c) Transações em Moedas Estrangeiras Os itens nestas demonstrações financeiras são mensurados em moeda funcional Real (R$) que é a moeda do principal ambiente econômico em que empresa atua e na qual é realizada a maioria de suas transações, e são apresentados nesta mesma moeda. Transações em outras moedas são convertidas para a moeda funcional conforme determinações do CPC 02 - Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis. Os itens financeiros são convertidos pelas taxas de fechamento e os itens não-financeiros pelas taxas da data da transação. d) Apuração do Resultado O resultado é apurado pelo regime de competência dos exercícios e inclui o reconhecimento do resultado dos contratos de construção por empreitada e fornecimentos, calculados pelos percentuais de estágios da execução dos projetos com base na relação existente entre a receita estimada atualizada e os custos orçados estimados e os custos incorridos, de acordo com as regras aplicáveis das Normas e Práticas de Contabilidade (NPC) nº. 17 do IBRACON. As despesas e custos são reconhecidos quando há a redução de um ativo ou o registro de um passivo, e podem ser razoavelmente mensurados. e) Valor Recuperável de Ativos ( Impairment ) O imobilizado e outros ativos não circulantes são submetidos ao teste de recuperabilidade para se identificar perdas por impairment anualmente ou quando eventos ou alterações nas circunstâncias indicarem que o valor contábil pode não ser recuperável. A perda por impairment é reconhecida pelo montante em que o valor contábil do ativo ultrapassa o valor recuperável, que é o maior entre o preço líquido de venda e o valor em uso de um ativo.

10 f) Caixa e Equivalentes de Caixa São classificados como caixa e equivalentes de caixa, numerário em espécie e depósitos bancários disponíveis e aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. g) Instrumentos Financeiros Os ativos financeiros adquiridos principalmente com a finalidade de utilização no curto prazo, gerenciados em conjunto e para os quais existe evidência de padrão recente de realização de lucros a curto prazo, são mensuradas ao valor justo lançado em conta de resultado. Os ativos financeiros mantidos até o vencimento são aplicações não derivativas com pagamentos fixos ou determináveis com vencimentos definidos e para os quais a entidade tem intenção positiva e capacidade de manter até o vencimento. São mensurados pelo custo de aquisição ou valor de emissão, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização, lançado em conta de resultado. Ativos financeiros disponíveis para venda são aqueles ativos financeiros não derivativos que são designados como disponíveis para venda ou que não são classificados como os itens anteriores. São mensurados ao valor justo lançado em conta de ajuste de avaliação patrimonial até que ocorra a sua efetiva realização financeira. h) Contas a Receber As contas a receber estão registradas pelo valor de emissão atualizado conforme disposições legais ou contratuais ajustado ao valor provável de realização quando este for inferior. Os valores vincendos estão ajustados a valor presente com base em taxas de desconto que refletem as melhores avaliações do mercado quanto ao valor do dinheiro no tempo e os riscos específicos destes ativos, e os valores vencidos deduzidos por provisão para perdas conhecidas ou estimadas. A provisão para créditos duvidosos quando aplicável, será constituída sobre os valores vencidos há mais de 180 dias.

11 i) Estoques Os estoques são demonstrados ao custo de fabricação e médio de aquisição, líquidos dos impostos recuperados e não superam os preços de mercado. j) Outros Ativos Os demais ativos estão apresentados ao custo de aquisição atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização. k) Investimentos Os investimentos em empresas coligadas são ajustados pelo método da equivalência patrimonial. l) Imobilizado Demonstrado ao custo de aquisição, reduzido ao seu valor recuperável quando aplicável. O imobilizado é submetido ao teste de recuperabilidade quando há indícios internos ou externos de que pode estar desvalorizado. A depreciação foi calculada pelo método linear, às taxas que levam em consideração o tempo de vida útil- econômica dos bens. m) Intangível Os ativos intangíveis com vida útil indefinida a partir de 1º de janeiro de 2009 não são mais amortizados e são submetidos anualmente ao teste de recuperabilidade. Os ativos intangíveis com vida útil definida são amortizados de forma sistemática ao longo da sua vida útil estimada e são submetidos ao teste de recuperabilidade quando há indícios internos ou externos de que podem estar desvalorizados. n) Passivos Circulante e Não Circulante Os passivos estão registrados pelo seu valor estimado de realização, ajustados a valor presente quando aplicável, com base em taxas de desconto que refletem as melhores avaliações do mercado quanto ao valor do dinheiro no tempo e os riscos específicos destes passivos, e acrescidos, quando aplicável,

12 dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas, em base pro-rata dia. o) Imposto de Renda e Contribuição Social Apurados pelo lucro real à razão de 15% sobre o Lucro Tributável e adicional de 10% para imposto de renda, e de 9% para contribuição social. p) Julgamento e Uso de Estimativas Contábeis A preparação de demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a administração da Companhia se baseie em estimativas para o registro de certas transações que afetam os ativos e passivos, receitas e despesas, bem como a divulgação de informações sobre dados das suas demonstrações financeiras. Os resultados finais dessas transações e informações, quando de sua efetiva realização em períodos subseqüentes, podem diferir dessas estimativas. A política contábil que requer um maior grau de julgamento e uso de estimativas, na preparação das demonstrações financeiras está relacionada aos passivos contingentes que são provisionados de acordo com a expectativa de êxito, obtida e mensurada em conjunto a assessoria jurídica da empresa. Outros itens significativos, sujeitos a estas estimativas e premissas, incluem o valor residual do ativo imobilizado, e valores de ativos e passivos relacionados aos contratos com clientes os quais são apropriados com base no avanço físico das obras. A Companhia revisa as estimativas e premissas pelo menos trimestralmente e/ou anualmente. q) Lucro por Ação Calculado com base na quantidade de ações existentes na data do encerramento dos balanços. 4. Caixa e Equivalentes de Caixa 30/09/ /12/2008 Caixa e bancos Aplicações Financeiras

13 Caixa e equivalentes incluem caixa, contas bancárias nacionais e aplicações financeiras estruturadas em CDBs remunerados por taxas que variam entre 100,0% a 102,0% do Certificado de Depósito Interbancário CDI. 5. Clientes 30/09/ /12/2008 Contas a receber de clientes faturados Créditos com consórcios (a) Contas a receber de clientes a faturar (b) a) Créditos com consórcios representam valores a receber referente aos resultados gerados nos empreendimentos em que a Companhia participa, com outros parceiros, em contratos EPC (Engenharia, Fornecimento de Equipamentos e Construção) nos segmentos plataformas, refinarias e plantas de gás. A realização destes valores ocorre da seguinte forma: mensalmente os Consórcios pagam às empresas consorciadas uma taxa de administração central e periodicamente é feito uma distribuição de resultado. Abaixo segue o detalhamento do saldo em 30/09/2009: Consorcios % Resultado Resultado Saldo a Participação Acumulado Distribuido Receber Consórcio QI - Reduc HDS (14.646) Consórcio QI - Reduc Plangás (29.628) Consórcio QI - Revap (5.505) Consórcio UTGCA - Caraguatatuba 17, (4.527) Consórcio Odebei - Cabiúnas (23.596) Consórcio Marlim Leste (27.336) ( ) b) O saldo de contas a receber de clientes a faturar refere-se a contratos onde as parcelas são reconhecidas por regime de competência conforme a evolução física da obra. Este procedimento não altera os prazos de recebimento estabelecidos nos contratos com os clientes, que acompanham cronogramas de evoluções de gastos. 6. Títulos e Valores Mobiliários Refere-se ao direito sobre aplicações junto ao Banco Fibra S/A, vinculado ao contrato CCB de 26/06/2009.

14 7. Estoques 30/09/ /12/2008 Em Elaboração Adiantamentos a Fornecedores nacionais Adiantamentos a Fornecedores exterior O saldo de estoques em elaboração refere-se a custos de obras em andamento que foram suportados pela Empresa e que ainda não foram medidos ou cobrados dos clientes; a realização destes valores está condicionada ao cumprimento de etapas de serviços que serão faturados aos clientes ao longo da execução dos projetos (obras). 8. Créditos de Impostos 30/09/ /12/2008 Saldo Negativo IRPJ e CSLL (a) Imposto de Renda Retido Fonte CSLL Retenção na Fonte PIS e COFINS a Compensar (b) PIS e COFINS Retenção na Fonte ICMS a Compensar Outros a) Saldo Negativo de IRPJ e CSLL referente apuração do 1º e 2º trimestre de b) PIS e COFINS a Compensar referentes a créditos de insumos e bens, apurados pelo regime não cumulativo conforme determina a Lei / Bens Destinados a Venda A Empresa disponibilizou para alienação o imóvel de sua propriedade em Magé, Estado do Rio de Janeiro. A alienação deste imóvel faz parte do plano da diretoria em disponibilizar à venda ativos ociosos à sua operação.

15 10. Investimentos 30/09/ /12/2008 Participações em empresas coligadas ( - ) Dividendos distribuídos de 2009 (573) (1.740) O saldo de participações em empresas coligadas refere-se, principalmente, a 15% de participação no capital social da QUIP S.A., empresa constituída juntamente com Queiroz Galvão e Ultratec para construção, montagem e integração de plataformas de extração de óleo e gás. Informações sobre a QUIP S.A. 30/09/ /12/2008 Capital social Patrimônio líquido Resultado do período % de participação Imobilizado % Deprec. Liquido Liquido Deprec. Custo Acumulada 30/09/ /12/2008 Terrenos Edificações e Instalações 4 e (1.405) Equipamentos e máquinas industriais 10 e (307) Equipamentos e móveis de escritório (293) Equipamentos de informática (665) (2.670) A depreciação do período totalizou R$ 674 desse montante R$ 60 foram alocados aos custos das obras (projetos) e R$ 614 às despesas operacionais e administrativas (em 31/12/2008, R$ 956, R$ 227 e R$ 729, respectivamente).

16 12. Intangível Refere-se ao acervo técnico da divisão de Óleo & Gás, representado por obras transferidas pela controladora IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A., através de Laudo de Avaliação emitido em 31 de maio de /09/ /12/2008 Acervo Técnico Direitos de Uso de Software (-) Amortização Acumulada - (49) Financiamentos e Empréstimos Moeda Nacional: 30/09/ /12/2008 Capital de Giro Juros efetivos de 0,50 a 1,50% e variação CDI vencimentos até setembro/ Moeda Estrangeira: Financiamento de Exportações ACC Variação cambial e juros de 6% a.a. + CDI vencimento em agosto de Capital de Giro Juros linear de 3,15% a.a. + Libor 180 dias vencimento em outubro/ ( - ) curto prazo ( ) (87.886) longo prazo Os financiamentos e empréstimos em moeda estrangeira foram convertidos para reais, mediante a utilização das taxas de câmbio vigentes na data das demonstrações financeiras, sendo US$ 1,00 equivalente a R$ 1,7781 em 30/09/2009 (R$ 2,337 em 31/12/2008). Todos os contratos junto às instituições financeiras estão garantidos por cessão de direitos creditórios sobre contratos de clientes e notas promissórias e avais de diretores e/ou da controladora.

17 14. Obrigações Sociais 30/09/ /12/2008 Salários a pagar INSS FGTS IRRF Empregados Provisões de Férias e Encargos Outros Impostos e Contribuições a Recolher 30/09/ /12/2008 Provisão IRPJ e CSLL Diferidos (a) INSS Parcelamento Parcelamento Especial Lei /09 (b) ISS Parcelamento PIS e COFINS Diferidos (a) PIS e COFINS a Recolher Impostos e Contribuições retidos na fonte ICMS Outros ( - ) Curto prazo (3.652) (6.856) Longo prazo a) Impostos e Contribuições diferidos correspondem a receitas não recebidas de contratos firmados com empresas do poder público, conforme permite o art. 409 do Regulamento do Imposto de Renda de 1999, combinado com o Art. 7º da Lei 9.718/1998. b) Atendendo os benefícios estabelecidos pelo Parcelamento Especial da Lei de 27 de maio de 2009 a empresa solicitou o parcelamento de dívidas previdenciárias e saldo de parcelamentos ordinários vencidos até 30/11/2008, e está aguardando o comunicado da Receita Federal para a consolidação destes débitos, sendo que os efeitos das reduções de multas e juros, que totalizaram R$ 859, já foram reconhecidos nestas demonstrações financeiras.

18 16. Provisão de Custos e Encargos Refere-se a materiais recebidos ou conclusão de etapas de serviços contratados que ainda não foram faturados pelos fornecedores. 17. Adiantamentos sobre Encomendas Adiantamentos ou sinais recebidos por conta de venda de produtos ou serviços que são consignados como obrigações até a contabilização da venda. 18. Transações com Partes Relacionadas As transações com partes relacionadas foram realizadas a valores e prazos usuais de mercado. Os saldos das principais operações estão assim demonstrados em 30/09/2009. Descrição IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A. (controladora) QUIP S.A. (Coligada) Ativo Circulante Contas a Receber Ativo Não Circulante Mútuo Passivo Circulante Fornecedores Passivo Não Circulante Mútuo Mútuo: O saldo do mútuo com a controladora IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A. de R$ (R$ 132 em 31/12/2008) é exigível a qualquer tempo e sua composição é decorrente, principalmente, da movimentação de recebimentos e pagamentos e de outras transferências de numerários.

19 19. Provisões para Contingências 30/09/ /12/2008 Processos Tributários Processos Trabalhistas A Companhia mantém provisões para contingências diversas, avaliadas pelo risco provável pelos assessores jurídicos externos e prevê que as provisões constituídas são suficientes para cobrir prováveis perdas em processos judiciais. 20. Patrimônio Líquido a) Capital Social Em reunião realizada em 27 de abril de 2009, conforme 12ª Assembléia Geral Extraordinária, os acionistas deliberaram em aumentar o capital social da Sociedade, mediante a capitalização do saldo da conta de Reserva de Retenção de Lucros, no montante de R$ sem emissão de novas ações. Portanto o capital social é R$ representados por (trinta e nove milhões, novecentos e vinte e cinco mil, quinhentos e vinte e seis) ações ordinárias nominativas, com direito a voto, indivisíveis em relação ao capital e sem valor nominal. b) Dividendos Obrigatórios Através da 11º Ata de Assembléia Geral Extraordinária, realizada em 28 de dezembro de 2008, os acionistas da companhia decidiram alterar a letra c do Art. 20 e o Art. 21 do Estatuto Social para contemplar que o dividendo mínimo obrigatório passasse a ser 50% do lucro ajustado.

20 21. Ajuste a Valor Presente A Empresa calculou o ajuste a valor presente com base nos títulos a receber/ a pagar apresentados nos saldos em aberto de cada grupo de contas de ativos e passivos monetários, assim como, aplicou as taxas de desconto com base nas premissas de mercado existentes na data de transição. Os itens que compõe cada um dos grupos de contas que foram objeto do cálculo global possuem características uniformes. Dado aos valores imateriais, a Companhia não procedeu ajustes nas demonstrações financeiras. 22. Resultado Financeiro 30/09/ /12/2008 Despesas bancárias (1.963) (2.032) Juros sobre empréstimos e mútuos com ligadas (24.533) (25.444) Juros sobre outros passivos (2.364) (2.589) Variação cambial passiva (721) (3.813) Total Despesa Financeira (29.581) (33.878) Juros sobre aplicações financeiras Juros sobre outros ativos Descontos auferidos Variação cambial ativa Total Receita Financeira Resultado Financeiro Líquido (23.223) (27.383) 23. Valor Recuperável de Ativos - Impairment Anualmente e quando houver indicação que uma perda foi sofrida, a empresa realiza o teste de recuperabilidade dos saldos contábeis de ativos intangíveis, imobilizado e outros ativos não-circulantes, para determinar se estes ativos sofreram perdas por impairment. Estes testes são realizados de acordo com o CPC 01 Redução ao Valor Recuperável de Ativos, baseado em seu valor em uso (valor presente dos fluxos de caixa futuros que se espera obter com o bem). Em 31/12/2008 a empresa realizou o teste de recuperabilidade para o ativo imobilizado e bens imóveis destinados a venda, sendo que não foram identificadas perdas por impairment.

21 24. Instrumentos Financeiros As operações com instrumentos financeiros constantes no balanço patrimonial de 30 de setembro de 2009 são representadas por aplicações financeiras, empréstimos e financiamentos juntos a instituições financeiras e contratos de mútuo com empresas ligadas, sendo que seus valores líquidos de mercado correspondem substancialmente aos valores contábeis, conforme evidenciamos abaixo: (a) As aplicações financeiras estão estruturadas em CDB s, conforme divulgado na nota explicativa n.º 04, e estão corrigidas em base exponencial pro rata die, desde a data origem de cada aplicação, por taxas pós-fixadas, portanto os valores contábeis já estão registrados pelo valor da moeda no encerramento destas demonstrações. (b) Os financiamentos e empréstimos da Companhia não são indexados por taxas subsidiadas, todas as operações possuem taxas que são consideradas taxas de mercado, sendo que o montante de R$ , em 30/09/2009, são operações que estão indexadas a taxas de câmbio, expondo a Companhia ao risco da variação cambial. (c) Os contratos de mútuo, quando aplicáveis, são indexados com taxas pósfixadas e os seus vencimentos não são pré-determinados, portanto pode-se considerar que seus valores de mercado correspondem aos próprios valores contábeis. Risco de crédito e formação de preço A característica dos serviços e fornecimentos executados pela IESA Óleo & Gás S.A. é de grandes empreendimentos, sendo que a maioria tem etapas de construção de médio e longo prazo e são pagos na medida em que vão sendo executados, reduzindo, desta forma, os riscos de créditos. Todos os preços são reajustados anualmente, conforme fórmula contratual. Deliberação CVM nº 550 de 17 de outubro de 2008 Determina que a Companhia divulgue todos os seus instrumentos financeiros derivativos, reconhecidos ou não, como ativo ou passivo, em seu balanço patrimonial. A Companhia não possui operações alavancadas com derivativos de câmbio ou taxa de juros, inclusive operações com "duplo indexador" ou "target forward", ou que de outra forma possam significar posições especulativas.

22

23

24

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2008 e 2007

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Conteúdo Relatório da Administração Balanços Patrimoniais Demonstrações de Resultados

Leia mais

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 DUDALINA S/A BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO DE 2014 (Valores expressos em milhares de reais) Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Armazém Mateus S.A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Armazém Mateus S.A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Armazém Mateus S.A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2013 Índice Página Relatório dos auditores independentes 3 Demonstrações contábeis

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A.

Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A. Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A. Período de sete meses findo em 31 de julho de 2009 e exercício findo em 31 de com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Demonstrações financeiras intermediárias em KPDS 134230 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações dos resultados

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011

Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 5) 45.431 15.305 Financiamentos e empréstimos (Nota 12) 71.389 40.388

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas

Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2012

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 FPRJ/ORN/TMS 0753/16 FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ

Leia mais

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A.

VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL S.A. Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos Auditores

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Diretores e Mantenedores da FUNDAÇÃO PRÓ RIM JOINVILLE SC Examinamos as demonstrações financeiras da Fundação Pró Rim, que compreendem

Leia mais

Cerradinho Holding S.A. e Controladas

Cerradinho Holding S.A. e Controladas Cerradinho Holding S.A. e Controladas Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 30 de Abril de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. BV LEASING - ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, apresentamos as demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A.

Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório auditores independentes

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011

METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011 METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras da Metalúrgica Duque S/A, referentes

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Companhia de Marcas e Controladas

Companhia de Marcas e Controladas Companhia de Marcas e Controladas Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche

Leia mais

COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS E PARALÍMPICOS RIO 2016 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Em 31 de dezembro de 2012 e de 2011

COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS E PARALÍMPICOS RIO 2016 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 E 2011 SUMÁRIO COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS E PARALÍMPICOS RIO 2016 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 1 Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

A Sede Social da Companhia está localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1455 Itaim Bibi - Cep:04543-011 São Paulo/SP

A Sede Social da Companhia está localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1455 Itaim Bibi - Cep:04543-011 São Paulo/SP 1. Contexto operacional A Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações ( Companhia ) é uma sociedade anônima de capital aberto com sede em São Paulo, Estado de São Paulo, tendo suas ações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda.

Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. Demonstrações Financeiras Brasil Lau-Rent Locação de Máquinas e Equipamentos Ltda. e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

LINHA AMARELA S.A. LAMSA

LINHA AMARELA S.A. LAMSA LINHA AMARELA S.A. LAMSA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial de empresas

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES 1. BREVE HISTÓRICO DO CLUBE CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 O Esporte Clube Vitória, fundado na cidade do Salvador, onde tem foro e sede,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/3/1999 Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA,

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

Lorenge S.A. Participações

Lorenge S.A. Participações Lorenge S.A. Participações Demonstrações Financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI Examinamos as demonstrações contábeis do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI, que compreendem

Leia mais

Isolux Energia e Participações S.A. Demonstrações financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores

Isolux Energia e Participações S.A. Demonstrações financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores Isolux Energia e Participações S.A. Demonstrações financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as

Leia mais

INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA. Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011

INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA. Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 JSL/TMF/AB/APM 1294/13 Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DA REGIÃO DE JOINVILLE FURJ

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DA REGIÃO DE JOINVILLE FURJ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DA REGIÃO DE JOINVILLE FURJ NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Em Reais) NOTA 1 - INFORMAÇÕES GERAIS A Fundação

Leia mais

J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014

J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 J Dantas S.A. Engenharia e Construções Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL

INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES INSTITUTO RIO

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02090-7 BHG S.A. - BRAZIL HOSPITALITY GROUP 08.723.106/0001-25 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02090-7 BHG S.A. - BRAZIL HOSPITALITY GROUP 08.723.106/0001-25 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A.

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Brasil Auditores Independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Atento Brasil S.A.

Demonstrações Financeiras Atento Brasil S.A. Demonstrações Financeiras Atento Brasil S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice Relatório dos auditores independente sobre as demonstrações

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013

Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013 Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Usina Uberaba S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de março de 2015

Usina Uberaba S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de março de 2015 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de março de 2015 Relatório da Administração Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 (Em milhares de reais - R$, exceto quando mencionado

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Índice Relatório dos auditores independentes sobre as

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01446-0 CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS 73.178.600/0001-18

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01446-0 CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS 73.178.600/0001-18 ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

OER Caçu Energia S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais

OER Caçu Energia S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais . Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2013 Passivo e patrimônio líquido (passivo a descoberto) 2013 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 200 Empréstimos e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRASIL BROKERS PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRASIL BROKERS PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E DE 2000

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E DE 2000 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E DE 2000 (Em milhares de reais exceto quando indicado) 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA é

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Kloeckner Metals Brasil S.A.

Kloeckner Metals Brasil S.A. Kloeckner Metals Brasil S.A. Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Audifisco Auditoria Fiscal e Contábil S/S. Rua Santa

Leia mais

Demonstrações Financeiras Avista S/A. Administradora de Cartões de Crédito

Demonstrações Financeiras Avista S/A. Administradora de Cartões de Crédito Demonstrações Financeiras Avista S/A. Administradora de Cartões de Crédito 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice Relatório

Leia mais

Informações Trimestrais - ITR Concessionária Auto Raposo Tavares S.A. 31 de março de 2012 com Relatório sobre a Revisão de Informações Trimestrais

Informações Trimestrais - ITR Concessionária Auto Raposo Tavares S.A. 31 de março de 2012 com Relatório sobre a Revisão de Informações Trimestrais Informações Trimestrais - ITR Concessionária Auto Raposo Tavares S.A. com Relatório sobre a Revisão de Informações Trimestrais Informações Trimestrais - ITR Índice Relatório sobre a revisão de informações

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Informações Trimestrais Fertilizantes Heringer S.A.

Informações Trimestrais Fertilizantes Heringer S.A. Informações Trimestrais Fertilizantes Heringer S.A. 30 de junho de 2012 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 30 de junho de 2012 Índice Relatório sobre a revisão de informações trimestrais... 1 Informações contábeis

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010.

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. À Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Membros do Ministério Público de São Paulo PROMOCRED. Diretoria-Executiva São Paulo SP Assunto: Auditoria

Leia mais

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo com Relatório dos Auditores Independentes - Central Sicredi PR/SP Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A.

Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Ascenty Data Centers Locação e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. ÍNDICE 1. Relatório dos Auditores Independentes 03

Leia mais

Demonstrações Financeiras - Videolar S.A.

Demonstrações Financeiras - Videolar S.A. Demonstrações Financeiras - Videolar S.A. 31 de dezembro de 2008 e 2007 Índice Parecer dos auditores independentes... I Demonstrações financeiras auditadas Balanços patrimoniais... II Demonstrações do

Leia mais

RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO. Exercício de 2009. Exercício de 2010

RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO. Exercício de 2009. Exercício de 2010 1 - Mensagem da Administração Senhores Acionistas, A administração da Concessão Metroviária do Rio de Janeiro tem o prazer de encaminhar para apreciação de V.Sas. o Relatório de Administração e as Demonstrações

Leia mais

Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. 31 de março de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. 31 de março de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Docelar Alimentos e Bebidas S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demosntrações Financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Balanços patrimoniais...

Leia mais

Companhia Hispano- Brasileira de Pelotização - HISPANOBRAS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013

Companhia Hispano- Brasileira de Pelotização - HISPANOBRAS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 Companhia Hispano- Brasileira de Pelotização - HISPANOBRAS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010 ABCD Gonçalves & Tortola S.A. Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações Financeiras com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM - OS Balanços Patrimoniais Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em Reais) Ativo Nota Passivo e patrimônio líquido Nota Circulante Circulante Caixa

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais